Estilismo e Design. Agregando Valor ao Mercado. Edição:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estilismo e Design. Agregando Valor ao Mercado. Edição:"

Transcrição

1 Estilismo e Design Agregando Valor ao Mercado Edição:

2 2001, ABICALÇADOS Associação Brasileira das Indústrias de Calçados É proibida a duplicação ou reprodução deste volume, ou de parte do mesmo, por quaisquer meios, sem autoriação expressa da ABICALÇADOS. 1 a Edição: exemplares Endereço para Contato: ABICALÇADOS Associação Brasileira das Indústrias de Calçados Rua Aloísio de Azevedo, 60 CEP: Novo Hamburgo/RS Fone: (51) Fax: (51) Site: Elaboração: ABICALÇADOS e PSI/APEX Programa Setorial Integrado da Indústria Brasileira de Calçados Pesquisa e texto: FIERGS Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul SENAI / RS Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Centro Tecnológico do Calçado SENAI Novo Hamburgo Web site: Núcleo de Apoio ao Design / Núcleo Hipermídia Autores: Heinz Hugo Hartkopf (coordenador), Elenilton Gerson Berwanger, Luis Augusto Kempf, Mauri Rubem Schmidt e Mônica Haisser Supervisão: América Consultoria e Projetos Internacionais Design Gráfico: Hypervisual Clóvis Leopoldo Reichert Núcleo Hipermídia / CTCalçado SENAI Ilustrações: Alexandre Moschini Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) F293e Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial. Centro Tecnológico do Calçado. Estilismo e design: agregando valor ao mercado / Centro Tecnológico do Calçado. Novo Hamburgo: ABICALÇADOS, p. (Calçados via exportação; v. 3) 1. Indústria de calçados Competitividade 2. Indústria de calçados Novas tecnologias. 3. Desenvolvimento de produto. 4. Calçados - Design. I. Centro Tencológico do Calçado. II. Título. III. Série.CDU Bibliotecária Responsável: Deisi Maria Hauenstein CRB-10 Prov. 42/01

3 Índice Introdução 5 Capítulo I A Moda 7 Capítulo II Desenvolvimento do Produto 13 Capítulo III Profissionais do Desenvolvimento do Produto 19 Capítulo IV Estilismo 23 Capítulo V Design 35 Capítulo VI Modelagem Criativa 43 Capítulo VII Um pouco de História 45 Capítulo VIII Novas Tecnologias 47 Bibliografia 49

4

5 Introdução Os conceitos de moda, design e estilismo têm sido objeto de interpretações divergentes e, muitas vezes, mistificadoras, causando problemas na comunicação externa e interna das empresas. Esta cartilha buscará desmistificar estas interpretações, de forma a permitir que estes poderosos instrumentos de inovação e competitividade passem a fazer parte do dia a dia da sua empresa. A moda é abordada como um fenômeno sócio-cultural, já que expressa os valores da sociedade - usos, hábitos e costumes - em um determinado momento. Já o estilismo e o design são elementos integrantes do conceito moda, cada qual com os seus papéis bem definidos. Veremos que o estilista é o artista que percebe e interpreta as tendências de mudanças nos mais diversos ambientes e países, antecipando uma visão de futuro através de formas, cores, materiais e estruturas. No capítulo destinado ao design, mostraremos como o designer integra, isto é, casa o estilo com as necessidades e expectativas do consumidor ditadas pelo marketing, levando a harmonia do produto à arquitetura do pé. Na Modelagem Criativa, abordada em sucinto capítulo, verificamos como os modelistas desenvolvem a modelagem da construção do calçado, parte inferior e cabedal, selecionando materiais e cores para a confecção das amostras. Finalmente, são apresentadas Novas Tecnologias que, com certeza, irão auxiliá-lo na busca de uma maior agregação de valor a seu calçado. Com a difusão destes conceitos, notadamente os de estilismo e design, objetivamos, também, sensibilizar os empresários e os técnicos das pequenas e médias empresas do setor calçadista, acerca da importância de utilizar profissionais qualificados no seu esforço de inserção competitiva no mercado internacional. 5

6

7 Capítulo I A moda 7

8 Na introdução dessa cartilha constatamos que a moda é parte integrante de nossa vida profissional. Precisamos agora analisar esse conjunto para conhecer como ele funciona e interage com seus elementos, como por exemplo, o estilismo e design. Somente dessa maneira conseguiremos empregar a moda a nosso favor, o que quer dizer, aumentar, conseqüentemente, o lucro da empresa. O que é moda, afinal? Moda é o uso ou hábito geralmente aceito, variável no tempo, resultante de determindao gosto ou idéia, e de interferências do meio. Reflete os costumes, os valores da sociedade em um período de tempo. Por isso, a moda também é considerada um fenômeno social e cultural, consistindo na mudança constante de estilo, mudança esta advinda da necessidade de conquistar ou manter uma determinada posição social. Podemos dizer que a história da moda acompanhou a história do vestuário, praticamente desde a origem do ser humano. O calçado é parte integrante do vestuário. Inicialmente a indumentária (vestuário e calçado) só foi concebida para proteção, mas logo depois começou a ser um objeto perfeito para receber detalhes e adornos, e assim exprimir concepções artísticas, status e poder. Hoje sabemos que a moda está influenciando profundamente não somente o aspecto e aparência do vestuário e dos calçados, mas também dos automóveis, das casas e da música. Mas não é só isso: a moda está influenciando igualmente nossas atitudes e gestos, nosso sorriso, nossa linguagem, nossa maneira de caminhar, nossos sonhos... 8

