ANAIS CAPABILIDADES ANALÍTICAS NO CONTEXTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UMA PESQUISA DO TIPO SURVEY

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS CAPABILIDADES ANALÍTICAS NO CONTEXTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UMA PESQUISA DO TIPO SURVEY"

Transcrição

1 CAPABILIDADES ANALÍTICAS NO CONTEXTO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: UMA PESQUISA DO TIPO SURVEY LARISSA ALVES SINCORÁ UFES - Universidade Federal do Espírito Santo ANANDA BARCELOS BISI UFES - Universidade Federal do Espírito Santo MARCOS PAULO VALADARES DE OLIVEIRA UFES - Universidade Federal do Espírito Santo Resumo: O artigo teve como objetivo explorar a relação entre os construtos capabilidades analíticas do SCOR, desempenho da cadeia de suprimentos, e maturidade de processos. A principal justificativa repousa na relevância acadêmica e mercadológica - em escala mundial - que vem recebendo a discussão envolvendo a prática da Business Analytics (BA) no interior organizacional. Por meio de pesquisa survey, com uma amostra de 788 respondentes, empreendeu-se um conjunto de testes a partir do algoritmo dos mínimos quadrados parciais (PLS-SEM). Recomenda-se futuramente, investigar a significância dos demais níveis de maturidade de processos para a relação entre as capabilidades analíticas e o desempenho. Palavras-chave: Business Analytics; Capabilidades Analíticas do SCOR; Maturidade de Processos; Desempenho da Cadeia de Suprimentos. 1. INTRODUÇÃO A análise de negócios (ou Business Analytics - BA) tem expandido sua atuação nas empresas à medida que essas deixam de ser meras acumuladoras de dados para transformar esses dados em informações capazes de levar a resultados (DAVENPORT et al., 2000). Com isso, buscam a melhoria da eficiência, da competitividade e da rentabilidade (OLIVEIRA; MCCORMACK; TRKMAN, 2012). Tal mudança na maneira de trabalhar esses dados tem acarretado uma revolução analítica (ACITO; KHATRI, 2014). Contudo, garantir essa transformação dos dados em informações relevantes para o desenvolvimento organizacional exige a utilização de métodos e ferramentas específicas, ou seja, de capabilidades analíticas (ACITO; KHATRI, 2014). Com a ampliação do foco de observação da organização para a cadeia de suprimentos da qual esta é componente, as 1/17

2 capabilidades tornam-se perceptíveis no âmbito interorganizacional (LOCKAMY; MCCORMACK, 2004). BA, conforme a literatura, correlaciona-se de maneira positiva com o desempenho organizacional (SCHLÄFKE; SILVI; MÖLLER, 2012; O'DWYER; RENNER, 2011; KLATT; SCHLÄFKE; MÖLLER, 2011; TRKMAN et al., 2010). O desempenho, que antes era medido apenas pelos resultados financeiros, a partir da década de 1990 é observado também por outras perspectivas (ACITO; KHATRI, 2014), como a utilizada neste estudo: a operacional. Entretanto, essa relação pode ser direta ou mesmo moderada por outros fatores, como a maturidade de processos. Segundo McCormack, Ladeira e Oliveira (2008), quanto maior a definição, a gerência, a avaliação e o controle no longo prazo do ciclo de vida ou dos estágios de desenvolvimento dos processos maior a maturidade. Este estudo visa, então, investigar se as capabilidades analíticas das áreas do SCOR e a maturidades de processos impactam positivamente o desempenho da cadeia de suprimentos, e bem como, avaliar se a maturidade de processos modera a relação entre as capabilidades analíticas e o desempenho operacional da cadeia. Para responder a esse problema foi realizada pesquisa do tipo survey com membros de empresas de vários países, como Brasil, Estados Unidos, Canadá e China, obtendo-se uma amostra final de 788 respondentes. Não obstante, para validar o modelo de pesquisa delineado, foram desenvolvidos testes estatísticos através do software SmartPLS-SEM 3.0 (do inglês, Partial Least Squares). Conforme abordado por Souza (2014), historicamente a análise tem exercido papel significante na gestão da cadeia de suprimentos. Além disso, de acordo com Holsapple, Lee- Post e Pakath (2014), a melhoria do desempenho organizacional apresenta-se, dentre outros motivos, como uma das principais justificativas para o prosseguimento da BA. Os autores inclusive apontam que o desempenho organizacional pode ser visto como variável endógena capaz de medir os resultados do esforço organizacional em BA (HOLSAPPLE; LEE-POST; PAKATH, 2014). Com base nisso, a pesquisa desenvolvida para produção deste artigo justifica-se pela relevância acadêmica e mercadológica - em escala mundial - que vem recebendo a prática e o desenvolvimento da orientação analítica ao nível organizacional e interorganizacional. Sobretudo, com o intuito de averiguar se o investimento para desenvolver capabilidades analíticas contribui para melhorar o desempenho operacional das organizações, o que pode ou não ser auxiliado por determinado nível de maturidade de processos presente na estrutura organizacional. 2. MARCO TEÓRICO-CONCEITUAL 2.1 Capabilidades Analíticas do SCOR 2/17

3 A coleta, o armazenamento e a análise de grande quantidade de dados têm sido uma constante em diversas áreas do conhecimento, acarretando o que Acito e Khatri (2014) denominam de uma revolução analítica. Nesse caso, a análise desses dados, conhecido na literatura pelo termo business analytics (BA), está diretamente relacionado à alavancagem de valor por meio de dados (ACITO; KHATRI, 2014). Um dos conceitos de BA amplamente utilizado tem origem em Davenport e Harris (2007): [...] extensa utilização de dados, análise estatística e quantitativa, modelos explicativos e preditivos e gestão baseada em fatos para orientar decisões e ações. As análises podem ser introduzidas para as decisões humanas ou podem conduzir decisões totalmente automatizadas. Análises são um subconjunto de [...] inteligência de negócios (business intelligence). (DAVENPORT; HARRIS, 2007, p. 7). Quando o conhecimento analítico adquirido por meio de BA é utilizado de maneira intensa pelas empresas, os processos de negócios são afetados por mudanças ou inovações de maneira incremental e, consequentemente, a reformulação constante de rotinas e procedimentos defasados acarreta em atividades desenvolvidas de maneira mais eficientes (BRONZO et al., 2012). Mas, para isso, é necessário que os dados coletados sejam transformados em conhecimento analítico, a partir de medidas e análises específicas. No entanto, observa-se a existência de deficiência quando da transformação dos dados, conforme apontam estudiosos da área. Para Davenport et al. (2000), por exemplo, o entrave consiste em os esforços se voltarem mais para o domínio dos dados, do que propriamente para a transformação da informação em conhecimento acessível, a fim de se levar a resultados para o negócio (DAVENPORT et al., 2000). Caso haja lacunas quando da transformação dos dados em informações, pode-se ignorar dados que seriam importantes para uma melhor leitura dos fatos e, assim, decisões com resultados mais efetivos (EMBLEMSVÅG, 2005). Emblemsvag (2005) discute ainda sobre um fênomemo que diz ser comum: a paralisia por análise, em que a análise torna-se tão extensa ou confusa que não acarreta nenhuma ação, causando uma paralisia. Visando a evitar situações como as citadas, há a necessidade do investimento por parte das empresas no desenvolvimento de capabilidades analíticas, ou seja, um vasto portfólio de métodos e ferramentas de análise (ACITO; KHATRI, 2014). Essas ferramentas devem ser capazes de possibilitar consultas tradicionais ad hoc, estatística inferencial, análise preditiva, simulação e otimização, apoiando assim análises descritivas, diagnósticos preditivos, e prescritivos (ACITO; KHATRI, 2014, p. 567). Quando, no entanto, são observadas cadeias de suprimento, essas capabilidades devem ser vistas não no âmbito da empresa e em prol de seus processos somente, mas sim em âmbito interorganizacional, congruentes ao conjunto de empresas que compõe a cadeia (LOCKAMY; MCCORMACK, 2004). Assim, para operacionalizar a análise das capabilidades analíticas no interior da cadeia de suprimentos, poder-se-á relacioná-la com as áreas do SCOR (do inglês, Supply Chain Operations Reference Model). 3/17

4 Tal modelo SCOR - ganha destaque e discussão em 1996, quando a instituição independente e sem fins lucrativos Supply-Chain Council reuniu 66 empresas a fim de conjuntamente desenvolverem um modelo de referência para o gerenciamento da cadeia de suprimentos. A partir dessa junção surgiu, no mesmo ano, o Supply Chain Operations Reference Model (SCOR), que posteriormente recebeu novas versões do modelo (APICS, 2014). Por conseguinte, por meio do SCOR, tornou-se possível correlacionar processos de planejamento, fornecimento, fabricação, entrega e retorno ao longo da cadeia de suprimentos. Assim, por meio das áreas do SCOR utilizadas para este estudo, divididas em planejamento, fornecimento, execução e entrega, buscou-se identificar e medir as capabilidades analíticas destas respectivas áreas, destacando, sobretudo, os seguintes aspectos: -Planejamento: relaciona-se ao trabalho desempenhado pela equipe de planejamento das estratégias das operações, a relação dessa equipe com outras da empresa e com clientes e fornecedores, além das avaliações e projeções que realiza sobre produtos, clientes e lucratividade; -Fornecimento: diz respeito à equipe de compras e ao processo de compra praticado, bem como a relação estabelecida com fornecedores; -Execução: refere-se à execução do processo de planejamento preconizado e da programação da produção, e como esses são organizados e acompanhados; e -Entrega: aborda aspectos do processo de comprometimento com pedidos feitos, a entrega desses pedidos e a integração desta área com as decisões tomadas em outros setores. 2.2 Maturidade de Processos: SCMM e SCM3 Todavia, ao que tange à maturidade de processos, verifica-se que a definição, a gerência, a avaliação e o controle no longo prazo do ciclo de vida ou dos estágios de desenvolvimento dos processos caracterizam a maturidade de processos. Tal conceituação é apontada por McComarck, Ladeira e Oliveira (2008), com alcance inclusive para os processos encontrados nas cadeias de suprimento. Estabelecer um padrão para a maturidade em gerenciamento de processos tem sido esforço comum entre estudiosos, consultores e empresas orientadas por processo (DAVENPORT, 2005). Conforme constatado por Netland, Alfnes e Fauske (2007), diversos são os modelos de maturidade já propostos para cadeias de suprimentos, dentre os quais se destaca o desenvolvido por McCormack, Johnson e Walker (2003), por apresentar mais detalhamento e consistência (OLIVEIRA, 2006). De acordo com Oliveira (2009), o modelo de McCormack, Johnson e Walker (2003), denominado Supply Chain Maturity Model (SCMM), descreve a maturidade dos processos da cadeia de suprimentos. Utiliza o SCOR e é inspirado no Grid de Qualidade e no CMM. Suas bases estão sustentadas pelos conceitos do BPO (do inglês, Business Process Orientation) (OLIVEIRA, 2009, p. 68). Com base nos preceitos do SCMM, a maturidade é maior conforme crescem os níveis de BPO, de desempenho e de prática colaborativa, bem como estágios mais altos de maturidade implicam em estágios também maiores de capabilidades em processo (MCCORMACK; JOHNSON; WALKER, 2003). Conforme o grau de maturidade, o Supply Chain Maturity 4/17

5 Model subdivide em níveis: Ad Hoc, Definido, Conectado, Integrado e Estendido, sendo o primeiro o que apresenta menor grau de maturidade e o Estendido, maior grau (MCCORMACK; JOHNSON; WALKER, 2003). Ao passar de um nível inferior para o seguinte, aumentam os níveis de previsibilidade, capacidade, controle, eficiência e eficácia (MCCORMACK; LADEIRA; OLIVEIRA, 2008). Por conseguinte, partindo do SCMM (MCCORMACK; JOHNSON; WALKER, 2003) Oliveira (2009) desenvolveu o modelo de maturidade de processos de gerenciamento em cadeias de suprimento ou Supply Chain Process Management Maturity Model (SCPM3), que define também cinco níveis de maturidade. O modelo SCPM3 destaca-se por ter sido obtido através de análises estatísticas e, por apresentar que as melhores práticas, atingem em cada nível, a maturidade total (OLIVEIRA; MCCORMACK; TRKMAN, 2012). No SCPM3, os níveis de maturidade subdividem-se em: Fundação, Estrutura, Visão, Integração e Dinâmica, sendo o primeiro o de menor grau de maturidade e o último, o de maior grau (OLIVEIRA; MCCORMACK; TRKMAN, 2012). Para fins desse estudo, se considerou as características das cadeias de suprimentos posicionadas no quinto nível dinâmica para analisar o papel que as características inerentes a este nível exercem na relação entre as capabilidades analíticas (conforme abordado no item 2.1) e o desempenho operacional (conforme abordado no item 2.3). No nível Dinâmico, a cadeia encontra-se com uma integração sistêmica e estratégica, sendo reconhecida pelas práticas colaborativas integradas entre os parceiros e pela responsividade mediante as alterações no ambiente. Neste estágio, o comportamento da cadeia é dinâmico e opera de maneira a garantir a melhoria contínua dos processos, com resposta ágil às mudanças do mercado (OLIVEIRA; MCCORMACK; TRKMAN, 2012; OLIVEIRA, 2009). As práticas colaborativas integradas, por sua vez, são reconhecidas pelo trabalho em conjunto entre as diferentes áreas da empresa, em que diversos setores contribuem para a concretização de um mesmo processo. Essa integração deve estar presente tanto internamente, quanto externamente, por meio da colaboração com as demais empresas da cadeia de suprimentos e com os clientes (OLIVEIRA; MCCORMACK; TRKMAN, 2012; OLIVEIRA, 2009). Logo, as práticas colaborativas integradas, caracterizam as cadeias de suprimentos que encontram-se no nível dinâmico de maturidade de processos, conferindo respostas aos clientes mediante pedidos, principalmente com relação ao tempo de entrega de mercadorias. Não obstante, também é considerada como parte do nível dinâmico, a responsividade, que está intrinsecamente ligada ao planejamento e a programação do tempo de entrega dos fornecedores (OLIVEIRA; MCCORMACK; TRKMAN, 2012; OLIVEIRA, 2009). 2.3 Desempenho da Cadeia de Suprimentos Estudos apontam que a utilização da análise de negócios (ou Business Analytics - BA) estabelece uma relação positiva com o desempenho da empresa, conforme os desenvolvidos por Schläfke, Silvi e Möller (2012), O'Dwyer e Renner (2011), Klatt, Schläfke e Möeller 5/17

6 (2011), e Trkman et al. (2010). Com isso, percebe-se que cada vez mais, empresas têm almejado o desenvolvimento de sofisticados sistemas de gestão de desempenho, a fim de garantir aos gestores informações que possam efetivamente colaborar para os processos decisórios (SCHLÄFKE; SILVI; MÖLLER, 2012). A partir da década de 1990, o desempenho organizacional deixou de ser visto apenas sob a ótica financeira, sendo pesquisado por diversas perspectivas (ACITO; KHATRI, 2014). Dentre elas está o desempenho operacional, que neste estudo foi abordado conforme as quatro áreas em que se subdivide o SCOR: planejamento, fornecimento, execução e entrega. Assim, foram pesquisados os resultados obtidos pelas empresas de acordo com o processo decisório desempenhado em cada área da gestão da cadeia de suprimentos. Além da relação estabelecida entre BA e, consequentemente, entre as capabilidades analíticas (conforme abordado no item 2.1) e desempenho, Oliveira (2006) destaca que há uma associação positiva entre a maturidade de processos e os resultados de desempenho dos mesmos. Há indicação, então, que para a realização da gestão de processos na cadeia de suprimentos, faz-se necessário a utilização de modelos de maturidade como parâmetro para o desenvolvimento e aprimoramento destes processos (OLIVEIRA, 2006). Com isso depreende-se que quanto mais orientada por processos de negócio uma organização for, melhor será o seu desempenho em uma perspectiva global, e em uma perspectiva dos funcionários (ŠKRINJAR; VUKŠIC; ŠTEMBERGER, 2008). Dessa maneira, verifica-se a relevância da orientação por processos na estrutura organizacional, já que a capacidade de gerenciar e melhorar os processos de negócio passam a representar um importante determinante para o desempenho geral da empresa, contribuindo para a melhoria da eficiência empresarial através da coordenação de alto nível das atividades organizacionais (KOHLBACHER; GRUENWALD, 2011). Dessa maneira, havendo relação estabelecida e comprovada teoricamente através de outras pesquisas entre capabilidades analíticas e desempenho, e entre maturidade de processos e desempenho, buscou-se neste estudo investigar a relação existente entre esses três construtos, conforme abordado adiante. 3. MODELO DE PESQUISA O modelo de pesquisa (Figura 1) elaborado para este trabalho foi construído com o intuito de investigar a dimensão do impacto que as capabilidades analíticas de cada área do SCOR (planejamento, fornecimento, execução e entrega) causam no desempenho geral da cadeia de suprimentos. Adicionalmente, a análise também envolve identificar se a presença de processos dinâmicos na estrutura organizacional potencializa a relação existente entre capabilidades analíticas e desempenho da cadeia de suprimentos. O efeito moderador, por sua vez, só será comprovado, caso a inserção do construto processos dinâmicos revele-se significativo para as relações hipotetizadas descritas a seguir. 6/17

7 Figura 1- Modelo da Pesquisa Fonte: Elaborado pelos autores. Dessa forma, a partir do objetivo geral da pesquisa, apresentado na seção de introdução, delineou-se as respectivas hipóteses de pesquisa a serem testadas: H1: As Capabilidades Analíticas do SCOR impactam positivamente o Desempenho da Cadeia de Suprimentos; H2: Os Processos Dinâmicos impactam positivamente o Desempenho da Cadeia de Suprimentos; H3: Os Processos Dinâmicos moderam a relação entre as Capabilidades Analíticas do SCOR e o Desempenho da Cadeia de Suprimentos. 4. PERCURSO METODOLÓGICO A pesquisa do tipo survey, de enfoque descritivo e quantitativo, foi desenvolvida a partir de empresas com operações em diferentes países e continentes. A unidade de análise do estudo constituiu-se das áreas de operações e gestão de cadeias de suprimentos, enquanto que a unidade de observação incidiu-se sobre os profissionais-chave atuantes destas respectivas áreas. 7/17

8 No que tange ao questionário aplicado, foi utilizado como referência parte do modelo proposto por Oliveira (2009) que composto por um grupo de 41 perguntas, baseou-se na escala de Likert de 1 (um) a 5 (cinco) pontos. Esse modelo foi empregado dada a sua validade e consistência teórica em mensurar os construtos de interesse deste estudo, e bem como por já ter sido previamente testado. Os dados coletados, por conseguinte, foram tabulados em planilha eletrônica do Excel, sendo posteriormente validados estatisticamente através da modelagem de equações estruturais e da análise de caminho, a partir do software SmartPLS-SEM 3.0 (do inglês, Partial Least Squares). 4.1 Fonte e Coleta de Dados De posse dos dados iniciais, uma estimativa da variância da população foi calculada através da soma de todos os indicadores de capabilidades analíticas de cada respondente das áreas investigadas. A partir da estimativa da variância, a amostra foi então calculada, levando-se em consideração um nível de confiança de 1,96 e um erro de e= 9 pontos. Considerando o desviopadrão amostral obtido de 60,38, o tamanho da amostra pôde ser determinado mediante a aplicação da fórmula de tamanho de amostra para uma estimativa por intervalo de uma média da população (ANDERSON; SWEENEY; WILLIAMS, 2009), chegando-se a um valor de n= 173 respondentes. A amostra efetivamente utilizada no estudo correspondeu apenas aos questionários respondidos e que foram considerados válidos. A base de dados resultantes do tratamento dos dados perdidos, contendo 788 casos, teve 478 oriundos de respondentes de empresas brasileiras e 310 de empresas de outros países, como Estados Unidos, Canadá, Reino Unido e China. Vale destacar, que mesmo que a amostra fosse dividida em duas, uma composta apenas por respondentes de empresas brasileiras e a outra composta apenas por empresas de outros países, ainda assim ambas teriam atendido ao número mínimo de respondentes, conforme recomenda os critérios de Hair et al. (2014) para realização de testes através do algoritmo dos mínimos quadrados parciais. 4.2 Composição e Características da Amostra A aplicação de tal instrumento direcionou-se a profissionais-chave da área de operações e gestão de cadeias de suprimentos atuantes em empresas de distintos segmentos. Neste contexto, o perfil dos respondentes participantes da amostra compreendeu-se de presidentes, diretores, gerentes, consultores e/ou assistentes, conforme apresentado na Tabela 1. TABELA 1 - Quantidade de respondentes por perfil identificado. Presidente Diretor Gerente Consultor/Assistente TOTAL Nº. de Entrevistados Fonte: Elaborado com base nos dados da pesquisa. 8/17

9 E, ao analisar a variável referente à área de atuação das empresas nas quais os respondentes atuam (Gráfico 1), foi possível verificar que tais segmentos se concentraram respectivamente em: indústria de transformação; na categoria outros ; e na sequência empresas do setor de transporte, armazenagem e comunicação; seguida de alojamento e alimentação; e por último, no comércio. GRÁFICO 1 - Área de atuação das empresas que compuseram a amostra. Áreas de atuação das empresas Indústria de Transformação Transporte, Armazenagem e Comunicação Alojamento e Alimentação Fonte: Elaborado com base nos dados da pesquisa. Assim, ao avaliar os questionários aplicados, foi possível obter informações acerca dos entrevistados que compuseram a amostra deste estudo, conforme dados e números já explanados na Tabela 1 e no Gráfico 1. Finalmente, após o processo de coleta de dados, deuse início ao processo de análise e tratamento dos dados. 4.3 Tratamento dos Dados Comércio Outros 0,00% 20,00% 40,00% 60,00% Inicialmente, na modelagem de equações estruturais, a confiabilidade e a validade das variáveis devem ser estabelecidas. Para tanto, previamente deve-se realizar uma revisão de literatura completa e garantir uma razoável fundamentação teórica, para que se possa ser desenvolvido os testes (HAIR et al., 2014). Por conseguinte, há de se realizar os testes de mensuração para os modelos reflexivos e formativos, dada as peculiaridades do modelo construído. A abordagem, por sua vez, baseia-se em distintos testes e, por conseguinte, requer a consideração de diferentes medidas de avaliação. Logo, se a avaliação dos modelos de mensuração reflexivos e formativos fornecerem evidências de qualidade das medidas, então, poder-se-á realizar as estimativas para o modelo estrutural, e posteriormente verificar a significância do efeito moderador (HAIR et al., 2014). Assim, para a consecução do tratamento dos dados primários provenientes dos questionários - desenvolveu-se testes estatísticos através do software SmartPLS-SEM 3.0, a partir da mensuração dos modelos reflexivos, formativos e estrutural, de acordo com os estágios de validação do modelo teórico recomendados por Hair et al. (2014). Dessa maneira, através dos testes foi possível identificar e avaliar qual o impacto das capabilidades analíticas e dos 9/17

10 processos dinâmicos no desempenho da cadeia de suprimentos, e bem como se identificou o resultado do efeito moderador exercido pelos processos dinâmicos na relação existente entre os outros construtos investigados na pesquisa. 5. RESULTADOS E DISCUSSÕES 5.1 Modelagem de Equações Estruturais Inicialmente, o tratamento estatístico através da modelagem de equações estruturais foi empregado com o objetivo de validar a consistência do modelo conceitual delineado para este estudo, e bem como verificar a veracidade das relações hipotetizadas a fim de se depreender algumas reflexões conceituais e implicações empíricas para a realidade acadêmica e gerencial. Com isso, ao se desenvolver os referidos testes para validação do modelo de mensuração reflexivo, conforme critérios preconizados por Hair et al. (2014), a partir do método do PLS Algoritmo, observou-se que os valores de confiabilidade composta e alfa de cronbach atestam que os indicadores manifestos (d31, m16, p32, s15) do construto reflexivo Desempenho da Cadeia de Suprimentos possuem alta probabilidade de se constituírem em medidas válidas para a formação da construção, já que não medem igualmente o mesmo fenômeno. Já a confiabilidade composta encontrada, demonstrou estatisticamente que os indicadores reflexivos possuem alinhamento com a teoria relacionada, uma vez que, refletem assertivamente as conseqüências do Desempenho da Cadeia de Suprimentos em cada área do SCOR. Quanto à validade convergente, - ao nível dos indicadores e ao nível do construto (AVE) os valores indicam que os indicadores reflexivos realmente pertencem ao seu referido construto no modelo, e que tal construto é responsável por explicar mais da metade da variação dos seus indicadores, já que o seu AVE é superior a 0,50. E finalmente, no que tange à validade discriminante, observou-se que os indicadores reflexivos pertencem mais ao construto Desempenho da Cadeia de Suprimentos do que a qualquer outro construto do modelo de mensuração, uma vez que ele possui maior correlação consigo mesmo do que com qualquer outro construto do modelo quando comparado (teste Fornell-Larcker). Portanto, infere-se a partir dos resultados da Tabela 2, que todas as relações existentes entre o construto Desempenho da Cadeia de Suprimentos e seus indicadores manifestos são válidas a um nível de significância (p-valor) de 0,05. TABELA 2 - Valores dos testes para validação do modelo de mensuração reflexivo. LIMITE DE CORTE TESTES Desempenho da Cadeia de Suprimentos (HAIR et al., 2014) Confiabilidade Composta 0,873 >0,60 e <0,90 Alfa de Cronbach 0,806 >0,6 Validade Convergente 0,759 >0,708 AVE 0,632 >0,5 R² 0,722 - Fornell-Larcker 0,795 - Fonte: Elaborado pelos autores. 10/17

11 Não obstante, quanto ao modelo de mensuração formativo, identificou-se através do teste para colinearidade (Tabela 3) que todos os indicadores dos construtos formativos Planejamento, Fornecimento, Execução, Entrega, Práticas Colaborativas e Responsividade não são convergentes (iguais) e nem mensuram a mesma parte do modelo de maneira igual. O que denota um bom critério de qualidade para revelar a consistência teórica de tais indicadores para a formação dos construtos aos quais estão relacionados Capabilidades Analíticas do SCOR e Processos Dinâmicos. TABELA 3 Teste de Colinearidade para validação dos modelos formativos. CONSTRUTOS FORMATIVOS TESTES Valores Entrega Execução Fornecimento Planejamento Colinearidade Responsividade Práticas Colaborativas Fonte: Elaborado pelos autores. Todos os construtos ficaram dentro do limite de corte. LIMITE DE CORTE (HAIR et al., 2014) TOL >0,20 e VIF <0,5 Todavia, ainda através de outro método denominado Bootstrapping, foi possível apurar a relevância e a significância de cada conjunto de indicadores formativos para o seu construto correspondente. O teste, então, evidenciou por meio do resultado da estatística t que os indicadores: d12, d24, m7, p14, p20, e p22 apresentaram valores superiores ao nível de significância (0,05), ou seja, falhando em rejeitar a hipótese nula (H0), que afirma não ser possível existir diferença estatisticamente significativa entre os indicadores, o que na verdade, através de tal dimensão de análise espera-se o contrário. No entanto, tais indicadores formativos não foram retirados do modelo, uma vez que Hair et al. (2014, p. 158 e 161) recomenda que se a pesquisa previamente realizada e a teoria consultada fornecerem suporte para destacar a importância dos indicadores para formarem as variáveis latentes as quais se relacionam, então, eles devem permanecer no modelo construído. Quanto aos demais indicadores, todos eles ficaram dentro do nível de significância. Dessa forma, com os modelos de mensuração reflexivo e formativos validados, partiu-se para a avaliação dos testes do modelo estrutural (as relações diretas e indiretas entre os construtos latentes de natureza tanto exógena quanto endógena). Assim, ao analisar os valores de R² das variáveis endógenas, através do PLS Algoritmo, foi possível obter um valor de R² igual a 0,997. Logo, a partir deste dado pôde-se aferir que 99,7% da variância do construto endógeno Capabilidades Analíticas do SCOR é explicado pela variação em 1% dos construtos exógenos que compõem tal construto no modelo estrutural. O que denota um valor de R² satisfatório. 11/17

12 Não obstante, os construtos exógenos Práticas Colaborativas e Responsividade são responsáveis por explicarem 99,9% da variação que pode ocorrer no construto endógeno Processos Dinâmicos, denotando um R² também satisfatório. Com isso, se um gestor pretende desenvolver a orientação analítica dos processos empreendidos na cadeia de suprimentos e, por conseguinte, gerar bens e serviços dotados de valor e significado para seus clientes, se deverá empregar esforços para melhorar a qualidade das práticas e serviços inerentes aos construtos exógenos relacionados nesta pesquisa. Infere-se ainda que a variável endógena Capabilidades Analíticas do SCOR juntamente com a variável Processos Dinâmicos são responsáveis por impactar aproximadamente em 72,2% a variação do construto endógeno Desempenho da Cadeia de Suprimentos. Ou seja, isto revela que além do tamanho do impacto ser substancial próximo a 75%-, essas duas variáveis endógenas em conjunto explicam boa parte do comportamento que o Desempenho da Cadeia de Suprimentos pode assumir ao longo da rede. Assim, em uma decisão gerencial, por exemplo, a relevância deste dado consiste na organização ter condições de optar pelo investimento na promoção da prática analítica no interior da cadeia de suprimentos, e na inserção de processos de trabalho colaborativos e integrados na estrutura organizacional, uma vez que beneficiarão o desempenho de toda a cadeia, entregando assim, resultados satisfatórios tanto para o cliente quanto para o acionista. Por conseguinte, realizou-se o teste de significância da distribuição t, com 787 graus de liberdade e 5% de nível de significância através dos dados extraídos do Bootstrapping, e identificou-se que a hipótese H1: as capabilidades analíticas do SCOR impactam positivamente o desempenho da cadeia de suprimentos e a hipótese H2: os processos dinâmicos impactam positivamente o desempenho da cadeia de suprimentos, revelam-se ser significativas ao modelo estrutural, já que rejeitam a hipótese nula (H0). Com isso, pode-se depreender que ações analíticas empreendidas no trabalho desenvolvido na cadeia de suprimentos e, bem como o estabelecimento de processos responsivos e integrados contribuem para conferir bons resultados operacionais, permitindo alavancar o desempenho organizacional e a gerar valor ao longo da cadeia de suprimentos (BRONZO et al., 2013; OLIVEIRA; MCCORMACK; TRKMAN, 2012; TRKMAN et al., 2010; MCCORMACK; LADEIRA; OLIVEIRA, 2008) TABELA 4 Teste de significância dos coeficientes de caminho para o modelo estrutural. CONSTRUTOS Original Sample (O) Bootstrapping Mean (M) Standard Error (STERR) T Statistics ( O/STERR ) P Values Capabilidades Analíticas do SCOR 0,670 0,680 0,032 21,239 0,000 Entrega 0,261 0,259 0,038 6,882 0,000 Execução 0,363 0,364 0,042 8,673 0,000 Fornecimento 0,256 0,252 0,034 7,543 0,000 Planejamento 0,294 0,296 0,038 7,683 0,000 Processos Dinâmicos 0,214 0,208 0,033 6,421 0,000 Práticas Colaborativas 0,657 0,655 0,040 16,379 0,000 12/17

13 Responsividade 0,516 0,515 0,042 12,212 0,000 Fonte: Elaborado pelos autores. 5.2 Resultado do teste para o efeito moderador Finalmente, após realizar os testes exigidos pelo PLS-SEM nos modelos de mensuração e no modelo estrutural, desenvolveu-se os testes para obter a significância do efeito moderador do construto Processos Dinâmicos. A abordagem adotada para se obter o resultado do efeito moderador é a de dois estágios (do inglês, two-stages). Hair et al. (2014, p.263 e 264) recomenda a utilização deste critério toda vez que um construto moderador se caracterizar como contínuo e de natureza formativa, como é peculiarmente o caso do construto de moderação processos dinâmicos - adotado neste estudo. Portanto, com base nos valores obtidos através do PLS Algoritmo e do Bootstrapping (HAIR et al., 2014, p. 275 e 276) conforme Tabela 5 - pôde-se constatar que o efeito moderador desempenhado pelo construto Processos Dinâmicos não é significativo quando inserido na relação que se estabelece entre os construtos Capabilidades Analíticas do SCOR e o Desempenho da Cadeia de Suprimentos. Logo, a afirmativa da hipótese H3: os processos dinâmicos moderam a relação entre capabilidades analíticas do SCOR e desempenho da cadeia de suprimentos, é então, rejeitada. TABELA 5 - Valores dos testes para determinação da significância do efeito moderador. Interaction Effect: Processos Dinâmicos (Two Stage) -> Capabilidades Analíticas do SCOR PLS Algorítmo (path coeficients) -0,011 Bootstrapping (p-value) 0,489 Fonte: Elaborado pelos autores. Desse modo, conclui-se que as vantagens obtidas pela organização através da condução de práticas analíticas não são potencializadas com a presença de processos dinâmicos em sua estrutura organizacional, ou seja, possivelmente exista níveis de maturidade mais baixos em que esta relação se faça significativa, contribuindo para a organização alavancar as suas capabilidades analíticas em busca de desempenhos satisfatórios. Isto não quer dizer que os processos dinâmicos não sejam relevantes e importantes na estrutura organizacional, porque são. No entanto, este nível já se encontra com o seu grau de contribuição saturado, ou seja, neste patamar de maturidade não há mais efeito significativo para alavancar o impacto que as capabilidades analíticas de cada área do SCOR poderão produzir no desempenho da cadeia de suprimentos. Não obstante, tal dimensão de análise nos revela algumas outras constatações, por exemplo, que a presença de processos altamente maduros na estrutura organizacional não interfere na forma como as capabilidades analíticas do SCOR impactarão o desempenho geral das organizações que pertencem a uma mesma cadeia, embora os testes tenham revelado que os 13/17

14 processos baseados em práticas colaborativas e responsivas conferem um impacto positivo e significativo no desempenho da cadeia de suprimentos. E ainda que, neste estágio de maturidade de processos, a organização não poderá captar maiores vantagens das capabilidades analíticas em busca de melhores resultados de desempenho. Assim, indubitavelmente verifica-se, que o efeito de moderação torna-se possivelmente significativo para esta relação (entre Capabilidades Analíticas do SCOR e Desempenho da Cadeia de Suprimentos) num contexto onde haja a presença de outros estágios e/ou níveis de maturidade de processos. 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS O desenvolvimento deste artigo seguiu as recomendações da literatura visando a cumprir com rigor as etapas metodológicas, bem como atender ao objetivo a que se propos. Contudo, limitações do estudo podem ser apontadas, como a impossibilidade de generalização dos resultados encontrados para empresas mundiais com características semelhantes às estudadas. Tal fator, no entanto, não desqualifica a amostra que, composta por 788 respondentes, é um universo significante e suficiente para o desenvolvimento dos testes estatísticos realizados e apresentados acima. De cunho quantitativo, o estudo apresenta também restrições quanto a uma análise qualitativa dos quesitos pesquisados. Caso tivesse sido possível tal tipo de análise, resultados mais explicativos e detalhados possivelmente seriam obtidos. Como por exemplo, a compreensão do porque o nível de maturidade Processos Dinâmicos não impacta significativamente a relação existente entre os construtos Capabilidades Analíticas do SCOR e Desempenho da Cadeia de Suprimentos. Embora seja esta uma restrição reconhecida, a proposta de realizar uma pesquisa quantitativa foi atendida dentro dos critérios estatísticos, bem como realizada a validação do modelo conceitual proposto e a veracidade das relações hipotetizadas. A partir dos resultados encontrados com os testes do software SmartPLS-SEM 3.0 constatouse que 72,2% da variação do Desempenho da Cadeia de Suprimentos é explicado pela junção dos construtos Capabilidades Analíticas do SCOR e Processos Dinâmicos. Tal variação, equivalente a quase ¾ da variação total, denota um impacto alto e satisfatório. Logo, decisões gerenciais que visem alavancar os resultados de desempenho, deverão monitorar e desenvolver práticas analíticas nas operações da cadeia de suprimentos, tais práticas, por sua vez, devem incidir sobre processos de trabalho desempenhados conjuntamente entre as diferentes áreas da empresa, principalmente naquelas direcionadas ao planejamento e à programação do tempo de entrega dos fornecedores. Ainda conforme os resultados, obteve-se que as hipóteses 1 e 2 apresentadas são consideradas significativas ao modelo estrutural, já que não foram refutadas. Com isso, conclui-se que as Capabilidades Analíticas do SCOR impactam positivamente o Desempenho da Cadeia de 14/17

15 Suprimentos, bem como os Processos Dinâmicos contribuem para impactar positivamente o Desempenho da Cadeia de Suprimentos. Todavia, a partir dos testes, a hipótese 3 foi rejeitada. Tal constatação revela que o construto Processos Dinâmicos não exerce efeito de moderação na relação entre as Capabilidades Analíticas do SCOR e o Desempenho da Cadeia de Suprimentos. Assim, estar no último nível de maturidade de processos do modelo SCM3, em que estão envolvidos as práticas colaborativas e a responsividade (OLIVEIRA, 2009), demonstra não ser significante para que as capabilidades analíticas tenham maior impacto no desempenho da cadeia de suprimentos. Dessa forma, verifica-se que estudos posteriores poderão comprovar se a relação entre Capabilidades Analíticas do SCOR e Desempenho da Cadeia de Suprimentos é moderada por algum dos outros estágios de maturidade de processos verificados no modelo SCM3, ou mesmo, até que nível de maturidade a moderação acontece e porque, e com isso, constatar como é possível ampliar o aproveitamento das capabilidades analíticas na cadeia de suprimentos, potencializando assim, o desempenho. 7. REFERÊNCIAS ACITO, F.; KHATRI, V. Business analytics: Why now and what next? Business Horizons, v. 57, n. 5, p , jul ANDERSON, D. R.; SWEENEY, D. J.; WILLIAMS, T. A. Essentials of Statistics for Business and Economics. 5th. ed. Mason, OH: Thomson, APICS. Apics Supply Chain Council. Disponível em <http://apics.org/sites/apics-supply-chaincouncil>. Acesso em 23 de dezembro de BRONZO, M. B.; RESENDE, P. T. V. de; OLIVEIRA, M. P. V. de; MCCORMACK, K.; SOUZA; P. R. de; FERREIRA, R. L. Gestão de processos, indicadores analíticos e impactos sobre o desempenho competitivo em grandes e médias empresas brasileiras dos setores da indústria e de serviços. Revista Gestão & Produção, v. 19, n. 2, p , BRONZO, M.; RESENDE, P. T. V.; OLIVEIRA, M. P.V. de; MCCORMACK, K.; SOUSA, P. R de; FERREIRA, R. L. Improving performance aligning business analytics with process orientation. International. Journal of Information Management 33, , DAVENPORT, T. H.; HARRIS, J. G.; DE LONG, D. W.; JACOBSON, A. L. Data to knowledge to results: building an analytic capability. Institute for Strategic Change, n. June 2000, p. 1 49, DAVENPORT, T. H. The coming commoditization of processes. Harvard Business Review, p , DAVENPORT, T. H.; HARRIS, J. G. Competing on analytics: The new science of winning. Boston, MA: Harvard Business School, EMBLEMSVÅG, J. Business analytics: getting behind the numbers. International Journal of Productivity and Performance Management, v. 54, n. 1, p , 1 jan /17

16 HAIR JR., J; HULT, G.; RINGLE, C.; SARSTEDT, M. A primer on partial least squares structural equation modeling (PLS-SEM). 1. ed. California: SAGE publications, p , HOLSAPPLE, C.; LEE-POST, A.; PAKATH, R. A unified foundation for business analytics. Decision Support Systems, v. 64, p , jun KLATT, T.; SCHLÄFKE, M.; MÖLLER, K. Integrating business analytics into strategic planning for better performance, in: Journal of Business Strategy, Vol. 32, No. 6, pp , LOCKAMY, A.; MCCORMACK, K. The development of a supply chain management process maturity model using the concepts of business process orientation. Supply Chain Management: An International Journal, v. 9, n. 4, p , KOHLBACHER, M.; GRUENWALD, S. Process orientation: conceptualization and measurement. Business Process Management Journal, v. 17, n. 2, p , MCCORMACK, K.; JOHNSON, W.; WALKER, W. Supply chain networks and business process orientation: advanced strategies and best practices. APICS series on resource management. CRC Boca Raton: Press LLC, MCCORMACK, K.; LADEIRA, M. B.; OLIVEIRA, M. P. V. de. Supply chain maturity and performance in Brazil. Supply Chain Management: An International Journal, v. 13, n. 4, p , NETLAND, T. H.; ALFNES, E.; FAUSKE, H. How mature is your supply chain? A supply chain maturity assessment test. Ankara: Euroma, p , O DWYER, J.; RENNER, R. The Promise of Advanced Supply Chain Analytics. Supply Chain Management Review 15: 32 37, OLIVEIRA, M. P. V. de. Análise estrutural de construtos e relacões entre maturidade e desempenho logístico f. Dissertação (Mestrado em Administração) Centro de Pós- Graduação e Pesquisas em Administração, Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais, OLIVEIRA, M. P. V. de. Modelo de Maturidade de Processos em Cadeias de Suprimentos: Precedências e os Pontos-Chave de Transição f. Tese (Doutorado em Administração) Centro de Pós- Graduação e Pesquisas em Administração, Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais, OLIVEIRA, M. P. V. DE; MCCORMACK, K.; TRKMAN, P. Business analytics in supply chains The contingent effect of business process maturity. Expert Systems with Applications, v. 39, n. 5, p , abr SCHLÄFKE, M.; SILVI, R.; MÖLLER, K. A framework for business analytics in performance management. International Journal of Productivity and Performance Management, v. 62, n. 1, p , 30 nov ŠKRINJAR, R.; VUKŠIC, V. B.; ŠTEMBERGER, M. The impact of business process orientation on financial and non financial performance. Business Process Management Journal, Vol. 14 Iss: 5, pp , /17

17 SOUZA, G. C. Supply chain analytics. Business Horizons, v. 57, p , TRKMAN, P.; MCCORMACK, K.; OLIVEIRA, M. P. V. de; LADEIRA, M. B. The impact of business analytics on supply chain performance. Decision Support Systems 49, , /17

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

6 Resultados e Conclusões

6 Resultados e Conclusões 6 Resultados e Conclusões Esta tese começou com a apresentação da importância das PMEs de manufatura para o desenvolvimento econômico-regional, focalizando especialmente o setor de alimentos e bebidas.

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Classificações dos SIs

Classificações dos SIs Classificações dos SIs Sandro da Silva dos Santos sandro.silva@sociesc.com.br Classificações dos SIs Classificações dos sistemas de informação Diversos tipo de classificações Por amplitude de suporte Por

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais,

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços Consultoria de resultados MOTIVAÇÃO EM GERAR Somos uma consultoria de resultados! Entregamos muito mais que relatórios. Entregamos melhorias na gestão, proporcionando aumento dos

Leia mais

Visão estratégica para compras

Visão estratégica para compras Visão estratégica para compras FogStock?Thinkstock 40 KPMG Business Magazine Mudanças de cenário exigem reposicionamento do setor de suprimentos O perfil do departamento de suprimentos das empresas não

Leia mais

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Ataíde Braga Introdução A aquisição de bens e serviços a serem utilizados na produção e na revenda de produtos

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Engenharia de Sistemas

Engenharia de Sistemas UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Engenharia de Sistemas Prof Luís César da Silva, Dr UFES/CCA Conceitos Necessários! Engenharia! Sistema Agroindustriais! Técnicas de Modelagem! Cadeia Produtiva Supply

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

Métodos qualitativos:

Métodos qualitativos: Métodos AULA 11 qualitativos: Pesquisa-Ação Quando iniciou-se a pesquisa-ação? Para Susman e Evered (1978), o termo pesquisa-ação foi introduzido por Kurt Lewin em 1946 para denotar uma abordagem pioneira

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

A Sustentabilidade na perspectiva de gestores da qualidade

A Sustentabilidade na perspectiva de gestores da qualidade A Sustentabilidade na perspectiva de gestores da qualidade Realização Patrocínio Objetivo da pesquisa Captar a perspectiva dos gestores e professores de gestão da qualidade sobre: 1. Os conceitos de sustentabilidade

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com 1. Introdução Após décadas de incontáveis promessas sobre como aumentar à produtividade e qualidade de software,

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores O Planejamento Estratégico deve ser visto como um meio empreendedor de gestão, onde são moldadas e inseridas decisões antecipadas no processo

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos

Gestão por Processos. Gestão por Processos Gestão por Projetos. Metodologias Aplicadas à Gestão de Processos Gestão por Processos Gestão por Projetos Gestão por Processos Gestão de Processos de Negócio ou Business Process Management (BPM) é um modelo de administração que une gestão de negócios à tecnologia da

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

w w w. y e l l o w s c i r e. p t

w w w. y e l l o w s c i r e. p t consultoria e soluções informáticas w w w. y e l l o w s c i r e. p t A YellowScire iniciou a sua atividade em Janeiro de 2003, é uma empresa de consultoria de gestão e de desenvolvimento em tecnologias

Leia mais

Apresenta-se a seguir, a conclusão referente aos objetivos específicos e, em seguida, ao objetivo geral:

Apresenta-se a seguir, a conclusão referente aos objetivos específicos e, em seguida, ao objetivo geral: 7. Conclusão A conclusão do trabalho de pesquisa, exposto através desta dissertação, perpassa por duas vertentes. A primeira está relacionada aos objetivos traçados no início do desenvolvimento da pesquisa,

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações.

Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Supply Chain Finance 2011 Supply Chain Finance 2011 3 Supply Chain Finance 2011 Um olhar sobre a implantação do conceito de integração financeira na cadeia de suprimentos das organizações. Autor: Vanessa

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Inscrições Abertas: Início das aulas: 28/03/2016 Término das aulas: 10/12/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30 Semanal Quarta-Feira

Leia mais

Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO

Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO o Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO O intuito deste estudo é analisar os critérios de avaliação da viabilidade técnica e econômica dos projetos

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

Pesquisa de Marketing

Pesquisa de Marketing Pesquisa de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 Pesquisa de Marketing no SMG Obrigado por seu interesse na área de Pesquisa de Marketing do SMG! Este material detalha a abordagem que o SMG utiliza

Leia mais

E-Book! O que é Inbound Marketing?

E-Book! O que é Inbound Marketing? E-Book! O que é Inbound Marketing? E-Book O que é Inbound Marketing? Estamos em um período de transição de modelos mentais e operacionais entre o Marketing Tradicional e o Inbound Marketing. Este e-book

Leia mais

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Desafios a serem superados Nos últimos anos, executivos de Tecnologia de Informação (TI) esforçaram-se em

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações 5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações O presente trabalho tem caráter descritivo-exploratório e portanto não tem o intuito de se chegar a conclusões definitivas, sendo sua principal contribuição a

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa Escolher o tipo de pesquisa a ser utilizado é um passo fundamental para se chegar a conclusões claras e responder os objetivos do trabalho. Como existem vários tipos

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA.

XVIII JORNADA DE ENFERMAGEM EM HEMODINÂMICA. . Qualificando o desempenho operacional utilizando ferramentas de Tecnologia de Informação. sfl.almada@gmail.com Enfª Sueli de Fátima da Luz Formação: Bacharel em Enfermagem e Obstetrícia Universidade

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

Implementação Estratégica da TI com foco nos Negócios

Implementação Estratégica da TI com foco nos Negócios Implementação Estratégica da TI com foco nos Negócios Projeto para a disciplina Sistemas de Informação Gerencial Curso: MBA em Gestão e Negócios UNIMEP Elaborada por: Profº. Ms Flávio Ibelli Callegari

Leia mais

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. Justificativa O tema estudado no presente trabalho é a expansão de habitações

Leia mais

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA

TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA TÍTULO: IMPLANTAÇÃO DE SGQ ISO 9001 NO BRASIL: UM ESTUDO SOBRE O SERVIÇO DE CONSULTORIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Análise de Maturidade de Governança

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Gestão de Fornecedores

Gestão de Fornecedores Treinamento Presencial: Gestão de Fornecedores Data: 20 de Maio de 2015 Carga horária: 8 horas Local: São Paulo/ SP Procurement Business School Quem somos: Procurement Business School é a mais completa

Leia mais

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Uma boa gestão de estoques comprova sua importância independente do segmento em questão. Seja ele comércio, indústria ou serviços, o profissional que gerencia

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

WHITEPAPER EXPORTE MAIS COM A AJUDA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

WHITEPAPER EXPORTE MAIS COM A AJUDA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO WHITEPAPER EXPORTE MAIS COM A AJUDA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ONDE HÁ CRISE HÁ OPORTUNIDADES ATUALMENTE EMPRESAS PASSAM POR DIFICULDADES EM GARANTIR O CRESCIMENTO QUANDO VOLTADO SOMENTE AO MERCADO INTERNO.

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

A competitividade de um país não começa nas indústrias ou nos laboratórios de engenharia. Ela começa na sala de aula.

A competitividade de um país não começa nas indústrias ou nos laboratórios de engenharia. Ela começa na sala de aula. 1 Introdução 1.1. Apresentação do Tema A competitividade de um país não começa nas indústrias ou nos laboratórios de engenharia. Ela começa na sala de aula. (Lee Iacocca) As inovações estão transformando

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO

INDICADORES DE DESEMPENHO INDICADORES DE DESEMPENHO Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, não há sucesso no que não se gerencia. (E. Deming) Os indicadores são ferramentas

Leia mais

Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização

Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização 15 DE MAIO DE 2014 Hotel Staybridge - Sao Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO BRONZE APOIO REALIZAÇÃO Desafios para a Implementação por Processos

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

Conceitos básicos em Monitoramento e Avaliação. Professor: Marconi Fernandes de Sousa Período: Julho de 2013.

Conceitos básicos em Monitoramento e Avaliação. Professor: Marconi Fernandes de Sousa Período: Julho de 2013. Conceitos básicos em Monitoramento e Avaliação Professor: Marconi Fernandes de Sousa Período: Julho de 2013. Sistemas de Monitoramento e Avaliação Pode ser entendido, em sentido lato, como o conjunto de

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos.

Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fornecendo Inteligência, para todo o mundo, a mais de 20 anos. Fundada em 1989, a MicroStrategy é fornecedora líder Mundial de plataformas de software empresarial. A missão é fornecer as plataformas mais

Leia mais

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa?

www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? www.pwc.com.br Como melhorar a gestão da sua empresa? Como melhorar a gestão da sua empresa? Melhorar a gestão significa aumentar a capacidade das empresas de solucionar problemas. Acreditamos que, para

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion Governança de TI Importância para as áreas de Auditoria e Compliance Maio de 2011 Page 1 É esperado de TI mais do que deixar o sistema no ar. Page 2 O que mudou o Papel de TI? Aumento de riscos e de expectativas

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: O

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: O IV Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade: Negócios Sociais e seus Desafios 24 e 25 de novembro de 2015 Campo Grande-MS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais