Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal"

Transcrição

1 Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 29/2014 Serviços de Vigilância Unidade da Federação: ES Data de início da vigência da Convenção Coletiva: 1º de janeiro de 2014 Versão 1.0

2

3 Caderno Técnico Vigilância ES 2014 APRESENTAÇÃO O presente Caderno Técnico apresenta os estudos realizados para a fixação de valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública para cada Unidade da Federação e os estudos de fatores de formação de custos para o estabelecimento de preços mínimos e máximos. Os estudos foram realizados no âmbito do Terceiro Aditivo do Contrato Administrativo n o. 11/2010, Processo n o / firmado entre o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão e a Fundação Instituto de Administração FIA. O presente Caderno Técnico encontra-se organizado nas seguintes sessões: 1. Introdução, na qual são indicadas as cláusulas mais relevantes da Convenção Coletiva utilizada para a apuração dos valores limites; 2. Uma Visão sintética dos resultados Cenário Máximo, que apresenta os valores obtidos após a realização do estudo e os principais fatores que o compõe com a utilização do que está sendo denominado de Cenário Máximo; 3. Memória de cálculo do estudo Cenário Máximo, apresentando a planilha de cálculo detalhada a partir da qual foram obtidos os valores limite com os parâmetros do Cenário Máximo; 4. Quadro comparativo dos valores de 2013 e 2014 para o cenário máximo; 5. Composição do custo de Uniformes; 6. Visão sintética dos resultados Cenário Atenção com o mesmo formato da sessão anterior, com os parâmetros de Cenário Atenção; 7. Memória de cálculo do estudo Cenário Atenção, apresentando a planilha de cálculo detalhada a partir da qual foram obtidos os valores limite com os parâmetros do Cenário Atenção. SLTI CT Vigilância ES v 1_0 3

4 INTRODUÇÃO Caderno Técnico Vigilância ES 2014 A. Cláusulas da convenção coletiva: Vigilância 2014 Espírito Santo Cláusulas da Convenção Coletiva Parâmetro Valor Cláusulas Número de registro no Min Trab ES000081/2014 Salário base data base 01/01/2014 1a salário base do acordo R$ 3a 1.066,60 salário base supervisor, informado R$ 3a parágrafo 4o 1.431,09 cargo da chefia de campo, informado Inspetor, supervisor ou fiscal 3a parágrafo 4o Adicionais usuais alíquota do adicional noturno 40% 11a parágrafo 1o proporção de horas noturnas em 12x36N 75% 11a pagamento de hora de redução noturna não 11a parágrafo 2o adicional de hora extra em feriados 12x36 100% 9a 1o 26a parágrafo 4o adicional do dia do vigilante 12x36 100% 49a parágrafo 1o "Fica também convencionado que, se o empregadovigilante trabalhar nesse dia receberá suplementarmente, à titulo de abono pecuniário, o valor correspondente a 1/30 (um trinta avos) calculado sobre o salário normativo da função exercida na oportunidade." SLTI CT Vigilância ES v 1_0 4

5 Caderno Técnico Vigilância ES 2014 Vigilância 2014 Espírito Santo Cláusulas da Convenção Coletiva Parâmetro Valor Cláusulas divisor para cálculo de valor hora nas jornadas 12 x ,00 Benefícios 26a parágrafo 3o "Fica estabelecido ainda que o divisor para apurar o valor da hora normal de trabalho no mês de 30 dias será de 180; e quando o mês for de 31 dias o divisor será de 192." custo UNITÁRIO do vale refeição R$ 13a 17,00 compartilhamento do vale refeição 10% 13a parágrafo 4o custo unitário da assistência médica e familiar Contratado pela empresa e pago pelo empregado 15a parágrafo 1o seguro: indenização por morte 26 x a remuneração seguro: indenização por invalidez 52 x a remuneração seguro: auxílio funeral R$ 3.000,00 Sindicatos ausência de delegado sindical Dias trabalhados número de feriados a ser considerado dias de treinamento em dias de trabalho (4 por padrão ou 0 quando a CCT prever fora de dia de trabalho) UNIFORMES Composição Calça somente dirigente sindical, 16 dias por ano 11,00 16a 16a 16a parágrafo 3o 35a 26a parágrafo 6o 31a SLTI CT Vigilância ES v 1_0 5

6 Caderno Técnico Vigilância ES 2014 Vigilância 2014 Espírito Santo Cláusulas da Convenção Coletiva Parâmetro Valor Cláusulas 2,00 Camisa 31a 2,00 Sapato 31a 1,00 Cinto de nylon 31a 1,00 Distintivo tipo broche Japona 31a 1,00 Meia Quepe 31a 1,00 Colete à prova de balas (Nível IIA) Crachá de identificação Apropriação Anual (1/duração média em anos) Calça 31a 1,00 Camisa 31a 1,00 Sapato 31a 1,00 Cinto de nylon 31a 1,00 Distintivo tipo broche Japona 31a 3,00 Meia Quepe 31a 1,00 Colete à prova de balas (Nível IIA) Crachá de identificação Nota explicativa: O cálculo de horas extras no dia da categoria foi alteado em relação à 2013, passando a ser considerado 1/30 do salário mensal ou 100% de um dia de trabalho. SLTI CT Vigilância ES v 1_0 6

7 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 7

8 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 8

9 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 9

10 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 10

11 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 11

12 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 12

13 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 13

14 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 14

15 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 15

16 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 16

17 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 17

18 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 18

19 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 19

20 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 20

21 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 21

22 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 22

23 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 23

24 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 24

25 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 25

26 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 26

27 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 27

28 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 28

29 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 29

30 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 30

31 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 31

32 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 32

33 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 33

34 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 34

35 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 35

36 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 36

37 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 37

38 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 38

39 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 39

40 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 40

41 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 41

42 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 42

43 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 43

44 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 44

45 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 45

46 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 46

47 Resumo dos Capítulos e Sessões Unidade da Federação: ES - Espirito Santo (Custo Total POR TRABALHADOR) Data Base do Acordo: janeiro-14 Cenário Máximo Valores em R$ VIGILÂNCIA Vigilante Supervisor 12 x 36 diurno 12 x 36 noturno 44 semanais 12 x 36 diurno 12 x 36 noturno 44 semanais I COMPOSIÇÃO DA REMUNERAÇÃO 1.436, , , , , ,74 I.i SALÁRIO BASE 1.066, , , , , ,09 I.ii ADICIONAIS DE PERICULOSIDADE, INSALUBRIDADE E OUTROS 319,98 319,98 319,98 429,33 429,33 429,33 Adicional de periculosidade 319,98 319,98 319,98 429,33 429,33 429,33 Adicional de insalubridade Adicional por jornada 12 x Outros adicionais Outros adicionais I.iii ADICIONAIS POR TRABALHO NOTURNO - 475, ,87 - Adicional noturno - 415, ,13 - Repercussão do adicional noturno no DSR (somente 2014) - 59, ,74 - Hora noturna reduzida Repercussão da hora noturna reduzida no DSR (somente 2014) I.iv HORAS EXTRAS 50,26 65,34 4,85 67,43 87,66 7,32 Adicional de hora extra 50,26 65,34 4,85 67,43 87,66 7,32 I.v REMUNERAÇÃO - SALÁRIO COM ADICIONAIS 1.436, , , , , ,74 II ENCARGOS E BENEFÍCIOS ANUAIS E MENSAIS 865, ,30 841, , , ,36 II.i 13º SALÁRIO E ADICIONAL DE FÉRIAS 159,80 214,34 154,74 214,40 287,58 207,71 13º salário 119,84 160,74 116,05 160,79 215,67 155,77 Adicional de férias 39,96 53,60 38,69 53,61 71,91 51,94 II.ii Previdência social (GPS) E FGTS 587,58 788,15 569,00 788, ,47 763,77 GPS 459,84 616,81 445,30 616,97 827,58 597,73 FGTS 127,74 171,34 123,70 171,38 229,89 166,04 II.iii BENEFÍCIOS MENSAIS ACORDADOS 11,34 11,34 11,34 11,34 11,34 11,34 Assistência médica e familiar Cesta básica Auxílio alimentação mensal Auxílio creche 5,76 5,76 5,76 5,76 5,76 5,76 Seguro de vida, invalidez e funeral 5,58 5,58 5,58 5,58 5,58 5,58 Outros Auxílios Custeio de acidente de trabalho II.iv AFASTAMENTO MATERNIDADE 0,59 0,80 0,58 0,80 1,07 0,77 II.v RESCISÃO 106,31 142,67 105,72 142,57 191,34 141,77 Parcela a considerar do custo total de AP indenizado 98,37 132,08 97,96 131,98 177,19 131,44 Parcela a considerar do custo total de AP trabalhado 7,94 10,59 7,76 10,59 14,15 10,33 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 47

48 Resumo dos Capítulos e Sessões (Custo Total POR TRABALHADOR) Unidade da Federação: ES-Espírito Santo Data Base do Acordo: Cenário Máximo Valores em R$ janeiro-13 Vigilante VIGILÂNCIA Supervisor 12 x 36 diurno 12 x 36 noturno 44 semanais 12 x 36 diurno 12 x 36 noturno 44 semanais I COMPOSIÇÃO DA REMUNERAÇÃO I.i SALÁRIO BASE I.ii ADICIONAIS DE PERICULOSIDADE, INSALUBRIDADE E OUTROS Adicional de periculosidade Adicional de insalubridade Adicional por jornada 12 x 36 Outros adicionais 1 Outros adicionais 2 I.iii ADICIONAIS POR TRABALHO NOTURNO Adicional noturno Repercussão do adicional noturno no DSR (somente 2014) Hora noturna reduzida Repercussão da hora noturna reduzida no DSR (somente 2014) I.iv HORAS EXTRAS Adicional de hora extra I.v REMUNERAÇÃO - SALÁRIO COM ADICIONAIS II ENCARGOS E BENEFÍCIOS ANUAIS E MENSAIS II.i 13º SALÁRIO E ADICIONAL DE FÉRIAS 13º salário Adicional de férias II.ii Previdência social (GPS) E FGTS GPS FGTS II.iii BENEFÍCIOS MENSAIS ACORDADOS Assistência médica e familiar Cesta básica Auxílio alimentação mensal Auxílio creche Seguro de vida, invalidez e funeral Outros Auxílios Custeio de acidente de trabalho II.iv AFASTAMENTO MATERNIDADE II.v RESCISÃO Parcela a considerar do custo total de AP indenizado Parcela a considerar do custo total de AP trabalhado 1.001, , , , , ,75 180,27 180,27 180,27 241,88 241,88 241, ,27 180,27 180,27 241,88 241,88 241, , , , , ,96 24,23 2,78 25,45 32,52 3,73 18,96 24,23 2,78 25,45 32,52 3, , , , , , ,36 133,54 173,55 131,74 179,17 232,86 176,76 100,15 130,15 98,80 134,37 174,63 132,56 33,39 43,40 32,94 44,80 58,23 44,20 491,03 638,15 484,41 658,82 856,23 649,94 384,28 499,42 379,10 515,60 670,09 508,65 106,75 138,73 105,31 143,22 186,14 141,29 8,89 8,89 8,89 8,89 8,89 8, ,89 8,89 8,89 8,89 8,89 8, ,60 0,77 0,59 0,80 1,03 0,79 89,46 116,24 89,29 119,97 155,91 119,70 82,85 107,69 82,70 111,15 144,49 110,95 6,61 8,55 6,59 8,82 11,42 8,75 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 48

49 Resumo dos Capítulos e Sessões (Custo Total POR TRABALHADOR) I COMPOSIÇÃO DA REMUNERAÇÃO I.i SALÁRIO BASE I.ii ADICIONAIS DE PERICULOSIDADE, INSALUBRIDADE E OUTROS Adicional de periculosidade Adicional de insalubridade Adicional por jornada 12 x 36 Outros adicionais 1 Outros adicionais 2 I.iii ADICIONAIS POR TRABALHO NOTURNO Adicional noturno Repercussão do adicional noturno no DSR (somente 2014) Hora noturna reduzida Repercussão da hora noturna reduzida no DSR (somente 2014) I.iv HORAS EXTRAS Adicional de hora extra I.v REMUNERAÇÃO - SALÁRIO COM ADICIONAIS II ENCARGOS E BENEFÍCIOS ANUAIS E MENSAIS II.i 13º SALÁRIO E ADICIONAL DE FÉRIAS 13º salário Adicional de férias II.ii Previdência social (GPS) E FGTS GPS FGTS II.iii BENEFÍCIOS MENSAIS ACORDADOS Assistência médica e familiar Cesta básica Auxílio alimentação mensal Auxílio creche Seguro de vida, invalidez e funeral Outros Auxílios Custeio de acidente de trabalho II.iv AFASTAMENTO MATERNIDADE II.v RESCISÃO Parcela a considerar do custo total de AP indenizado Parcela a considerar do custo total de AP trabalhado Unidade da Federação: ES-Espírito Santo Cenário Máximo % de variação em relação ao ano anterior VIGILÂNCIA Vigilante Supervisor 12 x 36 diurno 12 x 36 noturno 44 semanais 12 x 36 diurno 12 x 36 noturno 44 semanais 6,5% 6,5% 6,5% 6,5% 6,5% 6,5% 77,5% 77,5% 77,5% 77,5% 77,5% 77,5% 0 em em em em em em ,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% parâmetro não utilizado em ,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 34,1% 0,0% 0,0% 34,1% 0,0% 0,0% 17,3% 0,0% 0,0% 17,3% 0,0% parâmetro não utilizado em ,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% parâmetro não utilizado em ,1% 169,7% 74,3% 165,0% 169,6% 96,1% 165,1% 169,7% 74,3% 165,0% 169,6% 96,1% 19,7% 23,5% 17,5% 19,7% 23,5% 17,5% 19,7% 23,5% 17,5% 19,7% 23,5% 17,5% 19,7% 23,5% 17,5% 19,7% 23,5% 17,5% 19,7% 23,5% 17,5% 19,7% 23,5% 17,5% 19,7% 23,5% 17,5% 19,7% 23,5% 17,5% 19,7% 23,5% 17,5% 19,7% 23,5% 17,5% 19,7% 23,5% 17,5% 19,7% 23,5% 17,5% 27,6% 27,6% 27,6% 27,6% 27,6% 27,6% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0 em em em em em em ,2% -37,2% -37,2% -37,2% -37,2% -37,2% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% -1,7% 3,9% -1,7% 0,0% 3,9% -2,5% 18,8% 22,7% 18,4% 18,8% 22,7% 18,4% 18,7% 22,6% 18,5% 18,7% 22,6% 18,5% 20,1% 23,9% 17,8% 20,1% 23,9% 18,1% SLTI CT Vigilância ES v 1_0 49

50 Resumo dos Capítulos e Sessões Unidade da Federação: ES - Espirito Santo (Custo Total POR TRABALHADOR) Data Base do Acordo: janeiro-14 Cenário Máximo Valores em R$ Vigilante Supervisor 12 x 36 diurno 12 x x semanais 12 x 36 diurno noturno noturno 44 semanais III UNIFORMES, EQUIPAMENTOS E RECICLAGEM 97,90 97,90 146,37 97,90 97,90 146,37 III.i UNIFORMES, EQUIPAMENTOS E RECICLAGEM 97,90 97,90 146,37 97,90 97,90 146,37 Custo dos uniformes 39,00 39,00 39,00 39,00 39,00 39,00 Custo dos equipamentos 22,79 22,79 71,26 22,79 22,79 71,26 Custo da reciclagem 36,11 36,11 36,11 36,11 36,11 36,11 IV REPOSIÇÃO DE PROFISSIONAL AUSENTE 338,38 449,70 300,84 449,80 599,16 399,95 IV.i CUSTO DA REPOSIÇÃO DE PROFISSIONAL AUSENTE 338,38 449,70 300,84 449,80 599,16 399,95 Dias de trabalho - Férias 250,87 333,40 238,97 333,48 444,21 317,70 Dias de trabalho - Ausências Legais 87,51 116,30 61,87 116,32 154,95 82,25 V BENEFÍCIOS DIÁRIOS ACORDADOS 241,91 241,91 352,82 232,85 232,85 330,95 V.i BENEFÍCIOS DIÁRIOS ACORDADOS 241,91 241,91 352,82 232,85 232,85 330,95 Auxílio transporte 9,06 9,06 35, ,68 Vale refeição 232,85 232,85 317,27 232,85 232,85 317,27 VI CUSTO DE REPOSIÇÃO DA INTRAJORNADA 246,49 320,95 336, VI.i Custo mensal de reposição da intrajornada 246,49 320,95 336, VII VALOR CALCULADO POR TRABALHADOR 4.045, , , , , ,69 VII.i INSUMOS VII.ii CUSTO TOTAL POR TRABALHADOR 3.227, , , , , ,37 VII.iii CUSTOS INDIRETOS, TRIBUTOS E LUCRO (CITL) 818, ,66 854,30 980, ,13 981,32 Custos Indiretos 193,63 251,71 202,16 231,95 303,88 232,22 Tributos 349,93 454,88 365,35 419,18 549,17 419,67 Lucro (LAIR) 274,68 357,07 286,79 329,05 431,08 329,43 VIII VALOR FINAL DO POSTO VIII.i Valor por Trabalhador 4.045, , , , , ,69 VIII.ii Valor por Posto 8.090, , ,68 trabalhadores por posto VIII.iii Valor por Posto do Supervisor 242,30 317,44 121,29 Subordinados por Supervisor Valor do Posto Supervisionado (Posto + Sup) 8.333, , ,98 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 50

51 Resumo dos Capítulos e Sessões (Custo Total POR TRABALHADOR) Unidade da Federação: ES-Espírito Santo Data Base do Acordo: Cenário Máximo Valores em R$ Vigilante janeiro-13 Supervisor 12 x 36 diurno 12 x 36 noturno 44 semanais 12 x 36 diurno 12 x 36 noturno 44 semanais III UNIFORMES, EQUIPAMENTOS E RECICLAGEM III.i UNIFORMES, EQUIPAMENTOS E RECICLAGEM Custo dos uniformes Custo dos equipamentos Custo da reciclagem IV REPOSIÇÃO DE PROFISSIONAL AUSENTE IV.i CUSTO DA REPOSIÇÃO DE PROFISSIONAL AUSENTE Dias de trabalho - Férias Dias de trabalho - Ausências Legais 73,98 73,98 122,65 73,98 73,98 122,65 38,16 38,16 38,16 38,16 38,16 38,16 16,22 16,22 64,89 16,22 16,22 64,89 19,60 19,60 19,60 19,60 19,60 19,60 282,63 364,46 255,35 375,95 485,76 339,63 209,22 269,80 202,70 278,30 359,59 269,60 73,41 94,66 52,65 97,65 126,17 70,03 V BENEFÍCIOS DIÁRIOS ACORDADOS V.i BENEFÍCIOS DIÁRIOS ACORDADOS Auxílio transporte Vale refeição 206,25 206,25 304,55 194,81 194,81 284,02 11,44 11,44 37, ,31 194,81 194,81 266,71 194,81 194,81 266,71 VI CUSTO DE REPOSIÇÃO DA INTRAJORNADA VI.i Custo mensal de reposição da intrajornada 205,91 260,55 286, ,91 260,55 286, VII VALOR CALCULADO POR TRABALHADOR VII.i INSUMOS VII.ii CUSTO TOTAL POR TRABALHADOR VII.iii CUSTOS INDIRETOS, TRIBUTOS E LUCRO (CITL) Custos Indiretos Tributos Lucro (LAIR) , , , , , ,74 682,81 862,92 727,19 817, ,39 834,61 161,58 204,20 172,08 193,41 246,20 197,50 292,01 369,04 310,99 349,53 444,93 356,93 229,22 289,68 244,12 274,37 349,26 280,18 VIII VALOR FINAL DO POSTO VIII.i Valor por Trabalhador 3.375, , , , , ,36 VIII.ii Valor por Posto trabalhadores por posto 6.751, , ,25 2,00 2,00 1,00 VIII.iii Valor por Posto do Supervisor Subordinados por Supervisor 202,04 257,18 103,16 40,00 40,00 40,00 Valor do Posto Supervisionado (Posto + Sup) 6.953, , ,41 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 51

52 Resumo dos Capítulos e Sessões (Custo Total POR TRABALHADOR) III UNIFORMES, EQUIPAMENTOS E RECICLAGEM III.i UNIFORMES, EQUIPAMENTOS E RECICLAGEM Custo dos uniformes Custo dos equipamentos Custo da reciclagem IV REPOSIÇÃO DE PROFISSIONAL AUSENTE IV.i CUSTO DA REPOSIÇÃO DE PROFISSIONAL AUSENTE Dias de trabalho - Férias Dias de trabalho - Ausências Legais Unidade da Federação: ES-Espírito Santo Cenário Máximo % de variação em relação ao ano anterior Vigilante Supervisor 12 x 36 diurno 12 x 36 noturno 44 semanais 12 x 36 diurno 12 x 36 noturno 44 semanais 32,3% 32,3% 19,3% 32,3% 32,3% 19,3% 2,2% 2,2% 2,2% 2,2% 2,2% 2,2% 40,5% 40,5% 9,8% 40,5% 40,5% 9,8% 84,2% 84,2% 84,2% 84,2% 84,2% 84,2% 19,7% 23,4% 17,8% 19,6% 23,3% 17,8% 19,9% 23,6% 17,9% 19,8% 23,5% 17,8% 19,2% 22,9% 17,5% 19,1% 22,8% 17,4% V BENEFÍCIOS DIÁRIOS ACORDADOS V.i BENEFÍCIOS DIÁRIOS ACORDADOS Auxílio transporte Vale refeição VI CUSTO DE REPOSIÇÃO DA INTRAJORNADA VI.i Custo mensal de reposição da intrajornada 17,3% 17,3% 15,8% 19,5% 19,5% 16,5% -20,8% -20,8% -6,1% 0,0% 0,0% -21,0% 19,5% 19,5% 19,0% 19,5% 19,5% 19,0% 19,7% 23,2% 17,7% 0,0% 0,0% 0,0% 19,7% 23,2% 17,7% 0,0% 0,0% 0,0% VII VALOR CALCULADO POR TRABALHADOR VII.i INSUMOS VII.ii CUSTO TOTAL POR TRABALHADOR VII.iii CUSTOS INDIRETOS, TRIBUTOS E LUCRO (CITL) Custos Indiretos Tributos Lucro (LAIR) 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 0,0% 19,8% 23,3% 17,5% 19,9% 23,4% 17,6% 19,8% 23,3% 17,5% 19,9% 23,4% 17,6% 19,8% 23,3% 17,5% 19,9% 23,4% 17,6% 19,8% 23,3% 17,5% 19,9% 23,4% 17,6% 19,8% 23,3% 17,5% 19,9% 23,4% 17,6% VIII VALOR FINAL DO POSTO VIII.i Valor por Trabalhador VIII.ii Valor por Posto trabalhadores por posto VIII.iii Valor por Posto do Supervisor Subordinados por Supervisor 19,8% 23,3% 17,5% 19,9% 23,4% 17,6% 19,8% 23,3% 17,5% 19,9% 23,4% 17,6% Valor do Posto Supervisionado (Posto + Sup) 19,8% 23,3% 17,5% SLTI CT Vigilância ES v 1_0 52

53 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 53

54 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 54

55 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 55

56 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 56

57 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 57

58 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 58

59 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 59

60 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 60

61 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 61

62 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 62

63 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 63

64 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 64

65 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 65

66 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 66

67 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 67

68 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 68

69 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 69

70 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 70

71 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 71

72 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 72

73 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 73

74 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 74

75 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 75

76 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 76

77 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 77

78 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 78

79 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 79

80 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 80

81 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 81

82 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 82

83 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 83

84 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 84

85 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 85

86 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 86

87 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 87

88 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 88

89 SLTI CT Vigilância ES v 1_0 89

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 28/2014 Serviços de Vigilância Unidade da Federação: RS Data

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 24/2014 Serviços de Vigilância Unidade da Federação: RN Data

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 49/2014 Serviços de Vigilância da Federação: RJ Data de início

Leia mais

Estudo sobre a composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Vigilância

Estudo sobre a composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Vigilância Estudo sobre a composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Vigilância Unidade da Federação Bahia 2015 Versão 1.0 Presidente da República Dilma Rousseff Ministério do Planejamento, Orçamento e

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 35/2014 Serviços de Limpeza da Federação: DF Data de início

Leia mais

Estudo sobre a Composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Vigilância

Estudo sobre a Composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Vigilância Estudo sobre a Composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Vigilância Unidade da Federação RORAIMA 2015 Versão 1.0 Presidente da República Dilma Rousseff Ministério do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 33/2014 Serviços de Vigiância Unidade da Federação: PE Data

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 23/2014 Serviços de Vigilância Unidade da Federação: MT Data

Leia mais

ANEXO L PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS

ANEXO L PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS ANEXO L PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Número do Processo Licitação nº Dia / / às : horas. Discriminação dos serviços: (Dados referentes à contratação) A Data de apresentação da proposta (dia/mês/ano)

Leia mais

PLANILHAS E VALORES ESTIMADOS ALTERADOS

PLANILHAS E VALORES ESTIMADOS ALTERADOS PLANILHAS E VALORES ESTIMAOS ALTERAOS Em virtude de ajuste percentual de 0,97% para 5,00% sobre a Multa sobre FGTS e contribuições sociais sobre o aviso prévio indenizado. PLANILHA A PLANILHA E COMPOSIÇÃO

Leia mais

ANEXO II - ( PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - COPEIRAGEM ) MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL

ANEXO II - ( PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - COPEIRAGEM ) MÃO-DE-OBRA MÃO-DE-OBRA VINCULADA À EXECUÇÃO CONTRATUAL ANEXO II - ( PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - COPEIRAGEM ) Nº PROCESSO: 53569.001371/2014 LICITAÇÃO GR10 (U.O 101) Nº: 09/2014 DATA: HORA: A B C D DISCRIMINAÇÃO DOS SERVIÇOS Data de apresentação

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 35/2013 Serviços de Vigilância da Federação: Rio Grande do

Leia mais

QUANTIDADE TOTAL A CONTRATAR (EM FUNÇÃO DA UNIDADE DE MEDIDA)

QUANTIDADE TOTAL A CONTRATAR (EM FUNÇÃO DA UNIDADE DE MEDIDA) ANEXO PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS POR POSTO (Valores Mensais) - 1 o Turno Nº Processo: 0000263-69.2016.6.02.8000 Licitação nº: / 2016 Dia / / às h mim Discriminação dos Serviços (dados referentes

Leia mais

Planilha de Custos e Formação de Preços. Dia: às horas DADOS DO PROPONENTE

Planilha de Custos e Formação de Preços. Dia: às horas DADOS DO PROPONENTE 1-"Solicito que sejam verificadas as planilhas de formação de preços, pois ao fazermos nossa planilha houve divergências com os modelos fornecidos pelo edital! Os valores de custos, lucros e tributos,

Leia mais

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Pregão Eletrônico. Contratação de empresa para prestação dos serviços de apoio ao Meio Circulante em Brasília

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Pregão Eletrônico. Contratação de empresa para prestação dos serviços de apoio ao Meio Circulante em Brasília Nº Processo: 66710 Licitação Nº 85/2014 Dia 25/9/2014 às 10h (horário de Brasília) PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Pregão Eletrônico Contratação de empresa para prestação dos serviços de apoio

Leia mais

Planilha Formação de Preços

Planilha Formação de Preços Salário do Auxiliar de Limpeza Araçatuba R$ 437,72 Informar o percentual do adicional periculosidade 0 Quantidade de empregados 2 Outros custos por funcionário (especificar) R$ 3,18 Fornecimento de material

Leia mais

contratação ncia e limpeza Federal de 2014 Data de início Versão 1.0

contratação ncia e limpeza Federal de 2014 Data de início Versão 1.0 Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilân ncia e limpeza no âmbito da Administraçãoo Pública Federal Caderno Técnico 43/2014 Serviços de Limpez za da Federação: ES Data de

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 21/2014 Serviços de Limpeza Unidade da Federação: SC Data

Leia mais

TABELA DE INCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA

TABELA DE INCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA DE 01/08//97 A 10/12/97 DE 11/12/97 A 21/05/98 A PARTIR DE 22/05/98 ATÉ 31/07/97 VIGÊNCIA DA MP 1.523-7/97 VIGÊNCIA DA LEI Nº 9.528/97 VIGÊNCIA DA MP 1.586-9/98 TABELA DE INCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA EVENTOS

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 09/2013 Serviços de Limpeza da Federação: Pará Data de início

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 38/2013 Serviços de Limpeza da Federação: Mato Grosso Data

Leia mais

Estudo sobre a composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Vigilância

Estudo sobre a composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Vigilância Estudo sobre a composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Vigilância Unidade da Federação Santa Catarina 2015 Versão 1.0 Presidente da República Dilma Rousseff Ministério do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 18 Serviços de Limpeza da Federação: Santa Catarina Data de

Leia mais

Estudo sobre a composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Limpeza

Estudo sobre a composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Limpeza Estudo sobre a composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Limpeza Unidade da Federação Bahia 2015 Versão 1.0 Presidente da República Dilma Rousseff Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

ANEXO 3 MODELO DE PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS DA UNIDADE BANCO CENTRAL DE SERVIÇOS - UBCS

ANEXO 3 MODELO DE PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS DA UNIDADE BANCO CENTRAL DE SERVIÇOS - UBCS 51 NEXO 3 MODELO DE PLNILH DE OMPOSIÇÃO DE PREÇOS D UNIDDE NO ENTRL DE SERVIÇOS - US 1 Instruções para preenchimento 1.1 planilha deve obrigatoriamente ser apresentada no mesmo envelope da proposta de

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO LC 150 - ESQUEMATIZADA Prof. Antonio Daud Jr (www.facebook.com/adaudjr)

DIREITO DO TRABALHO LC 150 - ESQUEMATIZADA Prof. Antonio Daud Jr (www.facebook.com/adaudjr) Questão 1 FCC/TRT23 Técnico Judiciário - Área Administrativa - 2016 (FCC_TRT23_TÉCNICO_JUDICIÁRIO_ÁREA_ADMINISTRATIVA_2016) De acordo com a Lei Complementar no 150 de 2015, no tocante às férias do empregado

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal

Estudos sobre valores limite para a. contratação de serviços de vigilância e. limpeza no âmbito da Administração Pública. Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 17/2014 Serviços de Vigilância da Federação: PR Data de início

Leia mais

contratação ncia e limpeza Federal de 2014 Data de início Versão 2.0

contratação ncia e limpeza Federal de 2014 Data de início Versão 2.0 Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilân ncia e limpeza no âmbito da Administraçãoo Pública Federal Caderno Técnico 42/2014 Serviços de Limpez za da Federação: SP Data de

Leia mais

O que o trabalhador espera do agente homologador

O que o trabalhador espera do agente homologador O que o trabalhador espera do agente homologador Conhecimento da legislação trabalhista e inclusive CC ou ACT; Prática de cálculos rescisórios; Segurança; Linguagem fácil; Boa comunicação; Orientar sobre

Leia mais

ANEXO II-A - PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - MODO: MOTORISTAS. Nº Processo 53548.001329/2011 Licitação: Pregão Eletrônico n.

ANEXO II-A - PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - MODO: MOTORISTAS. Nº Processo 53548.001329/2011 Licitação: Pregão Eletrônico n. ANEXO II-A - PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS - MODO: MOTORISTAS Nº Processo 53548.001329/2011 Licitação: Pregão Eletrônico n.º018/2011-er07 LOCAL DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS ANATEL-MS Rua 13 de junho,

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 54/2013 Serviços de Vigilância da Federação: Amapá Data de

Leia mais

PLANILHA DE FORMAÇÃO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Instrução Normativa Nº 02/2008-SLTI/MPOG e Atualizações Posteriores

PLANILHA DE FORMAÇÃO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Instrução Normativa Nº 02/2008-SLTI/MPOG e Atualizações Posteriores Campo Grande/MS PLANILHA DE FORMAÇÃO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Instrução Normativa Nº 02/2008-SLTI/MPOG e Atualizações Posteriores 21 e 22 SETEMBRO 16 Horas de Curso Palestrante Paulo Rui Barbosa

Leia mais

Anexo II - Planilha de Formação de Preço - Serviço de Vigilância - PRT24ª - Sede - Campo Grande/MS

Anexo II - Planilha de Formação de Preço - Serviço de Vigilância - PRT24ª - Sede - Campo Grande/MS Anexo II - Planilha de Formação de Preço - Serviço de Vigilância - PRT24ª - Sede - Campo Grande/MS ENTRADA DE DADOS - Convenção Coletiva de Trabalho 2013/2014 DATA BASE DA CATEGORIA: 01 de março I - REMUNERAÇÃO

Leia mais

Prof. Cleiton Coutinho

Prof. Cleiton Coutinho Prof. Cleiton Coutinho 01.Aos empregados domésticos, a Constituição assegura os mesmos direitos que aos trabalhadores urbanos e rurais, exceto (A) repouso semanal remunerado. (B) fundo de garantia do tempo

Leia mais

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO CÁLCULOS SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO CONCEITO: é o valor que serve de base de cálculo para incidência das alíquotas das contribuições previdenciárias (fonte de custeio) e para o cálculo do salário benefício.

Leia mais

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal

Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilância e limpeza no âmbito da Administração Pública Federal Caderno Técnico 01/2013 Serviços de Vigilância da Federação: Distrito Federal

Leia mais

Estudo sobre a Composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Limpeza

Estudo sobre a Composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Limpeza Estudo sobre a Composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Limpeza Unidade da Federação Piauí 2015 Versão 1.0 Presidente da República Dilma Rousseff Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Nº do Processo: Nº da Licitação: Data / Hora: Discriminação do Seviços (dados referente à contratação)

PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Nº do Processo: Nº da Licitação: Data / Hora: Discriminação do Seviços (dados referente à contratação) PLANILHA DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS Nº do Processo: Nº da Licitação: Data / Hora: 59800.000305/201291 3/2012 04/12/2012 10:00 horas Discriminação do Seviços (dados referente à contratação) A Data de

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR004199/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/09/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR043608/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.012090/2013-10 DATA DO PROTOCOLO: 25/09/2013 ACORDO COLETIVO

Leia mais

Como calcular uma rescisão trabalhista

Como calcular uma rescisão trabalhista Como calcular uma rescisão trabalhista Hoje iremos aprender como elaborar e calcular uma rescisão do contrato de trabalho. O primeiro passo a ser dado será descobrir qual o motivo da rescisão do funcionário,

Leia mais

Pagamento de complemento de salário-maternidade, considerando que este valor deve ser deduzido da guia de INSS, pois é pago pelo INSS.

Pagamento de complemento de salário-maternidade, considerando que este valor deve ser deduzido da guia de INSS, pois é pago pelo INSS. Complemento Salarial Licença Maternidade Abaixo estão descritas as regras do sistema para cálculo do complemento de salário-maternidade, no complemento salarial e na rescisão complementar por Acordo/Convenção/Dissídio:

Leia mais

Para iniciantes os primeiros 90 dias:

Para iniciantes os primeiros 90 dias: CIRCULAR CONJUNTA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DATA BASE - NOVEMBRO DE 2013 O SINDICATO DA INDÚSTRIA DE PANIFICAÇÃO E CONFEITARIA DE RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO, celebrou com os SINDICATOS DOS TRABALHADORES

Leia mais

SINDPD-RJ SEPRORJ CLÁUSULA 1ª - ABRANGÊNCIA, OBJETIVO E VIGÊNCIA:

SINDPD-RJ SEPRORJ CLÁUSULA 1ª - ABRANGÊNCIA, OBJETIVO E VIGÊNCIA: TERMO ADITIVO À CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO FIRMADA ENTRE O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS E SERVIÇOS PÚBLICOS E PRIVADOS, DE INFORMÁTICA, INTERNET E SIMILARES DO ESTADO, DORAVANTE DENOMINADO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR002952/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 23/07/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR047032/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.011168/2015-41 DATA DO PROTOCOLO: 23/07/2015 ACORDO COLETIVO

Leia mais

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO, SALÁRIO DE BENEFÍCIO E RENDA MENSAL INICIAL CONCEITOS Professor: Anderson Castelucio CONCEITOS DE SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO Art. 214. Entende-se por salário-de-contribuição: I -

Leia mais

contratação ncia e limpeza Federal cia de Vigilân Serviços Data de início Versão 2.0

contratação ncia e limpeza Federal cia de Vigilân Serviços Data de início Versão 2.0 Estudos sobre valores limite para a contratação de serviços de vigilân ncia e limpeza no âmbito da Administraçãoo Pública Federal Caderno Técnico 02/2015 Serviços de Vigilân cia da Federação: SP Data de

Leia mais

Bloco Recursos Humanos

Bloco Recursos Humanos Bloco Recursos Humanos Ponto Eletrônico Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Ponto Eletrônico, que se encontra no Bloco Recursos Humanos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SRT00038/2016 DATA DE REGISTRO NO MTE: 28/01/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR082299/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46219.024182/2015-44 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001846/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/08/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR046841/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.013602/2014-96 DATA DO

Leia mais

Propostas para os Candidatos a Prefeito dos Municípios do Rio de Janeiro 2016

Propostas para os Candidatos a Prefeito dos Municípios do Rio de Janeiro 2016 Propostas para os Candidatos a Prefeito dos Municípios do Rio de Janeiro 2016 Sumário Respeito aos contratos Melhoria da gestão pública Melhoria do processo de licitação Sugestão para ampliar investimentos

Leia mais

SUMÁRIO. Agradecimentos... 15. Apresentação... 17

SUMÁRIO. Agradecimentos... 15. Apresentação... 17 SUMÁRIO Agradecimentos... 15 Apresentação... 17 PREPARAÇÃO PARA CONCURSO PÚBLICO Breve relato da minha experiência durante a preparação para o concurso... 19 1. A decisão... 20 2. A preparação... 21 3.

Leia mais

PORTARIA DO MINISTÉRIO DO TRABALHO EMPREGO - MTE Nº 2.685 DE 26.12.2011 D.O.U: 27.12.2011

PORTARIA DO MINISTÉRIO DO TRABALHO EMPREGO - MTE Nº 2.685 DE 26.12.2011 D.O.U: 27.12.2011 PORTARIA DO MINISTÉRIO DO TRABALHO EMPREGO - MTE Nº 2.685 DE 26.12.2011 D.O.U: 27.12.2011 Altera a Portaria nº 1.621, de 14 de julho de 2010, que aprovou os modelos de Termos de Rescisão de Contrato de

Leia mais

ANEXO III PLANILHAS MODELO PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS

ANEXO III PLANILHAS MODELO PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS 1 ANEXO III PLANILHAS MODELO PARA APRESENTAÇÃO DAS PROPOSTAS Planilha de Proposta de Preço nº Processo: Licitação nº Dia / / às : horas Data da apresentação da proposta Município/UF Ano Acordo, Convenção

Leia mais

O mercado de trabalho para os engenheiros. Engenheiro Civil Valter Fanini

O mercado de trabalho para os engenheiros. Engenheiro Civil Valter Fanini para os engenheiros Engenheiro Civil Valter Fanini Formação do salário dos engenheiros O contexto macro-econômico O mercado de trabalho As informações do mercado (RAIS) As normas legais O contexto macro-econômico

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Empregado comissionista puro como tratar se não atingir o piso da categoria

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Empregado comissionista puro como tratar se não atingir o piso da categoria Empregado comissionista puro como tratar se não atingir o piso da categoria 05/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE JORNAIS E REVISTAS - PISO SALARIAL ENTREGADOR MOTO-FRETISTA E ENTREGADOR CICLISTA

DISTRIBUIÇÃO DE JORNAIS E REVISTAS - PISO SALARIAL ENTREGADOR MOTO-FRETISTA E ENTREGADOR CICLISTA RESUMO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 Salários, Reajustes e Pagamento Piso Salarial CLÁUSULA TERCEIRA: DISTRIBUIÇÃO DE JORNAIS E REVISTAS - PISO SALARIAL ENTREGADOR MOTO-FRETISTA E ENTREGADOR

Leia mais

A ATIVIDADE DA ACT NO ÂMBITO DA SEGURANÇA PRIVADA

A ATIVIDADE DA ACT NO ÂMBITO DA SEGURANÇA PRIVADA A ATIVIDADE DA ACT NO ÂMBITO DA SEGURANÇA PRIVADA 1 A Atividade da ACT Cumprimento das normas / aconselhamento Código do Trabalho IRCT: CCT entre AES e AESIRF Diálogo social STAD FETESE Grupo de trabalho

Leia mais

PARTE 1 COMO TORNAR-SE UM EMPREGADOR E UM EMPREGADO DOMÉSTICO LEGAIS?

PARTE 1 COMO TORNAR-SE UM EMPREGADOR E UM EMPREGADO DOMÉSTICO LEGAIS? SUMÁRIO DO LIVRO INTRODUÇÃO... 23 PARTE 1 COMO TORNAR-SE UM EMPREGADOR E UM EMPREGADO DOMÉSTICO LEGAIS? Capítulo 1 Definições importantes... 31 1.1 O que é um empregador doméstico?... 31 1.2 O que é um

Leia mais

As EMPRESAS concederão 5% (cinco por cento) a título de aumento real para todos os TRABALHADORES.

As EMPRESAS concederão 5% (cinco por cento) a título de aumento real para todos os TRABALHADORES. REFERÊNCIA: GRUPO TELEFÔNICA / VIVO S/A RESUMO DA PAUTA NACIONAL DE REIVINDICAÇÕES DOS TRABALHADORES DAS EMPRESAS CONCESSIONÁRIAS DE TELEFONIA FIXA E MÓVEL (OPERADORAS) PARA NEGOCIAÇÃO UNIFICADA DOS SINDICATOS

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DA RAIS ANO-BASE 2005

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DA RAIS ANO-BASE 2005 ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DA RAIS ANO-BASE 2005 PREENCHIMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES SINDICAIS DAS CONTRIBUIÇÕES PAGAS PELAS EMPRESAS CONTRIBUIÇÃO SINDICAL Entidade Sindical Patronal beneficiada

Leia mais

Parcela do Empregado (6% do salário base mensal)

Parcela do Empregado (6% do salário base mensal) POSTO 12 HORAS DIÁRIAS - DIURNO (de segunda-feira a domingo) Quantidade de vigilantes por posto: 02 MEMORIA DE CALCULOS - SALÁRIOS E ENCARGOS Salário base mensal 2.436,30 Adicional de Periculosidade 30%

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL, RH E CÁLCULOS TRABALHISTAS

DEPARTAMENTO PESSOAL, RH E CÁLCULOS TRABALHISTAS DEPARTAMENTO PESSOAL, RH E CÁLCULOS TRABALHISTAS Instrutor(a): CLAUDIO SALDANHA Brasília(DF) - 10 e 11/09/2015 Quer esse curso Incompany para sua empresa ou órgão público? Clique no botão e solicite uma

Leia mais

SINPEFESP- (empregados) SEADESP - (patronal)

SINPEFESP- (empregados) SEADESP - (patronal) SINPEFESP- (empregados) SEADESP - (patronal) Principais cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho 2015/2016. 01-VIGÊNCIA E DATA-BASE As cláusulas e condições da presente Convenção Coletiva de Trabalho

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO SUSCITANTE: SINDICATO DOS FISIOTERAPEUTAS, TERAPEUTAS OCUPACIONAIS, AUXILIARES EM FISIOTERAPIA E AUXILIARES DE TERAPIA OCUPACIONAL NO ESTADO DE SÃO PAULO - SINFITO-SP, Entidade

Leia mais

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS OUTROS ADICIONAIS

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS OUTROS ADICIONAIS Página 1 de 6 TERMO ADITIVO A ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001215/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR007638/2014 NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP005678/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/06/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032180/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.002628/2012-11

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 2.270, DE 31 DE MARÇO DE 2010 Institui vantagens e altera a Lei Complementar n. 84, de 28 de fevereiro de 2000, que trata do Plano de Carreira, Cargos e Remuneração para os servidores públicos da

Leia mais

As Mudanças do FAP Desafios do Cálculo por Estabelecimento. São Paulo, 27 de abril de 2016 Manoel Jardim Monteiro

As Mudanças do FAP Desafios do Cálculo por Estabelecimento. São Paulo, 27 de abril de 2016 Manoel Jardim Monteiro As Mudanças do FAP Desafios do Cálculo por Estabelecimento São Paulo, 27 de abril de 2016 Manoel Jardim Monteiro Agenda Como era o FAP até 2015 Como ficou o FAP a partir de 2016 Principais Impactos na

Leia mais

Perguntas Frequentes na área do Trabalho

Perguntas Frequentes na área do Trabalho Convenções Coletivas de Trabalho - CCT 1) O que é a Convenção Coletiva de Trabalho? A Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) é o acordo de caráter normativo, pelo qual dois ou mais sindicatos de categorias

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO RETIFICAÇÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO RETIFICAÇÃO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO RETIFICAÇÃO Na Instrução Normativa nº 2, de 30 de abril de 2008, publicada no Diário Oficial da União do

Leia mais

FEDERAÇÃO E ÚNICA DOS PET ROLEIROS R O Filiada à

FEDERAÇÃO E ÚNICA DOS PET ROLEIROS R O Filiada à PAUTA DO SISTEMA PETROBRÁS TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013-2014, REAJUSTANDO CLÁUSULAS E CONDIÇÕES PARA VIGÊNCIA A PARTIR DE 1º DE SETEMBRO DE 2014. CLÁUSULA 1ª - REAJUSTE SALARIAL Em

Leia mais

INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016.

INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016. INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016. Estabelece as regras a serem observadas pelas sociedades seguradoras e entidades fechadas de previdência complementar para transferência de riscos

Leia mais

PROPOSTA DE ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013

PROPOSTA DE ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 PROPOSTA DE ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 ENTRE AS PARTES SINTRACAL SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDUSTRIAS DE CARNES E LATICÍNIOS DO PORTAL DA AMAZÔNIA, REPRESENTANDO OS TRABALHADORES DA EMPRESA

Leia mais

LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO

LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES PROCEDIMENTO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Licença concedida em decorrência de dano físico ou

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053303/2012 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMERCIO DO RIO DE JANEIRO, CNPJ n. 33.644.360/0001-85, neste ato representado(a) por seu Vice-Presidente,

Leia mais

Broadcast. Desde 1993

Broadcast. Desde 1993 1 Ao: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão A/C: Sr. Pregoeiro(a) PREGÃO ELETRÔNICO Nº 03/2016 PROCESSO Nº 03110.002468/2015-74 Brasília, 01 de Abril de 2016 Prezado(a) Senhor(a), Apresentamos

Leia mais

Estudo sobre a composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Limpeza

Estudo sobre a composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Limpeza Estudo sobre a composição dos Custos dos Valores Limites Serviços de Limpeza Unidade da Federação Pará 2015 Versão 1.0 Presidente da República Dilma Rousseff Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

PRÊMIO PRESENÇA Políticas

PRÊMIO PRESENÇA Políticas Esta política estabelece diretrizes que serão aplicadas no Morena Rosa Group, cabendo a todas as áreas envolvidas no processo e citadas neste documento a responsabilidade pelo seu cumprimento. PRÊMIO PRESENÇA

Leia mais

NORMA DE HORA EXTRAORDINÁRIA - NOR 310

NORMA DE HORA EXTRAORDINÁRIA - NOR 310 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: HORA EXTRAORDINÁRIA COD: NOR 310 APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 215, de 28/05/2012 NORMA DE HORA EXTRAORDINÁRIA - NOR 310 1/13 ÍNDICE 1. FINALIDADE... 02 2.

Leia mais

BANCO DE HORAS. O banco de horas surgiu no Brasil através da Lei 9.601/98, através da alteração do art. 59 da CLT.

BANCO DE HORAS. O banco de horas surgiu no Brasil através da Lei 9.601/98, através da alteração do art. 59 da CLT. BANCO DE HORAS O banco de horas surgiu no Brasil através da Lei 9.601/98, através da alteração do art. 59 da CLT. Prevendo a lei que só é legal a utilização do Banco de Horas se for acordada em Convenção

Leia mais

SUGESTÕES DAS EMPRESAS

SUGESTÕES DAS EMPRESAS SUGESTÕES DAS EMPRESAS ASSEIO: - Intervalo intrajornada: acrescentar na Convenção Cláusula autorizando o intervalo superior a 02 (duas) horas, sem garantia do vale-transporte. Lembrar que essa cláusula

Leia mais

31 Código Sindical 32 CNPJ e Nome da Entidade Sindical Laboral DISCRIMINAÇÃO DAS VERBAS RESCISÓRIAS VERBAS RESCISÓRIAS

31 Código Sindical 32 CNPJ e Nome da Entidade Sindical Laboral DISCRIMINAÇÃO DAS VERBAS RESCISÓRIAS VERBAS RESCISÓRIAS ANEXO I TERMO DE RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DO EMPREGADOR 01 02 Razão Social/ 03 Endereço (logradouro, nº, andar, apartamento) 05 Município 06 UF 07 CEP 08 CNAE IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHADOR

Leia mais

COMO DIMINUIR RISCOS MINIMIZAR AÇÕES TRABALHISTAS. Instrutora: Cleonice Bitencourt

COMO DIMINUIR RISCOS MINIMIZAR AÇÕES TRABALHISTAS. Instrutora: Cleonice Bitencourt COMO DIMINUIR RISCOS E MINIMIZAR AÇÕES TRABALHISTAS Instrutora: Cleonice Bitencourt Porto Alegre/RS, Junho/2015 2 REQUISITOS PARA RECONHECIMENTO DE VÍNCULO EMPREGATÍCIO Prestador de serviço ser pessoa

Leia mais

MANUAL DO PROGRAMA DE INCENTIVO AO DESLIGAMENTO VOLUNTÁRIO PIDV ELETROBRAS ELETRONORTE

MANUAL DO PROGRAMA DE INCENTIVO AO DESLIGAMENTO VOLUNTÁRIO PIDV ELETROBRAS ELETRONORTE MANUAL DO PROGRAMA DE INCENTIVO AO DESLIGAMENTO VOLUNTÁRIO PIDV Julho, 2011 O calendário de implantação do Programa de Incentivo ao Desligamento Voluntário PIDV, da Eletrobras Eletronorte, foi aprovado

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO N o 213, DE 30 DE SETEMBRO DE 1999 Dispõe sobre a concessão do auxílio-transporte aos servidores do Conselho da Justiça Federal Justiça Federal de Primeiro e Segundo Graus. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Fica estabelecido que a data base dos trabalhadores da MINCO DO BRASIL será em 1 0 de Novembro de cada ano.

Fica estabelecido que a data base dos trabalhadores da MINCO DO BRASIL será em 1 0 de Novembro de cada ano. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013-2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO QUE ENTRE SI CELEBRAM DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE SIDERÚRGICAS, METALÚRGICAS, MECÂNICAS, ELÉTRICO E INFORMÁTICA

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS COMPENSAÇÃO DE JORNADA

JORNADA DE TRABALHO DURAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO, CONTROLE, FALTAS COMPENSAÇÃO DE JORNADA Page 1 of 5 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2017 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001087/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/06/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR025285/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.010572/2015-47

Leia mais

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE ÍNDICE INTRODUÇÃO... 008 DISPOSIÇÕES GERAIS... 009 Conceito de empregador... 009 Conceito de empregado... 009 Direitos do empregado... 010 ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO TRABALHO... 014 Assédio moral no trabalho...

Leia mais

ANEXO VI DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE LIMPEZA URBANA DIVISÃO DE LIMPEZA E COLETA ASSESSORIA TÉCNICA

ANEXO VI DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE LIMPEZA URBANA DIVISÃO DE LIMPEZA E COLETA ASSESSORIA TÉCNICA PLANILHA DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS Cálculo do Custo Total Mensal 1. VARRIÇÃO MANUAL 1.1. Mão-de-obra ANEXO VI 1.1.1. Operários turno do dia Salário mensal homem 1,00 527,33 527,33 Horas extras hora 8,00

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016/2017

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016/2017 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016/2017 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP006815/2016 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/06/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR038915/2016 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.002461/2016-12

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR031742/2015 DATA E HORÁRIO DA TRANSMISSÃO: 28/05/2015 ÀS 14:04 NÚMERO DO PROCESSO DA CONVENÇÃO COLETIVA PRINCIPAL: 47998.003730/2014-54

Leia mais

Cálculo do custo de produção na empresa rural (2)

Cálculo do custo de produção na empresa rural (2) Cálculo do custo de produção na empresa rural (2) Instituto Federal Goiano Disciplina de Elaboração e Gestão de Projetos Agronegócio (Noturno) Bruno Maia, Eng Agrônomo, M. Sc. Custo Fixo Médio Quando se

Leia mais

Id Verbas Valor ou horas Fórmula. (e) Valor-hora 5,27 (a) / (d) (f) Adicional horas extras 50% Percentual mínimo

Id Verbas Valor ou horas Fórmula. (e) Valor-hora 5,27 (a) / (d) (f) Adicional horas extras 50% Percentual mínimo Cálculo de /RSR para Comissionista Produto : Microsiga Protheus Gestão de Pessoal e Ponto Eletrônico - Versão 11 Chamado/Requisito : TFVIAB Data da publicação : 08/01/13 País(es) : Brasil Banco(s) de Dados

Leia mais

Considerando a Lei nº. 14.653, de 22 de dezembro de 2011, que instituiu o regime de Previdência Complementar do Estado de São Paulo;

Considerando a Lei nº. 14.653, de 22 de dezembro de 2011, que instituiu o regime de Previdência Complementar do Estado de São Paulo; Instrução SP-PREVCOM / TJ nº 04/2013. Considerando a Lei nº. 14.653, de 22 de dezembro de 2011, que instituiu o regime de Previdência Complementar do Estado de São Paulo; A Fundação de Previdência Complementar

Leia mais

PREGÃO 132/2013 OBS; AS EMPRESAS QUE DESEJAREM, PODERÃO SOLICITAR A PLANILHA EM EXCEL PARA PREENCHIMENTO ATRAVÉS DO SITE:

PREGÃO 132/2013 OBS; AS EMPRESAS QUE DESEJAREM, PODERÃO SOLICITAR A PLANILHA EM EXCEL PARA PREENCHIMENTO ATRAVÉS DO SITE: PREGÃO 132/2013 CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE VIGIA/GUARDIÃO, (ITEM 09 CLAUSULA 3ª. DA CCT 2013/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR 005473/2012), CONTROLADOR DE ACESSO E SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DO SISTEMA

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA PARÂMETROS DE FIXAÇÃO DE PREÇOS EM OBRAS PÚBLICAS

CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA PARÂMETROS DE FIXAÇÃO DE PREÇOS EM OBRAS PÚBLICAS CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA PARÂMETROS DE FIXAÇÃO DE PREÇOS EM OBRAS PÚBLICAS Audiência Pública - CMA/SENADO 13.04.2010 - BRASILIA-DF LDO 2010 (LEI Nº 12.017, DE 12 DE AGOSTO

Leia mais

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil

Cálculos Protheus SIGAGPE - Brasil Rotina de 13º Salário Sumário Primeira parcela do 13 salário Segunda parcela do 13 salário Médias para 13 salário Cálculo da Diferença do 13 salário 1 Cálculo da primeira parcela do 13 salário Esta rotina

Leia mais