Nota Introdutória. Materiais Águas residuais Resíduos Uso do solo Biodiversidade Emissões atmosféricas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nota Introdutória. Materiais Águas residuais Resíduos Uso do solo Biodiversidade Emissões atmosféricas"

Transcrição

1

2 Índice Nota Introdutória Apresentação da Empresa A Bosch em Portugal Bosch Termotecnologia Materiais Águas residuais Resíduos Uso do solo Biodiversidade Emissões atmosféricas Política Ambiental Aspectos Ambientais Aspectos ambientais significativos directos Aspectos ambientais significativos indirectos Conformidade Legal Aspectos ambientais sujeitos a requisitos legais Outros aspectos sujeitos a requisitos legais Formação Ambiental 08 Objectivos Ambientais Cumprimento objectivos ambientais 2011 Objectivos ambientais Partes interessadas Colaboradores Comunidade local e visitas 14 Comportamento Ambiental Indicadores globais de desempenho ambiental 2010 Balanço das entradas e saídas Energia Água Verificador Ambiental Glossário

3 Declaração Ambiental Bosch Termotecnologia Nota Introdutória Este documento designado Declaração Ambiental é publicado no âmbito do registo da Bosch Termotecnologia SA, no Regulamento (CE) n.º 1221/2009 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de Novembro, que permite a participação voluntária das empresas do sector industrial num Sistema Comunitário de Ecogestão e Auditoria (EMAS). A Bosch Termotecnologia encontra-se registada desde Novembro 2005 com o n.º de registo PT , tendo nessa altura procedido à publicação da sua primeira Declaração Ambiental. O registo foi renovado em 2008 e 2011, constituindo este documento uma actualização da Declaração Ambiental publicada no seguimento da segunda renovação. A presente declaração demonstra mais uma vez o compromisso inequívoco da organização para com a protecção do meio ambiente, permitindo partilhar com todas as partes interessadas os nossos esforços de minimização do impacte ambiental das actividades desenvolvidas. Sendo assim, são aqui divulgados publicamente os objectivos assumidos na protecção do ambiente, os resultados alcançados e o desempenho ambiental global, actualizando os dados referentes a Apresentação da Empresa A Bosch em Portugal A Bosch em Portugal é uma filial do Grupo Bosch, uma das maiores sociedades industriais privadas a nível mundial. O grupo Bosch opera em varias áreas nomeadamente na tecnologia automóvel, tecnologia industrial (automação e equipamentos de embalagem), tecnologias de construção (ferramentas eléctricas) e na produção de bens de consumo (termotecnologia, electrodomésticos e sistemas de segurança). O grupo Bosch é detido em 92% pela fundação Robert Bosch que tem a seu cargo as actividades filantrópicas e sociais tal como estipulou o seu fundador, alargando os seus objectivos para corresponder à sociedade moderna. A Fundação utiliza os seus fundos para apoio a actividades inter-culturais, de carácter social e investigação médica.

4 2 Declaração Ambiental Bosch Termotecnologia 2011 Ao longo dos últimos anos a empresa introduziu no mercado mundial de esquentadores, os aparelhos com ignição automática, esquentadores como o Compact e o World1, de elevada potência, o controlo remoto Celsius e a tecnologia de condensação, produtos e componentes inovadores que se tornaram unique selling positions, estimulando as vendas e reforçando a notoriedade dos seus produtos no mercado. Além destes produtos inovadores, a empresa melhorou também os seus próprios processos com o forte apoio e a participação de todos os seus colaboradores. Os últimos passos no alargamento da gama de produtos fabricados em Aveiro deram-se com o início da produção de colectores solares térmicos ocorrida em 2007 e início da produção de bombas de calor em A Bosch Termotecnologia A Bosch Termotecnologia SA iniciou a sua actividade em Cacia, Aveiro, no ano de 1977, tendo por designação social Vulcano Luso Ibérica Termodomésticos, sendo constituída inicialmente por capital totalmente nacional. Actualmente pertence ao Grupo Bosch, integrando a sua divisão de Termotecnologia. A actividade da Bosch Termotecnologia é a concepção, desenvolvimento, produção, comercialização e assistência após venda de equipamentos para aquecimento de água. A empresa é reconhecida como o Centro Mundial de Competência da Robert Bosch no âmbito dos equipamentos para o aquecimento doméstico de água. Presente em 55 países e diversos mercados, desde a Europa até à Austrália, a Bosch Termotecnologia produz uma variada gama de modelos que são comercializados internacionalmente através de marcas próprias do Grupo (Bosch, Buderus, Junkers, Leblanc, Vulcano) ou de clientes. O número total de colaboradores incluindo colaboradores Bosch e colaboradores de trabalho temporário é de 914 (valor referente a 31 de Dezembro de 2011). A sede e instalações fabris da Bosch Termotecnologia localizam-se em Aveiro, possuindo também um Departamento Comercial sedeado em Lisboa. As instalações de Aveiro e Lisboa encontram-se dentro do âmbito da certificação ISO 14001, o registo EMAS abrange apenas as instalações de Aveiro. Produz mais de 900 modelos de esquentadores dirigidos a um público diversificado e com exigências distintas. Aplicando os mesmos critérios de rigor, segurança e qualidade no fabrico de esquentadores, a Bosch Termotecnologia dispõe de uma vasta gama de modelos de caldeiras murais, produzindo mais de 120 modelos diferentes.

5 Declaração Ambiental Bosch Termotecnologia Política Ambiental A Bosch Termotecnologia preocupa-se com o impacte da sua actividade no meio ambiente. Por isso compromete-se a melhorar continuamente aquilo que faz, contribuindo assim para um desenvolvimento sustentável. Princípios da Bosch para a Segurança e Protecção Ambiental Desenvolvimento Sustentável Aceitamos que as nossas acções estão de acordo com o desenvolvimento económico, a ecologia e a nossa responsabilidade para com a comunidade e com as gerações futuras. Por esta razão, o respeito pela segurança e saúde das pessoas, o uso racional dos recursos e um ambiente limpo são princípios básicos da nossa política. Responsabilidade Todos os colaboradores são responsáveis pela ajuda na prevenção dos riscos para as pessoas e o ambiente, assim como pelo cumprimento dos requisitos legais e outros aplicáveis ao ambiente, à segurança e saúde. É responsabilidade da liderança identificar os riscos e impactes, avaliálos e adoptar as acções adequadas. Produtos Desenvolvemos e produzimos produtos que são seguros, amigos do ambiente e económicos. Os nossos produtos contribuem para a melhoria das condições de segurança e saúde das pessoas e para a redução dos impactes ambientais, incluindo a sua posterior reciclagem e eliminação. Processos Na concepção dos processos, assumimos que a segurança e saúde das pessoas têm prioridade e que os efeitos sobre o ambiente devem ser minimizados, considerando os aspectos económicos. Estamos preparados para responder a eventuais situações de emergência. Este é também o espírito com que trabalhamos com os nossos fornecedores de bens e serviços. Melhoria Contínua Os nossos processos e os nossos procedimentos são verificados regularmente. Avaliamos os seus efeitos nas pessoas e no ambiente. Desta forma, identificamos pontos fracos e potenciais pontos de melhoria e garantimos um programa efectivo para o ambiente, segurança e saúde.

