Só um homem caminha apenas, já não tem energia para correr ou já não corre atrás de foguetes ou a suspeita e a ansiedade tolheulhe o passo.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Só um homem caminha apenas, já não tem energia para correr ou já não corre atrás de foguetes ou a suspeita e a ansiedade tolheulhe o passo."

Transcrição

1 1 FERMENTELOS, Vila! A mulher caminha, apressada. Segura mas apressada, tão apressada quanto lho permite o enorme molho de erva à cabeça. Não é já muito jovem, estará na meia idade, mas parece forte. É lusco-fusco, quase noite e a mulher apressa-se. Vem da Quinta do Rei e mora no Lugar. Ainda vai dar de comer ao gado antes de entrar na cozinha e preparar a janta. Passa no Cruzeiro quando se cruza com uma amiga. Vem do Berçal e pára o carro das vacas carregado de espigas de milho. E ali ficam as duas ( e a vaca ) a saber das novidades. Encompridam a conversa até que finalmente passa alguém que lhe grita - «ainda aí estás, Maria?». Queixa-se da dureza da vida e do peso excessivo do molho de erva, que manteve à cabeça, e despedem-se, mais apressadas ainda, em direcção a casa. Passou mais de uma hora. É o alarido dos sinos a tocar, o alarme e o alarme dos sinos a tocar a fogo ( como também conta Manuel Alegre, em O Miúdo Que Pregava Pregos Numa Tábua ), a tocar a rebate. E ouvem-se os gritos há fogo, há fogo! Toda a gente passa a correr. Homens, mulheres, garotos, até velhos. A ninguém importa saber quem corre perigo alguém corre perigo e é o que importa. Todos correm, todos acodem. Baldes, água, ramos de pinheiro ou de eucalipto. O que houver à mão.

2 2 Só um homem caminha apenas, já não tem energia para correr ou já não corre atrás de foguetes ou a suspeita e a ansiedade tolheulhe o passo. Não corre. Sofre. «Eh ti João, olhe que é em sua casa, homem!». E responde, aceitando o infortúnio: «nunca há-de arder tudo». Não ardeu. Quando chegou a casa já o fogo estava apagado e cada um regressava satisfeito com o dever cumprido. A Mãe estava super-feliz. Era o seu rapaz, o seu primeiro filho. Não aguentou tanta felicidade sozinha, queria partilhá-la com o mundo. Chamou as vizinhas talvez a ti Deolinda ou a ti Maria José e gritou aos quatro ventos: nasceu o meu Joanito! Era a sua primeira filha e era tão bonita! Disseram-lhe: é uma Florzinha. Nunca mais a menina foi Gabriela, como a Mãe. Sempre Florzinha. Uns anos mais tarde, muitos anos mais tarde o rapaz entrava no seu gabinete de Juiz no Tribunal de Águeda. Respeitosamente, uma mulher levantou-se do banco onde estava sentada, deu os bons dias e perguntou: você é que é o Dr. Joanito? O rapaz crescera e disse: eu já fui o Joanito, agora já não sou! Não é verdade. Ainda é o convite que recebeu, via internet, do seu amigo Presidente da Junta, para esta sessão começava assim: Meu caro Juanito. Com u, à maneira da Venezuela!

3 3 25 de Agosto. São quase seis da madrugada e ele mal dormiu. Está já à borda da Pateira, dentro do barco. E como ele dezenas de outros homens. Os sinos tocam. Não os sinos de baptizado, casamento, trindades, defuntos. Cada um com o seu tom, cada um com o seu ritmo. O júbilo, a dolência, o luto de novo Manuel Alegre. Estes sinos são a abertura da Pateira. E os homens correm. As terras são muitas e o moliço é pouco. Há que ganhar o pão de cada dia resgatando do fundo da lagoa o estrume com que se alimentam os campos. Cada um quer sair vencedor desta jornada. Um deles se adianta. Finca a vara bem no lodo e força o andamento da bateira. Força mais um pouco, até aos limites do seu porte franzino e ganha algum avanço. Sente-se na frente, olha para trás e, com alguma vaidade, grita: isto até corta mar! E ficou Cortamar! Teso, o homem. Duro. Capaz de bem defender aquilo que é seu. Pouco lhe importa que sejam as Maias. Havemos de ver se alguém é capaz de lhe levar de casa seja o que for. Nem que tenha de ficar a pé toda a noite. Daqui não levam nada. E fica. Por mais que a mulher lhe diga oh homem, vem te deitar!, ele insiste. Não vai para a cama. Fica no casarão e encosta-se no carro de bois. Quem passa, pelas matinas do dia seguinte, encontra-o a dormir a sono solto, na carroça estacionada no Cruzeiro. Quando acorda tem a rodeá-lo uma infinidade de olhos curiosos.

4 4 Durante alguns dias o homem não sai de casa. Não consegue encarar a luz do dia. Tem vergonha. Depois, olha para dentro de si próprio, ri-se de si mesmo. E sai à rua. Cumpriram-se as Maias! Repicam os sinos. Desta vez o som e o ritmo são de júbilo, são de festa. É a festa da Senhora da Saúde. A banda está na rua capitaneada pelo Senhor Artur Cadete. Este ano é a Nova e ele é Pinha, sempre foi, desde a Fundação pelo maestro Jeremias Pires, o tio Jeremias. Mas ele sabe que a festa não é para ele, como não é também nunca a festa de Santo António, sempre da Pinha. Ela é Rambóia e em dia de festa da Pinha ela amua. Fecha-se em casa e não cozinha e ele não sabe cozinhar. Diz a Igreja que é preciso jejuar e ela fá-lo jejuar! Já tocam de novo os sinos. É de novo a Senhora da Saúde, agora da Banda Velha, que já está na Rua com o senhor António Lemos, garboso no seu papel de maestro. Mas podia ser o Sagrado Coração de Jesus, sempre da Velha, a Rambóia. E ele sabe que a festa não é para ele. Podia lá ela deixar de acompanhar a música. Ela sai de casa aos primeiros foguetes e só volta ao último acorde musical. Ninguém comeu naquela casa nesse dia. Sempre as partidas foram de madrugada e a noite assustame. Ou talvez não. Talvez seja engano meu e a partida foi no correio da noite, apanhado em Oiã ou em Aveiro, lá pela uma da manhã, a caminho do navio que se apanhava em Lisboa. Mas é sempre a tristeza da noite que me fica, este vazio de não encontrar amanhã ou de não voltar a encontrar durante muito tempo ou de não voltar a encontrar nunca alguém que ainda hoje me abraçou.

5 5 É sempre pela noite que eles partem. Fazem-se de fortes e não choram. Um homem não chora e há que procurar os caminhos da vida por outros mares nunca dantes navegados. Não choram à vista das mães ou das mulheres ou dos filhos pequeninos e dizem que seguramente vão voltar. Mais fortes e mais ricos. Ou que vão mandar a carta de chamada para os seus. Mas vão de coração apertado e perguntam para dentro de si mesmos será que vou voltar a vê-la, minha Mãe? Voltarei a abraçar-te, minha ainda? Verei crescer-te ainda, meu filho? Partem. E uma ténue lamparina de azeite, aos pés da Senhora da Saúde ou da Senhora de Fátima, é o último porto de abrigo dos que ficam. Que rezam e um dia cumprirão a promessa que fizeram. Eles voltam, se voltarem. Se foram vencedores. Não voltarão vencidos. Há um murmúrio de vozes pela noite e velas nas mãos de quem caminha. E podem ser as endoenças e o aumentar às almas numa noite fria ou pode ser a procissão das velas numa noite de Agosto e de Senhora da Saúde. E um padre pregador que bem pode ser o senhor Padre Áureo a incendiar de fé o coração dos fiéis. Mas quero agora que seja aquela noite mágica em que a Senhora de Fátima, cuja imagem peregrinava no país, atravessou a Pateira. Na noite escura como breu, nós fomos acompanhar a Senhora ao Porto de Asna e ela atravessou a Pateira apenas iluminada pelo fogo aquático que deitámos à sua passagem a testemunhar-lhe o nosso grande amor assim escrevi eu numa redacção escolar que datei de 22 de Junho de 1955.

6 6 E o que fica na memória de um miúdo de oito anos - que hoje vos fala quase 55 anos depois! - são os milhares de velas nas mãos de quem rezava nas margens da Pateira e as centenas de velas que nas bateiras e nos barcos se deslocavam lenta e serenamente pelas águas, acompanhando a Senhora. E fica também o silêncio na noite e, em contraponto, a lengalenga de uma religiosidade sem limites: Nossa Senhora, Mãe de Jesus Dá-nos a graça da Tua Luz Nossa Senhora, Divina Flor Dá-nos a Graça do Teu Amor. E fica é estranho, mas é verdade a memória do cheiro, um misto de cheiro das velas derretidas e do intenso perfume das algas da Pateira. O rapazinho é agora Juiz em Águeda ( para grande alegria de seu Pai alguém de Fermentelos a ser alguém em Águeda! ) e não tem processos de Fermentelos porque as gentes da terra são avessas a tribunais e porque procura não tê-los, não vá ter a alma eventualmente dividida pela obrigação de decidir. Um ou outro escapa, porém. Hoje a testemunha é de Fermentelos e o Juiz insiste em apurar se assistiu à cena, se viu realmente o que se passou. O Juiz insiste e a testemunha confirma: claro que vi, Sr. Dr. Juiz, eu estava cem metros do local onde tudo se passou. O Juiz procura apurar da veracidade do testemunho e pergunta mas a cem metros como? Como daqui ao fundo da sala? Estava cem metros Sr. Dr. Juiz.

7 7 Mas de novo o Juiz como daqui à papelaria do Euclides? Como daqui ao fundo da rua? Estava a cem metros, Sr. Dr. Juiz há já uma nítida irritação na voz da testemunha. O Juiz continua a irritação puxa irritação. Oh homem, diga lá qual é a sua ideia de cem metros. Pode a sua ser uma e a minha ser outra. Eu posso pensar que é desta sala à Igreja e o senhor pensar que é daqui ao rio. Afinal a que distância estava o senhor? O homem reergueu a cabeça, enfrentou a expressão dura do Juiz, e respondeu. Convicto: Oh Sr. Dr. Juiz. Eu estava a cem metros e não conheço medida mais exacta que o metro. Esta testemunha era ou não era o Manuel Cardoso. Esta estória é minha? Ou foi-me contada por meu Pai, era eu ainda um jovem estudante de direito? Esta história é nossa. De Fermentelos. Esta história é nossa. Reflecte um traço da nossa identidade enquanto povo, enquanto comunidade. Como todas as outras estórias que contei. E que aqui chamei à comemoração dos nossos 82 anos como Vila. Porque nós somos assim. Nós somos o que somos e não admitimos que alguém ponha em dúvida que aquilo que nós somos é aquilo que nós afirmamos ser. E porque nós próprios não deixamos aos outros a afirmação do nosso próprio querer, do nosso próprio ser. O Decreto nº15456, de 5 de Maio de 1928, publicado no Diário do Governo de 11 de Maio seguinte considera as razões da elevação

8 8 da povoação de Fermentelos, no concelho de Águeda, à categoria de vila e explicita-as considerando que a povoação referida, uma das mais ricas e belas da região do Vouga, pelo que é frequentemente visitada por nacionais e estrangeiros, possui já hoje 3000 habitantes; Considerando que pelo desenvolvimento da sua indústria fundições e fábricas de serração é já hoje uma povoação com largos recurso comerciais. Mas nós não deixámos ao Governo a definição disto mesmo. Ao Governo deixámos apenas a urgência do reconhecimento disto mesmo. Mas fomos nós, a nossa Junta de Freguesia que em sessão de 1 de Abril desse mesmo ano, como consta da respectiva acta, por proposta do então Presidente João Figueiredo Urbano, deliberámos representar ao Exmo Ministro do Interior pedindo para que Fermentelos seja elevada à categoria de Vila. E por quê? Quais as razões? Pela sua grande população, pelas suas belezas naturais, pela sua indústria e pelas visitas que tem de nacionais e estrangeiros que vêm à sua Pateira! O Governo governa(va), e decretou; mas quem disse o que nós somos, e das nossas razões, não foi o Governo, fomos nós! Às vezes, quando era miúdo e mesmo adolescente, punhame a tentar descobrir o sentido da expressão, tantas vezes ouvida em tom jocoso, de que Fermentelos é a terra dos doutores. E contava um a um os doutores da terra à procura do sentido que não via.

9 9 Não eram muitos, naquele tempo os doutores: dois ou três médicos, alguns engenheiros, alguns professores, alguns padres sempre alguns padres! algum advogado ou juiz, pergunto-me mesmo E de tão poucos a frase ficava sem sentido e sem razão. Só os recuperou, confesso-vos, quando no tribunal de Águeda vivi a estória que acabei de vos contar. É esta nossa maneira especial de ser, afirmativa - assertiva, como se diz agora que não deixa aos outros a afirmação do que somos e da nossa verdade, que transmite essa ideia, tantas vezes falsa, de que queremos parecer aquilo que não somos. Porque não é gratuita esta atitude. Ela não nasce por acaso ou devaneio, por presunção ou por vaidade. Ela nasce de um apegado amor ao trabalho, de um combate persistente pela melhoria das condições de vida, da labuta diária por uma vida melhor onde as condições sócio-económicas permitam uma mais forte afirmação de cada qual. Da luta, da capacidade de luta e de trabalho que transparece na mulher que ao fim do dia transporta o pesadíssimo molho de erva à cabeça, para governar a casa apenas com o que ela própria produz e poupar por inteiro aquilo que o marido ( ou o pai ou o filho ) foi procurar, na madrugada de um incerto dia, num país distante que não conhece, de que não conhece nem as pessoas, nem a língua, nem a geografia e do qual só voltará ( voltará? ) se a vida lhe sorrir e puder expressar, na sua terra, o fruto da sua ousadia e do seu trabalho. Ou vai buscar na labuta dos campos ou das águas da Pateira para onde parte antes do sol nascer e donde só regressa depois das trindades. Claro que estou a falar de um tempo que já não existe. Estou a falar de uma agricultura que já não existe ( e que hoje quase se reduz á

10 10 subsistência ) e de uma emigração que já não existe ou que mudou de destino nem Brasil, nem Venezuela, nem Estados Unidos, mas França ou Espanha ou Inglaterra ou outros Portugais. Ou mesmo de uma emigração que mudou rigorosamente de sentido ( já temos os nossos doutorados em universidades estrangeiros e mesmo inteligência nossa exportada ). Já não existem pois não? - as fundições e as fábricas de serração de que falava o Decreto de Nem talvez as camisarias que noutro tempo foram rumo. E a Pateira já não é o estrume ou o moliço disputado barco a barco para adubar as terras. Hoje a abertura da Pateira é bem mais tarde na manhã e centra-se, no máximo, num pescaria que sirva de pretexto ao reencontro e forneça o petisco do almoço. Os barcos e as alfaias resguardam-se na Fundação Tomás Nunes, do meu irmão Rolando e da sua unidade familiar. Mas a filosofia é a mesma noutras áreas, noutros mundos, por outras formas, o combate é o mesmo e o respeito por nós e pelos que nos antecederam é igualmente o mesmo, com cada um a lutar pela melhor vida possível para não se deixar ficar mal nem a si nem aos seus. Sem que com isto se proscreva, se ponha de lado, o sentido da solidariedade que se quer ver na pequena estória dos sinos e do acudir ao fogo. Em momentos de dificuldade, de crise, nós somos solidários. Estamos lá, uns com os outros, ajudando muitas vezes sem perguntar quem precisa de ajuda ou esquecendo guerras antigas para estarmos todos do mesmo lado. Mesmo às vezes é preciso dizê-lo quando o sentido da solidariedade é negativo.

11 11 Porque tanto corremos todos para acudir ao fogo como podemos correr todos para destelhar uma casa e devolver à procedência alguém que veio casar à nossa terra e não trata a nossa conterrânea com o carinho e o respeito com que deve ser tratada uma mulher. Claro que isto também resulta de uma certa dificuldade nossa de aceitar o que é estranho, o que vem de fora. O que resulta aliás da nossa especial configuração geográfica ninguém passa em Fermentelos, ninguém precisa de passar em Fermentelos, só vem a Fermentelos quem quer vir e noutros tempos ao menos noutros tempos éramos conduzidos a pensar que só vem a Fermentelos quem nós queremos. E por isso é que somos tão criteriosos a aceitar as pessoas que nos procuram. No nosso universo, no nosso mundo, entra só aquilo que é bom. E aí somos insuperáveis a receber quem nos merece. Por mim falo, e pela forma como minha Mãe entrou na vida e no coração de Fermentelos. E é isso que eu vejo também hoje basta pensar, ao correr da pena, no Comendador Augusto Gonçalves, que sendo de fora é o Presidente da Assembleia Geral da Banda Nova, no meu primo Vítor Santos, que é quase de cá e é o actual Presidente da Direcção, e no anterior Presidente, Sr. José Lopes, que é de fora e parece de cá e, na Banda Velha, no ilustríssimo Advogado Dr. Jorge Mendonça, até há pouco Presidente da Direcção, e no Engenheiro Celestino de Almeida, Presidente da Assembleia Geral. Um de Oliveira do Bairro, outro de Águeda, vejam lá. O que é verdade é que, passe a expressão, importamos apenas os melhores.

12 12 Vem a propósito falar das bandas, no que foram e são as bandas nesta Vila. Porque elas são o rosto visível de um gosto especial pela cultura. Porque há as bandas, e há as contradanças, e há os ranchos folclóricos, e há as récitas, e há os entremezes. As mais das vezes, diga-se, em duplicado. Esta também uma das características da nossa terra se há uma banda vai nascer outra banda, se há uma contradança vai surgir outra contradança, se há um rancho vamos arranjar outro rancho, se há uma fogueira na tua rua, na minha rua há-de haver uma melhor que na tua. Por emulação, porque cada um quer fazer melhor do que o outro e, fazendo ambos bem, a Terra necessariamente vai beneficiar. Assim foi sempre, ao menos na minha memória ou na minha imaginação. Que me lembre apenas o futebol deu um único clube, mas um clube que ao que julgo está a abrir horizontes mais vastos aos jovens que o procuram. Mas as bandas, as bandas, e os maestros das bandas! A música e a disciplina trazida pela música! Não havia garoto que andasse na música e pudesse faltar a um ensaio, o ensaio era sagrado. E os maestros das bandas eram respeitosamente tratados por senhores do meu tio Jeremias já falei, do Senhor Artur Cadete e do Senhor António Lemos já falei, mas gostava de deixar ficar aqui o nome do meu Tio Daniel. E depois os novos maestros. Todos tão novos e tão respeitados. A começar nos maestros António Neves e João Neves.

13 13 Que eu penso, aliás, serem os pioneiros, os promotores, de uma mudança cultural determinante na nossa Terra. De um tempo em que a música começava e acabava dentro de portas e era apenas um exercício recreativo e cultural, passou-se a banda como o caminho de uma formação profissional que se procura nos Conservatórios mas que se não divorcia das origens. E tanta gente hoje, de Fermentelos, vive ou estuda a música, com a profissão. E tanta gente deixa vincado nessa arte o bom nome de Fermentelos. Nem preciso de sair da minha família o meu sobrinho Hélder é professor de música e Director da Escola EB2/3 de Oiã, a minha sobrinha-neta Mariana, já agora uma violoncelista exímia, estuda música na Universidade do Minho, em Braga. E é curioso pensar como este caminho da busca da formação e da qualidade nesta arte conduziu a que a estória que acima contei verdadeira tanto quanto é verdadeira a minha verdade é hoje perfeitamente impensável: as duas bandas tocam juntas onde estás, meu amigo Ulisses? o Helder tocou na Velha, a Mariana tocou como convidada na Nova. E uma ou outra, ou as duas, estarão sempre nas festas ou nas cerimónias desta Terra que tem na sua genética um traço intenso de religiosidade, aliado a um respeito muito sentido pelos mortos. Escolhi a Senhora de Fátima Peregrina para ilustrar essa faceta da nossa personalidade enquanto povo. Mas basta qualquer cerimónia religiosa de hoje ou uma qualquer romagem ao cemitério para perceber-se do que falo quando falo do respeito e do silêncio.

14 14 É possível ouvir uma das bandas ou o coral de qualquer delas, ou ouvir o doloroso solo de um saxofone onde estás, meu amigo TóZé?! contra o silêncio absoluto da multidão que enche o cemitério. É tempo de terminar. Falta apenas referir o gosto pela conversa e o toque de humor que sempre nos acompanha a nós, Fermentelenses, pela vida fora. A mulher ficou mais de uma hora com o grandíssimo molho de erva à cabeça conversando com aquela amiga. E a minha experiência diz-me que quando dois fermentelenses conversam aparece sempre pelo menos um terceiro a entrar na conversa. Quando o Senhor Presidente da Junta falava comigo sobre esta sessão, na Praça Marquês de Pombal, logo passou o Virgílio a cumprimentar-nos. O Homem que se pensava duro e teso - e inexpugnável a sua propriedade - acabou a acordar, em cima do carro de bois, no largo do Cruzeiro. E o humor às vezes ácido, outras vezes injusto, as mais das vezes elegante, certeiro e carinhoso, sem ofensa passa também nesse gosto ímpar daquilo a que chamamos os apelidos. Que muitas vezes ( só ) a elevação sócio-cultural consegue eliminar, ainda que tardiamente e já aqui falámos de pessoas que venceram o nome porque construíram uma personalidade marcante mas muitas mais permanece indefinidamente nos muros desta Terra. E é por isso que eu vou guardar o convite do meu amigo Carlos Nolasco como prova provada que sou de Fermentelos e vou dizer à minha irmã, que não pôde estar aqui presente, que toda a gente me perguntou muito pela Florzinha. É tudo.

15 15 João Pires da Rosa Fermentelos Junta de Freguesia 5 de Maio de 2010

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo O dia em que parei de mandar minha filha andar logo Rachel Macy Stafford Quando se está vivendo uma vida distraída, dispersa, cada minuto precisa ser contabilizado. Você sente que precisa estar cumprindo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de retomada

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Coaching para pessoas disponíveis, ambos

Coaching para pessoas disponíveis, ambos Nota da Autora 1001 maneiras de ser Feliz, é o meu terceiro livro. Escrevi Coaching para mães disponíveis e Coaching para pessoas disponíveis, ambos gratuitos e disponíveis no site do Emotional Coaching.

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares BOLA NA CESTA Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares 25/04/2012 SINOPSE Essa é a história de Marlon Almeida. Um adolescente que tem um pai envolvido com a criminalidade. Sua salvação está no esporte.

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU MULHER SOLTEIRA REFRÃO: Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir (Essa música foi feita só prás mulheres

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN "Pr. Williams Costa Jr.- Pastor Bullón, por que uma pessoa precisa se batizar? Pr. Alejandro Bullón - O Evangelho de São Marcos 16:16 diz assim: "Quem crer e for batizado,

Leia mais

Sobre esta obra, você tem a liberdade de:

Sobre esta obra, você tem a liberdade de: Sobre esta obra, você tem a liberdade de: Compartilhar copiar, distribuir e transmitir a obra. Sob as seguintes condições: Atribuição Você deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante

Leia mais

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento).

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). O Caminho de Emaús Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). Leitura: Lc 24, 13-35 Todos nós percorremos frequentemente o

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora

José teve medo e, relutantemente, concordou em tomar a menina como esposa e a levou para casa. Deves permanecer aqui enquanto eu estiver fora Maria e José Esta é a história de Jesus e de seu irmão Cristo, de como nasceram, de como viveram e de como um deles morreu. A morte do outro não entra na história. Como é de conhecimento geral, sua mãe

Leia mais

2009 Gilberto Gonçalves

2009 Gilberto Gonçalves No ano de 2004, um grupo de amigos pertencentes aos Bombeiros Voluntários de Fafe decidiu juntar-se para preparar uma pequena brincadeira para a festa de aniversário da Associação Humanitária, recorrendo

Leia mais

YEMANJA 01 MÃE DÁGUÁ RAIMHA DAS ONDAS SEREIA DO MAR MÃE DÁGUA SEU CANTO É BONITO QUANDO FAZ LUAR..(.BIS)

YEMANJA 01 MÃE DÁGUÁ RAIMHA DAS ONDAS SEREIA DO MAR MÃE DÁGUA SEU CANTO É BONITO QUANDO FAZ LUAR..(.BIS) YEMANJA 01 MÃE DÁGUÁ RAIMHA DAS ONDAS SEREIA DO MAR MÃE DÁGUA SEU CANTO É BONITO QUANDO FAZ LUAR..(.BIS) YEMANJA, YEMANJA...(BIS) RAINHA DAS ONDAS SEREIA DO MAR...BIS É BONITO O CANTO DE YEMANJA SEMPRE

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

Laranja-fogo. Cor-de-céu

Laranja-fogo. Cor-de-céu Laranja-fogo. Cor-de-céu Talita Baldin Eu. Você. Não. Quero. Ter. Nome. Voz. Quero ter voz. Não. Não quero ter voz. Correram pela escada. Correram pelo corredor. Espiando na porta. Olho de vidro para quem

Leia mais

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho o príncipe lá de casa Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho e talvez queira outra vez um marido. Mas quando se tem um filho e já se teve um marido, um homem não nos serve exatamente para

Leia mais

O porco que veio no rio

O porco que veio no rio Ficha de transcrição / Esposende / O porco que veio no rio O porco que veio no rio Classificação: Episódio de vida Assunto: Numa época de grande escassez e dificuldade, uma mulher encontro um porco que

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

Catequese da Adolescência 7º Catecismo Documentos de Apoio CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS. Documento I

Catequese da Adolescência 7º Catecismo Documentos de Apoio CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS. Documento I CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento I CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento 2 CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento 3 CATEQUESE 2 - QUEM SOU EU? Documento 1 CATEQUESE

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS

A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS Quinta-feira, 25 de Março de 2010 (Vídeo) P. Santo Padre, o jovem

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Jesus contou aos seus discípulos esta parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar.

Jesus contou aos seus discípulos esta parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar. Lc 18.1-8 Jesus contou aos seus discípulos esta parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar. Ele disse: "Em certa cidade havia um juiz que não temia a Deus nem se importava

Leia mais

A PREENCHER PELO ALUNO

A PREENCHER PELO ALUNO Prova Final do 1.º e do 2.º Ciclos do Ensino Básico PLNM (A2) Prova 43 63/2.ª Fase/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ALUNO Nome completo Documento de identificação Assinatura

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão:

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão: SESSÃO 3 'Eis a tua mãe' Ambiente Em uma mesa pequena, coloque uma Bíblia, abriu para a passagem do Evangelho leia nesta sessão. Também coloca na mesa uma pequena estátua ou uma imagem de Maria e uma vela

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Mais um ano está começando... Tempo de pensar no que passou Avaliar. Tempo de pensar no que virá Planejar

Mais um ano está começando... Tempo de pensar no que passou Avaliar. Tempo de pensar no que virá Planejar Mais um ano está começando... Tempo de pensar no que passou Avaliar Tempo de pensar no que virá Planejar Hámomentos em nossa vida em que temos duas opções: Desistir Recomeçar Quando a VIDA decepciona João

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé

MÚSICAS. Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé MÚSICAS Hino da Praznik Sempre Quando vens p ras colónias Sei de alguém Menino de Bronze Tenho Vontade VuVu & ZéZé Hino da Praznik Do Fá Gosto de aqui estar Sol Do E contigo brincar E ao fim vou arranjar

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA

INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA DIANA + 3 INTERTÍTULO: DIANA + 1 FADE IN EXT. PRAIA/BEIRA MAR DIA Pablo, rapaz gordinho, 20 anos, está sentado na areia da praia ao lado de Dino, magrinho, de óculos, 18 anos. Pablo tem um violão no colo.

Leia mais

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI)

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) II 1 Indicadores Desqualificação Não poder fazer nada do que preciso, quero fazer as coisas e não posso ; eu senti-me velho com 80 anos. Aí é que eu já

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia CD 02 Bom Jesus da Cana Verde [ai bom Jesus da Cana Verde é nosso pai, é nosso Deus (bis)] ai graças a Deus para sempre que tornamos a voltar ai com o mesmo Pombo Divino da glória celestial ai Meu Divino

Leia mais

Caridade quaresmal. Oração Pai-nosso S. João Bosco Rogai por nós. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Bom dia a todos!

Caridade quaresmal. Oração Pai-nosso S. João Bosco Rogai por nós. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Bom dia a todos! 2ª feira, 09 de março: Dar esmola Bom dia! Há gestos que nesta altura a quaresma, ganham uma dimensão ainda maior. Enchem-nos. Um dia, uma mulher vestida de trapos velhos percorria as ruas de uma aldeia

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE HINÁRIO O CHAVEIRÃO Tema 2012: Flora Brasileira Allamanda blanchetii Glauco Glauco Villas Boas 1 www.hinarios.org 2 01 HÓSPEDE Padrinho Eduardo - Marcha Eu convidei no meu sonho Meu mestre vamos passear

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões 8 Passos para o Recrutamento Eficaz Por Tiago Simões Uma das coisas que aprendi na indústria de marketing de rede é que se você não tem um sistema de trabalho que comprovadamente funcione, muito provavelmente

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo São Paulo-SP, 20 de outubro de 2004 Meus queridos companheiros e minhas queridas companheiras

Leia mais

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli

DIANA + 3. Roteiro de Henry Grazinoli DIANA + 3 Roteiro de Henry Grazinoli EXT. CALÇADA DO PORTINHO DIA Sombra de Pablo e Dino caminhando pela calçada do portinho de Cabo Frio. A calçada típica da cidade, com suas ondinhas e peixes desenhados.

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público

PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público Pedro, Tiago, João no barquinho Os três no barquinho no mar da Galiléia Jogaram a rede Mas não pegaram nada Tentaram outra vez E nada

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É BRENNAN MANNING & JOHN BLASE DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É NÃO DO JEITO QUE DEVERIA SER, POIS VOCÊ NUNCA SERÁ DO JEITO QUE DEVERIA SER Tradução de A. G. MENDES Parte 1 R i c h a r d 1 Nem sempre recebemos

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

Consagração do Aposento. Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO

Consagração do Aposento. Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO Oração Pai Nosso Ave Maria Chave Harmonia Hinos da ORAÇÃO Consagração do Aposento Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO Pai Nosso - Ave Maria Prece

Leia mais

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal.

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal. -...eu nem te conto! - Conta, vai, conta! - Está bem! Mas você promete não contar para mais ninguém? - Prometo. Juro que não conto! Se eu contar quero morrer sequinha na mesma hora... - Não precisa exagerar!

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

Vai ao encontro! de quem mais precisa!

Vai ao encontro! de quem mais precisa! Vai ao encontro! 2ª feira, 05 de outubro: Dos mais pobres Bom dia meus amigos Este mês vamos tentar perceber como podemos ajudar os outros. Vocês já ouviram falar das muitas pessoas que estão a fugir dos

Leia mais

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO FAÇA ACONTECER AGORA MISSÃO ESPECIAL SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO RENATA WERNER COACHING PARA MULHERES Página 1 Q ue Maravilha Começar algo novo

Leia mais

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:...

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:... ALEGRIA PERSONAGENS: Duas amigas entre idades adolescentes. ALEGRIA:... TATY:... Peça infanto-juvenil, em um só ato com quatro personagens sendo as mesmas atrizes, mostrando a vida de duas meninas, no

Leia mais

AGUAS PROFUNDAS. Lc 5

AGUAS PROFUNDAS. Lc 5 1 Lc 5 AGUAS PROFUNDAS 1 Certo dia Jesus estava perto do lago de Genesaré, e uma multidão o comprimia de todos os lados para ouvir a palavra de Deus. 2 Viu à beira do lago dois barcos, deixados ali pelos

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O ENGANADOR

Bíblia para crianças. apresenta O ENGANADOR Bíblia para crianças apresenta JACÓ O ENGANADOR Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:M. Maillot; Lazarus Adaptado por: M Kerr; Sarah S. Traduzido por: Berenyce Brandão Produzido por: Bible for Children

Leia mais

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena

JANEIRO DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. escrito por: Antפnio Carlos Calixto. Filho. Personagens: Dana de. Oliveira uma moça. simples ingênua morena OSUTERBOS DE 2013,SEXTA FEIRA DIA 11. JANEIRO escrito por: Antפnio Carlos Calixto Filho Personagens: Dana de Oliveira uma moça simples ingênua morena olhos pretos como jabuticaba,1.70a,sarad a cabelos

Leia mais

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados.

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. 1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. É bonita a história que acabaste de contar. Vou dar este livro ao Daniel, no dia do seu aniversário. Ele adora

Leia mais

OCASIÕES ESPECIAIS. Batismo 1. Composição: Bitty/ Gilda Máximo

OCASIÕES ESPECIAIS. Batismo 1. Composição: Bitty/ Gilda Máximo OCASIÕES ESPECIAIS Amaci Composição: Leonardo Guimarães A todos que olham > A todos que estão aqui > Muita atenção, hoje é noite de Amaci >2x Filhos de fé respeitem o pano branco Babalaô preparou seu banho

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

AS MULHERES DE JACÓ Lição 16

AS MULHERES DE JACÓ Lição 16 AS MULHERES DE JACÓ Lição 16 1 1. Objetivos: Ensinar que Jacó fez trabalho duro para ganhar um prêmio Ensinar que se nós pedirmos ajuda de Deus, Ele vai nos ajudar a trabalhar com determinação para obter

Leia mais

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto.

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto. Boa tarde a todos, para quem não me conhece sou o Ricardo Aragão Pinto, e serei o Presidente do Concelho Fiscal desta nobre Fundação. Antes de mais, queria agradecer a todos por terem vindo. É uma honra

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais