UM MERCADO EM CRESCIMENTO CONHEÇA AS OPORTUNIDADES E COMO PARTICIPAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM MERCADO EM CRESCIMENTO CONHEÇA AS OPORTUNIDADES E COMO PARTICIPAR"

Transcrição

1 FOOD SERVICE UM MERCADO EM CRESCIMENTO CONHEÇA AS OPORTUNIDADES E COMO PARTICIPAR

2 I-INTRODUÇÃO AO MERCADO DE FOOD SERVICE

3 INTRODUÇÃO Mercado que envolve toda a cadeia de produção e distribuição de alimentos, bebidas, insumos, equipamentos e serviços orientado a atender os estabelecimentos que preparam e fornecem refeições efetuadas principalmente fora do lar. A origem do preparo da refeição é o diferencial deste mercado. VAREJO DO FOOD SERVICE É o mercado que envolve as refeições preparadas, fora de casa, em estabelecimentos especializados e servidas dentro do lar.

4 CANAIS DO FOOD SERVICE DEFINIÇÃO O objetivo principal é a geração de lucro com a venda de refeições. Comercial Comercial serviço A alimentação é um serviço e não a atividade principal mas com o objetivo lucro. Fonte alternativa de lucro, venda de refeições prontas para consumo imediato ou posterior Comercial alternativo Social A alimentação é um serviço. O objetivo não é lucro.

5 CANAIS DO FOOD SERVICE EXEMPLOS Restaurante A la carte, Self Service, Por quilo, Churrascaria, Pizzaria, Lanchonete, Padaria, Bar, Buffet, Vending Machine Comercial Comercial serviço Hotel, Motel, Escola, Hospital, Catering (aéreo, terrestre e marítimo) Lojas de conveniência, Rotisserie e lanchonete dentro de supermercado Comercial alternativo Social Exército, Merenda escolar, Presídio, Restaurante popular

6 MERCADO DE FOOD SERVICE Valores (R$ bilhões) compras dos operadores vendas dos operadores ,4 107, ,6 43,4 50,3 185,6 159, ,2 64,4 75, Fonte: ABIA / IBGE * * 2013 = Estimativa do Valor de Vendas

7 FOOD SERVICE DIMENSIONAMENTO Representação dos canais, baseado em faturamento 2% 13% 4% 7% 11% 13% 12% 23% 15% restaurantes padarias fast food bares lanchonetes ref. coletivas hotéis catering outros Dados: ABIA - Associação Brasileira das Industrias de Alimentação 2010

8 EXPECTATIVAS PARA O FOOD SERVICE A despesa do brasileiro em alimentação fora de casa é medida periodicamente pelo IBGE POF. Acreditamos que as taxas atuais de crescimento nos permitem projetar para 2014 os seguintes indicadores 40 38, ,1 36, ,7 21,3 24,1 Conservadora Agressiva Fonte: IBGE POF (1988, 1996, 2003, ) / ECD Consultoria estimativa conservadora e agressiva (2007, 2012)

9 I- FATORES QUE INFLUENCIAM O MERCADO DE FOOD SERVICE

10 FATORES ECONÔMICOS QUE INFLUENCIAM O NÍVEL DE DESPESAS COM ALIMENTAÇÃO FORA DO LAR INFLAÇÃO RENDA EMPREGO CRÉDITO PIB SERVIÇOS

11 PARTICIPAÇÃO REGIONAL NO PIB, RENDA, POPULAÇÃO E DESPESAS COM ALIMENTAÇÃO FORA DO LAR Regiões Participação no PIB Participação na renda Participação na população Participação na alimentação fora do lar Norte 5 5,7 8,3 4,81 Nordeste 13, ,5 Sudeste 55, Sul 16,5 17,4 14,4 14,69 Centro Oeste 9,6 9 7,4 6,34 Fonte: IBGE 2010

12 PARTICIPAÇÃO DAS ATIVIDADES NO PIB GLOBAL 5,3% 9,6% 6,6% 9,7% 8,1% 28,1% 24,4% 16,4% 29,8% 34,1% 2,9% 29,9% Agropecuária Indústria 66,6% 56,3% 69,1% 74,0% 62,1% 67,2% Serviços Brasil Norte Nordeste Oeste Sul Sudeste Fonte: IBGE 2010

13 EVOLUÇÃO COMPARATIVA ENTRE PIB SEGMENTADO E A TAXA DE CRESCIMENTO DO MERCADO DE FOOD SERVICE Indicadores PIB Global 6,1 5,2-0,3 7,5 2,7 0,9 2,4 PIB Industrial 5,3 4,1-5,6 10,4 1,6-0,8 1,1 PIB Agropecuária 4,8 6,3-3,1 6,3 3,9-2,3 6,7 PIB Serviços 6,1 4,9 2,1 5,5 2,7 1,7 2,0 Evolução Mercado FS (%) 16% 15,8% 10,7% 16,5% 17,3% 14,3% Fonte: IBGE/ ABIA/ Empresas de Consultoria Média Neste quadro podemos apreciar a relação entre o PIB de Serviços e a Taxa de Crescimento do Mercado de Food Service na série histórica.

14 TAXA DE CRESCIMENTO PIB SEGMENTADO POR CICLOS 2006/12 E 2014/18 PIB Global PIB Industrial PIB Serviços 2006/ / / / / /1 8 PIB Agropecuária 2006/ /18 Mercado Food Service (Base 2008/09) Brasil 3,7 3,0 2,4 2,9 3,9 2,9 3,0 2,8 100% Norte 3,7 3,6 3,8 4,5 3,9 3,4 0,8 1,5 4,81% Nordeste 3,9 3,7 3,8 4,3 3,9 3,5 1,5 4,3 16,15% Sudeste 3,7 2,8 2,0 2,7 4,0 2,8 1,6 2,7 58% Sul 3,3 2,2 1,6 2,1 3,6 2,2 5,8 2,0 14,69% Centro Oeste 4,6 3,3 5,3 3,5 4,1 3,2 4,8 3,4 6,34% Fonte: IBGE PIB 2006/2012 Projeções Empresas de Consultoria (Média) Neste quadro podemos notar que entre 2014/18 as Taxas de Crescimento do PIB Serviços não são animadoras podendo impactar o Mercado de Food Service

15 II- PRINCIPAIS TENDÊNCIAS POR CANAL DO FOOD SERVICE

16

17 RESTAURANTES POR QUILO Continuarão crescendo em participação Ampliaram oferta gastronômica Publico trabalhador é o principal, mas a terceira idade estará cada vez mais presente Saudabilidade, higiene cada vez mais presente no seu negócio Melhoria na gestão Os distribuidores continuam sendo o principal fornecedor. Compras esporádicas de conveniência em supermercados/açougues/sacolão e cash and carry

18

19 RESTAURANTES A LA CARTE Continuam no almoço da semana, porém incorporarão o almoço executivo para evitar perda de público para o quilo Jantar da semana e almoço/jantar no final de semana continuam preponderantes. A demanda é afetada pela crise de confiança e menor atividade econômica ( especialmente refeição lazer) O seu público continua procurando experiências gastronômicas Distribuidores especializados por categoria ( bebidas, carnes/frango/pescados), atacadistas, distribuidores, ceasa e em menor grau cash and carry são os principais fornecedores. A refeição de lazer é muito vigiada pelas redes sociais.

20

21 PADARIAS Segmento que estabiliza seu crescimento para os próximos anos, especialmente os focados em produção. Só deverão ter um crescimento maior as padarias com serviços de alimentação Continuam donas da categoria café da manhã ( 4 milhões de cafés da manhã por dia) Maior profissionalização da gestão Crescem as centrais de produção e pães congelados Cresce serviço de delivery e catering Distribuidores de ingredientes continuam relevantes aparecem novos distribuidores para serviço de alimentação.

22

23 LANCHONETES Continuam presentes com breves refeições, foco em sanduíches, salgados e bebidas Surge a nova lanchonete com foco em sanduíche diferenciados ( hamburgueria) Público jovem com maior poder aquisitivo. O cash and carry cresce muito nesta categoria de estabelecimento.

24

25 BARES Cresce a gastronomia de bar, a lei seca cria limitadas ao setor O cash and carry cresce no fornecimento do segmento e os distribuidores especializados em bebidas.

26

27 PIZZARIAS Cresce muito o delivery A pizza pode migrar no futuro para o almoço e lanche Os cash and carry e distribuidores especializados são os grandes fornecedores ( 3 milhões pizza por dia no Brasil)

28

29 LOJAS DE CONVENIÊNCIA Alimentação deverá ser o ponto forte das lojas de conveniência. Sempre as breves refeições ( sanduiches/café) Atacadistas e distribuidores especializados são principais fontes de abastecimento.

30

31 HOTÉIS Setor de hotelaria econômica é a que mais cresce Cresce hotelaria com serviços para eventos corporativos Hoteis localizados em áreas comerciais com serviços de alimentação (almoço) para público externo Terceirização das cozinhas dos hotéis Distribuidores, importadores e atacadistas continuam relevantes no abastecimento.

32

33 REDES DE FAST FOOD O sanduíche continua sendo o item mais relevante do segmento Cresce segmento de grelhados, saladas e snack- cafeterias Forte problema no abastecimento do setor. O problema logístico é um dos limitantes da expansão Na mão da indústria e operadores logísticos

34

35 REFEIÇÕES COLETIVAS Crescem nas plataformas marinhas, educação e hospitais. Procuram novas oportunidades Distribuidores e indústrias cada dia mais presentes no setor. O tema logístico é um sério problema do setor.

36 III- CANAIS DISTRIBUIDORES

37 CANAIS DISTRIBUIDORES PARTICIPAÇÃO NAS VENDAS DO MERCADO DE FOOD SERVICE (%) Segmento Atacado / Distribuidor Cash and carry / Atacarejo Supermercad o Indústria direto Feiras / Sacolões / Ceasa Outro Expectativas 2014/2015 Mercearia seca (atomatados, enlatados em geral) Mercearia seca (cereais, biscoitos, macarrão, caldos) Achocolatados, chocolate, produtos confeitaria Cresce distribuidor Atacado perde espaço Cresce o cash and carry A indústria e supermercado perdem espaço Cresce distribuidor Reduz indústria Atacado perde espaço Cresce distribuidor especializado Cresce loja de Festa Cresce Cash and Carry Reduz indústria, Atacado e supermercado Fonte: ECD (2011)

38 CANAIS DISTRIBUIDORES PARTICIPAÇÃO NAS VENDAS DO MERCADO DE FOOD SERVICE (%) Segmento Atacado / Distribuidor Proteínas (bovino, suíno, frango) Cash and carry / Atacarejo Supermercado Indústria direto Feiras / Sacolões / Ceasa Outro Expectativas 2014/ A indústria continua relevante, devido a falta de opções de distribuidores especializados por categoria Cresce o cash and carry Acougue sem competitividade perde espaço Poucas opções de distribuidores Pescados Cresce cash and carry Cresce o distribuidor especilizado A indústria foca nas grandes contas Permanecem atacadistas especializados tradicionais Laticínios Cresce cash and carry A indústria cresce nas grandes e médias contas com equipes próprias Cresce e continua relevante o distribuidor especializado. Bebidas não alcóolicas Fonte: ECD (2011) Continua relevante o distribuidor especializado Cresce o Cash and Carry

39 IV- EXIGÊNCIAS DO MERCADO DE FOOD SERVICE

40 CONHECIMENTO DO PRODUTO- CUSTO/BENEFÍCIO O vendedor do distribuidor precisa conhecer o custo/benefício que cada produto outorga ao prato ou produto final. É importante conhecer os atributos de rendimento, maciez, sabor, economia de tempo, aparência, etc...

41 CONHECIMENTO DO SEGMENTO DE MERCADO ONDE VENDE É importante conhecer as principais características do segmento onde vende. Aqui é entender o tipo de gastronomia, o tipo de público, seu ticket médio Tudo isto influencia a expectativa com relação ao produto

42 A VISITA DO VENDEDOR, ASSUME CARACTERÍSTICAS DIFERENCIADAS A visita presencial é muito importante, A visita telefônica tende a repor pedidos e não facilita a introdução, nem ampliação do mix. A visita presencial permite ao vendedor visitar o cardápio/estoque e identificar novas oportunidades A visita telefônica não deixa de ser importante na medida que um cliente tem 3 intenções de compra por semana, 1 é visita e as outras 2 por telefone.

43 ENTREGAS FREQUENTES Uma outra característica do setor de food service são as entregas frequentes, de 1 a 2 vezes por semana, dependo da categoria de produtos, estimulado pelo pouco espaço para armazenamento e o fluxo de caixa. Categoria perecíveis, costumam ter uma frequência de 3 a 4 vezes por semana. ( carne/frango/peixes). Sem dúvida a entrega tem que ser no máximo feita em 24 horas, de um dia para outro. Diferencial: no mesmo dia.

44 PEDIDOS PEQUENOS/FRACIONADOS A sua capacidade de armazenagem limitada e seu fluxo de caixa limitado, e seu amplo mix de produtos gera pedidos, muitas vezes em embalagens individuais e fracionadas. O food service é um setor que no futuro próximo vai valorizar muito o porcionamento de produtos ( especialmente carnes, pescados, frios, etc...) Os valores do food service são próximos do pequeno varejo alimentar) Em torno de R$500,00 por pedido de mercearia seca.

45 SUPORTE TÉCNICO AO CLIENTE Os clientes do food service, são pequenos empreendedores que precisam de apoio no seu negócio. São muito bem avaliadas empresas/distribuidores que: Demonstram produtos Treinam funcionários Desenvolvem receitas Promovem visitas técnicas

46 V- OS NOVOS DESAFIOS PARA A DISTRIBUIÇÃO. A PROCURA POR NOVOS MODELOS

47 OS DESAFIOS PARA A DISTRIBUIÇÃO, A PROCURA POR NOVOS MODELOS. O Food Service é um mercado associado intimamente ao distribuidor e a lojas especializadas (cash and carry). A relação tradicional entre indústria e atacado/distribuidor é sustentada pela compra-venda de produtos, relação sustentada pelo pedido. Esta relação tem mudado com o passar dos anos criando novos formatos de parceria, onde a indústria dá um maior suporte ao distribuidor: a. Campanhas promocionais de venda b. Apoio técnico/treinamento c. Distribuição de brindes/participação em eventos

48 OS DESAFIOS PARA A DISTRIBUIÇÃO, A PROCURA POR NOVOS MODELOS. Outra variação de formato tem sido o compartilhamento de informação: A indústria processa a informação e orienta. Muitas vezes, entra no distribuidor e colabora no trabalho de distribuição e expansão do mix de produtos. Acredita-se que o futuro da distribuição no Brasil será dado pelo surgimento da inteligência de negócios.o distribuidor passa a processar a sua informação, faz a análise sobre desempenho dos produtos no ponto de consumo, identifica indicadores de consumo por canal, por refeição, enfim dispõe de informações que orientam a indústria a como atuar em cada segmento.

49 OS DESAFIOS PARA A DISTRIBUIÇÃO, A PROCURA POR NOVOS MODELOS. Esta informação inteligente permite ao distribuidor ofertar mais que um serviço de distribuição, ofertar outras orientações sobre o tipo de produto, embalagens e atributos mais importantes. Naturalmente surge a necessidade de qualificar não somente a informação como também as pessoas que a processam. O grande desafio do distribuidor é em como operar com um serviço diferenciado com as margens tão estreitas que o próprio distribuidor possui. Naturalmente estamos caminhando para que o distribuidor venda a informação à industria.

50 OS DESAFIOS PARA A DISTRIBUIÇÃO, A PROCURA POR NOVOS MODELOS. Os outros desafios do distribuidor são a sua gestão interna cada vez mais rigorosa: Forte controle de estoque com rigoroso controle de perdas. Fluxo de caixa com a máxima projeção para avaliar as necessidades de recursos e fontes. Produtividade na área comercial com foco em número de itens por pedido, carga máxima no veiculo. Na logística, equipes treinadas e enxutas na separação, carregamento e distribuição de produtos. Sistemas de apuração de custos mais rigorosos identificando todos os componentes do custo. A necessidade de ter que identificar claramente a lucratividade é fundamental.

51 OS DESAFIOS PARA A DISTRIBUIÇÃO, A PROCURA POR NOVOS MODELOS. Sistemas de remuneração orientados à meritocracia em todas as áreas da empresa, premiando os desempenhos objetivados. Vamos sair apenas do estímulo à vendas e procurar estimular, premiar os gestores de outros centros de custo. Controle de inadimplência,credito mais rigoroso, novas opções de pagamento.

52 VI- COMPARATIVO PRIMEIRO SEMESTRE DIEFS/ABAD

53 EVOLUÇÃO DE VENDAS JAN-JUN 2014 VALORES NOMINAIS (COMPARATIVO 2014 X 2013) 23,12% 14,62% 9,38% 12,21% 12,89% 9,67% 7,02% 5,60% 10,11% 10,85% 8,31% 13,06% 7,83% 2,72% Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Acumulado DIEFS ABAD

54 OBRIGADO!

Saudabilidade no Food Service. Tendências

Saudabilidade no Food Service. Tendências Saudabilidade no Food Service Tendências Introdução ao Mercado de Food Service Introdução Mercado que envolve toda a cadeia de produção e distribuição de alimentos, bebidas, insumos, equipamentos e serviços

Leia mais

Tendências e oportunidades do mercado de Food Service para pescados e frutos do mar Enzo Donna

Tendências e oportunidades do mercado de Food Service para pescados e frutos do mar Enzo Donna Tendências e oportunidades do mercado de Food Service para pescados e frutos do mar Enzo Donna 1 MERCADO DE FOOD SERVICE 2 FOOD SERVICE Mercado que envolve toda a cadeia de produção e distribuição de alimentos,

Leia mais

O mercado de Food Service no Brasil. Enzo Donna

O mercado de Food Service no Brasil. Enzo Donna O mercado de Food Service no Brasil Enzo Donna 1 PANORAMA DO MERCADO BRASILEIRO DE FOOD SERVICE 2 FOOD SERVICE Mercado que envolve toda a cadeia de produção e distribuição de alimentos, bebidas, insumos,

Leia mais

Setor de Panificação e Confeitaria

Setor de Panificação e Confeitaria Setor de Panificação e Confeitaria Em 2014 o setor de Panificação e Confeitaria brasileiro cresceu 8,02%e faturou R$ 82,5 bilhões. Desde 2010, o mercado vem registrando uma desaceleração. Setor de Panificação

Leia mais

Atendimento ao canal de Hotéis e Restaurantes

Atendimento ao canal de Hotéis e Restaurantes Atendimento ao canal de Hotéis e Restaurantes AGENDA - MERCADO DE FOOD SERVICE - MODELO ABASTECIMENTO ATUAL E ENTENDIMENTO CADEIA DE ABASTECIMENTO - MODELO PROPOSTO - PRINCIPAIS BENEFÍCIOS DO MODELO -

Leia mais

Distribuição Urbana de Food Service. Francisco Moura, ABIAF

Distribuição Urbana de Food Service. Francisco Moura, ABIAF Distribuição Urbana de Food Service Francisco Moura, ABIAF Agenda O Mercado de Food Service e segmentos Como as cadeias de suprimentos estão organizadas EUA e Brasil O Operador Logístico de FS dificuldades,

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

A Indústria de Alimentação

A Indústria de Alimentação A Indústria de Alimentação 61 A indústria brasileira de alimentação está inserida na cadeia do agronegócio e representa parte significativa do PIB. O texto aponta as características do setor, seu desempenho

Leia mais

Food Service. como restaurante, rotisserie, comprada no local ou entregue em casa.

Food Service. como restaurante, rotisserie, comprada no local ou entregue em casa. Food Service Food Service é o mercado que envolve toda a cadeia de produção e distribuição de alimentos, insumos, equipamentos e serviços, orientado a atender os estabelecimentos que preparam e fornecem

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

9º Pesquisa Setorial ABF Food Service 2015. Enzo Donna

9º Pesquisa Setorial ABF Food Service 2015. Enzo Donna 9º Pesquisa Setorial ABF Food Service 2015 Enzo Donna INTRODUÇÃO Com a finalidade de levantar informações sobre as redes de alimentação, a Associação Brasileira de Franchising (ABF) e a ECD Food Service

Leia mais

MISSÃO E VISÃO FOODSERVICE QUEM SOMOS FOCO DE ATUAÇÃO

MISSÃO E VISÃO FOODSERVICE QUEM SOMOS FOCO DE ATUAÇÃO MISSÃO E VISÃO FOODSERVICE QUEM SOMOS FOCO DE ATUAÇÃO ESTUDOS 2014 MISSÃO Unir a cadeia de valor - fabricantes, prestadores de serviços e operadores - em prol do crescimento, profissionalização e amadurecimento

Leia mais

COMPETITIVIDADE: DESENVOLVIMENTO PRÓXIMOS ANOS? COMO SERÁ O DO SEU NEGÓCIO NOS. Sussumu Honda

COMPETITIVIDADE: DESENVOLVIMENTO PRÓXIMOS ANOS? COMO SERÁ O DO SEU NEGÓCIO NOS. Sussumu Honda REFLEXÕES SOBRE A COMPETITIVIDADE: COMO SERÁ O DESENVOLVIMENTO DO SEU NEGÓCIO NOS PRÓXIMOS ANOS? Sussumu Honda 2013: O MUNDO Perspectivas Globais RECUPERAÇÃO GRADATIVA COM GRANDES MUDANÇAS Perspectivas

Leia mais

Fabiana Castro fabiana.castro@gsmd.com.br

Fabiana Castro fabiana.castro@gsmd.com.br Fabiana Castro fabiana.castro@gsmd.com.br Cenário Food Service No Brasil, transformações socioeconômicas impactam na alimentação fora do lar Fonte: IBGE (Brasil), Bureau of Labour Statistics (EUA) e estimativas

Leia mais

RANKING ABAD NIELSEN 2015 BASE 2014

RANKING ABAD NIELSEN 2015 BASE 2014 RANKING ABAD NIELSEN 2015 BASE 2014 Abril, 2015 AGENDA Um resumo das Mudanças no Mercado Brasileiro em 2014 O Setor Atacadista-distribuidor neste contexto O processo de interiorização do consumo e o reflexo

Leia mais

www.petitegourmet.com.br Costantino Mariella Fabio Motta de Almeida Julio Camargo Manuel Almeida Marcela Cassiolato Rodrigo Botinhão

www.petitegourmet.com.br Costantino Mariella Fabio Motta de Almeida Julio Camargo Manuel Almeida Marcela Cassiolato Rodrigo Botinhão www.petitegourmet.com.br Costantino Mariella Fabio Motta de Almeida Julio Camargo Manuel Almeida Marcela Cassiolato Rodrigo Botinhão Necessidade do Negócio Projeto baseado na necessidade do Grupo Busca

Leia mais

RESULTADOS 3T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 4 de novembro de 2011

RESULTADOS 3T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 4 de novembro de 2011 RESULTADOS 3T11 Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades 4 de novembro de 2011 ELETRO GPA ALIMENTAR AGENDA RESULTADOS Supermercados Proximidade Atacarejo Postos e Drogarias Hipermercado Lojas Especializadas

Leia mais

CMV Custo de Mercadoria Vendida

CMV Custo de Mercadoria Vendida CMV Custo de Mercadoria Vendida Guia para Food Service Restaurante & Pizzarias Apresentação Para manter sempre os parceiros alinhados com as informações do mercado, a PMG criou este guia falando um pouco

Leia mais

Performance do setor de panificação e confeitaria brasileiro em 2010

Performance do setor de panificação e confeitaria brasileiro em 2010 Performance do setor de panificação e confeitaria brasileiro em 2010 As empresas de Panificação e Confeitaria brasileira confirmam o momento de evolução pelo qual passam nos últimos anos. Em 2010, o índice

Leia mais

Consultoria e Assessoria em Serviços de Alimentação para uma prática de qualidade

Consultoria e Assessoria em Serviços de Alimentação para uma prática de qualidade Consultoria e Assessoria em Serviços de Alimentação para uma prática de qualidade Rochele de Quadros Rodrigues Nutricionista e Especialista em Qualidade de Alimentos Mestranda em Ciência e Tecnologia de

Leia mais

TRABALHO INTERDISCIPLINAR G2-6º período

TRABALHO INTERDISCIPLINAR G2-6º período TRABALHO INTERDISCIPLINAR G2-6º período Disciplinas: Promoção de Vendas - Francisco Pavin Planejamento de mídia - Francisco Pavin Direção de Arte 2 Ricardo Fantinelli / Gabriel Tesser Agências Dividam-se

Leia mais

Novos rumos para os produtos ibéricos.

Novos rumos para os produtos ibéricos. Novos rumos para os produtos ibéricos. 28 a 30 de Novembro Centro de Convenções -Ceará-Brasil A sua grande oportunidade de exportar para a região que mais cresce no Brasil. A IBERIA EXPO 2012 é uma iniciativa

Leia mais

As Tendências da Alimentação -- Varejo de autosserviço --

As Tendências da Alimentação -- Varejo de autosserviço -- São Paulo, 11 de agosto de 2010 As Tendências da Alimentação -- Varejo de autosserviço -- Informações sobre o setor de supermercados SETOR SUPERMERCADISTA EM 2009 Faturamento R$ 177 bilhões Participação

Leia mais

Desafios do Mercado de Alimentos e Bebidas Orgânicas. Fabio Ramos Novembro 2008

Desafios do Mercado de Alimentos e Bebidas Orgânicas. Fabio Ramos Novembro 2008 Desafios do Mercado de Alimentos e Bebidas Orgânicas Fabio Ramos Novembro 2008 Fundada em 1982 com a missão de prestar serviços de consultoria agropecuária, agroindustrial e desenvolvimento rural no Brasil

Leia mais

Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas. Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação Érico Veras Marques FGV/CIA/UFC

Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas. Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação Érico Veras Marques FGV/CIA/UFC Seminário GVcev Varejo e Tecnologia: Presente e Perspectivas Panorama de Utilização da Tecnologia da Informação FGV/CIA/UFC Gastos e Investimentos % do Faturamento Média Grandes Empresas: 5,3% Média Indústria:

Leia mais

O Super Nosso surgiu em novembro de 1998 com a primeira loja no bairro Buritis, conta hoje com 11 lojas, na região metropolitana de Belo Horizonte.

O Super Nosso surgiu em novembro de 1998 com a primeira loja no bairro Buritis, conta hoje com 11 lojas, na região metropolitana de Belo Horizonte. O GRUPO ALIANÇA tem como visão, ser o melhor distribuidor de produtos de consumo industrializados de Minas Gerais, no canal alimentar e nos diferentes segmentos que atua. NOMES FANTASIAS: Previsão de faturamento

Leia mais

PARCERIAS MAPA MS ABIA INMETRO ABNT PIF ANDEF SUPORTE INSTITUCIONAL

PARCERIAS MAPA MS ABIA INMETRO ABNT PIF ANDEF SUPORTE INSTITUCIONAL PARCERIAS MAPA MS ABIA INMETRO ABNT PIF ANDEF SUPORTE INSTITUCIONAL ABRANGÊNCIA DO PAS INDÚSTRIA COMERCIALIZAÇÃO E DISTRIBUIÇÃO CONSUMIDOR FINAL INDÚSTRIA DISTRIBUIÇÃO MESA CADEIA PRODUTIVA AÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA Diego Beneveluthy Goncalves Barbosa Jorge Arthur de Oliveira Queiroz Leon Denis Jose da Silva Junior Rodrigo Martins de Souza Tiago Rodrigo Ferreira Silva Vinicius Santos

Leia mais

Oba: há 32 anos, acrescentando saúde e qualidade de vida

Oba: há 32 anos, acrescentando saúde e qualidade de vida Oba: há 32 anos, acrescentando saúde e qualidade de vida Diego Rodrigues de Freitas / Luiza Ferro Neves / Newton da Silva Miranda Júnior Belo Horizonte, 1979. O Oba Hortifruti inaugura sua primeira loja

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

31 de maio a 03 de junho de 2014 Expo Center Norte pavilhão verde S.Paulo

31 de maio a 03 de junho de 2014 Expo Center Norte pavilhão verde S.Paulo PARALELO A 31 de maio a 03 de junho de 2014 Expo Center Norte pavilhão verde S.Paulo Apoio de Midia Promoção e Organização nasce da necessidade da indústria brasileira mostrar sua variedade de produtos,

Leia mais

Pesquisa APAS/LatinPanel mostra as principais marcas na preferência dos consumidores brasileiros

Pesquisa APAS/LatinPanel mostra as principais marcas na preferência dos consumidores brasileiros Pesquisa APAS/LatinPanel mostra as principais marcas na preferência dos consumidores brasileiros Estudo Mais Mais A Escolha do Consumidor aponta que em 79% das 94 categorias de produtos pesquisadas houve

Leia mais

O Mercado e o Shopper Masculino Men's Beauty Show. Abril de 2011

O Mercado e o Shopper Masculino Men's Beauty Show. Abril de 2011 O Mercado e o Shopper Masculino Men's Beauty Show Abril de 2011 Agenda Revisão da Indústria e Cestas Tendências Macro econômicas e Cestas de Consumo Cesta Foco e mercado Masculino Mercado Masculino Nível

Leia mais

Plano Abras Maior Apresentação maio/2013

Plano Abras Maior Apresentação maio/2013 Plano Abras Maior Apresentação maio/2013 Gestão Abras PLATAFORMA ABRAS 2013-2014 - 2014 SETOR HOJE PLATAFORMA ABRAS 2013-2014 Setor faturou R$ 242,9 bilhões em 2012 Supermercados respondem por 83,7% do

Leia mais

Responsabilidade Social na Cadeia de Valor o papel do setor atacadista-distribuidor. Geraldo Eduardo da Silva Caixeta

Responsabilidade Social na Cadeia de Valor o papel do setor atacadista-distribuidor. Geraldo Eduardo da Silva Caixeta Responsabilidade Social na Cadeia de Valor o papel do setor atacadista-distribuidor Geraldo Eduardo da Silva Caixeta ABAD Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores Com mais de 25 anos de história,

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Março de 205 Sumário A VIA VAREJO EM RESUMO B POSICIONAMENTO DA VIA VAREJO C DESTAQUES DO 4T4 2 Sumário A VIA VAREJO EM RESUMO B POSICIONAMENTO DA VIA VAREJO C DESTAQUES DO 4T4

Leia mais

As Tendências da Alimentação Fora do Lar Enzo Donna

As Tendências da Alimentação Fora do Lar Enzo Donna São Paulo, 11 de agosto de 2010 As Tendências da Alimentação Fora do Lar Enzo Donna DEFINIÇÃO DE FOOD SERVICE O mercado que envolve toda a cadeia de produção e distribuição de alimentos, insumos, equipamentos

Leia mais

EQUIPAMENTOS: FOCANDO NA LUCRATIVIDADE André Rezende. Realização:

EQUIPAMENTOS: FOCANDO NA LUCRATIVIDADE André Rezende. Realização: EQUIPAMENTOS: FOCANDO NA LUCRATIVIDADE André Rezende Realização: 1 Padaria 1 Receita Bruta 70.000,00 100,0% Impostos 4.200,00 6,0% Receita Líquida 65.800,00 94,0% CMV 37.435,00 53,5% Margem Contribuição

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, DEZEMBRO DE 2012 18 2012 PANORAMA GERAL

Leia mais

A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira. Setembro de 2014

A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira. Setembro de 2014 A relevância do setor de Contact Center na economia brasileira Setembro de 2014 Lógica Econômica da Terceirização Contratos de Prestação de Serviços entre Empresas Criação de empregos no setor de serviços,

Leia mais

RESULTADOS 4T11 E 2011 Grupo Pão de Açúcar e Viavarejo (Globex)

RESULTADOS 4T11 E 2011 Grupo Pão de Açúcar e Viavarejo (Globex) RESULTADOS 4T11 E 2011 Grupo Pão de Açúcar e Viavarejo (Globex) 17 de fevereiro de 2012 GRUPO PÃO DE AÇÚCAR - RESULTADOS 4T11 E 2011 Enéas Pestana, Presidente do Grupo Pão de Açúcar 2 Evolução operacional

Leia mais

promoções Estratégias diferenciadas na rotisseria despertam o apetite do consumidor e incrementam a receita dos supermercados

promoções Estratégias diferenciadas na rotisseria despertam o apetite do consumidor e incrementam a receita dos supermercados Cardápio de promoções Estratégias diferenciadas na rotisseria despertam o apetite do consumidor e incrementam a receita dos supermercados POR DENISE TURCO Comida de restaurante no supermercado. É com apetite

Leia mais

I n ova ç ã o Produtos. Matérias-Primas. Seminário Tecnológico ABIP / ITPC / SEBRAE Isabela Cardoso Michele Bianchini 19/07/2012

I n ova ç ã o Produtos. Matérias-Primas. Seminário Tecnológico ABIP / ITPC / SEBRAE Isabela Cardoso Michele Bianchini 19/07/2012 I n ova ç ã o Produtos Processos Matérias-Primas Seminário Tecnológico ABIP / ITPC / SEBRAE Isabela Cardoso Michele Bianchini 19/07/2012 Não é a mais forte das espécies que sobrevive, nem a mais inteligente,

Leia mais

Cliente: Sindicerv Veículo: www.diariodepetropolis.com.br Data: 09-05-2010 Imagem Corporativa Lei Seca: número de acidentados no trânsito cai 11,6% em abril Núcleo de Imprensa A operação Lei Seca que tem

Leia mais

A JBS. A JBS tem seu capital listado na BM&FBovespa desde 2007. Perfil

A JBS. A JBS tem seu capital listado na BM&FBovespa desde 2007. Perfil Perfil GRI G4-3 G4-5 G4-7 S.A. é uma empresa de alimentos com 61 anos de tradição e líder global no processamento de proteína animal. Operando em mais de 20 países, a companhia atende uma base de mais

Leia mais

SAP Customer Success Story Alimentício Jerivá. SAP Business One amplia controle da Jerivá sobre suas diferentes áreas de atuação

SAP Customer Success Story Alimentício Jerivá. SAP Business One amplia controle da Jerivá sobre suas diferentes áreas de atuação SAP Business One amplia controle da Jerivá sobre suas diferentes áreas de atuação Geral Executiva Nome da Jerivá Indústria Alimentício Produtos e Serviços Produção, industrialização e comercialização de

Leia mais

Pesquisa Nacional Fiesp/IBOPE sobre o Perfil do Consumo de Alimentos no Brasil

Pesquisa Nacional Fiesp/IBOPE sobre o Perfil do Consumo de Alimentos no Brasil Pesquisa Nacional Fiesp/IBOPE sobre o Perfil do Consumo de Alimentos no Brasil Introdução e objetivo Para avaliar o grau de aderência do consumidor brasileiro às tendências internacionais, a Fiesp encomendou

Leia mais

A ECONOMIA BRASILEIRA E OS CARROS USADOS. Luis Nassif

A ECONOMIA BRASILEIRA E OS CARROS USADOS. Luis Nassif A ECONOMIA BRASILEIRA E OS CARROS USADOS Luis Nassif Potência Descoberta do país Desenvolvimento Potência Exporta matéria prima Descoberta do país Desenvolvimento Potência Importa produtos Descoberta do

Leia mais

Maxxi Distribuição - bestsales

Maxxi Distribuição - bestsales Ricardo Piccoli 10/10/2008 1.0 1/7 Apresentação do Case Maxxi Distribuição - bestsales Documento Confidencial Ricardo Piccoli 10/10/2008 1.0 2/7 1 - Índice 1. Índice 2 2. Introdução 3 3. Perfil do Cliente

Leia mais

13ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro: Supermercados

13ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro: Supermercados 13ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro: Supermercados Amostra Empresas respondentes 214 Faturamento anual bruto R$ 83.094.932.979,00 Representatividade em relação ao faturamento Brasil 34% Faturamento

Leia mais

As Interações entre os Agentes da Cadeia Produtiva da Pecuária de Corte no Brasil: implicações para a sustentabilidade Dr. Guilherme Cunha Malafaia

As Interações entre os Agentes da Cadeia Produtiva da Pecuária de Corte no Brasil: implicações para a sustentabilidade Dr. Guilherme Cunha Malafaia As Interações entre os Agentes da Cadeia Produtiva da Pecuária de Corte no Brasil: implicações para a sustentabilidade Dr. Guilherme Cunha Malafaia Embrapa Gado de Corte Estrutura da Apresentação A Estrutura

Leia mais

A Vivenda do Camarão é a maior rede de restaurantes de frutos do mar do país, presente em 20 estados brasileiros e 1 unidade no Paraguay.

A Vivenda do Camarão é a maior rede de restaurantes de frutos do mar do país, presente em 20 estados brasileiros e 1 unidade no Paraguay. A Vivenda do Camarão é a maior rede de restaurantes de frutos do mar do país, presente em 20 estados brasileiros e 1 unidade no Paraguay. O cardápio Vivenda oferece Produtos Congelados, In Natura, e em

Leia mais

CRONOGRAMA GERAL 26 de março às 9h30 04 de maio 06 de maio 22 de maio - 30 de maio

CRONOGRAMA GERAL 26 de março às 9h30 04 de maio 06 de maio 22 de maio - 30 de maio CRONOGRAMA GERAL 26 de março às 9h30 Apresentação pesquisa 04 de maio Fechamento comercial 06 de maio Entrega do material 22 de maio - Evento de premiação 30 de maio Publicação da revista Considerando

Leia mais

Conheça a MRV Engenharia

Conheça a MRV Engenharia Conheça a MRV Engenharia MRV em Números Ficha técnica MRV Engenharia Número de empregados nas obras (média 2014)...23.704 Vendas Contratadas (R$ milhões) (2014)...R$ 6.005 Receita liquida (R$ milhões)

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DA ALIMENTAÇÃO NO BRASIL

PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DA ALIMENTAÇÃO NO BRASIL PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DA ALIMENTAÇÃO NO BRASIL A Tecnologia Italiana a favor da Indústria Alimentar Brasileira Apresentação CIBUS Brasil - 21/11/2002 - Presiden/Tecnologia Italiana 1 I - INTRODUÇÃO

Leia mais

As Ferramentas e Opções do Varejo no Mercado de FLV

As Ferramentas e Opções do Varejo no Mercado de FLV As Ferramentas e Opções do Varejo no Mercado de FLV Luiz Claudio Haas Diretor Comercial de Frutas, Legumes e Verduras Agosto 2014 Por que o agronegócio é importante mundialmente? 100% da população depende

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades

Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades Nossa Empresa A Ambiental Liron é uma empresa prestadora de serviços, voltada à limpeza de dutos de ar condicionado, limpeza de coifas, limpeza de sistemas

Leia mais

Quem somos. * Empresa liderada por profissionais com larga experiência no mercado de food service.

Quem somos. * Empresa liderada por profissionais com larga experiência no mercado de food service. Perfil empresarial Do que iremos falar Quem somos Nossas marcas Nossa visão Nosso posicionamento estratégico Nossa política de qualidade Nossos projetos de evolução Nossos clientes felizes Quem somos *

Leia mais

Os Desafios de Gestão do Canal Indireto Como garantir a execução"

Os Desafios de Gestão do Canal Indireto Como garantir a execução Os Desafios de Gestão do Canal Indireto Como garantir a execução" 07.07.2014 Today s Agenda 9:30am - 9:45am Introdução & Objetivos 3 Today s Agenda 9:45am 10:00am Os desafios do GTM e do Canal Indireto

Leia mais

Módulo 12 Segmentando mercados

Módulo 12 Segmentando mercados Módulo 12 Segmentando mercados Há alguns anos que os profissionais de marketing perceberam que não se pode atender todo o mercado com um único composto de produto. Nem todos os consumidores querem um carro

Leia mais

PROJETOS ESPECIAIS JL

PROJETOS ESPECIAIS JL PERFIL DE LONDRINA 2 a cidade do Paraná com o maior número de indústrias e empresas ligadas ao comércio. 24 a cidade com maior frota de veículos do Brasil. Possui o maior centro de pesquisas em soja do

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

SOLUÇÕES DE SOFTWARE MISTER CHEF

SOLUÇÕES DE SOFTWARE MISTER CHEF MISTER CHEF Histórico - A MISTERCHEF é uma empresa genuinamente brasileira com 16 anos de experiência e uma ampla especialização na criação e desenvolvimento de soluções para Automação Comercial do Varejo.

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

PESQUISA REFEIÇÃO ASSERT Preço Médio 2012. Preparado com exclusividade para:

PESQUISA REFEIÇÃO ASSERT Preço Médio 2012. Preparado com exclusividade para: PESQUISA REFEIÇÃO ASSERT Preço Médio 2012 Preparado com exclusividade para: Pesquisa Refeição Assert Preço Médio 2012 Introdução Objetivo Conceitos Metodologia e Amostra Cenário 2012 Os preços das refeições

Leia mais

ÍNDICE CIELO APONTA CRESCIMENTO TÍMIDO DE 0,5% DO VAREJO EM JUNHO

ÍNDICE CIELO APONTA CRESCIMENTO TÍMIDO DE 0,5% DO VAREJO EM JUNHO ÍNDICE CIELO APONTA CRESCIMENTO TÍMIDO DE 0,5% DO VAREJO EM JUNHO Número refere-se ao aumento da receita de vendas deflacionada pelo IPCA em relação a junho de 2013; com os ajustes dos efeitos de calendário,

Leia mais

LINHA DE APRENDIZADO. Departamento de Compras. Modelo de Negócio. Central de Compras. Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar

LINHA DE APRENDIZADO. Departamento de Compras. Modelo de Negócio. Central de Compras. Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar AGOSTO/2015 LINHA DE APRENDIZADO Departamento de Compras Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar Central de Compras Modelo de Negócio Fundada há 120 anos. Atendimento de média e alta

Leia mais

A Nova Geografia de Negócios e a Diversidade de Formatos de Varejo e Implicaçõ. ções para Indústria de Bens de Consumo.

A Nova Geografia de Negócios e a Diversidade de Formatos de Varejo e Implicaçõ. ções para Indústria de Bens de Consumo. A Nova Geografia de Negócios e a Diversidade de Formatos de Varejo e Implicaçõ ções para Indústria de Bens de Consumo. Realização : 27 de Abril de 2010 Mercure Grand Hotel S.Paulo/SP 39º RELATÓRIO ANUAL

Leia mais

Seção 2 «Natural Value» Experiência de Gestão de Risco no Setor de Alimentos. Carrefour Brasil

Seção 2 «Natural Value» Experiência de Gestão de Risco no Setor de Alimentos. Carrefour Brasil Seção 2 «Natural Value» Experiência de Gestão de Risco no Setor de Alimentos Carrefour Brasil 03/09/2007 Grupo Carrefour Hoje Nossos Números N 1 do Varejo Europeu e N 2 no Mundo 97, 24 Bilhões de euros

Leia mais

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ Planejamento Boa Gestão Consciência Política Sustent bilidade Participação

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças

Pesquisa. Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Consumo de Frutas e Hortaliças Pesquisa Quantitativa Consumo de Frutas e Hortaliças Elaborado por CONNECTION RESEARCH Maio 2011 2 Objetivos da pesquisa. Estudar os hábitos alimentares da população

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO SAIR DO LUGAR-COMUM PÃO DE AÇÚCAR UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO Só em São Paulo, a associação que reúne os supermercados tem mais de 50 empresas cadastradas. As lojas se espalham com um volume impressionante.

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14 PLANO DE NEGÓCIO EMPRESA (inserir logo) SET/14 Índice 1 INTRODUÇÃO-Sumário Executivo 04 1.1 Identificação da Empresa 04 1.1.1 Histórico da empresa 04 1.1.2 Definição do modelo de negócio 05 1.1.3 Constituição

Leia mais

Apresentação do Case. Inteligência de Negócios na Multi Distribuidora

Apresentação do Case. Inteligência de Negócios na Multi Distribuidora Apresentação do Case Inteligência de Negócios na Multi Distribuidora A Multi Distribuidora teve início em 1989 em Caruaru, com o nome Bonanza Atacado e, em 1995, passou a se chamar Multi Distribuidora

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ CEFET/CE DEPARTMAENTO DE EDIFICAÇÕES CURSO DE VIAS E TRANSPORTES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO PROFESSOR: HAMIFRANCY MENESES 1 TÓPICOS ABORDADOS DEFINIÇÃO DE CANAL

Leia mais

Visão Geral da Marisa

Visão Geral da Marisa Junho 2012 Visão Geral da Marisa 63 anos de história Produtos e serviços financeiros Foco na classe C Maior varejista de moda feminina e íntima do Brasil Lojas multiformato Top of mind Presença em todo

Leia mais

Plano de Negócio. Microcervejaria Rugbeer. Centro Universitário de Belo Horizonte - UNI-BH Curso de Processos Gerenciais Segundo Semestre/2009

Plano de Negócio. Microcervejaria Rugbeer. Centro Universitário de Belo Horizonte - UNI-BH Curso de Processos Gerenciais Segundo Semestre/2009 Plano de Negócio Microcervejaria Rugbeer Centro Universitário de Belo Horizonte - UNI-BH Curso de Processos Gerenciais Segundo Semestre/2009 Idealizadores André Sampaio Fábio Nogueira Gleidson Silva João

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE DEZEMBRO DE 2013 CURITIBA E R.M Este relatório, referente ao mês de Dezembro de 2013, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

Fazenda Santa Fé. Pedro Merola

Fazenda Santa Fé. Pedro Merola Fazenda Santa Fé Pedro Merola Um pouco da nossa história Fazenda foi adquirida em 1933 Lavouras de algodão 1962 Irrigação 1978 Plantio Direto 1982 Confinamento 1985 Pastejo Rotacionado 1994 Gestão 2008

Leia mais

Apresentação da publicação Brasil Food Trends 2020

Apresentação da publicação Brasil Food Trends 2020 São Paulo, 18 de maio de 2010 Apresentação da publicação Brasil Food Trends 2020 Motivação Instituições Especialistas Base de conhecimento sobre tendências da alimentação Apoio a projetos de PD&I Competitividade

Leia mais

Introdução Um pouco da história da empresa. Produtos Alguns produtos que distribuímos. Canais de vendas Explicação sobre os nossos canais

Introdução Um pouco da história da empresa. Produtos Alguns produtos que distribuímos. Canais de vendas Explicação sobre os nossos canais Agenda Introdução Um pouco da história da empresa Produtos Alguns produtos que distribuímos Canais de vendas Explicação sobre os nossos canais Objetivos Objetivos a longo prazo Cadastro Introdução Há 23

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

Regulação & Desenvolvimento Segurança Sanitária versus Liberdade de Mercado

Regulação & Desenvolvimento Segurança Sanitária versus Liberdade de Mercado 2012 Regulação & Desenvolvimento Segurança Sanitária versus Liberdade de Mercado Sussumu Honda Presidente da Abras Vamos falar sobre... A Abras. O Setor de Autosserviço Segurança Sanitária versus Liberdade

Leia mais

Conforto + Praticidade = Sucesso Absoluto.

Conforto + Praticidade = Sucesso Absoluto. 1 2 2 3 Conforto + Praticidade = Sucesso Absoluto. O melhor custo-benefício transformado num diferencial único. Construtora Souza Maria No mercado desde 2001, a Construtora Souza Maria atua nos segmentos

Leia mais

RELATÓRIO MISSÃO À CHINA BAKERY CHINA

RELATÓRIO MISSÃO À CHINA BAKERY CHINA RELATÓRIO MISSÃO À CHINA BAKERY CHINA Panificação na China A panificação chinesa tem aspectos peculiares, não é um país de tradição no consumo de panificados, mas tem desenvolvido sua indústria a partir

Leia mais

MBA Executivo UFPE FORMATOS E MODELOS DE VAREJO

MBA Executivo UFPE FORMATOS E MODELOS DE VAREJO MBA Executivo UFPE Disciplina: Ambiente de Negócios Setembro/2011 FORMATOS E MODELOS DE VAREJO Fonte: MATTAR, Fauze Najib. Administração de Varejo. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011 Prof. Bosco Torres www.boscotorres.com.br

Leia mais

Como está a adoção de RFID no Brasil. Edson Perin Editor - RFID Journal Brasil

Como está a adoção de RFID no Brasil. Edson Perin Editor - RFID Journal Brasil Como está a adoção de RFID no Brasil Edson Perin Editor - RFID Journal Brasil 2 Cenário Brasileiro PIB do Brasil cresce menos, mas cresce Em 2012 = pouco acima de 1,5% Em 2013 = expectativa de alta de

Leia mais

Abra. e conheça as oportunidades de fazer bons negócios...

Abra. e conheça as oportunidades de fazer bons negócios... Abra e conheça as oportunidades de fazer bons negócios... anos Chegou a hora de crescer! Conte com a Todescredi e faça bons negócios. Há 5 anos, iniciavam as operações daquela que se tornou a única financeira

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

Perspectivas & Oportunidades do Mercado Segurador frente aos Novos Consumidores. Marco Antonio Rossi Presidente

Perspectivas & Oportunidades do Mercado Segurador frente aos Novos Consumidores. Marco Antonio Rossi Presidente Perspectivas & Oportunidades do Mercado Segurador frente aos Novos Consumidores Marco Antonio Rossi Presidente AGENDA I O Universo dos Novos Consumidores 2 O Mundo do Seguros 3- Perspectivas e Oportunidades

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FABRICAÇÃO DE BISCOITO CASEIRO

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FABRICAÇÃO DE BISCOITO CASEIRO OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FABRICAÇÃO DE BISCOITO CASEIRO 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº58 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Índice de Vendas acumula queda de -1,02% até outubro Vendas do setor

Leia mais

APIMEC 3T10 Novembro de 2010

APIMEC 3T10 Novembro de 2010 APIMEC Novembro de 2010 Aviso Importante Esse material pode conter previsões de eventos futuros.tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da Companhia, e envolve riscos ou incertezas

Leia mais