9 Destacamos que no passado as mudanças da moda nunca ocorreram tão rápidas como vemos hoje. Temos aqui o verdadeiro motor da indústria de bens de consumo. Na área da moda, quando se desenha o calçado, leva-se em consideração o modelo, linha, estilo, ergonomia, conforto e a forma do salto e bico; observa-se o modo de vestir, os materiais, cores e texturas. Afirma Gucci: A roupa pode ser linda, mas os calçados são o que fazem o complemento da beleza. Os calçados dizem muito sobre a mulher. Eles dão equilíbrio ao corpo. Um bom par de calçados proporciona um efeito harmônico no visual. Ainda seria interessante saber se o ser humano precisa da moda ou se a moda precisa dele. Pensamos que um e outro estão juntos. Para a sua propagação, a moda precisa de ídolos e também de publicidade. Parece estranho que a imitação seja uma condição para essa propagação e ao mesmo tempo a destruição. O ser humano imita outros, enquanto está experimentando a sua auto-realização. Quando a imitação geral alcança seu máximo e assim fica uniforme, cada moda desaparece de maneira mais ou menos rápida, enquanto uma nova moda surge. É a dinâmica do processo. Naturalmente cada pessoa envolvida no processo moda precisa ser capaz de detectar mudanças, assim como ter um sentido perfeito para o tempo justo de agir em conseqüência disso. Parece óbvio que essas qualidades também fazem parte do marketing eficaz. Além disso, gostaríamos de destacar a importância do corpo humano no contexto da moda, como objeto da criatividade, tanto no passado como no presente. 9

10 Cada época teve conceitos diferentes quanto ao ideal estético vigente em relação ao corpo humano. Decorrente disso, em cada uma dessas épocas a vestimenta destaca uma parte do corpo humano enquanto está escondendo outras. O mesmo princípio aplica-se aos calçados. Isto significa que a composição do vestuário muda as proporções do corpo humano. Nesse contexto, identificamos na maioria das tendências da moda uma tentativa de aumentar a estatura. Isto é particularmente visível na área dos calçados femininos (altura do salto). A sexualidade exerce muita influência sobre a moda. É um dos fatores ou componentes subconscientes na percepção, assim como na avaliação do vestuário humano, incluindo os calçados. Quando falamos de qualidade, normalmente nos referimos à resistência física que pode ser considerada o inimigo de mudanças vinculadas à moda. No entanto, na atualidade ninguém concebe que um artigo de vestuário seja transmitido à geração seguinte! Na área do vestuário e calçados, qualidade exprime-se hoje em fatores e valores diversos para diferentes usuários. Conforto instantâneo e caimento perfeito contam muito, assim como elasticidade. Citamos a moda como o verdadeiro motor da indústria de bens de consumo. Se observarmos friamente o que acontece na indústria calçadista, poderíamos falar da institucionalização da moda. A moda segue uma agenda: coleções primavera-verão e outono-inverno e muitas vezes temos também pré-coleções e pós-coleções, acompanhando cada uma das coleções principais. Temos, portanto, desenvolvimentos contínuos. A tendência é a criação da coleção permanente, quando o serviço de marketing coloca novas criações no mercado de maneira constante. Nesse sistema, um artigo de vestuário ou calçado seria retirado das lojas 10

11 quando as vendas diminuíssem. Quem for o mais rápido, ganha. Citamos um exemplo: em 1998 Hennes & Mauritz foi a primeira entre 500 das maiores empresas européias na lista do aumento do valor agregado da empresa. A empresa H&M é ativa em design e marketing de vestuário e sua produção é terceirizada. Fabian Mansson, o diretor geral, explica que o sucesso da H&M está baseado numa combinação de qualidade, moda e preço, mas também sobre o senso de urgência. H&M precisa somente de 5 semanas desde o primeiro rascunho (design) até a entrega às lojas. A mercadoria fica nas lojas, no máximo, durante 4 semanas. Em resumo: a arte do Estilismo assim como a arte do Design são parte integrante do conjunto (processo) que chamamos MODA. Para não dilatar mais esse argumento, propomos adotar a segiunte definição: a moda exprime de maneira temporária conceitos geralmente aceitos pela cultura contemporânea. 11

