APLICAÇÃO DOS CONCEITOS E PRÁTICAS DA LOGÍSTICA REVERSA NO RERREFINO DE ÓLEO LUBRIFICANTE: UM ESTUDO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICAÇÃO DOS CONCEITOS E PRÁTICAS DA LOGÍSTICA REVERSA NO RERREFINO DE ÓLEO LUBRIFICANTE: UM ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 ISSN APLICAÇÃO DOS CONCEITOS E PRÁTICAS DA LOGÍSTICA REVERSA NO RERREFINO DE ÓLEO LUBRIFICANTE: UM ESTUDO DE CASO Elizandra Machado Ogliari, Rafael Mozart da Silva, Eliana Terezinha Pereira Senna, Guilherme Bergmann Borges Vieira (Universidade do Vale do Rio dos Sinos; Centro Universitário Univates; Universidade de Caxias do Sul) Resumo: A prática da logística reversa para algumas organizações pode significar muito além de um negócio com fins lucrativos, pois o tratamento de resíduos de forma adequada pode proporcionar benefícios ao meio ambiente, sociedade e as pessoas. Neste sentido o presente trabalho apresenta às práticas e conceitos aplicados a logística reversa de pós-consumo, realizados por uma empresa que atua no segmento de óleos lubrificantes. Constata-se ao longo desta pesquisa que as práticas adotadas pela empresa no que tange ao processamento e rerrefino do óleo lubrificante usado, estão adequados e aderentes aos conceitos da logística reversa. Palavras-chaves: Logística Reversa; Canais Reverso; Pós-Venda; Pós-Consumo; Sustentabilidade

2 1. INTRODUÇÃO A constante competição por uma maior eficiência tem levado algumas empresas a se atualizarem e utilizarem novas formas para a realização de seus negócios, tendo como um de seus principais objetivos a busca de melhorias sob a forma de desenvolvimento de novos modelos de gestão ou mesmo adotando o uso intenso de tecnologia no aprimoramento de processos, produtos e serviços. O aumento deste dinamismo condiciona as empresas a utilizar de novas formas de organização, que possam ser capazes de responder rapidamente e com flexibilidade as exigências do mercado, mantendo, sobretudo a qualidade e os custos dos produtos. Os negócios atualmente transitam em um ambiente global que reforça as empresas, independentemente da sua base de mercado ou localização, a considerar o restante do mundo em uma análise mais estratégica (DORNIER et al., 2000).Nos ambientes globalizados e de alta competitividade, as empresas modernas reconhecem cada vez mais que, além da busca pelo lucro em suas transações, se faz necessário atender a uma variedade de interesses sociais, ambientais e governamentais, garantindo sua lucratividade e seus negócios, satisfazendo desta forma os diferentes stakeholders que avaliam a empresa sob diferentes perspectivas (LEITE, 2009). O objetivo deste trabalho foi apresentar as práticas de logística reversa utilizada por uma empresa que atua no mercado de fornecimento de óleos lubrificantes e realiza o rerrefino deste mesmo óleo reinserindo-o este produto no próprio processo produtivo, pois a coleta, rerrefino e produção de óleo básico atende a três princípios fundamentais da política ambiental dos organismos gestores brasileiros: reduzir, reutilizar e reciclar, desta forma possibilitam um equilíbrio no meio ambiente e também corrobora sob o aspecto econômico minimizando a necessidade de importação de matéria-prima o petróleo leve para uma posterior transformação em óleo lubrificante. Na Seção 1 deste trabalho é apresentado o tema e uma breve contextualização do problema investigado. Na Seção 2, apresenta-se o referencial teórico sobre logística reversa, gestão ambiental e ciclo de vida do produto que serviu de base para o desenvolvimento da pesquisa. A metodologia de pesquisa utilizada para a realização deste trabalho é demonstrada na Seção 3. A aplicação do estudo de caso e o desenvolvimento da pesquisa é apresentada na Seção 4. Por fim, na Seção 5, apresenta-se as conclusões e contribuições do trabalho, as quais poderão ser utilizadas como hipóteses para novas pesquisas. 2

3 2. LOGÍSTICA REVERSA A logística das organizações vem se adaptando ao longo dos anos, conforme definição do próprio Council of Supply Chain Management Professionals (CSCMP) Logística é parte da cadeia de suprimentos, que planeja, implementa e controla de modo eficiente o fluxo direto e reverso e a armazenagem de bens, serviços e informações relativas entre o ponto de origem até o ponto de consumo de modo a atender os requisitos do cliente (CSCMP, 2013). Desta forma a logística reversa que trata dos fluxos de pós-venda e pós-consumo, pode ser compreendida sob as perspectivas estratégicas e operacionais, tornando-se mais holística em suas atenções a eliminação ou utilização dos inibidores das cadeias reversas (LEITE, 2009). Para Rogers e Tibben (1999), adaptando a definição de logística do Council of Supply Chain Management Professionals (anteriormente denominado de Council of Supply Chain Management - CLM), definem a logística reversa como o processo de planejamento, implementação e controle da eficiência e custo efetivo do fluxo de matérias-primas, estoques em processo, produtos acabados e informações correspondentes do ponto de consumo ao ponto de origem com o propósito de recapturar o valor ou destinar à apropriada disposição. Conforme Lacerda (2006), o conceito de logística reversa é amplo e está correlacionado ao ciclo de vida, pois a vida de um produto do ponto de vista logístico, não termina com sua entrega ao cliente. Produtos se tornam obsoletos, danificados, ou não funcionam e deve retornar ao seu ponto de origem para serem adequadamente descartados, reparados ou reaproveitados. Sob o ponto de vista financeiro, que além dos custos de compra de matéria-prima, de produção, de armazenagem e estocagem, o ciclo de vida de um produto inclui também outros custos que estão relacionados a todo o gerenciamento do seu fluxo reverso. Outro aspecto a considerar é o ponto de vista ambiental, pois é necessário verificar e avaliar qual o impacto que um produto tem sobre o meio ambiente durante toda a sua vida. Esta última abordagem sistêmica é fundamental para um adequado planejamento e utilização dos recursos logísticos de forma a contemplar todas as etapas do ciclo de vida dos produtos. Através dos programas e práticas de Logística Reversa, as empresas podem substituir, reutilizar, reciclar e descartar seus produtos de maneira eficiente e eficaz, atendendo não somente as exigências dos clientes e parceiros, como também podendo cumprir as leis. A adequada administração da Logística Reversa não somente pode resultar em redução dos custos, como 3

4 também pode aumentar as receitas mesmo que estes itens sejam considerados refugo e não representem a base principal da competição da empresa, sendo possível ter uma eficiência e eficácia do fluxo reverso (ROGERS, TIEBBEN-LEMBKE, 1999). Ainda para os autores a Logística Reversa é o processo de planejamento, implementação e controle do fluxo eficiente e de baixo custo de matérias-primas, materiais em processo, produtos acabados e informações relacionadas desde o ponto de consumo até o ponto de origem, com o propósito de recuperar valor ou obter o descarte apropriado OS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS De acordo com Leite (2009), os canais de distribuição reversos (CDRs) podem ser compreendidos como canais reversos de Pós-Venda e Pós-Consumo. Os canais reversos de Pós-Venda: O produto logístico de pós-venda, de natureza durável, semidurável ou descartável, constitui-se de bens comercializados por meio dos diversos canais de distribuição mercadológicos e que são devolvidos sem uso ou com pouco uso, por diferentes motivos, pela própria cadeia de distribuição direta ou pelo consumidor final (LEITE, 2009). Para Kotler (2005), a atividade de simplesmente efetuar a venda do produto é um pressuposto básico do marketing. A real estratégia de marketing de pósvenda está na possibilidade de se estabelecer o marketing pró-ativo, de parceria com o cliente, que após a concretização da venda continua a ser trabalhado o relacionamento com o cliente, com o objetivo de descobrirem-se meios de se alcançar melhor desempenho no que diz respeito ao atendimento das expectativas do cliente e na oportunidade de serem desenvolvidos novos produtos; Os canais reversos de Pós-Consumo: Para Kobaiashi (2000), a logística como um sistema que serve como uma espécie de ferramenta para responder às demandas de mercado, necessita integrar-se com os sistemas de produção e vendas, exigindo uma maior flexibilidade nos seus processos. Todo bem durável ou semidurável produzido pela indústria que após o seu uso por parte do consumidor é descartado passa a fazer parte do ciclo reverso de pós-consumo. O ciclo reverso de pós-consumo pode ser caracterizado como o retorno de produtos que podem ser reciclados ou reutilizados, como por exemplo, os bens industriais que depois de utilizados são descartados pelo consumidor de diferentes maneiras e possuem ciclo de vida útil, agregando novamente valor a estes produtos. 4

5 Conforme Leite (2009) uma parcela dos bens que são vendidos por meio da cadeia de distribuição direta retorna ao ciclo de negócios ou produtivo pelos canais de distribuição reversos. Os bens de pós-venda, com pouco ou sem nenhum uso, constituem os canais reversos de pósvenda, enquanto os bens de pós-consumo, que foram usados e não apresentam interesse ao primeiro possuidor, serão retornados pelos canais reversos de pós-consumo. Para Sheu et al. e Stock et al. (apud. Nascimento et al., 2008) as questões ambientais podem ser ajustadas de forma simultânea com os processos operacionais do gerenciamento da cadeia de suprimentos, incluindo soluções de logística reversa. Logística reversa abrange os retornos e também as atividades relacionadas aos itens de movimentação para trás (backwards) na cadeia de suprimentos, sendo que estes retornos tradicionalmente podem resultar de problemas, dificuldades ou erros de venda e também decorrer dos níveis de estoque mínimos para atender os consumidores. 2.2 GESTÃO AMBIENTAL E CICLO DE VIDA DO PRODUTO Atualmente a necessidade de compartilhamento entre fornecedores, produtores e clientes através de mecanismos da gestão da produção, gestão da qualidade e planejamento estratégico tem garantido o aumento da competitividade e sobrevivência de muitas organizações em diferentes setores produtivos. Benefícios sociais, econômicos e ambientais também podem ser verificados em função da adoção de medidas de adequação aos critérios de responsabilidade social, governança corporativa e gestão ambiental, respectivamente (TZENG e HENDERSON, 1999; HEISKANEN, 2005). Para Barbieri (2007), o conceito de Sistema de gestão Ambiental (SGA) compreende a articulação de funções administrativas e operacionais para amenizar ou impedir impactos negativos das atividades econômicas sobre a natureza, possibilitando além de soluções pontuais, um adequado SGA pressupõe um nível de sistematização maior, incluindo a criação de normas e objetivos e monitoramento contínuo onde a gestão não fica concentrada nas mãos de departamentos específicos. Com relação à SGA o autor ainda destaca que em primeiro lugar está o comprometimento com a sua efetivação por parte da alta direção ou dos proprietários, se estes forem os dirigentes. Um alto grau de envolvimento facilita a integração das áreas da empresa e permite a disseminação das preocupações ambientais entre funcionários, fornecedores, prestadores 5

6 de serviço e clientes. Um bom sistema é aquele que consegue integrar o maior número de partes interessadas para tratar as questões ambientais. Outros elementos essenciais são o estabelecimento das políticas ambientais, a avaliação dos impactos ambientais atuais e futuros, os planos fixando objetivos e metas, os instrumentos para acompanhar e avaliar as ações planejadas e o desempenho do SGA como um todo (BARBIERI, 2007). Para Ramalho-Filho et al. (1997), a implantação de um sistema de gestão ambiental (SGA), é a resposta dada pelas empresas para controlar os impactos causados, isto é, representa uma mudança organizacional, motivada pela internalização ambiental e externalização de práticas que integram o meio ambiente e a produção. Podem ser alcançados inúmeros benefícios com a implementação da SGA como: a melhoria da imagem perante os diversos atores que interagem com o empreendimento (stakeholders); redução dos custos ambientais; menores riscos de infrações e multas; aumento de produtividade; melhoria da competitividade e surgimento de alternativas tecnológicas inovadoras. Conforme Ljungberg (2005), a Análise do Ciclo de Vida (ACV) consiste em uma técnica de avaliação de aspectos ambientais e impactos potenciais associados a um produto e compreende etapas que vão desde a retirada, no meio ambiente, das matérias-primas (berço) até a disposição do produto final. 3. METODOLOGIA DE PESQUISA O estudo foi realizado através de uma pesquisa aplicada do tipo descritiva exploratória. A pesquisa aplicada, de acordo com Cervo e Bervian (1996), é utilizada quando o investigador é movido pela necessidade de contribuir para fins práticos, buscando soluções para problemas concretos, que se difere da pesquisa básica, em que o pesquisador tem como meta o saber, buscando satisfazer uma necessidade intelectual pelo conhecimento. Para Malhotra et al. (2005), a pesquisa descritiva é um tipo de pesquisa que tem como objetivo principal, descrever algo que normalmente se refere à características ou funções de mercado. Gil (2010) acrescenta que, este tipo de pesquisa, além de descrever características de uma determinada população, pode ainda, identificar relações entre variáveis. A pesquisa também pode ser caracterizada como exploratória, que segundo Malhotra et al. (2005), permite explorar 6

7 um problema ou situação para promover critérios e compreensão, e em geral, é utilizada em situações em que o pesquisador não possui entendimento suficiente para prosseguir com o estudo. Quanto ao caráter desta pesquisa, configura-se através da abordagem qualitativa que de acordo com Malhotra et al. (2005), proporciona melhor visão do problema, já que o explora com poucas idéias preconcebidas sobre o resultado da investigação, sendo geralmente utilizada para definir o problema com mais precisão, podendo fornecer julgamentos antes ou depois do fato, sendo desta forma, mais adequada para o estudo em questão, pois busca descrever os procedimentos e não quantificá-los. O estudo de caso será apresentado como forma de delineamento de pesquisa, pois segundo Gil (2010), este tipo de estudo caracteriza-se como profundo e exaustivo de um ou de poucos objetos, de forma que permita seu amplo e detalhado conhecimento. Para o autor, o método apresenta diversas vantagens, como: o estímulo a novas descobertas, em virtude da flexibilidade de seu planejamento; a ênfase na totalidade, em que o pesquisador foca o problema como um todo, e; a simplicidade dos procedimentos quando comparados com outros tipos de delineamento. 3.1 UNIDADE DE ANÁLISE Para Collis e Hussey (2005) uma unidade de análise é o tipo de caso que se referem às variáveis ou os fenômenos em estudo, bem como o problema de pesquisa, e sobre os quais são coletados e analisados os dados. A unidade de análise utilizada no estudo de caso foi uma empresa produtora de óleos lubrificantes que também atua no segmento de rerrefino, que segundo o Sindicato das empresas de rerrefino do Brasil é uma das maiores empresas da América Latina neste segmento. Aborda-se com mais profundidade as características da empresa e mercado que esta inserida no tópico quatro denominado estudo de caso. 3.2 COLETA E ANÁLISE DOS DADOS Para a coleta de dados da presente pesquisa, utilizou-se de dois tipos de fontes, sendo que muitas das informações necessárias para uma adequada compreensão do processo de rerrefino foram obtidas através de dados secundários, principalmente em registros internos da empresa estudada como: planilhas de controle de estoques e solicitações de materiais. Com relação aos 7

8 dados primários, foi realizada a aplicação de entrevistas em profundidade, que conforme citado por Cervo e Bervian (1996), devem ser conversas orientadas para um objetivo definido: recolher, através do interrogatório do informante, dados para a pesquisa, e são normalmente utilizadas quando se tem necessidade de obter dados que não podem ser encontrados em registros e fontes documentais, mas podem ser fornecidos por determinadas pessoas. No caso da presente pesquisa, as entrevistas em profundidade tiveram como participantes, as pessoas que atuam na área de logística da empresa estudada. Apresenta-se a seguir o Quadro 1 das pessoas que foram entrevistadas: Quadro 1: Pessoas Entrevistados na Empresa Respondente Função Idade Tempo de Empresa R1 Gerente de Logística 45 anos 12 Anos R2 Supervisor de Logística 39 anos 08 Anos R3 Analista de Coleta 28 anos 06 Anos Fonte: Elaborado pelos autores Como instrumento de coleta de dados, utilizou-se um questionário semi-estrutura o qual foi subdivido em blocos de perguntas (Quadro 2): Bloco 1 Bloco 2 Quadro 2: Questões do Bloco 1 utilizadas nas Entrevistas Processo de Coleta do OLUCs 1. Quais são os critérios de recebimento do óleo devolvido pelo cliente? 2. Quais são os tipos de resíduos industriais gerados em sua empresa e a sua destinação? 3. Há geração de efluentes líquidos e como estes são monitorados e controlados? Processo de Rerrefino o Óleo Lubrificante 1. Quais são e como funciona o processo de rerrefino utilizado pela empresa? Quais as formas de controle do deste processo? 2. Na empresa Alfa, há geração de subprodutos derivados de suas atividades? Qual o destino dos mesmos? Estratégia e Visão do Negócio da Empresa 1. A empresa desenvolve algum tipo de pesquisa sobre óleo lubrificante? 2. Na visão da empresa, as penalidades impostas pela Legislação Ambiental são suficientes para garantir à sociedade e às empresas o respeito ao meio Bloco 3 ambiente? Por quê? 3. A empresa ao preocupar-se com o tratamento de resíduos e/ou a gestão ambiental obtém o retorno financeiro através da maximização de seu rendimento econômico? 4. Existem planos de expansão do modelo de negócio da empresa? Fonte: Elaborado pelos autores As respostas das entrevistas resultantes do questionário foram transcritas de forma parcial, levando em consideração o objetivo da pesquisa. De acordo com Mattar (1998), a etapa de análise de dados é tão importante quanto qualquer outra etapa do estudo e tem como principal objetivo, permitir que o pesquisador consiga 8

9 estabelecer conclusões, a partir dos dados coletados. O método a ser utilizado para a análise dos dados obtidos através da pesquisa foi a análise de conteúdo, que representa um método formal que visa analisar dados qualitativos, podendo ser uma maneira de converter sistematicamente texto ou outras formas de comunicação como áudio e vídeo, em variáveis numéricas de acordo com unidades de códigos que são pré-construídas pelo pesquisador. 4. ESTUDO DE CASO Conforme apresentado anteriormente o estudo de caso foi realizado em uma empresa produtora de óleos lubrificantes e que também atua no segmento de rerrefino do óleo. Atualmente é considerada uma das maiores empresas da América Latina que atua neste mercado. A sede da empresa possui uma área construída de m² e localiza-se na região metropolitana de Porto Alegre, no Estado do Rio Grande do Sul. Atualmente a empresa possui mais de 200 colaboradores e conta com uma frota 60 caminhões do tipo tanque, adequado para o transporte de óleos e derivados. 4.1 Processo de Coleta de OLUCs A empresa realiza a coleta dos óleos lubrificantes usados através do próprio canal de distribuição de venda, com objetivo de tornar economicamente viável a operação. Em relação as tratativas adotadas para o de recebimento do óleo lubrificante usado e que foi devolvido pelos próprios clientes, a empresa procura observar principalmente as medidas técnicas de manuseio e armazenagem, conforme a respostas dos próprios entrevistados. Para o R1 [...]o produto tem que ser manuseado com cuidado, por que trabalhamos com produto perigoso e deve-se preservar acima de tudo a integridade das pessoas. O R2 corrobora da mesma ideia, pois segundo o mesmo a empresa procura adotar sempre medidas preventivas obedecendo às normas e procedimentos de segurança e higiene industrial. A empresa necessita constantemente observando as condições para retirada do óleo lubrificante usado ou contaminado dos pontos de geração ou recolhimento, pois a característica dos clientes onde a empresa retira o óleo usado são postos de gasolina, pontos de troca de óleo dentre outros. Conforme relatado pelo R3 se faz necessário para a coleta de óleos lubrificantes usados, utilizar-se de veículos especificamente equipados, identificados e apropriados para este fim, proporcionando condições adequadas para o transporte urbano e rodoviário de forma segura 9

10 do resíduo. Segundo o R1 os veículos dedicados ao transporte deste resíduo não podem, sob hipótese alguma, serem autorizados também ao transporte de outros tipos de produtos. A Figura 1 ilustra um exemplo do tipo de veículo que é utilizado para a coleta de óleo lubrificante usado, conforme informações do Sindirerrefino. Figura 1: Veículo Coletor de Óleo Lubrificante Fonte: Sindirerrefino (2011) Por tratar-se de um resíduo perigoso às condições de carga e descarga do óleo lubrificante usado ou contaminado nas bases de armazenamento também são diferenciadas, pois a movimentação e armazenagem deste tipo de produto deve seguir os procedimentos de segurança, verificação constante das condições dos equipamentos utilizados na operação. No que tange aos tipos de resíduos industriais gerados e o tratamento dos mesmos, o R1 informou que há o controle do volume de resíduos gerados nos processo de rerrefino, o qual apresenta a indicação dos componentes químicos gerados. Foi possível constatar através das entrevistas com R1 e R2 que ocorre na empresa estudada o tratamento de forma adequada dos efluentes gerados ao longo do processo de rerrefino, pois a água removida do processo passa por um tratamento intenso e complexo antes de ser efetivamente descartada, em função da alta contaminação e concentração de componentes como o fenol e os hidrocarbonetos leves. Conforme o R1 para o descarte da água é necessário um documento que outorga o uso da água, sendo este emitido pelo órgão fiscalizador competente, que atesta a utilização, o tratamento e o descarte final dos recursos hídricos de forma correta. Constata-se ainda durante as entrevistas que os resíduos e a água decorrente do processo de desidratação são encaminhados a um forno onde através de um processo de superaquecimento onde é realizada a separação e eliminação dos 10

11 resíduos presentes na água. Após este processo a água passa por uma filtragem de forma que os contaminantes sejam eliminados antes do descarte final. 4.2 Processo de Rerrefino De acordo com o R2 as tecnologias mais conhecidas para o rerrefino são os processos de Ácido-Argila com Termocraqueamento; Desasfaltamento à Propano (PDA); Processo interlinear; Evaporação Pelicular (TFE); Desasfaltamento Térmico (TDA) dentre outros tipos. Conforme o R1 e R2, os processos de rerrefino utilizados pela empresa foram relacionados em dois tipos processos, os quais demonstra-se na Figura 2: Figura 2: Fluxo do Processo de Rerrefino Fonte: Sindirerrefino (2014) No processo de Ácido-Argila com Termocraqueamento ocorre uma redução do percentual de ácido sulfúrico e dos neutralizantes, obtendo como resultado do rerrefino a produção de Óleo Básico RR - Neutro Pesado. Com relação ao processo de Evaporação Pelicular, acontece a redução de ácido sulfúrico e dos neutralizantes e clarificantes. Percebe-se que além das precauções com relação à saúde e proteção do trabalhador, existe à constante orientação e treinamentos para o adequado manuseio do material de forma segura. Outra informação importante relatada pelo R2, diz respeito ao transporte, pois os resíduos são 11

12 transportados e devem obedecer todos os requisitos previstos na regulamentação legal de transporte de cargas perigosas. O descarregamento das embalagens mais pesadas é feito por meio de empilhadeira. As embalagens contendo os produtos não devem ser manuseadas de forma indevida e também colocadas sob qualquer tipo de superfície. As embalagens vazias possuem local próprio para a lavagem, organização e acondicionamento. De acordo com o R3 nas operações de carga e descarga existem procedimentos que visam evitar a ocorrência de vazamentos do produto, pois evita-se que este produto químico atinja o lençol freático ou o mesmo o solo. Ainda para o respondente, o mesmo informou que nos locais onde se manipulam produtos químicos é realizado o monitoramento da exposição dos trabalhadores, de acordo com o PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais). 4.3 Estratégia e Visão de Negocio da Empresa Com relação aos investimentos realizados em pesquisa, o R1 informou que a empresa lançou no ano de 2010 uma nova linha de lubrificantes automotivos e industriais, sendo que este tipo de ação não ocorria no mercado há aproximadamente quinze anos. Segundo relato do R1 na empresa convivemos com o desafio de atuar na conscientização da sociedade e das empresas sobre a necessidade da preservação do meio ambiente e do respeito à legislação que regulamenta a destinação correta do óleo usado. Para o R2, o trabalho também envolve a divulgação da importância do rerrefino e de que a nossa empresa possui todas as licenças operacionais necessárias tanto para a coleta, transporte, assim como para a destinação final do óleo lubrificante usado e também esta apta a realizar a logística reversa. A empresa tem como foco garantir a qualidade de seus produtos, equipamentos e processos operacionais, além de buscar constantemente reduzir as emissões de poluentes associadas ao rerrefino do óleo lubrificante usado e à extração do óleo básico, pois segundo o R1 a confiança que temos por parte de nossos clientes direciona ainda mais nossas ações no sentido de cumprir a legislação e buscar a melhoria contínua de nosso atendimento. Com relação aos principais produtos comercializados pela empresa são óleos lubrificantes básicos, graxas para lubrificação de ferramentais, óleos para motor, óleo para engrenagens e transmissões entre outros, onde observa-se de acordo com R1 a linha óleos básicos tem uma elevada representatividade no negócio. Segundo o R2 [...] para atender à demanda de óleos 12

13 básicos, temos uma frota própria de 60 caminhões e carretas, com rotas diárias para São Paulo e Rio de Janeiro. Conforme o R1, a empresa apresenta planos de expansão de seu negócio em face da oportunidade que o mercado oferece, pois pretende expandir para outras áreas do estado do Rio Grande do Sul, como a região do Planalto, Centro Oeste e Norte do estado. A empresa também esta buscando expandir seus negócios para os estados do Mato Grosso do Sul, São Paulo, Goiás e Rio de Janeiro em prazo de até cinco anos. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Considerando o objetivo proposta da pesquisa que buscava apresentar de que forma ocorria o processo de rerrefino de óleos lubrificantes realizados pela empresa em estudo, constata-se que a existência de procedimentos adequados e também que se faz necessário para este tipo de atividade uma estrutura adequada para tratamento deste tipo de resíduo. A empresa também utiliza como forme de minimizar os custos e tornar viável economicamente a operação, utilizar-se do mesmo canal de distribuição de vendas junto aos seus clientes, para realizar a coleta do óleo lubrificante usado. Contata-se que a empresa em estudo apresenta conceitos e práticas de logística reversa, por se tratar de uma reutilização do material, um caso de pós-consumo. Percebe-se a relevância do tema abordado nesta pesquisa, pois envolve aspectos relacionados ao meio ambiente e também de alternativas de processos para minimizar os impactos decorrentes do descarte inadequado de materiais ou produtos na natureza. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARBIERI, José Carlos. Gestão Ambiental empresarial. São Paulo: Saraiva, CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino. Metodologia Científica. 4. ed. São Paulo: Makron Books, FIGUEIREDO, Kleber Fossati; FLEURY, Paulo Fernando; WANKE, Peter. (orgs.) Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos: planejamento do fluxo de produtos e dos recursos. Centro de Estudos em Logística. GIL, Antônio Carlos. Como elaborar Projetos de Pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, COLLIS, Jill; HUSSEY, Roger. Pesquisa em Administração: Um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. Tradução de Lucia Simonini. 2. ed. Porto Alegre: Bookmann, COUNCIL OF SUPPLY CHAIN MANAGEMENT PROFESSIONALS (CSCMP). Disponível em: Acesso em: 06 de dezembro de

14 COPPEAD, UFRJ. São Paulo: Atlas, 2003KOBAYASHI, Shun Ichi. Renovação da logística: como definir as estratégias de distribuição física global. São Paulo: Atlas, DORNIER, P. ; ERNST, R. ; FENDER, M.; KOUVELIS, P. Logística e Operações Globais: textos e casos. São Paulo: Atlas, HEISKANEN, E. Reducing the natural resource intensity of private and organisational consumption: the potential of ICT and service innovations. Progress in Industrial Ecology, Vol. 2, (3 4), p , KOTLER, Philip. Marketing essencial: conceitos, estratégias e casos. 2ª ed. São Paulo: Prentice Hall, LACERDA, Leonardo. Logística Reversa: Uma visão sobre os conceitos e as práticas operacionais. In: MATTAR, Fauze Najib. Pesquisa de Marketing. 2. ed. São Paulo: Atlas, LACERDA, Leonardo. Logística reversa e a responsabilidade empresarial. Logística reversa: uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais. Disponível em: <http://www.tfscomunicacao.com.br>. Acesso em fevereiro de LEITE, Paulo Roberto. Logística Reversa: meio ambiente e competitividade. Ed. Pearson Education do Brasil Ltda, LJUNGBERG, L. Responsible products: selecting design and materials. Design Management Review, v. 16, n. 3, p , MALHOTRA, Naresh K. et al. Introdução à Pesquisa de Marketing. Tradução de Robert Brian Taylor. São Paulo: Pearson, NASCIMENTO, L F, Lemos, ADC, Mello, MCA (2008). Gestão Socioambiental Estratégica. São Paulo: Bookman. RAMALHO-FILHO, A. ; OLIVEIRA, Ronaldo Pereira de ; PEREIRA, L. C. Use of geographic information systems in (planning) sustainable land management in Brazil: potentialities and user needs. ITC Journal, Holanda, v. 3, p , ROGERS, D. S.; TIBBEN-LEMBKE, R. S. Going backwards: reverse logistics trends and practices. Reno: University of Nevada, SINDIRREFINO: Sindicato Nacional da Indústria do Rerrefino de Óleos Minerais. Disponível em Acesso em: 25 janeiro de

Desafios da Logística Reversa

Desafios da Logística Reversa São Paulo, 11 e 12 de maio de 2011 Desafios da Logística Reversa Nextel Telecomunicações 1 Organização Patrocínio Apoio 2 Agenda Nextel Case de sucesso Objetivos da logística reversa Diferenciação entre

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura.

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. 1 PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. É do conhecimento de todos que o consumo é uma constante na contemporaneidade. Em decorrência, os gestores das organizações planejam e operacionalizam

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

Gestão do uso de óleo de cozinha para produção de biodiesel

Gestão do uso de óleo de cozinha para produção de biodiesel Gestão do uso de óleo de cozinha para produção de biodiesel Estudo de Caso MCDonald s Autores: Alexandre Formigoni Enio Fernandes Rodrigues Viviane Alves Belo Tatiane Neves Lopes Marcelo Rabelo Henrique

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa - Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Leonardo Lacerda Introdução Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense

Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido (isopor ) pós-consumo de uma indústria i catarinense Logística Reversa: destinação dos resíduos de poliestireno expandido 1. Introdução Objetivo da pesquisa: analisar a possibilidade de uma destinação dos resíduos de poliestireno expandido (EPS), utilizados

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

A Sustentabilidade e as Empresas. Conceito Básico de. Sustentabilidade Exemplificação. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social.

A Sustentabilidade e as Empresas. Conceito Básico de. Sustentabilidade Exemplificação. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Aula 2 A Sustentabilidade e as Empresas Prof. Esp. Felipe Luiz Conceito Básico de Contextualização Sustentabilidade Exemplificação Responsabilidade Social Cidadania

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS Autora: PATRICIA GUARNIERI i para o Portal Direito Ambiental 1. Introdução A extração desenfreada dos recursos naturais, o pensamento errôneo de que os mesmos são

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

Estratégia e Desenvolvimento Sustentável. Responsabilidade e Índices de Sustentabilidade Empresarial. Aula 6

Estratégia e Desenvolvimento Sustentável. Responsabilidade e Índices de Sustentabilidade Empresarial. Aula 6 Estratégia e Desenvolvimento Sustentável Aula 6 Prof. Marcos Rogério Maioli rogeriomaioli@grupouninter.com.br Investimentos com Responsabilidade e Índices de Sustentabilidade Empresarial MBA em Planejamento

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO Chamamento para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA AGREGANDO VALORES AOS RESÍDUOS DE MADEIRAS E DERIVADOS NA MADEIREIRA SANTA BÁRBARA GASPAR WESLEY DE SOUSA BATISTA R.

LOGÍSTICA REVERSA AGREGANDO VALORES AOS RESÍDUOS DE MADEIRAS E DERIVADOS NA MADEIREIRA SANTA BÁRBARA GASPAR WESLEY DE SOUSA BATISTA R. . CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: MONOGRAFIA ÁREA: LOGÍSTICA LOGÍSTICA REVERSA AGREGANDO VALORES AOS RESÍDUOS

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

Logística Reversa de Materiais

Logística Reversa de Materiais Logística Reversa de Materiais Aplicação de ferramentas de gestão e operação da Cadeia de Abastecimento na Logística Reversa Apresentador: João Paulo Lopez Outubro / 2.008 Objetivos: Conceituar Logística

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Gestão e Negócios Componente Curricular: Gestão da Cadeia

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Introdução : Conceitos, Definições e Áreas de atuação A Logística Reversa tem sido citada com freqüência e de forma crescente em livros modernos de

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Fernando Dândaro Uni-FACEF. Melissa Franchini Cavalcanti-Bandos Uni-FACEF INTRODUÇÃO

Fernando Dândaro Uni-FACEF. Melissa Franchini Cavalcanti-Bandos Uni-FACEF INTRODUÇÃO 40 Logística Reversa como Política Pública para o Desenvolvimento Regional: Uma Proposta de Pesquisa sobre a Aplicabilidade da Política Nacional de Resíduos Sólidos no município de Franca (SP) Fernando

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias

Sustentabilidade no Grupo Boticário. Atuação com a Rede de Franquias Sustentabilidade no Grupo Boticário Atuação com a Rede de Franquias Mais de 6.000 colaboradores. Sede (Fábrica e Escritórios) em São José dos Pinhais (PR) Escritórios em Curitiba (PR) e São Paulo (SP).

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

O Sistema Legal de Gestão dos Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados

O Sistema Legal de Gestão dos Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados O Sistema Legal de Gestão dos Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados Proteção e Participação da Sociedade Março/2015 Lubrificante deterioração contaminação Óleo Lubrificante Usado ou Contaminado OLUC

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

Estudo de caso sobre Logística Reversa

Estudo de caso sobre Logística Reversa Estudo de caso sobre Logística Reversa Autores Cristiane Meneghel Dorizotto Angelita Barski Orientador Rosangela Vanalle 1. Introdução Na sociedade moderna, os resíduos sejam eles industriais ou residenciais,

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção

Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de novos Indicadores para Gestão em Setores de Manutenção RESUMO Atualmente, as organizações vêm buscando incessantemente novas ferramentas

Leia mais

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG 1 OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG Camila Alves Teles 1 Maria Solange dos Santos 2 Rodrigo Honório Silva 3 Romenique José Avelar 4 Myriam Angélica Dornelas 5 RESUMO O presente

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

Logística Internacional. Aula 5. Organização da Aula. Fluxo Logístico. Contextualização. Prof. Luiz Fernando R. Campos. Tópicos a serem abordados

Logística Internacional. Aula 5. Organização da Aula. Fluxo Logístico. Contextualização. Prof. Luiz Fernando R. Campos. Tópicos a serem abordados Logística Internacional Aula 5 Prof. Luiz Fernando R. Campos Organização da Aula Tópicos a serem abordados Fluxos logísticos Desafios logísticos Tecnologias emergentes Inovações tecnológicas Fluxo Logístico

Leia mais

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas

Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho em uma empresa de fabricação de sucos e polpas de frutas Cristiane Kelly F. da Silva(UFPB) criskfsilva@yahoo.com.br Derylene da Fonseca Ferreira (UFPB)

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA Copyright Proibida Reprodução. NECESSIDADE EMERGENTE - Apresentam-se hoje, em países desenvolvidos e em desenvolvimento, as preocupações com a sustentabilidade empresarial

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

O F I C I N A ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP. LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais.

O F I C I N A ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP. LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais. O F I C I N A D E ESCLARECIMENTO - DMA - FIESP LOGÍSTICA REVERSA Disposições Transitórias e Finais. Walter Françolin DMA FIESP Agosto 2010 ou outra destinação final ambientalmente adequada; Art. 3º - XII

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015 Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa Prof. Dr. Douglas Wittmann São Paulo - 2015 Prof. Dr. Douglas Wittmann Doutor em Ciências (USP). Mestre em Engenharia de Produção (UNIP). Pós-graduado em

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa.

Definir embalagem de transporte. Desenvolver políticas que atendam conceitos, princípios e legislação específica a logística reversa. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto GESTÃO AMBIENTAL ISO 14000 Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto 1 A evolução do pensamento ambiental Crescimento é o que importa (que venha a poluição...) Conscientização (década

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais