REDUÇÃO TEMPORÁRIA DA VAZÃO MÍNIMA DO RIO SÃO FRANCISCO. PARA m³/s A PARTIR DA UHE SOBRADINHO 2º RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REDUÇÃO TEMPORÁRIA DA VAZÃO MÍNIMA DO RIO SÃO FRANCISCO. PARA 1.100 m³/s A PARTIR DA UHE SOBRADINHO 2º RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO"

Transcrição

1 COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO CHESF DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÃO E CONTRATOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA - SOC DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS E ESTUDOS ENERGÉTICOS - DHE DIVISÃO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS - DORH Petrolina/PE Juazeiro/BA REDUÇÃO TEMPORÁRIA DA VAZÃO MÍNIMA DO RIO SÃO FRANCISCO PARA m³/s A PARTIR DA UHE SOBRADINHO 2º RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO RT - DORH 013/2013 AGOSTO/2013

2 1. Introdução/Objetivo Este Relatório tem por objetivo o atendimento à Resolução n 442/2013 emitida pela ANA autorizando, em caráter emergencial, a redução da vazão em todo o vale a jusante das barragens de Sobradinho e de Xingó para m 3 /s. Apresenta a situação de atendimento da citada resolução, para o período de 05 de junho a 31 de julho de 2013, data adotada como limite para visão deste 2º Relatório de Acompanhamento Mensal. 2. Situação de atendimento à Resolução ANA n 442/2 013 Apresentam-se, a seguir, os procedimentos já adotados, tendo em vista o cumprimento do que foi estabelecido na citada Resolução. Conforme explicitado no 1º Relatório Mensal de Acompanhamento (RT-DORH-008/2013) em virtude de a redução gradativa das defluências de Sobradinho ter se iniciado, ao final do intervalo de tempo que o citado relatório contemplou, sua prática e possíveis consequências para o trecho do rio compreendido entre os reservatórios de Sobradinho e Itaparica, está sendo abordada no presente Relatório Mensal de Acompanhamento. Portanto, este relatório abrangerá os dois trechos do Rio São Francisco: Entre a Barragem de Sobradinho e a Cidade de Belém do São Francisco - PE; Entre a Barragem de Xingó e a Foz do Rio São Francisco. 2.1 Acompanhamento da operação dos reservatórios No que se refere ao relatório mensal de acompanhamento da operação, mais especificamente à operação da UHE de Sobradinho e, fazendo referência ao que foi dito a este respeito no RT-DORH-008/2013 acima citado, informa-se que a redução gradativa das defluências de Sobradinho para o patamar de m³/s iniciada em 25/05/2013, atingiu o patamar de m³/s em 05/06/2013. Durante todo o período compreendido entre as datas referenciadas permaneceu a prática de defluir do citado reservatório um patamar de vazão de m³/s. Na estação hidrométrica de Juazeiro, no período de 25/05/2013 a 04/06/ 2013 as vazões mantiveram-se acima do patamar de m³/s. No mês de junho, entre os dias 05 e 30, a afluência média ao Reservatório de Sobradinho foi de aproximadamente m³/s e a defluência média foi de m³/s. O armazenamento no reservatório reduziu de 47,0 % do seu volume útil (VU) no início do período, para 46,4 %VU em 30/06/2013. No mês de julho, a afluência média foi de aproximadamente 940 m³/s e a defluência média foi de m³/s, ocasionando uma redução de seu armazenamento dos 46,5 %VU para 41,4 %VU. Desta forma, no período de 05/06 a 31/07/2013 a afluência a Sobradinho se reduziu do patamar de m³/s para 840 m³/s. A defluência evoluiu do patamar de cerca de m³/s para o patamar de m³/s. O reservatório teve seu armazenamento reduzido de 47,0 %VU para 41,4 %VU, ou seja, 5,6%. Com relação à operação da UHE Xingó, no mês de junho, entre os dias 05 e 30, os valores de afluência e defluência média foram respectivamente m³/s e m³/s, enquanto que no mês de julho, os valores de afluência e defluência foram elevados para m³/s e m³/s respectivamente. 2

3 No que diz respeito a Xingó, para o mesmo período de 05/06 a 31/07/2013, a afluência inicialmente situou-se em torno do patamar de m³/s, em seguida evoluiu para o patamar de m³/s, retornando para m³/s no final do citado período. A defluência por sua vez, foi reduzida de m³/s para m³/s, alternando-se entre esses valores no decorrer do período e a partir de 09/07, evoluiu do patamar de m³/s até o máximo de m³/s, retornando no final do período para cerca de m³/s. No que se refere às elevações de defluência acima citadas e definidas pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS observa-se que: Durante a 2ª quinzena do mês de junho e início do mês de julho, mais especificamente até o dia 02/07, as defluências do Reservatório de Xingó foram superiores à descarga mínima autorizada de m³/s em virtude da realização da Copa das Confederações, e ainda devido à contingência ocorrida na Linha de Transmissão de 500 Kv São João do Piauí-PI / Milagres-CE. A partir de 09/07 até 31/07/2013, as defluências praticadas por Sobradinho e Xingó se situaram acima da descarga mínima de restrição (1.300m³/s) face à: restrições de recebimentos de intercâmbio para a Região Nordeste; necessidade de prover segurança adicional para garantir suprimento de energia elétrica para a realização da Jornada Mundial da Juventude JMJ, e ainda devido à ocorrência de contingências nas Usinas Térmicas Termopernambuco e Pecém. Ressalta-se que no decorrer do período abordado por este 2º Relatório de Acompanhamento Mensal, foram atendidas solicitações de elevação de vazão efetuadas pela Icofort e pela Colônia de Pescadores Z-026 de Sobradinho, conforme explicitado nas correspondências anexas. A seguir apresentam-se os registros da operação praticada nos pontos de controle definidos pela ANA, em sua Resolução nº 442/2013 para os reservatórios de Sobradinho e Xingó, respectivamente, as estações hidrométricas de Juazeiro e Propriá. A estação hidrométrica de Juazeiro registrou para o período de 05/06 a 30/06/2013, vazão máxima média diária de m³/s, vazão média diária de m³/s e vazão mínima média diária de m³/s. O total pluviométrico registrado para o período foi de 0,0 mm. No mês de julho a vazão máxima média diária foi m³/s, a vazão média diária de m³/s e vazão mínima média diária de m³/s. O total pluviométrico registrado para o período foi de 8,0 mm, correspondendo a 190% da MLT. A estação hidrométrica de Propriá registrou para o período de 05/06 a 30/06/2013, vazão máxima média diária de m³/s, vazão média diária de m³/s e vazão mínima média diária de m³/s. O total pluviométrico registrado para o período foi de 90,2 mm, correspondendo a 65% MLT. No mês de julho a vazão máxima média diária foi m³/s, a vazão média diária foi m³/s e vazão mínima média diária foi m³/s. O total pluviométrico registrado para o período foi de 178,4 mm, correspondendo a 153% da MLT. No que diz respeito ao Posto Hidrométrico de Propriá, se faz necessário registrar que a ANA solicitou a Chesf esclarecimentos e cumprimento às condicionantes da Resolução ANA nº 442/2013, uma vez que, segundo a Agência, no citado posto estariam sendo observadas vazões abaixo de m³/s. A Chesf prestou os esclarecimentos necessários e reafirmou o compromisso de cumprir as ações estabelecidas no sentido de garantir a segurança hídrica da Região Nordeste com benefícios para todos os usuários. A ANA, mediante os esclarecimentos fornecidos pela Chesf, definiu que os dados utilizados para o controle de 3

4 vazões defluentes do Reservatório de Xingó serão aqueles fornecidos pelas leituras do observador in loco da estação fluviométrica, uma vez que foram constatadas diferenças de valores entre as leituras de cotas realizadas pelo observador, às 7h e às 17h, da estação fluviométrica de Propriá (código ANA ) e os valores transmitidos telemetricamente pela estação. 2.2 Processo de comunicação Dando continuidade às informações constantes no relatório anterior (RT-DORH-008/2013) segue abaixo (quadro resumo e descrição) a cronologia referente à comunicação, que se processou através do envio de faxes e s, assim como apresentações e discussões sobre o processo de redução temporária da vazão mínima do Rio São Francisco efetuadas na região do Submédio São Francisco e em Brasília-DF. Data Evento 05/06/13 FAX-SOC nº015/ /06/13 Reunião da Câmara Consultiva Regional do Submédio, em Flores / PE 04/07/13 Reunião convocada pela ANA, em Brasília/DF 04/07/13 Correspondência Externa para a Prefeitura de Curaçá/BA 17/07/13 SOC para Icofort 23/07/13 SOC para a Colônia de Pescadores de Sobradinho 31/07/13 SOC para Icofort Em 05/06/2013, foi enviado o FAX SOC nº 015/2013, através de fax e , para toda a lista de destinatários constante da Sistemática de Divulgação de Níveis e Defluência da Bacia do Rio São Francisco, informando que a partir do dia 07/06/2013 a vazão defluente a ser praticada em Xingó passaria a ser de m³/s. Este fax encontra-se disponibilizado na homepage da Chesf e está anexado a este relatório. Em 19/06/2013, a Chesf participou da Reunião da Câmara Consultiva Regional do Submédio São Francisco - CCR Submédio SFR, em Flores-PE, onde fez apresentação e prestou informações referentes à redução temporária da vazão mínima, respondendo aos questionamentos apresentados. Nesta reunião estavam presentes: Prefeitura Municipal e Câmara de Vereadores de Flores PE, Membros da CCR Submédio São Francisco, Companhia Pernambucana de Saneamento COMPESA, Associação Produtores Rurais Irrigantes do Vale do Moxotó, Associação dos Proprietários e Condutores de Barcos da Ilha do Rodeadouro, Colônia de Pescadores Z-60 de Juazeiro, Instituto Regional de Pequena Agropecuária Apropriada IRPAA, UFRPE, Associação dos Geólogos de Pernambuco - AGP, Agência Pernambucana de Água e Clima - APAC, Secretaria de Meio Ambiente do Estado da Bahia- SEMA, Comitê da Bacia Hidrográfica do Salitre, dentre outros. Em 04/07/2013, a Chesf participou de reunião na Agência Nacional de Águas - ANA, em Brasília-DF e fez apresentação sobre a Redução temporária da vazão mínima de restrição de Sobradinho e Xingó. Estiveram presentes, dentre outros: Agência Nacional de Águas ANA, Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL, Ministério das Minas e Energia MME, Ministério dos Transportes MT, Operador Nacional do Sistema ONS, Marinha do Brasil, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA, Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba, Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Estado de Sergipe - SEMARH/SE, Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco CBHSF, COMPESA, Companhia de Saneamento de Alagoas CASAL e Icofort. Nesta reunião, ficou definido que a Chesf continua autorizada a praticar vazões de m³/s e que a próxima reunião a ser convocada pela 4

5 ANA para avaliação e acompanhamento da prática de redução temporária da vazão mínima do Rio São Francisco deverá ocorrer em meados de agosto de Em 04/07/2013, a Chesf, em resposta ao Ofício/GAB/PREF 227/2013, enviou correspondência (CE-SOC 118/2013) à Prefeitura de Curaçá explicitando o fato de não possuir equipamentos nem recursos para desassoreamento do Rio São Francisco, conforme solicitado no ofício supracitado. Em 17/07/2013, a Chesf, em resposta à solicitação da Icofort, comunicou-lhe através de e- mail que a operação do Reservatório de Sobradinho nos dias 15 e 16/07 ocorreu conforme programação solicitada. Em 23/07/2013, a Chesf, atendendo a solicitação da Colônia de Pescadores Z-026 de Sobradinho, informou-lhe através de que a operação praticada no Reservatório de Sobradinho no dia 20/07 atendeu ao seu pleito. Em 31/07/2013, a Chesf, em resposta à solicitação da Icofort, comunicou-lhe através de e- mail que a operação do Reservatório de Sobradinho nos dias 29 e 30/07 ocorreu conforme programação solicitada. 2.3 Usos Múltiplos No período de visão deste relatório (05/06 a 31/07/2013), não houve registro de problemas junto aos demais usuários do Rio São Francisco, além dos que já foram apontados e devidamente tratados conforme explicitado nos relatórios anteriores (RT-DORH-008/2013 e RT-DORH-005/2013). Esta observação também é válida para o período em que se iniciou a redução de defluências de Sobradinho (25/05 a 05/06/2013). Ressalta-se que o conhecimento e registro das citadas dificuldades, quando ocorrem, se efetivam através de contatos telefônicos, , ofícios e ainda no momento da inspeção efetuada pela Chesf, a qual aconteceu nos dias 01 e 02/07/2013, a fim de registrar a situação dos usos múltiplos instalados nos trechos Sobradinho - Belém do São Francisco e Xingó - Foz. O relatório da citada inspeção, RT-DORH-012/2013, encontra-se em anexo. 3. Conclusões A inspeção efetuada pela Chesf nos trechos Sobradinho Belém do São Francisco e Xingó - Foz, nos dias 01e 02 de julho de 2013, quando estava sendo praticado, a jusante do Reservatório de Sobradinho e Xingó, um patamar de vazão da ordem de m³/s e m³/s respectivamente, permite observar que: A calha do Rio São Francisco, em ambos os trechos, visualmente permanece sem grandes alterações. Continua sendo observada a presença de afloramentos rochosos a jusante de Sobradinho e bancos de areia a jusante de Xingó, assim como o corte de abastecimento de canais naturais secundários (braços de rio). As captações de pequeno e médio porte e balneários estruturados operavam normalmente. Algumas delas tiveram sua tubulação de recalque aumentada ou os canais escavados para conseguir captar. 5

6 As travessias das balsas estão funcionando normalmente em ambos os trechos (Sobradinho - Belém do São Francisco e Xingó - Foz). Contudo, verifica-se a existência de bancos de areia na travessia até a Ilha do Rodeadouro, em frente às cidades de Pão de Açúcar, Penedo e Piaçabuçu, o que pode vir a aumentar o percurso das embarcações. A captação Deso para abastecimento da cidade de Aracaju aparentemente opera de forma normal. Constatou-se que houve nova formação e depósito de macrófitas no local, o qual havia sido limpo e dragado quando da inspeção anterior, ocorrida entre 21 e 24 de maio de A captação de Porto da Folha, que abastece os municípios de Porto da Folha, Poço Redondo, Monte Alegre e Glória, também não apresenta alterações em sua operação. As captações da Casal, quais sejam: Pão de Açúcar que abastece a cidade de Pão de Açúcar; Pão de Açúcar / Olho d Água das Flores que abastece as cidades da Bacia Leiteira e ainda a de Morro da Gaia que é responsável pelo abastecimento da cidade de São Brás, não apresentam problemas em seu funcionamento. Em relação aos projetos de irrigação da Codevasf (Salitre, Tourão, Mandacaru, Maniçoba, Curaçá, Pedra Branca, Pontal, Bebedouro, Brígida, Propriá, Itiúba, Boacica, Marituba e Cotinguiba/Pindoba), não foram constatadas dificuldades de captação. O projeto de irrigação da Associação dos Concessionários do Distrito do Platô de Neópolis ASCONDIR, Platô de Neópolis, também operava normalmente. É importante ressaltar que as defluências dos reservatórios de Sobradinho e Xingó apresentaram uma elevação ao longo do intervalo de tempo que o presente relatório contempla, ocasionando, portanto, um nível de água no rio superior àquele observado no período anterior abordado no 1º Relatório de Acompanhamento Mensal. Conforme explicitado no corpo deste relatório, a elevação de defluência observada, definida pelo ONS, foi necessária tendo em vista a otimização e segurança da operação do Sistema Interligado Nacional - SIN face à ocorrência, no período, de dois eventos de grande relevância: A Copa das Confederações e a Jornada Mundial da Juventude - JMJ, além da ocorrência de contingências no SIN, mais especificamente na Linha de Transmissão de 500 Kv São João do Piauí-PI / Milagres-CE e nas Usinas Térmicas Termopernambuco e Pecém. Apesar de não ter havido registro de novos problemas junto aos demais usuários do Rio São Francisco além dos que já foram apontados e devidamente tratados conforme exposto nos relatórios anteriores, ratifica-se a importância e necessidade de se estabelecer, como prática permanente, o trabalho de manutenção nas estruturas e equipamentos que são utilizados para captar água do Rio São Francisco para os diversos fins. Por fim, reitera-se que a Chesf atuou no sentido de viabilizar soluções, inclusive revendo programação de defluências para elevar vazões, com vistas ao atendimento das necessidades dos demais usos da água. 4. Anexos Resolução nº 442/2013 ANA; Fax SOC nº 015/2013; Correspondência Externa para a Prefeitura de Curaçá e Ofício/GAB/PREF 227/2013; 6

7 s SOC para a empresa Icofort; SOC para a Colônia de Pescadores de Sobradinho e Ofício S/n-2013; RT-DORH-012/2013 Inspeção Visual Aérea do Trecho do Rio São Francisco entre a Usina Sobradinho e a Foz com Defluência Média entre m³/s e m³/s (2º Relatório de Acompanhamento Mensal). 7

8 Anexos 8

9 COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO CHESF DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÃO E CONTRATOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA - SOC DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS E ESTUDOS ENERGÉTICOS - DHE DIVISÃO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DORH Penedo - AL INSPEÇÃO VISUAL AÉREA DO TRECHO DO RIO SÃO FRANCISCO ENTRE A USINA DE SOBRADINHO E A FOZ COM DEFLUÊNCIA MÉDIA ENTRE m 3 /s E m³/s 2º RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO MENSAL RT DORH 012/2013 AGOSTO/2013

10 1 INTRODUÇÃO Dando prosseguimento ao estabelecido nas condicionantes das autorizações especiais temporárias concedidas pelo IBAMA e ANA para redução da vazão mínima de restrição para m 3 /s, tendo em vista a necessidade de elaboração do segundo relatório de acompanhamento mensal, foi realizada inspeção visual aérea no trecho Sobradinho - Foz, nos dias 01 a 02 de julho de 2013 com o objetivo de registrar a situação dos usos múltiplos ali instalados. Observa-se que no período compreendido entre os dias 27/06 e 02/07/2013 a prática de vazões da ordem de m 3 /s em Sobradinho e de m³/s em Xingó transcorreu conforme tabela abaixo: DIA Defluência média diária em Sobradinho (m³/s) Defluência média diária em Xingó (m³/s) 27/06/ /06/ /06/ /06/ /07/ /07/ Participaram desta inspeção: DORH Divisão de Gestão de Recursos Hídricos e SPAV Serviço de Aviação de Paulo Afonso. As fotos aqui apresentadas são sempre de vista aérea. Este trabalho contém em anexo dois mapas georreferenciados (Anexo 1 e 2): Inspeção Visual Aérea do Rio São Francisco entre a Usina de Sobradinho e Barra do Tarrachil com Defluência Média entre m 3 /s e m 3 /s e Inspeção Visual Aérea do Rio São Francisco entre a Usina de Xingó e a Foz com Defluência Média entre m 3 /s e m 3 /s. O aumento da defluência no período entre 29/06 e 02/07/2013 ocorreu conforme definido pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS devido aos seguintes motivos: Realização da Copa das Confederações, implicando em procedimentos adicionais de segurança implantados na operação do Sistema Interligado Nacional - SIN, com a finalidade de maximizar o desempenho operacional; Contingência na Linha de Transmissão 500 KV São João do Piauí - Milagres. 2

11 2 DESENVOLVIMENTO Os trabalhos de inspeção aérea transcorreram dentro da normalidade. Em ambas as margens foram fotografados os pontos considerados relevantes de acordo com seleção feita pela Agência Nacional de Águas ANA, durante o sobrevôo conjunto ANA, IBAMA e Chesf, realizado nos dias 29 e 30 de abril de 2013, além de pontos em que visualmente se verificou que poderiam vir a apresentar dificuldades com a manutenção da liberação da vazão média diária de m³/s e ainda outros pontos para efeito de acompanhamento e controle da Chesf. Para favorecer a compreensão deste relatório, o trecho de rio entre a Usina de Sobradinho e a Foz do Rio São Francisco foi dividido em quatro subtrechos: o primeiro inicia-se na Usina de Sobradinho, Sobradinho - BA e termina nas Cidades de Juazeiro-BA/Petrolina-PE; o segundo subtrecho inicia-se a jusante das cidades de Juazeiro-Ba/Petrolina-PE e vai até o porto das balsas Distrito de Barra do Tarrachil no Município de Chorrochó BA: o terceiro subtrecho inicia-se na Usina de Xingó em Canindé do São Francisco - SE e termina na Cidade de Propriá - SE; o quarto subtrecho inicia-se a jusante da cidade de Propriá - SE e vai até o Povoado de Potengy, no Município de Piaçabuçu AL, foz do Rio São Francisco. No relatório fotográfico as fotos são apresentadas de acordo com a posição geográfica dos pontos fotografados, exceto as séries de fotografias das captações de pequeno e médio porte do primeiro subtrecho: Usina de Sobradinho, Sobradinho BA às Cidades de Juazeiro-BA/Petrolina-PE que são apresentadas em blocos e os projetos de irrigação que também são apresentados em blocos, de acordo com a posição geográfica da primeira Estação de Bombeamento, conforme se apresentam nos mapas georreferenciados (Anexo 1 e 2). 3

12 2.1 SUBTRECHO: USINA DE SOBRADINHO, SOBRADINHO BA ÀS CIDADES DE JUAZEIRO BA/PETROLINA-PE A inspeção aérea foi realizada no dia 02/07/2013. O Subtrecho entre a Barragem de Sobradinho e Juazeiro BA / Petrolina PE, com aproximadamente 40 Km de extensão, é o mais urbanizado, destacando-se as atividades agrícolas e industriais, fato que leva à existência de muitas captações, grandes áreas de moradia e lazer, além de navegação comercial. Na margem direita, o Projeto Salitre (Fotos 27 e 28) não apresenta alteração na sua estrutura de captação. Com relação à captação da Mineração Caraíba (Fotos 43 e 44), a mesma continua a operar normalmente. O SAAE de Juazeiro BA, aparentemente opera normalmente (Fotos 55 e 56). O canal do rio entre a ilha e o Country Club de Juazeiro, continua cortado (Fotos 57 e 58), aparentemente foi realizada uma obra para conter o fluxo da água. O Porto da cidade de Juazeiro, continua sem operar (Fotos 41 e 42). Na margem esquerda, no município de Petrolina, a captação da COMPESA para abastecimento humano da cidade continua operando normalmente e com obras de expansão ainda não concluídas (Fotos 51, 52 e 53). O Porto de Petrolina aparentemente continua operando normalmente (Foto 54). Em algumas das captações de pequeno e médio porte foram feitas escavações/aprofundamento de pequenos canais no terreno (Fotos 5, 6 e 16) ou o prolongamento da tubulação de recalque (Fotos 8, 9 e 14) para permitir a chegada da água até os pontos de captações fixas de pequeno e médio porte. A navegação comercial de grande porte não apresentou novas solicitações para alteração da vazão. Quanto à navegação de pequeno porte continua operando normalmente (Fotos 35, 36, 37 e 38) Os balneários (Fotos 1, 26, 31, 32 e 33) e marinas (Fotos 47, 48 e 66) também não apresentaram problemas para operar suas áreas de lazer. Outros Pontos Relevantes: Elevado número de captações de pequeno e médio porte, considerando a pequena distância entre a Barragem de Sobradinho e Juazeiro / Petrolina (aproximadamente 40 km); Presença de embarcações de tamanhos variados, usadas na navegação comercial, lazer e travessia de pessoas; Presença de balneários estruturados e outras áreas de lazer; Áreas industriais nas cidades de Juazeiro BA e Petrolina PE; Retiradas de areia por dragas; Corte do canal secundário da margem direita nas imediações do Country Club Ilha Bela em Juazeiro, o qual se encontra aparentemente desativado; Presença de bancos de areia e afloramentos rochosos; 4

13 Povoados, vilas, sítios, fazendas, projetos agrícolas governamentais (grande porte) e particulares (pequeno e médio porte) captam água do rio. 5

14 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO DO SUBTRECHO 2.1 USINA DE SOBRADINHO, SOBRADINHO BA ÀS CIDADES DE JUAZEIRO BA/PETROLINA-PE 6

15 Balneário de Chico Periquito Sobradinho - BA Foto 1.Balneário Chico Periquito Foto 2.Vista do local do posto hidrométrico da Vila São Joaquim Sobradinho -BA 7

16 Fazenda São Matheus Casa Nova - BA Foto 3.Vista da Fazenda São Matheus Casa Nova - BA Foto 4.Captação da Fazenda São Matheus Casa Nova BA 8

17 Captações de pequeno e médio porte na margem esquerda entre a Barragem de Sobradinho e Petrolina PE Foto 5. Captação fixa retirando água de canal escavado Foto 6.Captação fixa retirando água de canal escavado 9

18 Foto 7.Captação fixa com adaptação para permitir sua operação Foto 8.Captação com prolongamento da tubulação de recalque para permitir a operação 10

19 Foto 9.Vista de captação fixa Foto 10.Captação fixa com prolongamento da tubulação de recalque para permitir a operação 11

20 Foto 11.Captação fixa Foto 12.Captação flutuante 12

21 Foto 13.Captação Foto 14.Captações fixas com adaptações 13

22 Foto 15.Captação fixa Foto 16.Captações fixas 14

23 Captações de pequeno e médio porte na margem direita entre a Barragem de Sobradinho e Juazeiro BA Foto 17.Captação fixa Foto 18.Captações fixas 15

24 Foto 19.Captação fixa Foto 20.Captação fixa 16

25 Foto 21.Captação fixa Foto 22.Captação fixa 17

26 Foto 23.Captação fixa Foto 24.Captação fixa com adaptação para canal escavado 18

27 Ilha do Jenipapo Petrolina PE Foto 25.Vista de ocupação da ilha do Jenipapo Foto 26.Ilha do Jenipapo, usada como balneário 19

28 Projeto Salitre Juazeiro BA Foto 27.Vista da captação do projeto Salitre (Codevasf) Foto 28.Vista da captação do projeto Salitre (Codevasf) 20

29 Balneário da Ilha do Rodeadouro PE Foto 29.Vista de banco de areia a montante da ilha do Rodeadouro Foto 30.Balneário da Ilha do Rodeadouro, margem do canal esquerdo do rio 21

30 Foto 31.Balneário da Ilha do Rodeadouro, margem do canal esquerdo do rio Foto 32.Balneário da Ilha do Rodeadouro, margem do canal direito do rio 22

31 Foto 33.Balneário da Ilha do Rodeadouro, margem do canal direito do rio Foto 34.Balneário da Ilha do Rodeadouro, margem do canal direito do rio, presença de banco de areia 23

32 Travessia de barco Povoado de Roçado, Petrolina PE a Ilha do Rodeadouro Foto 35.Ponto de travessia de barcos para o Balneário da Ilha do Rodeadouro, margem do canal esquerdo do rio Foto 36.Ponto de travessia de barcos para o Balneário da Ilha do Rodeadouro, margem do canal esquerdo do rio 24

33 Travessia de barcos Distrito de Rodeadouro, Juazeiro - BA a Ilha do Rodeadouro Foto 37.Ponto de travessia de barcos para o Balneário da Ilha do Rodeadouro, margem do canal direito do rio Foto 38.Ponto de travessia de barcos para o Balneário da Ilha do Rodeadouro, margem do canal direito do rio 25

34 Comunidade da Ilha do Massangano - Petrolina- PE Foto 39.Vista da comunidade da ilha do Massangano e da captação Foto 40.Vista da comunidade da ilha do Massangano e da captação 26

35 Porto de Juazeiro Juazeiro BA Foto 41.Vista do Porto de Juazeiro Foto 42.Vista do Porto de Juazeiro 27

36 Mineração Caraíbas Juazeiro BA Foto 43.Vista da captação da Mineração Caraíbas Foto 44.Vista da captação da Mineração Caraíbas 28

37 Dragagem Juazeiro BA Foto 45.Vista de retirada de areia do leito do rio Foto 46.Vista de retirada de areia do leito do rio 29

38 Marina Ilha do Sol Petrolina PE Foto 47.Vista parcial da marina operando normalmente Foto 48.Vista parcial da marina operando normalmente 30

39 Dragagem Juazeiro BA Foto 49.Ponto de retirada de areia Foto 50.Ponto de retirada de areia 31

40 COMPESA Petrolina PE Foto 51.Obras de ampliação da COMPESA, ao fundo as cidades de Petrolina e Juazeiro Foto 52.Obras de ampliação da COMPESA, ao fundo a cidade de Petrolina 32

41 Foto 53.Captação da COMPESA para Petrolina, operando normalmente 33

42 Porto de Petrolina PE Foto 54.Porto de Petrolina, aparentemente em operação normal 34

43 Captação do SAEE para Juazeiro Juazeiro BA SAEE CICA Norte Foto 55.Vista das captações do SAAE SAEE CICA Norte Foto 56.Vista das captações do SAAE e CICA Norte 35

44 Canal do rio próximo ao Country Club Ilha Bela Petrolina - PE Foto 57.Vista do canal do rio (cortado) próximo ao Country Club Ilha Bela (aparentemente desativado), foi realizada obra de contenção da água Foto 58.Vista do canal do rio (cortado) próximo ao Country Club Ilha Bela (aparentemente desativado) 36

45 Cidade de Juazeiro BA Foto 59.Vista parcial da cidade de Juazeiro Foto 60.Vista parcial da cidade de Juazeiro 37

46 Foto 61.Vista parcial da cidade de Juazeiro Foto 62.Vista parcial da cidade de Juazeiro 38

47 Cidade de Petrolina PE Foto 63.Vista parcial da cidade de Petrolina - PE Foto 64.Vista parcial da cidade de Petrolina - PE 39

48 Foto 65.Vista parcial da cidade de Petrolina PE Foto 66.Vista parcial Iate Club de Petrolina PE 40

49 2.2 SUBTRECHO: CIDADES DE JUAZEIRO E PETROLINA AO DISTRITO DE BARRA DO TARRACHIL, MUNICÍPIO DE CHORROCHÓ - BA A inspeção aérea foi realizada no dia 02 de julho. Subtrecho de aproximadamente 260 km, com grande número de captações de pequeno, médio e grande porte. Na margem direita, operam as captações da Codevasf, a saber: Projeto Tourão (Fotos 67 e 68), Projeto Mandacaru (Fotos 69 e 70), Projeto Maniçoba (Fotos 83 e 84), Projeto Curaçá (Fotos 109, 110, 111 e 112) e Projeto Pedra Branca (Fotos 141, 142 e 143), desenvolvido em parceria entre a Chesf e a Codevasf, e o Projeto Pedra Grande (Foto 87). Todos operando aparentemente sem problemas. Como no subtrecho anterior, observou-se que em alguns pontos das margens foram feitas escavações ou aprofundamento de pequenos canais no terreno para permitir a chegada da água até os pontos de captações fixos de pequeno e médio porte (Foto 151 e 152). Quanto à navegação, mesmo de pequeno porte, historicamente, o trecho do rio próximo à cidade de Santa Maria da Boa Vista PE, não é favorável a tal prática devido à existência de corredeiras, contudo, nos demais locais a navegação acontece de modo normal (Foto 106, 124, 144, 145, 159, 160, 165, 170, 171, 172 e 173). As captações da margem direita para abastecimento humano do SAAE na cidade de Curaçá (Fotos 123), Itamotinga, Juazeiro BA (Foto 108), Riacho Seco, Curaçá - BA (Foto 132) e Pedra Branca (Foto 146), continuam funcionando normalmente. As captações da margem esquerda do Projeto Pontal (Fotos 88 e 89), Projeto Bebedouro (Fotos 91 e 92), Projeto Caraíbas (Fotos 133 e 134) e Projeto Brígida (Fotos 139 e 140), aparentemente não têm problemas para fazer a retirada de água. Quanto às captações para abastecimento humano da COMPESA nas cidades de Lagoa Grande ( Fotos 93 e 94), Santa Maria da Boa Vista (Fotos 129 e 130), Orocó (Fotos 137 e 138), Cabrobó (Fotos 148) e Salgueiro (Foto 149), estas não apresentam dificuldades para operar. Quanto à captação de Belém do São Francisco (Fotos 166 e 167), visualizou-se a presença de macrófitas no canal de adução, que poderá vir a dificultar sua operação. Também não foi visualizado problemas na operação dos balneários de Pedrinhas (Fotos: 81 e 82) e da Ilha da Coroa (Foto: 121). Outros Pontos Relevantes: Elevado número de captações de água de pequeno, médio e grande porte, para povoados, vilas, sítios, fazendas, projetos agrícolas governamentais (grande porte) e particulares (pequeno e médio porte); Navegação de embarcações de tamanhos variados, usadas na travessia de carros, travessia de pessoas e transporte de mercadorias em pequenos percursos; 41

50 Presença de balneários estruturados; Indústrias ao longo do rio (vinícolas, aviário, olarias e etc.); Piscicultura em tanque rede; Bancos de areia; Afloramento de rochas; Povoados, vilas, sítios, fazendas, projetos agrícolas governamentais (grande porte) e particulares (pequeno e médio porte) captam água do rio. 42

51 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO DO SUBTRECHO 2.2 CIDADES DE JUAZEIRO E PETROLINA AO DISTRITO DE BARRA DO TARRACHIL, MUNICÍPIO DE CHORROCHÓ - BA 43

52 Projeto Tourão Juazeiro - BA Foto 67.Vista da captação do Projeto Tourão Foto 68.Vista da captação do Projeto Tourão 44

53 Projeto Mandacaru Juazeiro BA Foto 69.Vista da captação do Projeto Mandacaru Foto 70.Vista da captação do Projeto Mandacaru 45

54 Captações não identificadas Juazeiro BA Foto 71.Vista de captação não identificada (margem direita), a jusante do Projeto Mandacaru Foto 72.Vista de captação não identificada (margem direita), a jusante do Projeto Mandacaru 46

55 Foto 73.Vista da captação anterior (margem direita), a jusante do Projeto Mandacaru Foto 74.Vista de captação não identificada (margem direita), a jusante do Projeto Mandacaru 47

56 Retirada de areia Juazeiro BA Foto 75.Vista de draga (margem direita), a jusante do Projeto Mandacaru Foto 76.Vista do depósito de areia (margem direita), a jusante do Projeto Mandacaru 48

57 Fazenda Especial Fruit Juazeiro BA Foto 77.Vista indústria Especial Fruit fabricante de polpa de fruta Foto 78.Vista da captação da Especial Fruit 49

58 Captação em fazenda - Juazeiro BA Foto 79.Vista da captação instalada em fazenda de grande porte, de plantio de cana de açúcar Foto 80.Vista da captação instalada em fazenda de grande porte, de plantio de cana de açúcar 50

59 Balneário de Pedrinhas Distrito de Pedrinhas Petrolina PE Foto 81.Vista do balneário de Pedrinhas Foto 82.Vista do balneário de Pedrinhas 51

60 Projeto Maniçoba Juazeiro BA Foto 83.Vista da captação do Projeto Maniçoba Foto 84.Vista da captação do Projeto Maniçoba 52

61 Captações não identificadas Petrolina PE Foto 85.Vista da captação de fazenda não identificada Foto 86.Vista da captação de fazenda não identificada 53

62 Projeto Pedra Grande - Petrolina - PE Foto 87.Vista da captação do Projeto Pedra Grande 54

63 Projeto Pontal - Petrolina PE Foto 88.Vista da captação EB-01 do Projeto Pontal Foto 89.Vista da captação EB-01 do Projeto Pontal 55

64 Fazenda Não Identificada na margem direita Foto 90.Vista da captação na margem direita em frente à EB-01 do Projeto Pontal 56

65 Captação do Projeto Bebedouro Petrolina PE Foto 91.Vista da captação EB-01 do Projeto Bebedouro Foto 92.Vista da captação EB-01 do Projeto Bebedouro 57

66 Captação da cidade de Lagoa Grande PE Foto 93.Vista da EB da COMPESA para a cidade de Lagoa Grande PE Captação não identificada Foto 94.Vista da captação da COMPESA para a cidade de Lagoa Grande PE 58

67 Fazenda Rio Sol - Lagoa Grande PE Foto 95.Vista da captação da fazenda Foto 96.Vista da captação da fazenda 59

68 Fazenda Labrunier - Lagoa Grande PE Foto 97.Vista da captação da fazenda Foto 98.Vista da captação da fazenda 60

69 Vila Pontal Juazeiro BA Foto 99.Vista da Vila Pontal Foto 100.Vista da captação da Vila Pontal 61

70 Distrito de Guainhas Juazeiro BA Foto 101.Vista do distrito de Guainhas Foto 102.Vista da captação de Guainhas 62

71 Fazenda Sereníssima Lagoa Grande - PE Foto 103.Vista da captação da fazenda Foto 104.Vista da captação da fazenda 63

72 Distrito de Vermelhos - Lagoa Grande PE Foto 105.Vista do Distrito de Vermelhos Foto 106.Ponto de embarque e desembarque de balsas em Vermelhos 64

73 Distrito de Itamotinga - Juazeiro BA Foto 107.Vista do Distrito de Itamotinga Foto 108.Vista da captação do Distrito de Itamotinga 65

74 Projeto Curaçá - Juazeiro BA Foto 109. EB-02 do Projeto Curaçá Foto 110.EB-02 do Projeto Curaçá 66

75 Foto 111.EB-01 do Projeto Curaçá Foto 112.EB-01 do Projeto Curaçá 67

76 Captações de fazendas nas margens esquerda - PE e direita BA Foto 113. Captação na margem esquerda Foto 114.Captação na margem esquerda 68

77 Foto 115.Captação na margem esquerda Foto 116.Captação no braço do rio 69

78 Foto 117.Captação na Margem esquerda Foto 118.Captação Fazenda Milanos 70

79 Foto 119.Captação na margem direita Foto 120.Captação na margem esquerda 71

80 Cidade de Curaçá BA Foto 121.Balneário da Ilha da Coroa Curaçá BA Foto 122.Vista da cidade de Curaçá BA 72

81 Foto 123.Captação do SAAE da cidade de Curaçá Foto 124.Ponto de travessia de balsas em Curaçá - BA 73

82 Captação na margem esquerda a montante da Vila Brilhante Santa M. B. Vista - PE Foto 125.Vista de captação aparentemente desativada Foto 126.Vista de captação aparentemente desativada 74

83 Captações de fazendas nas margens esquerda e direita nas proximidades de Santa Maria da Boa Vista - PE Foto 127.Vista de captação e fazenda na margem esquerda a montante de Santa Maria da Boa Vista Foto 128.Vista de captação margem direita em frente à cidade de Santa Maria da Boa Vista PE 75

84 Cidade de Santa Maria da Boa Vista PE Foto 129.Vista parcial da cidade de Santa Maria da Boa Vista PE Foto 130.Vista da captação COMPESA para a cidade de Santa Maria da Boa Vista PE em Santa Maria da B. Vista 76

85 Distrito de Riacho Seco Curaçá - BA Foto 131.Vista geral de Riacho Seco BA Foto 132.Vista da captação de Riacho Seco 77

86 Projeto Caraíbas Santa Maria da Boa Vista - PE Foto 133.Vista da captação do Projeto Caraíbas (Codevasf) Foto 134.Vista da captação do Projeto Caraíbas (Codevasf) 78

87 Fazenda em ilha na frente da captação do Projeto Caraíbas Foto 135.Vista de fazenda de plantio de coqueiros, localizada em ilha Foto 136.Vista da captação da fazenda 79

88 Cidade de Orocó PE Foto 137.Vista parcial da cidade de Orocó PE e da captação da COMPESA para Orocó - PE Foto 138.Vista da captação da COMPESA para Orocó PE, em Orocó - PE 80

89 Projeto Brígida Orocó PE Foto 139.Vista da captação do Projeto Brígida (Codevasf) Foto 140.Vista da captação do Projeto Brígida (Codevasf) 81

90 Projeto Pedra Branca Curaçá - BA Foto 141.Vista da captação do Projeto Pedra Branca (Chesf e Codevasf) Foto 142.Vista da captação do Projeto Pedra Branca. No detalhe ensecadeira usada para aumentar o volume de água próximo à captação 82

91 Foto 143.Vista da captação auxiliar do Projeto Brígida atualmente desativada 83

92 Distrito de Pedra Branca - Curaçá BA Foto 144.Vista parcial do Distrito de Pedra Branca e de travessia de balsa Foto 145.Vista parcial do Distrito de Pedra Branca e de travessia de balsa 84

93 Foto 146.Vista da captação SAAE para Pedra Branca 85

94 Cidade de Cabrobó PE Foto 147.Vista parcial da cidade de Cabrobó PE e do canal da margem esquerda do Rio São Francisco Foto 148.Vista captação da COMPESA para Cabrobó PE, em Cabrobó - PE 86

95 Foto 149.Vista da captação da COMPESA para Salgueiro PE, em Cabrobó 87

96 Distrito de Pambu - Abaré BA Foto 150.Vista do Distrito de Pambu Abaré - BA 88

97 Fazenda a montante do Distrito de Ibó Abaré - BA Foto 151.Vista da captação de uma fazenda usando canal escavado/ aprofundado a montante do Distrito de Ibó Abaré - Bahia Foto 152.Vista aproximada da captação 89

98 Distrito de Ibó Belém do São Francisco PE Foto 153.Vista parcial do distrito de Ibó Belém do São Francisco - PE Foto 154.Vista de piscicultura em tanque rede, Ibó Belém do São Francisco - PE 90

99 Distrito de Ibó - Abaré BA Foto 155.Vista parcial do Distrito de Ibó Abaré - BA Foto 156.Vista parcial do Distrito de Ibó Abaré - BA 91

100 Fazenda não identificada na margem direita Foto 157.Vista da captação de uma fazenda no município de Abaré - BA 92

101 Ponto de travessia de balsa na Bahia Foto 158.Vista do embarque de mercadorias em barcos no município de Abaré - BA, nas proximidades Fazenda AGRODAN em Pernambuco Foto 159.Vista do ponto de balsa na margem direita no município de Abaré - BA, na frente da Fazenda AGRODAN em Pernambuco 93

102 Ponto de balsas na Fazenda AGRODAN Foto 160.Vista da captação da Fazenda AGRODAN e ponto de balsa Foto 161.Vista de captação fixa e ponto de depósito de areia nas proximidades da Fazenda AGRODAN 94

103 Cidade de Abaré - BA Foto 162.Vista de indústria Olaria a montante da cidade de Abaré BA Foto 163.Vista da captação da Fazenda RICON situada entre a Olaria e a cidade de Abaré - BA 95

104 Foto 164.Vista parcial da cidade de Abaré - BA Foto 165.Vista da captação da cidade de Abaré e balsas para transporte de passageiros 96

105 Cidade de Belém do São Francisco PE Foto 166.Vista da captação da COMPESA para a cidade de Belém do São Francisco PE, em Belém do São Francisco - PE Foto 167.Vista da captação da COMPESA para a cidade de Belém do São Francisco PE, em Belém do São Francisco - PE 97

106 Foto 168.Vista parcial da cidade de Belém do São Francisco - PE Foto 169.Vista do Mercado do Produtor e da cidade de Belém do São Francisco - PE 98

107 Foto 170.Vista do ponto de travessia de balsas a jusante da cidade de Belém do S. Francisco PE, ligação com Barra do Tarrachil Chorrochó BA Foto 171.Vista do ponto de balsas de Belém do São Francisco - PE 99

108 Foto 172.Vista do ponto de travessia de balsas em Barra do Tarrachil - Chorrochó BA, ligação com Belém do São Francisco - PE Foto 173.Vista do ponto de travessia de balsas em Barra do Tarrachil - Chorrochó BA, ligação com Belém do São Francisco 100

109 2.3 SUBTRECHO: USINA DE XINGÓ, EM CANINDÉ DE SÃO FRANCISCO À CIDADE DE PROPRIÁ SE A inspeção aérea foi realizada no dia 01/07/2013, no Subtrecho, com cerca de 140 km de extensão. O uso múltiplo d água continua sem problemas, as Captações de Pequeno Porte (Fotos 181, 183, 185, 196, 199, 201, 206 e 208) e Médio Porte (Fotos 221, 231 e 237), os Balneários com infra-estrutura (Fotos 174, 175, 177, 234, 247, 248 e 259) e a Navegação também operam normalmente. Contudo, manteve-se o aumento do percurso da Travessia de Balsa entre Pão de Açúcar- AL /Niterói - SE (Foto 194 e 195). Também não foram visualizados problemas na Captação Casal - Companhia de Saneamento de Alagoas em Pão de Açúcar (Foto 191) para a Cidade de Pão de Açúcar, na Captação Casal Pão de Açúcar/Olho D água das Flores (Foto 189 e 190), em Pão de Açúcar - AL e na Captação Casal ETA Morro do Gaia (Fotos 229 e 230) em São Brás - AL. Em relação à Captação Casal - Pão de Açúcar/Olho d água das Flores visualmente a mesma opera agora com mais uma bomba auxiliar, esta do tipo flutuante (Foto 190) Na margem direita (lado sergipano), a Captação de Porto da Folha (Fotos 212 e 213), pertencente à DESO - Companhia de Saneamento de Sergipe, localizada no Distrito de Ilha do Ouro - SE, que abastece os municípios de Porto da Folha, Poço Redondo, Monte Alegre e Glória, como também na Captação da DESO Aracaju em Propriá SE (Fotos 249 e 250), visualmente continuam sem problemas. Também não houve registros de problemas na captação da Codevasf Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba: Projeto Propriá (Fotos: 251 a 254) e na Captação DESO Propriá (Fotos 257 e 258), todas em Propriá Sergipe. Visualmente, ambas estão operando normalmente. Na Captação Codevasf - Projeto Propriá Propriá SE, foi constatado durante sobrevôo, a limpeza dos canais de adução para a captação flutuante, a qual aparentemente voltou a funcionar (Foto 253) e do canal maior que abastece a EBP e é também usado para a restituição de águas do Projeto Propriá (Fotos 251 e 252). Pontos Relevantes: Captações de pequeno, médio e grande porte; Navegação (travessia de barcos e balsas); Pisciculturas do tipo tanque rede; Existência de pequenos estaleiros (artesanais) nas margens do rio; Existência de balneários estruturados; Grandes bancos de areia; 101

110 Povoados, vilas, sítios, fazendas, projetos agrícolas governamentais (grande porte) e particulares (pequeno e médio porte) captam água do rio. 102

111 RELATÓRIO FOTOGRÁFICO DO SUBTRECHO 2.3 USINA DE XINGÓ, EM CANINDÉ DE SÃO FRANCISCO À CIDADE DE PROPRIÁ SE 103

112 Balneário de Canindé do São Francisco Foto 174.Vista do balneário de Canindé do São Francisco - SE Foto 175.Vista do balneário de Canindé do São Francisco - SE 104

113 Cidade de Piranhas AL Foto 176.Vista parcial de Piranhas - AL Foto 177.Vista Balneário e vista parcial da cidade de Piranhas - AL 105

114 Distrito de Entremontes Piranhas AL Foto 178.Vista geral do Distrito de Entremontes, captação não avistada 106

115 Distrito de Curralinho Poço Redondo SE Foto 179.Vista geral do distrito de Curralinho 107

116 Distrito de Mata da Onça Pão de Açúcar - AL Foto 180.Vista geral do Distrito de Mata da Onça Foto 181.Vista da captação flutuante aparentemente operando sem problemas 108

117 Distrito de Ilha do Ferro Pão de Açúcar AL Foto 182.Vista geral do Distrito de Ilha do Ferro Foto 183. Vista da captação flutuante de Ilha do Ferro 109

118 Distrito de Bonsucesso - Poço Redondo - SE Foto 184.Vista geral do Distrito de Bonsucesso e banco de areia Foto 185.Vista da captação flutuante de Bonsucesso 110

119 Foz do Riacho Grande a montante de Pão de Açúcar AL (para simples comparação) Foto 186.Riacho Grande. Foto de 14/04/2013 com defluência de m³/s Foto 187.Riacho Grande. Foto de 21/05/2013, com defluência em Xingó de m³/s Foto 188.Riacho Grande. Foto de 01/07/2013, com defluência em Xingó de m³/s 111

120 Captação Pão de Açúcar/Olho d Água das Flores Pão de Açúcar AL Foto 189.Vista geral da adutora. Ao fundo, vista parcial da cidade de Pão de Açúcar Foto 190.Vista geral da adutora da cidade de Pão de Açúcar, aparentemente com mais uma bomba (flutuante) 112

121 Captação Pão de Açúcar Pão de Açúcar AL Foto 191.Vista da Captação flutuante aparentemente sem problemas 113

122 Cidade de Pão de Açúcar AL Foto 192.Vista da cidade de Pão de Açúcar Foto 193.Vista parcial da cidade de Pão de Açúcar 114

123 Travessia de balsas no Distrito de Niterói Porto da Folha - SE Foto 194.Travessia da balsa no percurso Distrito de Niterói/Porto da Folha Sergipe a Pão de Açúcar Alagoas 115

124 Distrito de Niterói - Porto da Folha - AL Foto 195.Vista geral do Distrito de Niterói Foto 196.Vista da captação flutuante do Distrito de Niterói 116

125 Distrito de Mocambo Porto da Folha AL Foto 197.Vista de Mocambo e de um banco de areia localizado na frente do distrito 117

126 Distrito de Ilha de São Pedro Porto da Folha - SE Rio cortado Antigo braço do rio Foto 198.Vista do Distrito de Ilha de São Pedro e antigo braço do rio. No detalhe, local onde foram colocados tubos para permitir a continuidade do fluxo do braço do rio Foto 199.Vista do Distrito de Ilha de São Pedro e da captação flutuante 118

127 Distrito de Santiago Pão de Açúcar AL Foto 200.Vista do Distrito de Santiago Foto 201.Vista da captação flutuante do Distrito de Santiago 119

128 Distrito de Jacarezinho Pão de Açúcar - AL Foto 202.Vista do Distrito de Jacarezinho 120

129 Distrito de Alecrim Pão de Açúcar AL Foto 203.Captação flutuante adaptada para captação móvel, a montante do Distrito de Alecrim Foto 204.Vista de captação fixa próxima a anterior, a montante do Distrito de Alecrim 121

130 Foto 205.Vista do Distrito de Alecrim Foto 206.Vista da captação flutuante do Distrito de Alecrim 122

131 Cidade de Belo Monte AL Foto 207.Vista geral da cidade de Belo Monte Foto 208.Vista da captação flutuante de Belo Monte, aparentemente operando sem problemas (a captação fixa não é usada) 123

132 Distrito de Barra do Ipanema Belo Monte AL Foto 209.Vista do Distrito de Barra do Ipanema Foto 210.Vista da captação flutuante ancorada em Barra de Ipanema, aparentemente operando sem problemas 124

133 Distrito de Ilha do Ouro Porto da Folha SE Foto 211.Vista geral do Distrito de Ilha do Ouro, abastecido pela captação de Porto da Folha 125

134 Captação DESO Porto da Folha - SE Foto 212.Vista geral da captação da DESO - Porto da Folha, em Ilha do Ouro (Abastece os municípios de Porto da Folha, Poço Redondo, Monte Alegre e Glória) Foto 213.Vista dos flutuantes da captação da DESO em Ilha do Ouro 126

135 Cidade de Gararu SE Foto 214.Vista geral da cidade de Gararu e da captação em Oiteiro Foto 215.Vista da captação de Gararu, localizada no Distrito de Oiteiro - Gararu - SE 127

136 Distrito de Lagoa Primeira Gararu SE Foto 216.Vista geral do Distrito de Lagoa Primeira Foto 217.Vista de captação flutuante próxima a Lagoa Primeira 128

137 Cidade de Traipu AL Foto 218.Vista de piscicultura em tanque rede a montante de Traipu - AL Foto 219.Vista de captação fixa 129

138 Foto 220.Vista parcial da cidade de Traipu e banco de areia Foto 221.Vista da captação flutuante de Traipu 130

139 Distrito de Marcação Traipu AL Foto 222.Vista geral do povoado de Marcação. Captação não avistada 131

140 Distrito de Oitis - Gararu SE Local da captação Foto 223.Vista do rio, braço direito escavado Foto 224.Vista da captação no canal escavado 132

141 Foto 225.Vista piscicultura em tanque rede 133

142 Distrito de Tijuco Gararu - SE Foto 226.Vista do Distrito de Tijuco 134

143 Distrito de Escurial Gararu - SE Foto 227.Vista geral de Escurial. A captação do Distrito não foi avistada Foto 228.Piscicultura em tanque rede a montante de Escurial. 135

144 ETA Morro do Gaia - São Brás AL Foto 229.Vista geral da captação Casal no Morro do Gaia São Brás - AL Foto 230.Vista parcial do rio e bancos de areia no local da captação em Morro do Gaia 136

145 Fazenda Santa Fé - São Brás - AL Foto 231.Fazenda Santa Fé, localizada no Morro do Gaia, ao lado da captação Casal 137

146 Distrito de Boca da Mata - Nossa Senha de Lourdes - SE Foto 232.Vista parcial de Boca da Mata Foto 233.Vista da captação de Boca da Mata 138

147 Cidade de Amparo do São Francisco - SE Foto 234.Vista parcial da cidade de Amparo do São Francisco e do balneário 139

148 Cidade de São Brás AL Foto 235.Vista parcial da cidade de São Brás e de um braço do Rio São Francisco Foto 236.Vista parcial da cidade de São Brás e de um braço do Rio São Francisco 140

149 Distrito de São José - Amparo do São Francisco SE (Adutora Sertaneja) Foto 237.Vista das captações em São José, aparentemente operando normal 141

150 Distrito de Tibiri São Brás AL Foto 238.Vista de Tibiri e da captação 142

151 Distrito de Sampaio São Brás AL Foto 239.Vista geral do Distrito de Sampaio e da captação, agora mais longe da margem Foto 240.Vista da captação do Distrito de Sampaio 143

152 Cidade de Porto Real do Colégio AL Foto 241.Vista parcial da cidade Porto Real do Colégio e bancos de areia Captação Não identificada Captação do SAAE Foto 242.Vista da captação flutuante do SAAE para Porto Real do Colégio, operando normalmente 144

153 Município de Telha SE Foto 243.Vista da captação pertencente à fazenda a montante do balneário da Telha, ao fundo a cidade de Propriá no município de Propriá - SE Foto 244.Detalhe da captação 145

154 Foto 245.Captação de fazenda a montante do balneário da Telha Foto 246.Vista da sede da fazenda 146

155 Balneário da Telha - Telha SE Foto 247.Vista geral do balneário da Telha, operando normalmente Foto 248.Vista geral do balneário da Telha, operando normalmente 147

156 Captação da DESO Aracaju - Propriá SE Canal Foto 249.Vista da captação da DESO para Aracaju em Propriá Canal natural do rio que abastece a captação Foto 250.Canal natural secundário para abastecimento da captação DESO 148

157 Projeto Propriá Propriá SE Canal escavado 1 Canal Natural Canal da EB - 01 Captação Auxiliar Foto 251.Vista do arranjo de canais do Projeto Propriá, foto usada no RT DORH 007/ Foto 252.Vista do arranjo de canais do Projeto Propriá, situação atual, observa-se a limpeza realizada nos canais (Comparar com a foto acima) 149

158 2 Foto 253.Vista da captação flutuante em operação no canal escavado do Projeto Propriá, foto usada no RT DORH 007/ Foto 254.Vista do canal da adução da EBP do Projeto Propriá, situação atual, observa-se a limpeza nos canais (Comparar com a foto acima) 150

159 Pisciculturas em gaiolas - Propriá SE Foto 255.Vista de piscicultura em tanque rede, entre as captações da DESO (Aracaju e Propriá), no canal da margem direita do rio Foto 256.Vista de piscicultura em tanque rede, entre as captações da DESO (Aracaju e Propriá), (canal principal do rio) 151

INSPEÇÃO VISUAL AÉREA DO TRECHO DO RIO SÃO FRANCISCO ENTRE A USINA DE SOBRADINHO E A FOZ COM DEFLUÊNCIA. MÉDIA ENTRE 1.200 m 3 /s E 1.

INSPEÇÃO VISUAL AÉREA DO TRECHO DO RIO SÃO FRANCISCO ENTRE A USINA DE SOBRADINHO E A FOZ COM DEFLUÊNCIA. MÉDIA ENTRE 1.200 m 3 /s E 1. COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO CHESF DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÃO E CONTRATOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA - SOC DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS E ESTUDOS ENERGÉTICOS

Leia mais

COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO CHESF DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÃO E CONTRATOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA - SOC

COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO CHESF DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÃO E CONTRATOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA - SOC COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO CHESF DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÃO E CONTRATOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA - SOC DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS E ESTUDOS ENERGÉTICOS

Leia mais

INSPEÇÃO VISUAL AÉREA DO TRECHO DO RIO SÃO FRANCISCO ENTRE A USINA DE SOBRADINHO E A FOZ COM DEFLUÊNCIA MÉDIA ENTRE 1.400 m 3 /s E 2.

INSPEÇÃO VISUAL AÉREA DO TRECHO DO RIO SÃO FRANCISCO ENTRE A USINA DE SOBRADINHO E A FOZ COM DEFLUÊNCIA MÉDIA ENTRE 1.400 m 3 /s E 2. COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO CHESF DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÃO E CONTRATOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA - SOC DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS E ESTUDOS ENERGÉTICOS

Leia mais

5º RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO

5º RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO COMPANHIA HIDRO ELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO CHESF DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÃO E CONTRATOS DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA - SOC DEPARTAMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS E ESTUDOS ENERGÉTICOS

Leia mais

!"# $ % &"' ( $ "' (

!# $ % &' ( $ ' ( !"# $ % &"'( $ "'( )*+,-./0,"123*45,!! " # $ % # & '( ) ) ))*#+ ## $,#-. /% 012 3 / 1/ # # # #/ 4 4 56 # $ -. /% 3 / 7 # /+ $ /+%# 3 8 1 6# $ "! # #9 : %;< # %3 1 6=%, -. /% 0 # : #/ " 66!96)6 # $, >=?@A?BC

Leia mais

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ. AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ. AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ. 1 AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ BOLETIM DE MONITORAMENTO DOS RESERVATÓRIOS DO SISTEMA CANTAREIRA OUTUBRO DE 2013 BOLETIM DE MONITORAMENTO

Leia mais

PERÍMETRO URBANO. Lei nº451/2009

PERÍMETRO URBANO. Lei nº451/2009 PERÍMETRO URBANO Lei nº451/2009 Delimita o Perímetro Urbano da Cidade e dos Povoados do Município de Sobradinho. O PREFEITO MUNICIPAL DE SOBRADINHO, Estado da Bahia, no uso das atribuições legais, em especial

Leia mais

SISTEMA CANTAREIRA : Reservatório Jaguari, 2014 ÁGUA : E AGORA?

SISTEMA CANTAREIRA : Reservatório Jaguari, 2014 ÁGUA : E AGORA? SISTEMA CANTAREIRA : Reservatório Jaguari, 2014 ÁGUA : E AGORA? COMITÊS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS REGIÕES + AFETADAS Cenário Atual Fevereiro/2014 Sistema Cantareira (operação normal) Sistema Cantareira (operação

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 545

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 545 DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 545 Dispõe sobre a autorização da implantação da tarifa de contingência pela Sabesp, visando à redução do consumo de água em face da situação de grave escassez de recursos hídricos.

Leia mais

Cerb Notícias. Cerb atinge a marca de mil poços perfurados ÁGUA PARA TODOS

Cerb Notícias. Cerb atinge a marca de mil poços perfurados ÁGUA PARA TODOS Cerb Notícias Informativo Interno da Companhia de Engenharia Rural da Bahia - Cerb nº 10 ABRIL/2009 ÁGUA PARA TODOS Cerb atinge a marca de mil poços perfurados 5 Com o objetivo de garantir a sustentabilidade

Leia mais

- ÁGUAS DE MINAS E ABASTECIMENTO - A CONTRIBUIÇÃO DE MINAS GERAIS PARA OS ESTADOS VIZINHOS IMPACTO E RESPONSABILIDADE NA GESTÃO DA OFERTA

- ÁGUAS DE MINAS E ABASTECIMENTO - A CONTRIBUIÇÃO DE MINAS GERAIS PARA OS ESTADOS VIZINHOS IMPACTO E RESPONSABILIDADE NA GESTÃO DA OFERTA FIEMG FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS CICLO DE DEBATES MINAS: POTÊNCIA HÍDRICA DO BRASIL? - ÁGUAS DE MINAS E ABASTECIMENTO - A CONTRIBUIÇÃO DE MINAS GERAIS PARA OS ESTADOS VIZINHOS IMPACTO

Leia mais

BOLETIM CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. FEVEREIRO - 2016 Comportamento do Emprego - Limeira/SP.

BOLETIM CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. FEVEREIRO - 2016 Comportamento do Emprego - Limeira/SP. BOLETIM CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados FEVEREIRO - 216 Comportamento do Emprego - Limeira/SP. A Consultoria Técnica Especializada da Câmara Municipal de Limeira apresenta os dados do

Leia mais

Cesta básica volta a subir na maior parte das capitais

Cesta básica volta a subir na maior parte das capitais 1 São Paulo, 03 de novembro de 2011 Cesta básica volta a subir na maior parte das capitais NOTA À IMPRENSA Ao contrário do que ocorreu em setembro, quando 09 cidades registraram queda no preço dos gêneros

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 74, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2016 Documento nº 00000.006932/2016-31

RESOLUÇÃO Nº 74, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2016 Documento nº 00000.006932/2016-31 RESOLUÇÃO Nº 74, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2016 Documento nº 00000.006932/2016-31 O DIRETOR-PRESIDENTE SUBSTITUTO DA AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS ANA, no uso da atribuição que lhe confere a Portaria nº 207, de

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL BOLETIM Nº 04 - MARÇO Área de Atuação da Superintendência Regional da CPRM de Belo Horizonte 2015 Rio Vacaria em Ponte Vacaria 1 APRESENTAÇÃO BOLETIM

Leia mais

MUNICÍPIO DE ITÁPOLIS SP

MUNICÍPIO DE ITÁPOLIS SP MUNICÍPIO DE ITÁPOLIS SP PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Medições de Vazões) AGOSTO/2012 3 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 05 2. ATIVIDADES REALIZADAS... 13 2.1. Medições de vazão nos poços do sistema de

Leia mais

BOLETIM Nº01 Março/2016 - BH ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE ÁREA DE ATUAÇÃO DA SUREG/BH

BOLETIM Nº01 Março/2016 - BH ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE ÁREA DE ATUAÇÃO DA SUREG/BH 1 APRESENTAÇÃO BOLETIM Nº01 Março/2016 - BH ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE ÁREA DE ATUAÇÃO DA SUREG/BH Na região Sudeste do Brasil o período chuvoso é registrado entre os meses de outubro

Leia mais

Interferência do alagamento nas parcelas dos módulos de monitoramento de fauna considerando a cota 71,3 metros

Interferência do alagamento nas parcelas dos módulos de monitoramento de fauna considerando a cota 71,3 metros Interferência do alagamento nas parcelas dos módulos de monitoramento de fauna considerando a cota 71,3 metros O PBA Consolidado da UHE Santo Antônio, protocolado janeiro de 2009, definiu para o Programa

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL

ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL ACOMPANHAMENTO DA ESTIAGEM NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL BOLETIM Nº 06 - ABRIL Área de Atuação da Superintendência Regional da CPRM de Belo Horizonte 2015 Estação Piratinga no Rio Piratinga - março/2013

Leia mais

Joaquim Rolim Jurandir Picanço. 08 de Julho de 2016

Joaquim Rolim Jurandir Picanço. 08 de Julho de 2016 FATOS RELEVANTES Joaquim Rolim Jurandir Picanço 08 de Julho de 2016 Estado debate simplificação de licença ambiental Fonte : DIARIO DO NORDESTE http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/mobile/cadernos/negocios/estado-debate-simplificacaode-licenca-ambiental-1.1579637

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS FOTOVOLTAICAS.

CENTRAIS GERADORAS FOTOVOLTAICAS. INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO 1º LEILÃO DE ENERGIA DE

Leia mais

Relatório Ouvidoria ARSAE-MG Maio de 2015. Relatório Ouvidoria ARSAE-MG. Período: Maio de 2015

Relatório Ouvidoria ARSAE-MG Maio de 2015. Relatório Ouvidoria ARSAE-MG. Período: Maio de 2015 Relatório Ouvidoria ARSAE-MG Período: Maio de 2015 1 Equipe da Ouvidoria Grupo de Trabalho Evandro Brazil Magnus Gusman Analistas da Ouvidoria Diana Saliba Katherynne Rodrigues Gestoras de Regulação Aline

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO MANDATO

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO MANDATO ABASTECIMENTO URBANO 1. Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Lagoa da Prata- SAAE Lagoa da Prata 2. Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Itabirito - SAAE

Leia mais

O sistema atende, além do núcleo urbano, o Distrito de Lacerdinha, distando aproximadamente 4 Km do centro de Carangola.

O sistema atende, além do núcleo urbano, o Distrito de Lacerdinha, distando aproximadamente 4 Km do centro de Carangola. 3.10 CARANGOLA Os sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da cidade de Carangola são mantidos e operados pela autarquia municipal - Departamento de Águas e Esgotos - DAE 3.10.1 Sistema

Leia mais

ARARAS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades

ARARAS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE ARARAS PRESTADOR: SERVIÇO DE ÁGUA, ESGOTO E MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE ARARAS SAEMA Relatório R2 Não Conformidades Americana,

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DA ASSISTÊNCIA FUNERAL APRIL Nº 133C - 1

CONDIÇÕES GERAIS DA ASSISTÊNCIA FUNERAL APRIL Nº 133C - 1 Operadora: April Brasil Viagens Turismo e Assistência Internacional LTDA. CNPJ: 04.789.159/0001-98 CONDIÇÕES GERAIS DA Nº 133C - 1 PARCERIA TEMPO USS CNPJ: 01.979.936/0001-79 Alameda Tocantins, 525, Alphaville

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS

COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS ATO REGULATÓRIO: Consulta Pública CP nº 004/2014 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL EMENTA: Obter subsídios com vistas ao aprimoramento do novo procedimento

Leia mais

CAPIVARI RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades

CAPIVARI RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE CAPIVARI PRESTADOR: SAAE SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE CAPIVARI Relatório R2 Não Conformidades Americana, maio de

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA

Leia mais

Indicadores IBGE. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI. Julho de 2016

Indicadores IBGE. Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI. Julho de 2016 Indicadores IBGE Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil SINAPI Julho de 2016 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Vice-Presidente da República no Exercício

Leia mais

O LIVRO DIDÁTICO DE GEOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE DO CONTEÚDO GEOGRAFIA FÍSICA DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO

O LIVRO DIDÁTICO DE GEOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE DO CONTEÚDO GEOGRAFIA FÍSICA DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO O LIVRO DIDÁTICO DE GEOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROPOSTA DE CRITÉRIOS PARA ANÁLISE DO CONTEÚDO GEOGRAFIA FÍSICA DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO ALVES, Joselma Ferreira Universidade Estadual da Paraíba Joselmaferreira133@hotmail.com

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2013 Boletim n o 10 12/04/2013 Boletim de acompanhamento - 2013 1. Figura 1: Mapa de estações estratégicas 2. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com as tabelas I

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL CARNEIRO HIDRÁULICO Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista I - INTRODUÇÃO O carneiro hidráulico, também

Leia mais

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental VII-012 - PANORAMA DO ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, TRAÇADO A PARTIR DE DADOS DO SETOR DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO Julce Clara da Silva (1) Engenheira

Leia mais

Aula 6 Fontes Convencionais Geração Hidráulica

Aula 6 Fontes Convencionais Geração Hidráulica PEA 3100 Energia, Meio Ambiente e Sustentabilidade Aula 6 Fontes Convencionais Geração Hidráulica Conceitos básicos A usina hidrelétrica Tipologia Energia hidráulica no Brasil slide 1 / 35 Geração hidrelétrica

Leia mais

Destaque: Horizonte Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação

Destaque: Horizonte Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação PROPOSTA PARA DEFLUÊNCIAS DAS USINAS HIDROELÉTRICAS DA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO, DIANTE DO QUADRO DE ESCASSEZ HÍDRICA Destaque: Horizonte 2017-2018

Leia mais

3 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS. 3.1 Sistema Direto

3 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS. 3.1 Sistema Direto 3 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS 3.1 Sistema Direto No sistema direto, as peças de utilização do edifício estão ligadas diretamente aos elementos que constituem o abastecimento, ou seja, a instalação é a própria

Leia mais

II. DEFINIÇÃO DA ÁREA DE INFLUÊNCIA DO PROJETO

II. DEFINIÇÃO DA ÁREA DE INFLUÊNCIA DO PROJETO II. DEFINIÇÃO DA ÁREA DE INFLUÊNCIA DO PROJETO II-1 2.1. Considerações iniciais Qualquer projeto potencialmente poluidor ou causador de impacto que seja passível de licenciamento ambiental possui uma área

Leia mais

Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental. Webinar. A Crise Hídrica e a Redução dos Índices de Perdas de Água

Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental. Webinar. A Crise Hídrica e a Redução dos Índices de Perdas de Água Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Webinar A Crise Hídrica e a Redução dos Índices de Perdas de Água Serão dois dias de palestras, debates e apresentações de estudos de caso. Entre

Leia mais

NORMA GERAL PARA GESTÃO DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA À EMBARCAÇÕES

NORMA GERAL PARA GESTÃO DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA À EMBARCAÇÕES NORMA GERAL PARA GESTÃO DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA À EMBARCAÇÕES TÍTULO Capítulo Seção Nome Revisão Norma Geral 4 Área de Gestão de Engenharia e Operação Portuárias 1 Diretrizes Operacionais 01 Diretrizes

Leia mais

I CONSIDERAÇÕES INICIAIS

I CONSIDERAÇÕES INICIAIS Plano de Emergência para Vazamento de Óleo na Área Geográfica da Bacia de Santos Pág. 1 / 10 I CONSIDERAÇÕES INICIAIS O sucesso das operações de resposta ao óleo vazado no mar depende, dentre outros fatores,

Leia mais

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional...e sua oportunidade na região do Nordeste Setentrional

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional...e sua oportunidade na região do Nordeste Setentrional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional - PISF Ministério da Integração Nacional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO AUTO ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO DO BANCO DO BRASIL

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO AUTO ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO DO BANCO DO BRASIL PREFEITURA DE JUIZ DE FORA SECRETARIA DA FAZENDA SUBSECRETARIA DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DEPARTAMENTO DE NORMAS TÉCNICAS MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO AUTO ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO DO BANCO DO BRASIL DATA:

Leia mais

Programa Municipal HABITAÇÃO SUSTENTÁVEL IBIRAREMA SP

Programa Municipal HABITAÇÃO SUSTENTÁVEL IBIRAREMA SP Programa Municipal HABITAÇÃO SUSTENTÁVEL IBIRAREMA SP THIAGO BRIGANÓ Professor UENP; Especialista em Gestão Pública FEMA; 3 Mandato Eletivo: o Vereador (2005 a 2012); o Presidente da Câmara Municipal (2011

Leia mais

PROJETOS FEHIDRO FUNDO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETOS FEHIDRO FUNDO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO PROJETOS FEHIDRO FUNDO ESTADUAL DE RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO SIGRH COLEGIADOS INSTÂNCIAS DELIBERATIVAS -CRH - COFEHIDRO - CBHs INSTÂNCIAS TÉCNICAS CORHI Câmaras Técnicas FEHIDRO INSTÂNCIA

Leia mais

Com aumento do custo da cesta básica em junho, família Chapecoense necessita de 0,458 salários para adquirir

Com aumento do custo da cesta básica em junho, família Chapecoense necessita de 0,458 salários para adquirir Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 21, Nº 06 Junho/2016 Com aumento do custo da cesta básica em junho, família Chapecoense necessita

Leia mais

TÍTULO: Aumento da Produtividade de Água de Mananciais de Abastecimento

TÍTULO: Aumento da Produtividade de Água de Mananciais de Abastecimento TÍTULO: Aumento da Produtividade de Água de Mananciais de Abastecimento TEMA: Manejo de bacias hidrográficas, revitalização e conservação de nascentes. AUTORES: Marcos Antônio Gomes José Luiz Pereira Corrêa

Leia mais

NORMA TÉCNICA 34/2014

NORMA TÉCNICA 34/2014 ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 34/2014 Hidrante Urbano SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5

Leia mais

Evolução da Segurança de Barragens no Brasil com Ênfase em Obras Hidráulicas de Controle de Cheias. Fotografia colhida do rio Amazonas e editada

Evolução da Segurança de Barragens no Brasil com Ênfase em Obras Hidráulicas de Controle de Cheias. Fotografia colhida do rio Amazonas e editada Evolução da Segurança de Barragens no Brasil com Ênfase em Obras Hidráulicas de Controle de Cheias Fotografia colhida do rio Amazonas e editada SEBASTIANISMO 1578 Alcácer Quibir Morte de D. Sebastião SEBASTIANISMO

Leia mais

Programa de Eficiência Energética Elektro Departamento Autônomo de Água e Esgoto DAAE - Rio Claro - SP

Programa de Eficiência Energética Elektro Departamento Autônomo de Água e Esgoto DAAE - Rio Claro - SP Programa de Eficiência Energética Elektro Departamento Autônomo de Água e Esgoto DAAE - Rio Claro - SP Evandro Gustavo Romanini, Lucas Rafacho e Julian Villelia Padilla Resumo A Elektro nos programas de

Leia mais

ANÁLISE DA ALTERAÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA EM DOIS PERÍODOS NA BACIA DO RIO JAPARATUBA, SE

ANÁLISE DA ALTERAÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA EM DOIS PERÍODOS NA BACIA DO RIO JAPARATUBA, SE VIII Encontro de Recursos Hídricos de Sergipe 16 ANÁLISE DA ALTERAÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA EM DOIS PERÍODOS NA BACIA DO RIO JAPARATUBA, SE Meggie Karoline Silva Nascimento 1 Paulo Vinicius Melo

Leia mais

BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO: Medidas Adicionais de Gestão para enfrentamento da Crise Hídrica

BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO: Medidas Adicionais de Gestão para enfrentamento da Crise Hídrica BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO: Medidas Adicionais de Gestão para enfrentamento da Crise Hídrica Caracterização da bacia Área 639.219 km² Precipitação média anual na Bacia Extensão 2.863 km População 14,3

Leia mais

Avaliação dos resultados e demais produtos entregues pela empresa IMPOM Pesquisas e Inteligência Competitiva Ltda. relativos à pesquisa

Avaliação dos resultados e demais produtos entregues pela empresa IMPOM Pesquisas e Inteligência Competitiva Ltda. relativos à pesquisa Avaliação dos resultados e demais produtos entregues pela empresa IMPOM Pesquisas e Inteligência Competitiva Ltda. relativos à pesquisa realizada para avaliação sobre o atendimento dos objetivos da cobrança

Leia mais

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia

Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia Encontro Gestão Eficiente de Água e Energia 26 de novembro de 2015 10h às 17h30 Sistema FIRJAN Rio de Janeiro Gestão Eficiente de Água Case Casa da Moeda Marcos Pereira Casa da Moeda CASA DA MOEDA DO BRASIL

Leia mais

Formulário fora do período de validade!

Formulário fora do período de validade! Formulário fora do período de validade! Data Inicial: 01/05/2016 Data Final: 31/05/2016 Em caso de dúvida entre em contato com: Nome: Equipe de Promoção da Saúde (Gabriela, Gisele, Kátia e Roberta) Email:

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República Polo em Petrolina/Juazeiro

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República Polo em Petrolina/Juazeiro Ref.: Inquérito Civil Público n.º 1.26.001.000066/2012-70 PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO EGRÉGIA 3ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Trata-se de Inquérito Civil Público instaurado

Leia mais

Preço da cesta básica só recua em Brasília

Preço da cesta básica só recua em Brasília 1 São Paulo, 05 de maio de 2006 NOTA À IMPRENSA Preço da cesta básica só recua em Brasília Somente em Brasília onde o custo do conjunto de gêneros alimentícios de primeira necessidade recuou 2,52% - houve,

Leia mais

Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste

Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste Primeiro Debate sobre a Questão da Água do Nordeste Sessão IV: A Bacia do rio São Francisco. Origem das Águas. Regime Fluvial. Disponibilidades. Risco de Mudanças CGEE / ANA Brasília Agosto de 2008 Giovanni

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES AMBIENTAIS

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES AMBIENTAIS CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES AMBIENTAIS As empresas devem estar atentas quanto as informações que devem ser encaminhadas periodicamente aos órgãos ambientais e aos prazos para o envio destas informações, evitando

Leia mais

Vacinação Contra a Gripe 2015 Perguntas e Respostas

Vacinação Contra a Gripe 2015 Perguntas e Respostas Vacinação Contra a Gripe 2015 Perguntas e Respostas SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA DEPARTAMENTO REGIONAL DE MINAS GERAIS SESI/DRMG Vacinação Contra a Gripe 2015 Perguntas e Respostas BELO HORIZONTE 2015 Serviço

Leia mais

Vitória, 3 de Setembro de 2012 RELATÓRIO #009/12 RPT#009/12

Vitória, 3 de Setembro de 2012 RELATÓRIO #009/12 RPT#009/12 RPT#009/12 RELATÓRIO TÉCNICO Dragagem e retirada de detritos da área das bombas no Poço de Sucção da Elevatória de Baixo recalque em Caçaroca, Cariacica, ES - CESAN. CONTRATANTE: CESAN DATA DE EXECUÇÃO:

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

GESTÃO SUSTENTÁVEL DE BACIAS HIDROGRÁFICAS GESTÃO SUSTENTÁVEL DE BACIAS HIDROGRÁFICAS CHUVA É TESOURO! 2,5% de água doce total 0,77% de água doce 1,7% nas disponível calotas polares 97,5% de água salgada Prof. Dr. Adacto Ottoni Prof. Dr. Adacto

Leia mais

50º PAINEL TELEBRASIL Soluções com Telecomunicações para a Educação

50º PAINEL TELEBRASIL Soluções com Telecomunicações para a Educação 50º PAINEL TELEBRASIL Soluções com Telecomunicações para a Educação PROJETO EMBRATEL EDUCAÇÃO Disponibiliza novas Tecnologias da Informação e Comunicação nas escolas da rede pública localizadas em áreas

Leia mais

25% PLANO DIRETOR DE COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NOS MUNICÍPIOS INTRODUÇÃO PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA

25% PLANO DIRETOR DE COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NOS MUNICÍPIOS INTRODUÇÃO PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA INTRODUÇÃO PLANO DIRETOR DE COMBATE ÀS PERDAS DE ÁGUA NOS MUNICÍPIOS PERDAS DE ÁGUA PERDAS DE ÁGUA Volume de entrada no setor Consumo autorizado Perda de água Consumo autorizado faturado Consumo autorizado

Leia mais

ENG. MÁRIO CICARELI PINHEIRO / ENG. RONEÍ VIEIRA DE CARVALHO - TERESINA, 17 DE FEVEREIRO DE 2016 -

ENG. MÁRIO CICARELI PINHEIRO / ENG. RONEÍ VIEIRA DE CARVALHO - TERESINA, 17 DE FEVEREIRO DE 2016 - ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ESTABILIDADE E SEGURANÇA DO DIQUE DOS RIOS POTI E PARNAÍBA 2 º PAINEL DE AVALIAÇÃO BANCO MUNDIAL - ASPECTOS HIDROLÓGICOS E HIDRÁULICOS - ENG. MÁRIO CICARELI PINHEIRO

Leia mais

EXPERIÊNCIA DO ESTADO DO CEARÁ EM SEGURANÇA DE BARRAGENS

EXPERIÊNCIA DO ESTADO DO CEARÁ EM SEGURANÇA DE BARRAGENS EXPERIÊNCIA DO ESTADO DO CEARÁ EM SEGURANÇA DE BARRAGENS Francisco José Coelho Teixeira, Eng Civil Secretário de Recursos Hídricos Estado do Ceará francisco.teixeira@srh.ce.gov.br Agência Nacional de Águas

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária acentua tendência decrescente

Valor médio de avaliação bancária acentua tendência decrescente Inquérito à Avaliação Bancária na Dezembro de 2011 26 de janeiro de 2012 Valor médio de avaliação bancária acentua tendência decrescente O valor médio de avaliação bancária de habitação 1 do total do País

Leia mais

Evolução da Acessibilidade

Evolução da Acessibilidade Evolução da Acessibilidade no Metrô de São Paulo Rampas Estação São Joaquim Estação Saúde Rampas Estação Sumaré Estação São Bento Rampas Elevadores Estação Brigadeiro Elevadores Estação Armênia Elevadores

Leia mais

RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES E AUTORIZAÇÕES DE TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO - SCT

RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES E AUTORIZAÇÕES DE TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO - SCT PROCESSO: 48500.002456/2013-22 INTERESSADO: Cemig Distribuição S.A. RELATOR: Diretor André Pepitone da Nóbrega RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES E AUTORIZAÇÕES DE TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO -

Leia mais

COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO

COMPANHIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO Ao Excelentíssimo Senhor Telmo José Kirst Prefeito Municipal de Santa Cruz do Sul Santa Cruz do Sul/RS Assunto: Informações Ref. CP 269 Jun/2015. Senhor Prefeito: Ao cumprimentá-lo encaminho informações

Leia mais

ANEXO X. Especificações Técnicas. Concorrência nº. 003/2011

ANEXO X. Especificações Técnicas. Concorrência nº. 003/2011 ANEXO X Especificações Técnicas Concorrência nº. 003/2011 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA COM MÃO-DE-OBRA ESPECIALIZADA, VISANDO À EXECUÇÃO INDIRETA, POR PREÇO UNITÁRIO, DE SERVIÇOS TÉCNICOS ENVOLVENDO O MANEJO

Leia mais

I I F ó r u m N a c i o n a l d o s. Conselhos de Usuár ios

I I F ó r u m N a c i o n a l d o s. Conselhos de Usuár ios I I F ó r u m N a c i o n a l d o s Conselhos de Usuár ios CONSELHO DE USUÁRIOS DA TIM RESOLUÇÃO Nº 623/2013 Fórum de Presidentes e Vice-Presidentes 29/03/2016 1º Fórum Nacional TIM Integração das 5 regiões

Leia mais

SÍNTESE DO LEVANTAMENTO DE DEMANDAS DE PROJETOS DO TERRITÓRIO

SÍNTESE DO LEVANTAMENTO DE DEMANDAS DE PROJETOS DO TERRITÓRIO SÍNTESE DO LEVANTAMENTO DE DEMANDAS DE PROJETOS DO TERRITÓRIO Ministério do Meio Ambiente O Projeto de Elaboração do Plano de Desenvolvimento Territorial Sustentável Socioambientais Prioritários/Vale do

Leia mais

Tendências recentes da atividade econômica em Araxá: empresas, trabalho formal

Tendências recentes da atividade econômica em Araxá: empresas, trabalho formal Tendências recentes da atividade econômica em Araxá: empresas, trabalho formal OBSERVATÓRIO SEDEP Estudos e Pesquisas I Set/ APRESENTAÇÃO O Observatório SEDEP é um acompanhamento de estatísticas econômico-sociais

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Assunto: Esclarecimentos sobre Leito 87- Leito de Saúde Mental

NOTA TÉCNICA. Assunto: Esclarecimentos sobre Leito 87- Leito de Saúde Mental MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO, AVALIAÇÃO E CONTROLE DE SISTEMAS DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA E TEMÁTICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Grupo Casassanta Representante exclusivo SP/RJ Vanguardia Tecnológica al Servicio del Cliente QUEM SOMOS ONYX ONYX Solidez empresarial CONSTRUÇÃO CONCESSÕES MEIO AMBIENTE SERVIÇOS

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MJ - DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO RESPOSTA AO PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS Brasília DF, 29 de junho de 2011. Seguem abaixo as respostas e

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: BR-116/RS E BR-392/RS 457,30 KM PELOTAS RS ECOSUL POLO RODOVIÁRIO DE PELOTAS

RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: BR-116/RS E BR-392/RS 457,30 KM PELOTAS RS ECOSUL POLO RODOVIÁRIO DE PELOTAS RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: EXTENSÃO: ECOSUL BR-116/RS E BR-392/RS POLO RODOVIÁRIO DE PELOTAS 457,30 KM PELOTAS RS ABRIL DE 2016 ÍNDICE ITEM DESCRIÇÃO PÁGINA 1. Introdução... 2 1.1.

Leia mais

PROVAS DISCURSIVAS P 3 (questões) e P 4 (parecer) RASCUNHO QUESTÃO 1

PROVAS DISCURSIVAS P 3 (questões) e P 4 (parecer) RASCUNHO QUESTÃO 1 PROVAS DISCURSIVAS P (questões) e P (parecer) Nestas provas, faça o que se pede, usando, caso deseje, os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os textos para o CADERNO

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 4/2003/SCAO/AUGE

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 4/2003/SCAO/AUGE INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 4/2003/SCAO/AUGE O Diretor da Superintendência Central de Auditoria Operacional SCAO/AUGE, no uso das atribuições que lhe confere o art. 7º, inc. IV, do Decreto nº 43.242, de 27/3/2003,

Leia mais

ELIPSE E3 OTIMIZA O ACESSO ÀS INFORMAÇÕES DOS PROCESSOS AUTOMATIZADOS NA RANDON

ELIPSE E3 OTIMIZA O ACESSO ÀS INFORMAÇÕES DOS PROCESSOS AUTOMATIZADOS NA RANDON ELIPSE E3 OTIMIZA O ACESSO ÀS INFORMAÇÕES DOS PROCESSOS AUTOMATIZADOS NA RANDON Este case apresenta a utilização do E3 para monitorar os processos de abastecimento de água, tratamento de efluentes, climatização

Leia mais

5) Defina Saúde Pública. Saúde Pública: promoção da saúde por meio de medidas de alcance coletivo.

5) Defina Saúde Pública. Saúde Pública: promoção da saúde por meio de medidas de alcance coletivo. 1) O que é saneamento? É o controle de todos os fatores do meio físico do homem que exercem efeito deletério sobre seu bem-estar físico, mental ou social (OMS). 2) Como podemos definir Sistemas de Abastecimento

Leia mais

A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O acesso à Educação

A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O acesso à Educação 33 A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. Quase 5 milhões de crianças e adolescentes, com idade entre 7 e 14 anos (18,8% da população da região) vivem no Semi-árido. No Brasil,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2016 (do Sr. João Castelo) O Congresso Nacional Decreta:

PROJETO DE LEI Nº 2016 (do Sr. João Castelo) O Congresso Nacional Decreta: PROJETO DE LEI Nº 2016 (do Sr. João Castelo) Regulamenta a cobrança de tarifas aéreas referentes aos serviços de transporte aéreo doméstico. O Congresso Nacional Decreta: Art. 1º Esta lei regulamenta a

Leia mais

A VALE. É uma empresa de mineração diversificada com foco global e negócios em logística e geração de energia.

A VALE. É uma empresa de mineração diversificada com foco global e negócios em logística e geração de energia. Planejamento e Gestão da Dragagem de Manutenção: Porto de Tubarão A VALE É uma empresa de mineração diversificada com foco global e negócios em logística e geração de energia. É um dos maiores produtores

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS CORREDOR ECOLÓGICO POR TATIANA MOTTA

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS CORREDOR ECOLÓGICO POR TATIANA MOTTA PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS CORREDOR ECOLÓGICO POR TATIANA MOTTA Programa Produtor de Água Guaratinguetá/ SP Programa Produtor de Água Programa amparado pela Lei nº 4.252 de 11 de novembro de 2010,

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS DE INVESTIMENTO NO VAREJO

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS DE INVESTIMENTO NO VAREJO CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS DE INVESTIMENTO NO VAREJO DIRETRIZES PARA ENVIO DE INFORMAÇÕES À BASE DE DADOS DATA VIGÊNCIA: 17/12/2014 CAPÍTULO I -

Leia mais

Município de Chapecó tem aumento de 0,75% no preço da gasolina em janeiro de 2016

Município de Chapecó tem aumento de 0,75% no preço da gasolina em janeiro de 2016 Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 5, Nº 1 Janeiro/2016 Município de Chapecó tem aumento de 0,75% no preço da gasolina em janeiro de

Leia mais

RELATÓRIO CONCEITUAL DE PROJETO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE SALGADINHO

RELATÓRIO CONCEITUAL DE PROJETO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE SALGADINHO SRH/PE Projeto Sustentabilidade Hídrica de Pernambuco RELATÓRIO CONCEITUAL DE PROJETO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE SALGADINHO 1. INTRODUÇÃO Este relatório sistematiza os dados obtidos na inspeção

Leia mais

TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Levantamento da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis Rio de Janeiro, em parceria com a Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro Novembro

Leia mais

Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO

Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO Hidroelétricas Reservatório Sobradinho Hidroelétricas Reservatório Sobradinho O Projeto: Divisão em dois eixos Capacidade máxima: 99 m³/s Altura bombeamento: 165 m Capacidade máxima: 28 m³/s Altura bombeamento:

Leia mais

Revisão da poligonal da área do porto organizado de Maceió AUDIÊNCIA PÚBLICA

Revisão da poligonal da área do porto organizado de Maceió AUDIÊNCIA PÚBLICA Revisão da poligonal da área do porto organizado de Maceió AUDIÊNCIA PÚBLICA Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil SEP Secretaria de Portos 24/05/2016 CONSULTA PÚBLICA E AUDIÊNCIA PÚBLICA

Leia mais

12º Relatório de Monitoramento Socioambiental UHE Belo Monte

12º Relatório de Monitoramento Socioambiental UHE Belo Monte Foto 01: Canteiro do CMBM. Galpão de tratamento de peças metálicas decapagem. Vista interna do galpão, o local recebeu uma série de melhorias em relação a última inspeção realizada no local, especialmente

Leia mais

ANUÁRIO CNT DO TRANSPORTE. Estatísticas consolidadas

ANUÁRIO CNT DO TRANSPORTE. Estatísticas consolidadas ANUÁRIO CNT DO TRANSPORTE Estatísticas consolidadas 2016 ANUÁRIO CNT DO TRANSPORTE Estatísticas consolidadas 2016 Anuário CNT do transporte estatísticas consolidadas 2016. 2ª tiragem. Brasília: CNT, 2016.

Leia mais

USUÁRIOS COMEÇAM A ESCOLHER OPERADORA PELO CELULAR E A MUDANÇA APRESENTA NORMALIDADE

USUÁRIOS COMEÇAM A ESCOLHER OPERADORA PELO CELULAR E A MUDANÇA APRESENTA NORMALIDADE Brasília, 6 de julho de 2003 USUÁRIOS COMEÇAM A ESCOLHER OPERADORA PELO CELULAR E A MUDANÇA APRESENTA NORMALIDADE Desde a zero hora deste domingo, dia 6, os usuários das prestadoras do Serviço Móvel Celular

Leia mais

1. Período de matrículas

1. Período de matrículas Belo Horizonte, 21 de outubro de 2015. Srs. pais ou responsáveis, inicialmente, gostaríamos de parabenizar os alunos aprovados no Processo Seletivo do Colégio Bernoulli para o ano letivo 2016, bem como

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENG. DE INFRA-ESTRUTURA AERONÁUTICA. Relatório de Estágio Curricular. Simei Héber Nunes Pontes

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENG. DE INFRA-ESTRUTURA AERONÁUTICA. Relatório de Estágio Curricular. Simei Héber Nunes Pontes INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA DIVISÃO DE ENG. DE INFRA-ESTRUTURA AERONÁUTICA Relatório de Estágio Curricular Simei Héber Nunes Pontes São José dos Campos Novembro de 2005 Relatório de Estágio Curricular

Leia mais

PROJETO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA EM COMUNICAÇÃO E PUBLICIDADE INSTITUCIONAL 2013-2014. Nathalia Fagundes Jornalista

PROJETO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA EM COMUNICAÇÃO E PUBLICIDADE INSTITUCIONAL 2013-2014. Nathalia Fagundes Jornalista PROJETO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA EM COMUNICAÇÃO E PUBLICIDADE INSTITUCIONAL 2013-2014 Nathalia Fagundes Jornalista O presente material apresenta os trabalhos realizados através da Prestação

Leia mais

PLANEJAMENTO DAS OBRAS DE DRAGAGEM

PLANEJAMENTO DAS OBRAS DE DRAGAGEM PLANEJAMENTO DAS OBRAS DE DRAGAGEM Objetivo Geral do Planejamento das Obras 1) Considerando que os serviços de dragagem, normalmente, exigem não só elevados custos em sua execução, mas ainda, uma técnica

Leia mais

Planejamento da Expansão do Sistema de Transmissão. Reforços Estruturais para o Mato Grosso do Sul

Planejamento da Expansão do Sistema de Transmissão. Reforços Estruturais para o Mato Grosso do Sul Planejamento da Expansão do Sistema de Transmissão Reforços Estruturais para o Mato Grosso do Sul Processo do Planejamento da Transmissão Relatório R1 demonstração da viabilidade técnico econômica e socioambiental

Leia mais