Estágio n.º Manual de Estágio 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estágio n.º 3109. Manual de Estágio 1"

Transcrição

1 INIAV é Ciência Viva Projeto Escolher Ciência: da Escola à Universidade A FLORESTA AO MICROSCÓPIO II Estágio n.º a 12 Julho de 2013 Responsável - Maria de Lurdes Inácio Manual de Estágio 1

2 Semana de Estágio 2ª feira, 8 Julho manhã Receção dos alunos e apresentação da Unidade de investigação florestal e da equipa do projeto; enquadramento das atividades a desenvolver ao longo do estágio tarde Instalação de amostras para extração do nemátode da madeira do pinheiro; procedimento de extração do nemátodes para identificação; observações à lupa e ao microscópio 3ª feira, 9 Julho manhã Isolamento de fungos em cultura pura a partir de árvores infetadas tarde Observação das fases do ciclo de vida de insetos vetores de doenças na floresta: observações à lupa; demonstração dos principais meios de luta (ex: armadilhas iscadas com feromonas) 4ª feira, 10 Julho manhã Extração e purificação de DNA de fungos patogénicos e envio do material para sequenciação tarde Continuação do isolamento de fungos patogénicos; observação de preparações microscópicas de fungos simbiontes (micorrizas) ou de antagonistas 5ª feira, 11 Julho manhã Avaliação dos resultados obtidos na Patologia e Biologia Molecular tarde Análise das sequências de DNA obtidas e possível identificação dos fungos atendendo às suas características morfológicas e aos resultados da sequenciação do DNA ribossomal 6ª feira, 12 Julho manhã Apresentação (em grupos) do estágio pelos alunos no auditório da ex-efn tarde Continuação das apresentações Entrega dos diplomas do estágio Ciência Viva Lanche Nota: os alunos em estágio têm ainda a possibilidade de assistir diariamente a palestras subordinadas a diversos temas, entre as h, antes do período de almoço. Manual de Estágio 2

3 2ª feira, 8 Julho 10:00 - Receção dos estagiários pelos dinamizadores dos estágios no edifício da ex- Estação Florestal Nacional, Oeiras (EAN, Quinta do Marquês) Entrega das Pastas de Acolhimento 10:45 - Abertura do evento INIAV é Ciência Viva pelo Conselho Diretivo do INIAV Dr. Carlos Caldas 11:00 - Apresentação do Programa Estágios INIAV é Ciência Viva pela Coordenadora do Programa - Paula Sá Pereira. 11:20 Início do estágio A Floresta ao Microscópio I Apresentação da equipa de trabalho Visita às instalações/ laboratórios Enquadramento das atividades a desenvolver ao longo do estágio Almoço Breve introdução aos principais agentes causadores de doenças na floresta: nemátodes e fungos; o seu transporte por insetos. Caso particular da doença da murchidão do pinheiro, causada pelo nemátode da madeira do pinheiro (NMP), Bursaphelenchus xylophilus. Laboratório de Nematologia (Mª Lurdes Inácio + Margarida Fontes) Normas de funcionamento num laboratório de organismos de quarentena. Preparação e instalação de amostras de pinheiro bravo para extração e deteção do NMP Observação da suspensão de nemátodes à lupa. Técnica de pescagem de nemátodes. Observação ao microscópio ótico (MO) de preparações entre lâmina e lamela. Microfotografia. Manual de Estágio 3

4 Laboratório de Nematologia O nemátode da madeira do pinheiro (NMP), Bursaphelenchus xylophilus é um animal de dimensões muito reduzidas (em média 1 mm de comprimento), filiforme (tipo lombriga) e ataca os pinheiros na floresta (sobretudo o pinheiro bravo), causando a doença da murchidão do pinheiro, que mata milhares de árvores no nosso país todos os anos. Como os sintomas são comuns a outras doenças, são retiradas amostras de serrim do tronco (com uma broca) dos pinheiros que se apresentem com as agulhas secas e acastanhadas, e trazidas para o nosso laboratório. Aqui, são instaladas de acordo com um protocolo específico para se extrair o NMP e efetuar a sua identificação através das características morfológicas e por métodos de biologia molecular. Há outros nemátodes naturalmente presentes no pinheiro muito parecidos com o NMP mas que não causam doença e por isso a identificação desses nemátodes só pode ser feita por especialistas (Nematologistas). Para passar de uma árvore para a outra, os nemátodes têm de ser transportados pelo inseto Monochamus galloprovincialis (longicórnio do pinheiro). Por isso, o NMP também pode ser identificado diretamente a partir destes insetos (Figura 1). a b Figura 1. a) Inseto vetor do nemátode da madeira do pinheiro (NMP); b) suspensão de nemátodes; c) pormenor da cabeça e da cauda do NMP (macho). c Nota: As diferentes etapas do trabalho são devidamente enquadradas e exemplificadas e todos os trabalhos serão acompanhados por técnicos de laboratório. Está também instalado um computador com uma apresentação em diapositivos, possibilitando aos estagiários a qualquer momento rever todo o processo de instalação das amostras até à identificação do NMP ao microscópio. Manual de Estágio 4

5 Laboratório de Nematologia (cont.) PROTOCOLO de INSTALAÇÃO das AMOSTRAS para EXTRAÇÃO de NMP 1. As amostras de serrim são pesadas e anotado o seu peso em tabela de laboratório 2. São colocadas sobre uma folha de papel que por sua vez está sobre uma folha de tecido (étamine) 3. Faz-se um embrulho (com a maior espessura de tecido virada para cima) que se coloca sobre a rede do tabuleiro 4. Enche-se o tabuleiro com água (cerca de metade da altura) e deixa-se ficar durante 48 h. PROTOCOLO de EXTRAÇÃO de NMP a partir do inseto Monochamus galloprovincialis 1. Os insetos são divididos em machos (antenas pretas) e fêmeas (antenas brancas e pretas) 2. São esmagados com um pequeno pilão dentro de uma placa de Petri pequena 3. Com o esguicho, enche-se a placa com água até cerca de metade 4. Deixa-se ficar durante 2-3 h 5. Côa-se a suspensão para nova placa para observação PROTOCOLO de OBSERVAÇÃO DO NMP À LUPA e ao MO ENTRE LÂMINA E LAMELA 1. A suspensão de nemátodes é colocada numa siracusa. 2. Faz-se a focagem e o ajuste das ampliações para observação de machos, fêmeas e estados juvenis do NMP. 3. Com o auxílio de uma pestana, pesca-se um nemátode (acompanhando a focagem) e colocase na gota de água na lâmina. 4. Mata-se o nemátode passando a lâmina gentilmente à chama e depois coloca-se a lamela por cima. 5. Observa-se ao MO, focando com a objetiva de menor ampliação (x4) e passando para as seguintes, de forma a ver as diferentes estruturas distintivas da espécie. 6. Microfotografias do material biológico observado. Manual de Estágio 5

6 3ª feira, 9 Julho 10:00 Visita à Micoteca Florestal do INIAV Isolamento em meio artificial de cultura de fungos causadores de doença em sobreiro para obtenção de culturas puras. 12:15- Palestra P5 Marcadores genéticos: dos genes às populações/ Melhoramento genético de castanheiro para a resistência à doença da tinta. Rita Costa e José Matos. Auditório Florestal Almoço Breve introdução às principais pragas florestais de pinheiro, sobreiro e eucalipto com visita à Entomoteca Florestal do INIAV e às câmaras de crescimento de insetos para acompanhamento das diferentes fases dos ciclos de vida (larva, pupa e adulto). Observações das diferentes estruturas dos insetos à lupa binocular. Breves noções de bioecologia e de meios de luta para controlo das populações de pragas florestais, com particular ênfase nos métodos biotécnicos com recurso a armadilhas iscadas com feromonas e luta biológica com utilização de parasitoides e fungos entomopatogénicos. Laboratório de Micologia (Helena Bragança/ Helena Machado) Existem muitos fungos nos ecossistemas florestais com diferentes funções: saprófitas, simbiontes (micorrizas), antagonistas de outros fungos, entomopatogénicos (causadores de infeção nos insetos, sobretudo nos nocivos) e fitopatogénicos (causadores de doenças nas plantas). Pelo seu interesse, vamos trabalhar sobretudo com estes últimos. A partir de tecidos de árvores doentes (tronco, agulhas), com suspeita de infeção por fungos, será efetuado o isolamento do agente patogénico em cultura pura, com recurso a meios artificiais de cultura, com a chamada de atenção para a enorme biodiversidade micológica contida numa amostra de tecido vegetal. Será estudado com maior pormenor o fungo Biscogniauxia mediterranea, causador da doença do carvão do entrecasco no sobreiro. Laboratório de Entomologia (Pedro Naves) Observação e manipulação de insetos à lupa binocular: o longicórnio do pinheiro M. galloprovincialis, (Cerambicídeo), o plátipo do sobreiro Platypus cylindrus (Platipodídeo) e o gorgulho do eucalipto Gonipterus scutellatus (Curculionídeo). Captação de imagens. Breves noções sobre montagem e etiquetagem de insetos para coleção. Observação das principais armadilhas usadas para o controlo de pragas florestais. Observação de insetos parasitados e/ou infetados com fungos entomopatogénicos. Manual de Estágio 6

7 Laboratório de Micologia PROTOCOLO de ISOLAMENTO DE FUNGOS PATOGÉNICOS EM CULTURA PURA Breve demonstração sobre a preparação de meios artificiais de cultura (Malt Extract Agar, MEA Difco ): pesagens, diluições, autoclavagem e enchimento de placas de Petri 5mm. Desinfeção (álcool 70%) da bancada de trabalho, dos instrumentos a usar (pinça e bisturi) e das mãos (em alternativa, trabalhar com luvas de latex). Avaliação da lesão no tecido vegetal e seleção do material a isolar: na zona de transição do tecido são e tecido afetado, cortam-se pequenos pedaços com o auxílio de um bisturi. Estes pedaços são imersos em álcool a 1% cerca de 30 seg e depois passados por água destilada e esterilizada. Em seguida, são colocados sobre papel de filtro estilizado para remover o excesso de água e postos na placa de Petri (1 pedaço/ placa), sobre o meio de cultura. Estas operações decorrem em câmara de fluxo laminar e/ou com a lamparina acesa e colocada a uma distância de segurança. Cada placa de isolamento tem de ser devidamente identificada com o nº/nome da amostra, a data e o meio de cultura. As placas são colocadas em estufa de incubação, na obscuridade e a cerca de 24±1ºC, temperatura adequada para o crescimento da maior parte dos fungos com que trabalhamos e observadas diariamente. É natural que apareçam diferentes fungos (Figura 3), até na mesma placa, porque na natureza não há culturas puras, nós é que as tentamos obter no laboratório! Para isso, teremos de fazer um acompanhamento diário das placas e fazer a repicagem do que interessa para novas placas. Figura 3. Isolamento de fungos a partir de tecido vegetal. O que obtemos na placa de cultura são as hifas do fungo, que no seu conjunto constituem o micélio. Após alguns dias, podem formar-se esporos (conídios) que servem para propagar a doença. Em laboratório temos de ter cuidado e adotar procedimentos para que estes esporos não se libertem das placas e vão contaminar outros trabalhos e até mesmo fazer-nos mal à saúde! Contudo, estas estruturas reprodutivas são muito importantes para a caracterização morfológica do isolado, essencial para a identificação dos fungos. Ao estudar os esporos, avalia-se a sua forma, tamanho, modo de formação, inserção nos conidióforos (estrutura especializada formada por hifas simples ou ramificadas de onde são originados os conídios). Manual de Estágio 7

8 Laboratório de Entomologia PROTOCOLO de OBSERVAÇÃO DOS INSETOS À LUPA 1. Os insetos têm de ser manuseados delicadamente com recurso a pinças de bicos moles 2. Os insetos de maiores dimensões são colocados diretamente no prato da lupa e observados com incidência de duplo foco de luz fria 3. Os insetos de menores dimensões são colocados numa esfera de observação para mais fácil manipulação 4. Captação de imagens prestando particular atenção às principais regiões (cabeça, tórax e abdómen) e às estruturas de forma a ser capaz de efetuar a legenda da Figura 2. Figura 2. Os insetos são artrópodes cujo corpo é revestido por quitina e está dividido em três regiões. Coloca as letras A, B e C à frente dos nomes da coluna: Abdómen Cabeça Tórax Completa as frases abaixo com as estruturas convenientes: patas, antenas, élitros, asas membranosas. O inseto vetor do NMP é o longicórnio do pinheiro. Tem esta designação porque tem umas muito longas. As asas coriáceas designam-se por e protegem o corpo do inseto e as que servem para voar. Os insetos têm 3 pares de que às vezes podem estar modificadas ou ausentes. Nota: como nos ecossistemas florestais é frequente os patogénios (nemátodes e fungos) serem transportados por insetos para vencerem as distâncias entre as árvores hospedeiras, às vezes a observação de insetos à lupa permite distinguir a presença de nemátodes ou de micélio de fungo no corpo dos artrópodes. Manual de Estágio 8

9 4ª feira, 10 Julho 10:00 Extração de DNA de fungos patogénicos Quantificação do DNA extraído Reação PCR Preparação do gel para eletroforese 12:15 - Palestra P6 A biodiversidade vegetal e a alimentação. Alimentos geneticamente modificados. Controlo de pesticidas em alimentos vegetais. Isabel Duarte e Cristina Aleixo e Susana Luz. Auditório Florestal Almoço Continuação do isolamento de fungos patogénicos em cultura pura; repicagens. Observação de preparações ao MO entre lâmina e lamela Conclusão da extração de nemátodes por crivagem debaixo de água (crivo 38 mesh) e confirmação da presença do NMP por observação à lupa e ao MO. Laboratório de Genética Florestal (Filomena Nóbrega + Joana Henriques) Discussão da importância do diagnóstico preciso em Fitopatologia, do conhecimento dos ciclos de vida dos fungos e decorrente aplicação de meios de controlo. A genética molecular como ferramenta imprescindível no diagnóstico das doenças florestais pelo conhecimento dos genes do fungo: através da sequenciação parcial do seu genoma, e comparação com as bases de dados mundiais (Genbank), é possível completar a identificação do fungo patogénico. O DNA existe em praticamente todas as células vivas e no caso dos fungos em cultura pura, a sua extração é feita diretamente a partir do micélio que se desenvolveu na placa de Petri. Para obter o DNA, tem que se separar dos outros componentes celulares. Assim, as células são fragmentadas e o DNA separado do conteúdo lipídico das membranas da célula e dos organitos e depois das proteínas. Este DNA tem de ser analisado por espectrofotometria para sabermos a quantidade e qualidade de material genético que obtivemos. Depois de extraído o DNA, é-lhe adicionada uma mistura (mix) que contém os dntps (desoxirribonucleotídeos trifosfatos), que são as bases azotadas ligadas com um três fosfato, os primers (também designados oligonucleotídeos ou iniciadores) e a enzima DNA polimerase numa solução tampão. Toda esta mistura é colocada no termociclador, o qual faz ciclos de temperatura préestabelecidos com tempos exatos específicos para cada reação (fragmento a ser amplificado). Este processo é conhecido como PCR (Polimerase Chain Reaction) e destina-se a obter maiores quantidades de material genético. Manual de Estágio 9

10 Laboratório de Genética Florestal PROTOCOLO de EXTRAÇÃO de DNA de FUNGO PATOGÉNICO Manual de Estágio 10

11 Laboratório de Genética Florestal (cont.) PROTOCOLO de PCR A técnica da PCR (reação em cadeia da polimerase) é um método de amplificação enzimática in vitro (de criação de múltiplas cópias) de DNA. Durante a PCR são usadas elevadas temperaturas de forma a separar as moléculas de DNA em duas cadeias simples, permitindo então a ligação de oligonucleótidos iniciadores (primers). Para realizar PCR são necessárias pequenas quantidades do DNA alvo, uma solução tampão salina contendo a enzima Taq DNA polimerase, os oligonucleótidos iniciadores, os quatro desoxinucleótidos constituintes do DNA e o cofactor Mg2+. Esta mistura é submetida a vários ciclos de amplificação que consistem em: desnaturação do DNA alvo pelo calor de modo a separar as duas cadeias; hibridação ou emparelhamento dos iniciadores por ligações de hidrogénio ao DNA alvo em cadeia simples, por arrefecimento da mistura de reação e extensão dos iniciadores através da síntese da cadeia complementar de cada cadeia molde, catalisada pela Taq DNA polimerase. O processo envolvendo estes três passos pode ser repetido várias vezes (25 a 30 ciclos) sendo possível aumentar, em cada ciclo, duas vezes a concentração de DNA existente, levando a uma amplificação exponencial. Manual de Estágio 11

12 Laboratório de Genética Florestal (cont.) PROTOCOLO de ELETROFORESE A electroforese é o método mais utilizado para estimar o tamanho dos fragmentos do DNA. A separação eletroforética de DNA é feita normalmente em gel de agarose. Por aplicação de um campo elétrico as amostras colocadas no gel vão migrar para o polo positivo (ânodo), uma vez que os ácidos nucleicos têm carga negativa em ph neutro. Esta migração dos ácidos nucleicos origina bandas que podem ser visualizadas com o auxílio de luz ultravioleta, após coloração com brometo de etídeo, uma substância mutagénica que se intercala nas cadeias de DNA e que exposta a radiação UV emite uma fluorescência alaranjada. Durante o endurecimento (polimerização) do gel, coloca-se um pente que cria poços que serão utilizados para a colocação das amostras. Cada uma é uma pista e na presença de uma corrente elétrica vai deixando o seu rasto. São estes rastos ou bandas que vamos comparar. Manual de Estágio 12

13 Laboratório de Micologia (cont.) PROTOCOLO de OBSERVAÇÂO de FUNGOS AO MO (preparação entre lâmina e lamela) 1. com o auxílio de um bisturi esterilizado (passado à chama) raspa-se ligeiramente um pouco de micélio de placa de Petri. 2. coloca-se esse micélio entre a lamina e a lamela, sobre uma gota de ácido láctico. 3. observação ao microscópio ótico, começando por focar na ampliação mais baixa (x100) 4. microfotografia com escala ampliação x Desenha aqui em traços largos o que observaste ao microscópio. Não te esqueças de anotar a ampliação que deves calcular efetuando a seguinte multiplicação ampliação das oculares (=x10) x ampliação da objetiva Nota: para além do microscópio ótico, também se recorre a observações no microscópio eletrónico de varrimento (SEM = scanning electron microscope) que permite ampliações muito superiores às do MO e microfotografias de grande beleza. Manual de Estágio 13

14 5ª feira, 11 Julho 10:00 Eletroforese em gel de agarose 12:15 - Palestra P7 As árvores e as florestas vistas do céu/ O papel das ciências sociais na investigação agrária. Augusta Costa e Alexandra Pinto. Auditório Florestal Almoço Observação e discussão dos resultados obtidos no gel de agarose Explicação e discussão dos resultados obtidos na sequenciação do gene em estudo (Figura 4) possível identificação do fungo patogénico isolado de sobreiros doentes, em conjunção com as características morfológicas do fungo observadas anteriormente. Figura 4. representação esquemática dos genes do DNA ribossomal do fungo com particular destaque para a região dos ITS (internal transcribed spacer). Manual de Estágio 14

15 Laboratório de Genética Florestal (cont.) Cola aqui o teu gel da electroforese e identifica cada uma das bandas obtidas Quando o DNA do nosso fungo corresponde a uma única banda significa que todo o processo correu bem e que podemos enviar esse DNA purificado para a sequenciação (num sequenciador). Vamos obter a sequência de bases da região do DNA escolhida para estudo do fungo e visualizamo-la num cromatograma. Por comparação desta sequência com as bases de dados internacionais, conseguimos identificar o fungo patogénico do sobreiro. Cola aqui o teu cromatograma e identifica cada uma das letras de cores diferentes e a que corresponde o tamanho dos picos Manual de Estágio 15

16 6ª feira, 12 Julho 10:00 Apresentações dos estágios Ciência Viva 12:15 - Palestra P8 Zoonoses: o que são e como se evitam?. Abel Ana Botelho. Auditório Florestal Almoço Continuação da apresentação dos estágios Ciência Viva Entrega dos diplomas Ciência Viva Lanche Viva a Ciência! (no Lab. de Nematologia) Despedida e um até breve! A equipa do A Floresta ao Microscópio II Manual de Estágio 16

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Ana Luísa Carvalho Amplificação de um fragmento de DNA por PCR Numa reacção em cadeia catalizada pela DNA polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR),

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome

Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome 1 Avaliação Curso de Formação Pós-Graduada da Biologia Molecular à Biologia Sintética 15 de Julho de 2011 Nome 1 - As enzimas de restrição ou endonucleases recebem uma designação que provem (1 valor) a)

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme)

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme) CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme) Genética Humana, LCS 3º Ano,1º Semestre, 2012-2013 2ª Aula Sumário Quantificação de DNA cromossomal e avaliação do grau de pureza por espectrofotometria

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Relatório A arte em movimento: a célula Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Introdução No dia 6 Agosto, iniciamos o nosso estágio no

Leia mais

LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA. Métodos rápidos de tipagem de microrganismos

LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA. Métodos rápidos de tipagem de microrganismos LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA Métodos rápidos de tipagem de microrganismos Tradicionalmente, o estudo de microrganismos, a nível genético, bioquímico/fisiológico ou apenas a nível de identificação, requer

Leia mais

Técnicas moleculares

Técnicas moleculares Técnicas moleculares PCR Reação em Cadeia da Polimerase Inventada em 1983 por Kary Mullis é uma das técnicas mais comuns utilizadas em laboratórios de pesquisas médicas e biológicas Kary Mullis ganhou

Leia mais

Mestrado em Genética Molecular

Mestrado em Genética Molecular Mestrado em Genética Molecular Ano lectivo de 2000/2001, edição 2000-2002 Biologia Molecular Expressão génica (RT-PCR) Protocolo das sessões práticas Braga, 2000 Rui Pedro Soares de Oliveira Mestrado em

Leia mais

Reação em Cadeia Da Polimerase

Reação em Cadeia Da Polimerase Reação em Cadeia Da Polimerase X Jornada Farmacêutica IV Amostra 2010 Sueli Massumi Nakatani LACEN-PR Um Pouco de História... Um Pouco de História... 1983 Kary Mullis for his invention of the polymerase

Leia mais

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA OBJETIVO: Proporcionar aos participantes uma maior compreensão dos avanços que a descoberta da estrutura da

Leia mais

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Biológicas Departamento de Bioquímica e Imunologia Professor: Miguel Alunos: Gustavo Bastos, Hugo Rezende, Monica Maertens,

Leia mais

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA A eletroforese em gel de agarose consiste no método mais usado para separar, identificar, analisar, caracterizar e purificar fragmentos de DNA. Uma molécula de DNA, quando exposta a um campo elétrico,

Leia mais

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR) Uma das dificuldades dos pesquisadores frente à análise baseada no DNA é a escassez deste. Na medicina forense pode-se ter

Leia mais

ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA

ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA Eletroforese Separação de moléculas carregadas em um campo elétrico. As moléculas em uma mistura são separadas umas das outras conforme o tamanho ou a carga Eletroforese

Leia mais

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Patologia x Genética Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Lucas Brandão Patologia Clínica Definição: Fornece informações ao médico, de modo a proporcionar-lhe os meios necessários para

Leia mais

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio.

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio. PROJETO: Análise Genética das Populações de Myrciaria dubia (camu-camu) e Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influencia da UHE Santo Antônio. Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma)

Leia mais

Observação de células eucarióticas ao microscópio óptico

Observação de células eucarióticas ao microscópio óptico Ficha de Trabalho Experimental - (versão professor) Ano lectivo: 10ºano Turma: Data: Observação de células eucarióticas ao microscópio óptico Pré-requisitos Operacionais: ter noções básicas de manuseamento

Leia mais

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri Extração de DNA Prof. Silmar Primieri Conceitos Prévios O que é DNA? Onde se localiza o DNA na célula? Do que são formadas as membranas celulares? Qual a estrutura do DNA? O que é DNA? Unidade básica informacional

Leia mais

Ameaças bióticas aos ecossistemas florestais: o caso da doença do nemátode da madeira do pinheiro

Ameaças bióticas aos ecossistemas florestais: o caso da doença do nemátode da madeira do pinheiro Ameaças bióticas aos ecossistemas florestais: o caso da doença do nemátode da madeira do pinheiro Manuel Mota (mmota@evora.pt) (Prof. Auxiliar com agregação da Universidade de Évora) Paulo Vieira Instituto

Leia mais

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala Técnicas de biologia molecular da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala os mesmos genes, qual a diferença? Dogma central Localizando alvos Técnicas iniciais para evidenciar

Leia mais

Exercício 2 DNA e Eletroforese

Exercício 2 DNA e Eletroforese Exercício 2 DNA e Eletroforese Você já aprendeu sobre as enzimas de restrição e como elas clivam o DNA em fragmentos. Você também deve ter notado que, em alguns mapas de restrição, uma enzima pode produzir

Leia mais

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE Importância da Engenharia Genética Diversidade biológica X Diversidade gênica Etapas básicas da Clonagem Escolha e amplificação do

Leia mais

Andreia Silva, n.º 4 Andreia Nunes, n.º 5 Clara Simões, n.º 9 Diana Rocha, n.º 11

Andreia Silva, n.º 4 Andreia Nunes, n.º 5 Clara Simões, n.º 9 Diana Rocha, n.º 11 Escola Secundária Manuel Cargaleiro Biologia Andreia Silva, n.º 4 Andreia Nunes, n.º 5 Clara Simões, n.º 9 Diana Rocha, n.º 11 Fogueteiro, 12 de Novembro de 2006 p. 1. Introdução Teórica... 2 2. Procedimento

Leia mais

EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI.

EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI. EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI. Antonia Cardoso Almeida ( ICV/ UFPI); Francilene Leonel Campos(orientadora, Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas/

Leia mais

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA Analise a seguinte situação hipotética (1): Uma equipe de pesquisadores está realizando um inventário da biodiversidade de uma área tropical ainda inexplorada, porém já sofrendo grande impacto de fragmentação

Leia mais

II AS OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA

II AS OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA II AS OLIMPÍADAS DE BIOTECNOLOGIA Duração da prova: 120 minutos 2007 1ª ELIMINATÓRIA Na folha de respostas preencha o cabeçalho com os seus dados e os da escola que representa. O teste tem a duração de

Leia mais

CYCLER CHECK. Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores. pronto a usar, pré-aliquotado. REF 71044 (4 testes)

CYCLER CHECK. Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores. pronto a usar, pré-aliquotado. REF 71044 (4 testes) PT Instruções de utilização CYCLER CHECK Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores pronto a usar, pré-aliquotado REF 7104 (10 testes) REF 71044 (4 testes) Índice 1.

Leia mais

Actividade Laboratorial Biologia 10º Ano. OBSERVAÇÃO DE CÉLULAS EUCARIÓTICAS VEGETAIS (Parte I Guião)

Actividade Laboratorial Biologia 10º Ano. OBSERVAÇÃO DE CÉLULAS EUCARIÓTICAS VEGETAIS (Parte I Guião) Actividade Laboratorial Biologia 10º Ano OBSERVAÇÃO DE CÉLULAS EUCARIÓTICAS VEGETAIS (Parte I Guião) O que se pretende 1. Seleccionar material adequado à observação de células eucarióticas vegetais 2.

Leia mais

A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar

A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar 7. ELETROFORESE DE ÁCIDOS NUCLÉICOS João José de Simoni Gouveia Luciana Correia de Almeida Regitano A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar moléculas carregadas (como

Leia mais

Análise da Prova - Perito Criminal Federal (Biomédico/Biólogo)

Análise da Prova - Perito Criminal Federal (Biomédico/Biólogo) Questão Tema(s) predominante(s) Itens do Edital 51 Diferenças entre as metodologias de RFLP e PCR 5.4.2 Regiões repetitivas e polimorfismos. 6.2 Técnica de PCR. 6.3 Técnicas de identificação usando o DNA.

Leia mais

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO Conteúdos abordados -Relembrar alguns conceitos da Replicação do DNA in vivo Aplicação no Laboratório Clínico - PCR -Algumas

Leia mais

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além

deficiências gênicas em amostras de DNA, de seres humanos e/ou animais, o qual além "PROCESSO DE IDENTIFICAÇÃO E INVESTIGAÇÃO DE DEFICIENCIAS GÊNICAS COM UTILIZAÇÃO DE FLUORESCÊNCIA, OU PROCESSO PCR MULTIPLEX FLUORESCENTE". Trata o presente relatório da descrição detalhada acompanhada

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica.

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Biologia Prof. Hugo Henrique Pádua M.Sc. Fundamentos de Biofísica Eletroforese Introdução a Eletroforese Eletroforese migração de moléculas ionizadas,

Leia mais

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS PIOS Cristiane Kioko Shimabukuro Dias Pós-doutorado - FAPESP E-mail: crisdias@ibb.unesp.br Laboratório de Biologia e Genética de Peixes - Departamento

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Casa da Medicina Unidade Gávea Coordenação Central de Extensão EPIDEMIOLOGIA MOLECULAR Rachel Siqueira de Queiroz

Leia mais

LICENCIATURA EM MEDICINA

LICENCIATURA EM MEDICINA LICENCIATURA EM MEDICINA Disciplina de Biologia Molecular (2º Ano) Ano Lectivo de 2006/2007 3º AULA PRÁTICA 1 - Introdução à tecnologia de PCR 1.1. A reacção de PCR Príncipios e variantes da técnica 2.

Leia mais

TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático)

TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático) TEÓRICA 6 DOCENTES: Prof. Helena Galvão (responsável componente teórico) Prof. Margarida Reis (componente prático) VIRUS CONCEITOS E DEFINIÇÕES Características: 1. Não têm estrutura celular, mas multiplicam-se»

Leia mais

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações BSc. Daniel Perez Vieira (Protozoologia-IMTSP/ Laboratório de Biologia Molecular-IPEN) Aula 3 - Análise dos produtos: Qualitativa e Semi- Quantitativa

Leia mais

Kit para calibração de PCR pht

Kit para calibração de PCR pht Kit para calibração de PCR pht Itens fornecidos: Tampões ( concentrado) Composição ( concentrado) I0 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton X-100 IB 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton

Leia mais

Seleção Artificial. "A seleção feita pelo homem visa apenas seu próprio bem; a da natureza visa, de forma exclusiva, o bem do indivíduo modificado".

Seleção Artificial. A seleção feita pelo homem visa apenas seu próprio bem; a da natureza visa, de forma exclusiva, o bem do indivíduo modificado. Biotecnologia Seleção Artificial Processo conduzido pelo ser humano de cruzamentos seletivos com o objetivo de selecionar características desejáveis em animais, plantas e outros seres vivos. "A seleção

Leia mais

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009)

EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA EXAME DE BIOLOGIA Prova de Acesso - Maiores 23 Anos (21 de Abril de 2009) Nome do Candidato Classificação Leia as seguintes informações com atenção. 1. O exame é constituído

Leia mais

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês)

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês) Guia do Professor (Documento baseado no guião original em inglês) Nota: Este documento é apenas um resumo do conteúdo do guia do professor. Alguns itens de grande importância não estão aqui referidos,

Leia mais

Observação de células da epiderme do bolbo da cebola (allium cepa)

Observação de células da epiderme do bolbo da cebola (allium cepa) Escola Secundária Francisco Franco Técnicas Laboratoriais de Biologia Bloco I Observação de células da epiderme do bolbo da cebola (allium cepa) Relatório elaborado: Eduardo Freitas Nº5 12º6 Funchal, 29

Leia mais

Ubiquidade de microorganismos. Introdução. Materiais Necessários

Ubiquidade de microorganismos. Introdução. Materiais Necessários dução Os microorganismos (fungos, bactérias e vírus) são chamados assim por terem um tamanho bastante reduzido. Eles são tão pequenos que não conseguimos enxergá-los a olho nu, mas apenas utilizando microscópio

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos

VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos VI Congresso Brasileiro de Biossegurança Simpósio Latino-Americano de Produtos Biotecnológicos Rio de Janeiro, 21-25 setembro de 2009 Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ Construções Mais Comuns

Leia mais

EXTRAÇÃO DE DNA (3) A EXTRAÇÃO DE DNA A PRÁTICA NO LABORATÓRIO DE ENSINO BIBLIOGRAFIA

EXTRAÇÃO DE DNA (3) A EXTRAÇÃO DE DNA A PRÁTICA NO LABORATÓRIO DE ENSINO BIBLIOGRAFIA EXTRAÇÃO DE DNA (3) A EXTRAÇÃO DE DNA Muitas pesquisas de Biologia Molecular começam com a extração de ácidos nucleicos. A lise celular libera as moléculas em uma fase aquosa que é separada dos restos

Leia mais

BIOLOGIA 12º ANO ANO LECTIVO 2008/2009 NOME DO ALUNO. Teste 5

BIOLOGIA 12º ANO ANO LECTIVO 2008/2009 NOME DO ALUNO. Teste 5 BIOLOGIA 12º ANO ANO LECTIVO 2008/2009 NOME DO ALUNO PROFESSORA: Isabel Dias N.º Classificação: Teste 5 1. Considere os seguintes processos usados para obtenção de organismos. I. Substituir o núcleo de

Leia mais

Construção de Bibliotecas de cdna

Construção de Bibliotecas de cdna Construção de Bibliotecas de cdna Claudia Teixeira Guimarães Antônio A.C. Purcino Eliane A. Gomes Jurandir V. Magalhães Newton P. Carneiro Elto E.G. Gama Robert E. Schaffert Sidney N. Parentoni Vera M.C.

Leia mais

Ficha Sumativa. Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos.

Ficha Sumativa. Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos. Ficha Sumativa Onde existe vida na Terra? Ambientes naturais: terrestres e aquáticos Tema 2 - Terra em transformação Bloco de trabalho 4 - A descoberta das células O microscópio Unidade do mundo vivo -

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA Público alvo: Estudantes de 3º ano do ensino médio Local: Escolas de ensino médio e/ou cursos pré-vestibulares Carga horária: 12 horas Organização: HELIX

Leia mais

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja SOUZA, R.C. 1 ; SANTOS, M.A. 2 ; HUNGRIA, M. 3 1 Centro Universitário Filadélfia - Unifil, renata@ cnpso.embrapa.br; 2 Escola

Leia mais

Departamento de Biologia da Universidade do Minho

Departamento de Biologia da Universidade do Minho Departamento de Biologia da Universidade do Minho Mestrado em Genética Molecular Ano lectivo de 2004/2005, edição de 2004-2006 Estudo da regulação do gene STL1 codificando o sistema de simporte H + /glicerol

Leia mais

Reagentes para Biologia Molecular

Reagentes para Biologia Molecular Reagentes para Biologia Molecular Para obtenção de resultados confiáveis, atividades realizadas na área da Biologia Molecular requerem reagentes de qualidade e pureza elevada. Ideais para diversas rotinas

Leia mais

DNA barcoding é um método que utiliza um trecho do DNA de cerca de 650 nucleotídeos como marcador para caracterizar espécies. Trata-se de uma sequência extremamente curta em relação à totalidade do genoma,

Leia mais

Sequenciamento de DNA

Sequenciamento de DNA Sequenciamento de DNA Figure 8-50a Molecular Biology of the Cell ( Garland Science 2008) Método de Sanger Reação de síntese de DNA por uma DNA polimerase A incorporação de um dideoxinucleotídeo interrompe

Leia mais

Polymerase Chain Reaction

Polymerase Chain Reaction Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciências Básicas da Saúde Laboratório de Virologia Polymerase Chain Reaction Equipe de Virologia UFRGS & IPVDF www.ufrgs.br/labvir PCR Desenvolvida

Leia mais

Disciplina de BIOQUÍMICA do Curso de MEDICINA da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra 1º Ano 2007/2008 SEMINÁRIOS ORIENTADOS APOIO SO10

Disciplina de BIOQUÍMICA do Curso de MEDICINA da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra 1º Ano 2007/2008 SEMINÁRIOS ORIENTADOS APOIO SO10 Disciplina de BIOQUÍMICA do Curso de MEDICINA da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra 1º Ano 2007/2008 SEMINÁRIOS ORIENTADOS APOIO SO10 VÍDEO I Estrutura da célula e isolamento dos organelos

Leia mais

Exercício 4 Sequenciamento por finalizadores de cadeia Sequenciamento do DNA: os finalizadores

Exercício 4 Sequenciamento por finalizadores de cadeia Sequenciamento do DNA: os finalizadores Exercício 4 Sequenciamento por finalizadores de cadeia Sequenciamento do DNA: os finalizadores A determinação da seqüência de bases de um segmento de DNA é um passo crítico em muitas aplicações da Biotecnologia.

Leia mais

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR Engenharia Molecular Kit Autossômico GEM EM-22plex sem extração Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução STRs (short tandem repeats) são sequências repetitivas de 3 a 7 pares de bases encontradas

Leia mais

Southern blotting análise de DNA. Northern blotting análise de RNA. Western blotting análise de proteínas

Southern blotting análise de DNA. Northern blotting análise de RNA. Western blotting análise de proteínas Southern blotting análise de DNA Northern blotting análise de RNA Western blotting análise de proteínas Southern blotting Hibridação DNA-DNA em membrana Southern blot Digestão enzimática Eletroforese em

Leia mais

DNA polimerases dependentes de "template"

DNA polimerases dependentes de template DNA polimerases dependentes de "template" - Adicionam deoxiribonucleótidos à extremidade 3' de cadeias duplas de DNA com um local de "priming" - A síntese ocorre exclusivamente na direcção 5'-3' da nova

Leia mais

Controle Microbiano de Fernanda Goes Mendes Marina Chamon Abreu Seminário de Microbiologia do Solo 2014/1 O controle de na agricultura é um fator limitante e resulta no aumento do custo de produção; O

Leia mais

BIOLOGIA PROVA DE TRANSFERÊNCIA INTERNA, EXTERNA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR 01/12/2013 CANDIDATO: CURSO PRETENDIDO:

BIOLOGIA PROVA DE TRANSFERÊNCIA INTERNA, EXTERNA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR 01/12/2013 CANDIDATO: CURSO PRETENDIDO: UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ BIOLOGIA PROVA DE TRANSFERÊNCIA INTERNA, EXTERNA E PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR 01/12/2013 CANDIDATO: CURSO PRETENDIDO: OBSERVAÇÕES: 01 Prova sem consulta.

Leia mais

ls_pinto@hotmail.com Sibele Borsuk sibele@ufpel.tche.br

ls_pinto@hotmail.com Sibele Borsuk sibele@ufpel.tche.br Universidade Tiradentes Mestrado em Biotecnologia Industrial Seqüenciamento de DNA ls_pinto@hotmail.com Sibele Borsuk sibele@ufpel.tche.br Sequenciamento de DNA em MegaBACE DNA Analysis Systems TGTGAACACACGTGTGGATTGG...

Leia mais

Noções Básicas de Seqüenciamento Genético. Maria do Carmo Debur LACEN/PR

Noções Básicas de Seqüenciamento Genético. Maria do Carmo Debur LACEN/PR Noções Básicas de Seqüenciamento Genético Maria do Carmo Debur LACEN/PR Determinar a seqüência de nucleo3deos do DNA Métodos Clássicos 1976 Allan Maxam e Walter Gilbert (EUA) Método da Degradação Química

Leia mais

DNA r ecomb m i b n i a n nt n e

DNA r ecomb m i b n i a n nt n e Tecnologia do DNA recombinante DNA recombinante molécula de DNA contendo sequências derivadas de mais de uma fonte. As primeiras moléculas de DNA recombinante 1972 Paul Berg : vírus SV40 + plasmídeo 1973:

Leia mais

Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica

Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica Leonor Rebelo Lab Virologia i do IPOFGL EPE Novembro 2012 1º Curso de Virologia Molecular em Oncologia 1 ,, TÑÜxÇwxÜ t ØÇ vt vé át wx Öâx t ÅxÇàx ÇâÇvt áx vtçát?

Leia mais

Características da imagem em microscopia ótica

Características da imagem em microscopia ótica Escola Secundária Jaime Moniz Relatório n.º1 Características da imagem em microscopia ótica Autor: Ana Luísa 10.º7 n.º3 Disciplina: Biologia e Geologia Data de realização: 01/02/2012 Ano Letivo: 2011/2012

Leia mais

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva PCR MARCADORES MOLECULARES Prof. Dr. José Luis da C. Silva Histórico da PCR Kornberg (1960) Isolou e caracterizou a DNA polimerase. O isolamento desta enzima possibilitou o desenvolvimento da síntese in

Leia mais

Preparação do Material Biológico para Observação em TEM

Preparação do Material Biológico para Observação em TEM Preparação do Material Biológico para Observação em TEM 16º Workshop SEMAT/UM - Caracterização Avançada de Materiais Sandra Mariza Monteiro (smonteir@utad.pt) Preparação do Material Biológico para Observação

Leia mais

Observação Microscópica de células

Observação Microscópica de células ESCOLA SECUNDÁRIA/3 MORGADO MATEUS Biologia e Geologia (Ano I) Relatório da Actividade Experimental Observação Microscópica de células Professora: Sónia Leandro Trabalho elaborado por: Joana Pires, nº14-10ºb

Leia mais

em Microscopio Óptica

em Microscopio Óptica 3 Caract acterís erísticas da imagem em Microscopio Óptica 345678903456789034567890345678903456789 345678903456789034567890345678903456789 345678903456789034567890345678903456789 Objectivos de aprendizagem:

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano DNA A molécula da vida Prof. Biel Série: 9º ano DNA FINGER-PRINTING A expressão DNA "Finger-Print" (ou Impressões Genéticas) designa uma técnica de separação de segmentos de DNA que permite a identificação

Leia mais

Observação microscópica de seres vivos de uma infusão

Observação microscópica de seres vivos de uma infusão Escola Secundária Francisco Franco Técnicas Laboratoriais de Biologia Bloco I Observação microscópica de seres vivos de uma infusão Relatório elaborado: Eduardo Freitas Nº5 12º6 Funchal, 3 de Dezembro

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO MÉTODO DE EXTRAÇÃO DE DNA DO FUNGO MYCOSPHAERELLA FIJIENSIS PARA DETECÇÃO ATRAVÉS DE PCR EM TEMPO REAL

VERIFICAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO MÉTODO DE EXTRAÇÃO DE DNA DO FUNGO MYCOSPHAERELLA FIJIENSIS PARA DETECÇÃO ATRAVÉS DE PCR EM TEMPO REAL VERIFICAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO MÉTODO DE EXTRAÇÃO DE DNA DO FUNGO MYCOSPHAERELLA FIJIENSIS PARA DETECÇÃO ATRAVÉS DE PCR EM TEMPO REAL Luciana Oliveira Barateli; Regina Melo Sartori Coelho; Abmael Monteiro

Leia mais

Características macro e microscópicas das madeiras portuguesas Equipa: Amélia Palma, Abel Rodrigues, Miguel Pestana, Francisco Martins

Características macro e microscópicas das madeiras portuguesas Equipa: Amélia Palma, Abel Rodrigues, Miguel Pestana, Francisco Martins Programa: MADEIRAS DE PORTUGAL Características macro e microscópicas das madeiras portuguesas Equipa: Amélia Palma, Abel Rodrigues, Miguel Pestana, Francisco Martins Observação de rodelas de madeira da

Leia mais

LINHA DE REAGENTES PARA BIOLOGIA MOLECULAR

LINHA DE REAGENTES PARA BIOLOGIA MOLECULAR LINHA DE REAGENTES PARA BIOLOGIA MOLECULAR Linha de reagentes fabricados dentro de restritos controles de qualidade. Testados para assegurar os melhores resultados nas técnicas de pesquisa em Biologia

Leia mais

- Alunos do Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico do

- Alunos do Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico do Entidade Promotora: Público - Alvo: - Alunos do Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico do Externato Paraíso dos Pequeninos. Objectivos: - Divulgar e promover a cultura científica; - Estimular a implementação

Leia mais

Medidas de proteção fitossanitária

Medidas de proteção fitossanitária Medidas de proteção fitossanitária INIAV, I.P. Fornecedores de MFR http://www.forestryimages.org/browse/detail.cfm?imgnum=5410749 Dina Ribeiro 20 outubro 20141 Medidas de proteção fitossanitária Objetivos

Leia mais

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Ficha de trabalho de Biologia - 12º Ano Fermentação e actividade enzimática Nome: N º: Turma: Data: 1. A figura 1 representa um tipo de fermentação. Figura

Leia mais

As bactérias operárias

As bactérias operárias A U A UL LA As bactérias operárias Na Aula 47 você viu a importância da insulina no nosso corpo e, na Aula 48, aprendeu como as células de nosso organismo produzem insulina e outras proteínas. As pessoas

Leia mais

BIOTECNOLOGIA VEGETAL E SUAS APLICAÇÕES NO AGRONEGÓCIO

BIOTECNOLOGIA VEGETAL E SUAS APLICAÇÕES NO AGRONEGÓCIO BIOTECNOLOGIA VEGETAL E SUAS APLICAÇÕES NO AGRONEGÓCIO Dr. Paulo S. T. Brioso Laboratório Oficial de Diagnóstico Fitossanitário/ UFRRJ http://www.fito2009.com brioso@bighost.com.br AGRADECIMENTOS Comissão

Leia mais

Exame de Laboratórios de Bioquímica e Biofísica Licenciatura em Bioquímica 1ª Época 27 de Junho de 2006 Por favor responda às questões da 1ª parte e 2ª partes em folhas separadas 1ª Parte 1. Suponha que

Leia mais

Replicação Quais as funções do DNA?

Replicação Quais as funções do DNA? Replicação Quais as funções do DNA? Aula nº 4 22/Set/08 Prof. Ana Reis Replicação O DNA é a molécula que contém a informação para todas as actividades da célula. Uma vez que as células se dividem, é necessário

Leia mais

Caracterizar a estrutura e o funcionamento de um laboratório de microbiologia; Executar técnicas de preparo e montagem para esterilização.

Caracterizar a estrutura e o funcionamento de um laboratório de microbiologia; Executar técnicas de preparo e montagem para esterilização. Caracterizar a estrutura e o funcionamento de um laboratório de microbiologia; Executar técnicas de preparo e montagem para esterilização. Uma laboratório de microbiologia destina-se principalmente em

Leia mais

Manual Técnico. quantificação de DNA humano em análises forenses. Para WWW.GENOMIC.COM.BR

Manual Técnico. quantificação de DNA humano em análises forenses. Para WWW.GENOMIC.COM.BR Kit Genomic de Quantificação de DNA Manual Técnico Para quantificação de DNA humano em análises forenses WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução Na maioria dos casos forenses, as amostras recebidas apresentam-se

Leia mais

PCR. Transiluminador * Características

PCR. Transiluminador * Características PCR PCR A PCR - reação em cadeia da polimerase - é uma técnica de biologia molecular que permite a replicação in vitro do DNA de maneira eficiente, utilizando amostras que podem ser amplificadas milhões

Leia mais

Wipe Test. Controlo de contaminação. Kit de teste para a deteção de contaminação numa base genética molecular REF 7091.

Wipe Test. Controlo de contaminação. Kit de teste para a deteção de contaminação numa base genética molecular REF 7091. PT Instruções de utilização Wipe Test Controlo de contaminação Kit de teste para a deteção de contaminação numa base genética molecular REF 7091 40 reacções 1. Descrição do produto O uso da Polymerase

Leia mais

Escola Secundária de Forte da Casa

Escola Secundária de Forte da Casa Escola Secundária de Forte da Casa Informação - Prova de Equivalência à Frequência / 2012 2013 (Decreto Lei nº 139/2012, de 5 de Julho e Portaria nº 243/2012, de 10 de agosto) 12ºAno Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

PCR. Transiluminador * Cubas de Eletroforese * Características

PCR. Transiluminador * Cubas de Eletroforese * Características PCR PCR A PCR - reação em cadeia da polimerase - é uma técnica de biologia molecular que permite a replicação in vitro do DNA de maneira eficiente, utilizando amostras que podem ser amplificadas milhões

Leia mais

A salicórnia e o junco diferentes mas iguais

A salicórnia e o junco diferentes mas iguais 13 A salicórnia e o junco diferentes mas iguais E13-1 o que necessitas recolher na marinha da troncalhada um exemplar de salicórnia e um exemplar de junco microscópio óptico bisturi lupa pipeta conta-gotas

Leia mais

Transformação genética de milho com construções gênicas contendo o gene AtDREB2A visando tolerância à seca¹

Transformação genética de milho com construções gênicas contendo o gene AtDREB2A visando tolerância à seca¹ Transformação genética de milho com construções gênicas contendo o gene AtDREB2A visando tolerância à seca¹ Vanessa Diniz Barcelos Vasconcelos 2, Newton Portilho Carneiro 3 1 Trabalho financiado pelo CNPq/Fapemig

Leia mais