AEPTBG11-18 PROPOSTA DE SOLUÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AEPTBG11-18 PROPOSTA DE SOLUÇÕES"

Transcrição

1 AEPTBG11-18 PROPOSTA DE SOLUÇÕES

2 PREPARAR OS TESTES BIOLOGIA E GEOLOGIA 11 UNIDADE 5 EXERCÍCIOS PROPOSTOS PÁGS A F; B V; C - F; D F; E F; G F; G F; H V 2. 1 B; 2 C; 3 B; 4 A; 5 A; 6 D; 7 A; 8 A; 9 B; 10 D A molécula é o DNA. É constituída por duas cadeias de polinucleótidos, que formam uma hélice dupla, e possui na sua constituição nucleótidos com a base azotada timina G, T, T, G, A, G, C, A, T (da esquerda para a direita) Nas linhas de cor azul encontram-se representados a desoxirribose (pentose) e o grupo fosfato para a extremidade livre do lado esquerdo e 3 para a extremidade livre do lado direito, uma vez que as cadeias são antiparalelas C. 4. A F; B V; C F; D F; E V; F F A Os ácidos nucleicos são polímeros de nucleótidos; C Na molécula de DNA, a base complementar da adenina é a timina; D No DNA, as bases azotadas das duas cadeias ligam-se através de pontes de hidrogénio; F As moléculas de RNA localizam -se, principalmente, no citoplasma das células %, o que corresponde a 100 ( ) %, o que corresponde a Essa característica é a complementaridade das bases azotadas. Na molécula de DNA, a adenina é complementar da timina e a citosina é complementar da guanina %, uma vez que no RNA é o uracilo, e não a timina, que estabelece complementaridade com a adenina C B Representam as bases azotadas Adenina, Citosina, Guanina e Timina, que fazem parte dos nucleótidos do DNA A V; B F; C F; D V; E V; F V As bactérias da geração G 0 sintetizaram nucleótidos a partir da única fonte de azoto existente no meio, que era azoto pesado. Assim, as moléculas de DNA são pesadas porque são constituídas por nucleótidos contendo o isótopo pesado do azoto Na geração G 1, a totalidade do DNA tem peso intermédio, uma vez que as moléculas possuem uma cadeia polinucleotídica com nucleótidos contendo o isótopo pesado do azoto e outra cadeia polinucleotídica com nucleótidos contendo o isótopo leve. De acordo com o modelo da replicação semiconservativa, as moléculas de DNA da geração G 0, contendo azoto pesado, abriram e cada uma delas serviu de molde a uma nova cadeia, contendo azoto leve, que era aquele que se encontrava presente no meio. As moléculas de DNA da geração G 1, contendo uma cadeia pesada e uma cadeia leve, por sua vez, abrem e servem de molde a duas novas cadeias leves. Assim, na geração G 2 metade das moléculas de DNA são leves e metade tem peso intermédio C A 3 ; B AATGCGTTTGAC A designação semiconservativa deve-se ao facto de em cada uma das moléculas de DNA formadas por replicação ser conservada uma cadeia polinucleotídica da molécula inicial, enquanto que a outra cadeia polinucleotídica é formada de novo. Durante o processo, a molécula de DNA inicial abre e cada cadeia polinucleotídica serve de molde para a formação de uma nova cadeia. Assim, em cada uma das duas moléculas de DNA formadas, uma cadeia é nova e outra já estava presente na molécula original D Ribonucleótidos livres; 2 mrna; 3 DNA A dupla hélice de DNA abre num determinado local, onde a RNA polimerase reconhece uma sequência específica, o promotor. Uma das cadeias polinucleotídicas do DNA serve de molde à formação de uma cadeia complementar a partir de ribonucleótidos livres (a base azotada complementar da adenina não é a timina, mas o uracilo). À medida que os nucleótidos vão emparelhando, vão sendo adicionados à molécula de mrna em crescimento. Quando a RNA polimerase encontra uma 274

3 PROPOSTA DE SOLUÇÕES PREPARAR OS TESTES sequência de finalização, solta-se, assim como a molécula de mrna formada, e a dupla hélice do DNA reconstitui-se GAUGUCGGA DNA; 2 RNA pré -mensageiro; 3 Exão; 4 Intrão; 5 mrna maturado ou funcional; 6 Invólucro nuclear; 7 Ribossoma; 8 trna; 9 Polipéptido A Transcrição; B Tradução C Replicação A molécula 2 foi transcrita, directamente, a partir do DNA e possui sequências que não codificam, os intrões, alternadas com sequências codificantes, os exões. Nesta molécula, a informação que vai originar uma proteína não se encontra, ainda, reunida de forma coerente e linear. A molécula 5 é uma molécula de mrna funcional, à qual já foram retirados os intrões, e que, por isso, possui alinhada a informação que vai ser traduzida na sequência de aminoácidos de uma proteína GAG GGT TAC GCT GAG GGU UAC GCU Codão C A B B C Tre-Ala-Gli-Cis B; 2 D; 3 C; 4 A; 5 E; 6 C; 7 E; 8 B Met-Lis-Fen-Gli-Tir Mutação génica Não tem nenhum efeito na proteína sintetizada A característica do código genético responsável por esse efeito é a redundância. Existe mais do que um codão para codificar um determinado aminoácido. Os codões AAG e AAA codificam ambos a lisina. Assim, uma mutação que substitui um destes codões pelo outro não tem efeito na proteína sintetizada C ACC A A F; B F; C V; D V; E F; F V Denomina-se polirribossoma Subunidade menor do ribossoma; 2 mrna; 3 Cadeia polipeptídica em crescimento; 4 Subunidades do ribossoma livres; 5 Proteína Nos polirribossomas, uma mesma 275 molécula de mrna é traduzida, simultaneamente, por vários ribossomas, permitindo obter uma grande quantidade de proteínas semelhantes num curto intervalo de tempo As proteínas sintetizadas no citoplasma da célula, ao nível dos polirribossomas, destinam-se a participar em processos da própria célula ou a integrar estruturas celulares e as proteínas sintetizadas ao nível do retículo endoplasmático rugoso destinam-se, principalmente, a ser exportadas da célula, através de vesículas que se fundem com a membrana citoplasmática D O cromossoma possui dois cromatídeos e está bastante condensado. Estas duas características apenas surgem em simultâneo na metafase Os dois cromatídeos do mesmo cromossoma são constituídos por uma molécula de DNA igual, possuindo, por isso, a mesma informação genética São verdadeiras as afirmações B, C, D, E D C; 2 B; 3 A; 4 A; 5 C; 6 D; 7 E; 8 D; 9 B; 10 A A 3; B 2; C 4; D a) A replicação do DNA. b) A formação de dois núcleos na telofase G As células podem entrar em fase G 0 no final da fase G A Durante a replicação do DNA, as duas cadeias polinucleotídicas da molécula separam-se e cada uma das cadeias expostas serve de molde para a formação de uma nova cadeia complementar a partir de nucleótidos livres na célula. Como na experiência foi fornecida timina radioactiva às células, esta foi utilizada na síntese de nucleótidos livres que foram incorporados na molécula de DNA durante a replicação. Durante a transcrição de DNA para mrna, não houve incorporação de timina radioactiva porque a molécula de RNA não tem timina, mas sim uracilo e durante a tradução também não houve

4 PREPARAR OS TESTES BIOLOGIA E GEOLOGIA 11 incorporação de timina radioactiva porque não ocorre a síntese de ácidos nucleicos a partir de nucleótidos livres, mas a síntese de proteínas a partir de aminoácidos As células em mitose não incorporaram timina radioactiva porque, nessa fase do ciclo celular, os cromossomas estão condensados e não se verifica a replicação do DNA A interfase inclui as fases G 1, S e G 2, mas é apenas na fase S que ocorre a replicação do DNA. Como as células foram expostas à timina radioactiva durante alguns minutos, apenas as células que se encontravam em fase S, ou entraram em fase S durante esse período de tempo, incorporaram a timina radioactiva. As que se encontravam em fase G 1 ou G 2 não o fizeram Anafase A V; B V; C F; D V; E F; F V; G F; H F A; 2 B; 3 D; 4 C A As células 3 têm, temporariamente, o dobro do número de cromossomas das células 2. B As células 2 têm cromossomas com 2 cromatídeos e as células 3 têm cromossomas com 1 cromatídeo. C O estado de condensação dos cromossomas é maior nas células 3 do que nas células 2. D A quantidade de DNA presente no núcleo é igual nas células 2 e nas células C B Em células vegetais, a citocinese ocorre pela deposição de material de parede, a placa celular, entre os dois núcleos formados na telofase. As células animais sofrem uma constrição ao nível da membrana citoplasmática, que progride e acaba por separar as duas células. 22. A F; B F; C F; D F; E F; F V; G F; H V A planta B é um clone da planta A, uma vez que foi obtida a partir de uma célula somática da planta A e é geneticamente semelhante a esta As células da raiz da cenoura reverteram o seu estado de diferenciação, passando a multiplicar-se activamente e a exprimir a totalidade da sua informação genética, dando origem a todos os tipos celulares do organismo adulto Um verdadeiro embrião resulta do desenvolvimento do zigoto, o qual se forma pela união dos gâmetas. Um embrião somático, ou embrióide, não é um verdadeiro embrião, na medida em que não se forma por fecundação, mas resulta da reversão do estado de diferenciação de uma célula somática. No entanto, a designação embrião somático justifica-se na medida em que é uma estrutura capaz de se desenvolver num organismo completo A totipotência é a capacidade de uma célula originar, por divisões sucessivas, todos os tipos celulares do organismo adulto e, por conseguinte, ter a potencialidade de dar origem a um organismo completo A totipotência das células vegetais está na base das técnicas de multiplicação vegetativa de plantas. Pequenas porções de caule ou raiz de plantas com interesse agrícola podem ser utilizadas como estacas, permitindo obter várias plantas completas geneticamente semelhantes à planta que forneceu a estaca. Algumas espécies de plantas podem ser obtidas e cultivadas em laboratório por técnicas de micropropagação vegetal, as quais se baseiam na reversão da diferenciação celular de pequenas porções de plantas seleccionadas, de modo a obter uma grande quantidade de clones B Os raios X são radiações de elevada energia que podem causar alterações ao nível da molécula de DNA provocando mutações. Nos primeiros três meses de gravidez, os fenómenos de multiplicação e diferenciação celular que dão origem aos diferentes tecidos e órgãos do organismo são muito intensos. A exposição aos raios X pode induzir a ocorrência de erros de replicação ou afectar os mecanismos de diferenciação causando malformações no embrião ou feto Certas drogas e medicamentos, como a talidomida; outros tipos de radiações e agentes biológicos, como os microrganismos causadores da rubéola ou da toxoplasmose. 276

5 PROPOSTA DE SOLUÇÕES PREPARAR OS TESTES UNIDADE 6 EXERCÍCIOS PROPOSTOS PÁGS São processos de reprodução assexuada. A descendência tem origem num único progenitor B No processo A, forma-se à superfície do organismo progenitor uma expansão de menor tamanho, chamada gomo ou gema, que se destaca e depois cresce atingindo as dimensões do organismo progenitor e, no processo B, o organismo progenitor divide-se a meio, originando dois descendentes de igual tamanho B. 2. A V; B V; C F; D F; E V; F V; G F; H F Denomina-se bipartição ou fissão binária É um processo de reprodução assexuada, uma vez que um único progenitor divide-se a meio e origina descendência que é geneticamente igual entre si e igual ao progenitor A e C A troca de material genético entre bactérias permite aumentar a variabilidade genética da população, pela mistura do genoma de dois indivíduos diferentes. O aumento da variabilidade tem como consequência o aparecimento de novas características que podem ser favoráveis aos organismos que as apresentam, possibilitando-lhes uma maior capacidade de sobrevivência e de reprodução Um organismo hermafrodita possui, simultaneamente, os sistemas reprodutores masculino e feminino e, como tal, produz os dois tipos de gâmetas A fecundação cruzada permite aumentar a variabilidade genética da descendência, uma vez que mistura os genomas dos dois progenitores, o que não acontece com a autofecundação. O aumento da variabilidade faz aumentar as probabilidades de adaptação e de sobrevivência dos organismos em diferentes condições A autofecundação é vantajosa em organismos hermafroditas que tem dificuldade em encontrar parceiro, e que, assim, conseguem produzir descendência sozinhos. Os organismos imóveis ou que vivem isolados são exemplos de indivíduos que têm dificuldades em encontrar parceiro. 5. A Reprodução sexuada. Dá origem a uma descendência com variabilidade genética. Entre a diversidade de descendentes, encontrar-se-ão indivíduos com características aptas à sobrevivência em diferentes condições ambientais e capazes de assegurar a manutenção da população, apesar das alterações do ambiente. B Reprodução assexuada. Permite a produção de descendência a partir de um único indivíduo, o que é vantajoso em indivíduos solitários que têm dificuldade em encontrar um parceiro do sexo oposto. C Reprodução assexuada. Permite obter uma descendência numerosa e bem adaptada às características do meio, o que é importante para uma população pioneira. A descendência é geneticamente semelhante, mas como o ambiente é favorável e estável a existência de variabilidade genética não assume uma importância tão grande para a sobrevivência dos indivíduos da população como num ambiente em mudança B; 2 C; 3 A; 4 A; 5 D; 6 A; 7 A; 8 C; 9 D; 10 B Profase da divisão reducional (meiose I) Designa-se fuso acromático O fuso acromático permite o movimento dos cromossomas, pelo alongamento ou encurtamento dos microtúbulos que o constituem. Os cromossomas ligam-se aos microtúbulos do fuso acromático através de uma estrutura localizada na região do centrómero, o cinetócoro, o que faz com que o alongamento ou encurtamento dos microtúbulos arraste consigo os cromossomas A letra B representa o crossing -over, que consiste no cruzamento de cromatídeos de cromossomas homólogos e na troca de segmentos equivalentes O crossing-over aumenta a variabilidade genética da descendência, uma vez que mistura, no mesmo cromossoma, informação genética dos dois progenitores B; 2 C; 3 B; 4 A; 5 B; 6 A; 7 B; 8 C A divisão é equacional porque em cada

6 PREPARAR OS TESTES BIOLOGIA E GEOLOGIA 11 célula o número de cromossomas é mantido, embora a quantidade de DNA seja reduzida para metade, pela separação dos dois cromatídeos de cada cromossoma A Profase II; B Metafase II; C Anafase II; D Telofase II As células A e D apresentam o mesmo número de cromossomas, mas a quantidade de DNA das células A é o dobro da quantidade de DNA das células D, uma vez que as primeiras têm cromossomas com dois cromatídeos e as segundas têm cromossomas com um único cromatídeo Os acontecimentos foram o crossing - -over e a segregação independente dos cromossomas homólogos. O crossing-over, pela troca de segmentos equivalentes entre cromatídeos de cromossomas homólogos, misturou no mesmo cromossoma informação genética dos dois progenitores. A segregação independente dos cromossomas homólogos distribuiu, de forma aleatória, o conjunto de cromossomas da célula inicial pelas duas células filhas. Assim, em A, as duas células representadas possuem um conjunto de cromossomas com informação genética diferente, que corresponde a metade da informação genética da célula inicial, mas misturada, de forma aleatória, pelos fenómenos descritos G; 2 B; 3 H; 4 A; 5 D; 6 C C Profase I; 2 Metafase I; 3 Anafase I; 4 Anafase I (final) a) Crossing-over; b) Segregação independente dos cromossomas homólogos a) A mitose é um processo de divisão celular que conduz à formação de duas células a partir de uma célula inicial e a meiose é um processo de divisão que conduz à formação de quatro células a partir de uma célula inicial. b) A mitose, ao manter o número de cromossomas e a informação genética das células, contribui para o crescimento e a reparação das estruturas do organismo. A meiose, ao conduzir à formação de células geneticamente diferentes e com metade do número de cromossomas de célula inicial, contribui para a reprodução sexuada, estando na origem da formação de gâmetas ou de esporos n = A Interfase (ocorre replicação do DNA); B Meiose I; C Meiose II C; 2 A; 3 B B A não-disjunção dos cromatídeos do mesmo cromossoma na meiose C As consequências da mutação seriam, muito provavelmente, a formação de um organismo portador de malformações e estéril. O organismo ficaria com um cromossoma a mais, em relação ao número normal, nas suas células. Esse cromossoma contém informação genética repetida, cuja transcrição e tradução daria origem a um excesso de determinadas proteínas, o que afectaria as características manifestadas pelo indivíduo. Por outro lado, esse cromossoma a mais iria criar dificuldades na formação dos bivalentes e na segregação os cromossomas homólogos durante a meiose, situação que poderia conduzir a dificuldades na formação dos gâmetas e, consequentemente, à esterilidade Fecundação; 2 Meiose A A V; B F; C V; D F; E V; F F Tubo de conjugação; 2 Gâmeta dador; 3 Gâmeta receptor; 4 Zigoto O zigoto Ciclo haplonte O organismo fragmenta-se e qualquer porção do corpo é capaz de regenerar as partes em falta e dar origem a um organismo completo A reprodução sexuada aumenta a variabilidade genética da descendência. Esta situação é vantajosa quando as condições do meio são desfavoráveis, uma vez que aumenta a probabilidade de, no seio da variabilidade existente, alguns organismos conseguirem sobreviver e reproduzir-se, garantindo a manutenção da população A Fecundação; B Meiose Esporófito; 2 Gametófito É um ciclo haplodiplonte. A meiose é pré-espórica e existe alternância de gerações, com formação de estruturas multicelulares independentes haplóides (gametófito) e diplóides (esporófito) C. 278

7 PROPOSTA DE SOLUÇÕES PREPARAR OS TESTES C; 2 A; 3 B No ciclo I, a meiose é pré -gamética e no ciclo II a meiose é pós-zigótica C. 17. A 4, 6, 10; B 5; C 1, 2, 8; D 3, 7, A 1; B 3; C A F; B V; C V; D F; E F; F V Ocorre na maioria dos fungos e em alguns protistas, como a alga espirogira A 4; B 3; C 1; D 2; E A mitose C C Ovócito (gâmeta feminino); 2 Espermatozóide (gâmeta masculino); 3 Zigoto; 4 Testículos (gónadas masculinas); 5 Ovários (gónadas femininas) n = 23; 2n = A Meiose; B Fecundação; C Mitose A meiose é pré-gamética A meiose (A) é o processo que leva à formação dos gâmetas, reduz para metade o número de cromossomas e introduz variabilidade genética nas células formadas. A fecundação (B) restabelece o número de cromossomas da espécie e introduz variabilidade genética pela união aleatória dos gâmetas O gâmeta masculino é pequeno e móvel, e é aquele que se desloca, em meio líquido, até ao gâmeta feminino, fecundando-o. O gâmeta feminino é imóvel e de grandes dimensões, uma vez que possui reservas de substâncias nutritivas que asseguram o início do desenvolvimento do embrião a partir do zigoto Ciclo diplonte. UNIDADE 7 EXERCÍCIOS PROPOSTOS PÁGS Nucleóide (DNA); 2 Membrana citoplasmática; 3 Parede celular; 4 Cápsula As células procarióticas, ao contrário das células eucarióticas, não possuem um verdadeiro núcleo, delimitado por invólucro nuclear, mas possuem o seu DNA numa região do citoplasma, o nucleóide. As células procarióticas não têm organelos membranares, como retículo endoplasmático, complexo de Golgi ou mitocôndrias As células procarióticas não conseguem realizar uma tão grande variedade de processos metabólicos como as células eucarióticas. O seu reduzido tamanho não permite a existência de uma grande quantidade de DNA nem da maquinaria molecular necessária à sua expressão e a inexistência de organelos membranares especializados em determinados processos metabólicos implica que estes não possam realizar-se ou se realizem com menor eficácia que nas células eucarióticas A F; B V; C F; D F; E V; F F; G F; H V As células procarióticas são de menores dimensões que as células eucarióticas e, ao contrário destas, não possuem um núcleo individualizado nem organelos citoplasmáticos delimitados por membranas Modelo autogénico As mitocôndrias formaram-se a partir de porções de DNA que abandonaram o núcleo e foram rodeadas por membranas, com origem em invaginações da membrana citoplasmática Os compartimentos intracelulares permitem às células a existência de regiões especializadas em determinadas funções (digestão intracelular, produção de energia, síntese de proteínas, etc.), que, assim, se realizam com maior eficácia e aumentam a superfície da célula onde existem membranas, nas quais se localizam complexos enzimáticos e sistemas de transporte com funções importantes D Segundo o modelo endossimbiótico, uma célula procariótica hospedeira de maiores dimensões captou, por endocitose, células procarióticas de menores dimensões, que acabaram por ficar a viver dentro da célula hospedeira, tendo evoluído e originado as mitocôndrias. Assim, de acordo com este modelo, a membrana interna das mitocôndrias teve origem na membrana citoplasmática dos ancestrais procarióticos que lhes deram origem e a membrana externa teve origem na membrana citoplasmática da célula hospedeira A membrana interna das mitocôndrias possui enzimas e sistemas de transporte semelhantes aos das células proca-

8 PREPARAR OS TESTES BIOLOGIA E GEOLOGIA 11 rióticas e a membrana externa apresenta semelhanças com a membrana citoplasmática das células eucarióticas D Esta situação explica-se pela transferência de parte do DNA do endossimbionte ancestral das mitocôndrias para o genoma da célula hospedeira Quando se verifica o aumento de tamanho de uma célula, o aumento da superfície não acompanha o aumento de volume, sendo menor do que este. O aumento de tamanho das células é acompanhado por um aumento de volume que permite a existência de uma maior quantidade de DNA e de uma maior complexidade metabólica, mas, a partir de um certo ponto, o aumento da superfície não é suficiente para garantir as trocas com o meio, de nutrientes, gases ou resíduos, capazes de assegurar essa complexidade metabólica C Coordenação os flagelos de cada uma das células da colónia batem em sincronia e especialização algumas células, que se desenvolvem no interior da colónia-mãe, são responsáveis pela reprodução e formação de novas colónias Existem, actualmente, dois tipos de organização colonial; um formado por organismos unicelulares semelhantes e que desempenham as mesmas funções e outro formado por organismos unicelulares especializados em determinadas funções, como a nutrição ou a reprodução. Este segundo tipo de organização implica um determinado grau de diferenciação entre os organismos que formam a colónia e que se traduz em vantagens para a colónia como um todo. Estas observações sugerem que tipos de organização colonial mais simples terão evoluído para tipos de organização colonial mais complexos e que o aumento da diferenciação celular e da especialização terá conduzido a uma interdependência entre as células, a qual se tornou permanente e deu origem aos organismos multicelulares D; 2 C; 3 A; 4 B; 5 A; 6 D; 7 B; 8 B Darwin baseou-se nas ideias de Malthus considerando que os organismos estabelecem entre si uma luta pela vida porque em cada geração o número de descendentes de uma população é maior do que aquele que os recursos disponíveis no meio ambiente conseguem suportar Darwin considerava que as variações úteis são aquelas que surgem espontaneamente em certos indivíduos de uma população e que os tornam mais aptos, conferindo -lhes algum tipo de vantagem no ambiente em que vivem. Assim, indivíduos com essas variações vivem mais tempo e deixam uma descendência mais numerosa O Neodarwinismo explica a ocorrência de variações úteis como resultado de mutações e de recombinação génica. A ocorrência de mutações introduz novas características no fundo genético da população e a recombinação génica, que resulta da reprodução sexuada, mistura as características existentes. Estes factores contribuem para aumentar a variabilidade da população e, no seio dessa variabilidade, surgem indivíduos com um conjunto de características que favorecem a sua adaptação ao meio e vão ser alvo da selecção natural, fazendo com que vivam mais tempo e deixem mais descendentes. 8. A F; B V; C V; D V; E F; F V Interpretava as espécies como tendo sido criadas por Deus, na sua forma perfeita e definitiva Interpretou a diversidade de espécies actuais como resultado da modificação de espécies ancestrais, que acumularam, gradualmente, modificações na sua descendência ao longo de grandes períodos de tempo. Em cada geração, os indivíduos de uma população que apresentam características favoráveis no meio em que vivem, sobrevivem mais tempo e deixam mais descendentes, o que conduz à modificação da população ao longo do tempo C. 280

9 PROPOSTA DE SOLUÇÕES PREPARAR OS TESTES O peso das chitas diminuiu a) De tanto correrem no encalço das suas presas, as chitas gastaram as suas reservas de gordura e diminuíram de peso. Essa característica foi transmitida à descendência e os descendentes das chitas passaram a nascer com menos gordura e menos peso. b) Numa população de chitas nem todas tinham o mesmo peso, havia indivíduos mais leves e indivíduos mais pesados. As chitas mais leves tinham mais facilidade na corrida e conseguiam alcançar com maior sucesso as suas presas, pelo que se alimentavam melhor, viviam mais tempo e deixavam mais descendentes. Assim, a selecção natural favoreceu as chitas menos pesadas e, em cada geração, o número de indivíduos com menor peso ia aumentando o que levou à diminuição gradual do peso das chitas, ao longo do tempo, em sucessivas gerações A sobrevivência destes gatos em ambiente selvagem é reduzida. As progenitoras não ouvem miar as suas crias, pelo que não conseguem cuidar delas e socorrê-las devidamente e indivíduos adultos não são capazes de evitar perigos que se anunciem pelo ruído É uma variedade de gato obtida por selecção artificial. Os criadores escolhem os progenitores e promovem o seu cruzamento de modo a obter descendentes com as características desejadas As características destes gatos resultam de mutações espontâneas, que ocorrem com uma determinada frequência Em anos de clima seco, o bico dos tentilhões apresenta maior altura do que em anos de clima húmido Em anos de clima seco, em que as sementes são escassas, os tentilhões da população que possuem o bico mais alto conseguem alimentar-se das sementes maiores, pelo que têm maior facilidade em obter alimento do que os tentilhões com menor altura do bico. Assim, os tentilhões com bico mais baixo morrem por falta de alimento e os tentilhões com bico mais alto são favorecidos pela selecção natural, vivendo mais tempo e deixando mais descendentes, o que faz aumentar a frequência de indivíduos com bico alto Para partir as sementes maiores, em anos de clima seco em que as sementes são escassas, os tentilhões usam mais o bico, o que conduz ao aumento da sua altura. Esta característica, adquirida pelo uso, é transmitida à descendência, e, na geração seguinte, os tentilhões já nascem com o bico mais alto. Em anos húmidos, os tentilhões usam menos o bico para partir as sementes e a sua altura diminui. 13. A F; B V; C F; D F; E F; F V O esquema A. Um mesmo ancestral comum esteve na origem de grupos de organismos com características diferentes, por evolução divergente, que resultou da actuação da selecção natural em ambientes diferentes A A altura das plantas diminui com o aumento da altitude O vento Em altitudes elevadas, nas quais o vento sopra com mais intensidade, as plantas altas são mais facilmente partidas ou arrancadas, ao contrário das plantas mais baixas, que são as menos danificadas por acção do vento. Por esta razão, a altitudes elevadas, a selecção natural favorece as plantas mais baixas, as quais sobrevivem e se reproduzem mais, tornando-se predominantes. A baixa altitude, onde a acção do vento é menos intensa, a selecção natural favorece as plantas mais altas, que conseguem receber mais luz e, assim, sobrevivem e reproduzem-se mais. 16. A F; B V; C F; D V; E V; F F; G V. 17. No genoma do vírus HIV, a ocorrência de mutações é muito frequente, devido, por um lado, à própria taxa de mutação que é elevada e, por outro lado, ao tempo de geração que é curto, aumentando ainda mais a probabilidade de ocorrerem mutações. Com uma taxa de mutação elevada, surgem na população, frequentemente, vírus resistentes a uma determinada droga que sobrevivem aos seus efeitos e se multiplicam rapidamente, fazendo a

10 PREPARAR OS TESTES BIOLOGIA E GEOLOGIA 11 droga perder eficácia. Quando o tratamento é efectuado com um cocktail de drogas, se surgir uma mutação que confira resistência a uma dessas drogas tal não conduz à sobrevivência do vírus, uma vez que este é susceptível ao efeito de outras drogas do cocktail. Nesta situação, apenas a ocorrência de um conjunto de mutações que confira resistência a todas as drogas do cocktail permite a sobrevivência e reprodução dos vírus, e isso acontece com uma baixa probabilidade. 18. Não é a lei da herança das características adquiridas que explica esta situação, mas sim o Neodarwinismo. A lei proposta por Lamarck defende a transmissão à descendência das características adquiridas ao longo da vida do indivíduo e que afectam as células somáticas, o que não foi o caso dos descendentes das vítimas de Hiroshima. A radioactividade libertada pela bomba atómica teve efeitos nas células somáticas, mas também provocou mutações nas células germinativas, que dão origem aos gâmetas e foram as mutações presentes nos gâmetas que se revelaram nos indivíduos das gerações seguintes. 19. A Neste caso, a tecnologia desenvolvida pelo ser humano permite manter na população indivíduos que, de outro modo, acabariam por ser eliminados pela selecção natural. Assim, os indivíduos hemofílicos tem a possibilidade de sobreviver e transmitir a sua informação genética à geração seguinte, fazendo aumentar a frequência da doença na população. B Neste caso, a tecnologia permite, em certa medida, antecipar a actuação da selecção natural, ao evitar o nascimento de indivíduos com características menos aptas e que seriam, pelo menos em parte, eliminados. No entanto, certas malformações são compatíveis com a vida (trissomia 21, por exemplo) e poderiam ser transmitidas à geração seguinte, pelo que, neste caso, a tecnologia está a contribuir para diminuir a frequência destes indivíduos na população. UNIDADE 8 EXERCÍCIOS PROPOSTOS PÁGS A F; B F; C V; D V; E F; F V O sistema de classificação A, uma vez que agrupa os seres vivos de acordo com as semelhanças das suas características A F; B V; C V; D V; E V; F F C A Classificação filogenética; B Classificação prática; C Classificação racional natural Classificação prática, classificação racional e classificação filogenética, da mais antiga para a mais recente As primeiras classificações reflectiam a utilidade dos seres vivos para o Homem e a relação que este estabelecia com as diferentes espécies, eram, por isso, classificações práticas. Mais tarde, começaram a basear-se nas características dos seres vivos, aparecendo as classificações racionais. Já no século XX, uma concepção evolucionista da vida e dados provenientes de várias áreas, como a paleontologia, a citologia e a biologia molecular, que revelaram a existência de relações de genealogia entre grupos de seres vivos, fizeram surgir as classificações filogenéticas A Lineu; B Canis; C familiaris; D Latim As classificações filogenéticas agrupam os seres vivos tendo em conta a história evolutiva dos diferentes grupos, a existência de ancestrais comuns e as relações de parentesco. As classificações racionais agrupam os seres vivos de acordo com as características que apresentam, sem ter em conta a história evolutiva e as relações de genealogia entre eles Representam a divergência a partir de um ancestral comum Trata-se de uma classificação racional artificial, porque se baseia numa única característica Um dos grupos inclui as aves e os mamíferos (animais que têm capacidade de regular a temperatura corporal) e o outro grupo inclui os restantes: sapos e salamandras, tartarugas, lagartos e cobras e crocodilos. 282

11 PROPOSTA DE SOLUÇÕES PREPARAR OS TESTES A característica regulação da temperatura corporal leva à inclusão das aves e mamíferos no mesmo grupo; no entanto, a árvore filogenética mostra que as aves partilham um ancestral comum mais recente com os répteis do que com os mamíferos As classificações filogenéticas. Estas classificações têm em conta a história evolutiva dos organismos e a relação de parentesco entre eles Darwin reconhecia que eram necessários mais conhecimentos, provenientes de várias áreas, para estabelecer a genealogia das espécies a) A organização estrutural em procariontes e eucariontes, e os graus de complexidade dentro de cada um destes níveis de organização, reflectem divergências antigas, e muito significativas, a partir de ancestrais comuns. b) A embriologia permite detectar similaridades no padrão de desenvolvimento de organismos de diferentes grupos, pondo em evidência a herança desse padrão a partir de um ancestral comum Corresponde à espécie. A designação é constituída por duas palavras (binominal) latinas ou latinizadas, sendo a primeira o nome genérico, escrito com inicial maiúscula, e a segunda o restritivo específico, escrito com inicial minúscula Tem em comum seis categorias taxonómicas principais: género, família, ordem, classe, filo e reino. O nome genérico, Panthera, é igual, pelo que as duas espécies partilham o mesmo género, e espécies que partilham o mesmo género têm em comum todas as categorias taxonómicas superiores ao género A utilização do latim, que é uma língua morta e que não se modifica, garante que a designação das espécies não vai sofrer alterações ao longo do tempo A universalidade da nomenclatura dos taxa facilita a comunicação entre os elementos da comunidade científica e garante que a cada espécie corresponde uma única designação e que essa designação não varia no espaço nem no tempo. Este facto é importante, uma vez que o nome vulgar das espécies varia de local para local e algumas espécies podem não 283 ter nome vulgar, ou ter um nome vulgar que é comum a outras espécies O algarismo 7. A espécie é a categoria taxonómica menos inclusiva, que está na base do sistema de classificação e a partir da qual se organizam as restantes categorias D Família. É uma designação uninominal terminada em -idae B A Família; B Ordem; C Filo B C A F; B F; C V; D F; E V Reino Animalia São eucariontes multicelulares, com diferenciação evidente e progressiva e macroconsumidores, isto é, heterotróficos que se nutrem por ingestão A Família. Os nomes genéricos das duas espécies são diferentes, Panthera e Felix, e, por isso, não pertencem ao mesmo género. A categoria taxonómica que vem a seguir ao género, e a primeira que podem ter em comum, é a família A é a classe e B é a ordem. 9.5 a) Pêlo. b) Caninos desenvolvidos Há 50 milhões de anos Os chimpanzés a) Estudos de paleontologia permitiram encontrar relações entre espécies actuais e espécies fósseis e reconstituir as modificações evolutivas a partir de ancestrais comuns. b) Estudos de Biologia molecular permitiram comparar a sequência de bases do DNA e a sequência de aminoácidos das proteínas de diferentes espécies e relacionar as semelhanças dessas moléculas com o tempo de divergência a partir de ancestrais comuns Diz respeito à espécie, uma vez que é uma designação binominal, escrita em latim e num tipo de letra diferente do texto corrente. Homo é o nome genérico, escrito com inicial maiúscula e sapiens é o restritivo específico, escrito com inicial minúscula, e é um adjectivo C B A F; B F; C F; D V; E V; F F; G F; H F A Reino Animalia; B Reino Fungi; C Reino Protista; D Reino Monera; E Reino Plantae.

12 PREPARAR OS TESTES BIOLOGIA E GEOLOGIA A V; B F; C V; D F; E F Reino Plantae São organismos imóveis, cujas células apresentam parede celular Não são autotróficos, como os organismos do reino Plantae, mas sim heterotróficos que se nutrem por absorção O reino Protista é o único reino onde se incluem a totalidade das características manifestadas pelos organismos do género Euglena. São eucariontes, razão pela qual não são incluídos no reino Monera. São unicelulares, pelo que não são incluídos no reino Animalia, nem no reino Plantae e nutrem-se por autotrofia e heterotrofia, o que não permite a sua inclusão no reino Fungi, que é exclusivamente constituído por organismos heterotróficos C A B O reino Protista é constituído por organismos que são todos eucariontes, mas que apresentam uma grande diversidade de formas, dimensões, modos de nutrição e interacções que estabelecem nos ecossistemas. Assim, verifica-se que fazem parte do reino Protista todos os organismos que não têm lugar noutros reinos, o que torna este reino muito heterogéneo e constituído por organismos que apresentam características mistas em relação a outros reinos da classificação de Whittaker A Reino Protista; B Reino Animalia; C Reino Monera A organização celular procariótica C, D, F D Bacteria e Archaea. As bactérias são os organismos procariontes mais comuns e que se encontram na maior parte dos ambientes e as arqueobactérias são organismos procariontes que vivem em ambientes com condições extremas de temperatura, salinidade e ph Reino Protista Todos os organismos do reino Protista são eucariontes Os organismos do reino Protista podem ser unicelulares, coloniais ou multicelulares com diferenciação reduzida e apresentam diversos modos de nutrição (autotrófica, heterotrófica por absorção ou ingestão), pelo que estabelecem diferentes tipos de interacções nos ecossistemas Reino Plantae Os organismos do reino Plantae são multicelulares com diferenciação celular evidente e progressiva, ao contrário dos organismos do reino Protista, a partir dos quais evoluíram, e que são unicelulares ou multicelulares com diferenciação reduzida Os organismos dos reinos Animalia e Fungi têm em comum a organização celular eucarionte e a nutrição heterotrófica, por ingestão nos animais e por absorção nos fungos É mais fácil e consensual construir a árvore filogenética da família dos felídeos. Uma árvore filogenética ao nível da família baseia-se em divergências a partir de ancestrais comuns recentes, em relação aos quais é, geralmente, possível obter uma boa reconstituição apoiada no registo fóssil e na existência de homologias. A árvore filogenética representada na figura representa divergências a partir de ancestrais comuns muito afastados no tempo, em relação aos quais o registo fóssil é inexistente ou muito incompleto, e qualquer reconstituição é dificultada pela quantidade de modificações evolutivas que podem ter-se verificado num tão grande período de tempo. Os estudos da Biologia Molecular são os que mais dados fornecem para a construção destas árvores filogenéticas O domínio é uma categoria taxonómica mais abrangente do que o reino; é, por isso, um taxa de hierarquia superior ao reino O domínio Bacteria inclui a maior parte dos organismos do reino Monera da classificação de Whittaker. O domínio Archaea inclui os restantes organismos do reino Monera, como os termófilos extremos, halófilos extremos e acidófilos extremos. O domínio Eukarya inclui os organismos dos reinos Protista, Fungi, Plantae e Animalia Os estudos de Biologia Molecular permitem agrupar os seres vivos com base em características que surgiram muito cedo na história da evolução da Vida, como o código genético ou a composição das proteínas e, por isso, podem ser aplicados a todos os organismos e permitem estabelecer distinções entre gru- 284

13 PROPOSTA DE SOLUÇÕES PREPARAR OS TESTES pos que divergiram há muito tempo. A comparação da sequência de nucleótidos do DNA ou da sequência de aminoácidos das proteínas de diferentes organismos permite estabelecer, em termos relativos, o tempo de divergência de diferentes grupos em relação a ancestrais comuns, uma vez que, ao longo do tempo, acumulamse mutações e quanto maiores forem as diferenças encontradas, mais tempo separa os grupos do seu ancestral comum. TESTE DE AVALIAÇÃO 1 PÁGS Grupo fosfato; 2 Adenina (base azotada); 3 Desoxirribose (pentose); 4 Guanina A F; B F; C F; D F; E V; F V; G V; H V DNA; 2 rrna; 3 trna; 4 Aminoácidos; 5 Ribossoma (subunidade maior); 6 mrna; 7 Proteína D B É constituída por 189 aminoácidos. Retirando os intrões, que não codificam aminoácidos, ficam no mrna maturado = 570 nucléotidos. Atendendo a que cada três nucleótidos codificam um aminoácido ficam 570/3 = 190 aminoácidos. Como o codão de finalização, contrariamente ao codão de iniciação, não codifica qualquer aminoácido, fica = 189 aminoácidos As moléculas de trna são capazes de traduzir a sequência de nucleótidos do mrna na sequência de aminoácidos de uma proteína. Tal verifica-se através da complementaridade entre os codões do mrna e os anticodões dos trna, que se ligam a aminoácidos específicos. Assim, as moléculas de trna convertem a linguagem de quatro letras do mrna na linguagem de vinte aminoácidos das proteínas C e F O DNA humano e o DNA de uma bactéria são semelhantes em composição e estrutura, assim como também são semelhantes, nos seus aspectos fundamentais, os processos de transcrição e tradução que convertem a informação contida no DNA na sequência de aminoácidos de uma proteína. Destas semelhanças resulta que se numa célula bacteriana for introduzida uma porção de DNA humano, 285 ele é transcrito para mrna e traduzido numa proteína humana por processos que, na generalidade, são semelhantes àqueles que se verificam em células humanas C O número mínimo é de 426 nucleótidos. Para codificar cada aminoácido da cadeia α da hemoglobina são necessários 3 nucleótidos, que correspondem a um codão do mrna, e sabe-se que o codão de finalização não codifica qualquer aminoácido. Assim, 141 * (codão de finalização) = 426 nucleótidos B Mutação génica Na molécula de DNA não alterada, o codogene CTT é transcrito no codão GAA, que é traduzido no aminoácido ácido glutâmico. Na molécula de DNA alterada, o codogene CTT passa a CAT, que é transcrito no codão GUA, o qual é traduzido no aminoácido valina. Assim, esta alteração conduz à substituição do ácido glutâmico pela valina na estrutura primária da hemoglobina, levando à alteração da sua função e à situação de doença A Interfase; B Fase mitótica Fase S; 2 Fase G 2 ; 3 Profase; 4 Metafase; 5 Anafase A replicação da molécula de DNA Na profase, os cromossomas condensam e só nesse estado são visíveis ao microscópio. A cromatina, que na interfase se encontrava descondensada e espalhada pelo nucleoplasma, enrola-se sobre si própria em níveis sucessivos, dando origem a filamentos curtos e espessos C e E B C A O facto das células estaminais da medula vermelha dos ossos se perpetuarem a si próprias garante a produção contínua de células sanguíneas. As células sanguíneas resultam da diferenciação de células com origem nas células estaminais da medula vermelha dos ossos, pelo que se estas não se perpetuassem a si próprias ao sofrerem diferenciação em células sanguíneas esgotar -se -iam e a formação de novas células sanguíneas não seria possível.

14 PREPARAR OS TESTES BIOLOGIA E GEOLOGIA A B B Os investigadores pretendem testar diferentes condições do meio de cultura de modo a encontrar factores extrínsecos que favorecem a expressão de diferentes porções do genoma das células estaminais, conduzindo, assim, à diferenciação em células de diferentes tecidos Este tipo de experiências pode vir a ser aplicado na obtenção in vitro de diferentes tecidos e órgãos humanos que podem ser usados em enxertos C F A D E B. TESTE DE AVALIAÇÃO 2 PÁGS B A A reprodução assexuada permite a produção de descendência por um único indivíduo, sem necessidade de parceiro, e é vantajosa em espécies cujos indivíduos vivem isolados ou têm dificuldade em encontrar um parceiro do sexo oposto e permite obter uma descendência numerosa A, D C B O núcleo III. O número de cromossomas foi reduzido para metade e o número de cromatídeos por cromossoma também O núcleo II dividiu-se por mitose. Os núcleos que resultam de uma divisão mitótica ficam com o mesmo número de cromossomas do núcleo inicial e esses cromossomas têm apenas um cromatídeo, que é o que se verifica com o núcleo II A B Anterozóides; 2 Oosfera; 3 Gametófito ou protalo; 4 Esporófito; 5 Esporo A Fecundação; B Meiose B A humidade é fundamental porque os anterozóides são células flageladas que se deslocam, pelo movimento dos flagelos, em meio líquido, até à oosfera C Ciclo haplodiplonte A V; B F; C V; D F; E F; F V B Nos ciclos de vida haplonte e haplodiplonte, os gâmetas formam-se por mitose e não por meiose. D Os esporos são estruturas haplóides que se formam por meiose de células do esporófito. A estrutura que resulta de fusão dos gâmetas é o zigoto e é diplóide. E Os estádios multicelulares do ciclo de vida de um organismo podem ser haplóides, como é o caso do organismo adulto nos ciclos de vida haplontes e do gametófito dos ciclos de vida haplodiplontes As palavras incorrectas, que devem ser riscadas, são: haplonte; gametângios; mitose; diplóides; gerações; haplofase B B A falta de variabilidade genética leva a que todos os indivíduos apresentem idêntica susceptibilidade e reajam de forma semelhante aos factores do meio ambiente, como, por exemplo, alterações climáticas ou o aparecimento de uma determinada doença ou de um novo parasita. Assim, uma alteração súbita no meio pode conduzir rapidamente à morte de todos os indivíduos, provocando a extinção da espécie A proibição da caça e a criação de reservas naturais. TESTE DE AVALIAÇÃO 3 PÁGS Modelo endossimbiótico Explica o aparecimento do sistema endomembranar por invaginações da membrana citoplasmática, que acabaram por se isolar no interior das células, dando origem a membranas internas B A associação com os ancestrais das mitocôndrias dotou a célula hospedeira da capacidade de metabolismo aeróbio, muito mais rentável e capaz de utilizar o oxigénio disponível no meio. A associação com os ancestrais dos cloroplastos facilitou a obtenção de nutrientes por parte da célula hospedeira, uma vez que eram produzidos pelo endossimbionte autotrófico C Podem ser referidos os seguintes argumentos: as mitocôndrias e os cloroplastos têm um tamanho e uma forma semelhantes ao tamanho e forma das células procarióticas actuais; possuem uma molécula de DNA semelhante ao DNA bacteriano; dividem-se por um processo semelhante ao da bipartição das bactérias; são organelos delimitados por duas membranas; possuem ri- 286

15 PROPOSTA DE SOLUÇÕES PREPARAR OS TESTES bossomas com maior semelhança com os ribossomas das células procarióticas do que com os ribossomas das células eucarióticas C As mixobactérias são organismos formados por várias células associadas, mas que são todas iguais, mantêm a sua independência e podem, cada uma delas, dar origem a uma mixobactéria. Não podem, por isso, considerar-se organismos multicelulares nem unicelulares e também não são organismos endossimbiontes, dado que não vivem dentro de outro. A classificação que melhor descreve as mixobactérias é de organismos coloniais A A situação C. A população de escaravelhos apresentava variabilidade em relação à cor. Após o incêndio florestal, o meio ficou escurecido e os escaravelhos mais escuros foram favorecidos pela selecção natural, uma vez que eram aqueles que ficavam melhor camuflados na paisagem e escapavam à predação pelas aves. Assim, os escaravelhos escuros viveram mais tempo e deixaram mais descendentes, o que fez aumentar a frequência da cor escura nas gerações seguintes, levando à alteração da cor da população O neodarwinismo explica a variabilidade de cores na população de escaravelhos como resultado da ocorrência de mutações e pela recombinação dos genes existentes na população, que se verifica durante a reprodução sexuada (crossing - -over e segregação independente dos cromossomas homólogos durante a meiose e fecundação aleatória) B; 2 C; 3 A; 4 B; 5 D; 6 A; 7 C; 8 A A Biogeografia; B Biologia molecular Afirmação A As espécies que existem nas ilhas do arquipélago de Cabo Verde partilham, pela sua proximidade geográfica, ancestrais comuns com as espécies do continente africano, pelo que a semelhança entre elas explica-se pela herança de características presentes no ancestral comum. Em relação às espécies o arquipélago dos Galápagos, a distância geográfica torna muito pouco provável a 287 descendência a partir de ancestrais comuns, e as semelhanças eventualmente existentes explicam -se por pressões selectivas idênticas em ambientes semelhantes. Afirmação B A semelhança na sequência de nucleótidos do DNA de duas espécies pode ser explicada pela herança dessa sequência a partir de um ancestral comum recente, uma vez que após a separação dos grupos a que pertencem cada uma das espécies houve pouco tempo para que se acumulassem mutações e as duas sequências pudessem ter divergido Na população inicial de bactérias que foi sujeita ao antibiótico, existia variabilidade e alguns indivíduos eram resistentes. Os não resistentes foram mortos pela administração do antibiótico, mas os indivíduos resistentes sobreviveram e reproduziram-se, transmitindo o gene que confere resistência ao antibiótico à geração seguinte. Na geração seguinte, o número de indivíduos resistentes já é maior e a situação descrita anteriormente repete-se, o que faz com que, ao longo do tempo, em sucessivas gerações de bactérias, a percentagem de indivíduos resistentes vá aumentando A exposição das populações de bactérias que são habitantes naturais do organismo humano, ou que o invadem com alguma frequência, a resíduos de antibióticos ingeridos com os alimentos, vai, ao longo do tempo, eliminar os indivíduos susceptíveis dessas populações e favorecer os indivíduos resistentes, os quais sobrevivem e se reproduzem. Criam-se, assim, estirpes resistentes aos antibióticos e, numa situação de infecção, os antibióticos não são eficazes e a situação de doença é difícil de eliminar. Esta perda da eficácia dos antibióticos conduz à necessidade de utilizar novos antibióticos que têm de ser continuamente desenvolvidos e produzidos pela indústria farmacêutica, com custos elevados A V; B V; C F; D F; E V; F V; G F; H F B A Nos ancestrais dos golfinhos de rio

16 PREPARAR OS TESTES BIOLOGIA E GEOLOGIA 11 ocorreu uma mutação que levou a que as vértebras cervicais não se fundissem. Os indivíduos cujas vértebras não estavam fundidas tinham mais facilidade em deslizar entre as árvores e em procurar alimento, uma vez que a amplitude de movimentos da cabeça era maior, o que fez com que se alimentassem melhor, vivessem mais tempo e deixassem mais descendentes. Em sucessivas gerações, a frequência do gene que impedia a fusão das vértebras foi aumentado e a frequência do gene que determinava a fusão das vértebras foi diminuindo, o que conduziu à alteração do fundo genético da população e à evolução da espécie C C A V; B F; C - F; D V; E F A; 2 B; 3 B; 4 C; 5 A; 6 A; 7 A; 8 A. TESTE INTERMÉDIO 1 PÁGS Grupo I 1. A, E, D, C, B. 2. A V; B F; C V; D F; E V; F V; G V; H F. 3. A resposta deve abordar os seguintes tópicos; É a partir dos centríolos que se forma o fuso acromático, que é constituído por microtúbulos, aos quais os cromossomas se ligam pela região do centrómero. O alongamento ou encurtamento dos microtúbulos que constituem o fuso acromático é responsável pelo movimento dos cromossomas durante a mitose. 4. C. 5. B. 6. D. II 1. D. 2. A. 3. D. 4. B. 5. B. 6. B. III 1. A. 2. C. 3. A resposta deve abordar os seguintes tópicos: Quando a densidade populacional de M.margaritifera é baixa, há maior dificuldade em encontrar um parceiro do sexo oposto e a autofecundação permite a produção de descendência por um único indivíduo, o que faz aumentar a densidade populacional. A descendência que resulta da autofecundação apresenta menor variabilidade genética do que a descendência que resulta da fecundação cruzada, uma vez que esta mistura o património genético de dois indivíduos. A falta de variabilidade genética torna a população mais susceptível a variações ambientais, que poderão conduzir à sua extinção. 4. D. 5. B. IV 1. D. 2. C. 3. B. 4. B C A E D. 5. B 6. A resposta deve abordar os seguintes tópicos: Numa população bacteriana existe variabilidade genética entre os indivíduos, alguns dos quais são resistentes a determinadas substâncias e outros não. A exposição de uma população bacteriana a um determinado antibiótico provoca a morte dos indivíduos mais susceptíveis, mas há indivíduos resistentes que sobrevivem. São os indivíduos resistentes aos antibióticos, e que foram alvo da selecção natural, que vão reproduzir-se e dar origem às gerações seguintes, as quais herdam os genes que conferem resistência. 288

Tema 5. Crescimento e renovação celular. UNIDADE 1. Crescimento e renovação celular

Tema 5. Crescimento e renovação celular. UNIDADE 1. Crescimento e renovação celular Tema 5. Crescimento e renovação celular Crescimento e renovação celular Distinção entre DNA e RNA quanto às suas características estruturais e funcionais. Reconhecimento de que os organismos necessitam

Leia mais

NÚCLEO e DIVISÃO CELULAR

NÚCLEO e DIVISÃO CELULAR NÚCLEO e DIVISÃO CELULAR CÉLULA EUCARIONTE Cláudia Minazaki NÚCLEO Único; Normalmente: central Formato: acompanha a forma da célula Tamanho: varia com o funcionamento da célula Ciclo de vida da célula

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com O NÚCLEO E A SÍNTESE PROTEÍCA O núcleo celular, descoberto em 1833 pelo pesquisador escocês Robert Brown, é uma estrutura

Leia mais

Biologia e Geologia (Ano II)

Biologia e Geologia (Ano II) Biologia e Geologia (Ano II) Resumo da segunda parte da Matéria de Biologia 11º Ano O Essencial sobre a Reprodução Assexuada e Sexuada Em 17 Páginas Autor: Objectivos propostos: Identificar estratégias

Leia mais

Reprodução Sexuada Meiose e Fecundação

Reprodução Sexuada Meiose e Fecundação Reprodução Sexuada Meiose e Fecundação Aula nº 15 a 22/Out Aula nº 17 a 27/Out Aula nº 20 a 3/Nov Prof. Ana Reis2008 E há mais! Para tornar fecunda uma perdiz, basta que ela se encontre sob o vento: muitas

Leia mais

Biologia e Geologia, 11.º Ano Evolução Biológica EVOLUÇÃO BIOLÓGICA

Biologia e Geologia, 11.º Ano Evolução Biológica EVOLUÇÃO BIOLÓGICA EVOLUÇÃO BIOLÓGICA 1. Unicelularidade e Multicelularidade o Dos Procariontes aos Eucariontes o Da Unicelularidade à Multicelularidade 2. Mecanismos da Evolução o Evolucionismo vs. Fixismo o Selecção Natural,

Leia mais

N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia.

N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia. N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia. Questão 01 B100010RJ Observe o esquema abaixo. 46 23 46 23 46 23 23 Disponível em: . Acesso

Leia mais

A função básica do ciclo celular das células somáticas é duplicar todo o conteúdo de DNA...

A função básica do ciclo celular das células somáticas é duplicar todo o conteúdo de DNA... Atividade extra Fascículo 4 Biologia Unidade 9 Questão 1 A função básica do ciclo celular das células somáticas é duplicar todo o conteúdo de DNA. O processo de divisão celular é composto por cinco etapas:

Leia mais

A reprodução refere-se á função através da qual seres vivos produzem descendentes,dando continuidade à sua espécie.

A reprodução refere-se á função através da qual seres vivos produzem descendentes,dando continuidade à sua espécie. A reprodução refere-se á função através da qual seres vivos produzem descendentes,dando continuidade à sua espécie. Todos os organismos vivos resultam da reprodução a partir de organismos vivos pré-existentes,

Leia mais

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são Atividade extra Fascículo 2 Biologia Unidade 4 Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais

Leia mais

Escola Secundária do Monte de Caparica Disciplina de Biologia 10 º Ano

Escola Secundária do Monte de Caparica Disciplina de Biologia 10 º Ano Escola Secundária do Monte de Caparica Disciplina de Biologia 10 º Ano Teste de avaliação Nome ----------------------------------------------------------------------- Numero -------------------------------

Leia mais

Resumo de Biologia. No caso das células procarióticas o material genético encontra-se espalhado no citoplasma da célula, denominando-se nucleóide.

Resumo de Biologia. No caso das células procarióticas o material genético encontra-se espalhado no citoplasma da célula, denominando-se nucleóide. Resumo de Biologia Crescimento e renovação celular As células são unidades estruturais e funcionais dos organismos. Utilizando o seu programa genético, produzem moléculas específicos que permitem o crescimento

Leia mais

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013

PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 PLANIFICAÇÃO MODULAR ANO LECTIVO 2012 / 2013 CURSO/CICLO DE FORMAÇÃO: TPA/2011-2014 DISCIPLINA: Biologia Inserir data e Hora N.º TOTAL DE MÓDULOS: 3 N.º ORDEM N.º DE HORAS DESIGNAÇÃO DO MÓDULO 4 18 RENOVAÇÃO

Leia mais

Replicação Quais as funções do DNA?

Replicação Quais as funções do DNA? Replicação Quais as funções do DNA? Aula nº 4 22/Set/08 Prof. Ana Reis Replicação O DNA é a molécula que contém a informação para todas as actividades da célula. Uma vez que as células se dividem, é necessário

Leia mais

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe!

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Aula: 2 Temática: Ácidos Nucléicos Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Introdução: Os ácidos nucléicos são as moléculas com a função de armazenamento e expressão da informação

Leia mais

Mitose e Meiose. Trabalho realizado por Ana Catarina Cúcio, nº 36088 Catarina Maia, nº 38365 Mafalda Pereira, nº 37533

Mitose e Meiose. Trabalho realizado por Ana Catarina Cúcio, nº 36088 Catarina Maia, nº 38365 Mafalda Pereira, nº 37533 Genetica e Selecção em Aquacultura Mestrado em Biologia Marinha Universidade do Algarve Mitose e Meiose Trabalho realizado por Ana Catarina Cúcio, nº 36088 Catarina Maia, nº 38365 Mafalda Pereira, nº 37533

Leia mais

Ácidos nucleicos: são constituídos por unidades básicas designadas nucleótidos cada nucleótido é formado por base azotada pentose grupo fosfato

Ácidos nucleicos: são constituídos por unidades básicas designadas nucleótidos cada nucleótido é formado por base azotada pentose grupo fosfato Biologia: Unidade 5 Crescimento e renovação celular 1. Crescimento e renovação celular 1.1 DNA e síntese proteica: Composição química dos ácidos nucleicos: DNA e RNA Ácidos nucleicos: são constituídos

Leia mais

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Procariontes Eucariontes Localização Organização Forma Disperso no citoplasma

Leia mais

A reprodução permite a perpetuação da espécie, mas não a sobrevivência do indivíduo.

A reprodução permite a perpetuação da espécie, mas não a sobrevivência do indivíduo. REPRODUÇÃO A reprodução é uma função característica dos seres vivos que permite o aparecimento de novos indivíduos, através da divisão celular. A reprodução permite a perpetuação da espécie, mas não a

Leia mais

Painéis Do Organismo ao Genoma

Painéis Do Organismo ao Genoma Painéis Do Organismo ao Genoma A série de 5 painéis do organismo ao genoma tem por objetivo mostrar que os organismos vivos são formados por células que funcionam de acordo com instruções contidas no DNA,

Leia mais

Núcleo Celular. Carlos Moura

Núcleo Celular. Carlos Moura Núcleo Celular Carlos Moura Características do núcleo: Descoberta do núcleo celular por Robert Brown 1833; Presente nas células eucariontes; Delimitado pelo envoltório celular Carioteca. Regular as reações

Leia mais

Seminário de Genética BG - 380 Principal Resumo Professores Componentes Bibliografia Links

Seminário de Genética BG - 380 Principal Resumo Professores Componentes Bibliografia Links Seminário de Genética BG - 380 Principal Resumo Professores Componentes Bibliografia Links Darwin Voltar Filogenia anatômica e fisiológica Filogênia Molecular A teoria da evolução de Darwin gerou o conceito

Leia mais

3º trimestre- LISTA DE EXERCICIOS - Biologia - CESINHA Ensino Médio 1º ano classe: Prof. Cesinha Nome: nº

3º trimestre- LISTA DE EXERCICIOS - Biologia - CESINHA Ensino Médio 1º ano classe: Prof. Cesinha Nome: nº . 3º trimestre- LISTA DE EXERCICIOS - Biologia - CESINHA Ensino Médio 1º ano classe: Prof. Cesinha Nome: nº Valor: 10 Nota:. 1. (Uel 2015) Leia o texto a seguir. Quando se fala em divisão celular, não

Leia mais

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009)

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) Nome do Candidato Classificação Leia as seguintes informações com atenção. 1. O exame é constituído

Leia mais

Biologia-Geologia 11ºano Novembro de 2006. Científico-Humanísticos Curso Ciências e Tecnologias. A hemoglobina. Texto adaptado

Biologia-Geologia 11ºano Novembro de 2006. Científico-Humanísticos Curso Ciências e Tecnologias. A hemoglobina. Texto adaptado Biologia-Geologia 11ºano Novembro de 2006 Científico-Humanísticos Curso Ciências e Tecnologias A hemoglobina Cada molécula de hemoglobina consiste em dois pares separados de globinas alfa e beta (cadeias

Leia mais

O núcleo celular é uma estrutura presente nas células eucarióticas, que contém o DNA da célula. denominado interfase (núcleo interfásico).

O núcleo celular é uma estrutura presente nas células eucarióticas, que contém o DNA da célula. denominado interfase (núcleo interfásico). NÚCLEO E DIVISÃO CELULAR NÚCLEO E DIVISÃO CELULAR O núcleo celular é uma estrutura presente nas células eucarióticas, que contém o DNA da célula. Período em que a célula não se encontra em divisão é denominado

Leia mais

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas GENERALIDADES Todo ser vivo consiste de células, nas quais está situado o material hereditário. O número de células de um organismo pode variar de uma a muitos milhões. Estas células podem apresentar-se

Leia mais

DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA E GEOLOGIA 11.º

DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA E GEOLOGIA 11.º DOCUMENTO DE APOIO AO ESTUDO BIOLOGIA E GEOLOGIA 11.º Avisos 1.EstedocumentoapenasservecomoapoioparcialàsaulasdeBiologiaeGeologia11.ºano Unidade5 lecionadas na Escola Secundária Morgado Mateus(Vila Real)

Leia mais

Ciclos de Vida Unidade e diversidade

Ciclos de Vida Unidade e diversidade Aula nº 24_12-Nov Prof. Ana Reis 2008 Ciclos de Vida Unidade e diversidade Unidade vs. Diversidade dos ciclos de vida Uma das características inerentes aos seres vivos é a sua capacidade de reprodução.

Leia mais

Questões complementares

Questões complementares Questões complementares 1. Definir célula e os tipos celulares existentes. Caracterizar as diferenças existentes entre os tipos celulares. 2. Existe diferença na quantidade de organelas membranares entre

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ==============================================================================================

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== PROFESSOR: Leonardo Mariscal BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== Ácidos Nucleicos 01- Os

Leia mais

DO GENE À PROTEÍNA ALGUNS CONCEITOS BASICOS COMO SE ORGANIZAM OS NUCLEÓTIDOS PARA FORMAR O DNA?

DO GENE À PROTEÍNA ALGUNS CONCEITOS BASICOS COMO SE ORGANIZAM OS NUCLEÓTIDOS PARA FORMAR O DNA? DO GENE À PROTEÍNA O processo de formação das proteínas no ser humano pode ser difícil de compreender e inclui palavras e conceitos que possivelmente nos são desconhecidos. Assim, vamos tentar explicar

Leia mais

DNA E SÍNTESE PROTEICA

DNA E SÍNTESE PROTEICA Genética Animal DNA e síntese proteica 1 DNA E SÍNTESE PROTEICA Estrutura do DNA: -Molécula polimérica, cujos monômeros denominam-se nucleotídeos. -Constituição dos nucleotídeos: açúcar pentose (5 -desoxirribose)

Leia mais

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Eucarioto: núcleo delimitado por membrana nuclear (carioteca) Portador dos fatores hereditários e controlador

Leia mais

A descoberta da célula

A descoberta da célula A descoberta da célula O que são células? As células são a unidade fundamental da vida CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula, no que diz respeito à sua estrutura e funcionamento. Kytos (célula)

Leia mais

03. Em fevereiro deste ano, um grupo de pesquisadores divulgou ao mundo a ovelha Dolly, obtido por meio da técnica de clonagem.

03. Em fevereiro deste ano, um grupo de pesquisadores divulgou ao mundo a ovelha Dolly, obtido por meio da técnica de clonagem. 01. Clones são seres vivos obtidos pelo desenvolvimento de células retiradas de indivíduos já existentes. A clonagem é um processo que vem sendo desenvolvido rapidamente com vários organismos e, em humanos,

Leia mais

> ESTUDO DO RNA. (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes.

> ESTUDO DO RNA. (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes. Biologia > Citologia > Sintese Protéica > Alunos Prof. Zell (biologia) (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes. > ESTUDO

Leia mais

netxplica.com Biologia e Geologia :: 11.º Ano

netxplica.com Biologia e Geologia :: 11.º Ano VERSÃO 1 Teste de Avaliação de Biologia e Geologia 11.º Ano de Escolaridade Crescimento e Renovação Celular Duração do Teste: 120 minutos Indicações: Na folha de respostas, indica de forma legível a versão

Leia mais

BIOLOGIA - AULA 02 E 03 : CITOLOGIA e DIVISÃO CELULAR

BIOLOGIA - AULA 02 E 03 : CITOLOGIA e DIVISÃO CELULAR BIOLOGIA - AULA 02 E 03 : CITOLOGIA e DIVISÃO CELULAR CITOLOGIA A célula é a unidade morfológica e fisiológica do ser vivo, ou seja, é a menos parcela do ser que tem forma e função definida. A manutenção

Leia mais

PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS Perceber e utilizar os códigos intrínsecos da Biologia. Relacionar o conhecimento das diversas disciplinas para o entendimento

Leia mais

DNA E SÍNTESE PROTEICA

DNA E SÍNTESE PROTEICA 1- As acetabularias (fotografia à esquerda) são algas verdes marinhas, com 2 a 3 cm de altura, constituídas por uma base ou pé, onde está o núcleo, e um caulículo, na extremidade do qual se diferencia

Leia mais

UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO

UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO Biologia 12º ano Cap.2.1. Alterações do Material Genético Mutações UN.2 -PATRIMÓNIO GENÉTICO E ALTERAÇÕES AO MATERIAL GENÉTICO Situação Problemática

Leia mais

Prova de Avaliação de Capacidade & Prova Específica de Avaliação de Conhecimentos

Prova de Avaliação de Capacidade & Prova Específica de Avaliação de Conhecimentos Prova de Avaliação de Capacidade & Prova Específica de Avaliação de Conhecimentos Prova Escrita de Biologia Decreto-Lei n.º 43/2014, de 18 de março/ Nº2 do artigo 6º do Regulamento dos Tesp da Ualg. Prova

Leia mais

Biologia: Genética e Mendel

Biologia: Genética e Mendel Biologia: Genética e Mendel Questão 1 A complexa organização social das formigas pode ser explicada pelas relações de parentesco genético entre os indivíduos da colônia. É geneticamente mais vantajoso

Leia mais

AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS

AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS AULA 1 ORGANIZAÇÃO CELULAR DOS SERES VIVOS Apesar da diversidade entre os seres vivos, todos guardam muitas semelhanças, pois apresentam material genético (DNA) em que são encontradas todas as informações

Leia mais

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Prof. Emerson

ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Prof. Emerson ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS Prof. Emerson Algumas considerações importantes: Apesar da diversidade, algumas células compartilham ao menos três características: São dotadas de membrana plasmática; Contêm

Leia mais

As bactérias operárias

As bactérias operárias A U A UL LA As bactérias operárias Na Aula 47 você viu a importância da insulina no nosso corpo e, na Aula 48, aprendeu como as células de nosso organismo produzem insulina e outras proteínas. As pessoas

Leia mais

Introdução à Biologia Celular e Molecular. Profa. Luciana F. Krause

Introdução à Biologia Celular e Molecular. Profa. Luciana F. Krause Introdução à Biologia Celular e Molecular Profa. Luciana F. Krause Níveis de organização Desenvolvimento da Teoria Celular Século XVII desenvolvimento das lentes ópticas Robert Hooke (1665) células (cortiça)

Leia mais

d) 23, 46, 26. 23 d) DNA nucleotídeos desoxirribose uracila desoxirribose timina e) DNA ácidos desoxirribonucléicos

d) 23, 46, 26. 23 d) DNA nucleotídeos desoxirribose uracila desoxirribose timina e) DNA ácidos desoxirribonucléicos 01 - (IBMEC RJ) O núcleo celular foi descoberto pelo pesquisador escocês Robert Brown, que o reconheceu como componente fundamental das células. O nome escolhido para essa organela expressa bem essa ideia:

Leia mais

Química do material genético

Química do material genético 1 O NÚCLEO No núcleo estão os cromossomos, onde estão "armazenadas" as informações genéticas de cada espécie. Os seguintes componentes constituem o núcleo celular: Membrana Nuclear: também chamada de carioteca

Leia mais

Princípios moleculares dos processos fisiológicos

Princípios moleculares dos processos fisiológicos 2012-04-30 UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS DEI-BIOLOGIA ---------------------------------------------- Aula 5: Princípios moleculares dos processos fisiológicos (Fisiologia Vegetal, Ano

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA

COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA Andréia Cristina Hypólito José 11075810 Fernando Caldas Oliveira 11085410 Giovana Zaninelli 11017210 Renato Fernandes Sartori 11061110 Rodrigo de Mello

Leia mais

Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 8º Ano

Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 8º Ano Educadora: Daiana Araújo C. Curricular:Ciências Naturais Data: / /2013 Estudante: 8º Ano O termo célula foi usado pela primeira vez pelo cientista inglês Robert Hooke, em 1665. Por meio de um microscópio

Leia mais

Núcleo e ciclo celular

Núcleo e ciclo celular Módulo 2 Unidade 4 Núcleo e ciclo celular Para início de conversa... Você já reparou que para que todas as coisas funcionem corretamente é preciso que haja organização? É preciso que algumas pessoas comandem,

Leia mais

Mutações FICHA INFORMATIVA Nº10: MUTAÇÕES O QUE SÃO?

Mutações FICHA INFORMATIVA Nº10: MUTAÇÕES O QUE SÃO? Mutações O QUE SÃO? As mutações são alterações no material genético, que podem ocorrer naturalmente no percurso da síntese proteica mutações espontâneas ou por acção de agentes externos (agentes mutagénicos)

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: D rd. Mariana de F. Gardingo Diniz

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: D rd. Mariana de F. Gardingo Diniz MEDICINA VETERINÁRIA Disciplina: Genética Animal Prof a.: D rd. Mariana de F. Gardingo Diniz TRANSCRIÇÃO DNA A transcrição é o processo de formação de uma molécula de RNA a partir de uma molécula molde

Leia mais

DEFINIÇÃO. Período e conjunto de eventos que inicia-se com a formação de uma célula após uma divisão celular, até o término da divisão dessa célula.

DEFINIÇÃO. Período e conjunto de eventos que inicia-se com a formação de uma célula após uma divisão celular, até o término da divisão dessa célula. CICLO CELULAR DEFINIÇÃO Período e conjunto de eventos que inicia-se com a formação de uma célula após uma divisão celular, até o término da divisão dessa célula. INTERFASE DIVISÃO CELULAR Mitose Meiose

Leia mais

Evolução Biológica e Algoritmos Genéticos. Fábio Lima Custódio flc@lncc.br

Evolução Biológica e Algoritmos Genéticos. Fábio Lima Custódio flc@lncc.br Evolução Biológica e Algoritmos Genéticos Fábio Lima Custódio flc@lncc.br Sumário Conceitos gerais O que é evolução? Forças Evolutivas Mutação Deriva Gênica Fluxo gênico Seleção Natural A teoria evolutiva

Leia mais

Notas de Aula (9 a Ano) Núcleo e Cromossomos

Notas de Aula (9 a Ano) Núcleo e Cromossomos Notas de Aula (9 a Ano) Núcleo e Cromossomos 1. Os componentes do núcleo Em geral, o núcleo é a maior organela, medindo em torno de 5 µm na maioria das células. Quase sempre há um núcleo por célula, mas

Leia mais

Biologia e Geologia. Teste Intermédio de Biologia e Geologia. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 09.03.2010

Biologia e Geologia. Teste Intermédio de Biologia e Geologia. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 09.03.2010 Teste Intermédio de Biologia e Geologia Teste Intermédio Biologia e Geologia Versão 1 Duração do Teste: 90 minutos 09.03.2010 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na sua folha

Leia mais

Centríolos. Ribossomos

Centríolos. Ribossomos Ribossomos Os ribossomos são encontrados em todas as células (tanto eucariontes como procariontes) e não possuem membrana lipoprotéica (assim como os centríolos). São estruturas citoplasmáticas responsáveis

Leia mais

CITOLOGIA NÚCLEO E DIVISÃO CELULAR

CITOLOGIA NÚCLEO E DIVISÃO CELULAR NÚCLEO E DIVISÃO CELULAR 1. NÚCLEO CELULAR-ESTRUTURA A remoção do núcleo de uma ameba, utilizando-se uma microagulha, faz com que essa célula permaneça viva e se movimentando. No entanto, cessam as atividades

Leia mais

Concurso Especial de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para maiores de 23

Concurso Especial de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para maiores de 23 Concurso Especial de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para maiores de 23 Prova Modelo de Biologia NOME Nas perguntas de escolha múltipla rodeie com um círculo a resposta que considera correcta (respostas

Leia mais

Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br

Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br Profa. Josielke Soares josisoares@ig.com.br A célula é a menor unidade estrutural básica do ser vivo. A palavra célula foi usada pela primeira vez em 1667 pelo inglês Robert Hooke. Com um microscópio muito

Leia mais

Biologia e Geologia. Resumo da primeira parte da Matéria de Biologia 11º Ano O Essencial sobre o Crescimento e Renovação Celular.

Biologia e Geologia. Resumo da primeira parte da Matéria de Biologia 11º Ano O Essencial sobre o Crescimento e Renovação Celular. Biologia e Geologia (Ano II) Resumo da primeira parte da Matéria de Biologia 11º Ano O Essencial sobre o Crescimento e Renovação Celular Autor: Objectivo: Conhecer as características estruturais do DNA

Leia mais

Módulo Intérfase. Tarefa de Fixação 1) Analise o esquema a seguir e depois RESPONDA as questões propostas.

Módulo Intérfase. Tarefa de Fixação 1) Analise o esquema a seguir e depois RESPONDA as questões propostas. Módulo Intérfase Exercícios de Aula 1) A interfase é a fase em que ocorre o repouso celular. A afirmativa está: a) correta, porque praticamente não há atividade metabólica celular. b) correta, pois ocorrem

Leia mais

Módulo Núcleo. 2) O esquema a seguir apresenta um experimento realizado com uma alga unicelular.

Módulo Núcleo. 2) O esquema a seguir apresenta um experimento realizado com uma alga unicelular. Módulo Núcleo Exercícios de Aula 1) O envelope nuclear encerra o DNA e define o compartimento nuclear. Assinale a afirmativa INCORRETA sobre o envelope nuclear. a) É formado por duas membranas concêntricas

Leia mais

Equipe de Biologia. Biologia

Equipe de Biologia. Biologia Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Biologia Data: Biologia Ácidos nucléicos Os ácidos nucléicos são moléculas gigantes (macromoléculas), formadas por unidades monoméricas menores

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS LAGES CURSO TÉCNICO EM BIOTECNOLOGIA. Aluno: Módulo I

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS LAGES CURSO TÉCNICO EM BIOTECNOLOGIA. Aluno: Módulo I INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS LAGES CURSO TÉCNICO EM BIOTECNOLOGIA Aluno: Módulo I Professor: Leandro Parussolo Unidade Curricular: Biologia Celular ATIVIDADE

Leia mais

GABARITO BIOLOGIA REVISÃO 01 3 ANO A/B ENSINO MÉDIO

GABARITO BIOLOGIA REVISÃO 01 3 ANO A/B ENSINO MÉDIO GABARITO BIOLOGIA REVISÃO 01 3 ANO A/B ENSINO MÉDIO Resolução: 01. B 02. E 03. No alantóide da ave há uma rede de capilares sangüíneos onde ocorre a respiração. O principal excreta nitrogenado da ave é

Leia mais

Bases Moleculares da Hereditariedade

Bases Moleculares da Hereditariedade UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROG. DE PÓS GRAD. EM GENET. E MELHORAMENTO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GENET. E MELHORAMENTO Bases Moleculares da Hereditariedade Ministrante: João Paulo

Leia mais

Ácidos nucléicos. São polímeros compostos por nucleotídeos. Açúcar - pentose. Grupo fosfato. Nucleotídeo. Base nitrogenada

Ácidos nucléicos. São polímeros compostos por nucleotídeos. Açúcar - pentose. Grupo fosfato. Nucleotídeo. Base nitrogenada ÁCIDOS NUCLÉICOS Ácidos nucléicos São polímeros compostos por nucleotídeos Açúcar - pentose Nucleotídeo Grupo fosfato Base nitrogenada Composição dos Ácidos nucléicos pentoses: numeração da pentose: pentose

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO 3º Teste Sumativo DISCIPLINA DE BIOLOGIA 12ºano Turmas A e B TEMA: Regulação e alteração do material genético Versão A 31 de janeiro de 2013 90 minutos Nome: Nº

Leia mais

Netxplica http://netxplica.com

Netxplica http://netxplica.com Teste de Avaliação de Biologia e Geologia 11.º Ano de Escolaridade Crescimento e Renovação Celular Duração do Teste: 90 minutos VERSÃO 1 Na folha de respostas, indica de forma legível a versão do Teste.

Leia mais

O NÚCLEO E OS CROMOSSOMOS. Maximiliano Mendes - 2015 http://www.youtube.com/maxaug http://maxaug.blogspot.com

O NÚCLEO E OS CROMOSSOMOS. Maximiliano Mendes - 2015 http://www.youtube.com/maxaug http://maxaug.blogspot.com O NÚCLEO E OS CROMOSSOMOS Maximiliano Mendes - 2015 http://www.youtube.com/maxaug http://maxaug.blogspot.com O NÚCLEO Estrutura presente apenas nas células eucariontes, onde se encontra o DNA genômico

Leia mais

Divisão Celular: Mitose e Meiose

Divisão Celular: Mitose e Meiose 1) Conceitos Prévios Cromossomo: Estrutura que contém uma longa molécula de DNA associada a proteínas histonas, visível ao microscópio óptico em células metafásicas. Cromossomo Condensação Proteína histona

Leia mais

EXERCÍCIOS DE CIÊNCIAS (7 ANO)

EXERCÍCIOS DE CIÊNCIAS (7 ANO) EXERCÍCIOS DE CIÊNCIAS (7 ANO) 1- Uma das etapas do ciclo de vida é o processo da reprodução. O comportamento reprodutivo varia muito entre os seres vivos e é por meio dele que uma espécie de ser vivo

Leia mais

Professor Antônio Ruas

Professor Antônio Ruas Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: BIOLOGIA APLICADA Aula 3 Professor Antônio Ruas 1. Assuntos: Introdução à história geológica

Leia mais

Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos

Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE QUÍMICA DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA QBQ0313 Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos Flavia Carla Meotti Os Ácidos Nucléicos Função: armazenamento e transmissão da informação

Leia mais

BIOLOGIA. (A) a transmissão se dá pela ingestão de alimentos contaminados. (B) o mosquito transmissor da doença se reproduz em locais com água parada.

BIOLOGIA. (A) a transmissão se dá pela ingestão de alimentos contaminados. (B) o mosquito transmissor da doença se reproduz em locais com água parada. BIOLOGIA 21ª QUESTÃO A dengue é uma doença infecciosa aguda causada por vírus. Seus principais sintomas são febre súbita, fortes dores musculares, moleza, dor de cabeça, manchas vermelhas no corpo e dores

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR. Ácidos Nucléicos e Síntese de Proteínas

BIOLOGIA MOLECULAR. Ácidos Nucléicos e Síntese de Proteínas BIOLOGIA MOLECULAR Ácidos Nucléicos e Síntese de Proteínas Nucleotídeos São moléculas formadas pela união de um açúcar ou pentose, uma base nitrogenada e um grupo fosfato. Os Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)

Leia mais

Exame de Biologia e Geologia

Exame de Biologia e Geologia Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2013 Exame de Biologia e Geologia Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: Esferográfica

Leia mais

Ficha de Apoio Teórico: Replicação do DNA

Ficha de Apoio Teórico: Replicação do DNA Escola Secundária c/ 3º Ciclo João Gonçalves Zarco Ano Lectivo 2008/2009 Biologia/Geologia (ano 2) Ficha de Apoio Teórico: Replicação do DNA Introdução Uma das características mais pertinentes de todos

Leia mais

Prova de Química e Biologia

Prova de Química e Biologia Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência dos Cursos Superiores do IPVC dos Maiores de 23 Anos Prova de Química e Biologia Prova modelo Prova Específica de Química

Leia mais

Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA. Profa Francis Moreira Borges

Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA. Profa Francis Moreira Borges Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA Profa Francis Moreira Borges As bactérias possuem material genético, o qual é transmitido aos descendentes no momento da divisão celular. Este material genético não está

Leia mais

CITOPLASMA. Características gerais 21/03/2015. Algumas considerações importantes: 1. O CITOPLASMA DAS CÉLULAS PROCARIÓTICAS

CITOPLASMA. Características gerais 21/03/2015. Algumas considerações importantes: 1. O CITOPLASMA DAS CÉLULAS PROCARIÓTICAS CITOPLASMA Algumas considerações importantes: Apesar da diversidade, algumas células compartilham ao menos três características: Biologia e Histologia São dotadas de membrana plasmática; Contêm citoplasma

Leia mais

Bacteria Archaea Eukarya

Bacteria Archaea Eukarya PROVA PARA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS 2014/2015 Instituto Superior de Engenharia Licenciatura em Tecnologia e Segurança Alimentar Componente específica

Leia mais

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm A biodiversidade em diferentes ambientes http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm Unidade básica da vida a célula Quem foi Robert Hooke? Por volta de 1667, o cientista inglês

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz

MEDICINA VETERINÁRIA. Disciplina: Genética Animal. Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz MEDICINA VETERINÁRIA Disciplina: Genética Animal Prof a.: Drd. Mariana de F. G. Diniz Gene, é a unidade fundamental da hereditariedade. Cada gene é formado por uma sequência específica de ácidos nucléicos

Leia mais

Parede celular. Membrana celular

Parede celular. Membrana celular 1. A célula como Unidade Básica de Vida A célula é a unidade básica da vida, uma vez que todos os seres vivos são formados por células. De acordo com o número de células, os seres vivos podem classificar-se

Leia mais

O alelo para a hemoglobina S (cadeia β ) é recessivo. Os indivíduos heterozigóticos (Hb A Hb S ), portadores, são resistentes à malária.

O alelo para a hemoglobina S (cadeia β ) é recessivo. Os indivíduos heterozigóticos (Hb A Hb S ), portadores, são resistentes à malária. Mutação O alelo para a hemoglobina S (cadeia β ) é recessivo. Os indivíduos heterozigóticos (Hb A Hb S ), portadores, são resistentes à malária. Introdução Agentes internos ou externos causam alterações

Leia mais

Ficha de Exercícios A Célula (VERSÃO CORRIGIDA) Ano lectivo: 10º ano Turma: Data:

Ficha de Exercícios A Célula (VERSÃO CORRIGIDA) Ano lectivo: 10º ano Turma: Data: Ficha de Exercícios A Célula (VERSÃO CORRIGIDA) Ano lectivo: 10º ano Turma: Data: 1- A célula é uma importante estrutura do mundo vivo. Todos os seres vivos começam por existir sob a forma de célula. Alguns

Leia mais

ORGANIZAÇÃO SUPRAMOLECULAR DO MATERIAL GENÉTICO

ORGANIZAÇÃO SUPRAMOLECULAR DO MATERIAL GENÉTICO ORGANIZAÇÃO SUPRAMOLECULAR DO MATERIAL GENÉTICO ORGANIZAÇÃO DO MATERIAL GENÉTICO CELULAR Massa compacta, ocupando um volume limitado As suas variadas actividades, tal como replicação e transcrição, têm

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE BIOLOGIA Aluno(a): Nº Ano: 1º Turma: Data: 28/05/2011 Nota: Professora: Regina Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS NATURAIS DISCIPLINA: BIOLOGIA E GEOLOGIA 11.

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS NATURAIS DISCIPLINA: BIOLOGIA E GEOLOGIA 11. DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS NATURAIS DISCIPLINA: BIOLOGIA E GEOLOGIA 11.º ANO... BIOLOGIA Objetivos / Finalidades Competências procedimentais e atitudinais Competências concetuais Estratégias Tempo 1 Conhecer

Leia mais

Cláudio Góes. Interfase e Controle da Divisão Celular

Cláudio Góes. Interfase e Controle da Divisão Celular A mitose é um mecanismo de divisão nuclear que funciona na maioria dos tipos de células. Ela separa o material genético nos dois novos núcleos e assegura que ambos venham a possuir exatamente a mesma informação

Leia mais

PROFESSOR GUILHERME BIOLOGIA

PROFESSOR GUILHERME BIOLOGIA Laranjeiras do Sul: Av. 7 de Setembro, 1930. Fone: (42) 3635 5413 Quedas do Iguaçu: Pça. Pedro Alzide Giraldi, 925. Fone: (46) 3532 3265 www.genevestibulares.com.br / contato@genevestibulares.com.br PROFESSOR

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE 1ª SÉRIE TURMA: 1101 DATA: NOME: Nº

EXERCÍCIOS ON LINE 1ª SÉRIE TURMA: 1101 DATA: NOME: Nº EXERCÍCIOS ON LINE 3º Bimestre DISCIPLINA: BIOLOGIA PROFESSOR(A): LEANDRO 1ª SÉRIE TURMA: 1101 DATA: NOME: Nº 1. Qual a composição química da membrana plasmática? 2. A célula apresenta membrana plasmática

Leia mais

Epigenética e Memória Celular

Epigenética e Memória Celular Epigenética e Memória Celular Por Marcelo Fantappié Fonte www.revistacarbono.com A epigenética é definida como modificações do genoma que são herdadas pelas próximas gerações, mas que não alteram a sequência

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros MEIOSE 1. Considerações Iniciais Processo de divisão celular; Responsável pela formação de gametas e esporos; Células EUCARIONTES (2n); Duplicação dos cromossomos;

Leia mais