6 4 Declaração Ambiental Bosch Termotecnologia 2011 Aspectos Ambientais A identificação e avaliação dos aspectos ambientais são efectuadas para todas as actividades desenvolvidas pela Bosch Termotecnologia e terceiros com quem interage. São identificados aspectos ambientais directos (aqueles directamente associados ao processo fabril, equipamentos, instalações, actividades e serviços de apoio que podem ser controlados pela empresa) e indirectos (aqueles associados a actividades relacionadas com a empresa ou terceiros sobre os quais esta não pode ter controlo, podendo no entanto influenciá-los). Nível de Risco Ambiental que resulta da multiplicação dos critérios Frequência, pontuada numa escala com 5 categorias de 1 a 10, Probabilidade, pontuada numa escala com 4 categorias de 1 a 10 e Gravidade, pontuada numa escala com 4 categorias de 1 a 15. Os aspectos ambientais são considerados significativos, se for satisfeita pelo menos uma das seguintes condições: - Nível de Risco Ambiental > 150; - Critério de gravidade = 15. A identificação e avaliação dos aspectos ambientais é revista e actualizada sempre que ocorram situações que as possam alterar, como por exemplo aquisição de novos equipamentos / produtos / serviços, implementação de novos processos de fabrico ou alteração dos existentes, alteração de requisitos legais. Anualmente é efectuada uma revisão geral e actualização. A metodologia de identificação e avaliação dos aspectos ambientais inclui uma determinação do Refere-se que a metodologia de identificação e avaliação de aspectos ambientais indirectos foi alterada no início do ano Os resultados aqui apresentados já traduzem a avaliação segundo a nova metodologia. Os aspectos ambientais significativos directos e indirectos apresentados reflectem a avaliação efectuada no 1º trimestre de 2012 (com base nos resultados obtidos em 2011).

7 Declaração Ambiental Bosch Termotecnologia Aspectos ambientais significativos directos Área / Actividade Aspecto Significativo Impacte Ambiental Laboratórios de Desenvolvimento (AV104 e AV201) Ensaio de caldeiras e esquentadores Laboratório de Fiabilidade Ensaio de caldeiras e esquentadores Manutenção - Corte e lavagem automática de peças Consumo de água Consumo água Produção de águas residuais Depleção de recursos naturais Depleção de recursos naturais Alteração da qualidade do meio receptor Áreas administrativas Consumo água Depleção de recursos naturais Cozinha Confecção de alimentos 1) Consumo água Depleção de recursos naturais Directos ETARI Tratamento de Águas Residuais Industriais Descarga de águas residuais tratadas Alteração da qualidade do meio receptor Parque Resíduos Gestão de Resíduos Produção de águas residuais Alteração da qua lidade do meio receptor Derrame de óleo (condição de operação emergência) Contaminação do solo Queimadores Maquinação e lavagem automática de peças Pintura Pintura electrostática (desengorduramento) Produção de águas residuais Produção de águas residuais Alteração da qualidade do meio receptor Alteração da qualidade do meio receptor Pintura Pintura electrostática Emissões para a atmosfera Poluição atmosférica Tubos Gás Soldadura em forno e lavagem automática de peças Consumo água Produção de águas residuais Depleção de recursos naturais Alteração da qualidade do meio receptor Tubos Gás Furação de peças Produção de águas residuais Alteração da qualidade do meio receptor Câmaras de Combustão Lavagem Automática de Peças Produção de águas residuais Alteração da qualidade do meio receptor 1) Serviços prestados por terceiros, empresas externas residentes.

8 6 Declaração Ambiental Bosch Termotecnologia 2011 Área / Actividade Aspecto Significativo Impacte Ambiental Câmaras de Combustão Ensaio de estanquicidade, soldadura em forno e lavagem automática de peças Consumo água Depleção de recursos naturais Tubos de água Soldadura Produção de águas residuais Alteração da qualidade do meio receptor Consumo água Depleção de recursos naturais Automáticos de gás Maquinação e Produção de águas residuais Alteração da qualidade do meio receptor lavagem automática de peças Jardinagem Manutenção espaços Consumo água rega Depleção de recursos naturais Directos Indirectos verdes Fábrica geral Distribuição de energia Fábrica geral Condição de operação: emergência Consumo de energia (eléctrica, gás natural, gás propano) Resíduos de incêndio Incêndio Depleção de recursos naturais Contaminação do solo Contaminação dos recursos hídricos Poluição atmosférica Fábrica geral produção de resíduos Produção de resíduos perigosos Ocupação de espaço em aterro Fábrica geral condição de operação: emergência (actividade passado) Derrame ou fuga de produtos químicos Contaminação do solo com hidrocarbonetos Contaminação do solo com metais Armazém Armazenamento de fluidos Explosão Poluição atmosférica Incêndio Poluição atmosférica Caldeira aquecimento Explosão Poluição atmosférica Incêndio Bombas de calor Produção Produção de resíduos perigosos R 134A Poluição atmosférica Efeito de estufa

9 Declaração Ambiental Bosch Termotecnologia Aspectos ambientais significativos indirectos Actividades influenciáveis de terceiros Aspecto Significativo Impacte Ambiental Instalação de produtos por clientes Produção de resíduos Contaminação solo e água instaladores Utilização de substâncias e prepa- Contaminação solo, ar e água rações perigosas Concepção e desenvolvimento de equi- Emissão de ruído Incomodidade para a vizinhança pamentos por fornecedores Emissões para a atmosfera Poluição atmosférica Consumo de água Depleção de recursos Consumo de energia Depleção de recursos Produção de resíduos Contaminação solo e água Utilização de substâncias e prepa- Contaminação solo, ar e água rações perigosas Assistência técnica por fornecedores de Derrame de produtos químicos Contaminação solo, água e ar equipamentos Descarga de águas residuais Contaminação solo e água Emissões para a atmosfera Poluição atmosférica Produção de resíduos Contaminação solo e água Utilização de substâncias e prepara- Contaminação solo, água e ar Indirectos Concepção e desenvolvimento de materiais e componentes por fornecedores Concepção e desenvolvimento de produ- ções perigosas Emissões para a atmosfera Produção de resíduos Produção de resíduos Poluição atmosférica Contaminação solo e água Contaminação solo e água tos por fornecedores Utilização de substâncias e prepara- Contaminação solo, água e ar ções perigosas Consumo de água Depleção de recursos Consumo de energia Depleção de recursos Emissões para a atmosfera Poluição atmosférica Concepção e desenvolvimento de produ- Derrame de produtos químicos Contaminação solo, água, ar tos químicos e respectiva assistência técnica por fornecedores Descarga de águas residuais Emissões para a atmosfera Contaminação solo, água Poluição atmosférica Produção de resíduos Contaminação solo, água Utilização de substâncias e prepara- Contaminação solo, água e ar ções perigosas Planeamento e realização de serviços Consumo de água Depleção de recursos por fornecedores de serviços temporários Produção de equipamentos por fornecedores Produção de materiais e componentes por fornecedores Produção de produtos químicos por fornecedores Consumo de energia Utilização de substâncias e preparações perigosas Produção de resíduos Derrame de produtos químicos Descarga de águas residuais Depleção de recursos Contaminação solo, água e ar Contaminação solo e água Contaminação solo, água e ar Contaminação solo e água Emissões para a atmosfera Poluição atmosférica Emissão de ruído Incomodidade para a vizinhança

