ATIVIDADES DE MARKETING DAS RÁDIOS FM PAULISTANAS :

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATIVIDADES DE MARKETING DAS RÁDIOS FM PAULISTANAS :"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO - UMESP CENTRO DE COMUNICAÇÃO E ARTES CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL ATIVIDADES DE MARKETING DAS RÁDIOS FM PAULISTANAS : UM ESTUDO EXPLORATÓRIO CLAUDIO ARPAGAUS DOTTO SÃO BERNARDO DO CAMPO - S. P. 1998

2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 CAPÍTULO 1 ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURA DA RADIODIFUSÃO O Surgimento da FM no Brasil A Situação Atual O Rádio Como Mídia Publicitária CAPÍTULO 2 FUNDAMENTOS DE MARKETING APLICADOS À RADIODIFUSÃO A Função de Marketing nas Empresas A Evolução do Papel do Marketing O Enfoque e o Conceito de Marketing O Trabalho da Administração de Marketing CAPÍTULO 3 - METODOLOGIA DA PESQUISA Natureza e Delineamento da Pesquisa Seleção da Amostra Instrumentos de Coleta de Dados Questões de Estudo

3 CAPÍTULO 4 - APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS Observações Gerais Descrição dos Casos Eldorado FM FM Jovem Pan 2 FM Musical FM Gazeta FM Nova FM Análise por Tópico de Marketing CAPÍTULO 5 - CONSIDERAÇÕES FINAIS, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES Considerações Finais Limitações Recomendações BIBLIOGRAFIA ANEXOS

4 RESUMO Este trabalho é um estudo exploratório que tem por objetivo analisar as atividades de Marketing desenvolvidas pelas emissoras de rádio FM paulistanas junto aos seus dois mercados ouvintes e anunciantes. Para o desenvolvimento do trabalho foi realizada uma pesquisa de campo com seis emissoras FM da cidade de São Paulo, selecionadas segundo os critérios de estilos de programação, posição no ranking de audiência do IBOPE e transmissão de sinal. Para o levantamento dos dados foram realizadas entrevistas individuais baseadas em um roteiro. Pode-se depreender das análises das entrevistas que as emissoras pesquisadas desenvolvem atividades de Marketing em nível incipiente e de natureza reativa, isolada e improvisada Os indícios encontrados apontam para uma subutilização do potencial destas rádios, como opção de mídia. Embora se trate de um estudo exploratório, esse cenário parece não ser adequado para uma economia globalizada, marcada pela competitividade. 4

5 RELAÇÃO DE ANEXOS Anexo A Projeção de domicílios com rádio. Anexo B Número de emissoras comerciais. Anexo C Penetração dos meios de comunicação. Anexo D Investimento em mídia Brasil x Outros Países. Anexo E Investimento em propaganda Brasil x Outros Países. Anexo F Distribuição da verba publicitária por veículo dos 30 maiores anunciantes do Brasil em Anexo G Distribuição da verba publicitária por veículo dos 20 maiores anunciantes do Governo Federal em Anexo H Distribuição da verba publicitária por veículo dos 30 maiores anunciantes do Governo Estadual em Anexo I Investimento publicitário por área econômica em Anexo J 30 principais anunciantes do meio rádio. Anexo K Índice de audiência do Ibope das emissoras FM entre 94 e 97. Anexo L Perfil sócio-econômico e cultural dos ouvintes da Musical FM. Anexo M Pesquisa de Mídia Ibope e Metodologia para rádio. 5

6 INTRODUÇÃO 6

7 Introdução Este trabalho é um estudo exploratório que tem por objetivo analisar as atividades de Marketing desenvolvidas pelas emissoras de rádio FM paulistanas junto aos seus dois mercados ouvintes e anunciantes. O mercado publicitário brasileiro é um setor importante da indústria nacional que está em expansão. Quase triplicou seu faturamento nos últimos 4 anos, e em 1997 registrou a cifra recorde de US$ 8,6 bilhões (1,11% do PIB), crescendo 12,38% em relação a 1996, período em que a economia brasileira cresceu 3,5%. Pelo volume de investimento publicitário, pode-se notar que os meios eletrônicos têm uma participação significativa, não apenas sob o aspecto da difusão de mensagem de todos os tipos, mas estimulando o desenvolvimento da economia por intermédio dos incentivos ao consumo de bens e serviços e pela criação de empregos (Ortriwano, 1985). Contudo, a Televisão é o principal veículo de captação dessas verbas (50%), deixando o rádio em quarto lugar, com apenas 4% do total investido. Uma análise retrospectiva da distribuição das verbas publicitárias nos mostra que o rádio vem perdendo espaço desde o surgimento da TV. Em 1962, o rádio detinha 23,6% do investimento dos anunciantes, despencou para 8,0% em 1982 e nos últimos 5 anos tem se mantido em torno de 4,0%. 7

8 Em um comparativo entre os espaços ocupados na mídia (número de inserções) e as verbas investidas observa-se uma relação muito interessante entre as 2 variáveis 1 : A Televisão é histórica e preponderantemente o meio que detém a quantidade maior das inserções publicitárias. No ano de 1997, 71% da veiculação foi em televisão, tendo este meio absorvido 48% da verba total. O Rádio é o segundo meio de participação em inserções 24%, captando apenas 4% da verba publicitária 2. A Mídia Eletrônica fica, portanto, com 52% da verba e representa 95% dos espaços ocupados. O restante da verba e das inserções divide-se entre os meios Jornal, Revista, Outdoor e Mídia Exterior. É importante lembrar que os veículos de comunicação têm como principal fonte de receita as verbas a eles destinadas por meio das agências e de anunciantes diretos. 1 Relatório de Investimento Publicitário 1997, ACNielsen Serviços de Mídia. 2 Não são fornecidos números separados de AM e FM. 8

9 Atualmente, o rádio é um veículo amplamente disseminado, calculando-se um total de 37,8 milhões de lares brasileiros com aparelhos receptores (89,3% de penetração contra 85,1% da televisão), e 9,4 milhões em São Paulo (96,4%, contra 95,8% da TV), segundo relatório Mídia Dados Além disso, o rádio tem ampla penetração nos vários segmentos da população da cidade de São Paulo 88% ( 73% FM e 38% AM), contra 96% da TV, único veículo com penetração acima da do rádio. Entretanto, em alguns segmentos específicos, o rádio ultrapassa 90% de penetração, como por exemplo, na classe A/B de ambos os sexos com idade de entre 15 e 24 anos 96%, segundo dados do relatório Marplan Em relação às rádios FM, a pesquisa Painel do Ibope sobre Cobertura Total para 15 dias (24horas), mostra que estas emissoras possuem uma penetração para as várias faixas etárias equivalente à da televisão. Por exemplo, na idade de 10 a 14 anos (96%), entre 15 e 19 (99%), entre 20 e 24 (98%) e na faixa de 25 a 29 (97%). Comparando o poder de penetração do rádio com os outros meios, o Jornal possui 44% de penetração, a Revista 61%, o Cinema 26% e o Teatro com 11%. O rádio é, portanto, um meio forte e poderoso. 3 Relatório sobre Mídia do Grupo de Mídia de São Paulo

10 Apesar de seu alcance, penetração, agilidade e tradição, que fazem dele o meio de maior credibilidade junto ao público, o rádio ressente-se de um certo marasmo, que o transformou em uma espécie de primo pobre das grandes mídias. Se fizermos uma análise dos investimentos publicitários dos últimos 4 anos do relatório da ACNielsen, verificaremos que os grandes anunciantes não têm investido em rádio. O meio é sempre deixado para segundo plano nas estratégias de mídia. Esta característica de mídia secundária para a maioria das campanhas publicitárias levou o mercado ao desconhecimento da força de atuação do rádio (Yoshihara, 1994). Some-se a tudo isso, ainda uma pulverização do número de emissoras existentes o rádio é, sem sombra de dúvida, o mais pulverizado e disperso dos grandes meios de comunicação de massa acima de 2000 no Brasil e acima de 50 na capital paulista, as interferências das rádios piratas e a falta de visão empresarial de muitos proprietários de rádio, que usam os veículos como instrumentos de promoção política ou de catequese religiosa. De todas as emissoras existentes no país, 40% pertencem a políticos, 20% são de seitas evangélicas, 20% da igreja católica e apenas 20% são gerenciadas por empresários da iniciativa privada (Moura, 1997). Isto é um dos principais fatores que leva à desunião do setor. 10

11 Se para qualquer veículo de comunicação a união em torno de uma entidade profissional que os represente é indispensável, no caso do rádio, há barreiras, justamente, em função da grande quantidade de emissoras e das diferentes características, necessidades e interesses de seus proprietários. No estágio em que se encontra o setor no país, a profissionalização definitiva, o aprimoramento do instrumental técnico de mídia, a sofisticação e ampliação das pesquisas, o desenvolvimento das formas de comercialização, são algumas das barreiras que o meio precisaria transpor para conquistar maior participação no investimento publicitário brasileiro. O rádio também vem negligenciando o Marketing como instrumento de ação e de desenvolvimento, prática esta que parece ser comum a boa parte dos veículos de comunicação do país (Marcondes, 1989). A essência das atividades de Marketing em uma organização reside no desenvolvimento de uma relação eficaz de troca com o ambiente, o que constitui o elo de ligação entre os objetivos da empresa e a expectativa do cliente, que quer ter suas necessidades e desejos plenamente atendidos (Kotler, 1995). E do que trata o Marketing? A mais clássica definição diz que Marketing é pensar e atender às necessidades dos clientes (Levitt, 1985). Logo, a empresa que pratica o Marketing, pratica uma orientação voltada para o conhecimento daquilo que o cliente deseja e do que fazer para atendê-lo melhor. Isso porque, se uma empresa não for a que atende melhor ao cliente, 11

12 logo haverá outra para fazê-lo e ocupar o lugar que poderia ser dela no mercado. Resta saber então de que forma essas atividades e decisões de Marketing são utilizadas para efetivar a relação de troca entre as emissoras e o seu mercado de maneira propícia à consecução dos objetivos pretendidos pelas mesmas. Para Neto (1995), as rádios precisam estudar o mercado, desenvolver bons projetos e oferecer soluções mais criativas, criadas a partir da necessidade de determinados clientes. Surgem, então, algumas indagações: a emissora seria capaz de conhecer o seu mercado (tamanho, potencial, necessidades etc.) e conseguir aproveitar convenientemente suas oportunidades de negócios, somente com a realização dessas atividades, efetivadas de forma natural, assistemática e sem a utilização de qualquer técnica? Mais ainda: em que nível a realização das atividades de Marketing revelariam que as emissoras de fato estariam orientadas para o mercado? Essas e outras dúvidas representam, as razões iniciais que levaram o autor ao presente estudo, julgando que a busca de esclarecimentos em torno delas representaria uma importante contribuição inicial ao estudo das atividades de Marketing nas emissoras de rádio. Marketing, assim como Rádio, são temas importantes que têm sido alvo de análises pelos pesquisadores. Entretanto, artigos e/ou livros que tratem da 12

13 parte comercial das rádios, ou seja, das estratégias de Marketing aplicadas pelas rádios, são muito escassos. Ortriwano (1985) observou que, se os estudos, as análises sobre o fenômeno radiofônico são escassos, menor ainda é a quantidade de contribuições práticas visando a melhorar o conteúdo das emissoras e a propor novas alternativas para esse meio de comunicação poderoso e mal aproveitado. A distância entre a realidade do nosso rádio e o que ele poderia ser, é muito grande, conclui. Há autores que desenvolveram trabalhos específicos do Marketing para as rádios; Sol Robinson (1974), em Radio Advertesing How do Sell it & Write it, aborda a propaganda no rádio enfatizando os anunciantes e as rádios locais. Além disso, examina vários setores de atividade e profissões, considerando os clientes potenciais para o meio rádio. Para as categorias mais importantes para o rádio, faz sugestões de propaganda; enquadra-se nessa abordagem o trabalho de Ted E. F. Roberts (1992), Practical Radio Promotions, em que analisa técnicas específicas de promoção para o rádio. Contribuindo com estruturas específicas para o Marketing de rádio encontrase o trabalho da National Retail Merchants Association (1975), How to Profit from Radio Advertising, que oferece uma obra direcionada à aplicação da comunicação em rádio para o varejo. Estudando a natureza do entendimento do ouvinte, apresenta-se a obra de Hugo Schlesinger (1964), que oferece uma análise psicológica do ouvinte de rádio. 13

14 Godfrey W. e Ashley Page Herweg (1997), em seu livro Radio s Niche Marketing Revolution, critica o Marketing de massa, tendo em vista a crescente fragmentação do mercado e propõe que as emissoras que entenderem e aplicarem o Marketing de Nicho, terão uma vantagem competitiva no século 21. Marcos Cobra e Flávio Zwarg (1987), no livro Marketing de Serviços, escreveram um capítulo sobre a Estratégia de Marketing para o Setor de Serviços de Comunicação no Brasil, em que abordam alguns elementos do composto mercadológico para os veículos de comunicação incluindo a pesquisa e complementando com os fatores críticos de sucesso e vantagens competitivas. Daí, a origem deste estudo, cujo objetivo pode assim ser definido: Levantar e analisar dados sobre como as emissoras de rádio FM paulistanas desenvolvem as suas atividades de Marketing no mercado. Esta análise poderá servir de referência para as rádios atuarem no mercado de modo mais profissional, isto é, para auxiliar na consecução dos seus negócios, visando a um aumento na participação da verba publicitária. Enquanto forma de apresentação, além desta parte introdutória, o estudo foi desenvolvido em cinco capítulos. 14

15 O capítulo um mostra a situação atual da radiodifusão, discorrendo sobre o surgimento das emissoras FM no Brasil, em seguida dá uma visão da radiodifusão no Brasil, para finalizar com a caracterização do meio rádio enquanto Mídia. No capítulo dois foram apresentados os princípios fundamentais de Marketing, estabelecendo um posicionamento atual através da consideração de sua evolução e delineando o esquema a ser adotado, baseado nos quatro pilares colocados por Kotler (1995). A seguir, passa-se à descrição de como o estudo foi realizado, através da apresentação da sua metodologia. No capítulo 4 consta a apresentação e análise dos resultados da pesquisa de campo, em que delineou-se o quadro encontrado nas emissoras pesquisadas e em seguida foi desenvolvida uma análise por tópico de Marketing. O quinto capítulo é dedicado às considerações finais obtidas a partir da análise das entrevistas. Há também as limitações inerentes ao estudo, bem como algumas recomendações que poderão ser valiosas para futuros estudos sobre o assunto. O presente trabalho não pretende oferecer soluções para os desafios mercadológicos que as emissoras de rádio FM enfrentam; porém procura analisar alguns pontos que sustentam ser a prática das atividades de Marketing para as rádios no Brasil, algo ainda embrionário e defasado em relação às conquistas de outros setores. 15

16 CAPÍTULO 1 ORGANIZAÇÃO E ESTRUTURA DA RADIODIFUSÃO 16

17 1.1 - O Surgimento da FM no Brasil Como e quando a freqüência modulada foi introduzida no país? Quais os fatores que contribuíram para o crescimento vertiginoso no número de emissoras FM nos últimos quinze anos? Estas e outras perguntas ainda não foram respondidas até a momento. Na verdade, há carências de estudos que indiquem o processo de implantação e consolidação das emissoras FM no Brasil. Del Bianco (1993) em seu artigo, conta um pouco da história dessa freqüência a partir da análise de documentos do Ministério das Comunicações portarias, estatísticas da década de 70 os quais indicam ação deliberada do regime militar em estimular a implantação de emissoras para consolidar o processo de interiorização da radiodifusão no país. No início do século 20, pesquisadores norte-americanos procuravam uma fórmula para reduzir a largura da faixa necessárias às emissoras AM. O objetivo era conseguir o aumento do número de emissoras dentro de uma determinada faixa. Em 1922, o inglês J. Carson provou matematicamente que a transmissão em freqüência modulada exigiria uma largura de faixa pelo menos duas vezes a freqüência de 15 quilohertz. A descoberta frustrou a expectativa de que o processo poderia resolver os problemas relativos ao limite do espectro. (Barbosa, 1986; In: Del Bianco, 1993). 17

18 Quatro anos depois, o pesquisador norte-americano Edwin Armstrong fez os primeiros testes com transmissão em FM. Porém, somente em 1936, Armstrog fez uma demonstração definitiva com o transmissor FM que construíra na cidade de Alpine, Nova Jersey (Barbosa, 1987; In: Del Bianco, 1993). O pesquisador provou que a vantagem do sistema estava na recepção, pois as ondas em FM são praticamente insensíveis aos ruídos atmosféricos. Para testar a teoria de Armstrong, a BBC de Londres construiu receptores AM e FM na faixa de 90 a 100 megahertz: O teste revelou que os receptores AM necessitavam de uma intensidade de campo nas suas antenas de 1mV/m (1000uV/m) para uma dada relação de ruído, enquanto a mesma relação era obtida pelos receptores FM com a metade da intensidade do campo. (Barbosa, 1986; In: Del Bianco, 1993) Este detalhe técnico proporcionou qualidade sonora e deu impulso comercial à FM, apesar do reduzido alcance de suas ondas. Nos Estados Unidos, a Era FM teve início nos anos 40, com a implantação de várias emissoras que criaram anos depois um estilo de programação imitada em todo mundo. Programas únicos de formato contínuo, baseados especialmente na figura do disc-jóquei, cujo estilo de locução vibrante e ágil era dirigido ao público jovem (Vampré, 1979; In: Del Bianco, 1993). 18

19 Enquanto nos Estados Unidos proliferavam as FMs, devido às vantagens técnicas e econômicas que apresentavam, aqui no Brasil a freqüência era utilizada na década de 50 como link que ligava o estúdio e o transmissor de emissoras AM. Ainda na década de 50, a freqüência também foi utilizada para fornecimento de música ambiente à indústria, a escritórios e hospitais. A primeira do gênero foi a Rádio Imprensa do Rio de Janeiro, criada em 1955 (Ortriwano, 1985), que começou vendendo sua programação para as lojas de disco. Esta possuía dois canais: um comercial e outro não comercial, cuja programação era vendida para lojas e escritórios (Moreira, 1991). Ainda naquele período surgiram a Rádio Eldorado de São Paulo, que repetia a mesma programação da AM, e a Rádio Tropical de Manaus. Moreira (1991) comenta que, segundo depoimento de Fernando Veiga, na época coordenador geral do Sistema Rádio Jornal do Brasil, na década de 60, o governo resolveu reestruturar o espectro FM. Cassou as antigas concessões para uma posterior redistribuição, proibindo, em 1968, o uso do FM como link. Propôs então aos empresários outra forma de fazer link: através de VHF, obrigando-os com a nova concessão a manter uma programação exclusiva para o FM. Até meados da década de 70, o rádio FM no Brasil era inexpressivo; não tinha alcance popular por vários fatores. Primeiro, os empresários de rádio consideravam desvantajoso investir na expansão de uma freqüência de alcance reduzido, quando tinham o objetivo de atingir o maior público 19

20 possível. Segundo, praticamente inexistiam aparelhos de recepção a preço acessível que captassem as faixas AM e FM. Os aparelhos existentes eram importados e de alto custo. E terceiro, o estilo de programação das cinqüenta emissoras instaladas até 1970 era totalmente insípido quanto à seleção musical e à locução, e não atraía ouvintes nem despertava interesse comercial maior, além da venda do serviço a hospitais e escritórios. Este quadro mudou paulatinamente, a partir de 1973, ante a ação deliberada do regime militar em expandir o sistema de comunicação promovendo sua reorganização com o objetivo de integrar e desenvolver o país. Com o incentivo à instalação de FMs, o governo militar criava mais uma opção para o público e realimentava comercialmente o setor da radiodifusão à beira de um colapso. Por isso, a FM na década de 70 pode ser comparada a um produto lançado no mercado por uma empresa sedimentada há anos sem conquistar novas posições (Del Bianco, 1993). Depois do marasmo comercial a que se viu relegado o rádio a partir dos anos 60, motivado pela perda da qualidade técnica e de público, a FM trouxe um alento tecnológico. O ouvinte ganhou programação diversificada com qualidade de som, exatamente quando estava em moda a mania do som, o gosto pelos sofisticados amplificadores, toca discos e gravadores que reproduzem músicas com a mais alta qualidade. Para compor a aparelhagem, o sintonizador FM passou a ser peça indispensável. E muitos acabaram adotando o hobby de gravar músicas transmitidas em FM. 20

21 Mais do que uma novidade tecnológica, a FM revolucionou o rádio brasileiro pela qualidade sonora e o novo estilo de programação musical e conquistou o público jovem afastado das emissoras AM, que mantinham programação voltada para donas de casa. A Rádio Cidade, fundada no Rio de Janeiro em 1977, abriu caminho nessa direção. No final do decênio de 70, algumas emissoras de São Paulo sentiram a necessidade de se unir para melhor poderem agir no sentido de expandir o meio. Assim, com a finalidade de defender os interesses de suas associadas, foi fundada a a Sociedade Central de Rádio. Entre os objetivos da entidade estavam o fortalecimento da imagem do rádio enquanto mídia, junto a agências e anunciantes. Para isso, passou a realizar pesquisas, montar apresentações e seminários para homens de Marketing e homens de Mídia, instrumentando o setor com dados e informações até então dispersas e pouco confiáveis. Em 1982, portanto aos 60 anos de idade, o rádio brasileiro, enquanto veículo de comunicação e como mídia, passava por momentos não muito alentadores. O rádio, no início dos anos 60, tinha sido responsável por cerca de 23 % das verbas publicitárias destinadas à mídia em geral. Mas a penetração da TV foi crescendo, até se tornar praticamente absoluta. Já nos anos 80, atingia quase o país inteiro (embora ainda não estivesse presente em todos os domicílios). 21

22 E o rádio foi perdendo participação no bolo publicitário, até chegar, aos 60 anos de vida, com apenas 8 % do total. Uma das saídas à vista para um meio de história tão avassaladoramente popular era o caminho oposto às audiências de massa: a segmentação e a qualificação. Foi através delas que o rádio buscou, na década de 80, um outro perfil para si mesmo. A partir dos anos 80, estudos já mostravam que as FMs começavam a ter uma maior penetração junto ao público em relação às AMs. Música, esporte e notícias constituem o tripé da programação das FMs, que a cada dia se fragmentam mais e buscam nichos específicos no mercado. Mais visível nos grandes centros urbanos, a tendência para a segmentação é uma resposta natural ao excesso de emissoras em determinadas áreas e mercados. As rádios FM tomaram a dianteira na busca de públicos segmentados, os quais tornaram a audiência mais qualificada. Exemplo disso é o caso da rádio Eldorado, direcionada para o ouvinte classe A, mas com programação voltada prioritariamente para o segmento interessado em artes, cultura e esportes nobres, como tênis e iatismo. 22

23 Definitivamente, a FM conquistou o público jovem, embalando-o com músicas dançantes e no estilo à vontade de seus locutores. Esta adesão do jovem à freqüência trouxe incentivo comercial para o rádio, que, ao longo dos anos, havia perdido prestígio para a televisão. A década de 90 é marcada pela formação de redes nacionais, com dezenas ou até centenas de emissoras regionais transmitindo uma programação unificada para os mais diversos pontos do país. O objetivo principal dessa nova tendência está ligado unicamente a fatores econômicos: fortalecer o rádio como alternativa publicitária, procurando obter maior lucratividade com menor investimento. As emissoras que fazem parte de uma rede, recebem, ao mesmo tempo, programação e patrocinador. Em 1991, foi o início das transmissões de rádio com o uso do satélite. A primeira rede brasileira de FM a utilizar satélite foi a Transamérica. Hoje, conta com 28 emissoras, em quatro modalidades: 6 emissoras próprias (número máximo permitido por legislação), 16 afiliadas, que recebem programação e são comercializadas pela rede: 3 afiliadas que apenas recebem programação e outras 3 que são apenas comercializadas. Atinge os Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco, Paraná, Bahia, Minas Gerais, Sergipe, Pará, Santa Catarina, Maranhão, Paraíba, Mata Grosso e Brasília. A programação é dividida em dois segmentos: um nacional, em rede, correspondendo a 50% do tempo, apresentando sucessos musicais e programas especiais; outro, local, feito por cada emissora, ocupando o restante do tempo (Ortriwano, 1985). 23

24 Podemos dizer que as redes de rádio ainda estão se estruturando, com vistas à melhor exploração das suas potencialidades comerciais A Situação Atual Entre os meios de comunicação de massa, o rádio é, sem dúvida, o mais popular, possuindo grande penetração entre os diversos público, não só no Brasil como também em todo o mundo (Ortriwano, 1985). Com o advento da televisão brasileira, o rádio adaptou-se a nova realidade surgida transformando-se em uma fonte de diversão, entretenimento, informação e serviços com forte apelo popular. É agora um veículo amplamente disseminado, calculando-se, em 1997, um total de 38 milhões de lares brasileiros com aparelhos receptores (89,3% de penetração) e 9,4 milhões de domicílios com rádio em São Paulo (96,4% de penetração), segundo relatório Mídia Dados Nas páginas seguintes são apresentados alguns quadros sobre o perfil do rádio no Brasil, os quais mostram sua real força e importância no cenário brasileiro de comunicação. Houve uma evolução significativa no número de domicílios com rádio no Brasil, passando de 4,7 milhões em 1960 (35,4%) para 37,8 milhões em 1997 (89,3%). 24

25 EVOLUÇÃO DOS DOMICÍLIOS COM RÁDIO NO BRASIL ANO Nº. ABSOLUTO POSSE ( % ) , , , , , , , ,3 Fonte: Relatório Mídia Dados 1997 Em todas as regiões são altos os índices de posse de aparelhos de rádio, variando de 79,8% na região Nordeste a 94,5% na região Sudeste. A seguir, vemos a projeção de domicílios com rádio por região. PROJEÇÃO DE DOMICÍLIOS COM RÁDIO POR REGIÃO 1997 REGIÃO DOMICÍLIOS ( TOT ) POSSE ( % ) NORTE ,7 NORDESTE ,8 CENTRO-OESTE ,7 SUDESTE ,5 SUL ,1 Fonte: Relatório Mídia Dados

26 No anexo A, complementamos estes dados, mostrando a projeção de domicílios com rádio por região e estado em Segundo dados da Associação Brasileira das Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT), é de o total de emissoras de rádio comerciais em funcionamento no Brasil. No anexo B podemos ter uma visão da distribuição do número de emissoras de rádio comerciais por região e Estado em funcionamento segundo a mesma associação. A exemplo da televisão, muitas emissoras de rádio se constituíram em redes, as quais permitem uma redução dos custos de produção e o conseqüente aumento da lucratividade. PRINCIPAIS REDES DE RÁDIO DO BRASIL - AM/FM REDES NÚMERO DE EMISSORAS REDE LÍDER - SAT 44 JOVEM PAN SAT - FM 44 REDE BANDEIRANTES - AM 39 ANTENA 1 SAT 37 GAÚCHA SAT 37 REDE TRANSAMÉRICA 35 CBN 27 JOVEM PAN SAT AM 21 REDE BANDEIRANTES FM 12 Fonte: Relatório Mídia Dados

27 As conquistas tecnológicas trouxeram condições para o inegável avanço do consumo do rádio. A invenção do transistor, por exemplo, possibilitou a portabilidade do rádio e sua conseqüente individualização, fenômeno que se solidificou com a moda do walkman. Os receptores de rádio em veículos se tornaram comuns a ponto de algumas emissoras se especializarem em programas de serviços dirigidos para um novo público: os motoristas de automóveis de passeio e caminhões. Também a miniaturização dos aparelhos, com as versões reunindo AM e FM, reduziu drasticamente seus custos e tornou o rádio acessível a todos. Este veículo vai assumir, então, suas características de meio individual, de consumo quase que essencialmente privado, por uma pessoa apenas ou um grupo delas de enorme afinidade. Em seu conjunto, este quadro deu sustentação para que o consumo de rádio se manifeste em percentuais bastante semelhantes em amplas faixas e segmentos da população brasileira. O quadro seguinte mostra a faixa de penetração do meio rádio em vários segmentos da população. 27

28 PENETRAÇÃO DO RÁDIO POR SEGMENTO PÚBLICO AM + FM FM AMBOS OS SEXOS AMBOS OS SEXOS AB 15/ HOMENS HOMENS AB HOMENS 15/ MULHERES MULHERES AB MULHERES 15/ DONAS-DE-CASA DONAS-DE-CASA AB DONAS-DE-CASA CDE Fonte: Estudo Marplan 1997 ambos os sexos 10/65, classe ABA grande São Paulo. A seguir, são mostrados alguns dados sobre o perfil dos consumidores do meio rádio, penetração e cobertura (Brasil e São Paulo), por sexo, classe social e faixa etária (10 a 65 anos), segundo dados da Marplan 9 mercados (1996 duplo período), extraídos do relatório Mídia Dados

29 PERFIL DOS CONSUMIDORES DO MEIO RÁDIO (10 A 65 ANOS) SEXO FAIXA ETÁRIA Mulheres - 52 % 10/14-13 % Homens - 48 % 15/19-12 % 20/29-25 % CLASSE SOCIAL 30/39-22 % A - 9 % 40/49-14 % B - 22 % 50/65-13 % C - 39 % D/E - 30 % PENETRAÇÃO DO MEIO RÁDIO - 10 A 65 ANOS SEXO FAIXA ETÁRIA Mulheres - 92 % 10/14-93 % Homens - 91 % 15/19-97 % 20/29-95 % CLASSE SOCIAL 30/39-92 % A - 91 % 40/49-88 % B - 92 % 50/65-83 % C - 92 % D/E - 90 % 29

30 PENETRAÇÃO DO RÁDIO AM E FM - 10 A 65 ANOS SÃO PAULO SEXO ( % ) FAIXA ETÁRIA ( % ) AM FM TOT AM FM TOT Mulheres / Homens / / CLASSE SOCIAL ( % ) 30/ AM FM TOT 40/ A / B C D/E EVOLUÇÃO DA COBERTURA( % ) - SÃO PAULO ( 24 HORAS - SEGUNDA A DOMINGO ) POPULAÇÃO COM 10 ANOS + : AM FM TOT 2 dias dias dias dias

ATIVIDADES DE MARKETING DAS RÁDIOS FM PAULISTANAS : UM ESTUDO EXPLORATÓRIO

ATIVIDADES DE MARKETING DAS RÁDIOS FM PAULISTANAS : UM ESTUDO EXPLORATÓRIO ATIVIDADES DE MARKETING DAS RÁDIOS FM PAULISTANAS : UM ESTUDO EXPLORATÓRIO CLAUDIO ARPAGAUS DOTTO (UMESP) RESUMO Este trabalho é um estudo exploratório que tem por objetivo analisar as atividades de Marketing

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

MIDIA KIT 2015 www.naporteiracast.com.br

MIDIA KIT 2015 www.naporteiracast.com.br MIDIA KIT 15 www.naporteiracast.com.br O QUE É PODCAST? O termo podcast é a junção das palavras ipod (dispositivo de reprodução de arquivos digitais fabricado pela Apple) e broadcast (transmissão, em inglês).

Leia mais

Investimento em mídia no Brasil - Projeto Inter-Meios (em R$ bilhões)

Investimento em mídia no Brasil - Projeto Inter-Meios (em R$ bilhões) Investimento em mídia no Brasil - Projeto Inter-Meios (em R$ bilhões) O share dos meios - 2012 Investimento por setor econômico - 2012 Investimento em mídia no Brasil e participação de cada meio Inter-Meios

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina Mídia - 2015.1 Nilmar Figueiredo 1 2 3 4 Calendário Acadêmico Comentários Apresentação da Disciplina Sistema de Avaliação 1 - Apresentação da Disciplina O que é Mídia? Departamento de Mídia - Organização

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Capítulo 18 Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Questões abordadas no capítulo Quais são as etapas envolvidas

Leia mais

PROJETO EXEMPLO. Os aparelhos de som compactos da Sonic. Situação do mercado. Situação do produto

PROJETO EXEMPLO. Os aparelhos de som compactos da Sonic. Situação do mercado. Situação do produto PROJETO EXEMPLO Os aparelhos de som compactos da Sonic Jane Melody é a gerente de produto da linha de aparelhos de som compactos da Sonic. Cada sistema consiste em um amplificador/rádio AM-FM, um aparelho

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal Rádio Digital Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal Roberto Pinto Martins Secretário rio de Telecomunicações Ministério das Comunicações Sumário 1. Cenário

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

A Realidade dos mercados regionais. Antonio Ricardo Ferreira

A Realidade dos mercados regionais. Antonio Ricardo Ferreira A Realidade dos mercados regionais Antonio Ricardo Ferreira Pesquisas nos mercados regionais É importante regionalizar o planejamento de mídía? Existem pesquisas regulares para viabilizar esta regionalização?

Leia mais

Comunicação Integrada de marketing.

Comunicação Integrada de marketing. Comunicação Integrada de marketing. - COMPOSTO DE COMUNICAÇÃO - 4 A s - 4 C s Comunicação: é a transmissão de uma mensagem de um emissor para um receptor, de modo que ambos a entendam da mesma maneira.

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas:

Conceitos e técnicas. Devem ser contempladas algumas atividades típicas de vendas: Administração da equipe de vendas (Neste texto de apoio: Conceitos e técnicas e Plano de ação de vendas) Conceitos e técnicas A correta administração da equipe de vendas é fundamental para o bom desempenho

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

A Tecnologia Digital na Radiodifusão

A Tecnologia Digital na Radiodifusão A Tecnologia Digital na Radiodifusão Painel Setorial de Telecomunicações INMETRO/XERÉM-RJ 27 de outubro de 2006 Ronald Siqueira Barbosa O O pobre e o emergente de hoje são s o aqueles que no passado, perderam

Leia mais

Digital no Brasil Audiência PúblicaP 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, - CCT

Digital no Brasil Audiência PúblicaP 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, - CCT Implantação do Rádio R Digital no Brasil Audiência PúblicaP Brasília 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática - CCT Ronald Siqueira Barbosa Lembrando a importância

Leia mais

Incentivar, desenvolver, regulamentar e promover o uso dos meios interativos;

Incentivar, desenvolver, regulamentar e promover o uso dos meios interativos; Missão do IAB Brasil Incentivar, desenvolver, regulamentar e promover o uso dos meios interativos; Criar normas e padrões para o planejamento, criação, compra, venda, veiculação e mensuração de mensagens

Leia mais

Linguagem Radiofônica Aula 2 História do rádio O Surgimento do Rádio

Linguagem Radiofônica Aula 2 História do rádio O Surgimento do Rádio Linguagem Radiofônica Aula 2 História do rádio O Surgimento do Rádio O desenvolvimento do rádio como MCM faz parte da expansão capitalista. Apesar do senso comum atribuir a invenção do rádio ao italiano

Leia mais

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 EBITDA atingiu a soma de R$ 391 milhões no ano passado São Paulo, 24 de março de 2010 A Algar Telecom, empresa de telecomunicações do Grupo Algar,

Leia mais

RÁDIO DIGITAL Desafios e transformações desse novo veículo 16/09/2008. Érika Andréa de Melo Travassos * 1. Introdução

RÁDIO DIGITAL Desafios e transformações desse novo veículo 16/09/2008. Érika Andréa de Melo Travassos * 1. Introdução RÁDIO DIGITAL Desafios e transformações desse novo veículo 16/09/2008 Érika Andréa de Melo Travassos * 1. Introdução Quando o rádio foi criado, no século XIX, acreditava-se que era o fim das publicações

Leia mais

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

Marketing Empresarial MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE Marketing Empresarial Capítulo 1 Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações de troca,

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

SOCIAL MIX A MÍDIA TRADICIONAL E AS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DO SOCIAL TV. Outubro de 2012 www.elife.com.br twitter.com/elife_br

SOCIAL MIX A MÍDIA TRADICIONAL E AS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DO SOCIAL TV. Outubro de 2012 www.elife.com.br twitter.com/elife_br SOCIAL MIX A MÍDIA TRADICIONAL E AS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS DO SOCIAL TV Este paper faz parte de uma série elaborada pela E.life/Social Agency que aborda como as tradicionais disciplinas do Mix de Comunicação

Leia mais

Como participar pequenos negócios Os parceiros O consumidor

Como participar pequenos negócios Os parceiros O consumidor Movimento incentiva a escolha pelos pequenos negócios na hora da compra A iniciativa visa conscientizar o consumidor que comprar dos pequenos é um ato de cidadania que contribui para gerar mais empregos,

Leia mais

CICLO DE VIDA E ORGANIZAÇÃO DO PROJETO

CICLO DE VIDA E ORGANIZAÇÃO DO PROJETO CICLO DE VIDA E ORGANIZAÇÃO DO PROJETO PROJETO CONCEITO DESENVOLVIMENTO PRODUTO + = Todo projeto inicia-se com a necessária clareza sobre seu escopo e os documentos: o termo de abertura a declaração do

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

FALANDO PARA O MUNDO. www.espm.br/centraldecases

FALANDO PARA O MUNDO. www.espm.br/centraldecases FALANDO PARA O MUNDO www.espm.br/centraldecases FALANDO PARA O MUNDO Preparado pelo Prof. Marcus S. Piaskowy. Este caso foi escrito inteiramente a partir de informações cedidas pela empresa e outras fontes

Leia mais

3 Apresentação do caso

3 Apresentação do caso 3 Apresentação do caso Neste capítulo será contextualizado o mercado de telefonia móvel no Brasil, com a descrição dos principais concorrentes e a participação de mercado de cada um deles, a apresentação

Leia mais

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE

MARKETING EMPRESARIAL MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO EMPRESARIAL E SUSTENTABILIDADE MARCO ANTONIO LIMA GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Marketing: uma introdução Introdução ao Marketing O que é Marketing Marketing é a área do conhecimento que engloba todas as atividades concernentes às relações

Leia mais

OBJETIVOS DE MARKETING

OBJETIVOS DE MARKETING CASE Banco do Brasil Todo Seu O Banco do Brasil é a mais antiga instituição bancária brasileira. Reconhecido como fundamental para o desenvolvimento econômico e social do país, é também o maior banco da

Leia mais

Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade

Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade Informações Gerais A Nielsen recentemente pesquisou mais de 25.000 consumidores online em

Leia mais

Anuncie na Play! PROPOSTA COMERCIAL. Prezados,

Anuncie na Play! PROPOSTA COMERCIAL. Prezados, PROPOSTA COMERCIAL Prezados, Apresentamos a V.Sas. proposta de prestação de serviços de veiculação de anúncios publicitários na rádio Play FM, sintonizada na frequência 107,5 do dial FM dos rádios e acessada

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

CONVITE COMERCIAL Rio de Janeiro, 2014

CONVITE COMERCIAL Rio de Janeiro, 2014 CONVITE COMERCIAL Rio de Janeiro, 2014 O Rio ao Vivo é a primeira plataforma de transmissão online, em tempo real,com imagens de alta qualidade dos locais mais movimentados do Rio de Janeiro para o mundo.

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO MARKETING:

A EVOLUÇÃO DO MARKETING: A EVOLUÇÃO DO MARKETING: ( 4 Gerações ): Primeira Geração - Ajudar a Vender - antes da II Guerra até o início dos anos 60 Segunda Geração - Ajudar a fazer o melhor para os consumidores - início dos anos

Leia mais

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de Metas das Comunicações de Marketing: Criação de consciência informar os mercados sobre produtos, marcas, lojas ou organizações. Formação de imagens positivas desenvolver avaliações positivas nas mentes

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

Sistemas de Informação Conceitos fundamentais - Dados. Sistemas de Informação Conceitos fundamentais - Informação

Sistemas de Informação Conceitos fundamentais - Dados. Sistemas de Informação Conceitos fundamentais - Informação Sistemas de Informação Conceitos fundamentais - Dados Definimos dado como uma seqüência de símbolos quantificados ou quantificáveis. Portanto, o texto é um dado. De fato, as letras são símbolos quantificados,

Leia mais

Luau Bom D+ Bom D+ Verão. Desafio Ciclístico

Luau Bom D+ Bom D+ Verão. Desafio Ciclístico 4 Luau Bom D+ 10 Bom D+ Verão 16 Desafio Ciclístico 22 Triathlon Bahia de Todos os Santos 28 Revezamento a Nado Farol a Farol 34 Carnaval 2013 Record Bahia O que já era bom ficou ainda melhor. A primeira

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

MÍDIA MATERIAL DE REFERÊNCIA TEÓRICA 01. Prof. Rodrigo Duguay a partir de material base da Profa. Dra. Karla Patriota

MÍDIA MATERIAL DE REFERÊNCIA TEÓRICA 01. Prof. Rodrigo Duguay a partir de material base da Profa. Dra. Karla Patriota MÍDIA MATERIAL DE REFERÊNCIA TEÓRICA 01 Prof. Rodrigo Duguay a partir de material base da Profa. Dra. Karla Patriota MÍDIA Definição Mídia. Sf (ing. mass media) Propag. 1 Veículo ou meio de divulgação

Leia mais

Cultura HD segundo lugar de audiência é retorno rápido e garantido

Cultura HD segundo lugar de audiência é retorno rápido e garantido Mídia Kit Cultura HD A Cultura HD faz parte do Grupo Integração, um grupo multimídia composto por quatro emissoras de televisão afiliadas Rede Globo, quatro emissoras de Rádio, um portal de internet, uma

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

JORNAL DO COMMERCIO 2015 ALMANAQUE PUBLICITÁRIO JC MODA & ACESSÓRIOS

JORNAL DO COMMERCIO 2015 ALMANAQUE PUBLICITÁRIO JC MODA & ACESSÓRIOS JORNAL DO COMMERCIO 2015 ALMANAQUE PUBLICITÁRIO JC MODA & ACESSÓRIOS APRESENTAÇÃO O Jornal do Commercio faz parte do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação, empresa do grupo JCPM, que atua também nos

Leia mais

ÍNDICE. Sumário. Expositores. Marketing e Comunicação. Galeria de Fotos

ÍNDICE. Sumário. Expositores. Marketing e Comunicação. Galeria de Fotos POST SHOW REPORT ÍNDICE Sumário Expositores Visitantes Marketing e Comunicação Galeria de Fotos SUMÁRIO SUMÁRIO EXECUTIVO NOVIDADES DE ALTA TECNOLOGIA E NEGÓCIOS FECHADOS MARCAM A FENATRAN 2009 Maior evento

Leia mais

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização PLANO DE MARKETING Ferramenta importante do plano estratégico de uma empresa. Deve estar em perfeita sintonia com os objetivos estabelecidos pela empresa. É um passo para a elaboração do PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE ESPAÇO PARA EXECUÇÃO DE VÍDEOS E SPOTS PUBLICITÁRIOS EM JUKEBOX DIGITAL GUIA DE REFERÊNCIA PARA OPERADORES ASSOCIADOS

CONTRATAÇÃO DE ESPAÇO PARA EXECUÇÃO DE VÍDEOS E SPOTS PUBLICITÁRIOS EM JUKEBOX DIGITAL GUIA DE REFERÊNCIA PARA OPERADORES ASSOCIADOS 1 CONTRATAÇÃO DE ESPAÇO PARA EXECUÇÃO DE VÍDEOS E SPOTS PUBLICITÁRIOS EM JUKEBOX DIGITAL GUIA DE REFERÊNCIA PARA OPERADORES ASSOCIADOS 1. INTRODUÇÃO OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO 2. CONCEITO PARA A PRESTAÇÃO

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social O SISTEMA DE RÁDIO DIGITAL: A MODERNIZAÇÃO DO M.C.M. MAIS POPULAR DO PLANETA Texto redigido para embasar apresentação de seminário na

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Gestão de Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Branding Publicidade e propaganda Comunicação Digital Comunicação Empresarial Prof. Msc Alice Selles

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados análise, a seguir, tem como objetivo apresentar a organização, o A perfil e o dimensionamento do setor de Tecnologia da Informação e Comunicação - TIC, no Brasil, enfocando os principais

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

JORNAL DO COMMERCIO 2014. Almanaque Publicitário JC FINANÇAS

JORNAL DO COMMERCIO 2014. Almanaque Publicitário JC FINANÇAS FINANÇAS APRESENTAÇÃO O Jornal do Commercio faz parte do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação, empresa do grupo JCPM, que atua também nos setores de shoppings centers e empreendimentos imobiliários.

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE RÁDIO EM MEIOS DIGITAIS APLICADOS NA EDUCAÇÃO E NO DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO.

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE RÁDIO EM MEIOS DIGITAIS APLICADOS NA EDUCAÇÃO E NO DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO. 986 ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE RÁDIO EM MEIOS DIGITAIS APLICADOS NA EDUCAÇÃO E NO DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO. Ricardo Fadul Domingues - Regional Uni-FACEF Silvio Carvalho Neto - Uni-FACEF INTRODUÇÃO O

Leia mais

O PROJETO PORQUE PATROCINAR

O PROJETO PORQUE PATROCINAR PAIXÃO NACIONAL O gosto pelo futebol parece ser uma das poucas unanimidades nacionais do Brasil. As diferenças sociais, políticas e econômicas, tão marcantes no dia a dia do país diluem-se quando a equipe

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Vestibular ICEC 2014! 1

Vestibular ICEC 2014! 1 Vestibular ICEC 2014! 1 Franck H. Oliveira Durgo GOMES 2 Elizângela Luiza Barbosa LUIZ 3 Weslene de Sousa MOTA 4 Mateus Pereira da SILVA 5 Steffany Verônica de Sousa DIAS 6 Thiago Sérgio PEDROSO 7 Cláudio

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

Mercado projeta crescimento sólido

Mercado projeta crescimento sólido Indicadores Mercado projeta crescimento sólido Receitas de serviços de Marketing Direto em 2009 atingem R$ 21,7 bilhões e crescem 11,3% com relação ao ano anterior. Projeção do mercado é de evolução de

Leia mais

manual básico de mídia

manual básico de mídia manual básico de mídia Manual Básico de Mídia 1 2 Manual Básico de Mídia 2015 Índice_ 01. Amostra...4 02. Público-alvo...6 03. Audiência de TV...8 04. GRP...12 05. Alcance e frequência...14 06. Custo por

Leia mais

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA INTRODUÇÃO Quando se fala em precificar um produto, a primeira coisa que vem em mente é que essa é uma tarefa muito óbvia - são somados ao preço da mercadoria: os custos,

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Propaganda Qualquer forma paga de apresentação não pessoal e promocional

Leia mais

Finanças dos clubes de futebol do Brasil em 2011

Finanças dos clubes de futebol do Brasil em 2011 Finanças dos clubes de futebol do Brasil em 2011 Maio 2012 A BDO é a quinta maior empresa de auditoria e consultoria do Brasil, e realiza estudos e análises sobre a Indústria do Esporte, por meio de sua

Leia mais

2 Evolução do conceito de marketing

2 Evolução do conceito de marketing 2 Evolução do conceito de marketing Marketing é uma disciplina nova de prática bem antiga. (MOTTA, 1983, p. 37). Marketing é uma terminologia recente de uma prática cujas origens remontam aos primórdios

Leia mais

JORNAL DO COMMERCIO 2015 ALMANAQUE PUBLICITÁRIO JC TELEFONIA

JORNAL DO COMMERCIO 2015 ALMANAQUE PUBLICITÁRIO JC TELEFONIA JORNAL DO COMMERCIO 2015 ALMANAQUE PUBLICITÁRIO JC APRESENTAÇÃO O Jornal do Commercio faz parte do Sistema Jornal do Commercio de Comunicação, empresa do grupo JCPM, que atua também nos setores de shoppings

Leia mais

Empresa já nasceu grande: maior contrato de concessão de mobiliários urbanos do mundo! Concessão por 25 anos: manutenção e substituição de abrigos

Empresa já nasceu grande: maior contrato de concessão de mobiliários urbanos do mundo! Concessão por 25 anos: manutenção e substituição de abrigos Empresa já nasceu grande: maior contrato de concessão de mobiliários urbanos do mundo! Concessão por 25 anos: manutenção e substituição de abrigos Criada em 2010, a Odebrecht TransPort Participações S.A.

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

Mobiliário urbano Presente no cotidiano do consumidor brasileiro e na base de investimento do IBOPE Mídia

Mobiliário urbano Presente no cotidiano do consumidor brasileiro e na base de investimento do IBOPE Mídia Mobiliário urbano Presente no cotidiano do consumidor brasileiro e na base de investimento do IBOPE Mídia IBOPE Mídia Monitor IBOPE Mídia Monitor Fundada em 1996, esta divisão do IBOPE Mídia é responsável

Leia mais

apresentação de serviços

apresentação de serviços apresentação de serviços Nos últimos 50 anos a humanidade gerou mais informações do que em toda sua história anterior. No mercado corporativo, o bom gerenciamento de informações é sinônimo de resultados.

Leia mais

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi)

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) XI Colóquio Internacional de Comunicação para o Desenvolvimento Regional (9,10,11

Leia mais

PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER

PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER PREPARANDO-SE PARA EMPREENDER C. Bringhenti, M. Eng.* E. M. Lapolli, Dra.** G. M. S. Friedlaender, M. Eng* * Doutorandos do Curso de Pós Graduação em Engenharia de Produção. Universidade Federal de Santa

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

A participação do rádio no cotidiano da sociedade brasileira (1923-1960)

A participação do rádio no cotidiano da sociedade brasileira (1923-1960) A participação do rádio no cotidiano da sociedade brasileira (1923-1960) Lia Calabre NO APAGAR DAS LUZES DO SÉCULO XX, podemos dizer que este foi o tempo da revolução das formas de comunicação à distância.

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Marketing Management CMM. Ligia Caranicola Cano

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Marketing Management CMM. Ligia Caranicola Cano INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Marketing Management CMM Ligia Caranicola Cano Google AdWords, a plataforma de publicidade online do Google São Paulo 2012 Ligia Caranicola Cano Google

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS

MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS MARKETING DE RELACIONAMENTO: UM ESTUDO DE CASO NO COMÉRCIO DE TRÊS LAGOAS ADRIELI DA COSTA FERNANDES Aluna da Pós-Graduação em Administração Estratégica: Marketing e Recursos Humanos da AEMS PATRICIA LUCIANA

Leia mais

Mais informações sobre e-commerce em: www.portalgerenciais.com.br

Mais informações sobre e-commerce em: www.portalgerenciais.com.br Mais informações sobre e-commerce em: www.portalgerenciais.com.br Extra, Extra notícias fresquinhas Você pode ter uma loja que funciona 24hs, inclusive aos domingos e feriados, não paga aluguel e nem condomínio

Leia mais

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento

Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Guia completo para o sucesso de sua loja de veículos: dicas de como ter sucesso e manter uma alta lucratividade neste segmento Introdução Planejamento Divulgando sua loja Como fechar as vendas Nota Fiscal

Leia mais

Comunicação eficaz impulsionando o seu negócio

Comunicação eficaz impulsionando o seu negócio Comunicação eficaz impulsionando o seu negócio Perfeita combinação Todo mundo adora compras e TV. E cada vez mais, as pessoas estão abertas a conhecer produtos novos e dispostas a pagar por algo que lhes

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPANHA DE POSICIONAMENTO

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

Sérgio Simka [coordenação] Mário Mauro Barbosa Cabral MARKETING NÃO É UM BICHO-DE-SETE-CABEÇAS

Sérgio Simka [coordenação] Mário Mauro Barbosa Cabral MARKETING NÃO É UM BICHO-DE-SETE-CABEÇAS Sérgio Simka [coordenação] Mário Mauro Barbosa Cabral MARKETING NÃO É UM BICHO-DE-SETE-CABEÇAS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO: objetivo do livro. O ambiente pro ssional (mercado): veículos, agências, empresas privadas

Leia mais

Indústria do Esporte. Futebol, a maior paixão dos brasileiros Potencial mercadológico atual

Indústria do Esporte. Futebol, a maior paixão dos brasileiros Potencial mercadológico atual Indústria do Esporte Futebol, a maior paixão dos brasileiros Potencial mercadológico atual Abril 2011 Futebol, a maior paixão dos brasileiros Potencial mercadológico atual A BDO RCS, por meio de sua área

Leia mais

PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ELETRÔNICO

PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ELETRÔNICO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ELETRÔNICO Este formulário é o canal exclusivo para o envio dos projetos concorrentes ao Edital de Patrocínio do Banco do Nordeste para 2015. Seu correto preenchimento é imprescindível

Leia mais

multi media soluções em comunicação

multi media soluções em comunicação multi media soluções em comunicação PARANÁ multi media multi media 1 MI DE HABITANTES NA REGIÃO R$18 BI POTENCIAL DE CONSUMO R$ 12 BI EM INVESTIMENTOS NA REGIÃO 1º NO RANKING INDUSTRIAS R$ 18 BI PIB DA

Leia mais

A BOA DIVULGAÇÃO DA SUA EMPRESA

A BOA DIVULGAÇÃO DA SUA EMPRESA A BOA DIVULGAÇÃO DA SUA EMPRESA Importância da divulgação Vivemos uma era de forte competição em todos os setores da economia. Jamais houve tanta oferta de produtos e serviços. Os consumidores, por sua

Leia mais

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015

O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 O consumo dos brasileiros atingirá R$ 3,7 trilhões, em 2015 A potencialidade de consumo dos brasileiros deve chegar a R$ 3,730 trilhões neste ano, ao mesmo tempo em que revela significativo aumento dos

Leia mais

AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online?

AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online? AMBIENTES ONLINE: que formato tem o ambiente que os jovens procuram online? Edgar Marcucci Reis 1 Jéssica Naiara dos Santos Batista 2 Resumo: O artigo apresenta uma visão sobre os ambientes online encontrados

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo.

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO CULTURAIS A Fundação Cultural do Estado da Bahia tem como missão fomentar o desenvolvimento das Artes Visuais, Dança, Música, Teatro, Circo, Audiovisual, Culturas

Leia mais