12

13 Capítulo II Desenvolvimento do Produto 13

14 Algumas considerações preliminares Hoje, a qualidade deve ser algo palpável e mensurável. A qualidade deve ser definida pelo cliente, e não só pela empresa. O cliente exige bem mais do que um produto qualquer, do tipo Se é bom para um, é bom para todos. O cliente define a qualidade, mas as necessidades do cliente mudam continuamente. Mais do que nunca, o sucesso depende da capacidade tecnológica, criatividade, vontade e determinação em oferecer ao cliente novas soluções. Uma inovação tem sucesso somente com base na rapidez da sua aplicação. Para assegurar o futuro, deve-se inovar e explorar áreas desconhecidas. A intensidade da inovação de uma empresa depende principalmente da competência e criatividade dos colaboradores. Para isto, o sistema Design to Cost deve ser utilizado. Design to Cost significa incluir os clientes no processo do desenvolvimento e determinar, em conjunto, quais são as características do produto que eles realmente precisam e que preço eles estão dispostos a pagar. Em outras palavras, determinar se a relação entre preço e valor do produto (ou do serviço) para o usuário é adequada. É o tempo dispendido desde o surgimento da idéia inicial no marketing, passando pelo desenvolvimento de um produto até sua entrega ao cliente. A competição pela inovação não pára. A única direção é para frente, mas cada vez mais rápido. Time to Market é o novo paradigma. Time to Market - é o tempo dispendido desde o surgimento da idéia inicial no marketing, passando pelo desenvolvimento de um produto até sua entrega ao cliente. Somente uma equipe reduzida (não uma organização anônima), com um líder determinado e com vontade de vencer pode realizar isto com competência, paixão e capacidade de obter consenso. Como no esporte, a rapidez decide! 14

15 A integração das idéias e das atividades, assim como um clima inovador dentro da empresa, combinado com senso de urgência, são a base do sucesso. Até aqui falamos de algumas expectativas do mercado, onde encontramos a vida real, nosso sucesso ou nosso fracasso. Fizemos essas descrições para destacar o lugar exato onde Estilismo e Design entram no jogo do processo criativo. Este jogo chama-se desenvolvimento do produto. Em seguida, falaremos brevemente sobre essa atividade, mas o suficiente para posicionar corretamente Estilismo e Design. O conceito do Desenvolvimento do Produto As necessidades dos clientes não podem mais ser atendidas por meio de um sistema rígido e burocrático. Por isso as pessoas responsáveis pelo marketing estabelecem a visão do produto. Essa visão precisa ser transformada em uma especificação exata do futuro calçado. Essa atividade é de responsabilidade do serviço de desenvolvimento do produto, em cooperação constante com o marketing e com os diferentes contribuintes no processo criativo e produtivo, incluíndo-se neste grupo os estilistas, designers, planejadores, compradores e responsáveis pela produção. Isso realmente é um trabalho de equipe e de integração. É preciso conduzir essa integração com confiabilidade, vontade, determinação e rapidez. O processo de Desenvolvimento do Produto Esse processo baseia-se nas seguintes informações e especificações: grupos-alvo de produtos com preços coerentes fôrmas necessárias e adequadas (tamanhos e larguras) materiais para solados e cabedais categorias de desenhos (definição da coleção) 15

16 Durante todo o processo de desenvolvimento é necessário assegurar que as fôrmas a serem utilizadas respeitem: a influência de fatores étnicos na construção de palmilhas de fôrma; perfis adequados de bico, traseiro, enfranque; dimensões adequadas da chave de fôrma; a graduação correta na relação tamanho/largura (linear ou não); a padronização necessária (70 % do comprimento). Considerando a concorrência e as necessidades do mercado, o ideal é que, hoje, o prazo entre o início do trabalho (visão) e a entrega da amostra não seja superior a seis semanas. Isso explica facilmente como essa atividade depende do jogo perfeito da equipe, assim como do senso de urgência onipresente. O Consumidor Sintonizado com os tempos de globalização, o consumidor está cada vez mais informado e exigente na compra do produto. A empresa deve focar o seu cliente como um consumidor que busca boa qualidade, preço compatível, praticidade, design moderno e funcionalidade nos produtos que deseja consumir. A exigência está em uma maior proximidade da empresa com os clientes, buscando o diálogo para um conhecimento mais profundo sobre o seu perfil de consumo, devido à maior necessidade de diferenciação. Autor de estudos e pesquisas sobre o tema, Edgard Menezes afirma que O norte dessas mudanças está em uma reordenação dos negócios para a idéia de que o cliente será o patrão das empresas. Portanto, a ordem da atualidade é a mudança. Isso envolve uma abordagem ampla e direta do consumidor, para conhecer seus hábitos e opiniões, dando uma melhor resposta às suas necessidades (produto x serviço). 16

