Pró-Reitoria de Graduação Curso de Direito Trabalho de Conclusão de Curso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pró-Reitoria de Graduação Curso de Direito Trabalho de Conclusão de Curso"

Transcrição

1 Pró-Reitoria de Graduação Curso de Direito Trabalho de Conclusão de Curso CONSIDERAÇÕES SOBRE A INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL REALIZADA POST MORTEM: OS ASPECTOS ÉTICOS E JURÍDICOS Autora: Rosiane Peres Ferreira Bomfim Orientadora: Profa. MSc. Maria de Fátima M. da S. dos Santos Brasília - DF 2012

2 ROSIANE PERES FERREIRA BOMFIM CONSIDERAÇÕES SOBRE A INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL REALIZADA POST MORTEM: OS ASPECTOS ÉTICOS E JURÍDICOS Monografia apresentada ao curso de graduação em Direito da Universidade Católica de Brasília, como requisito parcial para obtenção do Título de Bacharel em Direito. Orientadora: Profª. MSc. Maria de Fátima Martins da Silva dos Santos Brasília 2012

3 Monografia de autoria de Rosiane Peres Ferreira Bomfim, intitulada CONSIDERAÇÕES SOBRE A INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL REALIZADA APÓS A MORTE: OS ASPECTOS ÉTICOS E JURÍDICOS, apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Direito, da Universidade Católica de Brasília em, de junho de 2012, defendida e aprovada pela banca examinadora abaixo assinada. Profa. MSc. Maria de Fátima Martins da Silva dos Santos Orientadora Prof. (a) Prof. (a) Brasília 2012

4 Dedico este trabalho a Deus, pela sua infinita bondade e força, na conquista de meus objetivos. Aos meus pais Itamar (in memorian) e Nilda pelo apoio e carinho prestados durante toda a vida. Ao meu amado esposo Wesley, pelo companheirismo, apoio e incentivo. Aos meus filhos Ana Luísa e João Pedro pela compreensão e paciência.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus, por me abençoar durante a trajetória deste curso. Ao meu esposo Wesley, pelo amor, companheirismo, apoio, incentivo, tanto econômico quanto moral para a realização deste sonho. Ao meu pai Itamar, que embora não esteja mais entre nós, sonhava em me ver concluir os estudos. A minha mãe Nilda, exemplo de força e perseverança, pela ajuda e apoio incondicional, na conclusão deste trabalho. A minha irmã Flaviana, pela amizade e carinho de todos esses anos. Aos meus cunhados Bárbara, Wanderson e Fabiana, pela ajuda prestada, para a conclusão deste trabalho. A professora MSc. Maria de Fátima Martins da Silva dos Santos pela fundamental orientação na conclusão da graduação. A todos, muito obrigada!

6 Filhos... Filhos? Melhor não tê-los! Mas se não os temos Como sabê-lo? Se não os temos Que de consulta Quanto silêncio Como os queremos! [...] Bebe amoníaco Comeu botão Filhos? Filho Melhor não tê-los Noites de insônia [...] Mas se não os temos Como sabê-los? Como saber [...] Chupam gilete Bebem xampu Ateiam fogo No quarteirão Porém, que coisa Que coisa louca Que coisa linda Que os filhos são! MORAES, Vinícius de. Poema Enjoadinho.

7 RESUMO BOMFIM, Rosiane Peres Ferreira. Considerações Sobre a Inseminação Artificial Realizada Post Mortem: Os Aspectos Éticos e Jurídicos fls. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Direito) Universidade Católica de Brasília, Este trabalho tem como escopo discorrer sobre os aspectos éticos e jurídicos da inseminação artificial realizada após a morte dos genitores. É um tema que gera inúmeras polêmicas, tanto no meio jurídico como no meio científico, tendo em vista a ausência de regulamentação clara e específica atinente ao tema em comento. O legislador pátrio ao redigir o Código Civil, dispôs sobre a possibilidade da ocorrência da inseminação artificial post mortem, porém não pensou nos efeitos jurídicos e nos problemas éticos que a referida prática pudesse ocasionar. Dentre as problemáticas mais questionáveis está a possibilidade de afronta aos princípios e garantias constitucionais da Igualdade entre os Filhos, Dignidade da Pessoa Humana, Planejamento Familiar, Presunção de Filiação, direito à herança, direito de filiação, dentre outros. Ademais, ante a ausência de regulamentação por parte do ordenamento pátrio, a doutrina e jurisprudência, quando provocada, vêm discutindo a matéria. Sendo certo que ante os avanços da biotecnologia, a sociedade, especialmente àqueles que necessitam da ajuda da ciência para concretizar o projeto parental, se deparam com a ausência de legislação específica, trazendo assim, insegurança jurídica para as famílias brasileiras. Palavras-chave: Inseminação; Artificial; Post Mortem; Sucessão; Direito Civil.

8 ABSTRACT This study discusses the ethical and legal aspects of artificial insemination performed after the death of the parents. In view of the lack of regulation, the topic under discussion has generated numerous controversies, both within the law as well as in science. The paternal legislature in drafting the Civil Code, provided for the possible occurrence of post-mortem insemination, but has failed to foresee the legal as well as ethical ramifications or problems that this practice may result to. Among the problems, the most questionable is the possibility of affront to the principles and constitutional guarantees of equality between the Children, Dignity of the Person, Family Planning, Presumption of Parentage, right to inheritance, right to membership, among others. Moreover, given the absence of regulation by the paternal order, doctrine and jurisprudence, when provoked, have been discussing the matter. Whilst before the advances of biotechnology, the society, especially those who need the help of science to realize the parental project come face to face with the absence of specific legislation, thus bringing legal uncertainty to the Brazilian family. Keywords: Insemination; Artificial; Post Mortem. Succession, Civil Law

9 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...11 CAPÍTULO I 1. A INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NO DIREITO BRASILEIRO Conceito de Inseminação Artificial Evolução Histórica da Inseminação Artificial A Inseminação Artificial no Direito Brasileiro Técnicas de Inseminação Inseminação Artificial (IA) Inseminação Artificial Homóloga Inseminação Homóloga Post Mortem Inseminação Artificial Heteróloga Fertilização In Vitro (FIV) Reprodução pelos Gametas (GIFT) Reprodução pelos Zigotos (ZIFT) As Mães de Substituição A Inseminação Heteróloga Conceito A Inseminação Homóloga Conceito...29 CAPÍTULO II 2. OS ASPECTOS LEGAIS DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL A Inseminação Artificial Face aos Direitos e Garantias Constitucionais O Direito Fundamental à Identidade Genética O Princípio da Dignidade da Pessoa Humana...40

10 2.4. Outros Princípios Constitucionais O Direito Brasileiro Quanto à Investigação de Paternidade Efeitos Legais da Declaração de Paternidade A Imprescritibilidade da Ação de Investigação de Paternidade A Recusa do Requerido em Submeter-se ao Exame de DNA A Investigação de Paternidade no Caso de Inseminação Pós Morte Efeitos Jurídicos da Inseminação Assistida Heteróloga Efeitos Pessoais Não-Constituição dos Vínculos Paterno-Materno-Filiais Relativamente aos Doadores de Gametas Impedimentos Matrimoniais Direito ao Conhecimento de sua Identidade Genética Efeitos Patrimoniais Direito a Alimentos Direito à Sucessão Hereditária A Reprodução Assistida Heteróloga Sob a Ótica do Novo Código Civil Brasileiro Projetos de Lei em Tramitação no Congresso Nacional Questões Polêmicas Sobre a Inseminação Post Mortem O Caso Affair Parpalaix : Marco Inicial Reflexos no Direito Brasileiro Casos Julgados no Brasil (Jurisprudência)...64 CAPÍTULO III 3. OS ASPECTOS ÉTICOS DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL PÓS- MORTEM As Controvérsias Sobre a Ética das Técnicas de Reprodução Humana Assistida O Paradoxo entre o Status do Nascituro e do Embrião fora do Corpo...70

11 3.2. Critérios de Valoração Ética da Fecundação In Vitro As Consequências Éticas da Procriação Assistida Heteróloga e Homóloga As Questões Éticas e Jurídicas na Inseminação Heteróloga em Mulheres Solteiras Adoção de Embriões Controvérsias sobre o Congelamento de Embriões Controvérsias sobre o Descarte dos Embriões A Polêmica sobre a Inseminação Post Mortem A Corrente Favorável A Corrente Contrária Em que Medida e Extensão deve Ocorrer a Intervenção Legislativa Projetos de Lei sobre o Assunto O Direito Comparado (Internacional) Estados Unidos Alemanha Suécia O Posicionamento da Jurisprudência Brasileira Opinião de Profissionais que Atuam na Área de Família Advogada Dirce Tazuko Sayama O Papel da Sociedade O Papel da Igreja Perspectiva para o Futuro Importância do Estudo do Tema para a Sociedade Brasileira CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA ANEXOS...127

12 11 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem por tema As Considerações Sobre a Inseminação Artificial Realizada Post Mortem: Os Aspectos Éticos e Jurídicos, sua escolha se deve ao fato do nascimento recente da primeira criança brasileira concebida por fertilização in vitro oito meses depois da morte de seu genitor, fato raro no mundo devido às implicações éticas, filosóficas e jurídicas decorrentes de tal prática. O tema proposto se enquadra na predileção da autora por assuntos que integram medicina e direito, possibilitando, assim, a concatenação de ambas as ciências em uma pesquisa de alta relevância social e jurídica. A problemática proposta, alcançando qualidade necessária, poderá contribuir para o aperfeiçoamento da legislação brasileira no que tange às modernas técnicas de reprodução humana medicamente assistida. Tal certeza se baseia no crescente congelamento de gametas para sua posterior utilização, podendo esta ser feita após a morte de um dos genitores, o que terá impacto direto no direito sucessório, no direito de filiação, bem como em outros direitos atinentes à criança concebida mediante tal prática. A questão referente à inseminação artificial realizada após a morte merece especial atenção, tendo em vista o descompasso existente entre o ordenamento jurídico e a realidade social no que diz respeito à possibilidade de se realizar o almejado projeto parental por meio das modernas técnicas de reprodução humana. Tais técnicas alcançaram repercussão geral, não só no Brasil como também em outros países, onde as técnicas de inseminação artificial estão bem desenvolvidas, causando assim perplexidade em toda a população, por justamente não existir uma adequada e clara disciplinação legislativa em nosso país, que abarque o problema.

13 12 O objetivo geral do trabalho é analisar a problemática jurídica existente entre o direito à sucessão e outras questões de ordem ética de filhos concebidos através de inseminação artificial post mortem em relação àqueles nascidos por métodos naturais. Como objetivos específicos têm-se a possibilidade de caracterizar a violação do Princípio Constitucional da Igualdade de Filiação, demonstrar o impasse entre o ordenamento jurídico brasileiro e a realidade social no que tange aos avanços tecnológicos com relação à reprodução humana, bem como determinar a possibilidade de igualdade sucessória entre a prole concebida através de inseminação artificial após a morte de seu genitor e a concebida por métodos naturais com os pais vivos, quando do nascimento da criança. A única norma existente que contempla o tema em comento é a Resolução 1.597, do Conselho Federal de Medicina, que apenas trata de questões deontológicas referentes à prática da inseminação artificial, não tendo status de lei. O método utilizado para a realização do presente trabalho foi o dialético, procurando identificar os conflitos existentes na legislação e as contradições envolvidas no problema proposto, para então se tentar chegar a uma possível solução. A pesquisa será predominantemente bibliográfica, com base principalmente em livros, artigos, periódicos, materiais obtidos na internet, reportagens de revistas, jurisprudências, bem como em pesquisa de campo que se dará por meio de uma entrevista a ser realizada com um profissional atuante na área de família. Assim, para uma melhor organização do trabalho, dividiremos o assunto em três capítulos. No primeiro capítulo, será feita uma abordagem sobre a inseminação artificial no Direito Brasileiro, adentrando no conceito, evolução histórica, principais técnicas de inseminação, dando ênfase na inseminação heteróloga e homóloga. No segundo capítulo, serão abordados os aspectos legais da inseminação artificial, no que tange aos Direitos e Garantias Constitucionais, dentre eles o direito fundamental à identidade genética.

14 13 Será discorrido também sobre o Princípio Constitucional da Dignidade da Pessoa Humana e outros princípios igualmente importantes que protegem a família de uma forma geral. De igual forma, será abordada a investigação de paternidade no Direito Pátrio, quais os efeitos legais decorrentes da declaração de paternidade, a possibilidade de imprescritibilidade da ação de investigação de paternidade e igualmente da recusa do requeridos em se submeter ao exame de DNA, com ênfase na investigação de paternidade realizado após a morte do genitor. Ademais, serão debatidos os efeitos jurídicos da inseminação artificial heteróloga, incluindo seus efeitos pessoais, dentre eles a não constituição dos vínculos paterno-materno-filiais relativamente aos doadores de gametas, os impedimentos matrimoniais e o direito ao conhecimento da identidade genética da criança concebida através de tal prática. Outrossim, serão, mencionados os efeitos patrimoniais da inseminação heteróloga, dentre eles, o direito ao alimento, à sucessão hereditária e outros efeitos. Serão igualmente ponderados sobre a ótica do novo Código Civil em relação a reprodução assistida heteróloga e os projetos de lei em tramitação no Congresso Nacional. Por fim, esse capítulo também tratará das questões polêmicas sobre a inseminação realizada após a morte, citando um importante caso que ficou conhecido mundialmente como o Caso Affair Papalaix, os reflexos no direito brasileiro e finalmente os casos julgados no Brasil, principalmente por se tratar do único julgamento sobre o tema ocorrido no direito brasileiro. No terceiro e último capítulo concluir-se-á o trabalho abordando os aspectos éticos da inseminação artificial post mortem, as controvérsias sobre a ética das técnicas de reprodução humana assistida e o paradoxo entre o status do nascituro e do embrião fora do corpo, os critérios de valoração ética da fecundação in vitro, e as consequências éticas da procriação assistida heteróloga e homóloga

15 14 Este capítulo abordará também as questões éticas e jurídicas da inseminação heteróloga em mulheres solteiras, a adoção de embriões, bem como as controvérsias sobre o congelamento e descarte de embriões. Será discorrido sobre a doutrina contrária e favorável com relação a inseminação post mortem e em que medida deve ocorrer a intervenção legislativa, mencionando os projetos de lei existentes sobre o assunto. Abordará, de forma sucinta, a legislação alienígena sobre o assunto, o posicionamento da doutrina e jurisprudência brasileira, com inserção de um tópico sobre a opinião de um profissional que atua na área, o papel da sociedade, da igreja, as perspectivas para o futuro e finalmente a importância do estudo do tema para a sociedade brasileira. O presente trabalho não tem a pretensão de esgotar o tema, mas tão somente instigar os operadores do direito para que deem início a uma discussão clara e objetiva sobre um assunto de suma importância para as famílias brasileiras, no intuito de regulamentar a matéria, para que sejam garantidos os direitos de procriação inerentes a todo ser humano de forma segura, trazendo assim, segurança jurídica para aqueles que sonham em realizar o projeto parental por meio da engenharia genética

