PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DA EMISSÃO NO AMBIENTE AQUÁTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DA EMISSÃO NO AMBIENTE AQUÁTICO"

Transcrição

1 PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DA EMISSÃO NO AMBIENTE AQUÁTICO VOLQUIND, Rafael (1) Engenheiro Civil (UFRGS, 1999), Especialista em Saneamento e Engenharia Ambiental de Obras Civis (PUCRS, 2000), Engenheiro da Companhia Municipal de Saneamento (COMUSA) de Novo Hamburgo RS, nas atividades de projetos de Aplicar Sistemas de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário, vinculado à Gerência de Planejamento ( ), Engenheiro da Fundação Estadual de Foto Proteção Ambiental (FEPAM) do estado do Rio Grande do Sul, Brasil, na atividade de avaliação de impactos ambientais de empreendimentos de infra-estrutura urbana, vinculado à Divisão de Saneamento Ambiental (desde 2005). LUCENA, Catarina De Luca de Engenheira Química (PUCRS, 1982), Instrutora do Programa Train-Sea-Coast Brasil da UNESCO IHE, Engenheira da Companhia Riograndense de Saneamento CORSAN desde 1986, tendo como atividades coordenação das atividades químicas da CORSAN como Superintendente de Tratamento de Água e Esgoto no período de 1999 a 2002 e desde então na coordenação das atividades operacionais de esgotamento sanitário e tratamento de lodos. PERGHER, Selene Beatriz Castellã Engenheira Civil (PUCRS, 1985), Especialista em Saneamento Básico (UNISINOS, 1989), Engenheira da Companhia Riograndense de Saneamento CORSAN desde 1986, tendo como atividades projetos, coordenação e fiscalização em Esgoto Sanitário até 2000 e desde então nas atividades de Licenciamento Ambiental e Meio Ambiente. Dirección (1): Rua Carlos Chagas, 55, sala 704 Porto Alegre RS Brasil. CEP Fone: R. 239 Fax: R RESUMEN O monitoramento dos efluentes líquidos gerados por mais de 170 Estações de Tratamento de Água no Estado do Rio Grande do Sul, bem como a avaliação dos seus impactos sobre o meio hídrico onde são lançados constituem o escopo principal deste trabalho. A legislação estadual desconsidera as características dos corpos receptores onde são lançados os efluentes. Em contrapartida, a normalização brasileira, estabelecendo que os corpos d água são classificados segundo a utilização atribuída a suas águas, exigindo que rios, córregos, lagos e lagoas tenham seus parâmetros físico-químicos e patogênicos constantemente monitorados, para verificar seu enquadramento nas respectivas classes de uso, mesmo com o recebimento dos efluentes gerados. Para satisfazer estas condições antagônicas, faz-se necessário estabelecer um Plano de Gestão adequado a fim de se obter o pleno atendimento das legislações estadual e federal, no que diz respeito aos aspectos tanto de limites permissíveis de lançamento dos efluentes como de usos das águas naturais. Também foi necessário conhecer profundamente os resíduos gerados por esta importante atividade de saúde pública e saneamento. A seleção de um Sistema de Abastecimento de Água para monitoramento e avaliação, com representatividade sobre os demais sistemas existentes e com boas condições de monitoramento, proporcionou a execução desta pesquisa. Os resultados obtidos comprovaram algumas idéias preliminares, inclusive a possibilidade de lançamento direto, sem tratamento, de uma parcela dos resíduos gerados e outras diferentes do previsto, como a necessidade de maior número de campanhas de amostragem e melhorias na rede de pontos de monitoramento. Os resultados também comprovaram que o principal contaminante existente nos resíduos é o Alumínio, oriundo da adição do agente coagulante, mas que sua concentração de emissão pode ser facilmente reduzida ou evitada, através de ações simples e de baixo custo, como alterações operacionais ou tratamento do efluente final. Palavras Chave: lodo de ETA, monitoramento, impacto ambiental.

2 INTRODUÇÃO Em função dos possíveis danos ambientais causados aos recursos hídricos pela emissão dos resíduos do tratamento de água para consumo humano e com base na nova legislação vigente no Brasil, surge a necessidade de regularizar o passivo ambiental existente há mais de 50 anos, resultante destes despejos. A Companhia Riograndense de Saneamento CORSAN, responsável pela operação de mais de 170 Estações de Tratamento de Água (ETA) no Estado do Rio Grande do Sul, propôs ao órgão ambiental estadual FEPAM (Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luis Roessler) a elaboração de um Termo de Compromisso Ambiental com o objetivo de regularizar ambientalmente estas Estações, bem como o destino e o tratamento do lodo gerado. Para elaboração do Termo de Compromisso Ambiental TCA, as ETAs foram classificadas de acordo com critérios técnicos, como avaliação da qualidade da água bruta, da vazão a ser tratada e da complexidade de operação do bloco hidráulico, resultando três categorias: complexas, semicomplexas e simples. As denominadas ETAs complexas, que representam cerca de 50% do volume de lodo gerado no tratamento d água, terão sistemas de tratamento dos resíduos implantados até o ano de Neste mesmo período, as ETAs denominadas semicomplexas serão beneficiadas com a recirculação das águas de lavagem de filtros e sobrenadante dos decantadores, podendo haver implantação de tratamento dos lodos, dependendo de avaliação a ser realizada. A partir de 2016, com a conclusão das obras de adequação e regularização das Estações complexas e semicomplexas, os recursos financeiros passarão a ser investidos nas ETAs simples, buscando promover a recirculação das águas residuárias destes sistemas. OBJETIVOS Promulgada pelo Conselho Nacional de Meio Ambiente CONAMA em 18 de março de 2005, a Resolução N.º 357/2005 classifica os corpos d água do país de acordo com seus usos e determina que as emissões de efluentes e resíduos não podem resultar em alteração de suas classes. Esta resolução determina que todos os corpos d água brasileiros devem ser enquadrados em uma das classes existentes. Para tanto, é importante o incentivo aos comitês de bacias hidrográficas a fim de que estes proporcionem o enquadramento de suas águas. A aplicação prática desta legislação, ou seja, a verificação dos impactos causados ao meio ambiente aquático pelas emissões dos resíduos resultantes do tratamento de água e, conseqüentemente, a necessidade de tratamento prévio ao lançamento constitui-se no principal objetivo deste projeto. Para a realização desta verificação faz-se necessária a implantação de pontos de monitoramento de água, constituindo uma ampla rede de monitoramento dos recursos hídricos do Estado. A proposta é que estes novos pontos possam ser incorporados às redes de pontos de monitoramento existentes, já utilizadas pela FEPAM para o monitoramento das bacias hidrográficas do Rio Grande do Sul. Como decorrência do objetivo principal, espera-se comprovar que parte das emissões das ETAs não são prejudiciais ao uso das águas conforme sua classificação e, desta forma, poder reduzir as exigências de melhorias a serem realizadas nos sistemas de tratamento dos resíduos. METODOLOGIA A metodologia consiste nas etapas de caracterização físico-química e biológica dos efluentes e resíduos oriundos dos sistemas de tratamento de água, caracterização e monitoramento dos corpos d água e estudo de destinação final dos subprodutos gerados pelo processo de tratamento de água para abastecimento público. Os efluentes e resíduos aqui considerados são lodo oriundo dos decantadores, água de lavagem dos filtros, sobrenadante e percolado da desidratação dos lodos e torta resultante da secagem dos lodos.

3 Normalização e Legislação O conjunto de Normas Técnicas Brasileiras NBR 10004:2001 a 10007:2001, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) Resíduos Sólidos - Classificação foi utilizado para a caracterização dos lodos, a fim de avaliar os resíduos em estudo. A primeira etapa é a classificação quanto a sua periculosidade. De acordo com os resultados negativos obtidos nos ensaios de corrosividade, reatividade, inflamabilidade, patogenicidade e toxicidade, chegou-se à conclusão de que os sólidos removidos através do processo de potabilização de água é um resíduo Classe II, ou seja, não-perigoso. Não é necessário dispô-lo em Aterro de Resíduos Industriais Perigosos (ARIP). De posse desta classificação, parte-se para verificar se o resíduo é inerte ou não, através dos ensaios de lixiviação preconizados pelas normas. Os resultados dos ensaios apontaram que os lodos são não-inertes, classificando-os na Classe II-A (Resíduos não perigosos e não inertes), devendo os mesmos sofrer tratamento para terem fim adequado. O destino usual desta classe de resíduos sólidos são os Aterros Sanitários, assim como os resíduos sólidos domésticos. PARÂMETROS INORGÂNICOS UNIDADES A A B LOCALIDADE DATA DA COLETA C D E F LIMITES MÁXIMOS 07/12/05 16/03/06 25/11/05 29/11/05 10/01/06 29/11/05 31/03/06 NBR Alumínio ND 7,41 - ND ND - 10,11 1,0 Bário 3,4 ND 5,7 7,3 ND 7,3 ND 70,0 Chumbo (BS) ND ND ND 0,2 ND 0,2 ND 1,0 Arsênio, Cádmio, Cromo Total, Mercúrio, Fluoreto, Prata e Selênio não foram detectados nos ensaios. Tabela 1 Resultados analíticos do ensaio de lixiviação (NBR :2004). Através do ensaio de solubilização, identifica-se os componentes do resíduo que podem solubilizarse em presença de água, indicando a concentração destes que pode ser liberada ao meio hídrico. PARÂMETROS UNIDADES A A B LOCALIDADE DATA DA COLETA C D E F LIMITES MÁXIMOS 07/12/05 16/03/06 25/11/05 29/11/05 10/01/06 29/11/05 31/03/06 NBR Alumínio 61 27,4 1,2 1,4 2,8 0,4 12,9 0,2 Cádmio ND ND 0,05 ND ND ND ND 0,005 Chumbo ND 0,09 ND ND ND ND ND 0,01 Cloreto 24,1 21,9 10,6 19,3 21 9,6 33,2 250 Dureza 219,2 51,2 ND ND 43, ,7 500 Ferro 12,4 12,5 1,8 6,1 11,3 0,8 ND 0,3 Manganês 0,2 ND 3 2,9 6,3 2,8 ND 0,1 Nitrato 1,6 ND 0,3 1,1 3,3 0,7 ND 10 Sódio 6,7 4,5 7,4 4,3 4,6 4,5 4,5 200 Sulfato 2,1 16 6,8 3,5 3,9 5,1 10,3 250 Zinco ND 0,12 0,7 0,1 ND ND 0,12 5 Arsênio, Bário, Cianeto, Cobre, Cromo Total, Fenóis Totais, Fluoreto, Mercúrio, Prata, Selênio e Surfactantes não foram detectados nos ensaios. Tabela 2 Resultados analíticos do ensaio de solubilização (NBR :2004). O meio líquido águas de lavagem de filtros e sobrenadante e percolado dos decantadores é avaliado segundo as normas de lançamento de efluentes, que são a Resolução CONAMA 357/2005, já citada, e a Portaria nº 05/1989 da Secretaria da Saúde e Meio Ambiente do Estado do Rio Grande do Sul. A primeira é válida em todo o país, enquanto a segunda tem abrangência estadual. Por ter padrões de emissão mais restritivos em todos os parâmetros, a Portaria SSMA-RS 05/89 é a legislação utilizada no Estado, para avaliação da emissão de efluentes líquidos. A análise consiste na comparação simples do resultado das análises com os padrões expressos nas normas. Se atender aos padrões, o efluente pode ser lançado no meio, sem tratamento. Caso contrário, é necessária a realização de tratamento dos efluentes.

4 LOCALIDADE - DATA DA COLETA PARÂMETROS UNIDADES C E A LIMITES MÁXIMOS 29/11/ /11/ /10/2006 (Portaria 05/89-SES) Alumínio 9,2 17,3 16,7 10 DBO5 O ,8 5,5 40 DQO O ,5 160 Ferro 6,3 5, Fósforo Total 0,08 ND 0,85 1 Nitrogênio Total 3, Sólidos Sedimentáveis ,5 50 Sólidos Suspensos Totais Zinco ND 0,05 0,02 1 ph 6,5 6,6 6,9 6,0 a 8,5 Óleos e Graxas 8,9 18, Cádmio, Chumbo, Cianeto, Cobalto, Cobre, Cromo Hexavalente, Cromo Total, Fenol, Mercúrio, Níquel e Coliformes Fecais não foram detectados nos ensaios. Tabela 3 - Resultados analíticos da análise de água de lavagem de filtros (Portaria 05/1989). Complementarmente, a caracterização e monitoramento dos corpos receptores, com base nas classificações das águas, conforme preconizado pela Resolução CONAMA 357/2005, busca a avaliação dos impactos causados ao meio aquático. A comparação das concentrações encontrada nos corpos d água a montante e a jusante do ponto de lançamento com os padrões de cada classe da Resolução identificarão se houve alteração de classe e, conseqüentemente, alteração do uso da água do manancial. O enquadramento dos corpos d água segundo o uso destinado (ou pretendido) para suas águas, objeto principal da mesma Resolução CONAMA 357/05, deve ser visto como uma ferramenta de análise de impactos ambientais ao meio aquático (analisando os parâmetros físico-químicos). O enquadramento é definido por faixas de concentração dos diversos parâmetros apresentados no corpo da legislação, como metais, parâmetros orgânicos, sólidos, etc. Estes padrões não podem ser superados, caso contrário, ocorrerá a mudança da classe e a restrição dos usos possíveis daquelas águas. Determinação dos Sistemas-Piloto para Avaliação Para que a proposta de monitoramento atingisse seu objetivo fazia-se necessário que os sistemaspiloto cumprissem uma série de requisitos, chegando próximo de uma situação considerada ideal para o estudo. As características buscadas exigiam condições adequadas do manancial de captação e do corpo receptor, acessibilidade aos pontos de amostragem, preservação da qualidade do efluente, regime de operação da ETA, Uma ETA que tem captação em um manancial com turbidez média gera elevada remoção de sólidos. Associado a intervalos curtos entre lavagens de decantadores proporciona campanhas mensais de análises dos efeitos dos despejos sobre o corpo receptor, enriquecendo a pesquisa proposta. Para atender estes quesitos, a busca centrou-se, em função da vazão de produção, nas ETAs Complexas e Semicomplexas, onde se registram as maiores vazões (em geral, acima de 150 L/s). Dentro destes grupos, a seleção voltou-se para os intervalos de limpeza dos decantadores, dentro do período de trinta dias, que é determinado pelas características da água bruta e do manancial de captação. Águas captadas em ambientes lênticos, por exemplo, têm turbidez baixa, com pouca retenção de sólidos nos decantadores. O local de despejo dos resíduos, bem como a manutenção da qualidade destes até chegar ao ponto de lançamento, são importantes para correta avaliação dos seus efeitos sobre o meio. Em alguns sistemas visitados durante o processo de seleção, encontraram-se situações adversas e diferentes. Nos municípios da região da Serra Gaúcha, é prática comum a condução dos efluentes cloacais da cidade para a rede pluvial. Devido à topografia da região (montanhosa), todos os efluentes são direcionados para uma tubulação central, em geral seguindo um talvegue, até

5 desaguarem em um valo ou em um curso d água. E, normalmente, as ETAs fazem seus descartes na rede pluvial, misturando seus resíduos ao esgoto (misto) da cidade, perdendo suas características originais. Outra situação bastante comum revela que os projetistas do passado não tinham preocupação com o meio ambiente. A preocupação, como no esgotamento sanitário, era em afastar os resíduos, sem preocupar-se com seu destino e seus efeitos. Esta prática resultou em criar situações de difícil monitoramento, devido à má acessibilidade aos pontos de lançamento ou ao lançamento em valos, sem destinar diretamente a um corpo d água. Esta situação, bastante comum, acaba favorecendo um dos objetivos deste trabalho, de permitir o despejo dos efluentes no meio, sem tratamento, desde que atendendo aos padrões mínimos de lançamento. Por fim, para levantamento de dados, determinaram-se duas situações ideais e extremas de corpos receptores para monitorar. Lançamento em curso d água grande (com grande vazão e volume de água) onde se espera haver pouca ou nenhuma influência dos despejos na qualidade da água. A outra situação, oposta, é despejo em rio ou arroio pequeno, com baixo volume de águas, onde o descarte de lodos possa causar alterações nos parâmetros determinantes da classe de enquadramento de uso da água. Esta condição não teve um sistema que atenda satisfatoriamente os anseios dos autores. A situação ideal encontrada localiza-se em uma cidade onde o sistema de abastecimento de água é operado pelo município. Em geral, as características dos corpos receptores não é satisfatória ou a acessibilidade aos pontos de lançamento é muito difícil. Para a primeira condição, definiu-se o sistema de abastecimento de água da cidade de Uruguaiana, localizado na fronteira com a Argentina. Este sistema é gerenciado pela SURFRO, Superintendência da Fronteira, da CORSAN e encontra-se na Região Hidrográfica do rio Uruguai. O rio Uruguai, manancial de água bruta e corpo receptor deste sistema, tem aproximadamente metros de largura, que o caracteriza como de grande porte. Uma vez definido qual sistema seria utilizado como piloto, torna-se necessário definir os pontos de amostragem, bem como suas freqüências e parâmetros a serem avaliados. Através de visitas ao ponto de lançamento, análise das legislações e normativas existentes no país e no estado, determinou-se uma malha de amostragem no rio Uruguai, um ponto de montante (com função de branco, ou seja, mostrar as condições do rio antes do lançamento) e um ponto de jusante (para determinar o efeito do efluente após uma larga zona de mistura e dispersão). Ainda definiu-se um ponto para coleta e avaliação do efluente lançado no meio monitorado. A caracterização do efluente é um item fundamental neste tipo de análise, uma vez que determina quais parâmetros deverão ser analisados no corpo receptor, seguindo a lógica de que aquilo que não é lançado, não necessita de monitoramento. A malha de pontos (P4 a P12) objetiva reconhecer o comportamento dinâmico da mistura do efluente à água do corpo receptor. Verificar a existência de uma pluma de dispersão e sua direção. Em um primeiro momento, optou-se pela malha quadrangular, pois na primeira visita ao local de monitoramento não havia indícios visíveis de uma pluma de dispersão. (foto visita 1) Por ocasião da segunda visita (durante a terceira campanha de amostragem) observou-se a presença clara de uma pluma de dispersão, onde pode-se constatar que muitos pontos da malha não localizavam-se na zona de mistura. A malha quadrangular foi definida como móvel, isto é, seus pontos não são georreferenciados, mas variam conforme o nível do rio no momento da coleta. Devido à grande variação hidrodinâmica do rio Uruguai, com muitas variações de nível, vazão e condições de vento, optou-se por este procedimento a fim de identificar a direção da pluma de dispersão. Os decantadores da Estação de Tratamento de Água de Uruguaiana são lavados, em média, a cada trinta dias. As quatro unidades são lavadas em dias consecutivos, uma de cada vez, ou seja, a lavagem do sistema dura sempre quatro dias. Portanto, o intervalo de amostragem em todos os pontos monitorados foi definido como de aproximadamente trinta dias, sempre junto com as limpezas dos decantadores. A fim de obter um resultado mais realista, definiu-se a tomada de amostra sempre no quarto dia de lavagem, durante a limpeza do decantador, procurando-se obter uniformidade (semelhança de condições) nas diferentes campanhas, facilitando o trabalho de comparação dos resultados.

6 Impactos no Corpo Receptor Neste trabalho, o impacto sobre o corpo receptor é verificado através da alteração das concentrações dos parâmetros monitorados no meio hídrico, que podem ocasionar alteração do seu enquadramento, ou seja, mudança da classe estabelecida para o corpo d água, no trecho em questão. A Resolução CONAMA nº 357/2005 preconiza que em casos de não ter sido realizado o enquadramento oficial de um corpo receptor, deve-se considerar o mesmo como enquadrado na Classe 2 Águas Doces, para o caso em questão. Também a classificações para águas salinas (salinidade > 30 0 / 00 ) e salobras (salinidade entre 0,5 0 / 00 e 30 0 / 00 ). RESULTADOS OBTIDOS A avaliação dos impactos sobre o corpo receptor é realizada com análises físico-químicas da água em todos os pontos da rede de monitoramento. Comparando-se os novos dados com aqueles obtidos em situações onde não há o lançamento e com o ponto de branco de montante (P2), é possível verificar se o lançamento dos resíduos provoca alguma alteração na qualidade da água e, conseqüentemente, no uso permitido para elas. Como pode ser verificado na tabela 4, a concentração medida no ponto P1 (Tabela 4) foi, em duas campanhas de amostragem, acima do padrão estabelecido para o parâmetro Alumínio. Em contrapartida, a Tabela 5 apresenta valores acima do padrão de qualidade da água para Classe II em praticamente todos os pontos monitorados para este parâmetro. O resultado encontrado foi abaixo daquele registrado no ponto P2, mesmo estando acima do limite estabelecido para a Classe 2 de Águas Doces. Isto representa que o lançamento deste resíduo no rio Uruguai, neste ponto, não estaria interferindo negativamente na qualidade das suas águas. O processo de tratamento de água utiliza adição de sulfato de alumínio como agente coagulante. A realidade operacional atual é de controle de dosagem empírico, ou seja, sem a utilização de testes de dosagem ótima, ocasionando, muitas vezes, em superdosagem do coagulante, conforme pode ser visualizado na Tabela 3. A dosagem ótima, aferida com utilização de testes de laboratório adequados, como já está sendo realizada, proporciona redução da adição e, conseqüentemente, da emissão deste parâmetro. PARÂMETROS UNIDADE 1 - Efluente Portaria 05/89-SES 18/4/ /4/2006 1/6/ /6/2006 Alumínio Al ++ 10,0 0, ,243 Chumbo Pb 0,5 ND ND 0,065 ND Cromo Cr 0,5 ND 0,007 0,481 ND Cádmio Cd 0,1 ND ND ND ND Manganês Mn 2,0 0,190 0,690 4,8 0,286 Mercúrio Mg 0,01 ND ND 0,98 <LQM Níquel Ni 1,0 ND ND 0,210 ND Cor Pt DBO 5 O ,0 2,0 DQO O Fósforo P 1,0 2 0, ,2 N Amoniacal N N Orgânico N 4,4 9 4,4 1,8 Oxigênio Dissolvido O2 5,6 4,0 0,00 2,00 ph 6,0 a 8,6 7,8 7,5 7,3 7,1 Sólidos totais.h Turbidez NTU OD5 O2 0,0 1,0 0,0 0,0 Coliformes NMP/100mL > >2 - - Tabela 4 resultados analíticos do efluente lançado no rio Uruguai.

7 S 2 ao 12 Rio Uruguai PARÂMETROS Alumínio Chumbo Cádmio Manganês Níquel Fósforo OD DBO 5 DQO Coliformes UNIDADE Al ++ Pb Cd Mn Ni P O2 O2 O2 NMP/ 100mL N Orgânico CONAMA (Cl. 2) 0,1 0,01 0,001 0,1 0,025 0, N Cor ph Turbidez 18/4/2006 0,719 ND ND 0,046 ND 0,03 8,4 0, <LQM 120 7,5 29 Pt NTU P2 27/4/2006 2,2 ND 1,5 0,364 ND 0,05 6,6 0, , ,3 26 1/6/2006 0,083 ND ND <LQM 0,092 ND 7,6 0,6 7 <LQM 250 7, /6/2006 0,74 ND ND 0,078 ND 0,05 8,4 ND 12 <LQM 420 7, /4/2006 0,857 ND <LQM 0,059 ND 0,03 8,0 0, , ,5 30 P3 27/4/ ND ND 0,139 ND 0,04 7,0 0,6 9 <2 0, ,4 23 1/6/2006 0,887 <LQM ND 0,052 ND 7,2 <LQM , /6/2006 0,521 ND ND 0,081 ND 0,06 9 ND 12 0, , /4/2006 2,10 ND ND 0,045 ND 0,06 7,0 0,6 13 <2 <LQM 100 7,3 29 P4 1/6/2006 0,30 0,06 ND <LQM ND ND 7,2 0,8 9 <LQM 150 7, /6/2006 0,523 0,009 ND 0,067 0,033 0,06 8,6 0, <LQM 450 7, /4/2006 2,00 <LQM ND 0,060 ND 0,04 7,4 0,4 10 <2 0, ,3 26 P5 1/6/2006 0,131 <LQM ND <LQM ND ND 8,4 0,2 7 <LQM 200 7, /6/2006 0,963 ND ND 0,074 ND 0,04 8 ND 11 0, , /4/2006 1,30 0,015 ND 0,053 ND 0,05 6,8 0,6 9 <2 <LQM 100 7,3 23 P6 1/6/2006 0,260 <LQM ND ND ND 0,09 7,4 0,4 6 0, , /6/2006 0,241 ND ND 0,060 ND 0,04 7,8 ND 11 ND 420 7, /4/2006 3,00 0,010 ND 0,073 ND 0,08 7,2 0,4 14 <2 ND 100 7,3 23 P7 1/6/2006 0,287 <LQM ND <LQM 0,023 <LQM 8,4 0,2 6 1, , /6/2006 0,952 ND ND 0,082 ND 0,05 6,4 ND 12 0, , /4/2006 1,30 ND ND 0,057 ND 0,05 6,8 0,8 5 <2 ND 100 7,3 24 P8 1/6/2006 0,049 <LQM ND <LQM ND ND 7,6 0,8 6 <LQM 250 7, /6/2006 0,360 ND ND 0,041 0,030 0,05 7,4 ND 11 <LQM 400 7, /4/2006 1,50 0,008 ND 0,065 ND 0,04 6, <2 0,5 75 7,3 21 P9 1/6/2006 0,033 0,01 <LQM ND ND ND 8,4 0,2 9 0, , /6/2006 0,285 ND ND 0,036 0,028 0,04 7,8 ND 11 0, , /4/2006 2,6 0,019 ND 0,071 ND 0,07 8,0 0, , ,3 27 P10 1/6/2006 0,087 0,013 <LQM 0,043 ND 0,08 7,4 0,4 16 0, , /6/2006 0,169 ND ND 0,034 0,026 0,07 9 ND 12 0, , /4/2006 0,213 0,014 ND 0,03 ND 0,06 6,8 1, , ,3 24 P11 1/6/2006 0,237 0, <LQM ND <LQM 6,8 0,2 4 0, , /6/2006 0,194 ND ND 0,030 ND 0,04 8,6 ND 12 3, , /4/2006 1,2 0,009 ND 0,101 ND 0,05 7,6 0, , ,3 25 P12 1/6/2006 0,103 0,007 ND <LQM ND <LQM 7,0 0,4 3 0, , /6/2006 0,196 ND ND 0,032 ND 0,03 8,6 ND 11 0, ,3 35 Arsênio, Cádmio, Cromo Total, Mercúrio, Fluoreto, Prata e Selênio não foram detectados nos ensaios. Tabela 5 - resultados das análises realizadas no rio Uruguai, em três campanhas de amostragem. Conforme os resultados analíticos apresentados, os metais mais abundantes nos lodos e nos efluentes líquidos são ferro, alumínio e manganês. O ferro, mesmo presente, está dentro dos padrões de lançamento estabelecidos pela legislação, enquanto o manganês não possui um limite específico de concentração para despejo no meio hídrico. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A recirculação da fase líquida dos lodos desidratados e das águas de lavagem de filtros pode ser evitada ou postergada, em função das baixas concentrações dos parâmetros de lançamento, como se verificou nos testes realizados. O maior contaminante alumínio pode ter sua concentração

8 reduzida através de ações simples de controle de uso e dosagem, fazendo com que o efluente final atenda aos padrões estabelecidos na Portaria 05/89. Medidas operacionais e de controle de dosagem de produtos químicos, como, por exemplo, a utilização de jar-test para determinar dosagens mais econômicas de coagulantes, visando à adequação das concentrações de alumínio no efluente final das águas de lavagem de filtros, bem como nos percolados e sobrenadantes dos lodos dos leitos de secagem, podem ser adotadas, objetivando o atendimento da legislação em vigor. Os lodos desidratados podem ser usados para recuperação de solos degradados, desde que observadas as características do solo onde este será disposto. Recomenda-se uma melhor avaliação quanto à disposição de lodos provenientes de ETAs em aterros sanitários. A partir dos resultados de lixiviação e de solubilização deve-se avaliar de forma mais consistente a possibilidade de solubilização de metais que possam estar depositados no lodo, em função do ph presente no meio (aterro). Recomenda-se que seja reavaliada e/ou estudada uma legislação especifica para disposição de lodos provenientes de ETA, tal qual ocorre para os resíduos sólidos oriundos das Estações de Tratamento de Esgoto. A normalização atual classifica os lodos de ETAs como um resíduo sólido qualquer, sem distinção quanto à origem ou utilização que possa ser dada ao mesmo, já que se trata de um sub-produto de origem orgânica oriundo do próprio meio hídrico natural. O monitoramento dos sedimentos dos corpos receptores deve ser realizado nos mesmos moldes deste trabalho, a fim de avaliar se o impacto causado nestes é significante, caracterizando o início de uma nova pesquisa específica para tal. Por fim, da mesma forma que lançamentos acima dos padrões permitidos podem, em alguns casos, não ocasionar em prejuízos para o meio-ambiente, conforme resultados obtidos para o lançamento de alumínio, as concentrações de despejos que se enquadram nas legislações de lançamento podem acarretar em alteração da classe da água dos seus corpos receptores. Esta condição deverá ser verificada através da continuidade deste estudo, tomando-se como base um sistema cujo corpo receptor dos resíduos seja de menor porte, conforme descrita no item Determinação de Sistemas-piloto para Avaliação. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR Resíduos Sólidos Classificação. Rio de Janeiro, Brasil, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR Procedimento para Obtenção de Extrato Lixiviado de Resíduos Sólidos. Rio de Janeiro, Brasil, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR Procedimento para Obtenção de Extrato Solubilizado de Resíduos Sólidos. Rio de Janeiro, Brasil, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR Amostragem de Resíduos Sólidos. Rio de Janeiro, Brasil, BRASIL. LEIS ETC. Resolução n. 020 do Conselho Nacional de Meio Ambiente. Classificação das Águas Doces, Salobras e Salinas no Território Nacional. Brasília, BRASIL. LEIS ETC. Resolução n. 357 do Conselho Nacional de Meio Ambiente. Classificação das Águas Doces, Salobras e Salinas no Território Nacional. Brasília, DI BERNARDO, L. et al. Ensaios de Tratabilidade de Água e dos Resíduos Gerados em Estações de Tratamento de Água. São Carlos: Rima Editora, ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. LEIS ETC. Portaria n. 05 da Secretaria da Saúde e Meio Ambiente. Critérios e Padrões de Efluentes Líquidos. Porto Alegre, 1989.

9 XXX CONGRESO DE LA ASOCIACIÓN INTERAMERICANA DE INGENIERÍA SANITARIA E AMBIENTAL (AIDIS) FORMULARIO PARA INSCRIPCIÓN DE TRABAJO TÉCNICO IV Volquind Brasil 1 F2 TEMA: Tratamiento de Aguas Residuarias PLANO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUA MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS DA EMISSÃO NO AMBIENTE AQUÁTICO FORMA DE PRESENTACIÓN SOLICITADA (sujeta a decisión de AIDIS) Presentación Oral [ ] Presentación Póster (Cartel) [ x ] Autor(es) Marcar con * al principal Institución o Empresa 1. * Rafael Volquind FEPAM 2. Catarina De Luca de Lucena CORSAN 3. Selene Beatriz Castellã Pergher CORSAN Equipo disponible para presentación oral: Proyector de laminas, proyector de datos (PowerPoint) y pantalla. Equipo disponible para presentación de póster (cartel): Painel con 1,20m de largura e 2,40m de altura. DIRECCIÓN PARA COMUNICACIÓN (autor principal) Nombre: Rafael Volquind Institución o Empresa: FEPAM Dirección: Calle Carlos Chagas, 55 sala704 Barrio: Centro Código Postal: Ciudad: Porto Alegre Estado: Rio Grande do Sul País: Brasil Teléfono: I. 239 Fax: I COMPROMISOS DE LOS AUTORES Las instrucciones para la preparación del trabajo completo fueran seguidas por los autores para trabajos orales y para pósteres (carteles). [ x ] Si [ ] No Por lo menos un de los autores se compromete a asistir al Congreso con inscripción paga. Caso no se registre antes del 30 de septiembre de 2006, el trabajo será retirado del programa y del disco compacto (Memorias del Congreso). Si requiere que realice el trámite de pago de la inscripción antes de la fecha citada. Firma(s) de lo(s) autor(es) Lugar: Porto Alegre Fecha: 15 de septiembre de 2006 Utilizar el formulario (F2) para cada trabajo registrado. Adjuntar al texto del trabajo registrado y enviar juntamente con el trabajo gravado en archivo electrónico, disquete o CD, al Comité Técnico del XXX Congreso de AIDIS (xxxxxxxxxxxxxxxxxxx), antes del 16 de septiembre de 2006.

CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO DA ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS DE ETA COM O USO DE POLÍMEROS SINTÉTICOS E AMIDO DE BATATA

CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO DA ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS DE ETA COM O USO DE POLÍMEROS SINTÉTICOS E AMIDO DE BATATA CARACTERIZAÇÃO E TRATAMENTO DA ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS DE ETA COM O USO DE POLÍMEROS SINTÉTICOS E AMIDO DE BATATA Thiago Molina (UNICENTRO Universidade Estadual do Centro Oeste do Paraná) E-mail: molina_tm@yahoo.com.br

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

DECRETO N 18.328, DE 8 DE JUNHO DE 1997 TÍTULO VI DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS NA REDE COLETORA DE ESGOTOS DEC 18.328 DE 18.06.

DECRETO N 18.328, DE 8 DE JUNHO DE 1997 TÍTULO VI DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS NA REDE COLETORA DE ESGOTOS DEC 18.328 DE 18.06. DECRETO N 18.328, DE 8 DE JUNHO DE 1997 TÍTULO VI DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS NA REDE COLETORA DE ESGOTOS DEC 18.328 DE 18.06.97 SEÇÃO I DOS PADRÕES DE EMISSÃO EM COLETORES PÚBLICOS OBJETIVO Art.

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA 1 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA Susane Campos Mota ANGELIM Escola de Engenharia Civil, UFG. Aluna do curso de Mestrado em

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A Diretoria Técnica Gerência de Produção e Operação TÍTULO: Estudo de reúso para Efluente de ETE s da SANASA/Campinas Nome dos Autores: Renato Rossetto Cargo atual: Coordenador de Operação e Tratamento de Esgoto. Luiz Carlos Lima Cargo atual: Consultor

Leia mais

Correlações: Complementa e altera a Resolução nº 357/2005.

Correlações: Complementa e altera a Resolução nº 357/2005. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N o 430, DE 13 DE MAIO DE 2011 Correlações: Complementa e altera a Resolução nº 357/2005. Dispõe sobre as condições e padrões de

Leia mais

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração 01/33 Apresentação do Instrutor: Eduardo Fleck *Engenheiro Químico UFRGS, 1990; **Mestre em Engenharia

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA UTILIZAÇÃO DE DOIS TIPOS DE COAGULANTES PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO

ANÁLISE COMPARATIVA DA UTILIZAÇÃO DE DOIS TIPOS DE COAGULANTES PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO ANÁLISE COMPARATIVA DA UTILIZAÇÃO DE DOIS TIPOS DE COAGULANTES PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO Karine Cardoso Custódio PASTANA (UFPA) e-mail:karineccpastana@gmail.com Tatiana Almeida de OLIVEIRA

Leia mais

Química das Águas - parte 2

Química das Águas - parte 2 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 2 - Parâmetros de qualidade das águas Definições Importância Métodos analíticos Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF 1º período de 2015 Recapitulando...

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA MACHADO*, Luciana de Souza Melo; SCALIZE, Paulo Sérgio. Escola de Engenharia Civil - Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DO SEMAE - SÃO LEOPOLDO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DO SEMAE - SÃO LEOPOLDO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DO SEMAE - SÃO LEOPOLDO Organização e Gestão dos Serviços de Saneamento: Recursos Humanos, Políticas Públicas e Educação Juliana Chaves Maristela Pessolano

Leia mais

TABELA ANEXA AO DECRETO Nº.14.824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA

TABELA ANEXA AO DECRETO Nº.14.824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA TABELA ANEXA AO DECRETO Nº14824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA 11 Para execução de ligação de água em tubos de plásticos, com reenchimento da escavação e repavimentação da faixa de rolamento

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 015, de 24 de janeiro de 2012.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 015, de 24 de janeiro de 2012. RESOLUÇÃO 015, de 24 de janeiro de 2012. Homologa a Norma Técnica T.187/4 Lançamento de Efluentes não Domésticos no Sistema de Esgotamento Sanitário da Companhia de Saneamento de Minas Gerais COPASA MG.

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Lucas Mattos Martins (*), Guilherme Resende Tavares,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS E EFLUENTES NA INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS No momento em que se decide ter uma Indústria Cosmética um dos fatores preponderantes é providenciar as diversas licenças requeridas que

Leia mais

LANÇAMENTO DE EFLUENTES

LANÇAMENTO DE EFLUENTES NORMA TÉCNICA T. 187/ 5 LANÇAMENTO DE EFLUENTES NÃO DOMÉSTICOS NO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA COPASA S I N O R T E Sistema de Normalização Técnica Copasa NORMA TÉCNICA LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 INTRODUÇÃO: RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 O objetivo deste relatório é apresentar os resultados do ano de 2012 de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê Internacional pelo

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL Hugo Renan Bolzani 1, Sandro Rogério Lautenschlager

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA DIRETRIZES GERAIS: O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de

Leia mais

VI-172 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE ANÁLISES LABORATORIAIS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL

VI-172 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE ANÁLISES LABORATORIAIS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 3 - Joinville - Santa Catarina VI-172 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE ANÁLISES LABORATORIAIS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA 1, Irivan Alves RODRIGUES 2, Lúcia Raquel de LIMA

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

CAPÍTULO 6 QUALIDADE DAS ÁGUAS

CAPÍTULO 6 QUALIDADE DAS ÁGUAS CAPÍTULO 6 QUALIDADE DAS ÁGUAS A análise de qualidade da água é baseada na comparação de suas características físicoquímicas com padrões estabelecidos para os diversos tipos de usos previstos, tais como

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, relativos ao ano de 2009, de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê

Leia mais

Estudo com tratamento de água para abastecimento PIBIC/2010-2011

Estudo com tratamento de água para abastecimento PIBIC/2010-2011 Estudo com tratamento de água para abastecimento PIBIC/2010-2011 Cryslara de Souza Lemes, Prof. Dr. Paulo Sérgio Scalize Universidade Federal de Goiás, 74605-220, Brasil cryslara_sl@hotmail.com; pscalize.ufg@gmail.com

Leia mais

ATO nº 03/2009. Artigo 2º - Para os efeitos deste Ato, são considerados efluentes especiais passíveis de recebimento pelo SAAE:

ATO nº 03/2009. Artigo 2º - Para os efeitos deste Ato, são considerados efluentes especiais passíveis de recebimento pelo SAAE: ATO nº 03/2009 Dispõe sobre a criação e normatização do Programa de Recebimento de Efluentes Especiais (PRESS) pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Sorocaba O DIRETOR GERAL do Serviço Autônomo de

Leia mais

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009.

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. Esclarece a competência dos Engenheiros: Civis, de Fortificações, Sanitaristas e Químicos quanto projetos,

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL

OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL Luciana Vaz do Nascimento Marcos von Sperling (*) (*) Departamento de Engenharia Sanitária

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA

GESTÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA GESTÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA Giovana Kátie Wiecheteck* Universidade Estadual de Ponta Grossa, Doutoranda em Hidráulica e Saneamento pela Escola de Engenharia de São Carlos Universidade

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CASCARDI SANEAMENTO BÁSICO LTDA S BIOLÓGICOS NORMA E /OU PROCEDIMENTO CONSUMO HUMANO, ÁGUA TRATADA E Contagem Padrão de

Leia mais

Caracterização do lodo residual das lagoas de lodo da estação de tratamento de água estudo de caso: ETA Gramame

Caracterização do lodo residual das lagoas de lodo da estação de tratamento de água estudo de caso: ETA Gramame Caracterização do lodo residual das lagoas de lodo da estação de tratamento de água estudo de caso: ETA Gramame Claudia Coutinho Nóbrega, Sabrina Livia de Medeiros Pereira, Gilson Barbosa A claudiacn@uol.com.br

Leia mais

Caracterização geomecânica do maciço de resíduos, dos taludes e dos cortes PROPOSTA COMERCIAL Nº 065/2014. Revisão 00 Página 2 de 5

Caracterização geomecânica do maciço de resíduos, dos taludes e dos cortes PROPOSTA COMERCIAL Nº 065/2014. Revisão 00 Página 2 de 5 Página 1 de 5 DADOS DO CONTRATANTE Cliente: Contato: Prefeitura Municipal de Jerônimo Monteiro Daniela Fosse Valbão Venancio Endereço: Avenida Lourival Lougon Moulin Nº 300 Bairro: Centro Cidade: Jerônimo

Leia mais

O CONSELHO DE GESTÃO DA AGÊNCIA GOIANA DE REGULAÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso de suas atribuições legais e,

O CONSELHO DE GESTÃO DA AGÊNCIA GOIANA DE REGULAÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso de suas atribuições legais e, 1 RESOLUÇÃO N 212/2003 - CG Disciplina a qualidade da prestação dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, operado pela SANEAGO, conforme processo nº 22187758 /2003. O CONSELHO DE GESTÃO

Leia mais

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 TATSCH, R. O. C 2, AQUINO, J. P. N 3 ; SWAROWSKY, A 4 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Engenharia:

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA BRUTA DO SISTEMA CANTAREIRA

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA BRUTA DO SISTEMA CANTAREIRA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA BRUTA DO SISTEMA CANTAREIRA Fábio Netto Moreno 1, Beatriz Durazzo Ruiz 2, Carmen Lúcia V. Midaglia 3, Nelson Menegón Jr. 4 1 Setor de águas Interiores, CETESB, São Paulo,

Leia mais

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes Anexo I Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED ET Análises de Água e Efluentes Página 1 de 8 Especificações Técnicas / Termos de Referências nº 219/11 e 317/11 A) DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços a serem executados

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO 45, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2014. Homologa a Tabela de Preços de Serviços Não Tarifados e o Termo de Ocorrência de Irregularidade, ambos do Serviço Autônomo de Água e de Esgoto do Município de

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

DZ-942.R-7 - DIRETRIZ DO PROGRAMA DE AUTOCONTROLE DE EFLUENTES LÍQUIDOS - PROCON ÁGUA

DZ-942.R-7 - DIRETRIZ DO PROGRAMA DE AUTOCONTROLE DE EFLUENTES LÍQUIDOS - PROCON ÁGUA DZ-942.R-7 - DIRETRIZ DO PROGRAA DE AUTOCONTROLE DE EFLUENTES LÍQUIDOS - PROCON ÁGUA Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 1.995, de 10 de outubro de 1990. Publicada no DOERJ de 14 de janeiro de1991.

Leia mais

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL

II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL II-149 TRATAMENTO CONJUNTO DO LIQUIDO LIXIVIADO DE ATERRO SANITÁRIO E ESGOTO DOMESTICO NO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL Ernane Vitor Marques (1) Especialista em Engenharia Sanitária e Meio Ambiente

Leia mais

EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025

EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025 Consórcio PCJ: A Certificação de Qualidade no Saneamento como Fator de Sustentabilidade no Setor EXPERIÊNCIA FOZ DO BRASIL LIMEIRA NBR 17025 Gilberto Coelho Júnior Americana, 17 de Agosto de 2011 O que

Leia mais

Pro r gram am d a e Recebim i en t E Contr t o r le P E R C E E C N E D dos Efl f u l entes Não Domést ést co Novembro/2008

Pro r gram am d a e Recebim i en t E Contr t o r le P E R C E E C N E D dos Efl f u l entes Não Domést ést co Novembro/2008 Programa de Recebimento E Controle dos Efluentes Não Domésticos PRECEND Novembro/2008 Geração dos Efluentes Água Impurezas incorporadas devido aos usos da água em sua residência: chuveiros, vasos sanitários,

Leia mais

I-099 - REUSO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS GERADAS EM PROCESSOS DE GALVANOPLASTIA

I-099 - REUSO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS GERADAS EM PROCESSOS DE GALVANOPLASTIA I-099 - REUSO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS GERADAS EM PROCESSOS DE GALVANOPLASTIA Ruben Bresaola Júnior (1) Engenheiro Civil formado pela Escola de Engenharia de São Carlos. Mestre e Doutor em Hidráulica e Saneamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL - UCS ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL - UCS ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES - UCS PRIMEIRA ETAPA: CARACTERIZAÇÃO DO EFLUENTE GERADO NA CIDADE UNIVERSITÁRIA 1. MAPEAMENTO DE TODAS AS FOSSAS SÉPTICAS E LINHAS

Leia mais

IV-027 - ASPECTOS HIDROLÓGICOS E QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO CUBATÃO NORTE SANTA CATARINA

IV-027 - ASPECTOS HIDROLÓGICOS E QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO CUBATÃO NORTE SANTA CATARINA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina IV-027 - ASPECTOS HIDROLÓGICOS E QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO CUBATÃO NORTE SANTA CATARINA

Leia mais

DECRETO Nº 18.901, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014.

DECRETO Nº 18.901, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014. DECRETO Nº 18.901, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2014. Estabelece os preços dos serviços complementares a serem cobrados pelo Departamento Municipal de Água e Esgotos (DMAE). O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE,

Leia mais

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Além de uma análise técnica bastante interessante sobre a importância do tratamento de efluentes no nosso setor, feito por um

Leia mais

III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA

III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA Cristiane Silveira Tecnóloga em Gerenciamento Ambiental pela Universidade

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. VI-047- R IO GRAVATAÍ RS. Qualidade atual x Enquadramento

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. VI-047- R IO GRAVATAÍ RS. Qualidade atual x Enquadramento 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-047- R IO GRAVATAÍ RS. Qualidade atual x Enquadramento Enio Henriques Leite (1) Engº

Leia mais

II-SABOGAL-PAZ-BRASIL-1

II-SABOGAL-PAZ-BRASIL-1 II-SABOGAL-PAZ-BRASIL-1 SELEÇÃO DE TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM FUNÇÃO DO TRATAMENTO, APROVEITAMENTO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS GERADOS NAS ETAS Lyda Patrícia Sabogal-Paz (1) Engenheira Sanitária

Leia mais

Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento

Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento Aula 2 - Concepção de Sistemas de Abastecimento 2.1 - Definição e Objetivos Objetivo principal de um Sistema de Abastecimento de água: fornecer ao usuário uma água de boa qualidade para seu uso, em quantidade

Leia mais

DECRETO Nº 18.515, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013.

DECRETO Nº 18.515, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. DECRETO Nº 18.515, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. Estabelece os preços dos serviços complementares a serem cobrados pelo Departamento Municipal de Água e Esgotos (DMAE). O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE,

Leia mais

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Beatriz Durazzo Ruiz CETESB bruiz@sp.gov.br Fábio Netto Moreno CETESB eqai_cetesb@sp.gov.br Nelson Menegon Jr CESTESB eqa_cetesb@sp.gov.br Resumo O monitoramento

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL PARA PROJETOS DE EXTRAÇÃO DE SAL MARINHO

TERMO DE REFERÊNCIA PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL PARA PROJETOS DE EXTRAÇÃO DE SAL MARINHO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL PARA PROJETOS DE EXTRAÇÃO DE SAL MARINHO Avenida

Leia mais

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais.

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS ETE JESUS NETTO ETE JESUS NETTO BACIA DE ESGOTAMENTO HISTÓRICO Estação Experimental de Tratamento

Leia mais

III-138 CARACTERIZAÇÃO DO LODO QUÍMICO PRIMÁRIO GERADO NO TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA QUÍMICA TFL DO BRASIL VISANDO A VALORIZAÇÃO DO RESÍDUO

III-138 CARACTERIZAÇÃO DO LODO QUÍMICO PRIMÁRIO GERADO NO TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA QUÍMICA TFL DO BRASIL VISANDO A VALORIZAÇÃO DO RESÍDUO III-138 CARACTERIZAÇÃO DO LODO QUÍMICO PRIMÁRIO GERADO NO TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA QUÍMICA TFL DO BRASIL VISANDO A VALORIZAÇÃO DO RESÍDUO Marina Brenner Medtler (1) Gestora ambiental pela Universidade

Leia mais

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de Reuso de Água Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Sumário Legislações de Reuso; Consumo de Água na Indústria; Experiências de Sucesso: Banco de Boas Práticas Ambientais;

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE SIMULAÇÃO DA CAPACIDADE DE AUTODEPURAÇÃO EM DIFERENTES CENÁRIOS DE VAZÃO DE UM TRECHO DO RIO CACHOEIRA, SUL DA BAHIA. José Wildes Barbosa dos Santos; Neylor Alves Calasans Rêgo INTRODUÇÃO O forte crescimento

Leia mais

AVALIAÇÃO EMPÍRICA DOS TEMPOS DE FLOCULAÇÃO E SEDIMENTAÇÃO A SEREM APLICADOS NO JARTESTE DA ETA CENTRAL DE JACAREÍ

AVALIAÇÃO EMPÍRICA DOS TEMPOS DE FLOCULAÇÃO E SEDIMENTAÇÃO A SEREM APLICADOS NO JARTESTE DA ETA CENTRAL DE JACAREÍ AVALIAÇÃO EMPÍRICA DOS TEMPOS DE FLOCULAÇÃO E SEDIMENTAÇÃO A SEREM APLICADOS NO JARTESTE DA ETA CENTRAL DE JACAREÍ NELSON GONÇALVES PRIANTI JUNIOR (1) - Biólogo (UNITAU), Pedagogo (UNIFRAN), Especialista

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 07 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LABORATÓRIO DE ANÁLISES AMBIENTAIS TECLAB LTDA HUMANO S QUÍMICOS Dureza Total Alcalinidade Cloretos LQ:0,5 mg/l NORMA

Leia mais

DECRETO. 5. Perspectiva de Desenvolvimento Funcional. Art. 5º Este Decreto abrange tão somente os usuários especiais,

DECRETO. 5. Perspectiva de Desenvolvimento Funcional. Art. 5º Este Decreto abrange tão somente os usuários especiais, 12 5. Perspectiva de Desenvolvimento Funcional Externo, no mercado de trabalho, mediante concurso público. CVDV/PGM Nº 9483/11. DECRETO DECRETO Nº 13.481, DE 22 DE JUNHO DE 12. DISPÕE SOBRE O PROGRAMA

Leia mais

MONITORAMENTO DE CHORUME NO ANTIGO LIXÃO DO ROGER EM JOÃO PESSOA PARAÍBA - BRASIL

MONITORAMENTO DE CHORUME NO ANTIGO LIXÃO DO ROGER EM JOÃO PESSOA PARAÍBA - BRASIL Castellón, 23-24 de julio de 28. MONITORAMENTO DE CHORUME NO ANTIGO LIXÃO DO ROGER EM JOÃO PESSOA PARAÍBA - BRASIL Resumo Nóbrega, C. C. * ; Ferreira, J. W. O.; Athayde Jr., G. B.; Gadelha, C. L.; Costa,

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

Telefones: (31) 3471-9659/8896-9659 E-mail: vendas@marcosultoria.com Site: www.marconsultoria.com

Telefones: (31) 3471-9659/8896-9659 E-mail: vendas@marcosultoria.com Site: www.marconsultoria.com Telefones: (31) 3471-9659/8896-9659 E-mail: vendas@marcosultoria.com NOSSA EMPRESA A MAR Consultoria Ambiental, sediada em Belo Horizonte, Minas Gerais, foi criada em 2002 para atender às lacunas existentes

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

Controle de Qualidade do Efluente e Monitoramento da ETE

Controle de Qualidade do Efluente e Monitoramento da ETE Controle de Qualidade do Efluente e Monitoramento da ETE Abril de 2013 INTRODUÇÃO O SEMAE-OP Serviço Municipal de Água e Esgoto de Ouro Preto foi criado pela Lei Nº 13/2005 em 24 de fevereiro de 2005,

Leia mais

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO

Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Erro! ROTEIRO PARA INSPEÇÃO SISTEMAS E SOLUÇÕES ALTERNATIVAS COLETIVAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM REDE DE DISTRIBUIÇÃO Formulário de Entrada de Dados - PARTE A - IDENTIFICAÇÃO DO SISTEMA OU SOLUÇÃO ALTERNATIVA

Leia mais

Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013

Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013 Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013 Nome do Laboratório No da Certidão Validade Credenciador Matriz Descrição do Parâmetro Acquaplant Quimica do Brasil Ltda. 3/2013 20-12-2014

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA RESUMO A atividade dos serviços de saúde gera águas residuárias que podem causar impactos sobre os

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas Engenharia Sanitária Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo

Leia mais

Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar

Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar Relatório Parcial Expedição Rio Doce Pontos de Coleta Previamente Fixados pelos colaboradores da UFscar Pontos em que a expedição da UnB participou do processo de coleta de água e sedimento entre os dias

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

OS EFEITOS DA PRÉ-OXIDAÇÃO DA ÁGUA BRUTA EM ETA DE PEQUENO PORTE NA PRODUÇÃO DE ÁGUAS DE ABASTECIMENTO

OS EFEITOS DA PRÉ-OXIDAÇÃO DA ÁGUA BRUTA EM ETA DE PEQUENO PORTE NA PRODUÇÃO DE ÁGUAS DE ABASTECIMENTO OS EFEITOS DA PRÉ-OXIDAÇÃO DA ÁGUA BRUTA EM ETA DE PEQUENO PORTE NA PRODUÇÃO DE ÁGUAS DE ABASTECIMENTO Tsunao Matsumoto (1) Engenheiro Civil Mestre e Doutor em Hidráulica e Saneamento EESC - USP Departamento

Leia mais

Global Conference Building a Sustainable World. Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável. e Eventos Preparatórios e Simultâneos

Global Conference Building a Sustainable World. Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável. e Eventos Preparatórios e Simultâneos Global Conference Building a Sustainable World Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável e Eventos Preparatórios e Simultâneos Pavilhão Vermelho do Expo Center Norte Rua João Bernardo Pinto, 333

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco-

Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco- Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco Maio 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. AVALIAÇÃO HIDROQUÍMICA... 3 3. CONCLUSÕES... 6 FIGURAS 2.1 PONTO DE COLETA RIO JOANES:

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE - MG 25, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO ARSAE - MG 25, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO ARSAE MG 25, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Homologa a Tabela de Preços e Prazos de Serviços não tarifados da Copasa Serviços de Saneamento Integrado do Norte e Nordeste de Minas Gerais S/A COPANOR

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos (Unidade de Tratamento e Processamento de Gás Monteiro Lobato UTGCA) 3º Relatório Semestral Programa de Monitoramento

Leia mais

Padrões de Lançamento de Efluentes na Resolução CONAMA 357/05. A questão do Boro na Água Produzida de Petróleo

Padrões de Lançamento de Efluentes na Resolução CONAMA 357/05. A questão do Boro na Água Produzida de Petróleo Padrões de Lançamento de Efluentes na Resolução CONAMA 357/05 A questão do Boro na Água Produzida de Petróleo Arcabouço Legal Federal: As resoluções CONAMA 357/05 e 397/08 Água Produzida de Petróleo O

Leia mais

RESÍDUOS GERADOS EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA COM DESCARGAS DIÁRIAS

RESÍDUOS GERADOS EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA COM DESCARGAS DIÁRIAS RESÍDUOS GERADOS EM ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA COM DESCARGAS DIÁRIAS Francisco Gláucio Cavalcante de Souza (*) Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) Universidade de São Paulo (USP). Engenheiro civil

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização FONTES/NASCENTES Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização O que é uma nascente? Nascentes, fontes ou olhos de água são os locais onde se verifica o aparecimento de água por

Leia mais

EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I

EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I Odir Clécio da Cruz Roque (1) Engenheiro Químico, D.Sc. Professor Adjunto da FEUERJ. Pesquisador Titular da ENSP / Fiocruz.

Leia mais

CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 15

CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 15 CURSO: QUALIDADE DAS ÁGUAS E POLUIÇÃO: ASPECTOS FÍSICO-QUÍMICOS AULA 15 INTERPRETAÇÃO DE LAUDOS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS Prof. Dr. Roque Passos Piveli 1 AULA 15 - INTERPRETAÇÃO DE LAUDOS DE QUALIDADE DAS

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º 6198 / 2011-DL Processo n.º A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto n.º 33.765,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Dispõe sobre a fixação de Padrões de Emissão de Efluentes Líquidos para fontes de emissão que lancem seus efluentes em águas superficiais no Estado do Rio Grande do Sul O CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL

USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL USO DE LEITOS FILTRANTES COMO PRÉ-TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO: ESTUDO EM ESCALA REAL EM ALAGOINHAS, BRASIL Maria das Graças de Castro Reis (1) Engenheira Sanitarista; Mestranda em Engenharia

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 5 Determinação de Cor Aparente - Espectrometria UV / VIS LQ: 2,5 PtCo/L Determinação de Aspecto - APPPEARANCE LQ: não se aplica Determinação de Turbidez por Turbidimetria LQ: 0,4 NTU Determinação

Leia mais

Os setores industriais geradores de materiais secundários e resíduos com potencial de uso em fertilizantes contendo micronutrientes

Os setores industriais geradores de materiais secundários e resíduos com potencial de uso em fertilizantes contendo micronutrientes Os setores industriais geradores de materiais secundários e resíduos com potencial de uso em fertilizantes contendo micronutrientes Sérgio Pompéia Workshop A Cadeia produtiva do setor industrial de fertilizantes

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS NATURAIS DE REMOÇÃO DE ÁGUA LIVRE DE LODO DE ETA

ANÁLISE CRÍTICA DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS NATURAIS DE REMOÇÃO DE ÁGUA LIVRE DE LODO DE ETA ANÁLISE CRÍTICA DE IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS NATURAIS DE REMOÇÃO DE ÁGUA LIVRE DE LODO DE ETA CALI LAGUNA ACHON (*) Mestranda do programa de Pós-Graduação de Hidráulica e Saneamento da Escola de Engenharia

Leia mais