17 Qualidade do Produto A qualidade do produto é uma das principais ferramentas de posicionamento e constitui-se em duas dimensões nível e consistência. Qualidade é a capacidade do produto de desempenhar suas funções. Inclui sua durabilidade geral, confiabilidade, precisão, facilidade de operação e de consertos e outros atributos valiosos. A qualidade deve ser baseada na percepção do comprador. É escolhido um nível de qualidade que se associa com as necessidades do público-alvo e com a qualidade dos produtos concorrentes. A alta qualidade pode também significar fornecer aos consumidores, de forma consistente, produtos com ausência de defeitos ou variações. Todas as empresas devem esforçar-se para atingir altos níveis de consistência de qualidade. Realismo A empresa vende seu produto, não o processo necessário para produzi-lo. Para alcançar a qualificação de desenvolvedor de nível mundial é preciso aceitar a necessidade de se aperfeiçoar continuamente, aprender a aprender, aprender a comunicar, aprender a antecipar e aprender a gerenciar o processo de desenvolvimento do produto. Na área de desenvolvimento de fôrmas do setor calçadista, destacamos que a consideração primordial deve ser a perfeita seleção de fôrmas, cujas medidas e perfis correspondam exatamente à anatomia do pé dos usuários-alvo. Essas fôrmas precisam ser padronizadas. É necessário desenvolver o senso de urgência. Daqui para frente, o rápido vencerá o lento. Devido às crescentes e contínuas mudanças do mercado, faz-se necessário um formato de desenvolvimento dinâmico, interativo e ontínuo, em todos os setores da empresa. 17

18 Ciclo de Vida de um Produto O ciclo de vida normalmente se divide em 4 estágios: introdução: período de crescimento lento das vendas; crescimento: período de rápida aceitação de mercado; maturidade: período de redução do crescimento de vendas, porque o produto já foi aceito pela maioria dos compradores potenciais; declínio: período quando as vendas mostram forte queda. Contudo, os novos produtos podem fracassar. Os riscos em inovações podem ser tanto elevados, quanto recompensadores. O caminho para a inovação bem sucedida habita no desenvolvimento de pesquisas mercadológicas e em procedimentos de decisões bem planejadas, tais como: estabelecer critérios específicos para a aceitação de idéias, selecionar os novos produtos e mercados a serem enfatizados; definir o objetivo do produto, analisar se ele irá gerar alto fluxo de caixa, sua participação de mercado, etc. Deve definir, também, quanto esforço deve ser destinado ao desenvolvimento de novos produtos ou na modificação dos já existentes e na adaptação de produtos dos concorrentes. 18

19 Capítulo III Profissionais do Desenvolvimento do Produto 19

20 Estilista Quem é: o estilista é o profissional da área de criação que transforma informações sobre comportamento, tecnologia e tendências em coleções de produtos, adaptadas às condições técnicas da empresa em que atua e ao mercado que atende. O que faz: descreve um ambiente propício como, por exemplo, proporções, linhas, materiais, estruturas, cores e combinações de materiais. Essas recomendações representam quase a bula para a preparação das especificações do futuro calçado. Formação: faculdade de Moda, Design de Produto e/ou Belas Artes são desejáveis para o exercício da função. Designer Quem é: o designer é o profissional responsável pelo estudo da cadeia calçadista. Responde também pela pesquisa de novos produtos, levando em consideração as características naturais, químicas e físicas do produto, de acordo com as necessidades do mercado. O que faz: o designer, com as recomendações do estilista e com base nas necessidades do marketing, tenta adequar o estilo à arquitetura do pé humano, destacando a ergonomia e a funcionalidade do seu trabalho. Assim, o designer concentra-se sobre uma harmonia do estilo com a função do produto. Ele recomenda materiais, cores, combinações, alturas de salto, perfil do bico, perfil do salto, etc. Casar um estilo com a funcionalidade do produto é a verdadeira tarefa do designer. Formação: faculdade de Desenho Industrial, Engenharia do Produto e/ou Design de Produto são requisitos desejáveis para um bom desempenho da função. 20

21 Modelista Criativo Quem é: o modelista criativo é o profissional indispensável no desenvolvimento do modelo. Responde por uma modelagem harmoniosa e pela melhor adequação dos materiais. O que faz: o modelista criativo utiliza as linhas gerais do estilista e/ou designer como base para preparar um conjunto de linhas perfeitas e harmoniosas sobre a base da fôrma do calçado escolhida, de acordo com as possibilidades tecnológicas da empresa. Formação: curso Técnico em Calçados e cursos de aperfeiçoamento na área estética são importantes para o bom desempenho da função. Modelista Técnico Quem é: o modelista técnico é o profissional do departamento técnico da modelagem que ajusta detalhes do modelo (sem mudar a aparência) em função das necessidades do processo. O que faz: o modelista técnico, baseado no trabalho do modelista criativo, ajusta perfeitamente a modelagem à fôrma. Também desenvolve escalas e faz testes de produção, sempre levando em consideração o melhor aproveitamento dos materiais e a otimização do processo de produção. Formação: curso Modelista Técnico e/ou Técnico em Calçados são desejáveis para o bom desempenho da função. 21

22 Observação: atualmente percebe-se que, no setor calçadista, as atividades do profissional estilista se fundem com as funções do designer. Um ocupa o lugar do outro. Dificilmente encontraremos estes dois profissionais atuando numa mesma empresa. Esta mesma observação pode ser ainda válida ao analisarmos as atividades do designer, quando comparadas com o modelista criativo, especialmente no que diz respeito à engenharia da fôrma e do calçado. 22

23 Capítulo IV Estilismo Estilismo é o apuro estético no estilo e no conceito de produto. 23

24 Alguns Comentários Procedentes de uma tradição industrial conservadora, a maioria dos calçadistas, por vezes, hesitavam em buscar uma compreensão da Arte do Estilismo como ferramenta realmente essencial na busca do sucesso, num mercado cada dia mais internacional. Estilo é uma percepção e interpretação de pressentimentos de mudanças futuras na atitude e no sentido da vida, na filosofia prática, nos diferentes ambientes dos diferentes países do mundo. Esses artistas (os estilistas) tentam simplesmente antecipar-nos uma visão de mundo que, na ótica deles, será o nosso mundo, num futuro próximo. Essas descrições de um mundo virtual podem ser feitas, por exemplo, através de sons, de cores, de materiais diferentes, de superfícies e desenhos com estruturas diversas. O estilo é o que faz uma pessoa ser única, singular, sua marca registrada. Não é somente a maneira de se vestir, é o modo de ser, agir, pensar e de estar. A moda é comprável, enquanto o estilo é aprendido e vivido, ficando agregado ao indivíduo para sempre. A moda passa, o estilo permanece. Esse processo nunca para. Em conseqüência, novos estilos aparecerão. A nossa responsibilidade é verificar se a visão de nossos produtos fica em unissonância com o conceito atual, o estilo do momento. Também é nossa a tarefa de verificar em que grau um estilo emergente é empregável para uma determinada faixa de nossos produtos, acompanhando constantemente, a evolução desse estilo. Isto significa que para nós, calçadistas, o estilismo é uma ferramenta necessária, um guia no desenvolvimento de rumos. É o catalisador no processo da tomada de decisões, quando construímos estruturas e horizontes de planejamento de novas coleções. 24

25 O Processo do Estilismo Como se aplica a ferramenta Estilismo na realidade? O estilista e/ou designer recebe do serviço de marketing uma visão certa do produto que respeita todas as necessidades do usuário do segmento de mercado escolhido. Essa visão serve quase como um esqueleto para o futuro calçado. Obtemos assim a especificação crua do futuro calçado. Essa especificação será transformada em leiaute da futura coleção. Esse processo deve ocorrer por um consenso de integração das diferentes opiniões do time (especialistas em marketing, estilistas, designers, planejadores, compradores, responsaveis pela produção) e dos diferentes contribuintes do processo criativo e produtivo. É preciso, portanto, conduzir essa integração com confiabilidade, vontade, determinação e rapidez. Limites da empregabilidade do Estilismo O mercado e a organização das empresas não é algo único ou padronizado. O fluxograma e as funções dos profissionais que trabalham numa empresa moderna são muito variáveis. Muitos fatores podem contribuir para tal organização, tais como: o mercado em que a empresa atua, o porte da empresa, sua filosofia de trabalho, etc. Neste sentido, sob a ótica das profissões, o uso do estilismo não fica restrito à pessoa do estilista. O designer e o próprio modelista de calçados fazem também uso do estilismo no desenvolvimento do seu trabalho. Já sob a ótica do produto em si, os limites do uso do estilismo estão diretamente relacionados com a funcionalidade do produto e, porque não dizer, com a razão custo/benefício que o produto tem a oferecer. Com funcionalidade do produto quer se dizer que não basta que algo seja esteticamente aceitável e admirável, que tenha um bom design (aplicação da harmonia, estética, ergonomia, etc.), como dizemos cotidianamente. 25

26 É também preciso que atenda perfeitamente a uma determinada função. Aliás, a funcionalidade também deve fazer parte dos estudos e esforços de todos os profissionais quando do desenvolvimento de novos produtos. Quando falamos da relação custo x benefício, de forma bem prática, podemos afirmar que um bem ou produto é interessante até o ponto em que o uso e/ou o benefício que o consumidor terá adquirido, compense o preço que o mesmo paga para obtê-lo. Neste sentido, a indústria moderna, com toda a sua tecnologia, deve conseguir produzir objetos em série, mas todos com bom design agregado. Conforto Dois aspectos básicos de um calçado na visão funcional são os movimentos do pé e o calce. Esses aspectos ergonômicos, no entanto, podem ser considerados como limitadores da criatividade, diminuindo as possibilidades de variações de materiais, linhas de estilo e alturas. Por outro lado, desafiam a equipe de desenvolvimento, provocam uma evolução de conceitos e não é raro surgir um produto diferenciado, especial, com base em um estudo mais elaborado e portanto fruto de um trabalho consciente. Recicláveis A preocupação ecológica não é mais um privilégio apenas dos ambientalistas. O consumidor está muito sensível aos conceitos de reciclagem. Em breve, os fabricantes terão de volta seus produtos, que foram vendidos para os clientes meses antes. Haverá a necessidade de reciclar esses produtos. Para profissionais de mentalidade aberta, este limite poderá se tornar uma oportunidade de trabalho, revolucionando conceitos pré-existentes em novos produtos recicláveis. Este será o novo desafio. Vencerão as melhores idéias. 26

27 A Contribuição do Estilista No setor calçadista o significado da contribuição do estilista no processo criativo começa a ser reconhecido cada vez mais. Para aprofundar a compreensão do leitor quanto ao trabalho do estilista, coletamos algumas informações úteis. O estilismo e o design seguem princípios que a estética da arte ensina. Além de propor, mostra o que somos e como somos. Traduz em produto conceitos atuais. Quando queremos viver na nostalgia, nos supre de recursos; quando queremos ser futuristas, cria um novo mundo. Mas como saber o que o mundo quer e precisa? Afinidades O que há em comum, por exemplo, entre uma catedral e uma sinfonia musical, um quadro e uma estátua? Têm afinidades, leis comuns, diferenças que poderiam ser chamadas congênitas, análogas. São essas incógnitas (tendências) que o estilista sabe traduzir, filtrar, sentir, absorver, processar. Logo, ele tem a capacidade de estabelecer uma interelação deste complexo enorme de informações político-sócio-culturais para o seu trabalho, criando assim uma estrutura de design que tenha o mesmo conceito estético que o conceito das expressões traduzidas da atualidade. Trata-se de uma questão apaixonante, contanto que o estilista esteja firme, decidido a não filtrar os aspectos vãos, mas admitir, por exemplo, apenas analogias estruturais, morfologias positivamente observáveis e que possam ser anotadas, construídas, criadas e expressas numa linguagem conceitual rigorosa e coerente. Além de uma formação acadêmica, onde são assimilados conhecimentos estéticos, culturais, morfológicos, etc, o estilista deve ser um freqüentador assíduo de shopping centers, ruas, vitrines, galerias, clubes, teatros, cidades, países, feiras. Ele pesquisa o comportamento e a cultura; o que as pessoas fazem no mundo real, para, só assim, buscar o conceito a ser desenvolvido. O profissional deve olhar para o interior, analisando características como colocar-se no lugar de, pensar de forma 27

28 local, ter empatia e viver a cultura de outras etnias e sociedades (miscigenação). Essa vivência e experiência fornecem os subsídios para o desenvolvimento conceitual do produto final. Requisitos do profissional Estilista Constata-se a necessidade de que o empresário brasileiro invista e possibilite ao estilista profissional a realização dos procedimentos de pesquisas mencionados anteriormente. Através do enriquecimento das informações coletadas e processadas é que surge o desenvolvimento de projetos que sustentam as novas visões de produtos. Para desenvolver plenamente esta atividade, deve possuir o seguinte perfil: observador e avaliador - capacidade analítica e memória visual; criativo e interativo - original, com raciocínio abstrato e lógico; sensibilidade e comunicabilidade ; iniciativa e dinamismo; auxilia o designer para que este possa ter uma visão de forma como um todo; apurado senso estético (harmonia, equilíbrio, sensibilidade, estrutura, morfologia, beleza); referencial estético muito forte ( domina o detalhes na harmonia da base e construção do produto ); tem uma maneira de viver e de entender os conceitos, usando um estilo próprio, o que reflete a sua postura frente aos elementos pesquisados; uma filosofia: a cultura como um todo, busca e valorização dos elementos mais básicos para compor uma idéia (o ser e viver); um modo, uma linha, um estilo e busca um conjunto coerente 28

29 atento às manifestações culturais, sociais e econômicas mundiais; pesquisa estilo e moda para as estações, sempre correlacionando a tendência anterior, somada à nova. Essa mudança não se faz de forma radical. A evolução se faz junto com os clientes. Operacionalizando de forma adequada estes conhecimentos, o estilista poderá criar a base para coleções coerentes com a moda vigente, dentro de um estilo próprio e com ampla afinidade com as necessidades dos consumidores. Isto possibilita, que a empresa forme o seu conceito e firme sua identidade frente ao mercado. Observatório O estilista trabalha para traduzir comportamento. Pode-se dizer que o estilista antecipa acontecimentos e é capaz de viabilizar a manifestação, os desejos e movimentos da sociedade. 29

30 Para ser fiel a esta sociedade e ser aceito pela mesma como provedor de componentes fundamentais destas manifestações (produtos), o estilismo exige muita sensibilidade, além de uma entrega total para o trabalho. É a confirmação da expressão: vive a moda 24 horas por dia. Neste enfoque pode-se fazer notar três fases: Observar é uma etapa. Interpretar rapidamente as expectativas do mercado alvo, suas exigências e suas necessidades é uma segunda fase. Fazer voltar à sociedade os produtos por ela esperados e fazêlos combinar com ela, é o desafio maior. Portanto, a sociedade é uma fonte inspiradora, mas é ao mesmo tempo a beneficiada. Mesmo com a globalização, os povos mantém particularidades, suas tradições, sua cultura, seu biotipo. Algumas manifestações sociais também são particulares. O estilismo capta isto tudo, com a missão de personalizar a moda e seus produtos para bilhões de consumidores. Portanto, olho aberto e antenas ligadas! Riquezas do passado Sabemos que a moda é cíclica. É comum valorizar movimentos marcantes do passado. A assimilação desta vontade de retorno é mais uma fonte para o estilista fazer a sua coleta de elementos que poderão ser um parâmetro para novos desenvolvimentos. Mais uma vez vemos a importância da fidelidade do estilismo com o seu mundo e neste particular é fundamental o conhecimento estético e histórico da moda e de quem dela faz uso. Ambientes As propostas de arquitetura e decoração de ambientes e o próprio ambiente são uma das fontes mais seguras para o estilista buscar elementos de definição dos grandes temas de estilismo. As pessoas criam seu habitat de acordo com suas verdades e tendem a aceitar propostas de produtos que tenham uma identificação com o seu jeito de ser e viver. 30

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina

Design Estratégico. Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Profa. Dra. Cristianne Cordeiro Nascimento criscordeiro@uel.br Universidade Estadual de Londrina Design Estratégico Vamos ver neste final de semana... Criatividade e inovação, design e sociedade contemporânea.

Leia mais

Temos assim os pontos importantes a considerar na atividade de projeto:

Temos assim os pontos importantes a considerar na atividade de projeto: Projeto em gestão de produção Segundo Sir Monty Finneston (1987), projeto é o processo conceitual através do qual algumas exigências funcionais de pessoas, individualmente ou em massa, são satisfeitas

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

one year DESIGN DE MODA

one year DESIGN DE MODA one year DESIGN DE MODA Coordenação Luiz Wachelke Início 05/10/2015 Término 10/2016 Carga horária 360 horas Idioma Português (summer opcional em Barcelona) Aulas Segundas e quartas das 19h30 às 22h30 e

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

gestão, inovação e liderança com atitude

gestão, inovação e liderança com atitude gestão, inovação e liderança com atitude perfil Lígia Fascioni é Engenheira Eletricista, Mestre em Engenharia Elétrica na área de Automação e Controle Industrial, Especialista em Marketing e Doutora em

Leia mais

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso.

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso. RESUMO Email Marketing: Pós-Graduação em Arquitetura Contemporânea 1 Silvia Fernanda Santos de SENA 2 Thiago Jerohan Albuquerque da Cruz 3 Fernando Israel FONTANELLA 4 Universidade Católica de Pernambuco,

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA NA CONSTRUÇÃO DO VESTUÁRIO

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA NA CONSTRUÇÃO DO VESTUÁRIO UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA NA CONSTRUÇÃO DO VESTUÁRIO Erodíades Daboit Possamai¹ Resumo: Este trabalho visa mostrar as tecnologias na indústria do vestuário e a função dos profissionais responsáveis

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Engineers Prefácio O Engenheiro 2020 Como será ou deveria

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios Orientações para elaborar um Plano de Negócios Maio de 2010 www.nascente.cefetmg.br Página 1 Apresentação Este documento contém um roteiro básico de Plano de Negócios. O objetivo é permitir que o futuro

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH

4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 4. BANCO DE COMPETÊNCIAS PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO DE CAPACITAÇÃO DE RH 1. INTRODUÇÃO Gilson da Silva Cardoso Antonio Carlos Francisco Luciano Scandelari O mundo está experimentando

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

Valores & Princípios. Grupo Freudenberg

Valores & Princípios. Grupo Freudenberg Valores & Princípios Grupo Freudenberg C o n d u ta e C o m p o r ta m e n t o C o n d u ta e C o m p o r ta m e n t o Nossos Princípios & Conduta e Comportamento 3 Os Nossos Princípios e o documento de

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores

Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Empreendedorismo e comportamento empreendedor: como transformar gestores em profissionais empreendedores Ana Maria Bueno (CEFETPR/PG) ana@pg.cefetpr.br Dr ª. Magda L.G. Leite (CEFETPR/PG) magda@pg.cefetpr.br

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

GESTÃO NO DESIGN DE INTERIORES: O Designer, Métodos e Práticas Interdisciplinares I. Professora: Bárbara Ribeiro

GESTÃO NO DESIGN DE INTERIORES: O Designer, Métodos e Práticas Interdisciplinares I. Professora: Bárbara Ribeiro GESTÃO NO DESIGN DE INTERIORES: O Designer, Métodos e Práticas Interdisciplinares I Professora: Bárbara Ribeiro B-RIBEIRO.COM Aula 07: 15-Junho DIFERENCIAIS NO SERVIÇO JÁ OFERECIDO... Melhorar o que já

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com.

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com. Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil bbbrothers@bbbrothers.com.br O equilíbrio necessário para se tornar um excelente gerente

Leia mais

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs Vendas - Cursos Curso Completo de Treinamento em Vendas com - 15 DVDs O DA VENDA Esta palestra mostra de maneira simples e direta como planejar o seu trabalho e, também, os seus objetivos pessoais. Através

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 3º Encontro - 24/02/2012 18:50 às 20:30h 02 Matar um elefante é fácil. Difícil é remover o cadáver. (Mikhail Gorbachev Estadista

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2011/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2011/1 1 1 INTRODUÇÃO AO DESIGN DE MODA Terminologias e conceitos da área. Contextualização e processo de moda. Mercado. Ciência e. 2 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO Leitura analítica e crítica. Gêneros textuais.

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Design (2004), o curso de graduação em Design deve ensejar, como perfil desejado do formando, capacitação para a apropriação

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

SEJA UM LOJISTA DUOCASA

SEJA UM LOJISTA DUOCASA SEJA UM LOJISTA DUOCASA DUOCASA A DUOCASA é uma marca de móveis planejados com design internacional. O crescimento e o sucesso da marca estão ligados a uma rede de lojistas centrados num poderoso conceito

Leia mais

Como IDENTIFICAr AS oportunidades E CoNqUISTAr o ClIENTE

Como IDENTIFICAr AS oportunidades E CoNqUISTAr o ClIENTE Como IDENTIFICAr AS oportunidades E CoNqUISTAr o ClIENTE A abertura de empresas tem uma grande importância na sociedade em que vivemos, pois gera diversos benefícios, como empregos e riquezas para o país.

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Estabelecimento da Diretriz Organizacional

Estabelecimento da Diretriz Organizacional Estabelecimento da Diretriz Organizacional AULA 3 Bibliografia: Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia SAMUEL C. CERTO & J. P. PETERTO ASSUNTO: Três importantes considerações

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

As exigências e transformações do mercado de trabalho neste novo milênio

As exigências e transformações do mercado de trabalho neste novo milênio As exigências e transformações do mercado de trabalho neste novo milênio 1) - Quais as transformações efetivas que estão ocorrendo no mundo dos negócios e como tais mudanças interferem no movimento do

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Expandir visões e criar novas estratégias para o seu negócio. Podemos fazer isso juntos.

Expandir visões e criar novas estratégias para o seu negócio. Podemos fazer isso juntos. Expandir visões e criar novas estratégias para o seu negócio. Podemos fazer isso juntos. Quem somos A 2DA Branding & Design é uma empresa de construção de marca. O que fazemos Transformamos ideias e negócios

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL Questão n o 1 a) O candidato deverá apresentar seis dentre as seguintes vantagens: Domínio de tecnologia capaz de produzir bens preferidos por certas classes de compradores Aumento dos índices de qualidade

Leia mais

PESSOAS ORGANIZACIONAL

PESSOAS ORGANIZACIONAL #7 #8 CULTURA GESTÃO DE PESSOAS ORGANIZACIONAL ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição de cultura 3. A cultura organizacional 4. Níveis da cultura organizacional 5. Elementos da cultura organizacional 6. Dicas

Leia mais

Ponto de Venda para Vender FERRAMENTAS DE MARKETING - DIREITOS RESERVADOS

Ponto de Venda para Vender FERRAMENTAS DE MARKETING - DIREITOS RESERVADOS Ponto de Venda para Vender FERRAMENTAS DE MARKETING - DIREITOS RESERVADOS Como marca, fachada e merchandising podem se ajudar O DESAFIO Competindo com Competência Todos sabem que a competitividade do mercado

Leia mais

Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes

Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes Copyright 2011 Edvaldo de Farias Prof. Edvaldo de Farias, MSc. material disponível em www.edvaldodefarias.com Minha expectativa

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO É o processo gerencial de desenvolver e manter um ajuste viável entre os objetivos, experiências e recursos da organização e suas oportunidades de mercado. Moldando e remoldando

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

Empreendedorismo COMPETÊNCIAS HABILIDADES

Empreendedorismo COMPETÊNCIAS HABILIDADES Empreendedorismo Curso de Moda e Estilismo Graduação em Administração de Empresas Especialização em Marketing Empreendedorismo COMPETÊNCIAS Conhecer o processo de empreender utilizando as estruturas, as

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011)

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) 1 ERA DOS TALENTOS SEGUNDO PETER DRUCKER, O PAI DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA, ESTAMOS NO INÍCIO DA ERA DOS TALENTOS. FORÇA FÍSICA,

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

O Trabalho escrito atenderá ao disposto no Manual de Normatização de Projetos Finais da ESAMC.

O Trabalho escrito atenderá ao disposto no Manual de Normatização de Projetos Finais da ESAMC. Plano de Ensino CURSO: MBA Regular - Negócios Internacionais DISCIPLINA: Plano de Internacionalização Banca Final Última revisão: Abril/2015 Horas-aula: Orientação do projeto: 30 Desenvolvimento do projeto:

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais