Apoio Meteorológico Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apoio Meteorológico Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais"

Transcrição

1 INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, IPMA Apoio Meteorológico Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais RELATÓRIO MENSAL JUNHO 2013 Caracterização Meteorológica e Climatológica Índices de Risco de Incêndio Florestal, FWI, RCM, ICRIF Análise de Resultados Quantidade de Carbono e de CO 2 Equivalente Libertado pelos Incêndios

2 Índice RESUMO CARACTERIZAÇÃO METEOROLÓGICA E CLIMATOLÓGICA Caracterização Meteorológica Caracterização Climatológica VALORES OBSERVADOS DO RISCO DE INCÊNDIO: ANÁLISE DE RESULTADOS Índice Meteorológico de Risco de Incêndio Florestal, FWI Sub-Índices do FWI Valor médio mensal do FWI e comparação com o valor médio Evolução média diária do FWI e da área ardida no mês de junho de Evolução média diária do FWI regional no mês de junho de Índice de Risco Conjuntural Meteorológico, RCM: Mapas das classes de risco de incêndio observadas ao nível do concelho Evolução do risco médio de incêndio desde O Índice de Risco ICRIF O Índice de Risco ICRIF: Comparação estatística AVALIAÇÃO DAS PREVISÕES DO ÍNDICE METEOROLÓGICO DE RISCO INCÊNDIO FLORESTAL, FWI QUANTIDADE DE CARBONO LIBERTADO NA ATMOSFERA POR INCÊNDIOS FLORESTAIS ANEXO I - Mapas das Classes de Risco de Incêndio observadas ao nível do Concelho. 20 ANEXO II - Mapas diários do IOT (ICRIF Over Threshold) com o limiar 25, para os concelhos de Portugal Continental ANEXO III - Quadro com o valor máximo diário do ICRIF

3 Resumo Análise Meteorológica Climatológica O mês de junho apresentou uma grande variabilidade de situações meteorológicas e de condições meteorológicas, com períodos de tempo frio, húmido e ocorrência de precipitação e períodos de tempo quente e seco. O período de tempo quente e seco mais intenso ocorreu no final do mês, originando uma vaga de calor entre 22 e 30, tendo atingido de forma mais significativa, a região Centro. Índice de seca, DC e a taxa diária de severidade, DSR. O valor médio do DC, em junho, foi de 322,7, inferior ao valor médio da série de anos 2003 a 2010, apresentando um valor muito próximo ao do ano de 2003 (328,6). A taxa diária de severidade, DSR, registou um aumento muito significativo, distanciandose da média e aproximando-se do valor dos anos de 2010 e Risco médio do índice meteorológico de incêndio florestal, FWI O valor médio do FWI teve um valor acima da média da década , sendo o quarto mais elevado desde Risco médio do índice de incêndio florestal, RCM O risco médio de incêndio foi o segundo mais elevado desde As classes de risco de incêndio predominantes até ao dia 22, foram de risco Baixo nas regiões do litoral Norte e Centro e Moderado ou Elevado nas outras regiões, aumentando, na última semana do mês, para Risco Elevado ou Muito Elevado em quase todo o território. Previsão do risco médio do índice meteorológico de incêndio florestal, FWI A previsão do FWI apresentou um desvio médio positivo, um pouco superior a 2, para as previsões a 24, 48 e 72horas. O coeficiente de correlação foi de 0,8 para as previsões a 24 e de 0,7 para as 48 e 72 horas. Risco de incêndio florestal, ICRIF e áreas de risco elevado (ICRIF> 25). No mês de junho, ocorreram três períodos com valores elevados de risco de incêndio ICRIF, de 1 a 6, de 13 a 17 e de 21 até ao final do mês. O valor médio da percentagem de área de risco elevado foi superior à média de , em todas as regiões do Continente. Quantidade de Carbono e de CO 2 equivalente libertado pelos incêndios Em junho de 2013, a quantidade de carbono e de CO 2 equivalente libertado pelos incêndios florestais, em todos os distritos do continente, foi de 2660 toneladas e de toneladas, respetivamente. 3 27

4 1. Caracterização Meteorológica e Climatológica 1.1 Caracterização Meteorológica As condições meteorológicas em Portugal Continental até ao dia 23 de junho foram, predominantemente, determinadas pela frequente localização do anticiclone dos Açores na região do Atlântica próxima do arquipélago dos Açores e, por vezes, com passagem de ondulações frontais de fraca atividade pelo território do Continente. Esta situação meteorológica originou tempo frio, húmido e ocorrência de precipitação nas regiões Norte e Centro. No período de 5 a 10, uma depressão fria localizada a norte da Península Ibérica, originou situação de instabilidade atmosférica com ocorrência de aguaceiros e trovoadas. A partir do dia 23, o anticiclone dos Açores localizou-se a nordeste do arquipélago, estendendo-se em crista para o Golfo da Biscaia e Europa Ocidental, ficando o Continente sob a influência de uma corrente moderada de nordeste e ar quente e seco. Neste período, registou-se subida muito significativa da temperatura do ar, que originou uma vaga de calor que atingiu, em especial, a região Centro, o Minho e Douro Litoral. O vento soprou de nordeste, fraco ou moderado, e durante a noite e início da manhã, registou-se intensificação do vento que, nas terras altas do Norte e Centro, soprou por vezes forte e com rajadas. 1.2 Caracterização Climatológica O mês de junho de 2013 em Portugal Continental caracterizou-se por valores da temperatura média do ar e da quantidade de precipitação inferiores ao normal. Foi um mês seco ou muito seco, com exceção das regiões de Aveiro e Coimbra onde foi normal, e ocorreram períodos frios e quentes. Um dos períodos quentes ocorreu no início do més, entre 1 a 4, mas foi no final do mês, a partir de 23, que a temperatura máxima atingiu valores muito elevados, acima de 30ºC, na maior parte do território. Na Figura 1a, pode verificar-se que no mês de junho a média da temperatura mínima e esteve abaixo do valor médio, em especial no nordeste transmontano, na região de Leiria, na Estremadura e no litoral alentejano. A média da temperatura máxima (Figura 1 b) foi na maior parte do território superior ao normal, em especial nas regiões a sul do sistema montanhoso Montejunto Estrela e com maior significado no Minho e Douro Litoral. As Figuras 1c e 1d mostram que, em junho, houve um número superior ao normal de noites tropicais - temperatura mínima superior a 20ºC, em especial nas regiões do Porto, Portalegre e Faro. Também o número de dias com temperatura máxima superior a 30ºC foi muito superior ao normal de , registando-se mais de 15 dias com temperatura máxima superior a 30 ºC no interior do Alentejo e em alguns locais do vale do Tejo. 4 27

5 (a) (b) (c) (d) Figura 1- Anomalias da temperatura mínima (a) e da temperatura máxima (b). Número de dias com temperatura mínima > 20 ºC (c) e com temperatura máxima superior a 30 ºC (d). 5 27

6 A Figura 2 a mostra que a ocorrência de precipitação foi mais significativa no Minho, Douro Litoral e na Beira Litoral, registando-se valores muito abaixo do normal de , em quase todo o território (Figura 2b). Mas em Trás os - Montes, Beira Interior e na região Sul a quantidade de precipitação foi 50% inferior ao normal ou menos de 25% do normal, em alguns locais do nordeste transmontano, no Baixo Alentejo e no Algarve. (a) (b) Figura 2 - Distribuição espacial da precipitação total(a) e respetiva percentagem em relação à média (b). 6 27

7 2. Valores Observados do Risco de Incêndio: Análise de Resultados 2.1 Índice Meteorológico de Risco de Incêndio Florestal, FWI Sub-Índices do FWI O índice, DC 2, é um dos componentes do FWI, dá indicação do teor de humidade nas camadas profundas (10 a 20 cm), estimando indiretamente a intensidade dos fogos devido à secura dos combustíveis. A Figura 3 mostra que, em junho de 2013, o valor médio de DC era de 322,7 um pouco abaixo da média (342,1) da série de anos 2003 a 2010, apresentando um valor muito próximo ao do ano de 2003 (328,6), sendo o quinto mais baixo dos últimos 11 anos. (a) 1 FWI = Fire Weather Index índice meteorológico de risco de incêndio florestal, desenvolvido pelo Serviço Meteorológico Canadiano. Para mais informações consultar 2 DC = Drought Code - Índice de seca, componente do índice meteorológico de risco de incêndio, FWI 7 27

8 (b) Figura 3 (a) Valor médio do índice de médio de seca, DC, em junho, (b) Evolução do índice diário de severidade, DSR. A Figura 3b mostra a taxa diária de severidade, DSR 3, nos meses de maio e junho. Verifica-se que no ano de 2013, a taxa de severidade teve um comportamento médio até ao meio de junho, aumentando significativamente na segunda metade de junho, aproximando-se dos anos de 2010 e 2012 e, no final do mês, afastou-se da média, ficando abaixo dos três anos de maior severidade, 2003,2005 e As condições meteorológicas da última semana de junho, com valores elevados da temperatura e valores baixos da humidade relativa do ar, acompanhados com vento por vezes forte no interior das regiões Norte e Centro, agravaram significativamente a situação meteorológica para o combate aos incêndios florestais Valor médio mensal do FWI e comparação com o valor médio O índice meteorológico de risco de incêndio florestal - FWI, apresentou um valor médio de 24, 65 um pouco acima da média (22,28) da década 2001 a 2010 (Figura 4), aproximando-se do ano de 2001, com um valor médio de 24,61 e sendo o quarto mais elevado dos últimos treze anos. O número de ocorrências de incêndio foi de 1731, superior ao do ano 2012, com 834 ocorrências, e área ardida de 1635 ha, em DSR = Daily Severity Ratting - Taxa Diária de Severidade, função do FWI, avalia a severidade da época de incêndios 8 27

9 Figura 4 - Valores médios mensais do FWI para os anos de 2001 a 2012 e ano Respetivos valores da área ardida e número de ocorrências. Fonte de ocorrências e área ardida, ICNF (Instituto da Conservação da Natureza e Floresta) Evolução média diária do FWI e da área ardida no mês de junho de 2013 Pelo gráfico da Figura 5, verifica-se que o valor médio diário do índice meteorológico de risco de incêndio FWI, teve variações acentuadas até ao meio do mês, apresentando uma curva ascendente a partir do dia 18 e registando valores médios superiores a 35 a partir do dia 23. Este comportamento do índice FWI, reflete o agravamento das condições meteorológicos da última semana de junho. 9 27

10 Figura 5 - Evolução média diária do FWI e área ardida em junho Evolução média diária do FWI regional no mês de junho de 2013 Para avaliar a variação espacial do FWI no território, durante o mês de junho, tomou-se a média dos valores diários do FWI das estações de cada distrito das diferentes regiões consideradas e comparou-se com a mediana (decil 5) de uma dessas estações, tomada como referência da região (Figura 6). No Gráfico da Figura 6 a, estão apresentadas as evoluções diárias do FWI para a região do Litoral Norte (LN - distrito do Porto e Viana do Castelo) e Litoral Centro (LC- distritos de Aveiro e Leiria). No Gráfico da Figura 6 b estão apresentados os valores médios diários do FWI para a parte interior Norte e Centro, NI (distritos de Braga, Bragança, Vila Real), Interior Centro Norte CIN (distritos da Guarda, Viseu, Coimbra) e Interior Centro Sul, CIS (distritos de Santarém e Castelo Branco). Consideraram-se as medianas de junho para as estações de Leiria e Castelo Branco no período de Verifica-se que em todas as regiões houve flutuações consideráveis do FWI, atingindo valores de zero, ou próximo, nos dias 17 e 18, aumentando a partir do dia 18 e atingindo valores superiores à mediana a partir do dia 23. O valor médio diário mais elevado de FWI, no mês de junho, foi atingindo no Algarve (não mostrado) no dia 29 com 56,1, enquanto o valor médio diário mais elevado no Litoral Norte foi de 36,0 atingido, também, no dia

11 FWI FWI 45.0 Evolução Diária do FWI : Litoral Norte e Litoral Centro Junho de Dia FWI_LN FWI_LC FWI_Leiria_Med1988/2011 (a) 60.0 Evolução Diária do FWI : Interior Norte e Centro e Alentejo Junho de Dia FWI_IN FWI_CIN FWI_CIS FWI_Alent FWI_Med_C.Branco1988/2011 (b) Figura 6 - Evolução diária do FWI. Valor médio diário por região. (a) Regiões Litoral Norte (LN), e Litoral Centro (LC) (b) Regiões do interior Norte e Centro

12 2.2 Índice de Risco Conjuntural Meteorológico, RCM 4 : Mapas das classes de risco de incêndio observadas ao nível do concelho Os mapas com as classes de risco de incêndio (Anexo I) mostram que, até ao dia 22, as classes de risco de incêndio florestal, RCM, predominantes foram de risco Baixo nas regiões do Litoral Norte e Centro e Moderado a Elevado nas outras regiões. No período de 7 a 12 e nos dias 18 e 19, as classes de risco de incêndio, em quase todo o território continental, foram de Baixo ou Moderado. A partir de 23, registou-se um aumento significativo do risco de incêndio, tornando-se Elevado a Muito Elevado e Extremo em alguns locais do interior Centro e em Monchique Evolução do risco médio de incêndio desde 2006 Na Figura 7, apresenta-se o comportamento do risco médio de incêndio, da área ardida e do número de ocorrências para o mês de junho, nos anos de 2006 a A Figura referida mostra que, em junho de 2013, o risco médio de incêndio com o valor de 2,26, é o segundo mais alto da série, aproximando-se dos anos de 2006 com um risco médio de 2,14, o terceiro da série. Figura 7 - Risco de Incêndio médio, área ardida e número de ocorrências, para o mês de junho em Portugal continental no período de 2006 a FWI = Fire Weather Index índice meteorológico de risco de incêndio florestal, desenvolvido pelo Serviço Meteorológico Canadiano. Para mais informações consultar

13 2.3 O Índice de Risco ICRIF 5 No Anexo III apresentam-se as áreas com risco de incêndio florestal elevado, dado pela percentagem de área de concelhos em que o ICRIF foi superior ao limiar 25 (IOT > 25 - ICRIF Over Threshold). Da análise das figuras do Anexo II, observa-se que, em Junho de 2013, houve três períodos com valores elevados de risco, nomeadamente, de 1 a 6, de 13 a 17 e de 21 até ao final do mês (Figuras 8 e 9). Neste último período, a percentagem de área de risco elevado, em vários concelhos do território continental, foi muito elevada. Pelo contrário, nos períodos de 7 a 13 e de 17 a 21, os valores risco foram relativamente baixos, em todo o Continente. Observou-se uma diferença nítida na percentagem de área de risco elevado, nas primeiras duas décadas do mês, comparando regiões do Norte e Centro Litoral com valores muito baixos, e as restantes regiões, com valores relativamente mais elevados (Figura 9). Os valores máximos de ICRIF por distrito, (Anexo III), refletem estes três períodos de risco elevado em Junho de Nos distritos da Guarda e Castelo Branco o valor mais elevado do ICRIF foi observado no dia 6 de Junho, nos distritos de Évora e Setúbal, no dia 17 e nos restantes distritos no período de 24 a 30. Nos gráficos, que representam a área de risco elevado para as regiões, através da percentagem do número de pixels com ICRIF superior a 25, e a área ardida em ha (hectares), fornecida pela ICNF (Instituto da Conservação da Natureza e Florestas), observam-se igualmente estes três períodos. Figura 8- Número de pixels com ICRIF> 25 e a área ardida (ha) fornecida pela ICNF (Instituto da Conservação da Natureza e Florestas) para as Regiões do Norte Litoral e Centro Litoral. 5 ICRIF = O índice meteorológico combinado de risco de incêndio florestal baseado em 3 sub-índices: índice estrutural, associado ao tipo de coberto vegetal baseado no CORINE; índice ligado ao risco conjuntural calculado diariamente com base no FWI; Um sub-índice que representa um agravamento do risco ligado ao estado da vegetação, representada pelo valor do NDVI, calculado com base na melhor das imagens NOAA

14 Figura 9 - Número de pixels com ICRIF > 25 e a área ardida (ha) fornecida pela ICNF (Instituto da Conservação da Natureza e Florestas, dados do dia 3 de Julho de 2013) para as Regiões da Estremadura e Alentejo O Índice de Risco ICRIF: Comparação estatística Compararam-se, para cada região, os valores de percentagem de área de risco elevado (ICRIF > 25) observado em Junho de 2013, com os valores estimados, para o mesmo mês, a partir do reprocessamento do período , recorrendo: Valor médio diário Valor médio acrescido de um desvio padrão Percentil 95 Nas regiões do Norte e Centro Litoral e Norte e Centro Interior, os valores de percentagem de área de risco elevado foram, em geral, inferiores ao valor médio, acrescido de um desvio padrão, nas primeiras duas décadas do mês de Junho (Figura 10 e 11). Na última década do mês, a percentagem de área de risco elevado é superior ao percentil 95 da série 2001/2010. Nas outras regiões, Estremadura, Alentejo e Algarve (Figura 12), nos três períodos de risco de incêndio florestal assinalados, a percentagem da área de risco ultrapassa o percentil 95 da série 2001/

15 Figura 10 - Percentagem do número de pixels com valor ICRIF> 25 para junho de 2013, valor médio, valor médio mais um desvio padrão e percentil 95, para o mês de junho no período para as regiões do Norte Litoral e Interior. Figura 11 - Percentagem do número de pixels com valor ICRIF> 25 para junho de 2013, valor médio, valor médio mais um desvio padrão e percentil 95, para o mês de junho no período para as regiões do Centro Litoral e Interior. Figura 12 - Percentagem do número de pixels com valor ICRIF> 25 para junho de 2013, valor médio, valor médio mais um desvio padrão e percentil 95, para o mês de junho no período para as regiões do Alentejo e Algarve

16 Comparando os valores médios da percentagem de área de risco elevado, por região, dada pela percentagem do número de pixels com valor de ICRIF > 25, em Junho de 2013, e o respetivo valor médio calculado para 2001/2010, verifica-se que, em todas as regiões, o valor médio de áreas de risco elevado em junho de 2013 foi superior ao valor médio (Figura 13). Figura 13 - Valor médio da percentagem do número de pixels com valor ICRIF >25 para Junho de 2013 por Regiões e o respetivo valor médio calculado para o período 2001/2010. Utilizando valores diários da área ardida e da percentagem de área de risco elevado calculouse, para todo o país, uma tabela de contingência entre aquelas variáveis, tabela 1. Tabela 1 - Área de Risco Elevado e Área Ardida (%) Área ardida ha Área ardida >0.01 ha (% pixels ICRIF>25) 0 16% (84) 7% (37) (% pixels ICRIF>25) 0 22% (121) 55% (298) A partir destes valores, conclui-se: - O ICRIF no mês de junho apresentou 16 % de falsos alarmes - O ICRIF no mês de junho apresentou 7% de ocorrências não justificadas. Para o presente mês, a probabilidade de deteção, POD, dada pela razão entre o número de casos em que se observou área ardida superior ou igual a 0.01 ha e valores de percentagem de área de risco ICRIF elevado sobre o número total de casos em que se verificou área ardida superior ou igual a 0.01 ha foi de 66%. As regiões do Norte Litoral e Interior foram onde se observou um maior número de ocorrências não justificadas. Nas regiões do Centro Interior, Estremadura, Alentejo e Algarve os valores de acerto foram superiores a 70%, com valores de POD superiores a 80%

17 3. Avaliação das previsões do índice meteorológico de risco incêndio florestal, FWI. Fez-se a comparação entre os valores previstos do FWI, baseado nos valores previstos pelo modelo numérico de previsão de área limitada Aladin da temperatura, humidade relativa do ar, da intensidade do vento e da precipitação acumulada em 24 horas (12 às 12 UTC) e os valores do FWI calculado com os dados observados nas estações meteorológicas. As previsões do FWI, no mês de Junho, foram sobrestimadas, apresentando um desvio médio ou viés (Bias) positivo para as previsões a 24, 48 e 72 horas e sem grandes diferenças entre elas. O desvio médio quadrático, RMSE, foi aumentando com o aumento de alcance das previsões, mas com valores relativamente baixos. Na Figura 14 verifica-se que o valor do coeficiente de correlação é muito elevado, cerca de 0,8 para as previsões a 24 horas, diminuindo para a previsão a 48 horas e 72 horas com os valores de 0,69 e 0,73, respetivamente. Os maiores desvios verificaram-se em estações de altitude ou no Algarve devido a erros mais significativos na previsão do vento e humidade relativa. Figura 14 O índice FWI observado e previsão no mês de Junho de

18 4. Quantidade de Carbono libertado na atmosfera por incêndios florestais A Figura 15 apresenta, a laranja, os valores diários da quantidade de CO 2 equivalente libertado na atmosfera, por ação dos incêndios florestais, estimado com base no produto FRP (Fire Radiation Power) da LSA SAF (Land Surface Analysis Satellite Application Facility). Para mais informação consultar a página O CO 2 equivalente libertado para a atmosfera é estimado a partir do Carbono libertado para a atmosfera (aproximadamente 4 vezes maior). Incluiu-se na mesma Figura, a verde, a área de risco elevado, para todo o País, definida pela percentagem do número de pixels com valor de ICRIF superiores a 25 (ICRIF >25). Figura 15 - Valores diários da quantidade de CO 2 Equivalente em toneladas (a laranja), libertado na atmosfera por ação dos incêndios florestais em todo o País (com base no FRP), a área diária ardida em ha fornecida pela ICNF (Instituto da Conservação da Natureza e Florestas) (a vermelho), e a área de risco elevado (a verde), definida pela percentagem do número de pixels com valor de ICRIF superiores a 25. Valores calculados para o País. Verifica-se uma boa correspondência entre as áreas de risco elevado (ICRIF > 25), área ardida e CO 2 equivalente libertado para a atmosfera pelos incêndios florestais

19 Com base no produto FRPPIXEL da LSASAF é possível localizar as áreas das ocorrências de incêndios florestais (Figura 16 esq) e acompanhar a evolução (15 em 15 minutos) do carbono (e CO 2 equivalente) libertado em Portugal Continental, pelos incêndios florestais, integrando as estimas para valores horários ou diários (Figura 16 dir). Figura 16 Evolução diária do Carbono (CO 2 equivalente) libertado por fogos florestais no mês de Junho de 2013 (Esq), baseado no produto FRPPIXEL da LSA SAF Mapeamento das ocorrências de incêndios florestais no mês de Junho de 2013, baseado no produto FRPPIXEL da LSA SAF(dir) A Tabela 2 apresenta os resultados das emissões de Carbono e de CO 2 libertado nos Distritos de Portugal Continental em Junho de 2013, tendo sido registado a maior quantidade de carbono e de CO2 equivalente libertado pelos incêndios no distrito de Bragança. Tabela 2: Carbono e CO 2 libertado pelos incêndios Carbono e CO2 libertado em Portugal Continental em junho de 2013 Distritos Carbono (t) CO 2 Equivalente Distritos Carbono (t) CO 2 Equivalente V. Castelo C. Branco Bragança Leiria V. Real Santarém Braga Portalegre Porto Évora Viseu Lisboa Guarda Setúbal Aveiro Beja Coimbra Faro Total Carbono: toneladas CO 2 Equivalente: toneladas 19 27

20 ANEXOS ANEXO I - Mapas das Classes de Risco de Incêndio observadas ao nível do Concelho 20 27

21 Figura A1a Mapas das classes de Risco de Incêndio observado a nível de Concelho no mês de maio de 2013 (1 a 16) 21 27

22 Figura A1b Mapas das classes de Risco de Incêndio observado a nível de Concelho no mês de junho de 2013 (17 a 30) 22 27

23 ANEXO II - Mapas diários do IOT (ICRIF Over Threshold) com o limiar 25, para os concelhos de Portugal Continental 23 27

24 Figura A2a - Mapas diários de ICRIF> 25 de 1 a 16 de junho de

25 Figura A2b - Mapas diários de ICRIF> 25 de 17 a 30 de junho de

26 ANEXO III - Quadro com o valor máximo diário do ICRIF 26 27

27 Dia V. do Castelo Bragança V. Real Braga Porto Viseu Guarda Aveiro Coimbra C. Branco Leiria Santarém Portalegre Évora Lisboa Setúbal Beja Faro ICRIF MÁXIMO DIÁRIO

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Maio de 2015 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 1 2 2 5 7 8 Instituto Português

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Junho de 2013 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 2 2 8 10 11 Instituto Português

Leia mais

Boletim climatológico mensal fevereiro 2012

Boletim climatológico mensal fevereiro 2012 Boletim climatológico mensal fevereiro 2012 CONTEÚDOS IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 06 Caracterização Climática Mensal 06 Temperatura do Ar 07 Precipitação Total 09 Insolação

Leia mais

Boletim meteorológico para a agricultura

Boletim meteorológico para a agricultura CONTEÚDOS Boletim meteorológico para a agricultura Nº 49, janeiro 2015 IPMA,I.P. 01 Resumo 02 Situação Sinóptica 03 Descrição Meteorológica 05 Informação Agrometeorológica 12 Previsão 12 Situação agrícola

Leia mais

Boletim climatológico mensal novembro 2011

Boletim climatológico mensal novembro 2011 Boletim climatológico mensal novembro 2011 CONTEÚDOS 14:50 UTC 14:55 UTC 15:00 UTC 15:05 UTC 15:10 UTC 15:15 UTC IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 05 Caracterização Climática

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Janeiro de 2013 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Vento Tabela Resumo mensal 2 3 4 6 7 8 http://www.ipma.pt Figura

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Março de 2013 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Índice NAO Tabela Resumo mensal 2 2 4 9 10 11

Leia mais

Boletim climatológico mensal maio 2012

Boletim climatológico mensal maio 2012 Boletim climatológico mensal maio 2012 CONTEÚDOS IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 05 Caracterização Climática Mensal 05 Temperatura do Ar 07 Precipitação Total 09 Insolação

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Março de 2015 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 1 2 3 4 5 6 Figura 1 Desvios

Leia mais

Boletim climatológico mensal dezembro 2012

Boletim climatológico mensal dezembro 2012 Boletim climatológico mensal dezembro 2012 CONTEÚDOS IPMA,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 06 Caracterização Climática Mensal 06 Temperatura do Ar 07 Precipitação Total 09 Insolação

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Novembro de 2015 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Monitorização da Seca Radiação Tabela Resumo mensal

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Fevereiro de 2013 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Neve Tabela Resumo mensal 2 3 5 8 8 9 http://www.ipma.pt

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Janeiro de 2014 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 1 2 3 4 7 8 Instituto Português

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental SETEMBRO de 2014 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 1 2 3 4 9 10 Instituto

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Maio de 2014

Boletim Climatológico Mensal Maio de 2014 Boletim Climatológico Mensal Maio de 2014 CONTEÚDOS Detalhe do posto meteorológico de Angra do Heroísmo, instalado na Igreja do Colégio (c. 1927). 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas

Leia mais

Boletim Climatológico Anual - Ano 2010

Boletim Climatológico Anual - Ano 2010 Boletim Climatológico Anual - Ano 2010 CONTEÚDOS IM 01 Resumo Anual 05 Caracterização Climática Anual 05 Temperatura do Ar 08 Precipitação 11 Factos e Fenómenos Relevantes Figura 1 RESUMO ANUAL Ano 2010

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Junho de 2014

Boletim Climatológico Mensal Junho de 2014 Boletim Climatológico Mensal Junho de 2014 CONTEÚDOS Observatório Magnético e Sismológico de S. Miguel (c. 1944). 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas 02 Caracterização Climática Mensal

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Fevereiro de 2015

Boletim Climatológico Mensal Fevereiro de 2015 Boletim Climatológico Mensal Fevereiro de 2015 CONTEÚDOS Estação climatológica das Furnas (Fevereiro de 2015) 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas 02 Caracterização Climática Mensal

Leia mais

Condições meteorológicas do dia 19 de abril de 2014

Condições meteorológicas do dia 19 de abril de 2014 Relatório Condições meteorológicas do dia 19 de abril de 2014 Introdução O presente documento pretende explicar o mais exato possível as condições meteorológicas que afetaram as soltas no dia 19ABR14.

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Fevereiro de 2010

Boletim Climatológico Mensal Fevereiro de 2010 Boletim Climatológico Mensal Fevereiro de 2010 CONTEÚDOS Observatório José Agostinho 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas 03 Caracterização Climática Mensal 03 Precipitação total 04

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal Setembro de 2013

Boletim Climatológico Mensal Setembro de 2013 Boletim Climatológico Mensal Setembro de 2013 CONTEÚDOS 23 de setembro 1923, atribuição ao observatório da Horta do nome de Príncipe Alberto de Mónaco. 01 Resumo Mensal 02 Resumo das Condições Meteorológicas

Leia mais

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas UC História e Geografia de Portugal II Geografia de Portugal 3. O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas IPS-ESE ME12C André Silva O Clima Português: Elementos

Leia mais

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Círculo eleitoral dos Açores Aliança Açores Partido Social Democrata Partido Democrático do Atlântico CDS-PP. PPD/D PDA Círculo eleitoral de Aveiro Partido Cidadania e Democracia Cristã PPV/CDC PPD/D.

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

01 DE JANEIRO A 15 DE SETEMBRO

01 DE JANEIRO A 15 DE SETEMBRO NÚMERO 07/2014 DATA 16/09/2014 TÍTULO RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS - 2014 01 DE JANEIRO A 15 DE SETEMBRO RELATÓRIO PROVISÓRIO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS 2014 01 DE JANEIRO A 15 DE SETEMBRO

Leia mais

RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 2008 INDICADORES

RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 2008 INDICADORES RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 28 1 INDICADORES ÁGUA 8 Evolução do número de análises em cumprimento do valor paramétrico 1, Análises (n.º) 7 6 5 4 3 2 1 591 65 64 278 97,48% 97,53% Fonte: ERSAR, 29 623

Leia mais

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL INQUÉRITO AO CRÉDITO Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Introdução O Inquérito ao Crédito Fevereiro 2009, realizado pela AIP-CE, teve como base uma amostra constituída

Leia mais

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL O regime térmico de Portugal acompanha a variação da radiação solar global ao longo do ano. Ao longo do ano, os valores da temperatura média mensal

Leia mais

Riscos de situações extremas de origem meteorológica. Nuno Moreira, IPMA

Riscos de situações extremas de origem meteorológica. Nuno Moreira, IPMA Riscos de situações extremas de origem meteorológica Nuno Moreira, IPMA 1º Encontro Riscos Naturais Fundação Calouste Gulbenkian Lisboa, 20 setembro 2012 Resumo Introdução - a meteorologia e o risco Fenómenos

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

QUADRO I CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014 RESULTADOS POR SUBSISTEMA APÓS A COLOCAÇÃO NA 3.ª FASE

QUADRO I CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014 RESULTADOS POR SUBSISTEMA APÓS A COLOCAÇÃO NA 3.ª FASE NOTA 1. No ano letivo de 2014-2015 foram admitidos no ensino superior público 41 464 estudantes através do concurso nacional de acesso 1. 2. Esses estudantes distribuíram-se da seguinte forma: QUADRO I

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM estatísticas rápidas Setembro/Outubro Nº 55/56 1/22 Índice A.Resumo B. As energias renováveis na produção de electricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito

Leia mais

Organização Curricular em Educação Física

Organização Curricular em Educação Física Organização Curricular em Educação Física Análise dos dados relativos à Organização Curricular em Educação Física para o ano letivo 2012/2013. Estudo desenvolvido pelo Conselho Nacional de Associações

Leia mais

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 Previsão de Consenso 1 INMET e CPTEC/INPE PREVISÃO DE NORMALIDADE DAS CHUVAS E DAS TEMPERATURAS NA MAIOR PARTE DO PAÍS Sumário

Leia mais

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002).

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002). 1 PROGNÓSTICO CLIMÁTICO (Fevereiro, Março e Abril de 2002). O Instituto Nacional de Meteorologia, órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com base nas informações de análise e prognósticos

Leia mais

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA MARIANE CECHINEL GONÇALVES 1 KARINA GRAZIELA JOCHEM 2 VANESSA RIBAS CÚRCIO 3 ANGELA PAULA DE OLIVEIRA 4 MÁRCIA

Leia mais

NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010

NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010 ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010 D I R E C Ç Ã O - G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010

Leia mais

estatísticas rápidas dezembro 2013

estatísticas rápidas dezembro 2013 estatísticas rápidas dezembro 213 Nº 16 Índice A. Resumo B. As energias renováveis na produção de eletricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito 3. Comparação

Leia mais

Projeto Facilita. Queiroz foi levado para o Pinel porque estaria muito exaltado

Projeto Facilita. Queiroz foi levado para o Pinel porque estaria muito exaltado O começo deste verão é o mais abrasador dos últimos 11 anos no Rio Grande do Sul. As médias de temperatura máxima oscilam entre 28 C e 34 C nas diferentes regiões do Estado, chegando a alcançar três graus

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade Escola E.B.,3 de António Feijó Ano letivo 04 05 Planificação anual 7º ano de escolaridade A Terra. Estudos e representações A representação da superfície terrestre A Geografia e o território Compreender

Leia mais

A atmosfera terrestre, a precipitação e respectivos factores geográficos

A atmosfera terrestre, a precipitação e respectivos factores geográficos A atmosfera terrestre, a precipitação e respectivos factores geográficos 1. Estrutura da atmosfera 1. Estrutura da atmosfera 2. Composição química Dióxido de carbono D i ó x i d o Árgon Outros gases Oxigénio

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL JULHO/AGOSTO/SETEMBRO - 2015 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural JUNHO/2015 Previsão trimestral Os modelos de previsão climática indicam que o inverno

Leia mais

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas PQS GLOBAIS Anacom Objetivo SU Ano1 SU PQS 1 PQS 1 (a) PQS1. Prazo de fornecimento da ligação inicial (a) Demora no fornecimento das ligações, quando o cliente não define uma data objetivo (dias) PQS 1

Leia mais

Boletim Climatológico Sazonal Verão 2015

Boletim Climatológico Sazonal Verão 2015 ISSN 2183-1084 Resumo Boletim Climatológico Sazonal Verão 2015 O verão 2015 (junho, julho, agosto) em Portugal Continental foi caracterizado por valores da temperatura média do ar superiores ao valor normal

Leia mais

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Evento: Local: Data: CONFERÊNCIA REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO Centro de Formação Profissional de Santarém 10 de Março

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

ÍSTICAS ESTAT NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E E Ç Ã Ç Ã O - G E R G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A

ÍSTICAS ESTAT NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E E Ç Ã Ç Ã O - G E R G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍ ÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011 D I R E Ç Ã O - G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2007/2011

Leia mais

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013

1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram. na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 1. Acompanhamento dos principais sistemas meteorológicos que atuaram na América do Sul a norte do paralelo 40S no mês de julho de 2013 O mês de julho foi caracterizado pela presença de sete sistemas frontais,

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2003 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A primavera começa neste ano às 07:47h do dia 23 de setembro e vai até 05:04h (horário de Verão) de Brasília, do dia

Leia mais

F. P. COLUMBOFILIA Relatório de Actividades - 2008. Campanha Desportiva

F. P. COLUMBOFILIA Relatório de Actividades - 2008. Campanha Desportiva ACCÇÇÕÕEESS DDEESSEENNVVOOLLVVI IIDDAASS NNAA ÁÁRREE AA DDEESSPPOORRTT IIVVAA I Campanha Desportiva Compete estatutariamente à Federação Portuguesa de Columbofilia organizar, em estreita colaboração com

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

AVALIAÇÃO NACIONAL DE RISCO

AVALIAÇÃO NACIONAL DE RISCO ABRIL DE 2014 ÍNDICE 1. Introdução... 7 2. Enquadramento... 10 2.1 - Enquadramento geográfico... 10 2.2 - Orografia... 14 2.3 - Geotecnia e sismicidade... 18 2.4 - Clima... 24 2.4.1 - Temperatura... 26

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

INFOCLIMA, Ano 11, Número 11 INFOCLIMA. Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05

INFOCLIMA, Ano 11, Número 11 INFOCLIMA. Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 11 de novembro de 2004 Número 11 Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05 CARACTERIZADO O INÍCIO DO FENÔMENO

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento,

Leia mais

Elementos Climáticos CLIMA

Elementos Climáticos CLIMA CLIMA Elementos Climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade, do

Leia mais

A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais

A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais Maria Cristina Canavarro Teixeira Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior Agrária,

Leia mais

VERSÃO 1. Prova Escrita de Geografia A. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 719/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

VERSÃO 1. Prova Escrita de Geografia A. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 719/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/1.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Construção continua em queda

Construção continua em queda Construção: Obras licenciadas e concluídas 2º Trimestre de 2012 - Dados preliminares 13 de setembro de 2012 Construção continua em queda O licenciamento de obras acentuou a sua trajetória descendente,

Leia mais

Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico

Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico 44 Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico A Figura 18 servirá de subsídios às análises que se seguem, pois revela importantes informações quanto ao comportamento das

Leia mais

EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA

EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - Ano de 2010 - FICHA TÉCNICA Título: Empresas do Setor da Construção Análise Económico-Financeira Ano de 2010 Autoria: Henrique Graça Fernanda

Leia mais

Os diferentes climas do mundo

Os diferentes climas do mundo Os diferentes climas do mundo Climas do Mundo Mapa dos climas do mundo Climas quentes Equatoriais Tropical húmido Tropical seco Desértico quente Climas temperados Temperado Mediterrâneo Temperado Marítimo

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO

RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015 RESULTADOS DA 1.ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO NOTA 1. Encontra se concluída a colocação na primeira fase do 39.º concurso nacional de acesso, tendo sido admitidos,

Leia mais

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O INQUÉRITO AOS DIPLOMADOS EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS 2011/2012 traçar o perfil

Leia mais

Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima.

Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima. Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima. Vimos como o oceano, através da influência que exerce no conteúdo de humidade da atmosfera afecta

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO

PLANO MUNICIPAL DE DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO PLANO MUNICIPAL DE DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO 2015-2019 CADERNO I DIAGNÓSTICO (INFORMAÇÃO DE BASE) Comissão Municipal de Defesa da Floresta Elaborado por: Plano

Leia mais

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia

O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia 2011 Ano Europeu das Atividades de Voluntariado que Promovam uma Cidadania Ativa O contributo da EAPN Portugal / Rede Europeia Anti - Pobreza José Machado 22 Outubro 2011 Estrutura da Comunicação Pobreza

Leia mais

Exames nacionais dos ensinos básico e secundário

Exames nacionais dos ensinos básico e secundário Equipa de Avaliação Interna Exames nacionais dos ensinos básico e secundário Ano letivo 2012/2013 novembro 2012 1. INTRODUÇÃO Para a elaboração deste relatório foram considerados os dados disponibilizados

Leia mais

CLÁSSICA NACIONAL BARCELONA

CLÁSSICA NACIONAL BARCELONA CLÁSSICA NACIONAL BARCELONA A Federação Portuguesa de Columbofilia realizou a prova clássica nacional de Barcelona / Igualdada, no dia 29 de Junho de 2012. Os pombos percorreram distâncias situadas entre

Leia mais

Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural

Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural Convento de Refoios Ponte de Lima 21 de Junho de 2003 Distribuição Espacial do TER (SIR) Unid: Euros Distritos Nº Projectos Investimento Total Incentivo Aveiro

Leia mais

RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1

RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1 RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-H-2 RECURSOS NATURAIS (ATMOSFERA)

Leia mais

AUDITORES DE JUSTIÇA DO XXIII CURSO NORMAL DE FORMAÇÃO DE MAGISTRADOS (2004-2006) CARACTERIZAÇÃO SOCIOGRÁFICA

AUDITORES DE JUSTIÇA DO XXIII CURSO NORMAL DE FORMAÇÃO DE MAGISTRADOS (2004-2006) CARACTERIZAÇÃO SOCIOGRÁFICA AUDITORES DE JUSTIÇA DO XXIII CURSO NORMAL DE FORMAÇÃO DE MAGISTRADOS (2004-2006) CARACTERIZAÇÃO SOCIOGRÁFICA António Carlos Duarte Fonseca (dir.) Fernando Sousa Silva (sociólogo) Gabinete de Estudos Jurídico-Sociais

Leia mais

Geografia de Portugal

Geografia de Portugal Geografia de Portugal Lúcio CUNHA Departamento de Geografia CEGOT Universidade de Coimbra Email: luciogeo@ci.uc.pt Europa: o espaço Características gerais da Europa: - A Europa na placa euroasiática Características

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003). 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Endereço: Eixo Monumental VIA S1 Telefone: + 55 61 344.3333/ Fax:+ 55 61 344.0700 BRASÍLIA / DF - CEP:

Leia mais

EMPRESAS DE MEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - ANO DE 2010 -

EMPRESAS DE MEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - ANO DE 2010 - EMPRESAS DE MEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - ANO DE 2010 - FICHA TÉCNICA Título: Empresas de Mediação Imobiliária Análise Económico-Financeira Ano de 2010 Autoria: Henrique Graça Fernanda

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

CARTA HODOGRÁFICA E SISTEMAS ATMOSFÉRICOS

CARTA HODOGRÁFICA E SISTEMAS ATMOSFÉRICOS CARTA HODOGRÁFICA E SISTEMAS ATMOSFÉRICOS Daniel Mendes 1 José Luiz Gonçalves Junior 2 Eduardo Oliveira Santos 3 Tiago Oliveira Santos 4 Luiz Alberto Martins 5 A atmosfera, uma mistura mecânica de gases,

Leia mais

O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA

O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA O PANORAMA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES NOVOS SERVIÇOS NUM MERCADO EM MUDANÇA IMPRENSA ESCRITA E DIGITAL DUAS FORMAS COMPLEMENTARES DE COMUNICAR PUBLICAÇÕES ATIVAS: 2008-2012 3.169 2.940

Leia mais

Análise sinótica associada a ocorrência de chuvas anômalas no Estado de SC durante o inverno de 2011

Análise sinótica associada a ocorrência de chuvas anômalas no Estado de SC durante o inverno de 2011 Análise sinótica associada a ocorrência de chuvas anômalas no Estado de SC durante o inverno de 2011 1. Introdução O inverno de 2011 foi marcado por excessos de chuva na Região Sul do país que, por sua

Leia mais

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 AS DIVIDAS DAS EMPRESAS À SEGURANÇA SOCIAL DISPARAM COM O GOVERNO DE SÓCRATES: - só em 2006 a Segurança Social perdeu

Leia mais

3. IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL: DA HERANÇA COLONIAL À INTEGRAÇÃO NAS REDES INTERNACIONAIS DE RECRUTAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE MÃO-DE-OBRA

3. IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL: DA HERANÇA COLONIAL À INTEGRAÇÃO NAS REDES INTERNACIONAIS DE RECRUTAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE MÃO-DE-OBRA 3. IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL: DA HERANÇA COLONIAL À INTEGRAÇÃO NAS REDES INTERNACIONAIS DE RECRUTAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE MÃO-DE-OBRA A experiência de Portugal como país de imigração, é um fenómeno ainda recente.

Leia mais

RESUMO TEÓRICO (CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS)

RESUMO TEÓRICO (CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS) RESUMO TEÓRICO (CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS) 1. QUAL A DIFERENÇA ENTRE ESTADO DO TEMPO E CLIMA? Estado do tempo É o conjunto de condições atmosféricas que se verificam num determinado lugar, num curto período

Leia mais

Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015

Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015 Terra: Estudos e Representações Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015 Domínio Subdomínios /Objetivos Gerais Descritores Nº de Aulas Previstas 1- A Geografia e o Território 1.1-Compreender

Leia mais

Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007

Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007 Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007 - Universidades do CRUP - Institutos Politécnicos públicos - Hospitais H. Nouws, J.T. Albergaria, E.S. Vieira, C. Delerue-Matos, J.A.N.F. Gomes Relatório

Leia mais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Início Zonas climáticas No planeta Terra existem cinco grandes zonas climáticas:

Leia mais

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira.

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Ingrid Monteiro Peixoto de Souza 1, Antonio Carlos Lôla da Costa 1, João de Athaydes Silva

Leia mais

O MEIO AMBIENTE CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS

O MEIO AMBIENTE CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS 2011/2012 Geografia 7º Ano de escolaridade O MEIO AMBIENTE CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS Estado do tempo e clima Elementos e fatores do clima A ATMOSFERA: Invólucro gasoso (camada de ar) que envolve a Terra;

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET

Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET I N F O C L I M A BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 14 de fevereiro de 2004 Número 2 Divisão de Operações Chefia: Dr. Marcelo Seluchi Editor: Dr. Marcelo Seluchi Elaboração: Operação Meteorológica

Leia mais

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre.

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. Os fenômenos meteorológicos ocorridos em um instante ou em um dia são relativos ao tempo atmosférico.

Leia mais

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS

F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E C A N O A G E M REGULAMENTO DAS PRIMEIRAS PAGAIADAS Em vigor a partir de 21 de Agosto de 2015 1. PRIMEIRAS PAGAIADAS 1.1. Objetivos O quadro competitivo promovido

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

Transição dos quadros distritais de vinculação para o quadro de zona pedagógica

Transição dos quadros distritais de vinculação para o quadro de zona pedagógica Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Transição dos quadros distritais de vinculação para o quadro de zona pedagógica Ministério da Educação Portaria n.º 1298/03 de de Novembro A unificação

Leia mais

Violência Doméstica e Educação Análise do Envolvimento Parental na Escola em Mulheres Vítimas de Violência Conjugal

Violência Doméstica e Educação Análise do Envolvimento Parental na Escola em Mulheres Vítimas de Violência Conjugal Tema: Vítimas com Necessidades Específicas Violência Doméstica e Educação Análise do Envolvimento Parental na Escola em Mulheres Vítimas de Violência Conjugal Investigador: Miguel Rodrigues miguel.ol.rodrigues@hotmail.com

Leia mais

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ Francisco José Lopes de Lima 1,2, Fernando Ramos Martins 1, Jerfferson Souza, 1 Enio Bueno Pereira 1 1 Instituto Nacional

Leia mais