10 8 Declaração Ambiental Bosch Termotecnologia 2011 Objectivos Ambientais Cumprimento objectivos ambientais 2011 Política Ambiental Asp. amb. signif. Objectivo 1 Indicador Meta Prazo Conclusão Redução do impacte no Meio Ambiente associado ao consumo de água Consumo de água Diminuição do consumo de água Consumo específico (l/ (VAB)) 0.97 l/ (VAB) Dez l/ (VAB) 1) Acções executadas Não atingido Controlo diário dos contadores de água para identificação de anomalias ocasionais. Continuação da aplicação de fotocélulas nos lavatórios. Avaliação da possibilidade de reutilização da água dos lavatórios para descarga de autoclismos no WC sul. Projecto de alteração do processo de testes de estanquicidade das águas das câmaras de combustão com a eliminação de utilização de água. Colocação de alarme sonoro no tanque associado ao circuito fechado de água das bancas de ensaio do Edifício de Desenvolvimento. Avaliação da possibilidade de redução do volume dos banhos de desengorduramento da linha de pintura. Definição de cockpits segmentados para acompanhamento de consumos de água relevantes. 1) Objectivo não atingido devido a multifactores dos quais destacamos disfuncionamentos em equipamentos produtivos e infraestruturas que resultaram em consumos de água acima dos valores normais. Política Ambiental Redução do impacte no Meio Ambiente associado ao consumo de energia Acções executadas Asp. amb. signif. Consumo de energia Objectivo 2 Indicador Meta Prazo Conclusão Consumo Diminuição do específico Dez. consumo de kgep/mio kgep/mio (kgep/mio 2011 energia (VAB) (VAB) (VAB)) Atingido Cumprimento do plano de manutenção regular de eliminação de fugas de ar comprimido. Realização de levantamento de usos de ar comprimido na fábrica. Definição de regras de utilização eficiente de ar comprimido. Realização de campanha de sensibilização. Substituição de balastros convencionais por balastros electrónicos. Instalação de fotocélulas em zonas de passagem. Implementação de projecto de racionalização do consumo eléctrico associado à iluminação geral do Armazém de Componentes (AV108) e Solar (AV109) substituição para lâmpadas económicas. Utilização de colectores solares para aquecimento de águas no Armazém de Componentes (AV108). Realização e estudo de viabilidade da alteração do sistema de aquecimento dos banhos pintura de queimadores (2 x 250 kw) para caldeiras e colectores solares. Análise de curvas de energia referentes a períodos de paragem com manutenção, re-arranque, trabalho e fim-de- -semana. Elaboração dos perfis de paragem por secção. Definição de setpoints alinhados com a EN 15251:2007 e RSECE. Controlo de climatização centralizado em open space. Planificação e inclusão de nova actividade no Modelo Comportamental de Segurança e Ambiente direccionada para a redução de consumos de energia (Stop Energy). Implementação de acção piloto de acompanhamento de consumo de ar comprimido na S853.

11 Declaração Ambiental Bosch Termotecnologia Política Ambiental Gestão Ambiental Asp. amb. signif. Geral Objectivo 3 Indicador Meta Prazo Conclusão Cumprimento do Plano de % de horas Formação de Ambiente e 85 % Dez %. de formação Segurança total (3 866 horas) realizadas horas 1) Acções executadas Atingido Acompanhamento mensal do cumprimento do plano. Garantia de disponibilidade dos formandos, para realizar as formações propostas. 1) Não inclui volume de horas de formação relativo a sensibilização ambiental. Política Ambiental Gestão Ambiental Asp. amb. signif. Geral Objectivo 4 Indicador Meta Prazo Conclusão Implementação, dentro do prazo, das acções correctivas resultantes de não % Acções Dez. 85 % conformidades ambientais, fechadas % de segurança e acidentes de trabalho Acções executadas Atingido Envio de alertas aos responsáveis pelas acções. Colaboração com os departamentos responsáveis na implementação das acções. Acompanhamento mensal de indicador de acções abertas. Política Ambiental Redução do Impacte no Meio Ambiente Asp. amb. signif. Geral Objectivo 5 Indicador Meta Prazo Conclusão Implementação e acompanhamento % Índice do Modelo Com- do Modelo Dez. Concluído 75 % portamental de Segurança Comportamental % e Ambiente Acções executadas Atingido Realização mensal de auditorias às actividades do Modelo Comportamental de Segurança e Ambiente. Realização trimestral de auditorias 5S, com verificação de actividades do Modelo Comportamental. Acompanhamento e analise de desvios em reunião mensal (secção do mês). Implementação do Modelo Comportamental de Segurança e Ambiente na área da Manutenção com auditorias mensais.

12 10 Declaração Ambiental Bosch Termotecnologia 2011 Política Ambiental Redução do Impacte no Meio Ambiente Asp. amb. signif. - Objectivo 6 Indicador Meta Prazo Conclusão Reduzir o n.º de equipamentos de refrigeração N.º equipamentos com 36 Dez. que contêm substâncias 2011 depletoras da camada de ODS 13 ozono Acções executadas Atingido Garantia de disponibilidade de meios financeiros para substituição dos equipamentos em causa. Eliminação de equipamentos associados ao projecto de alteração de layout da Auditoria ao Produto. Renovação do sistema AVAC do Edifício Técnico (Av112) incluindo eliminação de equipamentos com R22. Política Ambiental Redução do Impacte no Meio Ambiente Asp. amb. signif. Geral Objectivo 7 Indicador Meta Prazo Conclusão Redução do número de situações identificadas % Situações Dez. com nível de risco superior 20 % NR> a 150 na Matriz AIAPR 28.1% (Revisão Final 2010) Acções executadas Atingido Identificação de situações com potencial de melhoria a realizar durante o ano de Acompanhamento das acções em PDCA específico. Colaboração com os responsáveis na implementação das acções. Política Ambiental Redução do Impacte no Meio Ambiente Asp. amb. signif. Emissões para a atmosfera Objectivo 8 Indicador Meta Prazo Conclusão Redução da emissão de CO 2 Base: inventário de emissões de 2007 % Ton CO 2 / Mio 1) 12 % 85.9 Ton CO 2 / Mio Dez % 2) Acções executadas Não Atingido Acções propostas para atingir o objectivo 2 (redução do consumo de energia). 1) Mio Valor correspondente aos Internal Costs (HEK + VVGK - MAT) de acordo com o Guideline Bosch Climate Protection and CO 2 Managment. 2) Objectivo não atingido devido ao facto de existir um consumo de base permanente não directamente relacionado com as actividades produtivas (ex. Laboratório de Desenvolvimento e Qualidade).

13 Declaração Ambiental Bosch Termotecnologia Objectivos ambientais 2012 Política Ambiental Redução do Impacte no Meio Ambiente associado ao consumo de água Acções propostas Asp. amb. signif. Consumo de água Objectivo 1 Indicador Meta Prazo Consumo específico (l/ (VAB)) (VAB) 1.15 l/ Dez. Diminuição do consumo de água 2012 Controlo diário dos contadores de água para identificação de anomalias ocasionais. Divulgação de boas práticas no uso de água aos colaboradores. Implementação da alteração ao processo de testes de estanquicidade das câmaras de combustão com eliminação da utilização de água. Alteração do sistema de adição de produtos químicos das torres de refrigeração do Laboratório de Fiabilidade com vista à optimização dos volumes de purga. Avaliação dos parâmetros da água do circuito fechado dos Laboratórios de Desenvolvimento com vista à optimização dos volumes de purga. Optimização da periodicidade de descarga dos banhos de desengorduramento da Linha de Pintura. Política Ambiental Redução do Impacte no Meio Ambiente associado ao consumo de energia Acções propostas Asp. amb. signif. Consumo de energia Objectivo 2 Indicador Meta Prazo 70.1 Consumo específico (kgep/mio Diminuição do consumo de kgep/ Dez. energia Mio 2012 (VAB)) (VAB) Cumprimento do plano de manutenção regular de eliminação de fugas de ar comprimido. Identificar utilizações indevidas de ar comprimido e restringir o uso. Projecto de automação para controlo de iluminação do Edifício Fabril (AV101). Aplicação de termóstatos nos ventiladores dos bastidores. Instalação de sistema On/Off de equipamentos de exaustão em simultâneo com o comando manual das máquinas. Instalação de sistema de ignição por piezo nos locais identificados (S842 e S860). Paragem do sistema de aquecimento dos processos de desengorduramento aos fins-de-semana e feriados na S842 projecto e implementação. Aplicação de painéis solares para aquecimento dos banhos da Linha de Pintura. Substituição dos queimadores do sistema de aquecimento dos banhos da Linha de Pintura por bateria de esquentadores World 2. Implementação da actividade Stop Energy inserida no Modelo Comportamental de Segurança e Ambiente. Acompanhamento e análise da distribuição e evolução dos consumos de energia. Colocação de câmaras HD nos parques de estacionamento de modo a permitir reduzir o nível de luminosidade. Finalização da substituição das luminárias de halogéneo existentes no Edifício de Formação (AV110) por LED. Controlo do funcionamento dos Fornos de Soldadura por telegestão durante os períodos de paragem. Redução da temperatura do túnel de secagem da linha de pintura. Isolamento das válvulas do sistema de aquecimento do Edifício Fabril (Av101). Rever controlo horário de climatização em função das estações do ano e conforme a EN15251:2007 e RSECE.

