Critério 7: Actividades de partilha de conhecimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Critério 7: Actividades de partilha de conhecimento"

Transcrição

1 Critério 7: Actividades de partilha de conhecimento Este capítulo inclui: Visão geral Como a sua organização pode beneficiar das Actividades de Partilha de Conhecimento Provas requeridas para a acreditação Indicações para estabelecer actividades de Partilha de Conhecimento Acrescentando valor: conjunto de boas práticas 1

2 Visão geral Como pode uma organização transferir conhecimento eficazmente?" A resposta curta e a melhor é: contratar pessoas inteligentes e deixar que falem entre elas Esta citação de How Organisations Manage What They Know (Harvard Business School Press) resume a chave, por vezes esquiva, da partilha do conhecimento. Quando os conceitos de Partilha e Gestão do Conhecimento começaram a tornar-se habituais, aproximadamente há 10 anos, muitas empresasengenheiro desenvolveram uma preocupação orientada para a partilha de informação e gestão de dados. Hoje em dia, é claro que a interacção humana está na base do sucesso da Partilha de Conhecimento. Definições chave: Dados um conjunto de factos objetivos discretos sobre eventos, por exemplo, um recibo de combustível. A transação para a compra de combustível pode ser parcialmente descrita pelo recibo: quando foi efectuada a compra, quantos litros foram adquiridos, quanto foi pago, etc. Informação uma mensagem, normalmente em forma de documento ou comunicação audível ou visível, por exemplo, dados que fazem a diferença. A informação é enviada pelo remetente para o destinatário, por exemplo, copiando um artigo e entregando-o a um colega com um autoccolantet que diz para sua informação. Os dados tornam-se informação quando o destinatário acrescenta significado, contexto. Conhecimento é uma mistura fluida de experiência, valores, informação e visão especializada que fornece um quadro para a avaliação de experiências novas e informação. Tem origem e é aplicado nas mentes dos conhecedores. Pode ser implementado nas normas, nas práticas, nos processos e nas rotinas da empresa. O conhecimento é partilhado numa organização, independentemente da entidade engenheirora gerir ou não o processo. Quando um engenheiro pergunta ao seu colega, doutro escritório do mesmo edifício, se já teve o mesmo problema, o segundo engenheiro, se quiser e for capaz, irá transferir o seu conhecimento. A partilha de conhecimento estruturada e espontânea é essencial para o sucesso duma empresa. Portanto, embora o termo Partilha de Conhecimento implique a formalização da transferência, um dos seus elementos essenciais é desenvolver estratégias específicas para fomentar as trocas espontâneas. 2

3 Um simpósio recente, organizado pela Royal Academy of Engineering do Reino Unido, entitulado Tirar o máximo proveito do conhecimento no local de trabalho: Um relatório resumido sobre as estratégias para reter, registar e partilhar conhecimento empresarial" reuniu colaboradores da BP, da Rolls-Royce e da Arup. Um tema comum foi o volume de tempo de engenharia investido na procura de informação e de conhecimento. Foi estimado que 25% do tempo dum engenheiro é despendido na procura de conhecimento. Também foi referido que 70%-90% dessa informação é simplesmente obtida a falar com pessoas. Os sistemas e a tecnologia representam apenas 10%-30% da transferência de conhecimento. Podemos comprovar, então, que a partilha do conhecimento se refere à ligação entre pessoas. 3

4 PROPÓSITO DAS ACTIVIDADES DE PARTILHA DE CONHECIMENTO Faz circular novas ideias e inovação pela organização Permite a evolução do conhecimento. O conhecimento que deixa de evoluir torna-se opinião ou dogma Numa economia global, a Partilha do Conhecimento pode ser a sua vantagem mais competitiva Os adultos tendem a preferir aprender num estilo interactivo. Falar com outras pessoas, partilhar soluções, ideias e visões é uma maneira ideal de aprendizagem para adultos. 4

5 PROVAS PARA A ACREDITAÇÃO 7.1 As prácticas asseguram a circulação do conhecimento tácito através da organização de maneira atempada e eficiente Uma cultura aberta e de confiança permite e apoia as actividades de partilha de conhecimento [Nas auditorias] A administração de topo pode dar exemplo de como deve ser feito. [Nas auditorias] Os engenheiros podem dar exemplos das suas funções nas actividades de partilha de conhecimento COMO PODE SER FEITO? 7.1 As prácticas asseguram a circulação do conhecimento tácito através da organização de maneira atempada e eficiente Premeie, reconheça e enalteça as pessoas que, em parte, tenham contribuído para a partilha de conhecimento Promova nova formação para a administração de topo dar apoio e proporcionar recursos aos novos comportamentos e para eliminar "silos de conhecimento" e estimular os "acumuladores de conhecimento" a partilhar Crie relações através de reuniões presenciais reais (ou virtuais) Os executivos de nível superior entendem que devem dar exemplos de bons comportamentos relativamente ao conhecimento. Para isso, podem, entre outras coisas, implementar uma Política de Porta Aberta; ler livros e falar deles; assistir a eventos externos e apresentar as ideias chave dos mesmos ao pessoal; trabalhar para melhorar as suas capacidades de narração em comunicações importantes. Todos os engenheiros devem ser instruídos acerca dos atributos do negócio baseado em conhecimento e na partilha de conhecimento. A iniciação é o momento ideal para definir essa filosofia. (Na verdade, as organizações especialistas em conhecimento contratam novos trabalhadores em parte devido ao seu potencial de comportamento relativo ao conhecimento!) A Política de DPC da sua empresa deve incluir funções e responsabilidades claras relativamente à partilha de conhecimento. 5

6 São necessárias medições quantitativas e qualitativas para avaliar o sucesso duma iniciativa de partilha de conhecimento. Idealmente, as iniciativas de partilha de conhecimento devem começar com um programa piloto. Estabelecer actividades de partilha de conhecimento O conhecimento pode ser categorizado em duas áreas diferentes, Explícito e Tácito: O conhecimento EXPLÍCITO pode encontrar-se em bases de dados, livros, processos e documentos e pode ser habitualmente expresso e descrito de modo formal. O conhecimento TÁCITO é baseado na experiência e competência das pessoas. Para este tipo de conhecimento, geralmente não existem activos imobilizados físicos ou inventários. O conhecimento implícito pode ser visto como o elemento mais valioso do seu negócio. Pode ser difícil descrevê-lo e, devido à sua natureza, é geralmente mais difícil de capturar e de partilhar. No desenvolvimento de Sistemas de Gestão do Conhecimento, é importante considerar a captura e a disseminação de ambos os tipos de conhecimento. A Cultura de Partilha do Conhecimento O provérbio que diz que o conhecimento é poder é certamente verdade na economia global actual. A nível local e em mercados internacionais, as pessoas só divulgam e partilham o conhecimento em ambientes muito positivos. Há muitos factores que inibem a transferência de conhecimento. Davenport e Prusak, em How Organisations Manage What They Know, referem-se a estes inibidores como fricções. É um modo prático de os definir, dado que atrasam ou impedem a transferência e podem provocar a erosão de parte desse conhecimento no seu curso através da organização. Sugerem as seguintes como sendo as fricções mais comuns e as suas possíveis soluções. Fricção Falta de confiança Diferentes culturas, vocabulários, quadros de referência Falta de tempo e de locais de reunião; visão reduzida do trabalho produtivo O estatuto e as recompensas vão para quem possui o conhecimento Falta de capacidade de absorção dos destinatários A crença de que apenas grupos Solução possível Crie relações e confiança através de reuniões presenciais Crie uma base comum através da educação, discussão, publicações, trabalho em equipa, rotação de tarefas Estabeleça horários e locais para as transferências de conhecimento: feiras, salas de reuniões, relatórios de conferências Avalie o desempenho e estabeleça incentivos baseados na partilha Eduque os engenheiros para serem mais flexíveis; destine tempo para a aprendizagem; contrate pessoas abertas às ideias Fomente uma abordagem não hierárquica do 6

7 específicos têm direito ao conhecimento, a síndrome de aqui não é assim Intolerância aos erros ou necessidade de ajuda conhecimento; a qualidade das ideias é mais importante do que o estatuto da fonte Aceite e premeie os erros criativos e a colaboração; sem perda de estatuto por não saber tudo A confiança pode ultrapassar todos os outros fatores que afectam positivamente a eficiência da partilha do conhecimento na sua organização. Sem confiança, as iniciativas de conhecimento irão falhar, independentemente do volume de tecnologia ou retórica de gestão por que possam estar apoiadas, ainda que a sobrevivência da organização dependa das mesmas. (Consultar "Trust", de Francis Fukayama (New York: Free Press 1995)). Existem três regras de ouro relacionadas com a Confiança para permitir a Partilha de Conhecimento. 1. A confiança deve ser visível: As pessoas devem ser visivelmente reconhecidas pela sua partilha de conhecimento. Devem sentir directamente a reciprocidade. Deve haver uma prova directa da relação de confiança. 2. A confiança deve ser omnipresente: Se parte da equipa de conhecimento interno não é de confiança ou não acumuladora de conhecimento, a dinâmica de partilha torna-se distorcida e menos eficiente. 3. A confiança começa no topo: O exemplo da administração de topo pode muitas vezes definir as normas. Os seus valores são publicitados pela empresa através de sinais, de anúncios e de símbolos. Explorar com cinismo o conhecimento dos outros para o seu próprio benefício acaba por ter, em última análise, um efeito muito prejudicial. O Estatuto do Conhecedor As pessoas julgam a informação e conhecimento que obtêm em grande medida dependendo de quem lho fornece. As organizações que ignoram este facto costumam ficar decepcionadas com os resultados dos projectos de transferência de conhecimento. É habitual, por exemplo, as organizações enviarem engenheiros de nível inferior para uma conferência porque a empresa pode dispensá-los. O seu trabalho não é considerado tão importante como o do pessoal de nível superior, que não podem dispensar do tempo destinado a trabalhos essenciais. O que acontece quando o engenheiro jovem volta da conferência e diz: Pensamos que aprendemos algumas coisas das quais a empresa pode beneficiar se mudamos o nosso processo desta maneira"? Poucos ouvem para avaliar se têm razão ou não. O conhecimento que trazem será rejeitado pela mesma pessoa que os enviou para a conferência: não são considerados como engenheiros de valor. Recorde: TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO = TRANSMISSÃO + ABSORÇÃO (e USO) Se o conhecimento não é absorvido, não foi transferido. O mero processo de disponibilizar conhecimento não é transferência. Em Wellsprings of Knowledge, Dorothy Leonard-Barton fala de capacidades pessoais e de como os egos das pessoas são 7

8 muitas vezes realçados com as suas capacidades básicas. Muitas vezes podem opor-se a qualquer inovação que exija que abandonem o seu modo pessoal de fazer coisas por métodos. A resistência à mudança é uma força potente. Pense em QUEM é a melhor pessoa na sua organização para transmitir uma parte importante de Conhecimento se realmente quer que as pessoas a levem a sério e atuem do modo pretendido. VELOCIDADE e VISCOSIDADE Os fatores de fricção de que falámos afectam a velocidade da partilha do conhecimento, por exemplo, a velocidade na qual o conhecimento circula através duma organização. Com que rapidez e amplitude é transmitido? Viscosidade refere-se à riqueza do conhecimento partilhado. Quanto é do que tentamos comunicar é de facto absorvido e utilizado? Até que ponto o conhecimento original fica reduzido? A viscosidade é particularmente afectada pelo método de transferência. Por exemplo, é provável que o conhecimento partilhado mediante uma relação de orientação por mentor bem estabelecida tenha uma alta viscosidade: o aprendiz irá receber uma quantidade incrível de conhecimento detalhado e subtil ao longo do tempo. O conhecimento obtido duma base de dados on-line ou adquirido a partir do resumo do artigo dum jornal será muito menor. A velocidade e viscosidade são ambas assuntos importantes para gestores do conhecimento. A aprendizagem autêntica é um profundo esforço humano. Absorver e aceitar o conhecimento é essencial. Tentar alcançar uma alta velocidade pode reduzir a viscosidade. Um exemplo real (Davenport e Prusak, Harvard Business School Press) da Mobil Oil mostra como os engenheiros da Mobil desenvolveram meios sofisticados para poupar energia num projeto específico de perfuração. Detalharam as novas técnicas e os seus benefícios e depois enviaram um memorando a todos os seus colegas dos outros campos petrolíferos, juntamente com cálculos para demonstrar o benefício do seu novo conhecimento. Assumiram que todos os locais de exploração iriam adoptar rapidamente uma inovação cujo valor era indiscutível. Nenhum deles o fez. Nada aconteceu. A velocidade (um memorando) era elevada, mas o nível de viscosidade do novo processo era nulo! A maioria dos esforços de partilha do conhecimento estabelece um compromisso entre os dois factores. Uma boa história é muitas vezes a melhor maneira de partilhar conhecimento A interacção humana é essencial para a partilha do conhecimento. Os humanos aprendem melhor com histórias. Isto é claro para qualquer pessoa que tenha sido professor ou formador. Numerosos estudos têm realçado a importância da narrativa para a partilha do conhecimento. Um conto convincente, que seja transmitido com elegância e paixão formal, ajuda-nos a enfatizar e, portanto, a interiorizar (absorver) o conhecimento. 8

9 Depois de reconhecemos que a narrativa é a melhor maneira de ensinar e aprender assuntos complexos, podemos então codificar as próprias histórias para expressar o significado. Muitas empresas fazem isso através de newsletters com histórias de excelência na ação ou vídeos informativos do Presidente Executivo para o pessoal a realçarem os heróis da empresa. Se as histórias são importantes, é importante dispor de bons contadores de histórias. Como classifica as capacidades do seu pessoal para serem influentes, fazerem apresentações e falarem em público? Recorde que, até em organizações sofisticadas de grande escala, as simples conversas e histórias (incluindo boatos) são os meios principais pelos quais os trabalhadores do conhecimento descobrem o que sabem, partilham-no com os seus colegas e, no mesmo processo, criam novos conhecimentos para a organização. A chave do sucesso da Partilha do Conhecimento é fazer corresponder o conhecimento que precisa partilhar, com um mensageiro apropriado e com o método correcto. COMUNIDADES DE INTERESSES E DE PRÁCTICA Outra maneira de ajudar os engenheiros a aceder a fontes de conhecimento é através da criação de Comunidades de Interesses (ou Comunidades de Prática). Uma comunidade de interesses é um grupo informal cujos membros partilham um interesse em alguma tecnologia ou aplicação. O grupo pode ser constituído por uma dúzia de engenheiros de diferentes unidades operacionais que partilham um interesse comum nas aplicações de poupança de energia. Pode ser um grupo de gerentes interessados em técnicas de benchmarking. Qualquer que seja o interesse, são organizadas reuniões periódicas dessas comunidades (com as respetivas minutas), que dão oportunidades para partilhar conhecimento e fomentar a imaginação. Em termos gerais, uma Comunidade de Prática é para praticantes duma determinada área, tal como o nome sugere. As Comunidades externas são igualmente importantes como estimulantes. O conhecimento externo revigora e dá vitalidade às organizações. Os engenheiros acedem ao conhecimento quando têm oportunidades de assistir a reuniões profissionais, visitar clientes e sócios de benchmarking e quando são convidados peritos externos para partilhar os seus conhecimentos através de palestras e de seminários. 9

10 Métodos de Partilha de Conhecimento Planos de distribuição de equipas / Escritórios abertos / Política de porta aberta Memorando Restaurante da empresa Reuniões informais Conversas pessoais / Bebidas após o trabalho Sessões de Almoço e Aprendizagem Internet Fóruns de engenharia Fóruns on-line Salas de conversação especializadas Ecrãs de plasma Newsletter Formação de iniciação Equipas de projeto Conferências / Seminários Palestras com oradores especialistas Conferência na Internet Brainstorming Conferência telefónica / Videoconferência Consultores Fornecedores Clientes Metodologia de Seis Sigma Centros de Aprendizagem / Feiras / Exposições Comunidades de Interesses / Práctica Programa de orientação por mentor Programas de aprendizagem Intranet Criação de Dias de folga para a equipa 10

11 Boas Prácticas Boas Prácticas padrão Actividades de partilha de conhecimento como Almoço e Aprendizagem Os relatórios de conclusão de projecto e a base de dados de Lições Aprendidas concentram conhecimento e experiências importantes O pessoal que assistiu a eventos de DPC transmite as conclusões chave aos colegas Acesso a sistemas de informação crítica disponíveis na Internet. Boas Prácticas avançadas Orientação por mentor multidisciplinar As Comunidades de Interesses promovem a partilha do conhecimento e a resolução activa de problemas Os fóruns de engenharia unem o pessoal de engenharia sénior para a partilha do conhecimento O pessoal de engenharia sénior dá Aulas Mestras O pessoal técnico sénior mantém Blogues Técnicos Partilha do conhecimento promovida como um valor na empresa 11

12 TRÊS IDEIAS Se os seus engenheiros não fossem autorizados a falar entre eles durante um mês, o que aconteceria ao seu negócio? Os seus engenheiros falam entre eles? Quem sabe mais acerca dos assuntos chave na sua organização? Partilham esse conhecimento ou restringem-no? Se abandonassem a sua organização amanhã, levariam com eles o conhecimento e competência? A sua empresa é um mercado agitado onde o conhecimento valioso é comprado e vendido ou há monopólios e barreiras comerciais? 12

CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO

CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO CRITÉRIO 3: SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DO DESEMPENHO Este capítulo inclui: Visão geral O Ciclo de Gestão do Desempenho: Propósito e Objectivos Provas requeridas para a acreditação Outros aspectos

Leia mais

OLIVEIRA, Helena. Como gerir a informação. DIGITAL ON LINE, v.5, n.5, Mai, 1999

OLIVEIRA, Helena. Como gerir a informação. DIGITAL ON LINE, v.5, n.5, Mai, 1999 COMO GERIR A INFORMAÇÃO OLIVEIRA, Helena. Como gerir a informação. DIGITAL ON LINE, v.5, n.5, Mai, 1999 RESUMO:"O mundo dos negócios vai mudar mais nos próximos 10 anos do que nos últimos 50 anos. O êxito

Leia mais

Orientações para desenvolver uma Política de DPC Provas requeridas para a acreditação Acrescentando valor: conjunto de boas práticas

Orientações para desenvolver uma Política de DPC Provas requeridas para a acreditação Acrescentando valor: conjunto de boas práticas CRITÉRIO 2: COMISSÃO DE INTERNA Este capítulo inclui: Visão geral Orientações para desenvolver uma Política de Provas requeridas para a acreditação Acrescentando valor: conjunto de boas práticas VISÃO

Leia mais

Vantagem Garantida PHC

Vantagem Garantida PHC Vantagem Garantida PHC O Vantagem Garantida PHC é um aliado para tirar maior partido das aplicações PHC A solução que permite à empresa rentabilizar o seu investimento, obtendo software actualizado, formação

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento O QUE QUEREMOS DIZER COM CONHECIMENTO? Helder Haddad Silva 16 de Março de 2003 Leitura Básica e Complementar:: O que queremos dizer com conhecimento in PRUSSAK L., e DAVENPORT T.,

Leia mais

O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa

O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa EUROPA: RESULTADOS DA INVESTIGAÇÃO Elaborado por Research em colaboração com a SAP Patrocinado por O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa LÍDERES FINANCEIROS PRONUNCIAM-SE SOBRE A SUA MISSÃO

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projectos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização

As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização Sandra Paula da Silva Maia Pacheco de Oliveira Gestão de Pequenas e Médias Empresas As Comunidades de Prática (CoPs) ao Serviço da Organização - O Caso Siemens AG - Orientador Professor Doutor Luís Manuel

Leia mais

Auto-formação para colaboradores

Auto-formação para colaboradores Formação e familiarização directa com o posto de trabalho é, muitas vezes, da responsabilidade da organização. Para uma organização eficaz desta tarefa, o instrutor/tutor necessita não só do conhecimento

Leia mais

Reinventando a gestão de vendas

Reinventando a gestão de vendas Reinventando a gestão de vendas Um bom vendedor é mais importante para a empresa do que o produto. Vender não é mais persuasão, mas compreensão. Esta é a proposta de Neil Rackham, expressa durante o Fórum

Leia mais

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso -

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Irina Saur-Amaral Aveiro, 28 de Abril de 2006 Estudos de caso 1. MKS (consultoria TIC Índia): importância da cultura de conhecimento 2. Siemens AG: implementação

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Elaborado por HMA (GR) e SPI (PT) Tabela de Conteúdos Introdução à Gestão do Conhecimento 1. Dados, Informação e Conhecimento 2. Mercados de Conhecimento 3. Geração de Conhecimento

Leia mais

Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES. Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes

Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES. Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES II Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes Comunidades de Aprendizagem Modo de Funcionamento Metodologia

Leia mais

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos

PHC TeamControl CS. A gestão de equipas e de departamentos PHC TeamControl CS A gestão de equipas e de departamentos A solução que permite concretizar projetos no tempo previsto e nos valores orçamentados contemplando: planeamento; gestão; coordenação; colaboração

Leia mais

PHC Clínica CS. A gestão operacional total da clínica ou consultório

PHC Clínica CS. A gestão operacional total da clínica ou consultório PHC Clínica CS A gestão operacional total da clínica ou consultório A informação confidencial sobre cada paciente, o seu historial e, se integrado com o módulo PHC Gestão CS, a gestão financeira e a facturação

Leia mais

VANTAGEM ESTRATÉGICA. Assunto: Administração do Conhecimento

VANTAGEM ESTRATÉGICA. Assunto: Administração do Conhecimento 1 VANTAGEM ESTRATÉGICA Assunto: Administração do Conhecimento Objetivos do capítulo: 1. Explicar como os sistemas de administração do conhecimento podem ajudar na iniciativa de construir uma empresa geradora

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO

GESTÃO DO CONHECIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO OconceitodeGestãodoConhecimentosurgiunoinício da década de 90 e, segundo SVEIBY (1998, p. 3), a Gestão do Conhecimento não é mais uma moda de eficiência operacional. Faz parte da

Leia mais

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa Neste artigo clarifica-se os objectivos do ILM (Information Life Cycle Management) e mostra-se como estes estão dependentes da realização e manutenção

Leia mais

Como. escrever um bom estudo de caso ou uma história de sucesso

Como. escrever um bom estudo de caso ou uma história de sucesso Como. escrever um bom estudo de caso ou uma história de sucesso Um estudo de caso deve fornecer uma oportunidade para mostrar o impacto do seu trabalho. Mas é também uma história, por isso precisa de um

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO PARTE 9 Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO ATIVO INTANGÍVEL Ativos que não têm substância física, mas proporcionam benefícios econômicos, como: competência dos gerentes, sua experiência e conhecimento

Leia mais

Facilitando a Criação de Conhecimento: reinventando a empresa com o poder da inovação contínua. Parte 1

Facilitando a Criação de Conhecimento: reinventando a empresa com o poder da inovação contínua. Parte 1 Facilitando a Criação de Conhecimento: reinventando a empresa com o poder da inovação contínua. Parte 1 Georg von Krogh, Kazuo Ichijo e Ikujiro Nonaka RESUMO Por Gilson Yukio Sato Capitulo 1 - Gestão do

Leia mais

Como é que esta tecnologia me pode beneficiar?... 3. Etapas do Planeamento de uma Conferência Online... 4

Como é que esta tecnologia me pode beneficiar?... 3. Etapas do Planeamento de uma Conferência Online... 4 APRENDA A SER INOVADOR PARA FICAR À FRENTE DA CONCORRÊNCIA QUAIS OS PASSOS NECESSÁRIOS PARA PLANEAR E REALIZAR UMA CONFERÊNCIA ONLINE DE SUCESSO! COMO DAR AULAS NUMA SALA DE AULA VIRTUAL! CONTEÚDOS Como

Leia mais

Inovação, Conhecimento & Sustentabilidade

Inovação, Conhecimento & Sustentabilidade Inovação, Conhecimento & Sustentabilidade José Renato S. Santiago Júnior Para Pensar a Respeito... A Inovação tem se tornado um dos principais fatores de geração de riqueza e valor das organizações; Atualmente

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento.

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2007/08 Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Prof. Mário Caldeira Profª Ana Lucas Dr. Fernando Naves

Leia mais

PHC Imobilizado CS BUSINESS AT SPEED

PHC Imobilizado CS BUSINESS AT SPEED PHC Imobilizado CS Controle totalmente os activos imobilizados da sua empresa Processe automaticamente as amortizacões/ depreciacões, as reavaliacões, as imparidades/reversões bem como as revalorizacões

Leia mais

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade)

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade) Conceito Competência para a acção Explicação Competência para a acção compreende todas as habilidades, competências e experiências de uma pessoa, que lhe possibilita auto-organizar-se para realizar correctamente

Leia mais

CONSULTORIA POSITIVA

CONSULTORIA POSITIVA O consultor é uma pessoa que, pela sua habilidade, postura e posição, tem o poder de influenciar as pessoas, grupos e organizações, mas não tem o poder directo para produzir mudanças ou programas de implementação.

Leia mais

Rogério Salles Loureiro; Dalila Alves Corrêa

Rogério Salles Loureiro; Dalila Alves Corrêa COMPARTILHAMENTO DE CONHECIMENTO EM PROJETOS DE INOVAÇÃO COM FOCO NO PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA NO CENTRO DE TECNOLOGIA CANAVIEIRA. Rogério Salles Loureiro; Dalila Alves Corrêa

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento 8º Congresso Internacional da Qualidade para Competitividade 02/07/2006 Dr. José Cláudio C. Terra Slide 1 Era do Conhecimento Linha de Montagem Linha de Montagem? Slide 2 Era do

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Imagine se pudesse reduzir os inconvenientes e os custos de tornar os seus colaboradores mais acessíveis...

Imagine se pudesse reduzir os inconvenientes e os custos de tornar os seus colaboradores mais acessíveis... Imagine se pudesse reduzir os inconvenientes e os custos de tornar os seus colaboradores mais acessíveis... Como este serviço pode ajudá-lo Faça The uma chances gestão are you ve eficiente invested das

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correcta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

Katia Werneck katia.werneck@subsea7.com

Katia Werneck katia.werneck@subsea7.com Gestão do Conhecimento na Subsea 7 Katia Werneck katia.werneck@subsea7.com 1 Um Novo Começo A combinação entre Acergy e Subsea 7, duas empresas multinacionais da área offshore, uniram-se para criar uma

Leia mais

» ARTIGO. » Por Charles Jennings. A verdade sobre o treinamento. Um Clique à Frente.

» ARTIGO. » Por Charles Jennings. A verdade sobre o treinamento. Um Clique à Frente. » ARTIGO» Por Charles Jennings Um Clique à Frente. » ARTIGO» Por Charles Jennings Artigo editado e distribuído pela primeira vez em língua portuguesa por meio da parceria entre a Ciatech e o autor, Charles

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico

Avaliação de Investimentos Logísticos e. Outsourcing Logístico APLOG Centro do Conhecimento Logístico Avaliação de Investimentos Logísticos e Outsourcing Logístico Guilherme Loureiro Cadeia de Abastecimento- Integração dos processos de gestão Operador Logístico vs

Leia mais

Manual do Utilizador Aluno

Manual do Utilizador Aluno Manual do Utilizador Aluno Escola Virtual Morada: Rua da Restauração, 365 4099-023 Porto PORTUGAL Serviço de Apoio ao Cliente: Telefone: (+351) 707 50 52 02 Fax: (+351) 22 608 83 65 Serviço Comercial:

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

PHC dmanager. O controlo remoto constante da empresa

PHC dmanager. O controlo remoto constante da empresa Descritivo PHC dmanager PHC PHC dmanager O controlo remoto constante da empresa A solução ideal para monitorizar via Internet as áreas comercial e financeira da empresa e controlar as suas vendas, clientes

Leia mais

Gestão do conhecimento

Gestão do conhecimento Gestão do Exemplos e aplicações Luis Manuel Borges Gouveia, lmbg@ufp.pt Janeiro de 2002 O SI, a GI e o Negócio Gestão e pessoas GESTÃO DA INFORMAÇÃO Organização e procedimentos SISTEMA DE INFORMAÇÃO missão

Leia mais

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos

Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos 1 Um Modelo de Mensuração da Contribuição da Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Sátiro Santiago Junior 1. Introdução A estruturação de processos voltados para a medição e monitoramentos das

Leia mais

Social Origins of Good Ideas

Social Origins of Good Ideas Social Origins of Good Ideas Ronald S. Burt Sara Duarte Redes Sociais Online ISCTE IUL Maio 2013 Ronald S. Burt Professor de sociologia e estratégia na University of Chicago Graduate School of Business;

Leia mais

Aplicando as lições aprendidas para alavancar os resultados de próximos projetos

Aplicando as lições aprendidas para alavancar os resultados de próximos projetos Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº 149 26/07/2015 Aplicando as lições aprendidas para alavancar os resultados de próximos projetos João Lucas Nunes de Souza Analista

Leia mais

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso -

Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Gestão de Conhecimento - Estudos de caso - Irina Saur-Amaral Aveiro, 28 de Abril de 2006 Estudos de caso 1. MKS (consultoria TIC Índia): importância da cultura de conhecimento 2. Siemens AG: implementação

Leia mais

White Paper: Como Produzir um Case Study Guia Prático e Essencial

White Paper: Como Produzir um Case Study Guia Prático e Essencial White Paper: Como Produzir um Case Study Guia Prático e Essencial Indíce de Conteúdos O Que É um Case Study?... Os seus clientes realmente gostam sua empresa e têm excelentes resultados com os seus produtos,

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Ez-Desk - O seu Escritório Virtual

Ez-Desk - O seu Escritório Virtual Ez-Desk - O seu Escritório Virtual 1- Morada Comercial com recepção e Organização de Correspondência: Disponibilização do endereço postal da Ez-Team, para efeitos comerciais (não fiscais) da sua empresa.

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correcta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

Como realizar inovação na sua empresa?

Como realizar inovação na sua empresa? Como realizar inovação na sua empresa? Após ter conhecido no Notícias Airo anterior, alguns princípios base, definições, os tipos de inovação e a metodologia para a inovação vou procurar dar os conselhos

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno PHC dteamcontrol Interno A gestão remota de projectos em aberto A solução via Internet que permite acompanhar os projectos em aberto em que o utilizador se encontra envolvido, gerir eficazmente o seu tempo

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

Gestão do conhecimento

Gestão do conhecimento 1 Gestão do conhecimento Inteligência empresarial Aproveitar o saber-fazer organizacional Apoio ao desempenho Interacção com as bases de dados operacionais Construção de redes periciais Criação, partilha

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Gestão de TI Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Aula passada... CRM BI - Introdução Sistemas Interorganizacionais 17:08 2 Aula de hoje... Gestão do Conhecimento 17:08 3 85% dos ativos de conhecimento

Leia mais

Os Recursos Humanos na Distribuição

Os Recursos Humanos na Distribuição Os Recursos Humanos na Distribuição Tudo assenta nas pessoas. Também o sangue vital da Distribuição assenta nas pessoas, empregados ou consumidores, na medida em que uns vendem os produtos e os outros

Leia mais

10 Políticas de gestão de Recursos Humanos para apoio à inovação. 10.2 Criando uma cultura de empresa para a inovação contínua

10 Políticas de gestão de Recursos Humanos para apoio à inovação. 10.2 Criando uma cultura de empresa para a inovação contínua 10 Políticas de gestão de Recursos Humanos para apoio à inovação Palavras-chave Análise de cultura, Inovação, Gestão de conhecimento, Partilha de conhecimento, Liderança, Cultura Organizacional Objectivos

Leia mais

Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação

Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam analisar as necessidades de informação para se manter os stakeholders internos e externos bem como a equipe de projetos

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS

COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS PSICOLOGIA DA COMUNICAÇÃO Ciências da Comunicação CONTEXTOS DE COMUNICAÇÃO: COMUNICAÇÃO EM PEQUENOS GRUPOS Aspectos gerais Definição de pequeno grupo Tipos de grupos Estrutura e Dinâmica de grupo Resolução

Leia mais

PHC ControlDoc CS. A gestão documental da empresa ou organização

PHC ControlDoc CS. A gestão documental da empresa ou organização PHC ControlDoc CS A gestão documental da empresa ou organização O arquivo digital de todo o tipo de ficheiros (imagens, word, excel, pdf, etc.) e a possibilidade de os relacionar com os dados existentes

Leia mais

MOTIVAÇÃO. Alan G. Robinson Autor do livro Ideas are Free

MOTIVAÇÃO. Alan G. Robinson Autor do livro Ideas are Free MOTIVAÇ ÃO MOTIVAÇÃO Em cada dia, em todo o mundo, milhões de empregados identificam problemas e oportunidades que as suas chefias não conseguem ver e têm centenas de ideias para poupar tempo, ou dinheiro,

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

1 REDACÇÃO CRIATIVA E EFICAZ ESCRITA EMPRESARIAL. - 7 horas 2 TREINE A ESCUTA ACTIVA PARA UMA COMUNICAÇÃO DE SUCESSO. - 7 horas

1 REDACÇÃO CRIATIVA E EFICAZ ESCRITA EMPRESARIAL. - 7 horas 2 TREINE A ESCUTA ACTIVA PARA UMA COMUNICAÇÃO DE SUCESSO. - 7 horas 5 Seminários // 35 horas formação 1 REDACÇÃO CRIATIVA E EFICAZ ESCRITA EMPRESARIAL 2 TREINE A ESCUTA ACTIVA PARA UMA COMUNICAÇÃO DE SUCESSO 3 PROTOCOLO EMPRESARIAL E RELAÇÕES PUBLICAS: COMPORTAMENTOS QUE

Leia mais

Adaptar criativamente

Adaptar criativamente Adaptar criativamente Os fundamentos do benchmarking eficiente e o caminho para a obtenção de vantagem competitiva. Por Robert Camp DOSSIÊ 64 Um dos termos mais comentados e menos compreendidos atualmente

Leia mais

A compra de TI e as redes sociais

A compra de TI e as redes sociais Solicitada por A compra de TI e as redes sociais Como as redes sociais transformaram o processo de compras B2B e as melhores práticas para adaptar as suas estratégias de marketing à nova realidade BRASIL

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

A gestão comercial e financeira através da Internet

A gestão comercial e financeira através da Internet PHC dgestão A gestão comercial e financeira através da Internet A solução de mobilidade que permite introduzir e consultar clientes, fornecedores, artigos, documentos de facturação, encomendas, compras,

Leia mais

A solução de mobilidade que lhe permite executar e controlar, de forma eficaz, a Gestão Comercial e a Tesouraria da sua empresa, através da Internet

A solução de mobilidade que lhe permite executar e controlar, de forma eficaz, a Gestão Comercial e a Tesouraria da sua empresa, através da Internet PHC dgestão DESCRITIVO A qualquer momento e onde quer que esteja, o PHC dgestão permite introduzir e consultar clientes, fornecedores, artigos e documentos de facturação, encomendas e compras, guias de

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo Introdução Co-habitamos uma sociedade de informação universal, aliados ao paradigma da evolução tecnológica que se verifica e se revela como um meio

Leia mais

e-learning e Qualificação de Formadores

e-learning e Qualificação de Formadores e-learning e Qualificação de Formadores Rede de Centros de Recursos em Conhecimento 11 de Maio de 2011 Instituto do Emprego e Formação Profissional Lisboa Paulo Mendes pmendes@citeve.pt Criação OBJECTIVOS

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO. Resumo

GESTÃO DO CONHECIMENTO. Resumo GESTÃO DO CONHECIMENTO Sérgio Augusto S. de Moraes 1 Wenderson Silva Marques de Oliveira 2 Lidiane Campos dos Santos 3 Resumo Cada vez mais o conhecimento é reconhecido como o ativo mais importante das

Leia mais

(Parceria: EBEN - European Business Ethics Network PT)

(Parceria: EBEN - European Business Ethics Network PT) Ética nos Negócios, Confiança e Redes de Valor (Parceria: EBEN - European Business Ethics Network PT) 4º FÓRUM RSO E SUSTENTABILIDADE Estamos a construir REDES DE VALOR Centro de Congressos de Lisboa 21

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

O contexto na Administração Pública

O contexto na Administração Pública 1.º Workshop ENIDH/MÚTUA DOS PESCADORES e-aprendizagem ou aprendizagem tecnologicamente assistida? Teresa Salis Gomes Directora da Unidade de Inovação Pedagógica O contexto na Administração Pública Aumento

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

ANA AEROPORTOS REDES DE CONHECIMENTO

ANA AEROPORTOS REDES DE CONHECIMENTO PARTILHAR PARTILHAR ANA AEROPORTOS REDES DE CONHECIMENTO A ORGANIZAÇÃO O sector da aviação civil, dada a sua natureza, está sujeito a regulamentação internacional, europeia e nacional, que regula e uniformiza

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

Os Cinco Níveis de Maturidade na Gestão de Requisitos

Os Cinco Níveis de Maturidade na Gestão de Requisitos Os Cinco Níveis de Maturidade na Gestão de Requisitos Ter maturidade significa ser capaz de ver o contexto e efectuar boas escolhas. No âmbito de uma empresa, significa basear as decisões numa compreensão

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

PHC Contabilidade CS

PHC Contabilidade CS PHC Contabilidade CS A execução e o controlo de todas as tarefas contabilísticas da sua empresa ou organização O controlo total das necessidades contabilísticas nas vertentes geral, analítica e orçamental.

Leia mais

F I C H A D A D I S C I P L I N A

F I C H A D A D I S C I P L I N A Pós-Graduações MBA Master em Gestão F I C H A D A D I S C I P L I N A I D E N T I F I C A Ç Ã O D A D I S C I P L I N A Curso: Disciplina: Docente: e-mail: MBA e PGE Gestão de Sistemas de Informação Luis

Leia mais

CONFERÊNCIA VENCENDO EM TEMPO DE CRISE. 24 de Março de 2010

CONFERÊNCIA VENCENDO EM TEMPO DE CRISE. 24 de Março de 2010 CONFERÊNCIA VENCENDO EM TEMPO DE CRISE ALGUMAS ESTRATÉGIAS PARA O SUCESSO DAS EMPRESAS 24 de Março de 2010 Caro Industrial, No seguimento das diversas reuniões sectoriais do passado ano, que permitiram

Leia mais

Gestão por Valores. com foco em Liderança. Carlos Legal

Gestão por Valores. com foco em Liderança. Carlos Legal Gestão por Valores com foco em Liderança Carlos Legal Quem somos Resultados melhores podem ser alcançados de forma sustentável. Pessoas melhores, geram lideranças e organizações melhores Nosso propósito

Leia mais

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais?

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais? TEMA - liderança 5 LEADERSHIP AGENDA O Que fazem os LÍDERES eficazes Porque é que certas pessoas têm um sucesso continuado e recorrente na liderança de empresas ou de organizações de todos os tipos? O

Leia mais

PANORAMA E TENDENCIAS DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO BRASIL

PANORAMA E TENDENCIAS DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO BRASIL PANORAMA E TENDENCIAS DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NO BRASIL HEITOR J PEREIRA. Professor da FIA Fundação Instituto de Administração. Ex-Presidente da SBGC Soc. Bras. Gestão do Conhecimento Revolução Agrícola

Leia mais

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com

IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com CADERNO IDC Nº 53 IDC Portugal: Av. António Serpa, 36 9º Andar, 1050-027 Lisboa, Portugal Tel. 21 796 5487 www.idc.com ROI - Retorno do Investimento OPINIÃO IDC Os anos 90 permitiram a inclusão das tecnologias

Leia mais

Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa

Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa Descritivo completo Contabilidade 2008 Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa Benefícios Fácil de utilizar; Totalmente integrada com o restante

Leia mais