MARKETING E COMUNICAÇÃO PUBLICITÁRIA NO AGRIBUSINESS: UM EXAME DE COMERCIAIS DE ALIMENTOS NA TV

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARKETING E COMUNICAÇÃO PUBLICITÁRIA NO AGRIBUSINESS: UM EXAME DE COMERCIAIS DE ALIMENTOS NA TV"

Transcrição

1 MARKETING E COMUNICAÇÃO PUBLICITÁRIA NO AGRIBUSINESS: UM EXAME DE COMERCIAIS DE ALIMENTOS NA TV Andréia Zulato Marçolla Moreira 1 José Benedito Pinho 2 RESUMO Abordagem sobre os negócios que envolvem o Complexo Agroindustrial brasileiro, focalizando, em especial, o marketing e a comunicação publicitária na indústria de alimentos. Ainda são analisados três comerciais de empresas do setor agroalimentar Sadia, Ceval e Cargill - recentemente veiculados na TV, com a abordagem de questões como consumidor/imagem/produto, marca/produto e slogans utilizados. 1 - Introdução Os economistas norte-americanos John H. Davis e Ray A. Goldberg (1957) criaram o termo agribusiness para designar uma abordagem sistêmica que incorpora e integra todos os elementos e operações, em seus três elos básicos: o antes da porteira os insumos, bens de produção e serviços para a agropecuária; o dentro da porteira a produção agropecuária em si; e o depois da porteira - o processamento agroindustrial, distribuição e comercialização dos produtos. A partir da concepção do princípio básico das cadeias ou sistemas interligados, a agricultura deixou de ser estudada como um componente isolado da economia. E, no Brasil, o conceito de Complexo Agroindustrial CAI, também vai surgir no sentido de explicar as modificações ocorridas nas atividades agrárias, a partir das intensas ligações entre agricultura e indústria na década de 60. No entendimento de MÜLLER (1989), o Complexo Agroindustrial é o próprio processo moderno de integração entre agricultura e indústria. A interdependência entre as atividades agrícolas e industriais resulta em mudanças na forma de produzir e organizar a produção na agricultura, implicando em um outro padrão agrário, definido como uma determinada articulação entre as esferas produtiva e tecnológica, refletindo-se 1 Jornalista e Mestranda em Extensão Rural, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG. 2 Professor de Comunicação e Marketing Rural do Curso de Mestrado em Extensão Rural, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG. 1

2 no âmbito econômico em termos das políticas agrícolas e dos fluxos do comércio internacional e mesmo no âmbito social, no qual ocorre uma determinada articulação entre os diversos interesses dos grupos sociais que vivem das atividades agrárias. 2 - Marketing em agribusiness Para que uma atividade econômica obtenha sucesso, entre outras medidas, é preciso que sejam elaboradas estratégias de comercialização e aceitação de um produto ou serviço, visando um público alvo, o consumidor. É necessário atender às suas necessidades e anseios, buscando uma política empresarial e mercadológica que, em última análise, visa aumentar cada vez mais o consumo e reduzir os preços reduzidos, com o objetivo final de obtenção do lucro para a empresa. Todo este processo é definido como marketing, termo que começou a ser empregado nos Estados Unidos no início do século XX, abordando inicialmente técnicas de distribuição, vendas e mercado. No Brasil, a concepção de marketing começou a ser implantada, a partir dos anos 50, pelas multinacionais norte-americanas e européias que aqui se instalavam. No agribusiness, o marketing é conceitualmente amplo, abrangendo desde o produtor rural até o consumidor final. XAVIER e MEGIDO (1994) identificaram 13 grandes áreas distintas de especialização associadas à cadeia competitiva do agribusiness, divididas em antes da porteira: marketing de informação, marketing governamental e político, marketing de alta tecnologia); dentro da porteira: marketing de insumos, serviços e bens de produção agropecuários (o denominado marketing rural), marketing do produtor rural, marketing do cooperativismo, marketing de commodities; e fora da porteira: marketing agroindustrial, marketing de distribuição de alimentos, marketing de serviços da alimentação, marketing das instituições sem fins lucrativos, marketing internacional e marketing de franchising. Na sua interação com o Complexo Agroindustrial, o marketing apresenta quatro tecnologias distintas. A primeira é o marketing de insumos e bens de produção para a agropecuária, que ocorre antes da porteira, representado pelas ações da indústria de insumos, serviços e bens de produção. Logo em seguida é empregado o marketing de produtos agrícolas, que acontece dentro da porteira, visando a administração integrada da unidade produtiva rural, por meio de um planejamento do composto mercadológico 2

3 dos produtos de origem animal e vegetal das fazendas. Na seqüência temos o marketing agroindustrial, depois da porteira, que visa o planejamento das ações dos produtos processados industrialmente. Também depois da porteira tem lugar o marketing de varejo e serviços, que estuda as diferentes formas de oferecer os serviços adequados e de qualidade para consumidores em potencial (cf. ARAÚJO, WEDEKIN e PINAZZA, 1990) A indústria de alimentos e o marketing A agropecuária participa na obtenção do produto agrícola total em um contexto interativo de subordinação à agroindústria. Ao analisar a estruturação do sistema agroalimentar no Brasil, CARMO (1996) caracterizou a importância da indústria alimentar no contexto dos Complexos Agroindustriais, ressaltando ainda que o vigor da indústria de alimentos está diretamente relacionado à demanda interna, apesar das exportações serem bem significativas. Nos anos 80, as exportações de produtos alimentares elaborados e semi-elaborados, atingiram 25% do total de mercadorias vendidas ao exterior. Entretanto, existe uma defasagem na tecnologia de produção na indústria alimentar nacional, quando comparada com o mercado internacional. O setor alimentar de produtos com maior valor agregado apresenta 60% de atualização tecnológica, em relação a 100% dos países desenvolvidos. O exame da composição do faturamento da indústria de alimentos também revela que os ramos de maior importância são os de carnes (16%), açúcar (13%), laticínios (12%), massas (8%), óleos vegetais (8%), frutas (8%) e café (6%), sendo que 80% das vendas dos setores estão vinculadas ao mercado interno. Por outro lado, a ativação do ritmo de vida das pessoas orienta para novos hábitos sociais e culturais, com evidentes reflexos no setor alimentício. O crescente uso de alimentos industrializados prontos ou semi-prontos produz novos padrões de vida e consumo. Entretanto, ao mesmo tempo em que as pessoas procuram estabelecimentos de fast-food, devido ao ritmo frenético do dia-a-dia, muitas famílias ainda fazem as refeições convencionalmente em seus lares (cf. ARAÚJO, WEDEKIN e PINAZZA, 1990). O consumidor está cada vez mais exigente e tem plena consciência da necessidade de incluir, na alimentação, produtos que não tragam malefícios à saúde, que sejam 3

4 econômicos e rápidos no preparo. Desta maneira, as novas exigências destes consumidores estão acarretando substanciais alterações no setor de alimentos, e a indústria e o comércio de alimentos procuram responder com produtos e processos cada vez mais práticos, econômicos e até mesmo requintados. Deve-se ressaltar que os produtos industrializados se tornaram cada vez mais acessíveis a todas as camadas sociais, revolucionando o setor de alimentação. Hoje, a indústria alimentar brasileira tende a criar mais e mais produtos, satisfazendo as necessidades do comprador em termos de tempo e disponibilidade, e ainda estimulando os desejos (e apetite) com uma oferta de alimentos amplamente diversificada. A modernização da indústria alimentícia propiciou o aumento do tempo de preservação e armazenamento doméstico dos alimentos, procurando manter a qualidade e a pureza destes produtos, de preparo instantâneo e fácil, que estão à disposição do consumidor a qualquer hora e lugar, seja em uma loja de conveniência aberta dia e noite, que vende alimentos em pequenas porções e semi-prontos, ou em um grande mercado com uma completa variedade de produtos (cf. CARMO, 1996). Neste contexto, a empresa quer que o consumidor possa expressar suas opiniões e anseios sobre determinado produto, que são levados em consideração para o seu aperfeiçoamento ou para a criação de novos produtos. Da mesma maneira, diversas empresas do ramo alimentício abrem novos canais de comunicação para o atendimento e esclarecimento de dúvidas do consumidor, que ainda resultam em credibilidade para a imagem da marca, do produto e da próprio fabricante. Além dos sistemas tradicionais de atendimento ao consumidor por telefone, ou por cartas, existem também os serviços de atendimento ao consumidor na Internet. O computador fornece todas as informações de determinados produtos, bastando apenas que o consumidor navegue neste mar de modernidade. A multiplicação do consumo de alimentos industrializados resulta no evidente crescimento dos setores do depois da porteira, nos quais estão classificadas as lojas de conveniência, shopping centers, sacolões, cadeias de fast-food, franquias, rodízios e restaurantes de comida por quilo. Mas, acima de tudo, o agribusiness fortifica o vínculo existente entre a produção e o consumo ao longo da cadeia alimentar, quando engloba as atividades ligadas à manipulação, processamento, preservação, armazenamento e distribuição de produtos. 4

5 3 - A busca da cumplicidade na publicidade de alimentos Diante da competitividade existente no mercado, torna-se essencial que, entre as estratégias adotadas pela indústria alimentícia, estejam aquelas relacionadas com a comunicação publicitária. Três grandes agroindústrias brasileiras - Sadia, Ceval e Cargill, tradicionais no setor avícola -, começaram a veicular na televisão, a partir de 1997, três comerciais de suas marcas alimentícias, que transmitem a idéia de família e saúde. O anúncio da Sadia é apresentado com uma música instrumental de fundo, e um texto falado em tom emotivo, exprimindo os valores da empresa, interagindo-se com os valores da família. Além disso, transmite a idéia de confiabilidade, por meio de produtos com total higiene e segurança, protegendo a saúde da família (qualidade de vida). O slogan do comercial apresentado é o seguinte: Isso é saúde. Isso é Sadia. Este anúncio é o único institucional, diferenciando-se dos outros dois. A empresa Ceval retoma a construção da imagem de seu produto, o óleo de soja Soya, veiculando comerciais também emotivos, que dão idéia de seqüência, de ligação. Um dos anúncios, por exemplo, mostra cronologicamente a união de um casal, construindo uma família, sendo acompanhado durante toda a história pelo óleo Soya. O anúncio apresenta o slogan: Toda família pede um grande óleo... Soya!. O texto do comercial é cantado em um tom suave, sem nenhum fundo musical, apresentando evidente clareza de palavras. O terceiro comercial é da Cargill, para o seu óleo de soja Liza. Com o slogan Liza, o xodó do Brasil, o anúncio incorpora a marca do óleo aos pratos preparados pelas pessoas, juntamente com os sobrenomes das famílias que desfrutam da comida, sempre em família. O anúncio é apresentado em forma de música (jingle), buscando a cumplicidade do consumidor. 3.1 Os veículos que se comunicam com o mercado consumidor 5

6 As ferramentas básicas de comunicação mercadológica da empresa são a propaganda, publicidade, promoção de vendas, merchandising e relações públicas. Por sua vez, de acordo com PINHO (1991), os veículos de comunicação publicitária podem ser classificados em visuais (imprensa - jornais, revistas, periódicos especializados; publicidade direta - prospectos, folhetos, cartas, catálogos e congêneres; exibições - display, vitrinas, exposições; ar livre- cartazes, painéis, luminosos, outdoor), auditivos (rádio e alto-falante), audiovisuais (televisão e cinema), funcionais (amostras, brindes, concursos). Alguns desses veículos - como a televisão, rádio, jornal, revista e outdoor -, são mais propriamente denominados mídias, que, por sua natureza de meios de comunicação de massa, abrangem um grande número de pessoas. A empresa, quando vai investir em publicidade, deve escolher a combinação de mídias que garanta maior eficácia e eficiência, ou seja, que permita atingir os objetivos de comunicação com a melhor relação entre investimento, intensidade, freqüência e rapidez com que os consumidores serão atingidos. Para COBRA (1991):... à medida que os investimentos publicitários de uma empresa, tendem a crescer, é preciso maior eficácia e efetividade nos gastos com propaganda, para que os esforços com a estratégia de marketing, com marca e comunicação levem a resultados positivos. A evidência desse resultado é expressa de variadas maneiras, para criar níveis positivos na atitude do consumidor em relação a uma marca, e sobretudo nas vendas de um produto, que é o objetivo final. No caso dos comerciais em exame, a televisão é a mídia comum adotada pelos fabricantes, um veículo líder em investimentos publicitários e cujas principais vantagens são o grande impacto, grande audiência e o fato de reunir imagem, som, movimento e cor. A TV é uma mídia eficiente para a demonstração de produtos, trazendo prestígio para o anunciante e sendo extremamente flexível para ser modelada de acordo com as suas necessidades particulares. Promove um forte apelo aos sentidos e é capaz, como ocorreu muitas vezes, de criar moda e gerar ou reforçar hábitos de consumo. 3.2 O produto e o consumidor 6

7 BRIZ (1990) sustenta que a publicidade tem dois aspectos: um informativo e o outro persuasivo. Na medida que a informação corresponda à realidade, sua ação é positiva. A persuasão trata de atrair o consumidor para um produto ou marca determinada. O objetivo essencial é captar clientes. No geral, a publicidade facilita o conhecimento do produto, levando à compra do mesmo. As qualidades ocultas do produto e a presença de fatores emocionais na compra são elementos indispensáveis para que a publicidade exerça o seu papel na diferenciação de produtos. Segundo COBRA (1991), para os consumidores, os produtos variam de acordo com a percepção de sua importância. A familiaridade com o produto ou marca vai aumentar na medida em que o consumidor apreenda informações novas sobre o produto. Com isso, os sentimentos subjetivos do consumidor o levam a valorizar o produto em função do envolvimento decorrente da satisfação que tal produto possa proporcionar na sua compra. O consumidor passa a fazer a relação entre perceber o produto como importante e obter algum objetivo particular intrínseco. A publicidade pode ocasionar uma série de impactos específicos na conduta do consumidor, sendo identificados por Sheth (cit. em BRIZ, 1990) quatro mecanismos: a rapidez, estimulando os consumidores a comprar um produto ou serviço, acelerando a tomada de decisões sobre comprar ou não uma classe geral de produtos; a persuasão, estimulando o consumidor a eleger entre alternativas dentro da mesma classe geral de produto ou serviço; o reforço, racionalizando o capacidade do consumidor de eleger um produto, conduzindo à lealdade das compras entre diferentes marcas; a lembrança, estimulando os consumidores a serem clientes habituais de uma determinada marca ou classe geral de produtos. São justamente estes os propósitos que podem ser evidenciados nos comerciais em exame. No caso do óleo de soja Soya, o produto busca a afirmação da marca em um mercado competitivo. O objetivo intrínseco de manter a saúde da família é expressado por meio de imagens mostradas ao redor e ainda pelo produto, que enche os olhos do consumidor e transmite a idéia de higiene, fundamental em alimentos. A embalagem de Soya apresenta a frase Respeito ao consumidor, e a indicação de ser um óleo produzido com matéria-prima 100% vegetal, sem colesterol. Pode-se entender que a estratégia da empresa Ceval, de suscitar a confiabilidade em um determinado produto, implica na possível ação do consumidor em também optar por outros produtos da empresa. 7

8 No comercial da Cargill, a empresa também busca a afirmação da marca no mercado, em evidente concorrência com o óleo Soya. O comercial do óleo Liza foi veiculado posteriormente à sua concorrente, com o mesmo tema, mas apresentando um estilo diferenciado, mais dinâmico, alegre, mostrando diversos pratos e opções alimentares para se usar o óleo Liza. Com o slogan To falando de alegria, to falando de sabor, To falando de Liza. Liza o xodó do Brasil, o anúncio explicita naturalmente a idéia de que a família deve consumir o óleo e, assim, pretende colocar a marca na preferência do consumidor brasileiro. No comercial da Sadia, a empresa vende a sua própria imagem e os produtos que fabrica, pelo que podemos considerá-la como uma propaganda institucional. Nas palavras de GRACIOSO (1995), a propaganda institucional tem por função influenciar as atitudes mentais e o comportamento das pessoas: (...) a propaganda em geral, e a propaganda institucional em particular, procuram informar, persuadir e predispor favoravelmente as pessoas, em relação ao produto, serviço, marca ou instituição patrocinadora. De acordo com esta definição, a função da propaganda (institucional ou não) não consiste em vender. Ela predispõe à compra, ou à aceitação de uma idéia. O anúncio também tenta passar credibilidade em termos da higiene, bem-estar e saúde proporcionados pela marca. A solidificação no mercado é buscada pela afirmação de sua relação íntima com a família durante mais de 50 anos, o que contribui para que a Sadia eleve o conhecimento de outros produtos que estão aos poucos ganhando mercado, como o superfrango Fiesta, por exemplo. Inevitavelmente, o consumidor acaba por lembrar a marca e exercer preferência pela mesma em relação a outros produtos que precisa quando vai às compras. Por exemplo, se ele compra uma bandeja de Marinados, que ele já consome há muito tempo, por quê não comprar outro produto da mesma empresa? 3.3 A imagem da marca/produto Para COBRA (1991), o objetivo primário presente nas estratégias de marca consiste em criar na mente do consumidor uma impressão da marca que a distinga de suas congêneres. Tais estratégias freqüentemente tentam dar personalidade às marcas pela 8

9 designação de traços humanos ao produto. Uma marca bem posicionada pode ocupar uma posição estratégica competitiva se for sustentada por associações fortes. Segundo PINHO (1996), as associações contribuem para adicionar valor à marca, diferenciando-a de seus concorrentes e estimulando emoções e sentimentos. As associações podem até fundamentar as decisões de compra, envolvendo atributos do produto ou benefícios ao consumidor, proporcionando uma razão específica para compra ou o uso do produto. A empresa que investe em publicidade trabalha, a todo o momento, tentando desenvolver e manter determinados conjuntos de valores e atributos para a construção de uma imagem de marca que se mostre coerente, apropriada e atrativa para o consumidor: Como um dos componentes de marca, a comunicação pode com muita propriedade ajudar na tarefa de criar e manter um conjunto atualizado e permanente de atributos, valores, sentimentos e percepções conectados com a marca para revesti-la de um sentido de valor que ultrapasse a mera percepção dos benefícios funcionais do produto (PINHO, 1996). Outro importante papel desempenhado pela publicidade na construção das marcas está em promover o seu conhecimento, em três níveis: reconhecimento, lembrança espontânea e o top of mind, que é o nível máximo de conhecimento. Mas, de maneira geral, o propósito básico da publicidade é tornar a marca familiar ao consumidor. Podemos, portanto, afirmar que os comerciais da Sadia e dos óleos de soja Soya e Liza promovem a fidelidade do consumidor, ao explorar em suas mensagens os valores e sentimentos que permitam estabelecer um relacionamento íntimo e prolongado, criando um vínculo emocional, que determina a lealdade e o comprometimento do consumidor. 3.4 A arte dos slogans e das frases de efeito Na publicidade, o texto é tão importante quanto a imagem, sendo, portanto, indissociáveis. Os comerciais veiculados na TV conseguem, muitas vezes, associar de maneira perfeita o texto às imagens. Entre as diferentes formas do verbal, o slogan * destaca-se por ser uma forma verbal * As frases de efeito diferenciam-se dos temas de campanha e dos slogans. O slogan é quase sempre uma frase de efeito, porém, nem toda frase de efeito, a princípio, é um slogan. No decorrer das campanhas, elas podem até se transformarem em slogans. Já os temas de campanhas, são equivalentes aos slogans, 9

10 apelativa, que tem na publicidade, de modo geral, seu maior canal de veiculação, não dispensando efeitos estilísticos e retóricos, sendo impactantes, despertando atenção e facilitando a memorização. O slogan é historicamente, um mecanismo verbal que não intenta argumentar nem evocar a racionalidade. Ele objetiva o incitamento de um grande número de pessoas, compelindo-as a um comportamento ativo, não necessariamente autodeliberado, mas sempre favorável ao consumo (IASBECK, 1994). Um bom slogan, deve ter estilo, sendo constituído, portanto, de feições estilísticas, responsáveis por uma comunicação imediata bem persuasiva. Por outro lado, os slogans podem se apresentar bem diretos, incentivando o consumidor, de maneira quase hipnótica, a comprar o produto. Referindo-se à natureza do slogan, IASBECK (1995) identifica suas origens: O slogan é uma fórmula que tem na linguagem falada sua mais completa realização. Ele precisa ter a competência de ser repetido, para atender seus propósitos de grito de guerra, de palavra de ordem. (...) o slogan se identifica com os clichês, chavões e frases feitas, utilizando de propriedades conectivas standards e de recursos acústicos. Entretanto, os slogans também podem apresentar uma função poética, como pode ser observado em dois dos comerciais em exame. O anúncio da Sadia apresenta o slogan: Isso é Saúde. Isso é Sadia, passando para o consumidor a idéia de identificação. Sugere uma metáfora. Quando se quer saúde se quer Sadia. A própria letras s, usada seis vezes no slogan, criando um paralelismo métrico na equalização das emissões de som. O realce da sororidade visa facilitar a memorização do consumidor com relação à marca Sadia, para sua evocação quando o mesmo for às compras. No comercial do óleo de soja Soya pode-se verificar que seu slogan, Toda família pede um grande óleo... Soya!, também transmite poesia e melodia. O slogan sugere que o óleo Soya deve fazer parte integrante da família. Portanto, a família que permanece unida com harmonia, acaba tendo por merecimento o uso do óleo Soya, e todos os seus atributos de saúde, qualidade, higiene e comprometimento em continuar mantendo a união desta família. sendo frases fortes e bem construídas para uma finalidade específica e que acabam por traduzir e direcionar a filosofia da campanha (cf. IASBECK, 1995).. 10

11 Já o óleo de soja Liza apresenta um estilo diferente de comercial, mais popular, usando uma linguagem bem simples, com música num ritmo mais alegre e descontraído. O slogan To falando de alegria, to falando de sabor...tô falando de Lisa..., associando óleo/comida/família, como, por exemplo: Liza Carreteiro de Castro, Liza Tempeirinho Pereira. O uso de vários sobrenomes brasileiros contribui justamente para uma identificação do consumidor com o produto. 4 Considerações finais Como vimos, o conceito de agribusiness envolve a cadeia que vai desde o produtor rural até o consumidor final. Na aplicação do marketing em agribusiness reconhecemos 13 grandes áreas distintas de especialização, divididas em antes da porteira: marketing de informação, marketing governamental e político, marketing de alta tecnologia); dentro da porteira: marketing de insumos, serviços e bens de produção agropecuários (o denominado marketing rural), marketing do produtor rural, marketing do cooperativismo, marketing de commodities; e fora da porteira: marketing agroindustrial, marketing de distribuição de alimentos, marketing de serviços da alimentação, marketing das instituições sem fins lucrativos, marketing internacional e marketing de franchising. A modernização da agricultura brasileira, ocorrida em meados deste século, acarretou uma grande oferta de produtos agroalimentares, atendendo a uma demanda corrente e acompanhando o crescimento econômico geral. A indústria de alimentos representa atualmente uma parcela importante entre as indústrias nacionais, tendo um papel estratégico no crescimento econômico do país. Também ocorreu a substituição de produtos consumidos in natura por produtos processados com maior valor agregado, demonstrando a potencialidade de crescimento da indústria de alimentos. No marketing de produtos alimentícios evidenciamos os setores de distribuição e de serviços, que experimentam grande desenvolvimento em razão da preferência dos consumidores em se alimentarem em restaurantes práticos e econômicos, como os de comida por quilo e lanchonetes de fast-food, que ofereçam boa qualidade na alimentação, com rapidez e economia. No entanto, algumas pessoas ainda preferem se alimentar em suas próprias casas, onde também se verifica a necessidade de alimentos 11

12 industrializados práticos e rápidos no preparo. O exame dos comerciais de alimentos da Sadia, Ceval e Cargill, veiculados na TV, mostram que o primeiro vende a imagem da empresa, embora não esteja descartado o propósito de venda dos seus produtos. O segundo vende mais diretamente um produto o óleo de soja Soya, sem descuidar de transmitir valores e criar emoções que reforcem a credibilidade da Ceval. O terceiro comercial, do óleo de soja Lisa, guarda semelhança com aquele da marca Soya, em termos da temática. É oportuno ressaltar que os comerciais analisados, a exemplo de inúmeros outros do setor de alimentação, direcionam as mensagens para a família, apelando para a emoção, procurando a identificação do consumidor com a marca, estabelecendo a cumplicidade e buscando a confiança do consumidor para, em última análise, criar a fidelidade à marca. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARAÚJO, N. B., WEDEKIN, I. e PINAZZA, L. A. Complexo agroindustrial: o agribusiness brasileiro. São Paulo: Agroceres,1990. BRIZ, J. (Coord.). Publicidad en el sistema agroalimentario: un analisis comparativo internacional. Madrid: Mundi-Prensa, CARMO, M. S. (Re)Estruturação do Sistema Agroalimentar no Brasil: a diversificação da demanda e a flexibilidade da oferta. São Paulo: Instituto de Economia Agrícola, COBRA, M. O impacto da propaganda. São Paulo: Atlas, DAVIS, J. H. e GOLDBERG, R. A. A concept of agribusiness. Cambridge: Harvard University Press, GRACIOSO, F. Propaganda institucional: nova arma estratégica da empresa. São Paulo: Atlas, IASBECK, L. C. A. A arte dos slogans. In: PINHO, J. B. (coord.). Trajetória e questões contemporâneas da publicidade brasileira. São Paulo: Intercom, Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, MEGIDO, J. L. T. e XAVIER, C. Marketing e agribusiness. São Paulo: Atlas, MÜLLER, G. Complexo agroindustrial e modernização agrária. São Paulo: Hucitec,

13 PINHO, J. B. Comunicação em marketing: princípios da comunicação mercadológica. 2. ed. Campinas: Papirus, O poder das marcas. São Paulo: Summus,

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL.

MARKETING. Marketing # Vendas MARKETING. Vendas. Marketing 26/02/2013 MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING OPERACIONAL. Material Didático Disciplina: Comercialização Agroindustrial # Vendas Prof. responsável: José Matheus Yalenti Perosa Vendas Objeto Produtos Necessidade dos consumidores Atividade humana ou processo social,

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Capítulo 18 Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Questões abordadas no capítulo Quais são as etapas envolvidas

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires Princípios e Conceitos de Marketing Prof. Felipe A. Pires O que é Marketing? É a execução de um conjunto de atividades comerciais, tendo como objetivo final a troca de produtos ou serviços entre produtores

Leia mais

Como Atrair Clientes

Como Atrair Clientes COMO ATRAIR CLIENTES QUESTÕES BÁSICAS Quem são os meus clientes? Quantos sãos? Onde estão? Como fazer para falar com eles? DEFINIÇÃO SEGMENTO DE MERCADO Significa um grupo de consumidores com necessidades

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Propaganda Qualquer forma paga de apresentação não pessoal e promocional

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

FUNDAMENTOS DE MARKETING

FUNDAMENTOS DE MARKETING FUNDAMENTOS DE MARKETING Há quatro ferramentas ou elementos primários no composto de marketing: produto, preço, (ponto de) distribuição e promoção. Esses elementos, chamados de 4Ps, devem ser combinados

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL Questão n o 1 a) O candidato deverá apresentar seis dentre as seguintes vantagens: Domínio de tecnologia capaz de produzir bens preferidos por certas classes de compradores Aumento dos índices de qualidade

Leia mais

Marketing Básico Capítulo II. O Composto de Marketing Os 4 P s

Marketing Básico Capítulo II. O Composto de Marketing Os 4 P s Marketing Básico Capítulo II O Composto de Marketing Os 4 P s O Produto Podemos definir produto como sendo o ator principal da relação de troca, onde o mesmo deve resultar como amplamente satisfatório

Leia mais

Módulo 12 Segmentando mercados

Módulo 12 Segmentando mercados Módulo 12 Segmentando mercados Há alguns anos que os profissionais de marketing perceberam que não se pode atender todo o mercado com um único composto de produto. Nem todos os consumidores querem um carro

Leia mais

Comunicação Integrada de marketing.

Comunicação Integrada de marketing. Comunicação Integrada de marketing. - COMPOSTO DE COMUNICAÇÃO - 4 A s - 4 C s Comunicação: é a transmissão de uma mensagem de um emissor para um receptor, de modo que ambos a entendam da mesma maneira.

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

A importância do branding

A importância do branding A importância do branding Reflexões para o gerenciamento de marcas em instituições de ensino Profª Ligia Rizzo Branding? Branding não é marca Não é propaganda Mas é sentimento E quantos sentimentos carregamos

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

OBJETIVOS DE MARKETING

OBJETIVOS DE MARKETING CASE Banco do Brasil Todo Seu O Banco do Brasil é a mais antiga instituição bancária brasileira. Reconhecido como fundamental para o desenvolvimento econômico e social do país, é também o maior banco da

Leia mais

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo 7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo A COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar no marketing emitir mensagem para alguém emitir mensagem para o mercado

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006

A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006 A Eficácia da Comunicação no Varejo (O que funciona e o que não funciona) Congresso ABEP 2006 Mar / 2006 Por que focar no Varejo? Investimentos em Mídia Volume em R$ 5.540.176 Varejo representa 27% dos

Leia mais

Espaços Culturais como estratégia de comunicação de marca

Espaços Culturais como estratégia de comunicação de marca Espaços Culturais como estratégia de comunicação de marca Casos: Oi, Vivo, Citibank e HSBC Objetivos a. Analisar as estratégias de comunicação das empresas que utilizam os espaços culturais do Rio de Janeiro

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE S (ÁREA: GESTÃO) TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização:A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção

A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL IV SIMBRAS I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AGROPECUÁRIA SUSTENTÁVEL A Sustentabilidade nos Sistemas Associativistas de Produção Prof. José Horta Valadares,

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina Mídia - 2015.1 Nilmar Figueiredo 1 2 3 4 Calendário Acadêmico Comentários Apresentação da Disciplina Sistema de Avaliação 1 - Apresentação da Disciplina O que é Mídia? Departamento de Mídia - Organização

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda

introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda introdução a publicidade & propaganda Aula 3 - Departamentos e uxograma da agência de propaganda professor Rafael Ho mann Campanha Conjunto de peças com o mesmo objetivo, conjunto de peças publicitárias

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

Pesquisa Mercadológica. Prof. Renato Resende Borges

Pesquisa Mercadológica. Prof. Renato Resende Borges Pesquisa Mercadológica Prof. Renato Resende Borges Definição de Pesquisa de Marketing É a identificação, coleta, análise e disseminação de informações de forma sistemática e objetiva e o uso de informações

Leia mais

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA

MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA 1 MARKETING AMBIENTAL: UMA FERRAMENTA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Felipe Rogério Pereira (UniSALESIANO Araçatuba/SP) HerculesFarnesi Cunha ( Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas- AEMS e UniSALESIANO

Leia mais

COMO DIVULGAR SUA EMPRESA

COMO DIVULGAR SUA EMPRESA COMO DIVULGAR SUA EMPRESA João Abdalla Consultor de Marketing Unid. Org. Capital Sebrae SP Tel.: (0XX11) 3177-4500 joaon@sebraesp.com.br 4/1/2011 1 QUESTÕES BÁSICAS Quem são os meus clientes? Quantos são?

Leia mais

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing

MARKETING II. Comunicação Integrada de Marketing CENTRO UNIVERSITÁRIO FRANCISCANO CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO MARKETING II Comunicação Integrada de Marketing Profª: Michele Freitas Santa Maria, 2012. O que é comunicação integrada? É o desenvolvimento

Leia mais

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1

Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 Não adianta falar inglês sem fazer sentido. 1 BOGUSZEWSKI, Luiza. 2 SCHETTERT, Gabriela Antunes. 3 MENEZES, Sérgio. 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR. 2013 RESUMO Com a disseminação da cultura norte-americana

Leia mais

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários

Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Revisando... Segmentos antes da porteira: Insumos agropecuários Serviços agropecuários Segmentos dentro da porteira: Produção agrícola Produção pecuária Segmentos depois da porteira: Agroindústria Canais

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 Matheus Alberto Cônsoli* Lucas Sciência do Prado* Marcos Fava Neves* As revendas agropecuárias devem considerar não apenas preços, mas também as oportunidades

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES CURSO PROFISSIONAL de Técnico de Comunicação Marketing, Relações Públicas e Publicidade DISCIPLINA: Comunicação Publicitária e Criatividade ANO: 11º Turma:

Leia mais

Atendimento. Item 4- Publicidade e Propaganda

Atendimento. Item 4- Publicidade e Propaganda Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda PUBLICIDADE X PROPAGANDA PUBLICIDADE Deriva de público (latim: publicus) Atendimento Item 4- Publicidade e Propaganda

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL

PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL Prof. a Fabiana Baraldi - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO Índice 1. Pesquisa de mercado...3 1.1. Diferenças entre a pesquisa de mercado e a análise de mercado... 3 1.2. Técnicas de

Leia mais

MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING ESTRATÉGICO O conceito de marketing é uma abordagem do negócio. HOOLEY; SAUNDERS, 1996 Esta afirmação lembra que todos na organização devem se ocupar do marketing. O conceito de marketing não

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes

Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes Empreendedorismo e Competência do Gestor no Agronegócio. Prof. Dr. Osmar Manoel Nunes 1 Conceito de Agronegócio As propriedades rurais tradicionais eram muito diversificadas, com várias culturas e criações

Leia mais

"O valor emocional das marcas."

O valor emocional das marcas. DOMINGO, FEVEREIRO 24, 2008 "O valor emocional das marcas." Por Thales Brandão Atualmente as empresas estão buscando cada vez mais gerir suas marcas com conjunto de valores completamente diferentes dos

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica.

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Além de tornar-se fundamental para a difusão do conhecimento e geração das relações interpessoais, a Internet

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Gestão de. O que é Marketing? Steven Albuquerque. Steven Albuquerque DISCIPLINA. Conceituação de Marketing. Conceituação de Marketing 15/02/2016

Gestão de. O que é Marketing? Steven Albuquerque. Steven Albuquerque DISCIPLINA. Conceituação de Marketing. Conceituação de Marketing 15/02/2016 2 Gestão de Mestre em Administração Univ. Federal de Pernambuco - UFPE Master em International Business Universidad de Barcelona MBA em Estratégico Univ. Federal de Pernambuco - UFPE Administrador Univ.

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO SAIR DO LUGAR-COMUM PÃO DE AÇÚCAR UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO Só em São Paulo, a associação que reúne os supermercados tem mais de 50 empresas cadastradas. As lojas se espalham com um volume impressionante.

Leia mais

DATA: 05/05/2015 AUDITÓRIO: MARKETING E CONSUMIDOR TEMA: COMO TRANSFORMAR SEU CLIENTE EM UM CONSUMIDOR FIEL PALESTRANTE: FELIPE MENDES

DATA: 05/05/2015 AUDITÓRIO: MARKETING E CONSUMIDOR TEMA: COMO TRANSFORMAR SEU CLIENTE EM UM CONSUMIDOR FIEL PALESTRANTE: FELIPE MENDES DATA: 05/05/2015 AUDITÓRIO: MARKETING E CONSUMIDOR TEMA: COMO TRANSFORMAR SEU CLIENTE EM UM CONSUMIDOR FIEL PALESTRANTE: FELIPE MENDES AINDA PRECISAMOS FALAR DA EXPERIÊNCIA MULTICANAL, POIS É COMPLEXA

Leia mais

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ

DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ DATA: 05/05 AUDITÓRIO: OPERAÇÕES TEMA: SUSTENTABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES BRASILEIRAS: ONDE ESTAMOS? PALESTRANTE: NATHAN HERSZKOWICZ Planejamento Boa Gestão Consciência Política Sustent bilidade Participação

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL

INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL INTRODUÇÃO AO CURSO DE MARKETING ELEITORAL FAÇA SUA CAMPANHA PARA PROJETO PODER P - Planejamento O - Organização D - Delegação E - Execução R - Realização Lance sua campanha para Vereador com o Projeto

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Anuncie na Play! PROPOSTA COMERCIAL. Prezados,

Anuncie na Play! PROPOSTA COMERCIAL. Prezados, PROPOSTA COMERCIAL Prezados, Apresentamos a V.Sas. proposta de prestação de serviços de veiculação de anúncios publicitários na rádio Play FM, sintonizada na frequência 107,5 do dial FM dos rádios e acessada

Leia mais

Comércio eletrônico: uma reflexão da Publicidade on line

Comércio eletrônico: uma reflexão da Publicidade on line UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - UFSC EGC DISCIPLINA: COMÉRCIO ELETRÔNICO Comércio eletrônico: uma reflexão da Publicidade on line Elaisa Ana Stocco COMÉRCIO ELETRÔNICO A chave da estratégia de

Leia mais

MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS. Qual a diferença?

MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS. Qual a diferença? MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS Qual a diferença? Marketing promocional É uma ferramenta que se utiliza de várias outras para promover a promoção de vendas. Por exemplo: Marketing promocional

Leia mais

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO

RÁDIO E TV TÉCNICO EM ATUAÇÃO NO MERCADO O CEET - Centro Estadual de Educação Técnica Vasco Coutinho é uma Instituição de Ensino criada e mantida pelo Governo do Estado do Espírito Santo e transferido através da lei n 9.971/12, para Secretaria

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

Fundamentos de Marketing Global Parte 02 Decisão sobre o programa de Marketing Global Alternativas estratégicas de expansão geográfica

Fundamentos de Marketing Global Parte 02 Decisão sobre o programa de Marketing Global Alternativas estratégicas de expansão geográfica Fundamentos de Marketing Global Parte 02 Decisão sobre o programa de Marketing Global Alternativas estratégicas de expansão geográfica As empresas podem crescer de três maneiras diferentes. Os métodos

Leia mais

APRENDIZAGEM EMOCIONAL

APRENDIZAGEM EMOCIONAL APRENDIZAGEM EMOCIONAL Escrito por Mauricio Aguiar Saudações a você que vem acompanhando o trabalho do POINT DOS AMORES e com a sua participação e interesse contribui para o crescimento do POINT. Nesta

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

MARKETING DE VENDAS. Maiêutica - Curso de Processos Gerenciais

MARKETING DE VENDAS. Maiêutica - Curso de Processos Gerenciais MARKETING DE VENDAS Alcioni João Bernardi Prof. Ivanessa Felicetti Lazzari Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Processos Gerenciais (EMD0130) Prática do Módulo IV 27/11/12 RESUMO Este trabalho

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

Introdução...3. O que é marca?...4. Marcas x produtos...4. Kotler apresenta cinco níveis para um produto:...5

Introdução...3. O que é marca?...4. Marcas x produtos...4. Kotler apresenta cinco níveis para um produto:...5 Marcas Marcas Introdução...3 O que é marca?...4 Marcas x produtos...4 Kotler apresenta cinco níveis para um produto:...5 Exemplo de diferentes níveis de produto...6 Desafios do branding...8 Conceito de

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2013 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 26 % da

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc

Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Guilherme Augusto Vieira,MV,MSc Doutorando História das Ciências UFBA,UEFS ABA QUALYAGRO PEC NORDESTE 2013 Guilherme Augusto Vieira gavet@uol.com.br Agronegócio Contexto Pessoal Início trabalhos com Agronegócio

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br Fazendo a diferença no Ponto de Venda EBOOK Sumário Revisão O que é Trade Marketing? Entenda o Comportamento de Compra do Consumidor O que é Merchandising? Revisão Para entender sobre Trade Marketing devemos

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS OFICINA 2 Professora: Izabel Portela izabel@institutoiris.org.br Novembro - 2007 1 M A R K E T I N G

Leia mais

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Alexandre COELHO 2 Catarina CARVALHO 3 Danielle RIBEIRO 4 Leoni ROCHA 5 Paloma HADDAD 6 Professor/Orientador: Daniel CAMPOS 7 Universidade Fumec,

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

MARKETING NA INTERNET

MARKETING NA INTERNET MARKETING NA INTERNET HUGO HOCH CONSULTOR DE MARKETING ER. BAURU SEBRAE-SP hugoh@sebraesp.com.br Marketing na Internet O que é? o Marketing na Internet, também referido como: i-marketing, web marketing,

Leia mais

A Resolução CFM nº 1.974/2011

A Resolução CFM nº 1.974/2011 A Resolução CFM nº 1.974/2011 A Resolução CFM nº 1.974/2011 Publicada no Diário Oficial da União em 19/8/2011. Entra em vigor 180 dias após sua publicação. Ementa: Estabelece os critérios norteadores da

Leia mais