16 15 CAPÍTULO I 1. A INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL DO DIREITO BRASILEIRO 1.1. CONCEITO DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL A técnica da inseminação artificial é espécie do gênero reprodução medicamente assistida O conceito de inseminação artificial será demonstrado pelo significado etimológico da palavra, apresentado pelo dicionário da língua portuguesa, pelo dicionário jurídico, bem como pela definição que alguns doutrinadores trazem sobre o tema. Aurélio Buarque de Holanda Ferreira 1 em seu dicionário da língua portuguesa, conceitua inseminação artificial como o processo de fecundação que consiste na introdução por meio de recursos artificiais de sêmen nas vias genitais femininas. Maria Helena Diniz 2 em seu dicionário jurídico, ensina que: [...] Inseminação artificial é a fecundação anômala do óvulo, mediante introdução do sêmen no útero, por meio de processo diverso da conjunção carnal ou pela junção do sêmen ao óvulo em proveta. É um processo mecânico de fecundação assexual mediante o uso de técnicas médicas. Na doutrina, o entendimento do conceito de inseminação artificial não traz grandes divergências, alguns doutrinadores se referem a tal técnica como reprodução humana assistida, pois a mesma, segundo Márcio Antônio Boscaro 3 engloba todas as hipóteses de fecundação. 1 FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. 4. ed. Curitiba: Positivo, 2009, p Verbete. 2 DINIZ, Maria Helena. Dicionário Jurídico. 3. ed. Rev. Atual. e Aum.. São Paulo: Saraiva, 2008, p Verbete. 3 BOSCARO, Márcio Antônio. Direito de Filiação. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002, p. 88.

17 16 De acordo com o referido autor inseminação artificial, consiste em fecundar o óvulo, ainda nas entranhas da mulher, pela introdução artificial de gametas masculinos, por método diverso da relação sexual. Nas lições de Juliane Fernandes Queiroz 4 a palavra inseminação tem origem na expressão latina inseminare, onde in significa dentro e sêmen significa semente. No entendimento de Sílvio de Salvo Venosa 5 a inseminação artificial permite fecundar uma mulher fora da relação sexual. O esperma é recolhido e, mantido ou não por tempo mais ou menos longo, o qual sendo introduzido no órgão sexual da mulher, fecunda-a. Consta no site da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva 6, que infertilidade é a falência em conceber após 1 ano de coito irregular e sem contracepção, tendo a técnica de inseminação artificial sido criada para possibilitar aos casais inférteis, a possibilidade de realizar o tão sonhado projeto parental, tonando-o possível, graças aos avanços da medicina. 4 QUEIROZ, Juliane Fernandes. Paternidade Aspectos Jurídicos e Técnicas de Inseminação Artificial Doutrina e Legislação. Belo Horizonte: Del Rey, 2001, p VENOSA, Sílvio de Salvo. A reprodução Assistida e seus Aspectos Legais. Disponível em: <http://www.jornaldaciencia.org.br/detalhe.jps?id=7402>. Acesso em 02 fev SOCIEDADE AMERICANA DE MEDICINA REPRODUTIVA. Disponível em: <http://ibrra.com.br/infertilidade/conceito.html>. Acesso em 18 mar

18 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL Desde a antiguidade, o homem estuda a possibilidade de fecundação fora do ato sexual. De acordo com Andrea Aldrovandi e Danielle França 7 na mitologia existem diversos casos de mulheres que engravidaram fora do ato sexual, como exemplo, as referidas autoras citam: [...] Ates filho de Nana, filha do Rei Sangário, que teria colhido uma amêndoa e colocado no seu ventre (Grécia), Kwanyin deusa que possibilitava a fecundidade das mulheres que lhe prestassem culto (China); Vanijiin deusa da fertilidade, mulheres que se dirigiam sozinhas a seu templo retornavam grávidas (Japão), Maria mãe de Jesus (Bíblia); no Brasil é conhecida a lenda do boto que engravidava as mulheres que lhe dirigem o olhar. E continuam explicando que a técnica de inseminação artificial não é atual, acredita-se que teve início no século XIV, mais precisamente em 1332, quando ocorreu a fecundação em equinos, feita pelos árabes. Ivan Marcus Vanzin 8 afirma que em 1779, um monge italiano chamado Lázaro Spallanzani demonstrou que o embrião era resultado da junção de um espermatozoide e um óvulo. Ele retirou o sêmen de um cachorro e inseminou em uma cadela, que pariu três filhotes, essa técnica se propagou rapidamente para uso em animais. Nas lições do referido autor, foram os russos, encabeçados por Elie Ivanof que utilizaram uma técnica com equinos em Essa técnica revolucionou o campo da reprodução animal e seria utilizada em todo o mundo. 7 ALDROVANDI, Andrea; FRANÇA, Danielle Galvão de. A Reprodução Assistida e as Relações de Parentesco. Jus Navigandi, Teresina, ano 7, n. 58, 1 ago Disponível em: <HTTP://jus.com.br/revista/texto/3127/a-reproducao-assitida-e-as-relacoes-de-parentesco>. Acesso em: 25 mar VANZIN, Ivan Marcus. Inseminação Artificial e Manejo Reprodutivo dos Bovinos. Disponível em: <http://www.inseminacaoartificial.com.br/historico.htm>. Acesso em: 03 mai

19 18 De acordo com Marisa Moura, Maria Souza e Bruno Scheffer 9 o primeiro relato de inseminação artificial realizada em seres humanos ocorreu em 1790, por um médico inglês chamado John Hunter. Afirmam ainda que nos anos de 1970, a técnica de inseminação artificial foi muito utilizada, porém, com os avanços da tecnologia, ela passou a ser considerada arcaica, tendo sido temporariamente abandonada. Contudo, nos dias atuais tem sido bastante utilizada para ajudar os casais inférteis a procriar. E continuam ensinando que o ápice da reprodução assistida ocorreu em 25 de julho de 1978, quando veio ao mundo a inglesa Louise Brown. Foi o primeiro bebê nascido por meio de inseminação artificial in vitro, popularmente conhecido como bebê de proveta, gerando, assim, uma enorme expectativa para os casais inférteis. De acordo com os mesmos autores, na época do nascimento de Louise, as chances de se engravidar fora dos padrões, não passavam de 5%, do total de tentativas, hoje o número é de até 6 vezes maior. As técnicas de reprodução assistida são muitas e cada vez mais casais tanto de sexo diferente como homoafetivos desejam ter um filho biologicamente seu. Ainda, nos ensinamentos dos autores acima mencionados, a mesma técnica foi utilizada para trazer ao mundo a brasileira Anna Paula Caldeira, no dia 7 de outubro de E finalizam afirmando que Anna Paula, assim como Louise, é símbolo da esperança de se realizar o projeto parental. Conclui-se, pelo exposto, que as técnicas de inseminação artificial, progrediram muito até chegar nos dias atuais, logicamente, nem todas as tentativas tiveram sucesso, porém, a grande maioria conseguiu atingir a finalidade desejada, fazendo nascer, para aqueles que desejam realizar o projeto parental, uma luz no fim do túnel. 9 MOURA, Marisa Decat de; SOUZA, Maria do Carmo Borges de; SCHEFFER, Bruno Brum. Reprodução Assistida um Pouco de História. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rsbph/v12n2/v12n2a04.pdf>. Acesso em: 18 mar

20 A INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NO DIREITO BRASILEIRO No Brasil, não existe legislação específica que regulamente a inseminação artificial, agravando a situação ante a ausência de jurisprudência firmada sobre o assunto. Atualmente, está em vigor o Código Civil de 2002, mais precisamente em seu artigo e incisos, que dispõe que se presumem concebidos na constância do casamento os filhos: Art [...] [...] III havidos por fecundação artificial homóloga, mesmo que falecido o marido; IV havidos, a qualquer tempo, quando se tratar de embriões excedentários, decorrentes de concepção artificial homóloga; V havidos por inseminação artificial heteróloga, desde que tenha prévia autorização do marido. Essas regras, segundo os doutrinadores são insuficientes para solucionar os diversos problemas que permeiam o tema. Além da previsão determinada no Código Civil, porém sem regulamentação, existem também normas deontológicas previstas na Resolução 1.957/2010 do Conselho Federal de Medicina, que revogou a Resolução 1.358/92, aplicadas aos profissionais médicos, sem previsão de qualquer penalidade para condutas em desacordo com tal resolução. Sílvio de Salvo Venosa 10 ao discorrer sobre o assunto assevera que o Código Civil de 2002 não autoriza nem regulamenta a reprodução assistida, mas apenas constata lacunosamente a existência da problemática e procura dar solução ao aspecto da paternidade. 10 VENOSA, Sílvio de Salvo. Direito Civil Direito de Família. São Paulo: Atlas, 2010, p. 226.

21 TÉCNICAS DE INSEMINAÇÃO De acordo com a Resolução 1.957/2010 do Conselho Federal de Medicina, as técnicas de reprodução humana têm o condão de auxiliar na resolução dos problemas de reprodução humana, facilitando o processo de procriação quando outras terapêuticas tenham se revelado ineficazes ou são consideradas inapropriadas. Essas técnicas variam conforme o tipo de problema do casal. No presente trabalho, trataremos de conceituar as mais utilizadas pela comunidade médica no tratamento de infertilidade masculina ou feminina. Segundo Karla Ferreira de Camargo Fisher 11 os métodos artificiais de reprodução humana mais comumente utilizados são a inseminação artificial, objeto de estudo do nosso trabalho e a fertilização in vitro Inseminação Artificial (IA) Consoante ensinamento de Juliane Fernandes Queiroz 12 essa técnica de fertilização artificial, por ser abrangente, será utilizada para designar as novas tecnologias reprodutivas conceptivas, independentemente da técnica específica que será utilizada. Jussara Maria Leal Meirelles 13 aduz que a inseminação artificial pode ser definida como a técnica científica mais antiga e consiste, basicamente, na introdução do esperma na cavidade uterina ou no canal cervical, por meio de uma cânula, no período em que o óvulo se encontra suficientemente maduro para ser fecundado. 11 FISHER, Karla Ferreira de Camargo. Inseminação Artificial Post Mortem e Seus Reflexos no Direito de Família e no Direito Sucessório. Disponível em: <www.ibdfam.org.br/anais_dowload.php?a=224>. Acesso em 08 set QUEIROZ, Juliane Fernandes. Op. Cit., p MEIRELLES, Jussara Maria Leal, 2000 apud. FISHER, Karla Ferreira de Camargo. Op. Cit.

22 21 Nos ensinamentos de Belmiro Pedro Welter 14 [...] A inseminação artificial é uma técnica de procriação humana medicamente assistida, em que o material genético é depositado diretamente na cavidade uterina da mulher, não por meio de um ato sexual, mas, sim, assexual (artificial), cuja técnica é dirigida ao casal fértil com dificuldade para fecundar naturalmente, em vista de deficiências físicas (impotenti coeundi), má formação congênita do aparelho genital externo, masculino ou feminino, diminuição do volume de espermatozoides [oligoespermia] ou de sua mobilidade [astenospermia], dentre outras, quer por força de perturbações psíquicas (infertilidade de origem psicogênica). Nesse mesmo sentido, Sílvio de Salvo Venosa 15 assegura que: A inseminação artificial permite fecundar uma mulher fora da relação sexual. O sêmen é recolhido e mantido ou não por tempo mais ou menos longo, o qual sendo introduzido no órgão sexual da mulher, a fecunda. Note-se que, conforme mencionado por Belmiro Pedro Welter 16 neste tipo de técnica o casal é fértil, porém têm dificuldade de procriar naturalmente, necessitando de uma ajuda da biotecnologia para procriar. Nesse sentido, não há que se falar em infertilidade, pois a procriação se dará com o óvulo da mulher e o sêmen do marido. De acordo com a doutrinadora Juliane Fernandes Queiroz 17 a inseminação artificial pode adotar duas modalidades distintas, em aspectos morais, filosóficos, sociais e jurídicos: a inseminação intraconjugal, homóloga ou homofecundação e a inseminação extraconjugal, heteróloga ou heterofecundação Inseminação Artificial Homóloga A inseminação artificial homóloga é aquela realizada com sêmen do próprio marido, onde o material genético é introduzido no ventre da mulher. Em tese, esse tipo de técnica não oferece maiores problemas no seio jurídico por não modificar a 14 WELTER, Belmiro Pedro. Igualdade Entre as Filiações Biológica e Socioafetiva. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003, p VENOSA, Sílvio de Salvo. Op. Cit., p WELTER, Belmiro Pedro. Op. Cit. 17 QUEIROZ, Juliane Fernandes. Op. Cit., p. 77.

23 22 hereditariedade biológica da criança concebida, pois não encontra intervenção de terceiros na intimidade do casal. No entanto, merece alguns questionamentos no que diz respeito à sua realização após a morte do marido, questão que será tratada oportunamente. A respeito do tema, nos ensina Demian Diniz da Costa 18 : Sílvio de Salvo Venosa 19 A inseminação artificial homóloga é aquela realizada com o sêmen do marido ou companheiro. A técnica consiste no recolhimento do sêmen do marido ou companheiro, sendo que através dos instrumentos adequados é feito o implante dos espermatozoides no corpo feminino. È possível, ainda, o congelamento do sêmen recolhido através das técnicas de crioconservação existentes na atualidade.. tem o mesmo entendimento, ao afirmar que homóloga é a inseminação proveniente do sêmen do marido ou companheiro. Neste caso, a inseminação homóloga, conforme supracitado, não traz consequências ou questionamentos no que tange à paternidade ou maternidade da criança. Pois essa técnica não utiliza sêmen ou óvulo doado de terceiros, mas tão somente do casal ansioso em construir uma família Inseminação Homóloga Post Mortem A fecundação post mortem é possível graças às modernas técnicas de criopreservação 20 do material genético. 18 COSTA, Demian Diniz da. Famílias Monoparentais Reconhecimento Jurídico. Rio de Janeiro: Aide, 2002, p VENOSA, Sílvio de Salvo. Op. Cit., p Criopreservação, também chamada de crioconservação ou criobiologia, é uma técnica aplicada no congelamento de material orgânico, células, tecidos e, não muito distante, sistemas mais complexos como um órgão, em baixa temperatura, em média de cento e noventa e seis graus Celsius negativos (-196º), muito usada nas clínicas de reprodução humana, com a finalidade de preservar o material coletado viável para a utilização posterior, sem perder as propriedades biológicas, estrutura e funcionalidade, após o descongelamento. Essa técnica já é usada há quase cinquenta anos pelas clínicas de reprodução humana assistida e na reprodução animal. SILVA, Michel Clei Farias; CAMPOS, Bruna Christiane Dantas. Aspectos Jurídicos da Criopreservação Extracorpórea de Células Embrionárias Humanas. Disponível em: <http://www.ambitojuridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=6605>. Acesso em: 21 mai

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM nº 1.957/2010 (Publicada no D.O.U. de 06 de janeiro de 2011, Seção I, p.79) A Resolução CFM nº 1.358/92, após 18 anos de vigência, recebeu modificações relativas

Leia mais

FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO. Thiago Kotula Brondani

FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO. Thiago Kotula Brondani 1 FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO Thiago Kotula Brondani Os avanços médicos-científicos e a disseminação das técnicas de reprodução humana assistida tornaram necessária a imposição de limites éticos e

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 3.638-C, DE 1993 Institui normas para a utilização de técnicas de reprodução assistida. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 14/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/04/2013)

PARECER CREMEB Nº 14/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/04/2013) PARECER CREMEB Nº 14/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/04/2013) Expediente Consulta Nº 018.621/2012 Assunto: Fertilização in vitro com material biológico de doador falecido. Relatora: Consª Maria Lúcia

Leia mais

Gestação de Substituição ASPECTOS PSICOLÓGICOS II Simpósio de Direito Biomédico OAB Cássia Cançado Avelar Psicóloga Centro Pró-Criar Gestação de Substituição Esse tratamento é indicado para pacientes que

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida sempre em defesa do aperfeiçoamento das práticas e da observância aos princípios éticos e bioéticos

Leia mais

REFLEXOS DO BIODIREITO NO DIREITO DAS FAMÍLIAS

REFLEXOS DO BIODIREITO NO DIREITO DAS FAMÍLIAS REFLEXOS DO BIODIREITO NO DIREITO DAS FAMÍLIAS M.ª Clarissa Bottega* Os conhecimentos científicos parecem perturbar nossa auto-compreensão tanto quanto mais próximos estiverem de nos atingir. 1 BIOÉTICA

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013 (Publicada no D.O.U. de 09 de maio de 2013, Seção I, p. 119) Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida, anexas à presente resolução, como

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/13 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida, anexas à presente resolução, como dispositivo deontológico a ser seguido pelos médicos e revoga

Leia mais

PARECER N.º P/01/APB/05 SOBRE A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES HUMANOS EM INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA

PARECER N.º P/01/APB/05 SOBRE A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES HUMANOS EM INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA PARECER N.º P/01/APB/05 SOBRE A UTILIZAÇÃO DE EMBRIÕES HUMANOS EM INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA RELATOR: RUI NUNES 1 PREÂMBULO Poucas questões têm despertado tanta controvérsia como a natureza e a atribuição

Leia mais

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s)

Provas escritas individuais ou provas escritas individuais e trabalho(s) Programa de DIREITO CIVIL VII 9º período: 3h/s Aula: Teórica EMENTA Introdução ao direito de família. Parentesco. Alimentos. Filiação. Guarda, da tutela e da curatela. Casamento. União estável. Dissolução

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação 2007/1 ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO CIVIL VI Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito 111111111111111111111111111111111111111

Leia mais

ÍNDICE - 21/08/2006 O Popular (GO)...2 Cidades...2

ÍNDICE - 21/08/2006 O Popular (GO)...2 Cidades...2 ÍNDICE - 21/08/2006 O Popular (GO)...2 Cidades...2 Pais doam embrião congelado para engravidar mulher infértil...2 Adormecidos no nitrogênio líquido há até dez anos...3 À espera da chance de ser mãe...3

Leia mais

O BIODIREITO, A BIOÉTICA E AS CÉLULAS-TRONCO

O BIODIREITO, A BIOÉTICA E AS CÉLULAS-TRONCO 1 O BIODIREITO, A BIOÉTICA E AS CÉLULAS-TRONCO FABENE, L. R. Resumo: O tema apresentado está em voga, e tem presença constante nos meios midiáticos. Isto porque a palavra célula-tronco traz esperança de

Leia mais

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA Renata Martins Sena Advogada Pós-graduada em Direito Constitucional As inúmeras mudanças sociais ocorridas nos últimos tempos têm refletido sobremaneira

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 100/XII/1.ª

PROJECTO DE LEI N.º 100/XII/1.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 100/XII/1.ª GARANTE O ACESSO DE TODAS AS MULHERES À PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA (PMA) E REGULA O RECURSO À MATERNIDADE DE SUBSTITUIÇÃO, PROCEDENDO À SEGUNDA ALTERAÇÃO

Leia mais

REPRODUÇÃO ASSISTIDA HETERÓLOGA: UMA PONDERAÇÃO ENTRE O DIREITO DO DOADOR AO SIGILO E O DIREITO FUNDAMENTAL À IDENTIDADE GENÉTICA

REPRODUÇÃO ASSISTIDA HETERÓLOGA: UMA PONDERAÇÃO ENTRE O DIREITO DO DOADOR AO SIGILO E O DIREITO FUNDAMENTAL À IDENTIDADE GENÉTICA REPRODUÇÃO ASSISTIDA HETERÓLOGA: UMA PONDERAÇÃO ENTRE O DIREITO DO DOADOR AO SIGILO E O DIREITO FUNDAMENTAL À IDENTIDADE GENÉTICA SABRINA GERALDO ROCHA¹ LUIZ GUSTAVO DE OLIVEIRA SALES² LAURÍCIO ALVES CARVALHO

Leia mais

Professor Álvaro Villaça Azevedo Titular da Faculdade de Direito da USP

Professor Álvaro Villaça Azevedo Titular da Faculdade de Direito da USP Indicação nol2812011 SC-43812011 Comissão de Direito de Família AUTOR DA INDICAÇÃO: ADVOGADO MARCOS NUNES CILOS EMENTA PAI SOCIOAFETIVO: ART. 1.593 E 1.595, AMBOS DO CC/2002. NECESSIDADE DE ADEQUAÇÃO TÉCNICA

Leia mais

PARECER Nº 82/2010_E_ PROCESSO Nº 2009/104323 Data inclusão: 21/05/2010

PARECER Nº 82/2010_E_ PROCESSO Nº 2009/104323 Data inclusão: 21/05/2010 PARECER Nº 82/2010_E_ PROCESSO Nº 2009/104323 Data inclusão: 21/05/2010 (082/10_E) REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS _ Assento de nascimento _ Filha gerada mediante fertilização in vitro e posterior

Leia mais

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE Que modificações ocorrem no organismo feminino após a nidação? A nidação e as primeiras fases de gestação encontram-se sob estreito controlo hormonal. A hormona hcg estimula o corpo lúteo a produzir hormonas,

Leia mais

UNIJUI UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DE SUL REGIANE ANDREIA ABEGG KLEVESTON

UNIJUI UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DE SUL REGIANE ANDREIA ABEGG KLEVESTON UNIJUI UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DE SUL REGIANE ANDREIA ABEGG KLEVESTON A REPRODUÇÃO HUMANA MEDICAMENTE ASSISTIDA E O SEU IMPACTO NO DIREITO SUCESSÓRIO Ijuí(RS) 2013 1 REGIANE

Leia mais

FILIAÇÃO BIOTECNOLÓGICA E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS NO ÂMBITO INTERNO

FILIAÇÃO BIOTECNOLÓGICA E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS NO ÂMBITO INTERNO 1 FILIAÇÃO BIOTECNOLÓGICA E SUAS IMPLICAÇÕES JURÍDICAS NO ÂMBITO INTERNO MARIA POMPEIA SEVERIANO ARAÚJO 1 Resumo: O presente estudo debruça-se sobre a filiação decorrente de técnicas de reprodução humana

Leia mais

ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM

ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Ação Negatória de Paternidade. Legitimidade Ativa. Artigos 1.601 e 1.604, do Código

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º./XII/1.ª

PROJECTO DE LEI N.º./XII/1.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º./XII/1.ª GARANTE O ACESSO DE TODAS AS MULHERES À PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA (PMA) E REGULA O RECURSO À MATERNIDADE DE SUBSTITUIÇÃO, PROCEDENDO À SEGUNDA ALTERAÇÃO

Leia mais

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE Revista: Carta Capital 28 de Agosto de 2002 SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE DOIS ESPECIALISTAS DIZEM O QUE É CIÊNCIA E O QUE É MITO, ESCLARECEM AS POSSÍVEIS CAUSAS DO PROBLEMA E AS MELHORES ALTERNATIVAS PARA

Leia mais

DOAÇÃO DE GAMETAS E A GARANTIA DE SIGILO AOS

DOAÇÃO DE GAMETAS E A GARANTIA DE SIGILO AOS II SIMPÓSIO DE DIREITO BIOMÉDICO DOAÇÃO DE GAMETAS E A GARANTIA DE SIGILO AOS DOADORES Maria de Fátima Freire de Sá PUC Minas www.cebid.com.br Identidade pessoal e identidade genética Art. 3º: Cada indivíduo

Leia mais

Inseminação Artificial no Ordenamento Jurídico Brasileiro: a Omissão Presente no Código Civil e a Busca por uma Legislação Específica

Inseminação Artificial no Ordenamento Jurídico Brasileiro: a Omissão Presente no Código Civil e a Busca por uma Legislação Específica Doutrina Inseminação Artificial no Ordenamento Jurídico Brasileiro: a Omissão Presente no Código Civil e a Busca por uma Legislação Específica RENATA MALTA VILAS-BÔAS Mestre em Direito Público pela UFPE,

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA HETERÓLOGA: A PEDRA DE TOQUE DA SOCIOAFETIVIDADE

REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA HETERÓLOGA: A PEDRA DE TOQUE DA SOCIOAFETIVIDADE REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA HETERÓLOGA: A PEDRA DE TOQUE DA SOCIOAFETIVIDADE Daniel Alt Silva da Silva Mestrando em Direito daniel@raadealt.com Resumo: O presente estudo, utilizando a metodologia qualitativa

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A investigação de paternidade por análise de DNA André Luís dos Santos Figueiredo Eduardo Ribeiro Paradela * Em termos de impacto social, é muito difícil estabelecer um paralelo

Leia mais

INFORMATIVO n. 9, Outubro, 2013

INFORMATIVO n. 9, Outubro, 2013 INFORMATIVO n. 9, Outubro, 2013 Este Informativo pode ser acessado no site do CEBID www.cebid.com.br Editorial A REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA E A RESOLUÇÃO CFM n. 2013/2013 A normatização da reprodução

Leia mais

DIREITOS SUCESSÓRIOS NA REPRODUÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA

DIREITOS SUCESSÓRIOS NA REPRODUÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA CAROLINA ELOÁH STUMPF REIS Advogada especialista em Direito Civil com ênfase em Direito de Família e Sucessões pelo IDC de Porto Alegre/RS, mestranda em Direito das Relações Internacionais pela Universidad

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 1.957/10

RESOLUÇÃO CFM nº 1.957/10 RESOLUÇÃO CFM nº 1.957/10 A Resolução CFM nº 1.358/92, após 18 anos de vigência, recebeu modificações relativas à reprodução assistida, o que gerou a presente resolução, que a substitui in totum. O CONSELHO

Leia mais

Graduada em Direito pelo Instituto Superior Cenecista de Unaí (INESC) - MG. 1

Graduada em Direito pelo Instituto Superior Cenecista de Unaí (INESC) - MG. 1 30 PATERNIDADE SOCIOAFETIVA Fernanda Soares Teixeira 7 Ivete Maria de Oliveira Alves 1 Resumo: Este trabalho é fruto de uma reflexão sobre a paternidade sócio afetiva, concebida como um instituto, que

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE REPRODUÇÃO HUMANA DOS ALUNOS DE CURSINHO PRÉ-VESTIBULAR

CONCEPÇÕES SOBRE REPRODUÇÃO HUMANA DOS ALUNOS DE CURSINHO PRÉ-VESTIBULAR CONCEPÇÕES SOBRE REPRODUÇÃO HUMANA DOS ALUNOS DE CURSINHO PRÉ-VESTIBULAR Nunes, L.T. (1) ; Leite, J.S. (1) ; Oliveira, M.S. (1) ; Pinheiro, J.P.S; Linhares, F.R.A. (1) ;Melo-Maciel, M.A.P. (1) ; Porto,

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL HETERÓLOGA: o reconhecimento da origem

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL HETERÓLOGA: o reconhecimento da origem INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL HETERÓLOGA: o reconhecimento da origem genética à luz do princípio da dignidade da pessoa humana MIRIA SOARES ENEIAS1 PRISCILLA ALVES SILVA 2 RESUMO: Este trabalho tem o intuito

Leia mais

Inseminação Artificial no Ordenamento Jurídico Brasileiro: A omissão presente no Código Civil e a busca por uma legislação específica

Inseminação Artificial no Ordenamento Jurídico Brasileiro: A omissão presente no Código Civil e a busca por uma legislação específica Inseminação Artificial no Ordenamento Jurídico Brasileiro: A omissão presente no Código Civil e a busca por uma legislação específica Renata Malta Vilas-Bôas 1 Resumo: Trata-se de uma análise referente

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. ADOÇÃO PELO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (lei nº 8069, de 13/07/1990) E PELO CÓDIGO CIVIL (lei nº 10406, de 10/01/2002).

PROJETO DE PESQUISA. ADOÇÃO PELO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (lei nº 8069, de 13/07/1990) E PELO CÓDIGO CIVIL (lei nº 10406, de 10/01/2002). PROJETO DE PESQUISA ADOÇÃO PELO ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (lei nº 8069, de 13/07/1990) E PELO CÓDIGO CIVIL (lei nº 10406, de 10/01/2002). Polyana da Silva Siqueira Rosana Rangel Silva Campos

Leia mais

Reprodução Medicamente Assistida. Grupo: Ana Sofia Ramalhete Nº3 Bárbara Mello Nº23 Beatriz Luz Nº7 Bruno Alberto Nº31 Carina Fernandes Nº8

Reprodução Medicamente Assistida. Grupo: Ana Sofia Ramalhete Nº3 Bárbara Mello Nº23 Beatriz Luz Nº7 Bruno Alberto Nº31 Carina Fernandes Nº8 Reprodução Medicamente Assistida Grupo: Ana Sofia Ramalhete Nº3 Bárbara Mello Nº23 Beatriz Luz Nº7 Bruno Alberto Nº31 Carina Fernandes Nº8 Introdução A reprodução medicamente assistida é um tipo de reprodução

Leia mais

União Homossexual. Humana Assistida

União Homossexual. Humana Assistida União Homossexual e Reprodução Humana Assistida Dra. Rívia Lamaita II SIMPÓSIO DE DIREITO BIOMÉDICO 04 de junho de 2011 DEBATE ÉTICO SOBRE UNIÃO HOMOSSEXUAL: COMO SURGIU? Parte da razão para o não reconhecimento

Leia mais

REVISTA ÂMBITO JURÍDICO Insemina? Artificial no Ordenamento Jur?co Brasileiro: A omiss?presente no C?o Civil e a busca por uma legisla? espec?

REVISTA ÂMBITO JURÍDICO Insemina? Artificial no Ordenamento Jur?co Brasileiro: A omiss?presente no C?o Civil e a busca por uma legisla? espec? REVISTA ÂMBITO JURÍDICO Insemina? Artificial no Ordenamento Jur?co Brasileiro: A omiss?presente no C?o Civil e a busca por uma legisla? espec?ca Resumo: Trata-se de uma análise referente à inseminação

Leia mais

Título: A doação de órgãos como exceção ao princípio da indisponibilidade do corpo humano

Título: A doação de órgãos como exceção ao princípio da indisponibilidade do corpo humano Título: A doação de órgãos como exceção ao princípio da indisponibilidade do corpo humano Davi Souza de Paula Pinto 1 SUMÁRIO: 1. INTRODUÇÃO; 2. DIREITOS DA PERSONALIDADE E A PROTEÇÃO À INTEGRIDADE FÍSICA:

Leia mais

Útero de substituição: discussão ética e jurídica

Útero de substituição: discussão ética e jurídica Útero de substituição: discussão ética e jurídica ELIETE DE ANGELIS CAMPOS 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO NOSSA SENHORA DO PATROCÍNIO Resumo: O objetivo deste artigo é tecer algumas considerações sobre as técnicas

Leia mais

Editorial. Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania Volume 2 nº 1-2011

Editorial. Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania Volume 2 nº 1-2011 1 Editorial O volume segundo, número um do ano de 2011 da Revista Eletrônica Direito, Justiça e Cidadania, pretende compartilhar com a comunidade acadêmica, uma coletânea de textos que apresenta uma análise

Leia mais

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009)

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) Consulta nº 159.756/08 Assuntos: - Filmagem em interior de UTI. - Legalidade de contratação de médicos plantonistas como pessoa jurídica.

Leia mais

POSSIBILIDADE DE SUCESSÃO LEGITIMA AO FILHO CONCEBIDO POR INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL HOMÓLOGA APÓS A MORTE DO CONCESSOR

POSSIBILIDADE DE SUCESSÃO LEGITIMA AO FILHO CONCEBIDO POR INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL HOMÓLOGA APÓS A MORTE DO CONCESSOR Curso de Direito Artigo Original POSSIBILIDADE DE SUCESSÃO LEGITIMA AO FILHO CONCEBIDO POR INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL HOMÓLOGA APÓS A MORTE DO CONCESSOR POSSIBILITY OF LEGITIMATE SUCCESSION TO THE CHILD CONCEIVED

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL Professora Doutora: Mirella D Angelo MESTRADO EM DIREITO UNIMES 2013 O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL

Leia mais

16.7.1 Execução de alimentos. Prisão do devedor, 394

16.7.1 Execução de alimentos. Prisão do devedor, 394 1 Introdução ao Direito de Família, 1 1.1 Compreensão, 1 1.2 Lineamentos históricos, 3 1.3 Família moderna. Novos fenômenos sociais, 5 1.4 Natureza jurídica da família, 7 1.5 Direito de família, 9 1.5.1

Leia mais

2. OBJETIVO GERAL Apresentar ao estudante a estruturação pessoal, patrimonial e social da família e a diversidade de sua disciplina jurídica.

2. OBJETIVO GERAL Apresentar ao estudante a estruturação pessoal, patrimonial e social da família e a diversidade de sua disciplina jurídica. DISCIPLINA: Direito de Família SEMESTRE DE ESTUDO: 7º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CH total: 72h CÓDIGO: DIR138 1. EMENTA: O Direito de Família. Evolução do conceito de família. A constitucionalização

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

A FORMAÇÃO DA FAMÍLIA MONOPARENTAL A PARTIR DAS TÉCNICAS DE REPRODUÇÃO ARTIFICIAL

A FORMAÇÃO DA FAMÍLIA MONOPARENTAL A PARTIR DAS TÉCNICAS DE REPRODUÇÃO ARTIFICIAL A FORMAÇÃO DA FAMÍLIA MONOPARENTAL A PARTIR DAS TÉCNICAS DE REPRODUÇÃO ARTIFICIAL Aroldo Fagundes de Aguiar 1 INTRODUÇÃO As novas possibilidades postas pela ciência reprodutiva no campo das técnicas de

Leia mais

XVIII Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XVIII Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XVIII Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 FILIAÇÃO E SEUS REFLEXOS NA PATERNIDADE E NOS DIREITOS FUNDAMENTAIS Guilherme Bruno Araujo1*(IC), Laila dos Santos

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 10 07 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013

BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 10 07 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 10 07 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013 INFORMATIVO num Editorial - 10ª Edição Prezado leitor, Nesta edição do Informativo Mensal do Escritório Ribeiro da Luz

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Aspectos Jurídicos da Inseminação Artificial Post Mortem. Paola Mavropoulos Beekhuizen Villar

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Aspectos Jurídicos da Inseminação Artificial Post Mortem. Paola Mavropoulos Beekhuizen Villar Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Aspectos Jurídicos da Inseminação Artificial Post Mortem Paola Mavropoulos Beekhuizen Villar Rio de Janeiro 2009 PAOLA MAVROPOULOS BEEKHUIZEN VILLAR Aspectos

Leia mais

FAMÍLIA NO DIREITO CIVIL BRASILEIRO 1. Keith Diana da Silva

FAMÍLIA NO DIREITO CIVIL BRASILEIRO 1. Keith Diana da Silva FAMÍLIA NO DIREITO CIVIL BRASILEIRO 1 Keith Diana da Silva keith.diana@hotmail.com FAC São Roque NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar Introdução A família foi gradativamente se evoluindo, sofrendo

Leia mais

Assim, nos termos constitucionais e regimentais, os Deputados abaixo-assinados apresentam o seguinte projeto de lei:

Assim, nos termos constitucionais e regimentais, os Deputados abaixo-assinados apresentam o seguinte projeto de lei: Projeto de Lei n.º /XII Segunda Alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de Junho, alargando o âmbito dos beneficiários das técnicas de Procriação Medicamente Assistida A Lei n.º 32/2006, de 26 de Junho, aprovada

Leia mais

O DIREITO A IDENTIDADE GENÉTICA NA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL HETERÓLOGA

O DIREITO A IDENTIDADE GENÉTICA NA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL HETERÓLOGA O DIREITO A IDENTIDADE GENÉTICA NA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL HETERÓLOGA MARCELA NEVES MENDONÇA Graduanda em Direito da Unifacs SAMUEL FRÓES CASEMIRO MENDES Graduando em Direito da Unifacs Sumário: Introdução;

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS ORIUNDAS DA BIOTECNOLOGIA: INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL HOMOLOGA POST MORTEM NO ÂMBITO DO DIREITO SUCESSÓRIO BRASILEIRO E COMPARADO

TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS ORIUNDAS DA BIOTECNOLOGIA: INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL HOMOLOGA POST MORTEM NO ÂMBITO DO DIREITO SUCESSÓRIO BRASILEIRO E COMPARADO TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS ORIUNDAS DA BIOTECNOLOGIA: INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL HOMOLOGA POST MORTEM NO ÂMBITO DO DIREITO SUCESSÓRIO BRASILEIRO E COMPARADO SOCIAL TRANSFORMATION FROM BIOTECHNOLOGY: HOMOLOGOUS

Leia mais

Não. O registro de nascimento contendo o nome de dois pais e uma mãe não é condição para a existência de uma paternidade sócio-afetiva.

Não. O registro de nascimento contendo o nome de dois pais e uma mãe não é condição para a existência de uma paternidade sócio-afetiva. Não. O registro de nascimento contendo o nome de dois pais e uma mãe não é condição para a existência de uma paternidade sócio-afetiva. Em um artigo publicado neste mesmo portal jurídico, com o título

Leia mais

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Civil VI (Família) Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 7º.

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Civil VI (Família) Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 7º. PLANO DE ENSINO I Identificação Disciplina Direito Civil VI (Família) Código PRI0087 Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 7º II Ementário Noções gerais: o Direito de Família na atualidade

Leia mais

2 EVOLUÇÃO NAS TÉCNICAS DE REPRODUÇÃO ARTIFICIAL E A LEGISLAÇÃO

2 EVOLUÇÃO NAS TÉCNICAS DE REPRODUÇÃO ARTIFICIAL E A LEGISLAÇÃO 1 INTRODUÇÃO A evolução da ciência médica, principalmente em relação às técnicas de reprodução assistida, tem causado inúmeros questionamentos de estudiosos do Direto sobre as profundas modificações nos

Leia mais

PROCESSO-CONSULTA CFM nº 8.036/11 PARECER CFM nº 7/12 INTERESSADO: Fertilização in vitro Gestação de substituição. Cons. José Hiran da Silva Gallo

PROCESSO-CONSULTA CFM nº 8.036/11 PARECER CFM nº 7/12 INTERESSADO: Fertilização in vitro Gestação de substituição. Cons. José Hiran da Silva Gallo PROCESSO-CONSULTA CFM nº 8.036/11 PARECER CFM nº 7/12 INTERESSADO: CRM-PE ASSUNTO: RELATOR: Fertilização in vitro Gestação de substituição Cons. José Hiran da Silva Gallo EMENTA: A doação temporária do

Leia mais

DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE. Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira.

DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE. Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira. DEBATE SOBRE HOMOAFETIVIDADE Ms. Raquel Schöning; Ms Anna Lúcia Mattoso Camargo; Ms. Gislaine Carpena e Ms. Adriana Bina da Silveira. Temáticas: Casamento União estável: efeitos (Bina); Novas famílias

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 755/XII/4.ª GARANTE O ACESSO DE TODAS AS MULHERES À PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA (PMA)

PROJETO DE LEI N.º 755/XII/4.ª GARANTE O ACESSO DE TODAS AS MULHERES À PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA (PMA) Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 755/XII/4.ª GARANTE O ACESSO DE TODAS AS MULHERES À PROCRIAÇÃO MEDICAMENTE ASSISTIDA (PMA) PROCEDENDO À SEGUNDA ALTERAÇÃO À LEI N.º 32/2006, DE 26 DE JULHO, ALTERADA

Leia mais

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES

ENUNCIADOS DAS I, III E IV JORNADAS DE DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÕES As Jornadas de Direito Civil são uma realização do Conselho da Justiça Federal - CJF e do Centro de Estudos Jurídicos do CJF. Nestas jornadas, compostas por especialistas e convidados do mais notório saber

Leia mais

Milagre do Nascimento

Milagre do Nascimento Milagre do Nascimento A ciência colabora com o sonho de casais que não poderiam ter filhos por métodos tradicionais. Por Viviane Bittencourt A inseminação artificial é um dos métodos da reprodução assistida

Leia mais

O DIREITO À FILIAÇÃO E A SUCESSÃO POST MORTEM NAS SITUAÇÕES DE REPRODUÇÃO ASSISTIDA

O DIREITO À FILIAÇÃO E A SUCESSÃO POST MORTEM NAS SITUAÇÕES DE REPRODUÇÃO ASSISTIDA O DIREITO À FILIAÇÃO E A SUCESSÃO POST MORTEM NAS SITUAÇÕES DE REPRODUÇÃO ASSISTIDA Diego Dezidério 1 ; Cleide Aparecida Gomes Rodrigues Fermentão 2 RESUMO: Esta pesquisa será um estudo direcionado para

Leia mais

1 O INÍCIO DA PERSONALIDADE E A SITUAÇÃO DO NASCITURO NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO. Flora Soares Guimarães* Leonardo Alves Guedes* Lívia Gueiros Maia* Michel Alves de Souza* Paola Teixeira Lessa

Leia mais

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Projeto de Lei do Senado nº., de 2007. O CONGRESSO NACIONAL decreta: 1 Projeto de Lei do Senado nº., de 2007 Dispõe sobre a obrigatoriedade de patrocínio, pela União, de traslado de corpo de brasileiro de família hipossuficiente falecido no exterior. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

Universidade de Cuiabá. Curso de Direito

Universidade de Cuiabá. Curso de Direito PLANO DE ENSINO - ANO 2011/2 1 - IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DISCIPLINA: Biodireito TERMO: 8º semestre CARGA HORARIA: 30 horas PROFESSOR: Clarissa Bottega, Daniela Samaniego e José Diego Costa. 2 - PERFIL

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011

DIREITO DE FAMÍLIA DIREITO CIVIL - FAMÍLIA PROF: FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DATA: 10/02/2011 DIREITO DE FAMÍLIA Antes da Constituição de 1988 a família se constituía somente pelo casamento. A Constituição de 1988 adotou o princípio da pluralidade das famílias, prevendo, no art. 226 1 três espécies

Leia mais

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde 254 Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde Luiz Eduardo de Castro Neves 1 Nos dias atuais, em que há cada vez mais interesse em bens de consumo, é, sem dúvida, nos momentos em que as pessoas se

Leia mais

BIOLOGIA 12º ANO. Prof. Ângela Morais UNIDADE 1 REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

BIOLOGIA 12º ANO. Prof. Ângela Morais UNIDADE 1 REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE Escola B+S Bispo D. Manuel Ferreira Cabral Ano Letivo 2011/2012 BIOLOGIA 12º ANO Prof. Ângela Morais UNIDADE 1 REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE 2. Manipulação da Fertilidade 2.2 Infertilidade Humana

Leia mais

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE ESPECIAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO Marcelo Vituzzo Perciani

Leia mais

Doação de gâmetas. Faculdade de Medicina Universidade de Lisboa Ética e Deontologia Médicas Prof. Doutor Miguel Oliveira e Silva Maio 2010

Doação de gâmetas. Faculdade de Medicina Universidade de Lisboa Ética e Deontologia Médicas Prof. Doutor Miguel Oliveira e Silva Maio 2010 Faculdade de Medicina Universidade de Lisboa Ética e Deontologia Médicas Prof. Doutor Miguel Oliveira e Silva Maio 2010 Doação de gâmetas Trabalho realizado por: Ana Catarina Henriques Anabela Aires Maria

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesucol@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

Lei n.º 32/2006 de 26 de Julho. Procriação medicamente assistida

Lei n.º 32/2006 de 26 de Julho. Procriação medicamente assistida Lei n.º 32/2006 de 26 de Julho Procriação medicamente assistida A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo

Leia mais

Bacharel em Medicina, a quem interessa?

Bacharel em Medicina, a quem interessa? Espaço CREMERS Bacharel em Medicina, a quem interessa? DR. ISMAEL MAGUILNIK Segundo Secretário CREMERS DR. GUILHERME BRUST BRUM Consultor Jurídico DRA. CARLA BELLO FIALHO CIRNE LIMA Consultora Jurídica

Leia mais

DOCUMENTOS E ORIENTAÇÕES QUE DEVEM SER OBSERVADOS PARA TRANSPLANTES COM DOADOR VIVO EM RELAÇÃO A CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ

DOCUMENTOS E ORIENTAÇÕES QUE DEVEM SER OBSERVADOS PARA TRANSPLANTES COM DOADOR VIVO EM RELAÇÃO A CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ DOCUMENTOS E ORIENTAÇÕES QUE DEVEM SER OBSERVADOS PARA TRANSPLANTES COM DOADOR VIVO EM RELAÇÃO A CENTRAL ESTADUAL DE TRANSPLANTES DO PARANÁ Através do presente sintetizamos as exigências legais previstas

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA Presidência do Conselho de Ministros 53/CNECV/07

CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA Presidência do Conselho de Ministros 53/CNECV/07 53/CNECV/07 PARECER DO CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA PARECER SOBRE OS PROJECTOS DE LEI Nº 126/X (Estabelece os Princípios da Investigação Científica em Células Estaminais e a Utilização

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Casamento Inexistente Daniel Barbosa Lima Faria Corrêa de Souza* O Código Civil, tanto o de 1916 quanto o de 2002, não oferece subsídios para a determinação da noção de inexistência

Leia mais