E veline T eix eira C a ix eta

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E veline T eix eira C a ix eta"

Transcrição

1 a p lica d o s a o m e lh o r a m e n t o d e p la n t a s E veline T eix eira C a ix eta

2 Melhoramento Genético Combinação adequada de alelos nos locos que controlam características de interesse é o objetivo da seleção artificial. Variabilidade Marcadores Genéticos

3 Marcadores Genético p Qualquer elementos capazes de diferenciar, prever e caracterizar um indivíduo e que sejam reproduzidos na descendência. Marcadores morfológicos???

4 Marcadores Genético w Marcadores morfológicos (até meados de 60; limitação de número, falta de ligação, influência do meio, efeito deletério de mutações) w Marcadores moleculares w Isoenzimáticos w Marcadores de DNA Nº virtualmente ilimitado de marcadores polimórficos, independente do estádio de desenvolvimento da planta e de variações ambientais

5 Marcadores Moleculares w Marcadores genéticos que exploram a variabilidade do DNA w São características polimórficas herdáveis que refletem diferenças na seqüência de DNA diretamente ao nível de nucleotídeo ou indiretamente ao nível de expressão gênica w consistem em qualquer fenótipo molecular oriundo de um gene expresso ou de um segmento específico de DNA w podem ser de DNA, RNA ou proteínas (isoenzimas)

6 Marcadores de DNA Vantagens w Ampla cobertura do genoma w Neutros fenotipicamente (não afetado pelo ambiente) w Não afetado pelo background genético - livres de efeitos epistáticos ou pleiotrópicos, permitindo que diferentes marcadores sejam monitorados em uma única população w A análise de MM pode ser feita em qq estádio e tecido (grande vantagem de seleção antes do florescimento) w Podem ser utilizados em gerações altamente segregantes, permitindo a eliminação dos genótipos indesejáveis nas primeiras gerações de seleção

7 Marcadores de DNA w Diferença na sequência de DNA M C. arabica Planta 1 Marcadores de DNA Planta 2 C. canephora E Híbridos de Timor M

8 Marcadores baseados em PCR w PCR = Polymerase Chain Reaction w Multiplicação in vitro de DNA = replicação in vitro do DNA em grande escala w RAPD, AFLP, SSR, ISSR, primer específico

9 Marcadores baseados em PCR Mg2+ dgtp DNA Polimerase DNA template dctp dttp datp Primers

10 Marcadores baseados em PCR Ta Ta Ta q qta qta q q PCR

11 Marcadores baseados em PCR

12 Marcadores baseados em PCR Planta 1 Planta 2

13 Marcadores baseados em PCR pl1 pl2 pl3 pl4

14 Marcadores baseados em PCR

15 Marcadores baseados em PCR M M C. arabica Primer específico C. canephora E Híbridos de Timor Microssatélites RAPD AFLP M

16 Marcadores SNP w Single Nucleotide Polymorphism polimorfismo de um único nucleotídeo w Detecção de polimorfismo resultante da alteração de uma base w Variação = SNP se ocorrem em 1% da populção

17 Marcadores SNP w Substituição ou inserção/deleção de base (Indel) SNP SNP (Indel)

18 Marcadores SNP w 90% do polimorfismo encontrado = SNPs

19 Marcadores SNP w Alta densidade no genoma + tecnologias de genotipagem = potencial dos SNPs w Detecção obtida pela comparação entre regiões específicas do DNA obtidas de vários indivíduos w Genotipagem fragmentos não se baseia em tamanho de

20 Sofisticação M C. arabica C. canephora M E Híbridos de Timor?? M

21 Marcadores de DNA w w Variam quanto: w w w w w Forma de detectar a diferença no DNA; Habilidade de detectar diferenças entre indivíduos; Custo; Facilidade de uso; Consistência e repetibilidade Todos tem vantagens/desvantagens

22 Marcadores de DNA w Conhecer bem os vários tipos de marcadores moleculares; w Verificar marcadores disponíveis para a espécie que vai trabalhar; w Conhecer bem a espécie; w Verificar disponibilidade de estrutura física, recursos humanos, recursos financeiros, equipamentos. w Analisar o trabalho que será realizado - para que será utilizado o marcador molecular.

23 Marcadores de DNA Funcional RFLP SSR SNP Específic os Aleatório RFLP RAPD AFLP SSR ISSR SNP...

24 Marcadores de DNA Projetos Genoma Funcional RFLP SSR SNP Específic os

25 Projetos Genoma Sequenciamento

26 Projetos Genoma Genômica Funcional

27 Projetos Genoma Genômica Funcional p p G E N E p p p Genômica Transcriptômica Proteômica Metabolômica ômicas Conhecer os genes que controlam a característica de interesse

28 Projetos Genoma Aplicação da genômica Gene conhecido Marcadores Moleculares Funcionais EST-SSRs COS e Específicos SNPs

29 Marcadores de DNA Funcional RFLP SSR SNP Específic os Aleatório RFLP RAPD AFLP SSR ISSR SNP... Melhoramento objetivo do uso do marcador molecular

30 Marcadores no Melhoramento Caracterizaç ão de Estudo de germoplasm evolução a Escolha método Teste de melhoramen cruzamentos to Seleção assistida Soluções específicas Fingerprintin g de Monitorame cultivares nto pureza Proteção genéticade variedades Análise de pedigree Clonagem de genes Filogenia Conhecimen to caráter Detecção estudadode OGMs Diagnose de doenças

31 Marcadores no Melhoramento w Fingerprint w Marcadores associados a genes ou característica de interesse G E N E

32 Fingerprint Indivíduo = seqüência característica de nucleotídeos Identificação das diferenças MM Padrão único = impressão digital genética Fingerprint Todo o Genoma

33 Fingerprint Mapa genético de ligação Refletem a ordem e a localização relativa de marcadores genéticos dentro de determinado intervalo do DNA

34

35 Fingerprint Fingerprint eficiente Escolher marcadores que amostrem bem o genoma da espécie - se possível espaçados a menos de 20cM

36 Marcadores no Melhoramento w Marcadores interesse associados a genes ou característica de G E N E Seleção indireta

37 Gene marcado Aleatório RFLP RAPD AFLP SSR ISSR SNP... Funcional RFLP SSR SNP Específic os G E N E Marcador com a sequência Marcador com o fenótipo

38 Gene marcado ex BAT 332 x Rudá F1 F2 Aleatório

39 Gene marcado ex Final OPAA07 OPAO12 OPC03 Rudá S Bat 332 R F1 R F2-1 R F2-2 R F2-3 R F2-4 R F2-5 R F2-6 R F2-7 S F2-8 R F2-9 R F2-11 S R F2-200 R Aleatório cm OPAO12 1,60 OPAA07 5,10 Resistência

40 Gene marcado- ex P1 P2 BR BS Resistentes OPAO12 Suscetíveis GENE OPAA07 1,60cM 5,10cM Aleatório

41 Característica/gene marcado w Característica qualitativa = controlada por um ou poucos genes. Marca o(s) gene(s) w Característica quantitativa = causada pela expressão de alelos em vários locos, com efeitos menores; característica controlada pela ação cumulativa de um conjunto de gene Marca o(s) QTL(s)

42 QTL w QTL (Quantitative Trait Loci) w São locos que controlam a característica quantitativa w Se baseia no princípio de existência de locos de maior importância relacionados com a expressão da característica quantitativa. w Mapeamento de QTL permite mensurar número de locos; localizar; determinar modo de ação; determinar o quanto da variação é explicada.

43 A QTL1 B2 QTL2 B1 QTL3

44 Marcadores no Melhoramento Mapa genético Marcadores ligados Desenvolvimento marcadores Protocolos...

45 Marcadores de DNA Funcional RFLP SSR SNP Específic os G E N E Aleatório RFLP RAPD AFLP SSR ISSR SNP...

46 Marcadores no Melhoramento Caracterizaç ão de Estudo de germoplasm evolução a Escolha método Teste de melhoramen cruzamentos to Seleção assistida Soluções específicas Fingerprintin g de Monitorame cultivares nto pureza Proteção genéticade variedades Análise de pedigree Clonagem de genes Filogenia Conhecimen to caráter Detecção estudadode OGMs Diagnose de doenças

47 Marcadores no Pré-melhoramento

48 Marcadores no Prémelhoramento Caracterizaç ão de Estudo de germoplasm evolução a w Pré-melhoramento Atividades realizadas visando conhecer o material genético antes de introduzi-lo em um programa de melhoramento w Diversidade w Como os genes são herdados w Como genes se relacionam...

49 Caracterização molecular de germoplasma Conservação de germoplasma Fingerp rint GENE Escolha de genitores

50 Caracterização molecular de germoplasma Avaliar redundância Conservação de germoplasma

51 Caracterização molecular de germoplasma Avaliar redundância Conservação de germoplasma Avaliar deficiências

52 Caracterização molecular de germoplasma Avaliar redundância Conservação de germoplasma Avaliar deficiências Avaliar coleta, manutenção e ampliação Problemas específicos Permitir e facilitar o acesso dos melhoristas

53 Caracterização molecular de germoplasma Seleção de Genitores Identificação de genes Dificuldade de identificação fenotípica Ausência do patógeno Distância entre genitores

54 Seleção de genitores Diversidade genética G = h2 p i/ L Máxima diversidade Material elite

55 Seleção de genitores Diversidade genética p Marcadores moleculares aumentam a habilidade de caracterizar a diversidade do germoplasma n Permite estimativa de ganho de seleção n Entendimento da estrutura da população n Contribui para identificar e manter reservatório de variabilidade genética

56 Seleção de genitores Melhoramento visando obtenção de Híbridos (milho) Auxílio na alocação das linhagens em grupos heteróticos (estimativa de capacidade de combinação x diversidade usando marcadores);

57 Distância Genética Genótipos C. congensis C. racemosa CIFC 4106 CIFC 2234 Típica da China Típica de Portugal M.Novo IAC M.Novo IAC M.Novo IAC M.Novo IAC M.Novo IAC Bourbon Catimor UFV 1310 Purpuracens UFV 4072 San Ramon UFV 3094 Caturra CIFC 19/1 Catuaí IAC 113 Catuaí IAC 99 Bourbon Amarelo Catuaí IAC 15 Catuaí IAC 44 Catuaí IAC 81 Catuaí IAC 30 Catuaí IAC 47 Catuaí IAC 86 Airi UFV 3095 Bourbon da China 1 Bourbon da China 2 Catimor UFV Mundindu UFV Catimor UFV H Cavimor UFV Cachimor UFV Catimor UFV 1359 Catimor UFV 2983 H 843 H C. canephora Triplóide

58 C. arabica C. canephora C. arabica C. canephora Híbridos de Timor

59 Marcadores no Prémelhoramento w Estudo da evolução das espécies do gênero Estudo de Evolução Cruzamento interespecífi co Germoplasma contém outras espécies do gênero = Genes não encontrados na espécie cultivada

60 Marcadores no Melhoramento

61 Marcadores no Melhoramento Estratégia de Teste de melhoramen cruzamentos to Seleção assistida Soluções específicas Melhoramento

62 Estratégia de Melhoramento Mapas permitem entender a base da correlação entre características. A B1 QT L1 QT L2 w B 2 QT L3 Ex: 5 QTLs responsáveis por 90% da característica; QTLs em GL distintos e em indivíduos distintos = seleção recorrente; w Ex: 2 QTL/genes controlam característica e estão localizados próximo em um indivíduo RC

63 Estratégia de Melhoramento Mapa = Localização dos genes Escolha estratégia de melhoramento Melhor estratégia de ação Planejamento métodos de seleção Tamanho ideal das populações

64 Teste de Cruzamento H M P H M P H M P H M P Teste de cruzamentos Autógama Alógama

65 Seleção Assistida por Marcadores - SAM w Se baseia na seleção indireta para presença ou ausência de um fenótipo desejado por meio da sequência ou padrão de bandas do marcador molecular localizado no ou próximo do gene. w O polimorfismo do marcador molecular é um indicativo da presença ou ausência de um gene específico ou segmento cromossomal que carrega um alelo desejável.

66 SAM Aumentar a eficiência de seleção wselecionar em estágio juvenil w Distinguir homozigotos de heterozigotos de vários locos em uma única geração sem a necessidade de teste de progênie; w Seleção de vários caracteres ao mesmo tempo w Reduzem o tamanho da população em cada geração w Minimizam esforços e recursos nas avaliações

67 SAM Justificativa de uso w Avaliação fenotípica é complexa, demanda tempo e/ou apresenta custo elevado; só pode ser mensurada tardiamente Morfologia de raiz Tolerância a salinidade Estresse hídrico w Seleção requer destruição da planta Deficiência e toxidez mineral

68 SAM Justificativa de uso w Introdução de resistência a doenças w Seleção na ausência do patógeno w Seleção na ausência da raça w Detectar combinações de genes - piramidação

69 SAM w Método dos retrocruzamentos w Quando se deseja introduzir uma ou poucas características em genótipo-elite; w Introdução de característica de herança simples ou oligogênica nos cultivares comerciais de plantas autógamas ou nas linhagens-elite de plantas alógamas (inclusive transgene); w Consiste em cruzar genitor doador com genitor recorrente, as progênies são selecionadas e cruzadas sequencialmente com o genitor recorrente, até recuperar o recorrente, mantendo a característica do doador. No final as plantas são autofecundadas uma ou duas vezes para fixar a característica.

70 Recorrente Geraç ãof 1 R C 1 R C 2 R C R 3 4 x Doad or. x x x x x

71 SAM w Método dos retrocruzamentos w Até 6 7 ciclos de retrocruzamento para recuperação do genitor recorrente + 2 autofecundação + multiplicação de sementes + VCU w Limitação = tempo gasto recorrente??? importância do genitor

72 SAM w Retrocruzamento assistido por marcadores Monitorar a presença do gene de interesse Recuperar o genitor recorrente Fingerp rint GENE

73 Recorrente aa x Doador AA GENE Geração F1 RC1 Aa x aa* : Aa aa x aa RC2 aa* : Aa x aa RC3 aa* : Aa 1 AA : 2 Aa* : 1aa*

74 Recorrente AA x Doador aa GENE Geração F1 RC1 Aa x AA *AA AA : Aa AA* 1AA*:2Aa*:1aa x AA RC2 Aa x AA RC3 AA : Aa ( )

75 Recorrente Geração (%Rec.) F1 50,0 RC1 75,0 RC2 87,5 RC3 93,75 RC4 96,875 x Doador Fingerp rint x x x x x

76 Porcentagem de Recuperação do Genitor Recorrente 14 Número de Indivíduos Porcentagem do Catuaí

77 Sem seleção Seleção (10%) 50 % Genoma do Doador 45 Seleção (2%) F1 RC 1 RC 2 RC3 RC4 Geração de Retrocruzamento RC 5

78 SAM w Retrocruzamento assistido por marcadores w Se gene não for marcado - seleção fenotípica e seleção do genoma recorrente com marcadores; w Mapa aumenta eficiência da seleção do recorrente; w Marcadores flanqueando o gene alvo podem reduzir a contribuição do genoma doador nessa região; A

79 SAM w Retrocruzamento assistido por marcadores Multilinha Piramidação Piramidação Transgene

80 Piramidação w Introgressão/acúmulo de vários genes (para uma mesma característica) em uma única variedade w Resistência (Pedersen e Leath 1988) w genes maiores e menores w genes anulados w genes efetivos (patógeno avirulento) ou não (patógeno virulento) w genes raça-específico ou raça-não-específico w qualquer outro gene que confere resistência ao patógeno

81 Piramidação Aumentar a durabilidade da resistência Baixa probabilidade de um patógeno conter todos os genes de virulência Muitos genes de virulência = redução da adaptação do patógeno

82 Piramidação Importância comprovada e proposta antiga (Nelson, 1978 ) Problema Trabalhoso = combinar vários genes e manter outras características Inoculações múltiplas na mesma planta Vários genes de resistência a mesmo patógeno = 1 gene mascara efeito dos demais

83 Piramidação Problema Marcadores Moleculares Trabalhoso = combinar vários genes e manter outras características Inoculações múltiplas na mesma planta Vários genes de resistência a mesmo patógeno = 1 gene mascara efeito dos demais

84 SAM w Seleção recorrente C2 C1 C0 Recombinação de progênies Obtenção de progênies Avaliação de progênies Monitoramento de QTLs Fingerprint das progênies superiores

85 Exemplo - Feijão Piramidação Feijoeiro comum (Rudá) Genes de resistência à ferrugem, antracnose e mancha-angular Rudá

86 Exemplo - Feijão Piramidação w Identificar as fontes de resistência e raças do patógeno de maior importância para a região w Estudar a herança das fontes w Identificar cada gene marcadores moleculares para w Obter as isolinhas com os genes de resistência w Cruzar as linhagens

87 Exemplo - Feijão Identificar as fontes de resistência w FERRUGEM Ouro Negro ANTRACNOSE w Ouro Negro w AB 136 w TO MANCHA ANGULAR w AND 277 w MAR 2 w México 54 w Cornell w Bat 332

88 Exemplo - Feijão Estudo da herança das fontes de resistência População Nº de plantas R S Rudá BAT 332 F1 F2 RCs RCr Proporção 2 esperada 0:1 1:0 1:0 3:1 1:1 1:0 Um gene dominante 0,322 0,258 P(%) 57,046 61,145

89 Exemplo - Feijão w AND 277 w MAR 2 w México 54 w Cornell w Bat 332 Um gene dominante w Ouro Negro w Ouro Negro w AB 136 w TO

90 Exemplo - Feijão Marcadores moleculares para cada gene P1 P2 BR BS 1 Resistentes OPAO Suscetíveis GENE OPAA07 1,60cM ,10cM

91 Exemplo - Feijão w AND 277 w MAR 2 w México 54 w Cornell w Bat 332 OPAO12 Um gene dominante MARCADO GENE OPAA07 1,60cM 5,10cM GENE OPH13 5,5cM

92 Exemplo - Feijão Obter as linhagens com os genes de resistência Método de Retrocruzamento w Rudá x AND 277 w Rudá x Ouro Negro w Rudá x TO w Rudá x AB 136 w Rudá x Bat 332

93 Recorrente Rudá Geração (%Rec.) F1 50,0 RC1 75,0 RC2 87,5 RC3 99% 93,75 RC4 99% 96,875 ANDNegro 277 x Ouro Doador Fingerp rint x GENE x x x x Rudá Phg-AND 277 Ur-ON

94 Exemplo - Feijão Obter as linhagens com os genes de resistência Método de Retrocruzamento w Rudá x AND 277 w Rudá x Ouro Negro w Rudá x TO w Rudá x AB 136 w Rudá x Bat 332 Rudá Phg-1 Rudá Ur-ON/Co-10 Rudá Co-4 Rudá Co-3 Rudá Phg-Bat 332

95 Exemplo - Feijão Cruzar as linhagens Rudá Ur-ON/Co-10 Rudá Co-6 x x Rudá Co-4 Rudá Phg-1 Rudá Ur-ON/Co-10, Co-4 x Rudá Co-6, Phg-1 Rudá Ur-ON/Co-10, Co-4, Co-6, Phg-1 SAM Rudá Ur-ON/Co-10, Co-4, Co-6, Phg-1

96 Exemplo - Feijão Rudá Ur-ON/Co-10, Co-4, Co-6, Phg-1 F4 contendo todos os marcadores Rudá Ur-ON/Co-10, Co-4, Co-6, Phg-1 F4:5 Teste de progênie Rudá Ur-ON/Co-10, Co-4, Co-6, Phg-1 Rudá Ur-ON/Co-10, Co-4, Co-6, Phg-1 Ensaio de campo Inoculação e outras características F4:5 homozigotas F4:6 F4:7

97 Exemplo - Feijão Rudá Ur-ON, Co-4, Co-6, Co-10, Phg-AND Rudá Ur-ON, Co-44, Co-5, Co-6, Co-10, Phg-AND Rudá Ur-ON, Ur-5, Ur-11 Rudá??? Pérola Talismã Diamante Negro (crestamento bacteriano e mosaico comum) Grão tipo vermelho

98 Exemplo - Milho Setor privado w SAM largamente utilizada: uso mais efetivo e direto retrocruzamento de transgene em linhagens elite, utilizadas para obtenção de híbridos Demanda de mercado NIL de transgênico e não transgênico de linhagens elite w Retrocruzamento selvagens também para genes/qtls de genótipos

99 Exemplo - Milho Setor privado w SAM para seleção recorrente u w Redução do tempo de 3 a 6 vezes resultado da seleção precoce, antes da floração e obtenção de 3 a 4 gerações por ano w Informações fenotípicas e de marcadores podem ser usado conjuntamente simultaneamente; em sequência; em diferentes etapas... w Antes da liberação da cultivar seleção fenotípica Desenvolvimento de metodologias mais rápidas e que demanda menos recurso financeiro e pessoal.

100 Exemplo - Eucalyptus x F1 F1 Progênie F2 com mais de 1000 indivíduos F2 SAM precoce Mapa + QTLs (propriedade de madeira) Grattapaglia, 2007 Seleção outras característica

101 Exemplo - Algodão x G. hirsutum G. barbadence Piramidação Retrocruzamento Qualidade de fibra Gh x F1 Gh x RC1 Mapa = RFLP, AFLP, SSR 80 QTLs (comprimento, RC2 RC2S1 Lacape et al., 2007 uniformidade, elasticidade, maciez, cor) 19 regiões ricas em QTLs

102 Exemplo - Algodão Piramidação Retrocruzamento RC4S RC4 SAM Gh x RC3 x G. hirsutum 10% Lacape et al., 2007 G. barbadence Gh x F1 Gh x RC1 Gh x RC2 SAM Qualidade de fibra RC2S1

103 Exemplo - Trigo n SAM = +50 genes de resistência a fungos, virus e insetos e genes relacionados a qualidade de pão, macarrão e massa em 75 parentais recorrentes n Uso de 4 laboratórios high-throughput genotyping n 80 projetos completos e 350 retrocruzamentos em andamento (duas gerações por ano) em julho de 2004 n Futuro: característica quantitativa (genômica = mapas saturados)

104 Exemplo - Trigo n Clonagem baseada em mapa do QTL GpcB1 (trigo selvagem) n Gpc-B1 acelera a maturidade e aumenta proteína, zinco e ferro do grão (10-15%) n Variedades de trigo apresentam cópia não funcional n SAM sendo usada para incorporar o gene em linhagens elite próximas de serem lançadas como variedades

105 Exemplo - Trigo n Clonagem do Yr36 (trigo selvagem) n Yr36 confere resistência parcial a ferrugem (stripe rust) n Yr36 apresenta arquitetura diferente ainda não encontrado em outro organismo n SAM sendo usada três variedades já estão comercialmente disponíveis

106 Marcadores no Pós-melhoramento

107 Marcadores no Pósmelhoramento Proteção de cultivares Monitorame nto pureza Fingerprintin genética g de cultivares Pós-melhoramento

108 Proteção de Cultivares w Registro Nacional de Cultivares Cadastro de informações precisas sobre as características das cultivares Assegurar a identidade genética e comportamento das cultivares

109 Proteção de Cultivares Identidade Genética Registrada Distinguibilidade Homogeneidade Estabilidade Diferenças claras de qualquer outra cultivar registrada na data do pedido

110 Proteção de Cultivares Descritores Estabelecido para a espécie Morfológica Fisiológica Identidade Genética Bioquímica Molecular Herdáveis

111 Proteção de Cultivares Limitações de descritores morfológicos e fisiológicos w Tempo para as avaliações w Subjetividade w Efeito do ambiente w Estreitamento da base genética das cultivares Morfologia planta adulta Marcadores Moleculares

112 Proteção de Cultivares Apesar de ainda não ser reconhecido como metodologia oficial, MM têm sido utilizados como descritores adicionais para caracterizar e identificar cultivares com fins de proteção de direitos.

113 Fingerprinting de Cultivares w Demanda Judicial pirataria de sementes w Necessidades: - Padronização dos procedimentos de genotipagem molecular; Eleger conjunto único de locos para a caracterização.

114 Monitoramento da Pureza Genética Mistura de sementes Material segregante remanescente Linhagens nos Híbridos

115 Marcadores Outras Aplicações

116 Outras Aplicações Análise de pedigree Clonagem de genes Filogenia Conhecimento caráter estudadode Detecção OGMs Diagnose de doenças

117 Outras Aplicações w Diagnose de doenças - Xylella fastidiosa M ) DNA X. fastidiosa Fundecitrus 2) X. fastidiosa Ervália 3) X. fastidiosa São Gotardo 4) X. fastidiosa Araguari 5) DNA cafeeiro sadio

118 Considerações q - Critérios a serem considerados na integração de marcadores moleculares no programa de melhoramento: Natureza genética da característica (quantitativa x qualitativa); Modo de ação gênica (aditiva, dominante, recessiva); Efeito do gene na expressão do fenótipo; Complexidade da avaliação fenotípica; Eficiência com que o marcador seleciona a característica; Relação custo/benefício; Disponibilidade de recursos técnico-finaceiros.

119 q Situações onde integrar marcadores moleculares é vantajosa: Necessidade de identificação de vários genes para uma mesma característica (ex. piramidação resistência); Quando o fenótipo só pode ser analisado tardiamente (principalmente espécies perenes); Quando é necessária a detecção de alelos recessivos; Necessidade de épocas ou regiões específicas para seleção (ex: tolerância a seca, resistência a doença...); Seleção de múltiplas características (convencional condução e diferentes ensaios, um para cada característica); Segurança biológica resistência a pragas e doenças que ainda não ocorrem na região ou país)

120 q q q Uso eficiente de marcadores conhecer bem as metodologias dos diferentes tipos de marcadores e o seu potencial; a cultura que está trabalhando e o programa de melhoramento; Seleção assistida por marcadores e seleção fenotípica tradicional não são estratégias excludentes - maior eficiência obtida mediante combinação das duas estratégias; A medida que os métodos de genotipagem e estatísticos vão sendo desenvolvido a tecnologia vai se tornando mais rápida e demandando menos recurso financeiro e pessoal - aumenta acesso para os mais variados programas de melhoramento.

121 a p lica d o s a o m e lh o r a m e n t o d e p la n t a s eveline.c a ix bra pa. br

Profa. Rosana Rodrigues (LMGV, P4, Sala 110)

Profa. Rosana Rodrigues (LMGV, P4, Sala 110) Resistência Genética a Doenças em Plantas Profa. Rosana Rodrigues (LMGV, P4, Sala 110) 1807 Prevost doenças: agente causal carvão do trigo - fungo Fins do séc. XIX Smith doenças - bactérias O que é DOENÇA?

Leia mais

1ª e 2ª LEI DE MENDEL Professor: Robson Fernando Missio http://people.ufpr.br/~rfmissio/robson.htm Objetivo: apresentara 1a e 2a Lei de Mendel

1ª e 2ª LEI DE MENDEL Professor: Robson Fernando Missio http://people.ufpr.br/~rfmissio/robson.htm Objetivo: apresentara 1a e 2a Lei de Mendel 1ª e 2ª LEI DE MENDEL Professor: Robson Fernando Missio http://people.ufpr.br/~rfmissio/robson.htm Objetivo: apresentara 1a e 2a Lei de Mendel Quadrado de Punnet Segregação fenotípica 3/4 Preto 1/4 marron

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

Seleção de caracteres quantitativos assistida por marcadores. João Bosco dos Santos Prof. Titular, Depto. Biologia, jbsantos@ufla.

Seleção de caracteres quantitativos assistida por marcadores. João Bosco dos Santos Prof. Titular, Depto. Biologia, jbsantos@ufla. Seleção de caracteres quantitativos assistida por marcadores João Bosco dos Santos Prof. Titular, Depto. Biologia, jbsantos@ufla.br SAM ou MAS (Marker-Assisted Selection) - uso do crescente volume de informação

Leia mais

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR HIBRIDAÇÃO

MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR HIBRIDAÇÃO MELHORAMENTO DE PLANTAS AUTÓGAMAS POR HIBRIDAÇÃO 7 INTRODUÇÃO Vimos no capítulo anterior a utilização da seleção no melhoramento de espécies autógamas. O requisito básico para utilizarmos essa técnica

Leia mais

Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho

Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) Ano 04 - Edição 26 - Agosto / Setembro de 2010 Artigo Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho por Sílvia Neto Jardim

Leia mais

Herança Quantitativa

Herança Quantitativa UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI CENTRO DE CIÊNCIAS AGRARIAS - CCA PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E MELHORAMENTO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GENÉTICA E MELHORAMENTO Herança Quantitativa MÁRIO HENRIQUE INTRODUÇÃO

Leia mais

Variabilidade genética. Variabilidade Genética. Variação genética e Evolução. Conceitos importantes

Variabilidade genética. Variabilidade Genética. Variação genética e Evolução. Conceitos importantes Variabilidade genética Conceitos importantes Variação genética: variantes alélicos originados por mutação e/ou recombinação Diversidade ou variabilidade genética: medida da quantidade de variabilidade

Leia mais

USO DE TECNOLOGIAS MOLECULARES

USO DE TECNOLOGIAS MOLECULARES USO DE TECNOLOGIAS MOLECULARES P= G+A VP = VG + VA Uso de marcadores no estudo de características quantitativas Características quantitativas Controladas por vários genes de pequeno efeito Sofrem maior

Leia mais

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs João Meidanis Scylla Bioinformática e UNICAMP III Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas Gramado, RS Maio 2005 MINI-CURSO - AGENDA 1. Primeiro Dia

Leia mais

HERANÇA MONOGÊNICA 1ª LEI DE MENDEL. Gregor Mendel : => Nasceu na Morávia, império Austro-húngaro. Gregor Mendel

HERANÇA MONOGÊNICA 1ª LEI DE MENDEL. Gregor Mendel : => Nasceu na Morávia, império Austro-húngaro. Gregor Mendel Genética Mendeliana: aquela determinada por um ou poucos genes, cuja epressão não é influenciada ou é pouco afetada pelo meio. HERANÇA MONOGÊNICA => Conceito de gene (mas não o termo) => foi proposto pela

Leia mais

Melhoramento de Café Robusta/Conilon

Melhoramento de Café Robusta/Conilon Melhoramento de Café Robusta/Conilon Maria Amélia Gava Ferrão Pesquisadora Embrapa Café/Incaper APRESENTAÇÃO Introdução Histórico Estratégias Melhoramento Brasil Principais Resultados Espécies Café Identificadas

Leia mais

Resumos do 56º Congresso Nacional de Botânica.

Resumos do 56º Congresso Nacional de Botânica. Genômica Florestal: Oportunidades e Desafios DARIO GRATTAPAGLIA - EMBRAPA RECURSOS GENÉTICOS E BIOTECNOLOGIA/UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA dario@cenargen.embrapa.br Introdução Plantações florestais

Leia mais

Lei da Segregação. Experimentos de Mendel

Lei da Segregação. Experimentos de Mendel Lei da Segregação Os trabalhos do monge Agostinho Gregor Mendel, realizados há mais de um século, estabeleceram os princípios básicos da herança, que, até hoje, são aplicados nos estudos da Genética. A

Leia mais

SSD - Single Seed Descent

SSD - Single Seed Descent SSD - Single Seed Descent Método dos descendentes de uma semente (SSD - Single Seed Descent) Proposta: reduzir o tempo requerido para se atingir uma alta proporção de locos em homozigose Como? Avanço das

Leia mais

GENÉTICA MENDELIANA ou GENÉTICA QUALITATIVA

GENÉTICA MENDELIANA ou GENÉTICA QUALITATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA DISCIPLINA DE GENÉTICA GENÉTICA MENDELIANA ou GENÉTICA QUALITATIVA Profa. Dra. Mônica Gusmão Engenheira Agrônoma Profa. Mônica Gusmão PERGUNTAS FUNDAMENTAIS DOS PADRÕES

Leia mais

Hereditariedade. Leis da hereditariedade GENÉTICA

Hereditariedade. Leis da hereditariedade GENÉTICA Hereditariedade Definição: É a transferência de informações sobre as características próprias de um ser vivo para outro, de geração para geração, por meio dos gametas ou por transferência direta deácidos

Leia mais

Resistência a múltiplas doenças: Plantas resistentes a quais doenças?? Resistência mal manejada: Vulnerabilidade genética das plantas

Resistência a múltiplas doenças: Plantas resistentes a quais doenças?? Resistência mal manejada: Vulnerabilidade genética das plantas Por quê estudar MELHORAMENTO DE PLANTAS VISANDO RESISTÊNCIA A DOENÇAS?? Má distribuição de alimentos Resistência a doenças maior oferta de alimentos População brasileira: Trigo resistente à ferrugem Arroz

Leia mais

RETROCRUZAMENTOS AUXILIADOS POR MARCADORES MOLECULARES PARA CONVERSÃO DE LINHAGENS NORMAIS EM MILHO DE ALTA QUALIDADE PROTÉICA (QPM)

RETROCRUZAMENTOS AUXILIADOS POR MARCADORES MOLECULARES PARA CONVERSÃO DE LINHAGENS NORMAIS EM MILHO DE ALTA QUALIDADE PROTÉICA (QPM) RETROCRUZAMENTOS AUXILIADOS POR MARCADORES MOLECULARES PARA CONVERSÃO DE LINHAGENS NORMAIS EM MILHO DE ALTA QUALIDADE PROTÉICA (QPM) DUARTE J.M., PACHECO C.A.P., CARNEIRO N.P., GUIMARÃES C.T., GUIMARÃES

Leia mais

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva PCR MARCADORES MOLECULARES Prof. Dr. José Luis da C. Silva Histórico da PCR Kornberg (1960) Isolou e caracterizou a DNA polimerase. O isolamento desta enzima possibilitou o desenvolvimento da síntese in

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 DIVERGÊNCIA GENÉTICA DE PROGÊNIES DE MEIOS-IRMÃOS DE AÇAIZEIRO COM BASE EM VALORES GENÉTICOS DE CARACTERES AGRONÔMICOS E DE CACHO DAVI HENRIQUE LIMA TEIXEIRA 1, MARIA DO SOCORRO PADILHA DE OLIVEIRA ; FLÁVIA

Leia mais

Perspectiva Histórica

Perspectiva Histórica Universidade Federal do Piauí Núcleo de Estudos em Genética e Melhoramento (GEM) CNPJ: 12.597.925/0001-40 Rua Dirce de Oliveira,3597- Socopo/Teresina-PI José Ribamar Genética Mendeliana Perspectiva Histórica

Leia mais

BIOLOGIA. Ano Lectivo 2013/2014. Aula 11

BIOLOGIA. Ano Lectivo 2013/2014. Aula 11 BIOLOGIA Ano Lectivo 2013/2014 Aula 11 Sumário (2 de Dezembro de 2013) Interpretação das primeiras experiências, descrição das segundas experiências e enunciados das leis de Mendel. Retrocruzamentos e

Leia mais

Apostila de Biologia 11 Leis de Mendel

Apostila de Biologia 11 Leis de Mendel Apostila de Biologia 11 Leis de Mendel Matheus Borges 1.0 Conceitos Básicos Herança biológica ou hereditariedade: características básicas da espécie que herdamos como também as características individuais.

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES EM GENÉTICA - PARTE I

DESENVOLVENDO HABILIDADES EM GENÉTICA - PARTE I DESENVOLVENDO HABILIDADES EM GENÉTICA - PARTE I Leia o texto abaixo com atenção. Considere que, nos pombos, a ausência de s é condicionada geneticamente. Nos cruzamentos que um criador realizava, ele observou

Leia mais

Introdução a genética de populações e a origem da variação genética. Aula 1

Introdução a genética de populações e a origem da variação genética. Aula 1 Introdução a genética de populações e a origem da variação genética Aula 1 O Escopo da Genética de populações! Genética mendeliana! A transmissão da informação da informação genética está sujeita as leis

Leia mais

Coleções Nucleares Temáticas de Arroz. Paulo Hideo Nakano Rangel Curador de Arroz do BAG Arroz e Feijão

Coleções Nucleares Temáticas de Arroz. Paulo Hideo Nakano Rangel Curador de Arroz do BAG Arroz e Feijão Coleções Nucleares Temáticas de Arroz Paulo Hideo Nakano Rangel Curador de Arroz do BAG Arroz e Feijão BANCOS DE GERMOPLASMA: A IDÉIA No início do século XX, Nikolai Vavilov chamou a atenção de pesquisadores

Leia mais

CONSANGUINIDADE EM ANIMAIS

CONSANGUINIDADE EM ANIMAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL CONSANGUINIDADE EM ANIMAIS 1. CONSANGUINIDADE A consangüinidade

Leia mais

Experimentação em Genética e Melhoramento

Experimentação em Genética e Melhoramento 04 Introdução Experimentação em Genética e Melhoramento Na natureza as espécies vegetais podem se reproduzir assexudamente ou sexuadamente. Pode-se ter as seguintes classificação: Assexuada; Sexuadas:

Leia mais

Padrões de Transmissão

Padrões de Transmissão Padrões de Transmissão Gênica Padrões de Transmissão Gênica DISCIPLINA: GENÉTICA BÁSICA PROFA. ZULMIRA LACAVA E LUZIRLANE BRAUN Heranças Monogênicas ou Mendelianas 1 1ª Lei de Mendel Modelo pressupôs que

Leia mais

Inovação Biotecnológica e Cultivares: Proteção e Apropriação No Agronegócio Elza Durham Rio de Janeiro, 20 de agosto de 2013

Inovação Biotecnológica e Cultivares: Proteção e Apropriação No Agronegócio Elza Durham Rio de Janeiro, 20 de agosto de 2013 Inovação Biotecnológica e Cultivares: Proteção e Apropriação No Agronegócio Elza Durham Rio de Janeiro, 20 de agosto de 2013 Tópicos - Agricultura e Biotecnologia - Proteção e Apropriação na Agroindústria

Leia mais

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA Analise a seguinte situação hipotética (1): Uma equipe de pesquisadores está realizando um inventário da biodiversidade de uma área tropical ainda inexplorada, porém já sofrendo grande impacto de fragmentação

Leia mais

Genômica. O que chamou mais atenção no filme?

Genômica. O que chamou mais atenção no filme? Genômica O que chamou mais atenção no filme? Tempo para sequenciamento do genoma Predição do fenótipo com base no genótipo Como este conhecimento pode ser usado para gerar novas tecnologias? Sequenciamento

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

A transgenia não é a única estratégia para a transformação genética de plantas

A transgenia não é a única estratégia para a transformação genética de plantas A transgenia não é a única estratégia para a transformação genética de plantas MARIA HELENA BODANESE ZANETTINI - DEPARTAMENTO DE GENÉTICA, INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, UFRGS maria.zanettini@ufrgs.br A base

Leia mais

Melhoramento de plantas

Melhoramento de plantas UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira Melhoramento de plantas Prof. Dr. João Antonio da Costa Andrade Departamento de Biologia e Zootecnia MELHORAMENTO

Leia mais

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas

Disciplinas. Dinâmica de Potássio no solo e sua utilização nas culturas Disciplinas Solos nos domínios morfoclimáticos do cerrado Ementa: Solos em ambientes de Cerrado. Sistema Brasileiro de Classificação do Solo. Caracterização morfológica das principais classes de solo inseridas

Leia mais

Genética Herança quantitativa

Genética Herança quantitativa Genética Herança quantitativa Aula Genética - 3º. Ano Ensino Médio - Biologia Prof a. Juliana Fabris Lima Garcia Herança quantitativa, herança poligênica ou herança multifatorial até agora estudamos casos

Leia mais

33º. Congr. Bras. De Pesquisa Cafeeira As novas cultivares do IAPAR

33º. Congr. Bras. De Pesquisa Cafeeira As novas cultivares do IAPAR 33º. Congr. Bras. De Pesquisa Cafeeira As novas cultivares do IAPAR Eng. Agr. TUMORU SERA, AD Gerente de projetos de Melhoramento de Café tsera@iapar.br 33º.CBPC Caxambu,23-26/10/2012 MELHORAMENTO DE CAFÉ

Leia mais

BASE GENÉTICA DA HETEROSE

BASE GENÉTICA DA HETEROSE BASE GENÉTICA DA HETEROSE Antonio Augusto Franco Garcia aafgarci@esalq.usp.br Departamento de Genética, Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" Universidade de São Paulo 5 o Congresso Brasileiro

Leia mais

Leis de Mendel. Genética Biologia III

Leis de Mendel. Genética Biologia III Leis de Mendel Genética Biologia III Mendel (1822-1884) Por que ervilhas? Variedades com características bem definidas, sem formas intermediárias; Fácil cultivo; Ciclo reprodutivo curto; Grande número

Leia mais

Biologia Avançada Jatropha curcas L.

Biologia Avançada Jatropha curcas L. 1 Pesquisadores: Hugo Bruno C. Molinari Betania F. Quirino Biologia Avançada Jatropha curcas L. Maior banco de informações moleculares em todo o mundo Gerar ferramentas para subsidiar programa de Melhoramento

Leia mais

Dionísio Brunetta Manoel Carlos Bassoi Pedro Luiz Scheeren Luís César V. Tavares Claudinei Andreoli Sérgio Roberto Dotto

Dionísio Brunetta Manoel Carlos Bassoi Pedro Luiz Scheeren Luís César V. Tavares Claudinei Andreoli Sérgio Roberto Dotto Desenvolvimento de linhagens e de cultivares de trigo de ciclo precoce e médio, das classes Pão e Melhorador, adaptadas à Região Centro-Sul Subtropical (Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul) Dionísio

Leia mais

Avanços no Melhoramento Genético de Espécies Florestais

Avanços no Melhoramento Genético de Espécies Florestais IV Workshop em Melhoramento Florestal IPEF Avanços no Melhoramento Genético de Espécies Florestais Edson Seizo Mori FCA / UNESP Campus de Botucatu Introdução e Histórico A cultura dos eucalyptus no Brasil

Leia mais

Mecanismos de Herança

Mecanismos de Herança Mecanismos de Herança Andréa Trevas Maciel Guerra Depto. De Genética Médica FCM - UNICAMP Mecanismo de Herança Conceitos básicos Herança Monogênica Herança mitocondrial Imprinting Autossomos (1 a 22) Autossomos

Leia mais

PJ 14/11 Rev. 1. 29 setembro 2011. Original: inglês. Comitê de Projetos 2. a reunião. Cooperação com a Rede Mundial de Genômica do Café (ICGN)

PJ 14/11 Rev. 1. 29 setembro 2011. Original: inglês. Comitê de Projetos 2. a reunião. Cooperação com a Rede Mundial de Genômica do Café (ICGN) PJ 14/11 Rev. 1 20 setembro 2011 Original: inglês P Comitê de Projetos 2. a reunião 29 setembro 2011 Londres, Reino Unido Cooperação com a Rede Mundial de Genômica do Café (ICGN) Antecedentes 1. Em novembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII REQUISITOS MÍNIMOS PARA DETERMINAÇÃO DO VALOR DE CULTIVO

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

Construção de Bibliotecas de cdna

Construção de Bibliotecas de cdna Construção de Bibliotecas de cdna Claudia Teixeira Guimarães Antônio A.C. Purcino Eliane A. Gomes Jurandir V. Magalhães Newton P. Carneiro Elto E.G. Gama Robert E. Schaffert Sidney N. Parentoni Vera M.C.

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA DO FEIJÃO GM DA EMBRAPA

AUDIÊNCIA PÚBLICA DO FEIJÃO GM DA EMBRAPA AUDIÊNCIA PÚBLICA DO FEIJÃO GM DA EMBRAPA Vamos destacar nessa apresentação a questão da reprodução do feijão, já que é uma espécie Neotropical (México, América Central), onde a maioria absoluta das espécies

Leia mais

Melhoramento Genético

Melhoramento Genético Melhoramento Genético Cibele Lima Douglas de Alencar Matheus Paiva Silva Pablo Medeiros Pedro Vierira César Rogério Ayres Alves O melhoramento genetico é uma ciência utilizada para a obtenção de indivíduos

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas FAEM - DZ Curso de Zootecnia Genética Aplicada à Produção Animal

Universidade Federal de Pelotas FAEM - DZ Curso de Zootecnia Genética Aplicada à Produção Animal Universidade Federal de Pelotas FAEM - DZ Curso de Zootecnia Genética Aplicada à Produção Animal Genética clássica: mono, di e polihibridismo, alelismo múltiplo. A PRIMEIRA LEI DE MENDEL OU PRINCÍPIO DA

Leia mais

Mutação e Engenharia Genética

Mutação e Engenharia Genética Mutação e Engenharia Genética Aula Genética - 3º. Ano Ensino Médio - Biologia Prof a. Juliana Fabris Lima Garcia Mutações erros não programados que ocorrem durante o processo de autoduplicação do DNA e

Leia mais

Papel do Monitoramento no Manejo de Resistência (MRI)

Papel do Monitoramento no Manejo de Resistência (MRI) Papel do Monitoramento no Manejo de Resistência (MRI) Samuel Martinelli Monsanto do Brasil Ltda 1 I WORKSHOP DE MILHO TRANSGÊNICO 07-09 DE MARÇO DE 2012 SETE LAGORAS,MG Conceito de resistência Interpretação

Leia mais

POLIMORFISMO DA TÉCNICA TARGET REGION AMPLIFICATION POLYMORPHISM (TRAP) PARA ESTUDOS MOLECULARES EM MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz)

POLIMORFISMO DA TÉCNICA TARGET REGION AMPLIFICATION POLYMORPHISM (TRAP) PARA ESTUDOS MOLECULARES EM MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) POLIMORFISMO DA TÉCNICA TARGET REGION AMPLIFICATION POLYMORPHISM (TRAP) PARA ESTUDOS MOLECULARES EM MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) Catia Dias do Carmo 1, Dalma Brito Santos 2, Vandeson Rodrigues de

Leia mais

1ª e 2ª Lei de Mendel

1ª e 2ª Lei de Mendel Conceitos Básicos 1ª e 2ª Lei de Mendel A Genética estuda os processos de hereditariedade, que explicam como as características podem ser transmitidas para os descendentes. Explicação teórica: cada característica

Leia mais

Origem da variação. Conceitos importantes. Diversidade Genética. Variação genética

Origem da variação. Conceitos importantes. Diversidade Genética. Variação genética Variação genética Origem da variação Professor Fabrício R Santos fsantos@icb.ufmg.br Departamento de Biologia Geral, UFMG 2012 Variação fenotípica hereditária Variação fenotípica causada pelo ambiente

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II TEXTO COMPLEMENTAR 09 / 2015 PÁGINA 1 DE 8

COLÉGIO PEDRO II TEXTO COMPLEMENTAR 09 / 2015 PÁGINA 1 DE 8 HISTÓRICO COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS COORD.: PROFa. CRISTIANA LIMONGI 1º & 2º TURNOS 3ª SÉRIE/ENSINO MÉDIO REGULAR & INTEGRADO ANO LETIVO 2015 PROFESSORES: FRED

Leia mais

Análise de expressão gênica

Análise de expressão gênica Universidade Federal do Espírito Santo Laboratório de Biotecnologia Aplicado ao Agronegócio Análise de expressão gênica Fernanda Bravim EXPRESSÃO GÊNICA Processo pelo qual a informação contida em um gene

Leia mais

13.01. Os casos onde dois ou mais genes influenciam uma só característica são denominados de Interações Genéticas. RREE, RrEE, RrEe, RREe

13.01. Os casos onde dois ou mais genes influenciam uma só característica são denominados de Interações Genéticas. RREE, RrEE, RrEe, RREe BIO 5E aula 13 13.01. Os casos onde dois ou mais genes influenciam uma só característica são denominados de Interações Genéticas. 13.02. FENÓTIPOS Rosa Ervilha Noz Simples GENÓTIPOS RRee, Rree rree, rree

Leia mais

Genética III: Genética Humana

Genética III: Genética Humana Genética III: Genética Humana 1. Genética Humana As árvores genealógicas são usadas para mostrar a herança de doenças genéticas humanas. Uma árvore genealógica na qual é possível rastrear o padrão de herança

Leia mais

Genética Humana. Faculdade Anísio Teixeira. Prof João Ronaldo Neto

Genética Humana. Faculdade Anísio Teixeira. Prof João Ronaldo Neto Genética Humana Faculdade Anísio Teixeira Prof João Ronaldo Neto Jan/2012 Princípios Básicos da Herança Jan/2012 Mendelismo 1ª Lei de Mendel É a Lei da Segregação dos fatores onde os fatores que condicionam

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

DOMESTICAÇÃO DE ESPÉCIES CULTIVADAS. Prof. Olayr Modesto Jr.

DOMESTICAÇÃO DE ESPÉCIES CULTIVADAS. Prof. Olayr Modesto Jr. DOMESTICAÇÃO DE ESPÉCIES CULTIVADAS Prof. Olayr Modesto Jr. INTRODUÇÃO A domesticação é um processo evolucionário conduzido pelo homem visando adaptar plantas e animais às necessidades humanas. Plantas

Leia mais

Utilização de Marcadores Moleculares em Programas de Ampliação da Base Genética de Espécies Cultivadas

Utilização de Marcadores Moleculares em Programas de Ampliação da Base Genética de Espécies Cultivadas Utilização de Marcadores Moleculares em Programas de Ampliação da Base Genética de Espécies Cultivadas República Federativa do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva Presidente Ministério da Agricultura e do

Leia mais

Evolução Biológica e Algoritmos Genéticos. Fábio Lima Custódio flc@lncc.br

Evolução Biológica e Algoritmos Genéticos. Fábio Lima Custódio flc@lncc.br Evolução Biológica e Algoritmos Genéticos Fábio Lima Custódio flc@lncc.br Sumário Conceitos gerais O que é evolução? Forças Evolutivas Mutação Deriva Gênica Fluxo gênico Seleção Natural A teoria evolutiva

Leia mais

BIOTECNOLOGIAS EMPREGADAS NA MEDICINA VETERINÁRIA. Biotecnologia

BIOTECNOLOGIAS EMPREGADAS NA MEDICINA VETERINÁRIA. Biotecnologia BIOTECNOLOGIAS EMPREGADAS NA MEDICINA VETERINÁRIA Biotecnologia O que é isso??? É qualquer técnica que utilize organismos vivos ou suas partes, para fazer ou modificar produtos, melhorar plantas ou animais

Leia mais

Matéria: biologia Assunto: hereditariedade e diversidade da vida Prof. enrico blota

Matéria: biologia Assunto: hereditariedade e diversidade da vida Prof. enrico blota Matéria: biologia Assunto: hereditariedade e diversidade da vida Prof. enrico blota Biologia Princípios Básicos de Genética A genética é a parte da biologia que trata do estudo dos genes e de suas manifestações,

Leia mais

Sequenciamento de DNA

Sequenciamento de DNA Sequenciamento de DNA Figure 8-50a Molecular Biology of the Cell ( Garland Science 2008) Método de Sanger Reação de síntese de DNA por uma DNA polimerase A incorporação de um dideoxinucleotídeo interrompe

Leia mais

A Genética Mendeliana

A Genética Mendeliana MATERIAL DE APOIO A Genética Mendeliana O conceito de um fator hereditário como determinante das características de um indivíduo foi introduzido primeiramente por Gregor Mendel em 1865, embora ele não

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA GENÉTICA

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA GENÉTICA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA GENÉTICA PROFESSORA: SANDRA BIANCHI ASSUNTOS ESTUDADOS NA GENÉTICA ESTUDO DOS GENES E DA HEREDITARIEDADE A GENÉTICA E A MATEMÁTICA ESTUDANDO PROBABILIDADE FÓRMULA GERAL: P(A) =

Leia mais

Seleção Artificial. "A seleção feita pelo homem visa apenas seu próprio bem; a da natureza visa, de forma exclusiva, o bem do indivíduo modificado".

Seleção Artificial. A seleção feita pelo homem visa apenas seu próprio bem; a da natureza visa, de forma exclusiva, o bem do indivíduo modificado. Biotecnologia Seleção Artificial Processo conduzido pelo ser humano de cruzamentos seletivos com o objetivo de selecionar características desejáveis em animais, plantas e outros seres vivos. "A seleção

Leia mais

Roteiro de aula prática 3º ano Prática 3 Primeira Lei de Mendel

Roteiro de aula prática 3º ano Prática 3 Primeira Lei de Mendel Roteiro de aula prática 3º ano Prática 3 Primeira Lei de Mendel Pergunta: Nós herdamos características dos nossos pais? Como isso acontece? Objetivos: Ensinar sobre as leis de transmissão de características

Leia mais

PLANO DE AULA Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert

PLANO DE AULA Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert PLANO DE AULA Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nível de Ensino: Ensino Médio Ano/Série: 3º ano Disciplina: Biologia Quantidade de aulas: 2 2. TEMA

Leia mais

O primeiro a realizar trabalhos rigorosos nesta área foi Gregor Mendel, baseando-se na análise estatística de resultados experimentais obtidos em

O primeiro a realizar trabalhos rigorosos nesta área foi Gregor Mendel, baseando-se na análise estatística de resultados experimentais obtidos em O primeiro a realizar trabalhos rigorosos nesta área foi Gregor Mendel, baseando-se na análise estatística de resultados experimentais obtidos em cruzamentos realizados com a ervilheira (Pisum sativum).

Leia mais

MUTAÇÃO. O que é mutação? - Alteração no material genético.

MUTAÇÃO. O que é mutação? - Alteração no material genético. Universidade Federal do Piauí Núcleo de Estudos em Genética e Melhoramento (GEM) CNPJ: 12.597.925/0001-40 Rua Dirce de Oliveira,3597- Socopo/Teresina-PI Mutação MARIANE DE MORAES COSTA Teresina, 01 de

Leia mais

A probabilidade de nascer uma menina afetada do cruzamento de 3 com 11 é: a) 0,00 b) 0,25 c) 0,50 d) 0,75 e) 1,00

A probabilidade de nascer uma menina afetada do cruzamento de 3 com 11 é: a) 0,00 b) 0,25 c) 0,50 d) 0,75 e) 1,00 Genética e Evolução 1. A mosca drosófila, de olho branco, apresenta a constituição genética X W Y e não possui gene para olho vermelho, que impede a manifestação do outro gene, para olho branco. Na frase,

Leia mais

Curso: Veterinária 2 Semestre Campus Palotina. Professor. Dr. Robson Fernando Missio rfmissio@yahoo.com.br

Curso: Veterinária 2 Semestre Campus Palotina. Professor. Dr. Robson Fernando Missio rfmissio@yahoo.com.br Curso: Veterinária 2 Semestre Campus Palotina Professor Dr. Robson Fernando Missio rfmissio@yahoo.com.br Alelo formas alternativas de um gene; Os genes podem existir em diferentes versões chamadas alelos

Leia mais

Sequenciamento de genomas

Sequenciamento de genomas Sequenciamento de genomas 1 o genoma completo vírus OX174 5.000 nt (Sanger et al. 1977) em 1977 1000 pb sequenciados por ano neste ritmo genoma E. coli K-12 4.6-Mbp levaria mais de 1000 anos para ser completo

Leia mais

Biotecnologia: principais me todos moleculares

Biotecnologia: principais me todos moleculares Biotecnologia: principais me todos moleculares Raphael Bessa Parmigiani, PhD Centro de Oncologia Molecular Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa Curso de Introdução à Biologia Molecular Goiânia,

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa - UFV Departamento de Biologia Geral

Universidade Federal de Viçosa - UFV Departamento de Biologia Geral Universidade Federal de Viçosa - UFV Departamento de Biologia Geral Genética de Populações Genética Básica - Bio 240 Profa. Karla Yotoko Capítulo 1 Introdução à Genética de Populações Equilíbrio de Hardy-Weinberg

Leia mais

MUNDO. -CIAT existe mais de 38 mil genótipos de. Phaseolus vulgaris L.; -Outras coleções: EUA, México e Inglaterra. - Elevado número de cultivares;

MUNDO. -CIAT existe mais de 38 mil genótipos de. Phaseolus vulgaris L.; -Outras coleções: EUA, México e Inglaterra. - Elevado número de cultivares; 6 CULTIVARES MUNDO - Elevado número de cultivares; -CIAT existe mais de 38 mil genótipos de Phaseolus vulgaris L.; -Outras coleções: EUA, México e Inglaterra BRASIL - Mantidas coleções de linhagens e cultivares

Leia mais

DOMESTICAÇÃO DAS PLANTAS CULTIVADAS

DOMESTICAÇÃO DAS PLANTAS CULTIVADAS DOMESTICAÇÃO DAS 2 PLANTAS CULTIVADAS INTRODUÇÃO A domesticação é um processo evolucionário conduzido pelo homem visando adaptar plantas e animais às necessidades humanas. Plantas domesticadas são geneticamente

Leia mais

Modelos BioMatemáticos

Modelos BioMatemáticos Modelos BioMatemáticos http://correio.fc.ul.pt/~mcg/aulas/biopop/ Pedro J.N. Silva Sala 4.1.16 Departamento de Biologia Vegetal Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Pedro.Silva@fc.ul.pt Genética

Leia mais

Genética I: Mendel, Mitose e Meiose

Genética I: Mendel, Mitose e Meiose Página 1 de 6 Genética I: Mendel, Mitose e Meiose Uma forma de estudar a função biológica é pegar um organismo/célula e dividi-lo em componentes, como as proteínas, e então estudar os componentes individuais.

Leia mais

DNA r ecomb m i b n i a n nt n e

DNA r ecomb m i b n i a n nt n e Tecnologia do DNA recombinante DNA recombinante molécula de DNA contendo sequências derivadas de mais de uma fonte. As primeiras moléculas de DNA recombinante 1972 Paul Berg : vírus SV40 + plasmídeo 1973:

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO GENÉTICA. Reprodução, Acasalamento, Manutenção e Algumas considerações...

CLASSIFICAÇÃO GENÉTICA. Reprodução, Acasalamento, Manutenção e Algumas considerações... CLASSIFICAÇÃO GENÉTICA Reprodução, Acasalamento, Manutenção e Algumas considerações... Classificação Genética Heterogênicos = outbred Isogênicos = Inbred Acasalamento Aleatório Não-Consangüíneos Acasalamento

Leia mais

INTERAÇÃO GÊNICA EPISTASIA POLIGENIA OU HERANÇA QUANTITATIVA. PM/Bombeiro - PR. Oromar Ciências Humanas Parte 03. Foto das cristas de galinhas

INTERAÇÃO GÊNICA EPISTASIA POLIGENIA OU HERANÇA QUANTITATIVA. PM/Bombeiro - PR. Oromar Ciências Humanas Parte 03. Foto das cristas de galinhas INTERAÇÃO GÊNICA Ocorre quando dois ou mais pares de genes, situados em cromossomos homólogos diferentes, interagem entre si para determinar uma mesma característica. FENÓTIPOS Crista ervilha Crista rosa

Leia mais

Primeira Lei de Mendel. Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/

Primeira Lei de Mendel. Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ 0 Primeira Lei de Mendel Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ Primeira Lei de Mendel Mendel demonstrou que a herança não é obra do acaso e sim determinada por

Leia mais

STATUS HÍDRICO DE PROGÊNIES DE CAFÉ COMO INDICADOR DE TOLERÂNCIA À SECA

STATUS HÍDRICO DE PROGÊNIES DE CAFÉ COMO INDICADOR DE TOLERÂNCIA À SECA STATUS HÍDRICO DE PROGÊNIES DE CAFÉ COMO INDICADOR DE TOLERÂNCIA Dalyse Toledo Castanheira Danielle Pereira Baliza Tiago Teruel Rezende Samuel Pereira Carvalho Rubens José Guimarães Helbert Rezende Oliveira

Leia mais

Análise da Prova - Perito Criminal Federal (Biomédico/Biólogo)

Análise da Prova - Perito Criminal Federal (Biomédico/Biólogo) Questão Tema(s) predominante(s) Itens do Edital 51 Diferenças entre as metodologias de RFLP e PCR 5.4.2 Regiões repetitivas e polimorfismos. 6.2 Técnica de PCR. 6.3 Técnicas de identificação usando o DNA.

Leia mais

BIOLOGIA GENÉTICA PROF ESTEVAM

BIOLOGIA GENÉTICA PROF ESTEVAM BIOLOGIA GENÉTICA PROF ESTEVAM 1) (FUVEST) Dois genes alelos atuam na determinação da cor das sementes de uma planta: A, dominante, determina a cor púrpura e a, recessivo, determina cor amarela. A tabela

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS ! Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Departamento de Patologia Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami Prof. Dr. Lucas Brandão BIOLOGIA MOLECULAR APLICADA AO ESTUDO DE DOENÇAS

Leia mais

GENÉTICA MENDELIANA. Msc. Carlos Figueirêdo

GENÉTICA MENDELIANA. Msc. Carlos Figueirêdo GENÉTICA MENDELIANA Msc. Carlos Figueirêdo MENDELISMO 1. Termos e expressões 2. Mendel 3. Experimentos de Mendel 4. Primeira lei de Mendel 5. Segunda lei de Mendel Termos e expressões Característica:

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos Rio de Janeiro, 21-25 setembro de 2009 Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ Construções Mais Comuns

Leia mais

De acordo com a segunda lei de Mendel, assinale o que for correto, no que ser refere ao cálculo referente aos tipos de gametas formados por um

De acordo com a segunda lei de Mendel, assinale o que for correto, no que ser refere ao cálculo referente aos tipos de gametas formados por um De acordo com a segunda lei de Mendel, assinale o que for correto, no que ser refere ao cálculo referente aos tipos de gametas formados por um indivíduo. 01) Considerando-se um indivíduo AaBbcc pode-se

Leia mais

Os estudos de Mendel

Os estudos de Mendel Os estudos de Mendel Além de estudar isoladamente diversas características fenotípicas da ervilha, Mendel estudou também a transmissão combinada de duas ou mais características. Em um de seus experimentos,

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel Programa de Pós-Graduação em Agronomia CENTRO DE GENOMICA E FITOMELHORAMENTO

Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel Programa de Pós-Graduação em Agronomia CENTRO DE GENOMICA E FITOMELHORAMENTO Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel Programa de Pós-Graduação em Agronomia CENTRO DE GENOMICA E FITOMELHORAMENTO Introdução à Bioinformática Professores: Luciano Maia Antonio

Leia mais

LEIS BÁSICAS DA HEREDITARIEDADE E EXTENSÕES DAS LEIS DE MENDEL

LEIS BÁSICAS DA HEREDITARIEDADE E EXTENSÕES DAS LEIS DE MENDEL LEIS BÁSICAS DA HEREDITARIEDADE E EXTENSÕES DAS LEIS DE MENDEL Aula 2 META Explicitar os princípios básicos da hereditariedade propostos por Mendel e as variações de mecanismos de herança. OBJETIVOS Ao

Leia mais

GENÉTICA MENDELIANA. Professora Mariana Peixoto

GENÉTICA MENDELIANA. Professora Mariana Peixoto GENÉTICA MENDELIANA Professora Mariana Peixoto MENDELISMO 1. Termos e expressões 2. Mendel 3. Experimentos de Mendel 4. Primeira lei de Mendel 5. Segunda lei de Mendel 1. Termos e expressões Característica:

Leia mais