SPERMOVA (2011) 1(1): ESTRATEGIAS DEL USO EFICIENTE DE SEMEN SEXADO EN BOVINOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SPERMOVA (2011) 1(1): 14-25 ESTRATEGIAS DEL USO EFICIENTE DE SEMEN SEXADO EN BOVINOS"

Transcrição

1 Spermov SPERMOVA (11) 1(1): ESTRATEGIAS DEL USO EFICIENTE DE SEMEN SEXADO EN BOVINOS P.S. Bruselli, M.F. Sá Filho, J.N.S. Sles, G.A. Crepldi, A.H. Souz, C.M. Mrtins, R. V. Sl, K.A.L. Neves Deprtmento de Reprodução Animl, FMVZ-USP, CEP 558-, São Pulo, SP, Brsil. E-mil: ou Durnte nos, os pesquisdores vêm buscndo mnipulr o sexo d prole ntes d concepção (Grner e Seidel, 8). Ess determinção do sexo em bovinocultur de corte e de leite pode ser um dos ftores determinntes pr melhorr o desempenho produtivo e econômico d tividde. Por exemplo, em fzends produtors de leite, o bezerro mcho tem pouco ou nenhum vlor zootécnico. Porém, em fzends de corte comerciis, o bezerro mcho é o sexo de interesse devido mior potencil de produção. Levndo em considerção esss prticulriddes, muits pesquiss vêem sendo desenvolvids com o objetivo de se predizer e/ou mnipulr proporção do sexo dos bezerros. Um biotecnologi já disponível em escl comercil é utilizção do sêmen sexdo. A seprção dos espermtozóides Y dos espermtozóides X é possível devido às diferençs no conteúdo do DNA desss céluls espermátics (espermtozóide X possui cerc de 4% mis mteril genético que espermtozóide Y), sendo relizd por citômetri de fluxo. Ess biotécnic ssoci emissão de rios lser, colorção diferencil dos espermtozóides viáveis e não viáveis e s forçs hidrodinâmics que direcionm o espermtozóide no momento d leitur durnte o processo de seprção dos espermtozóides X e Y. Além disso, existem diferençs entre s rçs de bovinos qunto quntidde DNA presente no cromossomo Y. (Figur 1, Grner, 6). Esss diferençs devem ser levds em considerção qundo do emprego dess tecnologi. Recentes vnços n form d ponteir do citômetro de fluxo, no posicionmento ds céluls espermátics no momento d pssgem pelo lser, ssim como modificções n pressão e no tipo de colorção ds céluls, melhorrm significtivmente o processo de seprção dos gmets X e Y (Revisdo em Grner, 6). 4.5 Diferenç n quntidde de DNA de espermtozóides X-Y (%) Jersey Angus Hereford Holstein Brhmn Rç dptdo de: Grner et l., 6 Figur 1. Diferenç n quntidde de mteril genético (DNA) entre o cromossomo X e Y conforme rç de bovinos A velocidde de seprção dos espermtozóides X e Y é reltivmente lent proximdmente 3.. céluls por minuto. Dest form, pr mior eficiênci do processo, dose de sêmen normlmente utilizd é de proximdmente de 2x1 6 sptz/plhet. Existem reltos n litertur que relcionm certos comprometimentos n fertilidde com o menor número de espermtozóides por dose nos grupos insemindos com sêmen sexdo (1,5-2.x1 6 sptz/dose) em comprção com quntidde de espermtozóides utilizdo com sêmen convencionl (~1x1 6 sptz/dose). Porém, trblhos recentes indicm mesm tx de concepção qundo insemindos com sêmen sexdo ou convencionl (Borchersen e Pecock, 9). Apesr dos resultdos presentdos d litertur com vcs serem inconsistentes, miori ds pesquiss relizds com novilhs indic que tx de concepção pós observção de cio e IA com sêmen sexdo é de cerc de 7 9% d tx tingid pós o uso de sêmen convencionl (revisdo em: Seidel et l., 1999), dependendo ds condições de mnejo ds fzends. Seidel et l. (1999) reltrm, em um combinção de vários experimentos, que s txs de concepção de novilhs holndess inseminds com sêmen sexdo vrirm de % 68% e com sêmen convencionl de 67% 82%. Porém, Seidel e Schenk

2 P.S. Bruselli et l. // SPERMOVA (11) 1(1): (8) observrm pesr d tx de prenhez ser menor no sêmen sexdo, vrição dess tx foi mior no sêmen convencionl (43 62%) do que no sêmen sexdo (31 42%). Assim, ess revisão tem como objetivo presentr informções de pesquiss que vlirm utilizção de sêmen sexdo em fêmes Bos turus e Bos indicus inseminds pós detecção de cio ou tempo fixo (sem detecção de cio) ou pós trtmentos superovultórios. IA com sêmen sexdo pós detecção de cio Atulmente, tx de concepção pós o uso de sêmen sexdo determin cerc 8% d tx de concepção em inseminções com sêmen convencionl (DeJrnette et l., 8), sendo encontrdo em outro estudo, 7% em novilhs e 83% em vcs (Normn et l., 1). Apesr dos menores índices de prenhez, utilizção do sêmen sexdo foi efetiv em umentr quntidde de bezerrs fêmes nscids (sexdo = 9%; convencionl = 49%). Além disso, o uso de sêmen sexdo tem reduzido o número de prtos distócitos e ntimortos tnto em vcs qunto em novilhs, principlmente ness ultim ctegori devido mior incidênci de nscimentos de fêmes (Normn et l., 1). A reduzid quntidde de espermtozóides por dose de sêmen sexdo poderi ser outro ftor envolvido com redução nos índices de fertilidde. Um primeiro estudo, Bodmer et l., (5), utilizndo mesm concentrção de espermtozóides por inseminção em vcs em lctção, obteve txs de concepção semelhntes entre s fêmes inseminds com sêmen sexdo (27.6%, n=15) ou convencionl (28.1%, n=64). Seguindo est linh de pesquis, nosso grupo (Sá Filho et l., 1) vliou utilizção de dupl inseminção em novilhs Jersey recebendo o primeiro, segundo ou terceiro serviço. As novilhs (n=576) form distribuíds em três trtmentos (1Dose12h, 2Dose12h ou 2Dose12/24h). Nos grupos 1Dose12h (n=193) ou 2Dose12h (n=193) s novilhs form inseminds com um ou dus plhets contendo 2.1 milhões de espermtozóides 12 hors pós detecção de cio, respectivmente. O grupo 2Dose12/24h (n=19) s novilhs receberm dus doses com 12 hors de intervlo entre s inseminções (primeir 12 hors e segund 24 hors pós detecção do cio). Não form observds diferençs entre os grupos n tx de concepção [1Dose12h= 45.1% (87/193); 2Dose12h= 44.% (85/193); 2Dose12/24h= 49.5% (94/19); P=.51]. Entretnto, verificou-se efeito significtivo do número de serviços (P=.4) n tx de concepção [Primeiro= 55.3% (115/8); Segundo= 46.1% (94/4); Terceiro= 34.8% b (57/165); P=.4]. Resultdos semelhntes form observdos por DeJrnette et l. (9), em que s txs de prenhez reduzirm em novilhs com o umento do número de serviços (47% pr o primeiro, 39 % pr o segundo e 32% pr o terceiro serviço). Portnto, em novilhs Jersey, o umento d quntidde de espermtozóides por inseminção pós observção de cio de 2,1 pr 4,2 milhões e relizção d IA em dois momentos com intervlo de 12 hors não lterm tx de concepção. Outr possibilidde pr tentr umentr tx de concepção de novilhs inseminds com sêmen sexdo seri utilizção de GnRH no di d inseminção rtificil. Em estudo recente, Sá Filho et l. (1) observrm que o trtmento com GnRH no di d inseminção rtificil com sincronizção prévi com dus prostglndins não melhor tx de concepção em novilhs Jersey inseminds com sêmen sexdo [GnRH= 47.2% (1/212) vs. Não GnRH= 51.7 % (14/1); P=.38]. Outro possível ftor que poderi influencir tx de prenhez utilizndo sêmen sexdo seri o locl de deposição no útero. Em novilhs de leite, Kurykin et l. (7) comprrm tx de prenhez em diferentes locis de deposição do sêmen sexdo no trto uterino Nesse experimento, s novilhs form inseminds 8-82h pós segund dose de PGF2α (primeir dose de PGF2α 14 dis ntes d segund dose) com sêmen sexdo (2.2 x 1 6 sptz/plhet). O ldo d ovulção foi determindo por exme ultrssonográfico. As txs de prenhez form similres entre os diferentes locis de deposição do sêmen sexdo no trto uterino de novilhs de leite. Uso d rdiotelemetri (Het Wtch) pr detecção do cio em progrms de IA com sêmen sexdo Em estudo recente, Sá Filho et l. (1) vlirm utilizção do sêmen sexdo em novilhs Jersey inseminds em diferentes momentos em relção o início do cio identificdo por rdiotelemetri (Het Wtch ). Nesse estudo 638 novilhs Jersey form inseminds em diferentes momentos pós o início do cio (12 16h; 16 h; 24h e 24 3h). A tx de concepção foi mior (P=,3) ns novilhs inseminds entre 16 e 24 hors em relção às inseminds entre 12 e 16 hors. Vlores intermediários form obtidos em inseminções relizds entre 24 e 3 hors pós o início do cio (Figur 2). SPERMOVA (11), Vol. 1, N 1 ISSN :

3 P.S. Bruselli et l. // SPERMOVA (11) 1(1): ,5 51, ,5 3 37,7 16 b 134 b Intervlo cio/inseminção (hors) Figur 2. Tx de concepção de novilhs Jersey de cordo com o intervlo entre início do cio e inseminção utilizndo sêmen sexdo ( b; P <,5). Em outro estudo recente relizdo, Sles et l. (1) vlirm utilizção do sêmen sexdo ou convencionl de três diferentes touros em novilhs Jersey inseminds pós o início do cio identificdo por rdiotelemetri (Het Wtch ). Verificouse que o sêmen convencionl [64,2% (238/371)] presentou mior tx de concepção do que o sêmen sexdo [49,5% (189/382); P =,1]. Além disso, houve efeito de touro n tx de concepção [Touro A =, 5,% (18/216) b ; Touro B = 63,4% (211/333) e Touro C = 53,5% (17/) b ; P=,8]. Not-se que lguns touros presentrm menores diferençs n tx de concepção qundo inseminção rtificil foi relizd com sêmen sexdo ou convencionl (Figur 3). 8 Sexdo Convencionl 7,9 49,5 57,6 56,1,4 59,8 Bull Touro 755 A Bull Touro A7 B Bull Touro 762 C Figur 3. Tx de concepção de novilhs Jersey submetids à inseminção rtificil de cordo com o touro (A, n=216; B, n= 333 e C, n=) e o tipo de sêmen (sexdo ou não sexdo). Verificou-se efeito de touro (P =,8) e de sêmen (P =,1). Os resultdos são indictivos de que dequção do momento ds inseminções em relção o início do cio melhor tx de concepção, pesr do processo de sexgem estr reduzindo eficiênci d técnic em novilhs. Vle ressltr diferenç individul de fertilidde entre touros. Ess informção tem relevnte plicção prátic, pois possibilit seleção de touros de mior desempenho pós sexgem. O efeito individul d fertilidde de touros pós sexgem tmbém tem sido foco de outros grupos de pesquis (Borchersen e Pecock, 9). Inseminção rtificil em tempo fixo (IATF) com sêmen sexdo Atulmente, são rrs s publicções que tentm relcionr txs de concepção pós o uso de sêmen sexdo em vcs de corte e de leite inseminds em tempo fixo. Um ds possíveis rzões d diminuição dos índices de fertilidde pós o uso de sêmen sexdo é o menor tempo de vibilidde, ssocido com diferentes pdrões de motilidde espermátic (Schenk et l., 6). Alguns utores reltrm que o sêmen sexdo necessit de menos tempo pr cpcitção devido o processo de seprção por citometri de fluxo (Lu et l., 4). Um ds possibiliddes de diminuir vrição do momento d ovulção é o emprego de técnics de sincronizção, o que poderi colborr n eficiênci de progrms de inseminção rtificil com sêmen sexdo. SPERMOVA (11), Vol. 1, N 1 ISSN :

4 Tx de concepção (%) P.S. Bruselli et l. // SPERMOVA (11) 1(1): Vcs de corte e de leite sincronizds com progestágenos e estrdiol ovulm cerc de 7-72h pós retird dos implntes (Souz et l., 6, Bruselli et l., 6, Sles et l., 8). Bsedo nesses princípios, nosso grupo de pesquis em prceri com Sexing, Lgo d Serr e Intervet relizou um primeiro estudo em vcs Nelore (Bos indicus, n=389) prids entre 3 e dis, no qul inseminção foi relizd em tempo fixo com o sêmen convencionl (x1 6 esptz/dose) ou com sêmen sexdo (2.1x1 6 esptz/dose) em dois diferentes momentos reltivos à retird do implnte uriculr contendo Norgestomet (Crestr), 54h (16-18 hors ntes d ovulção) ou h (1-12 hors ntes d ovulção). Noss hipótese foi que IATF próxim à ovulção umentri tx de concepção utilizndo sêmen sexdo por presentr menor período de vibilidde e tempo pr cpcitção no trto reprodutivo. Nesse experimento, o sêmen foi preprdo levndo em considerção cd ejculdo. No lbortório, os ejculdos form divididos, sendo metde submetid o congelmento trdicionl e outr metde, o processo de sexgem seguid de congelmento. Não foi observd diferenç n tx de concepção qundo IATF com sêmen sexdo foi relizd hors pós retird do implnte de norgestomet (Figur 4). Além disso, consttou-se que não houve diferenç n tx de concepção entre o uso do sêmen convencionl (58,9%), sexdo-x (52,%) e sexdo-y (49,%), indicndo eficiênci semelhnte pr o sêmen sexdo em mbos os sexos. Os resultdos d sexgem fetl relizdos por ultrssonogrfi dis pós IATF demonstrrm 93,9% de eficiênci de obtenção do sexo desejdo. Apesr de não ter sido verificd diferenç esttisticmente significtiv, o trso n IATF umentou 9,% tx de concepção no grupo de nimis insemindos com o sêmen sexdo. Com bse nos efeitos numericmente positivos do experimento nterior, outro estudo foi relizdo pr verificr o efeito de mior trso pr relizção d IATF ( vs. 64 hors pós retird; Souz et l., 8). Form utilizds 383 vcs Nelore com período pós-prto de 5 dís. O sêmen foi preprdo seguindo o mesmo delinemento dos experimentos nteriores. Os resultdos demonstrm que ocorre redução n tx de concepção qundo IATF é relizd 64 hors pós retird do implnte (Figur 5). Assim, os resultdos sugerem que o momento mis dequdo pr relizção d IATF com sêmen sexdo poss ser h d retird d fonte de progesteron /progestágeno (1 12 hors ntes d ovulção). b; P < ,4 n=95 55,1 n=98 b 37,4 46,4 n=97 3 n=99 1 C54h Ch S54h Sh Sêmen convencionl Sêmen sexdo Figur 4. Efeito do momento d IA (54h ou h pós retird do implnte uriculr contendo Norgestomet) e do tipo de sêmen (convencionl ou sexdo) n tx de concepção pós IATF em vcs Nelore (Bos indicus) pós-prto. SPERMOVA (11), Vol. 1, N 1 ISSN :

5 P.S. Bruselli et l. // SPERMOVA (11) 1(1): Figur 5. Efeito do momento d IA (h ou 64h pós retird do implnte de progestágeno) e do tipo de sêmen (convencionl ou sexdo) n tx de concepção pós IATF em vcs Nelore (Bos indicus) no pós-prto. Em função dos resultdos obtidos nos experimentos nteriores, Sles et l. (11) vlirm qul seri o melhor momento pr relizr IATF com sêmen sexdo em relção o momento d ovulção. Nesse estudo, 339 vcs de cortes lctntes form distribuíds letorimente pr receber IATF com sêmen sexdo 36, 48 ou hors pós retird do dispositivo de progesteron. Exmes ultrssonogrficos form relizdos de 12/12 hors em todos os nimis pr determinr o momento d ovulção. As ovulções ocorrerm em médi 71,8 ± 7,8 hors pós retird do dispositivo. Observou-se mior tx de prenhez ns vcs inseminds próxims à ovulção. Os resultdos estão presentdos n Tbel 1. Tbel 1. Risco de prenhez de cordo com o intervlo entre IATF e ovulção em vcs de corte lctntes inseminds com sêmen sexdo. Intervlo IATF /ovulção No./No. Risco de prenhez (95% IC) 1 P > 24 > > 12 5,8,24 5/87 c (,8-,7) 19,4 21/18 b Referênci 37,9 2,34 36/95 (1,22-4,51) <,1,1 Após ovulção,b Letrs diferentes n mesm colun, difere esttisticmente (P <.5). 1 IC = Intervlo de confinç. 36,4 1,8 8/22 b (,64-5,3),27 Em outro estudo relizdo no Texs EUA, vliou-se o efeito do trso de 6 hors no momento d IATF com sêmen sexdo em novilhs Jersey cíclics sincronizds e inseminds em tempo fixo (Sles et l., 11). Os nimis form sincronizdos com CIDR + 2mg de BE + PGF no di ; retird do CIDR + PGF no di 8; BE (1mg) no di 9 e IATF no di 1 (54 ou hors d retird do CIDR). Houve interção entre o tipo de sêmen e o momento d IATF n tx de concepção (p=,6), sendo observdo umento n tx de concepção qundo IATF foi relizd com sêmen sexdo hors pós retird do dispositivo de progesteron. No entnto, esse efeito não foi verificdo pr o sêmen convencionl (Figur 6). SPERMOVA (11), Vol. 1, N 1 ISSN :

6 P.S. Bruselli et l. // SPERMOVA (11) 1(1): , , ,2 31,4 12 b 1 15 c Conv. 54h Conv. h Sexdo 54h Sexdo h Figur 6. Efeito do momento d IA (54h ou h pós retird do dispositivo de progesteron; h ou 1 12 h ntes d ovulção) e do tipo de sêmen (sexdo e convencionl) n tx de concepção pós IATF em novilhs Jersey. Nesse experimento form empregdos 3 touros. Verificou-se diferenç n tx de concepção entre os touros utilizdos no experimento, indicndo mis um vez que pode hver diferençs entre reprodutores qundo d utilizção de sêmen convencionl e sexdo (Figur 7). 7 52,8 61, ,4 14,7 34,9 21,9 1 Conv. Bull 1 Sexdo Bull 1 Conv. Bull 2 Sexdo Bull 2 Conv. Bull 3 Sexdo Bull 3 Figur 7. Tx de concepção de Novilhs Jersey inseminds em tempo fixo de cordo com o touro e o tipo de sêmen (sexdo ou convencionl). Verificou-se efeito de touro (P =,1) e de sêmen (P =,1). Após determinção do melhor momento pr relizção d IATF com sêmen sexdo, outros estudos form relizdos com o objetivo de verificr o efeito do diâmetro foliculr no momento d IATF e expressão de estro n tx de concepção. Estudos nteriores demonstrrm que fêmes com folículo de mior diâmetro no momento d IATF (Sá Filho et l., 1b) e vcs que expressrm estro ntes d IATF (Sá Filho et l., 11) presentm melhores índices de concepção com sêmen convencionl. Qundo ess metodologi (diâmetro do folículo n IATF) foi empregd utilizndo sêmen sexdo (Sá Filho et l., 11, ddos ind não publicdos) observou-se interção (P=,2) entre o tipo do sêmen e o tmnho do folículo dominnte [Convencionl 8mm = 58,9% (126/214); Convencionl <8mm = 49,5% (11/4); Sexdo 8mm = 56,8% (134/236) e Sexdo <8mm = 31,2% (59/189); Figur 8]. Nesse estudo, verificou-se que diferenç entre os tipos de semen (convencionl e sexdo) n probbilidde de prenhez os 3 diminui medid em que o diâmetro dos folículos n IATF ument (P=,1; Figur 9). No estudo em que se vliou expressão do estro em protocolos de IATF com semen sexdo, verificou-se que não houve interção entre o tipo do sêmen e ocorrênci de estro entre retird do dispositivo de progesteron e IATF (P=,87; Figur 1). Porém, verificou-se diferenç esttístic entre semen convencionl e sexdo (P=,5) e entre ocorrênci de estro ou não (P=,3) n tx de prenhez de vcs Bos indicus submetids à IATF. SPERMOVA (11), Vol. 1, N 1 ISSN :

7 P.S. Bruselli et l. // SPERMOVA (11) 1(1): b 58,9 b 56,8 5 49,5 3 c 31, < 8mm Convencionl > 8mm < 8mm > 8mm Figur 8. Tx de prenhez de vcs Bos indicus de cordo com o tipo de sêmen (convencionl ou sexdo) e o diâmetro do FD ( 8mm ou > 8mm) n IATF.Verificou-se interção entre o tipo de sêmen o diâmetro do FD n IATF (P =,2).,b,c Brrs com letrs diferentes são esttisticmente diferentes (P <,5). Sexdo Probbilidde de prenhez 3 dis pós IATF Diâmetro do folículo dominnte n IATF (mm) Convencionl Sexdo Figur 9. Probbilidde de prenhez 3 dis pós IATF em vcs Bos indicus (n = 1344) de cordo com o tipo de semen [Convencionl (n = 673) e Sexdo (n = 671) e o diâmetro do FD n IATF [Convencionl = exp (-,18+,85* Diâmetro do FD n IATF / 1+exp (-,18+,85* Diâmetro do FD n IATF); P <,1) e Sexdo = exp (-1,2449+,117* Diâmetro do FD n IATF / 1+exp (-1,2449+,117* Diâmetro do FD n IATF); P <,1)]. 58,5 5 43,6 5, 3 33, Sem estro Estro Sem Estro Estro Convencionl Sexdo SPERMOVA (11), Vol. 1, N 1 ISSN :

8 P.S. Bruselli et l. // SPERMOVA (11) 1(1): Figur 1. Tx de prenhez de vcs Bos indicus de cordo com o tipo de semen (convencionl ou sexdo) e ocorrênci de estro (presenç ou não de estro) entre retird do dispositivo de progesteron e IATF. Não houve interção entre o tipo de semen e ocorrênci de estro (P=.87). Como citdo nteriormente, outro possível ftor que poderi influencir tx de concepção utilizndo sêmen sexdo seri o locl de deposição no útero. Em um estudo recente Sl et l., (11, ddos ind não publicdos) comprrm tx de concepção de vcs Nelore lctntes recebendo IATF no corpo (n=1) ou no corno (n=1) do útero. Nesse experimento, s vcs form inseminds -64h pós retird do dispositvo, sendo que somente fêmes presentndo diâmetro foliculr >8mm form incluíds n nálise. As inseminções relizds no corno uterino, o sêmen foi depositdo no corno ipsilterl o mior folículo presente no momento d IATF (Figur 11). As txs de concepção form similres entre os diferentes locis de deposição do sêmen sexdo no trto uterino de vcs Nelore lctntes % 5.% Pregnncy per AI Corpo Uterino Corno Uterino Figur 11. Tx de concepção vcs Bos indicus lctntes de cordo com o locl de deposição do sêmen sexdo (Corno vs. Corpo do útero). Não houve efeito do locl de deposição (P>,5). Com o intuito de reduzir o número de mnejos nos protocolos de IATF com sêmen sexdo, vcs Nelore lctntes form submetids dois diferentes protocolos de sincronizção d ovulção (BED9 e RBE9; n=593, Sá Filho et l. 1d). No BED9, os nimis receberm um dispositivo intrvginl de progesteron ssocido à dministrção i.m. de 2 mg de benzoto de estrdiol (D). No D8, o dispositivo de progesteron foi removido, dministrou-se i.m,25 mg de cloprostenol sódico e 3UI de ecg. Vinte e qutro hors pós retird do dispositivo, dministrou-se i.m. 1 mg de benzoto de estrdiol (BE). A IATF foi relizd entre e 63 hors pós remoção do dispositivo. No grupo RBE9, s fêmes form sincronizds utilizndo o mesmo protocolo descrito pr o grupo BED9, porém permnecerm com o dispositivo intrvginl durnte nove dis, dministrou-se 1 mg de BE no momento d retird do dispositivo e IATF com sêmen sexdo foi relizd entre 5-53 hors pós remoção do dispositivo. Não foi verificdo efeito do protocolo de sincronizção sobre tx de prenhez (BED9 = 47,1 %; 1/297 vs. RBE9 = 41, %; 121/295; P =,25). Conclui-se que é possível reduzir o número de mnejos sem fetr eficiênci do protocolo de sincronizção d ovulção em vcs inseminds com sêmen sexdo. Trnsferênci de embriões A vibilidde e concentrção de sêmen utilizdos em procedimentos de trnsferênci de embriões são importntes, pois nimis submetidos trtmentos superovultórios presentm, em gerl, menores txs de fertilizção de oócitos que nimis não superovuldos (Scke et l., 1998). Portnto, existem muits dúvids qunto o uso do sêmen sexdo em nimis superovuldos, principlmente devido lterções relcionds o trnsporte espermático no trto uterino em fêmes superestimulds. Com o intuito de vlir produção de embriões em vc Nelore (Bos indicus) superovulds e inseminds em tempo fixo foi relizdo um experimento pr comprr eficiênci do sêmen sexdo e do sêmen convencionl (Bruselli et l., 7). As dodors form sincronizds e inseminds em tempo fixo. A IATF com sêmen sexdo (4,2x1 6 esptz/ia) e convencionl (x1 6 esptz/ia) form relizds 12 e 24 hors pós dministrção do indutor d ovulção (GnRH). O sêmen foi produzido de um reprodutor levndo em considerção cd ejculdo e tods s vcs pssrm por todos os trtmentos (cross-over). Os resultdos estão presentdos n Tbel 2. SPERMOVA (11), Vol. 1, N 1 ISSN :

9 P.S. Bruselli et l. // SPERMOVA (11) 1(1): Tbel 2. Produção de embriões de vcs Nelore (Bos indicus) superovulds e inseminds em tempo fixo com sêmen sexdo ou convencionl, Cssilândi, MS, 7. Vribles Sêmen Convencionl Sêmen Sexdo Vlor de P N. vcs 1 1 Totl de estruturs 9,9,78 8, 1,,28 Emb. trnsferíveis (Gru 1, 2 e 3) 6,8,66 4,,74,3 Emb. congeláveis (Gru 1 e 2) 5,9,71 3,5,65,3 Oócitos não fertilizdos 1,5,48 3,7,88,1 Degenerdos 1,,37,5,16,4 Tx de emb. trnsferíveis (%) 68,7 6,3 5, 5,1,1 Tx de emb. congeláveis (%) 59,6 5,1 41,7 5,2,2 Dodors inseminds com sêmen sexdo presentrm menor número de embriões trnsferíveis e congeláveis, umento do número de embriões não fertilizdos e redução n tx de embriões trnsferíveis e congeláveis. Apesr d menor produção de embriões com o emprego do sêmen sexdo é possível produzir mis embriões do sexo de interesse qundo curáci dess biotecnologi tinge 9% de determinção do sexo (Figur 12). 8 68,7 Tx de embriões viáveis (%) 5, b 34,4 45, Convencionl Sexdo Convencionl Sexdo Totl de embriões Embriões sexo de interesse Figur 12. Estimtiv de produção de embriões trnsferíveis (mcho ou fême) com o emprego de sêmen convencionl e sexdo em dodors Nelore superovulds e inseminds em tempo fixo (estimtiv de 9 % de curáci n sexgem). Nesse experimento prte dos embriões produzidos foi trnsferid à fresco em receptors sincronizds pr receber um embrião em tempo fixo (Tbel 3). Txs de prenhez semelhntes form verificds tnto os 3 qunto os dis de gestção pr embriões produzidos com sêmen sexdo ou convencionl. Após sexgem por ultrssonogrfi confirmou-se 9, % de fêmes pr o sêmen sexdo e 52,7 % pr o sêmen convencionl. Tbel 3. Tx de prenhez os 3 e dis pós trnsferênci de embriões provenientes de inseminção com sêmen convencionl e sexdo e porcentgem de fêmes n sexgem fetl. Embriões produzidos n Tx de prenhez 3 dis (%) Tx de prenhez dis (%) Sexgem fetl (% de fêmes) Sêmen convencionl 68 57,3 (39/68) 52,9 (36/68) 52,7 (19/36) SPERMOVA (11), Vol. 1, N 1 ISSN :

10 P.S. Bruselli et l. // SPERMOVA (11) 1(1): Sêmen sexdo 42 57,1 (24/42) 47,6 (/42) 9, (18/) Outro experimento foi estbelecido pr vlir o efeito do trso de 6 hors n IATF com sêmen sexdo em dodors Nelore superovulds (Sores et l., 11). As dodors form sincronizds e inseminds em tempo fixo. No grupo controle, IATF com sêmen sexdo (4,2x1 6 esptz/ia, Sexdo12-24h) e convencionl (x1 6 esptz/ia) form relizds 12 e 24 hors pós dministrção do indutor d ovulção (LH). Outro grupo (Sexdo18-3h) foi insemindo com sêmen sexdo (4,2x1 6 esptz/ia) 18 e 3 hors pós o LH. O sêmen foi produzido de um reprodutor levndo em considerção cd ejculdo, semelhnte os experimentos nteriores. Os resultdos estão presentdos n Tbel 4. O trso d IATF de 12/24 hors pr 18/3 hors pós dministrção de LH umentou o número de embriões produzidos em vcs Nelore superestimulds e inseminds com sêmen sexdo. No entnto, os resultdos ind são inferiores os obtidos com utilizção de sêmen convencionl. Esses ddos são indictivos de que existe possibilidde de umentr eficiênci d produção de embriões com o emprego de sêmen sexdo trsndo em 6 hors o momento d IATF pós o trtmento pr indução d ovulção com LH. Tbel 4. Produção de embriões de vcs Nelore (Bos indicus) superovulds e inseminds em tempo fixo com sêmen sexdo e convencionl de cordo com o momento d IATF, 11. Trtmentos Convencionl Sexdo Sexdo Vlor P 12/24 12/24 18/3 N. de vcs Totl estructurs 8, 3,2 7,1 3,3 9, 3,8,14 N. embriões trsnferíveis 6,8 2,6 2,4 1,8 c 4,5 3, b <,1 % embriões trsnferíveis d 86,1 11,9 37,3 26,7 c 48,2 25,9 b <,1 N. embriões congeláveis 6, 2,4 2, 1,4 c 3,7 2,8 b <,1 % embriões congeláveis e 76,3 19,2 31,8 24,5 c 38, 26,5 b <,1 N. embriões degenerdos,7,7,9 1,6 1,6 2,1,5 N. oócitos não fertilizdos,5,7 3,7 3,6 b 2,9 2,6 b <,1 b c, Linhs com diferentes letrs diferem esttisticmente (P <,5) d Percentul do número de embriões trnsferíveis sobre o totl de estruturs recuperds. e Percentul do número de embriões congeláveis sobre o totl de estruturs recuperds. Experimento semelhnte o de vcs Bos indicus (Nelore) de produção in vivo de embriões com sêmen sexdo foi conduzido em novilhs Bos turus (Holndess; Sores et l., 11). Os resultdos estão presentdos n Tbel 5. Tbel 5. Produção de embriões de vcs holndess (Bos turus) superovulds e inseminds em tempo fixo com sêmen sexdo e convencionl de cordo com o momento d IATF, 11. Trtmentos Convencionl Sexdo Sexdo Vlor P 12/24 12/24 18/3 N. de vcs Totl estruturs 1,4 3,4 11,3 4,4 12,4 3,8.4 N. embriões trsnferíveis 8,7 2,8 4,6 3, b 6,4 3,1 b.7 % embriões trsnferíveis d 85,9 14,,7 21,3 c 54,2 23,2 b <.1 N. embriões congeláveis 6,9 1,8 3,2 1,8 b 5,4 3,4 b.7 % embriões congeláveis e 69,9 16,8 29,9 15,5 c 45,3 26,6 b <.1 SPERMOVA (11), Vol. 1, N 1 ISSN :

11 P.S. Bruselli et l. // SPERMOVA (11) 1(1): N. embriões degenerdos,7,9 1,4 1,8 1,3 1,7.43 N. oócitos não fertilizdos,9 1,4 5,2 3,1 b 4,6 2,6 b.3 b c, Linhs com diferentes letrs diferem esttisticmente (P <,5) d Percentul do número de embriões trnsferíveis sobre o totl de estruturs recuperds. e Percentul do número de embriões congeláveis sobre o totl de estruturs recuperds. Os resultdos são indictivos de que o trso em 6 hors ns inseminções rtificiis com sêmen sexdo em progrms de trnsferênci de embriões pode ser um medid pr umentr eficiênci dess biotecnologi em protocolos de superovulção com o emprego de inseminção rtificil em tempo fixo, tnto em Bos indicus como em Bos turus. Conclusão Os ddos presentdos demonstrm que s txs de concepção pós detecção de cio em novilhs inseminds com sêmen sexdo são ceitáveis. Aind, com dequção do momento d inseminção em relção o início do estro está melhorndo tx de concepção. Melhores resultdos são obtidos qundo s inseminções são relizds entre hors pós o início do estro (ou sej, 6 14 hors ntes d ovulção). A tx de concepção pós o uso d sincronizção d ovulção pr IATF com sêmen sexdo foi stisftóri, desde que o momento d IATF sej justdo pr hors pós retird do implnte (1 hors ntes d ovulção). O uso do sêmen sexdo em progrms de superovulção está diminuindo produção de embriões viáveis. No entnto, o trso de 6 hors ns inseminções (IATF 18 e 3 hors pós o indutor de ovulções), é um lterntiv pr umentr o número e embriões viáveis do sexo desejdo. É importnte slientr que existe grnde vrição individul n fertilidde de touros submetidos o processo de sexgem. Esss diferençs devem ser levds em considerção no momento d escolh do reprodutor pr progrms de inseminção rtificil e de trnsferênci de embriões. Mis experimentos são necessários pr melhor compreender os ftores que fetm fertilidde do sêmen sexdo em fêmes bovins. Agrdecimentos À Sexing Techonologies, à Lgo d Serr, à Intervet e o Dlhrt Jersey Rnch pel prceri que possibilitou o desenvolvimento dos experimentos relizdos no Brsil e EUA. Referêncis Bibliogrfics Bruselli, P.S., Ayres, H., Souz, A.H., Mrtins, C.M., Gimenes, L.U., Torres-Júnior, J.R.S. 6. Impcto d IATF n eficiênci reprodutiv em bovinos de corte. In: Simpósio Interncionl de Reprodução Animl Aplicd, 2, 6, Londrin, PR. Anis do 2º Simpósio Interncionl de Reprodução Animl Aplicd: Fculdde de Medicin Veterinári e Zootecni, Universidde de São Pulo. Vol. 1, p Bruselli, P.S., Souz, A.H., Mrtins, C.M., Gimenes, L.U., Sles, J.N.S., Ayres, H., Arrud, R.P. 7. Sêmen sexdo: inseminção rtificil e trnsferênci de embriões. Revist Brsileir Reprodução Animl 31: Bodmer, M., Jnett, F., Hssig, M., Den Ds, N., Reichert, P., Thun, R. 5. Fertility in heifers nd cows fter low dose insemintion with sex-sorted nd non-sorted sperm under field conditions. Theriogenology 64: Borchersen, S., Pecock, M. Dnish, A.I.9. Field dt with sexed semen. Theriogenology 71: 59 63, 9. Dejrnette, J.M., Nebel, R.L., Mrshll, C.E. 9. Evluting the success of sex-sorted semen in US diry herds from on frm records. Theriogenology 71: Dejrnette, J.M., Nebel, R.L., Mrshll, C.E., Moreno, J.F., Mcclery, C.R., Lenz, R.W. 8. Effect of Sex-Sorted Sperm Dosge on Conception Rtes in Holstein Heifers nd Lctting Cows. Journl Diry Science 91: Grner, D.L. 6. Flow cytometric sexing of mmmlin sperm. Theriogenology 65: Grner, D.L., Seidel Jr., G.E. 8. History of commercilizing sexed semen for cttle. Theriogenology 69: Kurykin, J., Jkm, U., Jlks, M., Aidnik, M., Wldmnn, A., Mjs, L. 7. Pregnncy percentge following deposition of sex-sorted sperm t different sites within the uterus in estrus-synchronized heifers. Theriogenology 67: Lu, K.H., Seidel Jr., G.E. 4. Effects of heprin nd sperm concentrtion on clevge rtes of bovine oocytes inseminte with flow-cytometriclly-sorted bovine sperm. Theriogenology 62: Normn, H.D., Hutchison, J.L., Miller, R.H. 1. Use of sexed semen nd its effect on conception rte, clf sex, dystoci, nd stillbirth of Holsteins in the United Sttes. Journl Diry Science 93: Sá Filho, M.F., Ayres, H., Ferreir, R.M., Nichi, M., Fosdo, M., Cmpos Filho, E.P., Bruselli, P.S. 1. Strtegies to improve pregnncy per insemintion using sexed semen in diry heifers detected in estrus. Theriogenology 74: SPERMOVA (11), Vol. 1, N 1 ISSN :

12 P.S. Bruselli et l. // SPERMOVA (11) 1(1): Sá Filho, M.F., Crespilho, A.M., Sntos, J.E.P., Perry, G.A., Bruselli, P.S. 1b. Ovrin follicle dimeter t timed insemintion nd estrous response influence likelihood of ovultion nd pregnncy fter estrous synchroniztion with progesterone or progestin-bsed protocols in suckled Bos indicus cows. Animl Reproduction Science 1: Sá Filho, M.F., Bldrighi, J.M., Pentedo. L., Cmpos Filho, E.P., Bruselli, P.S. 1c. Follicle dimeter t timed insemintion influences the pregnncy in suckled Bos indicus cows inseminted with sexed semen. 8th Interntionl Ruminnt Reproduction Symposium, Alsk (submitted). Sá Filho, M.F., Sles, J.N.S., Girotto, R., Pentedo, L., Cmpos Filho, E.P., Bruselli, P.S. 1d. Otimizção do uso de sêmen sexdo e redução de mnejos em progrms de IATF em vcs Nelore lctntes. Act Sci Vet, p. 37. Sá Filho, M.F., Sntos, J.E.P., Ferreir, R.M., Sles, J.N.S., Bruselli, P.S. 11. Importnce of estrus on pregnncy per insemintion in suckled Bos indicus cows submitted to estrdiol/progesterone-bsed timed insemintion protocols. Theriogenology (in press) Scke, R.G., Dejrnette, J.M., Bme, J.H., Krbinus, D.S., Whitmn, S.S Cn spermtozo with bnorml heds gin ccess to the ovum in rtificilly inseminted super- nd single-ovulting cttle? Theriogenology 5: Sles, J.N.S., Neves, K.A.L., Souz, A.H., Crepldi, G.A., Sl, R.V., Fosdo, M., Cmpos, Filho, E.P., De Fri, M., Sá Filho, M.F., Bruselli, P.S. 11. Timing of insemintion nd fertility in diry nd beef cttle receiving timed rtificil insemintion using sex sorted semen. Theriogenology (in press). Sles, J.N.S., Crepldi, G.A., Fosdo, M., Cmpos Filho, E.P., Bruselli, P.S. 1. Timing of insemintion with sexed or nonsexed semen on pregnncy rtes of Jersey heifers detected in het by rdiotelemetry. In: Annul Conference of the Interntionl Embryo Trnsfer Society, 1, Córdob. Reprod Fertil. Develop. 22: Sles, J.N.S., Crvlho, J.B.P., Crepldi, G.A., Mio, J.R.G., Crvlho, C.A.B., Bruselli, P.S. 8. Rte nd timing of ovultion in Nelore cows treted with estrdiol Cypionte or Benzote to induce ovultion on FTAI protocols. Reprod. Dom. Anim. 43: 181 (Abstrct). Schenk, J.L., Suh, T.K., Seidel Jr., G.E. 6. Embryo production from superovulted cttle following insemintion of sexed sperm. Theriogenology 65: Seidel Jr., G.E, Schenk, J.L. 8. Pregnncy rtes in cttle with cryopreserved sexed sperm: effects of sperm numbers per inseminte nd site of sperm deposition. Animl Reproduction Science 15: Seidel Jr., G.E., Schenk, J.L., Herickhoff, L.A., Doyle, S.P., Brink, Z., Green, R.D., Crn, D.G Insemintion of heifers with sexed sperm. Theriogenology 52: Sores, J.G., Mrtins, C.M., Crvlho, N.A.T., Niccio, A.C., Silv, A.L.A., Cmpos Filho, E.P., Sá Filho, M.F., Bruselli, P.S. 11. Timing of insemintion using sex-sorted sperm in embryo production with Bos indicus nd Bos turus superovulted donors. Animl Reproduction Science (in press). Souz, A.H., Mrtins, C.M., Torres Jr., J.R., Ayres, H., Bruselli, P.S. 6. Efeito do ecg e do cipionto de estrdiol em protocolos pr inseminção rtificil em tempo fixo em vcs Holndess de lt produção. Act Sci Vet 34: 4 (Resumo). Souz, A.H., Sles, J.N.S., Crepldi, G.A., Teixeir, A.A., Bruselli, P.S. 8. Effect of type of semen (sexed vs. non-sexed) nd time of AI (h vs 64h) on pregnncy rtes of postprtum Nelore cows inseminted in fixed time. Anim. Reprod. 6:224 (Resumo). SPERMOVA (11), Vol. 1, N 1 ISSN :

AVANÇOS NOS PROTOCOLOS REPRODUTIVOS EM FÊMEAS BOVINAS UTILIZANDO SÊMEN SEXADO

AVANÇOS NOS PROTOCOLOS REPRODUTIVOS EM FÊMEAS BOVINAS UTILIZANDO SÊMEN SEXADO AVANÇOS NOS PROTOCOLOS REPRODUTIVOS EM FÊMEAS BOVINAS UTILIZANDO SÊMEN SEXADO Manoel F. Sá Filho, Alexandre H. Souza, Claudiney M. Martins, José N. S. Sales, Gabriel A. Crepaldi, Pietro S. Baruselli Departamento

Leia mais

Como aumentar a quantidade e a qualidade de bezerros em rebanhos de corte

Como aumentar a quantidade e a qualidade de bezerros em rebanhos de corte Como aumentar a quantidade e a qualidade de bezerros em rebanhos de corte Pietro Sampaio Baruselli 1, Márcio de Oliveira Marques 2, Roberta Machado Ferreira 1, Manoel Francisco de Sá Filho 1, Emiliana

Leia mais

Sêmen sexado: inseminação artificial e transferência de embriões 1 Sexed semen: artificial insemination and embryo transfer

Sêmen sexado: inseminação artificial e transferência de embriões 1 Sexed semen: artificial insemination and embryo transfer Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.31, n.3 p.374-381, jul./set. 2007. Disponível em www.cbra.org.br Sêmen sexado: inseminação artificial e transferência de embriões 1 Sexed semen: artificial insemination

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

AVANÇOS NOS PROTOCOLOS DE SUPEROVULAÇÃO DE BOVINOS

AVANÇOS NOS PROTOCOLOS DE SUPEROVULAÇÃO DE BOVINOS AVANÇOS NOS PROTOCOLOS DE SUPEROVULAÇÃO DE BOVINOS Manoel F. Sá Filho, Claudiney M. Martins, José Nélio S. Sales, Roberta M. Ferreira, Pietro S. Baruselli. Departamento de Reprodução Animal, FMVZ-USP,

Leia mais

EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE

EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE Éder Augusto Gonçalves 1 ; Fábio Luiz Bim Cavalieri 2 ; José Mauricio Gonçalves

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO)

EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) ABES - Associção Brsileir de Engenhri Snitári e Ambientl V - 002 EQUAÇÕES INTENSIDADE / DURAÇÃO / PERÍODO DE RETORNO PARA ALTO GARÇAS (MT) - CAMPO ALEGRE DE GOIÁS (GO) E MORRINHOS (GO) Alfredo Ribeiro

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais

SINCRONIZAÇÃO DE OVULAÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA AUMENTAR A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE FÊMEAS BOVINAS, EM LARGA ESCALA

SINCRONIZAÇÃO DE OVULAÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA AUMENTAR A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE FÊMEAS BOVINAS, EM LARGA ESCALA SINCRONIZAÇÃO DE OVULAÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA AUMENTAR A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE FÊMEAS BOVINAS, EM LARGA ESCALA José Luiz Moraes Vasconcelos e Mauro Meneghetti DPA FMVZ UNESP, Botucatu, SP vasconcelos@fca.unesp.br

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

ESTIMAÇÃO DOS FATORES QUE INTERFEREM DIRETAMENTE E INDIRETAMENTE NOS RESULTADOS DA FECUNDAÇÃO IN VITRO (FIV)

ESTIMAÇÃO DOS FATORES QUE INTERFEREM DIRETAMENTE E INDIRETAMENTE NOS RESULTADOS DA FECUNDAÇÃO IN VITRO (FIV) ESTIMAÇÃO DOS FATORES QUE INTERFEREM DIRETAMENTE E INDIRETAMENTE NOS RESULTADOS DA FECUNDAÇÃO IN VITRO (FIV) antonio hugo bezerra colombo 1, Liziane Zaniboni 1, Fabio Luiz Bim Cavalieri 2, Luiz Paulo Rigolon

Leia mais

COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE

COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE COMPOSIÇÃO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS EM SEIS VARIEDADES DE FEIJOEIRO COMUM E REFLEXOS NA PRODUTIVIDADE Bruno Henrique Srdinh de Souz 1, Alcebídes Ribeiro Cmpos 2 1 Biólogo, emil: souzbhs@gmil.com, 2 Docente

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA

EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA ZANATTA, Guilherme Machado 1 ; SCHEEREN, Verônica Flores da Cunha 2 ; ARAUJO, Laurence Boligon de 3; PESSOA, Gilson Antônio 4 ; RUBIN, Mara

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

EFEITO DA LIPOPROTEÍNA DE BAIXA DENSIDADE SOBRE A VIABILIDADE DE ESPERMATOZÓIDES OVINOS RESFRIADOS.

EFEITO DA LIPOPROTEÍNA DE BAIXA DENSIDADE SOBRE A VIABILIDADE DE ESPERMATOZÓIDES OVINOS RESFRIADOS. EFEITO DA LIPOPROTEÍNA DE BAIXA DENSIDADE SOBRE A VIABILIDADE DE ESPERMATOZÓIDES OVINOS RESFRIADOS. Effect of low density lipoprotein on the viility of cooling sheep spermtozo SILVA, M.C 1 ; SNOECK, P.P.N

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Comparação entre três esquemas de indução da ovulação para inseminação intra-uterina com relação à espessura endometrial e taxa de gravidez

Comparação entre três esquemas de indução da ovulação para inseminação intra-uterina com relação à espessura endometrial e taxa de gravidez RESUMO Comprção entre três esquems de indução d ovulção pr inseminção intr-uterin com relção à espessur endometril e tx de grvidez 7 Artigos Originis Comprison between three protocols for ovultion Induction

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS

UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PÓS-GRADUAÇÃO EM REPRODUÇÃO E PRODUÇÃO EM BOVINOS UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS MATHEUS GUAPO PAVARINA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO SP

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.36, n.2, p.128-132, abr./jun.2012. Disponível em www.cbra.org.br

Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.36, n.2, p.128-132, abr./jun.2012. Disponível em www.cbra.org.br Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.36, n.2, p.128-132, abr./jun.2012. Disponível em www.cbra.org.br Taxa de concepção com sêmen sexado ou convencional e viabilidade econômica em vacas Girolandas

Leia mais

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda.

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Manejo reprodutivo Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Para produzir é preciso reproduzir!!! Eficiência Reprodutiva Rebanho Bovino Brasileiro Vacas e novilhas > 24

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

NUEVOS AVANCES EN PROTOCOLOS DE IATF EN GANADO BOS INDICUS Y BOS TAURUS

NUEVOS AVANCES EN PROTOCOLOS DE IATF EN GANADO BOS INDICUS Y BOS TAURUS NUEVOS AVANCES EN PROTOCOLOS DE IATF EN GANADO BOS INDICUS Y BOS TAURUS Pietro Sampaio Baruselli, José Nélio S. Sales, Gabriel A. Crepaldi, Manoel F. Sá Filho 1 Departamento de Reprodução Animal, FMVZ-USP,

Leia mais

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo 4º Workshop Precocidade Sexual. Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo José Luiz Moraes Vasconcelos DPA FMVZ UNESP Botucatu, SP vasconcelos@fca.unesp.br Precocidade em novilhas Nelore

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO EM BOVINOS DE CORTE

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO EM BOVINOS DE CORTE PIETRO SAMPAIO BARUSELLI ET AL. 155 INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO EM BOVINOS DE CORTE Pietro S. Baruselli 1, Gabriel A. Bó 2, Everton L. Reis 1 e Márcio O. Marques 1 1 Departamento de Reprodução

Leia mais

INFLUÊNCIA DO SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE GABIROBA (Campomanesia spp.)

INFLUÊNCIA DO SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE GABIROBA (Campomanesia spp.) INFLUÊNCIA DO SUBSTRATO NA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE GABIROBA (Cmpomnesi spp.) Jênifer Silv NOGUEIRA¹, Fbino Guimrães d SILVA², Antônio Pulino d COSTA NETTO³, Pedro Ferreir MORAIS 4, Geicine Cintr de SOUZA

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Dengue: monitoramento até a Semana Epidemiológica (SE) 29 de 2014

Epidemiológico. Boletim. Dengue: monitoramento até a Semana Epidemiológica (SE) 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Volume 45 N 17-2014 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde Dengue: monitormento té Semn Epidemiológic (SE) 29 de 2014 Em 2014 form registrdos 688.287 csos de dengue no pís

Leia mais

ANÁLISE MARGINAL DOS CUSTOS DA UTILIZAÇÃO DE SÊMEN SEXADO MACHO PARA PRODUÇÃO DE TOUROS NELORE

ANÁLISE MARGINAL DOS CUSTOS DA UTILIZAÇÃO DE SÊMEN SEXADO MACHO PARA PRODUÇÃO DE TOUROS NELORE ANÁLISE MARGINAL DOS CUSTOS DA UTILIZAÇÃO DE SÊMEN SEXADO MACHO PARA PRODUÇÃO DE TOUROS NELORE MARGINAL COSTS ANALYSIS OF MALE-SEXED SEMEN USED FOR NELLORE BULLS PRODUCTION Dominguez, J.H.E. 1A, Costa,

Leia mais

Diferenças entre Benzoato e Cipionato de Estradiol na indução da ovulação em programas de IATF em fêmeas bovinas

Diferenças entre Benzoato e Cipionato de Estradiol na indução da ovulação em programas de IATF em fêmeas bovinas Diferenças entre Benzoato e Cipionato de Estradiol na indução da ovulação em programas de IATF em fêmeas bovinas Um dos diferenciais da Tecnopec é desenvolver e apoiar pesquisas visando obter protocolos

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas INFLUÊNCIA DA CONDIÇÃO CORPORAL E CATEGORIA REPRODUTIVA NAS TAXAS DE GESTAÇÃO DE VACAS NELORE SUBMETIDAS À PROTOCOLO DE IATF, NA REGIÃO DA AMAZÔNIA LEGAL. TOLEDO, G.A. ¹ ; RIBEIRO, A.P.C.²; RIBEIRO, G.M.³

Leia mais

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo 1 INSPER 16/06/013 Seu Pé Direito ns Melhores Fculddes 1. Nos plnos seguir, estão representds dus relções entre s vriáveis x e y: y = x e y = x, pr x 0.. Em um sequênci, o terceiro termo é igul o primeiro

Leia mais

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS ANEXO TÉCNICO DO MANUAL DE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO EM BOVINOS PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS Os protocolos de inseminação artificial em tempo fixo (IATF) são utilizados de forma

Leia mais

IATF em novilha. CEP 05508-000, São Paulo-SP, Brasil; *manoel@firmasa.com.br

IATF em novilha. CEP 05508-000, São Paulo-SP, Brasil; *manoel@firmasa.com.br 54 Manoel Francisco de Sá Filho et al. IATF em novilha Manoel F. Sá Filho 1* ; Lindsay U. Gimenes 2 ; José Nélio S. Sales 2 ; Gabriel A. Crepaldi 2 ; Adriana G. Medalha 1 ; Pietro S. Baruselli 2 1 FIRMASA-

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

PRINCIPAIS LIMITAÇÕES REPRODUTIVAS NO PERÍODO PÓS PARTO EM VACAS DE CORTE

PRINCIPAIS LIMITAÇÕES REPRODUTIVAS NO PERÍODO PÓS PARTO EM VACAS DE CORTE PRINCIPAIS LIMITAÇÕES REPRODUTIVAS NO PERÍODO PÓS PARTO EM VACAS DE CORTE SOARES, João Felipe B. 1 ; ARALDI, Daniele F. 2 Palavras-chave: Pecuária de corte. Índices de Produtividade. Fertilidade. Introdução

Leia mais

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0.

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0. Resolver o seguinte PPNL M (min) f() s. [, ] Pr chr solução ótim deve-se chr todos os máimos (mínimos) locis, isto é, os etremos locis. A solução ótim será o etremo locl com mior (menor) vlor de f(). É

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO

INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO INFLUÊNCIA DA MARCA NA ACEITAÇÃO SENSORIAL DE DOCE DE LEITE PASTOSO Mrin Borges de Lim d Silv 1, Jeniffer Rodrigues de Sous 2, An Crolin Bernrdes Borges Silv 2, Jnin de Oliveir Queiroz 2, Jéssic Krine

Leia mais

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução (9) - www.elitecmpins.com.br O ELITE RESOLVE MATEMÁTICA QUESTÃO Se Améli der R$, Lúci, então mbs ficrão com mesm qunti. Se Mri der um terço do que tem Lúci, então est ficrá com R$, mis do que Améli. Se

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

VII Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC 2013 13 a 15 de agosto de 2013 Campinas, São Paulo

VII Congresso Interinstitucional de Iniciação Científica CIIC 2013 13 a 15 de agosto de 2013 Campinas, São Paulo VII Congresso Interinstitucionl de Inicição Científic CIIC 2013 13 15 de gosto de 2013 Cmpins, São Pulo ENRIZMENTO DE ESTCS DE LECRIM (Rosmrinus officinlis L.) EM DIFERENTES SUBSTRTOS Gbrielle Louise Quirino

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GAT. 5 Novemro de 9 Recife - PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT PROJETO E

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

Art u r Emilio Fr e i ta s e Si l va, 1 Mi g u e l Jo a q u i m Di a s, 2 Da r c i Si l va d e Ol i v e i r a Di a s, 2 Jo ã o Bat i s ta

Art u r Emilio Fr e i ta s e Si l va, 1 Mi g u e l Jo a q u i m Di a s, 2 Da r c i Si l va d e Ol i v e i r a Di a s, 2 Jo ã o Bat i s ta influência do momento da inseminação artificial sobre a fertilidade e o sexo da cria de novilhas da raça Nelore 997 INFLUÊNCIA DO Momento da inseminação artificial sobre a fertilidade e O sexo da cria

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 SISTEMA ANTILUTEOLÍTICO E MORTE EMBRIONÁRIA EM FÊMEAS BOVINAS JEAN CAIO FIGUEIREDO DE ALMEIDA¹, ANA KELLY MENDES DA SILVA¹, GESSIANE PEREIRA DA SILVA¹, BRENDA JULIANE SILVA DOS SANTOS¹, CAMILA DE ALMEIDA

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

Seu pé direito nas melhores faculdades

Seu pé direito nas melhores faculdades Seu pé direito ns melhores fculddes IBMEC 03/junho/007 ANÁLISE QUANTITATIVA E LÓGICA DISCUSIVA 01. O dministrdor de um boliche pretende umentr os gnhos com sus pists. Atulmente, cobr $ 6,00 por um hor

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

Emprego da TE para melhorar a eficiência reprodutiva em vacas de leite Pietro Sampaio Baruselli

Emprego da TE para melhorar a eficiência reprodutiva em vacas de leite Pietro Sampaio Baruselli Emprego da TE para melhorar a eficiência reprodutiva em vacas de leite Pietro Sampaio Baruselli Prof. Titular do Departamento de Reprodução Animal Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia Universidade

Leia mais

Validação de um método analítico para a determinação de substâncias ativas em formulações farmacêuticas empregadas em peelings químicos

Validação de um método analítico para a determinação de substâncias ativas em formulações farmacêuticas empregadas em peelings químicos Revist Brsileir de Ciêncis Frmcêutics Brzilin Journl of Phrmceuticl Sciences vol. 41, n. 2, br./jun., 2005 Vlidção de um método nlítico pr determinção de substâncis tivs em formulções frmcêutics empregds

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Gado de Leite 1/54 Em Bovinos Leiteiros Erick Fonseca de Castilho Doutor em Reprodução Animal (UFV/MG) efcmv@yahoo.com.br 2/54 Eficiência reprodutiva IP e PS MN e IA Taxa de concepção Detecção de estro

Leia mais

EMPREGO DE IATF (INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO) COMO ALTERNATIVA NA REPRODUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE

EMPREGO DE IATF (INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO) COMO ALTERNATIVA NA REPRODUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE EMPREGO DE IATF (INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO) COMO ALTERNATIVA NA REPRODUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE INFORZATO, Guilherme Repas SANTOS, William Ribeiro Martins dos CLIMENI, Bruno Santi Orsi DELLALIBERA,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO LOGÍSTICO DA CADEIA BRASILEIRA DE SUPRIMENTOS DE REFRIGERANTES

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO LOGÍSTICO DA CADEIA BRASILEIRA DE SUPRIMENTOS DE REFRIGERANTES AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO LOGÍSTICO DA CADEIA BRASILEIRA DE SUPRIMENTOS DE REFRIGERANTES Smuel Vieir Conceição Ronn Torres Quintão Deprtmento de Engenhri de Produção, Universidde Federl de Mins Geris, Avenid

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

USO DE SÊMEN SEXADO EM BOVINOS USE OF SEXED SEMEN IN CATTLE

USO DE SÊMEN SEXADO EM BOVINOS USE OF SEXED SEMEN IN CATTLE USO DE SÊMEN SEXADO EM BOVINOS USE OF SEXED SEMEN IN CATTLE MURTA, Danillo Velloso Ferreira. Medico Veterinário, Docente FUNORTE/MG, Doutorando em Medicina Veterinária UFV. danillo.murta.vet@gmail.com

Leia mais

A seqüência correta do ciclo de vida de uma angiosperma, desde o início da formação da flor, é a) gametófito gametas zigoto esporófito esporos

A seqüência correta do ciclo de vida de uma angiosperma, desde o início da formação da flor, é a) gametófito gametas zigoto esporófito esporos 21 e BIOLOGIA A btt-ingles (bttinh) é muito ric em mido. O órgão vegetl que rmzen ess substânci corresponde, e o mido é encontrdo nos, loclizdos no ds céluls. Os espços devem ser preenchidos, corret e

Leia mais

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Influência da Remoção dos Extrativos de Resíduos de Madeiras no Seu Poder Calorífico

Influência da Remoção dos Extrativos de Resíduos de Madeiras no Seu Poder Calorífico Influênci d Remoção dos Extrtivos de Resíduos de Mdeirs no Seu Poder Clorífico T. Rossi, L. F. de Mour, P. R. Torquto c, J. O. Brito d. University of São Pulo, Pircic, ticine@usp.r. University of São Pulo,

Leia mais

Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Carvalho Siqueira, Lucas; Coelho de Oliveira, João Francisco; da Silveira Loguércio, Rosane; Kurtz Löf,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

Ligia Ma r i a Piassi, 1 Ca r i n e Da h l Co r c i n i, 2 An d r e a Pa n z a r d i, 3 RESUMO

Ligia Ma r i a Piassi, 1 Ca r i n e Da h l Co r c i n i, 2 An d r e a Pa n z a r d i, 3 RESUMO Efeito de crioprotetores impermeáveis sore viilidde in vitro de espermtozoides... 1161 EFEITO DE CRIOPROTETORES IMPERMEÁVEIS SOBRE A VIABILIDADE IN VITRO DE ESPERMATOZOIDES CONGELADOS DE CAMUNDONGOS (Mus

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

UNESP - FEIS - DEFERS

UNESP - FEIS - DEFERS UNESP - FEIS - DEFERS DISCIPLINA: ARMAZENAMENTO E BENEFICIAMENTO DE GRÃOS Exercício Modelo sobre Secgem de Grãos Como técnico contrtdo pr ssessorr u propriedde produtor de milho pr grãos, efetur u nálise

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas Boletim Epidemiológico Volume 46 N 3-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e febre de chikunguny té Semn Epidemiológic (SE) 53 de 2014 Dengue

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

AVALIAÇÃO ZOOTÉCNICA E ECONÔMICA DE SUBPRODUTOS ANIMAIS EM DIETAS PARA O CAMARÃO BRANCO, Litopenaeus vannamei

AVALIAÇÃO ZOOTÉCNICA E ECONÔMICA DE SUBPRODUTOS ANIMAIS EM DIETAS PARA O CAMARÃO BRANCO, Litopenaeus vannamei AVALIAÇÃO ZOOTÉCNICA E ECONÔMICA DE SUBPRODUTOS ANIMAIS EM DIETAS PARA O CAMARÃO BRANCO, Litopeneus vnnmei Alberto J. P. Nunes, Ph.D. 1 * Pedro Henrique Gomes dos Sntos 1 Silvi Pstore, M.Sc. 2 1 LABOMAR

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=576>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Inseminação artificial em horário fixo de fêmeas bovinas de corte com cio sincronizado

Leia mais

GERANDO RESULTADOS COM VOCÊ

GERANDO RESULTADOS COM VOCÊ GERANDO RESULTADOS COM VOCÊ Manejo Reprodutivo de Fazendas Leiteiras Robson Vilela Sá Fortes Veterinário Equipe Leite - ReHagro Roteiro Introdução Patologias Reprodutivas O que podemos fazer para melhorar

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES PROTOCOLOS HORMONAIS SOBRE A TAXA DE PRENHEZ DE VACAS NELORE INSEMINADAS EM TEMPO FIXO

EFEITO DE DIFERENTES PROTOCOLOS HORMONAIS SOBRE A TAXA DE PRENHEZ DE VACAS NELORE INSEMINADAS EM TEMPO FIXO 74 Artigo Científico EFEITO DE DIFERENTES PROTOCOLOS HORMONAIS SOBRE A TAXA DE PRENHEZ DE VACAS NELORE INSEMINADAS EM TEMPO FIXO Diogo Ribeiro CÂMARA 1*, Ricardo Felippe FIGUEIRA 2, Otto Cabral PORTELA

Leia mais

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Cristin Antunes Mnuel Bispo Pul Guindeir FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Escol Turm N.º Dt Grupo I Documento I É um serviço de tendimento telefónico de Trigem, Aconselhmento e Encminhmento, Assistênci

Leia mais

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade

Gestão do solo em SOUTOS para optimização da produtividade e da sustentabilidade I XORNADAS INTERNACIONAIS SOBRE O CASTIÑEIRO Consellerí do Medio Rurl. Xunt de Glici Ourense, 22-24 Mio 2008 Gestão do solo em SOUTOS pr optimizção d produtividde e d sustentbilidde Afonso Mrtins UTAD

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade CINÉTICA QUÍMICA Lei de Velocidde LEIS DE VELOCIDADE - DETERMINAÇÃO Os eperimentos em Cinétic Químic fornecem os vlores ds concentrções ds espécies em função do tempo. A lei de velocidde que govern um

Leia mais

Martensítico Macio CA6NM

Martensítico Macio CA6NM Desenvolvimento de procedimentos de repro de trincs e recuperção de cvitção em turbins hidráulics fundids em Aço Inoxidável Mrtensítico Mcio CA6NM A. R. Cpr, R. R. de Gouvei, P. C. Okimoto, A. G. M. Puksiewisz,

Leia mais

Avaliação do clareamento dental exógeno por meio de fotografia digital

Avaliação do clareamento dental exógeno por meio de fotografia digital REVISTA DE ODONTOLOGIA DA UNESP ARTIGO ORIGINAL Rev Odontol UNESP, Arrqur. jn./fev., 2010; 39(1): 9-13 2009 - ISSN 1807-2577 Avlição do clremento dentl exógeno por meio de fotogrfi digitl Breno CARNEVALLI,

Leia mais