Amplificação cruzada de primers SSR para a espécie Cichla kelberi (Tucunaré amarelo) do reservatório Serra da Mesa Goiás

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Amplificação cruzada de primers SSR para a espécie Cichla kelberi (Tucunaré amarelo) do reservatório Serra da Mesa Goiás"

Transcrição

1 Amplificação cruzada de primers SSR para a espécie Cichla kelberi (Tucunaré amarelo) do reservatório Serra da Mesa Goiás Introdução 1 Ramilla dos Santos Braga (UEG) Thaís Guimarães de Castro (UFG) Mariana Pires de Campos Telles (UFG) Samantha Salomão Caramori (UEG) A evolução da biotecnologia possibilitou o avanço de várias técnicas na área da Genética, pois facilitou os estudos ainda escassos de espécies importantes da nossa fauna e flora (Ferreira & Gratapalia, 1998). Dentre estas técnicas existem os marcadores moleculares que são ferramentas eficazes no conhecimento do genoma das espécies, permitindo várias pesquisas que funcionam como mecanismos de ações que auxiliam no conhecimento genético dos espécimes e consequentemente em planos de conservação da espécie (Artoni & Matiello, 2003). Dentre os maçadores genéticos podemos destacar os microssatélites, também conhecidos como SSR (Simple Sequence Repeat), que são regiões genômicas caracterizadas por repetições de bases organizadas em tandem e em motivos de di, tri ou tetranucleotídeos (Ferreira & Gratapalia, 1998). Este tipo de marcador molecular é bastante usado em estudos genéticos, pois é capaz de identificar diferenças nas regiões homológas entre as espécies, ou seja, nos fornece informações acerca da diversidade gênica dos indivíduos de determinada população. São definidos por corresponderem às regiões altamente repetitivas, com expressão codominante, multialelismo, além de serem abundantes e reproduzíveis. Também apresentam a vantagem de transferibilidade em outros genomas, podendo ser encontrados tantos em regiões de transcrição e neutras do DNA e serem baseados na técnica de PCR (polymerase chain reaction), técnica marcada pela facilidade de reprodução e confiabilidade dos dados (Gasic et al., 2009; Matioli & Passos-Bueno, 2001). Limitações como, o grande investimento financeiro e profissional estão envolvidas na aplicabilidade e desenvolvimento dos marcadores SSR específicos para cada espécie (Ferreira & Grattapalgia, 1998). Felizmente, os microssatélites são regiões nucleotídicas conservadas em genomas de espécies relacionadas evolutivamente o que possibilita a transferibilidade de marcadores SSR entre espécies ou em nível superior, como no caso de gêneros diferentes, mas da mesma família (Caixeta, 2006). O processo de transferibilidade é baseado na similaridade genética das espécies, considerando a homologia das regiões flanqueadoras das sequências de microssatélites (Oliveira et. al, 2006). Neste contexto o grupo biológico mais representativo dos vertebrados, a ictiofauna é bastante estudada geneticamente, pois através do processo de transferibilidade muitos gastos são reduzidos e ao mesmo tempo possibilita a compreensão da estruturação gência de populações próximas evolutivamente. A abundância de espécies neotropicais de habitat dulcícola favorece a existência de

2 trabalhos que busquem amenizar diversos impactos causados a estas que são constantemente ameaçadas por exploração inadequada do ecossistema em que são inseridas (Agostinho, 2007) e a construção de reservatórios desponta neste aspecto por constituir-se um bloqueio físico ás atividades biológicas desenvolvidas pelas espécies existentes no ambiente aquático ou que dele dependem (Agostinho, 2007; Luiz et al., 2003). No lago Serra da Mesa pode ser encontrada a espécie de tucunaré, Cichla kelberi (Kullander & Ferreira, 2006), conhecido pela sua cor amarelo, podendo ser empregado em várias utilidades pesqueiras. Este peixe exibe comportamento sedentário que estimula o desenvolvimento de populações distintas ecologicamente e geneticamente ao longo do reservatório (Oliveira et al., 2008). Dessa maneira o objetivo deste trabalho é testar a amplificação cruzada de locos microssatélites desenvolvidos para várias espécies da ictiofauna no genoma de Cichla keberi, encontrada no lago artificial Serra da Mesa. Objetivo geral Testar a amplificação cruzada de locos microssatélites desenvolvidos para várias espécies da ictiofauna no genoma de Cichla keberi, encontrada no lago artificial Serra da Mesa. Objetivos específicos Identificar locos heterólogos que possam ser usados em estudos genéticopopulacionais da espécie Cichla kelberi; Analisar se há amplificação cruzada de locos heterólogos de espécies de peixes de ordens diferentes da espécie em estudo; Caracterizar os locos que foram transferidos para espécie Cichla kelberi, verificando a presença ou não de polimorfismo; Fornecer informações acerca da genética da espécie Cichla kelberi, associando a fatores ecológicos. Material e métodos As coletas foram realizadas no período de no reservatório Serra da Mesa, totalizando três coletas. A coleta dos indivíduos foi feita em seis pontos amostrais localizados próximos à jusante dos seguintes afluentes: Rio Bagagem, rio Maranhão, Rio Tocantizinho e Rio Traíras, em que foram armadas redes de espera de diferentes malhas, 2.4, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 10, 12 e 16 cm, permanecendo 24 horas em cada ponto. Para aumentar o número de indivíduos capturados foi utilizada a metodologia de pesca comum (com vara e isca artificial). A extração de DNA dos indivíduos coletados seguiu o protocolo descrito por Taggart et al., (1992), com as etapas de maceração do tecido usando STE e precipitção do DNA com cloreto de sódio e etanol. Logo após a etapa de extração de DNA houve a quantificação das amostras em gel de agarose 1% com o uso do marcador molecular Low DNA Mass Ladder (Invitrogen ), corado com brometo de etídeo (Lima et al., 2008), para posteriormente 2

3 realizar a diluição das amostras para prosseguir com as outras etapas. A reação de PCR das amostras procedeu num termociclador em que consistiu-se das seguintes fases: desnaturação, anelamento e extensão das moléculas de DNA com temperatura inicial de 94 C a 5, 30 ciclos de 94 C a 1, X C a 1, 72 C a 1 e 72 C a 7. Para o processo de amplificação cruzada 26 locos desenhados para as espécies Cichla piquiti, Prochilodus argenteus, Piaractus mesopotamicus foram testados no genoma de Cichla kelberi. Os produtos de amplificação foram visualizados em eletorforese vertical em poliacrilamida 6% e corado com nitrato de prata e uso do marcador molecular 10 bp. Para as análises da heterozigosidade esperada e observada, probabilidade de exclusão de paternidade (Q), definida como a exclusão de uma falsa paternidade, a probabilidade de identidade genética (I), que avalia se os genótipos de dois indivíduos escolhidos aleatoriamente são idênticos foi utilizado o programa Identity 1.0 (Wagner & Sefc, 1999). Resultados e Discussão As temperaturas de anelamento dos 26 locos avaliados variaram entre 44 e 62º C. Até o momento, quatro apresentaram sucesso de amplificação cruzada para Cichla kelberi, e foram padronizados com as temperaturas de anelamento 54º C (Tuc 4, Tuc 16) e 56º C (Tuc 11 e Tuc 10). Os outros locos não apresentaram amplificação cruzada, portanto não foram analisados em todos os indivíduos da população coletados. Considerando os três indivíduos do teste inicial, os alelos obtidos apresentaram os seguintes tamanhos: 195 pb (Tuc 4), 185 pb (Tuc 10), 168 pb (Tuc 11) e 212/220 pb (Tuc 16). Para verificar se houve realmente transferibilidade genética, os locos amplificados nos testes foram analisados na população com 21 indivíduos, coletados em pontos aleatórios do reservatório Serra da Mesa. Os locos Tuc 4, Tuc 11 e Tuc 10 foram monomórficos e apenas o Tuc 16 teve polimorfismo na população. A variação de alelos por loco foi baixa, pois apenas no loco Tuc 16 foram encontrados dois alelos. A heterozigosidade esperada (He) e heterozigosidade observada (Ho) foram de zero para os locos Tuc 4, Tuc 10, Tuc 11 devido estes locos serem monomórficos. O conjunto de locos não oferece informações acerca da diversidade genética das populações, pois os locos Tuc 4, Tuc 10 e Tuc 11 podem enviesar os resultados, mascarando regiões variáveis do genoma (Lima et al., 2008). A He e Ho foram de 0,42 e 0,38, respectivamente, para o Tuc 16. Assim, este loco está próximo do Equilíbrio de Hardy-Weinberg, indicando que as freqüências alélicas e genotípicas para este loco são estáveis para os indivíduos testados. Os baixos níveis de heterozigosidade observada provavelmente têm relação com o efeito fundador, processo ecológico e genético, causado pela formação recente do reservatório Serra da Mesa. Este efeito pode ter sido ocasionado quando o represamento iniciou-se, em que as espécies de tucunaré, tanto Cichla kelberi e Cichla piquiti, eram encontradas no baixo Rio Tocantins (Lima & Souza, 2010), o qual é um dos integrantes do reservatório. Em resumo, este processo recruta poucos indivíduos para formar uma nova população, levando a fixação de alguns alelos nesta e consequentemente, a baixa variabilidade genética, provocada pela endogamia, resultante do efeito fundador (Aho, et al., 2006; Freitas & Galetti Jr, 2005). Ao contrário do que ocorreu no trabalho de Carvalho et al.(2009), em que a amplificação cruzada de regiões genômicas de Cichla piquiti para Cichla kelberi apresentou-se bastante satisfatória, neste trabalho o sucesso da transferibilidade é 3

4 inferior a 50%. Este fato é bastante interessante pela questão que as espécies de tucunaré que compõem o lago Serra da Mesa são do mesmo gênero e mesma família. Assim, era esperado que a maioria dos locos testados fosse transferida para o genoma de Cichla kelberi, aumentando o número de primers que podem ser usados em estudos genético-populacionais da espécie. Uma possível explicação para este fato é que a espécie Cichla kelberi pode apresentar regiões microssatélites diferentes daquelas já amplificadas para o genoma de Cichla piquiti. Essas diferenças podem ser ocasionadas por crossing over, slippage (erros da enzima da DNA polimerase), originando microssatélites de tamanhos diferentes que impedem a amplificação cruzada (Borém & Caixeta, 2009). Em relação aos locos desenvolvidos para as espécies Prochilodus argenteus e Piaractus mesopotamicus e a não transferibilidade destes locos no genoma de Cichla kelberi pode ser associada à distância evolutiva destas espécies com a espécie analisada, evidenciada pela classificação taxonômica das espécies, em que Prochilodus argenteus e Piaractus mesopotamicus pertencem à ordem Characiforme enquanto Cichla kelberi é incluído na ordem Perciforme (Caixeta, 2006). Conclusão Com a baixa taxa de transferibilidade encontrada para a espécie Cichla keberi sugere-se que sejam feitos mais estudos relacionadas à genética deste peixe para que se tenham marcadores moleculares que propiciem informações mais robustas sobre a dinâmica genética populacional e ecológica de Cichla kelberi em ambientes naturais e introduzidos. Além que, com este trabalho podemos conhecer dados acerca da genética desta espécie, propiciando a realização de mais estudos genético-populacionais que possa aferir mais sobre a presença desta em espécie. Agradecimento Agradeço a Pró-Reitoria de Pesquisa e Extensão da Universidade Estadual pela bolsa de iniciação científica, concedida durante o período de um ano para a execução deste trabalho. Também agradeço ao Laboratório de Genética e Biodiversidade da Universidade Federal de Goiás pela infra-estrutura, a Naturae, empresa pela qual são financiados projetos neste laboratório e que contribuiu financeiramente para a realização dos experimentos. Ao IBAMA pela toda logística empregada durante as coletas em campo. Referências Bibliográficas AGOSTINHO, A. A. Ecologia e manejo de recursos pesqueiros em reservatórios do Brasil. Maringá: Eduem AHO, T.; Rönn, J.; PIIRONEN, J.; BJÖRKLUND, M. Impacts of effective population size on genetic diversity in hatchery reared Brown trout (Salmo trutta L.) populations. Aquaculture, v. 253, n. 1-4, p ARTONI, R. F. ; MATIELLO, M. C. A. Genética de peixes neotropicais. I. Aspectos da conservação genética dos peixes no Parque Estadual de Vila Velha, Paraná, Brasil. Ci. Biol. Saúde, v. 9, n. 2, p BORÉM, A. CAIXETA. E. T. Marcadores Moleculares. 2 Ed. Viçosa: Folha de Viçosa p. 4

5 CAIXETA, E. T.; OLIVEIRA, A. C. B.; BRITO, G. G.; SAKIYAMA, N. S. Tipos de marcadores moleculares. In: BORÉM, A.; Caixeta, E. T. (ed). Marcadores moleculares. Viçosa, MG, pp. CARVALHO, D. C.; OLIVEIRA, D. A. A.; SAMPAIO, I.; BEHEREGARAY, L. B. Microsatellite markers for the Amazon peacock bass (Cichla piquiti). Molecular Ecology Resources, n. 9, p FERREIRA, M. E.; GRATTAPAGLIA, D. Introdução ao uso de marcadores moleculares em análise genética. Brasília 3ª ed.: EMBRAPA-CERNAGEN. Documento pp. FREITAS, P. D.; GALETTI JR, P. M. Assessment of the genetic diversity in five generations of commercial broodstock line of Litopenaeus vannamei shrimp. African Journal of Biotechnology, v. 4, n. 12, p GASIC, K.; HAN, Y.; KERTBUNDIT, S.; SHULAEV, V.; IEZZONI, A. F.; STOVER, E. W.; BELL, R. L.; WISNIEWSKI, M. E.; KORBAN, S. S. Characteristics and transferibiity of new apple EST-derived SSRs to other Rosaceae species. Mol. Breedin., v. 23, p KULLANDER, S.O.; FERREIRA, E.J.G. A review of the South American cichlid genus Cichla, with descriptions of nine new species (Teleostei: Cichlidae). Ichthyological Exploration of Freshwaters, v. 17, n. 4, p LIMA, C. B.; SOUZA, R. L. Tucunaré amarelo (Cichla kelberi). Bicho da vez, n. 20, p LIMA, J. S. TELLES, M. P. C. RESENDE, L. V. GOUVEIA, F. O. BONI, T. A. Amplificação cruzada e padronização de marcadores microssatélites em Colossoma macropomum (tambaqui). Rev. Biol. Neotrop., v. 5, n. 2, p LUIZ, E. A.; GOMES, L. C.; AGOSTINHO, A. A.; BULLA, C. K. Influência de processos locais e regionais nas assembléias de peixes em reservatórios do Estado do Paraná, Brasil. Acta Scientiarum: Biological Sciences, v. 25, n. 1, p MATIOLI, S. R. PASSO-BUENO, M. R. S. Métodos baseados em PCR para análise de polimorfismos de ácidos nucléicos. In: MATIOLI, S. R. (ed). Biologia Molecular e Evolução. Holos, pp. OLIVEIRA, V. F. OLIVEIRA, A. V. PRIOLI, A. J. PRIOLI, S. M. A. P. Obtaining 5S molecular markers for native ande invasive Cichla populations (Perciformes - Cichlidae), in Brazil. Acta Sci. Biol. Sci., v. 30, n. 1, p OLIVEIRA, E. J. PÁDUA, L. G. ZUCCHI, M. I. VENCOVSKY, R. VIEIRA, M. L. C. Origin, evolution ande genome distribution of microssatélites. Genectis and Molecular Biology, v. 29, n. 2, p TAGGART, J. B.; HYNES, R. A.; PRODOHL, P. A.; FERGUSSON, A. A simplified protocol for routine total DNA isolation from salmonid fishes. Journal of Fish Biology, n. 40, p

6 WAGNER, H. W. SEFC, K. M. IDENTITY Freeware program for the analysis of microsatellite data, Centre for Applied Genetics, University of Agricultural Sciences. Vienna p. 6

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio.

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio. PROJETO: Análise Genética das Populações de Myrciaria dubia (camu-camu) e Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influencia da UHE Santo Antônio. Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma)

Leia mais

Taxa De Fecundação Cruzada e Endogamia Em Famílias De Eugenia dysenterica DC Da Coleção De Germoplasma Da UFG

Taxa De Fecundação Cruzada e Endogamia Em Famílias De Eugenia dysenterica DC Da Coleção De Germoplasma Da UFG Taxa De Fecundação Cruzada e Endogamia Em Famílias De Eugenia dysenterica DC Da Coleção De Germoplasma Da UFG Eduardo Borges RODRIGUES 1, Mariana Pires de Campos TELLES 2, Lázaro José CHAVES 3, Ronaldo

Leia mais

Análise da Prova - Perito Criminal Federal (Biomédico/Biólogo)

Análise da Prova - Perito Criminal Federal (Biomédico/Biólogo) Questão Tema(s) predominante(s) Itens do Edital 51 Diferenças entre as metodologias de RFLP e PCR 5.4.2 Regiões repetitivas e polimorfismos. 6.2 Técnica de PCR. 6.3 Técnicas de identificação usando o DNA.

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Amazônia Oriental Belém, PA 2015 DIVERGÊNCIA GENÉTICA ENTRE MATRIZES DE

Leia mais

Variabilidade genética. Variabilidade Genética. Variação genética e Evolução. Conceitos importantes

Variabilidade genética. Variabilidade Genética. Variação genética e Evolução. Conceitos importantes Variabilidade genética Conceitos importantes Variação genética: variantes alélicos originados por mutação e/ou recombinação Diversidade ou variabilidade genética: medida da quantidade de variabilidade

Leia mais

Variabilidade genética e endogamia em populações de tucunaré azul (Cichla piquiti) no Reservatório de Serra da Mesa (norte de Goiás)

Variabilidade genética e endogamia em populações de tucunaré azul (Cichla piquiti) no Reservatório de Serra da Mesa (norte de Goiás) Variabilidade genética e endogamia em populações de tucunaré azul (Cichla piquiti) no Reservatório de Serra da Mesa (norte de Goiás) Faquim R. C. P.; Caramori S. S.; Carvalho A. R.; Telles M. P. C. & Resende

Leia mais

AVALIAÇÃO DA TRANSFERIBILIDADE DE LÓCUS DE MICROSSATÉLITES EM OITO ESPÉCIES DE

AVALIAÇÃO DA TRANSFERIBILIDADE DE LÓCUS DE MICROSSATÉLITES EM OITO ESPÉCIES DE AVALIAÇÃO DA TRANSFERIBILIDADE DE LÓCUS DE MICROSSATÉLITES EM OITO ESPÉCIES DE Astyanax EVALUATION OF TRANSFERABILITY OF MICROSATELLITE LOCI IN EIGHT SPECIES OF Astyanax Sabrina Alves da Silva 1 ; Pierre

Leia mais

POLIMORFISMO DA TÉCNICA TARGET REGION AMPLIFICATION POLYMORPHISM (TRAP) PARA ESTUDOS MOLECULARES EM MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz)

POLIMORFISMO DA TÉCNICA TARGET REGION AMPLIFICATION POLYMORPHISM (TRAP) PARA ESTUDOS MOLECULARES EM MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) POLIMORFISMO DA TÉCNICA TARGET REGION AMPLIFICATION POLYMORPHISM (TRAP) PARA ESTUDOS MOLECULARES EM MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) Catia Dias do Carmo 1, Dalma Brito Santos 2, Vandeson Rodrigues de

Leia mais

ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA

ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA 1* Thales Serrano Silva, 2 Tiago Debona, 3 Vinicius Valiente do Santos, 4 Ricardo Soni, 5 Éder

Leia mais

Manual da Oficina Prática de Genética, Genoma e Biotecnologia. Quarto Módulo

Manual da Oficina Prática de Genética, Genoma e Biotecnologia. Quarto Módulo www.odnavaiaescola.org Todos os direitos reservados à DNA Goes to School, Inc. 2003 Manual da Oficina Prática de Genética, Genoma e Biotecnologia Quarto Módulo Multiplicando o nosso DNA Kary Mullis A técnica

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

Origem da variação. Conceitos importantes. Diversidade Genética. Variação genética

Origem da variação. Conceitos importantes. Diversidade Genética. Variação genética Variação genética Origem da variação Professor Fabrício R Santos fsantos@icb.ufmg.br Departamento de Biologia Geral, UFMG 2012 Variação fenotípica hereditária Variação fenotípica causada pelo ambiente

Leia mais

Reação em Cadeia Da Polimerase

Reação em Cadeia Da Polimerase Reação em Cadeia Da Polimerase X Jornada Farmacêutica IV Amostra 2010 Sueli Massumi Nakatani LACEN-PR Um Pouco de História... Um Pouco de História... 1983 Kary Mullis for his invention of the polymerase

Leia mais

LABORATÓRIO DE BIODIVERSIDADE MOLECULAR E CITOGENÉTICA

LABORATÓRIO DE BIODIVERSIDADE MOLECULAR E CITOGENÉTICA LABORATÓRIO DE BIODIVERSIDADE MOLECULAR E CITOGENÉTICA O O uso uso deste deste material material é é autorizado autorizado desde desde que que sejam sejam atribuídos atribuídos os os direitos direitos

Leia mais

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva PCR MARCADORES MOLECULARES Prof. Dr. José Luis da C. Silva Histórico da PCR Kornberg (1960) Isolou e caracterizou a DNA polimerase. O isolamento desta enzima possibilitou o desenvolvimento da síntese in

Leia mais

AVALIAÇÃO REPRODUTIVA E DA DIVERSIDADE GENÉTICA DE Piaractus mesopotamicus NO SISTEMA SEMINATURAL

AVALIAÇÃO REPRODUTIVA E DA DIVERSIDADE GENÉTICA DE Piaractus mesopotamicus NO SISTEMA SEMINATURAL AVALIAÇÃO REPRODUTIVA E DA DIVERSIDADE GENÉTICA DE Piaractus mesopotamicus NO SISTEMA SEMINATURAL Jayme Aparecido Povh*, Ricardo Pereira Ribeiro, Rodolfo Nadez Sirol, Danilo Pedro Streit Junior, Héden

Leia mais

DNA barcoding é um método que utiliza um trecho do DNA de cerca de 650 nucleotídeos como marcador para caracterizar espécies. Trata-se de uma sequência extremamente curta em relação à totalidade do genoma,

Leia mais

DIVERGÊNCIA GENÉTICA ENTRE ACESSOS DE MACAXEIRA DO BAG DA EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL POR MEIO DE MARCADORES MICROSSATÉLITES

DIVERGÊNCIA GENÉTICA ENTRE ACESSOS DE MACAXEIRA DO BAG DA EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL POR MEIO DE MARCADORES MICROSSATÉLITES DIVERGÊNCIA GENÉTICA ENTRE ACESSOS DE MACAXEIRA DO BAG DA EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL POR MEIO DE MARCADORES MICROSSATÉLITES Girena Fernandes Ramalho1, Elisa Ferreira Moura2, Carlos Rogério de Sousa Silva3,

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 44 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP

Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP 1 Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP Formulário V do Edital Nº 004/2013 - PIBIC/UENP RELATÓRIO DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA RELATÓRIO PARCIAL ( ) RELATÓRIO FINAL ( x ) 1. IDENTIFICAÇÃO:

Leia mais

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja SOUZA, R.C. 1 ; SANTOS, M.A. 2 ; HUNGRIA, M. 3 1 Centro Universitário Filadélfia - Unifil, renata@ cnpso.embrapa.br; 2 Escola

Leia mais

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA Analise a seguinte situação hipotética (1): Uma equipe de pesquisadores está realizando um inventário da biodiversidade de uma área tropical ainda inexplorada, porém já sofrendo grande impacto de fragmentação

Leia mais

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs João Meidanis Scylla Bioinformática e UNICAMP III Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas Gramado, RS Maio 2005 MINI-CURSO - AGENDA 1. Primeiro Dia

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 MARCADORES SSR PARA A CARACTERIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DE CULTIVARES DE MILHETO (Pennisetum glaucum (L.) R. Br.) ADRIANO ALVES DA SILVA 1, ÉDILA VILELA RESENDE VON PINHO 2 ; BRUNA LINE CARVALHO 3, VIVIAN

Leia mais

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Relatório A arte em movimento: a célula Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Introdução No dia 6 Agosto, iniciamos o nosso estágio no

Leia mais

DINÂMICA POPULACIONAL DE Araucaria angustifolia COMO MECANISMO PARA VALORAÇÃO DE SERVIÇOS AMBIENTAIS

DINÂMICA POPULACIONAL DE Araucaria angustifolia COMO MECANISMO PARA VALORAÇÃO DE SERVIÇOS AMBIENTAIS DINÂMICA POPULACIONAL DE Araucaria angustifolia COMO MECANISMO PARA VALORAÇÃO DE SERVIÇOS AMBIENTAIS 1 Andiara Gonçalves, 2 Rafaela Natali Bueno, 3 MsC. Luciano Medina Macedo, 4 PhD. André Biscaia de Lacerda

Leia mais

SELEÇÃO DE SNP (Single-Nucleotide Polymorphism) INFORMATIVOS PARA INTEGRAÇÃO DE ANÁLISES MOLECULARES EM MANDIOCA

SELEÇÃO DE SNP (Single-Nucleotide Polymorphism) INFORMATIVOS PARA INTEGRAÇÃO DE ANÁLISES MOLECULARES EM MANDIOCA SELEÇÃO DE SNP (Single-Nucleotide Polymorphism) INFORMATIVOS PARA INTEGRAÇÃO DE ANÁLISES MOLECULARES EM MANDIOCA Eder Jorge de Oliveira (1), Vanderlei da Silva Santos (1), Cláudia Fortes Ferreira (1),

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

Seleção de primers de marcadores ISSR para análises genéticopopulacionais de plantas medicinais do Cerrado

Seleção de primers de marcadores ISSR para análises genéticopopulacionais de plantas medicinais do Cerrado Seleção de primers de marcadores ISSR para análises genéticopopulacionais de plantas medicinais do Cerrado Jéssica Cristtinny Oliveira de Sousa (PBIC), Flávia Melo Rodrigues (Orientadora) Universidade

Leia mais

Termos para indexação: diversidade genética, pequi, Caryocar brasiliense, RAPD, recursos genéticos, germoplasma

Termos para indexação: diversidade genética, pequi, Caryocar brasiliense, RAPD, recursos genéticos, germoplasma VARIABILIDADE GENÉTICA DE COLEÇÃO DE TRABALHO DE PEQUIZEIRO COM BASE EM MARCADORES MOLECULARES Fábio Gelape Faleiro 1, Graciele Bellon 1, Ailton Vítor Pereira 2, Elainy Botelho C. Pereira 3, Nilton Tadeu

Leia mais

USO DE TECNOLOGIAS MOLECULARES

USO DE TECNOLOGIAS MOLECULARES USO DE TECNOLOGIAS MOLECULARES P= G+A VP = VG + VA Uso de marcadores no estudo de características quantitativas Características quantitativas Controladas por vários genes de pequeno efeito Sofrem maior

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA Público alvo: Estudantes de 3º ano do ensino médio Local: Escolas de ensino médio e/ou cursos pré-vestibulares Carga horária: 12 horas Organização: HELIX

Leia mais

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA OBJETIVO: Proporcionar aos participantes uma maior compreensão dos avanços que a descoberta da estrutura da

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Ana Luísa Carvalho Amplificação de um fragmento de DNA por PCR Numa reacção em cadeia catalizada pela DNA polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR),

Leia mais

Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna. Dezembro de 2011

Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna. Dezembro de 2011 Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna Dezembro de 2011 Consultas realizadas pelo Programa Peixe Vivo Foram realizadas várias consultas, no 2º semestre de 2007, à comunidade científica,

Leia mais

EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO

EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO CUNHA, Marielton dos Passos 1 ; OLIVEIRA, Bruno Francesco Rodrigues de 1 ; RESENDE, Isa Murielly

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde PROJETO DE PESQUISA TÍTULO COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DA ICTIOFAUNA DO PARQUE MUNICIPAL DE NOVA IGUAÇU, ESTADO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL. Roney

Leia mais

Boletim da Sociedade Brasileira de Limnologia n o 38 (1). NENHUM PEIXE É UMA ILHA

Boletim da Sociedade Brasileira de Limnologia n o 38 (1). NENHUM PEIXE É UMA ILHA NENHUM PEIXE É UMA ILHA Ronaldo Angelini 1 ; Léo Caetano Ferreira da Silva 2 ; Michel Lopes Machado 3 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Departamento de Engenharia Civil. ronangelini@yahoo.com.br

Leia mais

AMPLIFICAÇÃO CRUZADA DE MARCADORES MOLECULARES SSR ENTRE Coffea canephora E Coffea arabica

AMPLIFICAÇÃO CRUZADA DE MARCADORES MOLECULARES SSR ENTRE Coffea canephora E Coffea arabica AMPLIFICAÇÃO CRUZADA DE MARCADORES MOLECULARES SSR ENTRE Coffea canephora E Coffea arabica Yumi Sheu 1, Ludymila Brandão Motta 1, Diogo Souza Alvez 1, Taís Cristina Bastos Soares 1, Andréia Barcelos Passos

Leia mais

Kit para calibração de PCR pht

Kit para calibração de PCR pht Kit para calibração de PCR pht Itens fornecidos: Tampões ( concentrado) Composição ( concentrado) I0 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton X-100 IB 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

DUPLICATAS NO BANCO DE GERMOPLASMA DE MANDIOCA DA EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL DETECTADAS POR MARCADORES MICROSSATÉLITES

DUPLICATAS NO BANCO DE GERMOPLASMA DE MANDIOCA DA EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL DETECTADAS POR MARCADORES MICROSSATÉLITES DUPLICATAS NO BANCO DE GERMOPLASMA DE MANDIOCA DA EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL DETECTADAS POR MARCADORES MICROSSATÉLITES Elisa Ferreira Moura 1, João Tomé de Farias Neto 1, Girena Fernandes Ramalho 2, Diehgo

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA A eletroforese em gel de agarose consiste no método mais usado para separar, identificar, analisar, caracterizar e purificar fragmentos de DNA. Uma molécula de DNA, quando exposta a um campo elétrico,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA RAZÃO DE PROBABILIDADE BAYESIANA COMO EVIDÊNCIA PARA TESTE DE VÍNCULO DE PATERNIDADE Curitiba 2012 I Dianna Lo Wai Yan Maurício Fernandes do Nascimento

Leia mais

Biologia Avançada Jatropha curcas L.

Biologia Avançada Jatropha curcas L. 1 Pesquisadores: Hugo Bruno C. Molinari Betania F. Quirino Biologia Avançada Jatropha curcas L. Maior banco de informações moleculares em todo o mundo Gerar ferramentas para subsidiar programa de Melhoramento

Leia mais

Técnicas moleculares

Técnicas moleculares Técnicas moleculares PCR Reação em Cadeia da Polimerase Inventada em 1983 por Kary Mullis é uma das técnicas mais comuns utilizadas em laboratórios de pesquisas médicas e biológicas Kary Mullis ganhou

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO OBJETIVO GERAL O objetivo deste plano de ação é assegurar permanentemente a manutenção das populações e da distribuição geográfica de Mergus octosetaceus, no médio e longo prazo; promover o aumento do

Leia mais

Monitoramento da variabilidade genética de pacu, Piaractus mesopotamicus, do programa de aumento de estoque do rio Paranapanema

Monitoramento da variabilidade genética de pacu, Piaractus mesopotamicus, do programa de aumento de estoque do rio Paranapanema Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.61, n.5, p.1191-1195, 2009 Monitoramento da variabilidade genética de pacu, Piaractus mesopotamicus, do programa de aumento de estoque do rio Paranapanema [Monitoring of

Leia mais

Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias

Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias hidrográficas brasileiras DBFLO/CGFAP/COOPE Rogério Inácio de Carvalho rogerio.carvalho@ibama.gov.br (61)3316-1703 Normas Ambientais Art.

Leia mais

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além "PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO E INVESTIGAÇÃO DE DEFICIENCIAS GÊNICAS COM UTILIZAÇÃO DE FLUORESCÊNCIA, OU PROCESSO PCR MULTIPLEX FLUORESCENTE". Trata o presente relatório da descrição detalhada acompanhada

Leia mais

PROCESSO DE ANÁLISE DO DNA: PROJETO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA PARA PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO

PROCESSO DE ANÁLISE DO DNA: PROJETO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA PARA PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO PROCESSO DE ANÁLISE DO DNA: PROJETO DE DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA PARA PROFESSORES DE ENSINO MÉDIO Cynthia Germoglio Farias de Melo cynthia_fariasm@hotmail.com Rayner Anderson Ferreira do Nascimento raynerbiomedicina@gmail.com

Leia mais

Introdução à genética quantitativa usando os recursos do R

Introdução à genética quantitativa usando os recursos do R Introdução à genética quantitativa usando os recursos do R Marisa R. Cantarino 1 Julia M. P. Soler (orientadora) 2 1 Introdução Um dos principais desafios da pesquisa genética atualmente é estabelecer

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano DNA A molécula da vida Prof. Biel Série: 9º ano DNA FINGER-PRINTING A expressão DNA "Finger-Print" (ou Impressões Genéticas) designa uma técnica de separação de segmentos de DNA que permite a identificação

Leia mais

PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs)

PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs) Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Curso de Licenciatura em Biologia Marinha e Pescas PCR technology for screening and quantification of genetically modified organisms (GMOs)

Leia mais

GENÉTICA FORENSE E PATERNIDADE

GENÉTICA FORENSE E PATERNIDADE GENÉTICA FORENSE E PATERNIDADE Alessandra Dias Laboratório de Biologia Molecular O primeiro teste de DNA para investigação de paternidade era feito através do sistema de HLA, entretanto o resultado era

Leia mais

Software para detecção de repetições encadeadas (SSR) em sequências de DNA

Software para detecção de repetições encadeadas (SSR) em sequências de DNA Software para detecção de repetições encadeadas (SSR) em sequências de DNA Daniel Xavier de Sousa 1, Wellington Santos Martins 1, and David Bertioli 2 1 Universidade Católica de Goiás, Goiânia, Brasil,

Leia mais

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

ABINEE TEC MINAS 2008 - SINAEES. Seminário Vendas para Áreas de Petróleo e Gás, Inovação, Qualidade, Aspectos Ambientais e Controle PCH s

ABINEE TEC MINAS 2008 - SINAEES. Seminário Vendas para Áreas de Petróleo e Gás, Inovação, Qualidade, Aspectos Ambientais e Controle PCH s ABINEE TEC MINAS 2008 - SINAEES Seminário Vendas para Áreas de Petróleo e Gás, Inovação, Qualidade, Aspectos Ambientais e Controle PCH s SISTEMAS DE TRANSPOSIÇÃO DE PEIXES EM BARRAGENS DE RIOS CASO DA

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (item a ser preenchido pela

Leia mais

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Patologia x Genética Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Lucas Brandão Patologia Clínica Definição: Fornece informações ao médico, de modo a proporcionar-lhe os meios necessários para

Leia mais

Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho

Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) Ano 04 - Edição 26 - Agosto / Setembro de 2010 Artigo Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho por Sílvia Neto Jardim

Leia mais

Endereço: Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro UENF. Av. Alberto Lamego 2000, CEP: 28013-620 carlosdiego_oliveira@yahoo.com.

Endereço: Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro UENF. Av. Alberto Lamego 2000, CEP: 28013-620 carlosdiego_oliveira@yahoo.com. Avaliação da Variabilidade Genética Via Marcadores ISSR Entre e Dentro de Populações de Milho Submetidas a Diferentes Ciclos de Seleção Recorrente Recíproca Carlos Diego de Oliveira Azevedo 1, Ana Paula

Leia mais

BOTO-CINZA: SOTALIAGUIANENSIS (VAN BÉNÉDEN, 1864)

BOTO-CINZA: SOTALIAGUIANENSIS (VAN BÉNÉDEN, 1864) BOTO-CINZA: SOTALIAGUIANENSIS (VAN BÉNÉDEN, 1864) Juliana Ywasaki Lima Leonardo Serafim da Silveira Boto-cinza: Sotaliaguianensis (Van Bénéden, 1864) Juliana Ywasaki Lima, MV, MSc., Doutoranda do Programa

Leia mais

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu PCR tempo real PCR quantitativo 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu Aspectos Básicos um dos métodos atuais de aferir o nível de expressão de genes mas não é o único: Northern blotting (quantificação

Leia mais

Introdução a genética de populações e a origem da variação genética. Aula 1

Introdução a genética de populações e a origem da variação genética. Aula 1 Introdução a genética de populações e a origem da variação genética Aula 1 O Escopo da Genética de populações! Genética mendeliana! A transmissão da informação da informação genética está sujeita as leis

Leia mais

ESTUDOS DE DIVERSIDADE GENÉTICA EM CAMARÕES UTILIZANDO MARCADORES MOLECULARES

ESTUDOS DE DIVERSIDADE GENÉTICA EM CAMARÕES UTILIZANDO MARCADORES MOLECULARES ESTUDOS DE DIVERSIDADE GENÉTICA EM CAMARÕES UTILIZANDO MARCADORES MOLECULARES Volume II: Marcadores Microssatélites Manual Prático Patrícia Domingues de Freitas São Carlos, São Paulo, agosto de 2005 1

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

BIOTECNOLOGIA E ENGENHARIA GENÉTICA. Profa. Maria Paula

BIOTECNOLOGIA E ENGENHARIA GENÉTICA. Profa. Maria Paula BIOTECNOLOGIA E ENGENHARIA GENÉTICA Profa. Maria Paula FERRAMENTAS Enzimas: de restrição, DNA-ligase, DNA-polimerase, transcriptase Vetores: plasmídeos, vírus 1) PGH O número de genes é muito menor do

Leia mais

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações BSc. Daniel Perez Vieira (Protozoologia-IMTSP/ Laboratório de Biologia Molecular-IPEN) Aula 3 - Análise dos produtos: Qualitativa e Semi- Quantitativa

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO SAE.DS.024.2012

RELATÓRIO TÉCNICO SAE.DS.024.2012 RELATÓRIO TÉCNICO SAE.DS.024.2012 ANÁLISE GENÉTICA DAS POPULAÇÕES DE Myrciaria dubia (H.B.K.) MC VAUGH (CAMU-CAMU) E Ceiba pentandra L. (SAMAÚMA) OCORRENTES NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA UHE SANTO ANTÔNIO Fundação

Leia mais

Anotação de Genomas. Fabiana G. S. Pinto

Anotação de Genomas. Fabiana G. S. Pinto Anotação de Genomas Fabiana G. S. Pinto Obtenção de Seqüências geradas pelo MegaBace 1000 Dados brutos (medidas analógicas) de saída do seqüênciamento Base calling BIOINFORMÁTICA * PHRED: - Transforma

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s)

A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s) A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANETE (APP s) Richard Antonio Souza Mesquita Tocantins - FACTO Murilo Ribeiro Brito Tocantins FACTO Adelzon Aires Marinho Tocantins FACTO Prof: Dr. Cid Tacaoca

Leia mais

Reagentes para Biologia Molecular

Reagentes para Biologia Molecular Reagentes para Biologia Molecular Para obtenção de resultados confiáveis, atividades realizadas na área da Biologia Molecular requerem reagentes de qualidade e pureza elevada. Ideais para diversas rotinas

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM Ana Cristina da Silva¹, José Max Barbosa de Oliveira Junior¹, Lauana Nogueira², Letícia Gomes ¹, Thales Amaral² Reginaldo Constantino³

Leia mais

USO DE MARCADORES MOLECULARES RAPD E MICROSSATÉLITES VISANDO A CONFIRMAÇÃO DA FECUNDAÇÃO CRUZADA ENTRE Theobroma cacao E Theobroma grandiflorum

USO DE MARCADORES MOLECULARES RAPD E MICROSSATÉLITES VISANDO A CONFIRMAÇÃO DA FECUNDAÇÃO CRUZADA ENTRE Theobroma cacao E Theobroma grandiflorum Agrotrópica 15 (1) : 41-46. 2003. Centro de Pesquisas do Cacau, Ilhéus, Bahia, Brasil USO DE MARCADORES MOLECULARES RAPD E MICROSSATÉLITES VISANDO A CONFIRMAÇÃO DA FECUNDAÇÃO CRUZADA ENTRE Theobroma cacao

Leia mais

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA Os biólogos supunham que apenas as proteínas regulassem os genes dos seres humanos e dos

Leia mais

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO.

GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; - IMPACTO SIGNIFICATIVO. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DISCIPLINA: NAI PROFESSORA: Drª CÁTIA FARIAS GLOSSÁRIO: - MEIO URBANO; - UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AMBIENTAL; - RISCOS AMBIENTAIS; -

Leia mais

O uso de Marcadores Moleculares na Caracterização Citoplasmática em Cebola Como Auxílio no Melhoramento de Cultivares Híbridas.

O uso de Marcadores Moleculares na Caracterização Citoplasmática em Cebola Como Auxílio no Melhoramento de Cultivares Híbridas. O uso de Marcadores Moleculares na Caracterização Citoplasmática em Cebola Como Auxílio no Melhoramento de Cultivares Híbridas. Daniela L. Leite 1 ; Denilson Anthonisen 1 1 Embrapa Clima Temperado, BR

Leia mais

Diversidade e estrutura genética de populações de Mangabeira (Hancornia speciosa Gomes) na Zona da Mata de Pernambuco

Diversidade e estrutura genética de populações de Mangabeira (Hancornia speciosa Gomes) na Zona da Mata de Pernambuco Universidade Federal Rural de Pernambuco Programa de Pós-Graduação em Agronomia Área de Concentração em Melhoramento Genético de Plantas Diversidade e estrutura genética de populações de Mangabeira (Hancornia

Leia mais

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR Engenharia Molecular Kit Autossômico GEM EM-22plex sem extração Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução STRs (short tandem repeats) são sequências repetitivas de 3 a 7 pares de bases encontradas

Leia mais

Em quais LINHAS ESTRATÉGICAS atuar para a conservação da biodiversidade? Como garantir a EFETIVIDADE DOS RECURSOS aplicados em conservação?

Em quais LINHAS ESTRATÉGICAS atuar para a conservação da biodiversidade? Como garantir a EFETIVIDADE DOS RECURSOS aplicados em conservação? Em quais LINHAS ESTRATÉGICAS atuar para a conservação da biodiversidade? Como garantir a EFETIVIDADE DOS RECURSOS aplicados em conservação? Como escolher uma AÇÃO EFETIVA para a conservação da biodiversidade?

Leia mais

Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome

Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome 1 Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome 1 - As enzimas de restrição ou endonucleases recebem uma designação que provem (1 valor) a)

Leia mais

FUNDAÇÃO TOYOTA DO BRASIL

FUNDAÇÃO TOYOTA DO BRASIL FUNDAÇÃO TOYOTA DO BRASIL Criada em 2009 Unificação dos esforços sociais da Toyota do Brasil Respeito pelo meio ambiente Contribuir com o desenvolvimento sustentável Promover a sustentabilidade, por meio

Leia mais

Técnicas Moleculares

Técnicas Moleculares Biologia Molecular no Diagnóstico de Infecção :HPV Maria Elizabeth Menezes,MSc;Ph.D e-mail:melmenezes@dnanalise.com.br DNAnálise Laboratório Técnicas Moleculares HIBRIDIZAÇÃO IN SITU SEQÜENCIAMENTO PCR

Leia mais

GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT

GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT Atividade Conjunta Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA-MT de: Monitoramento da Atividade Reprodutiva dos Peixes Migradores

Leia mais

ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE

ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE Dr. Rodrigo Silva da Costa (rdgcosta@ufersa.edu.br) Dr. José Luís Costa Novaes (novaes@ufersa.edu.br) Universidade Federal Rural

Leia mais

2.9. Diversidade em seqüências D-loop do DNA mitocondrial de peixes

2.9. Diversidade em seqüências D-loop do DNA mitocondrial de peixes PELD Programa de Pesquisas Ecológicas de Longa Duração 119 2.9. Diversidade em seqüências D-loop do DNA mitocondrial de peixes Alberto José Prioli Sônia Maria Alves Pinto Prioli Laudenir Maria Prioli Thatiana

Leia mais

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Casa da Medicina Unidade Gávea Coordenação Central de Extensão EPIDEMIOLOGIA MOLECULAR Rachel Siqueira de Queiroz

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA TÉCNICA DE MIRU (MYCOBACTERIAL INTERSPERSED REPETITIVE UNITS) PARA CARACTERIZAR MOLECULARMENTE Mycobacterium tuberculosis

IMPLANTAÇÃO DA TÉCNICA DE MIRU (MYCOBACTERIAL INTERSPERSED REPETITIVE UNITS) PARA CARACTERIZAR MOLECULARMENTE Mycobacterium tuberculosis IMPLANTAÇÃO DA TÉCNICA DE MIRU (MYCOBACTERIAL INTERSPERSED REPETITIVE UNITS) PARA CARACTERIZAR MOLECULARMENTE Mycobacterium tuberculosis Natália Sanches Xavier (PIBIC/CNPq-FA-UEM), Rosilene Fressatti Cardoso

Leia mais

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são Atividade extra Fascículo 2 Biologia Unidade 4 Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais

Leia mais

Variação Morfológica em Populações de Nematocharax cf. Venustus (Characiformes, Characidae) em Bacias Costeiras da Bahia: Dados Preliminares

Variação Morfológica em Populações de Nematocharax cf. Venustus (Characiformes, Characidae) em Bacias Costeiras da Bahia: Dados Preliminares III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 339 Variação Morfológica em Populações de Nematocharax cf. Venustus (Characiformes, Characidae) em Bacias Costeiras da Bahia: Dados Preliminares

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR) Uma das dificuldades dos pesquisadores frente à análise baseada no DNA é a escassez deste. Na medicina forense pode-se ter

Leia mais