... MARKETING MANAGEMENT. PARA PME s

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "... MARKETING MANAGEMENT. PARA PME s"

Transcrição

1 MARKETING MANAGEMENT PARA PME s 1

2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO AO MARKETING Conceito de Marketing Perspectiva Histórica da Filosofia de Gestão Estratégia de Marketing A Informação e os Processos de Decisão de Marketing A Empresa e o Marketing A Actividade de Planeamento na Empresa Análise do Mercado, Segmentação e Posicionamento 20 PLANEAMENTO E POLÍTICAS DE PRODUTO 24 POLÍTICAS DE PRODUTO 25 I) O Mix do Produto 25 II) O Ciclo de Vida dos Produtos 29 III) A Gama 30 PLANEAMENTO E POLÍTICA DE PREÇOS 50 A POLÍTICA DE PREÇOS A Política de Preços da Empresa Os Custos e os Preços A Procura e os Preços 54 PLANEAMENTO E POLÍTICAS DE DISTRIBUIÇÃO 77 A DISTRIBUIÇÃO Conceitos A Remuneração da Distribuição Organização Logística Avaliação da Rentabilidade A Análise do Sistema Comercial A Política de Marketing dos Distribuidores 85 PLANEAMENTO E POLÍTICAS DE COMUNICAÇÃO 87 A POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO Conceitos O Processo de Comunicação O Desenvolvimento das Formas de Comunicação A Estratégia de Comunicação A Comunicação ao Nível do Marketing A Comunicação Global ao Nível da Empresa O Mix da Comunicação 91 CASOS PRÁTICOS 113 CASO PRÁTICO Nº1 A LACTIX, S.A. 114 CASO PRÁTICO Nº2 A SOCIEDADE DE CHOCOLATES, S.A. 120 CASO PRÁTICO Nº3 A UNITED DISTILLERS 128 2

3 1. INTRODUÇÃO AO MARKETING 1.1. Conceito de marketing O marketing é um processo contínuo de desenvolvimento e de troca de ideias, bens e serviços que visam satisfazer as necessidades dos clientes e organizações utilizando para o efeito as políticas de preços, comunicação e distribuição. Neste contexto, os indivíduos e grupos obtêm o que necessitam e o que desejam através da criação e troca de produtos e valor com outras pessoas. O conceito de marketing nesta perspectiva visa: Detectar e identificar os desejos, necessidades e preferências do consumidor com orientação para os produtos ou serviços já existentes ou para outros desenvolvimentos futuros possíveis. Como objectivo a satisfação das necessidades dos consumidores Motivar e envolver todas as áreas da empresa para a condução de políticas e acções que visem a satisfação das necessidades do consumidor. Desta forma a função marketing não é equiparável à função vendas, publicidade, pesquisa e desenvolvimento mas sim o negocio no seu conjunto 1.2. Perspectiva histórica da filosofia de gestão Ao longo do tempo assistimos à evolução do conceito de marketing começando apenas a adquirir um verdadeiro sentido a partir dos anos 50. Podemos assim identificar fases distintas no contexto da evolução do seu conceito: Óptica da produção: Corresponde ao período que medeia a revolução industrial e por volta de 1930, onde as empresas orientavam a sua gestão para o desenvolvimento e aperfeiçoamento das técnicas de produção. Efectivamente durante este período a grande preocupação das empresas residia na produção de bens e serviços de forma mais rápida e mais eficiente já que havia a garantia da sua colocação. Esta situação só foi possível manter-se porque a procura de bens e serviços excedia largamente a capacidade de oferta. Os consumidores eram encarados como simples utilizadores dos bens e 3

4 serviços que eram oferecidos não possuindo qualquer intervenção de forma a obrigar as empresas em adoptar estratégias comerciais especificas. Muito embora ainda hoje algumas empresas orientem a sua gestão nesta óptica, este facto é muitas vezes sustentado no pressuposto de que na base das preferências reveladas pelos consumidores e do seu processo de compra estão produtos que possuam preço baixo independentemente do seu grau de diferenciação e que possam por esse motivo serem adquiridos em elevadas quantidades. Óptica das vendas: A partir dos anos 30 e até aproximadamente 1950 nota-se um elevado desenvolvimento nos meios técnicas de produção, uma crescente concorrência acompanhada por um aumento da complexidade dos mercados. Esta situação obrigou as empresas a orientarem a sua gestão para a venda dos seus produtos e serviços pela crescente necessidade revelada no desenvolvimento das técnicas de promoção e distribuição. Para elas a questão já não era saber o que é que os consumidores queriam mas sim como é que poderiam levar os consumidores em adquirir os bens e serviços produzidos o que originou a necessidade em avaliarem os mercados, desenvolver as suas vendas e promoverem a racionalidade da sua distribuição. Também esta óptica ainda hoje predomina nalgumas empresas baseando-se elas no facto de que os consumidores ao não comprarem o suficiente, é necessário uma maior agressividade nas vendas e promoção dos produtos e serviços. O pressuposto que reside na base desta óptica é de que se os consumidores não procuram o produto compete então às empresas estimulá-los a efectuar mais compras através de um conjunto de instrumentos eficazes de venda e promoção Óptica de marketing: A partir dos anos 50 as empresas começaram a praticar o marketing como actualmente é entendido. Os mercados tornavam-se cada vez mais complexos, a intensidade concorrencial aumentava obrigando as empresas a criarem departamentos de marketing e a prestar elevada atenção às necessidades e preferências reveladas pelos consumidores. A aplicação do conceito de marketing implicou na maioria das empresas a integração das funções venda, publicidade, pesquisa e desenvolvimento e da produção, na função de marketing de forma a promover a plena satisfação do consumidor e a 4

5 rentabilidade da empresa numa perspectiva de longo prazo. Os objectivos da organização tornam-se assim diferentes já que, nesta fase, a sua orientação é no sentido de determinar as necessidades e desejos dos consumidores que constituem o seu mercado-alvo e vir a satisfazê-los de forma mais eficaz e eficiente do que a concorrência. O conceito de marketing torna-se voltado para o mercado e orientado para o cliente com o objectivo de obter a sua plena satisfação. Na óptica de marketing predominam, neste contexto, os seguintes elementos: Ênfase no mercado: As empresas tendem a definir os mercados em que vão actuar e que visam satisfazer. Não podendo satisfazer simultaneamente a totalidade das necessidades de cada consumidor, as empresas pretendem identificar conjuntos de consumidores que possuem características ou comportamentos em comum. Delimitando cada mercado, as empresas podem definir diferentes formas para a sua actuação em função das características dos mercado-alvo que pretendem vir a satisfazer. Orientação para o cliente: Definido o mercado-alvo torna-se imperativo definir, com elevado rigor, as necessidades do cliente através do seu estudo e análise. A concepção do produto não deve ser realizada de harmonia com aquilo que agrada à empresa mas segundo aquilo que agrada ao consumidor, ou seja, que promova a satisfação plena das suas necessidades. Marketing integrado: A perspectiva de marketing integrado implica a integração das diversas funções da empresa no ponto de vista da sua orientação para o cliente, reconhecendo a necessidade imperiosa em obter a plena satisfação do consumidor. Esta perspectiva implica a criação de uma cultura de marketing através da utilização do conceito e instrumentos de marketing. Rentabilidade: Na óptica de marketing a plena satisfação do consumidor é um meio para a empresa poder vir a obter a rentabilidade pretendida numa perspectiva de longo prazo. As empresas Da análise realizada anteriormente constatamos que actualmente o marketing possui diversos níveis de actuação, nomeadamente: Como conceito de gestão Como abordagem estratégica e de pensamento da empresa ou organização 5

6 Como ciência de gestão (estabelece uma metodologia de abordagem do mercado para a exploração das oportunidades de sucesso da empresa) Como um conjunto de técnicas coerentes e distintas que possibilitam o desenvolvimento da acção empresarial e da organização A Estratégia de marketing A gestão de marketing deverá prover a satisfação do consumidor exercendo um controlo adequado dos custos envolvidos neste processo, à luz dos objectivos definidos pela empresa. A estratégia de marketing define aonde e como a organização irá competir. A decisão de aonde competir implica a definição e a selecção dos mercados-alvo a satisfazer e onde a empresa concentrará a sua actividade. A decisão de como irá competir envolve a decisão sobre a posição que pretende ocupar nos mercados-alvo seleccionados e a definição do marketing-mix adequado. Ou seja, o desenvolvimento da estratégia de marketing na empresa ao visar a satisfação do seu mercado-alvo mediante a escolha do posicionamento pretendido implica a utilização da melhor definição das variáveis que constituem o marketing-mix (variáveis controláveis pela empresa): Produto: Definir que produto oferecer, identificando as suas características essenciais, qualidade, marca, design, embalagem e serviços. Preço: Definir a política de preços do produto em função do valor, grau de satisfação e utilidade proporcionada ao consumidor. Distribuição: Definir os canais de distribuição e venda para o produto em função da sua estrutura, eficácia e custo provendo a adequada logística de distribuição, política de estoques e a definição da acção da força de vendas. Comunicação: Definir a política de comunicação como forma de melhor dar a conhecer o produto ao consumidor com recurso à publicidade, promoção, relações públicas e à força de vendas. A estratégia de marketing encontra-se condicionada pela evolução das variáveis do meio envolvente (variáveis não controláveis): 6

7 Político-legais Económicas Socio-demográficas Tecnológicas Concorrenciais Psicológicas 1.4. A Informação e os Processos de decisão em Marketing O meio envolvente onde os homens de marketing desenvolvem a sua actividade é condicionado como vimos por diversas variáveis externas e incontroláveis. No âmbito da análise e investigação dos mercados desenvolve-se um processo contínuo de recolha, tratamento e sistematização da informação relevante de forma a suportar a tomada de decisões relativamente ao marketing. Informação relativa ao mercado Mercado actual e potencial: Informação pertinente que possa indicar a procura potencial dos produtos, o nível de necessidades actualmente satisfeitas, grau de satisfação e performance dos produtos das empresas já existentes e de seus mercados-alvo respectivos. Comportamento e atitudes do consumidor: Informação relativa às atitudes, comportamento, necessidades reveladas pelos consumidores e clientes das empresas já existentes bem como do potencial e nível de satisfação proporcionado pelos seus produtos. Canais de distribuição: Avaliação dos canais alternativos de distribuição, comportamento, eficácia, custo bem como das atitudes e preferências reveladas pelos agentes intervenientes nos circuitos de distribuição. Comunicação através dos media: Informação relativa aos media existentes, sua eficácia e custos. Novos produtos: Informação relativa a novos produtos para avaliação de oportunidades de desenvolvimento de novos conceitos, com recurso eventual a produtos já comercializados por outras empresas. 7

8 Informação relativa à concorrência Objectivos e estratégia dos concorrentes: Informação relativa aos objectivos, negócios, competitividade e manobras estratégicas das empresas concorrentes. Estratégias concorrenciais: Informação relativa ao marketing dos concorrentes, mercados-alvo, produtos, política de preços, canais de distribuição e políticas de comunicação. Análise dos seus pontos fortes e fracos. Estudo do contexto económico Informação relativa à situação actual e evolução dos indicadores macro-económicos Taxas de juro nominais e reais Taxas de inflação Política governamental Política fiscal e monetária Actividade actual e previsão da evolução dos mercados Expectativas e opiniões reveladas dos analistas, bancos, economistas e gestores Estudo do contexto politico-legal Informação relativa à atitude do governo quanto ao investimento, incentivos concedidos, controlo, regulamentações, restrições impostas, etc., que podem afectar ou vir a afectar a actividade da empresa e o seu desenvolvimento. Estudo do contexto socio-demográfico Informação relativa à estrutura social da sociedade, costumes, atitudes, comportamentos e preferências dos indivíduos. Informação sobre a dimensão, composição, e estrutura da população Estudo dos factores tecnológicos 8

9 Informação relativa à tecnologia; tipo de desenvolvimento dos meios tecnológicos e científicos A recolha, tratamento e sistematização da informação relativa ao mercado constitui um suporte fundamental para o homem de marketing pois através deste processo formulam-se de forma adequada as atitudes e os processos de decisão. Apresentamos de seguida, a título de exemplo, a relevância como suporte para a tomada de decisões no processo de marketing: 1ª Fase Definição de objectivos e estratégias de marketing A investigação de marketing pode monitorizar: 2ª Fase Desenvolvimento do plano de marketing A investigação de marketing pode: 3ª Fase Implementação do plano A investigação de marketing pode monitorizar: 4ª Fase Avaliação e controlo do plano de marketing A investigação de marketing pode proporcionar: - Necessidades actualmente satisfeitas ou por satisfazer em segmentos de mercado atractivos - Dimensão da procura actual e potencial - Estrutura do mercado e industria, concorrência, quotas de mercado e rentabilidade - Inovações tecnológicas e de materiais - Condições existentes do lado - Identificar tipos de segmentos de mercado por categoria de produtos. - Identificar segmentos-alvo relativamente aos produtos actuais, técnicas promocionais e publicitárias utilizadas - Testar o potencial de satisfação dos atributos do produto - Testar a eficácia da publicidade e promoção - Avaliar as necessidades e - O valor da industria e dos segmentos de mercado - As vendas da empresa por produto e mercado - Avaliação dos distribuidores, espaço e suportes promocionais - A eficácia e custo do marketing por produto e mercado, publicidade e promoção - Oportunidades em segmentos de Avaliar o desempenho do marketing e possíveis alterações no mercado, atitudes e preferências dos consumidores 9

10 da oferta e preços - Evolução dos canais de distribuição distribuidores, sua estratégia, eficácia e custo - Evolução do meio envolvente; factores politicolegais, económicos, socioculturais - Evolução e avaliação dos media. atitudes dos canais de venda mercado atractivos - Alterações do comportamento da concorrência, estratégias e custos Ao conhecer o consumidor e o contexto envolvente a empresa pode: Adaptar-se melhor ao consumidor Influenciar as suas motivações Obter maior competitividade As técnicas de marketing utilizam o estudo de mercado, os meios de comunicação e a sua acção sobre os mercados-alvo da empresa através dos seus instrumentos: Publicidade Merchandising Marketing directo Técnicas promocionais Força de vendas Com base no exposto anteriormente a construção de um modelo de marketing na empresa parte por: Definir o âmbito da sua aplicação Recolher a informação necessária para a utilização do modelo Definir o método e implementação do modelo Conhecer os limites da sua aplicação. A escolha avaliação e aplicação do modelo de investigação de marketing é fundamental para o suporte da actividade de planeamento de marketing na empresa conforme iremos ver posteriormente. 10

11 1.5. A Empresa e o Marketing Embora o processo e actividade de planeamento na empresa sejam abordados apenas posteriormente, interessa-nos nesta fase conhecer a dimensão e nível de actuação da empresa de forma a obter o melhor posicionamento estratégico face ao meio envolvente onde se insere. A avaliação da sua situação actual pode ser realizada através do conhecimento de: Qual a missão da empresa? Quais os grandes objectivos e fins da empresa? Qual a estratégia a seguir? Qual a estrutura organizativa ideal? Pelo que para este efeito, torna-se fundamental definir: Qual é o negocio actual? Quais os mercados em que nos inserimos? Quem são os nossos clientes directos? Quem são os clientes finais ou consumidores? Quais são as suas necessidades e preferências? Como é que estamos actualmente a satisfazê-las? Quem são os nossos concorrentes? Como é que nos diferenciamos deles de forma mais atractiva nos mercados? Como é que deveria ser o nosso negócio actualmente e como é que ele deverá ser no futuro? Com base nesta avaliação do negócio e dos mercados actualmente satisfeitos pela empresa, torna-se fundamental avaliar a concorrência como forma de vir obter uma vantagem diferencial e um posicionamento competitivo. O estudo da concorrência implica conforme anteriormente explicitámos o conhecimento de: Quem são os nossos concorrentes? Quais são os seus volumes de vendas e sua quota de mercado? Quais os alvos de mercado atingidos e suas políticas de actuação? Qual a estratégia actual de cada concorrente? Qual a sua capacidade financeira? Quais os seus pontos fortes e fracos? 11

12 Quais são as mudanças previsíveis na estratégia dos nossos concorrentes face à evolução do meio envolvente? 1.6. A actividade de Planeamento na Empresa Introdução à actividade de planeamento na empresa O planeamento é a base para um controlo eficiente. A gestão das organizações é influenciada por uma multiplicidade de factores concretos e abstractos que se desenvolvem interna e externamente. Deste modo, a existência de um plano de acção suportado por um processo contínuo de análise critica, permitirá a realização dos objectivos previamente estabelecidos, contribuindo assim, para o equilíbrio das acções e reacções comportamentais internas dinamizando a capacidade de sucesso da organização no mundo concorrencial em que está inserida. Após o estabelecimento de objectivos mensuráveis, de acordo com os recursos disponíveis, tomam-se medidas necessárias para garantir que eles sejam atingidos, através do planeamento e controlo dos recursos afectos à organização. A união dos objectivos explicitamente definidos e dos planos delineados para a sua realização é concretizada na estratégia, isto é, na definição das políticas a seguir. As políticas visam aspectos diversos tais como o crescimento pretendido, a qualidade do produto, imagem, quota de mercado, etc. e orientam a formulação dos planos para o período definido. Eles transformam-se nos únicos meios específicos de gestão e avaliação duma organização. A necessidade de planear os rumos do futuro de uma organização nunca assumiu tanta importância como hoje em face da constante mutação e onde o acelerado desenvolvimento tecnológico é uma das características fundamentais do enquadramento dinâmico do meio envolvente. A sobrevivência e viabilização de uma organização depende da sua capacidade em se adaptar, modificar e responder aos permanentes desafios do meio envolvente. A necessidade do planeamento decorre: 12

13 1. Na possibilidade de coordenação das actividades das organizações no sentido dos objectivos previamente estabelecidos. 2. Na preocupação do impacto futuro das decisões do presente 3. Na obtenção de maior ordem nas organizações e maior racionalidade para a tomada de decisões. As Estratégias de sucesso combinam então: 1. Metas simples a longo prazo 2. Análise do ambiente competitivo 3. Objectivos de utilização de meios e recursos disponíveis 4. Implementação efectiva da estratégia A Estratégia é o elo de interligação entre a empresa e o contexto da industria. Ela pressupõe: 1. Definição das metas e valores identificando os obstáculos 2. Definição dos recursos e meios disponíveis 3. Definição da estrutura organizativa, sistemas de gestão e liderança adequadas Estratégia - Elementos METAS Que fins visa a empresa? POLÍTICAS Que regras e regulamentos a definir? PLANOS Que medidas a tomar pelos gestores? ANÁLISE DA ESTRATÉGIA: 13

14 ANÁLISE DAS METAS E OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS Diagnóstico Externo; Ameaças e Oportunidades Diagnóstico Interno; Pontos Fortes e Fracos FORMULAÇÃO DA ESTRATÉGIA FORMULAÇÃO DA ESTRATÉGIA AO NÍVEL DO NEGÓCIO Estratégia ao nível funcional Estratégia ao nível da empresa Estratégia Global IMPLEMENTAÇÃO DA ESTRATÉGIA Construir Programas de Acção Design da Organização Controlo da Estratégia LIDERANÇA ESTRATÉGICA DAS INTENÇÕES Á ACÇÃO : MOST MISSÃO OBJECTIVOS STRATEGY TÁCTICAS - Descrição - Atitude - Crescimento / Orientação - Ambições Empresa - Medir Performance - Gestão dos Recursos - Design da Vantagem Competitiva - Acção - Vencer batalhas competitivas Características de um bom planeamento i) Detecta ameaças e oportunidades e identifica os pontos fortes e fracos da empresa ii) Avalia a competitividade da empresa e a sua capacidade para enfrentar o meio envolvente. 14

15 iii) iv) Orienta-se para a obtenção dos objectivos. A fase inicial do processo consiste na identificação dos objectivos que por consequência vai dar origem ao programa de acção que visa a sua realização Baseia-se em factos. A empresa formula os seus planos com base no seu meio envolvente. v) Identifica pretensões. Deve-se procurar identificar todos os factores incontroláveis que possam reflectir-se na organização vi) vii) viii) ix) Envolve subordinados. Todos os colaboradores possuem informação, experiência, imaginação e criatividade que podem constituir um contributo valioso para a elaboração do plano. Fixa tarefas e tempos de realização. Todas as actividades relacionadas com a obtenção dos objectivos devem ser atribuídas a cada colaborador e realizadas segundo uma ficha de tempo específica. Providencia a efectivação do controlo. Cada plano deve ser subdividido em orçamentos que constituem a base do controlo. É revisto periodicamente. Os planos devem ser revistos periodicamente por forma a comparar o previsto com o real e o apuramento de eventuais desvios x) Provoca os acontecimentos. Um plano que não constitui um programa de acções correntes não passa de um mero exercício intelectual. Em conclusão o planeamento é o processo contínuo de recolha de informações e tomada de decisões através do qual uma empresa adapta, molda e explora o seu meio envolvente. Através do planeamento vimos que a gestão estabelece os objectivos, orientações, restrições e programas de acção utilizados na direcção futura da empresa. Por outro lado, uma unidade organizacional obtém do planeamento dois tipos de benefícios: 15

16 1. Os bons planos proporcionam uma gestão adequada e contribuem para a melhoria da eficiência e da produtividade pela melhor utilização dos recursos 2. Independentemente da qualidade dos planos elaborados, a aceitação do processo de planeamento é uma forma de desenvolver a comunicação, a coordenação, a capacidade imaginativa e criativa e a própria gestão. As necessidades do planeamento global podem ser decompostas e localizadas em sub-unidades hierárquicas através da análise meiosfins. Cada sub-unidade realiza um processo de planeamento que estabelece os seus objectivos e a forma de os obter. A realização do planeamento é determinada, em grande medida, pela estrutura da empresa O Planeamento de Marketing: uma metodologia Num plano estratégico da empresa, o plano de marketing é talvez o documento central já que ele, destinado a satisfazer os desejos e necessidades do consumidor, orienta para esta acção as actividades de todas as restantes areas funcionais da empresa. O plano de marketing pode ser elaborado de acordo com a seguinte metodologia: 1ª Fase - Análise interna e externa da empresa; Análise SWOT - A análise interna envolve aspectos organizacionais, recursos humanos, produção, marketing e vendas e situação economica e financeira - A análise externa envolve o estudo de factores económicos, político-legais, tecnológicos e socioculturais. Analisamos o sector, o nível concorrencial e o comportamento do mercado 2ª Fase - Avaliação competitiva global da empresa A capacidade competitiva global da empresa resulta da avaliação da sua capacidade em: 16

17 - Enfrentar o meio envolvente; hierarquização do grau de importância das ameaças e oportunidades e a identificação dos factores internos da empresa que podem responder a estas. - Enfrentar a concorrência; efectuada pela análise da estrutura concorrencial (numero de concorrentes, concentração do mercado, repartição das vendas por antiguidade no mercado, entre outros), identificação e análise dos principais concorrentes, avaliação quantitativa do desempenho dos concorrentes, capacidade de gestão, análise financeira, recursos humanos, entre outros ) e da comparação do desempenho da empresa com o dos principais concorrentes. Nesta fase devem ser definidos os factores chave de sucesso e realizada uma análise das competências distintivas da empresa face aos seus directos concorrentes. 3ª Fase - Escolha das orientações estratégicas Nesta fase devemos estabelecer a orientação estratégica da empresa: Qual a missão organizacional da empresa? - A finalidade da empresa - Para que razão existe a empresa e para que serve? - A Estratégia: Qual o negocio da empresa? Qual a posição competitiva que visa alcançar? Qual a sua experiência distintiva que lhe permitirá continuar e existir face à finalidade estabelecida? - Os valores: Quais os valores que deverão ser respeitados para alcançarmos a finalidade da empresa? - Os comportamentos: 17

18 Após a definição da estratégia da empresa e dos valores, estes estarão a envolver o comportamento de todos os colaboradores? 4ª Fase - Definição das estratégias e objectivos de marketing i) Avaliação do portfolio de actividades da empresa (modelos Arthur D. Little, Mckinsey e BCG) ii) Formulação dos objectivos de marketing - DREAM (Datados, Realizáveis, Específicos, Ambiciosos e Mensuráveis). Definição dos objectivos gerais e específicos iii) Definição das estratégias de marketing mais adequadas aos objectivos; - Estratégias de desenvolvimento - visam desenvolver a procura global, quer extensiva (através da procura de novos clientes em mercados com forte potencial e ritmo de crescimento) quer intensivamente (através do aumento do consumo dos actuais clientes ou consumidores) - Estratégias concorrenciais - visam conquistar mercados à custa dos concorrentes da empresa (dos actuais produtos ou de novas marcas e/ou produtos) - Estratégias de fidelização - visam manter o aumentar o volume de vendas através da fidelização ou fomento da procura nos actuais concorrentes. iv) Na definição da estratégia está claramente definido o posicionamento. O posicionamento consiste em conferir uma percepção comparativa e distintiva do produto no público-alvo da empresa. No posicionamento podemos distinguir a: - Identificação: categoria a que o produto é associado pelo público 18

19 - Diferenciação: particularidades que distinguem o produto dos demais existentes na mesma categoria. A definição do posicionamento passa por três fases: 1. Identificação dos critérios que definem o universo de referência do produto para os consumidores e a sua importância relativa 2. Identificação do posicionamento percebido pelos consumidores face às marcas existentes 3. Definição do posicionamento do produto da empresa 5ª Fase - Determinação das políticas ao nível do marketing-mix Definição das políticas ao nível do produto, preço, distribuição e comunicação. 6ª Fase - Implementação do plano Atribuição de competências e tarefas e definição dos prazos de cada uma das acções de forma a que se promova a coordenação e execução da implementação do plano, fundamental para o sucesso em atingir os objectivos. 7ª Fase - Avaliação e controlo do plano A avaliação visa identificar a evolução de cada uma das variáveis definidas no âmbito do marketing-mix e o controlo que visa identificar possíveis desvios entre o que foi definido e a situação observada, promovendo acções correctivas para os mesmos Exemplo de um Tableau de Bord geral do plano de marketing por produto: 19

20 REAL PREVISTO ULTIMO ANO Mês Acum. Mês Acum. Mês Acum. Valor da venda bruto Descontos/Promoçõe s Valor da venda líquido Custos de I & D Custos de produção Margem bruta Custos de Marketing: - Distribuição - Comunicação - Força de vendas Outros custos de gestão Contribuição do produto Quota de mercado Quota de voz Fonte: MPM, Tracy Internacional, Análise do mercado; segmentação e posicionamento A análise descrita anteriormente permite à empresa proceder à segmentação do mercado, a definição do posicionamento, dos objectivos e estratégia de marketing. A segmentação do mercado é um processo que consiste em dividir um mercado global em pequenos segmentos de consumidores ou organizações que possuem características, comportamentos, necessidades e desejos similares. Conforme sabemos, os indivíduos e organizações possuem diferentes necessidades não sendo aconselhável tratá-los a todos como se de apenas um mercado se tratasse. Neste contexto a utilização de processos de segmentação permite à empresa seleccionar os segmentos de mercado que lhe interessam pelo facto de melhor os entenderem e consequentemente poderem vir a satisfazê-los. A satisfação de cada segmento de mercado é realizada através da adequada definição do marketingmix e será onde a empresa concentrará a utilização plena dos seus recursos, capacidades e competências. 20

21 No processo de avaliação de um segmento de forma a averiguar se é ou não atractivo teremos de assegurar-nos de que ele: Pode vir a ser objectivamente definido Possua um potencial significativo de vendas Seja acessível à empresa Seja possível de vir a ser satisfeito através da política de marketing A escolha dos critérios de segmentação deve ser realizada de harmonia com as características reveladas pelo mercado face ao posicionamento pretendido. Este processo implica a: Escolha de critérios e de um método de segmentação Descrição das características de cada segmento de mercado Escolha de um ou mais segmentos-alvo Definição da política de marketing adequada para cada um dos segmentos-alvo escolhidos em função do posicionamento pretendido Os principais critérios de segmentação do mercado são: Critérios demográficos, sociais, geográficos e económicos Critérios de personalidade e de estilo de vida Critérios de comportamento face ao produto Critérios de atitudes psicológicas relativamente ao produto No processo de segmentação podemos ainda utilizar mais de que um critério. Neste caso podemos obter uma matriz que nos permite examinar os diversos segmentos de mercado e avaliá-los no sentido de serem ou não os mais atractivos para a empresa e que simultaneamente representem menor risco através da sua capacidade em vir a satisfazê-los. Apresentamos de seguida exemplo de um processo de segmentação que utiliza simultaneamente critérios económicos e geográficos Rendimento anual do agregado familiar Acima de De a

Desenvolver uma estratégia de marketing

Desenvolver uma estratégia de marketing Gerir - Guias práticos de suporte à gestão Desenvolver uma estratégia de marketing O principal objectivo de uma Estratégia de Marketing é o desenvolvimento do negócio, tendo em linha de conta, a análise

Leia mais

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes;

Strenghts: Vantagens internas da empresa ou produto(s) em relação aos seus principais concorrentes; Gerir - Guias práticos de suporte à gestão A análise SWOT A Análise SWOT é uma ferramenta de gestão muito utilizada pelas empresas para o diagnóstico estratégico. O termo SWOT é composto pelas iniciais

Leia mais

4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL

4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL 4. ESTRATÉGIAS DE MARKETING INTERNACIONAL 4.1- TIPOS DE ESTRATÉGIA DE MARKETING 4.2- PLANEAMENTO ESTRATÉGICO PARA O MARKETING 4.3- ESTRUTURA CONCEPTUAL PARA ESTRATÉGIA DE MARKETING 4.4- MODELOS COMO INSTRUMENTOS

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Prof. Jorge Romero Monteiro 1

Prof. Jorge Romero Monteiro 1 Marketing 1 CONCEITOS DE MARKETING 2 Conceitos de Marketing O MARKETING é tão importante que não pode ser considerado como uma função separada. É o próprio negócio do ponto de vista do seu resultado final,

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

Planeamento e estratégia

Planeamento e estratégia Planeamento e estratégia Tipos de planos e vantagens Etapas do processo de planeamento Informação para o planeamento Análise SWOT Definir missão e objectivos Processo de gestão estratégica Níveis da estratégia

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Fazer um plano de marketing

Fazer um plano de marketing Gerir - Guias práticos de suporte à gestão Fazer um plano de marketing A coerência e articulação das diferentes políticas da empresa ou produto(s) é responsável em grande parte pelo seu sucesso ou insucesso.

Leia mais

4. Análise de Mercado

4. Análise de Mercado 4. Análise de Mercado Ações de Maturação e Aceleração 01.04.2014 Carla Machado Análise de Mercado Índice 1. Evolução Previsional do Setor Enquadre o negócio no setor de atividade, referindo oportunidades

Leia mais

PROJECTO CRIAR EMPRESA

PROJECTO CRIAR EMPRESA PROJECTO CRIAR EMPRESA Análise SWOT Pedro Vaz Paulo 1. PROJECTO CRIAR EMPRESA 1. Projecto Definição 1. Âmbito do negócio 2. Inovação 3. Concorrência 4. Análise SWOT 5. ( ) 2. ANÁLISE SWOT Definição A Análise

Leia mais

Como organizar um processo de planejamento estratégico

Como organizar um processo de planejamento estratégico Como organizar um processo de planejamento estratégico Introdução Planejamento estratégico é o processo que fixa as grandes orientações que permitem às empresas modificar, melhorar ou fortalecer a sua

Leia mais

Índice. Conceito de Marketing 19. Um Pouco de História 29. Capítulo 1. Capítulo 2. Prefácio 15 Apresentação 17

Índice. Conceito de Marketing 19. Um Pouco de História 29. Capítulo 1. Capítulo 2. Prefácio 15 Apresentação 17 Índice Prefácio 15 Apresentação 17 Capítulo 1 Conceito de Marketing 19 O Que é o Marketing? 19 A Evolução do Conceito 21 A Diversificação do Conceito de Marketing 21 Conceitos Centrais do Marketing 22

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo 7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo A COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar no marketing emitir mensagem para alguém emitir mensagem para o mercado

Leia mais

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor, 23 de Novembro de 2012 É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Agente. Análise SWOT. Auditoria de marketing. Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização. Cash-and-carry Central de compras

Agente. Análise SWOT. Auditoria de marketing. Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização. Cash-and-carry Central de compras Termo Agente Análise SWOT Auditoria de marketing Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização Cash-and-carry Central de compras Ciclo de vida do produto/serviço Contexto de marketing

Leia mais

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N. Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.º 32603 INTRODUÇÃO Na área do controlo de gestão chamamos atenção para

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO

PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO PLANO SUCINTO DE NEGÓCIO Título do projecto: Nome do responsável: Contacto telefónico Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características inovadoras (Descreva

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU

FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU CURSO DE PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO INTEGRADA: PESSOAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TURMA V E EIXOS TEMÁTICOS PARA A MONOGRAFIA FINAL Professor Ms. Carlos Henrique

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Marketing Mix. Tânia Leão n.º19 12.ºS

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Marketing Mix. Tânia Leão n.º19 12.ºS Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010 Marketing Mix Tânia Leão n.º19 12.ºS Marketing Mix O Marketing mix ou Composto de marketing é formado por um conjunto de variáveis controláveis que influenciam

Leia mais

PROJECTO CRIAR EMPRESA

PROJECTO CRIAR EMPRESA PROJECTO CRIAR EMPRESA Conceito, Análise de Concorrência 1. INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO INDÚSTRIA CONSTRUÇÃO Custos Prazo de execução /Esforço Qualidade EXTRAS Ambiente Socio-Políticos Imposições legais Segurança

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

Inovação e Criação de Novos Negócios

Inovação e Criação de Novos Negócios INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA Inovação e Criação de Novos Negócios Luís Mira da Silva Cristina Mota Capitão Isabel Alte da Veiga Carlos Noéme Inovação INOVAÇÃO Inovação: introdução INOVAR

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS PROCESSOS DE CANDIDATURA A FINANCIAMENTO DO BANCO DE DESENVOLVIMENTO DE ANGOLA REQUISITOS MÍNIMOS DE INFORMAÇÕES E DADOS PARA OS ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÓMICA E FINANCEIRA (EVTEF) DOS PROJECTOS

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

1.1. DEFINIÇÃO DE PROJECTO DE INVESTIMENTOS

1.1. DEFINIÇÃO DE PROJECTO DE INVESTIMENTOS 1 INTRODUÇÃO 1.1. DEFINIÇÃO DE PROJECTO DE INVESTIMENTOS Ao abordarmos o conceito de projecto de investimento começaremos por citar algumas definições propostas por alguns autores e instituições de reconhecido

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Num contexto de modernização e inovação constante, torna-se imperioso e urgente criar uma legislação turística em São Tomé e Príncipe, sendo este um instrumento

Leia mais

Ambiente externo à empresa. Resumo

Ambiente externo à empresa. Resumo Ambiente externo à empresa Fábio Bruno Tavares de Sousa 1 1) Fábio Sousa fabiobtsousa@gmail.com Resumo O ambiente empresarial é bastante complexo. Na actualidade, é imprescindível avaliar o comportamento

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Visão, Missão e Intenção Estratégica

Visão, Missão e Intenção Estratégica Visão, Missão e Intenção Estratégica Visão Declaração de aponta ao futuro, deve ser coerente com a missão, ambiciosa, clara, atractiva, partilhada, consensual para as pessoas da organização. Deve responder

Leia mais

Formulário de Projecto de Investimento

Formulário de Projecto de Investimento Formulário de Projecto de Investimento 1. Identificação do Projecto Título do projecto: Nome do responsável: Contacto Telefónico: Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características

Leia mais

Empreender 360º - Apoios ao Empreendedorismo! 23-05-2014. http://www.strongautomotive.com/step-back-evaluate-2014-marketing-plan/

Empreender 360º - Apoios ao Empreendedorismo! 23-05-2014. http://www.strongautomotive.com/step-back-evaluate-2014-marketing-plan/ Empreender 360º - Apoios ao Empreendedorismo! 23-05-2014 http://www.strongautomotive.com/step-back-evaluate-2014-marketing-plan/ Estrutura possível de um plano de marketing 1. Sumário Executivo 7. Marketing-mix

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

CONCEITO DE ESTRATEGIA

CONCEITO DE ESTRATEGIA CONCEITO DE ESTRATEGIA O termo estratégia deriva do grego stratos (exército) e agein (conduzir). O strategos era o que conduzia o exercito, isto é, o general, o comandante-chefe, o responsável pela defesa

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

Plano Estratégico. 1º Caracterização da MKT Soluções, Lda. 2º Argumentação do Outsourcing. 3º Analise SWOT. 4º Objectivos. 5ºTargets.

Plano Estratégico. 1º Caracterização da MKT Soluções, Lda. 2º Argumentação do Outsourcing. 3º Analise SWOT. 4º Objectivos. 5ºTargets. Plano Estratégico 1º Caracterização da MKT Soluções, Lda 2º Argumentação do Outsourcing 3º Analise SWOT 4º Objectivos 5ºTargets. 6º Área Geográfica 7º Estudo Sobre as Empresas 8º Concorrência. 9º Serviços

Leia mais

Escola Secundaria de Paços de Ferreira Técnicas de secretariado 2009/2010

Escola Secundaria de Paços de Ferreira Técnicas de secretariado 2009/2010 Marketing mix Trabalho realizado por: Sandra Costa 12ºS Marketing mix É formado por um conjunto de variáveis controláveis que influenciam a maneira com que os consumidores respondem ao mercado e é dividido

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

Departamento comercial e Marketing

Departamento comercial e Marketing Departamento comercial e Marketing Tânia Carneiro Nº20 12ºS Departamento Comercial Noção e objectivos da função comercial O departamento de vendas é considerado por muitos como mais importante da empresa,

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Sistemas de categorias 15 ANEXO II SISTEMAS DE CATEGORIAS

Sistemas de categorias 15 ANEXO II SISTEMAS DE CATEGORIAS Sistemas de categorias 15 ANEXO II SISTEMAS DE Sistemas de categorias 16 Sistemas de categorias 17 ÍNDICE 1. Introdução 2.Dimensão estratégica do conceito imagem interna de marca corporativa 2.1. Significados

Leia mais

Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos.

Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos. Contabilidade Contabilidade Contabilidade é entendida como um sistema de recolha, classificação, interpretação e exposição de dados económicos. É uma ciência de natureza económica, cujo objecto é a realidade

Leia mais

Selling Tools. Dale Carnegie Training Portugal www.dalecarnegie.pt customerservice@dalecarnegie.pt

Selling Tools. Dale Carnegie Training Portugal www.dalecarnegie.pt customerservice@dalecarnegie.pt Dale Carnegie Training Portugal www.dalecarnegie.pt customerservice@dalecarnegie.pt Enquadramento As vendas têm um ambiente próprio; técnicas e processos específicos. A forma de estar, o networking, os

Leia mais

Edições Profissionais R. Braamcamp n.º 13 2.º 1250-049 Lisboa Tel.: 21 310 19 00 Fax: 21 315 25 97 Email: info@dashofer.pt Web: www.dashofer.

Edições Profissionais R. Braamcamp n.º 13 2.º 1250-049 Lisboa Tel.: 21 310 19 00 Fax: 21 315 25 97 Email: info@dashofer.pt Web: www.dashofer. VERLAG DASHOFER Edições Profissionais R. Braamcamp n.º 13 2.º 1250-049 Lisboa Tel.: 21 310 19 00 Fax: 21 315 25 97 Email: info@dashofer.pt Web: www.dashofer.pt O Marketing tem como princípio fundamental

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova

IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova IDN-Incubadora de Idanha-a-Nova Guião do estudo económico e financeiro IDN - Incubadora de Idanha - Guião de candidatura Pág. 1 I CARACTERIZAÇÃO DO PROMOTOR 1.1 - Identificação sumária da empresa 1.2 -

Leia mais

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing.

Pretendemos também abordar as filosofias e os tipos de Marketing. Outro dos pontos abordados é o planeamento estratégico e o processo de Marketing. Universidade do Algarve Escola superior de Tecnologia Engenharia Elétrica e Eletrónica MARKETING Docente: Jaime Martins Discentes: Mário Sousa Nº25649 Mário Fontainhas Nº24148 Paulo Rodrigues Nº23615 Introdução

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

Inovação e Organização. Professora Doutora Maria José Sousa

Inovação e Organização. Professora Doutora Maria José Sousa Inovação e Organização Professora Doutora Inovação 2 O CONCEITO Sumário 3 I - INTRODUÇÃO 1. Os conceitos de inovação e de inovação organizacional 2. A inovação no contexto actual das organizações A Inovação

Leia mais

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS Planificação Anual Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência Direcção Regional de Educação do Centro Equipa de Apoio às Escolas - Leiria ANO LECTIVO - 2010/ 2011 ÁREA DISCIPLINAR DE ECONOMIA E

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

MASTER EM DIRECÇÃO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL E DE MARKETING OBJECTIVOS DO PROGRAMA A Escola de Negócios EUDEM apresenta o seu programa MCIM - Master em Direcção de Comércio Internacional e de Marketing,

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Área Departamental de Engenharia Electrotécnica. 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25. Teste de.

Área Departamental de Engenharia Electrotécnica. 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25. Teste de. Área Departamental de Engenharia Electrotécnica 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25 Teste de Gestão 1. Defina organização e enuncie os seus princípios fundamentais. Podemos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Aula 13. Roteiro do Plano de Marketing. Profa. Daniela Cartoni

Aula 13. Roteiro do Plano de Marketing. Profa. Daniela Cartoni Aula 13 Roteiro do Plano de Marketing Profa. Daniela Cartoni Plano de Marketing: Estrutura Capa ou folha de rosto 1. Sumário Executivo 2. Situação atual de marketing 3. Análise de oportunidades 4. Objetivos

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor 2014 Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para a estruturação e defesa

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre

Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação. 1.º Ano / 1.º Semestre Sinopse das Unidades Curriculares Mestrado em Marketing e Comunicação 1.º Ano / 1.º Semestre Marketing Estratégico Formar um quadro conceptual abrangente no domínio do marketing. Compreender o conceito

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONTROLADORIA DE MARKETING

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONTROLADORIA DE MARKETING Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONTROLADORIA DE MARKETING Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: 14/08/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Gestão Capítulo 3: Planeamento:

Gestão Capítulo 3: Planeamento: Gestão Capítulo 3: Planeamento: Tipos de Plano: Planos Estratégicos conjunto coerente de acções através das quais uma Organização procura alcançar as metas estratégicas (strategic goals). Longo prazo.

Leia mais

4 NOVEMBRO DE 2015 A 2 MARÇO DE

4 NOVEMBRO DE 2015 A 2 MARÇO DE MARKETING AGRÍCOLA ESPECIALIZAÇÃO 4 NOVEMBRO DE 2015 A 2 MARÇO DE 2016 14 DIAS 72H 10 MÓDULOS Iniciativa: Formação acreditada por: Media Partners: CONSUMIDOR MERCADO PRODUTO POSICIONAMENTO MARCA PRICING

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com Moçambique Agenda EVENTOS 2013 NEW!! Também in Company INSCREVA-SE EM inscrip@iirportugal.com VISITE www.iirportugal.com INOVAÇÃO Estimado cliente, Temos o prazer de lhe apresentar em exclusiva o novo

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES

FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES FORMAÇÃO PARA EMPREENDEDORES QUADRO RESUMO: FORMAÇÃO UFCD (H) Noções de Economia de Empresa 5437 25 Métodos e Práticas de Negociação 5442 50 Empresa Estrutura Organizacional 7825 25 Perfil e Potencial

Leia mais

CONCEITOS DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO EMPRESARIAL

CONCEITOS DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO EMPRESARIAL MÁRIO DE CARVALHO uma@welvitchia.com ou mjcuma@hotmail.com www.welvitchia.com 1. QUAL É A HISTÓRIA DA EMPRESA? QUAIS SÃO AS PONTO DE PARTIDA CONDIÇÕES

Leia mais

Análise SWOT. A Análise SWOT (FOFA) SWOT e FOFA FUNÇÃO DA SWOT

Análise SWOT. A Análise SWOT (FOFA) SWOT e FOFA FUNÇÃO DA SWOT Análise SWOT A Análise SWOT (FOFA) Prof. Cláudio Márcio cmarcio@gmail.com Diagnóstico estratégico que permite estabelecer relação entre os pontos fortes e fracos, oportunidades e ameaças no ambiente organizacional

Leia mais

Tutorial norma ISO 9001

Tutorial norma ISO 9001 Tutorial norma ISO 9001 Docente: Prof. Dr. José Carlos Marques Discentes-Grupo 3: Luciane F. I. Ramos Fonseca Ana Paula C. Vieira Lúcia Melim Ana Paula Neves Funchal, Maio de 2009 1. CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

-Resumo- Marketing Internacional Professor Doutor Jorge Remondes. Joana Rita Rodrigues da Silva, Número 7989. Comunicação Empresarial, 2º ano

-Resumo- Marketing Internacional Professor Doutor Jorge Remondes. Joana Rita Rodrigues da Silva, Número 7989. Comunicação Empresarial, 2º ano Marketing Internacional Professor Doutor Jorge Remondes Joana Rita Rodrigues da Silva, Número 7989 Comunicação Empresarial, 2º ano -Resumo- As estratégias de marketing são uma aposta importante tanto para

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais