O que torna um executivo eficaz

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que torna um executivo eficaz"

Transcrição

1 O que torna um executivo eficaz Peter F. Drucker Junho 2004 Reprint r0406c p

2 O que torna um executivo eficaz Peter F. Drucker 2 Copyright 2004 Harvard Business School Publishing Corporation. All rights reserved. Todos os direitos reservados.

3 Um grande executivo pode ser carismático ou enfadonho, generoso ou mão fechada, visionário ou fissurado em números. Mas todo executivo eficaz segue oito práticas simples. JASON HOLLEY Um executivo eficaz não precisa ser um líder não no sentido em que o termo é comumente empregado hoje em dia. Harry Truman, por exemplo, não tinha um grama de carisma e mesmo assim foi um dos presidentes mais eficazes da história americana. Assim como ele, alguns dos melhores executivos com quem trabalhei em 65 anos de carreira de organizações com e sem fins lucrativos não se encaixavam no estereótipo do líder. Eram variadíssimos no que tange a personalidade, atitude, valores, pontos fortes, pontos fracos havia do extrovertido ao semi-recluso, do despreocupado ao controlador, do generoso ao parcimonioso. E eram eficazes porque seguiam, todos, as oito seguintes práticas: Perguntavam O que precisa ser feito? Perguntavam O que é bom para a empresa? Criavam planos de ação. Assumiam a responsabilidade pelas decisões. Assumiam a responsabilidade pela comunicação. Focavam oportunidades em vez de problemas. Faziam reuniões produtivas. Pensavam e diziam nós em vez de eu. Com as duas primeiras práticas, adquiriam o conhecimento de que precisavam. As quatro seguintes ajudavam a transformar tal conhecimento em ações efetivas. As duas últimas garantiam que a organização inteira se sentisse responsável e imputável pelos resultados. Adquira o conhecimento necessário A primeira prática é perguntar o que precisa ser feito. Veja bem, a questão não é O que eu quero fazer? Indagar o que precisa ser feito, e levar a sério a questão, é crucial para o sucesso na gestão. Mesmo o mais capaz dos executivos não será eficaz se deixar de lançar tal questão. Ao tornar-se presidente dos Estados Unidos, em 1945, Truman sabia exatamente o que queria: concluir as reformas econômicas e sociais do New Deal de Roosevelt, postergadas pela 2 a Guerra Mundial. Bastou indagar o que precisava ser feito, contudo, para que percebesse que o plano das relações externas era prioridade absoluta. Truman organizava seu dia de forma a começar com uma orientação sobre política externa. Seus tutores eram os secretários de estado e defesa. Com isso, ele tornou-se o presidente mais eficaz nas relações externas de toda a história do país. Conteve o comunismo na Europa e na Ásia e, com o Plano Marshall, inaugurou 50 anos de crescimento econômico. Na mesma veia, Jack Welch notou que o que precisava ser feito na General Electric quando assumiu a presidência não era a expansão internacional que ele queria iniciar. Era se desfazer de negócios que, por mais rentáveis que fossem, não chegariam à posição um ou dois do ranking de seu setor. A resposta à questão O que precisa ser feito? quase sempre traz mais de uma tarefa urgente. Só que o executivo eficaz não se desdobra em mil. Se possível, põe toda a concentração numa única tarefa. Se pertence à turma daqueles que funcionam melhor com uma mudança de ritmo ao longo do dia uma minoria considerável, escolhe duas tarefas. Até hoje não vi um executivo lidar com mais de duas tarefas por vez e continuar eficaz. Logo, depois de indagar o que precisa ser feito, o executivo eficaz define prioridades e se atém a elas. Para um presidente, essa prioridade talvez seja redefinir a missão da empresa. Para o diretor de uma divisão, talvez seja redefinir a relação da divisão com a matriz. Outras tarefas, por junho

4 O que torna um executivo eficaz mais importantes ou atraentes que sejam, são adiadas. Concluída a grande prioridade original, o executivo volta a estabelecer o que é prioritário, em vez de pular para o segundo item da lista inicial. O que precisa ser feito agora?, é sua pergunta. Em geral, isso resulta em novas prioridades. Para citar novamente o mais notório executivo americano, diz a autobiografia de Jack Welch que a cada cinco anos ele se perguntava: O que precisa ser feito agora? E, a cada ocasião, a resposta era uma prioridade nova, distinta. Mas Welch também ponderava outra questão antes de decidir onde concentrar sua energia nos cinco anos seguintes. Welch se perguntava qual das duas ou três tarefas no topo da lista ele estava mais preparado para assumir. Dada a resposta, se concentrava nela. As demais, delegava. Um executivo eficaz tenta se ater à tarefa que realizará particularmente bem. Sabe que a empresa se sai bem se a alta gerência se sai bem e que se sai mal se a cúpula se sai mal. A segunda prática do executivo eficaz e tão importante quanto a primeira é perguntar: Isso é bom para a empresa? Esse executivo não quer saber se é bom para os donos, para a cotação das ações, para o pessoal ou para a cúpula. É claro que sabe que acionistas, funcionários e executivos são atores importantes que precisam apoiar uma decisão ou pelo menos aceitá-la para que uma escolha seja eficaz. Sabe que a cotação é importante não só para acionistas mas para a própria empresa, já que a relação preço/lucro determina o custo do capital. Mas também sabe que uma decisão que não seja boa para a empresa não será, em última instância, boa para nenhuma das partes nela interessadas. Essa segunda prática é particularmente importante para executivos de empresas de controle ou administração familiar a maioria das empresas em qualquer país, sobretudo em decisões que mexam com pessoal. Numa empresa familiar de sucesso, um parente só é promovido se for mensuravelmente superior a todos os que ocupam o mesmo nível e não são membros da família. Na DuPont, por exemplo, todos os altos executivos (à exceção do tesoureiro e do advogado) nos primórdios da empresa, quando esta era tocada pela família, pertenciam ao clã. Todo homem que descendia dos fundadores tinha garantida uma vaga de nível inicial na empresa. Depois disso, um membro da família só recebia uma promoção se um painel composto sobretudo de gestores sem elo com o clã julgasse o indivíduo superior em capacidade e desempenho a todos os outros funcionários no mesmo nível. Essa mesma regra foi observada por um século numa empresa Indagar o que precisa ser feito, e levar a sério a questão, é crucial para o sucesso na gestão. britânica de alto sucesso, a J. Lyons & Company (hoje parte de um grande conglomerado), quando dominava o setor de serviços alimentícios e de hotelaria do país. Perguntar O que é bom para a empresa? não garante que a decisão certa seja tomada. Até o mais brilhante dos executivos é humano e, logo, sujeito a erros e a preconceitos. Já deixar de colocar a questão é praticamente uma garantia de que a decisão errada será tomada. Crie um plano de ação Um executivo é alguém que faz, que executa. Para ele, o conhecimento é inútil até que tenha sido traduzido em atos. Só que antes de partir para a ação o executivo precisa traçar seu curso. Precisa pensar sobre resultados desejados, limitações prováveis, futuras modificações, pontos de avaliação e implicações sobre o modo como seu tempo será gasto. A primeira coisa a fazer é determinar os resultados desejados. Para tanto, o executivo se pergunta: Que contribuição a empresa deve esperar de mim nos próximos 18 a 24 meses? Com que resultados vou me comprometer? Com que prazos? Em seguida, pondera os limites à ação: Esse curso de ação é ético? É aceitável na organização? É legal? É compatível com a missão, os valores e as políticas da organização? Uma resposta afirmativa não garante que a ação será eficaz. Já se violar tais limites a ação certamente será inadequada e ineficaz. O plano de ação é uma declaração de intenção, e não um compromisso. Não deve virar uma camisa-de-força. Deve ser reavaliado com freqüência, pois todo sucesso abre novas oportunidades. Todo sucesso e todo fracasso. O mesmo vale para mudanças no ambiente de negócios, no mercado e, especialmente, no capital humano da empresa. Todas essas mudanças exigem a revisão do plano. Um plano no papel precisa prever a necessidade de flexibilidade. Além disso, o plano de ação precisa contar com um sistema para comparação dos resultados com as expectativas. O plano de ação de um executivo eficaz em geral prevê duas checagens. A primeira é feita na metade do período de duração do plano aos nove meses, por exemplo. A segunda ocorre no final, antes de formulado o plano de ação seguinte. Por fim, o plano de ação precisa servir de base para a Peter F. Drucker é titular da cátedra Marie Rankin Clarke Professor of Social Science and Management na Peter F. Drucker and Masatoshi Ito Graduate School of Management, da Claremont Graduate University, em Claremont, Califórnia. Drucker já publicou mais de 20 artigos na HBR. 4 harvard business review

5 O que torna um executivo eficaz gestão do tempo que é o recurso mais escasso e mais valioso de um executivo. Numa organização seja ela um braço do poder público, uma empresa ou uma entidade sem fins lucrativos, a perda de tempo é inerente. Um plano de ação será inútil se não puder determinar de que forma o executivo usa seu tempo. Napoleão teria dito que ninguém jamais saiu vitorioso de uma batalha seguindo um plano. Mas, esse mesmo Napoleão planejou cada batalha que travou, muito mais meticulosamente do que qualquer general antes dele. Sem um plano de ação, o executivo se torna prisioneiro dos fatos. E, sem um mecanismo para a reavaliação do plano à medida que os fatos se desenrolam, não há como o executivo saber que fatos têm realmente importância e que fatos são mero ruído. Aja Ao colocar um plano em ação, um executivo precisa dar atenção especial à tomada de decisões, à comunicação, a oportunidades (em oposição a problemas) e a reuniões. Tratarei de cada ponto desses isoladamente. Assuma a responsabilidade pelas decisões. Uma decisão não foi tomada até que as pessoas saibam: o nome da pessoa responsável por sua execução; o prazo; o nome daqueles que serão atingidos pela decisão e que, portanto, precisam tomar conhecimento dela, en-tendêla e aprová-la ou, no mínimo, se opor total-mente a ela ; e o nome daqueles que terão de ser informados da decisão, ainda que não sejam diretamente atingidos por ela. Numa organização, um número extraordinário de decisões enfrenta problemas porque nada disso foi feito. Tive um cliente 30 anos atrás que perdeu a liderança no mercado japonês, que crescia a um ritmo acelerado. É que sua empresa, tendo decidido formar uma joint venture com um novo sócio japonês, nunca esclareceu quem deveria informar aos agentes de compras que o sócio tinha suas especificações em metros e quilos, e não em pés e libras e ninguém nunca comunicou tal fato. Reavaliar as decisões periodicamente num momento estabelecido de antemão é tão importante quanto pensar bem antes de tomar uma decisão. Assim, uma decisão equivocada pode ser corrigida antes que cause estragos. Essa reavaliação pode cobrir desde os resultados às premissas subjacentes à decisão. Um reexame é particularmente importante para a É um dever do executivo para com a organização e os colegas de trabalho não tolerar gente de desempenho insatisfatório em cargos importantes. mais crucial e mais difícil das decisões, aquela que envolve uma contratação ou promoção. Estudos sobre decisões ligadas a pessoal revelam que apenas um terço delas se provou acertada. Outro terço tende a ser neutro: nem acertado nem totalmente errado. E o terço final é errado, pura e simplesmente. Ciente disso, o executivo eficaz examina (seis a nove meses depois) os resultados de suas decisões ligadas a gente. Se achar que uma decisão não teve o resultado desejado, não conclui que a pessoa teve um fraco desempenho. Antes, conclui que o erro foi dele, o líder. Numa empresa bem administrada, é sabido que se uma pessoa dá errado num novo posto, sobretudo após uma promoção, a culpa talvez não seja dela. Outro dever do executivo para com a organização e os colegas de trabalho é não tolerar gente de desempenho insatisfatório em cargos importantes. Ainda que o baixo rendimento não seja culpa da pessoa, é preciso substituí-la. Quem frustrou as expectativas num novo cargo deve ter a opção de voltar a um posto no nível anterior, com o salário anterior. É uma opção raramente exercida. Via de regra, uma pessoa nessas circunstâncias acaba pedindo demissão, pelo menos se trabalha para uma empresa americana. Mas só o fato de existir tal opção pode ter o poderoso efeito de encorajar as pessoas a deixar um cargo seguro e confortável para assumir um novo, arriscado. O desempenho da organização depende da disposição de seus funcionários de encarar tais riscos. Uma reavaliação sistemática das decisões pode ser, ainda, um ótimo instrumento para o autodesenvolvimento. Comparar os resultados de uma decisão com as expectativas mostra ao executivo quais seus pontos fortes, áreas que precisam de reforço e o conhecimento ou a informação que lhe faltam. Mostra também seus vieses. Com freqüência, mostra que a decisão não deu resultado porque o trabalho não foi passado à pessoa certa. Colocar os melhores talentos na posição certa é uma tarefa difícil e crucial que muitos executivos ignoram, em parte porque os melhores talentos já estão atarefados demais. Uma reavaliação sistemática também mostra ao executivo seus pontos fracos, sobretudo áreas que ele simplesmente não domina. Nelas, o executivo eficaz simplesmente não toma decisões ou medidas. Encarrega alguém disso. Todo mundo tem uma área dessas. Nenhum executivo é genial em tudo. A maioria das discussões sobre a tomada de decisões pressupõe que apenas altos executivos tomam decisões ou que apenas as decisões desses executivos pesam. É um erro, e perigoso. Em todos os níveis da organização junho

6 O que torna um executivo eficaz são tomadas decisões. O profissional individual toma decisões, o supervisor da linha de frente também. Tais decisões, aparentemente de nível inferior, são extremamente importantes numa organização fundada no conhecimento. O trabalhador do conhecimento supostamente sabe mais sobre sua área de especialização contabilidade tributária, por exemplo do que qualquer outro, de modo que sua decisão tende a ter impacto por toda a empresa. Tomar boas decisões é crucial em todo nível. É algo que precisa ser ensinado expressamente a todos numa organização fundamentada no conhecimento. Assuma a responsabilidade pela comunicação. Um executivo eficaz se certifica de que todos entendam tanto seus planos de ação quanto a informação de que necessita. Isso quer dizer que o executivo comparte os planos com os colegas e pede o comentário de todos superiores, subordinados, pares. Ao mesmo tempo, comunica que informação cada um vai precisar para fazer sua parte. Em geral, o fluxo de informações do subordinado para o chefe é o que recebe a maior atenção. Só que o executivo precisa dar igual atenção à necessidade de informação de seus pares e superiores. Graças ao clássico de 1938 As Funções do Executivo, de Chester Barnard, sabemos todos que a argamassa de uma organização é a informação, e não a posse ou o comando. Apesar disso, um número excessivo de executivos age como se a informação e seu fluxo fossem da alçada do especialista em dada informação o contador, por exemplo. O resultado é que recebe um vasto volume de dados de que não necessita e que não pode usar, mas pouca informação que realmente serve. A melhor solução para esse problema é que o executivo identifique a informação de que precisa, peça tal informação e insista até obtê-la. Foque as oportunidades. Um bom executivo se concentra em oportunidades e não em problemas. É claro que é preciso lidar com problemas; varrê-los para baixo do tapete não é a saída. Só que a solução de problemas, por mais necessária que seja, não gera resultados. O que faz é prevenir danos. Explorar oportunidades produz resultados. Acima de tudo, o executivo eficaz trata a mudança como uma oportunidade, não uma ameaça. Faz uma avaliação sistemática de alterações dentro e fora da organização e se pergunta: Como explorar essa mudança como uma oportunidade para a empresa? Mais especificamente, o executivo confere se há oportunidades nas sete situações a seguir: um sucesso ou fracasso inesperado na própria empresa, O executivo eficaz simplesmente não toma decisões ou medidas em áreas que não domina. Encarrega alguém disso. Todo mundo tem uma área dessas. numa rival ou no setor; o vão entre a realidade e a possibilidade num mercado, processo, produto ou serviço (no século 19, por exemplo, a indústria do papel se concentrava nos 10% da árvore que eram transformados em celulose e negligenciava totalmente as possibilidades nos 90% restantes, que viravam lixo); inovação num processo, produto ou serviço dentro ou fora da empresa, ou em seu setor; mudanças na estrutura do setor e do mercado; situação demográfica; mudanças em mentalidade, valores, percepção, humor ou significado; e conhecimento ou tecnologia novos. O executivo eficaz também se certifica de que os problemas não façam sombra a oportunidades. Na maioria das empresas, a primeira página do relatório mensal da diretoria traz uma lista dos principais problemas. É muito mais sensato listar as oportunidades na primeira página e deixar os problemas para a segunda. Exceto se houver uma verdadeira catástrofe, não se discute problemas numa reunião da cúpula até que as oportunidades tenham sido analisadas e tratadas a contento. A distribuição do pessoal é outro aspecto importante do foco em oportunidades. O executivo eficaz destaca seus melhores talentos para oportunidades, não para problemas. Um jeito de fazer essa alocação de olho em oportunidades é pedir a cada membro da cúpula executiva que prepare duas listas a cada seis meses: uma de oportunidades para toda a empresa, outra do pessoal de melhor desempenho da casa. Depois de discutidas, essas listas são sintetizadas e os maiores talentos são ligados às melhores oportunidades. Aliás, no Japão essa tarefa é considerada uma das grandes responsabilidades do departamento de recursos humanos nas iniciativas pública e privada e tal prática é um dos grandes pontos fortes das empresas japonesas. Torne produtivas as reuniões. O executivo não-governamental de maior visibilidade, poder e até eficácia nos EUA durante a 2 a Guerra Mundial e nos anos que a sucederam não foi um empresário. Foi o cardeal Francis Spellman, arcebisbo na arquidiocese de Nova York e conselheiro de vários presidentes americanos. Quando Spellman assumiu, a diocese estava falida, totalmente desmoralizada. Seu chefe herdava a posição de liderança da Igreja Católica Americana. Spellman costumava dizer que tinha apenas dois momentos durante o dia nos quais ficava sozinho, cada qual de 25 minutos. Um deles era na capela particular, quando rezava a missa ao se levantar. 6 harvard business review

7 O que torna um executivo eficaz O outro era à noite, ao orar antes de dormir. Fora isso, estava sempre com gente em reuniões; seu dia começava com um café da manhã com uma organização católica e terminava com um jantar com outra. Um alto executivo não chega a ser tão disputado quando o arcebisbo de uma importante diocese católica. Mas todo estudo sobre sua agenda constatou que até profissionais e o executivo menos graduado estão acompanhados ou seja, em alguma espécie de reunião mais de metade de seu dia. A única exceção é um grupinho de altos pesquisadores. Até mesmo uma conversa com um único interlocutor é uma reunião. Logo, para ser eficaz, o executivo precisa tornar esses encontros produtivos. Precisa garantir que toda reunião seja uma sessão de trabalho, e não só uma troca de idéias. O segredo de uma reunião eficaz é decidir de antemão que tipo de reunião ela será. Cada tipo de reunião exige uma forma distinta de preparo e produz diferentes resultados: Reunião para elaborar declaração, informe ou comunicado de imprensa. Para que seja produtiva, um participante deve preparar de antemão um rascunho. Ao final da reunião, alguém selecionado anteriormente precisa assumir a responsabilidade pela divulgação do texto final. Reunião para fazer um comunicado uma mudança organizacional, por exemplo. Essa reunião deve se limitar ao comunicado e à discussão dele. Reunião em que um participante faz um relatório. Somente o relatório deve ser discutido. Reunião em que vários participantes fazem relatórios. Ou não deve haver discussão ou esta deve se limitar a perguntas para esclarecimento. Uma alternativa é permitir uma breve discussão de cada relatório na qual todos os participantes possam fazer perguntas. Se for esse o formato, os relatórios devem ser distribuídos a todos os participantes bem antes do encontro. Nesse tipo de reunião, toda apresentação deve ser restrita a um prazo estipulado por exemplo, 15 minutos. Reunião para informar um executivo convocado. O executivo deve ouvir e fazer perguntas. Deve expor suas conclusões mas não fazer uma apresentação. Reunião cuja única função é colocar os participantes na presença do executivo. As reuniões do cardeal Spellman no café da manhã e no jantar se enquadravam aqui. Não há como tornar esses encontros produtivos. São os ossos do ofício. A eficácia de um alto executivo está em evitar que esse tipo de reunião tome conta de sua agenda. Spellman, por exemplo, era em grande medida eficaz porque confinava essas reuniões ao começo e ao fim do dia, deixando o resto da agenda livre delas. Tornar uma reunião produtiva requer uma boa dose de autodisciplina. É preciso que o executivo determine que tipo de reunião é adequada e não fuja a esse formato. É preciso ainda que encerre a reunião assim que seu propósito específico tiver sido atingido. Um bom executivo não coloca outro assunto na mesa para discussão: apresenta suas conclusões e dá a reunião por encerrada. O que vem em seguida à reunião é tão importante quanto o encontro em si. O grande mestre desse acompanhamento foi Alfred Sloan, o dirigente empresarial mais eficaz que conheci. Sloan, que comandou a General Motors da década de 1920 até a de 1950, passava a maior parte dos seis dias de sua semana de trabalho em reuniões: três dias por semana em reuniões formais de comitê com um grupo fixo e os outros três em reuniões com um ou outro executivo da GM ou pequenos grupos deles. No início de cada reunião formal, Sloan anunciava o objetivo do encontro. Depois, ouvia. Nunca tomou notas e raramente falava, exceto para dissipar alguma confusão. No final, dava sua conclusão, agradecia os presentes e saía. Imediatamente, ia redigir um curto memorando endereçado a um participante da reunião. Nele, sintetizava a discussão e suas conclusões e frisava qualquer tarefa decidida durante o encontro (incluindo a decisão de realizar outra reunião sobre o tema ou estudar uma questão). Indicava os prazos e o executivo responsável pela tarefa e pelos prazos. Enviava uma cópia do memorando a todos os que haviam participado da reunião. Foi com esses memorandos cada um deles uma obraprima que Sloan se converteu num executivo de uma incrível eficácia. Um executivo eficaz sabe que toda reunião pode ser ou produtiva ou uma total perda de tempo. Pense e diga nós O último exercício é o seguinte: não pensar nem em dizer eu, mas sim nós. O executivo eficaz sabe que a responsabilidade é sua em última instância, e que não dá para partilhá-la nem delegá-la. Mas ele só tem autoridade porque conta com a confiança da organização. Isso significa que pensa nas necessidades e nas oportunidades da organização antes de pensar nas próprias necessidades e nas próprias oportunidades. Pode soar simples. Não é, mas precisa ser seguido à risca. Acabamos de analisar as oito práticas do executivo eficaz. De lambuja, faço uma recomendação final. É algo tão importante que será elevado à condição de regra: ouça primeiro, fale por último. É imensa a variação de personalidades, pontos fortes e fracos, valores e crenças entre um e outro executivo eficaz. O que todos têm em comum é a capacidade de fazer acontecer. Alguns nascem eficazes. Mas a demanda é grande demais para ser satisfeita por talentos extraordinários. A eficácia é uma disciplina. E, como toda disciplina, pode ser aprendida e deve ser conquistada. Reprint r0406c p Para pedidos, veja página 106. junho

8 Assine no endereço ou envie este cupom por fax INSIRA AQUI SEU CÓDIGO DE PROMOÇÃO OU O CANAL QUE LHE DIRECIONOU ATÉ AQUI NOME EMPRESA DATA DE NASC.: / / CARGO ENDEREÇO COMPLEMENTO CEP TELEFONE RAZÃO SOCIAL COMPLETA ENDEREÇO DA FATURA CIDADE OPÇÃO DE RECEBIMENTO ENDEREÇO COMERCIAL ENDEREÇO RESIDENCIAL ESTADO CPF/CNPJ MINHA OPÇÃO DE PAGAMENTO É: Amex Diners MasterCard Visa Boleto bancário (Somente à vista) N O CARTÃO VALIDADE 1 ano (12 exemplares) 2 anos (24 exemplares) 1 pagamento de R$ 297,00 3 x sem juros de R$ 99,00 (Somente no cartão) 1 pagamento de R$ 537,00 3 x sem juros de R$ 179,00 (Somente no cartão) ASSINATURA

AUTORAS ROSANGELA SOUZA

AUTORAS ROSANGELA SOUZA AUTORAS ROSANGELA SOUZA Especialista em Gestão Empresarial com MBA pela FGV e Professora de Estratégia na Pós-Graduação da FGV. Desenvolveu projetos acadêmicos sobre segmento de idiomas, planejamento estratégico

Leia mais

Como entendemos a Gestão por Processos?

Como entendemos a Gestão por Processos? RIO DE JANEIRO SÃO PAULO BRASÍLIA BELO HORIZONTE Como entendemos a Gestão por Processos? Mobilizando pessoas para promover melhorias e inovações a partir de processos André Macieira & Leandro Jesus Alguns

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Princípios de Liderança

Princípios de Liderança Princípios de Liderança LIDERANÇA E COACH www.liderancaecoach.com.br / liderancaecoach ÍNDICE Liderança Chefe x Líder O que um líder não deve fazer Dicas para ser um líder de sucesso Para liderar uma equipe

Leia mais

SUMÁRIO. por: tayara Correa nunes

SUMÁRIO. por: tayara Correa nunes SUMÁRIO 1. INtRODUÇÃO 2. HISTÓRIA DO CARTÃO 3. CARÁCTERISTICAS DO CARTÃO 4. COMO USAR - passo a passo 5. BENEFÍCIOS E VANTAGENS 6. POR QUE USAR O CARTÃO E NÃO O DINHEIRO Utilização do E-BOOK OBS.. O autor

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

Como conversar com possíveis iniciadas

Como conversar com possíveis iniciadas Como conversar com possíveis iniciadas Convidar outras mulheres a tornarem-se consultoras é uma atividade chave para quem quer tornar-se diretora. Aprenda como fazer a entrevista de iniciação, ou seja:

Leia mais

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão

SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão SOBRE GESTÃO * A Definição de Gestão Chegar a acordo sobre definições de qualquer tipo pode ser uma tarefa de pôr os cabelos em pé, e um desperdício de tempo. Normalmente requer compromissos por parte

Leia mais

A ordem é não mudar. Concorrência destrutiva

A ordem é não mudar. Concorrência destrutiva A ordem é não mudar Michael Porter, o grande especialista em estratégia da Harvard Business School, considerado por muitos "o pai da estratégia", fez uma palestra para o público da Wharton School sobre

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais

Experiência Gestão do conhecimento e alocação de recursos humanos no setor público. A experiência do Banco Central do Brasil.

Experiência Gestão do conhecimento e alocação de recursos humanos no setor público. A experiência do Banco Central do Brasil. Experiência Gestão do conhecimento e alocação de recursos humanos no setor público. A experiência do Banco Central do Brasil. Responsável/Equipe: Gercy Brasil Cardoso Lima (Responsável) - gercy@bcb.gov.br

Leia mais

A Paralisia Decisória.

A Paralisia Decisória. A Paralisia Decisória. Começo este artigo com uma abordagem um pouco irônica, vinda de uma amiga minha, que, inconformada como a humanidade vêm se portando perante a fé em algo superior, soltou a máxima

Leia mais

Stage-Gate Uma ferramenta flexível para a otimização do portfólio de projetos

Stage-Gate Uma ferramenta flexível para a otimização do portfólio de projetos Uma ferramenta flexível para a otimização do portfólio de projetos Sumário Executivo... 2 Problema: Quando um projeto não deve ser executado... 32 Base conceitual: Processo estruturado de alocação de recursos...

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

Serasa Experian e Educação Financeira

Serasa Experian e Educação Financeira Família e Dinheiro FAMÍLIA E DINHEIRO Serasa Experian e Educação Financeira O Programa Serasa Experian de Educação Financeira Sonhos Reais é uma iniciativa que alia o conhecimento em crédito da empresa

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES QUESTÕES 01) A Administração recebeu influência da Filosofia e diversos filósofos gregos contribuíram para a Teoria da Administração. A forma democrática de administrar os negócios públicos é discutida

Leia mais

PROGRAMA DE MENTOR DO LIONS

PROGRAMA DE MENTOR DO LIONS PROGRAMA DE MENTOR DO LIONS Guia Básico de Mentoreamento ÍNDICE Introdução Para o mentoreado 3 Para o mentor 4 Programa de Mentor do Lions Programa Básico de Mentor 5 Programa Avançado de Mentor 5 Sobre

Leia mais

GUIA COMO ENCONTRAR UM MENTOR DE NEGÓCIOS

GUIA COMO ENCONTRAR UM MENTOR DE NEGÓCIOS GUIA COMO ENCONTRAR UM MENTOR DE NEGÓCIOS Se você já entendeu que ter mentor é uma estratégia poderosa para acelerar seu negócio, saiba agora como encontrar o seu. Sobre Andrea Jackson Andrea é administradora

Leia mais

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL Prof. Roberto Almeida Esta estratégia compreende o comportamento global e integrado da empresa em relação ao ambiente que a circunda. Para Aquino:Os recursos humanos das

Leia mais

Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social

Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social instituto fonte... Buscamos compreender como ocorrem os processos de desenvolvimento humano, organizacional e social e a arte de neles intervir. Buscamos potencializar a atuação de iniciativas sociais,

Leia mais

Avaliação do clima na escola

Avaliação do clima na escola Avaliação do clima na escola INSTRUÇÕES INICIAIS PARA O GESTOR: Avise que a pesquisa para avaliar o clima da escola é anônima. Não será preciso colocar nome, apenas identificar a qual segmento da comunidade

Leia mais

Fórum Empresarial ACAPS - ES Gestão Com Pessoas: mobilizando o comprometimento Prof. Eustáquio Penido 2014

Fórum Empresarial ACAPS - ES Gestão Com Pessoas: mobilizando o comprometimento Prof. Eustáquio Penido 2014 Fórum Empresarial ACAPS - ES Gestão Com Pessoas: mobilizando o comprometimento Prof. Eustáquio Penido 2014 Gente não nasce pronta e vai se gastando; gente nasce não-pronta e vai se fazendo (CORTELLA) DESENVOLVIMENTO

Leia mais

DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS

DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS Uma empresa sem vendas simplesmente não existe, e se você quer ter sucesso com uma loja você deve obrigatoriamente focar nas vendas. Pensando nisso começo este material com

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

COMO CONTRATAR OS MELHORES REPRESENTANTES DE ATENDIMENTO AO CLIENTE

COMO CONTRATAR OS MELHORES REPRESENTANTES DE ATENDIMENTO AO CLIENTE COMO CONTRATAR OS MELHORES REPRESENTANTES DE ATENDIMENTO AO CLIENTE Por que se importar 3 O melhor representante de atendimento 4 SUMÁRIO Escrevendo um anúncio de vaga de emprego Carta de apresentação

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Introdução Planejamento Divulgando sua loja Como fechar as vendas Nota Fiscal

Leia mais

Oito passos para uma carreira extraordinária

Oito passos para uma carreira extraordinária Oito passos para uma carreira extraordinária Procurar tornar-se apto para o mercado de trabalho sem saber qual o objetivo desejado é a melhor forma de conseguir bons empregos e uma eterna infelicidade.

Leia mais

Influenciando Tomadores de Decisão Efetivamente: Como Garantir que o seu Conhecimento Faça Diferença

Influenciando Tomadores de Decisão Efetivamente: Como Garantir que o seu Conhecimento Faça Diferença Influenciando Tomadores de Decisão Efetivamente: Como Garantir que o seu Conhecimento Faça Diferença Marshall Goldsmith A maioria das pessoas tende a focar para baixo. Elas se preocupam com os esforços

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

GOVERNABILIDADE ORGANIZACIONAL. resto da organização. No topo do tronco, onde os galhos começam a crescer, está o diretor geral.

GOVERNABILIDADE ORGANIZACIONAL. resto da organização. No topo do tronco, onde os galhos começam a crescer, está o diretor geral. Seção Trabalhando com o resto Para que uma organização funcione bem, ela precisa ter uma hierarquia. A hierarquia mostra as linhas de responsabilidade e prestação de contas entre as pessoas, de maneira

Leia mais

CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management

CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management CRA-SP Centro do Conhecimento O Administrador Premium e Soluções Lucrativas Exigem Falling Walls in Management Profº Walter Lerner lernerwl@terra.com.br Filme 7 CONTEXTUALIZAÇÃO da ADM e do Administrador

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

É A QUALIDADE DA EQUIPE DE LIDERANÇA QUE FAZ A DIFERENÇA

É A QUALIDADE DA EQUIPE DE LIDERANÇA QUE FAZ A DIFERENÇA É A QUALIDADE DA EQUIPE DE LIDERANÇA QUE FAZ A DIFERENÇA Maria Beatriz de Carvalho Melo Lobo Instituições universitárias, todas elas, são empresas, com missões distintas e oriundas da concessão de um serviço

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

Gestão de iniciativas sociais

Gestão de iniciativas sociais Gestão de iniciativas sociais Leia o texto a seguir e entenda o conceito do Trevo e as suas relações com a gestão organizacional. Caso queira ir direto para os textos, clique aqui. http://www.promenino.org.br/ferramentas/trevo/tabid/115/default.aspx

Leia mais

31 descobertas sobre liderança

31 descobertas sobre liderança ALTA GERÊNCIA 31 descobertas sobre liderança Estudo Leadership Forecast 2005-2006, realizado pela firma de consultoria Development Dimensions International (DDI), buscou analisar como são percebidas em

Leia mais

% Das estratégias fracassam por ineficácia em sua execução. Raramente fracassam por falta de inteligência ou visão. DEFININDO A DIREÇÃO CAPITULO:1 NÃO É A ESTRATÉGIA UM FUTURO QUE MAL CONSEGUEM VISLUMBRAR

Leia mais

Diretrizes para os Estudos de Caso

Diretrizes para os Estudos de Caso Diretrizes para os Estudos de Caso Observação: Esta seção apresenta 5 estudos de caso de questões de saúde reprodutiva com o intuito de estimular discussões sobre o material apresentado no currículo. Além

Leia mais

100 Dicas do Presidente do RI Sakuji Tanaka para Fortalecer os Rotary Clubs

100 Dicas do Presidente do RI Sakuji Tanaka para Fortalecer os Rotary Clubs 100 Dicas do Presidente do RI Sakuji Tanaka para Fortalecer os Rotary Clubs 1. Fazer mais atividades humanitárias com maior enfoque. 2. Ajustar o número de comissões ao tamanho do clube. 3. Fazer com que

Leia mais

O início. Como realizar uma avaliação com sucesso. ...passo a passo. Todo bom desempenho começa com objetivos claros Ken Blanchard

O início. Como realizar uma avaliação com sucesso. ...passo a passo. Todo bom desempenho começa com objetivos claros Ken Blanchard Fábio Vieira fabio@menvie.com.br http://br.linkedin.com/in/fabiovieiramenvie Como realizar uma avaliação com sucesso....passo a passo. Todo bom desempenho começa com objetivos claros Ken Blanchard O início

Leia mais

20.03.2007. O Planejamento Empresarial

20.03.2007. O Planejamento Empresarial 20.03.2007 02 O Planejamento Empresarial Planejamento empresarial talvez seja um dos temas mais instigantes e sedutores, basicamente porque é tema didático, ensina-nos a agir na cena empresarial e talvez

Leia mais

ANEXO 1 INSTRUÇÕES ÀS FIRMAS PARA EXECUÇÃO DA REVISÃO EXTERNA PELOS PARES. Introdução.27. Independência e Conflito de Interesses.

ANEXO 1 INSTRUÇÕES ÀS FIRMAS PARA EXECUÇÃO DA REVISÃO EXTERNA PELOS PARES. Introdução.27. Independência e Conflito de Interesses. ANEXO 1 INSTRUÇÕES ÀS FIRMAS PARA EXECUÇÃO DA REVISÃO EXTERNA PELOS PARES ÍNDICE Seção Parágrafo II Instrução às Equipes Revisoras Introdução.27 Independência e Conflito de Interesses.29 Organização da

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende

Como transformar a sua empresa numa organização que aprende Como transformar a sua empresa numa organização que aprende É muito interessante quando se fala hoje com profissionais de Recursos Humanos sobre organizações que aprendem. Todos querem trabalhar em organizações

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte

GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA. Profª. Danielle Valente Duarte GESTÃO EMPRESARIAL INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE GESTÃO ESTRATÉGICA E DE ESTRATÉGIA Profª. Danielle Valente Duarte 2014 Os Estudos e a Prática da Gestão Estratégica e do Planejamento surgiram no final da década

Leia mais

PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION. 4 de dezembro de 2014

PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION. 4 de dezembro de 2014 PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA AGCO CORPORATION 4 de dezembro de 2014 I. Finalidade Estes Princípios de Governança Corporativa, adotados pelo Conselho Diretor da Empresa, juntamente com os estatutos

Leia mais

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências.

Competitividade e Resultados: conseqüência do alinhamento de estratégia, cultura e competências. 1 Programa Liderar O Grupo Solvi é um conglomerado de 30 empresas que atua nas áreas de saneamento, valorização energética e resíduos. Como alicerce primordial de seu crescimento encontrase o desenvolvimento

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

inovadoras recrutamento

inovadoras recrutamento Avaliações inovadoras para recrutamento em grande volume Encontre agulhas no palheiro Nos processos de recrutamento em grande volume, você pode perder as pessoas certas por haver tantos candidatos menos

Leia mais

Apagando Incêndios em Organizações. Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão

Apagando Incêndios em Organizações. Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Apagando Incêndios em Organizações Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Dezembro de 2005 A síndrome de apagar incêndios é um dos problemas mais sérios e frequentes de muitas organizações. Esta síndrome

Leia mais

Teleconferência Novo Diretor-Presidente 15 de Junho de 2015

Teleconferência Novo Diretor-Presidente 15 de Junho de 2015 Operadora: Bom dia. Sejam bem-vindos à teleconferência da TOTVS. Estão presentes os senhores Laércio Cosentino, CEO e Membro do Conselho da Administração, Rodrigo Kede, Diretor-presidente, e Gilsomar Maia,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 1 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO AULA 9 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARTE 1 OBSERVAÇÃO: Esta apresentação é quase que a totalidade de uma apresentação do consultor em planejamento estratégico e palestrante Mario

Leia mais

Reuniões Produtivas. Introdução

Reuniões Produtivas. Introdução Reuniões Produtivas Introdução As reuniões são fundamentais na vida do Partido. Nelas se discutem suas orientações, as tarefas dos militantes, os planos de ação etc. Por isso, precisam ser bem preparadas,

Leia mais

Liderança Feminina. Que tipo de clima as altas executivas geram em suas equipes? Setembro/2009

Liderança Feminina. Que tipo de clima as altas executivas geram em suas equipes? Setembro/2009 Liderança Feminina Que tipo de clima as altas executivas geram em suas equipes? Setembro/2009 Sobre o Hay Group Hay Group é uma consultoria global em gestão que trabalha com líderes para transformar estratégias

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

Mobilização de Equipes para Alta Performance

Mobilização de Equipes para Alta Performance Mobilização de Equipes para Alta Performance Mobilização de Pessoas liderar é influenciar pessoas para que desenvolvam motivação para fazer o que "deve" ser feito com vontade e com o máximo de seu potencial

Leia mais

COACHING. Parceria para o sucesso! Coordenação Técnica e Instrutoria : Teorema Consultoria e Assessoria - São Paulo

COACHING. Parceria para o sucesso! Coordenação Técnica e Instrutoria : Teorema Consultoria e Assessoria - São Paulo COACHING Parceria para o sucesso! Coordenação Técnica e Instrutoria : Teorema Consultoria e Assessoria - São Paulo www.teoremaconsult.com.br teorema@teoremaconsult.com.br Coach É o papel que você assume

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

RELATÓRIO HOGAN JUDGMENT

RELATÓRIO HOGAN JUDGMENT DECODIFICANDO SEUS ESTILOS DE PENSAMENTO E TOMADA DE DECISÃO 30, Junho, 2015 RELATÓRIO HOGAN Jane Doe ID UH565487 SUMÁRIO EXECUTIVO Este relatório examina os estilos de julgamento e de tomada de decisão

Leia mais

Os Desafios da Gestão e da Liderança Marco Antonio Ornelas

Os Desafios da Gestão e da Liderança Marco Antonio Ornelas Os Desafios da Gestão e da Liderança Marco Antonio Ornelas Marco Antonio Ornelas Psicólogo com Especialização em Comportamento Organizacional pela Califórnia American University. Formação em Coaching pelo

Leia mais

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Gerenciando a si mesmo

Gerenciando a si mesmo Peter F. Drucker Janeiro 2005 Reprint r0502k p Vivemos uma era de oportunidades jamais vistas. Com ambição e inteligência, qualquer um pode escalar ao topo da profissão, seja lá onde tenha começado. Mas

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Qual o seu plano para dar vida à sua estratégia?

Qual o seu plano para dar vida à sua estratégia? www.pwc.com.br Qual o seu plano para dar vida à sua estratégia? Alinhamento de Performance Alinhamento do desempenho organizacional Conectando a estratégia à execução A necessidade de alinhar pessoas,

Leia mais

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé

Política Corporativa Setembro 2012. Política de Recursos Humanos da Nestlé Política Corporativa Setembro 2012 Política de Recursos Humanos da Nestlé Autoria/Departamento Emissor Recursos Humanos Público-Alvo Todos os Colaboradores Aprovação Concelho Executivo, Nestlé S.A. Repositório

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Influenciando Tomadores de Decisão Efetivamente: Como Garantir que seu Conhecimento Faça Diferença

Influenciando Tomadores de Decisão Efetivamente: Como Garantir que seu Conhecimento Faça Diferença Influenciando Tomadores de Decisão Efetivamente: Como Garantir que seu Conhecimento Faça Diferença 'A maioria das pessoas tende a focar para baixo. Elas estão ocupadas com os esforços, e não com os resultados.

Leia mais

Teste 3 - Auto-avaliação das habilidades empreendedoras

Teste 3 - Auto-avaliação das habilidades empreendedoras Teste 3 - Auto-avaliação das habilidades empreendedoras Para cada questão, faça um círculo na resposta que está mais adequada às suas crenças ou ações, mesmo que aparentemente não tenham algo em comum

Leia mais

ATENDIMENTO A CLIENTES

ATENDIMENTO A CLIENTES Introdução ATENDIMENTO A CLIENTES Nos dias de hoje o mercado é bastante competitivo, e as empresas precisam ser muito criativas para ter a preferência dos clientes. Um dos aspectos mais importantes, principalmente

Leia mais

CRI Minas Centro de Referência em Inovação Inovação e Comportamento Humano

CRI Minas Centro de Referência em Inovação Inovação e Comportamento Humano CRI Minas Centro de Referência em Inovação Inovação e Comportamento Humano Núcleo de Inovação Comportamento Humano Inovativo Comportamento Humano Inovativo em uma organização é resultado da interação de

Leia mais

Quatro Níveis de Avaliação de Treinamento

Quatro Níveis de Avaliação de Treinamento Quatro Níveis de Avaliação de Treinamento Resenha por Eliana Dutra KIRKPATRICK, Donald L., Evaluating Training Programs - THE FOUR LEVELS. Berrett-Koehler Publishers, Inc. 1994. De acordo com Donald Kirkpatrick,

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

ÁREA TÍTULO OBJETIVO SINOPSE RH - Liderança 1- OS 10 PAPÉIS DE UM LÍDER Trabalhar a liderança de acordo com a situação apresentada.

ÁREA TÍTULO OBJETIVO SINOPSE RH - Liderança 1- OS 10 PAPÉIS DE UM LÍDER Trabalhar a liderança de acordo com a situação apresentada. ÁREA TÍTULO OBJETIVO SINOPSE RH - Liderança 1- OS 10 PAPÉIS DE UM LÍDER Trabalhar a liderança de acordo com a situação apresentada. Best - Seller com milhares de cópias vendidas. Prático, dinâmico, com

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS PARA A PRÁTICA PROFISSIONAL DE AUDITORIA INTERNA (NORMAS)

NORMAS INTERNACIONAIS PARA A PRÁTICA PROFISSIONAL DE AUDITORIA INTERNA (NORMAS) Permissão obtida junto ao proprietário dos direitos autorais, The Institute of Internal Auditors, 247 Maitland Avenue, Altamonte Springs, Florida 32701-4201, USA, para publicar esta tradução, a qual reflete

Leia mais

Elton Moraes. O que Clima Organizacional tem a ver com resultados da empresa?

Elton Moraes. O que Clima Organizacional tem a ver com resultados da empresa? Elton Moraes O que Clima Organizacional tem a ver com resultados da empresa? Sobre o Hay Group O Hay Group é uma consultoria mundial em gestão: Trabalhamos com líderes para transformar estratégias em realidade.

Leia mais

paulo.santosi9@aedu.com

paulo.santosi9@aedu.com 1 2 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp Clube Trainer Graduado em Administração de Empresas Pós-graduado em Gestão Estratégica de Negócios MBA em Negociação Mestrando

Leia mais

O trabalho do tradutor e a lei

O trabalho do tradutor e a lei O trabalho do tradutor e a lei Danilo Nogueira Kelli Semolini 2013 Danilo Nogueira e Kelli Semolini 1ª edição, Agosto de 2013 Copie e distribua a vontade, desde que mantenha os nomes dos autores e todo

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG. Diferença entre relatórios gerados pelo SPT e os gerados pelo SIG Introdução SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL SIG A finalidade principal de um SIG é ajudar uma organização a atingir as suas metas, fornecendo aos administradores uma visão das operações regulares da empresa,

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

IMPORTÂNCIA DE TER UM CONTROLE FINANCEIRO PESSOAL

IMPORTÂNCIA DE TER UM CONTROLE FINANCEIRO PESSOAL A IMPO RTÂNC IA DE TE R UM CONT ROLE FINAN CEIRO PESSO AL F U N D O Introdução É normal encontrar pessoas que imaginam não precisarem ter um controle financeiro pessoal, pois não ganham o suficiente para

Leia mais

Curso e- Learning Sistema de Gestão da Qualidade NBR ISO 9001:2008

Curso e- Learning Sistema de Gestão da Qualidade NBR ISO 9001:2008 Curso e- Learning Sistema de Gestão da Qualidade NBR ISO 9001:2008 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do

Leia mais

Equipes. As Equipes de Trabalho. Equipes. Diferenças entre Grupos e Equipes. Têm forte papel motivacional

Equipes. As Equipes de Trabalho. Equipes. Diferenças entre Grupos e Equipes. Têm forte papel motivacional Equipes As Equipes de Trabalho Melhoram o desempenho dos indivíduos quando a tarefa exige o uso de múltiplas habilidades, julgamentos e experiências. As equipes são mais flexíveis e reagem melhor às mudanças

Leia mais

PAP (Perfil de Avanço Profissional)

PAP (Perfil de Avanço Profissional) PAP (Perfil de Avanço Profissional) Relatório para: Suzanne Example Data concluida: 14 de junho de 2012 14:03:23 2012 PsychTests AIM Inc. Índice analítico Índice analítico 1/10 Índice analítico Índice

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Funções administrativas ADMINISTRAÇÃO. Revisão de véspera Técnico INSS ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO. Funções administrativas ADMINISTRAÇÃO. Revisão de véspera Técnico INSS ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO Funções administrativas Revisão de véspera Técnico INSS Planejamento Organização Direção Controle 1 2 Funções administrativas Planejamento: Planejamento é a função administrativa que estabelece os objetivos

Leia mais

Uma nova forma de gestão

Uma nova forma de gestão Uma nova forma de gestão por Michael Ballé ARTIGO Desvio da missão, silos e uma força de trabalho desengajada são alguns dos efeitos negativos da gestão tradicional. Michael Ballé oferece uma alternativa

Leia mais

138 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

138 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 138 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 19-23 de junho de 2006 Tema 6.2 da agenda provisória CE138/25 (Port.) 8 de junho

Leia mais

Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados

Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados Documento técnico Práticas recomendadas para o sucesso da migração de dados Embora a transição para o software CAD 3D aumente significativamente o desempenho dos negócios, o investimento levanta questões

Leia mais

Política de Segurança da informação Tirando do papel ARTIGO. Artigo Política, Conformidade, Normativo

Política de Segurança da informação Tirando do papel ARTIGO. Artigo Política, Conformidade, Normativo ARTIGO Política de Segurança da informação Tirando do papel Artigo Política, Conformidade, Normativo Artigo 1 TIRANDO DO PAPEL No artigo Política de Segurança da informação uma introdução ao tema, primeiro

Leia mais

Gerenciar risco, eis a paixão de

Gerenciar risco, eis a paixão de Gerenciar risco, eis a paixão de Jorge Luzzi Jorge Luzzi GERENCIADOR DE RISCOS, DA HERCO GLOBAL, DO GRUPO MDS Jorge Luzzi, considerado um dos maiores experts em gerenciamento de riscos, foi fisgado pela

Leia mais

O ABC da gestão do desempenho

O ABC da gestão do desempenho Por Peter Barth O ABC da gestão do desempenho Uma ferramenta útil e prática para aprimorar o desempenho de pessoas e organizações 32 T&D INTELIGÊNCIA CORPORATIVA ED. 170 / 2011 Peter Barth é psicólogo

Leia mais

Um novo olhar sobre o teto de vidro 1 - A perspectiva de cima

Um novo olhar sobre o teto de vidro 1 - A perspectiva de cima Um novo olhar sobre o teto de vidro 1 - A perspectiva de cima Helen Peters e Rob Kabacoff A Hewlett Packard tem uma mulher por presidente; a ex-primeira dama norte-americana [Hillary Clinton] é, hoje,

Leia mais

LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional

LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional Ao investir em pessoas o seu resultado é garantido! Tenha ganhos significativos em sua gestão pessoal e profissional com o treinamento

Leia mais

Reinventando a gestão de vendas

Reinventando a gestão de vendas Reinventando a gestão de vendas Um bom vendedor é mais importante para a empresa do que o produto. Vender não é mais persuasão, mas compreensão. Esta é a proposta de Neil Rackham, expressa durante o Fórum

Leia mais

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Fevereiro/2014 AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão

Leia mais

LIDERANÇA DA NOVA ERA

LIDERANÇA DA NOVA ERA LIDERANÇA DA NOVA ERA Liderança da Nova Era Liderança é a realização de metas por meio da direção de colaboradores. A liderança ocorre quando há lideres que induzem seguidores a realizar certos objetivos

Leia mais