AVALIAÇÃO DO PARÂMETRO CN DO MÉTODO DE SOIL CONSERVATION SERVICE (SCS) NAS BACIAS DO RIBEIRÃO DOS MARINS E CÓRREGO BUSSOCABA ESTADO DE SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DO PARÂMETRO CN DO MÉTODO DE SOIL CONSERVATION SERVICE (SCS) NAS BACIAS DO RIBEIRÃO DOS MARINS E CÓRREGO BUSSOCABA ESTADO DE SÃO PAULO"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DO PARÂMETRO CN DO MÉTODO DE SOIL CONSERVATION SERVICE (SCS) NAS BACIAS DO RIBEIRÃO DOS MARINS E CÓRREGO BUSSOCABA ESTADO DE SÃO PAULO Paulo Takashi Nakayama 1, João Batista Mendes 2, Gré de Araújo Lobo 3 & Gislaine Massuia da Silveira 4 RESUMO --- A ausência de dados de vazão é a situação mais comum que os técnicos que militam na área de Hidráulica/Hidrologia deparam no momento de determinar a vazão de projeto, necessária para o dimensionamento de obras hidráulicas. Para estas situações, podem se empregar os métodos indiretos que consistem em transformar a chuva de projeto em vazão de projeto. Dentre os métodos indiretos, o método de Soil Conservation Service (SCS) é um dos mais utilizados, em virtude da facilidade de sua aplicação. A grande dificuldade que os técnicos da área deparam na aplicação deste método é a escolha do parâmetro CN (Número de Curva) que caracteriza o uso e a ocupação do solo. Visto que ainda não há valores de CN definidos para condições brasileiras, o valor de CN é estimado, na prática, com base nos dados apresentados em manuais e tabelas, obtidos em outro país, onde as condições climáticas e os solos são diferentes com os do nosso país. Apresenta-se neste artigo um estudo comparativo dos valores do parâmetro CN obtidos pela calibração do modelo chuva-vazão do SCS com os sugeridos na literatura. Selecionaram-se para tal estudo, duas pequenas bacias hidrográficas do Estado de São Paulo: Ribeirão dos Marins, com ocupação predominantemente rural, e Córrego Bussocaba, praticamente toda urbanizada. ABSTRACT --- The lack of outflow data is the most common situation that the technicians of the Hydraulic and Hydrological area face at the moment to determine the design flow, necessary to dimension the hydraulic works. For these situations, the indirect methods that consist of transforming the design rainfall into design outflow can be used. Among the indirect methods, the method of Soil Conservation Service (SCS) is one of the most used, in virtue of the easiness of its application. The great difficulty that the technicians of the area face in the application of this method is the choice of parameter CN (Curve Number) that characterizes the soil use and the occupation. Since there are not values of CN defined for Brazilian conditions, the value of CN is estimated, in practice, based on the data presented in manuals and tables, obtained in another country, where the climatic conditions and the soil are different from those of our country. A comparative study of the values of parameter CN obtained from the calibration of the SCS model and the suggested values in the literature is presented in this article. Two small basins of the State of São Paulo were selected for such study: Ribeirão dos Marins, with predominantly agricultural occupation, and Córrego Bussocaba, practically all urbanized. Palavras-chave: Número de Curva (CN), Soil Conservation Service, chuva efetiva. 1 Engenheiro do CTH/DAEE, Av. Prof. Lúcio Martins Rodrigues, Tecnólogo do CTH/DAEE, Av. Prof. Lúcio Martins Rodrigues, Engenheiro do CTH/DAEE, Av. Prof. Lúcio Martins Rodrigues, Engenheira da SABESP. XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 1

2 1 - INTRODUÇÃO Para o dimensionamento de quaisquer obras hidráulicas, há necessidade de determinar a vazão de projeto, associada a um período de retorno. Quando há disponibilidade de dados de vazão no local ou nas proximidades, o cálculo da vazão de projeto pode ser feito pelo método direto, que consiste em aplicar a distribuição de probabilidade à série histórica de vazões máximas (distribuição log-normal, Gumbel, log-pearson III, etc.). No entanto, a ausência de dados de vazão é a situação mais comum que se depara no momento de realizar estudos hidrológicos, particularmente, em pequenas bacias hidrográficas. Nestes casos, a vazão de projeto pode ser estimada pelos métodos indiretos que consistem em transformar a chuva de projeto em vazão de projeto. Dentre os métodos indiretos podem se destacar Método Racional, Método do Hidrograma Unitário e Método de Soil Conservation Service (SCS). Em virtude da simplicidade na aplicação e de não ser restritivo a pequenas áreas como o Método Racional, o método de SCS tornou-se bastante popular entre os engenheiros hidráulicos/hidrólogos, envolvidos no dimensionamento de obras hidráulicas. No entanto, a grande dificuldade que os técnicos da área deparam na aplicação deste método é a escolha do parâmetro CN (Número de Curva) que caracteriza o uso e a ocupação do solo. Como ainda não há valores de CN definidos para condições brasileiras, o valor de CN é estimado, na prática, com base nos dados apresentados em manuais e tabelas, obtidos em outro país, onde as condições climáticas e os solos são diferentes com os do nosso país. As experiências de diversos projetistas e pesquisadores têm mostrado que, adotando os CN s apresentados na literatura, a vazão de pico costuma ser superestimada, de cerca de 30 a 40%, quando comparada com outros métodos. Apresenta-se neste artigo um estudo comparativo dos valores do parâmetro CN obtidos pela calibração do modelo chuva-vazão do SCS com os sugeridos na literatura. Selecionaram-se para tal estudo, duas pequenas bacias hidrográficas do Estado de São Paulo: Ribeirão dos Marins, com ocupação predominantemente rural, e Córrego Bussocaba, praticamente toda urbanizada. 2 MÉTODO DE SOIL CONSERVATION SERVICE (SCS) O método de Soil Conservation Service (SCS) foi desenvolvido, inicialmente, para estimar o volume de run off em bacias hidrográficas rurais pelo Serviço de Conservação de Solos do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos. Ao longo dos anos este método tornou-se a mais popular ferramenta para cálculo de run off, devido à sua relativa facilidade de uso e, atualmente, é utilizado também para bacias urbanas. XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 2

3 O método de SCS consiste em determinar a chuva efetiva (aquela que escoa superficialmente) e transformar esta chuva em vazão, utilizando os conceitos básicos do hidrograma unitário. Descreve-se, a seguir, o procedimento de cálculo adotado pelo método de SCS Cálculo da chuva efetiva A determinação da chuva efetiva (escoamento superficial direto) no método dá-se através da equação abaixo: P ef = para P ac 0,2.S ( P 0,2 S ) ac P ac + 0,8 S 2 onde: P ef é a chuva efetiva (escoamento superficial direto), em mm; P ac chuva acumulada, em mm; S é a retenção potencial do solo em mm, que depende do tipo de solo; 0,2.S é a estimativa das perdas iniciais (interceptação e retenção). A relação entre S e CN (número de curva) é dada por: S = 254 (2) CN onde: CN é o parâmetro que depende de 3 fatores: umidade antecedente, tipo e ocupação do solo. O seu valor varia entre 0 e 100. Quanto maior o valor do CN, menor é o potencial de retenção da bacia, ou seja, a chuva que escoa superficialmente (efetiva) será maior Cálculo da vazão a partir da chuva efetiva Para efetuar a transformação de chuva em vazão, define-se, inicialmente, o hidrograma unitário (HU) característico da bacia, que apresenta forma triangular, valendo a seguinte relação: t b = 2,67.t a (3) onde: t b é o tempo de base do hidrograma; t a é o tempo de ascensão do hidrograma, dado por t D = t p (4) 2 a + onde: D é a duração da chuva efetiva unitária; t p é o tempo de retardamento da bacia, que é o intervalo de tempo entre instante correspondente à metade da duração da chuva e o instante do pico do hidrograma; o t p pode ser obtido da seguinte forma: t p = 0,6.t c (5) onde: t c é o tempo de concentração da bacia. O aspecto do hidrograma triangular unitário do SCS é mostrado na Figura 1 abaixo. (1) XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 3