14 12 Declaração Ambiental Bosch Termotecnologia 2011 Política Ambiental Asp. amb. signif. Objectivo 3 Indicador Meta Prazo Gestão Ambiental Geral Cumprimento do Plano de formação de Ambiente e Segurança total 6758 horas % Horas de formação realizadas 85 % 1) 5744 horas Dez Acções propostas Efectuar seguimento mensal do cumprimento do plano. Assegurar disponibilidade dos formandos, para realizar as formações propostas. 1) Manutenção da meta correspondendo a um aumento do volume de formação, relativamente a Política Ambiental Gestão Ambiental Acções propostas Asp. amb. signif. Geral Objectivo 4 Indicador Meta Prazo Implementação, dentro do prazo, das acções correctivas resultantes de não conformidades ambientais, de segurança e acidentes de trabalho % Acções fechadas 85 % 1) Dez Alertar os responsáveis pelas acções. Colaborar com os departamentos responsáveis na implementação das acções. Acompanhamento mensal de indicador de acções abertas. 1) Manutenção da meta face ao ano anterior devido à previsão de maior volume de acções relacionadas com a alteração e extenção do âmbito da certificação (ISO e OHSAS). Política Ambiental Asp. amb. signif. Objectivo 5 Indicador Meta Prazo Redução do Impacte no Meio Ambiente Geral Implementação e acompanhamento do Modelo Comportamental de Segurança e Ambiente % Índice do Modelo Comportamental 75 % Dez Acções propostas Realização mensal de auditorias às actividades do Modelo Comportamental de Segurança e Ambiente. Realização trimestral de auditorias 5S com verificação de actividades do Modelo Comportamental. Acompanhamento e análise de desvios em reunião mensal (secção do mês). Implementação das acções necessárias para concretizar cada uma das 6 actividades do Modelo Comportamental. 1) Manutenção da meta face ao ano anterior devido à introdução de nova actividade Stop Energy.

15 Declaração Ambiental Bosch Termotecnologia Política Ambiental Redução do Impacte no Meio Ambiente Acções propostas Asp. amb. signif. - Objectivo 6 Indicador Meta Prazo Reduzir o n.º de equipamentos de refrigeração que contêm substâncias depletoras da camada de ozono n.º equipamentos com ODS 9 1) Dez Garantir disponibilização de meios financeiros para substituição dos equipamentos em causa. Em caso de avaria dos equipamentos que actualmente contêm R12 e R22 proceder à sua substituição imediata. Avaliação da possibilidade de substituição do gás R22 por R407C na unidade central AVAC do Edifício Av110. 1) Equipamentos com quantidade de gás inferior a 3 Kg. Política Ambiental Redução do Impacte no Meio Ambiente Acções propostas Asp. amb. signif. Geral Objectivo 7 Indicador Meta Prazo Redução do número de situações identificadas com nível de risco superior a 150 na Matriz AIAPR (Revisão Final 2011) % Situações NR>150 20% 1) Dez Identificar situações com potencial de melhoria a realizar durante o ano de Acompanhamento das acções em PDCA específico. Colaboração com os responsáveis na implementação das acções. 1) Manutenção da meta face ao ano anterior devido ao aumento do número de situações com NR>150 Política Ambiental Asp. amb. signif. Objectivo 8 Indicador Meta Prazo Redução do Impacte no Meio Ambiente Emissões para a atmosfera Redução da emissão de CO 2 Base: Inventário de emissão de 2007 % Ton CO 2 / Mio 1) 10 % 85,0 Ton CO 2 /Mio Dez Acções realizadas Acções propostas para atingir o Objectivo 2 (Redução do Consumo de Energia). 1) Mio Valor correspondente aos Internal Costs (HEK + VVGK - MAT) de acordo com o Guideline Bosch Climate Protection and CO 2 Managment. Os objectivos e metas ambientais são estabelecidos assegurando a sua consistência com a política ambiental, requisitos legais e outros requisitos, aspectos ambientais significativos, requisitos dos clientes e partes interessadas. Para a sua definição são tidas em conta as não conformidades e potenciais melhorias detectadas nas auditorias ambientais internas e externas. Todos os objectivos estão incluídos no Balanced Scorecard da Bosch Termotecnologia, sendo documentados e acompanhados utilizando metodologia PDCA. Destaca-se o objectivo relacionado com o consumo de energia que se encontra referido no Mapa Estratégico da empresa.

16 14 Declaração Ambiental Bosch Termotecnologia 2011 Comportamento ambiental Indicadores globais de desempenho ambiental 2011 Gás Gás Natural MWh Gás Propano MWh Carga Poluente CO Ton Energia eléctrica MWh Prod. Químicos Solventes: 0,40 Ton RECURSOS EMISSÕES ATMOSFÉRICAS Volume total de água m 3 Matérias-primas Cobre: Ton Aço: Ton Alumínio: 99 Ton PRODUTOS ÁGUAS RESIDUAIS Unidades produzidas Esquentadores + Caldeiras + Câm. Combustão S881 + colectores solares uni. Área total m 2 Área construída m 2 USO DO SOLO RESÍDUOS Volume de água residual Industrial m 3 Doméstica m 3 Zonas verdes m 2 Quantidade produzida Prod. Total Ton Valoriz Ton Não Valoriz Ton Perig Ton Não Perig Ton Carga poluente CQO Ton CBO Ton SST 1.90 Ton Óleos e gorduras 0.56 Ton Metais 0.05 Ton

17 Declaração Ambiental Bosch Termotecnologia Balanço das entradas e saídas Aspecto Ambiental Produto/Emissão Consumo/emissão anual (total) Consumo de produtos químicos Solventes orgânicos (Ton) 0, Entradas Saídas Consumo de energia 1) Electricidade (MWh) Gás natural (MWh) Gás propano (MWh) Privada (furos próprios) (m 3 ) Consumo de água Pública (SMA) (m 3 ) Cobre (Ton) Consumo de matérias-primas Aço (Ton) Alumínio (Ton) Produção de água residual Volume de água residual industrial (m 3 ) Volume de água residual doméstica (m 3 ) Poluentes medidos 2) CQO (Ton) CBO 5 (Ton) SST (Ton) Óleos e gorduras (Ton) Metais (Ton) 4) Resíduos enviados para tratamento Resíduos Perigosos (Ton) Não Perigosos (Ton) Valorizados (Ton) Não Valorizados (Ton) Produção de emissões gasosas Poluentes estimados, tendo em conta o consumo de energia (energia eléctrica, gás natural, gás propano, diesel frota automóvel) 3) CO 2 (Ton) Unidades produzidas Valor Acrescentado Bruto Esquent. + cald. + cam. comb colectores solares VAB (Mio ) ) Factores de conversão para MWh de acordo com o Despacho n.º 17313/2008 de 26 de Junho. 2) Poluentes medidos à saída da ETARI (água residual industrial) para os anos de 2008 e Janeiro de A partir de Fevereiro de 2009 os dados referemse aos poluentes medidos na água residual resultante da junção dos efluentes domésticos e industriais. Os valores anuais correspondem a uma média dos 12 meses do ano, sendo as amostras compostas e representativas de 24 h de funcionamento. 3) Os factores de emissão utilizados encontram-se definidos no âmbito da Guideline Bosch Climate Protection and CO 2 Management e respectivo CO 2 Calculator (versão 2.5). 4) Inclui os metais: Alumínio, Ferro, Cobre e Chumbo até Março de Após esta data passou a incluir também o metal Zinco.

18 16 Declaração Ambiental Bosch Termotecnologia 2011 Energia A utilização racional de recursos naturais, nomeadamente recursos energéticos, tem sido, desde sempre, uma preocupação da Bosch Termotecnologia. Esta preocupação tem em vista a protecção ambiental, combatendo as alterações climáticas, assim como o aumento da sua eficiência energética, tendo em atenção a necessidade de salvaguardar a respectiva base competitiva no quadro da economia global. Várias foram as medidas implementadas ao longo dos últimos anos, para a redução de consumos de energia eléctrica, gás natural e gás propano, principais fontes de energia utilizadas, sendo as acções implementadas de cariz técnico e também de cariz comportamental. investimento efectuado em novos equipamentos, com melhores performances. Destacam-se, no presente ano, as seguintes medidas técnicas: - Substituição integral da iluminação geral do Armazém de Componentes (AV108) com a aplicação de lâmpadas de elevada eficiência energética; - Instalação de colectores solares para aquecimento de águas no Armazém de Componentes (AV108); - Implementação de controlo horário na climatização de áreas sem controlo climatizado e controlo de climatização centralizada em áreas de open space. Durante o ano de 2011 o consumo específico de energia resultou num valor final de 70.1 Kgep/10 3 (VAB), valor inferior ao objectivo interno fixado (70.7 kgep/ 10 3 (VAB)). Refere-se que este indicador não inclui o consumo de energia associados a testes de novos produtos na área de Investigação e Desenvolvimento. Os objectivos de redução de consumo estabelecidos foram atingidos, em consequência duma correcta política de gestão de energia, a par do Relativamente à utilização de ar comprimido, confirmou-se uma redução efectiva de consumos de energia eléctrica comparativamente com 2010, em resultado dos investimentos realizados, durante 2011, nesta área. Durante o ano 2011 foi dada continuidade ao trabalho na área do ar comprimido na vertente dos usos mediante uma caracterização exaustiva das tipologias de consumo, identificação, desperdícios e/ou utilização indevidas, tendo sido identificadas todas as válvulas de seccionamento. Esta é uma área que Consumo Específico Energia 1) MWh/10 3 (VAB) Ano 1) Não contabiliza consumos associados a actividades de investigação e desenvolvimento (em concordância com PREn no âmbito do SGCIE)

19 Declaração Ambiental Bosch Termotecnologia Como reconhecimento público do nosso bom desempenho energético, a Bosch Termotecnologia foi uma das empresas distinguidas em Abril de 2011, na cerimónia de entrega dos prémios Energy Efficiency Awards. A empresa fo galardoada na categoria Empresa Eficiente. continuará a ser alvo de medidas técnicas e comportamentais nos próximos anos 2012/2013. Refere-se ainda que durante o ano de 2011, no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE), regulamentado pelo Decreto-Lei n.º 78/2006 de 4 de Abril, concluiu-se o processo de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior, dos Edifícios Técnico (AV112), Social (AV113) e Técnico (AV101). Destacando-se que o Indicador de Eficiência Energética deste edifícios sempre foi inferior ao valor máximo estabelecido para os Grandes Edifícios de Serviços com a tipologia de Escritórios, não sendo necessária a realização do PRE. Projecto STOP ENERGY Modelo Comportamental de Segurança e Ambiente sentido durante o ano de 2011 foi planificada a inclusão de uma nova actividade no Modelo Comportamental de Segurança e Ambiente direccionada para a redução de consumo de energia denominada Stop Energy. Esta actividade envolverá uma verificação mensal, a efectuar por uma equipa interna de auditores energéticos que, em períodos não produtivos, confirmam o cumprimento dos procedimentos de desligar equipamentos. Serão verificados equipamentos produtivos, informáticos, iluminação e ar comprimido nas áreas de produção, armazém e manutenção. Com esta medida pretende-se envolver os colaboradores nas práticas de redução de consumos aumentando a sua sensibilidade para a protecção de recursos. A Bosch Termotecnologia considerou necessário, além da implementação de medidas técnicas ao nível da eficiência energética, a alteração de comportamentos face ao uso de energia. Nesse No âmbito do SGCIE foi efectuada auditoria energética durante o ano de 2011 e elaborado o respectivo plano de Racionalização Energética para o período Água A utilização racional do recurso água continua a ser uma das preocupações ambientais da Bosch Termotecnologia, uma vez que este é um dos seus aspectos ambientais significativos. Sendo inúmeros os processos produtivos da Bosch Termotecnologia que utilizam água, destacam-se como principais aqueles associados aos ensaios de caldeiras e esquentadores, processos de soldadura, testes de estanquicidade e arrefecimento. Os processos de suporte apresentam também grandes consumos como seja o consumo humano ou a rega de espaços verdes. Durante o ano de 2011 o consumo específico de água resultou num valor final de 1.15 m 3 /10 3 (VAB), valor superior ao objectivo interno fixado (0.97 m 3 /10 3 (VAB)).

20 18 Declaração Ambiental Bosch Termotecnologia 2011 Este aumento de consumo especifico de água que resultou no não alcance do objectivo de redução definido deve-se a múltiplos factores dos quais destacamos disfuncionamentos em equipamentos produtivos e infra-estruturas. Os acompanhamentos diários de quantidades consumidas através da leitura e análise de dados obtidos em inúmeros contadores instalados em toda a rede, abrangendo pontos relevantes de consumo, permitiram identificar atempadamente algumas dessas situações anómalas. Foram identificadas causas e adoptadas medidas com vista à utilização mais eficiente do recurso água. Consumo Específico Água 2.00 m 3 /10 3 (VAB) Ano Materiais A melhoria continua dos produtos e processos tendo em vista a utilização racional de recursos nomeadamente matérias-primas, são princípios básicos de actuação da Bosch Termotecnologia. São utilizadas diversas matérias-primas nos processos produtivos sendo os principais materiais o aço, cobre e alumínio. Estes materiais são transformados ao longo do processo produtivo através de diversas operações técnicas de maquinação de corte, soldadura, prensagem originando peças e componentes que são incorporadas no produto final (caldeiras, esquentadores colectores solares ou bombas de calor). Eficiência materiais Cobre Aço Alumínio Ton/VAB (10 3 ) Ano

Declaração Ambiental AMBIENTE SEGURANÇA QUALIDADE PROCESSOS REDUÇÃO DE EMISSÕES CONTÍNUA AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE DESEMPENHO PRODUTOS

Declaração Ambiental AMBIENTE SEGURANÇA QUALIDADE PROCESSOS REDUÇÃO DE EMISSÕES CONTÍNUA AVALIAÇÃO SISTEMÁTICA DE DESEMPENHO PRODUTOS REDUÇÃO IMPACTES AMBIENTAIS POLÍTICA AMBIENTAL AUDITORIA AMBIENTAL AMBIENTE ASPETOS AMBIENTAIS PROGRAMA DE AÇÃO MONITORIZAÇÃO PROCESSOS REDUÇÃO DE EMISSÕES USO RACIONAL DE RECURSOS DE CO 2 PREVENÇÃO DA

Leia mais

Índice. Nota Introdutória. Comportamento Ambiental Indicadores globais de desempenho ambiental 2007 Balanço das entradas e saídas

Índice. Nota Introdutória. Comportamento Ambiental Indicadores globais de desempenho ambiental 2007 Balanço das entradas e saídas Índice 1 1 2 3 Nota Introdutória Apresentação da Empresa Política Ambiental Descrição do Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Estrutura organizacional de suporte 14 22 Comportamento

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

PORTARIA N.º 744-A/99

PORTARIA N.º 744-A/99 MINISTÉRIOS DA SAÚDE E DO AMBIENTE PORTARIA N.º 7-A/99 P DE DE AGOSTO Aprova os programas de acção específicos para evitar ou eliminar a poluição proveniente de fontes múltiplas de mercúrio. A Directiva

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL ENERGIN AZÓIA Empresa de Cogeração Industrial, S.A. CENTRAL DE COGERAÇÃO A INSTALAR NA SOLVAY PORTUGAL (PÓVOA DE SANTA IRIA, VILA FRANCA DE XIRA) ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO Maio de

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A

Leia mais

OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL

OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL OFICINA DE REPARAÇÃO AUTOMÓVEL Que resíduos produz? Segundo o Decreto-Lei nº178/2006, de 5 de Setembro, entende-se por resíduos quaisquer substâncias ou objectos de que o detentor se desfaz ou tem a intenção

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

ESQUENTADORES SENSOR GREEN

ESQUENTADORES SENSOR GREEN ESQUENTADORES SENSOR GREEN SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice A eficiência na produção de água quente em grandes quantidades 03 Aplicações e Utilizações 05 Benefícios para o Instalador 06 Líder em Tecnologia

Leia mais

Indicadores Ambientais

Indicadores Ambientais Indicadores Ambientais / Desempenho Em, publicámos o nosso primeiro Relatório Ambiental, como forma de divulgar os nossos esforços e resultados na área da protecção ambiental. A presente publicação deve

Leia mais

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3 INQUÉRITO EUROPEU DAS PME E O MEIO-AMBIENTE Bem-vindo ao inquérito europeu sobre as PMEs e o meio-ambiente. O questionário deve demorar entre 5-10 minutos para ser concluído. Obrigado! Instituto Tecnológico

Leia mais

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade Artur Serrano CTCV Sistemas de Energia 1 ÍNDICE DOS ASSUNTOS Sistemas de Energia do CTCV - Actividades Objectivos das Auditorias

Leia mais

Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014

Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014 Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014 Soluções para coberturas Telhas e acessórios cerâmicas Fibrocimento Complementos para

Leia mais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais TECNOFIL Workshop Municípios e Certificação Energética de Edifícios Lisboa, 18 Junho 2009 Objectivos A Agência Cascais Energia é

Leia mais

Nota Técnica sobre Instalação PCIP

Nota Técnica sobre Instalação PCIP Nota Técnica sobre Instalação PCIP De acordo com o previsto no art 2º do Decreto-Lei 173/2008 de 26 de Agosto que estabelece o regime jurídico relativo à prevenção e controlo integrados de poluição (Diploma

Leia mais

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica Eficiência Energética e a energia eléctrica > Eficiência energética A é um desafio que devemos colocar a todos nós. Está ao nosso alcance, o podermos contribuir de forma decisiva para um mundo melhor e

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL. F.MODA INDÚSTRIA TÊXTIL,LDA Guimarães REG. Nº P-000014

DECLARAÇÃO AMBIENTAL. F.MODA INDÚSTRIA TÊXTIL,LDA Guimarães REG. Nº P-000014 DECLARAÇÃO AMBIENTAL F.MODA INDÚSTRIA TÊXTIL,LDA Guimarães REG. Nº P-000014 DECLARAÇÃO AMBIENTAL Índice 1. Politíca de Qualidade e Ambiente 2 2. Aspectos Gerais 3 3. Introdução 4 4. Apresentação da Empresa

Leia mais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais 1-Introdução As inspecções ambientais são o garante da implementação e cumprimento da legislação ambiental por parte das empresas que exercem actividades

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

Errata à Licença Ambiental n.º 19/2006, de 2006.06.23. Instalação Toyota Caetano Portugal, S.A. Divisão Fabril de Ovar Arada, Ovar

Errata à Licença Ambiental n.º 19/2006, de 2006.06.23. Instalação Toyota Caetano Portugal, S.A. Divisão Fabril de Ovar Arada, Ovar Errata à Licença Ambiental n.º 19/2006, de 2006.06.23 Instalação Toyota Caetano Portugal, S.A. Divisão Fabril de Ovar Arada, Ovar (ex. Salvador Caetano Indústrias Metalúrgicas e Veículos de Transporte,

Leia mais

EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro

EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro 2.º ADITAMENTO À LICENÇA AMBIENTAL nº 300/2009 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 2.º Aditamento à Licença Ambiental do operador EDP - Gestão

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Material Circulante Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação

Leia mais

Projecto de Lei nº /X

Projecto de Lei nº /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº /X ESTABELECE O REGIME APLICÁVEL À GESTÃO DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS Exposição de motivos: Os óleos alimentares usados são um resíduo não perigoso que carece de legislação

Leia mais

Índice. Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores. Aquecimento Central e A.Q.S.

Índice. Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores. Aquecimento Central e A.Q.S. PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2013 Índice ENTRADA DO CENTRO DE FORMAÇÃO - AVEIRO Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores E1 Águas Quentes Sanitárias 04

Leia mais

Volkswagen Autoeuropa, Lda. Volkswagen Autoeuropa, Lda.

Volkswagen Autoeuropa, Lda. Volkswagen Autoeuropa, Lda. 5.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL nº 1/2004 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 5.º Aditamento à Licença Ambiental do operador Volkswagen

Leia mais

Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira

Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira Valor Ambiente 2008 1 A Região Autónoma da Madeira Área 42,5 km 2 População residente

Leia mais

Gestão de Resíduos Desafios e Oportunidades Eds.NORTE. Gestão de Resíduos no Território

Gestão de Resíduos Desafios e Oportunidades Eds.NORTE. Gestão de Resíduos no Território Gestão de Resíduos Desafios e Oportunidades Eds.NORTE Gestão de Resíduos no Território Isabel Vasconcelos Fevereiro de 2006 Produção de Resíduos Resíduos - Quaisquer substâncias ou objectos de que o detentor

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS #2 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que o sector da fabricação de equipamento

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Prémio Ambiental ZFI Regulamento do Concurso Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Regulamento do Concurso Prémio Ambiental ZFI A certificação

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010)

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) ÍNDICE 1 Objectivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quem está abrangido?... 3 4 Quais os equipamentos abrangidos?... 3 5 Dúvidas frequentes... 5 5.1 Equipamentos

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE TRABALHO SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA A E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

MODELO DE INQUÉRITO PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA

MODELO DE INQUÉRITO PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA A. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1.SEDE 1.1 NOME... 1.2 ENDEREÇO.. 1.3 CÓDIGO POSTAL... 1.4 LOCALIDADE... 1.5 CONCELHO. 1.6 DISTRITO... 1.7 TELEFONE.. 1.8 TELEFAX...

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação

REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO. CAPÍTULO 1 Disposições gerais. Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação REGULAMENTO DE GESTÃO DE RESÍDUOS NO PORTO DE AVEIRO CAPÍTULO 1 Disposições gerais Artigo 1.º Objectivo e Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica-se a toda a área portuária e tem como objectivo

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Jorge Santos Pato Lisboa, 6 de Novembro de 2014 Auditório da Ordem dos Engenheiros Gestão Eficiente da Energia nas Organizações Industriais Reflexões Iniciais Importantes Sustentabilidade e eficiência

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Limpeza e/ou Resíduos

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Limpeza e/ou Resíduos Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Limpeza e/ou Resíduos Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação de um Sistema

Leia mais

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental

Índice resumido do DVD Ferramentas para a Gestão Ambiental Conteúdos Complementares ao Manual 1 Gestão do Ciclo de Vida do Produto 1.1 A Perspectiva do Ciclo de Vida nas Organizações 1.2 Avaliação do Ciclo de Vida 1.2.1 Introdução 1.2.2 Avaliação Qualitativa 1.2.3

Leia mais

ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração. www.apcer.pt

ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração. www.apcer.pt ERS 3002 - Qualidade e Segurança Alimentar na Restauração www.apcer.pt AGENDA Apresentação APCER Desenvolvimento ERS3002 Conteúdo da ERS3002 Metodologias de auditorias Associação constituída em Abril 1996

Leia mais

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS Novembro de 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE ESPOSENDE ESPOSENDE AMBIENTE, EEM OBJECTIVOS DE COMBATE ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Até ao ano de 2020, Aumentar em 20% a eficiência energética

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição)

SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) SISTEMAS DE GESTÃO: - AMBIENTE - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Mestrado de Ambiente, Saúde e Segurança (III Edição) Implementação do SGA e do SGSST ao nível das grandes empresas da R.A.A. Mestranda Cristina

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA. arlindo.louro@iep.pt

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA. arlindo.louro@iep.pt SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA arlindo.louro@iep.pt Instalações instituto electrotécnico português Matosinhos Rua de S. Gens, 3717 4460-409 Senhora da Hora Tel.: 229570000/15 Fax: 229530594 e-mail:com@iep.pt

Leia mais

COMISSÃO DE ASSUNTOS PARLAMENTARES, AMBIENTE E TRABALHO RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005 PARA UMA

COMISSÃO DE ASSUNTOS PARLAMENTARES, AMBIENTE E TRABALHO RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005 PARA UMA RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005 PARA UMA ASSEMBLEIA AMIGA DO AMBIENTE Ponta Delgada, 13-1 - de Abril de 2005 RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 0005/2005

Leia mais

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 Nos termos e para efeitos do disposto no n.º 2 do artigo 110.º do Decreto Legislativo Regional n.º 30/2010/A, de 15 de novembro, que estabelece

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) NO PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO SIRAPA Versão de 17/05/2011

PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) NO PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO SIRAPA Versão de 17/05/2011 PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) NO PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO SIRAPA Versão de 17/05/2011 1. Geral/Acesso 1.1 Não consigo visualizar correctamente o inventário. Geralmente a visualização correcta do inventário

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks

Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Formulário de Candidatura para admissão como membro do Cluster 2Bparks Eu, abaixo-assinado/a, declaro que a organização que represento solicita a sua admissão como Membro do Cluster Ambiental 2Bparks e

Leia mais

Ar Interior em Edifícios Qualidade do Ar Interior. Dília Jardim MUNICÍPIOS E CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS 18 de Junho de 2009

Ar Interior em Edifícios Qualidade do Ar Interior. Dília Jardim MUNICÍPIOS E CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS 18 de Junho de 2009 Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior em Edifícios Qualidade do Ar Interior Dília Jardim MUNICÍPIOS E CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS 18 de Junho de 2009 Qualidade do Ar Fontes de

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Especificação Técnica Serviços de instalação e manutenção/assistência técnica de Secção A: equipamentos fixos de refrigeração, ar condicionado e bombas de calor que contenham gases fluorados com efeito

Leia mais

Compras Públicas Sustentáveis

Compras Públicas Sustentáveis Compras Públicas Sustentáveis Município de Torres Vedras 12 de Novembro 2013 Seminário: Sustentabilidade Energética nas Compras Públicas OesteCIM Supported by: Coordination: Partners: Resumo 1 - Território

Leia mais

O PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA EMPRESA ÁGUAS DO VOUGA

O PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA EMPRESA ÁGUAS DO VOUGA O PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA EMPRESA ÁGUAS DO VOUGA Ana CAMACHO 1, Fausto OLIVEIRA 2 RESUMO A aplicação de princípios de avaliação e de gestão de riscos, complementa o controlo realizado através da monitorização

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009 Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana Programas integrados de criação de Eco-Bairros 1. ENQUADRAMENTO GERAL A Autoridade de Gestão do Programa Operacional

Leia mais

CELSIUSNEXT WTD 24 AM E23 WTD 24 AM E31. Manual de instalação e utilização

CELSIUSNEXT WTD 24 AM E23 WTD 24 AM E31. Manual de instalação e utilização Manual de instalação e utilização CELSIUSNEXT 6720608913-00.1AL WTD 24 AM E23 WTD 24 AM E31 Ler as instruções de instalação antes de instalar o aparelho! Antes de colocar o aparelho em funcionamento, ler

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

2ª Edição Abril de 2013

2ª Edição Abril de 2013 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CERTIF SERVIÇO DE INSTALAÇÃO, MANUTENÇÃO E ASSISTÊNCIA TÉCNICA DE EQUIPAMENTOS DE REFRIGERAÇÃO, AR CONDICIONADO E BOMBAS DE CALOR QUE CONTENHAM GASES FLUORADOS COM EFEITO DE ESTUFA

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

Auditorias Energéticas aos Edifícios de Serviços. João Francisco Fernandes ESTSetúbal/IPS

Auditorias Energéticas aos Edifícios de Serviços. João Francisco Fernandes ESTSetúbal/IPS Auditorias Energéticas aos Edifícios de Serviços João Francisco Fernandes ESTSetúbal/IPS Auditorias e SCE Auditorias durante o funcionamento >> emissão dos certificados energético e da QAI. Primeira Auditoria

Leia mais

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: A nova lei do ruído AUTORIA: Ricardo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO Foi publicado no passado dia 6 de Setembro o Decreto-Lei n.º 182/2006 que transpõe

Leia mais

SIGOU. Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados

SIGOU. Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados SIGOU Sistema Integrado de Gestão de Óleos Usados 1 O que é a ECOLUB? A ECOLUB, referência na requalificação de resíduos industriais perigosos, é uma marca registada da SOGILUB, Sociedade de Gestão Integrada

Leia mais

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE

XXVIII. Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE XXVIII Qualidade do Novo Edifício Hospitalar ÍNDICE 1. Sistema de gestão de qualidade... 2 1.1 Objectivos do sistema... 2 1.2 Estrutura organizativa... 4 1.2.1 Organização interna... 4 1.2.2 Estrutura

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL SOCIEDADE DE CONSTRUÇÕES SOARES DA COSTA, SA MONTE ADRIANO ENGENAHRIA E CONSTRUÇÃO, SA

GESTÃO AMBIENTAL SOCIEDADE DE CONSTRUÇÕES SOARES DA COSTA, SA MONTE ADRIANO ENGENAHRIA E CONSTRUÇÃO, SA GESTÃO AMBIENTAL SOCIEDADE DE CONSTRUÇÕES SOARES DA COSTA, SA MONTE ADRIANO ENGENAHRIA E CONSTRUÇÃO, SA Celina Mareco Gestor Qualidade e Ambiente Nov.11 Construção dos Acessos Rodoviários à Plataforma

Leia mais

Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento

Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento A Empresa Sediada na Trofa há mais de 25 anos, somos uma empresa dinâmica que oferece uma gama de soluções que

Leia mais

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Paulo Santos ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista ADENE Agência

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança

Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança Como melhorar a Sustentabilidade através da implementação de um Sistema Integrado de Gestão Qualidade, Ambiente e Segurança ENQUADRAMENTO O QUE SE PRETENDE? A IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

Leia mais

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas Hotéis e Pousadas 2008 Índice Introdução Principais Resultados Utilização Racional de Energia Gestão de Resíduos Uso Eficiente da Água Certificação Ambiental Conceitos 2 Introdução A estratégia nacional

Leia mais

Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro. Nota complementar e explicativa

Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro. Nota complementar e explicativa Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro Nota complementar e explicativa Setembro de 2012 IDENTIFICAÇÃO Título: Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) - Município

Leia mais

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*)

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*) GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS José dos Santos Santiago (*) RESUMO: Apresenta-se, neste artigo, a metodologia a seguir para gerir, tratar a reutilizar os efluentes industriais,

Leia mais

Ler as instruções de instalação antes de instalar o aparelho! Antes de colocar o aparelho em funcionamento, ler as instruções de utilização!

Ler as instruções de instalação antes de instalar o aparelho! Antes de colocar o aparelho em funcionamento, ler as instruções de utilização! Manual de instalação e utilização Esquentadores a gás minimaxx WRD 11-2.B.. WRD 14-2.B.. WRD 18-2.B.. Ler as instruções de instalação antes de instalar o aparelho! Antes de colocar o aparelho em funcionamento,

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

OMNIMETAL we think... we do.

OMNIMETAL we think... we do. we think... we do. OMNIMETAL we think... we do. A Omnimetal, fundada a 29 de Setembro de 1998, é uma empresa portuguesa de âmbito familiar que junta duas gerações na sua gestão, pai e filho. Tendo como

Leia mais

a LRQA Desenvolvimento Sustentável

a LRQA Desenvolvimento Sustentável ISO 14001:2004 e Responsabilidade Ambiental Engº Vítor Gonçalves CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Eficiência e Eficácia na redução de Riscos Ambientais Lisboa, 15 de Maio de 2007 ISO 14001:2004 e

Leia mais

Fase de construção do Prolongamento da Linha Vermelha, entre Alameda e São Sebastião

Fase de construção do Prolongamento da Linha Vermelha, entre Alameda e São Sebastião Fase de construção do Prolongamento da Linha Vermelha, entre Alameda e São Sebastião Identificação dos factores ambientais verdadeiramente significativos Descrição do projecto Prolongamento da Linha Vermelha

Leia mais

Resumo Não Técnico. Projecto de Alteração.

Resumo Não Técnico. Projecto de Alteração. ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL Resumo Não Técnico TAFE TRATAMENTO DE ALUMÍNIO E FERRO, S.A. Projecto de Alteração. Data: 11 de Dezembro de 2003 Copyright SIA / NAIMET 2003 1.- Índice 1.- Índice... 2 2.- Introdução...

Leia mais

A excelência ao serviço do cliente

A excelência ao serviço do cliente A ENGIMAGNE A excelência ao serviço do cliente A ENGIMAGNE é uma resposta de excelência para as necessidades de empresas, instituições e particulares em tecnologias e soluções de engenharia, energia e

Leia mais

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015 O projeto O Projeto Heróis da Água é promovido pela EMAS de Beja e pela Câmara Municipal de Beja, enquadra-se na área da sensibilização e educação ambiental. O projeto mantem-se pelo 3.º ano e continua

Leia mais

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG)

Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Requisitos do Sistema de Gestão de Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves (SGSPAG) Política de Prevenção de Acidentes Graves Revisão Revisão Identificação e avaliação dos riscos de acidentes graves

Leia mais

No topo da Eficiência. julho 2015. Conheça a nova Diretiva Energética. ErP. Conforto para a vida

No topo da Eficiência. julho 2015. Conheça a nova Diretiva Energética. ErP. Conforto para a vida No topo da Eficiência Conheça a nova Diretiva Energética julho 2015 ErP Conforto para a vida 1. Informação geral sobre a Diretiva Europeia ErP-EuP A partir de 26 de setembro de 2015, as Diretivas de Ecodesign

Leia mais

INFRAQUINTA. Afirmação de uma Cultura Ambiental. "Modelos de Gestão no Sector do Turismo. Albufeira, 22 Abril 2009

INFRAQUINTA. Afirmação de uma Cultura Ambiental. Modelos de Gestão no Sector do Turismo. Albufeira, 22 Abril 2009 INFRAQUINTA Afirmação de uma Cultura Ambiental "Modelos de Gestão no Sector do Turismo Albufeira, 22 Abril 2009 AGENDA 1. A INFRAQUINTA Génese Estrutura Accionista Organograma Missão Competências 2. O

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO PROJECTO DE CENTRAL DE CICLO COMBINADO DO PEGO

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO PROJECTO DE CENTRAL DE CICLO COMBINADO DO PEGO TEJO ENERGIA Produção e Distribuição de Energia Eléctrica, S. A. ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL DO PROJECTO DA CENTRAL DE CICLO COMBINADO DO PEGO ADITAMENTO Nº DO TRABALHO: MF 2457 Nº DO DOCUMENTO: 01.RP.I

Leia mais

Portaria n.º 240/92 de 25 de Março

Portaria n.º 240/92 de 25 de Março Portaria n.º 240/92 de 25 de Março O Decreto-Lei n. º 88/91, de 23 de Fevereiro, que procedeu à transposição da Directiva n. º 87/101/CEE, do Conselho, de 22 de Dezembro de 1986, remeteu expressamente,

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa

Análise de sustentabilidade da empresa Análise de sustentabilidade da empresa Em 2013, a NAV Portugal manteve a prática de integração dos princípios de sustentabilidade nas políticas e processos da sua gestão, como suporte à promoção do seu

Leia mais

PORTUGAL 2009. Sumário Legislação Associação e Intervenientes Mercado EEE 2009 Recolha de REEE

PORTUGAL 2009. Sumário Legislação Associação e Intervenientes Mercado EEE 2009 Recolha de REEE PORTUGAL 2009 DADOS DE MERCADO DE EQUIPAMENTOS ELÉCTRICOS E ELECTRÓNICOS Sumário Legislação Associação e Intervenientes Mercado EEE 2009 Recolha de REEE Pg. 1 Sumário Uma política adequada de gestão de

Leia mais

MÊS DA ENERGIA - AÇORES

MÊS DA ENERGIA - AÇORES MÊS DA ENERGIA - AÇORES SEMINÁRIO Eficiência Energética Credenciação de Técnicos no âmbito do SCE Fernando Brito Ponta Delgada 6 de Maio de 2008 1 1 COMISSÃO TRIPARTIDA CTAQAI DIRECÇÃO GERAL DE ENERGIA

Leia mais

Anexo ao Mapa de Pessoal 2010

Anexo ao Mapa de Pessoal 2010 Serviços Municipalizados de Peniche Anexo ao Mapa de Pessoal 2010 Conteúdos Funcionais Divisão Administrativa e Financeira Tesouraria Assistente Técnico Anexo ao Mapa de Pessoal 2010 Conteúdos Funcionais

Leia mais

Auditoria Energética - Definição

Auditoria Energética - Definição Auditoria Energética - Definição Levantamento e análise crítica das condições de utilização da Energia, com vista à detecção de oportunidades de racionalização energética, através de medidas com uma viabilidade

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

por AUDITORIAS DE CONFORMIDADE LEGAL SISTEMAS DE GESTÃO DO AMBIENTE 2005/2006 por Requisitos Legais 1. Processo de por 2. Requisitos Legais 3. Classificação das Não Conformidades 1 Processo de Abordagem

Leia mais

XIX. Serviços de Apoio ÍNDICE

XIX. Serviços de Apoio ÍNDICE XIX Serviços de Apoio ÍNDICE SECÇÃO I - ASPECTOS GERAIS... 2 1. Introdução... 2 SECÇÃO II - Especificações dos Serviços de Apoio... 4 2. Serviço de Limpeza... 4 3. Serviço de Alimentação... 5 4. Serviço

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Fórum Eficiência Energética

Fórum Eficiência Energética Fórum Eficiência Energética A Visão do Auditor Aspectos a Considerar Luís Coelho Escola Superior de Tecnologia de Setúbal (ESTSetúbal) - IPS OBJECTIVOS: Apresentar os aspectos mais importantes da intervenção

Leia mais

Cidade da Praia Cabo Verde

Cidade da Praia Cabo Verde A NEW ENERGY CONCEPT TECNOLOGIA, AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM CABO VERDE PRESENTE E FUTURO 29 e 30 de Novembro 1 e 2 de Dezembro 2011 Cidade da Praia Cabo Verde Paulo M. G. Gil Paulo Manuel Gonçalves

Leia mais

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Edifícios da Sede e Museu e Centro de Arte Moderna. Serviços Centrais

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Edifícios da Sede e Museu e Centro de Arte Moderna. Serviços Centrais 1 Os edifícios da Sede e Museu foram inaugurados em 1969, 7 anos depois do início da construção, sendo o projecto dos arquitectos Alberto Pessoa, Pedro Cid e Ruy d Athouguia; Os jardins são projecto dos

Leia mais

Ventilação na Restauração

Ventilação na Restauração Ventilação na Restauração As deficiências na climatização e na exaustão de fumos dos Restaurantes são um problema frequente. Muitas vezes há deficiente extracção de fumos, com caudais de ar insuficientes,

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios Fernando Jorge Albino Varela de Oliveira Abrantes Dezembro 2014 ÍNDICE Objectivos

Leia mais

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Resolução do Conselho 2002/C161/01 Nova Estratégia Comunitária de Saúde e Segurança (2002 2006) Redução dos Acidentes de Trabalho

Leia mais