Estratégias de Marketing em Supermercados: O Caso da Rede Comercial Carvalho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estratégias de Marketing em Supermercados: O Caso da Rede Comercial Carvalho"

Transcrição

1 Resumo Estratégias de Marketing em Supermercados: O Caso da Rede Comercial Carvalho Autoria: Nelson Alves de Souza Filho Este caso tem como objetivo apresentar a seguinte situação-problema: como é possível implementar uma estratégia de marketing baseada na qualidade de atendimento em uma empresa que atua em um setor que é definido como sendo de auto-serviço, ou seja, no qual vigora o modelo do cliente servir a si próprio? Dado que a competição na indústria supermercadista brasileira se intensificou após a estabilização da economia e com a chegada de competidores internacionais, é relevante compreender como supermercados de atuação regional posicionam-se frente a essas mudanças. A empresa descrita é a rede de supermercados Comercial Carvalho 19ª cadeia em volume de vendas (segundo ranking 2006 da Associação Brasileira de Supermercados ABRAS), com sede em Teresina, capital do estado do Piauí. Suas estratégias de marketing, recursos competitivos e posicionamentos em face das forças competitivas têm possibilitado competir com relativo sucesso em relação às empresas líderes do setor: Pão de Açúcar e Wal-Mart do Brasil. 1 Introdução A palavra supermercado já quer dizer que é auto-atendimento, mas só que tem alguns setores que ainda precisam de um pouco de mão-de-obra, por exemplo, lá na carne, ele [consumidor], chega e solicita a carne que quer, pede o pedaço que quer, a lingüiça, o queijo, tem o atendimento do caixa, tem o empacotador, tem a pessoa que vai deixar o carrinho dele lá [no estacionamento], enfim, e a gente está sempre pronto pra atender o cliente. Estas são palavras de Reginaldo Carvalho, Diretor-Presidente e fundador da rede de supermercados Comercial Carvalho. O relato acima é uma explicação dada à pergunta: como é possível implementar uma estratégia de marketing baseada na qualidade de atendimento em uma empresa que atua em um setor que é definido como sendo de auto-serviço, ou seja, no qual vigora o modelo do cliente servir a si próprio? Formular e implementar estratégias de marketing inovadoras em indústrias nas quais o modelo de gestão encontra-se amplamente consolidado é um desafio. A (rede) Comercial Carvalho, 19ª cadeia em volume de vendas (segundo ranking 2006 da Associação Brasileira de Supermercados ABRAS), com sede em Teresina, capital do estado do Piauí, concorre principalmente com Wal-Mart do Brasil e Pão de Açúcar. A próxima seção narra brevemente a história da Comercial Carvalho e de seus fundadores, bem como descreve o contexto no qual a empresa atua. Em seguida, é apresentada a situação-problema e outros aspectos associados aos recursos competitivos e ao posicionamento da empresa em relação às forças competitivas. Posteriormente são apresentadas considerações finais. Por último, são sugeridas as notas de ensino. 2 Antecedentes e Contexto Reginaldo Carvalho nasceu no ano de 1963, filho de comerciantes, na cidade de Esperantina (norte do Piauí). Desde os sete anos já ajudava o pai em um pequeno comércio, despachando no pé do balcão. Aos catorze anos mudou-se para Teresina com o objetivo de estudar e trabalhar. Trabalhou em uma vidraçaria, numa lanchonete e no zoológico da cidade. Posteriormente mudou-se para Luzilândia (cidade ao norte do estado), onde abriu uma vidraçaria. No entanto, o mercado da região era restrito e logo se tornou saturado. Em seguida, ainda em Luzilândia, Reginaldo iniciou um negócio de mercadinho, mas em pouco 1

2 tempo retornou para Teresina onde empreendeu novamente, dessa vez com uma loja de atacado. Em 1984, após o casamento, Reginaldo ficou responsável por vendas (ambulantes) em várias cidades do Piauí e Maranhão e sua esposa Evangelina passou a administrar a loja. Em 1985, eles abriram o primeiro ponto com a marca Comercial Carvalho. Como narra Evangelina, atualmente graduada em Administração e diretora financeira da Comercial Carvalho: Antes de 1986 nós já trabalhávamos com atacado que vendia praticamente os mesmos produtos de supermercado. [...] E vimos que havia uma brecha, que a gente poderia ir para o lado do varejo. Só que não foi assim de repente, a gente colocar um supermercado não. [...] [A primeira loja] Era uma loja feia, de chão todo manchado, cheio de buraco, não tinha carrinho, não tinha prateleira adequada, não tinha check out. Era uma coisa assim bem rústica. Era um depósito mesmo, fechado, muito feio, desarrumado, mas que tinha os mesmos produtos de supermercados e com preços bons. Em 1986 o casal inicia no universo dos armazéns, ainda em prédio alugado. Em 1991, inauguram a primeira loja em prédio próprio. Segundo Evangelina, despertou-se para a oportunidade do varejo após uma promoção na qual foram vendidos, no varejo, produtos de atacado cujas embalagens haviam sido avariadas. Por exemplo, as caixas avariadas que continham vinte barras de sabão foram descartadas e as barras re-embaladas em frações menores (cinco barras por caixa) e vendidas em promoção, no formato de varejo, para consumidores da vizinhança. É atribuído ao sucesso das vendas deste episódio, realizadas com o artifício de fracionar quantidades do atacado, a percepção da oportunidade de iniciar uma operação no varejo. A trajetória mais ascendente ocorre, porém, de 1996 em diante. Na figura 1, a seguir, observa-se que nos primeiros dez anos de operação a rede atingiu um crescimento médio de aproximadamente uma loja e meia por ano. De 1996 até 2006, já com a economia brasileira estabilizada, obteve-se crescimento médio de quatro lojas por ano, o que significa uma nova loja inaugurada a cada trimestre. A Comercial Carvalho obteve crescimento significativo num período no qual o cenário competitivo da indústria de supermercados no Brasil passou por profundas transformações. Dois fatos foram particularmente relevantes e seus efeitos se propagam até hoje. Primeiro, a internacionalização da indústria caracterizada pela chegada das grandes redes mundiais. Segundo, a estabilização da economia com o Plano Real, a partir de Por um lado, a internacionalização teve início com a chegada do Carrefour (de origem francesa), que inaugurou seu primeiro hipermercado em 1976, na cidade de São Paulo. Posteriormente, grupos internacionais como o americano Wal-Mart (em 1995) e o português Sonae (em 1997), ingressaram no mercado brasileiro. A entrada dessas redes de supermercados ocorreu por meio da implantação de lojas próprias e a expansão tem sido por meio de aquisições, situação na qual a competição interna intensifica-se. Por outro lado, a estabilização econômica promoveu uma mudança de hábitos de consumo no âmbito do varejo, notadamente no de alimentos. O fim da inflação permitiu que os consumidores passassem a comparar os preços dos estabelecimentos em bases mais estáveis. É nesse cenário de acirramento da competição que se inicia a trajetória de crescimento da Comercial Carvalho. Atuando principalmente nos estados do Piauí e Maranhão a empresa atingiu, após 20 anos de sua fundação, um faturamento da ordem de R$ 405 milhões (SUPERHIPER, 2006, p. 56). Ao todo são 58 filiais, incluindo lojas de varejo, atacado, e centros de distribuição. Nesse caso são analisados os negócios associados predominantemente ao varejo, que correspondem a aproximadamente 70% da receita, enquanto as operações de atacado respondem por 30%. As informações de 2007 indicam a presença de 32 lojas de 2

3 varejo, sendo 22 em Teresina, sete no interior do Piauí, e três no Maranhão Lojas Anos Figura 1 Evolução de abertura das lojas de varejo e atacado (valores acumulados) Fonte: Relatório interno da empresa. Os concorrentes estabelecidos no mercado de Teresina em março de 2007, são: a) Wal-Mart do Brasil: possui duas lojas. A primeira foi inaugurada em abril de 1997 como âncora do Shopping Teresina, com a marca HiperBompreço e tem cerca de m 2. O Shopping Teresina possui localização privilegiada, amplo estacionamento gratuito e é climatizado, constituindo, portanto em boa localização para a loja Wal-Mart. A segunda loja, inaugurada em abril de 2005, possui a marca Bompreço, tem aproximadamente m 2 e está localizada na Avenida Frei Serafim (importante corredor de ligação das zonas Leste e Sul ao centro da cidade), no sentido centro-subúrbio, rota de retorno das pessoas que saem do centro da cidade no fim da tarde e voltam para suas residências. b) Pão de Açúcar: possui quatro lojas. A entrada do Pão de Açúcar no mercado de Teresina ocorreu em A empresa possui uma filial na Avenida Frei Serafim, localizada antes da loja Wal-Mart/Bompreço (no sentido centro-subúrbio) e onde também está localizada uma loja da Comercial Carvalho. Além disso, existem três lojas situadas em bairros residenciais caracterizados por serem de classe média e todas dispõem de ambiente climatizado, estacionamento para clientes e têm tamanhos variando entre 600 m 2 e m 2. A última inauguração, em meados de 2006, é de uma filial de alto padrão, com posto de gasolina, estacionamento e lojas de conveniência. c) Supermercado Major: possui apenas uma loja em bairro do subúrbio da cidade, densamente habitado, porém com vizinhança composta predominantemente por população de renda baixa. O estabelecimento comercial tem pouco mais de 300 m 2. Não foi obtida a data precisa de fundação, mas estima-se que a empresa exista há mais de dez anos. 3

4 O varejo de alimentos no Brasil, cuja distribuição é realizada sobretudo por meio dos supermercados, tem algumas características específicas. Para a Secretaria de Acompanhamento Econômico, do Ministério da Fazenda (SEAE/MF), a indústria supermercadista inclui: [...] empresas de venda integrada de bens duráveis (eletroeletrônicos, utilidades domésticas, têxteis etc.) e não duráveis (produtos alimentícios, de limpeza, de higiene etc.), [cujos produtos são] dispostos de forma departamentalizada, nas quais o próprio consumidor escolhe os produtos que deseja adquirir que se encontram acondicionados em gôndolas e/ou balcões e efetuam o pagamento diretamente nos caixas (checkouts). Esse tipo de comércio varejista é conhecido como de auto-serviço ou de autoatendimento. Este contrasta com a loja tradicional em que há a presença do vendedor ou balconista (BRASIL, 2004b, p. 4). Ainda de acordo com a SEAE, os supermercados e hipermercados caracterizam-se pelos seguintes aspectos (BRASIL, 2004a; 2004b): i) oferecem ao consumidor a oportunidade de eliminar o custo de várias paradas para adquirir um determinado conjunto de bens (one stop shopping uma só parada); ii) ofertam mix de produtos diversificados caracterizando a venda integrada; iii) podem diferenciar-se por meio dos serviços oferecidos, tais como: estacionamento; ar-condicionado; atendimento 24 horas ; vendas virtuais por telefone ou internet (delivery entrega em domicílio); aceitação de cartão de crédito ou cartão próprio da loja; aceitação de cheques pré-datados; aceitação de vale-alimentação; parcelamento dos pagamentos; prestação de serviço de limpeza, corte e embalagem de hortifrutis e carnes em geral; maior quantidade de produtos vendidos; melhores técnicas para exposição dos produtos; automação das lojas; condições de atingir o consumidor por meio de propaganda; oferta de marcas próprias, com preços inferiores aos produtos substitutos; maior nível de qualificação dos funcionários; empacotadores; corredores largos; fraldário; sanitários etc. A seguir, apresenta-se a situação-problema do caso, a saber: como é possível implementar uma estratégia de marketing baseada na qualidade de atendimento em uma empresa que atua em um setor que é definido como sendo de auto-serviço, ou seja, no qual vigora o modelo do cliente servir a si próprio? 3 Situação-Problema A Comercial Carvalho tem se valido de algumas das características expostas na seção anterior e também desenvolve estratégias de marketing que a diferenciam. Uma das evidências dessa diferenciação é a ligação do consumidor com a marca Comercial Carvalho. Isto pode ser notado na maneira como o Diretor Administrativo, Paulo Cezar, caracteriza o comportamento dos clientes: E nós temos a característica de sermos piauienses, [...] o nosso cliente se identifica com a gente. [...] Se ele tiver que reclamar, reclama muito mais na nossa loja [...], porque na nossa loja ele se sente à vontade e se sente como sendo o dono ou patrão, ou irmão ou mãe ou pai [...], ele se porta muito dessa forma, chega lá e manda mesmo! Procurar estabelecer um vínculo de identificação do consumidor com a marca não é uma estratégia nova. Atingir esse posicionamento na mente do cliente é que constitui um desafio. O Gerente da loja Carvalho Alternativo, Dalmar, localizada na Avenida João XXIII (que faz a ligação entre a zona leste e o centro da cidade) reforça o depoimento anterior: [...] a identificação do cliente com a Comercial Carvalho por sermos piauienses. [...] 82% dos teresinenses, dos piauienses, dizem que compram no Comercial Carvalho e muito por isso, por sentirem, meio que entre aspas, como o dono do Comercial Carvalho, por representá-los fora do âmbito do 4

5 Piauí. [...] O ambiente é meio que família, o cliente chega meio como se fosse o dono. A marca Comercial Carvalho tem aproximadamente 82% de share of mind dos consumidores teresinenses, índice revelado por instituto de pesquisa de opinião de Teresina. O relatório que revela esse índice tem circulação restrita às empresas que participaram do evento de premiação. A Comercial Carvalho não participou do evento de premiação, mas teve acesso aos dados relacionados à sua marca, por meio de sua diretoria. Esse resultado tem sido utilizado em campanhas publicitárias e a denominação Marca Inesquecível (título da pesquisa de opinião) é usado como slogan da empresa nas sacolas de compras e nas propagandas de TV. As táticas de chão de loja também contribuem para reforçar o alinhamento entre a estratégia de marketing, que visa proporcionar atendimento diferenciado, o mix de produtos e os preços. Com relação aos produtos demandados pelo consumidor da região, o senhor Farias, Gerente da loja da Avenida Frei Serafim destaca: E a gente vê que os nossos concorrentes pouco trabalham com carne na rola [carne com osso exposto no balcão] que é um dos produtos que vende [ênfase na voz] que o cliente gosta, e nós temos aquele atendimento direto com o cliente mesmo!. Portanto, a solução engenhosa da Comercial Carvalho para lidar com a concorrência foi desenvolver estratégias de marketing que permitissem explorar um recurso competitivo: a origem local. Uma vez que sortimento e mix de produtos, ou reputação de preço baixo, são recursos que podem ser imitados pelos concorrentes e tendem a não se constituir em fonte de vantagem competitiva. Diante disso, a Comercial Carvalho implementa estratégias de marketing que exploram a origem local e maximizam a reputação de qualidade diferenciada no atendimento ao cliente, embora o poder de barganha do consumidor individual em relação ao supermercado seja baixo. Na indústria supermercadista, em particular, o poder de barganha do consumidor é restrito, pois uma elevação de preços de um ou de poucos produtos não faz com que um consumidor procure a loja concorrente. A não ser que haja uma elevação significativa e nãotransitória dos preços da cesta básica de bens, o consumidor passa a comprar em outro supermercado, ou na mercearia da esquina (BRASIL, 2004a; 2004b). O Gerente da loja Carvalho Alternativo, Dalmar, sumariza esta situação: Depois da informatização das lojas, não só do Comercial Carvalho como dos supermercados no geral, esse poder [de negociação] praticamente anulou em virtude de ser tudo programado em código de barras. Então a partir do momento que o Comercial Carvalho coloca um preço xis, aquele preço não tem como ser alterado. Entendeu? Aí não tem como você negociar com o cliente. Ele já vem sabendo que o preço é aquele. Por não haver a possibilidade da barganha negocial no momento da venda, cliente a cliente, a política de preços da rede de supermercado também adquire relevância. O Diretor Comercial, senhor Reginaldo, explica essa questão da seguinte forma: Na realidade nós temos um preço único em todas as lojas, agora o que a gente faz é destinar os tipos diferentes de mercadorias pra aquele público, né, cada loja, cada bairro, tem um nível de consumo, um poder aquisitivo xis, e aí nós adequamos a loja àquele poder de compra daquela região, [...] Por exemplo, na loja do Riverside [loja âncora de um shopping] nós temos o que há de melhor, é nossa loja tipo A, para o cliente classe A. Lá no Alto da Ressurreição [bairro residencial da periferia com vizinhança de baixo poder aquisitivo] nós temos alguns produtos que são iguais [aos do Riverside], não pode mudar, mas temos boa parte dos produtos que são destinados àquela camada, àquele público C, D. 5

6 Por outro lado, o Diretor Operacional, Raimundo Fonseca, enfatiza a presença de pessoas para atender os clientes e a existência de interação entre os clientes e os funcionários das lojas: [...] Existe o corpo-a-corpo, porque o Carvalho são lojas médias, lojas tradicionais, convencionais, e os clientes estão corpo-a-corpo com o funcionário ali nas informações e tudo. O senhor Farias, Gerente da loja da Avenida Frei Serafim, destaca o atendimento ao cliente e atribui a causa do bom atendimento ao fato da empresa ter origem local: Eu vejo no Comercial Carvalho o atendimento, a importância que ele dá para o nosso cliente, eu vejo isso como fundamental, porque nós somos daqui nós conhecemos a cultura daqui. [...] Mas o ponto fundamental do Comercial Carvalho são as nossas raízes. Um dos Coordenadores Operacionais comenta a questão da empresa ter origem local relacionando um suposto traço cultural dos consumidores (de serem bairristas ) e a conseqüência desse traço para o Comercial Carvalho. O principal dentro da nossa empresa, primeiro, é ser regional. [...] Olha, os piauienses, seja o cearense, seja o pernambucano, nós somos bairristas, entendeu?. O Diretor de Marketing aborda essa questão por um ângulo diferente, na medida em que supõe que a identificação do consumidor com a empresa surge não só do fato de ter origem local, mas também por procurar expandir suas operações no Piauí: É assim, o diferencial do Comercial Carvalho hoje é porque ele é um grupo que se preocupa em crescer e chegar e crescer na sua terra entendeu? [...] Se preocupa em crescer em termos de Piauí. Isso faz uma diferença, porque ele está valorizando quem está lá no sul do estado. Quando chega um Comercial Carvalho lá é sinônimo de festa, porque as pessoas não terão mais que se deslocar da sua cidade pra vir até aqui. O Coordenador Financeiro também comenta sobre a origem local da empresa e o efeito positivo que isso implica na forma de atender os clientes, como sendo um recurso competitivo: Quando você falou em recurso raro, veio à cabeça a questão de nós sermos regionais em si, entendeu? [...] Mas muito pelo fato de sermos regionais, pela questão de você de lidar com a própria maneira de abordagem, é diferente, você trata o consumidor não de uma maneira formal, mas de uma maneira amigável, como se fosse um amigo. É possível verificar que alguns respondentes estabelecem uma relação ambígua de causa e efeito entre a reputação de origem local e a reputação de bom atendimento. Ou seja, os entrevistados atribuem ao fato de ser local a causa pelo atendimento diferenciado ao cliente, e vice-versa. Na medida em que foram surgindo respostas relacionadas à qualidade do atendimento ao cliente, fez-se o seguinte questionamento: Se o setor de supermercado caracteriza-se pelo auto-atendimento, no qual o próprio cliente escolhe a mercadoria que deseja, como implementar uma estratégia de marketing baseada na qualidade de atendimento?. Identifica-se que os clientes atribuem importância ao atendimento pessoal, segundo a percepção dos gestores, em decorrência de costumes locais de compra de carnes e outros produtos frios. Como pode ser observado nas palavras do Diretor Administrativo, Paulo Cezar: Então nós temos carne que vem na bandeja e carne desossada na loja. E o nosso cliente quer ver a carne, quer cheirar a carne, quer pegar a carne, então são coisas típicas da nossa região. Um dos Coordenadores Operacionais transmite bem a situação do dia-a-dia, com relação ao atendimento: O cliente não pode [passar para trás do balcão], não chega a tocar na carne, mas quando ele pede, a gente ainda dá uma luvazinha, bota na mão e ele pega na carne e diz qual é a carne que ele quer. Ou seja, o cliente demanda o atendimento pessoal em alguns departamentos, tais 6

7 como, na seção de frios e no balcão de carnes. Outro Coordenador, senhor Idelson, referindose à dimensão de interação no atendimento revela: Você [cliente] quer ver aquela peça lá e dizer eu quero é aquela ali, traga ela aqui pra cortar que eu quero ver cortando na minha frente. Nos secos a gente tem o auto-serviço, a gente chama auto-serviço. Mas nós ainda temos o artesanal que aqui ele [o cliente] não descarta. [...] Aí vem o setor de frios, eu quero o presunto cortado agora na minha frente! O atendimento pessoal em loja de auto-serviço tende a tornar a operação mais custosa. Nesse caso, as despesas com pessoal podem aumentar se comparadas a uma loja com menor número de funcionários. Questionado sobre o aumento de custos em decorrência disso, o Diretor Operacional esclarece que consegue superar a desvantagem de custos em virtude do aumento da satisfação do cliente com o serviço: Torna-se mais cara, mas temos retorno, porque o nosso diferencial é esse, exatamente esse. Dividir o departamento em duas áreas, serviço e autoserviço. Auto-serviço é aquele que o cliente pega a mercadoria, se serve, bota no carrinho e vai embora, e o serviço é aquele que ele pede a carne que quer: vem limpa, vem tratada, do jeito que ele quer, um quilo, dois quilos, três quilos, e aí vai embora. É a opção do cliente. A conseqüência esperada do aumento de custos é a impossibilidade de se praticar preços competitivos. Quando questionado sobre como manter preço competitivo operando de forma possivelmente mais dispendiosa, o mesmo Diretor responde que supera a desvantagem de custos por meio do aumento do volume de vendas: No volume de venda. Porque logicamente a venda, ela sempre... O cliente sempre tem a preferência pelo atendimento direto. Como a venda do balcão ela é maior do que a que está embalada. Isso cobre as despesas. É exatamente, quanto mais vende, mais a despesa cai. Portanto, apesar do supermercado se caracterizar pelo auto-atendimento, há indícios que o cliente prefere a loja que mantém algumas seções com atendimento pessoal. Ademais, em algumas seções os clientes preferem comprar alguns tipos de grãos no formato de vendas a granel, segundo relato dos gestores. Um dos gerentes enfatiza a questão do atendimento destacando a existência da venda a granel de alguns grãos: (...) Está vindo aí a modernidade e tudo mais, mas nessa loja mesmo, na Frei Serafim, nós ainda trabalhamos com a feirinha [venda de açúcar, farinha, e outros produto do gênero, a granel], porque sabemos que ainda temos clientes para aquilo dali [que preferem esse serviço]. O Diretor-Presidente relata que em Belém do Pará ainda há casos em que a venda de margarina é feita a granel. O cliente chega ao balcão, diz ao atendente quantos gramas quer, o atendente tira a margarina de um balde e põe em saco plástico transparente para pesar. O mesmo Diretor complementa: Aos poucos, por exemplo, já existem empresas que não têm mais o serviço de feirinha, por exemplo, na carne, só vem carne embalada. E nós não, ainda estamos preservando alguma coisa da cultura, de uma forma mesclada, vamos dizer assim. Com o intuito de reforçar o vínculo com os clientes, a Comercial Carvalho lançou, em 28 de março de 2007, o programa Integração cliente-empresa. Segundo informações divulgadas no website da empresa: O programa visa aprofundar a intimidade do cliente com o grupo. As lojas varejo do grupo foram escaladas para a realização de reunião matinal, com a presença de diretores do grupo, fornecedores, gerentes, colaboradores e clientes convidados. O programa começou pelas lojas de maior porte e obedece a ordem decrescente. O cliente tem vez e voz para reclamar, dar sugestões, conversar e saber como funciona todo o grupo, além de receber 7

8 um valioso prêmio a ser doado por um fornecedor que é escolhido como padrinho de cada reunião. Os encontros são realizados semanalmente, sempre as quartas-feiras, às setes horas da manhã. Com essa iniciativa o Grupo Carvalho reforça a sua clara prioridade de estar cada vez mais próximo do seu cliente (GRUPO CARVALHO, 2007). Esse programa possui cronograma divulgado no website, com as datas até o mês de novembro de 2007 nas quais ocorrerão os eventos, indicando a respectiva loja, o apresentador (mediador), e o padrinho que representa uma empresa fornecedora. Existe também a equipe de ouvidoria que é composta por funcionárias que desempenham o papel de intermediar situações especiais junto aos clientes. O número do telefone do serviço de ouvidoria (0800) está impresso em destaque na parte de trás das sacolas que embalam as compras dos consumidores. De acordo com o Diretor Administrativo: Nós estamos buscando [melhorias] através de nossa equipe de ouvidores, através da capacitação de nosso pessoal, as nossas lojas [...] estão dentro do mais alto padrão de qualidade, sem deixar a desejar [...]. No website da empresa, o serviço de ouvidoria é apresentado como um serviço por meio do qual é possível ter acesso aos diretores. Se você deseja sugerir, reclamar, reivindicar, solicitar orientações, apresentar projetos, idéias, ou simplesmente conversar sobre a nossa empresa, basta entrar em contato com a Ouvidoria do Carvalho. Ligue para e marque dia e hora, para conversar com qualquer integrante da nossa diretoria (GRUPO CARVALHO, 2007). Além disso, há outras estratégias que complementam a abordagem de qualidade no atendimento. Diante dos diferentes tipos de clientes, a empresa adota três bandeiras na rede: Comercial Carvalho, Carvalho Alternativo, esta última com 5 lojas em Teresina, e Carvalho Supermercado (uma filial recém inaugurada com essa bandeira). A bandeira Comercial Carvalho tem o formato de supermercado tradicional. A Carvalho Alternativo não oferece serviços ou confortos adicionais, nem mesmo a sacola para embalar as compras, no entanto, são vendidos produtos cujos preços são mais baixos (em torno de 5%, em relação às lojas da marca Comercial Carvalho). A única loja com a bandeira Carvalho Supermercado conta com uma estrutura mais moderna, com vistas a atender o consumidor mais exigente, e de maior poder aquisitivo. A construção dessa loja de alto padrão, no período de , objetivou conter a expansão do Pão de Açúcar, que estava por inaugurar uma loja de terceira geração, conforme publicidade da época. Existe ainda o Hiper Carvalho que tem um formato que atende tanto ao varejo quanto ao atacado ( atacarejo ), e que possui amplo estacionamento e restaurante (self-service). Além disso, existem evidências de que a empresa está apta para explorar sua reputação de origem local, pois, dentre outras coisas, os sócio-fundadores participam de campanhas de marketing. Como exemplo, o Diretor-Presidente já protagonizou propagandas veiculadas nas emissoras de TV, na qual convidava o público em geral para participar da tradicional festa de aniversário da empresa. Todos os anos essa festa tem início com uma missa de Ação de Graças, realizada no estacionamento do Hiper Carvalho. Essa cerimônia religiosa acontece na presença de funcionários, fornecedores, clientes, familiares dos fundadores, autoridades públicas e do público em geral. Em seguida ocorre a dupla carreata na qual os fundadores desfilam em trio elétrico pela cidade. Por fim, após o desfile em trio elético há o momento do corte do bolo de aniversário e a distribuição de prêmios que fazem parte da campanha de aniversário. Em 2007 foram sorteados 20 carros novos, dentre os consumidores que preencheram cupom promocional após realizarem suas compras nas lojas. Com relação à publicidade, o objetivo é de veiculação de campanhas simples, objetivas e de baixo custo, segundo o Diretor-Presidente: 8

9 A gente procura fazer um marketing, uma divulgação, de modo que não onere também, sempre bate lá na questão da redução de custo [...], tem que fazer a divulgação do produto de modo que não onere. E a coisa de maneira simples, dar lá o recado das campanhas e sem muita sofisticação. A empresa dispõe ainda de uma agência própria de publicidade que trabalha em consonância com os objetivos da área comercial. De acordo com o Diretor de Marketing: Na realidade eu trabalho direcionado com o comercial [departamento comercial]. E aqui, a Carvalho Publicidade não se resume só aqui a essa sala, ela tem também a nossa serigrafia, onde tem toda a criação de cartazes, panfletos. A nossa parceria direto pra gente botar os preços de oferta é com o comercial. O comercial vai lá discute, qual o melhor preço que vai pra a promoção da TV do dia, e o que é que a gente faz? A gente faz o agenciamento de mídia, que é para onde vai toda a mídia do grupo Carvalho. Negocia com os fornecedores, aí vê a possibilidade do fornecedor trazer o produto dele. [...] Na realidade esse espaço [no encarte publicitário impresso] é negociado com o comercial. A estratégia de venda de produtos usando marcas próprias está sendo implementada gradualmente. Ao contrário dos grandes players da indústria de supermercados nacional, a empresa ainda não conta com volume elevado para justificar esta prática em um grande número de produtos. Parte do esforço de marketing requer ativa participação dos fornecedores. No depoimento a seguir, o Diretor-Presidente esclarece os detalhes do modo como se relaciona com fornecedores: Bom, primeiro aqui nós temos uma parceria muito saudável com nossos fornecedores, nós solicitamos algo mais, sempre queremos o que há de melhor em termos de preço, comercialização e prazo, mas nós também damos o retorno nós queremos sempre posicionar muito bem os produtos deles [...] e com isso acaba dando uma boa negociação, onde eles conseguem reduzir no preço e a nossa parte fica por conta da exposição dos produtos, da participação que destinamos a cada produto nas lojas, a participação que a gente dá em mídia para os produtos, em todos os aspectos promocionais como folders, spot em rádio, anúncio na tv, carro de som, enfim e é por isso que a gente tem conseguido dar o retorno para o fornecedor, quando a gente solicita o melhor preço a gente repassa essa diferença para o consumidor para reverter em volume. Por outro lado, de acordo com Diretora Financeira o posicionamento em relação aos novos entrantes tem sido: A gente sempre esperou por isso [novos entrantes], não sentado, mas esperou trabalhando, fazendo a nossa parte, achando que a qualquer momento eles poderiam chegar, como podem também abrir mais uma loja aqui. É por isso que a gente está sempre abrindo mais lojas, sempre preocupadas com os clientes, com os colaboradores, fornecedores. Além disso, pratica-se uma política de preço dissuasivo, associada às promoções de prazos de pagamento para o consumidor. Na época da inauguração da segunda loja Wal- Mart/Bompreço na cidade, em abril de 2005, a Comercial Carvalho anunciou na TV uma promoção na qual o prazo concedido para os clientes que pagassem suas compras com cheque pré-datado era de 75 dias. Isto foi válido para seis lojas circunvizinhas à nova loja de marca Bompreço no decorrer da semana em que houve a inauguração. Por sua vez, a ameaça de serviços substitutos em relação aos supermercados é percebida por um dos Coordenadores Operacionais do seguinte modo: 9

10 Já existe hoje venda pela internet, em Fortaleza você compra lá e eles entregam com menos de 12 horas. Aqui [...], nós ainda temos o supermercado como uma diversão, diferente dos grandes grupos que exploram a correria pra se comprar e ir embora, a gente não. A dona de casa vai pro supermercado, leva seus filhos [...]. Por fim, mas não menos importante, destaca-se que a rivalidade entre as empresas concorrentes é elevada. Em relação a isto, a Comercial Carvalho realiza pesquisa de preços. De acordo com o Gerente da loja da Avenida Frei Serafim: Todos os dias nós estamos lá, fazendo pesquisa, acompanhando [o concorrente]. [...] Eles estão todos os dias aqui em nossas lojas fazendo pesquisa, nós também estamos lá fazendo pesquisa. No que diz respeito à rapidez nas decisões de retaliação, um dos Coordenadores Operacionais ressalta que enquanto as empresas que têm sua matriz em outras cidades, a Comercial Carvalho tem o centro de poder administrativo hierarquicamente próximo de seus gerentes e coordenadores, fato que reduz o tempo de resposta às mudanças no ambiente: Você hoje entrando ali na loja do competidor A, tem três carrinhos. Tem três carrinhos. Esse aí é um combate que ele quer jogar. Mas veja só, nós também somos muito agressivos no preço. [...] será que eles têm o poder bem rápido de decisões em preço? Porque... Veja só, você é subordinado aqui, a uma camada lá em cima e daqui que você chegue lá para ter decisões, né. É difícil! Você perde o quê? 24, 12 horas. Enquanto nós temos o poder de decisão na mão. E aí eu estou aqui na minha loja, e vejo o vizinho e ligo pro patrão: Patrão eles estão vendendo aqui a tanto. [Daí ele diz] Baixa o meu agora. Pronto, está decidido! Então é a batida, batida de frente. Bater de frente com o concorrente. Sabe por quê? Enquanto ele coloca um carrinho daquele dali, se você fez essa lista hoje, nosso preço amanhã já é outro. Eu acho muito perigoso aquilo dali, muito perigoso [...]. Há também a prática do benchmarking, que se refere à incorporação, por parte da Comercial Carvalho, das melhores práticas dos concorrentes. Isso pode ser observado na declaração do Diretor-Presidente ao relatar que sua empresa assimila e incorpora as práticas dos competidores quando são do interesse da empresa: Não, não resta dúvida que a concorrência ela é saudável. A concorrência ela nos traz alguns tipos de melhorias por algum tipo de ângulo, [...] e nós procuramos extrair as melhores. Aquilo que é bom do que eles estão praticando no mercado a gente procura fazer uma assimilação do que bom e uma triagem aí daquilo que é de bom. Observa-se também uma intensa rivalidade de natureza publicitária nos meios de comunicação, em especial na televisão, com inserções quase diárias dos três maiores competidores: Comercial Carvalho, Wal-Mart/Bompreço e Pão de Açúcar. De uma forma geral, a rivalidade foi descrita como acirrada e, por vezes, percebida como desleal. Essa deslealdade é enfatizada face ao modo agressivo como um dos competidores expõe as diferenças de preços entre lojas. Observa-se esse fato no depoimento de um dos diretores: Não, os concorrentes, eles de certa forma esses grandes aí dessas multinacionais, eles jogam às vezes até sujo, eles são desleais no que diz respeito a, por exemplo, ele divulga lá, que bota um carrinho [...], são injustos no modo de concorrer, eles colocam o carrinho lá dizendo que o nosso preço está mais caro e que o deles é mais barato. [...] É muito cômodo fazer isso. Eu também poderia pegar e tornar o nosso preço melhor ainda, [...], os grandes eles fazem uma concorrência desleal nesse sentido de querer de alguma forma mascarar a realidade deles. Um dos gerentes ressalta que é possível identificar divergências nas comparações de 10

11 preços exibidas por um dos competidores. De acordo com esse gerente, comparar os preços entre as diferentes lojas pode revelar a existência de artifícios considerados antiéticos, pois mascaram a realidade e podem induzir os consumidores a erro: No caso do competidor A, a gente observa que eles trabalham com muita ética quanto a concorrência, eles respeitam, a gente observa que é um jogo limpo, uma concorrência limpa e que só quem tem a ganhar é o cliente. Quanto ao competidor B eles usam assim, às vezes, uma estratégia que eu considero antiética, sabe, por exemplo, ele pega um carrinho e bota lá o carrinho de A, B e C. Só que ele pega um produto meu, um Leite + 5 [que é um produto premium, mais caro] aí ele pega o Leite + 5 que está na faixa de xis reais aí ele coloca no ticket da minha loja os xis reais, só que ele bota [no carrinho] dele, registra o dele como o Leite tradicional que é mais barato mesmo, certo. O nosso produto tradicional é mais barato que o deles, só que ele bota o Leite + 5 [no nosso carrinho] e bota o Leite tradicional [no carrinho dele]. [...] Isso é um jogo desonesto que eu considero e quando eu vi isso pela primeira vez eu fiquei super-chateado assim com esse tipo de concorrência, mas quanto ao competidor A eu acho ética a forma deles trabalharem. A seguir, a situação problema é retomada na consideração final. 4 Consideração Final Diante desses fatos e contexto competitivo, questiona-se: como é possível implementar uma estratégia de marketing baseada na qualidade de atendimento em uma empresa que atua em um setor que é definido como sendo de auto-serviço, ou seja, no qual vigora o modelo do cliente servir a si próprio? 5 Nota de Ensino O objetivo do presente trabalho é apresentar como a Comercial Carvalho enfrenta a concorrência de empresas líderes do setor, por meio de suas estratégias de marketing (LEVY; WEITZ, 2000; BAKER, 2005; TÉBOUL, 1988; 1999), seus recursos competitivos (BARNEY, 2002) e seu posicionamento em relação às forças competitivas (PORTER, 1986). Este caso é recomendado para o curso de graduação em Administração e para cursos de pósgraduação lato sensu em Marketing, Administração Estratégica e áreas afins. Questões que decorrem do caso poderiam ser formuladas do seguinte modo: i) como os supermercados de bairro, ou redes de atuação regional, poderão competir com as grandes empresas supermercadistas que dispõem de mais poder de marketing, em todas as dimensões? ii) é possível inovar de fato no marketing de varejo de alimentos? iii) é possível manter um modelo híbrido de atendimento em supermercados e ainda assim ser competitivo em preços? Os objetivos de ensino do caso são: i) familiarizar as pessoas participantes da discussão com a realidade enfrentada por redes de atuação regional no setor de supermercados; ii) permitir uma comparação de aspectos da realidade do varejo de alimentos com as teorias de marketing e administração estratégica; iii) incentivar o pensamento analítico, de modo a se considerar diversos fatores que podem influenciar decisões estratégicas. Espera-se que a descrição desenvolvida proporcione uma aprendizagem associada aos aspectos que precisam ser considerados nas tomadas de decisões acerca das estratégias de marketing de supermercados. Essa aprendizagem torna-se necessária, sobretudo quando o isomorfismo mimético em relação a um campo organizacional pode não constituir uma fonte de vantagem competitiva sustentável. Além disso, a utilização de conceitos teóricos associados à administração estratégica intenta favorecer a habilidade de pensar analiticamente, em face de decisões complexas. 11

12 As entrevistas apresentadas no caso reúnem relatos de cinco diretores, com média de 12 anos na empresa (nas áreas funcionais de comércio, finanças, operações, administrativo e marketing), além de quatro coordenadores comerciais, com média de sete anos na firma (hierarquicamente responsáveis pela supervisão dos gerentes de lojas), e três gerentes com tempo médio de seis anos trabalhando na organização (uma gerente de recursos humanos e dois gerentes de loja). Os depoimentos dos funcionários-chave retratam o desafio da formulação e implementação de estratégias de marketing de varejo em sintonia com hábitos e costumes de consumo locais, que, por sua vez, pode requerer a criação de um modelo híbrido de atendimento em supermercados. A descrição dos eventos é complementada por observações de campo e documentos da empresa. Uma análise alternativa do caso pode ser realizada da seguinte forma. a) Em relação à estratégia de marketing (LEVY; WEITZ, 2000; BAKER, 2005; TÉBOUL, 1988; 1999): Na área de marketing, a efetividade é aumentada por meio de estratégias de preço uniforme, posicionamento amplo, três bandeiras, campanhas publicitárias, e produtos com marca própria. Os gestores da Comercial Carvalho enfatizaram a atenção dada ao atendimento das necessidades dos clientes, em linha com os costumes locais de compras em supermercados. Dessa forma, a empresa preserva-se da implantação da elevada redução do contato humano no proscênio (TÉBOUL, 1988; 1999), nas atividades de atendimento ao cliente. Essa prática (de preservar o contato humano) parece coerente com a natureza da maioria das atividades de serviços, notadamente nas situações em que os próprios costumes dos consumidores requerem esse tipo de tratamento. Além disso, a área de marketing coopera com a área de operações ao direcionar a Comercial Carvalho para o posicionamento amplo de mercado, atendendo a vários segmentos no sentido de obter economias de escala na utilização dos recursos operacionais. Ela também coopera com a área de finanças ao utilizar preço uniforme nas lojas e dessa forma facilitar a implementação de controles de precificação. O marketing coopera com a área de recursos humanos na medida em que as campanhas publicitárias tendem a fortalecer a imagem da empresa junto ao mercado de trabalho e junto aos seus funcionários. b) Em relação aos posicionamentos competitivos (PORTER, 1986): No tocante à rivalidade entre as empresas existentes é estabelecido que o aumento da intensidade pode originar conseqüências negativas no desempenho para todos os competidores. Diante dessa força, a Comercial Carvalho tem se posicionado de modo defensivo com relação às ações de loja que envolvem, em especial, a sinalização de preços comparados. Seu posicionamento é ofensivo nas campanhas publicitárias. Com relação ao poder de negociação dos fornecedores afirma-se que fornecedores poderosos sugam a rentabilidade da indústria. A Comercial Carvalho tem se posicionado de forma defensiva em relação aos fornecedores de mercadoria na medida em que tenta manter relativo equilíbrio de poder de negociação por meio de sua política de reciprocidade, evitando dessa forma a perda de rentabilidade. Com relação aos novos entrantes há referência ao fato de que eles trazem o desejo de ganhar parcela de mercado. Nesse caso, a Comercial Carvalho tem se posicionado no sentido de antecipação, para evitar a perda de sua parcela de mercado. Quanto ao poder de negociação dos compradores a Comercial Carvalho restringe essa força ao praticar preços uniformes. E também ao deslocar o foco do cliente no preço para o foco em aspectos relacionados à prestação do serviço, ou seja, serviço de atendimento (no balcão de frios e pelo serviço de ouvidoria) e adequação do mix à demanda. Além disso, enfatiza-se, quanto aos produtos e serviços substitutos, que eles reduzem a rentabilidade potencial da indústria. Os gestores da Comercial Carvalho têm demonstrado certo ceticismo em relação a essa força. 12

13 c) Quanto aos recursos competitivos (BARNEY, 2002): Com base nos depoimentos dos gestores é possível afirmar que os recursos da empresa, atendimento ao cliente e origem local, são valiosos, pois capacitam a Comercial Carvalho a responder às ameaças e oportunidades do ambiente. Considerando como principais ameaças a chegada de competidores multinacionais e o acirramento da rivalidade entre os demais competidores existentes, os recursos são valiosos, pois têm contribuído para a manutenção de elevado índice de share of mind e volume de vendas. Os recursos são raros porque são controlados por um pequeno número de empresas competidoras. No caso do recurso origem local isso se verifica, pois apenas um concorrente menor, o Supermercado Major, detém essa condição. Além disso, o recurso atendimento diferenciado ao cliente, de acordo com a percepção dos gestores, é controlado pela Comercial Carvalho. Afirma-se que os recursos são difíceis de imitar quando resultam em desvantagem de custo para que seja obtido ou desenvolvido. A origem local é um recurso difícil de imitar, pelos demais competidores. Com relação ao atendimento ao cliente, os gestores afirmam que desenvolvê-lo implica elevação dos custos operacionais que é compensada pelo incremento no volume de vendas. Por outro lado, não é possível afirmar que os competidores incorreriam em desvantagem de custo para obter ou desenvolver esse recurso. A característica de organização (BARNEY, 2002, p. 160) refere-se às diretrizes e aos procedimentos para dar suporte à exploração dos recursos competitivos. Com relação à origem local e ao atendimento ao cliente, a Comercial Carvalho implementa procedimentos para explorar esses recursos. No primeiro caso, explora-se esse recurso por meio das campanhas publicitárias eventualmente protagonizadas pelos próprios fundadores. Além de desfilarem em trio elétrico na carreata anual de comemoração de aniversário da empresa. Para o atendimento ao cliente, por sua vez, a empresa implementa procedimentos específicos relacionados, dentre outras coisas, ao atendimento no balcão de frios e a ouvidoria. Por fim, é necessário registrar que esta pesquisa contou com o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico CNPq, e foi desenvolvida entre os meses de outubro de 2005 e fevereiro de As informações estão atualizadas com dados de março de Referências bibliográficas BAKER, Michael J. Administração de marketing. Rio de Janeiro: Elsevier, BARNEY, Jay B. Gaining and sustaining competitive advantage. 2 ed. New Jersey: Prentice Hall, BRASIL. Do parecer no tocante ao ato de concentração n / Parecer, n /2004/DF/COGSE/SEAE/MF de 01 de março de Lex: Secretaria de Acompanhamento Econômico, Brasília, p. 1-49, 2004a. Disponível em: <http://www.fazenda.gov.br/seae/documentos/pareceres/servicos/pcr df_ac pdf>. Acesso em: 14 de fevereiro de BRASIL. Do parecer no tocante ao ato de concentração n / Parecer, n. 008/COGSE/SEAE/MF de 01 de março de Lex: Secretaria de Acompanhamento Econômico, Brasília, p. 1-52, 2004b. Disponível em: <http://www.fazenda.gov.br/seae/documentos/pareceres/servicos/pcracbompreçocarrefourp ubl_raqueltt.pdf>. Acesso em 14 de fevereiro de

14 GRUPO CARVALHO Disponível em: <http://www.grupocarvalho.com.br/integracao.html>. Acesso em: 22 de abril de LEVY, Michael; WEITZ, Barton A. Administração de varejo. São Paulo: Atlas, PORTER, Michael E. Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 7 ed. Rio de Janeiro: Campus, SUPERHIPER Revista da Associação Brasileira de Supermercados. Ranking ABRAS 2006, ano 32, n. 364, p , maio, TÉBOUL, James. De-industrialise service for quality. International Journal of Operations & Production Management, v. 8, n. 3, A era dos serviços: uma nova abordagem de gerenciamento. Rio de Janeiro: Qualitymark,

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO SAIR DO LUGAR-COMUM PÃO DE AÇÚCAR UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO Só em São Paulo, a associação que reúne os supermercados tem mais de 50 empresas cadastradas. As lojas se espalham com um volume impressionante.

Leia mais

Capítulo 18 - Distribuição

Capítulo 18 - Distribuição Capítulo 18 - Distribuição A escolha dos canais de distribuição é provavelmente a decisão mais complexa em marketing internacional. Em alguns mercados, o que prevalece é a concentração de grandes hipermercados

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce Você é do tipo que quer arrancar os cabelos toda vez que um concorrente diminui o preço? Então você precisa ler este guia rápido agora mesmo. Aqui

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

Painel 2 O BUSINESS JORNAL E O POSICIONAMENTO MULTIPLATAFORMA

Painel 2 O BUSINESS JORNAL E O POSICIONAMENTO MULTIPLATAFORMA 29. 09. 2014 Geral Nome da pesquisa Painel 2 O BUSINESS JORNAL E O POSICIONAMENTO Autor 2 Apêndice: Pesquisa Painel 2 O BUSINESS JORNAL E O POSICIONAMENTO A reunião na agência foi muito positiva. Márcio

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais!

Vencedores! Ideias de Negócio. Passos para criar. Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Por Rafael Piva Guia 33 Prático Passos para criar Ideias de Negócio Vencedores! Descubra como criar ideias com potencial lucrativo, alinhadas com suas habilidades pessoais! Que bom que você já deu um dos

Leia mais

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis

Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis Nos últimos anos o mercado brasileiro de imóveis vivenciou um crescimento inacreditável, o lançamento de novas unidades mais a valorização de imóveis usados, além do crescimento de renda da população e

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Plano Aula 10 24/10/2011. - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos

Plano Aula 10 24/10/2011. - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos Plano Aula 10 24/10/2011 - Exercício de Desenvolvimento Pessoal - Vantagem Competitiva Liderança em Custos 1 Exercício de Desenvolvimento Pessoal O objetivo deste exercício é praticar os conceitos de Controle

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias

Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Liderança e Motivação para Construtoras, Incorporadoras, Escritórios de Arquitetura e Imobiliárias Antes de tudo como sugestão aos donos de construtoras, incorporadoras, imobiliárias e escritórios de arquitetura

Leia mais

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica Inteligência em redes sociais corporativas Como usar as redes internas de forma estratégica Índice 1 Introdução 2 Por que uma rede social corporativa é um instrumento estratégico 3 Seis maneiras de usar

Leia mais

Capítulo 3. Avaliação das capacidades internas de uma empresa

Capítulo 3. Avaliação das capacidades internas de uma empresa Capítulo 3 Avaliação das capacidades internas de uma empresa O que uma análise interna nos diz? A análise interna nos permite ter um comparativo entre as capacidades da empresa Quais são as forças da empresa?

Leia mais

Marketing não Sobrevive sem Endomarketing

Marketing não Sobrevive sem Endomarketing Marketing não Sobrevive sem Endomarketing Um ótimo serviço pode se tornar ruim se os funcionários não confiam em si mesmos. Uma endoentrevista sobre endomarketing. Troquemos de lugar! O título é, sem dúvida,

Leia mais

PROPOSTA COMERCIAL REVISTA UTILITÀ DELIVERY DE MARCAS CINTA

PROPOSTA COMERCIAL REVISTA UTILITÀ DELIVERY DE MARCAS CINTA av. das américas 16.579, sala 201 recreio, 22790-701, rio de janeiro-rj tel: 21 2437 4222 21 2437 2669 www.utilitaonline.com.br PROPOSTA COMERCIAL REVISTA UTILITÀ DELIVERY DE MARCAS CINTA QUEM SOMOS Tudo

Leia mais

Olá, meu nome é Fred Silveira, eu sou coach empresarial e ajudo pequenos e médios empresários a conseguirem melhores resultados de suas empresas.

Olá, meu nome é Fred Silveira, eu sou coach empresarial e ajudo pequenos e médios empresários a conseguirem melhores resultados de suas empresas. Autor Olá, meu nome é Fred Silveira, eu sou coach empresarial e ajudo pequenos e médios empresários a conseguirem melhores resultados de suas empresas. Neste e-book, irei compartilhar com você 5 caminhos

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG 26/09/2012 RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA DE INTENÇÃO DE COMPRAS DIA DAS CRIANÇAS 2012 CONVÊNIO UCDB-ACICG-PMCG

Leia mais

A l e x a n d r a P a u l o

A l e x a n d r a P a u l o A l e x a n d r a P a u l o ESCOLA SECUNDÁRIA SERAFIM LEITE TRABALHO FINAL TÉCNICAS DE VENDA Alexandra Paulo 11ºI Nº 21160 Disciplina: Comercializar e vender Prof: João Mesquita 20-12-2012 2012-2013 1

Leia mais

SAP Customer Success Story Alimentício Jerivá. SAP Business One amplia controle da Jerivá sobre suas diferentes áreas de atuação

SAP Customer Success Story Alimentício Jerivá. SAP Business One amplia controle da Jerivá sobre suas diferentes áreas de atuação SAP Business One amplia controle da Jerivá sobre suas diferentes áreas de atuação Geral Executiva Nome da Jerivá Indústria Alimentício Produtos e Serviços Produção, industrialização e comercialização de

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial

AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial ALUNO(A): MATRÍCULA: NÚCLEO REGIONAL: DATA: / / QUESTÃO 1: Que escola de pensamento reúne aspectos

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

Pesquisa APAS/LatinPanel mostra as principais marcas na preferência dos consumidores brasileiros

Pesquisa APAS/LatinPanel mostra as principais marcas na preferência dos consumidores brasileiros Pesquisa APAS/LatinPanel mostra as principais marcas na preferência dos consumidores brasileiros Estudo Mais Mais A Escolha do Consumidor aponta que em 79% das 94 categorias de produtos pesquisadas houve

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO Índice 1. Pesquisa de mercado...3 1.1. Diferenças entre a pesquisa de mercado e a análise de mercado... 3 1.2. Técnicas de

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

O dentista que virou dono de restaurante chinês 1

O dentista que virou dono de restaurante chinês 1 O dentista que virou dono de restaurante chinês 1 O cirurgião dentista Robinson Shiba, proprietário da rede China In Box, em 1992 deixava de exercer sua profissão como dentista para inaugurar a primeira

Leia mais

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008

Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Veículo: Site Estilo Gestão RH Data: 03/09/2008 Seção: Entrevista Pág.: www.catho.com.br SABIN: A MELHOR EMPRESA DO BRASIL PARA MULHERES Viviane Macedo Uma empresa feita sob medida para mulheres. Assim

Leia mais

A Área de Marketing no Brasil

A Área de Marketing no Brasil A Área de Marketing no Brasil Relatório consolidado das etapas qualitativa e quantitativa Job 701/08 Fevereiro/ 2009 Background e Objetivos A ABMN Associação Brasileira de Marketing & Negócios deseja

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

10 Ideias de Promoções infalíveis para o Natal

10 Ideias de Promoções infalíveis para o Natal 10 Ideias de Promoções infalíveis para o Natal Ou para qualquer outra data que você desejar uma boa promoção! Este é um BÔNUS Grátis oferecido pelo Blog: Introdução Várias datas comemorativas representam

Leia mais

Amigo varejista, Boa leitura e aproveite para promover melhorias em sua loja! Conheça o Instituto Redecard:

Amigo varejista, Boa leitura e aproveite para promover melhorias em sua loja! Conheça o Instituto Redecard: Mercearia Amigo varejista, A partir deste mês outubro - o Tribanco traz novidades no Projeto Capitão Varejo, pois conta agora com a parceria do Instituto Redecard. Juntos, irão levar até você mais informação

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

Módulo 4 O que é CRM?

Módulo 4 O que é CRM? Módulo 4 O que é CRM? Todos nós já sabemos a importância de manter os clientes fiéis e a qualidade do atendimento que temos que oferecer para fidelizar cada vez mais os clientes. Atualmente, uma das principais

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

Fluxo Ampliado de Marketing

Fluxo Ampliado de Marketing Fluxo Ampliado de Marketing No estudo deste fluxo ampliado de marketing, chega-se a conclusão da importância de um composto mercadológico mais intenso e realmente voltado ao atendimento das necessidades

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais

Os desafios do Bradesco nas redes sociais Os desafios do Bradesco nas redes sociais Atual gerente de redes sociais do Bradesco, Marcelo Salgado, de 31 anos, começou sua carreira no banco como operador de telemarketing em 2000. Ele foi um dos responsáveis

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

O papel do CRM no sucesso comercial

O papel do CRM no sucesso comercial O papel do CRM no sucesso comercial Escrito por Gustavo Paulillo Você sabia que o relacionamento com clientes pode ajudar sua empresa a ter mais sucesso nas vendas? Ter uma equipe de vendas eficaz é o

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL

SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL SIMULAÇÃO DE GESTÃO EMPRESARIAL I INTRODUÇÃO O JOGO DE GESTÃO EMPRESARIAL é uma competição que simula a concorrência entre empresas dentro de um mercado. O jogo se baseia num modelo que abrange ao mesmo

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi MARÇO/2010

Leia mais

DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA

DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Dezembro/98 N o 20 DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA O comércio é a ponta da cadeia produtiva e é o primeiro

Leia mais

08 Capital de giro e fluxo de caixa

08 Capital de giro e fluxo de caixa 08 Capital de giro e fluxo de caixa Qual o capital que sua empresa precisa para funcionar antes de receber o pagamento dos clientes? Como calcular os gastos, as entradas de dinheiro, e as variações de

Leia mais

A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO

A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO Universidade Estadual de Campinas Fernanda Resende Serradourada A PUBLICIDADE DE FESTAS: RELATÓRIO DE PROJETO DE DESENVOLVIMENTO INTRODUÇÃO: O Projeto de Desenvolvimento realizado por mim visava à confecção

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques "O plano de negócios é o cartão de visitas do empreendedor em busca de financiamento". (DORNELAS, 2005) A partir

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional

O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional O guia online Vitrine de Guarulhos é um dos produtos do Grupo Vitrine X3, lançado no dia 11/11/11 com o objetivo de promover

Leia mais

Anuncie na Play! PROPOSTA COMERCIAL. Prezados,

Anuncie na Play! PROPOSTA COMERCIAL. Prezados, PROPOSTA COMERCIAL Prezados, Apresentamos a V.Sas. proposta de prestação de serviços de veiculação de anúncios publicitários na rádio Play FM, sintonizada na frequência 107,5 do dial FM dos rádios e acessada

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

Planejamento de Marketing

Planejamento de Marketing PARTE II - Marketing Estratégico - Nessa fase é estudado o mercado, o ambiente em que o plano de marketing irá atuar. - É preciso descrever a segmentação de mercado, selecionar o mercado alvo adequado

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS Ari Lima Um empreendimento comercial tem duas e só duas funções básicas: marketing e inovação. O resto são custos. Peter Drucker

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Março/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Fevereiro/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Março/2015. Neste mês, 20,8% dos empresários conseguiram aumentar

Leia mais

Confederação Nacional do Comércio Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio

Confederação Nacional do Comércio Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio Confederação Nacional do Comércio Comissão de Enquadramento e Registro Sindical do Comércio Processo CERSC 1.398 Expediente DS nº 483/07 Origem: Sindicato dos Lojistas do Comércio do Município do Rio de

Leia mais

A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha

A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha A busca pela retenção do valor Por Vitor Hugo De Castro Cunha Diversos fatores influenciam na percepção de valor para o cliente ou mercado, dependendo do tipo de produto. Para alguns produtos a confiabilidade

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

Nosso Planeta Mobile: Brasil

Nosso Planeta Mobile: Brasil Nosso Planeta Mobile: Brasil Como entender o usuário de celular Maio de 2012 1 Resumo executivo Os smartphones se tornaram indispensáveis para nosso cotidiano. A difusão dos smartphones atinge 14% da população,

Leia mais

Cliocar Acessórios: A construção de um negócio. A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso.

Cliocar Acessórios: A construção de um negócio. A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso. Cliocar Acessórios: A construção de um negócio A história de um empresário que saiu da estaca zero e construiu uma loja virtual de sucesso. 2 Conteúdo Resumo executivo... 2 Conhecendo o mercado... 2 Loja

Leia mais

DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS

DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS DICA 1. VENDA MAIS ACESSÓRIOS Uma empresa sem vendas simplesmente não existe, e se você quer ter sucesso com uma loja você deve obrigatoriamente focar nas vendas. Pensando nisso começo este material com

Leia mais

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires Princípios e Conceitos de Marketing Prof. Felipe A. Pires O que é Marketing? É a execução de um conjunto de atividades comerciais, tendo como objetivo final a troca de produtos ou serviços entre produtores

Leia mais

Guia prático de como montar um planograma eficiente. www.pdvativo.com.br

Guia prático de como montar um planograma eficiente. www.pdvativo.com.br Guia prático de como montar um planograma eficiente www.pdvativo.com.br 1. INTRODUÇÃO 2. Por que preciso de um planograma? 3. COMO FAZER A DISTRIBUIÇÃO DOS PRODUTOS NA LOJA 4. EXPOSIÇÃO DOS PRODUTOS (LOCALIZAÇÃO

Leia mais

Logística no Ponto de Venda (PDV)

Logística no Ponto de Venda (PDV) Logística no Ponto de Venda (PDV) Pesquisa: Percepção do Varejo em Relação às Ações Promocionais Maio de 2005 Objetivo: Avaliar o impacto dos vários tipos de promoções praticadas em supermercados junto

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Da propaganda ao marketing ao Visual Merchandising, como nasceu o seu interesse pelo Visual Merchandising?

Da propaganda ao marketing ao Visual Merchandising, como nasceu o seu interesse pelo Visual Merchandising? A experiência no ambiente de loja é essencial para a relação entre o consumidor e a marca. Não é mais simplesmente uma questão de produtos, é preciso tornar a própria loja interessante e aconchegante para

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS. Qual a diferença?

MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS. Qual a diferença? MARKETING PROMOCIONAL X PROMOÇÃO DE VENDAS Qual a diferença? Marketing promocional É uma ferramenta que se utiliza de várias outras para promover a promoção de vendas. Por exemplo: Marketing promocional

Leia mais

BREVE APRESENTACAO, ~

BREVE APRESENTACAO, ~ BREVE APRESENTACAO, ~ Jornal era considerado mídia obrigatória O principal diferencial costumava ser o volume de circulação, principalmente se o jornal era auditado pelo IVC. Os jornais eram procurados

Leia mais

MARKETING PARA FAZENDAS

MARKETING PARA FAZENDAS DICAS PRÁTICAS DE MARKETING PARA FAZENDAS Sobre o Porteira Digital O Porteira Digital foi criado com objetivo de fornecer soluções práticas de Marketing para o produtor rural que deseja fazer de seu negócio

Leia mais

Mas como você gera sua lista de e-mail? Listei abaixo algumas das formas de construir uma lista de email marketing eficaz;

Mas como você gera sua lista de e-mail? Listei abaixo algumas das formas de construir uma lista de email marketing eficaz; E-mail marketing, muitas vezes considerada uma forma de marketing pessoal, é uma das mais valiosas ferramentas de web marketing, uma das mais visadas e mais focada pelos marqueteiros. Vamos nos concentrar

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução. Os princípios Éticos que formam a consciência e fundamentam nossa imagem no segmento de recuperação de crédito e Call Center na conduta de nossa imagem sólida e confiável. Este

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

PAINEL CONFIANÇA Propósito elevado Cultura consciente Liderança consciente Orientação para todos os envolvidos no negócio

PAINEL CONFIANÇA Propósito elevado Cultura consciente Liderança consciente Orientação para todos os envolvidos no negócio PAINEL CONFIANÇA 2 PAINEL CONFIANÇA O Capitalismo Consciente é uma nova abordagem para condução dos negócios que as melhores empresas do mundo estão adotando. Essas empresas são guiadas por um conjunto

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

MODELO. (Fonte arial ou times new Roman o tamanho da fonte estará entre parênteses) Nome do Aluno (14) N. RA: (14) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO (16)

MODELO. (Fonte arial ou times new Roman o tamanho da fonte estará entre parênteses) Nome do Aluno (14) N. RA: (14) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO (16) MODELO (Fonte arial ou times new Roman o tamanho da fonte estará entre parênteses) Nome do Aluno (14) N. RA: (14) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO (16) RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO (16) SÃO PAULO (12) 2014

Leia mais

1 Problema de Pesquisa

1 Problema de Pesquisa 1 Problema de Pesquisa 1.1. Introdução Muitas pessoas já indicaram que a revolução do computador é maior do que a da roda em seu poder de remodelar a visão humana e sua organização. Enquanto a roda é uma

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Lean na agroindústria: a transformação da indústria de café torrado e moído no Grupo 2 Irmãos

Lean na agroindústria: a transformação da indústria de café torrado e moído no Grupo 2 Irmãos Lean na agroindústria: a transformação da indústria de café torrado e moído no Grupo 2 Irmãos Julio César Paneguini Corrêa A filosofia lean não mais se restringe às empresas de manufatura. Muitos setores

Leia mais

por que essa rede assusta os varejistas Confira no tablet mais informações sobre a Rede Dia% agosto 2015 SM.com.br 39

por que essa rede assusta os varejistas Confira no tablet mais informações sobre a Rede Dia% agosto 2015 SM.com.br 39 p e r a T e x t o a l e s s a n d r a m o r i t a a l e s s a n d r a. m o r i t a @ s m. c o m. b r divulgaçãoo v t Lojas localizadas perto da casa do consumidor e que praticam preços difíceis de copiar.

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Estratégia Internacional

Estratégia Internacional Estratégia Internacional Professor: Claudemir Vasconcelos Aluno: Sergio Abreu Estratégia Internacional A internacionalização não se limita somente ao Comércio exterior (importação & exportação); é operar

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais