PDR Medida 8 Proteção e reabilitação de povoamentos florestais Ação 8.1 Silvicultura sustentável

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PDR 2020. Medida 8 Proteção e reabilitação de povoamentos florestais Ação 8.1 Silvicultura sustentável"

Transcrição

1 PDR 2020 Medida 8 Proteção e reabilitação de povoamentos florestais Ação 8.1 Silvicultura sustentável Áreas de risco no âmbito da Operação Prevenção da floresta contra agentes bióticos e abióticos Reconhecimento Científico de Áreas de Risco Junho 2015

2 Índice 1. Enquadramento 3 2. Distribuição das espécies hospedeiras e respetiva importância económica Pinhal Eucaliptal Montado de sobro e de azinho Castanheiro Outros sistemas florestais 7 3. Comportamento dos agentes bióticos nocivos Pinhal Eucaliptal Montado de sobro e de azinho Castanheiro Outros sistemas florestais Condições que favorecem o estabelecimento de agentes bióticos nocivos O clima em Portugal Fatores de risco Distribuição dos fornecedores de MFR Delimitação de áreas de risco Portugal continental Nemátodo-da-madeira-do-pinheiro Montados de sobro e azinho em declínio Povoamentos de castanheiro em declínio Gorgulho e brocas do eucalipto Notas finais Bibliografia Anexos 26 2

3 1. Enquadramento No âmbito dos critérios de elegibilidade das operações estabelecidos pelo Programa de Desenvolvimento Rural (PDR 2020) para aprovação das candidaturas à Operação Prevenção da floresta contra agentes bióticos e abióticos, está definido que as operações devem incidir em áreas onde o risco é reconhecido por entidade pública competente, através de critérios técnico-científicos. O Programa Operacional de Sanidade Florestal (POSF) indica os agentes bióticos nocivos que afetam ou poderão afetar a floresta portuguesa (sejam árvores adultas ou plantações jovens), agregando-os segundo a sua classificação como organismos de quarentena ou não quarentena (anexo 1). Considera-se que todo o território continental deve ser considerado área de risco para as ações de prospeção e monitorização das pragas elencadas no âmbito do POSF, existentes no território continental ou com possível risco de introdução, tendo por base os pressupostos a seguir indicados referentes aos agentes bióticos nocivos: Existência de espécies hospedeiras; Existência de condições climáticas adequadas para o seu estabelecimento. No que se refere à aplicação de métodos de controlo, já as respetivas ações deverão ser circunscritas a áreas de risco onde se verifica a presença dos agentes bióticos ou onde a vulnerabilidade a estes é reconhecida, enquadradas quer ao nível das intervenções com escala territorial relevante quer ao nível da exploração. Tais áreas deverão ser definidas tendo por base um ou mais dos seguintes critérios: Agressividade do agente; Intensidade do ataque; Vulnerabilidade dos hospedeiros; Existência de zonas de segurança (zonas tampão, zonas circunvizinhas a locais infetados); Potenciais prejuízos causados; Importância económica dos hospedeiros. Para justificar o reconhecimento das áreas de risco acima referidas, apresentam-se a seguir, para os sistemas florestais apresentados no POSF, os quais são ou podem ser afetados pelos agentes bióticos referidos no anexo 1, uma caraterização da distribuição das espécies hospedeiras e respetiva importância económica, do comportamento dos agentes bióticos e das condições que favorecem o seu estabelecimento, nomeadamente condições climáticas e fatores de risco. Apresenta-se ainda uma caraterização da distribuição dos fornecedores de materiais florestais de reprodução, na medida em que as plantas e sementes representam, para muitos agentes bióticos nocivos, um importante risco de introdução e dispersão de pragas no nosso território. 3

4 2. Distribuição das espécies hospedeiras e respetiva importância económica A floresta portuguesa encontra-se dispersa por todo o território, sendo constituída por diversas espécies, predominando no entanto os sistemas florestais associados ao pinhal, ao montado de sobro e azinho, ao eucaliptal e ao castanheiro. Os produtos e serviços fornecidos pela floresta (madeira, cortiça, frutos, biomassa, biodiversidade, proteção e recreio) determinam a importância económica, social e ambiental dos sistemas florestais e o impacte económico que a ação dos agentes bióticos nocivos pode ter no setor florestal em Portugal. De acordo com a informação constante no relatório de caraterização da fileira florestal 2014, promovido pela Associação para a Competitividade da Indústria da Fileira Florestal (AIFF), para o período temporal de referência , a balança comercial associada às indústrias da fileira florestal apresenta um saldo positivo de milhões de euros (2013), correspondendo a 9,1% do total das exportações nacionais de bens e a 3,4% do total das importações nacionais de bens. A fileira florestal representa ainda 2,2% do total de pessoas ao serviço das empresas em Portugal e 1,7% do total de população empregada. Em 2012, o Valor Acrescentado Bruto (VAB) da silvicultura apresentou um aumento de 3,9% em volume e 2,4% em valor, relativamente a No que se refere à Produção da Silvicultura registou-se igualmente um aumento de 4,3% em volume e de 3,6% em valor, relativamente a Neste mesmo ano, o VAB das indústrias da fileira florestal representou 1,2% do VAB nacional, tendo mantido um peso significativo na totalidade das indústrias transformadoras (cerca de 11%) Pinhal Este sistema florestal é constituído essencialmente por pinheiro-bravo e pinheiro-manso, embora existam outras espécies (pinheiro-silvestre, pinheiro-do-alepo e pinheiro-larício) que desempenham localmente um papel relevante pela sua importância produtiva, protetiva e paisagística. De acordo com o IFN 2010, o pinhal ocupa uma área de 890 mil ha (714 mil ha de pinheiro-bravo e 176 mil ha de pinheiro-manso). Conforme se pode observar pelas figuras 1 e 2, o pinhal distribui-se por todo o território com o pinheiro-bravo a ocupar 23% da área florestal do território continental, na sua maior parte localizada na zona de minifúndio e o pinheiro-manso, a ocupar 6% da área florestal total de Portugal continental, com a sua principal área de distribuição na região sul do país. A subfileira da madeira, nomeadamente a madeira de resinosas para fins industriais e a madeira de resinosas para serrar, assenta essencialmente na produção de pinheiro-bravo, tendo-se registado, entre 2011 e 2012, um decréscimo da produção em valor, devido essencialmente à descida dos preços. Também o VAB da subfileira da madeira e do mobiliário, apresentou, entre 2010 e 2012 uma tendência decrescente. No entanto, a balança comercial da subfileira da madeira e do mobiliário de madeira apresenta um saldo positivo, com o valor das exportações de madeira, em 2013, a representarem 2,6% das exportações nacionais de bens. 4

5 Figura 1 - Distribuição do pinheiro-bravo (IFN 2010). Figura 2 - Distribuição do pinheiro-manso (IFN 2010). A exploração dos povoamentos de pinheiro-manso assume um papel preponderante na economia das explorações florestais de algumas regiões, em particular no Alentejo, devido, sobretudo, às caraterísticas únicas da sua principal produção o pinhão para a indústria alimentar - o que tem permitido um rápido desenvolvimento da fileira do pinheiro-manso, que, hoje, ocupa um lugar importante na economia regional e nacional. Na região do Alentejo, centra-se cerca de 67% da produção nacional de pinha e 15% da produção mundial de pinha. A capacidade produtiva de pinha possui um valor económico de 50 a 70 milhões de euros/ano. Refira-se ainda que o pinheiro-bravo e o pinheiro-manso se enquadrados em Dunas com florestas de Pinus pinea e ou Pinus pinaster formam habitats de proteção obrigatória no âmbito da legislação comunitária (anexo I da Diretiva 92/43/CEE, de 21 de maio) Eucaliptal O eucaliptal em Portugal apesar de ser composto por várias espécies de eucalipto, é essencialmente constituído por povoamentos de Eucalyptus globulus, que segundo o IFN 2010, representa a principal ocupação florestal do Continente em área (figura 3), ocupando cerca de 812 mil ha, que corresponde a 26% da área total do território continental. Esta espécie é a matéria-prima base para o setor da pasta, do papel e do cartão, cujas atividades têm evidenciado uma forte solidez. A produção de eucalipto (madeira de folhosas para triturar) apresentou um aumento em valor, entre 2011 e 2012, mantendo a tendência de crescimento dos últimos anos, o que faz com que represente o principal bem silvícola a ser produzido. O VAB da indústria da pasta, do papel e cartão tem apresentado alguma variação ao longo dos anos, tendo-se verificado uma diminuição entre 2010 e No entanto, em 2013, a balança comercial da subfileira da pasta, do papel e cartão foi a que apresentou maior valor de exportações, representando 4,7% das exportações nacionais de bens. 5

6 Figura 3 - Distribuição do eucalipto-glóbulo (IFN 2010) Montado de sobro e de azinho O montado de sobro constitui a maior mancha contínua de espécies autóctones que se pode encontrar em território português, sendo considerado um dos ecossistemas mais valiosos em Portugal, salientando-se que cerca de um quarto da sua distribuição mundial atual se encontra no país, onde é produzida mais de metade da cortiça consumida em todo o mundo, o que acarreta uma responsabilidade acrescida na sua manutenção. De acordo com os dados do último IFN, o sobreiro ocupa atualmente cerca de 737 mil ha (figura 4), que corresponde a 23% da área florestal total. Já a azinheira, ocupa uma área de cerca de 331 mil ha (figura 5), que corresponde a 11% da área florestal total. Figura 4 - Distribuição do sobreiro (IFN 2010). Figura 5 - Distribuição da azinheira (IFN 2010). 6

7 A produção de cortiça tem apresentado alguma variação nos último anos, registando-se um decréscimo em valor entre 2011 e 2012, devido essencialmente à conjugação da diminuição em volume com a diminuição dos preços. Apesar deste decréscimo, Portugal continua a produzir mais de metade da cortiça consumida a nível mundial. Entre 2010 e 2012 o VAB da subfileira da cortiça apresentou um valor global sem grandes oscilações, apresentando o fabrico de rolhas um aumento considerável do VAB entre 2011 e Em 2013, à semelhança das outras subfileiras, a balança comercial da subfileira da cortiça apresentou um saldo positivo, representando 1,8% das exportações nacionais de bens. Tanto o sobreiro como a azinheira formam ainda habitats de proteção obrigatória no âmbito da legislação comunitária Castanheiro A área ocupada pelo castanheiro atinge 1% da área florestal total (IFN 2010), correspondendo a cerca de 41 mil ha (figura 6). É na região de Trás-os-Montes que se situam as áreas mais importantes de castanheiro, embora existam também algumas áreas significativas na região Centro. Estas áreas assumem um papel importante do ponto de vista ambiental e das economias locais, devido à produção de fruto (de qualidade reconhecida internacionalmente), madeira e cogumelos. Figura 6 - Distribuição do castanheiro (IFN 2010) Outros sistemas florestais Embora com menor impacte económico e área de distribuição, existem outros sistemas (carvalhos, freixo, medronheiro) distribuídos ao longo do território, que desempenham papel fundamental na manutenção da biodiversidade e conservação dos ecossistemas. Os carvalhos ocupam atualmente cerca de 67 mil ha. 7

8 3. Comportamento dos agentes bióticos nocivos Os danos provocados pela ação dos agentes bióticos nocivos sobre a espécie hospedeira, podem variar, ao longo do tempo, devido: i) a alterações progressivas nas caraterísticas dos povoamentos (estrutura e densidade, dimensão das árvores, etc.); ii) a fatores de desequilíbrio que podem afetar as árvores (incêndios, excesso ou falta de água, etc.); iii) à classe de agressividade; iv) e à intensidade do ataque. No que se refere ao comportamento do agente biótico, é de salientar a respetiva agressividade e a intensidade do ataque. A agressividade do agente, quantificada através da classe de agressividade (figura 7), é tipificada em função da idade da árvore (árvores adultas e árvores jovens até 5 anos nas resinosas e até 10 anos nas folhosas, com exceção do eucalipto que se considera até 3 anos). No Programa Operacional de Sanidade Florestal, para os diferentes sistemas florestais, foram indicados diversos agentes bióticos e respetivas classes de agressividade, devendo ser prioritária a atuação nos casos em que foi atribuída a classe 3 ou 4. 1 Sem probabilidade de ocorrência 2 Cria perturbações de ordem fisiológica sem grande impacte no hospedeiro 3 Cria perturbações de ordem fisiológica levando a um enfraquecimento gradual do hospedeiro 4 Provoca a morte do hospedeiro Figura 7 Classes de agressividade (adaptado de Sousa, E.M.R., Evangelista, M. e Rodrigues, J.M. (2007) - Identificação e monitorização de pragas e doenças em povoamentos florestais). Os danos causados por um determinado agente biótico dependem não só da sua presença e classe de agressividade mas também da intensidade de ataque, que se reflete pela quantidade de material vegetal afetado (n.º de árvores ou partes da árvore afetadas). A intensidade do ataque varia consoante o nível populacional da praga, o qual pode ser influenciado por diversos fatores (temperatura, presença de inimigos naturais, vulnerabilidade do hospedeiro). A intensidade do ataque quando conjugada com a agressividade do agente permite calcular o Grau de Perigosidade da situação, que servirá de base na tomada de decisão e na definição de uma estratégia de intervenção. 8

9 3.1. Pinhal Na década de 80, os principais agentes bióticos nocivos que tinham impacte económico ao nível do pinhal e, em especial, no pinheiro-bravo, eram os escolitídeos e em menor grau a processionária (Thaumetopoea pityocampa). No entanto, o declínio provocado por estes insetos tem vindo a agravar-se como consequência, não só da sua ação como também de outros fatores de declínio, como sejam: i) os incêndios florestais; ii) os anos quentes e secos que sucessivamente têm ocorrido; iii) o abandono do mundo rural; ou iv) a falta de gestão dos espaços florestais. A situação fitossanitária do pinhal bravo agravou-se em 1999 com a deteção do NMP, que atacou de forma severa esta espécie, provocando os graves danos económicos e ambientais que se conhecem, razão pela qual é internacionalmente considerado como um dos mais graves problemas fitossanitários ao nível europeu e mundial. Para além dos agentes bióticos nocivos já referidos existem outros que têm atacado tanto o pinheirobravo como o pinheiro-manso, assim como outros Pinus spp., indicando-se, no quadro 1, as principais pragas identificadas em Portugal em função dos órgãos afetados assim como as respetivas classes de agressividade. Quadro 1 - Principais pragas identificadas em Portugal, em povoamentos de pinheiro-bravo e de pinheiro-manso. Órgãos afetados Agulhas Pinhas Tronco e ramos Organismo nocivo Insetos Nome científico Nome comum Classes de agressividade Árvores jovens Árvores adultas Leucaspis pini Cochonilha-branca-das-agulhasdo-pinheiro 3 2 Pineus pini Afídeo-lanígero-do-pinheiro 3 2 Thaumetopoea pityocampa Processionária 3 2 Botrytis cinerea Bolor-cinzento 4 1 Cyclaneusma sp. 3 2 Diplodia sapinea Dieback -do-pinheiro 4 3 Fungos Dothistroma spp. Doença-dos-anéis-vermelhos 4 3 Lophodermium seditiosum Desfoliação 4 2 Pestalotiopsis spp 3 2 Thyriopsis halepensis 2 2 Dioryctria mendacella Lagarta-das-pinhas 2 2 Insetos Pissodes validirostris Gorgulho-das-pinhas 2 2 Leptoglossus occidentalis Sugador-de-pinhas - - Fungos Diplodia sapinea Dieback -do-pinheiro 4 3 Dioryctria sylvestrella Piral-do-tronco 3 2 Ips sexdentatus Bóstrico-grande 1 4 Orthotomicus erosus Bóstrico-pequeno 4 4 Insetos Petrova resinella Resineira 3 2 Pissodes castaneus Gorgulho-pequeno-do- pinheiro 4 3 Pityogenes spp. Bóstrico-bidentado 4 4 Rhyacionia buoliana Torcedoura 3 2 Tomicus destruens Hilésina 1 4 9

10 Tomicus piniperda Complexo Leptographium Azulado-da-madeira Fungos /Ophiostoma 1 3 Heterobasidion annosum Podridão-do-cerne 4 4 Nemátodo Bursaphelenchus xylophilus Murchidão-do-pinheiro 4 4 Raiz Fungos Armillaria ostoyae Podridão-radicular-do-pinheiro Eucaliptal Durante mais de 150 anos, os eucaliptais em Portugal apresentaram-se vigorosos e sem problemas fitossanitários, até ao momento em que foram introduzidos, acidentalmente, agentes bióticos nocivos nativos das regiões de origem do eucalipto, tornando a espécie também mais suscetível ao ataque de diversas pragas, muitas das quais podem comprometer a produtividade dos povoamentos. São pois, vários os agentes bióticos nocivos que têm afetado a vitalidade e a produtividade das plantações de eucalipto em Portugal (quadro 2), sendo atualmente de destacar, pelo impacte económico e ecológico, o gorgulho e a broca do eucalipto e a doença das manchas. Existem alguns insetos, para os quais outras espécies de eucalipto (Eucalyptus camaldulensis, Eucalyptus tereticornis, Eucalyptus rudis, etc.) são muito sensíveis e que foram introduzidos recentemente em Portugal, constituindo um problema importante para aquelas espécies. Quadro 2 Principais agentes bióticos nocivos com impacte em povoamentos de eucalipto. Órgãos afetados Folhas Tronco e ramos Organismo nocivo Insetos Fungos Insetos Fungos Nome científico Nome comum Classe de agressividade Árvores jovens Árvores adultas Gonipterus platensis Gorgulho-do-eucalipto 3 3 Ctenarytaina eucaliptii Ctenarytaina spatulata Glycaspis brimblecombei Psila-do-eucalipto - - Thaumastocoris peregrinus Psila-das-folhasjovens-do-eucalipto Psila-das-folhasadultas-do-eucalipto Leptocybe invasa 1 Vespa-das-galhas-doeucalipto - - Ophelimus maskelii - - Percevejo-bronzeadodo-eucalipto - - Botrytis cinerea Bolor-cinzento 4 1 Harknessia eucalypti Mycosphaerellaceae Manchas-das-folhas 2 2 Manchas-das-folhas 3 2 Teratosphaeriaceae Manchas-das-folhas - - Phoracantha semipunctata e Phoracantha recurva Broca-do-eucalipto 1 4 Botryosphaeriaceae 2 3 Cytospora spp

11 Raízes Teratosphaeriaceae Manchas-das-folhas - - Insetos Melolontha sp. - - Fungos e oomicetas Phytophthora spp Só ataca Eucalyptus camaldulensis, Eucalyptus rudis e Eucalyptus tereticornis Montado de sobro e de azinho O declínio dos montados tem-se manifestado desde o século XX, sendo as suas causas de difícil diagnóstico e de grande complexidade, uma vez que estão, na maior parte das vezes, fortemente interligadas. De facto, o declínio dos montados de sobro e de azinho resulta da interação entre múltiplos fatores de desequilíbrio (bióticos e abióticos), o que dificulta a adoção de soluções tendentes à resolução dos problemas e ao restabelecimento da vitalidade dos ecossistemas. Inicialmente mais afetados por insetos desfolhadores (Lymantria dispar e Tortrix viridana), na segunda metade do século XX o declínio aumentou provavelmente devido à conjugação do stress hídrico observado com a presença e complexa interação de diversos agentes bióticos (nomeadamente insetos, Phytophthora cinnamomi e Diplodia cortícola). Salienta-se ainda o facto de que os montados de sobro e de azinho se localizam, maioritariamente, nas regiões mais ameaçadas pela desertificação, estando por isso mais suscetíveis ao ataque de pragas, uma vez que os fatores abióticos de desequilíbrio se fazem sentir com mais intensidade (menor disponibilidade de água, altas temperaturas, etc.), predispondo a uma perda de vitalidade. Estão, presentemente, assinaladas cerca de 60 populações de fungos e 92 espécies de insetos associadas aos montados de sobro e de azinho, indicando-se no quadro 3 as principais pragas, em função do órgão do hospedeiro afetado. Quadro 3 Principais agentes bióticos nocivos com impacto nos montados de sobro e de azinho. Órgãos afetados Folhas Frutos Organismo nocivo Insetos Insetos Nome científico 11 Nome comum Classe de agressividade Árvores jovens Árvores adultas Archips xylosteana Archips 3 3 Euproctis chrysorrhoea Portésia 3 3 Lymantria dispar Lagarta-do-sobreiro 3 3 Malocosoma neustria Lagarta-de-libré 3 3 Orchestes spp. Orchestes 1 1 Periclistta andrei e P. dusmeti Lagarta-verde 3 3 Phalera bucephala falera 3 3 Tortrix viridana Burgo 3 3 Curculio elephas Balanino 1 2 Cydia spp. Lagarta-da-bolota 1 2

12 Cortiça Tronco e ramos Raízes Inseto Insetos Fungos e oomicetas Fungos e oomicetas 1 Afeta apenas ramos finos. Coroebus undatus Cobrilha-da-cortiça 1 3 Platypus cylindrus Platipo 1 4 Xyleborus dispar Xileboro 4 4 Zeuzera pyrina Borboleta-leopardo Phytophthora spp Fitóftora 4 4 Armillaria mellea Podridão-agárica 3 3 Pythium spp - - Phytophthora spp Fitóftora Castanheiro Tal como em outros sistemas florestais, o estado fitossanitário atual dos castinçais resulta da ação conjunta de vários fatores, nomeadamente do meio ambiente e de práticas de gestão. Acresce depois a intervenção dos agentes bióticos nocivos que em muitos casos atuam já numa situação de debilidade do hospedeiro. São vários os agentes bióticos nocivos que têm atacado o castanheiro (quadro 4), sendo de destacar a doença-da-tinta e o cancro-do-castanheiro. Quadro 4 Principais agentes bióticos nocivos com impacte nos castanheiros. Órgãos afetados Folhas Frutos Tronco e ramos Organismo nocivo Insetos Nome científico Nome comum Classe de agressividade Árvores jovens Árvores adultas Crematogaster scutellaris Formiga-da-cortiça 2 2 Cerambix cerdo Capricórnio-dasquercineas 1 3 Coroebus florentinus Cobrilha-dos-ramos Armillaria spp. Podridão-agárica 3 3 Biscogniauxia mediterranea Carvão-doentrecasco 3 3 Botryosphaeriaceae Seca-dos-ramos 4 4 Dryocosmus kuriphilus Vespa-daas-galhas-docastanheiro - - Euproctis chrysorrhoea Portésia 3 3 Lymantria dispar Lagarta-do-sobreiro 3 3 Malocosoma neustria Lagarta-de-libré 3 3 Fungos Mycosphaerella spp. - - Insetos Insetos Curculio elephas Balanino 1 2 Cydia splendana Lagarta-da-castanha 1 2 Cossus cossus Broca-da-madeira 4 3 Coroebus florentinus Cobrilha-dos-ramos 1 3 Platypus cylindrus Platipo 1 4 Xyleborus dispar Xileboro

13 Raízes Fungos Fungos Zeuzera pyrina Borboleta-leopardo 3 2 Cryphonectria parasitica Cancro-do-castanheiro 4 4 Botryosphaeriaceae 2 3 Coryneum modonium Cancro-difuso - - Cytospora spp. 2 2 Phytophthora spp. Doença-da-tinta 4 4 Armillaria spp. - - Rosellinia necatrix Outros sistemas florestais Muitos dos agentes bióticos nocivos referidos para o castanheiro, sobreiro e azinheira afetam também outras espécies, nomeadamente os outros carvalhos. No que respeita aos carvalhos, é de salientar a presença do pulgão-dos-carvalhos (Altica quercetorum), que, pese embora seja considerado, em Portugal, um inseto coleóptero de caráter endémico com presença frequente no centro e sul da Europa, sem nunca ter causado grandes motivos para alarme, recentemente, atingiu níveis populacionais elevados, resultado de condições favoráveis ao seu desenvolvimento, nomeadamente no verão de 2009, tendo-se registado grandes áreas de carvalho atacadas. Não chegando a causar a morte do hospedeiro, mas podendo consumir até cerca de 95% da parte aérea, este coleóptero atrasa o seu crescimento no ano do ataque, deixando o hospedeiro enfraquecido e vulnerável a outros agentes patogénicos. Assim, principalmente em áreas de recreio e lazer onde predomina a importância estética do arvoredo e particularmente no caso de árvores de interesse público, esta praga pode causar danos significativos. 13

14 4. Condições que favorecem o estabelecimento de agentes bióticos nocivos A suscetibilidade da floresta portuguesa aos agentes bióticos nocivos tem sido alterada ao longo do tempo devido à presença de alguns fatores de desequilíbrio, nomeadamente, diferentes práticas de gestão florestal (por exemplo, rotações mais longas aumentam o risco de infeção, na medida em que o tempo de exposição às pragas é maior), alterações na estrutura dos povoamentos (espécies utilizadas, plantações extensivas e monoespecíficas, densidades de plantação), instalação de plantações em locais pouco adequados, presença de grandes áreas com plantações clonais e perturbações induzidas por fatores abióticos (incêndios florestais e stress hídrico). Ainda que atualmente existam mecanismos que podem minimizar os riscos de recorrência de instalação de pragas, designadamente por via da aplicação do regime jurídico aplicável às ações de arborização e rearborização com recurso a espécies florestais no território continental (RJAAR), torna-se necessário prevenir e controlar as que se encontram instaladas ou que possam se possam vir a instalar, razão pela qual se elencam no presente documento as principais áreas de risco que se afiguram mais vulneráveis aos agentes bióticos nocivos considerados potencialmente mais prejudiciais. A introdução de agentes bióticos nocivos em novos locais e a sua dispersão a longas distâncias é essencialmente feita por via da circulação de materiais florestais de reprodução (sementes, partes de plantas e plantas), de material lenhoso (toros, madeira serrada e subprodutos), assim como de materiais de embalagem de madeira (paletes, caixas, suportes, etc.). O estado fitossanitário dos diversos sistemas florestais poderá ainda ser influenciado pelas alterações climáticas que se perspetivam, assim como pela introdução de novos agentes bióticos no nosso território O Clima em Portugal Portugal continental tem um clima mediterrânico, que segundo a classificação de Koppen, se divide em duas regiões: uma de clima temperado com Inverno chuvoso e Verão seco e quente (Csa) e outra de clima temperado com Inverno chuvoso e Verão seco e pouco quente (Csb). A influência da latitude, do oceano Atlântico, da massa continental da Península Ibérica e da altitude faz com que exista alguma diversidade climática: No norte atlântico, predomina a influência atlântica, com maior quantidade de precipitação e menor duração da estação seca. No norte transmontano, predomina a influência continental, com menor quantidade de precipitação e maior amplitude térmica anual. No sul de Portugal Continental, as caraterísticas do clima temperado mediterrânico são mais acentuadas com Verões quentes e secos e Invernos frescos e húmidos. Nas áreas de montanha mais elevadas, como a serra da Estrela, a altitude faz com que se registem temperaturas mais baixas e precipitações mais abundantes, por vezes, com queda de neva, no Inverno. 14

15 A temperatura média anual em Portugal continental varia dos 4 C no interior norte montanhoso até 18 C no sul. Os verões são amenos nas terras altas do norte do país e na região litoral do extremo norte e do centro. No entanto, as alterações climáticas são uma realidade e segundo estudos já realizados à evolução climática de Portugal durante o século XX e através de simulações de diferentes modelos climáticos, é possível inferir as seguintes tendências: Aumento significativo da temperatura média em Portugal até ao fim do século XXI; Incremento da temperatura máxima no Verão, acompanhado por um aumento da frequência e intensidade de ondas de calor; Alteração dos índices climáticos relacionados com a temperatura, registando-se aumentos significativos no número de dias quentes (máxima superior a 35ºC) e de noites tropicais (mínimas superiores a 20ºC), sendo por outro lado esperadas diminuições em índices relacionados com tempo frio (por ex., dias de geada ou dias com temperaturas mínimas inferiores a 0ºC); No que diz respeito à precipitação, embora exista ainda uma grande incerteza quanto à sua distribuição futura, quase todos os modelos analisados preveem redução da precipitação em Portugal Continental durante a Primavera, Verão e Outono. Tanto a diversidade climática atual como as alterações climáticas previstas, podem influenciar a incidência de agentes bióticos nocivos (seja os já existentes, sejam novos agentes bióticos) nas nossas florestas, na medida em que podem afetar de forma direta a biologia, distribuição e comportamento dos agentes bióticos, bem assim como de forma indireta a suscetibilidade das espécies hospedeiras. Por exemplo, temperaturas médias mais altas no verão podem reduzir o tempo necessário para alguns insetos completarem o seu ciclo de vida, originando um maior número de gerações por ano. Por outro lado, temperaturas mais amenas no inverno podem diminuir a mortalidade dos insetos. No caso dos fungos, vírus ou nemátodo associados a insetos podem também ser favorecidos por temperaturas mais elevadas, indo desta forma atacar as espécies hospedeiras. Existe uma forte correlação entre o regime hídrico e a frequência e intensidade da presença de pragas. Os longos períodos de seca têm sido sistematicamente apontados como elementos relevantes na criação de condições favoráveis para o seu desenvolvimento. Cada vez mais é reconhecido o risco acrescido associado à introdução de espécies exóticas, tanto através do comércio internacional de plantas, madeira e produtos florestais, como pela sua migração natural, a qual pode ser fortemente favorecida pelas alterações climáticas Fatores de risco Além das caraterísticas atuais do clima em Portugal e das alterações climáticas prevista, existem vários outros fatores de risco que potenciam a introdução, o desenvolvimento e a dispersão de agentes bióticos nocivos nos espaços florestais: a) Circulação, tanto na União Europeia como de e para países terceiros de material lenhoso, plantas, sementes e outros produtos provenientes da floresta, os quais podem transportar 15

16 estruturas dos agentes bióticos sem serem detetáveis (pese embora existam requisitos fitossanitários para cumprir, no sentido de minimizar este risco); b) Circulação de pessoas, máquinas e equipamentos, que por vezes involuntariamente podem também propagar as pragas; c) Más práticas de gestão, nomeadamente sobre-exploração de recursos, deficiente gestão dos povoamentos florestais e inadequadas práticas culturais ao nível da árvore; d) Incêndios florestais, que enfraquecem os hospedeiros facilitando a atuação dos agentes bióticos nocivos; e) Presença de árvores de espécies hospedeiras com más condições vegetativas, muito debilitadas ou mortas e manutenção no terreno de sobrantes contaminados; f) Fatores edáficos, nomeadamente o estado nutricional do solo, assim como a sua textura podem favorecer a ação dos agentes bióticos nocivos, devido sobretudo ao enfraquecimento dos hospedeiros. Por exemplo, a associação de Phythophotora cinnamomi com o declínio do castanheiro, do sobreiro e da azinheira é mais frequente em solos delgados de textura finas e, pobres em azoto (N) e fósforo (P), assim como o Platypus cylindrus está associado a perturbações nutricionais no solo nomeadamente acidificação, teores reduzidos de cálcio (Ca) e potássio (K) e concentrações elevadas de alumínio (Al) e zinco (Zn); g) Fatores de localização como sejam a altitude, exposição das espécies hospedeiras ou sua instalação em solos mal drenados; h) Poluição atmosférica, a qual pode ter um efeito direto e indireto no declínio dos hospedeiros, potenciando desta forma a ação dos agentes bióticos nocivos. A conjugação total ou parcial destes fatores de risco, associados ao clima e à existência de hospedeiros vulneráveis, predispõem o território continental ao estabelecimento de diferentes agentes bióticos nocivos cuja instalação e dispersão importa prevenir e controlar. 16

17 5. Distribuição dos fornecedores de MFR Como já se referiu anteriormente, a circulação de materiais florestais de reprodução, não só em Portugal como entre Estados-membros e mesmo entre a União Europeia e países terceiros é um dos principais fatores associados à dispersão artificial de agentes bióticos nocivos. Como se pode verificar pela figura 8, a localização dos fornecedores de MFR, tanto os que têm a atividade de produção como os que apenas comercializam MFR, encontra-se distribuída por todo o território continental, representando por isso um risco acrescido para a dispersão de agentes bióticos nocivos. Figura 8 Distribuição dos fornecedores de MFR em Portugal continental. 17

18 6. Delimitação de áreas de risco Considerando a informação anteriormente referida e a necessidade de definir áreas de risco específicas (figura 9), enquadradas no âmbito dos critérios de elegibilidade das operações previstas na operação Prevenção da floresta contra agentes bióticos e abióticos, foram elaboradas listas de freguesias por agente biótico ou grupos de agentes bióticos, que afetam os principais sistemas florestais, não excluindo outros cujo controlo venha igualmente a ser reconhecido como necessário e para os quais se tornará necessário enquadrar a elegibilidade das ações, através do estabelecimento das respetivas áreas de risco. Dada a particularidade dos fatores que interagem e atuam ao nível do montado de sobro e azinho, excecionalmente neste caso, a lista de freguesias é apresentada em função do sistema florestal. NMP Pragas associadas ao declínio do montado de sobro e azinho Áreas de risco especificas Gorgulho e brocas do eucalipto Tinta e cancro do castanheiro Figura 9 Agentes bióticos e sistemas florestais com áreas prioritárias de atuação definidas. Atendendo ao comportamento dos agentes bióticos nocivos, à distribuição, importância económica e vulnerabilidade das espécies hospedeiras, existe ainda a necessidade e obrigatoriedade legal em muitos casos, de implementar zonas de segurança, também designadas por Zonas Tampão, para diversos agentes bióticos nocivos, constituindo assim uma barreira de proteção contra a dispersão das pragas. As áreas de risco específicas aplicam-se tanto para as candidaturas ao nível da exploração com para intervenções com escala territorial relevante Portugal continental Tendo em conta a distribuição das espécies hospedeiras e sua importância económica, dos fornecedores de MFR, que para muitos agentes bióticos nocivos representam um veículo de dispersão, as caraterísticas climáticas de Portugal e a existência de uma grande diversidade de agentes bióticos nocivos já instalados, estão reunidas todas as condições para se considerar todo o território continental como área de risco para qualquer um dos agentes bióticos nocivos referenciados no POSF, para ações de prospeção e monitorização. 18

19 6.2. Nemátodo-da-madeira-do-pinheiro (NMP) No caso das ações de controlo do NMP, tanto para ações ao nível da exploração como para as intervenções com escala territorial, são consideradas como áreas de risco, as seguintes zonas: 1. Locais de Intervenção, conforme divulgado no site do ICNF, I.P. (figura 10); 2. Zona Tampão (figura 11); 3. Áreas públicas e comunitárias (figura 12). Figura 10 Locais de intervenção divulgadas no site do ICNF, I.P. Figura 11 Zona Tampão. Figura 12 Áreas públicas e comunitárias geridas pelo ICNF, I.P. 19

20 Tendo em consideração a importância económica do hospedeiro, os prejuízos causados pelo agente biótico e a necessidade de existirem zonas de segurança, indicam-se em anexo (Anexo 2.1 e Anexo 2.2) as freguesias incluídas nas áreas de risco específicas Montados de sobro e azinho em declínio Em anexo (Anexo 3.1 e anexo 3.2) indicam-se as freguesias que constituem as áreas de risco para o montado de sobro (figura 13) e de azinho (figura 14), as quais foram definidas tendo por base a importância económica dos montados, o seu estado de declínio (vulnerabilidade) e a presença de inúmeros agentes bióticos nocivos que continuam a provocar graves e acentuados prejuízos nos hospedeiros. Figura 13 - Áreas de risco para controlo do declínio do montado de sobro. Figura 14 - Áreas de risco para controlo do declínio do montado de azinho Povoamentos de castanheiro em declínio Tanto a doença-da-tinta como o cancro-do-castanheiro existem em Portugal e têm sido identificados em praticamente todas as regiões do país onde o castanheiro está presente. Perante a importância económica do castanheiro a nível regional e a agressividade dos agentes bióticos, foram estabelecidas as áreas de risco (figura 15) para controlo dos fungos Cryphonectria parasitica (cancro) e Phytophtora cinnamomi (tinta), cujas freguesias se encontram listadas no anexo 4. 20

Programa Operacional de Sanidade Florestal

Programa Operacional de Sanidade Florestal Programa Operacional de Sanidade Florestal Dezembro de 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO O Programa Operacional de Sanidade Florestal (POSF) estabelece medidas e ações de prevenção e controlo, definindo as bases

Leia mais

1. METODOLOGIA DE SELECÇÃO DE PRAGAS E DOENÇAS FLORESTAIS

1. METODOLOGIA DE SELECÇÃO DE PRAGAS E DOENÇAS FLORESTAIS 1. METODOLOGIA DE SELECÇÃO DE PRAGAS E DOENÇAS FLORESTAIS Em tod povoament florestais existe uma variedade de seres viv que desempenham acções específicas na dinâmica da floresta estando normalmente em

Leia mais

REGIME JURÍDICO APLICÁVEL ÀS AÇÕES DE ARBORIZAÇÃO E REARBORIZAÇÃO COM RECURSO A ESPÉCIES FLORESTAIS, NO TERRITÓRIO CONTINENTAL - RJAAR

REGIME JURÍDICO APLICÁVEL ÀS AÇÕES DE ARBORIZAÇÃO E REARBORIZAÇÃO COM RECURSO A ESPÉCIES FLORESTAIS, NO TERRITÓRIO CONTINENTAL - RJAAR REGIME JURÍDICO APLICÁVEL ÀS AÇÕES DE ARBORIZAÇÃO E REARBORIZAÇÃO COM RECURSO A ESPÉCIES FLORESTAIS, NO TERRITÓRIO CONTINENTAL - RJAAR Notas prévias: Os formulários de projeto de arborização ou de rearborização

Leia mais

Medidas de proteção fitossanitária

Medidas de proteção fitossanitária Medidas de proteção fitossanitária INIAV, I.P. Fornecedores de MFR http://www.forestryimages.org/browse/detail.cfm?imgnum=5410749 Dina Ribeiro 20 outubro 20141 Medidas de proteção fitossanitária Objetivos

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DE PRAGAS E DOENÇAS EM POVOAMENTOS FLORESTAIS

IDENTIFICAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DE PRAGAS E DOENÇAS EM POVOAMENTOS FLORESTAIS IDENTIFICAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DE PRAGAS E DOENÇAS EM POVOAMENTOS FLORESTAIS Produç Produção apoiada pelo Programa Agro, Medida 7, SubSub-acç acção 7.3.1,. coco-financiada pelo Estado Português e pela União

Leia mais

PRAGAS E DOENÇAS QUE AFETAM O PINHAL

PRAGAS E DOENÇAS QUE AFETAM O PINHAL PRAGAS E DOENÇAS QUE AFETAM O PINHAL Diagnóstico e Medidas de Proteção Fitossanitária José Manuel Rodrigues Forum Fitossanidade Florestal AUDITÓRIO DA CASA DA CULTURA Oleiros, 22de janeiro de 2015 ÍNDICE

Leia mais

RELATÓRIO 1818/2015/DGPF/ DAPFVRS PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE MATERIAL FLORESTAL DE REPRODUÇÃO (MFR) RELATÓRIO DA CAMPANHA 2013-2014 NÚMERO DAPFVRS

RELATÓRIO 1818/2015/DGPF/ DAPFVRS PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE MATERIAL FLORESTAL DE REPRODUÇÃO (MFR) RELATÓRIO DA CAMPANHA 2013-2014 NÚMERO DAPFVRS TÍTULO 1818/2015/DGPF/ PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE MATERIAL FLORESTAL DE REPRODUÇÃO (MFR) DA CAMPANHA 2013-2014 Viveiro Florestal da Mata Nacional de Valverde 1/25 ÍNDICE Índice... 2 Sumário executivo...

Leia mais

Produção e Comercialização de Materiais Florestais de Reprodução

Produção e Comercialização de Materiais Florestais de Reprodução Produção e Comercialização de Materiais Florestais de Reprodução Dina Ribeiro ISA 30 de Novembro 2006 Direcção ão-geral dos Recursos Florestais Enquadramento histórico 1992 1966 Reconhecimento da importância

Leia mais

RESPOSTAS A PERGUNTAS FREQUENTES

RESPOSTAS A PERGUNTAS FREQUENTES EMISSOR Divisão de Proteção Florestal e Valorização de Áreas Públicas DATA DA VERSÃO 25 / 10 / 2013 ENTRADA EM VIGOR 25 / 10 / 2013 ASSUNTO DOCUMENTAÇÃO DE APOIO ÀS SESSÕES DE SENSIBILIZAÇÃO MO ÂMBITO

Leia mais

Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação. Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira

Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação. Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira Dinâmica da ocupação florestal do solo Economia e regulação Departamento de Gestão e Produção Florestal Conceição Ferreira Perspetiva histórica Fixação e arborização das dunas, 1802 José de Bonifácio Andrada

Leia mais

Ameaças bióticas aos ecossistemas florestais: o caso da doença do nemátode da madeira do pinheiro

Ameaças bióticas aos ecossistemas florestais: o caso da doença do nemátode da madeira do pinheiro Ameaças bióticas aos ecossistemas florestais: o caso da doença do nemátode da madeira do pinheiro Manuel Mota (mmota@evora.pt) (Prof. Auxiliar com agregação da Universidade de Évora) Paulo Vieira Instituto

Leia mais

PRAGAS FLORESTAIS. Gorgulho-do-eucalipto. Formação. 18 de junho e 11 dezembro. Dina Ribeiro. http://www.forestry.gov.uk/forestry/ INFD-672LGH

PRAGAS FLORESTAIS. Gorgulho-do-eucalipto. Formação. 18 de junho e 11 dezembro. Dina Ribeiro. http://www.forestry.gov.uk/forestry/ INFD-672LGH PRAGAS FLORESTAIS Gorgulho-do-eucalipto http://www.forestry.gov.uk/forestry/ INFD-672LGH http://en.wikipedia.org/wiki/fusarium_circinatum Dina Ribeiro Formação 18 de junho e 11 dezembro 2014 1 O Inseto

Leia mais

Plano de Ação nacional para controlo do Nemátodo da Madeira do Pinheiro para o período 2013-2017 2013

Plano de Ação nacional para controlo do Nemátodo da Madeira do Pinheiro para o período 2013-2017 2013 PLANO DE AÇÃO NACIONAL PARA CONTROLO DO NEMÁTODO DA MADEIRA DO PINHEIRO PARA O PERÍODO DE 2013 REV. 2014 Estabelece as ações para prospeção e monitorização, eliminação de árvores com declínio e erradicação

Leia mais

A problemática do Nemátodo nas Madeiras, tendo em conta a importância que o mesmo representa para o nosso sector.

A problemática do Nemátodo nas Madeiras, tendo em conta a importância que o mesmo representa para o nosso sector. FORUM E EXPOSIÇÃO DE NORMALIZAÇÃO, METROLOGIA E QUALIFICAÇÃO - 2013 Saudação e apresentação A problemática do Nemátodo nas Madeiras, tendo em conta a importância que o mesmo representa para o nosso sector.

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013

Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Promoção da actividade resineira em Portugal no âmbito da PAC pós 2013 Francisco Avillez (Professor Emérito do ISA, UTL e coordenado científico da AGR.GES) 16 de Abril de 2013 1. Evolução do pinheiro bravo

Leia mais

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas UC História e Geografia de Portugal II Geografia de Portugal 3. O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas IPS-ESE ME12C André Silva O Clima Português: Elementos

Leia mais

L 52/34 Jornal Oficial da União Europeia 23.2.2006

L 52/34 Jornal Oficial da União Europeia 23.2.2006 L 52/34 Jornal Oficial da União Europeia 23.2.2006 DECISÃO DA COMISSÃO de 13 de Fevereiro de 2006 que requer que os Estados-Membros adoptem temporariamente medidas suplementares contra a propagação de

Leia mais

A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal

A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal A Sustentabilidade do Uso da Biomassa Florestal Francisco Goes Aveiro, 20 de Março de 2014 CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel Índice 1. A CELPA 2. O eucaliptal nacional 3.

Leia mais

PORTUCEL SOPORCEL. INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA

PORTUCEL SOPORCEL. INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA PORTUCEL SOPORCEL INVESTIGAÇÃO NAS ÁREAS DA FLORESTA E DO PAPEL Uma renovação de raiz EMPRESA Com uma posição de grande relevo no mercado internacional de pasta e papel, o Grupo Portucel Soporcel é uma

Leia mais

MEDIDA 8 - PROTEÇÃO E REABILITAÇÃO DOS POVOAMENTOS FLORESTAIS PDR 2020

MEDIDA 8 - PROTEÇÃO E REABILITAÇÃO DOS POVOAMENTOS FLORESTAIS PDR 2020 MEDIDA 8 - PROTEÇÃO E REABILITAÇÃO DOS POVOAMENTOS FLORESTAIS PDR 2020 Programa de Desenvolvimento Rural Novas Medidas de Apoio ao Investimento Operação 8.1.1 Florestação de Terras Agrícolas e não Agrícolas

Leia mais

5.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL Apresentação do Relatório Final. Direcção Nacional de Gestão Florestal

5.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL Apresentação do Relatório Final. Direcção Nacional de Gestão Florestal 5.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL Apresentação do Relatório Final Direcção Nacional de Gestão Florestal SEFDR 7 de Setembro de 2010 1. INOVAÇÕES 1.ª cobertura aerofotográfica digital Utilização de software

Leia mais

Caracterização da biomassa florestal de interesse energético existente no sul da Galiza e norte de Portugal

Caracterização da biomassa florestal de interesse energético existente no sul da Galiza e norte de Portugal Luis Ortiz Torres - UNIVERSIDADE DE VIGO Caracterização da biomassa florestal de interesse energético existente no sul da Galiza e norte de Portugal ATIVIDADE 3 - Logística do aproveitamento da biomassa

Leia mais

Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação

Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação Seminário de Abertura da Discussão Pública da proposta de Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação Direcção Regional de Florestas do Alentejo Lisboa, 21 de Julho de 2011 Sistemas Fundamentais

Leia mais

Agricultura e Desenvolvimento Rural: Que instrumentos de Financiamento 2014-2020

Agricultura e Desenvolvimento Rural: Que instrumentos de Financiamento 2014-2020 Agricultura e Desenvolvimento Rural: Que instrumentos de Financiamento 2014-2020 Painel Pararelo II Desenvolvimento Florestal do Alto Minho: Principais prioridades 2014-2020 Estratégia Territorial de Valorização

Leia mais

Manual de Procedimentos para Aplicação de Indicadores de Gestão Florestal Sustentável. Ficha Técnica

Manual de Procedimentos para Aplicação de Indicadores de Gestão Florestal Sustentável. Ficha Técnica Ficha Técnica Autoria Federação dos Produtores Florestais de Portugal - Conselho Nacional da Floresta Coordenação Científica Fernando Páscoa Coordenação Técnica Paula Salazar Consultores Carlos Machado

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Maio de 2015 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 1 2 2 5 7 8 Instituto Português

Leia mais

NEMÁTODO DA MADEIRA DO PINHEIRO

NEMÁTODO DA MADEIRA DO PINHEIRO NEMÁTODO DA MADEIRA DO PINHEIRO GUIÃO METODOLÓGICO PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE CONTROLO NOTA PRÉVIA O Nemátodo da Madeira do Pinheiro (Bursaphelenchus xylophilus) foi detectado em Portugal, em Maio

Leia mais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Início Zonas climáticas No planeta Terra existem cinco grandes zonas climáticas:

Leia mais

1. O potencial estratégico na Floresta em Portugal

1. O potencial estratégico na Floresta em Portugal ESTRATÉGIA NACIONAL DE INVESTIGAÇÃO E INOVAÇÃO PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE 2 1. O potencial estratégico na Floresta em Portugal O sector florestal assume uma importância estratégica decisiva para

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Junho de 2013 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 2 2 8 10 11 Instituto Português

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013 do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Estado Fitossanitário do Montado de Sobro

Estado Fitossanitário do Montado de Sobro UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANIMAL Estado Fitossanitário do Montado de Sobro Elzely Leopoldina da Silva Souza Mestrado em Ecologia e Gestão Ambiental 2012 1 UNIVERSIDADE

Leia mais

PLANO REGIONAL ORDENAMENTO FLORESTAL DO TÂMEGA

PLANO REGIONAL ORDENAMENTO FLORESTAL DO TÂMEGA PLANO GIONAL ORDENAMENTO FLOSTAL DO TÂMEGA Objectivos específicos comuns a) Diminuir o número de ignições de incêndios florestais; b) Diminuir a área queimada; c) Reabilitação de ecossistemas florestais:

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

Caracterização Florestal

Caracterização Florestal Caracterização Florestal Enquadramento A. Geral O Concelho de Valença tem uma área de 11 790 ha e situa-se na zona Norte do país, região do Minho, distrito de Viana do Castelo, e faz fronteira fluvial

Leia mais

Consulta Pública. Florestas de Alto Valor de Conservação da Unidade de Gestão Florestal do Grupo Unifloresta. Às Partes Interessadas do Grupo

Consulta Pública. Florestas de Alto Valor de Conservação da Unidade de Gestão Florestal do Grupo Unifloresta. Às Partes Interessadas do Grupo Florestas de Alto Valor de Conservação da Unidade de Gestão Florestal do Grupo Unifloresta Consulta Pública Às Partes Interessadas do Grupo Unifloresta Unimadeiras, S.A. O Grupo Unifloresta foi formalmente

Leia mais

PDR 2014-2020 - Análise SWOT

PDR 2014-2020 - Análise SWOT A - Sector Agroalimentar Os produtos do complexo agroflorestal são bens internacionalmente transacionáveis com peso importante no comércio internacional Indústrias agroalimentares dinâmicas, com elevada

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Janeiro de 2013 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Vento Tabela Resumo mensal 2 3 4 6 7 8 http://www.ipma.pt Figura

Leia mais

Biomas o nível superior das comunidades

Biomas o nível superior das comunidades Biomas o nível superior das comunidades As comunidades de seres vivos podem ser caracterizadas a vários níveis. Os biomas correspondem a grandes biossistemas regionais, representados por um tipo principal

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Boletim climatológico mensal maio 2012

Boletim climatológico mensal maio 2012 Boletim climatológico mensal maio 2012 CONTEÚDOS IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 05 Caracterização Climática Mensal 05 Temperatura do Ar 07 Precipitação Total 09 Insolação

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 8 PROTEÇÃO E REABILITAÇÃO DE POVOAMENTOS FLORESTAIS Ação 8.1 SILVICULTURA SUSTENTÁVEL Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR PARA O CONTROLO DE PLANTAS INVASORAS. V3.0 junho 2014. AÇÃO A6 do Projeto LIFE fura-bardos

DOCUMENTO ORIENTADOR PARA O CONTROLO DE PLANTAS INVASORAS. V3.0 junho 2014. AÇÃO A6 do Projeto LIFE fura-bardos DOCUMENTO ORIENTADOR PARA O CONTROLO DE PLANTAS INVASORAS V3.0 junho 2014 AÇÃO A6 do Projeto LIFE fura-bardos Dados do documento Titulo Documento orientador para o controlo de plantas invasoras Projeto

Leia mais

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL O regime térmico de Portugal acompanha a variação da radiação solar global ao longo do ano. Ao longo do ano, os valores da temperatura média mensal

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

CPAI COMISSÃO PERMANENTE DE APOIO AO INVESTIDOR

CPAI COMISSÃO PERMANENTE DE APOIO AO INVESTIDOR ANEXO V - NOTAS EXPLICATIVAS Este formulário é de preenchimento obrigatório e serve de sustentação à auto-avaliação realizada no Anexo III Os itens I Preenchimento dos requisitos de elegibilidade e II

Leia mais

Pellets Power, Lda. Relatório da base de abastecimento para Produtores de biomassa. www.sustainablebiomasspartnership.org

Pellets Power, Lda. Relatório da base de abastecimento para Produtores de biomassa. www.sustainablebiomasspartnership.org Pellets Power, Lda Relatório da base de abastecimento para Produtores de biomassa www.sustainablebiomasspartnership.org Version 1.0 March 2015 For further information on the SBP Framework and to view the

Leia mais

PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL

PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL Prof. Dr. Edson Luiz Furtado - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Prof. Dr. Carlos F. Wilcken - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Coordenadores do

Leia mais

Controlo de Espécies Vegetais Exóticas Invasoras

Controlo de Espécies Vegetais Exóticas Invasoras Programa de Ocupação dos Tempos Livres RELATÓRIO DO PROJECTO Controlo de Espécies Vegetais Exóticas Invasoras Julho de 2006 Programa de Ocupação dos Tempos Livres RELATÓRIO DO PROJECTO Controlo de Espécies

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS Gabinete do Ministro SABER UM POUCO MAIS.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS Gabinete do Ministro SABER UM POUCO MAIS. SABER UM POUCO MAIS. O que é o Nemátodo da Madeira do Pinheiro? O Nemátodo da Madeira do Pinheiro (NMP), cujo nome científico é Bursaphelenchus xylophilus, é um verme microscópico que mede menos de 1,5mm

Leia mais

ÍNDICE. Resumo... 2. 1 Introdução... 4. 1.1 Vantagens da Floresta Autóctone... 4. 1.2 Enquadramento histórico... 5

ÍNDICE. Resumo... 2. 1 Introdução... 4. 1.1 Vantagens da Floresta Autóctone... 4. 1.2 Enquadramento histórico... 5 Apoio Científico RESUMO Foi na campanha de (re)arborização de 2011/12 (outubro 2011 fevereiro 2012) que se lançou o projeto piloto do Floresta Comum. O Ano Zero deste projeto teve como objetivo o desenvolvimento

Leia mais

Geografia de Portugal

Geografia de Portugal Geografia de Portugal Lúcio CUNHA Departamento de Geografia CEGOT Universidade de Coimbra Email: luciogeo@ci.uc.pt Europa: o espaço Características gerais da Europa: - A Europa na placa euroasiática Características

Leia mais

A Importância da Fileira Florestal

A Importância da Fileira Florestal A Importância da Fileira Florestal Tanto na análise internacional como doméstica é notória a importância das actividades que integram as fileiras florestais, havendo uma maior consciência do seu contributo

Leia mais

Gestão e conservação de habitats prioritários dos Sítios de São Mamede e Nisa/Lage da Prata

Gestão e conservação de habitats prioritários dos Sítios de São Mamede e Nisa/Lage da Prata Projeto LIFE Natureza nº LIFE04/NAT/PT/000214 Gestão e conservação de habitats prioritários dos Sítios de São Mamede e Nisa/Lage da Prata Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo/José Conchinha 1. Como

Leia mais

1. Aumentar o conhecimento sobre a fileira (dimensão, valor, intervenientes);

1. Aumentar o conhecimento sobre a fileira (dimensão, valor, intervenientes); SUMÁRIO EXECUTIVO Enquadramento do Estudo O Estudo Económico de Desenvolvimento da Fileira do medronho enquadra-se na estratégia de valorização da floresta do, procurando estudar a dinamização da fileira

Leia mais

A importância do continente europeu reside no fato de este ter

A importância do continente europeu reside no fato de este ter Conhecido como velho mundo, o continente europeu limitase a oeste com o Oceano Atlântico, ao sul com o Mediterrâneo, ao norte com o oceano Glacial Ártico e a leste com a Ásia, sendo que os Montes Urais

Leia mais

Elaborado por: António Esteves WWF Mediterranean - GFTN Iberia

Elaborado por: António Esteves WWF Mediterranean - GFTN Iberia Elaborado por: António Esteves WWF Mediterranean - GFTN Iberia Revisto por: Luís Neves Silva, WWF Mediterranean Portugal Félix Romero, WWF Spain Nora Berrahmouni, WWF Mediterranean O panda que simboliza

Leia mais

Anexo 1- Lista de vagas em Jardins de Infância, escolas do 1º, 2º, 3º ciclos do ensino básico e do ensino secundário (grupos de recrutamento)

Anexo 1- Lista de vagas em Jardins de Infância, escolas do 1º, 2º, 3º ciclos do ensino básico e do ensino secundário (grupos de recrutamento) Anexo 1- Lista de vagas em Jardins de Infância, escolas do 1º, 2º, 3º ciclos do ensino básico e do ensino secundário (grupos de recrutamento) Código Distrito Código Concelho 01 AVEIRO 0101 ÁGUEDA 724 EB1

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

O Risco dos Incêndios Florestais

O Risco dos Incêndios Florestais Estratégias de Gestão do Risco de Incêndio Florestal, 18 de Março, Lisboa O Risco dos Incêndios Florestais Paulo Fernandes Dept. Ciências Florestais e Arquitectura Paisagista, Universidade de Trás-os-Montes

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2005.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2005. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2005. O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 9, inciso

Leia mais

Projecto FORSEE Relatório final PARTE 1 Portugal Centro 2

Projecto FORSEE Relatório final PARTE 1 Portugal Centro 2 Projecto FORSEE Uma rede europeia de zonas piloto para a avaliação de critérios e indicadores de gestão florestal sustentável Relatório Regional Final Portugal Centro Parte 1: Síntese Autores Sónia Pacheco

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade Escola E.B.,3 de António Feijó Ano letivo 04 05 Planificação anual 7º ano de escolaridade A Terra. Estudos e representações A representação da superfície terrestre A Geografia e o território Compreender

Leia mais

GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA

GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA . GESTÃO DO RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL COM RECURSO À PASTORÍCIA As atividades humanas transformaram e modelaram a Serra da Estrela. O aproveitamento de madeiras e lenhas, transformaram as encostas outrora

Leia mais

A AIFF - Associação Para a Competitividade da Indústria da Fileira Florestal, tem por objectivos a promoção e o exercício de iniciativas e de

A AIFF - Associação Para a Competitividade da Indústria da Fileira Florestal, tem por objectivos a promoção e o exercício de iniciativas e de A AIFF - Associação Para a Competitividade da Indústria da Fileira Florestal, tem por objectivos a promoção e o exercício de iniciativas e de actividades tendentes à criação de um centro nacional de competitividade,

Leia mais

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal O apoio Inovação na Programação do Desenvolvimento Rural Eduardo Diniz Diretor do GPP Seminário Investigação,

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 PDR 2014-2020 do Continente Cláudia Costa Diretora Adjunta do Gabinete de Planeamento e Políticas

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

Tarefa online 8º ANO

Tarefa online 8º ANO Tarefa online 8º ANO 1) Estabelecendo-se correlações entre a exploração florestal no Globo e as Zonas Climáticas, pode-se inferir que: 2) O Domínio morfoclimático das pradarias é uma área marcada: a) pelo

Leia mais

Os diferentes climas do mundo

Os diferentes climas do mundo Os diferentes climas do mundo Climas do Mundo Mapa dos climas do mundo Climas quentes Equatoriais Tropical húmido Tropical seco Desértico quente Climas temperados Temperado Mediterrâneo Temperado Marítimo

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

7264 Diário da República, 1.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015

7264 Diário da República, 1.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015 7264 Diário da República, 1.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015 Portaria n.º 274/2015 de 8 de setembro O Decreto -Lei n.º 137/2014, de 12 de setembro, estabeleceu o modelo de governação dos fundos europeus

Leia mais

P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO

P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO P l a n o 2 0 1 4 FUNDAÇÃO LUSO 1 Ações novidade no Plano de 2014 Ambiente Protocolo da Fundação Luso & Quercus Desenvolvimento de ações de valorização do ecossistemas na serra do Buçaco e a plantação

Leia mais

A produção de castanha tem vindo, nos últimos anos, a aumentar a nível mundial, assim como a área ocupada com castanheiros e a sua produtividade.

A produção de castanha tem vindo, nos últimos anos, a aumentar a nível mundial, assim como a área ocupada com castanheiros e a sua produtividade. SUMÁRIO EXECUTIVO Enquadramento do Estudo O Estudo Económico de Desenvolvimento da Fileira da castanha tem como principal objectivo dinamizar a fileira e aumentar o seu valor económico. Este estudo enquadra-se

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

Diocese de Aveiro (www.diocese-aveiro.pt)

Diocese de Aveiro (www.diocese-aveiro.pt) I STITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL 1. - Cáritas Diocesana: Cáritas Diocesana de Aveiro NIPC: - 501163964. Sede: - Rua do Carmo, 42-3800-127 Aveiro. Tl. 234.377260; Tlfax 234.377266. Web: - http://www.caritas.pt/aveiro

Leia mais

Distribuição dos incêndios florestais no concelho de Oliveira do Hospital *

Distribuição dos incêndios florestais no concelho de Oliveira do Hospital * 25 Distribuição dos incêndios florestais no concelho de Oliveira do Hospital * Introdução Os incêndios florestais, como quaisquer outros fenómenos que se desenrolem à superfície terrestre, são localizáveis.

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA PHYTOPHTHORA RAMORUM WERRES, DE COCK & MAN IN'T VELD

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA PHYTOPHTHORA RAMORUM WERRES, DE COCK & MAN IN'T VELD PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA PHYTOPHTHORA RAMORUM WERRES, DE COCK & MAN IN'T VELD MORTE SÚBITA DOS CARVALHOS Estabelece as bases estratégicas e respetivas ações de prevenção e controlo do agente biótico

Leia mais

Visita de Estudo ao Perímetro Florestal da Serra do Marão. Março de 2010 UTAD. Desenvolvimento Rural

Visita de Estudo ao Perímetro Florestal da Serra do Marão. Março de 2010 UTAD. Desenvolvimento Rural Março de 2010 UTAD Visita de Estudo ao Perímetro Florestal da Serra do Marão Desenvolvimento Rural Nuno Novais nº34001 Cláudio Lourenço nº 33999 André Ferreira nº34842 Luís Resende nº35462 Introdução O

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

PROJECTOS APFC PARA A SANIDADE DO MONTADO. Conceição Santos Silva Associação de Produtores Florestais de Coruche

PROJECTOS APFC PARA A SANIDADE DO MONTADO. Conceição Santos Silva Associação de Produtores Florestais de Coruche PROJECTOS APFC PARA A SANIDADE DO MONTADO Conceição Santos Silva Associação de Produtores Florestais de Coruche Identificação e monitorização de pragas e doenças em povoamentos florestais, DGRF, 2007 Conceição

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

O que é uma Floresta?

O que é uma Floresta? A FLORESTA E O DESENVOLVIMENTO DA CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA O que é uma Floresta? É um sistema natural dominado por espécies arbóreas, com diversas espécies vegetais arbustivas e herbáceas e habitada por diferentes

Leia mais

APRESENTAÇÃO PÚBLICA. do resultado da monitorização dos Indicadores de Gestão Florestal Sustentável

APRESENTAÇÃO PÚBLICA. do resultado da monitorização dos Indicadores de Gestão Florestal Sustentável APRESENTAÇÃO PÚBLICA do resultado da monitorização dos Indicadores de Gestão Florestal Sustentável Norma 4406:2014 Sistemas de gestão florestal sustentável - aplicação dos critérios pan-europeus para gestão

Leia mais

6.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL

6.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL 6.º INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL I F N 6 Áreas dos usos do solo e das espécies florestais de Portugal continental 1995 2005 2010 v1.1 fevereiro 2013 Evolução das áreas de uso/ocupação do solo de Portugal

Leia mais

Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão"

Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão Seminário Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão Alcácer do Sal Programa de Valorização da Fileira da Pinha/Pinhão" Nélia Aires Eng.ª Florestal UNAC -União da Floresta Mediterrânica 18. 09. 2012 Índice

Leia mais

Portugal Mapas e Números

Portugal Mapas e Números Plano Anual de Atividades 2011-12 Portugal Mapas e Números Código da atividade ogf3 Destinatários Toda a comunidade educativa da ESSM Intervenientes Responsáveis Prof. Augusto Cebola e Prof. Jorge Damásio

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS N. o 26 6 de Fevereiro de 2006 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 881 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DAS PESCAS Portaria n. o 103/2006 de 6 de Fevereiro No ano de 1999 foi detectado em

Leia mais

Boletim climatológico mensal fevereiro 2012

Boletim climatológico mensal fevereiro 2012 Boletim climatológico mensal fevereiro 2012 CONTEÚDOS IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 06 Caracterização Climática Mensal 06 Temperatura do Ar 07 Precipitação Total 09 Insolação

Leia mais

RESUMO TEÓRICO (CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS)

RESUMO TEÓRICO (CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS) RESUMO TEÓRICO (CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS) 1. QUAL A DIFERENÇA ENTRE ESTADO DO TEMPO E CLIMA? Estado do tempo É o conjunto de condições atmosféricas que se verificam num determinado lugar, num curto período

Leia mais

ELEGIBILIDADE DA PARCELA AGRÍCOLA APLICAÇÃO DO ARTIGO 34.º DO REGULAMENTO (CE) N.º 1122/2009

ELEGIBILIDADE DA PARCELA AGRÍCOLA APLICAÇÃO DO ARTIGO 34.º DO REGULAMENTO (CE) N.º 1122/2009 ELEGIBILIDADE DA PARCELA AGRÍCOLA APLICAÇÃO DO ARTIGO 34.º DO REGULAMENTO (CE) N.º 1122/2009 1. Os requisitos de elegibilidade das parcelas agrícolas resultam da conjugação da realidade agronómica e ecológica

Leia mais

Sirex noctilio F. em Pinus spp.: : Biologia, Ecologia e Danos

Sirex noctilio F. em Pinus spp.: : Biologia, Ecologia e Danos Sirex noctilio F. em Pinus spp.: : Biologia, Ecologia e Danos Edson Tadeu Iede Susete R.C. Penteado Wilson Reis Filho Riscos de introdução de pragas florestais no Brasil Mercado globalizado Aumento do

Leia mais

I SÉRIE - Nº 19 10-5-2001 CAPÍTULO I SECRETARIA REGIONAL DA AGRICULTURA E PESCAS. Disposições Gerais. Portaria n.º 26/2001 de 10 de Maio. Artigo 1.

I SÉRIE - Nº 19 10-5-2001 CAPÍTULO I SECRETARIA REGIONAL DA AGRICULTURA E PESCAS. Disposições Gerais. Portaria n.º 26/2001 de 10 de Maio. Artigo 1. SECRETARIA REGIONAL DA AGRICULTURA E PESCAS Portaria n.º 26/2001 de 10 de Maio Considerando que, através da Decisão da Comissão C(2000)1784, de 28 de Julho de 2000, foi aprovado, no âmbito do III Quadro

Leia mais

Boletim climatológico mensal novembro 2011

Boletim climatológico mensal novembro 2011 Boletim climatológico mensal novembro 2011 CONTEÚDOS 14:50 UTC 14:55 UTC 15:00 UTC 15:05 UTC 15:10 UTC 15:15 UTC IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 05 Caracterização Climática

Leia mais

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo De acordo com os indicadores demográficos disponíveis relativos a 2007, a população residente em Portugal

Leia mais