MARKETING DE DISTRIBUIÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARKETING DE DISTRIBUIÇÃO"

Transcrição

1 MARKETING DE DISTRIBUIÇÃO 4. ARQUITECTURA EXTERNA DA LOJA «São as características gerais de qualidade e desenho com que se pretende exprimir o carácter ou personalidade da loja imediatamente reconhecida pelo consumidor»rouseau, José Esta ambiência é transmitida por 2 elementos: a decoração interior e o desenho exterior que deverão reflectir harmonia. Combinação de características físicas, tais como: Arquitectura, layout; A sinalização, as cores, a iluminação; A temperatura, os aromas OBJECTIVO: Atrair e motivar os consumidores a passar mais tempo na loja, estimulando-os a visitar os várias secções. ARQUITECTURA EXTERNA DA LOJA 1. Insígnia - nome, termo, símbolo, sinal, desenho ou combinação que tem por objectivo identificar os bens ou serviços. Esta deve estar de acordo com a imagem a projectar da loja - elemento individualizador e diferencial da concorrência. Colocado na parte externa, com visibilidade. 2. Montra - primeiro contacto com a loja. Quando bem concebida reflecte a estratégia comercial da loja. Meio de transmissão do retalhista de promessa de qualidade, preço, variedade, moda. Não deve conter muita informação visual. Funções: Chamar a atenção, dar a conhecer; Produzir sensações fortes; Transmitir imagem própria; Atrair o comprador, aumentar a procura; Aumentar a fidelidade; 1

2 Reter os clientes; Diferenciar-se da concorrência; Aumentar os lucros. Classificação das montras segundo a natureza dos produtos expostos: Montras de prestígio - beleza dos artigos provoca impacto visual e confere prestígio ao estabelecimento; Montras de estação - expõem no início da estação novos artigos e tendências do mercado; Montras informativas - preocupa-se em dar a conhecer novos artigos ou menos divulgados; Montras promocionais - expõem produtos em promoção e apela à oportunidade de compra; Montras de preço - destaca o preço (principal motivo de venda). Elementos que constituem as montras: Artigos - seleccionar artigos com maior impacto visual; não encher a montra; Simplicidade - transmissão, através da apresentação física e psicológica, de uma mensagem clara, sóbria e elegante; Criatividade - de acordo com o produto a expor, segmentação e posicionamento da loja; Psicologia - captar a atenção, despertar o interesse e desejo pela compra, evidenciar as qualidades do produtos, induzir o visitante à entrada na loja; Cores - provocar reações, sensações e evocações que exercem influências no consumidor; Linhas - papel importante na divisão de espaços e ambientes, bem como na condução do olhar para pontos específicos (linhas verticas aumentam sensação de altura, horizontais aumentam a sensação de largura, diagonais sugerem ação, curvas movimento); Luz - produz efeitos positivos e negativos na exposição de produtos. Luzes florescentes podem alterar cores. CUIDADO! 2

3 3. Temperatura da Montra - permite identificar: zona esquerda recebe maiores impactos visuais que vão diminuindo à medida que o comprador se desloca para a direita. Zona de cima da montra recebe menores impactos visuais (zona fria - 1,60m) que são consideravelmente mais elevados ao nível dos olhos (zona quente), diminuindo, depois, até ao nível das mãos (zona temperada - 0,80m). Para expor vários produtos de forma organizada deve-se optar por arranjos em ziguezague, com alturas diferentes, de modo a que o cliente percorra com o olhar toda a montra. Truques: escolher produto atração/novidade; mudar a decoração com maior frequência; abrir o fundo da montra para a loja de modo a parecer que a loja é maior. Tipos de Fachada Frente reta - fachada paralela à rua ou corredor do shopping. Vantagem: aproveitamento do espaço interior da loja. Desvantagem: monotonia. Frente arcada para dentro - fachadas e vitrinas com entradas em recuo. Vantagem: maior espaço para exposição. Desvantagem: menor área interna de loja. Entrada da loja Deve estimular o cliente a entrar com segurança, espaço e conveniência. Boa iluminação, piso plano, sem degraus e materiais não escorregadios - características desejáveis. Portas devem ser transparentes para permitir uma observação interior da loja, fáceis de abrir, amplas (+ de 1m) e sem obstáculos à entrada. Estabelecimentos com menos de 100m^2 a entrada e saída são as mesma (lado direito), de modo a ser mais rentável. Existência de mais do que uma entrada pode aumentar o fluxo de compradores e reduzir as zonas frias, ao mesmo tempo que aumenta a necessidade de segurança. Se houver porta central, o cliente, por norma, dirige-se pela direita. O fundo das lojas é com frequência um local de pouca atenção. Pode-se alterar o comportamento do cliente, criando pontos de interesse no fundo da loja - produtos de forte rotação, jogos de iluminação, produtos complementares, promoções, etc. As lojas pequenas de centros comerciais podem suprimir a montra e entrada da loja e criar um espaço amplo de modo a aproveitar toda a área de venda. 3

4 ARQUITECTURA INTERNA DA LOJA Fatores da apresentação interna da loja Distribuição do espaço na loja Área de apoio - armazenamento e receção de produtos. Representa, em média, 20% da loja e varia de acordo com as características e volume dos produtos vendidos. Área de administração da loja - zona para gerentes, com vestiários, salas de refeição para funcionários, sala de reuniões (baixa prioridade do retalhista). Área de vendas - área ocupada pela exposição de produtos e área ocupada pelos corredores de circulação de clientes. 1. Generalidades Dimensão das entradas Decoração de paredes e tetos (cores) Solo (madeira, alcatifa, mármore) Iluminação (difusa, evitando a luz florescente) Temperatura (20º) Número de caixas Sinalização (seções, saída, pagamento, promoções) Som (música suave e volume adequado) Odores (servem para atrair clientes) Segurança (portas exteriores, circuitos vídeo, anti roubo, contra fogo) 4

5 2. Localização do ponto de acesso e das zonas quente e fria Ponto de acesso - essencial à conceção do espaço interno da loja, pois contribui para a orientação dos movimentos dos clientes. É favorável fazê-lo do lado direito, como na imagem. Zona quente e fria - determinada pelo ponto de acesso. Ao entrar na loja, o comprador tem tendência para percorrer, em círculo, o triângulo inferior. Para fazer o cliente entrar na zona fria é necessário um esforço adicional por parte do retalhista, sob a forma de promoções, produtos de consumo frequento ou outro tipo de atuação. 3. Organização interna O layout é essencial para orientar o consumidor, tornar a loja atraente e funcional de forma a estimular as vendas. O consumidor prefere a entrada pelo lado direito, sendo que os homens gostam de entrar e virar à esquerda, as mulheres à direita. Se houver clientela dominante por um dos sexos podem criar--se barreiras para alterar essas tendências a nosso favor. A organização interna do mobiliário está dependente do posicionamento, tipo de mercadoria, dimensão, custo, segurança, que se pretendam para a loja. Podemos encontrar três tipos diferentes de layout, que na prática podem surgir mais ou menos adaptados ou combinados: Layout em grelha (típica de hipermercados, supermercados, lojas de desconto) - vantagens: grande eficiência no uso do espaço comercial, simplifica o processo de compra, facilita as compras de rotina e planeadas, reduz os problemas de stocks e de segurança, facilita a limpeza e marcação dos produtos, confere maior flexibilidade ao espaço de venda; 5

6 Layout aberto (típico de perfumarias, mini-mercados, lojas pequenas) - vantagens: segurança e economia do pessoal de venda, mas nem sempre existe a separação clara dos produtos. Ambiente relaxado com facilidade de circulação, grande parte do espaço é para exposição. Layout fechado (típico dos grandes armazéns, tipo El Corte Inglês) - confere prestígio e identidade às lojas. Custos de construção elevados, maior número de pessoal de venda e é pouco flexível do ponto de vista da gestão do espaço de venda. Pode haver uma orientação circular pelos diferentes departamentos e há uma melhor visão para os artigos expostos. 4. Desenho dos passeios Podem-se classificar em: Passeio de aspiração - passeio mais largo e situa-se entre o ponto de acesso e o fundo do estabelecimento em linha reta; Passeios principais - pode ser mais que um e atravessam a loja lateralmente, facilitando a circulação do comprador; Passeios de acesso - são os mais estreitos e menos profundos, servindo para que o comprador possa realizar a compra nas melhores condições. 5. Aspetos a considerar no layout do ponto de venda Perceber o tipo de tráfego e definir a complementaridade de produtos que se pretende; Incentivar a um tráfego circular para que os consumidores tenham contacto com o maior número de produtos; Levar a que os consumidores passem pelos produtos que poderão comprar por impulso. Os produtos de atração devem estar espalhados pela loja. Corredores devem ser suficientemente largos para os consumidores circularem comodamente; 6

7 Evitar colocar demasiados produtos nos corredores e topos de gôndolas; Aproveitar os topos de gôndolas para produtos novidade/promoção, mas aproveitar também a restante área de venda. 6. A caixa e o balcão Caixas deverão localizar-se num local de acesso fácil aos clientes; Junto à caixa podem-se colocar produtos que facilitam a compra impulsiva; Em lojas de formato quadrado, a caixa poderá estar do lado esquerda da entrada, de modo a que o cliente descubra todos os produtos da loja antes de chegar à caixa; Numa loja sob o comprido, pode-se colocar a caixa ao fundo da loja, de modo a atrair o cliente para o fundo, depois de ter dado uma volta por um dos lados. Balcão frente de loja: Localização adotada pelas lojas de auto-serviço e onde há o sistema de check-ou; Ideal para lojas de grande fluxo onde o final do percurso é realizado em frente ao balcão; Privilegia a segurança; Não explora o potencial da frente de loja para atração a exibição de produtos. Balcão a meio da loja: Muito utilizado em lojas de departamento; Ideal para lojas com um número reduzido de funcionários; Posição de balcão eficiente para espaços onde a largura da loja seja suficiente para que, o ajuntamento de clientes em volta do balcão, não atrapalhe a circulação dos clientes e a visualização dos produtos expostos. Balcão no fundo da loja: Bastante utilizado; Permite a visualização da totalidade da loja; Bom para lojas com número reduzido de funcionários; Força o cliente a percorrer a loja até à caixa, aumentando a possibilidade de comprar mais produtos; Favorece o controle e acesso a áreas técnicas e retaguarda da loja. 7

8 A IMAGEM DA LOJA Resultado da perceção global dos atributos da loja (tangíveis e intangíveis) realizada pelo consumidor em relação ao universo das lojas conhecidas. Dimensões da Imagem Preço dos produtos à venda (baixo/concorrencial/alto/valor) Qualidade dos produtos à venda (boa/má/marca) Sortido de produtos (amplitude/conhecimento/número/bom ou mau serviço) Actualização dos produtos Conveniência da localização (proximidade casa ou trabalho/acesso/boa ou má localização) Outros fatores de conveniência (estacionamento/horário) Serviços (crédito/entrega/restaurante) Promoções (saldos/descontos/cartões fidelidade) Publicidade (qualidade/suportes) Atmosfera da loja (layout/decoração/expositores/clientes/prestígio) Reputação (trocas/devoluções) 8

9 5. MERCHANDISING «Merchandising é uma técnica, ação ou material promocional usado no ponto de venda que proporcione informação e melhor visibilidade a produtos, marcas ou serviços, com o propósito de motivar e influenciar as decisões de compra dos consumidores.»jaulas J. «Conjunto de estudos e técnicas de aplicação realizadas separadamente ou em conjunto, pelos distribuidores e produtores, tendo em vista o aumento da rentabilidade do ponto de venda e o escoamento dos produtos pela adaptação permanente do sortido às necessidades do mercado e pela apresentação apropriada das mercadorias.»instituto Português do Merchandising Merchandising é a venda sem palavras, isto é, usando as próprias embalagens, os expositores, os equipamentos, o espaço de vendas das lojas. Funções: Atrair a atenção do cliente para o produto; Criar impulsos de compra na mente do consumidor; Oferecer o produto; Provocar o ato de compra; Rentabilizar o espaço e o negócio. Características: Pode ser realizado em qualquer lugar onde haja contacto com o consumidor final, mas principalmente no ponto de venda; Estimula a compra por impulso; As ações podem ser realizadas pelo retalhista ou pelos distribuidores. Necessária colaboração entre ambos. Relação ganha-ganha; Realiza-se de forma intensiva nas grandes superfícies, sendo o trabalho realizado por profissionais; Em pequenas empresas pode-se resumir a simples decoração de prateleiras, vitrinas, posters, 9

10 Ponto promocional - local onde o produto é exposto temporariamente com o objectivo de estimular a compra por impulso. Criatividade - o material deve ser criativo e bem dimensionado para o local onde será aplicado; Originalidade - a conceção inédita, adequação ao tema, textos curtos, impacto visual ajudam a passar a mensagem; Funcionalidade - simplicidade, bom acondicionamento do produto, montagem, colocação e reposição fácil. OBJECTIVOS Vender mais Exposição atractiva dos produtos nas prateleiras; Fazer exposições promocionais; Usar correlações de produtos; Alocar os espaços para produtos e marcas de acordo com sua participação de mercado e rentabilidade. Atrair mais clientes Criar um layout que facilite a compra do cliente (fácil localização); Criar um ambiente agradável (iluminação, temperatura, cores); Manter um calendário promocional (regular). Operar com baixo custo Criar um sistema de arrumação que permita um reabastecimento rápido e eficiente; Controlar os stocks e aprovisionamento. Vantagens de uma exposição bem feita: Para o consumidor - facilita a compra, economiza o tempo, lembra a necessidade e desperta o desejo; Para o retalhista - cria fidelidade a loja, atrai novos consumidores, aumenta sua lucratividade, valoriza o espaço da loja; Para o distribuidor - aumenta a rotatividade dos produtos, cria fidelidade ao produto e à marca, bloqueia as atividades da concorrência. 10

11 Tipos de Merchandising: Merchandising de sedução - pretende criar um ambiente e uma exposição que favorece a compra. Compras por impulso = aumento de vendas; Merchandising de gestão - tem como objectivo a rentabilização máxima do espaço e do produto. Visa gerar lucro; Merchandising de optimização - tem como objectivo a optimização da implantação dos produtos no linear, obtendo-se a coerência do sortido. Visa melhorar a oferta. Os 4 eixos do Merchandising Sortido; Gestão; Apresentação; Animação. Animação do Ponto de Venda O merchandising assenta nas seguintes atividades: Exposição do produto - displays, stands, prateleiras, pilhas de produtos; Comunicação - folhetos, cartazes, posters; Promoção - demonstradores, degustadores, sorteios e distribuição de brindes. O merchandising possui diversas ferramentas, recursos, equipamentos e técnicas para expor o produto e gerar o impulso de compra no ponto de venda. Os mais conhecidos são: Displays / gôndolas / cartazes / expositores / pilhas / ilhas / corners / shelf-talares / iluminação / fragrâncias / climatizadores / adesivos / cartaz no carrinho / biombos / balcão para demonstração / balcão para degustação / tv in store / insufláveis / totens / 11

12 Estímulos no Ponto de Venda Iluminação - consegue influenciar a imagem percebida da loja e o processo de observação, análise e manuseamento dos produtos pelo cliente. Deve ser clara forte, mas não intensa. Existem dois tipos de iluminação, a geral (que normalmente está suspensa), e a direccionada (com a qual se pretende dar ênfase a uma dada seção ou a um dado ponto, devendo estar, por isto, correctamente implantada). Ter cuidados acrescidos para garantir que os focos luminosos não ofusquem a visão ou aqueçam demasiado o ambiente. Som - é um poderoso estimulante de consumo. Tem o efeito de proporcionar bom humor e fazer com que os clientes passem melhor o tempo em casos de filas no atendimento. A distribuição do mesmo deve ser equilibrada no espaço e minorar o efeito do ruído da loja. Devemos observar as reações do cliente a esta forma de animação. Cores - na decoração contam a selecção das cores a usar, a distribuição das seções pelo espaço e o tipo de mobiliário. O espaço quer-se vivo e animado, criando originalidade e movimento nas diversas seções da loja. As cores são um elemento estimulador da observação, do desejo de preferência pelo produto ou, indutor de bem-estar no ponto de venda, proporcionando assim um ambiente mais agradável à compra. A cor é um aumento ou diminuição aparente das dimensões de um ambiente, afastando ou aproximando objectos. A cor tem um forte poder de influência no comportamento do ser humano. Se for correctamente utilizada, interage de forma positiva, caso contrário, pode provocar cansaço visual, desconforto e estimular o stress. A cor consegue ter uma ação móvel onde as distâncias reais se tornam relativas. As cores frias proporcionam um ambiente de tranquilidade, ideal compras de alto envolvimento e as cores mais claras dão a impressão de que um objeto ou um ambiente parecem maiores. Aromas - interfere na perceção de atmosfera da loja e do bem estar do cliente. Um odor agradável prolonga o tempo de permanência na loja e melhora a avaliação positiva do ambiente. Se o cliente se sentir feliz e bem ambientado, aumentará a sua permanência dentro da loja e assim terá mais tempo para conhecer, experimentar e comprar o produto. ANIMAÇÃO PONTUAL A animação pontual ou temporária tem como objectivo ativar as vendas de um ou vários produtos, num determinado momento, pretendendo-se o seu escoamento ou o desenvolvimento da sua notoriedade. O ponto de venda deve criar acontecimentos. 12

13 Tornar o espaço de venda atractivo e passível de transmitir entusiasmo, promovendo sucessivas visitas dos clientes. Os meios de animação pontual do ponto de venda podem ser classificados em quatro tipos: Meios físicos - balcões, cestos, pequenos expositores, gôndolas (boa reposição, boa organização, indicação de preço, localização num espaço de elevado tráfego), ilhas (ação ocasional. Pode estar longe do sector tradicional. Serve para promoções especiais, podem ou não estar junto da sua seção de produtos), televisores, vitrinas, mostruários, cartazes, expositores, display (móveis autónomos, especialmente concebidos para a exposição e venda de determinados artigos. Situados em pontos quentes. / forte imagem do produto e da marca, boa organização, boa reposição, atratividade); -> exposição direta de certos produtos com grande rotação. Grande rotação no consumidor o que facilita a reposição. Meios psicológicos - preços atractivos, ofertas agrupadas, apresentação do produto em vários locais da loja. As promoções servem para aumentar as vendas, melhorando o indice de rotação do stock. A colaboração com o produtor no desenvolvimento da imagem do produto e na ênfase às seções é de igual modo importante; Meios de estímulo - meios de estímulo: meios audiovisuais, criação de ambientes. / criação de cenários (ambientes especiais, personagens, etc), mensagens e audiovisuais para incentivar à compra. Meios pessoais - pessoal de animação do ponto de venda, vendedor, espectáculos, stand de demonstração/experimentação do produto (degustação). EXEMPLOS DE AÇÕES Abertura e aniversário da loja / Dias do Pai e da Mãe / Férias Pretende-se: A diferenciação da concorrência (Marketing de sedução); Proporcionar maior volume de compras e retenção na loja. O distribuidor tem técnicas que permitem seduzir os consumidores de forma a levá-los a comprar mais na sua loja, tais como: As técnicas de apresentação; As possibilidades oferecidas pelo Marketing sensorial, que permite realçar os odores e estimular o bem estar; Os jogos com a luz, as cores, os sons, etc. 13

14 6. POLÍTICA DE SORTIDO «Sortido representa o conjunto de artigos oferecidos pela loja à sua clientela. O sortido faz a loja, contribui para forjar a sua personalidade e assegurar o seu êxito.»saint-crieq e Burel porque: A composição de um sortido é fundamental para o programa de marketing de um distribuidor, Caracteriza o ponto de venda; Responde às expectativas do segmento onde a empresa pretende atura; Reflecte o posicionamento; É um fator de atração; Fonte de despesas e receitas. Um sortido bem adaptado deve: Responder às necessidades e motivações de compra dos seus clientes; Respeitar a política comercial do grupo política de marca ; Permitir atingir os objectivos: volume de negócios e margem bruta; Permitir diferenciar-se da concorrência: política de marca, política de preço, política de serviço, política de dinâmica comercial. O sortido pode ser: Concentrado - constituido por uma categoria de produtos, com profundidade; Diferenciado - constituída por vários grupos de famílias de produtos, originando uma loja genérica, de oferta diversificada mas sem grande profundidade. 14

15 TIPOS DE PRODUTOS Produtos de consumo - comprados para satisfazer os desejos individuais: Produtos de conveniência (alimentos e produtos higiénicos) Frequência de compra: alta (rotina) Tempo de compra: pouco tempo Envolvimento do comprador: pouco envolvimento Pesquisa de informação: pouca Preço do produto: baixo Distribuição: ampla (muitos canais) Os produtos de conveniência podem ainda ser: Produtos de atração - produto que num sortido têm por missão alavancar, direta ou indirectamente, as vendas de outros produtos. Ex: Escova dos dentes - dentífricos / Detergentes roupa - amaciadores; Produtos farol - aqueles que, dispondo de uma imagem muito forte, a fazem repercutir sobre os restantes produtos em benefício destes. Ex: Bedel; Produtos líderes - produtos que suscitam maior adesão por parte dos consumidores, facto que lhes permite obter os mais elevados volumes de vendas e índices de rotação na sua categoria. Ex: Coca-Cola; Produtos táticos - produtos lançados no mercado com o objectivo de perturbar a concorrência ou responder com rapidez às suas ações, de modo a impedir que ocorram alterações substanciais nas respectivas quotas de mercado. Ex: Telemóveis / Á gua com gás sabores. Produtos de compra comparada (electrodomésticos, móveis e roupas) Frequência de compra: a médio prazo Tempo de compra: + tempo para decidir Envolvimento do comprador: envolvimento moderado Pesquisa de informação: maior procura Preço do produto: médio Distribuição: seletiva Produtos de especialidade (carros, casas) Frequência de compra: pouca frequência Tempo de compra: longo 15

16 Envolvimento do comprador: elevado envolvimento Pesquisa de informação: maior procura Preço do produto: elevado Distribuição: exclusiva (canais limitados) Produtos não procurados (seguros, caixões, enciclopédias) Produtos industriais - destina.se à produção de outros bens, ou para facilitar as operações de uma organização A selecção de produtos vai depender do posicionamento que se pretende para a loja e quais são os segmentos alvo. Ao seleccionar o sortido, corre-se o risco de satisfazer uns clientes em detrimento de outros. Por isso, qualquer modificação é uma decisão importante da política comercial. Um dos aspetos mais importantes que o distribuidor deve ter em conta na escolha do sortido, é a rentabilidade. Assim, para cada produto do sortido deve-se analisar o preço de venda, a rotação, a margem e o o volume de vendas, de modo a indicar o nível de rentabilidade e aferir o interesse em mantê-los ou não. 1. Fatores que condicionam a gestão do sortido: Fatores internos à loja Dimensão da loja - espaço compromete o número de referências disponíveis, seja em termos de marcas, tamanhos ou cores. A área da loja não é elástica, pelo que tem de existir uma boa gestão. Política financeira e de stocks - aumenta a complexidade e reduz o tamanho disponível para acondicionar mercadorias, ao mesmo tempo que agrava as necessidades de financiamento. Rentabilidade - quanto maior for o número de famílias e referências dentro de cada uma delas, mais lenta será a rotação de stocks e menor a rentabilidade gerada. O modo de apresentação dos produtos - gôndolas, prateleiras, móveis variam em nº, tamanho e dimensão de acordo com a dimensão da loja. Natureza dos produtos - dimensões diferentes do sortido de acordo com o tipo de produto. Ex: loja de electrodoméstico terá menor dimensão de sortido, enquanto uma loja de produtos alimentares terá um sortido com maior dimensão. 16

17 Fatores externos à loja Poder das marcas - marcas com grande notoriedade são grandes responsáveis pela atração do consumidor para o interior da loja e pela sua fidelização. Sazonalidade dos produtos - a loja deve manter um sortido permanente, constituido pelos produtos que vende ao longo do ano, e um sortido sazonal, de acordo com a época do ano. Ex: regresso às aulas. Comportamento dos clientes - características individuais e psicológicas e o poder de compra dos clientes condicionam a composição do sortido e a sua profundidade. Outros - ambiente económico, social, político, tecnológico, concorrência 2. Estrutura do sortido A estrutura do sortido integra um conjunto de departamentos, seções, categorias, famílias, sub-famílias e referências. Exemplo: Departamentos - grandes divisões que agrupam várias seções em função da homogeneidade e complementaridade do sortido. Seções - unidades que agrupam geralmente várias categorias de produto que mantêm algum grau de homogeneidade entre si e satisfazem o mesmo tipo de necessidade. Categorias de produto - são divisões dentro das seções, que agrupam famílias em função da necessidade genérica que satisfazem os produtos que a formam. Famílias - correspondem a um conjunto de artigos que satisfazem a mesma necessidade genérica, formando diferentes níveis. Subfamílias - correspondem a uma série de subdivisões relativas a uma família de produtos que podem ser classificadas em função de múltiplos critérios. Podem existir várias ou nenhuma. Referências - identificam uma unidade de venda (específica). Definem a marca, o formato, o modelo e o tamanho do produto. 17

18 3. Dimensões do sortido Gama de produtos - classe de produtos que pode ser desenvolvida em várias linhas. A gama é composta por um número indeterminado, maior ou menor de produtos, serviços ou marcas que se podem reagrupar em diversos tipos de linhas. Linhas de produtos - grupo de produtos inter-relacionados pela função desempenhada. Geralmente, os produtos que compõem uma linha são vendidos para os mesmo grupos de clientes, através dos mesmo canais e numa faixa de preço idêntica. Existem três dimensões no sortido: Largura - mede o número de famílias ou categorias de produtos oferecidos. É o número de linhas de produto que cada gama tem. É largo quando integra mais de 20 famílias; médio quando integra entre 11 e 19 e estreito quando tem entre 1 e 10; Profundidade - mede o número de referências oferecidas em cada família de produtos. O sortido é pouco profundo quando tem entre 1 e 10 referências, médio quando tem entre 11 e 20 e muito profundo quando tem mais de 20 referências por família; Coerência - é conseguida através da homogeneidade e complementaridade das seções relativamente às necessidades que a loja pretende satisfazer. Diz-se coerente quando todas as suas famílias de produtos possuem sensivelmente a mesma profundidade. 4. Estratégias de sortido Defensiva (proximidade) - sortido largo e pouco profundo. Ex: supermercado; Ofensiva (sortido e serviço) - sortido estreito e profundo. Ex: lojas especializadas; Desempanagem (bens de 1ª necessidade) - sortido estreito e pouco profundo. Ex: lojas de conveniência; Atração (variedade) - sortido largo e muito profundo. Ex: hipermercado. 5. Papel das marcas no sortido A presença das marcas numa loja é um fator diferenciador e influencia o seu posicionamento e condiciona a sua política de preços. Estas acabam por ser um meio de assegurar um certo nível de qualidade da loja, atrair clientes e por reduzir o risco de não venda. Comunicam promessas e expectativas dos consumidores, controlando a comunicação. Consumidores reconhecem atributos e qualidades. 18

19 Presença de marcar nacionais/internacionas: Boa notoriedade e comunicação; Forte imagem e poder de atração; Garantia de qualidade do sortido; Menor risco para o distribuidor, e para o consumidor. Presença de marcas regionais: Idêntica às marcas nacionais ou internacionais, mas no âmbito local; Estão incluídas as marcas de produtos internacionais - nas regiões de turismo é necessário conhecer a origem dos turistas e perceber quais os produtos e/ou marcas que fazem parte do seu dia-a-dia. Presença de marcas do distribuidor: Nome da insígnia e marcas controladas pela insígnia; Nível de qualidade reconhecido como sendo bom, até próximo ou igual à marca líder; De preço reduzido em relação ao preço do mesmo tipo de produto de marca do líder nacional ou internacional; Não confundir com a marca 1º preço. Presença de produtos 1º preço: Resposta às dificuldades económicas das famílias; Resposta às evoluções das exigências dos consumidores. Hoje o consumidor pode ser comprador de produtos de marca líder, de Mdd, ou de 1º preço segundo o momento ou o modo de uso do produto; Resposta ao aumento de nº de loja de Hard-discount; Os produtos 1º preço apresentam em geral uma qualidade inferior aos outros produtos. LUGAR CERTO DO PRODUTO Permite ao distribuidor optimizar as vendas globais da loja; Ao produtor maximizar as vendas dos seus produtos; A optimização das vendas está também relacionada com o comportamento do consumidor. 19

20 1. A localização dos departamentos e seções Rentabilizar o espaço, fazendo o cliente percorrer o maior número de corredores em loja. Ex: produtos de 1ª necessidade no fundo da loja; Satisfazer os clientes expondo produtos complementares; Acautelar as limitações técnicas. Ex: seções de talho e peixaria necessitam estar junto a paredes devido a arcas frigoríficas e demais equipamentos. Acautelar a zona de produtos de maior valor, ou pequenos, com zonas de atendimento acompanhado. 2. A circulação dos clientes em loja É possível conhecer o circuito dos clientes em loja e começar a aferir da melhor localização dos produtos ou seções; Assim, pode realizar-se um estudo feito por observação no ponto de venda; O observador tira notas sobre o trajecto dos clientes, as passagens diante dos produtos, a manipulação dos produtos e a compra; Podem-se recolher informações tais como: Frequência de passagem nos corredores; Escolha das direcções em cruzamentos; Paragens para manipulações de produtos; Circuitos tipos de acordo com as horas e dias. O consumidor gosta de: Exposição de acordo com o seu trajecto na loja; Produtos ao alcance visual; Não encontrar muitos obstáculos que perturbem o ambiente de compra; Produtos com formato/embalagens de fácil utilização. 20

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Prepare sua Loja para Vender Mais

Prepare sua Loja para Vender Mais MERCHANDISING Prepare Sua Loja Para Vender Mais Questões Fundamentais 1 Como girar rapidamente os estoques no ponto de venda? Como tornar mais fácil e agradável o ato de compra de meus clientes? Como oferecer

Leia mais

A Dom Colletto é uma empresa de roupa de homem e mulher de inspiração italiana, com presença e expansão nacional e internacional.

A Dom Colletto é uma empresa de roupa de homem e mulher de inspiração italiana, com presença e expansão nacional e internacional. DOM COLLETTO: A certeza de um conceito A Dom Colletto é uma empresa de roupa de homem e mulher de inspiração italiana, com presença e expansão nacional e internacional. O sistema de franchising permite

Leia mais

Técnicas de Exposição de Produtos CONCEITO DE EXPOSIÇÃO DE PRODUTOS A idéia básica: Mostrar ou destacar alguma coisa. Mostrar também significa: Comunicar O produto deve atrair, seduzir, mexer com os sentidos

Leia mais

MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS. Qual a diferença?

MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS. Qual a diferença? MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS Qual a diferença? Marketing promocional É uma ferramenta que se utiliza de várias outras para promover a promoção de vendas. Por exemplo: Marketing promocional

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Merchandising. Elaborado por: Carmen Paulo

Merchandising. Elaborado por: Carmen Paulo Merchandising Elaborado por: Carmen Paulo Conceito: Merchandising é o conjunto de estudos e técnicas de aplicação, que são postos em prática, separada ou conjuntamente, por distribuidores e produtores,

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD. Escola secundária de Figueiró dos Vinhos. Disciplina de Organização de gestão desportiva

Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD. Escola secundária de Figueiró dos Vinhos. Disciplina de Organização de gestão desportiva Trabalho realizado por: Diogo Santos Nº3 11ºD Escola secundária de Figueiró dos Vinhos Disciplina de Organização de gestão desportiva Data de entrega: 10/02/2015 Diogo Santos Página 1 Escola secundária

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br Fazendo a diferença no Ponto de Venda EBOOK Sumário Revisão O que é Trade Marketing? Entenda o Comportamento de Compra do Consumidor O que é Merchandising? Revisão Para entender sobre Trade Marketing devemos

Leia mais

Os 4 P s. P de PRODUTO

Os 4 P s. P de PRODUTO Os 4 P s P de PRODUTO O que é um Produto? Produto é algo que possa ser oferecido a um mercado para aquisição, uso ou consumo e que possa satisfazer a um desejo ou necessidade. Os produtos vão além de bens

Leia mais

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade III MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Compras, abastecimento e distribuição de mercadorias Os varejistas: Precisam garantir o abastecimento de acordo com as decisões relacionadas

Leia mais

Módulo 12. Estratégias para formação de preços

Módulo 12. Estratégias para formação de preços Módulo 12. Estratégias para formação de preços As decisões de preços estão sujeitas a um conjunto inacreditavelmente complexo de forças ambientais e competitivas. Não existe como uma empresa, simplesmente,

Leia mais

Anhembi Morumbi MBA em Gestão de Marcas Matéria: Gestão da marca no Varejo Alunos: Márcia Vital e Rogério Weikersheimer

Anhembi Morumbi MBA em Gestão de Marcas Matéria: Gestão da marca no Varejo Alunos: Márcia Vital e Rogério Weikersheimer Anhembi Morumbi MBA em Gestão de Marcas Matéria: Gestão da marca no Varejo Alunos: Márcia Vital e Rogério Weikersheimer Nissin Foods Co. Fundação 1948 Sr. Momofuku Ando Lámen instantâneo 25/08/1958 Significado

Leia mais

Dicas de Gestão para o Empresário do Setor Comércio Varejista

Dicas de Gestão para o Empresário do Setor Comércio Varejista Dicas de Gestão para o Empresário do Setor Comércio Varejista Você conhece o seu cliente? Não poupe esforços e invista no visual da loja Planejamento estratégico Cuide da Saúde Financeira da Sua Empresa

Leia mais

Estratégias de marketing para serviços de alimentação Prof. Dr. Raul Amaral

Estratégias de marketing para serviços de alimentação Prof. Dr. Raul Amaral Estratégias de marketing para serviços de alimentação Prof. Dr. Raul Amaral 1) Estratégias de produtos e serviços. 2) Estratégias de preços. 3) Estratégias de promoção e vendas. 1) Estratégias de produtos

Leia mais

VAREJO. Os principais setores varejistas brasileiros são:

VAREJO. Os principais setores varejistas brasileiros são: O que é? São todas as atividades envolvidas na venda de bens ou serviços diretamente a consumidores finais para seu uso pessoal, e não empresarial. (Philip Kotler) Não importa como os produtos são vendidos

Leia mais

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo 7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo A COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar no marketing emitir mensagem para alguém emitir mensagem para o mercado

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO Iluminação de Lojas Destacar uma vitrine, a arquitetura da fachada, os produtos e a decoração dos espaços internos tornando as lojas atraentes aos olhos do público, já não é possível sem a elaboração de

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Marketing Mix. Tânia Leão n.º19 12.ºS

Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010. Marketing Mix. Tânia Leão n.º19 12.ºS Escola Secundária de Paços de Ferreira 2009/2010 Marketing Mix Tânia Leão n.º19 12.ºS Marketing Mix O Marketing mix ou Composto de marketing é formado por um conjunto de variáveis controláveis que influenciam

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

O maior desafio da comunicação visual é fazer o olho do consumidor parar nos produtos com maior valor agregado

O maior desafio da comunicação visual é fazer o olho do consumidor parar nos produtos com maior valor agregado O maior desafio da comunicação visual é fazer o olho do consumidor parar nos produtos com maior valor agregado Todo estabelecimento comercial deve chamar a atenção do consumidor e despertar nele o interesse

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

Questões que afetam o Preço

Questões que afetam o Preço Questões que afetam o Preço Este artigo aborda uma variedade de fatores que devem ser considerados ao estabelecer o preço de seu produto ou serviço. Dentre eles, incluem-se o método de precificação, o

Leia mais

MERCHANDISING - DIFERENCIAL COMPETITIVO NA OTIMIZAÇÃO DE RESULTADOS RESUMO

MERCHANDISING - DIFERENCIAL COMPETITIVO NA OTIMIZAÇÃO DE RESULTADOS RESUMO MERCHANDISING - DIFERENCIAL COMPETITIVO NA OTIMIZAÇÃO DE RESULTADOS RESUMO O ponto de venda tem alcançado importância imensurável na propagação de um produto ou marca, passou a destacar-se como um dos

Leia mais

O que é promoção de vendas e para que serve?

O que é promoção de vendas e para que serve? 4 Para aumentar as vendas, ela precisa basicamente fazer com que os clientes atuais comprem mais ou trazer novos clientes para a loja. Nos dois casos, fica evidente que ela terá que oferecer mais benefícios

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A.

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A. 1 Reunir várias entidades do sector óptico nacional e discutir o futuro do sector bem como os temas cruciais para os empresários e intervenientes da área foram os objectivos do evento Visão de Futuro 2010,

Leia mais

Desenvolvimento do Mix de Marketing

Desenvolvimento do Mix de Marketing Desenvolvimento do Mix de Marketing Mix de Marketing O composto de marketing é conhecido no escopo mercadológico como os 4Ps denominados por Jeronme Mc Carthy como: product, price, place e promotion. Na

Leia mais

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização PLANO DE MARKETING Ferramenta importante do plano estratégico de uma empresa. Deve estar em perfeita sintonia com os objetivos estabelecidos pela empresa. É um passo para a elaboração do PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade I MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino O que é varejo Setor do comércio que vende diretamente para os consumidores finais. Fabricantes e atacadistas quando vendem para o consumidor

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

PLANO DE MARKETING. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20. TAG 4/2010 17 Valores

PLANO DE MARKETING. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20. TAG 4/2010 17 Valores 0366 PLANO DE MARKETING Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20 TAG 4/2010 17 Valores Índice Introdução Diagnóstico Análise do Mercado Análise da Concorrência Análise da Empresa Análise SWOT Objectivos

Leia mais

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo)

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) Duração: 5 Sessões (45 minutos) Público-Alvo: 6 a 7 anos (1º Ano) Descrição: O programa A Família é constituído por uma série de cinco actividades. Identifica o

Leia mais

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO

RECURSOS HUMANOS PRODUÇÃO RECURSOS HUMANOS FINANCEIRO VENDAS PRODUÇÃO DEPARTAMENTO MERCADOLÓGICO Introduzir no mercado os produtos ou serviços finais de uma organização, para que sejam adquiridos por outras organizações ou por

Leia mais

Escolas de Pentatlo Moderno

Escolas de Pentatlo Moderno Escolas de Pentatlo Moderno ÍNDICE O que é o franchising PENTAKID? 3 Serviços PENTAKID 5 Marketing 6 Recursos Humanos 7 Financiamento 8 Processo de aquisição 9 Ficha técnica 10 Carta de resposta 11 2 O

Leia mais

REDES DE DISTRIBUIÇÃO

REDES DE DISTRIBUIÇÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO De uma maneira geral, as redes de distribuição são constituídas por: 1. Um conjunto de instalações que fazem a recepção, armazenagem e expedição de materiais; 2. Um conjunto de rotas

Leia mais

PROMOÇÃO DE VENDAS. O problema da Dona Cida resume-se em aumentar as vendas de sua loja e ao mesmo tempo, acabar com alguns estoques indesejáveis.

PROMOÇÃO DE VENDAS. O problema da Dona Cida resume-se em aumentar as vendas de sua loja e ao mesmo tempo, acabar com alguns estoques indesejáveis. 1 PROMOÇÃO DE VENDAS Constituída há pouco mais de dois anos, a loja de confecções da Dona Cida já possuía uma boa clientela, porém ela acreditava que ainda poderia crescer bastante. Assim, tinha na prateleira

Leia mais

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira

UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Estruturas de mercado UNOCHAPECÓ Programação Econômica e Financeira Texto para Discussão 1 De acordo com a natureza do mercado em que estão inseridas, as empresas deparam-se com decisões políticas diferentes,

Leia mais

Exemplos de Inovação. Inovações de produto: Exemplos de inovações de produto:

Exemplos de Inovação. Inovações de produto: Exemplos de inovações de produto: Exemplos de Inovação Neste documento apresenta-se uma descrição dos vários tipos de inovação e respectivos exemplos para ajuda no preenchimento das questões relacionadas com a introdução de inovações.

Leia mais

Guia prático de como montar um planograma eficiente. www.pdvativo.com.br

Guia prático de como montar um planograma eficiente. www.pdvativo.com.br Guia prático de como montar um planograma eficiente www.pdvativo.com.br 1. INTRODUÇÃO 2. Por que preciso de um planograma? 3. COMO FAZER A DISTRIBUIÇÃO DOS PRODUTOS NA LOJA 4. EXPOSIÇÃO DOS PRODUTOS (LOCALIZAÇÃO

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

AFIXAÇÃO DE PREÇOS. PROCON Campinas Orientações aos fornecedores

AFIXAÇÃO DE PREÇOS. PROCON Campinas Orientações aos fornecedores 2013 AFIXAÇÃO DE PREÇOS PROCON Campinas Orientações aos fornecedores AFIXAÇÃO DE PREÇOS - LEGISLAÇÃO A Lei Federal nº 10.962/2004 e o Decreto Federal nº 5.903/2006 que regulamenta a lei - regulam o direito/dever

Leia mais

Professor André Martins

Professor André Martins Professor André Martins Definição Merchandise, do inglês significa mercadoria, e merchandiser significa negociante. Portanto, merchandising, em sua tradução literal, seria mercadização; mas, adaptando

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA

CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA CURSO ONLINE: A DEMANDA E A OFERTA 2 Adam Smith (filósofo e economista) A base histórica da Demanda e a Oferta é iniciada através do pensamento da Escola Clássica (liberalismo econômico). Seu principal

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Curso de Educação e Formação. (Despacho nº 453/2004) Itinerário de Formação: 34101. Práticas Técnico-Comerciais

Curso de Educação e Formação. (Despacho nº 453/2004) Itinerário de Formação: 34101. Práticas Técnico-Comerciais Curso de Educação e Formação (Despacho nº 453/2004) Itinerário de Formação: 34101. Práticas Técnico-Comerciais Saída profissional: Empregado/a Comercial Planificação Anual Disciplina de componente tecnológica:

Leia mais

Rev.1 18.01.2013. Estantes cantoneira

Rev.1 18.01.2013. Estantes cantoneira 18.01.2013 Estantes cantoneira O sistema de estantes em cantoneira foi concebido para satisfazer as necessidades de armazenagem nas indústrias, oficinas, armazéns, etc, tendo em vista uma solução económica.

Leia mais

Escola Secundaria de Paços de Ferreira Técnicas de secretariado 2009/2010

Escola Secundaria de Paços de Ferreira Técnicas de secretariado 2009/2010 Marketing mix Trabalho realizado por: Sandra Costa 12ºS Marketing mix É formado por um conjunto de variáveis controláveis que influenciam a maneira com que os consumidores respondem ao mercado e é dividido

Leia mais

Ponto de Venda para Vender FERRAMENTAS DE MARKETING - DIREITOS RESERVADOS

Ponto de Venda para Vender FERRAMENTAS DE MARKETING - DIREITOS RESERVADOS Ponto de Venda para Vender FERRAMENTAS DE MARKETING - DIREITOS RESERVADOS Como marca, fachada e merchandising podem se ajudar O DESAFIO Competindo com Competência Todos sabem que a competitividade do mercado

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto.

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Fiorella Del Bianco Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Objetivo: Nesta aula, o aluno conhecerá os estágios iniciais do ciclo de vida do produto (CVP), que são de introdução

Leia mais

Empreender 360º - Apoios ao Empreendedorismo! 23-05-2014. http://www.strongautomotive.com/step-back-evaluate-2014-marketing-plan/

Empreender 360º - Apoios ao Empreendedorismo! 23-05-2014. http://www.strongautomotive.com/step-back-evaluate-2014-marketing-plan/ Empreender 360º - Apoios ao Empreendedorismo! 23-05-2014 http://www.strongautomotive.com/step-back-evaluate-2014-marketing-plan/ Estrutura possível de um plano de marketing 1. Sumário Executivo 7. Marketing-mix

Leia mais

Módulo 6. O Produto. 6.1. Conceito de produto

Módulo 6. O Produto. 6.1. Conceito de produto Módulo 6. O Produto Para os consumidores a existência de uma multiplicidade de produtos expostos no mercado, cheio de características e adicionais, é de encher os olhos. A livre concorrência possibilita

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Professor: Tiago Tripodi

Professor: Tiago Tripodi Professor: Tiago Tripodi Quando temos uma situação em que acontece o processo de troca, envolvendo desejo e necessidade de se obter um bem ou serviço, neste momento se realiza uma ação de marketing As

Leia mais

Gestão das Instalações Desportivas

Gestão das Instalações Desportivas Gestão das Instalações Desportivas Módulo 7 Aquisição de materiais e equipamentos desportivos. 1. Função do aprovisionamento 1.1. Âmbito da função de aprovisionamento 1.1.1. Noção e objetivos do aprovisionamento;

Leia mais

SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS SEBRAE-SP

SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS SEBRAE-SP SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS SEBRAE-SP SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS SEBRAE-SP O SEBRAE SP desenvolveu um Programa de Soluções Tecnológicas, cujo objetivo é de aumentar a competitividades e sustentabilidade dos Pequenos

Leia mais

A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha

A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha Diversos fatores influenciam na percepção de valor para o cliente ou mercado, dependendo do tipo de produto. Para alguns produtos a confiabilidade

Leia mais

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de

Promoção de vendas é a pressão de marketing de mídia ou não mídia exercida durante um período predeterminado e limitado de tempo ao nível de Metas das Comunicações de Marketing: Criação de consciência informar os mercados sobre produtos, marcas, lojas ou organizações. Formação de imagens positivas desenvolver avaliações positivas nas mentes

Leia mais

Objetivo: identificar as variáveis de marketing e os 4 A s; saber da sua utilizaçao

Objetivo: identificar as variáveis de marketing e os 4 A s; saber da sua utilizaçao Objetivo: identificar as variáveis de marketing e os 4 A s; saber da sua utilizaçao 1 Composto de marketing é um conjunto de instrumentos geradores de ações para direcionar a demanda de produtos e realização

Leia mais

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção

Instalações Máquinas Equipamentos Pessoal de produção Fascículo 6 Arranjo físico e fluxo O arranjo físico (em inglês layout) de uma operação produtiva preocupa-se com o posicionamento dos recursos de transformação. Isto é, definir onde colocar: Instalações

Leia mais

Agente. Análise SWOT. Auditoria de marketing. Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização. Cash-and-carry Central de compras

Agente. Análise SWOT. Auditoria de marketing. Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização. Cash-and-carry Central de compras Termo Agente Análise SWOT Auditoria de marketing Break-even-point Cadeia de lojas Canal de distribuição Canibalização Cash-and-carry Central de compras Ciclo de vida do produto/serviço Contexto de marketing

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data 9 Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores Sua empresa sabe interpretar os dados que coleta? Para aumentar

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

Marketing e Merchandising. Facilitador: Bruno Carnevali- Consultor, BOSS Consultoria

Marketing e Merchandising. Facilitador: Bruno Carnevali- Consultor, BOSS Consultoria Marketing e Merchandising no PDV 1 Quais são as definições de Marketing Marketing 1-Todas as atividades direcionadas a fazer uma troca para satisfazer necessidades ou desejos do homem 2-Processo pelo qual

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC PHCMensagens SMS DESCRITIVO O módulo PHC Mensagens SMS permite o envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo, sem ser necessário criar e enviar uma a uma. Comunique com mais sucesso: ganhe

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Bruynzeel Office Espaço de reflexão

Bruynzeel Office Espaço de reflexão Bruynzeel Office Espaço de reflexão FOCUS ON CUSTOMER SATISFACTION Desenhamos para suportar as suas actividades profissionais Um lugar de trabalho agradável é um lugar de trabalho eficiente O escritório

Leia mais

4 NOVEMBRO DE 2015 A 2 MARÇO DE

4 NOVEMBRO DE 2015 A 2 MARÇO DE MARKETING AGRÍCOLA ESPECIALIZAÇÃO 4 NOVEMBRO DE 2015 A 2 MARÇO DE 2016 14 DIAS 72H 10 MÓDULOS Iniciativa: Formação acreditada por: Media Partners: CONSUMIDOR MERCADO PRODUTO POSICIONAMENTO MARCA PRICING

Leia mais

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS MBA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1 Prof. Martius v. Rodriguez y Rodriguez, pdsc. PRINCÍPIOS ANÁLISE ESTRATÉGICA (FOfA) BALANCED SCORECARD (BSC) EVOLUÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ESCOLAS DE PENSAMENTO

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

CONCEITO DE ESTRATEGIA

CONCEITO DE ESTRATEGIA CONCEITO DE ESTRATEGIA O termo estratégia deriva do grego stratos (exército) e agein (conduzir). O strategos era o que conduzia o exercito, isto é, o general, o comandante-chefe, o responsável pela defesa

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução

CAPÍTULO 10 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA. Introdução CAPÍTULO 0 CONCORRÊNCIA IMPERFEITA Introdução Entre as duas situações extremas da concorrência perfeita e do monopólio existe toda uma variedade de estruturas de mercado intermédias, as quais se enquadram

Leia mais

CROSS BANNER TORMES. Expositor de dupla face fabricado e alumínio e plástico, com um pé metálico em cruz. Medida: 60 x 170 cm

CROSS BANNER TORMES. Expositor de dupla face fabricado e alumínio e plástico, com um pé metálico em cruz. Medida: 60 x 170 cm O Elistand é uma empresa jovem que iniciou a sua actividade em 1999, na área de congressos, feiras, merchandising, ect. com uma vasta gama de sistemas portáteis de exposição, stand s modulares de pequena

Leia mais

Fazer um plano de marketing

Fazer um plano de marketing Gerir - Guias práticos de suporte à gestão Fazer um plano de marketing A coerência e articulação das diferentes políticas da empresa ou produto(s) é responsável em grande parte pelo seu sucesso ou insucesso.

Leia mais

Uma empresa só poderá vender seus bens/serviços aos consumidores se dois requisitos básicos forem preenchidos:

Uma empresa só poderá vender seus bens/serviços aos consumidores se dois requisitos básicos forem preenchidos: Módulo 4. O Mercado O profissional de marketing deverá pensar sempre em uma forma de atuar no mercado para alcançar os objetivos da empresa. Teoricamente parece uma tarefa relativamente fácil, mas na realidade

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira 12ºAno de secretariado TECS. Departamento Comercial e Marketing

Escola Secundária de Paços de Ferreira 12ºAno de secretariado TECS. Departamento Comercial e Marketing Departamento Comercial e Marketing As inovações na gestão empresarial O desenvolvimento económico actual e a necessidade das empresas serem competitivas estão gerando inovações constantes na gestão empresarial.

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

10.1. Estratégias para desenvolvimento de novos produtos

10.1. Estratégias para desenvolvimento de novos produtos Módulo 10. Planejamento de novos produtos Uma economia sofrendo as conseqüências de um mercado globalizado, onde a concorrência não dorme nem perdoa atrasos ou percalços. Esta é o macro ambiente onde estão

Leia mais

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE Muitas vezes o desconhecimento sobre políticas de estoque, finanças e parcerias comerciais é a principal explicação das dificuldades que muitas empresas têm em progredir ou

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais