Poupatempo: Inovando o Atendimento no Serviço Público

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Poupatempo: Inovando o Atendimento no Serviço Público"

Transcrição

1 Poupatempo: Inovando o Atendimento no Serviço Público Em meados de 1995, após o recém-empossado Governador de São Paulo, Mário Covas, aprovar o conceito do Programa Poupatempo, uma espécie de shopping de serviços públicos, a equipe da Secretaria de Governo e Gestão Estratégica se deparou com o desafio de operacionalizar essa tarefa. Integrante desse time, o administrador público Daniel Annenberg, jovem executivo com experiências profissionais de reforma administrativa na prefeitura de São Paulo e no governo federal, se perguntava sobre como viabilizar uma iniciativa que tinha como meta revolucionar a prestação de serviços ao cidadão deparando-se com um legado de reformas administrativas incompletas ou mal-sucedidas, resistência dos órgãos públicos envolvidos e a própria complexidade de melhorar a desgastada imagem da máquina estatal. Histórico Em 1994, ano de eleições para o governo estadual de São Paulo, o candidato a governador Mario Covas propôs em seu programa de governo a implementação de uma espécie de shopping de serviços públicos. A inspiração vinha das discussões em torno das propostas de Reforma do Estado, da busca da melhoria da qualidade do atendimento dos serviços públicos estaduais à população e também dos textos de Hélio Beltrão sobre processos de desburocratização. O objetivo era mudar a imagem negativa dos serviços públicos, que em muitos casos era reflexo da realidade, e garantir aos cidadãos o acesso a informações e documentos, de maneira simplificada e ágil, inclusive para que deixassem de depender dos serviços de intermediários. Essas eram as bases da proposta do Poupatempo. Apesar de não ter ainda claro o desenho operacional do programa, o governador pretendia fazer algo que se caracterizasse pela reunião de diversos serviços públicos em um só local de fácil acesso, com horário de atendimento ampliado e informações claras e precisas para o cidadão. Do ponto de vista do Estado, um dos objetivos principais desta central de atendimentos era o aumento da eficiência na prestação de serviços, significando redução de custos, decorrente da maior produtividade do pessoal, da desburocratização e dos ganhos em escala obtidos com a concentração de serviços em um único espaço, levando à otimização do uso dos recursos. Já para a população, os benefícios esperados eram a melhoria de qualidade de vida, resultante da economia de tempo em deslocamentos e filas de espera; a economia de dinheiro nos gastos com locomoção e no pagamento a intermediários; o reconhecimento de sua cidadania, refletida na qualidade do atendimento, no relacionamento com funcionários capazes de solucionar seus problemas, no conforto do ambiente e, finalmente, na oportunidade de participar da avaliação dos serviços oferecidos. Antecedentes: Como era o Estado Ter acesso a informações ou serviços públicos sempre foi, para muita gente, sinônimo de peregrinação por diversas repartições públicas, enfrentando filas, funcionários mal humorados e esperas intermináveis em ambientes quase abandonados. A esta imagem ainda se juntava a de mesas entulhadas de papéis a serem morosamente carimbados. Em 1995, quando o Mario Covas assumiu o governo de São Paulo, encontrou os serviços prestados pelo estado organizados de forma caótica ou demasiadamente engessada, com pouca ou nenhuma preocupação com a qualidade no atendimento oferecido ao cidadão. Os documentos eram, geralmente, emitidos de acordo com uma estrutura hierárquica e departamentalizada, num processo que se repetia em cada uma das secretarias e empresas da administração indireta (como pode ser visto em anexo). Essa estrutura seguia o modelo funcional do Estado, em que cada órgão trabalha autonomamente, sem relação com os demais. Dessa forma, cada documento era feito segundo os parâmetros da secretaria, departamento ou seção responsável, dificultando a racionalização de procedimentos ou o aproveitamento de informação coletada em um órgão pelo outro. Além de problemas nos processos e demora na emissão, o cidadão ainda tinha que ir a diferentes locais para conseguir cada um de seus documentos. A Professora Marta Ferreira Santos Farah e os assistentes de pesquisa Fernando do Amaral Nogueira e Gabriela Spanghero Lotta da FGV-EAESP preparam este caso para ser utilizado como material didático em sala da aula; não se destina a ilustrar ou demonstrar a condução correta ou incorreta de estratégias ou decisões administrativas. Versão preliminar. Copyright 2004 FGV-EAESP. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, arquivada em sistema, usada em planilha, ou transmitida em qualquer forma e por qualquer meio eletrônico, mecânico, fotocópia, gravação, ou outro sem a permissão dos autores.

2 Um exemplo prático de como esse modelo de prestação de serviços gerava prejuízos ao cidadão era o processo de cobrança de multas. Havia pelo menos cinco órgãos públicos diferentes que podiam emitir multas, entre eles a policia militar estadual, a CET (Companhia de Engenharia de Trânsito, de nível municipal) e a policia rodoviária estadual. Assim, ao renovar o licenciamento anual do carro, uma pessoa que tivesse sido multada por vários órgãos teria que necessariamente passar por diversos processos, com prazos, procedimentos e locais de cobrança diferentes. Além do desconforto gerado e da ineficiência econômica tanto para o poder público quanto para o cidadão, tal situação favorecia a ação de intermediários, os chamados despachantes, privilegiando os que tinham meios de pagar por seus serviços. Mas a falta de foco nas necessidades do cidadão e a divisão excessiva de tarefas não eram as únicas características do serviço público brasileiro e, especialmente, da administração pública estadual. A equipe ligada à Secretaria de Governo e Gestão Estratégica identificou também um grande distanciamento entre atividades-meio e a qualidade da prestação de serviços para o cidadão; a inadequação dos locais de atendimentos; uma burocratização excessiva dos procedimentos e rotinas; a ausência de sistemas de avaliação da qualidade do atendimento; a falta de informação sobre os serviços (locais, procedimentos e requisitos para obtenção); e, finalmente, a baixa transparência na relação entre funcionários e população. Começando a pensar na solução Em 1995, Mario Covas assumiu o governo com o desafio de modernizar a máquina pública, melhorar a imagem do serviço público e, simultaneamente, enfrentar uma crise fiscal grave, que limitava as possibilidades de investimento e tornava clara a necessidade de se priorizarem as ações de governo. A partir desse cenário, o Governador pediu que cada Secretário de Estado propusesse, em pouco tempo, uma ou duas iniciativas consideradas fundamentais para atingir os principais objetivos de Governo. A Secretaria de Governo e Gestão Estratégica, que tinha a função de promover e coordenar projetos que necessitassem envolvimento de mais de uma secretaria, identificou, a partir da experiência de sua equipe e do diagnóstico realizado nos primeiros meses de governo, dois projetos considerados como prioritários: a reforma institucional do Estado e a melhoria da qualidade no atendimento ao cidadão. Ambas as iniciativas eram vistas como etapas do processo de construção de um Estado mais moderno, ágil, transparente e que pudesse ter impactos positivos no dia a dia dos habitantes do Estado de São Paulo. O Secretário da pasta, Antonio Angarita, um dos professores fundadores da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (EAESP-FGV) e com larga experiência no setor público, defendia a importância da Reforma Institucional, por meio do enxugamento das secretarias de governo, a revisão do tamanho e das funções do Estado (incluindo um programa de desestatização) e da reforma da política de carreira. Não se tratava de uma reforma fácil, não só pela complexidade do tema, mas também pelo potencial de mudança das estruturas de poder existentes e pela necessidade da aprovação de leis pela Assembléia Estadual. Já o programa de melhoria da qualidade ao atendimento do cidadão, defendida pelo Secretário Adjunto da secretaria, Dalmo Nogueira, consistia numa proposta ligada diretamente à prestação de serviços e que tinha, como diretriz principal, melhorar o atendimento na ponta, contribuindo para mudar a percepção do cidadão quanto aos serviços do Estado. Essa visão vinha da experiência profissional no setor público do secretário-adjunto, também ele próprio professor de longa data da EAESP-FGV. Quando as propostas foram apresentadas ao Governador no 2 o semestre de 1995, este se entusiasmou com ambas as idéias, destacando seu potencial de revolucionar a gestão pública, mas manifestou ao mesmo tempo dúvidas em relação à possibilidade de sucesso dos projetos. A equipe percebeu essa reação dúbia como um incentivo e uma provocação ao mesmo tempo o Governador parecia disposto a delegar poder real para que as iniciativas pudessem ser implementadas, mas exigia simultaneamente propostas viáveis e que pudessem realmente ser efetivamente implementadas. Foram montadas então equipes separadas para tratar das questões, em razão do escopo de cada iniciativa e de necessidades diferentes de envolvimento dos órgãos públicos. Na proposta de reforma institucional, a confidencialidade do grupo de trabalho e dos planos era fundamental, já que o vazamento de informações corretas ou não poderia impedir os avanços da reforma. Já a equipe de melhoria na qualidade do atendimento ao cidadão, pelo contrário, precisava tornar pública sua intenção de modernização de serviços e buscar o envolvimento e o comprometimento das equipes nas secretarias e órgãos públicos com o projeto. Em viagem a um 2

3 congresso na Bahia, Julio??, Lucia?? e Aguni??, pertencentes à equipe, entraram em contato com o chamado Serviço de Atendimento Público, o SAC, programa do governo estadual que pretendia melhorar o atendimento ao cidadão. O Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC) reunia, em um mesmo espaço, diversos serviços, integrando o que era oferecido por secretarias diferentes, agilizando e revendo processos e melhorando a qualidade do atendimento ao cidadão. Convencidos de que a idéia da Bahia poderia dar uma boa respostas às propostas da Secretaria, elaboraram um projeto que foi aprovado em seguida por Dalmo Nogueira. Com base nas idéias do projeto, e após realizar este planejamento inicial, a equipe da secretaria concluiu que teria de atuar em três áreas principais: Recursos Humanos: para garantir a mudança na forma de se atender a população, era necessário investir na capacitação dos recursos humanos. Para que o projeto obtivesse o sucesso previsto seria necessário valorizar o funcionalismo público, resgatar sua auto-estima e oferecer-lhe condições adequadas de trabalho. Revisão de processos: deveria ser feita uma racionalização e simplificação de procedimentos, incluindo aí a informatização. Infra-estrutura e arquitetura: os espaços e a infra-estrutura necessária à prestação dos serviços deveriam estar de acordo com os princípios de qualidade, de rapidez e de respeito ao cidadão, usuário dos serviços públicos. Para concretizar essa visão, a equipe responsável pelo desenvolvimento do futuro Poupatempo foi constituída, no início de 1996, por seis pessoas, vindas da própria secretaria de Governo e Gestão Estratégica e da Prodesp Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo. Esta empresa, comandada por um novo presidente, o deputado estadual Júlio Semeghini, buscava a duras penas se modernizar, começando a lidar com conceitos como governo eletrônico e procurando incorporar novas tecnologias, como a Internet e as redes de Intranet. A Secretaria tinha como desafio planejar e viabilizar politicamente a iniciativa, já que necessariamente teria de envolver diversas secretarias de Estado. À Prodesp caberia trabalhar dando apoio à viabilização da operação do novo programa, tanto organizacional como tecnologicamente. Um trabalho de equipe Se as definições políticas e institucionais gerais cabiam ao secretário adjunto da pasta e as diretrizes tecnológicas dependiam da equipe da Prodesp, era responsabilidade do recém-contratado Daniel Annenberg coordenar a equipe operacional que buscava traduzir as definições amplas em procedimentos e ações efetivas. Daniel, administrador público formado pela EAESP-FGV e cientista social pela Universidade de São Paulo, já tinha uma experiência de 5 anos como assessor em projetos de reforma administrativa, tanto na prefeitura de São Paulo como trabalhando na Escola Nacional de Administração Pública e na Secretaria Especial de Reforma Administrativa, ambas do governo federal. A equipe que ele coordenava era composta também por um especialista em sistemas de informação, um especialista em informática, um em recursos humanos e dois em arquitetura e engenharia. Este grupo ficou responsável pelo desenho do programa, em termos organizacionais e operacionais, e concebeu as mudanças essenciais para a implantação do Poupatempo. Ainda que as diretrizes já estivessem traçadas, havia pouca clareza sobre que forma dar ao programa. Os gestores paulistas buscaram então conhecer iniciativas semelhantes em outros Estados. Nesta mesma época, o Governo do Estado da Bahia lançou um programa com objetivos similares aos propostos pelo Poupatempo. Além da Bahia, outras experiências como a Rua da Cidadania, de Curitiba, a Central de Atendimento de Florianópolis e a Ação Global promovida pela Rede Globo, que consistia em organizar caravanas que levavam até a população a possibilidade de ter acesso a documentos, serviram também de base para o Governo do Estado de São Paulo. Após fazer um benchmarking 1 considerando as diversas experiências, com base em um cuidadoso planejamento, promovido ao longo de 1996, a equipe responsável pelo novo projeto tomou a primeira decisão importante em termos de definição das características do programa: criar postos de atendimento ao cidadão que unificassem em um mesmo espaço mais de 500 serviços públicos. 1 Processo contínuo de comparação dos produtos, serviços e práticas realizado entre entidades reconhecidas como líderes ou com algum diferencial de atuação. É um processo de pesquisa que permite realizar comparações de processos e práticas entre diversas entidades para identificar formas de melhorar a atuação das organizações. 3

4 Além de melhorar o acesso aos cidadãos, essa unificação de serviços facilitaria a implantação de novos padrões de atendimento, por estar distante do local original de prestação dos serviços, favorecendo a consolidação de novos paradigmas. A equipe chegou, então, aos dois conceitos norteadores do projeto: 1) Reunião de vários órgãos prestadores de serviços públicos, entidades da sociedade civil e empresas prestadoras de serviços de natureza pública, num único espaço. 2) Estabelecimento de um novo paradigma de padrão de atendimento ao cidadão no setor público, caracterizado pela eficiência, pela qualidade, pela rapidez e pelo respeito às pessoas. Tendo tais conceitos norteadores como referência, foram formulados os seguintes objetivos para o novo programa, já então intitulado Poupatempo: Ampliar o acesso do cidadão a informações e aos serviços públicos; Proporcionar qualidade do atendimento, economia de tempo e de esforço ao cidadão; Restaurar o caráter público dos serviços de atendimento; Propiciar transparência à gestão pública; Aproximar o Estado do cidadão; e Buscar a melhoria contínua do atendimento, desburocratizando-o e simplificando-o sempre que possível, sem ferir a legislação existente. Além de melhorar a qualidade de vida da população, o projeto pretendia se tornar um modelo de serviço público no Estado. A fase seguinte de planejamento consistiu na busca de soluções concretas para os objetivos gerais do programa. Usando como base as experiências similares implantadas no país citadas anteriormente, e partindo de uma análise crítica dos processos de emissão dos principais documentos produzidos pelo Governo do Estado, foram delineados, ao longo de várias semanas, diversos padrões como a disponibilização de diversos serviços e informações num único espaço e em horário de atendimento ampliado; a presença, no mesmo espaço, de serviços de apoio (bancos, foto, fotocópia, papelaria e lanchonete); o acesso a serviços sem intermediários; a redução de custos e a diminuição significativa do tempo de espera para o cidadão; a disponibilização de informações e orientações por diversos meios, como telefone, internet e quiosques de auto-atendimento. Por último, foi considerada importante a oferta de vários canais de manifestação para a população, como fichas de sugestões e reclamações, , computadores disponíveis para a avaliação dos serviços oferecidos, teleatendimento e pesquisas de satisfação dos usuários do Poupatempo Processo de Implementação A equipe decidiu que o primeiro passo para a implantação do programa seria estabelecer o diálogo com os órgãos a serem envolvidos, fossem eles da Administração Direta do Governo do Estado, da Administração Indireta ou de outros serviços que poderiam ser integrados, inclusive da iniciativa privada. Entre os órgãos contatados incluíam-se: Secretaria Estadual da Fazenda, Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho, Detran, Instituto de Identificação, Eletropaulo, Telefônica, Caixa Econômica Federal, Nossa Caixa, Sabesp e Correios. Daniel sabia que esse era um processo particularmente importante e difícil para o sucesso do programa, considerando que cada secretaria tinha sua própria estrutura, sua cultura organizacional, seu próprio orçamento, etc. Para garantir a força e apoio político ao programa, diminuindo possíveis resistências das secretarias, o governador Mario Covas decidiu reunir todas as equipes das diversas secretarias dando instruções para que todos assumissem um compromisso com o programa. Além de garantir melhor implementação do programa, a idéia de reunir todas as secretarias e estabelecer um compromisso comum garantia que, pela primeira vez, houvesse a idéia de um governo único e unido, sem as tradicionais divisões entre áreas e setores. Para amenizar os riscos de resistência, foram escolhidos representantes de cada órgão que tivessem tanto a capacidade técnica para lidar com as questões que surgem no cotidiano de atendimento à população, como para responder por questões políticas referentes ao órgão. Foi feito inicialmente um diagnóstico de atendimento nos principais serviços (fluxos de atendimento, tempo de atendimento, tempo de espera) e nas filas das repartições públicas, mapeando as dificuldades e demandas da população. Em seguida, para garantir a adesão efetiva de todos, foram realizados debates com os participantes sobre temas como postura no ambiente de trabalho, desburocratização e atendimento de igual qualidade a qualquer cidadão, independente de sua procedência ou nível sócio-econômico. 4

5 O passo seguinte foi a realização de levantamento e análise das informações sobre os procedimentos exigidos dos cidadãos em todos os serviços a serem disponibilizados, com identificação dos nós críticos e estabelecimentos de metas. E, por último, procedeu-se à identificação, em cada serviço a ser oferecido, de aspectos relevantes para a inovação no atendimento (seleção de funcionários, treinamento, informatização, racionalização, barateamento de custos para o cidadão, entrega do documento, etc.). Dificuldades à vista... A equipe percebeu que a revisão dos processos seria mais complicada do que se pensava. Além de rever fluxos, diminuir a papelada, informatizar e integrar dados, a implantação do programa teria que lidar com os problemas políticos que surgiriam e que dificultavam o diálogo entre diferentes níveis de governo. À medida que os serviços fossem prestados não apenas nas respectivas Secretarias, mas fossem também colocados em um espaço comum, cada serviço, apesar de ser ainda subordinado às respectivas Secretarias, estaria submetido a padrões comuns de qualidade, eficiência, eficácia e atendimento exigidos pela gerência do Poupatempo, estabelecendo, assim, pressões por mudanças semelhantes nos processos internos de cada Secretaria. A resistência vinha tanto de órgãos ou setores com cultura organizacional historicamente estabelecida, como a Polícia, que tem rotinas, uniformes, códigos e rituais próprios, quanto de órgãos cujo setores de sua burocracia se beneficiavam de padrões ineficientes de atendimento, gerando brechas para corrupção ou beneficiamento de intermediários nos processos. Outra dificuldade natural vinha do desafio de transformar radicalmente a mentalidade e forma de ação dos funcionários públicos, que deveriam ser capacitados para atuar de acordo com os novos padrões estabelecidos. Isso poderia, porém, ser facilitado com a distância, inclusive física, desses novos padrões em relação aos procedimentos originais de prestação de serviços, vigentes nos órgãos de origem destes funcionários. 2 Além disso, o governo passava por sérios problemas financeiros, o que não lhe possibilitaria realizar grandes transformações ou revisões de processo sem um alto dispêndio correspondente. Como resultado dessa etapa, foram constituídos quadros comparativos entre processos até então adotados e que se definiu como o padrão ideal (Anexo 2). A análise desses quadros, porém, evidenciava a distância entre os padrões desejados, e adequados às teorias e recomendações em reforma administrativa, e o que parecia ser viável de se atingir no tempo de um mandato político. Melhorar todos os processos internos, informatizar e modernizar as retaguardas destes órgãos antes de inaugurar os serviços, para que ficassem da forma ideal, demoraria no mínimo dois ou três anos. Dessa maneira, o Poupatempo só poderia ser inaugurado no final de 1998, ano de novas eleições para Governador, ou ficar para uma nova administração pública. Se, por um lado, a inauguração de um bom programa no ano de eleição poderia ser positiva para a imagem política do governo, por outro lado a equipe correria o risco de não conseguir a implantação do programa a tempo e, ainda que isto ocorresse, poderia não haver resultados concretos e passíveis de serem quantificados e divulgados, dado o curto tempo de funcionamento do novo programa 3. Rever todos os processos, no entanto, continuava sendo a meta, o ideal em termos de processos e atendimentos. A equipe sabia que dessa forma garantiria ao cidadão o melhor atendimento, bem como processos que levariam à maior eficiência do serviço público. Essa possibilidade, no entanto, poderia ser efetivada apenas em 98 ou 99, já no primeiro ano de uma nova administração. A equipe pensou em trabalhar, então, com outra possibilidade: poderia começar a implantação do projeto em um modelo aquém do ideal, mas que pudesse se efetivar mais rapidamente. Tendo esta alternativa em vista, solicitou que o mapeamento de fluxos e processos fosse refeito, procurando identificar possíveis resultados de mudanças a curto prazo, ainda que não fossem as ideais. Essa reforma levaria a um padrão intermediário de serviço (Anexo 3), no qual seriam revistos apenas alguns poucos e prioritários processos, mas tentando se garantir ao cidadão um espaço adequado e qualidade do atendimento. Esta alternativa caracterizaria uma reforma da ponta para dentro, ou seja, em primeiro lugar, 2 Outras iniciativas semelhantes, como o SAC da Bahia, então referência na época, optaram por contar com funcionários terceirizados, sem os vícios de muitos funcionários públicos. 3 Naquela época ainda não se contemplava a possibilidade de haver reeleição, já que a lei só foi aprovada em

6 seriam melhorados os serviços e o atendimento ao cidadão, para, num segundo momento, serem revistos de forma mais profunda os processos internos de execução dos serviços. Esta alternativa garantiria o lançamento do projeto ainda em Estava claro para Daniel que esta hipótese não era isenta de riscos, porém, já que um ambicioso programa chamado Poupatempo que não cumprisse minimamente seus objetivos prestar um bom serviço e com qualidade ao cidadão poderia gerar rejeição pela população, prejudicando ou talvez inviabilizando o desenvolvimento de longo prazo do programa. Um exemplo da diferença entre as duas abordagens pode ser ilustrado com a emissão da Carteira de Identidade, descrita em detalhe nos anexos. O processo, sob responsabilidade da polícia estadual, chegava a demorar entre dois e três meses, combinando serviço ruim para o cidadão com falta de recursos e lentidão nos procedimentos administrativos internos à política. Não só a emissão da primeira via de identidade era complexa: a gestão dos arquivos de fichas com os documentos que comprovavam as emissões das carteiras era totalmente manual e repousava em milhares de caixas de sapato, que continham os mais de 100 milhões de fichas existentes, dos quais aproximadamente 30 milhões correspondiam a fichas ativas ou seja, de pessoas vivas. A emissão de uma segunda via de carteira passava necessariamente por esse arquivo. Os documentos entregues pelos cidadãos nas delegacias ou postos da polícia eram transportados manualmente até o arquivo central, para serem então comparados a uma ficha encontrada no meio das milhares de caixas, atestando sua veracidade. Feita a verificação, o novo documento era emitido e, finalmente, enviado ao cidadão. Uma reforma considerada ideal deveria, necessariamente, passar pela informatização do sistema e pela digitalização das milhões de fichas. O custo previsto e o prazo de implementação deste novo processo, porém, geralmente inviabilizavam essa iniciativa, desencorajando qualquer iniciativa de melhoria. Até que ponto era possível encontrar uma alternativa intermediária que combinasse melhoria da percepção do processo pelo usuário final, a otimização do processo e custos e prazos de implementação viáveis? Dois caminhos, uma recomendação A partir desse tipo de desafio, Daniel sabia que deveria preparar o plano final para ser apresentado ao secretário-adjunto de Governo e Gestão Estratégica, que então iria defender o projeto frente ao Governador. Sabia também que a preferência da alta cúpula da secretaria era pela solução que focasse claramente na melhoria do atendimento ao cidadão e na viabilidade e rapidez da implementação. Repassou então em sua cabeça as opções que tinha e as conseqüências que cada posição poderia ter. Claramente, uma opção parecia ser mais viável, porém corria o risco de resultar em mudanças superficiais uma reforma que começa na ponta do serviço público seria capaz mesmo de contaminar positivamente as secretarias envolvidas? Ou tenderia a permanecer como uma mudança localizada, fora da estrutura central da máquina burocrática? Por outro lado, esperar para fazer uma reforma mais completa para só então implementar o serviço também teria seus custos políticos e riscos quanto à sua viabilidade. Sabia que eram, por vezes, vistas como iniciativas principalmente de técnicos ou burocratas que desconsideram as variáveis políticas e o macro-ambiente que podem favorecer ou não a aplicação das reformas. Foi então que viu o em seu computador confirmando a reunião para o dia seguinte com Antonio Angarita, secretário de Governo e Gestão Estratégica, Dalmo Nogueira, secretário-adjunto da pasta, e Júlio Semeghini, presidente da Prodesp. Abriu a apresentação em que vinha trabalhando há semanas e foi logo ao slide final, cujo título era Recomendações. Respirou fundo e começou a escrever. 6

7 Anexo 1 SECRETARIA X EMPRESA B EMPRESA C SUPERINTENDENCIA 1 SUPERINTENDENCIA 2 DEPTO. 1 DEPTO. 2 DEPTO. 3 DIVISÃO 1 DIVISÃO 2 DIVISÃO 3 SEÇÃO 1 SEÇÃO 2 SEÇÃO 3 Emissão de Emissão de licenças sobre... Emissão de certificados sobre.. atestados sobre... 7

8 Anexo 2 Emissão de Carteira de Identidade a) Documento obrigatório para todo o cidadão (brasileiro nato e naturalizado); - o que quer dizer rg? b) É o 2º Documento de Cidadania (1º Certidão de Nascimento); c) Válido em todo o território nacional; d) Cada Estado tem o seu controle e a sua base de dados; e) O Atestado de Antecedentes Criminais é gerado a partir do prontuário deste documento. Responsável pela emissão: INSTITUTO DE IDENTIFICAÇÃO RICARDO GUMBLETON DAUNT (IIRGD) Postos Tradicionais (1) Postos Poupatempo (2) Poupatempo Futuro (3) Posto Retaguarda Posto Retaguarda Posto Retaguarda Cidadão leva Cidadão leva Cidadão leva Ficha de fotos e documentos de Identificação documentos de registro preenchida, registro fotos e documentos de registro Atendimento analisa e recebe documentação para RG e Atestado de Antecedentes Coleta de digitais por entintamento. Pesquisa nos terminais de grande porte para cadastro, pesquisas criminal e civil Atendimento efetua pesquisas criminal e civil, e cadastro em micros ligados em rede. Coleta de digitais por entintamento. Envio de Busca manual documentos nos arquivos para retaguarda de do IIRGD, para prontuários prontuário pesquisa, confronto para de confronto de digitais e digitais. elaboração do Elaboração do documento. documento. Solicitação automática para busca de à retaguarda do IIRGD. Confronto de digitais e liberação para emissão do documento. Atendimento efetua pesquisas criminal e civil, e cadastro em micros ligados em rede. Coleta de digitais, assinatura e fotos de forma digitalizada. Efetua busca Retaguarda do manual nos Poupatempo - arquivos de 1º : solicitação prontuário. automática para busca manual do prontuário. 2º : busca da imagem do prontuário digitalizado. Transmite Confronto de imagem do digitais, liberação prontuário para o e emissão do Poupatempo para documento confronto de digitais. Digitalização do acervo de prontuários arquivados em papel e dos gerados posteriormente nos Postos Tradicionais Elaboração do documento. Elaboração documento. do 8

9 Anexo 3 - Procedimentos para RG (Atual, Possível a Curto Prazo e Ideal a Longo Prazo) Postos Tradicionais (1) Postos Poupatempo (2) Poupatempo Futuro (3) Posto Retaguarda Posto Retaguarda Posto Retaguarda Cidadão leva Ficha de Identificação preenchida, fotos e documentos de registro Cidadão leva fotos e documentos de registro Cidadão leva documentos de registro Digitalização do acervo de prontuários arquivados em papel e dos gerados posteriormente nos Postos Tradicionais Atendimento analisa e recebe documentação para RG e Atestado de Antecedentes Pesquisa nos terminais de grande porte para cadastro, pesquisas criminal e civil Atendimento efetua pesquisas criminal e civil, e cadastro em micros ligados em rede. Atendimento efetua pesquisas criminal e civil, e cadastro em micros ligados em rede. Coleta de digitais por entintamento. Coleta de digitais por entintamento. Coleta de digitais, assinatura e fotos de forma digitalizada. Envio de documentos para retaguarda do IIRGD, para pesquisa, confronto de digitais e elaboração do documento. Busca manual nos arquivos de prontuários para confronto de digitais.elaboração do documento. Solicitação automática para busca de prontuário à retaguarda do IIRGD. Efetua busca manual nos arquivos de prontuário. Retaguarda do Poupatempo -1º : solicitação automática para busca manual do prontuário.2º : busca da imagem do prontuário digitalizado. Confronto de digitais e liberação para emissão do documento. Transmite imagem do prontuário para o Poupatempo para confronto de digitais. Confronto de digitais, liberação e emissão do documento Elaboração do documento. Elaboração do documento. Anexo 4 - Tempo médio para emissão de RG Postos Tradicionais (1) Postos Poupatempo (2) Poupatempo Futuro (3) Posto Central(Alfredo Issa) Postos Poupatempo Postos Poupatempo Futuro 1ª via maior de idade: 10 a 60 dias 1ª via maior: 5 dias RG e Atestados: no dia seguinte / no mesmo dia 1ª via menor de idade: 2 a 30 dias 1ª via menor: dia seguinte 2ª via: 20 a 60 dias 2ª via: dia seguinte Atestado de Antecedentes: 5 a 15 dias Atestado de Antecedentes: dia seguinte IIRGD: melhorias e inovações Postos Poupatempo X Postos Tradicionais Redução do tempo de processo para a elaboração do documento ao cidadão: Posto Tradicional RG 1ª via maior - 10 a 60 dias RG 1ª via menor - 2 a 30 dias Atestado de Antecedentes - 5 a 15 dias Posto Poupatempo Atual RG 1ª via maior: 5 dias RG 1ª via menor: dia seguinte RG 2ª via: dia seguinte Atestado de Antecedentes: dia seguinte 9

10 IIRGD: Postos Poupatempo no futuro x Postos Poupatempo Atuais Inovação tecnológica na captura de imagem, coleta de digitais e assinatura digitalizadas. Acesso remoto à base de dados (prontuário) digitalizada, com diminuição significativa de passos do processo: - eliminação de gargalos nas atividades de busca de prontuário para confronto e liberação do documento; - ganho de tempo total na elaboração do documento, com a eliminação da busca física no arquivo de prontuários; - diminuição do custo ao cidadão com a captura de imagem (foto) digitalizada e Ficha de Identificação informatizada; Maior segurança física e de acesso aos arquivos de fichas: - acesso lógico restrito à pessoas autorizadas preservando integridade de informações; - sites distintos para arquivo físico e magnético, com maior segurança e recuperação de dados em casos de sinistro; Maior organização e limpeza na forma de trabalhar e atender o cidadão Licenciamento Regularização cadastral e fiscal do veículo, realizada anualmente; Documento válido em todo território nacional; Controle nacional integrado, base de dados única, atualização on-line; Documento de porte obrigatório junto ao condutor do veículo; Responsável pela emissão: Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Anexo 5 - Procedimentos para emissão do Licenciamento (Atual, Possível a Curto Prazo e Ideal a Longo Prazo) Postos Tradicionais do Detran (1) Postos Poupatempo (2) Poupatempo do Futuro (3) Cidadão com documento do veículo e documentos pessoais Cidadão com documentos do veículo e documentos pessoais. Internet - Cidadão digita no sistema número do Registro Nacional do Veículo Auto- Atendimento Bancário(caixas eletrônicos) Postos Poupatempo Idem Cidadão percorre vários setores na Sede do Departamento de Trânsito para levantamento de débitos. Emissão eletrônica de formulários, guia de recolhimento e débitos em uma única etapa, na mesma mesa de atendimento. Formulário adquirido e preenchido via intermediários - Idem. Pagamento das taxas em Posto Bancário na Sede, em outros andares Emissão descentralizada do CRLV Internet - Atualização dos débitos pendentes na hora. Auto-Atendimento Bancário(caixas eletrônicos) Postos Poupatempo Aquisição de selo de identificação para o veículo sistema não integrado em nível nacional. Emissão de Autenticação Digital Idem Idem Emissão de CRLV, a ser retirado na Sede ou Regionais Entrega via correio ou Sede ou Regionais do Detran Idem Entrega no Poupatempo na mesma hora. 10

11 Anexo 6 - Tempo médio para emissão de Licenciamento Postos Tradicionais (1) Postos Poupatempo (2) Poupatempo Futuro (3) 1 dia para percorrer os vários setores do Detran, em vários andares e dois prédios diferentes / retirada no outro dia. - na existência de débitos pendentes, retirada em 15 dias. - via despachante, em 1 semana. No dia. No dia, 15 minutos após entrega do comprovante de pagamentos, ou via correios. Inovações com o Sistema de Emissão do Licenciamento / SAD Maior segurança com a implantação do SAD (Sistema de Autenticação Digital) - algorítmo de identificação única do pagamento; Controle efetivo da arrecadação; Controle único de veículos, evitando fraudes; Diminuição no custo para o cidadão; Integração dos sistemas bancários, Secretaria da Fazenda e Detran - desbloqueio imediato do veículo após pagamento. 11

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Hotsite: Carta de Serviços ao Cidadão do MDS

Hotsite: Carta de Serviços ao Cidadão do MDS PRÁTICA 1) TÍTULO Hotsite: Carta de Serviços ao Cidadão do MDS 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: O Hotsite da Carta de Serviços ao Cidadão do MDS foi um projeto realizado pela Ouvidoria

Leia mais

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC.

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC. Código: MAP-DITEC-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Sistemas Aprovado por: Diretoria de Tecnologia da Informação 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015 TERMO DE REFERÊNCIA PARA REALIZAR A AUTOMATIZAÇÃO DA ANÁLISE DOS PROCESSOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO CEARÁ. SUMÁRIO Objetivo da contratação...2

Leia mais

DESBUROCRATIZAÇÃO NO ATENDIMENTO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E OS RESULTADOS EM PROL DO MUNICÍPIO

DESBUROCRATIZAÇÃO NO ATENDIMENTO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E OS RESULTADOS EM PROL DO MUNICÍPIO TAQUARITINGA-SP DESBUROCRATIZAÇÃO NO ATENDIMENTO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS E OS RESULTADOS EM PROL DO MUNICÍPIO O que nós fizemos? Tudo começou com o nosso corpo técnico participando de cursos, congressos

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP

DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP sistema para gerenciamento de instituições de ensino DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP Nossa Empresa A Sponte Informática é uma empresa brasileira, localizada em Pato Branco, cidade considerada pólo

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

Conjunto de soluções garante uma série de benefícios aos mais de 27 milhões de contribuintes do IRPF

Conjunto de soluções garante uma série de benefícios aos mais de 27 milhões de contribuintes do IRPF Conjunto de soluções garante uma série de benefícios aos mais de 27 milhões de contribuintes do IRPF Perfil A Secretaria da Receita Federal do Brasil RFB desempenha funções essenciais para que o Estado

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação REGIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TI MAPEAMENTO DE PROVIDÊNCIAS INICIAIS Março/2014 V 1.1 REGIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TI MAPEAMENTO

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

Documento de Visão Sistema de Arrecadação de IPTU - SAI

Documento de Visão Sistema de Arrecadação de IPTU - SAI Sistema de Arrecadação de IPTU - SAI Versão 1.1R01 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor (es) 12/08/2008 1.0 Documento inicial Márcio Roehe 26/08/2008 1.1 Revisão Ajustes e complementação Roberto

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.461, DE 04 DE MARÇO DE 2011.

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.461, DE 04 DE MARÇO DE 2011. RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.461, DE 04 DE MARÇO DE 2011. Dispõe sobre a simplificação do atendimento público prestado ao cidadão, ratifica a dispensa do reconhecimento de firma em documentos produzidos

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ALINNE SILVA E QUADROS

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ALINNE SILVA E QUADROS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ALINNE SILVA E QUADROS BLOG DA COHAB: A SOLUÇÃO PARA A COMUNICAÇÃO INTERNA DA EMPRESA RELATÓRIO

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Informações sobre oportunidades de trabalho na INTELECTO CONTACT CENTER

Informações sobre oportunidades de trabalho na INTELECTO CONTACT CENTER Informações sobre oportunidades de trabalho na INTELECTO CONTACT CENTER ASSISTENTE DE DEPARTAMENTO PESSOAL Salário a combinar São Bernardo do Campo/SP Atribuições: Atendimento aos clientes, organização

Leia mais

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais...

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... Software www.imagecomnet.com.br Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... A Empresa A Imagecom, uma empresa conceituada no ramo

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Processo Judicial Eletrônico: Juizados Especiais Cíveis

Processo Judicial Eletrônico: Juizados Especiais Cíveis Processo Judicial Eletrônico: Juizados Especiais Cíveis BPM Day Serra Gaúcha 2013 Carolina Möbus Volnei Rogério Hugen O Poder Judiciário De acordo com o fundamento do Estado, o Poder Judiciário tem a Missão

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

Diretoria de Informática

Diretoria de Informática Diretoria de Informática Estratégia Geral de Tecnologias de Informação para 2013-2015 EGTI 2013-2015 Introdução: Este documento indica quais são os objetivos estratégicos da área de TI do IBGE que subsidiam

Leia mais

Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados. Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira

Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados. Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira Agenda A trajetória da Gestão de Processos no Governo de Minas A trajetória

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

Apartir da identificação das falhas poderão ser processadas modificações racionalizantes em todo o sistema.

Apartir da identificação das falhas poderão ser processadas modificações racionalizantes em todo o sistema. Gráficos Os gráficos podem ser divididos em dois grupos: Gráficos Informacionais Gráfico é a representação de dados sobre uma superfície plana, através de diferentes formas, de modo a facilitar a visualização

Leia mais

Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores

Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores Gestão eletrônica do cadastro de corretora de valores 1. INTRODUÇÃO As corretoras de valores devem armazenar todos os documentos cadastrais de seus clientes para ter acesso a esse material quando necessário.

Leia mais

Nunca foi tão fácil utilizar

Nunca foi tão fácil utilizar Nunca foi tão fácil utilizar o Conectividade Social da CAIXA O que antes era feito com a autenticação de disquetes e precisava do antigo programa CNS para o relacionamento com a CAIXA e prestação de informações

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

A IFOUR ÁREAS DE ATUAÇÃO

A IFOUR ÁREAS DE ATUAÇÃO A IFOUR Fundada em 2000, a ifour Sistemas conta com sedes em Viçosa e Muriaé. Atua no desenvolvimento de soluções completas para gestão empresarial (automação), envolvendo software e equipamentos para

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

Carta de Serviços aos Cidadãos

Carta de Serviços aos Cidadãos Carta de Serviços aos Cidadãos Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul: a cada dia mais próximo da comunidade www.tre-jus.br O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul é um órgão do Poder

Leia mais

Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk

Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk E-mail para contato: supervisao@tse.gov.br Nome trabalho/projeto: Suporte em TI baseado em sistema de gestão da qualidade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

SELEÇÃO SIMPLIFICADA DE CURSISTAS

SELEÇÃO SIMPLIFICADA DE CURSISTAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. PROGRAMA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO PRÓ-CONSELHO CURSO DE EXTENSÃO A DISTANCIA FORMAÇÃO

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

Certificado Digital Co C mo u sar? r

Certificado Digital Co C mo u sar? r Certificado Digital Como usar? Certificado Digital Documento eletrônico que identifica pessoas físicas e jurídicas e cuja validade é garantida por uma terceira parte de confiança Garante a identidade do

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE COMPRA DE VEÍCULOS COM ISENÇÃO DE IMPOSTOS POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO ANTERIOR:

OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE COMPRA DE VEÍCULOS COM ISENÇÃO DE IMPOSTOS POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO ANTERIOR: OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE COMPRA DE VEÍCULOS COM ISENÇÃO DE IMPOSTOS POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO ANTERIOR: Pessoas com deficiência física, mental severa ou profunda e autistas,

Leia mais

O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS?

O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS? O QUE É O SITE MUNÍCIPIOS? Apresentação Histórico Estratégia de comunicação e políticas para promoção do municipalismo forte e atuante A atuação da Confederação Nacional de Municípios na comunicação pública

Leia mais

Manual de Normas e Procedimentos Comercial.

Manual de Normas e Procedimentos Comercial. Manual de Normas e Procedimentos Comercial. Gerência Comercial. Referência: Versão: Revisado 1.1 Data: 21/07/2014 21de Julho de 2014 Sumário Definição da Área Comercial.... 3 Representação da área comercial....

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Agência Nacional de Vigilância Sanitária Segurança da Informação (Gerenciamento de Acesso a Sistemas de Informação) Projeto a ser desenvolvido no âmbito da Gerência de Sistemas/GGTIN Brasília, junho de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA E INFORMÁTICA EM SAÚDE (CTIS)

REGIMENTO INTERNO COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA E INFORMÁTICA EM SAÚDE (CTIS) Página 1 de 12 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA E INFORMÁTICA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA E INFORMÁTICA

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ MISSÃO: Garantir prestação jurisdicional rápida, acessível e efetiva no âmbito da sua competência. DESCRIÇÃO DA MISSÃO: A Justiça Federal no Paraná existe para garantir direitos

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

NORMA INTERNA DE TREINAMENTO FAUUSP

NORMA INTERNA DE TREINAMENTO FAUUSP NORMA INTERNA DE TREINAMENTO FAUUSP 1. OBJETIVOS Apresentar as diretrizes básicas e os procedimentos institucionais necessários à realização das atividades de treinamento. 2. DEFINIÇÕES 2.1. Treinamento

Leia mais

Tecnologia Web Focada em Negócios

Tecnologia Web Focada em Negócios Tecnologia Web Focada em Negócios Palestra: Otimização e Transparência no processo de compras. Marcos Carrara Outplan Empresa Catarinense com 13 anos de mercado. Produtos: Futebolcard Moke OutBuyCenter

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR PROVA DE ADMINISTRADORES E TECNÓLOGOS EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS ÊNFASE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO O presente Regulamento institui a normatização adotada pelo Conselho

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

2. O que informatizar?

2. O que informatizar? A INFORMÁTICA NO CONSULTÓRIO MÉDICO No fascículo anterior, comentamos como a gestão de custos, mesmo sendo feita de maneira simplista, auxilia o consultório a controlar e avaliar seus resultados, permitindo

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA nº 088/2015. Convênio PMSP/TERMO DE CONVÊNIO nº 025/2014/SDTE

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA nº 088/2015. Convênio PMSP/TERMO DE CONVÊNIO nº 025/2014/SDTE CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA nº 088/2015 Convênio PMSP/TERMO DE CONVÊNIO nº 025/2014/SDTE A Central de Cooperativas e Empreendimentos Solidários do Brasil UNISOL, entidade sem fins econômicos, com sede

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Controle Externo

Tribunal de Contas da União. Controle Externo Tribunal de Contas da União Controle Externo 1224 Controle Externo Objetivo Assegurar a efetiva e regular gestão dos recursos públicos federais em benefício da sociedade e auxiliar o Congresso Nacional

Leia mais

Termo de Referência. Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses.

Termo de Referência. Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses. Termo de Referência Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses. Termo de Referência [OBJETO] 1 Termo de Referência Serviço de envio de mensagens

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ Art. 1 O presente Regimento Interno estabelece diretrizes

Leia mais

Secretaria da Fazenda TO Diretoria de Informática

Secretaria da Fazenda TO Diretoria de Informática Secretaria da Fazenda TO Diretoria de Informática Abril de 2006 Introdução O portal da Secretaria da Fazenda do Estado do Tocantins está disponível no endereço www.sefaz.to.gov.br e oferece diversos serviços

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

Apresentação. E&L ERP Protocolo, Documentos Eletrônicos e Processos. PostgreSQL 8.2/ 8.3. Domingos Martins ES. v. 1.0

Apresentação. E&L ERP Protocolo, Documentos Eletrônicos e Processos. PostgreSQL 8.2/ 8.3. Domingos Martins ES. v. 1.0 Apresentação 1 Documentos Eletrônicos e Processos PostgreSQL 8.2/ 8.3 Domingos Martins ES v. 1.0 2 Introdução ão: Com a necessidade do controle efetivo da tramitação de documentos, o s veio proporcionar

Leia mais

SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS

SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS SISTEMA INFORMATIZADO DE REGULAÇÃO E CONTROLE DO ICS MANUAL DO PRESTADOR DE SERVIÇOS CONSULTÓRIOS/CLÍNICAS CREDENCIADAS PARA ATENDIMENTO ELETIVO (FASCÍCULO DO ATENDIMENTO ELETIVO) VERSÃO I - 2013 Instituto

Leia mais

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA An Innovations in Technology and Governance Case Study Desde o final dos anos 1980, diversos governos

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN Resumo das diretrizes e critérios da COSERN/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. Guia Básico do Proponente 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16. Instrução Normativa: 14.16/08-01. Revisão nº 0102. Data da Revisão: 22/10/2012. Resolução Sup.

INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16. Instrução Normativa: 14.16/08-01. Revisão nº 0102. Data da Revisão: 22/10/2012. Resolução Sup. INSTRUÇÃO NORMATIVA INS 14.16 Telemarketing Ativo Origem: Diretoria Superintendência Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de Mato Grosso Instrução Normativa: 14.16/08-01 Revisão nº 0102

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU

Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU Experiências Nacionais Bem Sucedidas com Gestão de Tributos Municipais Ênfase no IPTU O Papel dos Tributos Imobiliários para o Fortalecimento dos Municípios Eduardo de Lima Caldas Instituto Pólis Marco

Leia mais

FLUXO 360 TERMOS E CONDIÇO ES

FLUXO 360 TERMOS E CONDIÇO ES FLUXO 360 TERMOS E CONDIÇO ES CADASTRO DE CLIENTES Recebimento de equipamentos somente com cadastro completo; O cadastro do e-mail é obrigatório; É de responsabilidade do cliente manter seus dados sempre

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

SISTEMA DE SOLUÇÕES PARA GESTÃO DE CLÍNICAS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGENS

SISTEMA DE SOLUÇÕES PARA GESTÃO DE CLÍNICAS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGENS SISTEMA DE SOLUÇÕES PARA GESTÃO DE CLÍNICAS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGENS OBJETIVO DA SOLUÇÃO GERCLIM WEB A solução GERCLIM WEB tem por objetivo tornar as rotinas administrativas e profissionais de sua clínica,

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Tecnologia da Informação CAASP. DIS Departamento de Informática e Sistemas. Relatório Anuário 2008 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP

Tecnologia da Informação CAASP. DIS Departamento de Informática e Sistemas. Relatório Anuário 2008 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP Tecnologia da Informação CAASP DIS Relatório Anuário 2008 Att. Gerência Geral e Diretoria CAASP Introdução...03 Projetos e Fatos Relevantes 2008...03 Raio X de Investimentos e Custos...10 Considerações

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN ROTINAS ADMINISTRATIVAS PROPLAN SETOR: Pró-Reitoria CARGO: Docente / TNS FUNÇÃO: Pró-Reitor

Leia mais

REGISTRO DE CONTRADOS / ES

REGISTRO DE CONTRADOS / ES REGISTRO DE CONTRADOS / ES O presente trabalho tem como objetivo padronizar procedimentos para implantação do sistema de registro de contratos de financiamentos de veículos com cláusula de alienação fiduciária,

Leia mais

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL 1 de 9 1 OBJETIVO Fornecer as informações necessárias para a qualificação e certificação de Inspetores de Pintura Industrial níveis 1 e 2, segundo os critérios estabelecidos na norma ABNT NBR 15218 e demais

Leia mais

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios 10 de Novembro de 2011 2º Congresso de Gestão do Ministério Público Informação confidencial e de propriedade da Macroplan Prospectiva

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme RESPONSÁVEIS Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme - 3350-8628 - ajayme@pmc.curitiba.pr.gov.br - SEPLAN

Leia mais

DIAGNÓSTICO GERAL DAS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS ESTADUAIS PESQUISA PNAGE

DIAGNÓSTICO GERAL DAS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS ESTADUAIS PESQUISA PNAGE DIAGNÓSTICO GERAL DAS ADMINISTRAÇÕES PÚBLICAS ESTADUAIS PESQUISA PNAGE Fernando Luiz Abrucio DIMENSÃO DO ESTADO Principais Problemas Precariedade das informações Falta de Bancos de Dados compartilhados

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 49.377, DE 16 DE JULHO DE 2012. (publicado no DOE n.º 137, de 17 de julho de 2012) Institui o Programa

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE AÇÕES INOVADORAS

REGULAMENTO DO CONCURSO DE AÇÕES INOVADORAS REGULAMENTO DO CONCURSO DE AÇÕES INOVADORAS A Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio do Governo de Alagoas torna público o VI CONCURSO DE AÇÕES INOVADORAS NA GESTÃO DO PODER EXECUTIVO

Leia mais

VII Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública, Lisboa, Portugal, 8-11 Oct. 2002

VII Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública, Lisboa, Portugal, 8-11 Oct. 2002 Diretrizes e estratégias para a implantação e manutenção de um padrão de qualidade na prestação de serviços públicos: a experiência paulista do Poupatempo 1. INTRODUÇÃO Daniel Annenberg Superintendente

Leia mais

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência

Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Guia de Boas Práticas para a elaboração de uma Concorrência Comitê de Agências Gestão 2008 ÍNDICE OBJETIVO DO DOCUMENTO... 3 DEFINIÇÕES... 4 PONTOS PARA A ELABORAÇÃO DE UMA CONCORRÊNCIA... 5 RFI: Quando

Leia mais

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> O que é a nota fiscal eletrônica?... 6 >> O que muda com esse novo modelo de documento fiscal?... 8 >> O DANFE - Documento Acessório

Leia mais

Lacerda e Franze obtém economia significativa em custos de impressão com ECM/GED da SML Brasil

Lacerda e Franze obtém economia significativa em custos de impressão com ECM/GED da SML Brasil lacerda e franze Escritório de Advocacia Lacerda e Franze obtém economia significativa em custos de impressão com ECM/GED da SML Brasil CLIENTE Lacerda e Franze Advogados Associados V I S Ã O G E R A L

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A.

Estudo de Caso. Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. Estudo de Caso Projeto Correspondência Eletrônica nos Correios S.A. A Presidência dos Correios vislumbrou a possibilidade da Empresa apresentar aos seus clientes um novo serviço, que foi denominado de

Leia mais

PLANO DE METAS PARA A OUVIDORIA DO MINC ParticiPação e controle social 2014 1

PLANO DE METAS PARA A OUVIDORIA DO MINC ParticiPação e controle social 2014 1 PLANO DE METAS PARA A OUVIDORIA DO MINC Participação e controle social 2014 1 Apresentação Apresentamos a seguir nosso plano de metas para 2014, resultado de debates, reflexões de toda a equipe da Ouvidoria,

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais