AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO DE INTERVENÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO DE INTERVENÇÃO"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO DE INTERVENÇÃO REINVENTANDO A ESCOLA

2 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO... 3 II. MONITORIZAÇÃO DAS AÇÕES MELHORAR A QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS E DOS RESULTADOS ESCOLARES Articulação curricular e pedagógica Ampliação da oferta educativa Acompanhamento familiar Ensino experimental das ciências CRIAR UM AMBIENTE FAVORÁVEL AO SUCESSO EDUCATIVO Indisciplina - Prevenção e Acompanhamento Responsabilidade partilhada Escola de Todos Educação em Cidadania Segurança Educação Artística Educação para a Saúde MELHORAR A QUALIDADE E QUANTIDADE DOS RECURSOS MATERIAIS Melhoria de espaços Horários Biblioteca Itinerante Mais ambiente, mais escola Reforço e atualização do Hardware e Software APOIAR AÇÕES DE INFORMAÇÃO, SENSIBILIZAÇÃO E DE FORMAÇÃO DO PESSOAL DOCENTE E NÃO DOCENTE Formação contínua do pessoal não docente Formação contínua do pessoal docente III. RESULTADOS DA AÇÃO EDUCATIVA A. Medidas de apoio educativo B. Atividades de Enriquecimento Curricular C. Clubes D. Plano Anual de Atividades E. Disciplina F. Encarregados de Educação G. Sucesso escolar IV. CONCLUSÃO

3 I. INTRODUÇÃO Decorridos quatro anos da tomada de posse desta Direção, chegou o momento de proceder à avaliação final do grau de execução do Projeto de Intervenção Reinventando a Escola, sufragado em Esta avaliação final surge na sequência da avaliação intermédia realizada no final do primeiro biénio, no ano letivo de 2010/11. Ao longo destes quatro anos, o referido projeto norteou a elaboração de todos os documentos orientadores da atividade do Agrupamento: o Projeto Educativo, o Projeto Curricular, o Plano Anual de Atividades e o Plano de Formação. Contempla, assim, objetivos, medidas e ações a desenvolver, numa lógica de procura de qualidade sobre os quais importa, neste momento, refletir. Esta prática de autorregulação foi, aliás, domínio considerado prioritário por esta Direção, tendo estado sempre presente em todas as estruturas pedagógicas que dão corpo à ação educativa deste Agrupamento. A elaboração deste relatório representa, assim, mais um momento em que a avaliação das práticas poderá constituir, com a desejável consistência, uma sólida base para o trabalho a desenvolver no próximo quadriénio. II. MONITORIZAÇÃO DAS AÇÕES A avaliação agora levada a efeito concretiza o objetivo de refletir sobre o grau de consecução das ações propostas no Projeto de Intervenção e permitir possíveis reajustamentos no sentido da melhoria contínua. As ações implementadas contemplaram não só o domínio dos saberes, mas também a educação em cidadania, pilares fundamentais do Projeto Educativo. 3

4 1. MELHORAR A QUALIDADE DAS APRENDIZAGENS E DOS RESULTADOS ESCOLARES. 1.1 Articulação curricular e pedagógica MEDIDAS PROGRAMADAS OPERACIONALIZAÇÃO DAS MEDIDAS 2009/ / / /2013 Representação no Conselho Pedagógico do departamento de Pré-escolar, criado em 2010/2011. Reuniões entre Coordenadores de ciclo. Reuniões entre docentes de vários níveis. Reuniões de trabalho entre Coordenadores de Departamento. Reuniões de trabalho entre a Coordenadora dos Conselhos Curriculares de Anos (1º ciclo) e o Coordenador e Subcoordenador de DT (2º e 3º ciclos). Integração da educadora de infância no Conselho Curricular de Pré, 1º e 2º anos. A partir de 2010, o pré-escolar passou a ter conselho curricular próprio. Projetos Curriculares/Trabalho de Turma articulação ao nível das competências a priorizar e apoios a desenvolver - reuniões entre os professores de 4º ano e os diretores de turma do 5ºano e entre os diretores de turma do 6º e os de 7º ano. Articulação entre os Projetos de Grupo e os Projetos Curriculares/Trabalho de Turma a iniciar no 1º ano. Constituição de turmas realizada com o contributo dos professores titulares / diretores de turma do ano letivo anterior e com a supervisão do Coordenador e Subcoordenador dos Diretores de Turma. Reuniões dos apoios educativos/educação especial com professores que integram os três ciclos. Reuniões de articulação entre os professores titulares de turma de 4º ano e Diretores de turma de 5º ano. Em 2012/2013, também com o conselho de turma. 4

5 Reuniões entre responsáveis curriculares de Inglês, Ed. Física e Educação Musical, docentes das AEC s e coordenadores de ano. Reuniões entre docentes do Pré-Escolar e do 1º ciclo, entre docentes do 1º e do 2º ciclo e entre docentes do 2º e 3º ciclo. Atividades de intercâmbio entre escolas do Agrupamento. Reorganização das aulas de substituição. Em Estudo Acompanhado criar grupos de nível para alunos de Língua Portuguesa Não Materna. Planificação das Atividades de Enriquecimento Curricular (AEC) professores das AEC, coordenadora de Departamento de 1º ciclo, responsáveis dos Conselhos Curriculares de Inglês, Educação Física e Educação Musical e respetivos Coordenadores de Departamento (aprovação em Conselho Pedagógico). Planificação das AEC com a colaboração dos Professores Bibliotecários. Monitorização das AEC com o envolvimento das estruturas pedagógicas atrás identificadas. Cooperação entre docentes de Educação Musical e professores de Expressão Musical nas AEC. Articulação ao nível da caracterização dos alunos - educadores com professor do 1º ano; professores do 4º ano com Diretores de Turma do 5º ano; Diretores de Turma do 6º ano com os do 7º ano. Articulação entre docentes do Conselho Curricular de Informática e docentes do 1º ciclo no âmbito das TIC. Participação de alunos dos 1º e 2º ciclos nos meeting de atletismo. Aulas de substituição - aplicação de fichas elaboradas pelo Conselho de Turma, realização de atividades no âmbito do Plano Nacional de Leitura e apoio à realização de TPC ou outras atividades de estudo. Plano de Atividades a desenvolver nas OTE, elaborado pelos conselhos de turma. Protocolo de cooperação entre o Agrupamento e o Instituto de Linguística Teórica e Computacional (ILTEC) - docentes dos três ciclos asseguram o projeto Bilinguismo aprendizagem do português L2 e sucesso educativo na Escola Portuguesa na vertente Criação e Aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos de Português Língua Não Materna. O projeto, com a duração de três anos, cessou em 2011/

6 Continuidade Pedagógica como primeiro critério na distribuição de serviço. Reuniões entre responsáveis curriculares de LP, MAT e Inglês do 2º ciclo e docentes de 4º ano. Clube de Matemática e Oficina de Línguas. Criação de um Centro de Estudos Digital. Em Área de Projeto desenvolvimento de um tema transversal comum a todo o Agrupamento. Aulas de apoio de PLNM experimentação de materiais, elaborados internamente, a publicar pelo ILTEC. O projeto, com a duração de três anos letivos, cessou em 2011/2012. Acompanhamento dos alunos de PLNM nas aulas de Ciências da Natureza e de Matemática apenas no ano letivo de 2010/2011. Distribuição de serviço tendo em conta a continuidade pedagógica. Coordenadora do Departamento do 1º ciclo reúne com a Coordenadora do Departamento de Línguas e com a docente que presta apoio ao 1º ciclo no âmbito do PAM. Em 2012/2013 deixou de haver crédito horário para o PAM. Atribuição de Tempo a decidir pela escola sob a forma de oficinas: Praticamente, Oficinas de Música, Línguas, Leitura e História. Em 2012/2013 atribuição da disciplina de Educação em Cidadania. Centro de Recursos Digital - atividades pedagógicas das áreas/disciplinas dos três ciclos, às quais têm acesso os alunos e famílias. Sequencialização de atividades a desenvolver em todos os anos de escolaridade na área de Formação Cívica. Em 2012/2013, esta área foi substituída por Educação em/para a Cidadania, com programa criado em CP. Estruturação das grelhas de avaliação ACND a incluir nos Projetos Curriculares/Trabalho de Turma. Em 2012/2013 apenas existiu na matriz curricular do 1º ciclo. IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS NÃO PROGRAMADAS NO PROJETO DE INTERVENÇÃO Documento orientador da articulação entre ciclos - identificação por área disciplinar e ano dos conteúdos programáticos imprescindíveis à articulação vertical e horizontal dos currículos. 2009/ / / /2013 Operacionalização do documento orientador da articulação entre ciclos. Clube Scratch Time - aprofundamento da abordagem transdisciplinar de saberes diversos abrangendo alunos de 5ºano acompanhados por colegas de 7º ano. Em 2012/2013 abrangeu, também, o 9º ano. 6

7 Biblioteca Escolar articulação das atividades com os departamentos, com a educação de adultos e com o Centro Novas Oportunidades, nomeadamente, no âmbito do Plano Nacional de Leitura, na realização de exposições, debates, concertos e palestras e com o Clube Europeu. Centro Novas Oportunidades - sensibilização dos alunos dos três ciclos e dos encarregados de educação para a importância da aprendizagem ao longo da vida. Este Centro foi encerrado em março de Aplicação de testes intermédios em Matemática (8º e 9º anos) em 2009/2010. A partir desse ano, generalização da aplicação de testes intermédios em todos os ciclos: Matemática (8º e 9º anos); Português, Inglês, História, Ciências Naturais, Físico-Química e Geografia (9º ano); 1º ciclo Português e Matemática (2º ano). Uniformização de documentos utilizados nos Conselhos de Turma (ex: PIT, PEST, Planos de Recuperação, Desenvolvimento e Acompanhamento). PAM docente do 2º ciclo presta apoio a turmas do 1º ciclo. Em 2012/2013 deixou de haver crédito horário para o PAM. Critérios gerais de avaliação constituem referenciais comuns no agrupamento, aprovados pelo Conselho Pedagógico e operacionalizados pelos Conselhos de Turmas e Professores Titulares de Turma, no âmbito do respetivo Projeto Curricular/Trabalho de Turma. Em 2012/2013, foi desenhado um perfil do aluno e reformulados os critérios de avaliação. Sessões de preparação para as provas finais de 6º e 9º ano, após o término das aulas. Da análise das medidas programadas para a Articulação Curricular e Pedagógica, conclui-se que todas foram implementadas, sendo que o Plano de Ação da Matemática terminou em 2011/2012 e o Centro Novas Oportunidades cessou a sua atividade no presente ano letivo, por motivos não imputáveis à escola. A aplicação das medidas preconizadas no Projeto de Intervenção demonstra o investimento na articulação curricular e pedagógica, tal como se pode verificar no extrato do relatório da IGEC a seguir transcrito: A frágil articulação vertical entre o 1.º e 2.º ciclos constituía um dos pontos fracos identificados na anterior avaliação externa. Nos anos seguintes, o Agrupamento apostou no campo da articulação, nas suas diversas vertentes. Com efeito, além de o mesmo representar um dos objetivos centrais do projeto educativo, o Agrupamento tem desenvolvido um conjunto de ações que visam contribuir para a sequencialidade das aprendizagens e para a integração das crianças/alunos. ( ) A este nível merece também destaque a elaboração de um documento, pelo conselho pedagógico, intitulado articulação curricular entre ciclos. ( ) Numa vertente mais horizontal, há a destacar as melhorias verificadas na articulação entre os docentes titulares de turma e os responsáveis pelo desenvolvimento das atividades de enriquecimento curricular, área que constituía, igualmente, uma das fragilidades da última avaliação externa. Presentemente, as práticas desenvolvidas (sessões de trabalho, realização de atividades, por exemplo) concorrem, na verdade, para uma articulação mais consistente. ( ) 7

8 No entanto, como se pode ler no mesmo relatório, há ainda aspetos a melhorar que importa considerar para o futuro: ( ) há ainda um caminho a percorrer, em especial no âmbito da gestão vertical do currículo, entre os três ciclos do ensino básico, aspeto corroborado pela própria autoavaliação do Agrupamento que, em 2011, identificou esta fragilidade. ( ) Apesar da relevância deste trabalho (documento de articulação elaborado pelo CP), registaram-se evidências, em alguns casos, que apontam para uma fraca eficácia do mesmo, no âmbito da articulação curricular pretendida. ( ) In Relatório da IGEC, pág.5/6, Avaliação Externa, janeiro/ Ampliação da oferta educativa MEDIDAS PROGRAMADAS OPERACIONALIZAÇÃO DAS MEDIDAS 2009/ / / /2013 Percursos alternativos para alunos não abrangidos pelo DL 3/2008. Constituição de uma turma de Percursos Curriculares Alternativos (PCA), na área de informática. Em 2012/2013, constituição de uma turma de Percursos Curriculares Alternativos (PCA). O curso terminou em 2010/2011. CEF- tipo II e III. Candidatura e constituição de uma turma do Curso de Educação e Formação (CEF Tipo II) de Práticas Administrativas com intervenção da psicóloga e da mediadora EPIS. O curso terminou em 2011/2012. Candidatura a um Curso de Educação e Formação (CEF Tipo III) de Informática. Constituição de uma turma. O curso terminou em 2011/2012. Espanhol. No ensino regular não foi possível implementar a disciplina de Espanhol devido à inexistência de um docente do quadro, Cursos EFA de dupla certificação. Formações Modulares detentor de formação adequada. Implementação de cursos EFA de nível secundário de dupla certificação Técnico de Segurança e Higiene no Trabalho, Técnico de Ação Educativa e Técnico de Informática. Oferta da disciplina de Espanhol ao nível da educação de adultos. Alargamento da oferta de formações modulares: Cultura, comunicação e media; Saúde - comportamentos e instituições, Relações económicas, Redes de informação e comunicação, Língua estrangeira inglês e espanhol - iniciação e continuação, Fundamentos de cultura, língua e comunicação, Utilizar um programa de processamento de texto e de apresentação de informação, Usar a Internet para 8

9 Cursos de Educação Extraescolar Sócioprofissionais e educativos. Centro Novas Oportunidades itinerâncias. obter, transmitir e publicar informação e Folha de cálculo - operação e programação. Em 2011/2012, o POPH não atribuiu financiamento. Em 2012/2013, estabelecimento de protocolo com entidade formadora externa, para dar resposta a candidatos abrangidos pelo Dec-lei nº 357/2007, com o fim da conclusão do ensino secundário. Educação extraescolar:- curso de Português Para Todos (PPT) - Português Para Estrangeiros, níveis A1, A2 e B1 (suspenso em 2011/2012). Centro Novas Oportunidades - itinerâncias junto de entidades como Associação Cristã da Mocidade de Setúbal (ACM), Cabovisão, Centro Jovem Tejo, Vitória Futebol Clube, Retail Planet, Associação de Solidariedade Social dos Professores de Setúbal (ASSP), Associação de Desenvolvimento para as Energias Alternativas (ADEA) e ISS Facility Services. Este Centro foi encerrado em março de IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS NÃO PROGRAMADAS NO PROJETO DE INTERVENÇÃO 2009/ / / /2013 Protocolo/parceria com o Conservatório de Música de Setúbal no âmbito do Ensino articulado. Todas as ações foram implementadas, à exceção da disciplina de Espanhol no ensino regular, pelo motivo acima indicado. Registou-se a ampliação da oferta educativa, pela implementação de percursos alternativos, CEF- tipo II e III, Espanhol na Educação de Adultos, Cursos EFA de dupla certificação e Formações Modulares. No entanto, verificou-se uma redução da oferta na Educação de Adultos no que respeita ao curso de PPT e ao Centro Novas Oportunidades. O protocolo/parceria com o Conservatório de Música de Setúbal (medida inicialmente não programada) permitiu agilizar/facilitar o trabalho dos alunos envolvidos, assim como a gestão familiar. 9

10 1.3 Acompanhamento familiar MEDIDAS PROGRAMADAS OPERACIONALIZAÇÃO DAS MEDIDAS 2009/ / / /2013 Envolvimento dos Pais e Encarregados de Educação em projetos, eventos e atividades - sessões de esclarecimento sobre estratégias disciplinares, saúde e a segurança na internet; comemoração de dias festivos; Hora do conto ; promoção de uma alimentação saudável; festas de final de ano nas escolas; almoço convívio; Festa do Agrupamento; baile e viagem de finalistas e passeios escolares. Projetos de intervenção/eventos com a participação de pais e Encarregados de Educação. Estrutura representativa das diferentes associações de pais Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento. Serviço de Apoio à Família. Clube de Francês com a Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica 2.3 de Azeitão organização de um intercâmbio entre Azeitão e Valais (Suíça), nos anos de 2009/2010 e 2010/2011. Sensibilização das Associações de Pais e Encarregados de Educação visando a formação de uma Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento - a Direção efetuou diversos contactos e realizou reuniões. Até 2010/2011, a EB 2.3 teve uma mediadora EPIS que trabalhou com os alunos e famílias, no sentido da diminuição das situações de indisciplina e de promoção do sucesso. Esta figura foi substituída por uma psicóloga, nos dois anos seguintes. IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS NÃO PROGRAMADAS NO PROJETO DE INTERVENÇÃO Componente de Apoio à Família (CAF) no Pré-escolar reuniões com as estruturas representativas dos Pais e Encarregados de Educação e a Câmara Municipal de Setúbal. Sessão de esclarecimento para os Encarregados de Educação no âmbito da Orientação Escolar e Profissional - dinamizada pela EPIS (Empresários Para a Inclusão Social) e Psicóloga da APPACDM (Associação de Pais e Amigos do Cidadão Com Deficiência Mental). A intervenção da mediadora EPIS cessou em 2010/2011, dado que o número de elementos da equipa reduziu e deixou de poder dar resposta a algumas escolas, nomeadamente, à EB 2,3 de Azeitão, por motivos de ordem geográfica. Sessão de formação para Pais e Encarregados de Educação sobre estupefacientes e sinais de alerta. 2009/ / / /

11 Sessão de formação para alunos dos CEF sobre comportamentos de risco. Feira das profissões dinamizado pela Direção, SPO e Coordenadores dos Diretores de Turma. Projeto Turma + Pode considerar-se que foi promovido um maior envolvimento dos Pais e Encarregados de Educação, valorizando o seu papel enquanto parceiros ativos e intervenientes na vida da escola. Salienta-se, ainda, a importância dada à prevenção no domínio da saúde, aspeto formativo essencial no desenvolvimento harmonioso das nossas crianças e jovens. 1.4 Ensino experimental das ciências MEDIDAS PROGRAMADAS Articulação dos professores do conselho curricular de Ciências Naturais com os docentes do 1º ciclo, visando uma colaboração no desenvolvimento de atividades práticas/experimentais. OPERACIONALIZAÇÃO DAS MEDIDAS Ciências experimentais no laboratório da escolasede, docentes de Ciências Físico-Química dinamizaram sessões para alunos do 4º ano, com exceção do ano de 2012/2013, por falta de salas. Disponibilização/partilha dos recursos das ciências experimentais entre as escolas do agrupamento. 2009/ / / /2013 Adaptação/criação de espaços, no 1º ciclo, para o ensino experimental. Divisão em turnos de um bloco de 90 minutos para as Ciências da Natureza, no 2º ciclo. Dotação de recursos materiais para a implementação de um ensino experimental, nas escolas de 1º ciclo. Divisão em turnos para as Ciências da Natureza e Inglês, aplicada em duas turmas do 2º ciclo. (Em 2010/2011, não foi possível dar continuidade a esta medida por falta de enquadramento legal.) IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS NÃO PROGRAMADAS NO PROJETO DE INTERVENÇÃO Clube de Ciências Físico-Químicas - realização de pequenos projetos científicos e de atividades de investigação e/ou experimentação. 2009/ / / /2013 Participação de alunos nas Olimpíadas da Química. Numa época em que a evolução do conhecimento é uma constante, a valorização do ensino experimental das ciências e do correspondente desenvolvimento da literacia científica é fundamental para os cidadãos de amanhã. Este princípio está presente nas ações implementadas, reconhecidas aquando da avaliação externa realizada em janeiro do presente ano: 11

12 ( ) Constituem boas práticas na promoção das competências científicas as demonstrações daquelas no Dia +, o clube de físico-química, a realização de saídas de campo e de diversas visitas de estudo, as tarefas executadas nas hortas pedagógicas e no Núcleo de Aquariofilia. ( ) In Relatório da IGEC, pág.6, Avaliação Externa, janeiro/13 2. CRIAR UM AMBIENTE FAVORÁVEL AO SUCESSO EDUCATIVO. 2.1 Indisciplina - Prevenção e Acompanhamento MEDIDAS PROGRAMADAS Criação de uma equipa formada por docentes com experiência em tutorias. Aperfeiçoamento da estrutura do Gabinete de Orientação Disciplinar. OPERACIONALIZAÇÃO DAS MEDIDAS 2009/ / / /2013 Equipa de tutores com supervisão de um coordenador. Atuação preventiva. Aplicação de atividades de integração em resultado dos encaminhamentos. Alargamento do Programa de Não foi implementada. Tutorias ao 1º ciclo. IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS 2010/2011 NÃO PROGRAMADAS NO PROJETO DE INTERVENÇÃO 2009/ / / /2013 Nomeação de docente com funções de interlocutor do agrupamento junto da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ), do Tribunal de Menores e do Instituto de Reinserção Social. Encaminhamento de alunos em risco de abandono escolar para outros percursos formativos, promovido pela Direção em colaboração com a psicóloga, a mediadora EPIS e com a interlocutora junto da CPCJ. Realização de reuniões da direção com alunos, respetivos encarregados de educação e professores de conselhos de turma que evidenciam problemas disciplinares. Atribuição criteriosa de salas a turmas onde existe indisciplina ou risco de abandono para as turmas dos Cursos de Educação e Formação de Jovens que acabaram no ano de 2011/2012, inclusive. Envolvimento de algumas turmas com problemas disciplinares em projetos integradores: Festival Internacional de Música e Delphin Parade. _ Todas as ações foram implementadas, com exceção do alargamento de tutorias ao 1º ciclo, uma vez que não se registou nenhuma proposta de implementação desta medida. É de salientar a existência da docente com funções de interlocutora do agrupamento junto da Comissão de Proteção de 12

13 Crianças e Jovens (CPCJ), do Tribunal de Menores e do Instituto de Reinserção Social, que assumiu um papel importante na prevenção do abandono escolar, praticamente inexistente no Agrupamento. 2.2 Responsabilidade partilhada Escola de Todos MEDIDAS PROGRAMADAS OPERACIONALIZAÇÃO DAS MEDIDAS 2009/ / / /2013 Reuniões da gestão com delegados e subdelegados. Reuniões da gestão com a Pró- Associação. Alunos monitores na Biblioteca Escolar, Desporto Escolar. Clube da Rádio Criação/valorização de símbolos do Agrupamento. Bandeira do Agrupamento. Reuniões periódicas da Direção com os delegados e subdelegados de turma e com os representantes da Pró-Associação de Estudantes. Formação de alunos monitores desempenho de funções na Biblioteca Escolar, no Desporto Escolar e na área da informática. A continuidade desta medida nos dois últimos anos assumiu um carácter informal, dado que os alunos desempenhavam as funções voluntariamente. Animação dos intervalos pelos alunos do Clube da Rádio. Criação da Bandeira do Agrupamento. Criação do Hino do Agrupamento. Acolhimento aos alunos do 1º e 5º Apadrinhamento dos alunos do 1º ano de escolaridade anos alunos mais velhos. por alunos mais velhos. IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS NÃO PROGRAMADAS NO PROJETO DE INTERVENÇÃO Receção anual dos docentes - realizada, rotativamente, nas escolas do agrupamento. 2009/ / / /2013 Implementação do Dia + - valorização de atividades de enriquecimento dos curricula. Parcerias desenvolvidas ao longo dos 4 anos: Câmara Municipal de Setúbal; Junta de Freguesia de S. Lourenço; Junta de Freguesia de S. Simão; Coletividades: União e Progresso e CCDBA; APPACDM; Cercizimbra; S. Simão Arte; ILTEC (Instituto de Linguística Teórica e Computacional); Conservatório Regional de Setúbal; Agência ENA (Energia e Ambiente da Arrábida); Cabovisão; Fundação Comunidade Contra a SIDA; Instituto Piaget; ESE Setúbal, Loja de animais República dos Animais ; ADEA (Associação de Desenvolvimento para as Energias Alternativas); Associação Lusófona para o Desenvolvimento do Conhecimento; Europe Direct Península de Setúbal; Vitória 13

14 de Setúbal; Agrupamento de Escolas da Boa Água; Agrupamento de Escolas de Sampaio; União e Progresso (Andebol); Qualiseg (equipamentos relativos à Segurança e Higiene do Trabalho). Projeto de uma turma de 4º ano - Em busca de um sonho envolvimento da comunidade educativa com impacto social e com uma gestão integrada do currículo. _ A promoção de um papel ativo da comunidade educativa na vida da escola contribuiu para o desenvolvimento de pertença e a consolidação de uma identidade partilhada. As parcerias estabelecidas têm contribuído para a integração da escola na comunidade envolvente. 2.3 Educação em Cidadania MEDIDAS PROGRAMADAS OPERACIONALIZAÇÃO DAS MEDIDAS 2009/ / / /2103 Implementação do Clube Europeu - criação de um Criação de um Clube Europeu. blogue, do logótipo e inscrição no Ano Europeu de Candidatura com sucesso ao programa Comenius Projeto One Europe, great diversity - a multicultural dialogue. Oferta da formação em Alemão, sob a forma de clube; Participação num projeto Comenius por falta de crédito horário deixou de existir. parcerias entre escolas do espaço Oferta de um clube de línguas para adultos; por falta europeu de crédito horário deixou de existir. Protocolo com o Europe Direct aproximar a comunidade educativa dos programas e atividades da UE. IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS NÃO PROGRAMADAS NO PROJETO DE INTERVENÇÃO 2009/ / / /2013 Dinamização de Clubes - Educação Física e Desporto Escolar, Aquariofilia, Rádio, Jornalismo, Francês, Matemática, Ambiente, Dança Renascentista Arsluce, Grupos corais e instrumentais, Música e Artes, Clube de Informática dirigido a adultos da comunidade (até 2010/2011), Scratch, Educação e Promoção para a Saúde em Meio Escolar, Cerâmica, Ciências Físico-químicas e Europeu/Comenius Dinamização de Clubes - Escrita Criativa, Programa Ecoescolas e etwinning. Candidatura do Clube Scratch ao Europeean E-Learning awards. Conquista de lugar no Top 50 (entre mais de 700 candidaturas). Nas comemorações mundiais do Scratch Day, os alunos participaram e agiram como monitores de professores na ESE/IP Setúbal. Colaboração com a Universidade de Aveiro. 14

15 Alargamento das atividades do clube Arsluce a crianças do pré-escolar e alunos do 1º ciclo. Dinamização do Clube de Proteção Civil, Clube do Património, Clube de Educação Moral e Evangélica (colocação de um professor desta religião pela COMACEP). Formação de alunos, no âmbito do Desporto Escolar, para o exercício de funções diversas, nomeadamente, juízes, árbitros e organizadores de eventos desportivos a decorrer na escola e no exterior. Reconhecimento nacional de dois blogues do agrupamento, Memória com. História e Scracht Time - identificados, entre os primeiros dez, como práticas de referência no Catálogo de Blogues Educativos do Portal das Escolas. Todas as ações foram implementadas, tendo o Clube de Alemão e de Línguas deixado de funcionar por insuficiência de horas de componente não letiva. A educação em cidadania desenvolveu-se em múltiplas ações que testemunham a importância deste domínio, vertente essencial do PE. Destaca-se, mais uma vez, o papel que se pretende que o aluno tenha, envolvendo-o diretamente na vida da escola e facilitando a sua formação enquanto cidadão ativo e interveniente. De salientar a abertura do Agrupamento à realidade transnacional, através do Clube Europeu e da dinamização do projeto Comenius que tem possibilitado mobilidades entre países, o contacto dos nossos jovens com realidades culturais diferentes e enriquecedoras da sua formação. 2.4 Segurança MEDIDAS PROGRAMADAS OPERACIONALIZAÇÃO DAS MEDIDAS 2009/ / / /2013 Sistema de videovigilância Sistema de Alarme Instalação de Sistema de videovigilância 63 sensores de movimento e 10 câmaras vídeo na EB2,3 de Azeitão. Entrada em funcionamento do Sistema de videovigilância na EB23 de Azeitão. Reforço da vigilância por parte dos Assistentes Operacionais Manutenção de um elemento do gabinete de segurança na escola Instalação de alarmes na EB da Brejoeira e JI de Vendas de Azeitão. Reforço da vigilância colocação de oito colaboradores no âmbito dos Contratos Emprego- Inserção. Manutenção de um elemento da Equipa de Missão para a Segurança Escolar. 15

16 Clube da Protecção Civil Atualização dos Planos de Emergência Internos e realização dos exercícios de evacuação nas escolas do agrupamento. IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS NÃO PROGRAMADAS NO PROJETO DE INTERVENÇÃO 2009/ / / /2013 Realização de sessões formativas dirigidas aos alunos dinamizadas pela Escola Segura. Dinamização de Ações sobre segurança na Internet dirigida a alunos de todos os níveis de ensino, a cargo da Microsoft, de pais, da TMN e de professores. A implementação de ações no âmbito da segurança foi fundamental para a criação de um ambiente favorável ao sucesso educativo. 2.5 Educação Artística Na implementação do Projeto de Intervenção, as medidas programadas para esta ação assumiram um caráter transversal e complementar, encontrando-se contempladas noutras ações. Em 2012/2013, a nova matriz curricular contemplava uma disciplina de oferta de escola, que o Conselho Pedagógico decidiu ser Oficina de Artes. 2.6 Educação para a Saúde MEDIDAS PROGRAMADAS Clubes: Desporto Ambiente Projeto Multidisciplinar. Gabinete de Apoio à Saúde GIAA (Gabinete de Informação e Apoio ao Aluno). OPERACIONALIZAÇÃO DAS MEDIDAS Clube do Ambiente - Atribuição da bandeira ECO- ESCOLA pela Associação Bandeira Azul da Europa. Desporto Escolar com o Clube da Promoção para a Saúde e Educação Sexual em Meio Escolar organização de atividades. Esclarecimento de dúvidas/questões dos alunos sobre Saúde, Sexualidade e Adolescência com o apoio da Enfermeira da Saúde Escolar. Ação não implementada por falta de disponibilidade do técnico de saúde destacado para o efeito. Palestras subordinadas a diferentes temas: 1º socorros; nutrição e doenças associadas. 2009/ / / /

17 Exposição de trabalhos dos alunos relacionados com Saúde, Sexualidade e Adolescência. IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS NÃO PROGRAMADAS NO PROJETO DE INTERVENÇÃO Clube da Promoção e Educação para a Saúde em Meio Escolar atividades desenvolvidas nos três ciclos, em colaboração com outras entidades, em diversos âmbitos: saúde oral e visual; vacinas; Doenças sexualmente transmissíveis e alimentação. 2009/ / / /2013 As ações implementadas no âmbito da educação para a saúde e para as artes contribuíram para a formação integral dos alunos, tal como é confirmado pela avaliação externa já referida: A educação para a cidadania constitui um dos desígnios do Agrupamento consubstanciado num dos vetores estratégicos do projeto educativo. O desenvolvimento de uma consciência ecológica é uma das áreas à qual se concede bastante atenção. Refira-se, no geral, as inúmeras atividades contempladas no plano anual e, em particular, as implementadas no âmbito do programa Ecoescolas/Clube do Ambiente. Constata-se, ainda, o desenvolvimento de outros programas, projetos e atividades que concorrem, do mesmo modo, para a consolidação de uma cidadania responsável, tais como os clubes da Educação e Promoção para a Saúde em Meio Escolar e da Proteção Civil. A valorização do comportamento cívico está presente no quotidiano da vida escolar. As aulas de educação em cidadania, nos 2.º e 3.º ciclos e a área de educação para a cidadania, no 1.º ciclo, constituem espaços vocacionados para os alunos assumirem um papel mais participativo (...) a par das assembleias de delegados ( ) In Relatório da IGEC, pág. 3/4, Avaliação Externa, janeiro/13 3. MELHORAR A QUALIDADE E QUANTIDADE DOS RECURSOS MATERIAIS. 3.1 Melhoria de espaços MEDIDAS PROGRAMADAS OPERACIONALIZAÇÃO DAS MEDIDAS 2009/ / / /2013 Realização de diligências no sentido de levar a cabo a construção de um novo bloco, na escola sede Estabelecimento de contactos junto da Câmara Municipal de Sensibilização da DRELVT/DGEstE para a necessidade de se realizarem obras de requalificação na escola sede. Realização de obras na escola sede: melhoramento da cozinha e bufete, pintura e reposição de pavimento de salas de aula, reparação dos telhados e substituição de torneiras. Substituição do equipamento da cozinha da EB 2.3 de Azeitão. Acompanhamento da construção de salas de Jardim-deinfância e da Escola Básica da Brejoeira. 17

18 Setúbal, para a construção de salas de Jardim-de-infância e escola do 1º ciclo. Candidatura e respetiva homologação de uma Unidade de Apoio Especializada para Alunos com Multideficiência. Implementação da Unidade de Apoio Especializado para Alunos com Multideficiência, assegurando a colaboração de técnicos especializados, nomeadamente, terapeuta da fala, psicólogo, fisioterapeuta e técnico de psicomotricidade Candidatura e respetiva homologação da Biblioteca Escolar da Escola Básica da Brejoeira à Rede de Bibliotecas Escolares. Entrada em funcionamento da Biblioteca Escolar da Escola Básica da Brejoeira. IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS NÃO PROGRAMADAS NO PROJETO DE INTERVENÇÃO 2009/ / / /2013 Adaptação de uma sala da escola-sede para a Educação Especial. Aquisição de baterias de testes de avaliação psicológica WISC, utilizados na avaliação dos alunos referenciados. Requalificação das escolas do 1º ciclo dotando-as de refeitórios. 18

19 3.2 Horários MEDIDAS PROGRAMADAS OPERACIONALIZAÇÃO DAS MEDIDAS 2009/ / / /2013 Na disciplina de Matemática, organizar horários para que alunos e professores possam usufruir das salas específicas Organização dos horários para que os alunos possam frequentar o ensino articulado. Disponibilização da sala de música para a prática da Formação Musical do ensino articulado. Criação de 2 novos laboratórios de informática, destinados, preferencialmente, à disciplina de Matemática: salas 8 e 17. Organização dos horários dos alunos em cooperação com o Conservatório Regional de Setúbal. Disponibilização da sala de música para a Formação Musical e Área de Projeto. Este protocolo cessou em 2011/2012. Organização de horários para o 5º ano, de forma a não irem além do As turmas dos 5º ano terminam as aulas às 15h. 1º bloco do turno da tarde. IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS NÃO PROGRAMADAS NO PROJETO DE INTERVENÇÃO 2009/ / / /2013 Criação de 1 novo laboratório de informática, destinado, preferencialmente, à área das TIC: sala polivalente. Criação de 2 novos laboratórios de informática, destinados, preferencialmente, às disciplinas de Línguas Estrangeiras: salas 5 e 19. Em 2010/2011, implementação do regime normal em todas as turmas do 1º ciclo, exceto 4. A partir de 2011/2012, existem apenas 2 turmas em regime duplo. 3.3 Biblioteca Itinerante MEDIDAS PROGRAMADAS OPERACIONALIZAÇÃO DAS MEDIDAS 2009/ / / /2013 Empréstimo solidário de livros entre Disponibilização do fundo documental das bibliotecas todas as escolas do Agrupamento às escolas do agrupamento 19

20 3.4 Mais ambiente, mais escola MEDIDAS PROGRAMADAS OPERACIONALIZAÇÃO DAS MEDIDAS 2009/ / / /2013 Prémios atribuídos pela Agência Energia e Ambiente da Arrábida (ENA) no Concurso Vamos utilizar bem a Colocação de painéis solares nos energia na nossa escola - instalação de painéis balneários solares no Bloco D e de lâmpadas e luminárias em toda a escola-sede. Não implementada, embora tenha havido uma forte Construção de um furo sensibilização junto das entidades locais, não tendo sido possível conseguir o apoio necessário. IMPLEMENTAÇÃO DE MEDIDAS NÃO PROGRAMADAS NO PROJETO DE INTERVENÇÃO 2009/ / / /2013 Recolha de óleos alimentares nas escolas do agrupamento - parceria entre o Clube da Promoção e Educação para a Saúde em Meio Escolar e a Junta de Freguesia de São Simão, a Agência Energia e Ambiente da Arrábida e a empresa Carmona. Recolha de tinteiros usados parceria entre o Clube da Promoção e Educação para a Saúde em Meio Escolar e a Assistência Médica Internacional (AMI) e Cruz Vermelha Portuguesa. Hortas Pedagógicas - participação de alunos dos três ciclos. 20

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações [setembro de 2011] Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Diretor... 3 Professor bibliotecário...

Leia mais

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia Relatório Anual de Progresso Contrato de Autonomia 1- INTRODUÇÃO Tendo em conta o artigo 8º da Portaria nº 265/2012 de 30 de agosto, a escola/agrupamento com contrato de autonomia deve produzir um relatório

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 JULHO 2015 1 Preâmbulo O presente documento estabelece orientações para a organização do ano letivo 2015-2016 no que concerne a horários, constituição de turmas e distribuição

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO Esta escola também é minha 2013/14 2015/16 I - INTRODUÇÃO Uma das missões da escola, que consiste em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Director... 3 Professor bibliotecário... 5 Docentes... 10

Leia mais

Plano de Formação do Agrupamento de Escolas da Moita 2014/2015 Página 1

Plano de Formação do Agrupamento de Escolas da Moita 2014/2015 Página 1 IDENTIFICAÇÃO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PARA DOCENTES E NÃO DOCENTES, A PROMOVER PELO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS DOS CONCELHOS DO BARREIRO E MOITA, POR FORMADORES INTERNOS E PELA EQUIPA DE SAÚDE ESCOLAR

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alfena. Plano de Melhoria. 2013/2014 a 2014/2015

Agrupamento de Escolas de Alfena. Plano de Melhoria. 2013/2014 a 2014/2015 Agrupamento de Escolas de Alfena Plano de Melhoria a 2014/2015 outubro 2013 Índice Introdução...3 Resultados da Avaliação Externa...4 Principais Áreas de Melhoria...6 Plano de Ação...7 Considerações Finais...14

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod.

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod. Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA Anos letivos 2014/2015 e 2015/ Página 1 de 13 ÍNDICE Títulos Pág. 1. INTRODUÇÃO 3. 2. ESTRUTURA DO PLANO DE MELHORIA 4. 3. DESCRIÇÃO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora - 135562 Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia. Plano de Ação dos Projetos e Clubes

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora - 135562 Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia. Plano de Ação dos Projetos e Clubes Consciencializar toda a Comunidade Escolar para a Preservação do Meio Envolvente; Sensibilizar a comunidade para a poupança de recursos, promovendo a reutilização e a reciclagem. Valorizar a Educação para

Leia mais

PEA PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura.

PEA PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura. PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura. 1. Nota Introdutória Este documento agora apresentado, resulta da avaliação efetuada

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA a Luisa Maria Ferreira Garcia e Costa Madeira Diretora O Plano de Ação Estratégica foi aprovado pelo Conselho Pedagógico, em 11 de outubro de 2012, e recebeu parecer favorável

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS 1 Índice

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3. PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.º CICLOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2017 O Projeto Plurianual de Atividades do Agrupamento de Escolas Sophia de Mello

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PROJETO EDUCATIVO 2013-2017 ÍNDICE Introdução 1 Caracterização 2 Diagnóstico 4 Plano Estratégico 6 Avaliação do Projeto Educativo 12 Divulgação 14 Siglas

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1 DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123 Plano de Melhoria Página 1 Introdução... 3 Identificação das áreas de melhoria... 3 Visão geral do Plano de Melhoria...

Leia mais

PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL

PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CADAVAL 2015/2016 A EQUIPA: Fátima Martins, Manuela Parreira, Ana Paula Melo, Vera Moura, Manuela Simões, Anabela Barroso, Elsa Carvalho, Graça

Leia mais

Avaliação interna e monitorização do Projeto Educativo do AEVP 2014/2015. Avaliação Interna. e monitorização do. Projeto Educativo do Agrupamento

Avaliação interna e monitorização do Projeto Educativo do AEVP 2014/2015. Avaliação Interna. e monitorização do. Projeto Educativo do Agrupamento Avaliação Interna e monitorização do Projeto Educativo do Agrupamento 2014-2015 0 1. INTRODUÇÃO No ano letivo (2012/13), no nosso agrupamento, concluiu-se um processo de autoavaliação iniciado em 2009/10,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MAFRA PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MAFRA PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015 PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015 PROJETO DE INTERVENÇÃO AO NÍVEL DA INDISCIPLINA 1- FUNDAMENTAÇÃO A Equipa Multidisciplinar foi constituída

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA

VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA Setembro 2014 VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA O lançamento de um programa pedagógico e de desenvolvimento educativo de crianças e jovens, partilhado por todos os agentes do sistema escolar e educativo local,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo. Ano letivo 2012/2013

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo. Ano letivo 2012/2013 RELATÓRIO FINAL DE EXECUÇÃO DO PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES RELATIVO A 2012/2013 1 - Enquadramento O presente relatório tem enquadramento legal no artigo 13.º alínea f, do Decreto -Lei nº 75/2008, de 22

Leia mais

Plano de ação (adenda). domínio em avaliação: gestão da biblioteca escolar. email: becre.esfhp@gmail.com Ano letivo 2012/2013

Plano de ação (adenda). domínio em avaliação: gestão da biblioteca escolar. email: becre.esfhp@gmail.com Ano letivo 2012/2013 Plano de ação (adenda). domínio em avaliação: gestão da biblioteca escolar email: becre.esfhp@gmail.com Ano letivo 2012/2013 Plano de ação 2012/2013 (adenda) A. Apoio ao desenvolvimento curricular Responsável

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES. Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES

2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES. Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES , 0 2013/2014 Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES PLANO DE ATIVIDADES O AGRUPAMENTO... 3 IDENTIFICAÇÃO E CARATERIZAÇÃO DAS ESCOLAS... 3 Freguesia de Gulpilhares / Valadares... 3 Freguesia

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

Literacia, Cidadania, Sucesso

Literacia, Cidadania, Sucesso Literacia, Cidadania, Sucesso A existência humana é uma tarefa permanente de leitura da vida: ler a vida é escrever e reescrever o mundo. Rosa (2008: 107) Projecto Educativo 2010 / 2013 2 INTRODUÇÃO Dando

Leia mais

Relatório de auto avaliação

Relatório de auto avaliação Relatório de auto avaliação 2011/2012 Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 1 Documento para reflexão Índice 1- Resultados escolares 2- Relatório de Indisciplina 3- Apoios Educativos 4- Atividades

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular ACORDO DE COLABORAÇÃO Programa Atividades de Enriquecimento Curricular Primeiro: Município de Cascais titular do cartão de identificação de pessoa coletivo número 505187531, com sede na Praça 5 de Outubro,

Leia mais

Relatório de atividades do Conselho Geral

Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Uma Educação de Qualidade para Construir o Futuro 2009/2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO CONSELHO GERAL (2009-2011)

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA A Escola Secundária Quinta das Palmeiras Covilhã celebrou com o Ministério da Educação e Ciência (MEC)

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Escola Secundária Fernando Namora AMADORA 12 e 13 jan. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 0/0 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 ÍNDICE - Introdução...

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 Biblioteca Escolar GIL VICENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE ESCOLA GIL VICENTE EB1 CASTELO BIBLIOTECA ESCOLAR PLANO ANUAL DE ATIVIDADES - ANO LETIVO 2011/2012 As atividades constantes do presente

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas das Taipas GUIMARÃES 2013 2014 Área Territorial de Inspeção NORTE 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema de

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18 PLANO DE MELHORIA 2014/15 2017/18 1 - Introdução O Plano de Melhoria (PM) integra um conjunto de procedimentos e estratégias, planificadas e organizadas, a implementar com o objetivo de promover a melhoria

Leia mais

para melhorar a escola pública

para melhorar a escola pública Educação 2006 50 Medidas de Política para melhorar a escola pública 9 medidas para qualificar e integrar o 1.º ciclo do ensino básico O documento apresenta o conjunto das medidas e acções lançadas, em

Leia mais

Relatório do Plano de Atividades

Relatório do Plano de Atividades Relatório do Plano de Atividades 1º Período 2013/2014 Agrupamento de Escolas de Celeirós Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 2 1. Taxa de concretização das atividades... 2 2. Contextualização das atividades...

Leia mais

CARATERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS

CARATERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CARATERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS O Agrupamento de Escolas de Salvaterra de Magos, disponibiliza o ensino público para a União de Freguesias dos Foros de Salvaterra e Salvaterra de Magos a nível

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 EDUCAÇÃO ESPECIAL Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 DL 3/2008, de 7 de Janeiro: Sumário Define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário dos sectores público,

Leia mais

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 O Coordenador TIC João Teiga Peixe Índice Índice...2 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 3 3. Sectores Afectos... 4 1. Salas de Aulas... 4 2. Administrativo... 4 3. Outras

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas de São Gonçalo

PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas de São Gonçalo PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas de São Gonçalo 2014-2018 Índice 1- Desenho curricular... 1 1.1- Desenho curricular do pré-escolar... 2 1.2- Desenho curricular do 1º ciclo... 3

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO PESSOAL DOCENTE E NÃO DOCENTE

PLANO DE FORMAÇÃO PESSOAL DOCENTE E NÃO DOCENTE PLANO DE FORMAÇÃO PESSOAL DOCENTE E NÃO DOCENTE 2010-2012 2 ÍNDICE 1. Nota introdutória. 3 2. Enquadramento do Plano de Formação.. 4 3. Recursos humanos, físicos e financeiros. 6 4. Objetivos gerais 7

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

Projecto de Intervenção 2010-2014

Projecto de Intervenção 2010-2014 Projecto de Intervenção 2010-2014 Desafios da Boa Água AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA BOA-ÁGUA QUINTA DO CONDE - SESIMBRA Nuno Mantas Maio de 2010 1. Introdução O Agrupamento de Escolas da Boa-Água foi criado

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma

A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma Apresentação A nossa população alvo são crianças e jovens com problemas comportamentais que condicionam as aprendizagens formais e não formais, assim como uma plena integração social e profissional; Crianças

Leia mais

Decreto-Lei n.º 22/2014 de 11 de fevereiro. Agrupamento de Escolas Pinheiro e Rosa cód.145567

Decreto-Lei n.º 22/2014 de 11 de fevereiro. Agrupamento de Escolas Pinheiro e Rosa cód.145567 Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016 A melhoria da qualidade do ensino constitui um dos desafios centrais da política do XIX Governo Constitucional. A valorização profissional dos docentes é, nomeadamente,

Leia mais

Plano de Formação. do Agrupamento

Plano de Formação. do Agrupamento Plano de Formação do Agrupamento Ano letivo 2014/2015 1/8 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Caracterização do Agrupamento... 3 3. Identificação das necessidades de 4 4. Objetivos gerais a atingir com o Plano

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE

PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE PROJETO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FREI JOÃO DE VILA DO CONDE ÍNDICE 1. Introdução 2. O Agrupamento 2.1 População Escolar (número de alunos por estabelecimento de ensino) 2.2 Recursos Humanos

Leia mais

PES Promoção e Educação para a Saúde

PES Promoção e Educação para a Saúde (A PREENCHER PELA COMISSÃO DO PAA) Atividade Nº AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto PES Promoção e Educação para a Saúde Equipa Dinamizadora: Alice Gonçalves e Rosa Rêgo Ano letivo 2014/2015

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Alfena VALONGO 8 a 10 janeiro 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO Agrupamento Vertical de Escolas São Vicente/Telheiras (171931) PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO 2009 2012 Sede: ESCOLA BÁSICA 2, 3 DE TELHEIRAS Nª 2 Rua Fernando Namora 1600-454 LISBOA Telef.: 217121260

Leia mais

AEB_AVALIAÇÃO EXTERNA_2012/2013 DOCUMENTO DE APRESENTAÇÃO. Avaliação Externa 2012/2013

AEB_AVALIAÇÃO EXTERNA_2012/2013 DOCUMENTO DE APRESENTAÇÃO. Avaliação Externa 2012/2013 DOCUMENTO DE APRESENTAÇÃO Avaliação Externa 2012/2013 0 ÍNDICE 1. Introdução 2 2. Breve caracterização do AEB 2 3. Resultados 3 3.1. Resultados académicos 3 3.2. Resultados sociais 8 3.3. Reconhecimento

Leia mais

Agenda 2013/2014 Ao longo do ano Agrupamento Escolas de Azeitão

Agenda 2013/2014 Ao longo do ano Agrupamento Escolas de Azeitão Agenda 2013/2014 Ao longo do ano Agrupamento Escolas de Azeitão Coordenação de ciclo Levantamento feio com base no plano anual de atividades do agrupamento. Caso seja detetada alguma incorreção, ou atividade

Leia mais

Estatuto do Aluno e Ética Escolar/Regulamento Interno

Estatuto do Aluno e Ética Escolar/Regulamento Interno Estatuto do Aluno e Ética Escolar/Regulamento Interno F A L T A S JUSTIFICADAS (ver Lei n.º 51/2012, de 5 de setembro) INJUSTIFICADAS Medidas de recuperação das aprendizagens (artigo 16.º) (professor da

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim Portalegre 2014/2017 1 Índice 1. Caracterização do agrupamento 2 1.1. Caracterização do concelho 2 1.2. Composição do agrupamento 3 2. Missão/visão

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RUY BELO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RUY BELO PLANO DE FORMAÇÃO 1 PLANO DE FORMAÇÃO Índice Introdução 4 Pressupostos teóricos 5 Enquadramento legal 7 Âmbito da formação (objetivos) 9 Docentes Não docentes Pais e encarregados de educação Levantamento

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz Plano de Ações de Melhoria Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz 2012/2014 i INDICE INTRODUÇÃO... 1 2. PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA... 3 2.1 IDENTIFICAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS... 3 2.2 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

2013/4. Plano de melhoria da biblioteca escolar. Biblioteca do Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil

2013/4. Plano de melhoria da biblioteca escolar. Biblioteca do Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil 2013/4 Plano de melhoria da biblioteca escolar Biblioteca do Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil Índice A. Currículo literacias e aprendizagem... 5 Problemas identificados... 5 Resultados esperados...

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Levante da Maia 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 É pela vivência diária que cada um de nós aprende a conhecer-se e a respeitar-se, conhecendo e respeitando os outros, intervindo, transformando e tentando melhorar

Leia mais

Plano de Desenvolvimento de Autonomia

Plano de Desenvolvimento de Autonomia Plano de Desenvolvimento de Autonomia O presente Plano de Desenvolvimento de Autonomia, produzido no âmbito do Contrato de Autonomia desta escola, celebrado com o Ministério da Educação em 10/9/2007, constitui-se

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves REGULAMENTO DOS CURSOS EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS NÍVEL SECUNDÁRIO Anexo ao Regulamento Interno Aprovado em Conselho Geral a 26 de março de 2014 1 de 10 Índice

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita Ano Letivo 2011/2012

Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita Ano Letivo 2011/2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo Ano letivo 2011/2012 Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA Regulamento geral de avaliação dos alunos Outubro / 2014 Índice I PRINCÍPIOS... 3 II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO... 4 III- IMPLEMENTAÇÃO... 4 IV - COMPETÊNCIAS A AVALIAR

Leia mais

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela. Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.pt Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação 15 de fevereiro de

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Lousada Este LOUSADA 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS NAVEGADOR RODRIGUES SOROMENHO 171062

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS NAVEGADOR RODRIGUES SOROMENHO 171062 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS NAVEGADOR RODRIGUES SOROMENHO 171062 1 Introdução PROJETO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO Ano Letivo 2012 /2013 O ordenamento jurídico de autonomia e gestão das escolas implica a criação

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO

GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO Relatório 2009-2010 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no Ensino

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas do Montijo 23, 24 e 27 fev. 2012 Área Territorial de Inspeção de Lisboa e Vale do Tejo 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro,

Leia mais

António José Cardoso Pires da Silva

António José Cardoso Pires da Silva (PLANO DE INTERVENÇÃO APRESENTADO PELO DIRECTOR AO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO) Quadriénio 2010/2014 Director António José Cardoso Pires da Silva INTRODUÇÃO O conhecimento do Agrupamento Marquês de Pombal

Leia mais

Avaliação Externa do Programa das Atividades de Enriquecimento Curricular no 1.º Ciclo do Ensino Básico. Sumário Executivo e Recomendações

Avaliação Externa do Programa das Atividades de Enriquecimento Curricular no 1.º Ciclo do Ensino Básico. Sumário Executivo e Recomendações Avaliação Externa do Programa das Atividades de Enriquecimento Curricular no 1.º Ciclo do Ensino Básico Sumário Executivo e Recomendações Entidade responsável pelo Estudo: Centro de Investigação em Educação

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico Relatório 008-009 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no

Leia mais

PROJETO CLUBE EUROPEU

PROJETO CLUBE EUROPEU ESCOLAS BÁSICA DE EIXO PROJETO CLUBE EUROPEU Título: CLUBE EUROPEU Responsáveis: Maria de Lurdes Silva Maria Isaura Teixeira Páginas: 5 Ano letivo: 2014-2015 Escola Básica de Eixo Impresso a 12.11.14 Conteúdo

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Celeirós BRAGA 2013 2014 Área Territorial de Inspeção NORTE 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema de avaliação

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Há escolhas no bairro-e5g Programa Escolhas Promotor: Mediar - Associação Nacional de Mediação Sócio-Cultural 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ AFONSO SEIXAL CÓDIGO 401481 Av. José Afonso Cavaquinhas Arrentela 2840 268 Seixal -- Tel. 212276600 Fax. 212224355 PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ABRIL DE 2014 Índice 1. Introdução

Leia mais