Critério 7: Actividades de partilha de conhecimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Critério 7: Actividades de partilha de conhecimento"

Transcrição

1 Critério 7: Actividades de partilha de conhecimento Este capítulo inclui: Visão geral Como a sua organização pode beneficiar das Actividades de Partilha de Conhecimento Provas requeridas para a acreditação Indicações para estabelecer actividades de Partilha de Conhecimento Acrescentando valor: conjunto de boas práticas 1

2 Visão geral Como pode uma organização transferir conhecimento eficazmente?" A resposta curta e a melhor é: contratar pessoas inteligentes e deixar que falem entre elas Esta citação de How Organisations Manage What They Know (Harvard Business School Press) resume a chave, por vezes esquiva, da partilha do conhecimento. Quando os conceitos de Partilha e Gestão do Conhecimento começaram a tornar-se habituais, aproximadamente há 10 anos, muitas empresasengenheiro desenvolveram uma preocupação orientada para a partilha de informação e gestão de dados. Hoje em dia, é claro que a interacção humana está na base do sucesso da Partilha de Conhecimento. Definições chave: Dados um conjunto de factos objetivos discretos sobre eventos, por exemplo, um recibo de combustível. A transação para a compra de combustível pode ser parcialmente descrita pelo recibo: quando foi efectuada a compra, quantos litros foram adquiridos, quanto foi pago, etc. Informação uma mensagem, normalmente em forma de documento ou comunicação audível ou visível, por exemplo, dados que fazem a diferença. A informação é enviada pelo remetente para o destinatário, por exemplo, copiando um artigo e entregando-o a um colega com um autoccolantet que diz para sua informação. Os dados tornam-se informação quando o destinatário acrescenta significado, contexto. Conhecimento é uma mistura fluida de experiência, valores, informação e visão especializada que fornece um quadro para a avaliação de experiências novas e informação. Tem origem e é aplicado nas mentes dos conhecedores. Pode ser implementado nas normas, nas práticas, nos processos e nas rotinas da empresa. O conhecimento é partilhado numa organização, independentemente da entidade engenheirora gerir ou não o processo. Quando um engenheiro pergunta ao seu colega, doutro escritório do mesmo edifício, se já teve o mesmo problema, o segundo engenheiro, se quiser e for capaz, irá transferir o seu conhecimento. A partilha de conhecimento estruturada e espontânea é essencial para o sucesso duma empresa. Portanto, embora o termo Partilha de Conhecimento implique a formalização da transferência, um dos seus elementos essenciais é desenvolver estratégias específicas para fomentar as trocas espontâneas. 2

3 Um simpósio recente, organizado pela Royal Academy of Engineering do Reino Unido, entitulado Tirar o máximo proveito do conhecimento no local de trabalho: Um relatório resumido sobre as estratégias para reter, registar e partilhar conhecimento empresarial" reuniu colaboradores da BP, da Rolls-Royce e da Arup. Um tema comum foi o volume de tempo de engenharia investido na procura de informação e de conhecimento. Foi estimado que 25% do tempo dum engenheiro é despendido na procura de conhecimento. Também foi referido que 70%-90% dessa informação é simplesmente obtida a falar com pessoas. Os sistemas e a tecnologia representam apenas 10%-30% da transferência de conhecimento. Podemos comprovar, então, que a partilha do conhecimento se refere à ligação entre pessoas. 3

4 PROPÓSITO DAS ACTIVIDADES DE PARTILHA DE CONHECIMENTO Faz circular novas ideias e inovação pela organização Permite a evolução do conhecimento. O conhecimento que deixa de evoluir torna-se opinião ou dogma Numa economia global, a Partilha do Conhecimento pode ser a sua vantagem mais competitiva Os adultos tendem a preferir aprender num estilo interactivo. Falar com outras pessoas, partilhar soluções, ideias e visões é uma maneira ideal de aprendizagem para adultos. 4

5 PROVAS PARA A ACREDITAÇÃO 7.1 As prácticas asseguram a circulação do conhecimento tácito através da organização de maneira atempada e eficiente Uma cultura aberta e de confiança permite e apoia as actividades de partilha de conhecimento [Nas auditorias] A administração de topo pode dar exemplo de como deve ser feito. [Nas auditorias] Os engenheiros podem dar exemplos das suas funções nas actividades de partilha de conhecimento COMO PODE SER FEITO? 7.1 As prácticas asseguram a circulação do conhecimento tácito através da organização de maneira atempada e eficiente Premeie, reconheça e enalteça as pessoas que, em parte, tenham contribuído para a partilha de conhecimento Promova nova formação para a administração de topo dar apoio e proporcionar recursos aos novos comportamentos e para eliminar "silos de conhecimento" e estimular os "acumuladores de conhecimento" a partilhar Crie relações através de reuniões presenciais reais (ou virtuais) Os executivos de nível superior entendem que devem dar exemplos de bons comportamentos relativamente ao conhecimento. Para isso, podem, entre outras coisas, implementar uma Política de Porta Aberta; ler livros e falar deles; assistir a eventos externos e apresentar as ideias chave dos mesmos ao pessoal; trabalhar para melhorar as suas capacidades de narração em comunicações importantes. Todos os engenheiros devem ser instruídos acerca dos atributos do negócio baseado em conhecimento e na partilha de conhecimento. A iniciação é o momento ideal para definir essa filosofia. (Na verdade, as organizações especialistas em conhecimento contratam novos trabalhadores em parte devido ao seu potencial de comportamento relativo ao conhecimento!) A Política de DPC da sua empresa deve incluir funções e responsabilidades claras relativamente à partilha de conhecimento. 5

6 São necessárias medições quantitativas e qualitativas para avaliar o sucesso duma iniciativa de partilha de conhecimento. Idealmente, as iniciativas de partilha de conhecimento devem começar com um programa piloto. Estabelecer actividades de partilha de conhecimento O conhecimento pode ser categorizado em duas áreas diferentes, Explícito e Tácito: O conhecimento EXPLÍCITO pode encontrar-se em bases de dados, livros, processos e documentos e pode ser habitualmente expresso e descrito de modo formal. O conhecimento TÁCITO é baseado na experiência e competência das pessoas. Para este tipo de conhecimento, geralmente não existem activos imobilizados físicos ou inventários. O conhecimento implícito pode ser visto como o elemento mais valioso do seu negócio. Pode ser difícil descrevê-lo e, devido à sua natureza, é geralmente mais difícil de capturar e de partilhar. No desenvolvimento de Sistemas de Gestão do Conhecimento, é importante considerar a captura e a disseminação de ambos os tipos de conhecimento. A Cultura de Partilha do Conhecimento O provérbio que diz que o conhecimento é poder é certamente verdade na economia global actual. A nível local e em mercados internacionais, as pessoas só divulgam e partilham o conhecimento em ambientes muito positivos. Há muitos factores que inibem a transferência de conhecimento. Davenport e Prusak, em How Organisations Manage What They Know, referem-se a estes inibidores como fricções. É um modo prático de os definir, dado que atrasam ou impedem a transferência e podem provocar a erosão de parte desse conhecimento no seu curso através da organização. Sugerem as seguintes como sendo as fricções mais comuns e as suas possíveis soluções. Fricção Falta de confiança Diferentes culturas, vocabulários, quadros de referência Falta de tempo e de locais de reunião; visão reduzida do trabalho produtivo O estatuto e as recompensas vão para quem possui o conhecimento Falta de capacidade de absorção dos destinatários A crença de que apenas grupos Solução possível Crie relações e confiança através de reuniões presenciais Crie uma base comum através da educação, discussão, publicações, trabalho em equipa, rotação de tarefas Estabeleça horários e locais para as transferências de conhecimento: feiras, salas de reuniões, relatórios de conferências Avalie o desempenho e estabeleça incentivos baseados na partilha Eduque os engenheiros para serem mais flexíveis; destine tempo para a aprendizagem; contrate pessoas abertas às ideias Fomente uma abordagem não hierárquica do 6

7 específicos têm direito ao conhecimento, a síndrome de aqui não é assim Intolerância aos erros ou necessidade de ajuda conhecimento; a qualidade das ideias é mais importante do que o estatuto da fonte Aceite e premeie os erros criativos e a colaboração; sem perda de estatuto por não saber tudo A confiança pode ultrapassar todos os outros fatores que afectam positivamente a eficiência da partilha do conhecimento na sua organização. Sem confiança, as iniciativas de conhecimento irão falhar, independentemente do volume de tecnologia ou retórica de gestão por que possam estar apoiadas, ainda que a sobrevivência da organização dependa das mesmas. (Consultar "Trust", de Francis Fukayama (New York: Free Press 1995)). Existem três regras de ouro relacionadas com a Confiança para permitir a Partilha de Conhecimento. 1. A confiança deve ser visível: As pessoas devem ser visivelmente reconhecidas pela sua partilha de conhecimento. Devem sentir directamente a reciprocidade. Deve haver uma prova directa da relação de confiança. 2. A confiança deve ser omnipresente: Se parte da equipa de conhecimento interno não é de confiança ou não acumuladora de conhecimento, a dinâmica de partilha torna-se distorcida e menos eficiente. 3. A confiança começa no topo: O exemplo da administração de topo pode muitas vezes definir as normas. Os seus valores são publicitados pela empresa através de sinais, de anúncios e de símbolos. Explorar com cinismo o conhecimento dos outros para o seu próprio benefício acaba por ter, em última análise, um efeito muito prejudicial. O Estatuto do Conhecedor As pessoas julgam a informação e conhecimento que obtêm em grande medida dependendo de quem lho fornece. As organizações que ignoram este facto costumam ficar decepcionadas com os resultados dos projectos de transferência de conhecimento. É habitual, por exemplo, as organizações enviarem engenheiros de nível inferior para uma conferência porque a empresa pode dispensá-los. O seu trabalho não é considerado tão importante como o do pessoal de nível superior, que não podem dispensar do tempo destinado a trabalhos essenciais. O que acontece quando o engenheiro jovem volta da conferência e diz: Pensamos que aprendemos algumas coisas das quais a empresa pode beneficiar se mudamos o nosso processo desta maneira"? Poucos ouvem para avaliar se têm razão ou não. O conhecimento que trazem será rejeitado pela mesma pessoa que os enviou para a conferência: não são considerados como engenheiros de valor. Recorde: TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO = TRANSMISSÃO + ABSORÇÃO (e USO) Se o conhecimento não é absorvido, não foi transferido. O mero processo de disponibilizar conhecimento não é transferência. Em Wellsprings of Knowledge, Dorothy Leonard-Barton fala de capacidades pessoais e de como os egos das pessoas são 7

8 muitas vezes realçados com as suas capacidades básicas. Muitas vezes podem opor-se a qualquer inovação que exija que abandonem o seu modo pessoal de fazer coisas por métodos. A resistência à mudança é uma força potente. Pense em QUEM é a melhor pessoa na sua organização para transmitir uma parte importante de Conhecimento se realmente quer que as pessoas a levem a sério e atuem do modo pretendido. VELOCIDADE e VISCOSIDADE Os fatores de fricção de que falámos afectam a velocidade da partilha do conhecimento, por exemplo, a velocidade na qual o conhecimento circula através duma organização. Com que rapidez e amplitude é transmitido? Viscosidade refere-se à riqueza do conhecimento partilhado. Quanto é do que tentamos comunicar é de facto absorvido e utilizado? Até que ponto o conhecimento original fica reduzido? A viscosidade é particularmente afectada pelo método de transferência. Por exemplo, é provável que o conhecimento partilhado mediante uma relação de orientação por mentor bem estabelecida tenha uma alta viscosidade: o aprendiz irá receber uma quantidade incrível de conhecimento detalhado e subtil ao longo do tempo. O conhecimento obtido duma base de dados on-line ou adquirido a partir do resumo do artigo dum jornal será muito menor. A velocidade e viscosidade são ambas assuntos importantes para gestores do conhecimento. A aprendizagem autêntica é um profundo esforço humano. Absorver e aceitar o conhecimento é essencial. Tentar alcançar uma alta velocidade pode reduzir a viscosidade. Um exemplo real (Davenport e Prusak, Harvard Business School Press) da Mobil Oil mostra como os engenheiros da Mobil desenvolveram meios sofisticados para poupar energia num projeto específico de perfuração. Detalharam as novas técnicas e os seus benefícios e depois enviaram um memorando a todos os seus colegas dos outros campos petrolíferos, juntamente com cálculos para demonstrar o benefício do seu novo conhecimento. Assumiram que todos os locais de exploração iriam adoptar rapidamente uma inovação cujo valor era indiscutível. Nenhum deles o fez. Nada aconteceu. A velocidade (um memorando) era elevada, mas o nível de viscosidade do novo processo era nulo! A maioria dos esforços de partilha do conhecimento estabelece um compromisso entre os dois factores. Uma boa história é muitas vezes a melhor maneira de partilhar conhecimento A interacção humana é essencial para a partilha do conhecimento. Os humanos aprendem melhor com histórias. Isto é claro para qualquer pessoa que tenha sido professor ou formador. Numerosos estudos têm realçado a importância da narrativa para a partilha do conhecimento. Um conto convincente, que seja transmitido com elegância e paixão formal, ajuda-nos a enfatizar e, portanto, a interiorizar (absorver) o conhecimento. 8

9 Depois de reconhecemos que a narrativa é a melhor maneira de ensinar e aprender assuntos complexos, podemos então codificar as próprias histórias para expressar o significado. Muitas empresas fazem isso através de newsletters com histórias de excelência na ação ou vídeos informativos do Presidente Executivo para o pessoal a realçarem os heróis da empresa. Se as histórias são importantes, é importante dispor de bons contadores de histórias. Como classifica as capacidades do seu pessoal para serem influentes, fazerem apresentações e falarem em público? Recorde que, até em organizações sofisticadas de grande escala, as simples conversas e histórias (incluindo boatos) são os meios principais pelos quais os trabalhadores do conhecimento descobrem o que sabem, partilham-no com os seus colegas e, no mesmo processo, criam novos conhecimentos para a organização. A chave do sucesso da Partilha do Conhecimento é fazer corresponder o conhecimento que precisa partilhar, com um mensageiro apropriado e com o método correcto. COMUNIDADES DE INTERESSES E DE PRÁCTICA Outra maneira de ajudar os engenheiros a aceder a fontes de conhecimento é através da criação de Comunidades de Interesses (ou Comunidades de Prática). Uma comunidade de interesses é um grupo informal cujos membros partilham um interesse em alguma tecnologia ou aplicação. O grupo pode ser constituído por uma dúzia de engenheiros de diferentes unidades operacionais que partilham um interesse comum nas aplicações de poupança de energia. Pode ser um grupo de gerentes interessados em técnicas de benchmarking. Qualquer que seja o interesse, são organizadas reuniões periódicas dessas comunidades (com as respetivas minutas), que dão oportunidades para partilhar conhecimento e fomentar a imaginação. Em termos gerais, uma Comunidade de Prática é para praticantes duma determinada área, tal como o nome sugere. As Comunidades externas são igualmente importantes como estimulantes. O conhecimento externo revigora e dá vitalidade às organizações. Os engenheiros acedem ao conhecimento quando têm oportunidades de assistir a reuniões profissionais, visitar clientes e sócios de benchmarking e quando são convidados peritos externos para partilhar os seus conhecimentos através de palestras e de seminários. 9

10 Métodos de Partilha de Conhecimento Planos de distribuição de equipas / Escritórios abertos / Política de porta aberta Memorando Restaurante da empresa Reuniões informais Conversas pessoais / Bebidas após o trabalho Sessões de Almoço e Aprendizagem Internet Fóruns de engenharia Fóruns on-line Salas de conversação especializadas Ecrãs de plasma Newsletter Formação de iniciação Equipas de projeto Conferências / Seminários Palestras com oradores especialistas Conferência na Internet Brainstorming Conferência telefónica / Videoconferência Consultores Fornecedores Clientes Metodologia de Seis Sigma Centros de Aprendizagem / Feiras / Exposições Comunidades de Interesses / Práctica Programa de orientação por mentor Programas de aprendizagem Intranet Criação de Dias de folga para a equipa 10

11 Boas Prácticas Boas Prácticas padrão Actividades de partilha de conhecimento como Almoço e Aprendizagem Os relatórios de conclusão de projecto e a base de dados de Lições Aprendidas concentram conhecimento e experiências importantes O pessoal que assistiu a eventos de DPC transmite as conclusões chave aos colegas Acesso a sistemas de informação crítica disponíveis na Internet. Boas Prácticas avançadas Orientação por mentor multidisciplinar As Comunidades de Interesses promovem a partilha do conhecimento e a resolução activa de problemas Os fóruns de engenharia unem o pessoal de engenharia sénior para a partilha do conhecimento O pessoal de engenharia sénior dá Aulas Mestras O pessoal técnico sénior mantém Blogues Técnicos Partilha do conhecimento promovida como um valor na empresa 11

12 TRÊS IDEIAS Se os seus engenheiros não fossem autorizados a falar entre eles durante um mês, o que aconteceria ao seu negócio? Os seus engenheiros falam entre eles? Quem sabe mais acerca dos assuntos chave na sua organização? Partilham esse conhecimento ou restringem-no? Se abandonassem a sua organização amanhã, levariam com eles o conhecimento e competência? A sua empresa é um mercado agitado onde o conhecimento valioso é comprado e vendido ou há monopólios e barreiras comerciais? 12

CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO

CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO Este capítulo inclui: Visão geral O Ciclo de Gestão do Desempenho: Propósito e Objectivos Provas requeridas para a acreditação Outros aspectos

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

Orientações para desenvolver uma Política de DPC Provas requeridas para a acreditação Acrescentando valor: conjunto de boas práticas

Orientações para desenvolver uma Política de DPC Provas requeridas para a acreditação Acrescentando valor: conjunto de boas práticas CRITÉRIO 2: COMISSÃO DE INTERNA Este capítulo inclui: Visão geral Orientações para desenvolver uma Política de Provas requeridas para a acreditação Acrescentando valor: conjunto de boas práticas VISÃO

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso -

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Irina Saur-Amaral Aveiro, 28 de Abril de 2006 Estudos de caso 1. MKS (consultoria TIC Índia): importância da cultura de conhecimento 2. Siemens AG: implementação

Leia mais

As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização

As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização Sandra Paula da Silva Maia Pacheco de Oliveira Gestão de Pequenas e Médias Empresas As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização - O Caso Siemens AG - Orientador Professor Doutor Luís Manuel

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

OLIVEIRA, Helena. Como gerir a informação. DIGITAL ON LINE, v.5, n.5, Mai, 1999

OLIVEIRA, Helena. Como gerir a informação. DIGITAL ON LINE, v.5, n.5, Mai, 1999 COMO GERIR A INFORMAÇÃO OLIVEIRA, Helena. Como gerir a informação. DIGITAL ON LINE, v.5, n.5, Mai, 1999 RESUMO:"O mundo dos negócios vai mudar mais nos próximos 10 anos do que nos últimos 50 anos. O êxito

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

Inovação, Conhecimento & Sustentabilidade

Inovação, Conhecimento & Sustentabilidade Inovação, Conhecimento & Sustentabilidade José Renato S. Santiago Júnior Para Pensar a Respeito... A Inovação tem se tornado um dos principais fatores de geração de riqueza e valor das organizações; Atualmente

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas?

Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Como as empresas podem minimizar os efeitos da crise e manterem-se competitivas? Professor e consultor Álvaro Camargo explica a importância dos processos de aproveitamento de lições aprendidas nas organizações

Leia mais

Katia Werneck katia.werneck@subsea7.com

Katia Werneck katia.werneck@subsea7.com Gestão do Conhecimento na Subsea 7 Katia Werneck katia.werneck@subsea7.com 1 Um Novo Começo A combinação entre Acergy e Subsea 7, duas empresas multinacionais da área offshore, uniram-se para criar uma

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Culture OnLine, 5-7.6 Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Peering down the Wormhole Dr. Susan Hazan Filomena Pedroso Realidade Empresarial em Portugal Incerteza nos mercados recomenda

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade)

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade) Conceito Competência para a acção Explicação Competência para a acção compreende todas as habilidades, competências e experiências de uma pessoa, que lhe possibilita auto-organizar-se para realizar correctamente

Leia mais

1. IDT Consulting. 2. Gestão da Inovação: importância e ferramentas. 3. Promoção da Criatividade e Gestão de Ideias

1. IDT Consulting. 2. Gestão da Inovação: importância e ferramentas. 3. Promoção da Criatividade e Gestão de Ideias GESTÃO DA INOVAÇÃO AGENDA 1. IDT Consulting 2. Gestão da Inovação: importância e ferramentas 3. Promoção da Criatividade e Gestão de Ideias 4. Diagnósticos Estratégicos de Inovação 5. Implementação de

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso -

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Irina Saur-Amaral Aveiro, 28 de Abril de 2006 Estudos de caso 1. MKS (consultoria TIC Índia): importância da cultura de conhecimento 2. Siemens AG: implementação

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento O QUE QUEREMOS DIZER COM CONHECIMENTO? Helder Haddad Silva 16 de Março de 2003 Leitura Básica e Complementar:: O que queremos dizer com conhecimento in PRUSSAK L., e DAVENPORT T.,

Leia mais

Como realizar inovação na sua empresa?

Como realizar inovação na sua empresa? Como realizar inovação na sua empresa? Após ter conhecido no Notícias Airo anterior, alguns princípios base, definições, os tipos de inovação e a metodologia para a inovação vou procurar dar os conselhos

Leia mais

PHC Clínica CS. A gestão operacional total da clínica ou consultório

PHC Clínica CS. A gestão operacional total da clínica ou consultório PHC Clínica CS A gestão operacional total da clínica ou consultório A informação confidencial sobre cada paciente, o seu historial e, se integrado com o módulo PHC Gestão CS, a gestão financeira e a facturação

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento.

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2007/08 Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Prof. Mário Caldeira Profª Ana Lucas Dr. Fernando Naves

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

"Criatividade e Inovação para o Aprendizado de Resultados" Apresentado por Jorge Pinheiro

Criatividade e Inovação para o Aprendizado de Resultados Apresentado por Jorge Pinheiro "Criatividade e Inovação para o Aprendizado de Resultados" Apresentado por Jorge Pinheiro Pessoal Relacional Organizacional = Equilibrado, Maduro e Responsável = Amigo, Atencioso, Excelente ouvinte = Desalinhado

Leia mais

Gestão do conhecimento

Gestão do conhecimento Gestão do Exemplos e aplicações Luis Manuel Borges Gouveia, lmbg@ufp.pt Janeiro de 2002 O SI, a GI e o Negócio Gestão e pessoas GESTÃO DA INFORMAÇÃO Organização e procedimentos SISTEMA DE INFORMAÇÃO missão

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

Aplicando as lições aprendidas para alavancar os resultados de próximos projetos

Aplicando as lições aprendidas para alavancar os resultados de próximos projetos Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº 149 26/07/2015 Aplicando as lições aprendidas para alavancar os resultados de próximos projetos João Lucas Nunes de Souza Analista

Leia mais

Gestão do Conhecimento Case Documentar

Gestão do Conhecimento Case Documentar Gestão do Conhecimento Case Documentar GESTÃO DO CONHECIMENTO CASE DOCUMENTAR Empresa: Documentar Tecnologia e Informação Localização: R. Barão de Macaúbas 460 20º Andar Santo Antônio BH/MG Segmento: Tecnologia,

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

Company Profile 2014

Company Profile 2014 Company Profile 2014 A NOSSA 1. História 2. Conceito 3. Cultura 4. Estratégia de posicionamento 5. Oferta de serviços 6. Comunicação 7. Carteira de clientes 8. Estratégia de crescimento 9. Rede de escritórios

Leia mais

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS Ari Lima Um empreendimento comercial tem duas e só duas funções básicas: marketing e inovação. O resto são custos. Peter Drucker

Leia mais

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais?

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais? TEMA - liderança 5 LEADERSHIP AGENDA O Que fazem os LÍDERES eficazes Porque é que certas pessoas têm um sucesso continuado e recorrente na liderança de empresas ou de organizações de todos os tipos? O

Leia mais

Social Origins of Good Ideas

Social Origins of Good Ideas Social Origins of Good Ideas Ronald S. Burt Sara Duarte Redes Sociais Online ISCTE IUL Maio 2013 Ronald S. Burt Professor de sociologia e estratégia na University of Chicago Graduate School of Business;

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa

O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa EUROPA: RESULTADOS DA INVESTIGAÇÃO Elaborado por Research em colaboração com a SAP Patrocinado por O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa LÍDERES FINANCEIROS PRONUNCIAM-SE SOBRE A SUA MISSÃO

Leia mais

O Centro de Documentação como laboratório de mudança O papel da Gestão da Qualidade

O Centro de Documentação como laboratório de mudança O papel da Gestão da Qualidade O Centro de Documentação como laboratório de mudança O papel da Gestão da Qualidade Paula Ochôa Funchal, Seminário Qualidade em Serviços Públicos 15 de Novembro de 2002 Os serviços de informação na Administração

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa Neste artigo clarifica-se os objectivos do ILM (Information Life Cycle Management) e mostra-se como estes estão dependentes da realização e manutenção

Leia mais

A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean

A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean A importância da Liderança no sucesso da implementação Lean Paulo Cesar Brito Lauria Muitas empresas têm se lançado na jornada de implementar a filosofia lean nas últimas décadas. No entanto, parece que

Leia mais

PHC ControlDoc CS. A gestão documental da empresa ou organização

PHC ControlDoc CS. A gestão documental da empresa ou organização PHC ControlDoc CS A gestão documental da empresa ou organização O arquivo digital de todo o tipo de ficheiros (imagens, word, excel, pdf, etc.) e a possibilidade de os relacionar com os dados existentes

Leia mais

Os Recursos Humanos na Distribuição

Os Recursos Humanos na Distribuição Os Recursos Humanos na Distribuição Tudo assenta nas pessoas. Também o sangue vital da Distribuição assenta nas pessoas, empregados ou consumidores, na medida em que uns vendem os produtos e os outros

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

Auto-formação para colaboradores

Auto-formação para colaboradores Formação e familiarização directa com o posto de trabalho é, muitas vezes, da responsabilidade da organização. Para uma organização eficaz desta tarefa, o instrutor/tutor necessita não só do conhecimento

Leia mais

A gestão comercial e financeira através da Internet

A gestão comercial e financeira através da Internet PHC dgestão A gestão comercial e financeira através da Internet A solução de mobilidade que permite introduzir e consultar clientes, fornecedores, artigos, documentos de facturação, encomendas, compras,

Leia mais

O seu escritório na nuvem - basta usar o browser.

O seu escritório na nuvem - basta usar o browser. 02 O seu escritório na nuvem - basta usar o browser. As soluções tecnológicas que encontra para melhorar a colaboração na sua empresa são muito caras e complexas? Pretende tornar as suas equipas mais ágeis

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

PHC dmanager. O controlo remoto constante da empresa

PHC dmanager. O controlo remoto constante da empresa Descritivo PHC dmanager PHC PHC dmanager O controlo remoto constante da empresa A solução ideal para monitorizar via Internet as áreas comercial e financeira da empresa e controlar as suas vendas, clientes

Leia mais

WePeopleValueYourPeople

WePeopleValueYourPeople WePeopleValueYourPeople e info@peoplevalue.com.pt w www.peoplevalue.com.pt Actualizado em 2010Jan14 quem somos? Somos a consultora sua parceira focada nas Pessoas e na sua valorização. Através da especialização

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs

Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Segredos e Estratégias para Equipes Campeãs Ultrapassando barreiras e superando adversidades. Ser um gestor de pessoas não é tarefa fácil. Existem vários perfis de gestores espalhados pelas organizações,

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Reinventando a gestão de vendas

Reinventando a gestão de vendas Reinventando a gestão de vendas Um bom vendedor é mais importante para a empresa do que o produto. Vender não é mais persuasão, mas compreensão. Esta é a proposta de Neil Rackham, expressa durante o Fórum

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES. Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes

Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES. Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES II Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes Comunidades de Aprendizagem Modo de Funcionamento Metodologia

Leia mais

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE Capítulo 7 Balanced Scorecard ÍNDICE 7.1 O que é o Balanced Scorecard 7.2 Indicadores de Ocorrência 7.3 O Método 7.4 Diagramas de Balanced Scorecard Capítulo 7 - BALANCED

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

www.dalecarnegie.com.br Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper

www.dalecarnegie.com.br Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper Como Impulsionar o Engajamento de Colaboradores em PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Dale Carnegie Training White Paper www.dalecarnegie.com.br Copyright 2014 Dale Carnegie & Associates, Inc. All rights reserved.

Leia mais

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio Advisory Human Capital & Tax Services Family Business Pensar a Família, Pensar o Negócio Realidade das Empresas Familiares Na PricewaterhouseCoopers há muito que reconhecemos nas empresas familiares um

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

CONSULTORIA POSITIVA

CONSULTORIA POSITIVA O consultor é uma pessoa que, pela sua habilidade, postura e posição, tem o poder de influenciar as pessoas, grupos e organizações, mas não tem o poder directo para produzir mudanças ou programas de implementação.

Leia mais

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES NAS EMPRESAS PLANEAR PARA A REDUÇÃO DE CUSTOS E OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES 19 e 20 Fevereiro 2013 Auditório dos CTT- Correios de Portugal Lisboa Horário Laboral: 09h30

Leia mais

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo Introdução Co-habitamos uma sociedade de informação universal, aliados ao paradigma da evolução tecnológica que se verifica e se revela como um meio

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO PARTE 9 Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO ATIVO INTANGÍVEL Ativos que não têm substância física, mas proporcionam benefícios econômicos, como: competência dos gerentes, sua experiência e conhecimento

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

O que é Social CRM, o novo paradigma para a relação com Clientes

O que é Social CRM, o novo paradigma para a relação com Clientes Aumente a produtividade das suas vendas sempre acima de 10% e na maior parte dos casos acima de 30%, com os serviços online do Microsoft Dynamics CRM, por pouco mais de 1 euro por dia e por utilizador.

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Gestão de TI Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Aula passada... CRM BI - Introdução Sistemas Interorganizacionais 17:08 2 Aula de hoje... Gestão do Conhecimento 17:08 3 85% dos ativos de conhecimento

Leia mais

Mentoring Comunidades de Prática (CoP)

Mentoring Comunidades de Prática (CoP) Gestão do Conhecimento e Cultura Organizacional Prof. Martius V. Rodriguez y Rodriguez Mentoring Comunidades de Prática (CoP) ACME Transmissora de Energia Elétrica Agosto/2012 Alan Buchi Fabio Silva Luiz

Leia mais

A Gestão, os Sistemas de Informação e a Informação nas Organizações

A Gestão, os Sistemas de Informação e a Informação nas Organizações Introdução: Os Sistemas de Informação (SI) enquanto assunto de gestão têm cerca de 30 anos de idade e a sua evolução ao longo destes últimos anos tem sido tão dramática como irregular. A importância dos

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO FILOSOFIA PARA CRIANÇAS E JOVENS A COMUNIDADE DE INVESTIGAÇÃO. Local de realização: Escola Secundária José Estêvão - AVEIRO

CURSO DE FORMAÇÃO FILOSOFIA PARA CRIANÇAS E JOVENS A COMUNIDADE DE INVESTIGAÇÃO. Local de realização: Escola Secundária José Estêvão - AVEIRO CURSO DE FORMAÇÃO FILOSOFIA PARA CRIANÇAS E JOVENS A COMUNIDADE DE INVESTIGAÇÃO Local de realização: Escola Secundária José Estêvão - AVEIRO Registo: CCPFC/ACC-76907/14, Nº Créditos: 1, Válida até: 10-02-2017

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais