XII MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL: PRESSUPOSTO PARA O EXERCÍCIO DO CONTROLE SOCIAL SOBRE OS SERVIÇOS DE SANEAMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XII-017 - MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL: PRESSUPOSTO PARA O EXERCÍCIO DO CONTROLE SOCIAL SOBRE OS SERVIÇOS DE SANEAMENTO"

Transcrição

1 XII MOBILIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL: PRESSUPOSTO PARA O EXERCÍCIO DO CONTROLE SOCIAL SOBRE OS SERVIÇOS DE SANEAMENTO ANA ELISABETH MACHADO LINS Currículo: Assistente Social com especialização em Saúde Pública pela UNAERP/SP (Universidade de Ribeirão Preto/São Paulo); Diretora do Departamento de Educação Sanitária e ambiental da Secretaria de Saneamento da Prefeitura do Recife; RAINELDES AGDA ALVES DE MELO Currículo: Assistente Social; Diretora de Articulação Intersetorial e Social da Secretaria de Saneamento/Prefeitura do Recife (PE), Consultora na área de Mobilização Social e Educação Sanitária e Ambiental do Programa de Melhoria do Saneamento Básico no Estado de Pernambuco KfW/Compesa, Mestra em Serviço Social (UFPE 2000), atuando na área de Políticas Públicas, especificamente na Política de Saneamento. HERMELINDA ROCHA Currículo: Assistente Social; especialização em desenvolvimento de comunidade pela universidade Federal de Pernambuco; Diretora Geral de Articulação Intersetoria l e Comunitária da Secretaria de Saneamento da Prefeitura do Recife. MARIA DE FÁTIMA ARAÚJO DE OLIVEIRA Currículo: Assistente Social com especialização em políticas Públicas e Gestão de Serviços Sociais pela Universidade Federal de Pernambuco; especialização em Educação Ambiental pela UPE (Universidade de Pernambuco); Diretoria de diretoria de Mobilização Comunitária e Educação Sanitária e Ambiental da Secretaria de Saneamento da Prefeitura do Recife. Apresentação:

2 HERMELINDA ROCHA Currículo: Assistente Social; especialização em desenvolvimento de comunidade pela universidade Federal de Pernambuco; Diretora Geral de Articulação Intersetorial e Comunitária da Secretaria de Saneamento da Prefeitura do Recife. RESUMO Este trabalho aborda a participação popular enquanto exercício primordial para a consecução dos objetivos do controle social sobre os serviços de saneamento e as especificidades do processo participativo quando da execução do Projeto Piloto de Saneamento Integrado (Abastecimento de Água, Esgotamento Sanitário, Pavimentação e Drenagem, Instalações e Melhorias Hidro-Sanitárias Domiciliares, Melhorias Urbanísticas, Melhorias Habitacionais (remoção e relocação de habitações) e Educação Sanitária Ambiental), nos bairros de Mangueira e Mustardinha atendendo a um total de moradores. Ressaltamos que esta metodologia também esta sendo implementada em outras áreas de intervenção definidas pelo Orçamento Participativo, quais sejam: Vila Santa Luzia, Santo Amaro e Roda de Fogo. Esta metodologia de intervenção é desenvolvida, considerando as especificidades do processo de execução das obras físicas de saneamento, tendo como meio a mobilização social e como fim o envolvimento da população no processo de construção da participação para a efetivação do controle social e a instrumentalização da população, no sentido de formar a consciência cidadã e de criar espaços para que se exerça a cidadania ativa, incluindo o fortalecimento de organizações sociais, e ampliando a participação popular na administração do bem público e as ações de Educação Sanitária Ambiental, voltadas a sustentabilidade dos sistemas implantados. PALAVRAS-CHAVES: Mobilização Comunitária, Participação Popular e Controle Social. INTRODUÇÃO Até bem pouco tempo os serviços de saneamento, quando oferecidos, estavam dissociados de qualquer tipo de ação educativa e/ou participativa da sociedade. A partir dos anos 80, no entanto, a presença de representações das comunidades, organizações e instituições da sociedade civil passam a adquirir importância crescente, ora pela necessidade de se buscar soluções alternativas de atendimento, ora com ênfase em um processo de construção da cidadania, mas de uma forma ou de outra, deflagrando a necessidade de se considerar o envolvimento da população nas soluções e, conseqüentemente, o comprometimento com as mesmas.

3 Assim sendo, a participação popular é compreendida como pressuposto indispensável para a efetivação do controle social sobre a gestão dos serviços de saneamento, a ser fomentada através de processos de mobilização social que promoverá desde o acompanhamento e supervisão de atividades relativas ao planejamento, diretrizes e avaliação da Política Municipal do setor, bem como nas ações específicas de acompanhamento da execução das obras físicas e da prestação dos serviços de operação / manutenção dos sistemas. Desta forma, na primeira parte deste trabalho abordaremos dos princípios do processo participativo, enquanto exercício primordial para a consecução dos objetivos do controle social sobre os serviços de saneamento. Na segunda parte apresentaremos a metodologia de intervenção social a partir do desenvolvimento das ações de Mobilização Comunitária, partindo dos princípios aludidos anteriormente e voltados à adesão gradativa da comunidade no processo de execução da obra, tendo como finalidade a sustentabilidade dos sistemas implantados, promovendo a articulação de ações entre os atores envolvidos no processo. PRIMEIRA PARTE: PRINCÍPIOS DO PROCESSO PARTICIPATIVO A formação da consciência cidadã será estabelecida através da inserção dos indivíduos no processo de discussão, decisão, acompanhamento e avaliação das ações implementadas pelo Poder Público. A execução das ações implica, no contexto amplo, na discussão política das prioridades e dos papéis e responsabilidades dos atores envolvidos, e, no contexto específico da execução das políticas implica no desenvolvimento de metodologias participativas desde o planejamento, execução, discussão da prestação dos serviços (operação e manutenção), bem como na avaliação permanente dos processos instituídos para a implementação da obra física. Tendo como eixo a instalação plena do exercício democrático, a mobilização se constitui de fato em um dos principais instrumentos no exercício da democracia participativa. Nesse sentido, a metodologia desenvolvida contempla: O envolvimento do Poder Legislativo; O estímulo à participação popular através do fortalecimento e ampliação dos canais institucionais de representação popular - Orçamento Participativo; - Fórum do PREZEIS; - Conselho de Meio Ambiente; - Conselho de Desenvolvimento Urbano;

4 - Conselho Municipal de Saúde; - Associações Locais; A criação das Comissões de Acompanhamento das Obras; As Assembléias do Saneamento Integrado; A efetivação do controle social, tendo como princípios as deliberações da Conferência (Conferência Municipal de Saneamento, Conselho Municipal de Saneamento Ambiental e Fundo Municipal de Saneamento). Co-responsabilidade na constituição dos direitos e deveres dos atores envolvidos: Poder Governamental e Sociedade Civil; Intersetorialidade desenvolver ações integradas com os setores dos Poderes Executivo e Legislativo a nível Municipal, Estadual e Federal; Organizações Não-Governamentais; entidades Privadas; Movimentos Sociais. Descentralização das informações nas áreas de atuação; e Sustentabilidade dos serviços implantados. Ressaltamos que este movimento de envolver-se, geralmente não ocorre espontaneamente. Faz-se necessário o estímulo à inserção das populações nos Programas a elas destinados, de modo que, o fazer coletivo contribua, através do engajamento, para efetividade das políticas implementadas, bem como da consolidação da cidadania. Neste sentido, destacamos a importância do desenvolvimento de ações de mobilização comunitária e educação sanitária e ambiental quando da intervenção em saneamento. As mudanças cotidianas na relação do individuo com o meio ambiente só são possíveis quando lhe é dada à oportunidade de ter acesso a informações relevantes das conseqüências de sua ação frente ao mesmo, e assim, contribuir no enfrentamento dos problemas, em busca de soluções. A Mobilização Social é o primeiro passo que as pessoas realizam para que se sintam responsáveis e capazes de provocar e construir mudanças. Este processo pressupõe, portanto, a necessidade do fortalecimento de espaços de exercício da cidadania: "... a participação é o próprio processo de criação do homem ao pensar e agir sobre os desafios da natureza e sobre os desafios sociais, nos quais ele próprio esta situado. Como tal é um processo dinâmico e contraditório. Por esse ângulo, a participação longe de ser política de reprodução de ordem é, sobretudo uma questão social à medida que as próprias contradições sociais desafiam o homem como ser criador e este toma consciência de sua realidade social e assume posições de desafio e enfrentamento".(souza; 1996). Portanto, participação é um direito de cidadania, aqui tratada como um instrumento de engajamento / comprometimento com as soluções pactuadas. Contudo, esse pacto só é

5 possível quando se despertar novos interesses e necessidades, contribuindo para desvendar as causas e conseqüências da realidade social. Desta forma, a Mobilização Social é a base para a obtenção de importantes resultados. Quando a Gestão Pública, Instituições, Sociedade Civil e População em geral agregam esforços para a resolução de diferentes problemas, potencializam as mudanças. Tais mudanças devem sustentar-se na discussão dos problemas e encaminhamento conjunto das soluções. É necessário propiciar a realização de planos de desenvolvimento sustentável, envolvendo a comunidade, na perspectiva de convergir interesses e ações para a efetiva superação da situação-problema. Para este fim, devem-se executar atividades que tenham como objetivo envolver/informar/discutir/pactuar com o maior número de pessoas as ações a serem desenvolvidas pelo Programa, bem como a forma de seu desenvolvimento, envolvendo desde lideranças comunitárias e entidades da sociedade civil, considerados agent es facilitadores e multiplicadores indispensáveis no desenvolvimento de ações desta natureza, até a população em geral, sendo esta metodologia de intervenção apresentada a seguir. SEGUNDA-PARTE: METODOLOGIA DA INTERVENÇÃO SOCIAL A metodologia da intervenção do projeto piloto do Saneamento Integrado nas áreas de Mangueira e Mustardinha, parte dos princípios participativos abordados anteriormente e prima pela mobilização social voltada a adesão da comunidade no processo de execução da obra e o desenvolvimento de ações de Educação Sanitária Ambiental visando a manutenção e sustentabilidade dos sistemas implantados. Portanto, partimos do princípio do envolvimento/engajamento da população no processo de construção coletiva de soluções/pactos, trabalhando a que stão da responsabilidade coletiva sobre os serviços oferecidos, ou seja, o comprometimento de todos com a sustentabilidade dos sistemas de saneamento implantados e por fim, definindo formas de gestão dos serviços que contemplem as soluções a nível local, com o envolvimento da comunidade e do poder público. Neste cenário o Modelo Potencializador de relação entre as ações físicas, ações sociais e participação popular realiza-se através: ações planejadas e integradas, ênfase na obra social, a comunidade vista como co-responsável no processo. A Mobilização Social é a base para a eficácia de todo o Programa, uma vez que é o momento de convocação à população para envolver-se e engajar-se no mesmo. Ela se inicia antes da execução das obras, perpassa toda a construção e continua após a conclusão, no monitoramento do uso adequado. Ocorrerá conforme as ações a serem desenvolvidas para cada área de intervenção, instituindo canais de participação permanente, que se integram a outros canais ampliados de participação já existentes, representados no diagrama abaixo:

6 AÇÕES DE MOBILIZAÇÃO COMUNITÁRIA A Mobilização Social como visto representa a base para a eficácia de todo o Projeto, uma vez que é o momento de convocação à população para envolver-se e engajar-se no mesmo. Ela se inicia antes da execução das obras, perpassa toda a construção e continua após a conclusão, no monitoramento do uso adequado. Ocorrerá conforme as ações a serem desenvolvidas para cada área de intervenção, instituindo canais de participação permanente que se integram a outros canais ampliados de participação já existentes (Fórum do PREZEIS, Fórum de Delegados do Orçamento Participativo, entre outros). Neste contexto, são desenvolvidas as seguintes ações: DIVULGAÇÃO DAS AÇÕES DO PROJETO Esta ação tem como finalidade divulgar o Projeto e despertar o interesse da comunidade levando as pessoas a conhecerem mais detalhadamente sobre o que se pretende fazer e quais as melhorias previstas. De acordo com as características locais deverão ser definidos os meios e instrumentos de comunicação que veiculem da melhor forma possível o conteúdo das ações do Projeto. ARTICULAÇÃO COM LIDERANÇAS LOCAIS Esta ação sugere uma atividade de caráter estratégico/operacional e objetiva sensibilizar pessoas que tenham influência legitimada na comunidade, no sentido de favorecer a boa receptividade ao Projeto. As atividades deverão estar voltadas para a articulação das lideranças locais (formais e informais), reconhecendo-as como agentes reeditores e, também para o fortalecimento das entidades representativas da comunidade. ASSEMBLÉIAS DO SANEAMENTO INTEGRADO Objetiva apresentar e discutir com a comunidade as ações a serem desenvolvidas no Projeto, ressaltando a importância de sua participação na definição de respo nsabilidades com o Poder Público, bem como se caracteriza como um espaço de prestação de contas das ações implementadas incorporando o cronograma físico e financeiro. As Assembléias Gerais do Saneamento Integrado serão realizadas bimestralmente nas áreas, com a participação de representantes dos Gestores Públicos envolvidos, de segmentos representativos da sociedade civil e população em geral. Para a mobilização dos moradores deve-se disponibilizar meios de comunicação de massa (recursos áudio-visuais, abordagem porta-a-porta, material informativo) suficientes para garantir a divulgação da ação.

7 INSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES DE ACOMPANHAMENTO DO SANEAMENTO INTEGRADO A Comissão de Acompanhamento do Saneamento Integrado (CASI) constitui-se de um colegiado de caráter provisório, integrante da estrutura do Projeto, tendo como principais competências: Acompanhar o desenvolvimento das ações do Saneamento Integrado desenvolvidas nas áreas de intervenção, primando pela melhor qualidade dos serviços; Participar do desenvolvimento dos trabalhos de Mobilização Comunitária e divulgação das ações do Projeto; Estimular a participação popular nas ações do Projeto, envolvendo os moradores enquanto co-responsáveis pela garantia da qualidade e sustentabilidade dos serviços; Participar do desenvolvimento dos trabalhos de Educação Sanitária e Ambiental; Promover reuniões periódicas para discussão e votação de propostas voltadas ao pleno desenvolvimento das ações do Projeto; Repassar informações sobre o Projeto para a comunidade em geral e suas respectivas representações. A referida Comissão reúne-se-á ordinariamente uma vez por mês ou extraordinariamente quando necessário, cabendo a equipe social acompanhar os encaminhamentos definidos nas reuniões, bem como articular sua realização quando do envolvimento de atores externos ao processo. INSTITUIÇÃO DE REPRESENTANTES DE RUAS ELEITOS

8 Quando do início das obras físicas a equipe social promove atividades de esclarecimentos à população beneficiada sobre: Dados relacionados a obra (nº de casas e moradores benefiados, projeto de construção, mecanismos de fiscalização da obra, empresa responsável pela construção, prazo de execução, valor financeiros, etc); Estabelecimento de acordos prévios para minimizar os desconfortos gerados quando da execução da obra; Apresentação de programas institucionais afins. Promoção de eleição dos representantes dos moradores para acompanhar a fiscalização das obras. Mobilização é realizada através de abordagens porta-a-porta e a eleição através de aclamação. Depois de eleitos os referidos representantes passarão por capacitações periódicas e participaram das reuniões semanais de visita às obras. Estes representantes são tidos como referência para as negociações necessárias ao bom andamento da execução das obras e monitoramento da equipe técnica. VISITAS DE ACOMPANHAMENTO AS OBRAS Promover o controle social sobre os serviços prestados pelo Poder Público é o maior objetivo desta atividade. Este espaço de participação possibilita a fiscalização permanente por parte dos usuários sobre a qualidade das obras, interferindo no processo a partir de reivindicações que deverão ser encaminhadas pela equipe técnica. Constitui-se num importante canal de interação entre os atores envolvidos no processo (comunidade, empreiteiros e Poder Público), assim como de capacitação sobre os conteúdos do tema saneamento e especificamente sobre o funcionamento dos sistemas implantados, contribuindo para a sua sustentabilidade. Ocorre semanalmente, mediante visita do grupo a cada uma das obras em execução, onde são discutidos temas como: prazo das obras, recursos financeiros, paliativos para reduzir os desconfortos causados na comunidade pela execução das obras, acompanhamento dos programas integrado (Projeto de Arborização, Programa de Mutirão de Limpeza, Programa de Absorção de Mão-de-obra Local e Operação Trabalho, entre outros).

9 O Acompanhamento à execução das obras deverá ser sistemático e permanente, no sentido de garantir a satisfação dos moradores com o Projeto. Objetiva ainda, promover a resolução de conflitos que poderão ocorrer. Estes conflitos deverão ser discutidos, sempre objetivando o consenso entre as partes envolvidas e o sucesso do Projeto. Desta forma, a equipe social deverá intervir buscando alternativas de solução caso a caso, envolvendo sempre que possível os demais atores participantes do processo, sejam, institucionais ou representantes da sociedade civil, através das ações de mobilização comunitária que provocarão a formalização da CASI e os representantes de ruas eleitos. ARTICULAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS URBANÍSTICOS Os Planos Urbanísticos são implementados nas áreas-críticas de intervenção, às quais são desprovidas de infra-estrutura urbana, sendo as mais afetadas com grave problema da falta de saneamento. O processo de construção dos Planos Urbanísticos é permeados por discussões periódicas entre os técnicos envolvidos, voltadas ao encaminhamento das decisões. Após a elaboração dos Planos Urbanísticos, cabe a equipe social. cabe a equipe social promover Fóruns com a comunidade para submetê-lo à aprovação popular, após a apresentação na COMUL. Percebemos então, que esta ação envolve todo um trabalho de mobilização social no sentido de envolver a comunidade no processo de melhoria da qualidade de vida da população, refletindo uma das principais lutas dos moradores das ZEIS s (Zonas Especiais de Interesse Social). Desta forma a equipe social atua como interlocutor deste processo que envolve remoções de famílias para a demolição de alguns lotes, seja em favor da abertura do sistema viário ou para os lotes menores que 18 metros quadrados, considerados impróprios e insalubres para moradia humana (conforme regulamentação da Lei do PREZEIS). O processo de remoção das famílias tem como diretriz básica a participação popular e os critérios para desapropriação e reassentamento, assim sendo são promovidos fóruns nas áreas de intervenção para a discussão da inclusão no Programa de Auxílio-moradia e o futuro reassentamento no Conjunto Habitacional. Salientamos que àqueles moradores que recusam-se a ser incluídos no Auxílio-moradia e receber, em regime de Comodato uma nova casa, são encaminhados para o Setor de Desapropriação da URB para proceder com as avaliações dos imóveis e negociar a indenização das benfeitorias. Após a construção do habitacional, será iniciado o processo de reassentamento destas famílias que prevê todo um acompanhamento sistemático da equipe social, no sentido de garantir o menor desconforto para os usuários.

10 Assim sendo, o processo de implementação dos Planos Urbanísticos representa um instrumento indispensável para uma ação pública desenvolvida com equidade, justa e democrática. ARTICULAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE MÃO-DE-OBRA LOCAL E OPERAÇÃO TRABALHO O Programa de Mão-de-obra Local é implementado pela atual gestão da Prefeitura, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, tendo como objetivo a geração de emprego e renda para a população das localidades onde se desenvolvem obras municipais. Formatase, basicamente na construção de um cadastro dos moradores, de acordo com critérios préestabelecidos, para a seleção das vagas oferecidas pelas Empresas responsáveis pelas obras. O principal critério para o cadastramento é ser morador do bairro e nas proximidades da obra, além de possuir o perfil para a vaga oferecida.são necessários no ato do cadastramento que o morador apresente os seguintes documentos: comprovante de residência, carteira de trabalho, reservista, identidade, CPF, título de eleitor, declaração de freqüência escolar do(a) filho(a), registro de nascimento do filho(a) e três fotos 3x4 (no momento da contratação). Operação Trabalho é um programa de renda mínima desenvolvido pela Prefeitura do Recife e integra a estratégia municipal de combate ao desemprego, a desigualdade e à exclusão social, baseado na metodologia construtivista-interacionaista no processo de aprendizagem. Constitui-se, basicamente da formação profissional para a construção das habitações pelos próprios moradores que serão beneficiados com unidades habitacionais, direcionado à população de baixa renda, com idade entre 18 e 67 anos, desempregada a pelo menos 06 meses. Após processo de cadastramento, os selecionados recebem uma bolsa no valor de R$ 210,00 e participa de capacitação profissional com o objetivo de potencializar sua inserção no mercado de trabalho. O trabalho da equipe social perpassa pela mobilização para o cadastramento e monitoramento dos trabalhadores absorvidos. Na mobilização social utilizamos instrumentos de comunicação de massa e recursos audiovisuais, voltados às entidades locais e população em geral. No monitoramento aos trabalhadores envolvidos realizam-se visitas semanais aos barracões de obra para aferição do desempenho, grau de satisfação, admissões e demissões, entre outros indicadores. O cadastramento é realizado nos Escritórios Locais do Saneamento Integrado e todas as informações a respeito do Programa são oferecidas à população através da equipe social das

11 áreas, seja no atendimento no escritório ou nas visitas domiciliares. No processo de acompanhamento e monitoramento contamos com a participação da Comissão de Acompanhamento do Saneamento Integrado (CASI), representando, inclusive, um ponto de pauta fixo nas reuniões da Comissão. TRABALHO SOCIAL NOS ESCRITÓRIOS LOCAIS Uma das principais ações do Programa de Saneamento Integrado, diz respeito à implantação dos Escritórios Locais que objetiva prestar atendimento à comunidade usuária dos sistemas, contribuindo para a manutenção e sustentabilidade dos mesmos, e possibilitando um maior conforto aos moradores, que não precisam se deslocar para outros bairros, a fim de resolver seus problemas. A Equipe técnica dos Escritórios Locais é formada por técnicos da área de engenharia e técnicos sociais. A Equipe Social é responsável pelo atendimento inicial ao usuário, ou seja, a recepção na qual são colocadas as ocorrências, que podem ter diversos motivos, tais como: ramal obstruído, caixa obstruída, ramal danificado, complementação de ramal, execução de ligações domiciliares de esgoto, rede de água, rede coletora de esgoto, planos urbanísticos, auxílio- moradia, indenizações, remoções, demolições, programa de mão-deobra local, entre outros. Neste momento são esclarecidas e repassadas informações sobre o Programa de Saneamento Integrado e todas as suas ações. De acordo com o motivo da ocorrência é realizadas a triagem e encaminhada a ocorrência para os técnicos responsáveis, seja da área de engenharia ou da área social, para resolução da mesma. Neste sentido, a equipe social realiza visitas domiciliares para monitoramento dos serviços e educação sanitária ambiental, objetivando aferir o grau de satisfação dos usuários com os serviços prestados e, desenvolver uma abordagem educativa voltada ao correto uso dos sistemas e, conseqüentemente contribuir para a manutenção e sustentabilidade dos mesmos. Um dos problemas enfrentados na execução das obras do Saneamento Integrado diz respeito às resistências à rede de esgotamento sanitário implantado, justificada muitas vezes pela falta de credibilidade de alguns usuários em detrimento de algumas áreas que já sofreram diversas intervenções e não tiveram seus problemas solucionados. Para tanto a equipe técnica da Secretaria de Saneamento procurar investir ao máximo na excelência dos serviços prestados e no controle social, no trabalho de resgatar a credibilidade da população usuária, sendo todas as ações voltadas à melhor qualidade do atendimento e participação popular em todas as etapas do Programa. Neste contexto, a equipe social realiza um trabalho de visita domiciliar voltada a abordagem sócio-educativa,

12 no sentido de receber autorização dos moradores para efetivar as ligações domiciliares à rede pública de esgotamento sanitário. Esta atividade é realizada em parceria com a equipe da DGE, que processa a execução dos croquis. Percebemos, portanto que o trabalho desenvolvido nos Escritórios Locais é indispensável para as ações do Saneamento Integrado, pois, prima pela qualidade do atendimento e possibilita uma maior interação com a comunidade usuária, tendo como diretriz básica a "Democracia Participativa". ARTICULAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA DE MUTIRÃO DE LIMPEZA Esta ação é desenvolvida em parceria com a EM LURB (Empresa de Manutenção e Limpeza Urbana) e Secretaria Municipal de Saúde, sob a coordenação da equipe, tendo como objetivo desenvolver um trabalho mais intensivo de limpeza e desratização nas áreas que sofrerão demolições de lotes, para abertura do sistema viário. Toda a ação é discutida e programa com os técnicos do Poder Público e os membros da CASI e representantes de ruas e áreas, através de reuniões periódicas realizadas na comunidade. Constitui-se, basicamente na implementação de oficinas com os moradores sobre acondicionamento do lixo e doenças causadas por ratos, além de um grande mutirão de limpeza e desratização da área. As oficinas são ministradas por técnicos da Secretaria de Saúde e Secretaria de Saneamento, contando com o trabalho de arte-educadores e recursos áudio-visuais. O Mutirão de limpeza e desratização é implementado pela EMLURB e Secretaria de Saúde respectivamente, cabendo à equipe social articular o desenvolvimento do processo e mobilizar a comunidade. O sucesso desta ação depende essencialmente da participação da comunidade e para tanto, é indispensável a participação e envolvimento dos membros da CASI e representantes de ruas e áreas-críticas durante todo o processo, atuando como interlocutor entre os técnicos e a comunidade.

13 ARTICULAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO PROGRAMA DE PLANTIO DE ÁRVORES Nas ruas e áreas que recebem obras de pavimentação e drenagem é desenvolvido o Programa de Plantio de Árvores que tem como objetivo arborizar o espaço físico e despertar para a preservação do meio ambiente, além de sensibilizar os moradores à adotarem uma árvore. A implementação desta ação é realizada em parceria entre a EMLURB, DGE, Empreiteiras e Equipe Social.Constitui-se, em linhas gerais, pela realização de oficinas de plantio (abertura de alegretes e colocação das mudas) e cuidados das árvores e monitoramento da manutenção das plantas. São realizadas visitas domiciliares para orientações sobre o plantio e os cuidados necessários à preservação das plantas, além de fazer um levantamento dos moradores que querem adotar uma árvore. A partir de então é programada e realizada a oficina de plantio, na qual são repassadas informações pelos técnicos da EMLURB e capacitados os moradores para a realização do plantio e manutenção dos alegretes. Portanto, esta ação representa uma importante contribuição para o despertar da consciência ecológica e preservação do meio-ambiente, tornando o convívio na área mais harmonioso e saudável. CONCLUSÕES: Participar ou não de um processo de mobilização social é um ato de escolha. As pessoas são chamadas, mas participar ou não é uma decisão de cada um. Essa decisão depende essencialmente das pessoas se verem ou não como responsáveis e como capazes de provocar e construir mudanças. Seu objetivo é transformar a realidade e para isto ele precisa ter uma legitimidade, seja própria, seja conferida por alguém ou por algum principio. Ao longo do processo esta legitimidade vai crescer ou diminuir, refletindo a qualidade de sua gestão do processo.

14 O ente externo, neste caso os representantes do Poder Público Municipal e Estadual, devem ser compreendidos como percussor de um movimento que reflete uma preocupação e um desejo de mudança compartilhado. Para isto é necessário que ele: Respeite e confie na capacidade das pessoas de decidirem coletivamente sobre suas escolhas e estimule o desenvolvimento destes comportamentos; Acredite na importância de se liberar a energia, a criatividade e espírito empreendedor das pessoas e das coletividades; Seja capaz de interpretar a realidade social; Seja capaz de orientar um editor na produção de materiais adequados, tenha conhecimentos das possibilidades e dos limites da Comunicação Social como instrumento de mobilização; Tenha conceitos claros de democracia, cidadania, público e participação, de modo contribuir para gerar imagem social positiva; Seja sensível e tolerante pra conseguir trabalhar com as redes de reeditores, sem burocratizá-las, convertendo-as em redes autônomas, doadoras de seu sentido próprio. As mudanças são construídas no cotidiano por pessoas que se dispõe a atuar coletivamente, visando alcançar propósitos compartilhados. Neste sentido verificamos que o crescente movimento de envolvimento da população em todo o processo de planejamento, execução e avaliação permanente do programa se percebem por um lado pelo contínuo interesse na participação nos canais instituídos, e por outro lado, pela qualificação das intervenções ao longo do processo que demonstra a apreensão dos conteúdos tanto no que diz respeito aos temas do saneamento quanto no que se refere a compreensão política de seu papel como agente transformador. Tais mudanças são representadas de acordo com o quadro de resultados abaixo. QUADRO DEMONSTRATIVO DAS AÇÕES SOCIAIS DESENVOLVIDAS EM MANGUEIRA E MUSTARDINHA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO DO SANEAMENTO INTEGRADO (CASI) Instituição das Comissões de Acompanhamento do Saneamento Integrado - CASI (agosto / 2001) 39 reuniões com as CASI s (20 Mangueira e 19 Mustardinha) 10 capacitações técnicas (05 Mangueira e 05 Mustardinha) REUNIÕES POR RUAS E ÁREAS CRÍTICAS 37 reuniões (17 em Mustardinha e 20 em Mangueira)

15 Objetivos: Apresentação das obras Eleição de representantes de Ruas ou áreas-críticas para apoiar as CASI s Representantes eleitos: Mustardinha: 25 Mangueira: 53 ruas: 15 área crítica: 10 ruas: 38 área crítica: capacitações técnicas com os representantes de ruas e áreas críticas. ACOMPANHAMENTO DAS OBRAS Realização de visitas semanais: Mangueira: Lote I, Lote II, Lote II, Lote IV-URB, Sigismundo, Rua Otaviano de Almeida Rosa, Campo do Piolho (Poço levantamento topográfico). Mustardinha: Lote I, Lote II, Lote IV-URB (Lote III Licitação). ATENDIMENTO NOS ESCRITÓRIOS Visitas domiciliares para monitoramento das ações dos Escritórios Locais e Educação Sanitária e Ambiental Março a dezembro/02: 1234 visitas Mustardinha: 516 Mangueira: 719 Visitas para ligações domiciliares à rede de esgotamento sanitário e Educação Sanitária e Ambiental Agosto a dezembro/02: 1574 Mustardinha: 691 Mangueira: 883 Atendimentos sobre planos urbanísticos, auxílio-moradia, reuniões, absorção de mão-deobra local, entre outros Março a dezembro/02: 1327 atendimentos Mustardinha: 668 Mangueira: 559 ACOMPANHAMENTO AOS PLANOS URBANÍSTICOS

16 Articulação e Mobilização para apresentação e discussão dos Planos Urbanísticos. Mustardinha Mangueira 02 reuniões na COMUL 04 reuniões na COMUL 02 reuniões na comunidade 04 reuniões na comunidade Obs.: A Equipe Social do acompanha todas as reuniões do Fórum do PREZEIS e COMUL, assim como todas as suas deliberações Acompanhamento das remoções para abertura do sistema viário e lotes menor de 18 metros quadrados Nº de famílias em auxílio-moradia: 346 famílias Mustardinha: 125 Beirinha 79 Jacaré 46 Mangueira: 221 Sigismundo 75 Rua Otaviano de Almeida Rosa 48 Campo do Piolho 63 Poço da Mangueira - 35 Programa de Absorção de Mão-de-Obra Local Obras iniciadas

17 Vagas Disponíveis Trabalhadores absorvidos Mustardinha Mangueira TOTAL REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BELLONI, Izaura; SOUZA, Magalhães e Heitor; COSTA, Luiza de. Metodologia de Avaliação em Políticas Públicas. São Paulo: Cortez, RICO, Elizabeth de Melo. Avaliação de Políticas Sociais. São Paulo: Cortez, SOUZA, Maria Luiza. Desenvolvimento de Comunidade e Participação. São Paulo: Cortez 1995.

TRABALHO TÉCNICO Nº 127 PROJETO ARTESANEAR: a arte como um instrumento educativo.

TRABALHO TÉCNICO Nº 127 PROJETO ARTESANEAR: a arte como um instrumento educativo. TRABALHO TÉCNICO Nº 127 PROJETO ARTESANEAR: a arte como um instrumento educativo. Autores: HERMELINDA ROCHA MARIA CARMEM ARRUDA PINHO RAINELDES AGDA ALVES DE MELO THAÍS CORDEIRO SANTOS Apresentação: RAINELDES

Leia mais

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 1 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte tem um longo histórico de gestão democrático-popular; Existe forte determinação política para:

Leia mais

XII-015-1º CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SANEAMENTO DO RECIFE: METODOLOGIA E PRIMEIROS RESULTADOS.

XII-015-1º CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SANEAMENTO DO RECIFE: METODOLOGIA E PRIMEIROS RESULTADOS. 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina XII-015-1º CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SANEAMENTO DO RECIFE: METODOLOGIA E PRIMEIROS RESULTADOS.

Leia mais

Projeto Fênix - Reciclando o futuro com Cidadania

Projeto Fênix - Reciclando o futuro com Cidadania Projeto Fênix - Reciclando o futuro com Cidadania A prática consiste em democratizar o acesso à justiça aos catadores de materiais recicláveis dos lixões do Distrito Federal. O problema envolvendo a produção

Leia mais

V - Modelo de Gestão, Planejamento e Acompanhamento

V - Modelo de Gestão, Planejamento e Acompanhamento 24 V - Modelo de Gestão, Planejamento e Acompanhamento Orçamento Participativo e demais fóruns de planejamento e gestão O Planejamento e a Gestão do município do Recife estão hoje apoiados por um sistema

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

Sistematizando as ações para otimizar a Adesão ao Sistema de Esgotamento Sanitário.

Sistematizando as ações para otimizar a Adesão ao Sistema de Esgotamento Sanitário. Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento - IGS Sistematizando as ações para otimizar a Adesão ao Sistema de Esgotamento Sanitário. 2013 Estrutura Organizacional

Leia mais

Critérios Sociais de Elegibilidade e Avaliação de Projetos (Plano de Sustentabilidade Socioambiental)

Critérios Sociais de Elegibilidade e Avaliação de Projetos (Plano de Sustentabilidade Socioambiental) Critérios Sociais de Elegibilidade e Avaliação de Projetos (Plano de Sustentabilidade Socioambiental) Este Anexo tem por objetivo orientar a preparação dos trabalhos sociais do programa representado no

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

Esgotamento Sanitário

Esgotamento Sanitário CAPÍTULO 14 Esgotamento Sanitário Impacto socioambiental das práticas de esgotamento sanitário 14. 1 Soluções de esgotamento sanitário 14. 2 Modelo de gestão para o saneamento integrado 14. 3 245 14. 1

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

APRESENTAÇÃO. O presente manual tem por finalidade principal orientar técnicos sociais dos

APRESENTAÇÃO. O presente manual tem por finalidade principal orientar técnicos sociais dos APRESENTAÇÃO O presente manual tem por finalidade principal orientar técnicos sociais dos municípios no processo de seleção de demanda, na elaboração e na execução do Projeto de Trabalho Social - PTS junto

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS

ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS 1 ANEXO ÚNICO POLÍTICA ESTADUAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR NO ESTADO DE GOIÁS I. PROPÓSITOS A Política Estadual em Saúde do Trabalhador tem por propósito definir princípios, diretrizes e estratégias para

Leia mais

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa

Leia mais

INFRA-ESTRUTURA PARA PROGRAMAS DE SANEAMENTO INTEGRADO: O Caso Mangueira e Mustardinha Recife, PE

INFRA-ESTRUTURA PARA PROGRAMAS DE SANEAMENTO INTEGRADO: O Caso Mangueira e Mustardinha Recife, PE INFRA-ESTRUTURA PARA PROGRAMAS DE SANEAMENTO INTEGRADO: O Caso Mangueira e Mustardinha Recife, PE SÍNTESE A despeito das doenças relacionadas a ambientes insalubres, não há, na Cidade do Recife, registro

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

Uma Leitura da concepção do Saneamento Integrado do Recife

Uma Leitura da concepção do Saneamento Integrado do Recife PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL Inovações e Desafios para a Democratização dos Serviços de Saneamento ARTICULANDO A EDUCAÇÃO, A TECNOLOGIA E A GESTÃO: Uma Leitura da concepção do Saneamento Integrado

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS: CIDADANIA E DEMOCRACIA NA SAUDE INTERNACIONAL CONTEXTO HISTÓRICO -1978 Declaração de Alma Ata Cazaquistão: Até o ano de 2000 todos os povos do mundo deverão atingir um nível

Leia mais

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições Autora: Vânia Maria Nunes dos Santos Outros autores: Marcos Tsutomu Tamai, Erotides Lacerda Choueri

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Referente a qualidade e eficiência dos serviços prestados conceituam-se os seguintes meios para obtenção da eficácia nos serviços.

Referente a qualidade e eficiência dos serviços prestados conceituam-se os seguintes meios para obtenção da eficácia nos serviços. 191 Volume produzido; Volume Micromedido e Estimado; Extravasamentos; Vazamentos; Consumos Operacionais Excessivos; Consumos Especiais; e Consumos Clandestinos. A partir do conhecimento dos fatores elencados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA Capítulo I Caracterização Artigo 1 º O Serviço-Escola de Psicologia (SEP) da UNIFESP é uma instância do campus Baixada

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PARANÁ

O ESTADO DA ARTE DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PARANÁ O ESTADO DA ARTE DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PARANÁ Anabel de Lima MEA/FURG Karina Luiza de Oliveira Mater Natura - Instituto De Estudos Ambientais Regina S. Peres Mater Natura - Instituto de Estudos Ambientais

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local -

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local - Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher - Assistente Técnico Local - No âmbito do Programa Pará - Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

PROJETO DE SUSTENTABILIDADE HÍDRICA PSH/PE

PROJETO DE SUSTENTABILIDADE HÍDRICA PSH/PE GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Secretaria de Recursos Hídricos - SRH Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento - BIRD RP816 MARCO CONCEITUAL DA POLÍTICA DE REASSENTAMENTO PROJETO DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Programa de Fortalecimento e Barro Alto -

Leia mais

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS A Lei Estadual 8.320 de 03/09/2007, instituiu o Sistema Estadual de Habitação de Interesse Social SEHIS, o Conselho Estadual de Habitação de Interesse

Leia mais

PROGRAMA DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL EM SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO CONDOMINIAL NO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS BA

PROGRAMA DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL EM SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO CONDOMINIAL NO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS BA PROGRAMA DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL EM SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO CONDOMINIAL NO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS BA Autora: Patrícia Cristina Moreira Assistente Social Assessoria de Assistência e Integração Social-

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito LEI Nº. 632 /2014 03 de dezembro de 2.014 Dispõe sobre a criação do Programa de Coleta Seletiva com inclusão Social e Econômica dos Catadores de Material Reciclável e o Sistema de Logística Reversa e seu

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA

PLANO DIRETOR DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Brasil: Ministério da Saúde/ANVISA http:///br/resenhas.asp?ed=8&cod_artigo=136 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. Caracteriza os usuários, seus direitos e sua participação na Política Pública de Assistência Social e no Sistema Único de Assistência Social, e revoga a

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos RELATÓRIO OFICINA FNEPAS ESTADUAL MINAS GERAIS INTEGRALIDADE E QUALIDADE NA FORMAÇÃO E NAS PRÁTICAS EM SAÚDE: Integrando Formação, Serviços, Gestores e Usuários Local: COBEM Uberlândia Data: 22 de outubro

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte

Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte Abordagens da Participação Social na aplicação de Recursos Públicos: A experiência do Orçamento Participativo Digital de Belo Horizonte Belo Horizonte: aspectos demográficos e econômicos Cidade planejada

Leia mais

Por que Projetos Sociais?

Por que Projetos Sociais? PROJETOS SOCIAIS Por que Projetos Sociais? Projetos são resultado de uma nova relação entre Estado e Sociedade Civil; Mudanças no que se relaciona à implantação de políticas sociais; Projetos se constroem

Leia mais

NOTA TÉCNICA 16 2013. Política Nacional de Educação Popular em Saúde

NOTA TÉCNICA 16 2013. Política Nacional de Educação Popular em Saúde NOTA TÉCNICA 16 2013 Política Nacional de Educação Popular em Saúde Brasília, 20 de maio de 2013 INTRODUÇÃO A Política Nacional de Educação Popular em Saúde PNEP-SUS foi apresentada e aprovada no Conselho

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 1.223/2013 DE 16 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado de Goiás, por

Leia mais

RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX

RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX RESOLUÇÃO CUNI Nº XXXX Aprova o Projeto Acadêmico CECANE/UFOP. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Ouro Preto, em sua xxxx reunião ordinária, realizada em xxx de xxx de 2011, no uso de

Leia mais

Formando o aluno para a responsabilidade social. Esther Carvalho Março 2010

Formando o aluno para a responsabilidade social. Esther Carvalho Março 2010 Formando o aluno para a responsabilidade social Esther Carvalho Março 2010 Missão "Servir com excelência, por meio da educação, formando cidadãos éticos, solidários e competentes" Visão "Ser referência

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE MEJORAMIENTO DE BARRIOS México - 29 e 30 novembro/2004 Programa Habitar Brasil/BID Governo Federal Processo de Urbanização Brasileiro Crescimento da

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

RELATÓRIO DA 5ª CONFERÊNCIA ETAPA MUNICIPAL APARECIDA DE GOIÂNIA-GO 24 E 25 DE MAIO DE 2013

RELATÓRIO DA 5ª CONFERÊNCIA ETAPA MUNICIPAL APARECIDA DE GOIÂNIA-GO 24 E 25 DE MAIO DE 2013 RELATÓRIO DA 5ª CONFERÊNCIA ETAPA MUNICIPAL 1. Dados Iniciais Estado: Goiás Município: Aparecida de Goiânia APARECIDA DE GOIÂNIA-GO 24 E 25 DE MAIO DE 2013 2. Dados da pessoa responsável pelo preenchimento

Leia mais

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife.

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Data: dia 29 de abril de 2009 Local: sede da ONG Etapas no Recife PROGRAMA REABILITAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social Padrão Normativo da Rede de Proteção Social Básica Programa de Inclusão Produtiva de 3º Fase Auxílio Produção Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS

FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS 1. Natureza e Finalidade O Fórum Regional de Educação Infantil do Alto Vale do Itajaí - FREIAVI é um espaço

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

TITULO Programa Saneamento para famílias em situação de extrema pobreza - município de Penápolis - (SP)

TITULO Programa Saneamento para famílias em situação de extrema pobreza - município de Penápolis - (SP) TITULO Programa Saneamento para famílias em situação de extrema pobreza - município de Penápolis - (SP) TEMA VII Organização e gestão dos serviços de saneamento- B- Políticas Públicas AUTORES: Lourival

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano Nossa Realidade 57% da população brasileira não possui coleta de esgoto (SNIS 2008) O Brasil é o 9º

Leia mais

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL 6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL O processo de implantação do Plano de Articulação Institucional (PAI) foi objeto de releitura, a partir da emissão do Ofício 02001.009795/2013-60 GABIN/PRESI/IBAMA,

Leia mais

3º Congresso Brasileiro de Direito Urbanístico CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS EM HABITAÇÃO

3º Congresso Brasileiro de Direito Urbanístico CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE AGENTES COMUNITÁRIOS EM HABITAÇÃO Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria da Habitação e Desenvolvimento Urbano Departamento de Regularização e Parcelamento do Solo 3º Congresso Brasileiro de Direito Urbanístico Grupo de Trabalho:

Leia mais

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA EIXO Macroação ATIVIDADES Compor a equipe técnica com experiências no trabalho de desenvolvimento de comunidade. Identificar

Leia mais

ANEXO 5: Reassentamento Involuntário

ANEXO 5: Reassentamento Involuntário ANEXO 5: Reassentamento Involuntário Programa de Inclusão Social e Desenvolvimento Econômico Sustentável do Estado do Acre PROACRE / FINANCIAMENTO ADICIONAL PROSER JUNHO 2012 Sumário Executivo O Marco

Leia mais

Histórico do Orçamento Participativo de Porto Alegre

Histórico do Orçamento Participativo de Porto Alegre Histórico do Orçamento Participativo de Porto Alegre CIDADE Centro de Assessoria e Estudos Urbanos Rua Antão de Farias, 50 - Bom Fim Porto Alegre - RS - Brasil Fone/fax: (0xx51) 3264 3386 cidadepa@portoweb.com.br

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

INCLUSÃO DOS CIDADÃOS NA IMPLEMENTAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE. Experiência do município de Manhuaçu Minas Gerais - Brasil

INCLUSÃO DOS CIDADÃOS NA IMPLEMENTAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE. Experiência do município de Manhuaçu Minas Gerais - Brasil INCLUSÃO DOS CIDADÃOS NA IMPLEMENTAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE Experiência do município de Manhuaçu Minas Gerais - Brasil 80 mil habitantes MANHUAÇU MG Economia: Cafeicultura, comércio e prestação

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 13, DE 2015 (Da Sra. Moema Gramacho)

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 13, DE 2015 (Da Sra. Moema Gramacho) *C0051538A* C0051538A *C0056280A* C0056280A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 13, DE 2015 (Da Sra. Moema Gramacho) Dá ao Plenário 16 do Anexo II da Câmara dos Deputados a denominação "Zezéu

Leia mais

Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos Departamento de Planejamento e Projetos Divisão de Saneamento em Favelas

Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos Departamento de Planejamento e Projetos Divisão de Saneamento em Favelas ASPECTOS PRÁTICOS DA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS CONDOMINIAIS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NO MUNICÍPIO DE GUARULHOS AUTORES: Afrânio de Paula Sobrinho Engenheiro civil pela Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios

O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios O movimento de modernização da gestão pública no Brasil e seus desafios 10 de Novembro de 2011 2º Congresso de Gestão do Ministério Público Informação confidencial e de propriedade da Macroplan Prospectiva

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 6.047-D, DE 2005 Cria o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas em assegurar o direito

Leia mais

Programa Mínimo de Governo de João Pavinato

Programa Mínimo de Governo de João Pavinato Programa Mínimo de Governo de João Pavinato João Pavinato e Cidinha Pascueto, candidatos a prefeito e vice-prefeita, respectivamente, da coligação A Vitória do Povo, formada pela união dos partidos PSDB,

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

Recife, Estado de Pernambuco, Brasil

Recife, Estado de Pernambuco, Brasil 1 Recife, Estado de Pernambuco, Brasil Saneamento e Participação Social Recife é uma cidade litorânea, rodeada por rios e manguezais. A falta de um planejamento urbano efetivo resultou em impactos ao meio

Leia mais

ANTONIO CARLOS NARDI

ANTONIO CARLOS NARDI ANTONIO CARLOS NARDI QUE DEMOCRACIA QUEREMOS? A conquista do estado democrático de direito na década de 1980 no Brasil, após longo período burocrático-autoritário, trouxe o desafio de construção de uma

Leia mais

Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA AGRICULTURA URBANA HORTAS E POMARES COMUNITÁRIAS

Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA AGRICULTURA URBANA HORTAS E POMARES COMUNITÁRIAS Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico PROGRAMA AGRICULTURA URBANA HORTAS E POMARES COMUNITÁRIAS Recife, 2004 Sumário Objetivo Beneficiários Diagnóstico Horizonte Temporal

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

Trabalho Técnico Social na Urbanização de Favelas

Trabalho Técnico Social na Urbanização de Favelas Trabalho Técnico Social na Urbanização de Favelas Introdução: A história das políticas públicas relacionadas à questão urbanística e habitacional implementadas em comunidades de baixa renda tem nos mostrado:

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA:

TÍTULO: AUTORES: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA: TÍTULO: PROJETO: DST/AIDS AUTORES: Dálcio Ricardo de Andrade; Maria Helena Ribeiro de Barros Barbosa; Marcelo Silva Sthel; Elba Suely Gomes Pessanha G. Mesquita e Danuza da Cunha Rangel. INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

9 FOME ZERO PARCERIAS 138

9 FOME ZERO PARCERIAS 138 9 FOME ZERO PARCERIAS 138 O que é O Fome Zero é uma estratégia do Governo Federal para assegurar o direito à alimentação adequada às pessoas com dificuldades de acesso aos alimentos. A base da estratégia

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE CONVÊNIO PUC - NIMA/ PETROBRAS / PMR PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de Valores Ético-Ambientais para o exercício da

Leia mais

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte

Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Política Municipal para a População em Situação de Rua em Belo Horizonte Elizabeth Leitão Secretária Municipal Adjunta de Assistência Social Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Março de 2012 Conceito

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3

COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3 COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3 Concessão de benefícios eventuais e análises correlatas, na Politica de Assistência Social. Considerando que o Conselho Regional de Serviço Social

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos Departamento de Relações Comunitárias PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA MOBILIZAÇÃO COMUNITÁRIA

Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos Departamento de Relações Comunitárias PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA MOBILIZAÇÃO COMUNITÁRIA Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos Departamento de Relações Comunitárias PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA MOBILIZAÇÃO COMUNITÁRIA AUTOR: Tatiana Rodrigues Moura. Chefe de Seção de Expediente

Leia mais