Ana Paula Noro O USO DO SOFTWARE CABRI-GÉOMÈTRE II PARA O ENSINO DOS NÚMEROS COMPLEXOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ana Paula Noro O USO DO SOFTWARE CABRI-GÉOMÈTRE II PARA O ENSINO DOS NÚMEROS COMPLEXOS"

Transcrição

1 Ana Paula Noro O USO DO SOFTWARE CABRI-GÉOMÈTRE II PARA O ENSINO DOS NÚMEROS COMPLEXOS Santa Maria, RS 2008

2 2 Ana Paula Noro O USO DO SOFTWARE CABRI-GÉOMÈTRE II PARA O ENSINO DOS NÚMEROS COMPLEXOS Trabalho final de graduação apresentado ao Curso de Matemática Área de Ciências Naturais e Tecnológicas, do Centro Universitário Franciscano, como requisito parcial para obtenção do grau de Licenciado em Matemática. Orientadora: Leila Brondani Pincolini Santa Maria, RS 2008

3 Ana Paula Noro O USO DO SOFTWARE CABRI - GÉOMÈTRE II PARA O ENSINO DOS NÚMEROS COMPLEXOS Trabalho Final de Graduação apresentado ao Curso de Matemática Área de Ciências Naturais e Tecnológicas, do Centro Universitário Franciscano, como requisito parcial para obtenção do grau de Licenciado em Matemática. Leila Brondani Pincolini Orientadora (Unifra) Ana Maria Coden Silva Rosane Rossato Binotto Aprovado em... de... de...

4 4 RESUMO O uso das tecnologias tem-se tornado cada vez mais necessário e comum nos espaços educacionais em particular nas aulas de matemática. Com esse propósito foi realizada uma pesquisa bibliográfica para qual analisamos o software Cabri-Géomètre II, tal software permite ao aluno fazer o desenho geométrico e a análise do mesmo. Entre outros aspectos que vai muito além da manipulação dinâmica imediata das figuras ele permite visualizar lugares geométricos materializando a trajetória de um ponto escolhido enquanto que outro ponto está sendo deslocado, respeitando as propriedades particulares da figura. Ele permite também medir distâncias, ângulos e observar a evolução em tempo real durante as modificações da figura. O software Cabri-Géomètre contribui para o aprimoramento da prática pedagógica, possibilitando situações de ensino-aprendizagem em que propicia que o aluno construa o seu conhecimento matemático. Neste trabalho, apresentamos um pouco da história dos números complexos, e do software Cabri Géomètre, mas o principal objetivo é desenvolver atividades com os números complexos, suas propriedades e operações, tendo como ferramenta as novas tecnologias no caso um software educativo. Sendo que esses softwares são desenvolvidos com o objetivo de contribuir para a melhoria do ensinoaprendizagem de Matemática. Palavras-chave: cabri-géomètre, números complexos e ensino-aprendizagem. ABSTRACT The use of technology has become increasingly necessary and common spaces in educational classes, particularly in mathematics, for this purpose a literature search was conducted in which analyzes Cabri software-geometra II, this software allows the student to do the design geometric and analysis of it. Among other things that go far beyond the immediate dynamic manipulation of figures he shows loci materializing the trajectory of a chosen point while another section is being moved, while the private properties of the figure. He will also measure distances, angles and observe developments in real time during the changes of the figure. The software Cabri-Geometra contributes to the improvement of practice teaching,

5 5 allowing the teaching-learning situations in which provides the student builds his mathematical knowledge. We present a little history of complex numbers, and software- Cabri Geometry, but its main goal is to develop activities with the complex numbers, their properties and operations, and new technologies as a tool for an educational software. Since this software is developed with the aim of contributing to the improvement of teaching and learning of mathematics. Keywords:cabri-géomètre, complex numbers and teaching-learning.

6 6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REFERENCIAL TEÓRICO O USO DO COMPUTADOR NA AULA DE MATEMÁTICA HISTÓRIA DOS NÚMEROS COMPLEXO SOBRE O CABRI -GEOMÉTRE...1. NÚMEROS COMPLEXOS E O CABRI- GEOMÉTRE CONCLUSÃO...7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...8

7 7 1 INTRODUÇÃO Muitos são os recursos de informática desenvolvidos durante os últimos anos, tendo como objetivos motivar o ensino aprendizagem assim como ampliar os horizontes das metodologias de ensino. O surgimento de softwares educativos traz para o ensino da matemática, disciplina considerada um dos pilares da educação básica, uma perspectiva muito animadora de metodologias diferenciadas que podem tornar o ensino muito mais significativo. Através dos ambientes informatizados de aprendizagem, o aluno assume papel de investigador de conceito e de propriedades.. Um desses programas com esse propósito educativo é o programa Cabri- Géomètre II, que é um software comercial, desenvolvido por Jean- Marie Laborde e Franck Bellemain no Institun d Informatique et Mathématiques Appliquées de Grenoble (IMAG), um laboratório de pesquisa em estruturas discretas e didáticas da Universidade de Joseph Fourier em Grenoble, França, acoplado ao Centre Nacional de Recherches Scientifique (CNRS), com a colaboração da Texas Instruments, utilizado principalmente para o ensino da geometria plana, mas que também pode ser usado para o ensino de trigonometria e números complexos. Esse programa traz ao ensino aprendizagem, uma linguagem visual, que torna a linguagem matemática muito mais interessante, sua interatividade, permite fazer conjecturas de novas propriedades, confirmação de resultados. No presente trabalho estudamos o surgimento dos números complexos, o conceito, suas propriedades e operações, além disso, pretende-se desenvolver atividades envolvendo os números complexos utilizando-se o software Cabri Géométre II. 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 O COMPUTADOR NA AULA DE MATEMÁTICA O ensino vem sofrendo modificações em todos os aspectos, a todo instante. E o professor deve estar apto a essas transformações. Segundo SANCHO (1998, 0), a interação do indivíduo com suas tecnologias, tem transformado profundamente o mundo

8 8 e o próprio indivíduo. De certa forma a educação segue uma evolução que vem desde a época das palmatórias até hoje, onde encontramos um ensino através de programas de computador e meios eletrônicos. Existe uma grande mudança de hábitos para a nossa própria adequação ao que criamos. Segundo ALMEIDA JUNIOR (2000, 16), A informática aplicada à Educação tem funcionado como instrumento para a inovação. Por se tratar de uma ferramenta poderosa e muito valorizada pela sociedade, facilita a criação de propostas que ganham logo a atenção de professores, coordenadores, diretores, pais e alunos. A tecnologia deve ser parceira do professor no sentido de conhecer e analisar todos os recursos disponíveis buscando a sua melhor utilização. Não adianta fazer uso da tecnologia se isso não for feito da melhor maneira possível. As crianças e os adolescentes até podem apresentar, muitas vezes, um conhecimento bem mais adiantado de todas as ferramentas tecnológicas hoje existentes, mas esse conhecimento não trará proveito se ele não for utilizado de maneira crítica. Escola e professor devem caminhar juntos procurando desenvolver, em todos os trabalhos envolvendo a tecnologia, a competência crítica dos alunos. O uso adequado da tecnologia no ambiente escolar requer cuidado e atenção por parte do professor para avaliar o que vai ser usado e reconhecer o que pode ou não ser útil para facilitar a aprendizagem de seus alunos tornando-os críticos, cooperativos e criativos. Entretanto segundo AREA (1991b, citado por SANCHO,67) o professor é sujeito ativo e adulto que dispõe de sua própria forma de entender a prática e de implementá-la. Assim suas concepções e habilidades profissionais definem a utilização que irão fazer de diferentes programas e meios educativos. A Matemática como sabemos é a disciplina exata que mais impõe medo nos estudantes, isso ocorre, pois a maioria dos alunos, por exemplo, do ensino médio se dedicam em decorar fórmulas e cálculos não desenvolvendo seu raciocino. Sendo assim, porque não fazer uso da tecnologia para tornar as aulas de Matemática mais dinâmica, de melhor compreensão sendo que dispomos nos dias de hoje de inúmeros softwares que ajudam na editoração de fórmulas, no desenho gráfico, geométrico e outros afins. Esses softwares são denominados softwares educativos, os quais doem ser definidos como um conjunto de recursos informáticos projetados com a intenção de serem usados em contextos de ensino e de aprendizagem. Tais programas abrangem finalidades muito diversas que podem ir da aquisição de conceitos, até o desenvolvimento das habilidades básicas ou da resolução de problemas SANCHO (1998,169).

9 9 A matemática é sem dúvida uma das matérias mais temidas pelos alunos em geral, e como tal, pode-se ver que quanto mais recursos e meios reais forem utilizados numa aula maior será o aproveitamento da matéria. A escola não se justifica pela apresentação do conhecimento obsoleto e ultrapassado e, sim em falar em ciências e tecnologia D AMBRÓSIO (2002,80) Mas deve-se ter em mente que uso das tecnologias em prol da educação, não vai substituir o quadro negro, nem tão pouco a figura do professor nunca ficará ultrapassada, mas para isso são necessários estratégias, planejamentos e projetos pedagógicos, instrumentos fundamentais para a incorporação de qualquer meio de comunicação ao ensino. DESENVOLVIMENTO Para melhor compreensão dos números complexos apresentamos inicialmente um pouco de sua história..1 A HISTÓRIA DOS NÚMEROS COMPLEXOS Vindo contradizer com o que muitos dizem, os números complexos não foram inventados para resolver equações do segundo grau e sim para sanar insuficiências no conjunto dos reais. Pois foram a partir de equações do terceiro grau que se sentiu necessidade de utilizar os números complexos. A solução apresentada para equações da forma x 2 = px + q era dada da seguinte forma: Sabe-se que em 1515 Scipione Del Ferro conseguiu determinar um método para encontrar a solução da equação x = px² + q, mas, porém não chegou a publicar, pois achava que teria mais vantagem em manter segredo, caso acontecesse um desafio entre os sábios tinha uma carta na manga, pois além da fama o vencedor levava uma recompensa em dinheiro pela resolução de um problema. O que era muito comum na época, cientistas faziam descobertas, mas ficavam em segredo, e muitas vezes morriam sem passar seus conhecimentos adiante.

10 10 Quinze anos após Tonini da Coi propôs a Tartaglia um desafio que consistia na resolução das equações x + 6x 2 + 8x = 1000 e x + x 2 = 5. Mas não teve nem resposta, pois Tartaglia não sabia como resolver tais equações. Em 155 Tartaglia recebe outro convite dessa vez de Antonio Fiori para um duelo intelectual, no qual estavam propostos 0 problemas da forma x + px = q. Os quais Tartaglia desenvolveu rapidamente, sem apresentar dificuldades, por sua vez apresentou ainda outros, entre os quais cúbicas da forma x + px = q, que Antonio Fiori não foi capaz de resolver. Cardano ao ficar sabendo que foi encontrado o método para a resolução de equações do grau, tenta que Tartaglia lhe ensine a solução, junto com sua demonstração. Mas foi somente em 159 que Tartaglia revelou seu método a Cardano, este estando sobre o juramento de nunca o revelar só podendo escrever em códigos para depois de sua morte ninguém descobrir seu segredo. A revelação foi feita na forma de um poema, que apresentava 25 versos sendo que os nove primeiros dizem respeito à equação. x + px = q. Apresentamos a seguir o poema escrito por Tartaglia com a respectiva tradução: Quando ch el cubo com le cose apresso. Se agualia a qualche Número discreto Trouan dui altri differenti in esso, Dapoi terrain questo per consueto Ch le lor producto sempre si egale Al terzo cubo dell cose neto. El resíduo poi suo generale Delli lor tali cubi bem sotrati Varra la tua cosa principale(...) Quando o cubo junto com as coisas Se igualar a algum número Descobrem dois outros que difiram do conhecido E faz como é usual Que o produto seja sempre igual Ao cubo da terça parte das coisas Então a diferença Dos seus lados cúbicos bem subtraídos Valerá a tua coisa principal x ³ + px = q a b = a * b = x = a q p b (Pedro Nunes, 1950, p. 404) Essa foi à forma que Tartaglia encontrou para fazer a revelação que em termos atuais vem nos dizer: Dada à equação x + px = q, determinar dois números a e b cuja diferença seja q e cujo produto seja o cubo de p. Desta forma era feita a revelação que em termos atuais corresponde a: dada à equação x + px = q, determinar dois

11 11 p números a e b cuja diferença seja q e cujo produto seja o cubo de. A solução é. Não era tecido nenhum comentário que indicava qualquer prova. Cardano tendo em mãos a solução consegue sua demonstração sem problemas, porém não pode fazer sua publicação devido à promessa feita a Tartaglia. No ano de 1542 Cardano juntamente com Ferrari consegue permissão de Della Nave para examinar os manuscritos de Scipione del Ferro, sendo encontrado entre esses a solução da equação x + px = q. Em 1545, Jerônimo de Cardano ( ), em seu livro Ars Magna (A Grande Arte), mostrou o método para resolver equações do terceiro grau que hoje é conhecido como Fórmula de Cardano. Bombelli ( ), discípulo de Cardano, em sua Álgebra, aplicou à fórmula de Cardano a equação x = 15x + 4. Efetuando os cálculos chegou a:. Embora não se sentisse completamente à vontade com as raízes quadradas de números negativos, da mesma forma que Cardano ele chama essa expressão de sofística. Bombelli operava livremente com elas, aplicando-lhes as regras usuais da Álgera. Bombelli mostrou que: (2 + 1) = ( 1) 2 + ( 1) = = = Logo, = E analogamente = 2 1. Portanto, o valor de x é x = = 4. Como 4 é realmente a raiz da equação x = 15x + 4, a partir daí outros matemáticos passaram a usar as raízes de números complexos, mesmo se sentindo um pouco desconfortável com isso. Bombelli trabalhava sistematicamente com a quantidade 1, que hoje a conhecemos com unidade imaginária e a representamos como i. Cardano em sua obra dá o crédito da descoberta a Scipione del Ferro. O que deixa Tartaglia furioso se sentido traído por Cardano, vindo a publicar o livro Cuesiti

12 12 et invezioni diverse, no qual dava sua versão e destratava Cardano, esse não se incomodando com os desatinos de Tartaglia. Mesmo assim Ferrari amigo fiel de Cardano o desafia pra um debate público, Tartaglia não aceita no primeiro momento, mas acaba concordando. De fevereiro de 1547 a junho de 1548 houve um duelo entre Ferrari e Tartaglia com doze panfletos, que eram conhecidos como Cartelli de sfida mathemática, onde os dois puderam expor as suas razões. No dia dez de agosto de1548 ficou marcado o debate final, no jardim da igreja Frati Zoccolanti em Milão. No fim do primeiro dia vendo que iria perder Tartaglia regressou para Veneza, deixando a vitória moral para o desafiante. Agora perdida a honra da descoberta e cheio de raiva de Cardano volta para Brescia onde tem seu contrato da Universidade de Brescia, alegando estar insatisfeito com o seu trabalho. Em resumo sobre a evolução dos complexos temos que: O símbolo de 1 foi introduzido em 1629 por Alberte Girard. O símbolo i foi usado pela primeira vez para representar 1 por Leonhard Euler em 1777, e apareceu impresso pela primeira vez em 1784 tornado amplamente conhecido após seu uso por Gauss em Os termos real e imaginário foram empregados pela primeira vez por René Descartes em 167. A expressão número complexo foi introduzida por Carl Friedrich Gauss em 182. O primeiro a formular a representação gráfica foi um agrimensor norueguês chamado de Caspar Wessel ( ) o qual representa o número complexo a + bi pelo vetor do plano com origem O ( a origem dos eixos coordenados) e com extremos no ponto P de coordenadas (a,b), ou seja, da mesma forma como é feita nos dias atuais. Finalmente a formalização dos números complexos como pares ordenados de números reais seria desenvolvida em 18 por Wilian Rowan Hamilton ( ) e em 1847 por Agustín Cauchy ( ). Com tudo temos assim o que hoje conhecemos como números complexos. Para auxiliar no ensino dos números complexos foi desenvolvido um software matemático chamado Cabri Géométre II, que permite mostrar aos alunos que os números complexos não foram inventados somente para resolver exercícios sobre números complexos..2 SOBRE O CABRI GÉOMÈTRE

13 1 O Cabri -Géomètre II é um software com o qual podem ser abordadas atividades de geometria, de trigonometria e inclusive números complexos. Esse programa possui excelentes propriedades que o tornam um forte aliado ao professor de ensino fundamental e médio. Entre as principais características destacam se: Permite construir figuras geométricas e deformá-las mantendo suas propriedades. Permite criar novas funções (macro construções) e adicioná-las na barra menu. Excelente interface. Fácil de manusear. Além da construção de pontos, retas, triângulos, polígonos e círculos, possibilitam também a construção de cônicas; Utiliza coordenadas cartesianas e polares, para atividades em Geometria Analítica; Permite a criação de macros para construções que se repetem com freqüência; Diferencia os objetos criados, através de atributos de cores e estilos de linha; Permite explorar transformações de simetria, translação e rotação. Ilustra as características dinâmicas das figuras por meio de animações..2.1 CONHECENDO O CABRI GÉOMÈTRE II O Cabri - Géomètre funciona como uma folha grande de caderno de desenho, na qual podemos desenhar os objetos geométricos e interagir com as figuras. O programa abre em uma tela onde, no topo estão apresentados, o menu e a barra de ferramentas, onde estão os botões que são chamados de caixas de ferramentas. Quando clicamos com o botão esquerdo do mouse e mantemos o botão pressionado aparecem as caixas com as ferramentas que ficam ocultas, para selecionar basta ir com o ponteiro e clicar na opção desejada. Vejamos alguns exemplos de botões disponíveis no software: 1) Ponteiro: A janela 01, contém opção ponteiro que pode assumir as seguintes formas de acordo com as tarefas a serem desenvolvidas, observe a figura 1: Ponteiro: Para selecionar as opções. Lápis: Quando o ponteiro é movido para a tela, serve pra desenhar.

14 14 Mão apontando: Quando aparece mensagens do tipo por esse ponto, nesta reta, etc. Mão cumprimentando: Quando pressionado o mouse, a mão apontando se transforma em mão cumprimentando, serve para mover. Uma lupa: Quando tiver mais de um objeto a marca da mão apontando transforma-se numa lupa com a mensagem Qual objeto? Giro: Gira um objeto ao redor de um ponto selecionado ou de seu centro geométrico. Semelhança: Amplia ou reduz um objeto tendo como referência um ponto ou seu centro geométrico. Giro e Semelhança: Gira e simultaneamente, cria um objeto semelhante ao selecionado. Fig. 1 Ponteiro 2) Ponto: Na janela 02 tem-se as seguintes opções, conforme a figura 2: Ponto: Cria um ponto em um espaço livre, em um objeto ou em uma intersecção. Ponto sobre Objeto: Cria um ponto sobre um objeto. Ponto de Intersecção: Cria um ponto na intersecção de dois objetos. Fig. 2 - Ponto ) Retas: Na janela 0 são apresentadas as seguintes opções, veja figura : Reta: Constrói a reta que passa por dois pontos ou a reta por um ponto com uma direção dada. Segmento: Constrói um segmento de reta através das suas extremidades. Semi-reta: Constrói uma semi-reta, definida por um ponto e uma direção.

15 15 Vetor: Constrói um vetor com módulo e direção definida por dois pontos extremos. Triângulo: Constrói um triângulo, definido por três pontos (vértices). Polígono: Constrói um polígono de n lados. (O último ponto deve coincidir com o ponto inicial). Polígono regular: Constrói um polígono regular de até 0 lados. Deve-se indicar o centro, um vértice e um ponto que fixe o número de vértices. (O polígono será convexo se o desenvolvimento for feito no sentido horário) Fig. Reta 4) Curva: Na janela 04 são apresentadas as seguintes opções, veja figura 4. Circunferência: Constrói uma circunferência definida por um ponto (centro) e o raio. Arco: Constrói um arco, definido por um ponto inicial, um ponto que determina a curvatura e um ponto final. Cônica: Constrói uma cônica (elipse, parábola e hipérbole) definida por cinco pontos. Fig. 4 Curva 5) Construir: Na janela 05 são apresentadas as seguintes opções, como na figura 5. Reta perpendicular: Por um ponto, constrói a reta perpendicular a uma reta, semi-reta, segmento, vetor, eixo ou lado de um polígono.

16 16 Reta paralela: Por um ponto, constrói a reta paralela a uma reta, semi-reta, segmento, vetor, eixo ou lado de um polígono. Ponto médio: Constrói o ponto médio de um segmento, do lado de um polígono ou entre dois pontos. Mediatriz: Constrói a perpendicular pelo ponto médio de um segmento, do lado de um polígono ou entre dois pontos. Bissetriz: Constrói a bissetriz de um ângulo definido por três pontos. Soma de vetores: Constrói a soma de dois vetores a partir de um ponto definido como origem do vetor resultante. Compasso: Constrói uma circunferência a partir de seu centro (ponto), com raio definido pelo comprimento de um segmento ou pela distância entre dois pontos. Transferência de medidas: Copia um comprimento, indicado por um número, em uma semi-reta, eixo, vetor ou circunferência (neste último caso, deve-se selecionar uma circunferência e um ponto sobre ela). Lugar geométrico: Constrói automaticamente o lugar geométrico descrito pelo movimento de um objeto ao longo de uma trajetória. Redefinir objeto: Redefine as características de dependência de um objeto definido previamente. Fig. 5 Construir 6)Transformar: Na janela 06 são apresentadas as seguintes opções, veja a figura 6. Simetria axial: Constrói a imagem simétrica de um objeto em relação a uma reta, semireta, segmento, eixo ou lado de um polígono. Simetria central: Constrói a imagem de um objeto através de uma rotação de 180 graus em torno de um ponto.

17 17 Translação: Constrói a imagem de um objeto transladada por um dado vetor. Rotação: Constrói a imagem girada ao redor de um ponto por um dado ângulo. Homotetia: Constrói a imagem dilatada de um objeto desde um ponto por um fator especificado. Inversão: Constrói um ponto inverso, definido por um ponto e uma circunferência. Fig.6 Transformar 7) Macro: Na janela 07 são apresentadas as seguintes opções, conforme figura 7. Objetos iniciais: Especifica o objeto que define o objeto final. Objetos finais: Especifica o objeto final resultante da definição do objeto inicial. Definir macro: Abre a caixa de diálogo para nomear e salvar um macro construção. Fig. 7- Macro 8) Propriedades: Na janela 08 são apresentadas as seguintes opções, observe a figura 8. Colinear: Verifica se três pontos pertencem ou não a uma reta. Paralelo: Verifica se duas retas, semi-retas, segmentos, vetores ou lados de um polígono são paralelos ou não. Perpendicular: Verifica se duas retas, semi-retas, segmentos, vetores ou lados de um polígono são perpendiculares ou não.

18 18 Eqüidistantes: Verifica se um ponto é eqüidistante de outros dois ou não. Pertencente: Verifica se um ponto está sobre um objeto. Fig. 8 Propriedades 9) Medir: Na janela 09 são apresentadas as seguintes opções, veja a figura 9. Distância e comprimento: Mostra a distância, comprimento, perímetro, comprimento da circunferência ou de um arco de um objeto correspondente. Área: Mede a área de polígonos, círculos e elipses. Inclinação: Mede a inclinação de uma reta, semi-reta, segmento ou vetor. Ângulo: Mede um ângulo definido por três pontos, sendo o segundo ponto o seu vértice. Equação e coordenadas: Gera as coordenadas de um ponto ou a equação de uma reta, circunferência ou cônica. Calculadora: Gera o resultado de uma expressão matemática; pode conter valores numéricos e/ou medidas. Planilha: Cria uma tabela para valores numéricos, medidas, cálculos, ou coordenadas de um ponto. Fig. 9 Medir 10) Exibir: Na janela 10 são apresentadas as seguintes opções, veja a figura 10. Rótulo: Anexa um rótulo criado pelo usuário a um ponto, reta ou circunferência. Comentários: Coloca um comentário em uma posição selecionada no desenho.

19 19 Edição numérica: Cria e edita valores numéricos; o valor, precisão, unidades e cor podem ser modificados. Marca de ângulo: Coloca uma marca em um ângulo definido por três pontos; o segundo ponto é o vértice. Fixo/ livre: Fixa a localização de um ponto. Libera um ponto fixo. Rasto On/ Off: Desenha a trajetória de um objeto à medida que ele se move. Comuta entre ativado e desativado. Animação: Automaticamente translada, gira ou amplia um objeto selecionado na direção especificada, puxando a mola de animação na direção oposta. Múltipla animação: Anima múltiplos objetos ao longo de múltiplas trajetórias; pressione Return/Enter para iniciar. Fig.10-Exibir 11) Desenhar: Na janela 11 são apresentadas as seguintes opções, observe a figura 11: Esconder/ Mostrar: Esconde objetos da tela de desenho. Mostra objetos escondidos. Cor: Muda a cor de um objeto. Preencher: Preenche o interior de uma tabela, de um campo de textos, polígono ou circunferência com uma cor escolhida. Espessura: Muda a espessura da linha de um objeto. Pontilhado: Muda o padrão da linha de um objeto. Modificar aparência: Muda a aparência de um objeto a partir da paleta de atributos. Mostrar eixos: Mostra os eixos do plano cartesiano. Novos eixos: Cria um sistema de eixos definido por três pontos; o primeiro ponto determina a origem, o segundo o eixo x, e o terceiro o eixo y. Definir grade: Coloca uma grade em um sistema de coordenadas selecionado.

20 20 Fig.11 - Desenhar Essas são as principais ferramentas que podemos usar no software Cabri- Géomètré, destacamos também alguns comandos mais utilizados como: Apagando tudo: Menu editar, escolha a opção selecionar tudo, ficará tudo piscando, em seguida aperte a tecla delete. Apagando apenas uma figura: Clique no botão ponteiro, leve o cursor à figura que deseja apagar, aparecerá uma mensagem especificando a figura; clique; a figura ficará piscando aperte a tecla delete. Perímetro: (triângulo, polígono, etc): Colocar o cursor na figura até aparecer a mensagem perímetro da figura e clique. Área: Pressione o botão medir e escolha a opção área, vá à figura que deseja medir a área até aparecer à mensagem especificando a figura e clique. Movendo objetos (ponto, reta, semi-retas, etc): Pressione o botão ponteiro leve o cursor ao objeto até aparecer à mensagem especificando este objeto, o ponteiro fica na forma de uma mão apontando; clique e o ponteiro fica uma mão cumprimentando, com o mouse pressionado mova o objeto. Usando a calculadora: Pressione o botão medir e escolha a opção calculadora; aparecerá uma calculadora no inferior da tela, vá com o ponteiro ao número até aparecer escrito este número e clique; depois clique na função calculadora, na outra medida e no sinal de igual.. NÚMEROS COMPLEXOS E O CABRI- GÉOMÈTRE II Antes de enunciarmos atividades apresentamos a definição de números complexos e sua representação geométrica. Definição: Os números complexos constituem um conjunto C, em que todo número complexo pode ser escrito de forma única bi a +, onde a e b são reais ( a é

21 21 chamado parte real e b é chamado parte imaginária do complexo), escreve-se de forma abreviada Re( a + bi) = a e Im( a + bi) = b, onde i = 1. Os números complexos foram construídos de tal modo que sejam válidas as mesmas propriedades válidas para os números reais. Representação de um número complexo: Fixado um sistema de coordenadas no plano o números complexo z = a + bi, é representado pelo ponto P(a, b). O ponto P é chamado de Imagem do complexo z. Como a correspondência entre os complexos e suas imagens é um-a-um, freqüentemente identificaremos os complexos e suas imagens escrevendo ( a, b) = a + bi. A representação geométrica dos números complexos mediante os pontos do plano foi decisiva para que os números complexos fossem aceitos como números. A representação desses números era clara para autores como, Cotes, De Moivre, Euler e Vandermonte, todos esses autores tentaram resolver a n equação x 1 = 0 pensando em suas soluções como vértices de um polígono regular de n lados, porém essa idéia ainda era incompleta, pois nenhum desse autores achou a representação geométrica para as operações com complexos. Casper Wessel em ( ), um agrimensor norueguês, foi o primeiro a formular uma tal representação. Uma tentativa foi publicada em 1799 nas memórias da Real academia da Dinamarca, onde ali escreveu: Vamos designar por + 1 a unidade retilínea positiva, por + e outra perpendicular a primeira, com a mesma origem; então o ângulo de direção de +1 será 0, o de 1 será 180, o de e será 90 e o de e será 90 ou o 270. Entretanto em 1806, Jean- Robert Argand ( ), bibliotecário suíço, autodidata publica um livro intitulado Essai sur la manièri de representer lês quantités imagináires dans lês constructions gèométriques. Nesse livro ele observava que se multiplicássemos +1 por i obteremos i se voltássemos a multiplicar o resultado por i teríamos -1. Então ele representava i como uma rotação de 90 em sentido anti- horário. Mas quem verdadeiramente tornou a interpretação geométrica amplamente aceita foi Carl Friederich Gauss ( ), plano no qual é até hoje representado os números complexos esse plano é chamado de plano de Argand- Gauss. Levamos em conta que os números complexos são dados da forma z = a + bi, 2 em que i é unidade imaginária i = 1 podendo ser representado como um vetor no

22 22 plano cartesiano em que a parte real a é representada no eixo das abscissas Ox e a parte imaginária bi é representada no eixo das ordenadas Oy. Apresentamos algumas atividades com o software Cabri Géomètre II, para representação e a interpretação geométrica dos números complexos de suas operações...1 REPRESENTAÇÃO DE UM NÚMERO COMPLEXO Atividade 1: Represente no plano de Gauss o número complexo z = a + bi. O número real a é denominado parte real de z (Re(Z)) e o número real b é denominada parte imaginária de z (Im(Z)). 1º passo: Mostre os eixos (janela 11) e rotule a origem como O. Na janela 10 escolha a opção comentário, edite no eixo das ordenadas a palavra Im(z), faça o mesmo no eixo das abscissas editando a palavra Re(z). Temos assim representados os eixos, real e imaginário, sendo que agora o plano cartesiano representa o plano de Gauss. 2º passo: Clique na janela e selecione a opção vetor. Após ter selecionado a opção vetor clique sobre O e em um ponto qualquer do plano, temos assim um vetor, rotule ele como z = a + bi. º passo: Clique na janela e escolha a opção reta. Construa uma reta paralela ao eixo das ordenadas passando pela extremidade do vetor, em seguida construa uma reta paralela o eixo das abscissas passando pela extremidade do vetor. 4º passo: Clique novamente sobre a janela e escolha a opção segmento, construa um segmento com extremidade na intersecção da reta com o vetor. Repita a operação com as duas retas. 5º passo: Clique na janela 11 e escolha a opção esconder/mostrar, e clique sobre as retas construídas. Em seguida obtenha as projeções da extremidade do vetor sobre os eixos Re(z) e Im(z). Após construa os vetores sobre as projeções e denomine Oa sobre o eixo Re(z) e Ob sobre o eixo Im(z). 6º passo: Na janela 11 escolha a opção pontilhado, em seguida clique sobre os segmentos construídos no passo 4. 7º passo: Calcule as coordenadas dos vetores, usando a opção equações e coordenadas na janela 9.

23 2 Fig. 12 Representação de um número complexo Exemplo 1: Represente no plano de Gauss o número complexo z = 1+ 2i, veja figura 1º) Construa o plano de Gauss conforme descrito no passo 1. 2º) Clique sobre a janela e escolha a opção reta. Construa uma reta paralela ao eixo das ordenadas passando pela abscissa de valor 1, em seguida construa uma reta paralela ao eixo das abscissas passando pela ordenada de valor 2. º) Clique sobre a janela 2 e escolha a opção ponto de intersecção e marque o ponto de intersecção das duas retas, temos assim o ponto P de coordenadas (1,2). 4º) Clique na janela e escolha a opção segmento, trace os segmentos do ponto P a sua respectiva abscissa e ordenada. 5º) Clique na janela 11 e escolha a opção esconder/mostrar, e clique sobre as retas construídas. 6º) Na janela 11 escolha a opção pontilhado, em seguida clique sobre os segmentos construídos no passo 4. 7º) E por fim escolha a opção vetor na janela, construa um vetor com origem em O e extremidade no ponto P. Temos assim a representação geométrica do número complexo z = 1+ 2i.

5o Encontro da RPM 3 a 4 de junho de 2011 Salvador - BA Minicurso. Computador na sala de aula: atividades com Geometria Dinâmica

5o Encontro da RPM 3 a 4 de junho de 2011 Salvador - BA Minicurso. Computador na sala de aula: atividades com Geometria Dinâmica 1 5o Encontro da RPM 3 a 4 de junho de 2011 Salvador - BA Minicurso Computador na sala de aula: atividades com Geometria Dinâmica Cristina Cerri IME USP Cada vez mais estamos incorporando o computador

Leia mais

NUMEROS COMPLEXOS NA FORMA TRIGONOMÉTRICA

NUMEROS COMPLEXOS NA FORMA TRIGONOMÉTRICA NUMEROS COMPLEXOS NA FORMA TRIGONOMÉTRICA Na representação trigonométrica, um número complexo z = a + bi é determinado pelo módulo do vetor que o representa e pelo ângulo que faz com o semi-eixo positivo

Leia mais

Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior

Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior http://www.unifal-mg.edu.br/matematica/?q=disc jc Aula 05 - Desvendando o GeoGebra PARTE 04 - COMO APAGAR OBJETOS. Ao iniciar o GeoGebra,

Leia mais

Introdução ao GeoGebra

Introdução ao GeoGebra Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Introdução ao GeoGebra Prof. Dr. José Carlos de Souza Junior AGOSTO 2010 Sumário 1 Primeiros Passos com o GeoGebra 4 1.1 Conhecendo o Programa............................

Leia mais

PROJETO SALA DE AULA

PROJETO SALA DE AULA PROJETO SALA DE AULA 1. Identificação: Título: APRENDENDO FUNÇÕES BRINCANDO Série: 1º série do Ensino Fundamental Softwares Necessários: Cabri-Géomètre, Jogos de Funções e Graphmatica Tempo previsto: Seis

Leia mais

UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO

UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO UMA NOVA PROPOSTA PARA GEOMETRIA ANALÍTICA NO ENSINO MÉDIO DANIELLA ASSEMANY DA GUIA CAp- UFRJ danyprof@bol.com.br 1.1. RESUMO Esta comunicação científica tem como objetivo tratar e apresentar a Geometria

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB I Semana de Educação Matemática: Discutindo o trabalho docente aliado às novas tendências educacionais 25 a 29 de maio de 2009 Minicurso: GEOGEBRA UM FORTE

Leia mais

GUSTAVO HENRIQUE NOGUEIRA REZENDE PAIVA. Manual de atividades no Geogebra para a Educação Básica.

GUSTAVO HENRIQUE NOGUEIRA REZENDE PAIVA. Manual de atividades no Geogebra para a Educação Básica. GUSTAVO HENRIQUE NOGUEIRA REZENDE PAIVA Manual de atividades no Geogebra para a Educação Básica. Taguatinga, DF 2012 Novas tecnologias estão chegando às salas de aula e levando a muitas mudanças na relação

Leia mais

Informática Educativa no Ensino da Matemática Estudo de Geometria com o Software GeoGebra.

Informática Educativa no Ensino da Matemática Estudo de Geometria com o Software GeoGebra. Informática Educativa no Ensino da Matemática Estudo de Geometria com o Software GeoGebra. Orientador: Sérgio Antônio Wielewski Autora: Veridiana Cristina Soares de Melo e-mail: veridianacsm@gmail.com

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS. Curso de Matemática

CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS. Curso de Matemática Introdução ao GeoGebra software livre 0 CENTRO UNIVERSITÁRIO DA SERRA DOS ÓRGÃOS Curso de Matemática Primeiros Passos Com o Software Livre GeoGebra Março de 2010 Prof. Ilydio Pereira de Sá Introdução ao

Leia mais

Fundamentos da Matemática Fernando Torres. Números Complexos. Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508

Fundamentos da Matemática Fernando Torres. Números Complexos. Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508 Fundamentos da Matemática Fernando Torres Números Complexos Gabriel Tebaldi Santos RA: 160508 Sumário 1. História...3 2.Introdução...4 3. A origem de i ao quadrado igual a -1...7 4. Adição, subtração,

Leia mais

Software Régua e Compasso

Software Régua e Compasso 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CPPG TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 1ª Parte - Consulta Rápida Software Régua e Compasso A primeira

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE MATEMÁTICA, ESTATÍSTICA E COMPUTAÇÃO CIENTÍFICA Matemática Licenciatura. (Números Complexos)

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE MATEMÁTICA, ESTATÍSTICA E COMPUTAÇÃO CIENTÍFICA Matemática Licenciatura. (Números Complexos) UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE MATEMÁTICA, ESTATÍSTICA E COMPUTAÇÃO CIENTÍFICA Matemática Licenciatura (Números Complexos) Jéssica Roldão de Oliveira Assis RA 160332 Campinas 2014 1 HISTÓRIA

Leia mais

MINICURSO: CONSTRUÇÕES GEOMÉTRICAS INTERATIVAS COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA

MINICURSO: CONSTRUÇÕES GEOMÉTRICAS INTERATIVAS COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA ISSN 2177-9139 MINICURSO: CONSTRUÇÕES GEOMÉTRICAS INTERATIVAS COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA Vanessa Etcheverria Cassuriaga vanessa19921000@hotmail.com Fundação Universidade Federal do Pampa, Campus

Leia mais

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo Capítulo 1 Números Complexos 11 Unidade Imaginária O fato da equação x 2 + 1 = 0 (11) não ser satisfeita por nenhum número real levou à denição dos números complexos Para solucionar (11) denimos a unidade

Leia mais

Applets no Geogebra. Acesse os endereços dados a seguir e conheça exemplos de Applets. http://206.110.20.132/~dhabecker/geogebrahtml/index.

Applets no Geogebra. Acesse os endereços dados a seguir e conheça exemplos de Applets. http://206.110.20.132/~dhabecker/geogebrahtml/index. Applets no Geogebra Sonia Regina Soares Ferreira UFBA Applet é um software aplicativo que é executado no contexto de outro programa. Os applets geralmente tem algum tipo de interface de usuário, ou fazem

Leia mais

Atividade 01 Ponto, reta e segmento 01

Atividade 01 Ponto, reta e segmento 01 Atividade 01 Ponto, reta e segmento 01 1. Crie dois pontos livres. Movimente-os. 2. Construa uma reta passando por estes dois pontos. 3. Construa mais dois pontos livres em qualquer lugar da tela, e o

Leia mais

MATERIAIS DE APOIO ÀS SESSÕES PRÁTICAS

MATERIAIS DE APOIO ÀS SESSÕES PRÁTICAS MATERIAIS DE APOIO ÀS SESSÕES PRÁTICAS I. Simplesmente Funções Considera: a função f, de domínio IR \ 4, definida por 2 f x ; 4 x a função g, de domínio IR, definida por 1 3 3 2 g x x x 4x 5 6 2 1. Determina

Leia mais

Manual Tabulæ Colaborativo

Manual Tabulæ Colaborativo Manual Tabulæ Colaborativo Estabelecendo Sessões Colaborativas em Rede Thiago Maciel de Oliveira Ulisses Dias Versão 1.0 Página 2 Manual do Tabulæ Colaborativo Sumário Uma visão geral... 5 Capítulo 1 Instalando

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA E DO AMBIENTE COMPUTACIONAL EXCEL NA EXPLORAÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS.

A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA E DO AMBIENTE COMPUTACIONAL EXCEL NA EXPLORAÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS. 56 A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA E DO AMBIENTE COMPUTACIONAL EXCEL NA EXPLORAÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS. Antônio Carlos Marangoni 2 (Unifran) Antônio César Geron 2 (Unifran) Lucinda M. de F. Rodrigues

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA 5 0 Encontro da RPM TRANSFORMAÇÕES NO PLANO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA 5 0 Encontro da RPM TRANSFORMAÇÕES NO PLANO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA 5 0 Encontro da RPM TRANSFORMAÇÕES NO PLANO Jorge Costa do Nascimento Introdução Na produção desse texto utilizamos como fonte de pesquisa material

Leia mais

1 Módulo ou norma de um vetor

1 Módulo ou norma de um vetor Álgebra Linear I - Aula 3-2005.2 Roteiro 1 Módulo ou norma de um vetor A norma ou módulo do vetor ū = (u 1, u 2, u 3 ) de R 3 é ū = u 2 1 + u2 2 + u2 3. Geometricamente a fórmula significa que o módulo

Leia mais

APÊNDICES ATIVIDADES OBJETOS DE APRENDIZAGEM

APÊNDICES ATIVIDADES OBJETOS DE APRENDIZAGEM APÊNDICES ATIVIDADES OBJETOS DE APRENDIZAGEM APÊNDICE A - Análise dos softwares GeoGebra e Winplot I Objetivo: Identificar o software que será utilizado para desenvolver as atividades. II Metodologia:

Leia mais

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES COM RÉGUA E COMPASSO ELETRÔNICO COM CABRI GÉOMÈTRE II 1

RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES COM RÉGUA E COMPASSO ELETRÔNICO COM CABRI GÉOMÈTRE II 1 RESOLUÇÃO DE EQUAÇÕES COM RÉGUA E COMPASSO ELETRÔNICO COM CABRI GÉOMÈTRE II 1 Santos Richard Wieller Sanguino Bejarano RESUMO Motivado pelas construções dos macros operações onde todas as operações elementares

Leia mais

utilizando o software geogebra no ensino de certos conteúdos matemáticos

utilizando o software geogebra no ensino de certos conteúdos matemáticos V Bienal da SBM Sociedade Brasileira de Matemática UFPB - Universidade Federal da Paraíba 18 a 22 de outubro de 2010 utilizando o software geogebra no ensino de certos conteúdos matemáticos ermínia de

Leia mais

Oficina Ensinando Geometria com Auxílio do Software GEOGEBRA. Professor Responsável: Ivan José Coser Tutora: Rafaela Seabra Cardoso Leal

Oficina Ensinando Geometria com Auxílio do Software GEOGEBRA. Professor Responsável: Ivan José Coser Tutora: Rafaela Seabra Cardoso Leal Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Apucarana Projeto Novos Talentos Edital CAPES 55/12 Oficina Ensinando Geometria com Auxílio do Software GEOGEBRA Professor Responsável: Ivan José Coser

Leia mais

Resumo. Maria Bernadete Barison apresenta aulas práticas sobre RETAS em Desenho Geométrico. Geométrica vol.1 n.1d. 2006 RETAS CAD

Resumo. Maria Bernadete Barison apresenta aulas práticas sobre RETAS em Desenho Geométrico. Geométrica vol.1 n.1d. 2006 RETAS CAD 1 1. INTRODUÇÃO. RETAS CAD Iniciaremos o estudo das retas construindo no CAD alguns exercícios já construídos na aula teórica utilizando a régua e o compasso. Entretanto, o nosso compasso aqui será o comando

Leia mais

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários:

A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1 1.1 Função Real de Variável Real A noção de função é imprescindível no decorrer do estudo de Cálculo e para se estabelecer essa noção tornam-se necessários: 1. Um conjunto não vazio para ser o domínio;

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AUTOCAD

INTRODUÇÃO AO AUTOCAD INTRODUÇÃO AO AUTOCAD O AUTOCAD é um software que se desenvolveu ao longo dos últimos 30 anos. No início o programa rodava no sistema D.O.S., o que dificultava um pouco seu uso. Com o surgimento do sistema

Leia mais

A EXPRESSÃO GRÁFICA NA EXPLORAÇÃO DE PROPRIEDADES GEOMÉTRICAS ATRAVÉS DE SOFTWARE DE GEOMETRIA DINÂMICA

A EXPRESSÃO GRÁFICA NA EXPLORAÇÃO DE PROPRIEDADES GEOMÉTRICAS ATRAVÉS DE SOFTWARE DE GEOMETRIA DINÂMICA A EXPRESSÃO GRÁFICA NA EXPLORAÇÃO DE PROPRIEDADES GEOMÉTRICAS ATRAVÉS DE SOFTWARE DE GEOMETRIA DINÂMICA Anderson Roges Teixeira Góes Universidade Federal do Paraná Departamento de Expressão Gráfica Secretaria

Leia mais

NO ESTUDO DE FUNÇÕES

NO ESTUDO DE FUNÇÕES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA SEMANA DA MATEMÁTICA 2014 UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES GRÁFICOS NO ESTUDO DE FUNÇÕES PIBID MATEMÁTICA 2009 CURITIBA

Leia mais

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é:

2) Se z = (2 + i).(1 + i).i, então a) 3 i b) 1 3i c) 3 i d) 3 + i e) 3 + i. ,será dado por: quando x = i é: Aluno(a) Nº. Ano: º do Ensino Médio Exercícios para a Recuperação de MATEMÁTICA - Professores: Escossi e Luciano NÚMEROS COMPLEXOS 1) Calculando-se corretamente as raízes da função f(x) = x + 4x + 5, encontram-se

Leia mais

Vestibular 2ª Fase Resolução das Questões Discursivas

Vestibular 2ª Fase Resolução das Questões Discursivas COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CONCURSO VESTIBULAR 010 Prova de Matemática Vestibular ª Fase Resolução das Questões Discursivas São apresentadas abaixo possíveis

Leia mais

NAPNE / RENAPI. Google SketchUp 8

NAPNE / RENAPI. Google SketchUp 8 NAPNE / RENAPI Google SketchUp 8 Agosto de 2011 Sumário 1 Introdução... 4 2 Requisitos básicos... 4 3 Itens... 4 3.1 Assista os tutoriais em vídeo... 5 3.2 Leia dicas e truques... 6 3.3 Visite a Central

Leia mais

5910179 Biofísica I Turma de Biologia FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque Segunda lista de exercícios

5910179 Biofísica I Turma de Biologia FFCLRP USP Prof. Antônio C. Roque Segunda lista de exercícios Lista sobre funções no Excel A ideia desta lista surgiu em sala de aula, para ajudar os alunos a conhecer de modo prático as principais funções matemáticas que aparecem em biologia. Inicialmente, para

Leia mais

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e

Objetivos. Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas e MÓDULO 2 - AULA 13 Aula 13 Superfícies regradas e de revolução Objetivos Apresentar as superfícies regradas e superfícies de revolução. Analisar as propriedades que caracterizam as superfícies regradas

Leia mais

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA

Geometria Analítica. Katia Frensel - Jorge Delgado. NEAD - Núcleo de Educação a Distância. Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Geometria Analítica NEAD - Núcleo de Educação a Distância Curso de Licenciatura em Matemática UFMA Katia Frensel - Jorge Delgado Março, 011 ii Geometria Analítica Conteúdo Prefácio ix 1 Coordenadas na

Leia mais

O USO DO SOFTWARE EM SALA DE AULA

O USO DO SOFTWARE EM SALA DE AULA 1 O USO DO SOFTWARE EM SALA DE AULA Flavio Lemos da Silva. flavio_lemos18@hotmail.com Daniella Nunes Santos danii.nunes14@hotmail.com Luan Alves Ferreira luan.aragominas@gmail.com Camila Luciana Bonfim

Leia mais

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA

CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA CONTEÚDOS DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA 6ºANO CONTEÚDOS-1º TRIMESTRE Números naturais; Diferença entre número e algarismos; Posição relativa do algarismo dentro do número; Leitura do número; Sucessor e antecessor;

Leia mais

GAAL - 2013/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar

GAAL - 2013/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar GAAL - 201/1 - Simulado - 1 Vetores e Produto Escalar SOLUÇÕES Exercício 1: Determinar os três vértices de um triângulo sabendo que os pontos médios de seus lados são M = (5, 0, 2), N = (, 1, ) e P = (4,

Leia mais

Utilização de Softwares Gráficos no Estudo de Funções

Utilização de Softwares Gráficos no Estudo de Funções Universidade Federal do Paraná UFPR Utilização de Softwares Gráficos no Estudo de Funções Amanda Carvalho de Oliveira Juliana Rodrigues de Araújo Marcelo José Cardozo Caldeira Mayara Poyer da Silva Verediana

Leia mais

O SOFTWARE GEOGEBRA E A CONSTRUÇÃO DO CICLO TRIGONOMÉTRICO: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O ENSINO DE TRIGONOMETRIA

O SOFTWARE GEOGEBRA E A CONSTRUÇÃO DO CICLO TRIGONOMÉTRICO: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O ENSINO DE TRIGONOMETRIA ISSN 2316-7785 O SOFTWARE GEOGEBRA E A CONSTRUÇÃO DO CICLO TRIGONOMÉTRICO: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O ENSINO DE TRIGONOMETRIA Charles Bruno da Silva Melo Centro Universitário Franciscano xarlesdemelo@yahoo.com.br

Leia mais

Planilha (2ª parte) Capítulo 15

Planilha (2ª parte) Capítulo 15 Capítulo 15 Planilha (2ª parte) 15.1 Cortando Copiando e Colando Dados Você pode copiar informações de uma célula para a outra de várias maneiras. Selecione a célula que contém a informação que deseja

Leia mais

Uruaçu - 2009. Professoras Formadoras do NTE Uruaçu

Uruaçu - 2009. Professoras Formadoras do NTE Uruaçu Professoras Formadoras do NTE Uruaçu Uruaçu - 2009 Núcleo de Tecnologia Educacional de Uruaçu Rua Maranhão Quadra 02 Lote 01 Bairro JK Uruaçu Goiás Telefone: (62)3357-4237 - Fax : 3357-4217 E-mail nteuruacu@hotmail.com

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática CADERNO DE ATIVIDADES DESENVOLVIMENTO DE UMA SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM

Leia mais

ATIVIDADES USANDO O SOFTWARE GEOGEBRA

ATIVIDADES USANDO O SOFTWARE GEOGEBRA ATIVIDADES USANDO O SOFTWARE GEOGEBRA Alesson Silva de Lima- UFRN -silva.alesson@gmail.com Danillo Alves da Silva-UFRN-danilloalves2@yahoo.com.br Ronaldo César Duarte- UFRN -ronaldocesar@rocketmail.com

Leia mais

Exercícios de Números Complexos com Gabarito

Exercícios de Números Complexos com Gabarito Exercícios de Números Complexos com Gabarito ) (UNIFESP-007) Quatro números complexos representam, no plano complexo, vértices de um paralelogramo. Três dos números são z = i, z = e z = + ( 5 )i. O quarto

Leia mais

1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1.

1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1. 1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1. Partes da tela do Excel... Barra de fórmulas... Barra de status...

Leia mais

Movimentos Periódicos: representação vetorial

Movimentos Periódicos: representação vetorial Aula 5 00 Movimentos Periódicos: representação vetorial A experiência mostra que uma das maneiras mais úteis de descrever o movimento harmônico simples é representando-o como uma projeção perpendicular

Leia mais

MÓDULO 1 - Abrindo o Winplot e construindo gráficos

MÓDULO 1 - Abrindo o Winplot e construindo gráficos 1 MÓDULO 1 - Abrindo o Winplot e construindo gráficos 1 - Abrindo o Winplot Para abrir o Winplot.exe clique duas vezes no ícone. Abrirá a caixa: Clique (uma vez) no botão. Surgirá uma coluna: Clique no

Leia mais

CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA. Departamento de Análise - IME UERJ

CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA. Departamento de Análise - IME UERJ CÁLCULO: VOLUME III MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA Departamento de Análise - IME UERJ 2 Copyright by Mauricio A. Vilches Todos os direitos reservados Proibida a reprodução parcial ou total 3

Leia mais

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul

Resolução da Prova da Escola Naval 2009. Matemática Prova Azul Resolução da Prova da Escola Naval 29. Matemática Prova Azul GABARITO D A 2 E 2 E B C 4 D 4 C 5 D 5 A 6 E 6 C 7 B 7 B 8 D 8 E 9 A 9 A C 2 B. Os 6 melhores alunos do Colégio Naval submeteram-se a uma prova

Leia mais

ENSINANDO MATEMÁTICA COM O GEOGEBRA

ENSINANDO MATEMÁTICA COM O GEOGEBRA ENSINANDO MATEMÁTICA COM O GEOGEBRA Roberto Claudino Ferreira Professor Especialista da Disciplina de Computação da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia / Campus de Itapetinga. Roberto.fisica@bol.com.br

Leia mais

CABRI GEOMETRY II Plus

CABRI GEOMETRY II Plus CABRI GEOMETRY II Plus Manual do Usuário BOAS-VINDAS! Bem-vindo ao mundo dinâmico de Cabri Geometry! A primeira versão de Cabri Geometry foi desenvolvida nos laboratórios de pesquisas do CNRS (Centro Nacional

Leia mais

Escola Secundária de Lousada. Matemática do 8º ano FT nº15 Data: / / 2013 Assunto: Preparação para o 1º teste de avaliação Lição nº e

Escola Secundária de Lousada. Matemática do 8º ano FT nº15 Data: / / 2013 Assunto: Preparação para o 1º teste de avaliação Lição nº e Escola Secundária de Lousada Matemática do 8º ano FT nº15 Data: / / 013 Assunto: Preparação para o 1º teste de avaliação Lição nº e Apresentação dos Conteúdos e Objetivos para o 3º Teste de Avaliação de

Leia mais

TABELA DE FERRAMENTAS GEOGEBRA 4

TABELA DE FERRAMENTAS GEOGEBRA 4 TABELA DE FERRAMENTAS GEOGEBRA 4 JANELA 1 JANELA 2 JANELA 3 JANELA 4 JANELA 5 JANELA 6 JANELA 7 JANELA 8 JANELA 9 JANELA 10 JANELA 11 JANELA 12 Mover Novo Ponto Reta definida Reta Polígono Círculo Elipse

Leia mais

Guia do Professor: Ampliando as noções trigonométricas. Introdução

Guia do Professor: Ampliando as noções trigonométricas. Introdução Guia do Professor: Ampliando as noções trigonométricas Introdução Caro professor, O mundo está em constante mudança, dado o grande e rápido desenvolvimento da tecnologia. Máquinas de calcular, computadores,

Leia mais

Basicão de Estatística no EXCEL

Basicão de Estatística no EXCEL Basicão de Estatística no EXCEL Bertolo, Luiz A. Agosto 2008 2 I. Introdução II. Ferramentas III. Planilha de dados 3.1 Introdução 3.2 Formatação de células 3.3 Inserir ou excluir linhas e colunas 3.4

Leia mais

Introdução Microsoft PowerPoint 2013 apresentações Office PowerPoint 2013 Microsoft PowerPoint 2013 textos planilhas Excel Word

Introdução Microsoft PowerPoint 2013 apresentações Office PowerPoint 2013 Microsoft PowerPoint 2013 textos planilhas Excel Word PowerPoint 2013 Sumário Introdução... 1 Iniciando o PowerPoint 2013... 2 Criando Nova Apresentação... 10 Inserindo Novo Slide... 13 Formatando Slides... 15 Inserindo Imagem e Clip-art... 16 Inserindo Formas...

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Barra de Títulos. Barra de Menu. Barra de Ferramentas. Barra de Formatação. Painel de Tarefas. Seleção de Modo. Área de Trabalho.

Barra de Títulos. Barra de Menu. Barra de Ferramentas. Barra de Formatação. Painel de Tarefas. Seleção de Modo. Área de Trabalho. Conceitos básicos e modos de utilização das ferramentas, aplicativos e procedimentos do Sistema Operacional Windows XP; Classificação de softwares; Principais operações no Windows Explorer: criação e organização

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA - SC. MICROSOFT OFFICE - EXCEL 2007 Pág.: 1

TRIBUNAL DE JUSTIÇA - SC. MICROSOFT OFFICE - EXCEL 2007 Pág.: 1 EXCEL 2007 O Excel 2007 faz parte do pacote de produtividade Microsoft Office System de 2007, que sucede ao Office 2003. Relativamente à versão anterior (Excel 2003), o novo programa introduz inúmeras

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC/SP MITCHELL CHRISTOPHER SOMBRA EVANGELISTA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC/SP MITCHELL CHRISTOPHER SOMBRA EVANGELISTA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC/SP MITCHELL CHRISTOPHER SOMBRA EVANGELISTA AS TRANFORMAÇÕES ISOMÉTRICAS NO GEOGEBRA COM A MOTIVAÇÃO ETNOMATEMÁTICA Trabalho Final apresentado à Banca Examinadora

Leia mais

Lista 1. Sistema cartesiano ortogonal. 1. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E

Lista 1. Sistema cartesiano ortogonal. 1. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E Sistema cartesiano ortogonal Lista. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E. Marque num sistema de coordenadas cartesianas ortogonais os pontos: a)

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

O TEOREMA DE PITÁGORAS UMA EXPERIENCIA UTILIZANDO O SOFTWARE GEOGEBRA COM ALUNOS DO PROGRAMA VIVA ESCOLA

O TEOREMA DE PITÁGORAS UMA EXPERIENCIA UTILIZANDO O SOFTWARE GEOGEBRA COM ALUNOS DO PROGRAMA VIVA ESCOLA O TEOREMA DE PITÁGORAS UMA EXPERIENCIA UTILIZANDO O SOFTWARE GEOGEBRA COM ALUNOS DO PROGRAMA VIVA ESCOLA Loreni Aparecida Ferreira Baldini 1 Colégio Est. Pe. José de Anchieta - loreni@ibest.com.br RESUMO

Leia mais

Noções de Informática

Noções de Informática Noções de Informática 2º Caderno Conteúdo Microsoft Excel 2010 - estrutura básica das planilhas; manipulação de células, linhas e colunas; elaboração de tabelas e gráficos; inserção de objetos; campos

Leia mais

Experimento. Guia do professor. Qual é o cone com maior volume? Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia

Experimento. Guia do professor. Qual é o cone com maior volume? Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia geometria e medidas Guia do professor Experimento Qual é o cone com maior volume? Objetivos da unidade 1. Dado um círculo de cartolina, investigar qual seria o cone com maior volume que se poderia montar;

Leia mais

Matemática 2. 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um. 02. Abaixo temos uma ilustração da Victoria Falls Bridge.

Matemática 2. 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um. 02. Abaixo temos uma ilustração da Victoria Falls Bridge. Matemática 2 01. A estrutura abaixo é de uma casa de brinquedo e consiste de um paralelepípedo retângulo acoplado a um prisma triangular. 1,6m 1m 1,4m Calcule o volume da estrutura, em dm 3, e indique

Leia mais

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números complexos : conjunto dos números racionais : conjunto dos números reais : conjunto dos números inteiros = {0,,, 3,...} * = {,, 3,...} Ø: conjunto vazio A\B =

Leia mais

Vetores. Definição geométrica de vetores

Vetores. Definição geométrica de vetores Vetores Várias grandezas físicas, tais como por exemplo comprimento, área, olume, tempo, massa e temperatura são completamente descritas uma ez que a magnitude (intensidade) é dada. Tais grandezas são

Leia mais

Atividades com o GeoGebra: possibilidades para o ensino e aprendizagem da Geometria no Fundamental

Atividades com o GeoGebra: possibilidades para o ensino e aprendizagem da Geometria no Fundamental Atividades com o GeoGebra: possibilidades para o ensino e aprendizagem da Geometria no Maria da Conceição Alves Bezerra Universidade Federal da Paraíba Brasil mcabst@hotmail.com Cibelle Castro de Assis

Leia mais

O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS

O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS O SOFTWARE EUCLIDEAN REALITY AUXILIANDO NA CONSTRUÇÃO DO TEOREMA DE PITÁGORAS Vânia de Moura Barbosa Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco vanibosa@terra.com.br Introdução Um dos primeiros questionamentos

Leia mais

Microsoft Office Excel

Microsoft Office Excel 1 Microsoft Office Excel Introdução ao Excel Um dos programas mais úteis em um escritório é, sem dúvida, o Microsoft Excel. Ele é uma planilha eletrônica que permite tabelar dados, organizar formulários,

Leia mais

Microsoft Excel 2003

Microsoft Excel 2003 Associação Educacional Dom Bosco Faculdades de Engenharia de Resende Microsoft Excel 2003 Professores: Eduardo Arbex Mônica Mara Tathiana da Silva Resende 2010 INICIANDO O EXCEL Para abrir o programa Excel,

Leia mais

DEVELOPMENT APPLETS IN SOFTWARE GEOGEBRA

DEVELOPMENT APPLETS IN SOFTWARE GEOGEBRA GERANDO APPLETS NO SOFTWARE GEOGEBRA Larissa de S. Moreira 1, Gilmara T. Barcelos 2, Silvia C. F. Batista 2 1 Professora do C. E. Cel João Batista de Paula Barroso 2 Doutoranda em Informática na Educação

Leia mais

EXCEL 2003. Excel 2003 SUMÁRIO

EXCEL 2003. Excel 2003 SUMÁRIO EXCEL 2003 SUMÁRIO INICIANDO O EXCEL... 2 CONHECENDO AS BARRAS DO EXCEL... 4 OS COMPONETES DO EXCEL 2003... 7 ENTENDENDO FUNÇÕES... 8 BOLETIM ESCOLAR... 16 QUADRO DE RENDIMENTO DO ALUNO... 17 CHAMADA ESCOLAR...

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Microsoft Windows XP William S. Rodrigues APRESENTAÇÃO WINDOWS XP PROFISSIONAL O Windows XP, desenvolvido pela Microsoft, é o Sistema Operacional mais conhecido e utilizado

Leia mais

Guia de utilização para Windows

Guia de utilização para Windows C A B R I GEOMETRYë II Guia de utilização para Windows C A B R I GEOMETRYë II Guia de utilização para Windowsë Mergulhe na Geometria Importante A Texas Instruments não garante expressa ou implicitamente,

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

O ENSINO DA FUNÇÃO AFIM COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE GEOGEBRA

O ENSINO DA FUNÇÃO AFIM COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE GEOGEBRA O ENSINO DA FUNÇÃO AFIM COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE GEOGEBRA Conceição BRANDÃO de Lourdes Farias FACIG clfb_05@hotmail.com Evanilson LANDIM Alves UFPE evanilson.landim@ufpe.br RESUMO O uso das tecnologias

Leia mais

ELIPSES INSCRITAS NUM TRIÂNGULO

ELIPSES INSCRITAS NUM TRIÂNGULO ELIPSES INSCRITAS NUM TRIÂNGULO SERGIO ALVES IME-USP Freqüentemente apresentada como um exemplo notável de sistema dedutivo, a Geometria tem, em geral, seus aspectos indutivos relegados a um segundo plano.

Leia mais

Planilha Eletrônica Excel

Planilha Eletrônica Excel COLÉGIO LA SALLE CANOAS Técnico em Informática Planilha Eletrônica Excel Excel Prof. Valter N. Silva Colégio La Salle Canoas Página 2 1. NOÇÕES BÁSICAS O Microsoft Excel 7.0 é um programa de planilha eletrônica,

Leia mais

FUVEST 2008 2 a Fase Matemática RESOLUÇÃO: Professora Maria Antônia Gouveia.

FUVEST 2008 2 a Fase Matemática RESOLUÇÃO: Professora Maria Antônia Gouveia. FUVEST 008 a Fase Matemática Professora Maria Antônia Gouveia Q0 João entrou na lanchonete BOG e pediu hambúrgueres, suco de laranja e cocadas, gastando R$,0 Na mesa ao lado, algumas pessoas pediram 8

Leia mais

Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi. Parte 1 Versão 0.9. [Folha 1] Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense

Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi. Parte 1 Versão 0.9. [Folha 1] Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense [Folha 1] Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Parte 1 Versão 0.9 Parte 1 Cálculo I -A- 1 Conteúdo do curso [Folha 2] Apresentação

Leia mais

Exercícios de Matemática Geometria Analítica - Circunferência

Exercícios de Matemática Geometria Analítica - Circunferência Exercícios de Matemática Geometria Analítica - Circunferência ) (Unicamp-000) Sejam A e B os pontos de intersecção da parábola y = x com a circunferência de centro na origem e raio. a) Quais as coordenadas

Leia mais

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r

4.2 Produto Vetorial. Orientação sobre uma reta r 94 4. Produto Vetorial Dados dois vetores u e v no espaço, vamos definir um novo vetor, ortogonal a u e v, denotado por u v (ou u v, em outros textos) e denominado produto vetorial de u e v. Mas antes,

Leia mais

Vetores no R 2 : = OP e escreve-se: v = (x, y), identificando-se as coordenadas de P com as componentes de v.

Vetores no R 2 : = OP e escreve-se: v = (x, y), identificando-se as coordenadas de P com as componentes de v. Vetores no R 2 : O conjunto R 2 = R x R = {(x, y) / x, y Є R} é interpretado geometricamente como sendo o plano cartesiano xoy. Qualquer vetor AB considerado neste plano tem sempre um representante OP

Leia mais

Teste Intermédio Matemática. 9.º Ano de Escolaridade. Versão 1. Duração do Teste: 30 min (Caderno 1) + 60 min (Caderno 2) 21.03.

Teste Intermédio Matemática. 9.º Ano de Escolaridade. Versão 1. Duração do Teste: 30 min (Caderno 1) + 60 min (Caderno 2) 21.03. Teste Intermédio Matemática Versão 1 Duração do Teste: 30 min (Caderno 1) + 60 min (Caderno 2) 21.03.2014 9.º Ano de Escolaridade Indica de forma legível a versão do teste. O teste é constituído por dois

Leia mais

Planificação de Matemática -6ºAno

Planificação de Matemática -6ºAno DGEstE - Direção-Geral de Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Alentejo Agrupamento de Escolas de Moura código n.º 135471 Escola Básica nº 1 de Moura (EB23) código n.º 342294 Planificação

Leia mais

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007

MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I Manual Prático Microsoft Excel 2007 MÓDULO - I APRESENTAÇÃO... 1 AMBIENTE DE TRABALHO... 2 A folha de cálculo... 2 O ambiente de trabalho do Excel... 3 Faixas de Opções do Excel... 4 - Guia

Leia mais

Geometria Dinâmica com o Cinderella. - Em que um dos lados meça 4 unidades e os ângulos adjacentes 30 e 70.

Geometria Dinâmica com o Cinderella. - Em que um dos lados meça 4 unidades e os ângulos adjacentes 30 e 70. Actividade 1 Polígonos Construa um triângulo 1 : - definido por três pontos; - isósceles, não equilátero; - rectângulo; - Em que um dos lados meça 4 unidades e os ângulos adjacentes 30 e 70. Construa um

Leia mais

SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO

SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO Respostas breves: 1.1) 9,063 N 1.2) norte, pois é positiva. 1.3) São José (Costa Rica). 2) Não, porque Santa Maria não está localizada sobre ou entre os dois

Leia mais

a = 6 m + = a + 6 3 3a + m = 18 3 a m 3a 2m = 0 = 2 3 = 18 a = 6 m = 36 3a 2m = 0 a = 24 m = 36

a = 6 m + = a + 6 3 3a + m = 18 3 a m 3a 2m = 0 = 2 3 = 18 a = 6 m = 36 3a 2m = 0 a = 24 m = 36 MATEMÁTICA Se Amélia der R$ 3,00 a Lúcia, então ambas ficarão com a mesma quantia. Se Maria der um terço do que tem a Lúcia, então esta ficará com R$ 6,00 a mais do que Amélia. Se Amélia perder a metade

Leia mais

UMC Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples projeto Projeto.

UMC Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples projeto Projeto. UMC - Tecnologia de Automação Industrial Desenho 3 Prof.: Jorge Luis Bazan. Modulo 2 Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples a) Defina um novo projeto para conter

Leia mais

Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos.

Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos. Fórmulas e Funções Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos. Operadores matemáticos O Excel usa algumas convenções

Leia mais

MATERIAIS CONCRETOS E SOFTWARE MATEMÁTICO: UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA PARA O ENSINO DE GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL II

MATERIAIS CONCRETOS E SOFTWARE MATEMÁTICO: UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA PARA O ENSINO DE GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL II 1 MATERIAIS CONCRETOS E SOFTWARE MATEMÁTICO: UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA PARA O ENSINO DE GEOMETRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL II Joseleide dos Santos Sardinha - UEFS (leidejoissi@hotmail.com ) Alex Almeida

Leia mais

NÚMEROS COMPLEXOS (TUTORIAL: BÁSICO 01)

NÚMEROS COMPLEXOS (TUTORIAL: BÁSICO 01) MATEMÁTICA: Números Complexos - C; - Maior dos conjuntos - engloba todos os outros e acrescenta recursos especiais como raiz quadrada de número negativo; - Para darmos interpretação às raízes quadradas

Leia mais

Guia do Usuário ader OEC Tr Conta 18 de Junho de 2008

Guia do Usuário ader OEC Tr Conta 18 de Junho de 2008 Guia do Usuário OEC Trader Conta 18 de Junho de 2008 Página 2 18 de Junho de 2008 Tabela de Conteúdos POSIÇÕES MÉDIAS... 4 Exibir e reorganizar colunas... 6 Definições de Posições de cabeçalho na janela...

Leia mais