ESTRATÉGIA E ANÁLISE... 2 PERFIL ORGANIZACIONAL... 9 GOVERNAÇÃO, COMPROMISSOS E ENVOLVIMENTO DESEMPENHO ECONÓMICO... 28

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRATÉGIA E ANÁLISE... 2 PERFIL ORGANIZACIONAL... 9 GOVERNAÇÃO, COMPROMISSOS E ENVOLVIMENTO... 19 DESEMPENHO ECONÓMICO... 28"

Transcrição

1

2 ÍNDICE ESTRATÉGIA E ANÁLISE... 2 PERFIL ORGANIZACIONAL... 9 GOVERNAÇÃO, COMPROMISSOS E ENVOLVIMENTO DESEMPENHO ECONÓMICO DESEMPENHO AMBIENTAL DESEMPENHO SOCIAL GLOSSÁRIO TABELA GRI... 90

3

4 ESTRATÉGIA E ANÁLISE ÂMBITO DO RELATÓRIO VISÃO VALORES MISSÃO POLÍTICA DA EMPRESA MENSAGEM DA DIRECÇÃO GERAL

5 ÂMBITO DO RELATÓRIO Este é o segundo Relatório de Sustentabilidade da GESTAMP AVEIRO S.A. que diz respeito ao ano de 2010 e procura apresentar o desempenho ao nível económico, ambiental e social da empresa. O ciclo de emissões do Relatório é anual e a identificação dos temas é efectuado com base em critérios de materialidade e prioridade. Para todos os indicadores é apresentada a evolução relativa aos três últimos anos e as informações prestadas referem-se à totalidade das actividades da empresa. A GESTAMP AVEIRO auto-declara este relatório como sendo de nível C, de acordo com a versão G3 das Directrizes para Relatórios de Sustentabilidade, promovidas pela GRI (Global Reporting Initiative). No final desta publicação é apresentado um sumário de conteúdo da GRI (tabela que indica a localização das informações e dos indicadores no relatório). Apesar de ter sido lançada a nova versão 3.1 das Directrizes GRI em Março de 2011, o presente relatório baseia-se ainda na versão 3. Uma vez que a empresa se encontra registada no EMAS (Regulamento (CE) nº 1221/2009 do Parlamento Europeu e do Conselho de 25 de Novembro de 2009, relativo à participação voluntária de organizações num sistema comunitário de ecogestão e auditoria) e que esse registo obriga à publicação de uma Declaração Ambiental validada, este relatório contém algumas páginas com o símbolo do EMAS. A informação contida em todas as páginas com o símbolo do EMAS impresso foi verificada e validada por um verificador ambiental. Para mais informações, esclarecimentos e comentários por favor contactar: GESTAMP AVEIRO S.A Zona Industrial de Sabrosas P.O.Box Nogueira do Cravo OAZ 3 Nome do verificador Número de acreditação do verificador Data de verificação Nome do verificador coordenador Data de validação Bureau Veritas Certification Portugal PT-V de Maio de 2011 Carla Machado 24 de Junho de 2011

6 VISÃO Ser reconhecida como uma empresa modelo do grupo GESTAMP, através de um desempenho exemplar, superando de uma forma sustentável as expectativas das partes interessadas. VALORES Valorização dos Colaboradores Atitudes Proactivas Respeito Inovação Contínua Espírito de Equipa Compromisso 4 MISSÃO Satisfazer os objectivos do cliente superando a rentabilidade esperada pelos accionistas. Evidenciar as nossas capacidades junto da direcção do grupo de forma a atrair maior volume de negócio. Desenvolver as competências dos colaboradores para uma gestão eficaz dos recursos disponíveis. Respeitar a legislação em vigor, promovendo bem-estar, segurança e satisfação das pessoas. Melhorar continuamente os processos através da inovação, da redução de desperdício e dos custos supérfluos.

7 POLÍTICA DA EMPRESA A estratégia da GESTAMP AVEIRO é a consolidação da permanência no mercado a longo prazo, e considera que a Qualidade, o respeito pelo Meio Ambiente e a garantia de condições de Segurança e Saúde de todos os que nela trabalham, são a garantia da sustentabilidade da organização. No respeito pelos princípios fundamentais do Grupo GESTAMP, em satisfazer as necessidades e expectativas dos seus clientes e partes interessadas, e alcançar a máxima eficácia de funcionamento, a GESTAMP AVEIRO definiu a sua estrutura organizacional, os seus procedimentos de trabalho, os seus processos e os seus recursos para garantir a eficácia e melhoria contínua do seu Sistema de Gestão segundo a Norma ISO/TS 16949, NP EN ISO e Regulamento EMAS, servindo a presente política como linha mestra para a actuação e para a definição dos seguintes objectivos: Conseguir um Produto rentável que satisfaça os requisitos dos nossos clientes em Qualidade, Custo e Prazo, mediante o domínio dos processos, envolvimento de todos os colaboradores e o respeito de todas as obrigações legais e regulamentares; 5 Assegurar uma melhoria contínua da eficiência e eficácia do nosso sistema de gestão, dotando-o dos recursos necessários. O objectivo final é alcançar Zero defeitos, minimizando os impactos ambientais decorrentes das suas actividades e produtos e eliminando os riscos para a segurança e saúde dos colaboradores; Aplicar eficazmente o sistema de gestão que permita o estabelecimento de objectivos e metas e sua melhoria, cuja evolução será controlada periodicamente. Esse compromisso de melhoria resultará no aumento da satisfação dos seus clientes, colaboradores e comunidade em geral.

8 AS NOSSAS LINHAS DE ACTUAÇÃO: Fazer da Qualidade, Ambiente, Saúde e Segurança uma questão associada a todas as actividades e colaboradores Cumprir com os requisitos dos nossos clientes, a legislação e outros requisitos subscritos pela organização, aplicáveis aos seus aspectos ambientais, riscos para a segurança e saúde, produtos e serviços Dar ênfase, à prevenção do defeito no nosso produto, à prevenção da poluição e à prevenção do risco para a segurança e saúde, controlando os processos e actividades e estabelecendo um compromisso de melhoria contínua Promover a motivação e a participação dos nossos colaboradores no sistema de gestão Fomentar a informação, a comunicação e o reconhecimento na organização 6 Difundir esta Política a todas as pessoas que trabalham para a organização ou em seu nome, bem como mantê-la à disposição dos clientes, fornecedores e público em geral Divulgar os resultados do desempenho económico, ambiental, segurança e saúde, da GESTAMP AVEIRO e dialogar com o público e outras partes interessadas, com vista à melhoria e promoção do desenvolvimento sustentável. Victor Rodrigues (Director Geral) 3 de Maio de 2010

9 MENSAGEM DA DIRECÇÃO GERAL Após ter iniciado, em anos anteriores, uma reflexão profunda sobre o que a GESTAMP AVEIRO pretendia, exactamente, através de um desenvolvimento sustentável, que permitisse responder às expectativas de todas as partes implicadas, deparámo-nos com o novo desafio de sensibilizar e orientar todos os parceiros económicos e sociais para assumirem e defenderem valores similares aos da nossa empresa, apesar de nos encontrarmos num clima económico, pelo menos a nível nacional, que não nos permite vislumbrar grandes expectativas. É nessa óptica que tentamos amadurecer/fortalecer as nossas parcerias para conseguir montar uma rede de empresas que partilhem os nossos valores e, com as quais, pretendemos construir o nosso futuro. Nessa perspectiva, fruto de uma previsão e vontade do aumento de actividade, estamos já a ponderar algumas sinergias, até agora postas de parte, que nos vão permitir desenvolver novos negócios, com acréscimo de um custo reduzido, aproveitando maisvalias dos nossos parceiros estratégicos. Manteremos no nosso dia-a-dia a nossa preocupação de incutir um conjunto de valores que fazemos questão de transmitir a todos os que nos rodeiam, elevando assim a nossa posição para a de uma instituição que prima pelo exemplo positivo e que consegue transmitir e divulgar os seus valores em áreas como a Valorização do próximo, o Respeito, as Atitudes proactivas, a Inovação continua, o Espírito de Equipa e o Compromisso. Para a GESTAMP AVEIRO, 2010 foi um ano em que, após ter superado uma crise a nível global, conseguiu industrializar uma serie de novos projectos num curto prazo de tempo, com recursos muito limitados. Foi mais uma oportunidade em que, através da implicação de toda a nossa organização, se conseguiu demonstrar aos clientes um empenho determinado em consolidar as parcerias existentes, que fazem com que a GESTAMP AVEIRO se destaque, de uma forma notável, no universo industrial em que está inserida. 7 Com base na salvaguarda sustentável, mas competitiva, do meio ambiente, foi alcançada uma reutilização, modernização e adequação dos meios existentes, permitindo iniciar a produção de cerca de 60 gamas para o novo projecto VW Sharan e umas 20 gamas para a Opel. Foram desenvolvidas uma série de parcerias locais que proporcionaram a oportunidade de conhecer, testar e desenvolver as capacidades tecnológicas de diversos fornecedores nacionais que garantem, à

10 GESTAMP AVEIRO, um maior apoio e uma determinada estrutura que lhe permitirá concorrer, futuramente, a outros projectos similares com francas garantias de sucesso. No seguimento de várias acções de apoio e solidariedade social, levadas a cabo em anos anteriores, a GESTAMP AVEIRO deu continuidade a um compromisso assumido com os membros da nossa organização, incentivando e apoiando todas as actividades de voluntariado que beneficiem a comunidade local. Em termos de negócio, 2011 será um ano de angariação de novas oportunidades de negócio, de início de estudos técnicos e de desenvolvimento de negócios estratégicos com clientes-chaves, como a PSA de Vigo, nomeadamente em projectos como o Berlingo e o Picasso, para assim garantir a viabilidade económica da GESTAMP AVEIRO. Manter-se-á grande preocupação da empresa, face à auscultação dos sinais de debilidade social de alguns membros da nossa organização, assim como da comunidade envolvente, para que, dentro das possibilidades da GESTAMP AVEIRO, se possa amparar os mais carenciados em certos momentos de dificuldade, frutos da crise que se atravessa a nível mundial. Victor Rodrigues Direcção Geral 8

11 PERFIL ORGANIZACIONAL APRESENTAÇÃO DA EMPRESA LOCALIZAÇÃO COLABORADORES CLIENTES/VENDAS HISTORIAL DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS

12 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A GESTAMP AVEIRO, Indústria de Acessórios de Automóveis, SA dedica-se ao fabrico de componentes metálicos (peças estampadas, soldadas e pintadas) para a indústria automóvel, encontrando-se no CAE (Fabricação de componentes e acessórios para veículos automóveis e seus motores). O capital social da empresa é de e o seu número de identificação fiscal é o A empresa está inserida no grupo multinacional espanhol Corporación Gestamp, na sua divisão automóvel Gestamp Automoción, na subdivisão Europa II, como se pode visualizar no esquema apresentado. O Grupo Gestamp Automoción está presente em 22 países com 86 empresas e 14 centros de I&D. As interfaces organizativas que se estabelecem entre a GESTAMP AVEIRO e o grupo Gestamp Automoción são essencialmente baseadas em troca de informação, existindo uma elevada prestação de apoio e assessoria por parte do grupo. Divisão Europa I Gestamp Noury Gestamp Linares Divisão Europa II Gestamp Toledo Gestamp Automoción Divisão América-Sul Gestamp Aveiro Divisão Gestamp Hungria América-Norte Gestamp Ronchamp Gonvarri Divisão Ásia Gestamp Portugal 10 Corporación Gestamp Inmobiliaria Acek, S. L. Gestamp Servicios S. L. Grupo Metalbages Gestamp Griwe Gestamp Turquia Gestamp Energias Renovables S. L. Gestamp UK.

13 LOCALIZAÇÃO As instalações da GESTAMP AVEIRO estão localizadas em Nogueira do Cravo, Oliveira de Azeméis, a cerca de 40 Km a sul do Porto, a 5 Km da estrada IC2 de S. João da Madeira e integrada numa zona industrial. 11

14 COLABORADORES Os recursos humanos sofreram nos últimos anos, uma evolução positiva como se pode verificar no gráfico abaixo. Contudo, ocorreu um decréscimo nos anos de 2008 e 2009 e, posteriormente, verificou-se um aumento no último ano. A 31 de Dezembro de 2010, a GESTAMP AVEIRO possuía 398 colaboradores. EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE COLABORADORES

15 CLIENTES / VENDAS A GESTAMP AVEIRO trabalha para vários construtores automóveis, de entre os quais podemos referir: Grupo GM, Grupo Renault/NISSAN, Grupo VW, Grupo PSA e Ford, bem como para diversas indústrias auxiliares (extra e intra grupo). A evolução do volume de negócios dos últimos anos é apresentada no gráfico seguinte: VOLUME DE NEGÓCIOS (M )

16 HISTORIAL /3 Fundação da nova sociedade designada Tavol, indústria de acessórios de automóveis, Lda, iniciando a actividade de fabrico de componentes metálicos para a indústria automóvel Desenvolvimento de projecto de investimento de , que permitisse o aumento da capacidade produtiva e melhorias na gestão e organização Certificação segundo a norma NP EN ISO 9002 pelo IPQ 1993 Eleição da Tavol pela GM-Internacional como Fornecedor do ano de 1993, entre fornecedores Certificação segundo a norma NP EN ISO 9001 pelo BVQI Certificação segundo a norma QS 9000 pelo BVQI 1998 Homologação do Sistema da Qualidade segundo o referencial EAQF 94 pelo Grupo Sogedac 1999 Certificação segundo o referencial VDA 6.1 pelo BVQI Aquisição da Tavol pelo grupo Gestamp Automocion passando a denominarse GESTAMP AVEIRO, SA Selecção da GESTAMP AVEIRO pelo Júri da 7a Edição do PREMIO SOLUZIONA CALIDAD Y MEDIO AMBIENTE A LA EXCELENCIA obtendo uma Menção Honrosa na área dos Resultados na categoria de Grande Empresa.

17 Certificação do Sistema de Gestão da Qualidade segundo a norma ISO TS 16949:2002, pelo BVQI Certificação do Sistema de Gestão Ambiental segundo a norma NP EN ISO 14001:1999, pelo BVQI Selecção da GESTAMP AVEIRO pelo Júri da 9a Edição do PREMIO SOLUZIONA CALIDAD Y MEDIO AMBIENTE A LA EXCELENCIA obtendo uma Menção Honrosa na área da Liderança na categoria de Grande Empresa. Selecção da GESTAMP AVEIRO pelo Júri da 10a Edição do PREMIO APPLUS A LA EXCELENCIA obtendo o primeiro prémio na categoria de Grande Empresa. Certificação do Sistema de Gestão Ambiental segundo a norma NP EN ISO 14001:2004, pelo BVQI 2006 Re-certificação dos Sistemas de Gestão Ambiental e de Gestão da Qualidade, pelo BVQI 2007 Obtenção do registo no EMAS (Sistema de Eco-Gestão e Auditoria) PT Reconhecimento como Parceiro no Programa Greenlight ª Melhor empresa para trabalhar em Portugal (revista EXAME) 2010 Primeiro relatório de Sustentabilidade

18 DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS Os processos tecnológicos relacionados com o fabrico de peças dividem-se em três grupos principais: estampagem, soldadura e pintura. De forma esquemática apresentase o processo produtivo. 16

19 ESTAMPAGEM Na estampagem, a matéria-prima, chapa, sofre uma transformação pela aplicação de pressão exercida nas prensas, normalmente mecânicas. Estas prensas realizam um movimento muito rápido, submetendo o material a uma deformação brusca (estampagem). As prensas podem ser denominadas como progressivas ou transfers, consoante a alimentação da matéria-prima seja feita em rolos ou formatos (respectivamente). No final, resultam as peças estampadas de diferentes dimensões, que podem ser directamente expedidas ou passar pelos processos seguintes: soldadura e/ou pintura. SOLDADURA 17 No processo de soldadura as peças provenientes da estampagem podem ser soldadas entre elas, formando conjuntos soldados, ou submeterem-se à soldadura de um, ou vários componentes (porcas, parafusos, varões, etc.). A soldadura é diferenciada em 2 tipos: soldadura por pontos (resistência) e soldadura MIG/MAG: Soldadura por pontos - Este processo consiste na combinação de calor gerado pela corrente eléctrica de elevada intensidade com a aplicação da força mecânica que se exerce sobre os eléctrodos (acessórios de cobre). Esta soldadura pode realizar-se através de prensas manuais ou em instalações automatizadas (células robotizadas).

20 Soldadura MIG/MAG - O princípio da soldadura MIG/MAG consiste em introduzir um fio de metal na tocha, fio esse que é fundido no arco eléctrico. O arame de soldar desempenha duas funções: por um lado, é o eléctrodo que conduz corrente, por outro, é também, em simultâneo, o material de adição a ser introduzido na soldadura. Um gás de protecção que flui através do bocal da tocha protege o arco eléctrico e o material em fusão, podendo o mesmo ser inerte (MIG) ou activo (MAG). Os gases inertes, tais como o árgon, não entram em reacção com o material em fusão. Por outro lado, os gases activos, não só interferem no próprio arco eléctrico, como também reagem com o material em fusão. Da mesma forma que no processo anterior, as peças podem ser directamente expedidas ou passar ao processamento seguinte. PINTURA CATAFORESE Nesta etapa, as peças provenientes de fases anteriores são dispostas num suporte e este, por sua vez, é colocado numa cadeia que percorre todas as fases deste processo automatizado. A única intervenção humana consiste na colocação e retirada de peças da cadeia de pintura. Este processo possui essencialmente 3 fases distintas: 18 Pré-tratamento - desengorduramento e preparação da peça para pintura, através da passagem por um túnel com diversos estágios de tratamento efectuado por aspersão; Pintura - efectuada por imersão, baseando-se no deslocamento de partículas carregadas dentro de um campo eléctrico de um pólo (ânodo positivo) para o outro (cátodo) que são as próprias peças. As peças mergulham numa cuba de tinta, são submetidas a uma descarga eléctrica que faz atrair à superfície da peça metálica as partículas sólidas existentes no banho de pintura; Secagem e polimerização - efectuada pela passagem das peças por um túnel de secagem. No final deste processo as peças são acondicionadas e expedidas para o cliente.

21 GOVERNAÇÃO, COMPROMISSOS E ENVOLVIMENTO GOVERNAÇÃO COMPROMISSOS E ENVOLVIMENTO AUSCULTAÇÃO DA COMUNIDADE LOCAL

22 GOVERNAÇÃO A GESTAMP AVEIRO S.A é uma sociedade anónima possuindo a seguinte estrutura de governo: MODELO DE GOVERNO DA GESTAMP AVEIRO S.A ÓRGÃO COMPOSIÇÃO Conselho de Administração Gestão estratégica e operacional da empresa. Presidente: Francisco Jose Riberas Mera Vogal: Juan Maria Riberas Mera Assembleia Geral Deliberações sociais para orientação da vida da sociedade, ditando os seus comportamentos. Presidente: David Vázuez Pascual Secretário: Francisco López Peña Conselho Fiscal Supervisão fiscal e financeira, das contas da empresa Revisor Oficial de Contas Verificação e Auditoria Independente, das contas da empresa Presidente: Santiago Jesus Perrucho Montoya Vogal: Felipe de Frutos Chamero Vogal: José Ramon Alonso Ucha Suplente: David Vazquez Pascual Ernst & Young Audit & Associados SROC, S.A representada por António Manuel Dantas Amorim Procurador Implementação da estratégia e execução operacional. Victor Manuel de Abreu Rodrigues (Director Geral) 20 O Presidente do Conselho de Administração não é Director Executivo sendo essa função delegada pelo Conselho de Administração, ao Director Geral. Os membros do Conselho de Administração da GESTAMP AVEIRO não são independentes, uma vez que têm interesse directo na organização. Nenhum destes administradores é executivo, visto que delegam a execução das tarefas diárias da organização no Director Geral.

23 A estrutura organizacional da GESTAMP AVEIRO é composta de acordo com o seguinte organograma: Direcção Geral Sistema Gestão Dir. Industrial Dir. Técnico Dir. Comercial Dir. Compras e Logistica Dir. Financeira Garantia Qualidade Dir. Informática Construção Ferramentas Produção Rec. Humanos Manutenção Ferramentas Ambiente Higiene e Segurança Manutenção Equipamentos A empresa é certificada pelas normas ISOTS e ISO e pelo Regulamento EMAS. 21

24 COMPROMISSOS E ENVOLVIMENTO CONSELHO DE SUSTENTABILIDADE O Conselho de Sustentabilidade da GESTAMP AVEIRO, criado em 2009, é um órgão consultivo e multidisciplinar e que possui os seguintes objectivos: Promover os princípios do desenvolvimento sustentável na GESTAMP AVEIRO; Analisar o desempenho da GESTAMP AVEIRO em termos do seu impacte social, ambiental e económico; Desenvolver actividades no âmbito do desenvolvimento sustentável; Auxiliar a administração na análise e tomada de decisões, tendo como princípio a promoção dos princípios do desenvolvimento sustentável; 22 Contribuir para a melhoria do desempenho social, ambiental e económico da GESTAMP AVEIRO, através da análise das condições da empresa e da sugestão de propostas de melhoria. Após um primeiro ano em que a estratégia esteve centrada essencialmente no conhecimento e divulgação do tema Sustentabilidade a toda a organização, no ano de 2010 a estratégia centrou-se, por um lado, na preparação e divulgação do Relatório de Sustentabilidade de 2009 e, por outro, na Satisfação das Partes Interessadas, tendo os Colaboradores e a Sociedade sido considerados os stakeholders a priorizar durante esse ano. Todo o processo de elaboração e divulgação do Relatório de Sustentabilidade de 2009 foi um processo interno, utilizando os recursos da empresa o que, apesar de ter sido um trabalho árduo, foi francamente positivo, tendo proporcionado aos intervenientes uma experiência crucial para os trabalhos futuros.

25 O Conselho definiu um plano de actividades para a estratégia de satisfação das partes interessadas. Foram identificadas e realizadas um conjunto de iniciativas ao longo do ano, tendo por base os objectivos previamente definidos. O balanço da realização do plano é muito positivo e foram identificadas algumas oportunidades de melhoria que serão tidas em conta para iniciativas futuras. Importa referir que foram facultadas duas formações aos membros do Conselho, de modo a intensificar as suas competências nessa área: Comunicação Empresarial: O envolvimento de stakeholders ; Gestão Estratégica da Diversidade. Uma das acções promovidas pela empresa para a divulgação do primeiro relatório foi o Jogo do Relatório Sustentabilidade de Para além de algumas perguntas sobre o relatório e sobre o tema, também existia uma pergunta aberta sobre a sugestão de uma iniciativa a implementar em 2011, no âmbito das actividades do Conselho. A análise dos resultados e a atribuição do prémio, uma bicicleta, realizou-se em INICIATIVAS PARA A COMUNIDADE As principais iniciativas desenvolvidas ao longo de 2010 foram as seguintes: - Iniciativa Queres Pintar esta Escola? acção de voluntariado na escola EB1 Maria Godinho, em Nogueira do Cravo, que consistiu em renovar a pintura das salas de aula. A empresa forneceu os materiais e alguns dos seus colaboradores apoiaram a realização desse projecto, dando o seu tempo e o seu trabalho de forma voluntária Parceria GESTAMP AVEIRO / Escola de São Roque - cerca de 76 professores do Agrupamento de Escolas de São Roque visitaram a empresa, no mês de Setembro de Esta iniciativa teve como objectivo promover a parceria GESTAMP AVEIRO / Escolas do concelho, dando a conhecer aos docentes quem é, o que faz e como o faz, apostando num projecto de participação mais activa da empresa na área da educação da comunidade envolvente.

26 - Parceria GESTAMP AVEIRO / Escola de Ciclismo Bruno Neves - a empresa apadrinhou o filho de um colaborador na prática do ciclismo, oferecendo à escola equipamento para a prática dessa modalidade. - Iniciativa Viagem ao Parque Molinológico de Oliveira de Azeméis - consistiu numa visita ao parque e às tradições do concelho, efectuando a respectiva promoção junto dos colaboradores da empresa e proporcionando oportunidades de interacção que se consideram importantes. - Campanha de recolha de alimentos na época do Natal - em Parceria com o Agrupamento Escolas de S.Roque, procedeu-se à distribuição de alimentos a famílias carenciadas do concelho. OUTRAS INICIATIVAS Para além destas iniciativas, importa ainda salientar, no ano de 2010, a participação da empresa no Prémio Igualdade é Qualidade e no Prémio Excelência no Trabalho. 24

27 PARTES INTERESSADAS Considerando a rede de pessoas e empresas que interagem com a GESTAMP AVEIRO, S.A identificaram-se 8 grupos de stakeholders, que são, de alguma forma, influenciados e/ou controlados pela empresa ou capazes de a influenciar/controlar. 25

28 CANAIS DE COMUNICAÇÃO COM AS PARTES INTERESSADAS PARTES INTERESSADAS Accionistas CANAIS DE COMUNICAÇÃO Reuniões periódicas do Conselho de Administração Envio regular de informações financeiras Relatório de Contas (anual) Declaração Ambiental (anual) Clientes Auditorias e visitas de clientes Processo de orçamentação e adjudicação de peças Análise das reclamações de clientes Processos de avaliação da satisfação do cliente Declaração Ambiental Colaboradores Fornecedores Empresas do Grupo Inquérito de Satisfação dos Colaboradores Intranet TV Corporativa Gestamp Notícias Reuniões diárias e semanais GRANDDIS + GESCOMPETE (Sistema de Avaliação de Desempenho + Avaliação de Competências) Acções de Formação Sistema de Sugestões Declaração Ambiental Processos de avaliação e qualificação do desempenho de fornecedores Programas Específicos de Melhoria Declaração Ambiental Reuniões periódicas e segmentadas da Divisão Europa II Fóruns interempresas em áreas determinadas (Segurança, RRHH) Benchmarking em algumas áreas entre as empresas do grupo Partilha de Boas Práticas Declaração Ambiental 26 Comunidade Colaboração/apoio a associações Donativos financeiros Processos de candidaturas a reconhecimentos públicos Declaração Ambiental Entidades oficiais Envio regular de estatísticas e relatórios de diversa natureza (fiscal, laboral, ambiental, saúde e segurança no trabalho, formação profissional, etc) Declaração Ambiental Comunidade académica Estágios Profissionais em colaboração com o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) Visitas à fábrica (Política de Porta Aberta) Protocolos de colaboração com Universidades Participação no Conselho Geral do Agrupamento de escolas de S. Roque Em 2011 a empresa pretende intensificar o processo de comunicação e, principalmente, de auscultação das suas partes interessadas.

29 AUSCULTAÇÃO DA COMUNIDADE LOCAL A GESTAMP AVEIRO estabeleceu, em 2006, metodologias de auscultação da opinião da comunidade envolvente acerca das temáticas ambientais, nomeadamente sobre o comportamento ambiental da empresa. Em 2008 voltou a realizar a auscultação da comunidade local, tendo os resultados sido publicados na DA desse ano e, no ano de 2010, repetiu-se a auscultação. Pelo facto de se terem recebido poucas respostas, optou-se por não efectuar a publicação de gráficos com o tratamento dos dados. Atendendo a esta diminuta quantidade de respostas, em que alguns comentários apontavam, quer o desconhecimento da empresa, quer a vontade de visitarem a empresa, a GESTAMP AVEIRO tem em mente a realização de uma visita às suas instalações, dedicada às entidades externas que habitualmente são consultadas, a fim de colmatar estes dois problemas. Como tem sido habitual, em 2010 a GESTAMP AVEIRO voltou a enviar a sua DA validada, fazendo-a acompanhar de uma comunicação, a essas mesmas entidades, no sentido de dar a conhecer a empresa, as suas actividades principais e o seu desempenho ao longo do ano. 27

30 DESEMPENHO ECONÓMICO INDICADORES ECONÓMICO-FINANCEIROS I&D

31 INDICADORES ECONÓMICO-FINANCEIROS Após um período de contracção da procura que marcou o ano de 2008 e o primeiro semestre de 2009, 2010 foi o ano em que se verificou alguma recuperação dessa procura. Importa referir que para o ano 2010, e em consequência da implementação do Sistema de Normalização Contabilística em Portugal, a empresa efectuou a respectiva equivalência de contas entre o POC e o SNC. VENDAS LÍQUIDAS VENDAS LÍQUIDAS (MILHARES ) O volume total de negócios aumentou 26,5% em relação a Esse acréscimo é extensivo à venda de peças, de sucata e ferramentas. O ano de 2010 marca uma mudança na tendência que vinha sendo decrescente até

32 GASTOS OPERACIONAIS CMVMC / VALOR PRODUÇÃO (%) 80% 60% 59% 65% 61% 40% 20% 0% CMVMC / Valor Produção No seu cômputo operacional a tendência também foi positiva. O peso do Custo das Matérias Consumidas sobre o Valor de Produção diminuiu para 61,09%, quando em 2009 se situou em 64,7%, ou seja, verificou-se um crescimento da margem bruta. RESULTADOS LÍQUIDOS RESULTADOS LÍQUIDOS (MILHARES ) O Resultado Líquido vem influenciado pelos resultados financeiros da empresa que sofre o impacto da variação do dólar face ao euro, devido a uma participação detida a 100% pela GESTAMP AVEIRO numa sociedade nos Estados Unidos. Importa referir que as partes de capital em associadas e filiais (participações de capital superiores a 20%) se encontram valorizadas pelo método da equivalência patrimonial.

33 VALOR ACRESCENTADO BRUTO VALOR ACRESCENTADO BRUTO (MILHARES ) O sector automóvel é um sector cada vez mais competitivo, em que as margens de lucro são cada vez mais reduzidas. Em consequência da recuperação da procura e de um esforço claro de inovações introduzidas no produto e no processo, foi possível à empresa alcançar em 2010 um crescimento do Valor Acrescentado. AUTONOMIA FINANCEIRA AUTONOMIA FINANCEIRA (%) 50% 40% 45% 36% 38% 30% 31 20% 10% 0% A nível da performance financeira a empresa demonstra estabilidade e equilíbrio, possuindo uma autonomia financeira, ao longo do triénio, superior a 36%.

34 INVESTIMENTOS INVESTIMENTOS (MILHARES ) 3.000, , , , ,00 943, , Constata-se uma tendência decrescente nos valores investidos ao longo do triénio. Em 2010, na sua maioria os investimentos consistiram em máquinas e adaptações de máquinas de soldadura, para os novos projectos, e alguns investimentos na área da Informática.

35 APOIOS FINANCEIROS RECEBIDOS Em relação aos apoios financeiros recebidos do governo, importa salientar que os valores dos Subsídios a exploração e ao investimento, mencionados no quadro abaixo, dizem respeito aos valores recebidos nesse ano, o que não implica que o investimento tenha sido realizado no ano do recebimento. Clarificado este ponto, no ano de 2009 houve um crescimento muito significativo deste indicador, que muito contribuiu para a tesouraria da empresa. A GESTAMP AVEIRO aposta fortemente no investimento em I&D, pois só assim lhe é possível inovar nos produtos e processos e ser competitiva. (MILHARES DE EUROS) Subsídios a exploração 13,7 358,9 58,0 Subsídios ao investimento Subsídios reembolsáveis 452, ,8 645,7 33 Benefícios Fiscais Criação de emprego para jovens 44,8 0,0 98,3 Contratuais (Investimento) 0,0 0,0 0,0 SIFIDE 190,5 309,9 261,4 Total 701, , ,4

36 VALOR ECONÓMICO GERADO E DISTRIBUÍDO (MILHARES DE EUROS) Item Indicador Valor Económico Gerado , , ,6 Volume de negócios Proveitos Financeiros Vendas Líquidas + Prestação de Serviços Juros recebidos sobre emprést. financeiros , , , , , ,3 Proveitos suplementares Todos 279,7 84,0 133,1 Ganhos em imobilizado Mais valia líquida na alienação de imob. corpóreo 30,0 1,6 2,5 Valor Económico Distribuído , , ,4 Custos Operacionais Custos com o Pessoal CMVMC , , ,6 Fornecimentos e Serviços Externos , , ,1 Remunerações e encargos 8.488, , ,4 Formação 157,5 108,4 76,4 Pagamentos a financiadores Custos Financeiros - Juros pagos 2.919, , ,5 Impostos 21,4 15,3 11,6 Pagamentos ao Estado Imposto sobre o rendimento 1.191,2 598, ,0 Multas 15,0 1,0 12,6 Investimento na comunidade Donativos 2,9 1,8 2,5 Quotizações voluntárias 5,6 7,2 6,8 34 Valor Económico Acumulado 3.804,0-98, ,0 A leitura deste indicador fornece uma indicação de como a empresa gerou riqueza para os stakeholders. A apresentação do Valor Económico Gerado e Distribuído foi efectuada na totalidade, não tendo sido discriminado, esse valor, por país ou mercado. No entanto, importa referir que, em termos de volume de negócios em 2010, a repartição é de 24,32% para o mercado nacional, 75,27% para o mercado intracomunitário e 0,41% para o mercado dos países terceiros. Em relação às Compras de Matérias Primas e Subsidiárias e aos Fornecimentos e Serviços Externos, essa repartição é de 75,58% para o mercado nacional, 23,76% para o mercado intracomunitário e de 0,66% para outros mercados.

37 I&D O ano de 2010 é marcado pelo arranque da produção em série de novas referências que integram novos projectos, nomeadamente, Sharan (Volkswagen), Opel Meriva (GM), Focus C346 (Ford), Focus C344 (Ford), Audi B7 (Audi). Em termos de inovação, pode-se destacar, por exemplo, no caso do Opel Meriva, o desenvolvimento de um processo de soldadura para o piso do veículo que inclui, numa só célula, a soldadura e manipulação por Robot, alimentação automática de componentes para soldar e a verificação dinâmica dos componentes soldados por aplicação de uma carga em cada componente. Este sistema é único e foi totalmente desenvolvido para este produto. O conceito de verificação dinâmica dos componentes soldados, com aplicação de uma carga dinâmica dentro da célula de soldadura, foi desenvolvido na GESTAMP AVEIRO para responder às crescentes exigências do cliente, em termos de qualidade. Com este conceito, a verificação deixou de ser por amostragem e passou a ser a 100% das peças, estando integrada na operação, e sem aumento de tempo de ciclo, o que permite um aumento de qualidade sem aumento de custo do produto. 35 Cerca de 1 ano antes do anúncio oficial da atribuição do VW Sharan à AutoEuropa, já a GESTAMP AVEIRO trabalhava com o departamento de desenvolvimento da VW em Wolfsburg (Alemanha) em peças para este modelo. Foi entregue um caderno de encargos com a definição de performance e constrangimentos geométricos da peça em causa e a empresa colaborou com a VW no desenvolvimento do produto e do processo. Paralelamente, encontram-se em 2010, em fase de desenvolvimento, os seguintes projectos: Zafira A3470 (GM), Plataforma B78, T9, X83 e X62 (PSA), Focus C344N (Ford), M3_M4 Versão Sedan (PSA), Volkswagen UP 120 (VW), Pedais X10 (Novo Veículo eléctrico), Nissan Juke (Nissan), DW12C (Jaguar), X83 e X62 (Peças de Motor).

38 DESEMPENHO AMBIENTAL DESCRIÇÃO DO SGA ASPECTOS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS RESULTADOS DO DESEMPENHO

39 DESCRIÇÃO DO SGA O SGA encontra-se integrado com outras vertentes de Gestão e assenta no processo de melhoria contínua definido através do ciclo PDCA, garantindo assim o cumprimento dos requisitos da norma ISO e Regulamento EMAS, bem como os requisitos legais aplicáveis. P POLÍTICA AMBIENTAL E PLANEAMENTO POLÍTICA AMBIENTAL A GESTAMP AVEIRO assume, na definição da sua política, o comportamento estratégico relativamente ao impacte no ambiente gerado pelas suas actividades e serviços. Trata-se de um documento que orienta toda a definição do sistema de gestão ambiental e serve de guia ao planeamento e controlo dos aspectos ambientais. A política é definida ao mais alto nível, revista periodicamente e disponibilizada às partes interessadas, desde os colaboradores internos aos clientes, aos fornecedores de bens e serviços e ao público em geral. PLANEAMENTO Os aspectos ambientais são identificados por análise dos processos produtivos e auxiliares. São ponderados tanto os aspectos ambientais directos/controláveis como os indirectos/influenciáveis das actividades, produtos e serviços da GESTAMP AVEIRO. Os aspectos identificados são avaliados em função do seu impacto sobre o ambiente e os que resultam significativos são obrigatoriamente controlados e constituem a base sobre os quais se estabelecerão os objectivos e metas. De acordo com estes, procede-se à identificação dos requisitos legais aplicáveis à GESTAMP AVEIRO. Identificam-se e registam-se, ainda, os compromissos subscritos de forma voluntária e as licenças e autorizações administrativas de carácter ambiental. Os objectivos e metas ambientais são elaborados tendo em consideração os aspectos legais e outras exigências, os impactes ambientais relevantes e as opções tecnológicas ou comerciais e constam do Programa Ambiental. D IMPLEMENTAÇÃO E OPERAÇÃO A empresa dispõe dos recursos humanos, financeiros e materiais necessários ao cumprimento dos objectivos do SGA. Estão definidas as competências necessárias para cada função e identificadas as necessidades de formação de todos os colaboradores, de forma a garantir a eficácia do SGA. Todas as empresas prestadoras de serviço, a trabalharem nas instalações da empresa, são sensibilizadas ou formadas para o cumprimento de regras ambientais e segurança, particularmente nas actividades com aspectos ambientais ou riscos mais significativos. A Comunicação estabelece-se de diversas formas, tendo em vista a eficácia do SGA, englobando a comunicação das políticas, das regras, dos procedimentos e dos resultados obtidos. Estão identificadas as actividades, processos e produtos associados aos aspectos ambientais com impacte ambiental significativo, de acordo com a política ambiental, objectivos e metas. É efectuado o controlo operacional desses aspectos ambientais, estando os mesmos definidos em Instruções Operativas e Planos de Manutenção. Estão definidos planos e instruções para fazer face a acidentes ambientais e a eventuais situações de emergência. 37 C VERIFICAÇÃO E ACÇÕES CORRECTIVAS A GESTAMP AVEIRO possui procedimentos internos para efectuar monitorização dos aspectos ambientais associados às suas actividades. O registo de informação e o acompanhamento de todo o sistema permite avaliar o desempenho ambiental da organização e verificar o cumprimento legal e de outros requisitos subscritos pela organização. As oportunidades de melhoria identificadas e as não conformidades/incidentes detectadas, são alvo de análise e sujeitas a acções correctivas/preventivas, com o objectivo de diminuir o impacte no ambiente resultante das actividades da empresa. A GESTAMP AVEIRO, com o objectivo de incentivar a melhoria contínua, estabelece um Programa de Auditorias, tendo em vista: Determinar se o Sistema de Gestão Ambiental está de acordo com os requisitos da ISO e o Regulamento EMAS, com a política e o programa da organização e os requisitos regulamentares e outros em matéria de ambiente; Fornecer informações sobre os resultados das auditorias à Gestão. A REVISÃO PELA GESTÃO A Gestão procede anualmente à revisão do Sistema Qualidade & Ambiente (SQ&A). É o momento de fecho do ciclo de melhoria contínua, de análise e de planeamento estratégico. É, ainda, momento de balanço e definição de novos objectivos e acções de melhoria.

40 ASPECTOS AMBIENTAIS ASPECTOS AMBIENTAIS DIRECTOS Com a implementação do sistema de gestão ambiental, a GESTAMP AVEIRO procedeu ao levantamento ambiental das suas actividades. Foram identificadas todas as entradas e saídas de cada processo/actividade e determinados quais poderiam produzir impacte no ambiente. Este processo permitiu a identificação e avaliação dos aspectos ambientais directos e indirectos e os respectivos impactes associados. Situação normal Os aspectos ambientais directos, identificados para condições de funcionamento normal (decorrente da actividade normal ou efectuada com periodicidade elevada) e anormal (actividade excepcional, não habitual mas prevista), são avaliados segundo os critérios indicados abaixo, analisando o seu impacte por vector ambiental (resíduos, ar, água, ruído e consumo de recursos naturais). Frequência: representa a periodicidade com que sucede o impacte ambiental. Gravidade: representa o potencial contaminante do aspecto ambiental. Quantidade: representa o volume gerado do aspecto ambiental Exposição legal: representa a existência, ou não, de requisitos legais aplicáveis. São considerados aspectos ambientais significativos todos aqueles que sejam abrangidos por um requisito legal, ou obtenham uma pontuação superior a 15 na avaliação. Os serviços realizados nas instalações da GESTAMP AVEIRO, por prestadores de serviço, também foram considerados na identificação de aspectos ambientais directos. 38 De seguida são apresentados os aspectos ambientais considerados significativos, agrupados por vectores ambientais, associando-lhes os respectivos impactes no ambiente, as actividades onde são gerados e os valores obtidos relativamente aos critérios supracitados. Dentro de cada vector os aspectos são ordenados de forma descendente face ao valor total. Com a implementação do sistema de gestão ambiental, a GESTAMP AVEIRO procedeu ao levantamento ambiental das suas actividades. Foram identificadas todas as entradas e saídas de cada processo/actividade e determinados os que poderiam produzir impacte no ambiente. Este processo permitiu a identificação e avaliação dos aspectos ambientais directos e indirectos e os respectivos impactes associados.

41 Aspecto Ambiental Código LER Águas oleosas * Lamas perigosas (ETARI/pintura) Resíduos de óleos Resíduos contaminados Lamas de fosfatação Gás refrigerante usado Resíduos hospitalares Resíduos solventes Embalagens contaminadas perigosas Resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos (REEE) Resíduos de paletes de madeira * * * * * e * * * RIBs Impacte PRODUÇÃO DE RESÍDUOS Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Deterioração da Qualidade do Ar (Prejudica a camada de ozono) Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Actividades * Exposição Legal Valor Total Controlo Operacional IO PM Monit. 1, 4, 7, 8 X 17 X X 2, 5 X 17 X X 1, 2, 4 5 6, 7, 8 X 16 X X 1, 2, 4 5 6, 7, 8, 9, 10, 12, 15, 16 Contaminação/ Ocupação do Solo 2, 4, 5, 6, 7, 8, 12 Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo X 17 X X 5 X 15 X X 7 X 15 X X 14 X 14 X X 7 X 16 X X X 16 X X 2, 7, 9, 16 X 14 X X 1, 2, 4, 5, 6, 15 X 14 X X 1, 2, 4, 5, 6, 7, 8, 10, 11, 12, 13, 14, 16 X 13 X X 39

42 40 Aspecto Ambiental Lamas perigosas (rectificadora) Lamas do decantador lamelar (ETARD) Lâmpadas fluorescentes Resíduos de construção e demolição Resíduos da determinação de CQO Resíduos de toner e impressão Resinas de regeneração usadas Carvão activado usado Lamas não perigosas da ETARI Lamas do separador de gorduras Resíduos de papel e cartão Pilhas e acumuladores Código LER * * * * Impacte PRODUÇÃO DE RESÍDUOS Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Actividades * Exposição Legal Contaminação/ Ocupação do Solo 1, 2, 4, 5, 6, 7, Contaminação/ Ocupação do Solo Valor Total Controlo Operacional IO PM Monit. 8 X 13 X X 9 X 12 X X 7 X 12 X X 7 X 12 X X 12 X 12 X X 11 X 12 X X 5, 8, 12 X 12 X X 2 X 10 X X 2 X 11 X X 9 X 9 X X 8, 11, 12, 13, 14, 15 X 10 X X 7, 11, 12 X 10 X X

43 Aspecto Ambiental Aparas e limalhas de aço Resíduos orgânicos Embalagens contaminadas não perigosas Resíduos de plástico Lamas não perigosas (electroerosão) Resíduos de pedras e terra Resíduos de vidro Resíduos de cobre e latão Óleos e gorduras alimentares Código LER Impacte PRODUÇÃO DE RESÍDUOS Actividades * Exposição Legal Contaminação/ Ocupação do Solo 1, 4, 5, 6, 7, 8, 15 Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Valor Total Controlo Operacional IO PM Monit. X 10 X X 3, 13 X 10 X X 1, 2, 4, 5, 6, 7, 8, 10, 12, 13, 16 1, 2, 4, 5, 6, 7, 8, 11, 12, 13, 14 X 5 X X X 10 X X 8 X 8 X X 3 X 7 X X 13, 14 X 6 X X 6, 8 X 6 X X 13 X 3 X X 41 (*) 1 Armazenamento, Transportes, Movimentações e Acondicionamento 2 ETARI 3- Actividades de Manutenção de Espaços Verdes 4 Estampagem 5 Pintura, Zona lavagem peças e Desmineralização 6 Soldadura 7 Manutenção de instalações/ equipamentos, construções e montagens 8 Construção e Manutenção de ferramentas 9 ETARD 10 Actividades de limpeza 11 Actividades administrativas 12 Actividades Laboratoriais 13 Actividades equiparadas a domésticas 14 Actividades de medicina e socorrismo 15 Actividades de escolha 16 Tratamento da água de consumo IO Instruções Operacionais; PM Planos de Manutenção; Monit. Monitorização

44 PRODUÇÃO DE ÁGUAS RESIDUAIS Aspecto Ambiental Impacte Actividades * Exposição Legal Valor Total Controlo Operacional IO PM Monit. Efluente industrial contaminado Descarga de efluente industrial tratado Efluente contaminado proveniente da lavagem das colunas Purgas do sistema de ar comprimido Efluente contaminado da máquina de electroerosão Contaminação do Solo Contaminação do Solo Contaminação do Solo Contaminação do Solo Contaminação do Solo 1, 5, 7, 12 X 18 X 2 X 16 X 2, 5 X 15 X 6, 7 X 15 X 8 X 14 X Efluente contaminado proveniente de actividades de limpeza Contaminação do Solo 1, 2, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10 X 14 X Descarga de efluente doméstico tratado Contaminação do Solo 9 X 13 X Contaminação do Solo Efluente doméstico 13 X 13 X 42 Contaminação do Solo Ácido das baterias 1 X 13 X Efluente do sistema de Refrigeração Contaminação do Solo 6 X 5 X (*) 1 Armazenamento, Transportes, Movimentações e Acondicionamento 2 ETARI 3- Actividades de Manutenção de Espaços Verdes 4 Estampagem 5 Pintura, Zona lavagem peças e Desmineralização 6 Soldadura 7 Manutenção de instalações/ equipamentos, construções e montagens 8 Construção e Manutenção de ferramentas 9 ETARD 10 Actividades de limpeza 11 Actividades administrativas 12 Actividades Laboratoriais 13 Actividades equiparadas a domésticas 14 Actividades de medicina e socorrismo 15 Actividades de escolha 16 Tratamento da água de consumo IO Instruções Operacionais; PM Planos de Manutenção; Monit. Monitorização

45 CONSUMO DE ÁGUA Aspecto Ambiental Impacte Actividades * Exposição Legal Consumo de água para rega Depleção de Recursos Naturais (Água) Valor Total Controlo Operacional IO PM Monit. 3 X 15 X Consumo de água humano Depleção de Recursos Naturais (Água) 13, 16 X 10 X X Consumo de água em Depleção de Recursos processo Naturais (Água) 5, 7, 12, 16 X 9 X Consumo de água em Depleção de Recursos actividades de Naturais (Água) limpeza 1, 2, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 12, 13 X 10 X (*) 1 Armazenamento, Transportes, Movimentações e Acondicionamento 2 ETARI 3 Actividades de Manutenção de Espaços Verdes 4 Estampagem 5 Pintura, Zona lavagem peças e Desmineralização 6 Soldadura 7 Manutenção de instalações/ equipamentos, construções e montagens 8 Construção e Manutenção de ferramentas 9 ETARD 10 Actividades de limpeza 11 Actividades administrativas 12 Actividades Laboratoriais 13 Actividades equiparadas a domésticas 14 Actividades de medicina e socorrismo 15 Actividades de escolha 16 Tratamento da água de consumo IO Instruções Operacionais; PM Planos de Manutenção; Monit. Monitorização EMISSÕES ATMOSFÉRICAS Aspecto Ambiental Impacte Actividades * Exposição Legal Emissões gasosas da estufa de pintura Deterioração da Qualidade do Ar (Aquecimento global) Valor Total Controlo Operacional IO PM Monit. 5 X 14 X X Emissões gasosas da Deterioração da combustão de gás Qualidade do Ar 5, 13 X 6 X X natural (Aquecimento global) Emissões gasosas da Deterioração da combustão de motores a diesel Qualidade do Ar (Aquecimento global) 1, 3 X 5 X 43 Emissões gasosas da lavagem de peças Deterioração da Qualidade do Ar (Aquecimento global) 5 X 5 X X (*) 1 Armazenamento, Transportes, Movimentações e Acondicionamento 2 ETARI 3 Actividades de Manutenção de Espaços Verdes 4 Estampagem 5 Pintura, Zona lavagem peças e Desmineralização 6 Soldadura 7 Manutenção de instalações/ equipamentos, construções e montagens 8 Construção e Manutenção de ferramentas 9 ETARD 10 Actividades de limpeza 11 Actividades administrativas 12 Actividades Laboratoriais 13 Actividades equiparadas a domésticas 14 Actividades de medicina e socorrismo 15 Actividades de escolha 16 Tratamento da água de consumo IO Instruções Operacionais; PM Planos de Manutenção; Monit. Monitorização

46 CONSUMO DE ENERGIA Aspecto Ambiental Impacte Actividades * Exposição Legal Consumo de gasóleo Depleção de Recursos Naturais (combustíveis fósseis) Valor Total 1, 3 X 15 X Controlo Operacional IO PM Monit. Consumo de energia eléctrica Depleção de Recursos Naturais (combustíveis fósseis) 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14, 16 X 14 X Consumo de gás natural Depleção de Recursos Naturais (combustíveis fósseis) 5, 13 X 12 X (*) 1 Armazenamento, Transportes, Movimentações e Acondicionamento 2 ETARI 3 Actividades de Manutenção de Espaços Verdes 4 Estampagem 5 Pintura, Zona lavagem peças e Desmineralização 6 Soldadura 7 Manutenção de instalações/ equipamentos, construções e montagens 8 Construção e Manutenção de ferramentas 9 ETARD 10 Actividades de limpeza 11 Actividades administrativas 12 Actividades Laboratoriais 13 Actividades equiparadas a domésticas 14 Actividades de medicina e socorrismo 15 Actividades de escolha 16 Tratamento da água de consumo IO Instruções Operacionais; PM Planos de Manutenção; Monit. Monitorização RUÍDO Aspecto Ambiental Impacte Actividades * Exposição Legal Emissão de Ruído Ambiental Poluição Sonora 1, 2, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 11, 12, 16 Valor Total Controlo Operacional IO PM Monit. X 10 X (*) 1 Armazenamento, Transportes, Movimentações e Acondicionamento 2 ETARI 3 Actividades de Manutenção de Espaços Verdes 4 Estampagem 5 Pintura, Zona lavagem peças e Desmineralização 6 Soldadura 7 Manutenção de instalações/ equipamentos, construções e montagens 8 Construção e Manutenção de ferramentas 9 ETARD 10 Actividades de limpeza 11 Actividades administrativas 12 Actividades Laboratoriais 13 Actividades equiparadas a domésticas 14 Actividades de medicina e socorrismo 15 Actividades de escolha 16 Tratamento da água de consumo 44 IO Instruções Operacionais; PM Planos de Manutenção; Monit. Monitorização

47 CONSUMO DE MATÉRIA-PRIMA Aspecto Ambiental Impacte Actividades * Exposição Legal Consumo de produtos químicos Depleção de Recursos Naturais (Água) 2, 4, 5, 6, 7, 8, 10, 12, 13, 16 Valor Total Controlo Operacional IO PM Monit. X 17 X Consumo de gás de soldadura Consumo de embalagens de plástico Consumo de embalagens de cartão Consumo de paletes de madeira Depleção de Recursos Naturais (Água) Depleção de Recursos Naturais (Derivado de petróleo) Depleção de Recursos Naturais (Madeira) Depleção de Recursos Naturais (Madeira) 4, 6, 8 X 16 X X 1, 4, 5, 6, 16 X 14 X 1, 4, 5, 6, 15 X 12 X 1, 4, 5, 6, 15 X 9 X (*) 1 Armazenamento, Transportes, Movimentações e Acondicionamento 2 ETARI 3 Actividades de Manutenção de Espaços Verdes 4 Estampagem 5 Pintura, Zona lavagem peças e Desmineralização 6 Soldadura 7 Manutenção de instalações/ equipamentos, construções e montagens 8 Construção e Manutenção de ferramentas 9 ETARD 10 Actividades de limpeza 11 Actividades administrativas 12 Actividades Laboratoriais 13 Actividades equiparadas a domésticas 14 Actividades de medicina e socorrismo 15 Actividades de escolha 16 Tratamento da água de consumo IO Instruções Operacionais; PM Planos de Manutenção; Monit. Monitorização Situação de emergência Os aspectos ambientais directos, identificados para situações consideradas de emergência ambiental, são avaliados segundo dois critérios: Probabilidade: probabilidade que ocorra a situação de emergência associada ao impacte potencial considerado; Gravidade: avaliação das consequências causadas pela ocorrência do impacte ambiental considerado, atendendo à capacidade de recuperação do meio. 45 São considerados impactes significativos todos os aspectos ambientais de emergência que obtenham uma pontuação igual ou superior a 3. De seguida são apresentados os aspectos ambientais considerados significativos, agrupados por vectores ambientais, associando-lhes os respectivos impactes no ambiente, as actividades onde são gerados e os valores obtidos relativamente aos critérios supracitados. Uma vez que existe uma associação directa entre o aspecto ambiental identificado e a situação que o origina, essa correspondência encontra-se no quadro abaixo.

48 46 Aspecto Ambiental Infiltração de óleo no solo (através do pavimento exterior não impermeabilizado) Escorrência de óleo para as caixas de águas pluviais (no exterior) Infiltração de produtos químicos no solo (através do pavimento exterior não impermeabilizado) Escorrência de produtos químicos para as caixas de águas pluviais (no exterior) Consumo de produtos químicos em situação de emergência Consumo de óleo em situação de emergência Infiltração de combustível no solo (através do pavimento exterior não impermeabilizado) Escorrência de combustível para as caixas de águas pluviais (no exterior) Consumo de combustível em situação de emergência Águas residuais resultantes de combate a incêndio Emissões atmosféricas provenientes de incêndio Situação que origina o aspecto ambiental Fugas nos empilhadores, camiões, outros transportes Fugas nos empilhadores, camiões, outros transportes Derrames de produtos químicos Derrames de produtos químicos Derrames de produtos químicos Fugas em equipamentos Derrames de combustível (camiões, emp., corta-relva) Derrames de combustível (camiões, emp., corta-relva) Derrames de combustível (camiões, emp., corta-relva) Incêndios Incêndios Impacte Contaminação do Solo Contaminação do Solo Depleção de Recursos Naturais Depleção de Recursos Naturais Contaminação do Solo Depleção de Recursos Naturais Deterioração da Qualidade do Ar Cinzas/resíduos de incêndio Incêndios Ocupação do Solo Consumo de recursos (árvores, paletes, etc) Descarga de águas residuais contaminadas química e/ou organicamente Infiltração de ligante no solo (através do pavimento exterior não impermeabilizado) Escorrência de ligante para as caixas de águas pluviais (no exterior) Incêndios Contaminação química do efluente doméstico Derrame no abastecimento do depósito de ligante Derrame no abastecimento do depósito de ligante Depleção de Recursos Naturais Contaminação do Solo Actividades * Valor Total , , , 2, 5, , 7, 8 4 1, 3 6 1, 3 6 1, 3 4 1, 2, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 15 1, 2, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 15 1, 2, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 15 1, 2, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, (*) 1 Armazenamento, Transportes, Movimentações e Acondicionamento 2 ETARI 3 Actividades de Manutenção de Espaços Verdes 4 Estampagem 5 Pintura, Zona lavagem peças e Desmineralização 6 Soldadura 7 Manutenção de instalações/ equipamentos, construções e montagens 8 Construção e Manutenção de ferramentas 9 ETARD 10 Actividades de limpeza 11 Actividades administrativas 12 Actividades Laboratoriais 13 Actividades equiparadas a domésticas 14 Actividades de medicina e socorrismo 15 Actividades de escolha 16 Tratamento da água de consumo IO Instruções Operacionais; PM Planos de Manutenção; Monit. Monitorização

49 ASPECTOS AMBIENTAIS INDIRECTOS A identificação de aspectos ambientais indirectos foi aplicada ao universo dos fornecedores de bens e serviços incorporáveis no produto fabricado pela GESTAMP AVEIRO. Não foram identificados aspectos ambientais relacionados com o produto da GESTAMP AVEIRO visto que a empresa não efectua concepção do produto, sendo esta realizada pelo cliente. Da mesma forma, a embalagem, bem como todas as operações de logística, são definidas e desenvolvidas pelo cliente, não podendo a GESTAMP AVEIRO controlar ou influenciar estes aspectos. Relativamente aos aspectos ambientais associados aos fornecedores foram considerados os seguintes tipos de fornecimentos: matéria-prima (chapa), componentes (porcas, parafusos e outros), tratamento de superfícies (zincagem). A realização de um inquérito de desempenho ambiental permitiu a identificação dos principais aspectos ambientais das actividades dos fornecedores da GESTAMP AVEIRO bem como a avaliação do comportamento ambiental. Os aspectos ambientais identificados foram avaliados segundo 2 critérios: 47 Gravidade: representa o potencial contaminante do aspecto ambiental; Quantidade: representa a percentagem de ocorrências do aspecto ambiental face ao total de respostas obtidas. São considerados impactes significativos todos os aspectos ambientais indirectos que obtenham uma pontuação igual ou superior a 10. No quadro seguinte apresentam-se todos os aspectos ambientais indirectos identificados (significativos e não significativos).

50 48 Aspecto Ambiental Consumo de água - humano Consumo de água - processo Outros consumos de água: por evaporação, rega, circuitos abertos de refrigeração Efluente doméstico Efluente industrial Emissões atm. (partículas não metálicas, gases de combustão ou saídas de ventilação) Emissões atm. (contendo metais, gases de soldadura) Emissões atm. (compostos não classificados em grupos anteriores: enxofre, azoto, halogenados, arsénio, COVs e metais pesados) Energias renováveis Energia eléctrica ou gás natural Energia de outra fonte qualquer Resíduos recicláveis Resíduos não perigosos Resíduos perigosos Impacte Depleção de Recursos Naturais Depleção de Recursos Naturais Depleção de Recursos Naturais Contaminação do Solo Contaminação do Solo Deterioração da Qualidade do Ar Deterioração da Qualidade do Ar Deterioração da Qualidade do Ar Depleção de Recursos Naturais Depleção de Recursos Naturais Depleção de Recursos Naturais Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Contaminação/ Ocupação do Solo Tipo de * fornecimento Valor Total Significância A, B, C, D, E, F 2 Não Significativo B, C, D, E, F 5 Não Significativo A, B, C, E 10 Significativo A, B, C, D, E, F 10 Significativo A, B, C, D, E, F 10 Significativo A, C, D, E, F 1 Não Significativo C, E 5 Não Significativo B, C, D, E, F 10 Significativo C, E 1 Não Significativo A, B, C, D, E, F 10 Significativo A, C, E 10 Significativo A, B, C, D, E, F 2 Não Significativo A, B, C, D, E, F 5 Não Significativo A, B, C, D, E, F 10 Significativo Emissão de ruído ambiental Poluição Sonora B, C, D, E, F 5 Não Significativo (*) A- Componentes de borracha B- Chapa C- Outros componentes metálicos D- Componentes de plástico E- Porcas e parafusos F- Revestimento de superfícies zincagens

51 Directo SUSTENTABILIDADE RELATÓRIO 2010 Directo Directo Directo Directo PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMA AMBIENTAL 2010 Aspecto Ambiental Objectivo Meta Indicador Acções Resultado Vários Melhorar desempenho ambiental de fornecedores Realizar inspecções de ambiente e segurança a empresas cujo volume de horas represente um valor superior de ocupação de 70% (face ao ano anterior) Criação da metodologia no prazo previsto % de volume de horas associada às inspecções efectuadas Implementar metodologia de avaliação do desempenho ambiental e de segurança de prestadores de serviço Realizar inspecções de ambiente e segurança a prestadores de serviço Descarga efluente doméstico Melhorar monitorização do sistema de tratamento de águas residuais domésticas (ETARD) Possuir vigilância contínua dos principais sistemas e parâmetros do funcionamento da ETARD Conclusão da instalação no prazo previsto Instalar módulos endereçadores que permitam a detecção e alarme do funcionamento do compressor e bomba de lamas Conclusão da instalação no prazo previsto Instalar sondas de monitorização de temperatura e ph na ETARD 1 Consumo de energia eléctrica Reduzir o consumo de recursos naturais não renováveis Reduzir consumo energético específico conforme metas estabelecidas no plano de racionalização (46,5 Kgep/Ton) Valor de CEE Implementar sistema de monitorização e controlo de fugas na rede de ar comprimido Substituir iluminação da estampagem e soldadura 2 Vários Melhorar desempenho ambiental dos colaboradores relativamente ao controlo dos aspectos ambientais Garantir uma taxa de participação na formação superior a 70% mão de obra da % de participação na formação fábrica Realizar formação ambiental sobre os principais aspectos ambientais (consumo água, resíduos, energia, águas residuais) 3 Efectuar revisão do plano de acordo com as exigências legais actuais 49 Vários Emergência Adequar plano às novas exigências legais Implementar o Plano de Emergência melhorando a capacidade de resposta a situações de Interno emergência Implementação do Plano dentro do prazo Efectuar adequações necessárias nas instalações 4 Efectuar divulgação e formação do plano + simulacros 1 Não foi implementada a medida de monitorização da temperatura e ph por se ter concluído, após análise, que estes parâmetros não são os únicos determinantes no bom funcionamento da ETARD. De futuro continuaremos a estudar a viabilidade e pertinência da monitorização de novos parâmetros que aumentem o nível de informação e controlo do funcionamento deste equipamento. 2 Apesar da medida relacionada com o ar comprimido ter sido implementada, e a da mudança da iluminação estar em curso, estando prevista a sua conclusão para Março de 2011, o objectivo traçado para o CEE não foi atingido. 3 Esta medida enquadrava-se numa candidatura ao POPH que não foi aprovada, pelo que todo o programa de formação teve de ser revisto e adaptado aos recursos existentes e foi necessário orientar as verbas de formação disponíveis para formações prioritárias. Esta formação não foi realizada no ano de 2010, tendo transitado para o plano de formação de 2011 e terá seguimento durante 2011 no âmbito do conselho de sustentabilidade da GESTAMP AVEIRO, existindo outras formações também previstas. 4 Dada a complexidade deste projecto, o mesmo está a ser realizado em conjunto com uma empresa de assessoria externa. A revisão documental está concluída e será alvo de consulta e verificação pela autoridade competente (ANPC). Contamos durante o ano de 2011 proceder à implementação das alterações. A implementação definitiva desta medida transitará para o programa ambiental de 2011.

52 Directo Directo Directo Directo Directo PROGRAMA AMBIENTAL 2011 Aspecto Ambiental Objectivo Meta Acções Efectuar o isolamento térmico nave logística Consumo de energia eléctrica Reduzir o consumo de recursos naturais não renováveis Reduzir consumo energético específico conforme metas estabelecidas no plano de racionalização (46,5 Kgep/Ton) Substituir a iluminação da estampagem e soldadura Instalar condensador no banho de desengorduramento da linha de pintura + eliminar chaminé 3 Consumo água Reduzir o consumo de água Reduzir 2% consumo de água/vab relativamente ao ano de 2010 Efectuar análise e revisão de todos os sistemas de abastecimento de água nos sanitários (autoclismos + torneiras) Analisar processo de pintura e verificar melhorias a implementar para redução do consumo de água (análise necessidades de renovação banhos; diminuição contaminações entre banhos) RSU s Reduzir produção resíduos sólidos urbanos Eliminar consumo papel na lavagem de mãos Instalar secadores de mãos em todas as casas de banho Implementar metodologia de contabilidade ambiental Vários Obter novas métricas de medição do desempenho global da organização em termos ambientais Implementar novas metodologias de medição do desempenho ambiental da empresa Activar indicador de desempenho ambiental 50 Efectuar revisão do plano de acordo com as exigências legais actuais Vários Emergência Adequar plano às novas exigências legais melhorando a capacidade de resposta a situações de emergência Implementar o Plano de Emergência Interno Efectuar adequações necessárias nas instalações Efectuar divulgação e formação do plano + simulacros

53 RESULTADOS DO DESEMPENHO Neste capítulo são apresentados vários indicadores associados aos aspectos ambientais significativos e à conformidade legal que a GESTAMP AVEIRO monitoriza, bem como uma pequena referência ao cumprimento legal associado a cada um dos descritores apresentados. O VAB (Valor Acrescentado Bruto) apresentado em todos os indicadores foi calculado para o ano de 2008 segundo a fórmula: VAB = Vendas (POC 71) + Prestação de Serviços (POC 72) + Proveitos Suplementares (POC 73) + Trabalhos para a própria empresa (POC 75) Custo das Mercadorias Vendidas e Matérias Consumidas (POC 61)- Fornecimentos e Serviços Externos (POC 62) Outros Custos Operacionais (POC 65). No que respeita a 2009, devido à alteração no tratamento da contabilização das ferramentas em consequência da mudança do programa informático, e com o objectivo de comparabilidade da informação, alteramos sensivelmente a fórmula anterior, acrescentando à mesma a Variação de Stock de Ferramentas (POC e 81096). Para o ano de 2010 e em consequência da implementação do Sistema de Normalização Contabilística em Portugal, a empresa efectuou a respectiva equivalência de contas entre o POC e o SNC para o cálculo do VAB desse ano. ACTIVIDADE INDUSTRIAL A GESTAMP AVEIRO possui licenciamento da sua actividade (licença de exploração industrial nº 666/2009 de 30 de Junho de 2009) emitida pela entidade competente (DRE- N). CONSUMO DE ÁGUA 51 A água utilizada na empresa para consumo humano (cantina, balneários e sanitários) e para o processo (pintura) é proveniente de captação própria, licenciada (Licença n. 17/DSGA/04, válida até 02/10/2012 emitida pela CCDR-N) e cujos limites máximos de extracção são 1500m 3 /mês e 18000m 3 /ano.

54 CONSUMO ÁGUA (M 3 ) / VAB (MILHÃO DE ) 600,8 776,0 691, É elaborado, anualmente, um programa de controlo da qualidade da água, de acordo com a legislação. Os resultados das análises são divulgados internamente e enviados trimestralmente para a autoridade de saúde. Trimestralmente são enviados, ainda, à ARH-Centro, os valores de consumo de água. A evolução do consumo de água ao longo dos últimos anos pode ser verificada na tabela abaixo. CONSUMO DE ÁGUA Unidade Consumo água subterrânea 7965, m 3 Consumo água da chuva m 3 Consumo água Total 7965,7 8039, ,5 m 3 Valor Acrescentado Bruto (VAB) 13,26 10,36 15,39 Milhões Consumo água/vab (R) 600,82 775,99 691,55 m 3 / Milhões DESCARGA DE ÁGUAS 52 A GESTAMP AVEIRO possui duas estações de tratamento de águas residuais designadas de ETARD Estação de tratamento de águas residuais domésticas, e ETARI Estação de tratamento de águas residuais industriais. Possuem, respectivamente, as seguintes licenças de descarga: 528/2009 válida até 19 de Setembro de 2011 e 2010/2008 válida até 19 de Setembro de A empresa efectua o auto-controlo da qualidade e quantidade do efluente, nas duas estações de tratamento, e envia os resultados à ARH Centro com a periodicidade estabelecida na licença (respectivamente trimestral e mensal). Nos quadros abaixo podemos verificar a evolução dos valores da qualidade e volume de descarga dos efluentes nos últimos 3 anos.

55 EVOLUÇÃO DA MÉDIA* MENSAL DOS RESULTADOS ANALÍTICOS DA ETARI Parâmetro VLE ph 6-9 7,0 7,8 7,9 CQO 150 mg/l 39 37,9 38,8 Carga anual (em kg) 82,130 53, ,759 SST 60 mg/l 10,4 11,3 10,9 Carga anual (em kg) 21,901 15,954 35,891 Hidrocarbonetos 15 mg/l < 5 5 5,4 Carga anual (em kg) < 10,529 7,059 17,781 Óleos e gorduras 15 mg/l 5,6 5 6,3 Carga anual (em kg) 11,793 7,059 20,744 CBO5 40 mg/l < 5 a) 10,6 6,9 Carga anual (em kg) < 10,529 14,966 22,720 Fósforo Total 10 mg/l 1,1 a) 1,43 2,4 Carga anual (em kg) 2,316 2,019 7,903 Azoto Total 15 mg/l 5,3 a) 8,6 11,4 Carga anual (em kg) 11,161 12,142 37,537 Descarga média/dia (m 3 ) 20 m 3 /dia 8,8 m 3 /dia 6,17 m 3 /dia 12,96 m 3 /dia Descarga total (m 3 ) 2105, , ,75 * Sempre que o valor é inferior ao limite de detecção é considerado esse valor limite para o cálculo do valor médio apresentado a) valor de Dezembro de 2008, não é média EVOLUÇÃO DA MÉDIA* MENSAL DOS RESULTADOS ANALÍTICOS DA ETARD Parâmetro VLE ph 6-9 7,04 7,5 8,2 CQO 150 mg/l Carga anual (em kg) 210, , ,304 CBO5 40 mg/l 14,6 12,4 9 Carga anual (em kg) 57,946 49,814 45,901 SST 60 mg/l 20,25 14,9 28 Carga anual (em kg) 80,370 59, ,802 Azoto Total 15 mg/l 7,53 7,68 8 Carga anual (em kg) 29,886 30,853 40,801 Fósforo Total 10 mg/l 1,8 2,1 1,5 Carga anual (em kg) 7,144 8,436 7,650 Descarga média/dia (m 3 ) 20 m 3 /dia 11 (m 3 /dia) 11 (m 3 /dia) 14 Descarga total (m 3 ) 3968, , ,07 53 * Sempre que o valor é inferior ao limite de detecção é considerado esse valor limite para o cálculo do valor médio apresentado.

56 EMISSÕES ATMOSFÉRICAS A GESTAMP AVEIRO possui emissões atmosféricas de 3 chaminés existentes na instalação da pintura e 3 chaminés existentes na instalação de lavagem de peças. As chaminés foram construídas/adaptadas de acordo com a legislação em vigor. É efectuado o auto-controlo destas emissões com a periodicidade estabelecida na legislação nacional, verificando-se um caudal mássico de emissão inferior aos caudais mássicos mínimos estabelecidos nesta, para as chaminés 1, 2, 4 e 6. As últimas medições foram realizadas em Dezembro de 2008, tendo sido requerida autorização à CCDR-Norte para realizar as próximas medições até Dezembro de A chaminé 5 deixou de ser monitorizada pelo facto de ter potência inferior a 100 kw. A chaminé 3 foi desactivada, tendo sido construída uma nova fonte, a chaminé 7, com entrada em funcionamento e respectivo auto-controlo em O auto-controlo é efectuado por entidades externas acreditadas e são enviados os resultados para a entidade competente (CCDR-N) dentro dos prazos estabelecidos (60 dias após a amostragem). Em 2009 foi publicada nova legislação que se aplica a esta nova chaminé, sendo que para as restantes, uma vez que se encontravam em funcionamento e em regime de dispensa, os novos valores serão tidos em consideração na próxima monitorização (2011). No entanto, é de referir que, de acordo com as medições que foram efectuadas no passado, se prevê que as emissões estarão a cumprir os novos VLE. No quadro abaixo podemos verificar a evolução dos valores da qualidade das emissões para a atmosfera dos últimos 4 anos, relativos às fontes fixas existentes na GESTAMP AVEIRO. Ponto de Controlo Parâmetro VLE 2005* 2006* * CO C C 17 Chaminé pintura1 (Queimadores estufa) NOX C C Chaminé pintura 2 (Exaustão estufa) Chaminé pintura 4 (Queimador) COT S 50 6 C C 3 COT S C C 1 CO 1000 A 9.5 C 5 NOX 1500 A 107 C 113 Chaminé pintura 6 (Lavagem de peças) COT S 50 A 13 C 1 COT S 50 B B 11 2 (*) - Média anual A - Chaminés construídas em entrada em funcionamento em 2007 B - Chaminé construída em 2007 C - De acordo com a legislação, nestas chaminés o auto-controlo é efectuado de 3 em 3 anos.

57 GASES QUE EMPOBRECEM A CAMADA DE OZONO Relativamente às substâncias que empobrecem a camada de ozono, designadamente os agentes refrigerantes que contêm HCFC, e aos gases com efeito estufa, existentes em aparelhos de ar condicionado e outros equipamentos de refrigeração, pode referirse que os mesmos estão devidamente identificados e que é efectuada a devida manutenção periódica, incluindo a verificação de fugas. No ano de 2010 foram detectadas fugas em dois equipamentos, que foram analisados e reparados, tendo sido efectuadas novas detecções no prazo de 30 dias para comprovar a efectiva correcção, de acordo com a legislação. Uma vez que estes gases não se encontram relacionados com o processo de fabrico da empresa, não são apresentados os dados relativos a desempenho. RESÍDUOS A GESTAMP AVEIRO tem implementado internamente um sistema de separação de resíduos, garantindo um destino económico e ambientalmente mais adequado para os mesmos. Todos os resíduos são identificados com o respectivo código LER e encaminhados para destino licenciado, sendo o transporte acompanhado da respectiva guia de acompanhamento de resíduos. 55 Conforme previsto na lei, a GESTAMP AVEIRO preenche anualmente, dentro dos prazos estabelecidos, o MIRR (Mapa Integrado de Registo de Resíduos) no portal do SIRAPA (ex-sirer - Sistema Integrado de Registo Electrónico de Resíduos), no qual possui o nº de estabelecimento APA Nos resultados apresentados na tabela seguinte podemos verificar a evolução da produção dos principais resíduos gerados pela GESTAMP AVEIRO nos últimos 3 anos.

58 EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DOS RESÍDUOS (KG) Resíduo Código LER Destino Aparas e Limalhas de Metais Ferrosos Aparas e limalhas de metais não ferrosos Valorização Valorização Emulsões não cloradas * Eliminação Outros óleos hidráulicos * Valorização Embalagens de papel e cartão Valorização Embalagens de plástico Valorização Embalagens de madeira Valorização Embalagens de vidro Valorização Absorventes, materiais filtrantes (incluindo filtros de óleo), panos de limpeza e vestuário de protecção, contaminados por substâncias perigosas Resíduos inorgânicos não abrangidos em Lamas do tratamento de águas residuais urbanas Mistura de gorduras e óleo/água, contendo apenas óleos e gorduras alimentares Lamas de outros tratamentos de águas residuais industriais, contendo substâncias perigosas Lamas de outros tratamentos de águas residuais industriais, não abrangidas em * Valorização* * Valorização Eliminação Eliminação * Eliminação Eliminação Carvão activado usado Eliminação Lâmpadas fluorescentes e outros resíduos contendo mercúrio * Valorização Óleos e gorduras alimentares Valorização Equipamento eléctrico e electrónico fora de uso não abrangido em , ou Outros resíduos urbanos e equiparados, incluindo misturas de resíduos Valorização Eliminação * Resíduo perigoso segundo o anexo I da Portaria 209/2004 ** Em 2008 e 2009 o operador encaminhava o resíduo para eliminação

59 Alguns indicadores relativos à produção de resíduos são apresentados, bem como algumas considerações importantes referentes a fluxos específicos: Resíduos totais gerados Este indicador apresenta a quantidade de resíduos produzidos, na sua totalidade, comparativamente ao Valor Acrescentado Bruto da empresa ao longo dos últimos anos. QUANTIDADE RESÍDUOS TOTAL (TON) / VAB (MILHÃO DE ) 1.295, , , RESÍDUOS TOTAIS GERADOS Unidade Quantidade de Resíduos , , ,20 Ton Valor Acrescentado Bruto (VAB) 13,26 10,36 15,39 Milhões Quantidade de Resíduos/VAB 1.295, , ,91 Ton/ Milhões 57

60 Resíduos totais gerados sem sucata Considerando que uma grande parte dos resíduos gerados na empresa são as aparas e limalhas de metais ferrosos (sucata), considera-se oportuno apresentar o cálculo do indicador anterior, excluindo o valor da sucata. QUANTIDADE RESÍDUOS, SEM SUCATA (TON) / VAB (MILHÃO DE ) 35,39 36,16 25, RESÍDUOS TOTAIS GERADOS SEM SUCATA Unidade Quantidade de Resíduos 469,18 374, Ton Valor Acrescentado Bruto (VAB) 13,26 10,36 15,39 Milhões Quantidade de Resíduos/VAB 35,39 36,16 25,78 Ton/ Milhões 58

61 Resíduos perigosos gerados Inclui diversos códigos LER, sendo os mais significativos associados a absorventes e outros materiais contaminados, águas oleosas, suspensões aquosas, óleos hidráulicos, lamas da ETARI e do processo de fosfatação. QUANTIDADE RESÍDUOS PERIGOSOS (TON) / VAB (MILHÃO DE ) 7,1 5,7 5, RESÍDUOS PERIGOSOS GERADOS Unidade Quantidade de Resíduos 75,82 73,19 80,73 Ton Valor Acrescentado Bruto (VAB) 13,26 10,36 15,39 Milhões Quantidade de Resíduos/VAB 5,72 7,06 5,25 Ton/ Milhões Os resíduos perigosos gerados podem ser eliminados ou valorizados. A determinação do destino a conferir aos resíduos é da responsabilidade da empresa. Abaixo apresenta-se a quantidade total, consoante o destino que lhes é conferido. 59 RESÍDUOS PERIGOSOS ELIMINADOS/ VALORIZADOS Unidade Quantidade de Resíduos Eliminados Quantidade de Resíduos Valorizados 70,245 70,900 37,513 Ton 5,578 2,294 43,215 Ton

62 Resíduos não perigosos gerados Inclui diversos códigos LER, sendo os mais significativos associados a resíduos equiparados a urbanos, madeira, papel, cartão, lamas das ETARs e carvão activado. Excluem-se dos cálculos a sucata e os resíduos de construção e demolição QUANTIDADE RESÍDUOS NÃO PERIGOSOS (TON) / VAB (MILHÃO DE ) 27,8 25,2 20, RESÍDUOS NÃO PERIGOSOS GERADOS Unidade Quantidade de Resíduos 368, , ,49 Ton Valor Acrescentado Bruto (VAB) 13,26 10,36 15,39 Milhões Quantidade de Resíduos/VAB 27,81 25,21 20,53 Ton/ Milhões Os resíduos não perigosos gerados podem ser eliminados ou valorizados. A determinação do destino a conferir ao resíduo é da responsabilidade da empresa. Abaixo apresenta-se a quantidade total consoante o destino que lhes é conferido. 60 RESÍDUOS NÃO PERIGOSOS ELIMINADOS/ VALORIZADOS Unidade Quantidade de Resíduos Eliminados Quantidade de Resíduos Valorizados 81,920 56,222 85,357 Ton 286, , ,373 Ton

63 Resíduos hospitalares Os resíduos do tipo hospitalar, produzidos no gabinete médico são separados, embalados e enviados para gestores licenciados. Dando cumprimento à legislação em vigor, a informação relativa aos resíduos hospitalares é disponibilizada através do SIRAPA (ex-sirer) nos prazos legalmente previstos. Resíduos de embalagem A GESTAMP AVEIRO aderiu à SPV (através do contrato EMB/ ) de forma a dar cumprimento ao disposto na legislação em matéria de gestão de resíduos de embalagem, transferindo, para esta entidade, a responsabilidade pela gestão dos resíduos das embalagens de cartão e madeira colocadas no mercado nacional. Óleos usados A GESTAMP AVEIRO efectua a separação e acondicionamento de óleos usados conferindo-lhes um destino licenciado. Pilhas e acumuladores A GESTAMP AVEIRO efectuou um protocolo de colaboração com a ECOPILHAS a 9 de Novembro de 2004, com o objectivo de garantir o correcto destino deste resíduo. RUÍDO Legislação aplicável O decreto-lei 9/2007 de 17 de Janeiro, que aprova o regulamento geral do ruído, define os limites admissíveis aplicáveis a zonas mistas (habitação, comércio, etc.), zonas sensíveis (apenas habitação) e zonas ainda não classificadas. A zona onde se encontra a GESTAMP AVEIRO, ainda não se encontra definida em mapa de ruído e, como tal, a análise da aplicabilidade do diploma é baseada nos valores definidos para zonas não classificadas. A medição do ruído foi efectuada no ponto sensível mais próximo: uma habitação localizada na periferia da zona industrial onde se encontra a fábrica, local esse onde, eventualmente, se poderia verificar alguma incomodidade. 61

64 Ponto Valor calculado Valor limite Te (h) Valor limite + D Análise do Crit. Incomodidade Valor calculado Valor limite Te (h) Valor limite + D Análise do Crit. Incomodidade Valor calculado Valor limite Te (h) Valor limite + D Análise do Crit. Incomodidade Resultados medições Em 2007, pela terceira vez, efectuou-se uma medição da incomodidade provocada pelo ruído proveniente das nossas instalações, no sentido de nos certificarmos acerca do cumprimento do referido Decreto-Lei. Os resultados verificados são apresentados nas tabelas abaixo: ANÁLISE DO CRITÉRIO DE INCOMODIDADE LAR,ra-LAeqrr (período diurno) [db(a)] LAR,ra-LAeqrr (período entardecer) [db(a)] LAR,ra-LAeqrr (período nocturno) [db(a)] Não Não Não P excede o excede o excede o limite limite limite ANÁLISE DOS VALORES LIMITE DE EXPOSIÇÃO Valores obtidos Classificação da zona Valores limite [db(a)] Ponto Valor medido Valor calculado Lden Ln Lden Ln Não Classificada P Verificação do critério diferencial do DL292/00 Não excede o DL 9/ ENERGIA Legislação aplicável Tendo em conta a legislação em vigor, relativa à gestão energética, a GESTAMP AVEIRO é considerada grande consumidor de energia pelo que em 2007, pela segunda vez, efectuou uma auditoria energética que suportou a elaboração do plano de racionalização para o quinquénio O plano foi posteriormente aprovado pela entidade competente, DGEG, entidade à qual se envia um relatório anual, resultante do acompanhamento efectuado por um técnico qualificado para o efeito, e se requer a respectiva aprovação.

65 Resultados CONSUMO DE ENERGIA (KGEP)/ CHAPA CONSUMIDA (TON) Consumo Objectivo No gráfico acima podem visualizar-se os valores da evolução do consumo específico de energia. Para a determinação do consumo especifico apresentado, de acordo com o plano mencionado anteriormente, apenas de consideram o consumo de energia eléctrica e de gás natural. Abaixo, apresenta-se um gráfico com o indicador relativo à Energia consumida (MWh) por VAB (milhões de ). ENERGIA (MWh) / VAB (MILHÕES DE )

66 ENERGIA CONSUMIDA Unidade Energia 8.348, , ,54 MWh Valor Acrescentado Bruto (VAB) 13,26 10,36 15,39 Milhões de Energia/VAB 629,66 550,45 623,87 MWh/milhões Energia eléctrica comprada GJ Gás natural comprado ,644 GJ Gasóleo comprado GJ Não é apresentado nenhum indicador relativo ao consumo de energias renováveis pois a empresa não tem forma de contabilizá-lo. No entanto, refere-se que a empresa tem 2 sistemas de aproveitamento de energia para aquecimento de águas: painel solar e recuperador de energia associado a circuito de refrigeração. ENERGIA ECONOMIZADA DEVIDO A MELHORIAS EM CONSERVAÇÃO E EFICIÊNCIA Ano Medida Energia poupada 2007 Paragem das prensas nos períodos de interrupção para as refeições 9,3 tep/ano Instalação de painel solar Controlo do regime de funcionamento da iluminação do sector produtivo Substituição de iluminação (pavilhão de logística) 0,8 tep/ano 34,9 tep/ano 35,7 tep/ano 2008 Paragem do compressor de ar comprimido durante o fim-de-semana 9,6 tep/ano Instalação de novo controlador de funcionamento na caldeira de aquecimento do edifício administrativo Diminuição do consumo de gás natural nos queimadores da pintura 0,2 tep/ano 16,8 tep/ano 64 Isolamento térmico nas tubagens Aproveitamento da energia térmica disponível num dos refrigeradores 0,7 tep/ano 4,7 tep/ano Substituição de iluminação (armazém de produto intermédio, gabinete AHST) 13,6 tep/ano 2009 Substituição de iluminação na pintura e armazém de componentes 9,1 tep/ano Utilização de iluminação de segurança à noite *** 2010 Substituição de iluminação na soldadura 41,8 tep/ano Monitorização do consumo de energia para fugas no sistema de ar comprimido *** *** Valor difícil de quantificar

67 Adesão ao programa GreenLight (ano de 2008) O programa GreenLight é uma iniciativa de carácter voluntário onde as entidades públicas ou privadas se comprometem perante a Comissão Europeia a reduzir a energia usada na iluminação. Ao aderir a este programa as entidades tornam-se Parceiros. O principal objectivo é a redução do consumo de energia associado à iluminação. Outro objectivo é a melhoria das condições de trabalho e, ao mesmo tempo, a redução de custos. O Programa assenta num compromisso, assinado pelo parceiro, que consiste em reabilitar a iluminação de forma a atingir determinada percentagem de redução. No caso da GESTAMP AVEIRO, conseguiram-se poupanças na ordem dos 70% face à existente num dos edifícios, através da instalação de tecnologias de iluminação energeticamente mais eficientes. O valor do investimento rondou os , proporcionando poupanças anuais na ordem dos Poderá encontrar referência à GESTAMP AVEIRO entre os Parceiros deste programa no site do programa: 65

68 EFICIÊNCIA DOS MATERIAIS De forma a evidenciar o fluxo mássico anual dos vários materiais utilizados, a GESTAMP AVEIRO considera que existem os seguintes grandes grupos: chapa, produtos químicos, embalagens de plástico, embalagens de cartão e embalagens de madeira. De seguida, apresentam-se os dados relativos aos seus consumos. Chapa A chapa é a matéria-prima utilizada no processo de estampagem. Para melhor se compreender o seu aproveitamento/desperdício, encontra-se neste indicador relacionada com a produção de sucata. CHAPA (TON) / SUCATA (TON) 2,34 2,53 2, Unidade Chapa consumida Ton Resíduos de sucata Ton Chapa/sucata 2,34 2,53 2,55 Ton/ton 66

69 Produtos químicos (P.Q.) Os Produtos Químicos são essencialmente utilizados no processo de tratamento de superfície (lavagem e pintura de peças), contudo também existe bastante consumo de óleos, entre outros produtos. Neste indicador, apresenta-se a relação do consumo de PQ com o VAB. PRODUTOS QUÍMICOS (TON) / VAB (MILHÕES DE ) 4,30 5,60 4, Unidade Consumo de P.Q. 57,00 58,05 73,80 Ton Valor Acrescentado Bruto (VAB) 13,26 10,36 15,39 Milhões de Consumo de P.Q./VAB 4,30 5,60 4,80 Ton/milhões de 67

70 Embalagens de plástico O plástico não é considerado propriamente matéria-prima, uma vez que o produto da GESTAMP AVEIRO são peças metálicas, contudo, uma vez que se trata de material de embalagem, o seu consumo encontra-se associado à venda das ditas peças. O indicador apresentado relaciona, então, as toneladas de plástico em função do Valor Acrescentado da empresa. CONSUMO DE PLÁSTICO (TON) / VAB (MILHÕES DE ) 2,64 2,01 1, Unidade Consumo de Plástico 26,65 27,36 26,54 Ton Valor Acrescentado Bruto (VAB) 13,26 10,36 15,39 Milhões de Consumo de Plástico/VAB 2,01 2,64 1,72 Ton/milhões de Embalagens de cartão 68 Tal como o plástico, o cartão também não é considerado propriamente matéria-prima, no entanto é também material de embalagem pelo que o seu consumo se encontra associado à venda de peças. O indicador apresentado relaciona, então, as toneladas de cartão em função do Valor Acrescentado da empresa. CONSUMO DE CARTÃO (TON) / VAB (MILHÕES DE ) 3,36 3,30 2,

71 Unidade Consumo de Cartão 44,50 22,18 50,80 Ton Valor Acrescentado Bruto (VAB) 13,26 10,36 15,39 Milhões de Consumo de Cartão/VAB 3,36 2,14 3,30 Ton/milhões de Embalagens de madeira De igual forma, a madeira não é considerada propriamente matéria-prima, no entanto, também se encontra relacionada com a venda de peças por se tratar de material de embalagem. O indicador apresentado relaciona, então, as toneladas de madeira em função do Valor Acrescentado da empresa. CONSUMO DE MADEIRA (TON) / VAB (MILHÕES DE ) 4,44 2,37 1, Unidade Consumo de Madeira 58,89 24,53 25,58 Ton Valor Acrescentado Bruto (VAB) 13,26 10,36 15,39 Milhões de Consumo de Madeira/VAB 4,44 2,37 1,66 Ton/milhões de 69

72 ACTIVIDADE COM FORNECEDORES A GESTAMP AVEIRO procura envolver os seus fornecedores de produtos e serviços no seu sistema de gestão ambiental, através da divulgação de requisitos ambientais definidos pela empresa, da divulgação da sua política e da sensibilização ambiental 41 Em relação aos fornecedores de bens incorporáveis no seu produto, a GESTAMP AVEIRO realiza a cada novo fornecedor um inquérito, como qual se procura constatar o nível de desempenho ambiental, bem como identificar os principais aspectos ambientais das suas actividades. O resultado obtido no inquérito ambiental é tido em conta na avaliação da performance de fornecedores, determinando as acções a empreender relativamente a cada um (solicitação de planos de acções de melhoria, realização de auditorias a fornecedores, exclusão de consulta em novos projectos). A certificação ambiental é um critério de majoração na avaliação dos nossos fornecedores. Do universo destes fornecedores, 44% detêm certificação ambiental (ISO e/ou EMAS). Contudo, ainda que a grande maioria não detenha esta certificação, a avaliação efectuada, mediante análise da resposta ao inquérito de desempenho ambiental (96% dos fornecedores responderam ao inquérito), é bastante boa. No gráfico apresentado, podem visualizar-se os resultados obtidos na avaliação de desempenho dos fornecedores, considerando-se, para tal, que os fornecedores ISO 14001/EMAS pertencem à Classe Bom. DESEMPENHO AMBIENTAL FORNECEDORES 6,3% 70 Bom (91%-100%) ou ISO 14001/EMAS Satisfaz (61%-90%) 33,3% 60,4% Não Satisfaz (0%-60%) 60,4% dos fornecedores obtiveram resultados superiores a 90%. 33,3% dos fornecedores obtiveram resultados entre 61% e 90%. 6,3% dos fornecedores obtiveram resultados inferiores a 60%.

73 MULTAS E/OU SANÇÕES No triénio , não existiram multas e/ou sanções relacionadas com questões ambientais. INVESTIMENTOS EM MATÉRIAS AMBIENTAIS A GESTAMP AVEIRO tem levado a cabo investimentos com o objectivo de reduzir danos futuros de carácter ambiental. Os elementos do activo, que podem ser considerados destinados à prevenção ou redução do impacto no meio ambiente, totalizavam a 31 de Dezembro de 2010 o valor de ,29. As Amortizações do Exercício desses elementos foram de ,43 enquanto a nível de Amortizações Acumuladas totalizava o montante de ,29. MONTANTES DISPENDIDOS NA MELHORIA DO MEIO AMBIENTE Valor ( ) Tratamento de Resíduos Perigosos Tratamento de Resíduos Não Perigosos Outros Total Em 2010 foram dispendidos os seguintes montantes para a protecção e melhoria do meio ambiente: Em 31 de Dezembro de 2010 não foi registado qualquer passivo contingente de carácter ambiental por a empresa entender que não existem obrigações que pudessem resultar em efeitos significativos nas demonstrações financeiras da empresa em 31 de Dezembro de

74 DESEMPENHO SOCIAL CONTEXTO SOCIAL CONDIÇÕES DE TRABALHO-EMPREGO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO RESPONSABILIDADE PELO PRODUTO

75 CONTEXTO SOCIAL TRABALHO SAUDÁVEL E INICIATIVAS SOCIAIS A garantia de uma gestão sustentável do capital humano passa pelo investimento em pessoas saudáveis. Uma vez que os colaboradores são quem mais contribuem para o desenvolvimento económico e social, a GESTAMP AVEIRO preocupada com a sua saúde, criou um serviço interno de saúde ocupacional, constituído por um serviço médico e de enfermagem de uma forma regular. Embora caiba à empresa apenas avaliar e controlar os riscos inerentes ao posto de trabalho para a saúde de cada pessoa, a GESTAMP AVEIRO vai mais além, promovendo a medicina (preventiva e curativa) de uma forma mais abrangente. O objectivo da medicina curativa é tratar os problemas de saúde existentes. O facto de a empresa ter este serviço interno, auxilia os seus colaboradores na obtenção de requisição de exames complementares, transcrição e prescrição de receitas e na existência de consultas, facilitando, assim, a sua vida e, ao mesmo tempo, colmatando falhas e dificuldades do Sistema Nacional de Saúde e reduzindo perdas de tempo nos seus horários de laboração. 73 A medicina preventiva é um ponto fulcral na GESTAMP AVEIRO, tendo em vista analisar todas as doenças inerentes e relacionadas com a actividade laboral desenvolvida. Tenta-se, por isso, criar condições que garantam um elevado grau de qualidade de vida no trabalho, protegendo a saúde dos colaboradores, promovendo o seu bem-estar físico e mental, prevenindo a doença e reduzindo os acidentes de trabalho.

76 O ano de 2010 foi o ano da consolidação da Área de Saúde Ocupacional com o início de uma actividade coordenada e devidamente calendarizada, dando o apoio curativo/preventivo de uma forma integral. Na actividade preventiva (englobando exames de admissão, periódicos e ocasionais) foram realizados 622 exames e na actividade curativa foram realizadas 889 consultas. Nos serviços de enfermagem foram registados 8482 actos. Toda a informação clínica foi processada informaticamente. Também foi feita uma monitorização anual de todos os colaboradores, com inclusão dos mesmos em protocolos específicos, tendo em conta a sua função e área de trabalho. Durante o ano foi prestada ajuda médica e medicamentosa, com disponibilização de fármacos urgentes a todos os colaboradores que foram acometidos de doença. No 4º trimestre de 2010 foram ministradas 169 vacinas antigripais, disponibilizadas gratuitamente a todos os colaboradores que nela manifestaram interesse. Seguro de Saúde Gratuito - desde 2008 que a GESTAMP AVEIRO oferece um seguro de saúde aos seus colaboradores, permitindo que, em articulação com o nosso médico de trabalho, todos possam ter acesso a um conjunto de especialidades médicas de uma forma mais célere. Parceria com uma Farmácia - em 2010, a GESTAMP AVEIRO criou uma parceria com uma Farmácia, o que permite que todos os seus colaboradores, e o respectivo agregado familiar, tenham um desconto de 15% em todos os medicamentos e, ainda, a possibilidade de entrega diária dos medicamentos nas instalações da empresa. 74 Preocupação com a vida saudável dos colaboradores esta é uma constante no dia-adia da empresa. A GESTAMP AVEIRO implementou um conjunto de iniciativas para fomentar a vida saudável dos seus colaboradores, tais como: substituição dos sumos gaseificados da cantina por sumos ricos em vitamina D; oferta de uma peça de fruta juntamente com a refeição; organização de caminhadas e actividades que envolvam o desporto; campanha anti-tabaco, onde são disponibilizadas consultas gratuitas aos colaboradores. Neste momento está a criar-se uma rede de protocolos com várias empresas/entidades, nomeadamente com oculistas e dentistas. Cesta da Mamã e do Papá - em 2010, continuou o projecto Cesta da Mamã e do Papá, que consiste na comparticipação das 4 doses da Prevenar para todos os filhos recémnascidos dos colaboradores, com um vínculo à GESTAMP AVEIRO de, pelo menos, um ano. Esta iniciativa abraçou 13 recém-nascidos, num valor total de 2100,78. Comparticipação da GESTAMP AVEIRO na compra de livros escolares - outra iniciativa implementada foi o Apoio aos Livros Escolares para todos os colaboradores efectivos com filhos que frequentem a escola do 1º ao 12º ano, o que se traduziu num apoio percentual dos manuais escolares de acordo com os escalões do abono de família. Esta iniciativa abrangeu 49 colaboradores, correspondendo à comparticipação de livros a 60 estudantes, num valor total de 3155,38 de comparticipação.

77 Festa de Natal das Crianças - em Dezembro de 2010, foi realizada a Festa de Natal das Crianças dos 0 aos 10 anos, tendo sido criada uma Comissão da Festa de Natal, constituída por trabalhadores de vários departamentos, possibilitando que todos tivessem uma participação activa neste evento, deixando de ser, como até então, exclusivamente organizado pelo Departamento de Recursos Humanos. 75

78 CONDIÇÕES DE TRABALHO EMPREGO TOTAL DE MÃO-DE-OBRA POR TIPO DE EMPREGO E TIPO DE CONTRATO EVOLUÇÃO DO Nº DE EFECTIVOS / Nº DE CONTRATADOS 75% 76% 72% Efectivos Prazo 25% 24% 28% Ano Efectivos Prazo Nº Total Em 2010, o número total de colaboradores aumentou 9%, em relação ao ano anterior. Este aumento significativo deve-se essencialmente ao arranque do projecto Sharan. 76 Podemos constatar através do gráfico que, em 2010, houve um decréscimo da percentagem de efectivos relativamente ao número total de colaboradores deste ano, pois houve a necessidade de recrutar novos colaboradores para fazer face ao aumento da produção

ESTRATÉGIA E ANÁLISE 05 PERFIL ORGANIZACIONAL 13 GOVERNAÇÃO, COMPROMISSOS E ENVOLVIMENTO 24 DESEMPENHO ECONÓMICO 34 DESEMPENHO AMBIENTAL 43

ESTRATÉGIA E ANÁLISE 05 PERFIL ORGANIZACIONAL 13 GOVERNAÇÃO, COMPROMISSOS E ENVOLVIMENTO 24 DESEMPENHO ECONÓMICO 34 DESEMPENHO AMBIENTAL 43 CONTEÚDOS 01 ESTRATÉGIA E ANÁLISE 05 02 PERFIL ORGANIZACIONAL 13 03 GOVERNAÇÃO, COMPROMISSOS E ENVOLVIMENTO 24 04 DESEMPENHO ECONÓMICO 34 05 DESEMPENHO AMBIENTAL 43 06 DESEMPENHO SOCIAL 84 07 GLOSSÁRIO

Leia mais

ÍNDICE # 01 ESTRATÉGIA E ANÁLISE 03

ÍNDICE # 01 ESTRATÉGIA E ANÁLISE 03 2 RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2012 ÍNDICE # 01 ESTRATÉGIA E ANÁLISE 03 ÂMBITO DO RELATÓRIO VISÃO / VALORES / MISSÃO POLÍTICA DA EMPRESA MENSAGEM DA DIREÇÃO GERAL # 02 PERFIL ORGANIZACIONAL 08 APRESENTAÇÃO

Leia mais

ESTRATÉGIA E ANÁLISE ÂMBITO DO RELATÓRIO VISÃO / VALORES / MISSÃO POLÍTICA DA EMPRESA MENSAGEM DA DIREÇÃO GERAL

ESTRATÉGIA E ANÁLISE ÂMBITO DO RELATÓRIO VISÃO / VALORES / MISSÃO POLÍTICA DA EMPRESA MENSAGEM DA DIREÇÃO GERAL ÍNDICE PÁG. 03 PÁG. 08 PÁG. 14 PÁG. 22 01 02 03 04 ESTRATÉGIA E ANÁLISE ÂMBITO DO RELATÓRIO VISÃO / VALORES / MISSÃO POLÍTICA DA EMPRESA MENSAGEM DA DIREÇÃO GERAL PERFIL ORGANIZACIONAL APRESENTAÇÃO DA

Leia mais

ÍNDICE ESTRATÉGIA E ANÁLISE PERFIL ORGANIZACIONAL GOVERNAÇÃO, DESEMPENHO ECONÓMICO DESEMPENHO AMBIENTAL DESEMPENHO SOCIAL GLOSSÁRIO 64 TABELA GRI 66

ÍNDICE ESTRATÉGIA E ANÁLISE PERFIL ORGANIZACIONAL GOVERNAÇÃO, DESEMPENHO ECONÓMICO DESEMPENHO AMBIENTAL DESEMPENHO SOCIAL GLOSSÁRIO 64 TABELA GRI 66 ÍNDICE ESTRATÉGIA E ANÁLISE ÂMBITO DO RELATÓRIO VISÃO VALORES MISSÃO POLÍTICA DA EMPRESA MENSAGEM DA DIREÇÃO GERAL 03 PERFIL ORGANIZACIONAL GOVERNAÇÃO, COMPROMISSOS E ENVOLVIMENTO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA

Leia mais

Indicadores Ambientais

Indicadores Ambientais Indicadores Ambientais / Desempenho Em, publicámos o nosso primeiro Relatório Ambiental, como forma de divulgar os nossos esforços e resultados na área da protecção ambiental. A presente publicação deve

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A

Leia mais

ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração. www.apcer.pt

ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração. www.apcer.pt ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração www.apcer.pt AGENDA Apresentação APCER Desenvolvimento ERS3002 Conteúdo da ERS3002 Metodologias de auditorias Associação constituída em Abril 1996

Leia mais

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende SEMINÁRIO: QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ÃO Porto, 3 e 4 de Novembro de 2005 O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende Carla Dias carla.dias@cm-esposende.pt

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente

Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Sistema Integrado de Gestão da Qualidade e Ambiente Concelho de Esposende Distrito de Braga 15 Freguesias Área - Cerca de 95 Km2 População - 33.325 habitantes ( x 3 na época balnear ) Orla Costeira Parque

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal

Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal Lisboa, 30 de Dezembro Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação

Leia mais

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Eu, abaixo-assinado/a, declaro que a organização que represento solicita a sua admissão como Membro do Cluster Ambiental 2Bparks e

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1 MANUAL DA QUALIDADE Rev.: 02 Data: 05-07-2013 pág. 1 Designação Social: Dupliconta Sociedade de Contabilidade, Consultadoria e Gestão Lda. Morada: Caminho do Pilar, Conjunto Habitacional do Pilar, Lote

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Prémio Ambiental ZFI Regulamento do Concurso Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Regulamento do Concurso Prémio Ambiental ZFI A certificação

Leia mais

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental Conteúdos Complementares ao Manual 1 Gestão do Ciclo de Vida do Produto 1.1 A Perspectiva do Ciclo de Vida nas Organizações 1.2 Avaliação do Ciclo de Vida 1.2.1 Introdução 1.2.2 Avaliação Qualitativa 1.2.3

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Responsabilidade Social Empresarial Agenda Quem Somos? O que produzimos Informações Úteis Ideias - chave sobre Responsabilidade Social Empresarial (RSE) Nosso Conceito de RSE, baseado na Missão e Valores

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3 INQUÉRITO EUROPEU DAS PME E O MEIO-AMBIENTE Bem-vindo ao inquérito europeu sobre as PMEs e o meio-ambiente. O questionário deve demorar entre 5-10 minutos para ser concluído. Obrigado! Instituto Tecnológico

Leia mais

Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014

Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014 Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014 Soluções para coberturas Telhas e acessórios cerâmicas Fibrocimento Complementos para

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa

Análise de sustentabilidade da empresa Análise de sustentabilidade da empresa Em 2013, a NAV Portugal manteve a prática de integração dos princípios de sustentabilidade nas políticas e processos da sua gestão, como suporte à promoção do seu

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação

Leia mais

Gestão de Instalações Desportivas

Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Instalações Desportivas Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Módulo 10 sessão 3 Gestão de Instalações Desportivas 1.3. Sistemas integrados de qualidade, ambiente e segurança Ambiente,

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Certificação de Sistemas de Gestão ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Sumário 1. Certificação de Sistemas de Gestão Qualidade (ISO 9001:2000); 2. Certificação de Sistemas de Gestão Ambiental (ISO 14001:2004);

Leia mais

FACILITIES MANAGEMENT

FACILITIES MANAGEMENT MINI MBA Potencialize a sua qualificação profissional Incremente a eficácia e rentabilidade da sua unidade de trabalho Eficiência operacional e redução de custos em FACILITIES MANAGEMENT Mini MBA Mais

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA MANUAL DE GESTÃO

CÓPIA NÃO CONTROLADA MANUAL DE GESTÃO MANUAL DE GESTÃO FERNANDES & PÁGINA 2 / 18 ÍNDICE PÁG. 1. PROMULGAÇÃO 3 2. APRESENTAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO 4 3. CAMPO DE APLICAÇÃO 11 4. POLÍTICA DA FERNANDES & 12 5. SISTEMA DE GESTÃO 13 FERNANDES & PÁGINA

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL. F.MODA INDÚSTRIA TÊXTIL,LDA Guimarães REG. Nº P-000014

DECLARAÇÃO AMBIENTAL. F.MODA INDÚSTRIA TÊXTIL,LDA Guimarães REG. Nº P-000014 DECLARAÇÃO AMBIENTAL F.MODA INDÚSTRIA TÊXTIL,LDA Guimarães REG. Nº P-000014 DECLARAÇÃO AMBIENTAL Índice 1. Politíca de Qualidade e Ambiente 2 2. Aspectos Gerais 3 3. Introdução 4 4. Apresentação da Empresa

Leia mais

Banking. Estudos de Remuneração 2012

Banking. Estudos de Remuneração 2012 Estudos de 2012 Estudos de Banking 2012 2 Nota preliminar pág. 3 Técnico de Tesouraria pág. 4 Banking Técnico de Controlo de Crédito pág. 5 Analista de Crédito Técnico de Back-Office Técnico de Derivados

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009 Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana Programas integrados de criação de Eco-Bairros 1. ENQUADRAMENTO GERAL A Autoridade de Gestão do Programa Operacional

Leia mais

acrescentamos valor ao seu negócio!!

acrescentamos valor ao seu negócio!! Conteúdo EMPRESA... 3 COMPETÊNCIAS... 4 MISSÃO E VALORES... 5 ONDE ESTAMOS... 6 PARCERIAS... 6 LISTA DE PRODUTOS COMERCIALIZADOS... 7 DIVISÃO AUTO... 7 SERVIÇOS TÉCNICOS PRESTADOS... 12 MANUTENÇÃO E REPARAÇÃO

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*)

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*) GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS José dos Santos Santiago (*) RESUMO: Apresenta-se, neste artigo, a metodologia a seguir para gerir, tratar a reutilizar os efluentes industriais,

Leia mais

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 2011/07/07 NOTA: No caso de imprimir este documento, o mesmo passa automaticamente a Cópia Não Controlada ; a sua utilização implica a confirmação prévia de que corresponde à

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL Uma Paixão pela Integridade Integridade em Acção - Conformidade nos Cuidados de Saúde A Conformidade nos Cuidados de Saúde é uma Responsabilidade de Todos A DePuy Synthes é reconhecida mundialmente pelas

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

Projecto de Lei nº /X

Projecto de Lei nº /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº /X ESTABELECE O REGIME APLICÁVEL À GESTÃO DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS Exposição de motivos: Os óleos alimentares usados são um resíduo não perigoso que carece de legislação

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

COMPETIR CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2010 - PLANO FORMATIVO. www.competiracores.com. Formação e Serviços, S.A. Design www.craveirodesign.

COMPETIR CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2010 - PLANO FORMATIVO. www.competiracores.com. Formação e Serviços, S.A. Design www.craveirodesign. Design www.craveirodesign.com COMPETIR Formação e Serviços, S.A. www.competiracores.com CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2010 - PLANO FORMATIVO Quem Somos A Competir-Açores está integrada no Grupo COMPETIR e estamos

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS PARLAMENTARES, AMBIENTE E TRABALHO RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005 PARA UMA

COMISSÃO DE ASSUNTOS PARLAMENTARES, AMBIENTE E TRABALHO RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005 PARA UMA RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005 PARA UMA ASSEMBLEIA AMIGA DO AMBIENTE Ponta Delgada, 13-1 - de Abril de 2005 RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO PROJECTO DE CENTRAL DE CICLO COMBINADO DO PEGO

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO PROJECTO DE CENTRAL DE CICLO COMBINADO DO PEGO TEJO ENERGIA Produção e Distribuição de Energia Eléctrica, S. A. ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO PROJECTO DA CENTRAL DE CICLO COMBINADO DO PEGO ADITAMENTO Nº DO TRABALHO: MF 2457 Nº DO DOCUMENTO: 01.RP.I

Leia mais

SERVIÇOS FINANCEIROS PROFISSIONAIS. www.svc.pt www.areaeconomica.net

SERVIÇOS FINANCEIROS PROFISSIONAIS. www.svc.pt www.areaeconomica.net SERVIÇOS FINANCEIROS PROFISSIONAIS www.svc.pt www.areaeconomica.net DEPARTAMENTOS E DIVISÕES Contabilidade e Fiscalidade [Accounting/Tax/Reporting] Oferecemos um serviço diferenciado no âmbito da execução

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento define as normas relativas à obtenção de rendimentos e realização de gastos, as regras

Leia mais

PROJECTO DE FUSÃO. Marinha Grande, 24 de Abril de 2007

PROJECTO DE FUSÃO. Marinha Grande, 24 de Abril de 2007 Este documento, apresentado como Modelo de Projecto de Fusão, resulta de um caso (processo de fusão) real. Na conjuntura actual, em que as entidades empresariais cada vez mais encaram processos de reorganização

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros Todas as actividades empresariais na Bristol-Myers Squibb (BMS) apoiam-se no alicerce do nosso compromisso com a integridade e a conformidade com todas as leis, regulamentos, directivas e códigos industriais

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Resolução do Conselho 2002/C161/01 Nova Estratégia Comunitária de Saúde e Segurança (2002 2006) Redução dos Acidentes de Trabalho

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL ENERGIN AZÓIA Empresa de Cogeração Industrial, S.A. CENTRAL DE COGERAÇÃO A INSTALAR NA SOLVAY PORTUGAL (PÓVOA DE SANTA IRIA, VILA FRANCA DE XIRA) ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO Maio de

Leia mais

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 Nos termos e para efeitos do disposto no n.º 2 do artigo 110.º do Decreto Legislativo Regional n.º 30/2010/A, de 15 de novembro, que estabelece

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita Foi aprovado pela tutela no ano de 2008 o Regulamento Interno do Centro Hospitalar do Porto que passou a reger a

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS #2 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que o sector da fabricação de equipamento

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita Sendo a STCP uma sociedade anónima, rege-se pelo previsto nos seus estatutos, aprovados pelo Decreto-Lei 202/94,

Leia mais

Escola de Condução Colinas do Cruzeiro

Escola de Condução Colinas do Cruzeiro Escola de Condução Colinas do Cruzeiro MANUAL DA QUALIDADE Índice 1. Índice 1. Índice 2 2. Promulgação do Manual da Qualidade 3 3. Apresentação da Empresa 4 3.1 Identificação da Empresa 4 3.2 Descrição

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL

OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL Que resíduos produz? Segundo o Decreto-Lei nº178/2006, de 5 de Setembro, entende-se por resíduos quaisquer substâncias ou objectos de que o detentor se desfaz ou tem a intenção

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Este guia foi produzido como parte da Campanha de Consciencialização Pan-Europeia sobre RSE, uma iniciativa da Comissão Europeia, Directoria

Leia mais

Laboratórios da DRAPC MANUAL DA QUALIDADE EDIÇÃO Nº DATA DESCRIÇÃO DA ALTERAÇÃO CAP. - PAG. Elaborado por: Aprovado por: Data:

Laboratórios da DRAPC MANUAL DA QUALIDADE EDIÇÃO Nº DATA DESCRIÇÃO DA ALTERAÇÃO CAP. - PAG. Elaborado por: Aprovado por: Data: MANUAL DA QUALIDADE EDIÇÃO Nº DATA DESCRIÇÃO DA ALTERAÇÃO CAP. - PAG. Elaborado por: Aprovado por: Data: ÍNDICE Pág. Cap. I ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DO MANUAL DA QUALIDADE 1. Promulgação 2 2. Gestão do

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

QUALIDADE NO 3.º SECTOR EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO DA RESPOSTA SOCIAL CRECHE. 20 de Maio 2008 Qualidade e Qualificação 3º Sector

QUALIDADE NO 3.º SECTOR EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO DA RESPOSTA SOCIAL CRECHE. 20 de Maio 2008 Qualidade e Qualificação 3º Sector QUALIDADE NO 3.º SECTOR EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO DA RESPOSTA SOCIAL CRECHE 20 de Maio 2008 Qualidade e Qualificação 3º Sector Enquadramento para a Qualidade Estratégia de Desenvolvimento; Diferenciação;

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA Entidade Auditada: BIBLIOTECA MUNICIPAL SANTA MARIA DA FEIRA Tipo de Auditoria: Auditoria Interna Data da Auditoria: 09.12.2014 Duração: 1 dia Locais Auditados: Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa / 4520-606

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

Madeira Impex Electro Mecânica

Madeira Impex Electro Mecânica Madeira Impex Electro Mecânica A Madeira Impex foi criada no ano de 1959; Sector automóvel, importadora para a R.A.M da Mercedes Benz; Desde 1 de Agosto de 2000 é concessionário e oficina autorizada da

Leia mais

INFRAQUINTA. Afirmação de uma Cultura Ambiental. "Modelos de Gestão no Sector do Turismo. Albufeira, 22 Abril 2009

INFRAQUINTA. Afirmação de uma Cultura Ambiental. Modelos de Gestão no Sector do Turismo. Albufeira, 22 Abril 2009 INFRAQUINTA Afirmação de uma Cultura Ambiental "Modelos de Gestão no Sector do Turismo Albufeira, 22 Abril 2009 AGENDA 1. A INFRAQUINTA Génese Estrutura Accionista Organograma Missão Competências 2. O

Leia mais

Governação Hospitalar

Governação Hospitalar Aviso: Este projecto encontra-se em fase-piloto e, sem autorização, não pode ser usado para outros fins. Se necessário, contacte o coordenador do DUQuE através de duque@fadq.org Governação Hospitalar em

Leia mais

A GESTÃO DE RESÍDUOS NO SECTOR DA PRODUÇÃO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO. - Introdução à implementação de um Sistema de Gestão de Resíduos -

A GESTÃO DE RESÍDUOS NO SECTOR DA PRODUÇÃO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO. - Introdução à implementação de um Sistema de Gestão de Resíduos - A GESTÃO DE RESÍDUOS NO SECTOR DA PRODUÇÃO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO - Introdução à implementação de um Sistema de Gestão de Resíduos - Raquel N. FIGUEIREDO Eng.ª Ambiente, Águas do Cávado, SA, Lugar

Leia mais

Política Obrigatória Fevereiro 2013. A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política Obrigatória Fevereiro 2013. A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política Obrigatória Fevereiro 2013 A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política Obrigatória Fevereiro 2013 Autor/ Departamento Segurança, Saúde e Sustentabilidade Ambiental Público-alvo

Leia mais

Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja

Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja Estudo de Mercado Fiabilidade de Leitura em Loja Decorreu no primeiro trimestre 2009, um estudo de avaliação de implementação e desempenho dos códigos de barras comerciais, no âmbito do espaço nacional.

Leia mais

ANEXO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

ANEXO COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 2.12. COM() 614 final ANNEX 1 ANEXO da COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES Fechar o ciclo

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122

Fazer hoje melhor do que ontem. Manual da Qualidade. Versão 19 de 20100122 Fazer hoje melhor do que ontem Manual da Qualidade Índice Parte 1 - Estrutura da organização Breve enquadramento histórico Organograma Parte 2 - Personalidade da organização Modelo de enquadramento da

Leia mais

Ser uma Empresa responsável na gestão dos seus recursos e em todas as suas actuações face aos accionistas, aos clientes e à sociedade em geral.

Ser uma Empresa responsável na gestão dos seus recursos e em todas as suas actuações face aos accionistas, aos clientes e à sociedade em geral. 1 CEPSA A Empresa está consciente da necessidade de associar uma gestão industrial eficaz à vigilância atenta do impacto no meio ambiente, bem como à operação das instalações de produção usando processos

Leia mais

Descrição do Projecto Proposta de actividades

Descrição do Projecto Proposta de actividades ACÇÃO TÉCNICA E DIDÁCTICA PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E A QUALIDADE DO AR INTERIOR NAS ESCOLAS DA RAM (EEQAI-) Descrição do Projecto Proposta de actividades 1 (Versão 3: Maio de 2011) PARCEIROS: AREAM

Leia mais