A GLOBALIZAÇÃO COMERCIAL O COMÉRCIO NO PASSADO E PRESENTE UMA VIAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A GLOBALIZAÇÃO COMERCIAL O COMÉRCIO NO PASSADO E PRESENTE UMA VIAGEM"

Transcrição

1 A GLOBALIZAÇÃO COMERCIAL O COMÉRCIO NO PASSADO E PRESENTE UMA VIAGEM Guelfo Luis Munhoz Rodrigues 1 RESUMO Este artigo discutirá o desenvolvimento da globalização no âmbito comercial ao longo da história desde as épocas mais remotas da antiguidade, chegando aos dias atuais com a comercialização através dos mais avançados aspectos da tecnologia. Haverá uma síntese dos aspectos da Teoria clássica da Administração, chegando às abordagens relativas ao Marketing, Logística com a interface destas atividades humanas com a comercialização e conseqüente globalização comercial. PALAVRAS-CHAVE: Globalização, comércio, história, Marketing, Logística. ABSTRACT This article will argue, the globalization development in the commercial scope along the history since the remotest times in the antique, arriving until current days with the commercialization through the technology more advanced aspects. There will be a synthesis of the Administration classical Theory aspects, arriving to the relative approaches to the Marketing, Logistics with the interface human activities with the commercialization and consequent commercial globalization. WORDS-KEY: Globalization, commerce, history, Marketing, Logistics. INTRODUÇÃO Costumeiramente nos deparamos com o termo globalização que surgiu recentemente, na década de 80, quando a economia mundial começou a mudar os seus conceitos. Porém ao fazer uma pesquisa simples, foi fácil identificar alguns aspectos e fatos que remontam à antiguidade, tratando-se de um tipo de globalização que levou os povos desta época a expandirem seus territórios ou o comércio. De modo rudimentar no início, com o advento do escambo que foi substituído aos poucos pelos produtos que cada nação tinha: artesanatos diversos, alimentos, minérios, a tecnologia naval da época, 1 Guelfo Luis Munhoz Rodrigues é graduado em Administração nas Faculdades Unidas do Vale do Araguaia, Especialista em MBA- Gestão Empresarial pela mesma instituição atua na Docência do Ensino Superior no Curso de Administração ministrando a disciplina Teoria Geral da Administração, ministra também no Curso de Assistência Social na disciplina Gestão Social nas Faculdades Unidas do Vale do Araguaia. Trabalha ainda como Encarregado de Compras e Gestor de Segurança e Saúde do Trabalho na Transportadora Vale da Serra Ltda.

2 as forças bélicas etc., todo o movimento comercial sempre envolveu um grande contingente de pessoas, equipamentos, transportes e movimentação de materiais, o que é interessante observar que tal fato acontece até os dias de hoje pois, toda a comercialização está envolta numa gama de atividades que não basta, o simples ato de produzir e vender, de maneira intrínseca estão envolvidas diversas atividades correlatas entre estes atos. Modernamente falando, encontramos nas teorias administrativas o inicio de abordagens que levaram os cientistas da administração a desenvolverem seus conceitos que deram subsídios à profissionalização e ao surgimento de disciplinas e ramos da atividade econômica voltadas para o entendimento e prática de todos os aspectos da comercialização. Encontramos neste campo o Marketing, a Logística, que cada um ao seu tempo trouxe á luz do conhecimento elementos que fizeram a economia de todo o mundo desenvolver-se rapidamente no século XX, e ainda no século XXI, sempre com as inovações tecnológicas que, em virtude do crescimento e aprimoramento das técnicas e conceitos de gestão e gerenciamento fazem do comércio global uma constante na vida do cidadão comum. A HISTÓRIA Estamos no Século XXI, onde o comércio toma as mais diversas formas visando o atendimento das diferentes necessidades humanas: saciar a fome, a vestimenta, o supérfluo, os desejos mais íntimos de consumo, e a denotação de poder e posse, demonstrando de forma mais ou menos direta a grande subjetividade humana. Obviamente com o advento da tecnologia, todo este movimento acontece de maneira muito dinâmica, chegando à casa dos milhões de dólares por dia de movimentação financeira no Brasil e no mundo. Para analisarmos o fenômeno da globalização comercial devemos entender que tal movimento remonta a antiguidade da humanidade, este fato demonstra claramente o instinto humano de sempre buscar o melhor para si e para os seus próximos. Não obstante, há que se entender que esta busca, nem sempre foi pacífica, havendo em diversos momentos o confronte bélico entre as diversas nações e povos, inclusive nos nossos tempos. Por definição a palavra comércio deriva do latim commerciu que tem significação de permutação, troca, compra e venda de produtos ou valores, mercado, negócio, tráfico. O ato de comerciar também do latim commerciare que é exercer a profissão de negociante, negociar, fazer comércio. Tais definições demonstram que o

3 ato de comercializar, denota a complexidade das relações humanas, pois a necessidade de um pode significar o excedente do outro e assim as relações humanas se desenvolvem a partir do suprimento ou abastecimento de um bem a quem dele necessite em troca de alguma forma de recompensa a quem detinha tal bem ; esta recompensa nos dias de hoje é feito através do dinheiro moeda porém, nem sempre foi assim, havendo momentos na historia em que o escambo era a forma mais usual de comercio. Toda a evolução humana deu-se em torno do comércio, em maior ou menor grau, desde as épocas mais remotas, datamos aqui o comércio por volta de 3000 a.c, na costa do mediterrâneo oriental onde florescia o comercio, o povo Semita fixou-se desde 5000 anos antes. Entre estes colonizadores encontravam-se os Hebreus, o primeiro povo da história a abandonar o politeísmo, as realizações dos Semitas não se limitaram ao campo religioso, outro grupo de colonizadores os Fenícios, distinguiu-se no comércio e na navegação. O seu comercio dominou grande parte do mediterrâneo oriental e a sua arte na construção naval e na navegação, permitiu-lhes estender a sua influência até a Espanha, Secília e ao norte da África. Todo este movimento aflorou-se e intensificou-se com a origem do alfabeto, onde os primeiros colonos Semitas que se estabeleceram ao longo da costa mediterrânea, primitivamente pastores e caçadores, não tardaram a transformar-se em agricultores, em breve se tornariam também artífices, mercadores e comerciantes que percorriam os mares. A cidade de Biblo, um pouco ao norte da atual Beirute, transformou-se no centro do comercio interno e mesmo externo dos Semitas, que também estabeleceram contatos com a grande civilização do Egito, ao sul. Remontando pelo menos anos a.c, conta-se entre as mais antigas cidades habitadas do mundo. Foi em Biblo que se começou a utilizar a escrita alfabética. Existiam formas mais antigas de escrita, como a hieroglífica e a cuneiforme, originária da mesopotâmia e comum em toda a Ásia ocidental o ano de a.c, contudo, parece que foi entre os fenícios e os cananeus que o alfabeto surgiu pela primeira vez. Os mercadores fenícios levaram o papiro para a Grécia, onde se criou a palavra bíblia derivada da cidade de Biblo, para descrever os livros feitos com ele. A palavra biblia provêm daquele termo grego, enquanto o papiro deu origem à palavra papel. O inicio do comercio entre os povos: nas costas do mediterrâneo habitadas pelos Semitas ocidentais a terra fértil escasseava e não era suficiente manter uma população em crescimento, pois em breve tempo, surgiu a necessidade de importar

4 cereais e gado, que eram pagos com os belos produtos artísticos locais. A princípio, os principais mercados abastecedores dos Semitas eram o Egito e a mesopotâmia, posteriormente, e à medida que as colônias se estendiam ao longo das rotas comerciais do mediterrâneo, ilhas como a Sicilia passaram a fornecer cereais em troca de produtos manufaturados, enquanto a Sardenha abastecia o mercado de estanho e ferro. Os fenícios fabricavam tecidos com lã da sua própria produção e da mesopotâmia e com estopa e linho do Egito. Com marfim, pedras preciosas e metais importados, criaram uma indústria de joalheria. Nos grandes portos, como Tiro, Sidon, Trípolis e Arvad, fervilhava uma atividade incessante enquanto barcos à vela de casco largo os Gaulos desembarcavam matérias-primas diversas, eram carregados com belos produtos manufaturados que se tornaram famosos em todo o mundo antigo. Todo este comércio causava também a inveja daqueles que queriam ter ou adquirir de toda e qualquer forma as benesses de todo e qualquer tipo de mercadoria, por esta razão os portos acima citados, eram defendidos de ataques constantes dos povos vizinhos, que vinham em suas galeras de guerra, armados principalmente com aríetes à proa destes barcos, a defesa era facilitada pela localização geográfica que se situavam em promontórios ou ilhotas ao largo; só o porto de Sídon ficava no continente. A pressão comercial da concorrência já dava os primeiros passos, onde os Fenícios impelidos pelo avanço da civilização Grega seus rivais no comércio foram procurando novos mercados cada vez mais ao ocidente e estabelecendo novas colônias em Cádis, na Espanha, em Malta, no norte da África, na Sicilia e na Sardenha. Ao longo dos séculos podemos observar a evolução comercial em todos os povos, em todos os momentos notamos a busca constante de difundir o comercio entre as diversas nações, no sentido de garantirem a sua subsistência e ainda, chegando efetivamente até o livre comercio entre as nações existentes nos dias atuais. Obviamente houve certa maturação de todo este processo, modernamente falando podemos citar a revolução industrial. Neste contexto, Chiavenato (2004, p.33) nos ensina que com a invenção da máquina a vapor por James Watt ( ) e sua posterior aplicação à produção, surgiu uma nova concepção de trabalho que modificou completamente a estrutura social e comercial da época, provocando profundas e rápidas mudanças de ordem econômica, política e social que, em um lapso de um século, foram maiores do que todas as mudanças ocorridas no milênio anterior. É a chamada Revolução Industrial que se iniciou na Inglaterra e que pode ser dividida em duas épocas distintas, a saber:

5 1780 a 1860: lª Revolução Industrial ou revolução do carvão e do ferro a 1914: 2ª Revolução Industrial ou do aço e da eletricidade. A Revolução Industrial surgiu como uma bola de neve em aceleração crescente e alcançou todo seu ímpeto a partir do século XIX. Tal evento provocou o surgimento das fábricas e o aparecimento da empresa industrial e, com isso provocou as seguintes mudanças na época: Aparecimento das fábricas e das empresas industriais. Substituição do artesão pelo operário especializado. Crescimento das cidades e aumento da necessidade de administração pública. Surgimento dos sindicatos como organização proletária a partir do início do século XIX. Somente a partir de 1890 alguns deles foram legalizados. Início do marxismo em função da exploração capitalista. Doutrina social da Igreja para contrabalançar o conflito entre capital e trabalho. Primeiras experiências sobre administração de empresas. Consolidação da administração como área de conhecimento. Início da Era Industrial que se prolongou até a última década do século XX. Chiavenato (2003, p. 38) vem subsidiar nosso entendimento sobre este processo de globalização comercial quando nos ensina que: O século XIX assistiu a um monumental desfile de inovações e mudanças no cenário empresarial. O mundo estava mudando. E as empresas também. As condições para o aparecimento da teoria administrativa estavam se consolidando. Nos Estados Unidos, por volta de 1820 o maior negócio empresarial foram as estradas de ferro, empreendimentos privados e que constituíram um poderoso núcleo de investimentos de toda uma classe de investidores. Foi a partir das estradas de ferro que as ações de investimento e o ramo de seguros se tornaram populares. As ferrovias permitiram o desbravamento do território e provocaram o fenômeno da urbanização que criou novas necessidades de habitação, alimentação, roupa, luz e aquecimento, o que se traduziu em um rápido crescimento das empresas voltadas para o consumo direto. Em 1871, a Inglaterra era a maior potência econômica mundial. Em 1865, John D. Rockefeller ( ) funda a Standard Oil. Em 1890, Carnegie funda o truste de aço, ultrapassando rapidamente a produção de toda a Inglaterra. Swift e Armour formam o truste das conservas. Guggenheim forma o truste do cobre e Mello, o truste do alumínio. Logo a seguir, teve início a integração vertical nas empresas.

6 Os "criadores de impérios" (empire builders) passaram a comprar e a integrar concorrentes, fornecedores ou distribuidores para garantir seus interesses. Juntamente com as empresas e instalações vinham também os antigos donos e os respectivos empregados. Surgiram os primitivos impérios industriais, aglomerados de empresas que se tornaram grandes demais para serem dirigidos pelos pequenos grupos familiares. Logo apareceram os gerentes profissionais, os primeiros organizadores que se preocupavam mais com a fábrica do que com vendas ou compras. As empresas manufaturavam, comprando matérias-primas e vendendo produtos por meio de agentes comissionados, atacadistas ou intermediários. Até essa época, os empresários achavam melhor ampliar sua produção do que organizar uma rede de distribuição e vendas. Na década de 1880, a Westinghouse e a General Electric dominavam o ramo de bens duráveis e criaram organizações próprias de vendas com vendedores treinados, dando início ao que hoje denominamos "marketing". Ambas assumiram a organização do tipo funcional que seria adotada pela maioria das empresas americanas. A teoria da administração nos ensina que no inicio do século XX, com o advento da teoria clássica da administração iniciava-se o movimento de organização administrativa das empresas, que vinham de certa forma lutando para estabeleceremse e perpetuarem nas suas respectivas áreas de atuação. Um dos seus maiores estudiosos Henri Fayol 2, defende entre outras coisas as funções básicas da empresa, sendo que demonstra claramente a funções comerciais da empresa que nada mais é do que a compra e venda de bens ou serviços, visto que todas as empresas de alguma maneira compram ou vendem algum bem ou serviço. É claro que notadamente todo e qualquer estudo das teorias administrativas acabam levando ao pesquisador uma gama de informações técnicas do todo administrativo, com o aprofundamento e com a profissionalização das pessoas envolvidas no processo administrativo, ao longo do tempo surgiram disciplinas e/ou ramos especializados na questão comercial e suas ramificações, das quais podemos citar o Marketing, a logística, Vendas, Relações comerciais etc. CONCEITUANDO O MARKETING O conceito de marketing afirma que a chave para atingir os objetivos da organização consiste em determinar as necessidades e os desejos dos mercados-alvo e satisfazê-lo mais eficaz e eficientemente do que a concorrente Fonte: Kotler (2005). 2 Jules Henri Fayol (Istambul, 29 de Julho de Paris, 19 de Novembro de 1925) foi um engenheiro de minas francês e um dos teóricos clássicos da Ciência da Administração, sendo o fundador da Teoria Clássica da Administração

7 Nada mais focado na comercialização visando o consumo do que o desenvolvimento das ações de marketing, que necessariamente engloba o todo organizacional; buscando o atendimento das necessidades dos clientes. Kotler (2005) Resumidamente falando (não é objetivo estender-me no tema) o Marketing atua basicamente em quatro pontos principais, ou seja: PRODUTO Um produto ou serviço é considerado adequado ao consumo quando atende às necessidades e aos desejos de seus consumidores-alvos. Qualidade e padronização; Design; Nome da marca; Embalagem; Garantias; Serviços. PRAÇA A escolha da praça para o produto ou serviço só tem utilidade se posicionado junto ao seu mercado consumidor-alvo Ponto; Canais de distribuição; Locais; Transporte; Cobertura. PREÇO O produto deve ser certo, deve estar na praça certa e deve transferir a posse no preço certo. Atacado; Varejo; Desconto à vista; Desconto por quantidade; Prazo de pagamento; Condições de financiamento.

8 PROMOÇÃO O composto promocional do produto ou serviço compreende: Publicidade; Propaganda; Promoção de vendas; Venda Pessoal; Relações públicas. Uma informação interessante a respeito do movimento de Marketing, é que esta função ou ramo de atuação é praticamente a mesma em todo o mundo, obviamente adequando-se as realidades do País, Estado, Cidade e o mais importante do Cliente. Há ainda outras características que devem ser respeitadas, como exemplo: os costumes locais, as religiões predominantes e algumas variáveis como, por exemplo: variáveis sociais, políticas, econômicas e culturais. O importante neste aspecto é que o foco é a comercialização do produto ou serviço a qual o marketing esta ligado, deve-se fazer chegar ao cliente, respeitando as características do produto ou serviço, isto é, a qualidade, o custo, a entrega, a moral e a segurança que devem estar agregadas ao produto ou serviço para satisfazer o consumidor final (notadamente em todo o mundo é assim). A competitividade de produtos e serviços no mercado empresarial faz com que as empresas adéqüem suas estratégias organizacionais bem como as suas táticas operacionais para atacar o mercado consumidor, gerando assim uma guerra para conseguir atender o cliente final. Diante de todo o processo de globalização, um detalhe muito importante abordado pela estratégia de Marketing é a Inovação Tecnológica, mesmo sabendo que o envelhecimento rápido dos produtos tem acontecido com cada vez mais freqüência, tal fato, em nenhum momento pode sobrepor a necessidade da inovação tecnológica constante. Todo e qualquer processo de comercialização está pautado em algumas bases, uma delas sem sobra de dúvidas é a estruturação da equipe de vendas, pois esta equipe é um ponto crucial para atingir a eficácia organizacional, porem para formar uma equipe de venda eficaz há que se investir no capital humano, estes profissionais devem estar integrados ao negócio. No passado, pelo protecionismo existente nos mercados das mais diversas, não dávamos muito importância às equipes de vendas, agora porem, a história é outra e a competitividade acirrada leva as empresas a olharem com outros olhos este ponto. Outra base muito importante a ser observada no processo de comercialização é a logística, pois ai esta todos os atos de movimentação de um bem, desde a aquisição de

9 seus componentes fabris até a chegada às mãos dos clientes finais, desde os tempos mais remotos àqueles que têm melhores condições de uma logística eficaz, garante para si a conquista do mercado. CONCEITUANDO LOGÍSTICA Em sua origem, o conceito de logística estava essencialmente ligado às operações militares. Ao decidir avançar suas tropas seguindo uma determinada estratégia militar, os generais precisavam ter, sob suas ordens, uma equipe que providenciassem o deslocamento, na hora certa, de munição, viveres, equipamentos e socorro médico para o campo de batalha. Dentro desta visão, é exatamente isto que ocorreu nas empresas durante um bom tempo, pois a necessidade de transporte de produtos da fábrica para os depósitos ou para as lojas de seus clientes, a providência de matéria prima em quantidade suficiente para garantir os seus níveis produção, em uma observação resumida, entendia-se a logística como um centro de custo dentro da organização sem agregar nenhum valor ao produto final, sem efeitos na estratégia, enfim a logística é uma história a parte, no processo de comercialização. A evolução do conceito e da aplicabilidade da logística trouxe ao meio, um novo linguajar todo particular como exemplo destacamos: supply chain management (Gerenciamento da cadeia de suprimentos) o comércio eletrônico, o B2B (Business to Business- Negócios para negócios), Canais de Distribuição, Cadeia Logística, Distribuição, Cross docking Operação de rápida movimentação de produtos para expedição, entre fornecedores e clientes (transbordo sem estocagem), ERP Enterprise Resource Planing Sistema de Gestão integrada, Just-in-time Métodos de administração da produção que tem por finalidade produzir a quantidade no momento de sua utilização. De uma maneira gráfica abaixo esta demonstrada um Modelo Geral de Cadeia de Suprimentos, destacada as interfaces em todos os momentos de relacionamento da empresa com todos os fornecedores, os intermediários da rede de distribuição e por último a interação com o cliente final.

10 M A T E R I A I S Fluxos de informações, produtos,serviços, finanças e conhecimento. Rede de Fornecedores EMPRESA INTEGRADA Compras Produção Distribuição Rede de Distribuição Restrições de capacidade,informação,competencias essenciais e recursos humanos C O N S U M I D O R F I N A L Independente do momento histórico pode-se entender que em todas as épocas de expansão comercial, seja na antiguidade com a conquista de territórios ou de novas rotas comerciais, seja na contemporaneidade, com as empresas atuando de forma agressiva comercialmente falando, sempre existiu e existe uma visão macroeconômica e uma visão microeconômica, isto é uma visão holística de amplo espectro, pois não basta olhar apenas para o seu concorrente da esquina, tem que ter um olhar para o concorrente em todos os cantos do mundo, pois o mundo fica a cada dia com as distâncias menores e com as informações fluindo numa rapidez extrema, ai a melhor estratégia é àquela que atingirá o cliente final com todas as características que ele espera de um produto ou serviço, enfim, a melhor estratégia está sempre em atender os anseios dos clientes. CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao abordar o tema A globalização comercial o comércio no passado e presente uma viagem, demonstro que tal evento existe desde a antiguidade passando por todas as épocas da nossa história, e é fato que sempre houve o envolvimento de muitos recursos. Modernamente, diversos ramos da atividade humana demonstram que toda e qualquer movimentação comercial envolve alem dos recursos financeiros, como também, recursos humanos, materiais, informação e acima de tudo o foco é a

11 concretização da comercialização. Independente do tipo de comércio existente há que se atender as necessidades dos clientes finais, não importa o contingente envolvido, o dinheiro empregado na pesquisa e desenvolvimento de novos produtos, a melhor logística na movimentação dos produtos e matérias primas em processo de produção ou já acabadas, se algum aspecto deste não atender as características e necessidades dos clientes que as adquirem, nada feito, tudo isto estará perdido. A comercialização nos dias de hoje envolve inovação tecnológica, atividades de Marketing, alem é claro de aspectos que atraiam os clientes, a concorrência sempre existiu acontece que agora ela é global e não local, qualquer empreendedor agora concorre com empreendedores de todo o mundo, não adianta pensar que o seu concorrente é o seu João ali da esquina que não é não, o mercado de hoje (como na antiguidade) é uma guerra e, portanto deve estar pautado de estratégias organizacionais e táticas operacionais, para que no mínimo a empresa consiga manter-se e quem sabe com um trabalho profissional apoiado toda a aplicação dos aspectos teóricos em práticas efetivas aplicadas in-loco. Enfim, espero ter esclarecido que o evento globalização comercial existe desde sempre e continuará num ritmo mais freqüente e dinâmico. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CAMPOS, Vicente Falconi; TQC: Controle da Qualidade Total (no estilo Japonês). Belo Horizonte: Fundação Christiano Ottoni, Escola de Engenharia da UFMG, 4. ed. Bloch Editores S.A, CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. 7. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, GONÇALVES, Paulo Sérgio. Administração de Materiais. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, LAUGENI, Fernando Piero; MARTINS, Petrônio Garcia; Administração da Produção. São Paulo: Saraiva, MOREIRA, Julio César Tavares, NETO, Rafael Olivieri. Marketing Business to business, È Fazer ou Morrer. São Paulo: Makron books, NOVAES, Antonio Galvão. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição. 3. ed. Rio de Janeiro: 2007.

12 SELEÇÕES DO REDER S DIGEST; A História do Homem, 5. ed, Santelmo, Lisboa, 1980.

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT MBA EM GERÊNCIA DE SISTEMAS LOGÍSTICOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Eduardo Pécora, Ph.D. Reflexão: Como chegar lá? Desenvolvimento Pessoal Rertorno Financeiro Título? Maior eficiência e eficácia? Avaliação

Leia mais

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem Introdução histórica a Administração de Materiais Prof. Vianir André Behnem Origem - A origem da logística surge cerca de 10.000 AC; - Cerca de 6.000 anos, as civilizações da Mesopotâmia e do Egito já

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL

HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL HISTÓRIA DO DIREITO DO TRABALHO NO MUNDO OCIDENTAL CÊGA, Anderson Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG - Garça andersoncega@yahoo.com.br TAVARES, Guilherme Associação Cultural e Educacional

Leia mais

FEA. Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios. Sergio Rodrigues Bio

FEA. Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios. Sergio Rodrigues Bio FEA Desenvolvimento de Profissionais de Logística com Foco nos Resultados dos Negócios Sergio Rodrigues Bio Centro Breve Apresentação USP 6 campi, 5.000 profs. 60.000 alunos Cerca de 30% da produção científica

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

VOCÊ está satisfeito com a

VOCÊ está satisfeito com a O Que é Logística? Logística e Distribuição A importância da Logística nas empresas 1 Logistica e Distribuição 2 Logistica e Distribuição Necessidade... Todos os dias milhões de produtos são fabricados

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO

LOGÍSTICA 1. Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO 1 LOGÍSTICA 1 Nubia Aparecida dos Reis Souza 2 RESUMO Versa o presente artigo sobre logística e suas aplicabilidades no mundo moderno. A logística foi criada para suprir necessidades durante a Segunda

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros

Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management Gerenciamento da cadeia de suprimentos. Prof. Paulo Medeiros Supply Chain Management O período entre 1980 e 2000 foi marcado por grandes transformações nos conceitos gerenciais,

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

PLATAFORMA DE NEGÓCIOS

PLATAFORMA DE NEGÓCIOS SOBRE NOSSA PLATAFORMA COMPLETA A Plataforma de Negocio da Tommasi foi formada ao longo de 20 anos de experiência no ramo de importação e exportação e de uma equipe especializada para formação de uma estrutura

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39.

VIRGÍLIO, P.; LONTRINGER, S.. Guerra Pura: a Militarização do Cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984, p. 39. Velocidade é violência. O exemplo mais óbvio é o punho cerrado. Nunca o pesei mas pesa cerca de 400 gramas. Posso transformar esse punho na carícia mais delicada. Mas, se o arremessar em alta velocidade,

Leia mais

Teoria Geral da Administração II

Teoria Geral da Administração II Teoria Geral da Administração II Livro Básico: Idalberto Chiavenato. Introdução à Teoria Geral da Administração. 7a. Edição, Editora Campus. Material disponível no site: www..justocantins.com.br 1. EMENTA

Leia mais

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS O QUE É LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO? LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS Prof., Ph.D.????? DEFINIÇÃO DEFINIÇÃO Logística é o processo de planejamento, implementação e controle do fluxo eficiente e economicamente eficaz

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão da Produção e Logística tem por objetivo fornecer

Leia mais

Administração Mercadológica

Administração Mercadológica Organização Competitiva e Estratégias de Branding Administração Mercadológica Os elementos do mix de marketing Marketing-mix = Composto de MKt = 4P s Estratégia de produto Estratégia de preço Estratégia

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Pérsia, fenícia e palestina

Pérsia, fenícia e palestina Pérsia, fenícia e palestina Região desértica Atuais estados de Israel e Palestina Vários povos (semitas) estabelecidos no curso do Rio Jordão Palestina Hebreus (Palestina) Um dos povos semitas (cananeus,

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes Coordenação Acadêmica: Ana Ligia Nunes Finamor CÓDIGO: 1 OBJETIVO Desenvolver visão estratégica, possibilitando ao

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Administrando os canais de distribuição (aula 2)

Administrando os canais de distribuição (aula 2) 13 Aula 2/5/2008 Administrando os canais de distribuição (aula 2) 1 Objetivos da aula Explicar como os profissionais de marketing usam canais tradicionais e alternativos. Discutir princípios para selecionar

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

O Mundo industrializado no século XIX

O Mundo industrializado no século XIX O Mundo industrializado no século XIX Novas fontes de energia; novos inventos técnicos: Por volta de 1870, deram-se, em alguns países, mudanças importantes na indústria. Na 2ª Revolução Industrial as indústrias

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Investimento: a partir de R$ 179,00 mensais. MBA Executivo em Finanças Corporativas

Investimento: a partir de R$ 179,00 mensais. MBA Executivo em Finanças Corporativas Investimento: a partir de R$ 179,00 mensais Tempo de realização do MBA: 18 meses Investimento: R$179,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF) Ou Investimento: R$ 219,00 (acesso ao portal na internet,

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec:Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional Técnica de Nível

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS INTERFACES DO MARKETING E ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Carolina K. Souza Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Engenharia de Produção, Campus universitário

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM

DEFINIÇÕES COUNCIL SCM ADM DE MATERIAIS DEFINIÇÕES COUNCIL SCM Logística empresarial é a parte do Supply Chain Management que planeja, implementa e controla o eficiente e efetivo fluxo direto e reverso, a estocagem de bens,

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS 1º MÓDULO: SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS Economia e Sociedade do Conhecimento: Conceitos básicos: economia da informação e conhecimento. Investimentos tangíveis e intangíveis. Gestão do Conhecimento e

Leia mais

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires Princípios e Conceitos de Marketing Prof. Felipe A. Pires O que é Marketing? É a execução de um conjunto de atividades comerciais, tendo como objetivo final a troca de produtos ou serviços entre produtores

Leia mais

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse

Objetivo. Utilidade Lugar. Utilidade Momento. Satisfação do Cliente. Utilidade Posse Supply chain- cadeia de suprimentos ou de abastecimentos Professor: Nei Muchuelo Objetivo Utilidade Lugar Utilidade Momento Satisfação do Cliente Utilidade Posse Satisfação do Cliente Satisfação do Cliente

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

12/08/2008. A cadeia de Suprimentos. Coordenação Intercorporações

12/08/2008. A cadeia de Suprimentos. Coordenação Intercorporações Projeto Integrador Banco Dados e Sistemas para Internet Empresa Logística : A Logística empresarial é um campo relativamente novo estudo da gestão integrada, das áreas tradicionais das finanças, marketing

Leia mais

A História da Grécia Antiga se estende do século XX a.c. até o século II a.c. quando a região foi conquistada pelos romanos.

A História da Grécia Antiga se estende do século XX a.c. até o século II a.c. quando a região foi conquistada pelos romanos. HISTÓRIA ANTIGA Grécia I - formação Situada no sul da Europa (Península balcânica), numa região de relevo acidentado e um arquipélago no Mar Egeu, a Grécia foi palco de uma civilização que se desenvolveu

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

Teorias e Modelos de Gestão

Teorias e Modelos de Gestão Teorias e Modelos de Gestão Objetivo Apresentar a evolução das teorias e modelo de gestão a partir das dimensões econômicas, filosóficas, pol Iticas, sociológicas, antropológicas, psicológicas que se fazem

Leia mais

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Profº Adalberto J. Tavares Vieira

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

de frente Na linha Automação e expansão ABAD ENTREVISTA

de frente Na linha Automação e expansão ABAD ENTREVISTA Na linha Como a automação contribuiu para o desenvolvimento das empresas de distribuição e atacadistas? A automação foi fundamental para o crescimento e fortalecimento do setor. Sem o uso intensivo da

Leia mais

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

17/08/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 17//2010 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional

Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Por existir diferentes níveis em uma organização, existem diferentes tipos de sistemas servindo cada nível organizacional Fonte: Tipos de Sistemas de Informação (Laudon, 2003). Fonte: Tipos de Sistemas

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Administração da Produção. Prof. Paulo Medeiros.

Administração da Produção. Prof. Paulo Medeiros. Administração da Produção Prof. Paulo Medeiros. Evolução Histórica A função produção, entendida como o conjunto de atividades que levam a transformação de um bem tangível, ou serviço, em outro com maior

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

As Vendas e Prestações de Serviços

As Vendas e Prestações de Serviços Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano lectivo: 2009/2010 Prof: Adelina Silva As Vendas e Prestações de Serviços Trabalho Realizado por: Susana Carneiro 12ºS Nº18 Marketing Marketing é a parte do processo

Leia mais

Introdução ao Marketing. História do Conceito

Introdução ao Marketing. História do Conceito História do Conceito O termo marketing, de acordo com Cobra (1988, p. 34) é uma expressão anglo-saxônica derivada da palavra mercari, do latim, que significa comércio, ou ato de mercar, comercializar ou

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Varejo DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL DE AGRONEGÓCIOS MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Abril 2011. ESPM Unidade Porto Alegre

Varejo DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL DE AGRONEGÓCIOS MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Abril 2011. ESPM Unidade Porto Alegre Varejo DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL DE AGRONEGÓCIOS MANUAL DO CANDIDATO Ingresso Abril 2011 ESPM Unidade Porto Alegre Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos:

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - ADMINISTRAÇÃO QUESTÕES QUESTÕES 01) A Administração recebeu influência da Filosofia e diversos filósofos gregos contribuíram para a Teoria da Administração. A forma democrática de administrar os negócios públicos é discutida

Leia mais

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich

Gestão em Logística. Fundação de Estudos Sociais do Paraná. Luiz Alexandre Friedrich Gestão em Logística Fundação de Estudos Sociais do Paraná Luiz Alexandre Friedrich Nosso contrato... Fornecedor : Luizão Cliente : Alunos de Adm. da FESP - Fornecer subsídios de teoria e prática de Gestão

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing Internacional INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS - Marketing CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004 2.4d_ização de

Leia mais

Abordagem Clássica da Administração

Abordagem Clássica da Administração Abordagem Clássica da Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 05 Principais Personagens Fredeick Winslow Taylor (americano) Escola da Científica: aumentar a eficiência da indústria por meio

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

Superando desafios em Centros de Distribuição com Voice Picking. Rodrigo Bacelar ID Logistics Paula Saldanha Vocollect

Superando desafios em Centros de Distribuição com Voice Picking. Rodrigo Bacelar ID Logistics Paula Saldanha Vocollect Superando desafios em Centros de Distribuição com Voice Picking Rodrigo Bacelar ID Logistics Paula Saldanha Vocollect Prêmio ABRALOG Índice Informações Gerais... 3 Dificuldades Encontradas...............

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

A Antiguidade Oriental Hebreus

A Antiguidade Oriental Hebreus A Antiguidade Oriental Hebreus (Monoteísmo e judaísmo) Mar Mediterrâneo Delta do Nilo Egito NASA Photo EBibleTeacher.com Península nsula do Sinai Mt. Sinai Mar Vermelho Canaã Tradicional Rota do Êxodo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Etec Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: TÉCNICO

Leia mais