GESTAO SÓCIOAMBIENTAL DO CENTRO COMERCIAL POPULAR DE PALMAS TO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTAO SÓCIOAMBIENTAL DO CENTRO COMERCIAL POPULAR DE PALMAS TO"

Transcrição

1 GESTAO SÓCIOAMBIENTAL DO CENTRO COMERCIAL POPULAR DE PALMAS TO Clery Anny Milhomem Araújo- Acadêmica de Gestão Ambiental Vanessa Ferreira Talevi- Acadêmica de Gestão Ambiental FACTO Katianey Maria Barros Monteiros Acadêmica de Gestão Ambiental - FACTO

2 GESTAO SÓCIOAMBIENTAL DO CENTRO COMERCIAL POPULAR DE PALMAS - TO Resumo ARAÚJO, Clery Anny Milhomem TALEVI, Vanessa Ferreira MONTEIRO, Katianey Maria Barros Mesmo sendo um assunto relativamente moderno, a quantidade de empresas que estão aderindo à responsabilidade sócio-ambiental é grande. O presente artigo expõe uma analogia em questões ambientais diretamente ligadas ao Centro Comercial Popular de Palmas-TO, tendo como objetivo geral avaliar o nível de consciência socioambiental dos comerciantes deste centro comercial, tentando mostrar para eles, a importância de se utilizar o marketing verde para divulgação desse centro de vendas. A ação de Gestão Socioambiental apresentada neste trabalho teve por base uma previa avaliação do gerenciamento ambiental do local, buscando atentar-se aos fatos mais relevantes, com aplicação de questionário para 30 comerciantes e uma entrevista com a presidente da associação, fazendo uso também da pesquisa bibliográfica, digital e documental. Os principais resultados desta análise foi que esses comerciantes têm pouco conhecimento sobre as questões ambientais e do alto potencial poluidor dos resíduos gerados nos seus estabelecimentos, e constatou-se também a falta de interesse deles em contribuir com essas ações. Palavras-chave: educação ambiental; resíduos sólidos e eletrônicos; gestão socioambiental. Abstract Despite being a relatively modern issue, the number of companies that are embracing the social and environmental responsibility is great. This paper presents an analogy in environmental issues directly related to the People's Mall Palmas-TO, which is aimed at evaluating the level of awareness promotions of merchants this shopping center, trying to show them the importance of using green marketing to disclosure of such sales center. Action Environmental Management presented here was based on a prior assessment of the environmental management of the site, trying to pay attention to more important facts, using a questionnaire to 30 dealers and an interview with the president of the association, also making use of research literature, and digital documents. The main results of this analysis was that these traders have little knowledge about environmental issues and the high pollution potential of waste generated in their establishments, and it was also a lack of interest in contributing to these actions Key-words: environmental education; and electronic waste; environmental and social management.

3 1. Introdução Através de qualquer empreendimento humano, é possível notarmos a geração de resíduos, independente da natureza da atividade, a comercialização de eletrônicos, proporciona um acréscimo de resíduos eletrônicos e demais resíduos associados. A Sociedade contemporânea, mais que qualquer outra sociedade do passado gerou fabulosa somatória de resíduos. As sobras da civilização moderna formam um rol heterogêneo de materiais e substâncias. No Brasil foi instituída a Política Nacional de Resíduos Sólidos que classifica em seu: art. 11 os resíduos quanto à origem e diz que os resíduos sólidos urbanos: são gerados por residências, domicílios, estabelecimentos comerciais, prestadores de serviços e os oriundos dos serviços públicos de limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos, que por sua natureza ou composição tenham as mesmas características dos gerados nos domicílios. No contexto histórico a revolução industrial tem influência e se não fosse isso provavelmente o mundo em que vivemos seria muito atrasado, inclusive os grandes empregos em multinacionais não existiriam e os países com certeza passariam muitas dificuldades. Mais o lado negativo desse progresso foi o crescimento da poluição e dos resíduos industriais que vem nos causando transtorno até hoje. Ao mesmo tempo em que parte da população dos países emergentes melhora de vida, tendo mais acesso a bens de consumo como geladeiras, computadores e telefones celulares, cresce a preocupação com o destino desses equipamentos. Carregados de componentes tóxicos, eles são muitas vezes descartados incorretamente e abandonados em lixões, contaminando o solo, a água e provocando danos à saúde dos seres humanos. De acordo com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA 2009). A venda dos produtos eletrônicos crescerá muito na China, na Índia e em mais nove países representativos dos emergentes na África e na América Latina. Segundo o relatório do PNUMA, se não houver a adequada coleta e a reciclagem desses materiais, esses países em desenvolvimento terão de conviver com montanhas de lixo eletrônico tóxico, o que trará graves conseqüências para o meio ambiente e para a saúde pública. Como reciclar esse lixo eletrônico, quais as leis existentes sobre esses resíduos no Brasil. Diante do exposto, este artigo visa sensibilizar e conscientizar os comerciantes das problemáticas ambientais encontradas no Centro Comercial Popular de Palmas e tendo em vista a responsabilidade Socioambiental, mostrar para eles a importância de estarem utilizando o marketing verde para melhorarem suas vendas proporcionando o reconhecimento da sociedade por meio de suas ações para a conservação do local. 2. Educação Ambiental 2.1 Histórico da Educação Ambiental

4 Desde meados da década de 1960 já vinha sendo apresentado à educação ambiental e a preocupação com os recursos naturais. Na perspectiva da evolução da educação ambiental como uma ferramenta de gestão ambiental, a Conferência de Estocolmo (1972) foi o ponto marcante da identificação ambiental, porém ainda não eram determinadas ações e solução para estes problemas. Em 1977, em Tbilisi na URSS, a Conferência Intergovernamental Sobre Educação Ambiental, tendo como objetivos praticas de educação, orientada para encontrar solução dos problemas ambientais do meio de enfoque interdisciplinares e com a participação da sociedade. As diretrizes e propostas desta conferência ainda vem sendo usado e um marco teórico mundial da educação ambiental. De acordo com a Conferência Tbilisi, as principais características da educação ambiental são: Processo Dinâmico Integrativo: É um processo permanente aonde os indivíduos ou comunidade tomam consciência do meio ambiente e adquirem conhecimento, valores, as habilidades, as experiências e a determinação que os deixa aptos para agir individual ou coletivamente, e resolver problemas ambientais. Transformadora: Possibilita a aquisição de conhecimento e habilidades capazes de induzir mudança de atitudes. Possibilitando a capacidade de adquirir novos valores, conhecimentos, competências, habilidades e atitudes e atuará na implementação de uma nova ordem ambientalmente sustentável. A educação ambiental surge como mais um instrumento de suma importância para mudança, porque corresponde a um processo educativo permanente, dinâmico, criativo, interativo, com enfoque interdisciplinar, que permite ao ser humano adquirir e conhecer a relação do meio ambiente e os seres vivos entre si e identificar os problemas ambientais locais e globais e valorizar os aspectos sociais, históricos, éticos e culturais do ambiente onde esta inserida. No Brasil, em 1999, foi criada lei 9.795, que define a Política Nacional de Educação Ambiental como um dos processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade. Trabalhar a educação ambiental urbana é uma alternativa nos grandes centros urbanos como uma ferramenta de gestão socioambiental para minimizar os impactos ao meio ambiente, somente 2% da superfície do nosso planeta está ocupadas pelas chamadas grandes cidades, as quais consomem 75% dos recursos naturais explorados pelo homem (Dias, 2002). Nota-se que a quantidade de cidades ocupa uma porcentagem pequena no nosso planeta mais o impacto gerado por estes grandes centros consomem muitos recursos naturais. 3. Desenvolvimento Sustentável O mundo atualmente vem melhorando os seus índices, de uma forma geral, maior expectativa de vida, menor taxa de mortalidade infantil, mais alfabetização e mais espaço conquistado pela mulher. A partir deste progresso, a sociedade humana que tinha modos de padrões de consumo insustentáveis, impostos por modelos de desenvolvimento inadequado, completados por

5 um mórbido e renitente crescimento populacional, tornou-se mais injusta, desigual e insensível, além de provocar a degradação dos recursos naturais, considerando serem infinitos e a procura por obter por lucro por qualquer preço. De fato o termo sustentabilidade significa coisas completamente diferentes para diferentes pessoas, mas é muito difícil ser a favor de práticas insustentáveis assim o termo cola como um reforço positivo de políticas e política conferindo-lhes a aura de serem ambientalmente sensíveis (HARVEY, 1996:148). Notada e sentida pela sociedade mundial as conseqüências derivadas da utilização de praticas incorretas dos recursos naturais, sentiu-se a necessidade de encontrar formas de melhorar o modelo de controle da utilização dos mesmos, de uma maneira que proporcione o desenvolvimento econômico e enquadrando a preservação dos bens naturais. A partir disto surgiu o desenvolvimento sustentável estabelecido em 1972 pela ONU, na Conferência de Estocolmo, Suécia, com o principal propósito de desenvolvimento socioeconômico juntamente com a conservação dos recursos naturais. 3.1 Conceito de Desenvolvimento Sustentável O conceito de Desenvolvimento Sustentável (DS) passa a fazer parte do vocabulário popular através de publicações da United Nations World Commissiojn on Environment ande Development ( WCED) em 1987, com seu relatório Our Common Future, onde define o desenvolvimento sustentável como o que atenda as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações de atender suas próprias necessidade.para tanto, com base nas afirmações de Sachs (1980 APUD Sachs, 1986, p. 110): (...) ecodesenvolvimento, definido como um desenvolvimento socialmente desejável, economicamente viável e ecologicamente prudente o que faz um desenvolvimento sustentável (DS). 3.2 Economia do Desenvolvimento Sustentável Em concordância com os mesmos princípios, a economia do desenvolvimento sustentável (DS) segundo Montibeller (2001) seria a busca do desenvolvimento econômico, e ao mesmo tempo, a eficiência social e ecológica; onde estes tripés se desenvolvam juntos. Para que haja DS deve ocorrer, portanto, crescimento do PIB, juntamente com a melhoria da distribuição de renda e a melhoria do ambiente. Outras formulações sobre DS são oferecidas por RIDDEL ( 1981 APUD Schenini, 1999, p. 34) que considera os seguintes princípios: Estabelecer uma ideologia confiável; Políticas apropriadas e integridade administrativa; Conseguir igualdade internacional; Aliviar a pobreza e a fome; Eliminar doenças e miséria; Reduzir armas; Mover-se próximo da auto suficiência;

6 Arrumar a miséria urbana; Equilibrar as reservas naturais com volume populacional; Conservar reservas naturais; e Proteger o meio ambiente; Segundo o autor, a idéia de um desenvolvimento sustentável parte do principio de preservação do patrimônio natural para as gerações futuras, constituindo um sistema de idéias que tenha credibilidade da sociedade, além de atender as exigências da legislação ambiental. 3.3 Questão Ambiental Contemporânea Nas últimas décadas, a questão ambiental evoluiu para se tornar uma importante preocupação social, com repercussão empresarial e econômica, proporcionando alterações na administração e gerenciamento do estado e das empresas, pois vem sendo pressionado a mostrar produtos e serviços que seu ciclo de produção foi compatível com a preservação do meio ambiente natural. Lipietz (1995:10) chama a atenção para o fato que tudo que existe na Terra é atualmente influenciado pela atividade humana. Assim algumas empresas tentam se enquadrar na sua responsabilidade em relação ao meio ambiente, e tomando medidas estratégicas para a administração de resíduos e poluição. Partindo do ponto da necessidade de se ter esta medida ainda que não aceita por todas as empresas de grande ou médio porte é muito importante para o setor produtivo nacional. O quadro 1 permite confirmar as mudanças, confrontando os chamados Velhos Paradigmas com o considerado Ambientalmente Correto. OS VELHOS PARADIGMAS X O AMBIENTALMENTE CORRETO A responsabilidade ambiental corrói a competitividade; X X X O AMBIENTALMENTE CORRETO A ecoestratégia empresarial gera novas oportunidades de negócios; Gestão ambiental é coisa apenas para grandes empresas, X O movimento ambiental age completamente fora da realidade; A função ambiental na empresa é exclusiva do setor de produção. X X X A pequena empresa é até mais flexível para introduzir programas ambientais; As ONG s consolidam-se tecnicamente e participam da maioria das comissões de certificação ambiental; A função ambiental está em diversos setores do planejamento estratégico da empresa. Fonte: Gazeta Mercantil. Gestão Ambiental: compromisso da empresa. V.1, mar apud Kinlaw, Pode-se constatar que houveram grandes mudanças nas empresas em relação as questões ambientais.sendo que antes não havia responsabilidade ambiental por parte das empresas, esta questão era apenas considerado uma função do setor produtivo, e agora as empresas buscam adquirir novas oportunidade de negócios por meio ambientalmente correto.

7 A década de 90 foi considerada um momento de transformação em relação ao meio ambiente nas visões do setor industrial. Diante da necessidade de adaptação das exigências legais atuais, através do Sistema de Gestão Ambiental, deixando de serem apenas as idéias estratégias preventivas mas também vantagens competitivas e um diferencial de mercado e um fator que garante a segurança da sobrevivência das empresas. O quadro 2 nos permite perceber a mudança na década de 90, na forma de passar a real situação que se encontrava, ilustrando os principais pontos sobre a visão dominante e a visão da ecologia profunda Visão Dominante -Domínio sobre a natureza; Visão da Ecologia Profunda - Harmonia com a natureza é essencial; -Meio ambiente natural é visto, principalmente, como fonte de recursos para pessoas e indústrias; Crescimento na produção industrial e de energia e recursos naturais para satisfazer o crescimento populacional; - Toda a natureza tem um valor essencial, não somente como recursos ; - Todas as espécies foram criadas iguais; - Crença de que os recursos são infinitos; - Os recursos da terra são limitados, impondo limites reais ao crescimento; -Progresso tecnológico continuará a - Tecnologia deve ser apropriada, tanto produzir soluções para todos os em termos humanos quanto ambientais. A problemas; ciência não tem todas as respostas; - Consumismo: o consumidor é o rei; - Ao invés do consumismo, objetivo deve ser simplificar nossas necessidades como nos coloca o Lifestyle Movement: viva simplesmente para que os outros possam viver ; - Estruturas de poder centralizadoras; - Estruturas de poder deverão ser descentralizadas, baseadas em bioregiões naturais e afinada com os direitos e requisitos das minorias. Fonte: Sustainabilit apud Meyer (2000). 4. Gestão Socioambiental Atualmente a interferência humana na natureza é justificada como necessidade econômica, mas repercute nos ciclos biogeofisicos, causando o inicio de diversos danos ao meio ambiente. Desta maneira, estas ações acabam afetando os bens, serviços, funções dos recursos renováveis (bióticos) e não- renováveis dos ecossistemas. Segundo Furtado(2003), no modelo atual o mercado espera por três focos para adotar decisão, principalmente em relação a fins lucrativos.

8 1. Foco no cliente: que é considerado o mais importante, pois se relaciona a obtenção de lucro, expresso presente liquido (VPL), para beneficiar o empreendimento. Mostrar o modelo convencional de empresa, ou seja, apenas o resultado final, sendo que agem na conformidade e mostram comportamento ativo. Utilizando-se de inovação tecnológica para diminuir os impactos da sua atividade, assim poderá atender as exigências da sociedade a preservação e conservação dos recursos naturais. 2. Partes interessadas: é o ponto marcante da ampliação do foco das expectativas, fazendo com que tenha necessidade de investir e incorporar na questão social e ambiental podendo atribuir condição de enfrentar a concorrência, para que aumente o lucro. O inicio desta atitude, caracterizou a implementação do sistema de gestão ambiental mostrando indicadores de avaliação de boas perspectivas econômicas e ambientais. As organizações mais desenvolvidas possuem o modelo de planejamento estratégico integrado com os elementos socioambientais que abrangem o sistema de produção. 3. Foco no desenvolvimento sustentável: leva em consideração o papel da organização no âmbito econômico, social e ambiental, tanto individualmente como coletivamente. Modelo atual do século 21, composto por gestão socioambiental estratégica integrada, focando o produto final com resultados positivos e negativos econômicos, ambientais e sociais, passando para os interessados claramente todos os processos da geração deste produto e o resíduo da sua atividade. De acordo com furtado (2003), todas as organizações que estão por dentro destas mudanças, deverão acompanhar o sistema de produção e consumo de bens e serviços da sociedade humana, então as empresas passaram a ter uma visão ecológica mostrando a forma certa de consumo e descarte corretos de seus produtos. Tem-se a certeza que todas as atividades formadas ou executadas de qualquer forma, colocam todo o ecossistema em risco permanente. Sendo assim, baseado nesta preocupação com o meio ambiente as empresas adotam medidas mitigadoras para preservação dos recursos naturais. 4.1 Gestão Socioambiental nas Empresas A gestão social e ambiental das empresas tem se tornado um dos temas de gestão empresariais mais debatidos e propagados, constituindo uma variável importante na estratégia competitiva das empresas e na avaliação do seu desempenho, diante disto queremos despertar nos comerciantes do centro comercial popular de Palmas o interesse pela questão ambiental, mostrando que isso pode atrair benefícios para seus negócios, como o reconhecimento da sociedade. Segundo Junior e Demajorovic (2006), o conceito de responsabilidade social empresarial está relacionado a diferentes idéias. Para alguns ele está associado à idéia de responsabilidade legal; para outros pode significar um comportamento socialmente responsável no sentido ético; e para outros ainda, pode transmitir a idéia de contribuição social voluntária e associação a uma causa específica. Percebem-se diferentes opiniões em relação à responsabilidade social empresarial, para alguns ela e vista como uma obrigação, já para outros é vista como uma responsabilidade ética, outros pelo simples prazer de esta contribuindo com o social.

9 A gestão ambiental pode ser entendida como aplicação de princípios de planejamentos e controle na identificação, na avaliação, controle, monitoramento e redução dos impactos ambientais a níveis predefinidos (Junior, demajorovic,p 2006) Compreende-se que a gestão ambiental é uma ferramenta complexa e fundamental para os empreendimentos da atualidade. 5. Sistema de Gestão Ambiental A gestão ambiental pode ser compreendida como gestão dos riscos que uma atividade exerce sobre o ambiente, baseando se na redução, ao mínimo possível dos impactos negativos. E por parte da administração planejada da junção do processo produtivo e o ambiente, focado na gestão dos aspectos e impacto ambientais. Este sistema denominado Sistema de Gestão Ambiental (SGA), permite ao empreendedor verificarem se as atividades desenvolvidas têm posturas ambientalmente correta na gestão de seus processos, refletindo diretamente na produtividade, e melhorando os resultados econômico-financeiros. A ISO não e apenas uma definição formal da gestão ambiental e o conceito de sistema de gestão ambiental como ferramenta de gestão, mas uma gestão para o desenvolvimento de Política ambiental e gerenciar seus aspectos ambientais. Os Sistemas de Gestão Ambiental tem por objetivo o aprendizado e aprimorar as boas práticas ambientais. O padrão Isso parte dos seguintes elementos para a estruturação de um Sistema de Gestão Ambiental (SGA): a) Finalidade: conciliar a necessidade da sociedade e o desenvolvimento econômico, com a proteção ambiental e prevenção da poluição. Ou seja, o triple da sustentabilidade. b) Princípios: melhoria continua do desempenho ambiental e ajunte ao desenvolvimento sustentável. c) Fundamentos: e cumprimento e gestão dos aspectos ambientais e regulamentos em matéria ambiental. d) Metodologia: método do PDCA (planejamento, execução, verificação e ação corretiva), reconhecido que o SGA e dinâmico e visa o aperfeiçoamento planejado do desempenho ambiental. Segundo Donaire, (1999) a implantação sistematizada de processos de Gestão Ambiental tem sido uma das respostas das empresas a este conjunto de pressões. Assim, a gestão ambiental no âmbito das empresas tem significado a implementação de programas voltados para o desenvolvimento de tecnologias, a revisão de processos produtivos, o estudo de ciclo de vida dos produtos e a produção de produtos verdes, entre outros, que buscam cumprir imposições legais, aproveitar oportunidades de negócios e investir na imagem institucional. 5.1 Marketing Verde

10 O termo Marketing Verde surgiu nos anos 70 quando a AMA (American Marketing Association) promoveu um Workshop para discutir o impacto do marketing sobre o meio ambiente. Administradores e profissionais de comunicação entendem que não é mais possível planejar o Marketing sem ampliar as ações à Responsabilidade Social e Ambiental, pois a atividade de marketing busca integrar o produto, a marca e a empresa ao mercado consumidor (ao planeta) - processo que gera impactos econômicos, financeiros, ambientais e sociais. Segundo Michael Jay polonsky o Marketing Verde ou ambiental consiste em todas as atividades desenvolvidas para gerar e facilitar quaisquer trocas com a intenção de satisfazer os desejos e necessidades dos consumidores, deste que a satisfação de tais desejos e necessidades ocorra com um mínimo impacto negativo para o meio ambiente. O marketing ecológico consiste, portanto, na prática de todas aquelas atividades inerentes ao marketing, porém, incorporando a preocupação ambiental e contribuindo para a conscientização ambiental por parte do mercado consumidor. A implantação do programa de marketing verde poderá proporcionar para os comerciantes do Centro Comercial, a aquisição de benefícios econômicos por meio do aumento de suas vendas. Mostrando para a sociedade o compromisso e a responsabilidade para com o meio ambiente por meio de praticas conservacionista para a boa aparência do local, além de contribuir para a competitividade. 6. Gestão Integrada de Resíduos Sólidos No dia 02 de agosto de 2010 foi Instituída no Brasil a Política Nacional de Resíduos Sólidos dispondo sobre seus princípios, objetivos e instrumentos, bem como sobre as diretrizes relativas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos, incluídos os perigosos, às responsabilidades dos geradores e do poder público e aos instrumentos econômicos aplicáveis. Segundo a norma brasileira NBR 10004, de 1987 Resíduos sólidos são: Aqueles resíduos nos estados sólido e semi-sólido, que resultam de atividades a comunidade de origem industrial, doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de serviços e de varrição. Ficam incluídos nesta definição os lodos provenientes de sistemas de tratamento de água, aqueles gerados em equipamentos e instalações de controle de poluição, bem como determinados líquidos cujas Particularidades tornem inviável o seu lançamento na rede pública de esgotos ou corpos de água, ou exijam para isso soluções técnicas e economicamente inviáveis em face a melhor tecnologia disponível. Essa definição torna evidente a diversidade e complexidade dos resíduos sólidos. Os resíduos sólidos de origem urbana (RSU) compreendem aqueles produzidos pelas inúmeras atividades desenvolvidas em áreas com aglomerações humanas do município,abrangendo resíduos de várias origens, como residencial, comercial, de estabelecimentos de saúde, industriais, da limpeza pública (varrição, capina, poda e outros), da construção civil e, finalmente, os agrícolas. No caso dos resíduos comerciais, estes podem ser aceitos para coleta e disposição no aterro desde que autorizado pelas instituições responsáveis.

11 6.1 Da Normalização Técnica da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) São citadas somente algumas mais específicas ao tema tratado: NBR 7039, de 1987 Pilhas e acumuladores elétricos Terminologia. NBR 9190, de 1993 Sacos plásticos Classificação. NBR 9191, de 1993 Sacos plásticos Especificação. NBR 10004, de 1987 Resíduos sólidos Classificação. NBR Lixiviação de resíduos. NBR 13055, de 1993 Sacos plásticos para acondicionamento de lixo Determinação da capacidade volumétrica. NBR 13463, de 1995 Coleta de resíduos sólidos Classificação Há vários tipos de classificação dos resíduos sólidos que se baseiam em determinadas características ou propriedades identificadas. De acordo com sua periculosidade os resíduos sólidos podem ser enquadrados como: Classe I resíduos perigosos São aqueles que apresentam periculosidade, conforme definido anteriormente, ou uma das características seguintes: inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade ou patogenicidade. Classe II não inertes São aqueles que não se enquadram na classe I ou III. Os resíduos classe II pode ter as seguintes propriedades: combustibilidade, biodegradabilidade ou solubilidade em água. Classe III Inertes São aqueles que, por suas características intrínsecas, não oferecem riscos à saúde e ao meio ambiente. Além disso, quando mostrados de forma representativa, segundo a norma NBR 10007, e submetidos a um contato estático ou dinâmico com água destilada ou deionizada, a temperatura ambiente, conforme teste de solubilização segundo a norma NBR 10006, não têm nenhum de seus constituintes solubilizados a concentrações superiores aos padrões de portabilidade da água, conforme listagem nº 8, constante do Anexo H da NBR 10004, excetuando-se os padrões de aspecto, cor, turbidez e sabor. Segundo o Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA Estabelece os limites máximos de chumbo, cádmio e mercúrio para pilhas e baterias comercializadas no território nacional e os critérios e padrões para o seu gerenciamento ambientalmente adequado, e dá outras providências. (Resolução CONAMA no 257/99) Art. 5o Para as pilhas e baterias não contempladas nesta Resolução, deverão ser implementados, de forma compartilhada, programas de coleta seletiva pelos respectivos fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes e pelo poder público.

12 6.2 Princípios de Gestão e Gerenciamento de Resíduos Sólidos As diretrizes das estratégias de gestão e gerenciamento de resíduos sólidos urbanos buscam atender aos objetivos do conceito de prevenção da poluição, evitando-se ou reduzindo a geração de resíduos e poluentes prejudiciais ao meio ambiente e à saúde pública. Desse modo busca-se priorizar, em ordem decrescente de aplicação a redução na fonte, o reaproveitamento, o tratamento e a disposição final. Para os resíduos sólidos urbanos gerados em pequenos municípios destacam-se as seguintes formas de reaproveitamento e tratamento de resíduos: Reciclagem processo de transformação dos resíduos com o objetivo de inseri-los novamente como matéria-prima na cadeia produtiva. Reutilização uso direto dos resíduos como produto, necessitando, por exemplo, no caso de embalagens, de procedimentos de limpeza, como lavagem e/ou esterilização. Recuperação extração de certas substâncias do resíduo. No caso de reforma ou conserto de resíduos volumosos, como móveis ou eletrodomésticos descartados, pode-se entender este procedimento como forma de recuperação. Tratamento da fração orgânica por processos biológicos Compostagem: processo de conversão aeróbia da matéria orgânica tendo por produto final um condicionador do solo, denominado composto; ou (2) digestão anaeróbia: estabilização da matéria orgânica e produção de biogás constituído, principalmente, por gás metano e dióxido de carbono. 6.3 Resíduos de Aparelhos Elétricos e Eletrônicos (RAEE) Segundo Rodrigues 2003, entre os resíduos sólidos urbanos produzidos há um tipo específico, que merece nossa atenção, os resíduos de equipamentos elétricos e eletrônicos ao fim de seu ciclo de vida, também denominados resíduos tecnológicos. Que são televisores, rádios, telefones celulares, eletrodomésticos portáteis, todos os equipamentos de microinformática, vídeos, filmadoras, ferramentas elétricas, DVD s, brinquedos eletrônicos e milhares de outros produtos concebidos para facilitar a vida moderna e que atualmente são praticamente descartáveis uma vez que ficam tecnologicamente ultrapassados em prazos de tempo cada vez mais curtos ou então devido à inviabilidade econômica de conserto, em comparação com aparelhos novos. O RAEE contêm na sua maioria substancias perigosas, e o não aproveitamento desses resíduos torna-se um desperdícios de recursos naturais não renováveis, devido a sua disposição em solo e em aterros assim como pilhas e baterias e as lâmpadas fluorescentes, são respectivamente prejudicial ao meio ambiente e a saúde. O processo de reciclagem desses produtos é complexo e requer a utilização de tecnologias avançadas, devido a diversidade de materiais de sua composição e à periculosidade das substâncias tóxicas. Esses resíduos são reciclados ou despejados em grandes depósitos de lixo nos países em desenvolvimento, trazendo risco à saúde das populações que vivem nas proximidades, segundo a pesquisa. (Tim Hirsch, BBCBRASIL.com, 08/03/2004)

13 6.3.1 Identificação de Pilhas e Baterias Os tipos de pilhas e baterias utilizadas no Brasil são as primarias do tipo de zincocarvão, alcalina, lítio, óxido de mercúrio, óxido de prata, e zinco-ar e as secundárias com níquelcádmio e chumbo acido, é diferenciado apenas pela sua forma, dependendo de onde será empregado, além da variação do preço, fazendo que haja um maior consumo desta pilhas devido ao baixo valor. A pilha é um dispositivo que converte energia química em energia elétrica e as baterias são um conjunto de pilhas agrupadas em series ou em paralelo, dependendo do maior potencial ou corrente. (BOCCHI, FERRACIN, BIOGGIO, 2000). Segundo o Guia de Coleta seletiva de pilhas e baterias, de celulares constituídos pelos representantes de Organizações Publicas e Privadas, podem ser classificadas em três deferentes tipos de baterias: as nível-cádmio (Ni-Cd), nível-metal hidreto (NiMH) e a de íons de lítios (Li). A mais utilizada é a baterias nível-cádmio por ter um preço mais acessível, porem são as mais pesadas, consideradas mais poluidoras, ou seja, causa maior impacto ambiental, além de ter tempo de vida extremamente curto Principais Contaminantes Os metais são importantes nos metabolismos do corpo humano, levando em consideração a quantidade. Por outro lados alguns são considerados tóxicos. Os metais que atingem excessivamente o ambiente são considerados metas pesados. Geralmente são metais tóxicos que possuem maior massa atômica- massa de um atômico (u), que se refere à massa de 1/12 do atômico de carbono-12, como o mercúrio (200/59u), cádmio (112/41u), e o chumbo (207/2 u), apesar de sua toxidade a massa atômica não tem a ver com isto. MERCÚRIO Os contaminastes mais pesados são: O mercúrio é um metal líquido inodoro e de coloração prateada. Este metal é encontrado na produção de cloro e soda caustica, e, equipamentos elétricos e eletrônicos (Televisão), aparelho de controle (Termômetro).Os óxidos de mercúrio são usados com eletrodo (misturada com grafita) em pilhas e baterias. CHUMBO O chumbo é um metal dúctil, maleável, de cor prateada ou cinza-azulada e bastante residente a corrosão. Percebe-se que no Centro Comercial Popular de Palmas os comerciantes descartam a pilha no lixo comum, onde e levados para o aterro sanitário liberando para o meio ambiente todos esses contaminastes.

14 7. Metodologia A pesquisa foi realizada no dia 3 de Junho de 2011, com o objetivo de avaliar o nível de consciência socioambiental dos comerciantes do centro comercial popular de palmas foi composto por alunas da Faculdade Católica do Tocantins. Utilizou a aplicação de questionário para os comerciantes para avaliar o nível de consciência em relação aos resíduos gerados em seus estabelecimentos, logo depois, foi aplicado um questionário para a presidente da associação. Os materiais utilizados foram os papéis para elaboração dos questionários, canetas e a utilização da maquina fotográficas. 7.1 Descrição do Problema Ao ser realizado um estudo no Centro Comercial Popular de Palmas pode se constatar as seguintes problemáticas: Descarte incorreto de produtos eletrônicos entre outros; Falta de um acondicionamento adequado dos resíduos sólidos; Destruição do patrimônio público; Falta de arborização; Quantidade insuficiente de lixeiras e tamanhos inadequados para o local; Pessoas não conscientes das problemáticas ambientais; 8. Resultados e Discussão: 8.1 Análises dos resultados produto que mais vende no seu estabelecimento 38% 10% 14% 25% 13% celular pilhas baterias equip. de som outros Gráfico 1:Quais são os produtos que mais vende no seu estabelecimento? Fonte: pesquisa (2011)

15 Desenvolvimento sustentável 43% 57% sim não Gráfico 2 : você sabe o que é desenvolvimento sustentável? Fonte: pesquisa (2011) Observamos que no gráfico 1 demonstras que 52% do produtos vendidos no centro de comercio popular de Palmas são produtos que em sua composição contém metais perigoso para o meio ambiente e saúde. Segundo SCHARF, (2000), a recuperação de metais decorrentes de alguns tipos de pilhas e bateias está emergindo agora como uma atividade comercial. No gráfico 2 fica claro que 57% dos comerciante não sabem o que desenvolvimento sustentável A expressão desenvolvimento sustentável designa uma forma de desenvolvimento capaz de responder às necessidades do presente sem prejuízo das gerações vindouras. Nesse sentido, o desenvolvimento sustentável tem como objetivo a melhoria das condições de vida dos indivíduos mas preservando, simultaneamente, o meio envolvente a curto, médio e sobretudo longo prazo..(nunes,2008) Marketing verde 20% sim não 80% Gráfico 3: Você sabe o que marketing verde? Fonte: pesquisa (2011)

16 Melhorar sua vendas 100% 0% sim não Gráfico 4 : você gostaria de melhorar sua vendas? Fonte: pesquisa (2011) Nota-se que no gráfico 4 todos os comerciantes querem melhorar as porcentagem de vendas,mais não sabem como.umas das ferramentas para melhorar percentual de venda seria utilizar o marketing verde que proporcionaria campanhas e ações que terão como objetivo final a redução dos impactos degradação ao meio ambiente.no gráfico 3 fica claro que 80% dos comerciante não sabem o significa o marketing verde,para implantar o marketing deve informar a seus consumidores acerca das vantagens de se adquirir produtos e serviços ambientalmente responsáveis, de forma a estimular e despertar o desejo do mercado por esta categoria de produtos. sacolas sacolas ecológicas 0% 1 2 sacolas de plástico 100% Gráfico 5: Qual o material você utiliza para empacotar os produtos? Sacolas plásticas ou sacolas ecológicas Fonte : pesquisa( 2011)

17 Desenvolvimento sustentável X Desenvolvimento econômico 23% sim não 77% Gráfico 6: Você acha que é possível trabalhar o desenvolvimento econômico com preservação do meio ambiente? Fonte: pesquisa (2011) De acordo com o gráfico 5 os comerciante ainda utilizam-se da sacolas plásticas devido a este produto ser bastante popular entre a população para adicionar os resíduos domésticos e através das sua decoração com símbolos é uma forma barata de propaganda do comerciante.segundo a Secretaria Estadual do Meio Ambiente (SMA) Esse produto aumenta em até 20% o volume do lixo, embora sua massa corresponda a apenas 4% dos resíduos. Outros inconvenientes são o fato de a sacola ser impermeável e demorar até 300 anos para se decompor e emitir gases ao longo desse processo causando danos ao meio ambiente. Referente ao gráfico 6 nota-se que e os comerciantes acreditam que é possível trabalhar o desenvolvimento econômico junto com a preservação do meio ambiente, adotando simples ações com a utilização dos (3rs) reduzir,reciclar e reutilizar. Palestras 33% sim não 67% Gráfico 7: Já participou de alguma palestra sobre o meio ambiente e sustentabilidade econômica? Fonte : pesquisa (2011)

18 Existem associação que costuma recolher estes resíduos? 7% sim não 93% Gráfico 8 : Tem algum centro ou associação que costuma recolher estes resíduos?(pilhas e baterias). Fonte : pesquisa( 2011) Ao observamos o gráfico 7 notamos que a grande parte dos comerciante não participam de palestras,devido ao fato de acharem irrelevante para o comercio palestras que envolva o tema ambiental. De acordo com a pesquisa 93% dos comerciantes não sabem se existe uma associação que recolha os resíduos eletrônicos, apenas 7% já ouviram falar que algumas empresas de revenda de celular recolhem esses resíduos eletrônicos. No entanto a maior parte dos comerciantes faz o descarte no lixo comum. Entrevista com a presidente da associação Segundo a presidente da associação a senhora Rita Maria O. Maracaipe, já se pensou em elaborar uma política ambiental para o Centro Comercial, porém sente certa resistência por parte dos comerciantes que não se interessam em contribuir com essas questões, percebe-se que eles não tem sensibilidade para trabalharem essas ações ambientais, relatou que não existe no momento um plano de gerenciamento dos resíduos, porém já propôs a redução dos resíduos. Mas deixa claro que não sabe exatamente a quantidade de lixo gerado no local. Além de afirmar que os coletores são inadequados as suas necessidades. É a prefeitura que recolhe os resíduos gerados e os leva para o aterro sanitário, sendo que não tem nenhuma associação ou centro que recolham esses resíduos para fins de reciclagem ou reaproveitamento. Expôs que já pensou em fazer propaganda utilizando várias formas de conservar o meio ambiente como, por exemplo: colocar vasos de plantas com propagandas de algumas floriculturas e assim adquirir recursos para a associação.

19 9.Solução Proposta Medidas a serem tomadas para a Gestão Socioambiental do Centro Comercial Popular de Palmas: Trabalhar educação ambiental por meio de palestras e reuniões anuais. Tentar sensibilizar os comerciantes para que façam a sua parte procurando colocar o lixo no local adequado e ter responsabilidade com as questões ambientais. Propor para a associação comercial um projeto de reciclagem do lixo Tentar mostrar para os comerciantes a importância de se utilizar o marketing verde para divulgação do centro comercial Propor sistema de gerenciamento integrado de resíduos sólidos para a associação 10. Considerações Finais O presente estudo ao abordar um tema de extrema relevância como a gestão sócioambiental trouxe a tona a problemática dos resíduos eletrônicos descartados de forma incorreta no Centro Comercial Popular de Palmas, sendo que após pesquisa de campo, onde obtivemos informações reais do descompromisso dos comerciantes em relação a conservação ambiental do local, foi possível averiguar que estes necessitam de sensibilidade para com as questões ambientais, sabendo da importância que a sociedade começa a demonstrar com relação a isso, para eles se utilizem disto para melhorar suas vendas por meio do marketing verde.

20 11. Referências BOCCHI,N.;FERRACIN,L.C;BIAGGIO,S.R.Pilhas e Baterias.Revista química nova na escola.n11,2000. Coerência de Estolcomo.Disponivel em: < : Acesso em : 11de junh.2011 CARDOSO, FÁTIMA Lixo eletrônico Lixo eletrônico ameaça países emergentes, mas reciclagem pode ser a solução, do Instituto Akatu. Disponível em:< em: 11de junh.2011 DONAIRE, D. Gestão ambiental na empresa. São Paulo: Ed. Atlas, 1995 Descarte de Pilhas e Baterias: um estudo de caso pratico com enfoque em educação ambiental.disponivel em: <http://quimica.cct.uepb.edu.br/monografias/.pdf >.Acesso em:28 de fev FURTADO,J.S 2003 Gestão com responsabilidade Socioambiental<monografia > Disponível em < em : 11de junh.2011 Gestão Ambiental, Instrumentos de Gestão e Competitividade.Disponível em: <http://www.aedb.br/seget/artigos09/306_306_instrumentos_de_gestao_ambiental_uma_ferram enta_para_competitividade.pdf >.Acesso em: 07 de maio.2011 Grandisoli Edson A. C Educação Ambiental Urbana (EAUrb) - uma alternativa de ensino nos grandes centros urbanos,disponível<: em <http://ambientes.ambientebrasil.com.br/educacao/artigos/educacao_ambiental_urbana_(eaurb)_- _uma_alternativa_de_ensino_nos_grandes_centros_urbanos.html>.acesso em:01 de maio 2011

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração 01/33 Apresentação do Instrutor: Eduardo Fleck *Engenheiro Químico UFRGS, 1990; **Mestre em Engenharia

Leia mais

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP Fórum de Extensão das IES Particulares Consumir conscientemente significa atentar para os efeitos que este ato acarreta

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo:

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: TIPOS DE RESIDUOS Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: Resíduo Hospitalar ou de Serviços de Saúde :

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS CLASSIFICAÇÃO - ABNT NBR 10004

RESÍDUOS SÓLIDOS CLASSIFICAÇÃO - ABNT NBR 10004 RESÍDUOS SÓLIDOS CLASSIFICAÇÃO - ABNT NBR 10004 A classificação de resíduos sólidos envolve a identificação do processo ou atividade que lhes deu origem, de seus constituintes e características, e a comparação

Leia mais

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS

ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS ANALISE DO COMPORTAMENTO SOCIOAMBIENTAL DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PALMAS XAVIER, Patrícia Alves Santana LIMA, Suzany Saraiva GOMES, Alan Rios RESUMO O presente estudo teve como objetivo analisar

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL.

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. Silvia de Veras Néri Rosilea França Garcia UNOCHAPECÓ-CHAPECÓ-SC-BRASIL

Leia mais

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires

Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Logística Ambiental: Adequação das organizações a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Msc. Renata Quemel Pires Desenvolvimento Sustentável É obter o crescimento econômico contínuo através de um manejo

Leia mais

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça Resíduo Zero e alternativas à incineração TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça SÃO PAULO 28/05/2015 Desequilíbrio: padrões de produção e consumo dos séculos XX e XXI Necessidades do consumidor Melhorias

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Grupo: Fabiana Augusta César Irene Benevides Vinícius Tôrres Pires Samira Chantre Gestão de Resíduos Sólidos Gestão/gerir:Administrar,dirigir,

Leia mais

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente

Vice-Presidência de Engenharia e Meio Ambiente Instrução de Trabalho de Meio Ambiente Histórico de Alterações Nº de Revisão Data de Revisão Alteração Efetuada 1-Foi alterado o texto do item 2, onde foram suprimidas as referências anteriores e referenciada a PGR 4.3.2 e PGR-4.3.1 e IGR-4.4.6-12.

Leia mais

LEI Nº 1.709 DE 08 DE MAIO DE 2013

LEI Nº 1.709 DE 08 DE MAIO DE 2013 LEI Nº 1.709 DE 08 DE MAIO DE 2013 INSTITUI O PROJETO "DESTINO CERTO AO LIXO ELETRÔNICO DE FAGUNDES VARELA". JEAN FERNANDO SOTTILI, Prefeito Municipal de Fagundes Varela, no uso das atribuições que me

Leia mais

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS Versão: 03 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes para a segregação, coleta e transporte interno, armazenamento temporário, transporte e destinação dos resíduos sólidos gerados, de acordo

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO

LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO LEGISLAÇÃO SOBRE RECICLAGEM DO LIXO ILIDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional DEZEMBRO/2000

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS. Classificação dos Resíduos. 1. Quanto a categoria: Resíduos Urbanos residências e limpeza pública urbana;

RESÍDUOS SÓLIDOS. Classificação dos Resíduos. 1. Quanto a categoria: Resíduos Urbanos residências e limpeza pública urbana; RESÍDUOS SÓLIDOS - são os resíduos que se apresentam nos estados sólidos, semi-sólidos e os líquidos não passíveis de tratamento convencional, que resultam de atividades de origem industrial, comercial,

Leia mais

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO 1) Analise as alternativas sobre aspectos relacionados ao lixo e marque (V) para as verdadeiras e (F) para as falsas. ( ) O lixo é caracterizado como tudo aquilo

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 Renato Francisco Saldanha SILVA² Ailton EUGENIO 3 Resumo Muitas empresas mostram ser

Leia mais

Os aspectos ambientais dos resíduos eletrônicos E-LIXO

Os aspectos ambientais dos resíduos eletrônicos E-LIXO Os aspectos ambientais dos resíduos eletrônicos E-LIXO Junho de 2009 Realidade Atual População Desenvolvimento Tecnológico Demanda de bens de consumo Aumento da demanda de produtos descartáveis aumento

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 496/2010 Dispõe sobre a destinação final ambientalmente adequada de resíduos sólidos produzidos p o r c e n t r o s c o m e r c i a i s denominados shoppings centers e similares, e dá

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: JORNAL O ALTO URUGUAI FREDERICO WESTPHALEN RS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: JORNAL O ALTO URUGUAI FREDERICO WESTPHALEN RS Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: JORNAL O ALTO URUGUAI FREDERICO WESTPHALEN RS Aline Ferrão Custódio Passini*, Elisandro Alexandre, Gustavo Ribeiro, Alcindo Neckel,

Leia mais

Gestão de Segurança, Meio Ambiente e Saúde

Gestão de Segurança, Meio Ambiente e Saúde CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE SEGURANÇA JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: SEGURANÇA PROFISSIONAL JÚNIOR - ENG. SEGURANÇA DO TRABALHO Gestão de Segurança, Meio Ambiente e Saúde Questões Resolvidas

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS 1 João Lopes da Silva Neto; 2 Juciery Samara Campos Oliveira; 3 Thayana Santiago Mendes; 4 Geovana do Socorro Vasconcelos Martins 1 (AUTOR) Discente

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Perguntas frequentes Resíduos Sólidos. 1) Quais são os tipos de resíduos frequentemente gerados em plantas industriais?

Perguntas frequentes Resíduos Sólidos. 1) Quais são os tipos de resíduos frequentemente gerados em plantas industriais? Perguntas frequentes Resíduos Sólidos 1) Quais são os tipos de resíduos frequentemente gerados em plantas industriais? Resíduos industriais: gerados nos processos produtivos e instalações industriais.

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos Projeto Consciência Resíduos 1 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? 2 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? Resíduo pode ser considerado qualquer material que sobra após uma ação ou processo produtivo.

Leia mais

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS DOMÉSTICOS EM ÁREA URBANA: ESTUDO DE CASO EM MUNICÍPIO DE PEQUENO PORTE Aline Ferrão Custodio Passini (*), Guilherme Barros,

Leia mais

POLITICA AMBIENTAL UM ENFOQUE EM EMPRESAS DE PALMAS

POLITICA AMBIENTAL UM ENFOQUE EM EMPRESAS DE PALMAS POLITICA AMBIENTAL UM ENFOQUE EM EMPRESAS DE PALMAS RESUMO Bruna Cecim; Bruno Costa Falcão; Luzineide Cardoso de Araujo; Ketlin Albuquerque; Wellington Carvalho Orientador: Msc. Flavio Augustus da Mota

Leia mais

MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS ISSN 1984-9354 MODELO DE ANÁLISE DE RISCOS APLICADA NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Leonardo Dias Pinto (Latec/UFF) Osvaldo Luiz Gonçalves Quelhas (Latec/UFF) Resumo Os resíduos sólidos provenientes

Leia mais

FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA

FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA FETREMIS-FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DA REGIÃO MISSIONÁRIA SIRLÉIA APARECIDA DE REZENDE SILVA CONSCIENTIZAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL Contagem-MG 2013 2 FETREMIS - FACULDADE DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA

Leia mais

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular Ivanise Gomes O que é Sustentabilidade? Prática de atividades economicamente viáveis, socialmente justas e ecologicamente corretas

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Naraiana Agapito, naraagapito@yahoo.com.br 1 Introdução Embora a geração de resíduos oriundos das atividades humanas faça parte da própria história do homem,

Leia mais

Auditoria do sistema de gestão ambiental de resíduos sólidos urbanos

Auditoria do sistema de gestão ambiental de resíduos sólidos urbanos 1 Auditoria do sistema de gestão ambiental de resíduos sólidos urbanos Marconi Canuto Brasil (marconic@tce.rj.gov.br) Técnico de Controle Externo (arquiteto) do e auditor ambiental. Ana Lucia Costa Bittencourt

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

POTENCIAL ECONÔMICO NA RECUPERAÇÃO DOS METAIS CONTIDOS NAS PLACAS DE CIRCUITOS INTEGRADOS NO BRASIL

POTENCIAL ECONÔMICO NA RECUPERAÇÃO DOS METAIS CONTIDOS NAS PLACAS DE CIRCUITOS INTEGRADOS NO BRASIL Salvador/BA 25 a 28/11/2013 POTENCIAL ECONÔMICO NA RECUPERAÇÃO DOS METAIS CONTIDOS NAS PLACAS DE CIRCUITOS INTEGRADOS NO BRASIL Renato de Castro Vivas (*), Flávio Pietrobon Costa *Universidade Estadual

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS Título do Podcast Área Segmento Duração Consumo, consumismo e impacto humano no meio ambiente Ciências Humanas Ensino Fundamental; Ensino Médio 6min29seg Habilidades:

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA SOLAR

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA SOLAR DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA SOLAR RESUMO: O estudo sobre o tema surge devido a importância no desenvolvimento sustentável para o planeta

Leia mais

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR

TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR TESTE SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Nº 001/2014 DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS MUNICÍPIO DE MARMELEIRO-PR CADERNO DE PROVA CARGO: ESTAGIÁRIO DO DEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

Avaliação do Desenvolvimento do Projeto PET-Geologia Recicla

Avaliação do Desenvolvimento do Projeto PET-Geologia Recicla Avaliação do Desenvolvimento do Projeto PET-Geologia Recicla Maurício Brito de Sousa¹, Diogo Isamu de Almeida Okuno¹, Estefânia Fernandes Lopes¹, Flavio Rafael Cogo Ramos¹, Mariana de Assunção Rodrigues¹,

Leia mais

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental I COBESA

I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental I COBESA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental I COBESA DESCARTE DE BATERIAS DE CELULARES E REGULAMENTAÇÃO CONAMA 257/99 E 263/99: UM ESTUDO COM CONSUMIDORES NUM COMPLEXO DE INDÚSTRIAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE Mônica Macedo de Jesus & Sidnei Cerqueira dos Santos RESÍDUOS & REJEITOS Profa. Songeli Menezes Freire Salvador 2009 RESÍDUO Qualquer material,

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná

A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná LEI Nº 12493-22/01/1999 Publicado no Diário Oficial Nº 5430 de 05/02/1999. Estabelece princípios, procedimentos, normas e critérios referentes a geração, acondicionamento, armazenamento, coleta, transporte,

Leia mais

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES

A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES A ÉTICA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SOB A ÓTICA DAS ORGANIZAÇÕES Ítalo Camilo da Silva Nogueira Mestrando em Desenvolvimento Regional (mídias sociais), docente na Faculdade Nossa Senhora Aparecida/FANAP-GO.

Leia mais

Postes de Eucalipto Tratados

Postes de Eucalipto Tratados Postes de Eucalipto Tratados - Considerações - Destinação de Resíduos de Madeira Tratada 3º Simpósio Madeira e Construção- Agosto 2015 Flavio C. Geraldo ABPM Workshop Presidente ABRADEE Maio 2015 Flavio

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - aline.procopio@ufjf.edu.br

FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - aline.procopio@ufjf.edu.br FACULDADE DE ENGENHARIA POLUIÇÃO DO SOLO URBANO - RESÍDUOS SÓLIDOS - Profa. DSc. Aline Sarmento Procópio Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental aline.procopio@ufjf.edu.br Gestão dos Resíduos

Leia mais

A Logística Reversa na Gestão de Resíduos Sólidos

A Logística Reversa na Gestão de Resíduos Sólidos A Logística Reversa na Gestão de Resíduos Sólidos Eliacy Cavalcanti Lélis (UNINOVE/MACKENZIE) Fernando Ziesmann Fortes (UNINOVE) Resumo: A educação ambiental enfatizada nos últimos anos tem mostrado que

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS Jose Rodrigo dos Santos Silva Graduado em engenharia ambiental pela PUC-GO (Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Prof. Carlos E. Matos. Maio - 2013

Prof. Carlos E. Matos. Maio - 2013 Elaboração de Ficha com Dados de Segurança de Resíduos químicos (FDSR) e rotulagem (ABNT-NBR 16725) Resíduos perigosos: classificação (ABNT- NBR 10004 e transporte) Prof. Carlos E. Matos Maio - 2013 FISPQ

Leia mais

26º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

26º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental III-212 - ANÁLISE DA VIABILIDADE DA IMPLANTAÇÃO DA COLETA E DISPOSIÇÃO ADEQUADA DAS LÂMPADAS FLUORESCENTES NA CIDADE DE MONTES CLAROS - MG Maytê Maria Abreu Pires de Melo (1) Graduanda do curso de Engenharia

Leia mais

09 MANUFATURA REVERSA E O GERENCIAMENTO ADEQUADO DO LIXO ELETRÔNICO

09 MANUFATURA REVERSA E O GERENCIAMENTO ADEQUADO DO LIXO ELETRÔNICO 09 MANUFATURA REVERSA E O GERENCIAMENTO ADEQUADO DO LIXO ELETRÔNICO Maria Lucimar Maranhão Lima (1) Engenheira Química pela UFC. Especialista em Educação Profissional Técnica de Nível Médio integrado ao

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB

CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB CONSCIENTIZAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO: OS DESAFIOS DO 1º MUTIRÃO DO LIXO ELETRÔNICO NOS MUNICÍPIOS DE SOLÂNEA E BANANEIRAS - PB RESUMO SILVA¹, Adelmo Faustino da ; RODRIGUES, Andreza Alves Guimarães; CAMPELO,

Leia mais

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Fórum Varejo Sustentável Alternativas de Embalagens no Varejo Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber

Leia mais

1 Simpósio ECP de Meio Ambiente. Resíduos Sólidos. Novembro - 2009

1 Simpósio ECP de Meio Ambiente. Resíduos Sólidos. Novembro - 2009 1 Simpósio ECP de Meio Ambiente Resíduos Sólidos Novembro - 2009 Antes de mais nada, o que é LIXO? Segundo a NBR-10.004 (Resíduos Sólidos, Classificação de 1987) da ABNT (Associação Brasileira de Normas

Leia mais

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR.

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. Wedell Jackson de Caldas Monteiro E.E.M.I. Auzanir Lacerda wedellprofessor@gmail.com Nadia

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Uma Ação Extensionista em Construção Frente ao Problema do Lixo Produzido num Campus Universitário 1

Uma Ação Extensionista em Construção Frente ao Problema do Lixo Produzido num Campus Universitário 1 Uma Ação Extensionista em Construção Frente ao Problema do Lixo Produzido num Campus Universitário 1 Vinícius Augusto Morais, 9º módulo de Engenharia Florestal/UFLA, vemorais@bol.com.br; Kelly Lopes Silva,

Leia mais

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que Lixo 1 A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que estudamos em temáticas que rementem ao nosso cotidiano. Dessa

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Página1 1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Diversos autores vêm utilizando metodologias próprias de classificação de resíduos sólidos, tendo como referência a fonte de geração, o local de produção, os aspectos

Leia mais

PLANO DE SANEAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E MANEJO DE RESÍDUOS

PLANO DE SANEAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E MANEJO DE RESÍDUOS PLANODESANEAMENTODOSRESÍDUOSSÓLIDOSURBANOSE MANEJODERESÍDUOS CIVAP CONSÓRCIOINTERMUNICIPALDOVALEDOPARANAPANEMA 1 PLANODESANEAMENTODOSRESÍDUOSSÓLIDOSURBANOSEMANEJODERESÍDUOS A implementação da Política

Leia mais

Transbordo: procedimento de repasse de transporte de resíduos;

Transbordo: procedimento de repasse de transporte de resíduos; TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENED ALUNA: CAROLINA SEGASPINI BOTEJO KRIESER CURSO: GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA SISTEMA AEROPORTUÁRIO DATA:20.08.2010 OBJETIVO

Leia mais

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis 1 Foto: Augusto Bartolomei Conteúdo O que são plásticos biodegradáveis e compostáveis Certificação Aplicações Descarte aterro, reciclagem, compostagem Alinhamento

Leia mais

CONSUMO SUSTENTÁVEL: O QUE FAZER POR NÓS E PELO PLANETA

CONSUMO SUSTENTÁVEL: O QUE FAZER POR NÓS E PELO PLANETA CONSUMO SUSTENTÁVEL: O QUE FAZER POR NÓS E PELO PLANETA CONSUMO SUSTENTÁVEL: O QUE FAZER POR NÓS E PELO PLANETA Desenvolvimento sustentável e consumo sustentável Existe uma relação direta entre o que chamamos

Leia mais

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: CLASSIFICAÇÃO, NORMAS E RECICLAGEM 1 Régis Budke, 1 Jackson Rainério Cardoso & 2 Silvio Bispo do Vale 1 Graduandos em Engenharia de Minas e Meio Ambiente - UFPA. 2 Prof. da

Leia mais

A DESTINAÇÃO FINAL DE PILHAS E BATERIAS NO LIXO DOMÉSTICO EM MUNICÍPIOS DO OESTE DO PARANÁ 1.

A DESTINAÇÃO FINAL DE PILHAS E BATERIAS NO LIXO DOMÉSTICO EM MUNICÍPIOS DO OESTE DO PARANÁ 1. A DESTINAÇÃO FINAL DE PILHAS E BATERIAS NO LIXO DOMÉSTICO EM MUNICÍPIOS DO OESTE DO PARANÁ 1. 1 Kele Sousa Pires 2 ; Márcia Antonia Bartolomeu Agustini 3. RESUMO: Este trabalho teve como temática investigar

Leia mais

Ingrid Maria Furlan Öberg

Ingrid Maria Furlan Öberg Desenvolvimento Sustentável Gestão Ambiental Ingrid Maria Furlan Öberg Relação Homem x Ambiente no modelo de desenvolvimento da sociedade moderna NATUREZA Fonte de recursos ilimitados Depósito de resíduos

Leia mais

uma responsabilidade de todos nós

uma responsabilidade de todos nós uma responsabilidade de todos nós Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico e Educação Ambiental Lixo, uma responsabilidade

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE Diretrizes Gerais para implementação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Bianca Gama de Souza Breves Orientador

Leia mais

20o. Prêmio Expressão de Ecologia

20o. Prêmio Expressão de Ecologia 20o. Prêmio Expressão de Ecologia 2012-2013 Separação dos resíduos recicláveis Coleta seletiva no pátio Separação dos resíduos no laboratório Central de resíduos e estação de tratamento de esgoto Capacitação

Leia mais

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas Odair Luiz Segantini ABRELPE Introdução A ABRELPE ABRELPE Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, fundada

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL EM PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA PARA A OBTENÇÃO DE BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E ESTRATÉGICOS

GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL EM PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA PARA A OBTENÇÃO DE BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E ESTRATÉGICOS 1 GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL EM PEQUENAS ORGANIZAÇÕES: A UTILIZAÇÃO DA FERRAMENTA PARA A OBTENÇÃO DE BENEFÍCIOS ECONÔMICOS E ESTRATÉGICOS Murilo Fortunato Dropa (UTFPR) mfdropa@hotmail.com Ivanir Luiz

Leia mais

Projeto de Sustentabilidade Recicla Mundo

Projeto de Sustentabilidade Recicla Mundo Projeto de Sustentabilidade Recicla Mundo Shopping Eldorado A) Dados da Empresa Em um terreno de 74 mil m², o Shopping Eldorado, inaugurado em 10 de setembro de 1981, consumiu investimentos na ordem de

Leia mais

RÁDIO AULA DE QUÍMICA PROF. CARLOS ALBERTO 16/04/2014 às 18 HORAS

RÁDIO AULA DE QUÍMICA PROF. CARLOS ALBERTO 16/04/2014 às 18 HORAS COLÉGIO PRO CAMPUS MATERIAL COMPLEMENTAR DE QUÍMICA 3ª SÉRIE ENSINO MÉDIO ALUNO(A): Nº DATA: TURMA: PROF(A): PROF. CARLOS ALBERTO RÁDIO AULA DE QUÍMICA PROF. CARLOS ALBERTO 16/04/2014 às 18 HORAS 01. 01.Um

Leia mais

Modelo de gerenciamento de resíduos sólidos: um estudo de caso na indústria de panificação em Natal-RN

Modelo de gerenciamento de resíduos sólidos: um estudo de caso na indústria de panificação em Natal-RN Modelo de gerenciamento de resíduos sólidos: um estudo de caso na indústria de panificação em Natal-RN Handson Cláudio Dias Pimenta (UFRN/PEP) handsonpimenta@hotmail.com Sérgio Marques Júnior (UFRN) sergio@ct.ufrn.br

Leia mais

2.0 Objetivos 2.1 Geral. 2.2 Específicos

2.0 Objetivos 2.1 Geral. 2.2 Específicos 1. INTRODUÇÃO O lixo é um problema crônico que vem afetando comunidades no mundo inteiro. No Brasil, a geração de lixo per capita varia de acordo com o porte populacional do município. Segundo dados da

Leia mais

MERCOSUR. III Reunión de Ministros de Medio Ambiente del Mercosur Asunción, Paraguay ANEXO V

MERCOSUR. III Reunión de Ministros de Medio Ambiente del Mercosur Asunción, Paraguay ANEXO V MERCOSUR III Reunión de Ministros de Medio Ambiente del Mercosur Asunción, Paraguay ANEXO V Estrategia para el Desarrollo de una Política Mercosur de Gestión Ambiental de Residuos y Responsabilidad Post-Consumo

Leia mais

RECICLANDO ATITUDES. Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ;

RECICLANDO ATITUDES. Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ; RECICLANDO ATITUDES Ana MariaVenquiaruti 1 ;Janice de Fátima Preuss dacruz 2 ;Natanael Martins Ajala 3 ; Tanise da Silva Moura 4 ; 1 Farmacêutica, Bioquímica e Pós Graduada em Educação Ambiental- Professora

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO

AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG RESUMO 1 AMOSTRAGEM DA DESTINAÇÃO DO LIXO DOMÉSTICO EM BAIRROS NA CIDADE DE UBÁ MG Letícia Alves Pacheco 1 Kênia Ribas de Assis 2 Mariana da Costa J. Miranda 3 Eliane Aparecida de Souza 4 RESUMO A questão do

Leia mais

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis Um desafio que envolve você! Compartilhamos os mesmos espaços e problemas, mas também as soluções. É fundamental ter atitudes responsáveis, suprindo

Leia mais

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum)

Questões ENADE. 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) OPQ0001 Questões ENADE 2011 QUESTÃO 11 (Componente específico comum) Materiais metálicos, cerâmicos e poliméricos são amplamente utilizados nos dias de hoje. Suas aplicações estão diretamente relacionadas

Leia mais

V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL. Carlos Afonso Instituto de Química. Universidade Federal do Rio de Janeiro

V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL. Carlos Afonso Instituto de Química. Universidade Federal do Rio de Janeiro V FORUM DE GESTÃO AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICAP Impactos SócioS cio-ambientais do LIXO ELETROELETRÔNICO Prof. Júlio J Carlos Afonso Instituto de Química Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasília,

Leia mais

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: O QUE FAZER COM TANTO LIXO?

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: O QUE FAZER COM TANTO LIXO? SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM: O QUE FAZER COM TANTO LIXO? Eixo Temático -Ser Humano e Saúde. Tema -O que Fazer com Tanto Lixo? Subtema - Qualidade de Vida: A Saúde Individual, Coletiva e Ambiental. Ano/Série

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP SILVA V. L. da 1 ; SOUZA T. R. 1 ; RIBEIRO J. S. G. 1 ; CARDOSO C. F. 1 ; SILVA, C. V. da 2. 1 Discentes do Curso de Ciências Biológicas FAP 2

Leia mais

ELABORE UMA DISSERTAÇÃO CONSIDERANDO AS IDEIAS A SEGUIR:

ELABORE UMA DISSERTAÇÃO CONSIDERANDO AS IDEIAS A SEGUIR: Disciplina Curso Profª Série REDACÃO Ensino Médio Silvia 3º PROPOSTA DE OUTUBRO A questão do lixo nas sociedades de consumo Meio ambiente e ecologia são assuntos normalmente incômodos para líderes governamentais,

Leia mais