4 Figura 1 - Hidrograma triangular unitário do SCS. Conhecida a área do triângulo, que corresponde ao volume d água unitário precipitado sobre a bacia (P ef x A.D.), e o tempo da base, pode-se determinar a vazão de pico. O método consiste em gerar hidrogramas triangulares para cada chuva efetiva, com sua correspondente vazão de pico, a partir do hidrograma unitário triangular. O hidrograma final é a composição de todos os hidrogramas decorrentes de cada chuva efetiva. A Figura 2 abaixo ilustra a metodologia aplicada para uma chuva discretizada em três intervalos de tempo (hietograma de três blocos). Figura 2 Geração do hidrograma a partir da chuva. 3 - REVISÃO DA LITERATURA REFERENTE À DETERMINAÇÃO DO CN Em virtude da facilidade de uso (requer somente quatro características da bacia) e ter sido desenvolvido em renomada instituição, o método de Soil Conservation Service é, atualmente, uma das ferramentas mais populares para o cálculo de escoamento superficial. Por conseguinte, o método tornou-se objeto de diversos estudos e pesquisas, especialmente no que concerne à determinação precisa do valor de CN, que é o principal parâmetro do método. Conforme citado no item 1, na prática, estima-se o valor de CN com base nos dados apresentados em literaturas de Hidrologia. XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 4

5 Apresentam-se a seguir algumas pesquisas e estudos voltados para a determinação e avaliação do parâmetro CN. Germano e Tucci (1995) analisaram 33 eventos e determinaram o valor do parâmetro CN em 24 bacias urbanas em Porto Alegre, Joinville, Curitiba, São Carlo e Rio de Janeiro. Tassi et al. (2006) desenvolveram um trabalho descrevendo o processo empregado na obtenção de CN para algumas sub-bacias urbanas da cidade de Porto Alegre-RS, expandindo o trabalho de Germano e Tucci (1995). Vários pesquisadores brasileiros têm se empenhado no sentido de adaptar a classificação dos solos proposta pelo SCS. Dentre os trabalhos desta natureza, pode-se citar o desenvolvido por Sartori et al. (2005), no qual é proposta uma classificação hidrológica de solos com base em propriedades de solos disponíveis nos boletins de levantamento e na classificação dos solos. Silveira (2010) realizou um estudo de análise de sensibilidade dos parâmetros do método de Soil Conservation Service, analisando a influência das seguintes variáveis na determinação do hidrograma de cheia: valor do CN, área de drenagem, tempo de concentração, duração da chuva e período de retorno. 4 AVALIAÇÃO DOS VALORES DE CN COM BASE NOS DADOS DE CHUVA E VAZÃO OBSERVADOS 4.1 Metodologia Os valores de CN foram obtidos através de calibração dos modelos empregados no método do Soil Conservation Service. A calibração dos modelos foi feita executando os seguintes passos: - Passo 1: Determinou-se o tempo de concentração da bacia. Para a bacia do Ribeirão dos Marins (predominantemente rural), utilizou-se a fórmula empírica de Kirpich, dada por: 0, L t c = (6) I eq onde: t c é o tempo de concentração, em minutos; L é o comprimento do talvegue principal, em km; I eq é a declividade equivalente, em m/km. Para a bacia do Córrego Bussocaba (totalmente urbanizada), o tempo de concentração foi estimado a partir da análise de hietogramas e hidrogramas observados. - Passo 2: Conhecido o tempo de concentração (tc) da bacia, determinou-se o hidrograma unitário do SCS, conforme descrito no item 2.2; - Passo 3: Atribuiu-se um valor para CN e determinou-se a chuva efetiva, conforme descrito no item 2.1; - Passo 4: Determinada a chuva efetiva, calculou-se o hidrograma correspondente a esta chuva, conforme descrito no item 2.2; XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 5

6 - Passo 5: Repetiu-se o cálculo dos passos 3 e 4 até obter o ajuste entre as vazões de pico do hidrograma fornecido pelo modelo e do hidrograma observado. Adotou-se como CN da bacia o valor médio dos CN s encontrados na calibração de cada evento. Para efetuar esta calibração, foi empregado o modelo ABC6 Análise das Bacias Complexas, desenvolvido pelo LabSid do Departamento de Engenharia Hidráulica da Escola Politécnica. 4.2 Locais em estudo Foram selecionadas para este estudo duas bacias hidrográficas do Estado de São Paulo, sendo a primeira com a ocupação predominantemente rural (Ribeirão dos Marins) e a outra praticamente toda urbanizada (Córrego Bussocaba) Bacia hidrográfica do Ribeirão dos Marins A Bacia hidrográfica do Ribeirão dos Marins, afluente do Rio Piracicaba pela sua margem esquerda, está localizada no município de Piracicaba, Estado de São Paulo, entre as coordenadas e de latitude Sul e e de longitude Oeste. No posto fluviométrico de Monjolinho, onde foram observadas as vazões utilizadas neste estudo, a área de drenagem é de aproximadamente 21,85 km 2. Atualmente, grande parte desta bacia é ocupada pela plantação de cana-de-açúcar; as encostas que apresentam maior declividade são ocupadas com pastagens. A Figura 4 da página seguinte mostra a localização de toda a bacia do Ribeirão dos Marins e a sub-bacia controlada pelo posto Monjolinho (destacada em amarelo) e a Figura 3 abaixo mostra a vista aérea da mesma bacia. Figura 3 Vista aérea da sub-bacia Monjolinho. XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 6

7 Figura 4 - Localização da bacia do Ribeirão dos Marins e a sub-bacia controlada pelo posto Monjjolinho (destacada em amarelo) Córrego Bussocaba O Córrego Bussocaba nasce no Parque Municipal Chico Mendes, em Osasco, e deságua no Rio Tietê. Sua extensão total é cerca de 5,5 km e a área controlada pelo posto fluviométrico de Bussocaba é da ordem de 9,36 km 2. Nas cabeceiras do córrego ainda há áreas de reserva, porém a jusante deste parque a bacia encontra-se altamente urbanizada, conforme pode se observar na Figura 5, na qual a bacia do Córrego Bussocaba é mostrada através de imagem de satélite. XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 7

8 Figura 5 Bacia do Córrego Bussocaba vista pela imagem de satélite. 4.3 Eventos utilizados no estudo Ribeirão dos Marins A Tabela 1 apresenta o período de observação dos eventos chuvosos utilizados neste estudo e a Figura 6 mostra o aspecto dos hietogramas e os correspondentes hidrogramas registrados em cada um dos eventos. Tabela 1 - Período de observação dos eventos de chuva utilizados para o Ribeirão dos Marins. Evento Início Hora 17:50 23:50 21:10 XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos Dia 13/01/ /01/ /01/1999 Fim Hora 00:35 10:20 09:10 Dia 14/01/ /01/ /01/1999 8

9 Tabela 1 Período de observação dos eventos de chuva utilizados para o Ribeirão dos Marins. (continuação). 4 23:30 11/02/ :45 12/02/ :05 11/03/ :50 11/03/ :05 13/12/ :40 14/12/ :25 13/12/ :25 08/01/ :10 13/02/ :55 13/02/ :20 26/03/ :55 27/03/ :55 15/09/ :10 15/09/ Evento Evento ,2 0,4 0,6 0,8 1,2 1,4 1,6 1,8 Evento evento Evento 5 2 Evento vazão (m3/s) Evento Evento 8 9,0 9,0 1 Figura 6 Hietogramas e correspondentes hidrogramas observados no Ribeirão dos Marins. XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 9

10 Evento 9 9, Evento 10 1 Figura 6 Hietogramas e correspondentes hidrogramas observados no Ribeirão dos Marins (continuação) Córrego Bussocaba O período de observação dos eventos chuvosos utilizados neste trabalho está apresentado na Tabela 2 e o aspecto dos hietogramas e os correspondentes hidrogramas registrados em cada um dos eventos está mostrado na Figura 7. Tabela 2 - Período de observação dos eventos de chuva utilizados para o Córrego Bussocaba. Evento Início Fim Hora Dia Hora Dia 1 15:15 11/12/ :05 11/12/ :45 11/12/ :55 11/12/ :45 12/12/ :25 13/12/ :45 13/12/ :55 13/12/ :35 16/12/ :55 16/12/ :05 21/12/ :15 21/12/ :35 22/12/ :25 23/12/ :35 26/12/ :25 26/12/ :45 16/02/ :45 16/02/ :15 16/02/ :55 16/02/ :25 22/02/ :05 22/02/ :55 27/02/ :15 27/02/ :25 04/01/ :25 04/01/ :25 05/01/ :25 05/01/ :45 05/01/ :55 06/01/ :45 08/01/ :25 08/01/ :15 10/01/ :45 11/01/ :05 14/01/ :05 14/01/ :25 22/01/ :25 22/01/ :35 22/01/ :25 22/01/ :15 18/03/ :55 18/03/2011 XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 10

11 Evento 1 1 0,1 0,2 0,3 0,4 0,6 Evento 2 4,5 0, ,5 Evento Evento , Evento Evento Evento ,5 Evento Intervalo de tempo (mm) Evento Evento Figura 7 Hietogramas e correspondentes hidrogramas observados no Córrego Bussocaba. XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 11

12 Evento Evento Intervalo de tempo (10 mun) Evento 13 1 Evento Evento Evento Evento Evento , Evento Evento Figura 7 Hietogramas e correspondentes hidrogramas observados no Córrego Bussocaba (continuação). XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 12

13 Evento Figura 7 Hietogramas e correspondentes hidrogramas observados no Córrego Bussocaba (continuação). 4.3 Apresentação e discussão dos resultados a) Ribeirão dos Marins A Tabela 3 mostra os valores de CN que proporcionaram o melhor ajuste entre os picos dos hidrogramas observados e calculados pelo modelo ABC6. Tabela 3 - Valores de CN que forneceram o melhor ajuste entre os picos dos hidrogramas observados e calculados, para o Ribeirão dos Marins. Evento CN Evento CN 1 > ,3 2 89, , ,6 5 86, Média = 87,4 Conforme descrito no item 4.2.1, grande parte da bacia do Ribeirão dos Marins é ocupada pela plantação de cana-de-açúcar e pastagens. De acordo com os estudos já realizados na região, predomina na bacia o solo tipo B, que é arenoso com baixo teor de argila, inferior a 15%. A Tabela 4 abaixo mostra a taxa de ocupação predominante na bacia e o correspondente valor do CN sugerido pelo SCS (condição II de umidade antecedente). Tabela 4 Taxa de ocupação da bacia do Ribeirão dos Marins e os respectivos valores de CN. Tipo de ocupação Valor do CN Taxa de ocupação (%) Cultura em fileira, linha reta, condições boas Pastos em condições médias Fazendo-se a média ponderada, resulta o valor de CN representativo de toda a bacia do Ribeirão dos Marins, que é igual a 77. XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 13

14 b) Córrego Bussocaba Os valores de CN que proporcionaram o melhor ajuste entre os picos dos hidrogramas observados e os calculados pelo modelo ABC6 estão mostrados na Tabela 5 abaixo. Tabela 5 - Valores de CN que forneceram o melhor ajuste entre os picos dos hidrogramas observados e calculados, para o Córrego Bussocaba. Evento CN Evento CN ,3 2 97, , ,3 4 87, ,1 5 91, ,8 6 84, , ,4 8 97, , , , , ,5 Média = 91,7 A Tabela 6 abaixo mostra a taxa de ocupação predominante na bacia e o correspondente valor do CN sugerido pelo SCS. Tabela 6 Taxa de ocupação da bacia do Córrego Bussocaba e os valores de CN. Tipo de ocupação Valor do CN Taxa de ocupação (%) Uso residencial (até 500 m 2 ) Áreas comerciais Ruas e estradas, pavimentadas com guias e drenagem Estacionamentos pavimentados, telhados Áreas abertas Fazendo-se a média ponderada dos cinco valores, resultou o valor do CN representativo da bacia do Córrego Bussocaba igual a 83, Discussão dos resultados Ao contrário do que se esperava, para ambas as bacias, os valores calibrados com o modelo ABC6 foram maiores do que os sugeridos pelo SCS, conforme pode se observar na Tabela 7 abaixo. Tabela 7 - Valores de CN calibrados e sugeridos pelo SCS. Bacia Calibrado Valor do CN SCS Ribeirão dos Marins 87,4 77 Córrego Bussocaba 91,7 83,6 XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 14

15 Estes resultados vão de encontro àquilo que a maioria dos projetistas vem afirmando a respeito dos valores de CN: se adotar num projeto os valores sugeridos pelo SCS, o valor da vazão máxima será sempre maior, resultando em obras superdimensionadas. No entanto, os resultados obtidos pela calibração do modelo ABC6 devem ser analisados com cautela, pois foram obtidos com pequeno número de evento de chuva, sendo a maioria de baixa intensidade. Além disso, deve-se levar em consideração a fixação do parâmetro tempo de concentração (tc) no modelo ABC6. A determinação do tc é feita, em geral, com base nos gráficos de hidrograma e hietograma ou nas fórmulas empíricas, visto que não há forma para medir diretamente o tc em uma bacia hidrográfica. Na calibração do modelo ABC6, uma pequena variação no tc pode acarretar grandes diferenças nos valores de CN. 6 - CONCLUSÃO Este trabalho teve como objetivo a determinação do valor do parâmetro CN de duas pequenas bacias, através da calibração do modelo de transformação chuva-vazão do SCS com dados de chuva e vazão observados, e o cotejo destes valores com os sugeridos na literatura. Ao contrário do que se esperavam, os valores de CN obtidos pela calibração do modelo ABC6 foram maiores do que os sugeridos pelo SCS. Estes resultados vão de encontro com o que a maioria dos projetistas acreditavam em relação aos valores de CN: os valores sugeridos pelo SCS vão sempre fornecer a vazão máxima superestimada de tal forma que seja a favor da segurança. Cabe ressaltar que o presente trabalho teve como objetivo tão-somente a obtenção dos valores de CN através de calibração do modelo empregado pelo método de SCS e comparar os resultados com os CNs sugeridos na literatura. Embora os valores de CN obtidos pela calibração fossem maiores do que os da literatura, com estes resultados não se pode chegar a nenhuma conclusão, pois foram obtidos com pequeno número de evento de chuva, sendo a maioria de baixa intensidade. Além disso, os resultados da calibração são referentes a apenas duas pequenas bacias hidrográficas do Estado de São Paulo. Para a avaliação dos valores de CN através de calibração do modelo ABC6, deve-se levar em consideração também a fixação do parâmetro tempo de concentração (tc), pois uma pequena variação no tc pode acarretar grandes diferenças nos valores de CN. BIBLIOGRAFIA GERMANO, A. & TUCCI, C.E.;M. (1995). Variabilidade do parâmetro CN em bacias urbanas brasileiras. In: Volume III dos anais do XI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos e II Simpósio XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 15

16 de Hidráulica de países de língua oficial portuguesa, ABRH-APHR, Recife, nov/1995. pg PORTO, R.L.L., ZAHED FILHO, K.; GIKAS, A. Complexas Manual do usuário, Labsid/Epusp. ABC3 Análise de Cheias em Bacias SARTORI, A. (2010). Desenvolvimento de critérios para classificação hidrológica de solos e determinação de valores de referência para o parâmetro CN. Tese de doutorado apresentada à Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo da UNICAMP, SARTORI et al. (2005). Classificação hidrológica de solos brasileiros para a estimativa da chuva excedente com o método de Serviço de Conservação do Solo dos Estados Unidos. Parte 1: Classificação. In: Revista Brasileira de Recursos Hídricos.RBRH. Voilume 10, n.4. 13p. SILVEIRA, G.M. da (2010). Análise de sensibilidade de hidrogramas de projeto aos parâmetros de sua definição indireta. Dissertação de mestrado apresentada à Escola Politécnica da USP, TASSI, R. et. al. (2006). Determinação do parâmetro CN para sub-bacias urbanas do Arroio Dilúvio-Porto Alegre/RS. I Simpósio de Recursos Hídricos do Sul-Sudeste, nov/2006. TUCCI, C.E.M. (organizador) (1993). Hidrologia - Ciência e Aplicação. ABRH, 943 p. XIX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos 16

CAPÍTULO 7. ESCOAMENTO SUPERFICIAL. 7.1. Introdução

CAPÍTULO 7. ESCOAMENTO SUPERFICIAL. 7.1. Introdução CAPÍTULO 7. ESCOAMENTO SUPERFICIAL 7.1. Introdução Das fases básicas do ciclo hidrológico, talvez a mais importante para o engenheiro seja a do escoamento superficial, que é a fase que trata da ocorrência

Leia mais

O Hidrograma Unitário

O Hidrograma Unitário Capítulo 11 O Hidrograma Unitário U ma bacia pode ser imaginada como um sistema que transforma chuva em vazão. A transformação envolve modificações no volume total da água, já que parte da chuva infiltra

Leia mais

Capitulo 99- Método do SCS (Soil Conservation Service) para várias bacias

Capitulo 99- Método do SCS (Soil Conservation Service) para várias bacias Capítulo 99 Método do SCS (Soil Conservation Service) para várias bacias 99-1 Capítulo 99- Método do SCS (Soil Conservation Service) para várias bacias 99.1 Introdução O método do SCS (Soil Conservation

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO PARÂMETRO CN PARA SUB-BACIAS URBANAS DO ARROIO DILÚVIO - PORTO ALEGRE/RS

DETERMINAÇÃO DO PARÂMETRO CN PARA SUB-BACIAS URBANAS DO ARROIO DILÚVIO - PORTO ALEGRE/RS DETERMINAÇÃO DO PARÂMETRO CN PARA SUB-BACIAS URBANAS DO ARROIO DILÚVIO - PORTO ALEGRE/RS Rutinéia Tassi 1 ; Daniel G. Allasia 2 ; Adalberto Meller 2 ; Talita C. Miranda 3 ; Josiane Holz 3 & André L. L.

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

Parte I. Hidrologia e Hidráulica: conceitos básicos e metodologias. Capítulo 1 Hidrologia Vazão de Enchente

Parte I. Hidrologia e Hidráulica: conceitos básicos e metodologias. Capítulo 1 Hidrologia Vazão de Enchente Parte I e Hidráulica: conceitos básicos e metodologias Capítulo 1 12 Capítulo 1. PRINCIPAIS TERMOS HIDROLÓGICOS Na análise hidrológica aqui apresentada, destaca-se a importância do conhecimento das metodologias

Leia mais

9 HIDROLOGIA DE SUPERFÍCIE: estimativa de vazões máximas

9 HIDROLOGIA DE SUPERFÍCIE: estimativa de vazões máximas 9 HIDROLOGIA DE SUPERFÍCIE: estimativa de vazões máximas 9.1 Introdução Dados de vazão em bacias hidrográficas são escassos no Brasil, existindo, na maior parte, monitoramento hidrológico em grandes bacias,

Leia mais

EFEITO DO CONTROLE NA FONTE SOBRE A MACRODRENAGEM. Palavras-Chave - microrreservatórios, controle na fonte, macrodrenagem

EFEITO DO CONTROLE NA FONTE SOBRE A MACRODRENAGEM. Palavras-Chave - microrreservatórios, controle na fonte, macrodrenagem EFEITO DO CONTROLE NA FONTE SOBRE A MACRODRENAGEM Rutinéia Tassi 1 e Adolfo O. N. Villanueva1 1 1 Instituto de Pesquisas Hidráulicas da UFRGS Caixa Postal 15029, CEP 91501-970, Porto Alegre/RS - Brasil.

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS MATERIAIS E MÉTODOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS MATERIAIS E MÉTODOS AVALIAÇÃO DE MÉTODOS PARA DETERMINAÇÃO DO PICO DE VAZÃO PELA FÓRMULA RACIONAL, MÉTODO DE COOK (USA) E MÉTODO DE COOK MODIFICADO EM UMA PEQUENA BACIA HIDROGRÁFICA Tarcisio Barcellos Bellinaso 1 RESUMO -

Leia mais

DRENAGEM URBANA. Semana do Meio Ambiente 01 a 05 de Junho. Ribeirão Preto, 03 de Junho de 2009. Swami Marcondes Villela

DRENAGEM URBANA. Semana do Meio Ambiente 01 a 05 de Junho. Ribeirão Preto, 03 de Junho de 2009. Swami Marcondes Villela DRENAGEM URBANA Atualização do Plano Diretor de Macrodrenagem de Ribeirão Preto Semana do Meio Ambiente 01 a 05 de Junho Ribeirão Preto, 03 de Junho de 2009 Swami Marcondes Villela CONTROLE DE ENCHENTES

Leia mais

Análise do crescimento urbano e seus efeitos na mudança da dinâmica de escoamento superficial da bacia do Pararangaba.

Análise do crescimento urbano e seus efeitos na mudança da dinâmica de escoamento superficial da bacia do Pararangaba. Análise do crescimento urbano e seus efeitos na mudança da dinâmica de escoamento superficial da bacia do Pararangaba. Iria Fernandes Vendrame 1 hiria@ita.br Wallace Alan Blois Lopes 1 blois@ita.br 1 Instituto

Leia mais

SIMULAÇÃO CHUVA-VAZÃO PELO MÉTODO SCS COM PROPAGAÇÃO EM CANAL POR MUSKINGUN CUNGE LINEAR NA BACIA DO ALTO URUGUAI

SIMULAÇÃO CHUVA-VAZÃO PELO MÉTODO SCS COM PROPAGAÇÃO EM CANAL POR MUSKINGUN CUNGE LINEAR NA BACIA DO ALTO URUGUAI SIMULAÇÃO CHUVA-VAZÃO PELO MÉTODO SCS COM PROPAGAÇÃO EM CANAL POR MUSKINGUN CUNGE LINEAR NA BACIA DO ALTO URUGUAI Ivanilto Andreolli 1 & Carlos Eduardo Morelli Tucci 2 Resumo - Em hidrologia, a escassez

Leia mais

DEFINIÇÃO DA CHUVA DE PROJETO POR MÉTODOS TRADICIONAIS PARA A CIDADE DE UBERLÂNDIA-MG

DEFINIÇÃO DA CHUVA DE PROJETO POR MÉTODOS TRADICIONAIS PARA A CIDADE DE UBERLÂNDIA-MG DEFINIÇÃO DA CHUVA DE PROJETO POR MÉTODOS TRADICIONAIS PARA A CIDADE DE UBERLÂNDIA-MG Carlos Eugenio Pereira* 1 & Marcio Ricardo Salla 2 & Fernanda Ribeiro Garcia de Oliveira 3 & Luciana Alves Sá 3 Resumo

Leia mais

Quadro 4.3 - Relação de chuvas de diferentes durações. Valor Médio Obtido pelo DNOS. 5 min / 30 min 0,34 1 h / 24 h 0,42

Quadro 4.3 - Relação de chuvas de diferentes durações. Valor Médio Obtido pelo DNOS. 5 min / 30 min 0,34 1 h / 24 h 0,42 Determinação da Intensidade de Chuva Para obtenção das intensidades de chuvas de curta duração, em função de diversos tempos de recorrência, aplicaram-se procedimentos a seguir descritos: Primeiramente

Leia mais

PREENCHIMENTO DE FALHAS DE DADOS OBSERVADOS DE VAZÃO UTILIZANDO A EQUAÇÃO DE MANNING

PREENCHIMENTO DE FALHAS DE DADOS OBSERVADOS DE VAZÃO UTILIZANDO A EQUAÇÃO DE MANNING PREENCHIMENTO DE FALHAS DE DADOS OBSERVADOS DE VAZÃO UTILIZANDO A EQUAÇÃO DE MANNING *Marilia Ferreira Tamiosso 1 & Camila Ferreira Tamiosso 2 & Ronaldo Kanopf de Araújo 3 & Jussara Cabral Cruz 4 & João

Leia mais

Análise da Ocupação Urbana na Bacia do Córrego dos Pires, Jahu SP e seus Impactos na Drenagem Urbana

Análise da Ocupação Urbana na Bacia do Córrego dos Pires, Jahu SP e seus Impactos na Drenagem Urbana Análise da Ocupação Urbana na Bacia do Córrego dos Pires, Jahu SP e seus Impactos na Drenagem Urbana Odeir Alves LIIDTHE 1 Dalva Maria Castro VITTI 2 José Carlos Veniziani JUNIOR 3 Resumo As inundações

Leia mais

HIDROLOGIA BÁSICA Capítulo 7 - Infiltração 7. INFILTRAÇÃO

HIDROLOGIA BÁSICA Capítulo 7 - Infiltração 7. INFILTRAÇÃO 7. INFILTRAÇÃO 7 - INFILTRAÇÃO 7.1 - Conceituação Geral Uma gota de chuva pode ser interceptada pela vegetação ou cair diretamente sobre o solo. A quantidade de água interceptada somente pode ser avaliada

Leia mais

SECRETARIA DE SANEAMENTO E RECURSOS HÍDRICOS DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA DIRETORIA DE PROCEDIMENTOS DE OUTORGA E FISCALIZAÇÃO

SECRETARIA DE SANEAMENTO E RECURSOS HÍDRICOS DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA DIRETORIA DE PROCEDIMENTOS DE OUTORGA E FISCALIZAÇÃO SECRETARIA DE SANEAMENTO E RECURSOS HÍDRICOS DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA DIRETORIA DE PROCEDIMENTOS DE OUTORGA E FISCALIZAÇÃO Elaboração de Material Didático e a Realização de Cursos de Capacitação

Leia mais

Parte II APLICAÇÕES PRÁTICAS. Capítulo 3 Determinação da Vazão de Projeto

Parte II APLICAÇÕES PRÁTICAS. Capítulo 3 Determinação da Vazão de Projeto Parte II APLICAÇÕES PRÁTICAS Capítulo 3 54 Capítulo 3 Para facilitar a compreensão das noções básicas de projetos de obras hidráulicas, no próximo capítulo desenvolve-se o projeto de uma pequena barragem.

Leia mais

EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC

EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC Daiani Rosa 1 ; Elfride Anrain Lindner 2 ; Angelo Mendes Massignam 3 RESUMO As relações entre a intensidade, duração e freqüência de chuvas podem

Leia mais

Introdução. Porto Alegre - Bacia do Arroio Areia

Introdução. Porto Alegre - Bacia do Arroio Areia Planos diretores de drenagem urbana: Os casos de Porto Alegre e Caxias do Sul - RS - Brasil Adolfo O. N. Villanueva, Rutinéia Tassi e Daniel G. Allasia Instituto de Pesquisas Hidráulicas - Universidade

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1ª PARTE (ÁGUA SUBTERRÂNEA) 1- Como pode ser classificado um manancial de abastecimento? 2- De que são constituídos

Leia mais

Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano

Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano PROF. DR. JOSÉ RODOLFO SCARATI MARTINS ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO A CIDADE É O GRANDE VILÃO AMBIENTAL Grandes demandas concentradas sobre uma

Leia mais

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA 3.1. Introdução O Ciclo Hidrológico, como descrito anteriormente, tem um aspecto geral e pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, já que a quantidade de água disponível

Leia mais

EFEITO DA DISCRETIZAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL NA ESTIMATIVA DO HIDROGRAMA DE PROJETO

EFEITO DA DISCRETIZAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL NA ESTIMATIVA DO HIDROGRAMA DE PROJETO EFEITO DA DISCRETIZAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL NA ESTIMATIVA DO HIDROGRAMA DE PROJETO Manuel José Mahunguana 1* ; Juan Martín Bravo 2 ; Rafael Kayser 3 ; Felipe Mamedio 4 ; Fernando Mainardi Fan 5 ; Taison Bortolin

Leia mais

BACIA DO RIO PARARANGABA (SÃO JOSÉ DOS CAMPOS SP): CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E IMPACTO DA URBANIZAÇÃO. Ingrid Neves Brandão Marlene Elias Ferreira

BACIA DO RIO PARARANGABA (SÃO JOSÉ DOS CAMPOS SP): CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E IMPACTO DA URBANIZAÇÃO. Ingrid Neves Brandão Marlene Elias Ferreira BACIA DO RIO PARARANGABA (SÃO JOSÉ DOS CAMPOS SP): CARACTERÍSTICAS FÍSICAS E IMPACTO DA URBANIZAÇÃO Ingrid Neves Brandão Marlene Elias Ferreira Universidade do Vale do Paraíba (Univap), São José dos Campos

Leia mais

Influência da impermeabilização do solo sobre o escoamento superficial em um bairro de Campo Grande - MS

Influência da impermeabilização do solo sobre o escoamento superficial em um bairro de Campo Grande - MS Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p. 564-574 Influência da impermeabilização do solo sobre o escoamento superficial em um bairro de Campo Grande - MS Nayara Vasconcelos Estrabis¹ Ana Paula Silva Teles

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM BANCO DE DADOS ESPACIAL PARA A ESTIMATIVA DO ESCOAMENTO SUPERFICIAL DIRETO EM BACIAS HIDROGRÁFICAS

DESENVOLVIMENTO DE UM BANCO DE DADOS ESPACIAL PARA A ESTIMATIVA DO ESCOAMENTO SUPERFICIAL DIRETO EM BACIAS HIDROGRÁFICAS DESENVOLVIMENTO DE UM BANCO DE DADOS ESPACIAL PARA A ESTIMATIVA DO ESCOAMENTO SUPERFICIAL DIRETO EM BACIAS HIDROGRÁFICAS Alexandro Gularte Schäfer 1 * Resumo Este artigo apresenta o desenvolvimento de

Leia mais

Alexandro Gularte Schafer Universidade Federal do Pampa UNIPAMPA Campus Bagé alexandro.schafer@unipampa.edu.br

Alexandro Gularte Schafer Universidade Federal do Pampa UNIPAMPA Campus Bagé alexandro.schafer@unipampa.edu.br Estimativa do escoamento superficial direto na bacia hidrográfica do rio Atuba/PR/Brasil utilizando um banco de dados espacial Alexandro Gularte Schafer Universidade Federal do Pampa UNIPAMPA Campus Bagé

Leia mais

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros MESA 4 MONITORAMENTO E SISTEMA DE ALERTA Mario Thadeu Leme de Barros 1 A QUESTÃO DO CONTROLE DE CHEIAS URBANAS Medidas Estruturais versus Medidas Não Estruturais 2 Medidas não estruturais que se destacam:

Leia mais

Alegre-ES, CEP.: 29.500-000, Caixa Postal 16, edreis@cca.ufes.br

Alegre-ES, CEP.: 29.500-000, Caixa Postal 16, edreis@cca.ufes.br ANÁLISE ESTATÍSTICA PARA DETERMINAÇÃO DA NA BACIA DO RIO SÃO MATEUS-ES Eduardo Morgan Uliana 1, Camila Aparecida da Silva Martins 1, José Geraldo Ferreira da Silva 2, Edvaldo Fialho dos Reis 3 1 Universidade

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI HUGO DE OLIVEIRA MELO JAIRO PAULO DE BRITO MARCIO DE SOUZA ALVES CONCEITOS BÁSICOS SOBRE DIMENSIONAMENTO DE RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO SÃO PAULO 2010 2 HUGO DE OLIVEIRA MELO

Leia mais

Dentre os procedimentos metodológicos utilizados na pesquisa, destacam-se as seguintes etapas:

Dentre os procedimentos metodológicos utilizados na pesquisa, destacam-se as seguintes etapas: 4. METODOLOGIA: MATERIAIS E MÉTODOS 4.1 Procedimentos metodológicos Dentre os procedimentos metodológicos utilizados na pesquisa, destacam-se as seguintes etapas: (a) Delimitação do universo da pesquisa

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA: PRINCÍPIOS E CONCEPÇÃO

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA: PRINCÍPIOS E CONCEPÇÃO RBRH - Revista Brasileira de Recursos Hídricos Volume 2 n.2 Jul/Dez 1997, 5-12 PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA: PRINCÍPIOS E CONCEPÇÃO Carlos E. M. Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas - UFRGS 91501-970

Leia mais

Capítulo 66 Método de I PAI WU

Capítulo 66 Método de I PAI WU Capítulo 66 Método de I PAI WU 66-1 Capítulo 66- Método I PAI WU 66.1 Introdução Vamos comentar o Método I PAI WU usando os ensinamentos do prof. Hiroshi Yoshizane da Unicamp de Limeira. Para os engenheiros

Leia mais

X-010 - DETERMINAÇÃO DA VAZÃO DE PROJETO EM BACIAS URBANAS

X-010 - DETERMINAÇÃO DA VAZÃO DE PROJETO EM BACIAS URBANAS X-010 - DETERMINAÇÃO DA VAZÃO DE PROJETO EM BACIA URBANA Jorge Luiz teffen (1) Professor Adjunto do Departamento de Hidráulica e Transportes do Centro de Ciências Exatas e Tecnologia da Universidade Federal

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC FLORIANÓPOLIS SETEMBRO 2011 1 1. INTRODUÇÃO O Sistema de monitoramento hidrometeorológico é um dos principais instrumentos

Leia mais

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE Previsão de Níveis do Pantanal MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA MME COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM 1. Descrição da Atividade

Leia mais

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE Previsão de Níveis do Pantanal MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA MME COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM 1. Descrição da Atividade

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça Hidrologia e Drenagem Aula 2 1 ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça SISTEMA DE DRENAGEM E PRECIPITAÇÕES (PARTE 1) 1) Sistema

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI Grizio-orita, E.V. 1 ; Souza Filho, E.E. 2 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Email:edineia_grizio@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

Leia mais

CAPÍTULO VI ESCOAMENTO SUPERFICIAL

CAPÍTULO VI ESCOAMENTO SUPERFICIAL CAPÍTULO VI ESCOAMENTO SUPERFICIAL 6.0.Considerações: O escoamento superficial é a fase do ciclo hidrológico que resulta do excedente das águas precipitadas que não se infiltraram ou evaporaram; e que

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DO NATAL 3.2 -MEDIDAS NÃO-ESTRUTURAIS

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DO NATAL 3.2 -MEDIDAS NÃO-ESTRUTURAIS PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS DA CIDADE DO NATAL 3.2 -MEDIDAS NÃO-ESTRUTURAIS NATAL/RN, Outubro / 2009 EQUIPE DO PLANO DIRETOR DE DRENAGEM E MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS (PPDDMA) Demétrio

Leia mais

HIDROLOGIA AULA 02. 5 semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br

HIDROLOGIA AULA 02. 5 semestre - Engenharia Civil. Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br HIDROLOGIA AULA 02 5 semestre - Engenharia Civil Profª. Priscila Pini prof.priscila@feitep.edu.br 1. Bacia hidrográfica DEFINIÇÃO É a área de captação natural dos fluxos de água originados a partir da

Leia mais

ESCOAMENTO SUPERFICIAL

ESCOAMENTO SUPERFICIAL ESCOAMENTO SUPERFICIAL 1 Definição e abordagem introdutória No contexto do ciclo hidrológico, o escoamento superficial é um dos componentes mais importantes para dimensionamentos hidráulicos e manejo da

Leia mais

IMPACTO DA BARRAGEM DE CAMARÁ SOBRE O HIDROGRAMA DE CHEIA NA CIDADE DE ALAGOA GRANDE/PB. Elisângela do Rego Lima

IMPACTO DA BARRAGEM DE CAMARÁ SOBRE O HIDROGRAMA DE CHEIA NA CIDADE DE ALAGOA GRANDE/PB. Elisângela do Rego Lima IMPACTO DA BARRAGEM DE CAMARÁ SOBRE O HIDROGRAMA DE CHEIA NA CIDADE DE ALAGOA GRANDE/PB Elisângela do Rego Lima INTRODUÇÃO As inundações (freqüência e magnitude); Alagoa Grande (332,6 km²); Maior enchente

Leia mais

Notas de Aula Manejo de Bacias Hidrográficas

Notas de Aula Manejo de Bacias Hidrográficas BCI HIDROGRÁFIC (Obs: Este material é uma compilação de assuntos, não devendo ser adotado como única forma de estudo da disciplina. O mesmo não substitui a bibliografia apresentada no primeiro dia de aulas.

Leia mais

Capítulo 141-Regionalização hidrográfica

Capítulo 141-Regionalização hidrográfica Capítulo 141-Regionalização hidrográfica 141-1 Capítulo 141-Regionalização hidrográfica 141.1 Introdução O mundo passa por grandes transformações e os recursos hídricos deverão no séeculo XXI ser analisado

Leia mais

USO DE PAVIMENTOS PERMEÁVEIS COMO MEDIDA DE CONTROLE DAS INUNDAÇÕES URBANAS URAA URBANA URBANA

USO DE PAVIMENTOS PERMEÁVEIS COMO MEDIDA DE CONTROLE DAS INUNDAÇÕES URBANAS URAA URBANA URBANA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI CAUÊ SILVA COSTA EDIPO MONTSECH AMORIM ALVES THIAGO DIAS BARBOZA USO DE PAVIMENTOS PERMEÁVEIS COMO MEDIDA DE CONTROLE DAS INUNDAÇÕES URBANAS URAA URBANA URBANA SÃO PAULO 2011

Leia mais

4º Trabalho. Obtenção de hidrogramas de cheia. Amortecimento de ondas de cheia afluente

4º Trabalho. Obtenção de hidrogramas de cheia. Amortecimento de ondas de cheia afluente 4º Trabalho Obtenção de hidrogramas de cheia. Amortecimento de ondas de cheia afluente Plano de trabalhos Sem.: a) Cálculo da precipitação de projecto; Cálculo do tempo de concentração da bacia hidrográfica;

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO PARA DIMENSIONAMENTO DE PASSAGEM VIÁRIA

MEMORIAL DE CÁLCULO PARA DIMENSIONAMENTO DE PASSAGEM VIÁRIA MEMORIAL DE CÁLCULO PARA DIMENSIONAMENTO DE PASSAGEM VIÁRIA Dispositivo: Bueiro simples tubular concreto (BSTC) Aterro: sim I - INTRODUÇÃO 1. Parâmetros de dimensionamento do BSTC Segundo o Manual de Drenagem

Leia mais

INFLUENCE CONTROL OF URBAN IMPERVIOUS SURFACE IN COST OF DRAINAGE SYSTEM

INFLUENCE CONTROL OF URBAN IMPERVIOUS SURFACE IN COST OF DRAINAGE SYSTEM INFLUÊNCIA DO CONTROLE DA IMPERMEABILIZAÇÃO NO CUSTO DO SISTEMA DE DRENAGEM M. C. S. Pereira 1 ; R. M. Lucci 2 ; C. A. Amaro 3 ; L. Y. Simionato 4 ; L. F. O. L. Yazaki 5 ; M. F. A. Porto 6 ; O. Natale

Leia mais

- DIMENSIONAMENTO DE VERTEDOUROS -

- DIMENSIONAMENTO DE VERTEDOUROS - V CONGRESSO BRASILEIRO DE MINA A CÉU C U ABERTO ASPECTOS CRÍTICOS DE PROJETO PARA FECHAMENTO DE BARRAGENS DE REJEITOS - DIMENSIONAMENTO DE VERTEDOUROS - MÁRIO CICARELI PINHEIRO Engenheiro Civil, especialidade

Leia mais

EFEITO DO CONTROLE NA FONTE SOBRE A MACRODRENAGEM: RESULTADOS PRELIMINARES. Rutinéia Tassi 1 e Adolfo O. N. Villanueva1 1

EFEITO DO CONTROLE NA FONTE SOBRE A MACRODRENAGEM: RESULTADOS PRELIMINARES. Rutinéia Tassi 1 e Adolfo O. N. Villanueva1 1 EFEITO DO CONTROLE NA FONTE SOBRE A MACRODRENAGEM: RESULTADOS PRELIMINARES Rutinéia Tassi 1 e Adolfo O. N. Villanueva1 1 Resumo As novas alternativas propostas para resolver os problemas de drenagem urbana

Leia mais

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS AUTORES: Marcos Antonio Gomes - Engenheiro Florestal; Coordenador Técnico do Programa de Gestão de Recursos Hídricos

Leia mais

EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL

EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL EQUAÇÕES DE INFILTRAÇÃO PELO MÉTODO DO INFILTRÔMETRO DE ANEL, DETERMINADAS POR REGRESSÃO LINEAR E REGRESSÃO POTENCIAL K. F. O. Alves 1 ; M. A. R. Carvalho 2 ; L. C. C. Carvalho 3 ; M. L. M. Sales 4 RESUMO:

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NA BACIA DO RIO SOROCABA-SP

VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NA BACIA DO RIO SOROCABA-SP VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NA BACIA DO RIO SOROCABA-SP Manuel Enrique Gamero Guandique 1 ; Telma de Assis Silveira 2 ; Douglas dos Santos Silva 3 RESUMO Estudos sobre a

Leia mais

MUNICÍPIO DE LONDRINA Plano Municipal de Saneamento Básico Relatório de Diagnóstico da Situação do Saneamento

MUNICÍPIO DE LONDRINA Plano Municipal de Saneamento Básico Relatório de Diagnóstico da Situação do Saneamento 6.5 DRENAGEM E MANEJO DAS ÁGUAS PLUVIAIS URBANAS O comportamento do escoamento superficial direto sofre alterações substanciais em decorrência do processo de urbanização de uma bacia, principalmente como

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 5 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Cap5 Plano Diretor de Águas Pluviais A gestão das águas pluviais dentro do município

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE Alice Silva de Castilho 1 RESUMO - Este artigo apresenta uma análise comparativa entre os totais mensais

Leia mais

ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL

ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL ESTUDO DE VAZÕES E COTAS EM UMA BACIA HIDROGRÁFICA, CEARÁ, BRASIL B. P. H. G. Cardoso 1 ; F. F de. Araújo 2 RESUMO: Este trabalho objetivou possibilitar um levantamento estatístico das vazões e cotas de

Leia mais

Elementos para o controle da drenagem urbana

Elementos para o controle da drenagem urbana (*) artigo em elaboração para submeter a RBRH Elementos para o controle da drenagem urbana Carlos E. M. Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas Universidade Federal do Rio Grande do Sul Av. Bento Gonçalves,

Leia mais

Sub-rede 3: Manejo e Gerenciamento Integrado de Recursos Hídricos

Sub-rede 3: Manejo e Gerenciamento Integrado de Recursos Hídricos Sub-rede 3: Manejo e Gerenciamento Integrado de Recursos Hídricos Título do (sub) Projeto: Modelação Hidrossedimentométrica e da Qualidade da Água da Bacia Hidrográfica do Arroio Vacacaí Mirim INSTITUIÇÃO

Leia mais

PREVISÃO EM TEMPO REAL DE VAZÕES AFLUENTES A RESERVATÓRIOS DE USINAS HIDRELÉTRICAS. Miriam Rita Moro Mine. Carlos Eduardo Morelli Tucci

PREVISÃO EM TEMPO REAL DE VAZÕES AFLUENTES A RESERVATÓRIOS DE USINAS HIDRELÉTRICAS. Miriam Rita Moro Mine. Carlos Eduardo Morelli Tucci PREVISÃO EM TEMPO REAL DE VAZÕES AFLUENTES A RESERVATÓRIOS DE USINAS HIDRELÉTRICAS Miriam Rita Moro Mine Universidade Federal do Paraná UFPR Centro de Hidráulica e Hidrologia Professor Parigot de Souza

Leia mais

Marcelo Gonçalves 1 Maurício Polidoro 2 Daniel Fermino da Silva 3

Marcelo Gonçalves 1 Maurício Polidoro 2 Daniel Fermino da Silva 3 Análise dos índices de impermeabilização do solo utilizando geoprocessamento: proposta de atualização do decreto nº. 402/1980 para projetos de drenagem no município de Londrina-PR Marcelo Gonçalves 1 Maurício

Leia mais

CHEIA DE 2014 NA BACIA DO RIO MADEIRA FLOOD OF 2014 IN MADEIRA RIVER

CHEIA DE 2014 NA BACIA DO RIO MADEIRA FLOOD OF 2014 IN MADEIRA RIVER CHEIA DE 2014 NA BACIA DO RIO MADEIRA Andrea de Oliveira Germano 1 & Alice Castilho 2 & Marcio Candido 3 & Francisco Reis 4 Resumo No ano hidrológico de outubro de 2013 a setembro de 2014 foi registrado

Leia mais

*MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail. *2. Requerente Pessoa jurídica

*MODULO 1 - IDENTIFICAÇÃO. *1. Requerente Pessoa Física. Distrito Caixa Postal UF CEP DDD Telefone Fax E-mail. *2. Requerente Pessoa jurídica 15 - CANALIZAÇÃO E/OU RETIFICAÇÂO DE CURSO D ÁGUA 1 Definição: É toda obra ou serviço que tenha por objetivo dar forma geométrica definida para a seção transversal do curso d'água, ou trecho deste, com

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO À LEGISLAÇÃO PARA O PLANEJAMENTO DA DRENAGEM URBANA. Flávio A. de O. Alves 1 ; Costa, A. R 2.

CONTRIBUIÇÃO À LEGISLAÇÃO PARA O PLANEJAMENTO DA DRENAGEM URBANA. Flávio A. de O. Alves 1 ; Costa, A. R 2. FLÁVIO, A. O. A.; COSTA, A. R. Contribuição à Legislação para o Planejamento da Drenagem Urbana. In: CONGRESSO DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO DA UFG COMPEEX, 2006, Goiânia. Anais eletrônicos do XIV Seminário

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE BACIAS DE RETENÇÃO DO ESCOAMENTO H. MATA-LIMA

DIMENSIONAMENTO DE BACIAS DE RETENÇÃO DO ESCOAMENTO H. MATA-LIMA DIMENSIONAMENTO DE BACIAS DE RETENÇÃO DO ESCOAMENTO H. MATA-LIMA OBJECTIVO Referir a multifuncionalidade das Bacias de Retenção do escoamento; Os critérios de dimensionamento; O papel importante que assumem

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES HIDROLÓGICAS

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES HIDROLÓGICAS SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES HIDROLÓGICAS Luiz Henrique Nobre Bof ; Heber Tormentino de Sousa & Fernando Falco Pruski 3 RESUMO Tendo em vista a carência de modelos computacionais que auxiliem os

Leia mais

1. GENERALIDADES 2. COMPONENTES DO ESCOAMENTO

1. GENERALIDADES 2. COMPONENTES DO ESCOAMENTO Capítulo 8 1. GENERALIDADES O escoamento superficial tem origem, fundamentalmente, nas precipitações. Ao chegar ao solo, parte da água se infiltra, parte é retirada pelas depressões do terreno e parte

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG)

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG) ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG) Alan Cássio Campos 1 Julio Cezar Costa 1 Gabriel Pereira 1 E-mail: allancassiio@hotmail.com; juliocezar188@hotmail.com pereira@ufsj.edu.br

Leia mais

VARIAÇÃO CLIMÁTICA EM GILBUÉS-PI, BRASIL EM ATUAÇÃO AO ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAIS

VARIAÇÃO CLIMÁTICA EM GILBUÉS-PI, BRASIL EM ATUAÇÃO AO ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAIS VARIAÇÃO CLIMÁTICA EM GILBUÉS-PI, BRASIL EM ATUAÇÃO AO ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAIS Raimundo Mainar de Medeiros 1, Paulo Roberto Megna Francisco 2, Roseane Cristina Silva Oliveira 3, Manoel Francisco

Leia mais

RELAÇÕES INTENSIDADE-DURAÇÃO-FREQUÊNCIA DAS CHUVAS INTENSAS DE LAGES-SC A PARTIR DA ANÁLISE DE PLUVIOGRAMAS OBSERVADOS

RELAÇÕES INTENSIDADE-DURAÇÃO-FREQUÊNCIA DAS CHUVAS INTENSAS DE LAGES-SC A PARTIR DA ANÁLISE DE PLUVIOGRAMAS OBSERVADOS RELAÇÕES INTENSIDADE-DURAÇÃO-FREQUÊNCIA DAS CHUVAS INTENSAS DE LAGES-SC A PARTIR DA ANÁLISE DE PLUVIOGRAMAS OBSERVADOS CÉLIO O. CARDOSO 1, CARLOS A. P. SAMPAIO 2, CAMILA S. PRAZERES 3, CRIZANE HACKBARTH

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE BACIAS DE DETENÇÃO DAS ÁGUAS PLUVIAIS COM BASE NO MÉTODO RACIONAL

DIMENSIONAMENTO DE BACIAS DE DETENÇÃO DAS ÁGUAS PLUVIAIS COM BASE NO MÉTODO RACIONAL EDU JOSÉ FRANCO DIMENSIONAMENTO DE BACIAS DE DETENÇÃO DAS ÁGUAS PLUVIAIS COM BASE NO MÉTODO RACIONAL Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre no Programa de Pós-graduação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS

EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS XV Encontro de Iniciação Científica XI Mostra de Pós-graduação V Seminário de Extensão II Seminário de Docência Universitária 18 a 22 de outubro de 2010 DESAFIOS DO SABER PARA UMA NOVA SOCIEDADE EPB0733

Leia mais

Programa de Pós- Graduação em Engenharia Hidráulica e Saneamento

Programa de Pós- Graduação em Engenharia Hidráulica e Saneamento Programa de Pós- Graduação em Engenharia Hidráulica e Saneamento APLICAÇÃO DE ANALISE ORIENTADA A OBJETOS EM IMAGENS DE ALTA RESOLUÇÃO NA DETERMINAÇÃO DA COBERTURA DE SOLOS Leandro Guimarães Bais MarJns

Leia mais

ANALISE DA DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO MENSAL E ANUAL PARA A CIDADE DE IGUATU-CE 1

ANALISE DA DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO MENSAL E ANUAL PARA A CIDADE DE IGUATU-CE 1 ANALISE DA DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO MENSAL E ANUAL PARA A CIDADE DE IGUATU-CE 1 ÍTALO N. SILVA 2, JOAQUIM B. OLIVEIRA 3, ELIAKIM M. ARAÚJO 4, EDMILSON G. C. JUNIOR 4, BRUNO M. ALMEIDA

Leia mais

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 TENDÊNCIA DE MUDANÇAS DA TEMPERATURA EM IGUATU, CEARÁ 1 ELIAKIM M. ARAÚJO 2, JOAQUIM B. DE OLIVEIRA 3, ITALO N. SILVA 4, EDMILSON G. CAVALCANTE JÚNIOR 4, BRUNO M. DE ALMEIDA 4 1 Parte do TCC do primeiro

Leia mais

Previsão de Vazões da Duke Energy

Previsão de Vazões da Duke Energy Previsão de Vazões da Duke Energy Duke Energy International, Geração Paranapanema Carlos Antônio Severino Costa MODELO DE PREVISÃO DE VAZÕES: SMAP (Soil Moisture Accounting Procedure) -Modelo determinístico

Leia mais

APLICATIVOS HIDROLÓGICOS PARA O SISTEMA DE ALERTA A INUNDAÇÕES DE SÃO PAULO

APLICATIVOS HIDROLÓGICOS PARA O SISTEMA DE ALERTA A INUNDAÇÕES DE SÃO PAULO APLICATIVOS HIDROLÓGICOS PARA O SISTEMA DE ALERTA A INUNDAÇÕES DE SÃO PAULO Anete S. Fernandes Instituto Astronômico e Geofísico - USP anete@model.iag.usp.br Mário T.L. Barros Escola Politécnica - PHD

Leia mais

Aplicação do TRMM para acompanhamento de eventos de cheia do Rio Madeira

Aplicação do TRMM para acompanhamento de eventos de cheia do Rio Madeira Aplicação do TRMM para acompanhamento de eventos de cheia do Rio Madeira Ana Cristina Santos Strava Correa 1 Luiz Gilberto Dall'Igna 1, Marcelo José Gama da Silva 1, Iago Silva Barbosa 1,2, Astrea Alves

Leia mais

Andréa Souza Castro 1 e Joel Avruch Goldenfum 2

Andréa Souza Castro 1 e Joel Avruch Goldenfum 2 1USO DE TELHADOS VERDES NO CONTROLE QUALI-QUANTITATIVO DO ESCOAMENTO SUPERFICIAL URBANO Andréa Souza Castro 1 e Joel Avruch Goldenfum 2 RESUMO Os telhados verdes são estruturas que se caracterizam pela

Leia mais

24 de Janeiro de 2010

24 de Janeiro de 2010 Pontifícia Universidade Católica do Paraná Concurso Público da Companhia Paranaense de Energia - COPEL 24 de Janeiro de 2010 CARGO Nº 35 ENGENHEIRO CIVIL PLENO Atuação: Engenharia de Recursos Hídricos

Leia mais

PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO COM BASE MUNICIPALIZADA NAS MODALIDADES ÁGUA, ESGOTO E DRENAGEM URBANA APRESENTAÇÃO

PLANO REGIONAL DE SANEAMENTO COM BASE MUNICIPALIZADA NAS MODALIDADES ÁGUA, ESGOTO E DRENAGEM URBANA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O Plano Municipal de Saneamento Básico é um elemento fundamental para o planejamento de um município visando o desenvolvimento sustentável. É através do planejamento que se consegue diagnosticar

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. CONCEITUE HIDROLOGIA? Ciência que trata da água na terra, em relação a sua ocorrência, Circulação,

Leia mais

HIDRÁULICA APLICADA II

HIDRÁULICA APLICADA II HIDRÁULICA APLICADA II PARTE I 1 SUMÁRIO 1. GENERALIDADES 2. CICLO HIDROLÓGICO 3. BACIA HIDROGRÁFICA 5. INTERCEPÇÃO, EVAPORAÇÃO E EVAPOTRANSPIRAÇÃO 6. ESCOAMENTO DE SUPERFÍCIE 2 1 Originada na camada inferior

Leia mais

Modelagem da bacia hidrográfica urbana utilizando o Watershed Modeling System (WMS)

Modelagem da bacia hidrográfica urbana utilizando o Watershed Modeling System (WMS) Modelagem da bacia hidrográfica urbana utilizando o Watershed Modeling System (WMS) Francisco das Chagas de Oliveira Cacela Filho Afonso Paulo Souza Silva Ana Rosa Baganha Barp Luiz Eduardo do Canto Costa

Leia mais

Capítulo 02 Método Racional

Capítulo 02 Método Racional Capítulo 02 Método Racional As hipóteses são redes: só quem as lança colhe alguma coisa.. Novalis 2-1 Capítulo 2 -Método Racional ( 3km 2 ) 2.1 Introdução O método racional é um método indireto e foi apresentado

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Definição DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Segundo a Resolução Interna Sanepar nº091/2007, o Estudo de Cota de Inundação (ECI) é a definição da cota de assente para estruturas de saneamento, seja de captação,

Leia mais

IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC

IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC Willians Cesar Benetti (1) Acadêmico do Curso de Engenharia Civil, Bolsista PROBIC/UDESC. Centro de Ciências Tecnológicas

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO E USO DO SOLO URBANO: ESTUDO DE CASO NA MICRO-BACIA CÓRREGO DO AVIÁRIO CURITIBA/PR

IMPERMEABILIZAÇÃO E USO DO SOLO URBANO: ESTUDO DE CASO NA MICRO-BACIA CÓRREGO DO AVIÁRIO CURITIBA/PR IMPERMEABILIZAÇÃO E USO DO SOLO URBANO: ESTUDO DE CASO NA Landolfi Teixeira de Carvalho, J.W. 1 ; de Oliveira, F. 2 ; 1 UFPR Email:ju_wlt@hotmail.com; 2 UFPR Email:foliveira@ufpr.br; RESUMO: O presente

Leia mais

Estudo do comportamento hidrológico do Rio São Francisco e seus principais afluentes 1

Estudo do comportamento hidrológico do Rio São Francisco e seus principais afluentes 1 Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental v.11, n.6, p.615 622, 2007 Campina, PB, UAEAg/UFCG http://www.agriambi.com.br Protocolo 124.06 03/10/2006 Aprovado em 22/06/2007 Estudo do comportamento

Leia mais