ÍNDICE. 003 Mensagem do Presidente 005 Prémio EDP - candidaturas 010 Prémio EDP - apreciação de candidaturas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE. 003 Mensagem do Presidente 005 Prémio EDP - candidaturas 010 Prémio EDP - apreciação de candidaturas"

Transcrição

1

2 ÍNDICE Mensagem do Presidente 005 Prémio EDP - candidaturas 00 Prémio EDP - apreciação de candidaturas 0 Vencedores Categoria A: Indústria 04 Pentaplast, SA 09 Coelima - Indústrias Têxteis, SA 0 Vencedores Categoria B: Serviços 04 IKEA Portugal - Moveis e Artigos de Decoração, Lda - Loja de Loures 030 Hospitais da Universidade de Coimbra 034 Menções: Especial 036 InovaGaia - Centro de Inc. de Empresas de Vila Nova de Gaia Honrosa 040 Cercioeiras, Educação Reabilitação de Cidadãos com Deficiência 044 Escola Básica, 3 Ciclos de Vale de Milhaços PRÉMIO EDP. ÍNDICE

3 Mensagem do Presidente A energia elétrica é, no mundo moderno, um fator de crescimento e desenvolvimento transversal à sociedade que, por representar um valor acrescentado, deve ser objeto de utilização racional, no respeito pelos valores ambientais, de forma a, paralelamente, garantir uma efetiva redução de custos. A EDP Distribuição, por razão de ofício, sabe da importância da energia elétrica e conhece profundamente o tecido empresarial português. Desde 990 que tem vindo a dar um relevo público às melhores práticas no desempenho em intensidade energética, sempre com observância da qualidade ambiental. Um trabalho que tem sido feito junto das pequenas, médias e grandes empresas e entidades que atuam nos setores industrial, comercial e de serviços. Verifica-se, pois, uma crescente dinâmica de colaboração entre a nossa empresa e os utilizadores de energia elétrica, que procuram inteirar-se e assimilar as melhores soluções e práticas ao nível da utilização racional de energia, reconhecendo as vantagens da adoção das medidas propostas pela EDP Distribuição. Neste contexto, o prémio EDP energia elétrica e ambiente constitui um importante momento de comunicação e partilha com todos os utilizadores da rede elétrica da EDP Distribuição. O fato do número de candidaturas ter vindo a aumentar ao longo das oito edições do prémio enche-nos de orgulho, porque revela o reconhecimento do tecido empresarial para com a EDP Distribuição. Um reconhecimento recíproco, de que o prémio é prova, ao nível da valorização do mérito das medidas que, ao nível da eficiência energética, as empresas concorrentes têm vindo a adotar com crescente sucesso, a todas dando relevo público, com particular ênfase para as empresas premiadas. A EDP Distribuição integra um Grupo que é, atualmente, líder mundial nos Índices Dow Jones de Sustentabilidade, nas empresas do Sector Elétrico, ou seja, um Grupo que é uma referência mundial no domínio do desenvolvimento sustentável. Por isso, na política da nossa empresa, os aspetos ambientais são considerados em todos os processos de tomada de decisão, designadamente na aquisição de bens e serviços e, ainda, em todas as fases de planeamento, projeto, construção, exploração e desativação de infraestruturas. Muitas destas práticas são já comuns às empresas candidatas, o que confere cada vez mais sentido à nossa iniciativa, a credibiliza, dá notoriedade ao prémio EDP energia elétrica e ambiente e traz-nos, mais que a esperança, a certeza de que temos um Futuro mais risonho. A todos deixo o meu forte agradecimento. João Torres Presidente do Conselho de Administração EDP Distribuição Energia, SA PRÉMIO EDP. mensagem do presidente

4 PRÉMIO EDP CANDIDATURAS 004 Pormenor de desenho de Pedro Calapez. 005 A adesão das empresas a esta edição de 0 do prémio EDP foi bastante significativa, o que se traduziu na apresentação de um número recorde de candidaturas, 3 no total, sendo 9 as de categoria A (Indústria) e 94 as de categoria B (Serviços). Apresenta-se em anexo a listagem exaustiva das candidaturas entradas. Ressaltando a contribuição de todas as candidaturas ao prémio EDP energia elétrica e ambiente 0 para um desenvolvimento mais sustentável, renova-se aqui a apresentação de todas as entidades participantes nesta iniciativa. INDÚSTRIA ÁGUAS DAS CALDAS DE PENACOVA, LDA ALENLAGAR, LDA ALENTUBO FABRICAÇÃO DE TUBOS, LDA ALMAS, SA ALMINA MINAS DO ALENTEJO, SA ANTÓNIO CARREIRA MENINO SOUSA B SOUSA DIAS & FILHOS, SA BLB - INDÚSTRIAS METALÚRGICAS, SA BORRACHAS DE PORTALEGRE, SOCIEDADE UNIPESSOAL, LDA BOSCH - TERMOTECNOLOGIA, SA BOSCH CAR MULTIMEDIA PORTUGAL, LDA CARNEIRO, CAMPOS & Cª, LDA CARVITIN - TINTURARIA E ACABAMENTOS, LDA CEREALIS PRODUTOS ALIMENTARES, SA (Centro Produção de Águas Santas) CEREALIS PRODUTOS ALIMENTARES, SA (Centro Produção da Trofa) CICLO FAPRIL INDÚSTRIAS METALÚRGICAS, SA CIMPOR - INDÚSTRIA DE CIMENTOS, SA CINCA - COMP IND CERÂMICA, SA CIPAN - COMP IND PRODUTORA ANTIBIÓTICOS, SA CLIMAR INDÚSTRIA ILUMINAÇÃO, SA CNB COMPANHIA NACIONAL DE BORRACHAS, SA CNE - CIMENTOS NACIONAIS E ESTRANGEIROS, SA PRÉMIO EDP. CANDIDATURAS PRÉMIO EDP. CANDIDATURAS INDÚSTRIA

5 COELIMA-INDÚSTRIAS TÊXTEIS, SA ITAFLEX-FAB ARTIGOS PAR CALÇADO, LDA PAVIGRES CERÂMICA, SA SWEDWOOD PORTUGAL - INDÚSTRIA CONTINENTAL MABOR - INDÚSTRIA DE J. PEREIRA FERNANDES II, SA PENTAPLAST, SA DE MADEIRA PNEUS, SA JACQUES VIANA-BRITAS, SA PLASTAZE - PLÁSTICOS DE AZEMÉIS, SA TINTEX-TINTURARIA TÊXTIL DE CERVEIRA, LDA CORDEX INDUSTRIAL TÊXTIL, SA JODEL - PRODUTOS QUÍMICOS, SA PLF MEIAS E COLLANTS, LDA TINTUTEX-TINTURARIA E ACAB TÊXTEIS, LDA CORTINTI - ACABAMENTOS TÊXTEIS, LDA JOSÉ SANTOS & CAMPOS, LDA RAR - REFINARIAS DE AÇÚCAR REUNIDAS, SA TMG - TECIDOS PLASTIFICADOS E OUTROS VER COSTA & COSTA, LDA LACOVIANA TRAT E LACAGENS DE ALUMÍNIOS RECIAL - RECICLAGEM DE ALUMÍNIOS, SA (Ponte) CRIZAVES - CENTRO DE ABATE DE AVES, SA DE VIANA, LDA REDI-FAB DE MÓVEIS METÁLICOS, LDA TMG - TECIDOS PLASTIFICADOS E OUTROS VER CRUZ MARTINS & WAHL, LDA LOMBOSER METALÚRGICA, SA REFRIGE-SOCIEDADE INDUSTRIAL DE REFRIGER (Vale - S. Cosme) CUF QUÍMICOS INDUSTRIAIS, SA LOUROPEL-FÁBRICA DE BOTÕES LDA RENOVA-FAB PAPEL DO ALMONDA, SA TOMÁS E FERREIRA, LDA DAI SOC. DESENVOL. AGRO INDUSTRIAL, SA LUSOSIDER-AÇOS PLANOS, SA REVIGRES, LDA TURCOFIL - INDÚSTRIAS TÊXTEIS, SA DOMINGOS DA SILVA TEIXEIRA, SA MANUEL RODRIGUES D OLIVEIRA SA & FILHOS, RIA BLADES, SA UNICER ÁGUAS, SA DOMINÓ - INDÚSTRIAS CERÂMICAS, SA SA (Maia) RIOPELE - TÊXTEIS, SA UNICER BEBIDAS, SA (Leça do Balio) DURITCAST PRODUTOS METÁLICOS, LDA MANUEL RODRIGUES D OLIVEIRA SA & FILHOS, RM SOC EXPLORAÇÃO AGRÍCOLA E UNICER BEBIDAS, SA (Santarém) DURIT-METALURGIA PORT TUNGSTÉNIO, LDA SA (Paredes) EQUESTRE, LDA URENTEL INDÚSTRIAS TÊXTEIS ESSILOR PORTUGAL MANUEL RODRIGUES, SA (Lagoa ) ROCA, SA VMPS - ÁGUAS E TURISMO, SA EUROPAC KRAFT VIANA MANUEL RODRIGUES, SA (Lagoa ) ROCHE FARMACÊUTICA QUÍMICA, LDA FÁBRICA CERÂMICA DE VALADARES, SA MANUEL RODRIGUES, SA (Lagoa 3) RONUTEX-TINT E ACAB TÊXTEIS, LDA FÁBRICA DE TECIDOS DA CRUZ DE PEDRA, LDA MAR CABO-PRODUTOS CONGELADOS, LDA SACOPOR-SOC EMB. E SACOS PAPEL, SA FEL-IMPEX-IMP. EXP. CO E CALÇADO, LDA MATCERÂMICA - FABRICO DE LOUÇA, SA SAKTHI PORTUGAL, SA FICO CABLES-FAB. ACES EQUI. IND., LDA MIRAFIOS-SOC DE FIAÇÃO E TECIDOS, LDA SALEMO & MERCA, LDA FIOFIBRA-COMP PROD FIB SINTÉTICAS, SA MOAGEM CERES-A DE FIGUEIREDO & IRMÃO, SA SARRELIBER - TRANSFORMAÇÃO DE PLÁSTICOS FITAGRO GRUPO, SL MODA TINTURARIA E ACABAMENTO SEBASTIÃO & MARTINS, SA FITOR-COMP PORTUGUESA DE TÊXTEIS, SA TÊXTEIS, SA SIMOLDES PLÁSTICOS, SA GYPTEC IBÉRICA GESSOS TÉCNICOS, SA MOVECHO MÓVEIS DE ESCRITÓRIO, SA SNA EUROPE (INDUSTRIES) HALLA CLIMATE CONTROL PORTUGAL NOVA AP - FÁBRICA DE NITRATO AMONÍACO DE SOCIEDADE EUROPEIA DE ARROZ SEAR, SA UNIPESSOAL, LDA PORTUGAL SOCIEDADE QUINTA DO PORTAL, SA HELIFLEX TUBOS E MANGUEIRAS, SA NOVA TÊXTIL ARAÚJO & GONÇALVES, SA SONAE INDUST. PRODUC. E COMERC. DE DERIV INAPAL PLÁSTICOS, SA NOVADELTA - COM IND CAFÉS, SA STA - SOC. TRANSF ALUMÍNIOS, SA INDASA INDÚSTRIA ABRASIVOS, SA OLIVAL FONTE FRADES EXPLOR AGRÍCOLA, LDA STYRIA IMPORMOL, SA INPLAS INDÚSTRIA DE PLÁSTICOS, SA PASTELARIA SERRA, LDA PRÉMIO EDP. CANDIDATURAS INDÚSTRIA PRÉMIO EDP. CANDIDATURAS INDÚSTRIA

6 SERVIÇOS B.B. Sociedade Imobiliária, SA FRUTALGARVE, LDA PT COMUNICAÇÕES, SA (Central Alcácer do Sal) BALAIA ATLÂNTICO - EMP. TURÍSTICOS, LDA FUNDAÇÃO - CENTRO C BELÉM PT COMUNICAÇÕES, SA (Central Lagoa) AGERE - EMPRESA DE ÁGUAS CAETANO AUTO, SA Fundo de Invest. Imobiliário FUNDIMO PT COMUNICAÇÕES, SA (Central Loulé) AGRUP ESC ZONA URBANA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL DA MAIA GLICÍNIAS PLAZA PT COMUNICAÇÕES, SA (Central Moita) ÁGUAS DE GONDOMAR, SA CARVOEIRO GOLFE, SA GRANDE REAL SANTA EULÁLIA RESORT PT COMUNICAÇÕES, SA (Central Odemira) ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, SA CENTRO HOSPITALAR DO ALTO AVE HOTEL SPA PT COMUNICAÇÕES, SA (Central Olhão) (ETAR Monte Novo) CENTRO HOSPITALAR TRÁS-OS-MONTES Hospitais da Universidade de Coimbra PT COMUNICAÇÕES, SA (Central Pinhal Novo) ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, SA E ALTO DOURO UNIDADE HOSPITALAR HOTEL CAMINHOS DE SANTIAGO PT COMUNICAÇÕES, SA (Central Vila Real (ETAR de Borba) DE VILA REAL HOTEL PORTA NOVA Sto António) ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, SA Cercioeiras, Ed Reab de Cid c Deficiência IDEIA - INST DESENV EDUC INTEGRADO AÇÃO QUINTA BALAIA EMPREED TURÍSTICOS, SA (ETAR de Évora) CLUBE ESPERANÇA DE LAGOS IKEA ALFRAGIDE REAL BELLAVISTA HOTEL & SPA ÁGUAS DO CENTRO ALENTEJO, SA CS CLUBEHOUSE DO GOLFE DOS SALGADOS IKEA MATOSINHOS REAL MARINA HOTEL & SPA (ETAR de S. Bento) CS HOTEL DO LAGO MONTARGIL IKEA Portugal - Moveis e Artigos de SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE VILA ÁGUAS DO CENTRO, SA CS LOTE 4 Decoração, Lda - Loja de Loures DO CONDE ÁGUAS DO NOROESTE, SA CS S. RAFAEL ATLANTIC HOTEL InovaGaia - C de Inc de Emp de VN Gaia SANTA CASA MISERICÓRDIA DE SINES ÁGUAS DO SADO, SA (Edifícios de Escritórios) CS SALGADOS GRANDE HOTEL INTERHOST SERV ÁREA INTERNET, LDA SERV MUN ÁGUA SANEAMENTO LEIRIA ÁGUAS DO SADO, SA (EEAP de Pinheirinhos) CS SÃO RAFAEL SUITE HOTEL LABORATÓRIO IBÉRICO INTERNACIONAL DE SIBS - SOCIEDADE INTERBANCÁRIA SERVIÇOS ÁGUAS DO SADO, SA (Furo AC Algeruz) CS SOLAR DA REDE EXP TURÍSTICAS AG SA NANOTECNOLOGIA SIMRIA, SA (Candidatura ) ÁGUAS DO SADO, SA (Furos do Peru) CS SUITE DOMUS HOTEL LÂMEGO CONVIDA - GESTÃO EQUIP. M. EM SIMRIA, SA (Candidatura ) ÁGUAS DO SADO, SA (Reservatório) CS THE VINTAGE HOUSE HOTEL, LDA LIPOR-SERV. INT. GESTA RES. GRANDE PORTO SOC INVEST HOTELEIROS D. JOÃO II, SA ÁGUAS DO ZÊZERE E COA, SA (Edifício Sede) CS VINTAGE LISBOA HOTEL LITOALENTEJO SOC. HOTEL LITOALENT., LDA SOC TUR E HOTELEIRA VALE DO DOURO, SA ÁGUAS DO ZÊZERE E COA, SA (EEAA EDIA-EMP DES INFRA-EST. ALQUEVA SA - EST. (Hotel Vila Park) Sociedade de Exploração TurÍstica de S. Julião) ELEVATÓRIA DE ALFUNDÃO MUNICÍPIO DE TORRES VEDRAS Villas D Agua, SA ÁGUAS DO ZÊZERE E COA, SA (ETA Capinha) EPAL EMP. PORTUG DAS ÁGUAS LIVRES ONICE - EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS, LDA SPPTH - SOCIEDADE DE PROMOÇÃO DE ÁGUAS DO ZÊZERE E COA, SA (ETAR Celorico ESCOLA BÁSICA,3 CICLOS VALE MILHAÇOS PANIFICADORA DE SANTO ANDRÉ PROJETOS TURIS da Beira) ESCOLA EB,3 DA LOUSADA - AGRUP VERTICAL PARAÍSO DE ALBUFEIRA- EMP TURÍSTICOS, LDA THE YEATMAN HOTEL LDA ALBUFEIRA HOTEL GMBH & CO BETRIEBS KG ESCOLAS PROMETRO, SA UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR APDL - ADMINISTRAÇÃO DOS PORTOS DOURO ESCOLA EBS DE ARGA E LIMA PT COMUNICAÇÕES, SA (Torres Monsanto & UNIVERSIDADE DE AVEIRO (Candidatura ) LEIXÕES, SA ESCOLA SECUNDÁRIA ANSELMO DE ANDRADE Monte da Virgem) UNIVERSIDADE DE AVEIRO (Candidatura ) ASCENDI GRANDE PORTO AE G PORTO, SA ESCOLA SECUNDÁRIA STUART CARVALHAIS PT COMUNICAÇÕES, SA (Central Albufeira) UNIVERSIDADE DE ÉVORA PRÉMIO EDP. CANDIDATURAS SERVIÇOS PRÉMIO EDP. CANDIDATURAS SERVIÇOS

7 Prémio EDP Apreciação das candidaturas 00 0 O prémio EDP, que se vem a realizar de há Eng. Hélder de Macedo Sampaio Prof. Dr. Anibal Traça de Almeida Decidiu o Júri premiar as candidaturas das alguns anos a esta parte, foi instituído pela Direção Comercial Em representação da Faculdade de Ciências entidades que seguidamente se indicam, EDP Distribuição e destina-se a galardoar e Tecnologia da Universidade de Coimbra as quais se quis descrever e ilustrar no presente as entidades utilizadoras da rede da EDP Eng. José Gonçalves -Departamento de Engenharia Eletrotécnica e de documento. Distribuição que a ele se candidatam e que Direcção de Rede e Clientes Mondego Computadores demonstram ter conseguido melhorias de Categoria IndÚstria: eficiência energética ou de produtividade em Eng. José Sequeira Prof. Dr. João António Abel Peças Lopes Vencedor Absoluto resultado da adoção de métodos e processos Direção de Rede e Clientes Lisboa Em representação da Faculdade de Engenharia Pentaplast, SA elétricos adequados. da Universidade do Porto Vencedor Eng. Manuel Dionísio Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Coelima, Indústrias Têxteis, SA As candidaturas foram abertas a todas as Direção Comercial Computadores entidades com potência contratada igual ou Categoria Serviços superior a 50 KVA, sendo classificadas em duas Eng. Margarida Henriques Eng. João Paulo Calhau Vencedor Absoluto categorias: Direção de Tecnologia e Inovação Em representação da ADENE - Agência para a IKEA Portugal - Moveis e Artigos de Decoração, Categoria A: Indústria Energia Lda - Loja de Loures Categoria B: Serviços Eng. Nuno Esteves Vencedor Direção de Despacho e Condução Prof. Dr. Luís Marcelino Ferreira Hospital da Universidade de Coimbra A preceder a decisão do Júri, todas as Em representação do IST - Instituto Superior candidaturas foram analisadas e avaliadas, nos O Júri integrou as entidades e personalidades que Técnico - Departamento de Engenharia O Júri decidiu ainda, tendo em atenção o termos do divulgado Regulamento do concurso e seguidamente se apresentam: Eletrotécnica e Computadores mérito exemplar que lhes reconhece ao nível atendidos os seus objetivos, por uma Comissão do efeito de demonstração e de alteração de Análise e Pré-Selecção de Candidaturas, com a Presidente Prof. Pedro Geraldes Martins Verdelho de comportamentos, distinguir as seguintes constituição que seguidamente se apresenta: Dr. José Perdigoto Em representação da ERSE - Entidade Reguladora candidaturas com: Em representação da DGEG - Direção Geral de dos Serviços Energéticos Eng. Alcides Couto Energia e Geologia Menção Honrosa do Júri: Direção de Manutenção Eng. António Vidigal Cercioeiras - Ed. Reab. de Cid. com Deficiência Em representação do Grupo EDP Escola Básica, 3 ciclos de Vale de Milhaços Eng. Fausto Silva Direção Comercial Eng. Pedro Neves Ferreira Menção Especial do Júri: Em representação do Grupo EDP InovaGaia - As. Centro Inc. Base Tec. V.N. Gaia PRÉMIO EDP. APRECIAÇÃO DE CANDIDATURAS PRÉMIO EDP. APRECIAÇÃO DE CANDIDATURAS

8 0 03 Vencedores Categoria A: Indústria Pentaplast Coelima

9 PENTAPLAST, SA 04 Fachada da empresa Pentaplast em Santo Tirso. e 3 Climatização com unidades evaporativas. 05 A atual Pentaplast S.A. assenta a sua atividade no setor da embalagem alimentar. Hoje, a sua produção é de filmes tubulares de polietileno e extrusão de folhas de poliestireno plano. É também de salientar que a Pentaplast S.A. encontra-se certificada pela norma EN ISO 900:000 e cumpre integralmente os requisitos da indústria alimentar no que respeita à higiene e segurança (Standard Global dos materiais de embalagem e acondicionamento, Edição 3, 008; Regulamento CE 03/006). Estas certificações são obtidas para unidades que produzem embalagens para as indústrias alimentar e farmacêutica, bem como para dispositivos médicos. A unidade instalada no concelho de Santo Tirso possui.000 m cobertos e acomoda 6 linhas de extrusão, estando prevista e projetada a possibilidade de expansão em mais m cobertos. O edifício desta unidade é construído em estrutura metálica revestida com painel sandwich de lã de rocha. 3 A climatização das zonas de produção e armazéns é feita por um sistema de unidades evaporativas, que apresentam um baixo consumo energético. Cada unidade possui um sistema de humidificação do ar, em que parte dessa humidade, ao entrar em contacto com o ar, evapora, provocando abaixa- vencedor ABSOLUTO Indústria. pentaplast vencedor ABSOLUTO Indústria. pentaplast

10 06 e Substituição de uma linha de produção com economias de energia de 4,68%. 3 Movimentação de cargas com empilhadores elétricos. 07 mento de temperatura até 0ºC, dependendo da uma redução do consumo específico de energia humidade relativa do ar antes de entrar na unida- de cerca de 4,68% (kw/kg) (valores medidos pelo de evaporativa. ISQenergia), bem como uma redução do tempo de mudança de matérias primas em 6 horas e a pos- A única exceção a este sistema de arrefecimento sibilidade de incorporar aditivos, uma vez que as diz respeito a sala da extrusão tubular, pela neces- matérias primas entram na extrusora à tempera- sidade de controlar e manter a temperatura cons- tura ambiente. tante ao longo do ano. Outra vantagem é a possibilidade de utilizar mate- Neste caso optaram pela instalação de um chiller riais reciclados (de densidade mais baixa), uma vez e de uma Unidade de Tratamento de Ar-UTA, ten- que, no sistema de duplo fuso, a zona de entrada do esta associado um circuito de free-cooling. O de material é maior. sistema de controlo monitoriza as condições inte- riores e exteriores a cada momento e decide se recolhe ar ao exterior ou se recircula e arrefece com O valor de poupança introduzida pela alteração na linha de extrusão é de 67.4,5 kwh. Este valor 3 a água fria produzida pelo chiller. tem por base os consumos medidos pelo ISQ e as lise com vácuo, para evitar a combustão no forno produções de julho de 009 a junho 00. desses mesmos resíduos. Uma das medidas implementadas foi a substituição de uma linha de extrusão de filme rígido poli- Toda a movimentação de cargas na unidade fa- Na zona de armazéns todos os balastros ferromag- tereftalato de etileno-pet. Este tipo de linhas re- bril é feita por meio de empilhadores elétricos que néticos das luminárias fluorescentes foram subs- quer que a matéria-prima seja previamente seca possuem um sistema regenerativo para economia tituídos por balastros electrónicos, com uma pou- até apresentar um nível de humidade inferior a 50 de energia, o qual proporciona durante as trava- pança estimada kwh por ano. partes por milhão. gens recarregar as baterias e uma maior eficiência na operação, ampliando o tempo de utilização do Diferentemente, a nova linha de extrusão não re- equipamento em 5% sem recarregamento. quer qualquer pré-tratamento da matéria prima, uma vez que o processo recorre a uma extrusora A máquina de remoção de resíduos de plástico das de duplo fuso corotante combinado com um sis- peças metálicas foi substituída por um equipa- tema múltiplo de alto vácuo. Com este processo, face ao anterior sistema convencional verificou-se mento cujo princípio de funcionamento é o da piró- vencedor ABSOLUTO Indústria. pentaplast vencedor ABSOLUTO Indústria. pentaplast

11 COELIMA INDÚSTRIAS TÊXTEIS, SA 08 Rolos de flanela. Alteração de lavagem branqueio Kuster. 09 corrente de ar, encaminhando-os para filtros, tipo saco de grandes dimensões, onde ficam depositados para recolha manual, de forma não compactada, dificultando o seu manuseamento e tratamento posterior. Operando no sector têxtil, a Coelima Indústrias Têxteis, S.A., localizada em Pevidém, no concelho de Guimarães, dedica-se à produção de lençóis, dos mais variados tipos, sendo reconhecida internacionalmente na produção de flanelas. A produção das flanelas passa obrigatoriamente pela operação de cardação, processo que promove o levantamento de parte das fibras que constituem os fios da tela, com o propósito de conferir ao produto um toque macio e aveludado que lhe é característico. A cardação é geradora de quantidades importantes de fibras que se desprendem do substrato (cotão), que tem de ser removido de forma ordenada de modo a manter limpo o equipamento, o produto e o ambiente de trabalho. Tradicionalmente, a recolha de cotões é feita por sistemas de aspiração múltiplos (normalmente dois por máquina), que deslocam os cotões em vencedor INDÚSTRIA. COELIMA Contudo, a equipa técnica da Coelima estudou e implementou a utilização de uma central de despoeiramento, equipada com filtros rotativos autolimpantes. Neste âmbito, os escapes dos ventiladores de despoeiramento individual das cardas foram reencaminhados para a referida central de despoeiramento, conferindo-lhe um aumento da eficiência de operação de limpeza, do processo cuja importância foi já referida. A instalação de um compactador de cotões permitiu reduzir fortemente o volume de resíduo rejeitado, sendo que o seu resultado está a ser valorizado energeticamente na queima em lareiras dos colaboradores da empresa. Além de resultados ao nível da qualidade do produto, já que o mesmo deixa de ser contaminado com o cotão remanescente de fabricos anteriores, tornou-se evidente a melhoria do meio ambiente, interior e exterior, com minimização de riscos de incêndio. A introdução de variadores eletrónicos de velocivencedor INDÚSTRIA. COELIMA

12 00 Compactador de cotão. Projeto TECER OUTRAS COISAS. 0 A desencolagem termina com uma operação de lavagem, cuja missão é remover ceras e gomas, previamente tratadas com química específica. Tradicionalmente, a lavagem é efetuada com malhagens e espremedoras sucessivas. A Coelima, em colaboração com o fabricante da máquina, desenvolveu uma alteração ao processo convencional, introduzindo uma bomba de sucção para remover rapidamente toda a sujidade indesejável, reduzindo substancialmente o número de caixas de lavagem, o comprimento da máquina e potenciando redução significativa do consumo de água e de calor por kg de tela tratada. Projetos de envolvimento com a comunidade A Coelima desenvolve ações com a comunidade, local e regional, nomeadamente de teatro Teatro Coelima do canto Orfeão Coelima do desporto Pesca, Atletismo e da Formação Profissional. Possui um Centro de Formação Profissional onde promove formação, quer para trabalhadores, Cursos EFA, quer para desempregados de longa duração, com protocolos estabelecidos com IFP nas mais variadas áreas, tais como Eletricidade, Mecânica, Pichelaria, Qualidade, Solares Térmico e outros. dade - VEV, nos motores dos ventiladores, permitiu Verificou-se que havia um espaço importante de Através do projeto TECER OUTRAS COISAS, ini- regular a velocidade destes, em função da quan- economia com a possibilidade de regular os níveis ciado no ano 00, estabeleceu um protocolo com tidade de máquinas ligadas, em cada instante, ao de aspiração aplicada à tela, não recorrendo ao a Junta de Freguesia de Pevidém e a Escola Profis- sistema de ventilação, significando uma redução desvio do fluxo de ar para a atmosfera mas à regu- sional Árvore, criando nas suas instalações uma de cerca kwh por ano. lação da velocidade do motor de acionamento da confeção piloto, onde designers recentemente for- bomba de vácuo. Tal foi conseguido com recurso à mados, ou em formação, podem por em prática as A instalação de VEV, no sistema de controlo da re- instalação de VEV, evidenciando-se uma redução suas criações. cuperação de águas quentes e torres de arrefeci- da ordem de 6% e em valor absoluto em mento, permitiu a redução dos consumos elétricos kwh por ano. No âmbito deste projeto, a Coelima disponibiliza, das bombas e ventiladores do sistema, em cerca além do espaço físico com todas as condições, kwh por ano e ainda majorar a recuperação A instalação de uma central de cogeração a gás equipamento de corte e confeção, restos de teci- energética. natural permite através do sistema de recupera- dos da sua coleção, linhas, botões, etc., mantendo ção energética produzir até 3,5 toneladas por hora uma bolsa de antigas funcionárias, da sua confe- Um dos principais processos de acabamentos é a operação de desencolagem e branqueio. de vapor a 7 bar. ção na situação de reforma ou de desemprego, que fabricam com mestria as peças desenhadas. vencedor INDÚSTRIA. COELIMA vencedor INDÚSTRIA. COELIMA

13 0 03 Vencedores Categoria B: SERVIÇOS IKEA PORTUGAL HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

14 IKEA Portugal - Moveis e Artigos de Decoração, Lda Loja de Loures 04 Fachada do edificio IKEA Loures. Os chillers utilizam água da ETAR para melhorar o rendimento. 05 A IKEA dedica-se à comercialização de móveis e utilidades para o lar. O edifício localiza-se em Loures, foi construído em 00, tem uma área de m e um pé direito ponderado de 6,3 m, tendo obtido a classe de certificação energética A. Sistema de abastecimento dos chillers, com água da Estação de Tratamento de Águas Residuais - ETAR O sistema de chillers é composto por três unidades e necessita de um caudal de ponta de 85 m 3 /h. O abastecimento de água para este circuito é proveniente da ETAR de Frielas, sendo bombeado desde a ETAR até à entrada do ramal de alimentação ao sistema. Na ETAR foi construído um tanque com a capacidade de 50 m 3, para fornecer e conferir alguma autonomia ao sistema. Junto do tanque foi instalada a central de bombagem e um sistema de filtragem automático composto por dois filtros. O sistema permite bombear o caudal de ponta ao longo de aproximadamente 450 metros, desde a ETAR até aos chillers, vencendo um desnível de 4 metros até aos equipamentos, instalados na cobertura do edifício. Nos ramais de alimentação dos chillers, o sistema dispõe ainda de uma bateria de três filtros, coloca- vencedor ABSOLUTO SERVIÇOS. IKEA vencedor ABSOLUTO SERVIÇOS. IKEA

15 06 Iluminação natural por 35 solar tubes. 07 dos à saída do coletor principal. Estes filtros são Em cada local foram instalados equipamentos a 4 tamento de ar UTA e unidades de tratamento de duplos, do tipo cesto vertical com baixa perda de tubos para as zonas em que as necessidades de ar novo UTAN. carga e com sistema manual de inversão sem in- calor ou frio se verificam em simultâneo. Nas zonas terrupção do fluxo e camisa para líquidos não lu- onde o diagrama de cargas é homogéneo, foram O controlo destes equipamentos é feito pela ges- brificantes água. instalados apenas equipamentos a tubos. tão técnica centralizada do edifício, através da leitura e controlo das sondas de temperatura e de Central de produção de energia térmica Produção de água quente sanitária CO. A climatização é efetuada por instalação do tipo A produção de AQS é efectuada através da potên- Nas unidades de tratamento de ar, UTA e UTAN, os água/ar. A água aquecida/arrefecida é produzida cia térmica recuperada a partir do chiller. Sempre motores dos ventiladores de insuflação e extração por três chillers, sendo um do tipo só frio com recu- que não existe carga térmica de arrefecimento, ou estão equipados com variadores de frequência, peração total, outro só frio e um terceiro com bom- que não se verifiquem as condições do set-point que permitem a variação do funcionamento destes ba de calor. Em conjunto produzem água aquecida de temperatura nos depósitos, é utilizado para o motores, em função dos caudais necessários para para climatização, água quente sanitária - AQS e mesmo efeito o chiller 3. a climatização, ventilação e tratamento de ar dos água refrigerada para climatização, em diversas espaços. proporções conforme os diagramas de cargas ao A água quente, proveniente da recuperação ou da longo do ano. Os chillers com potência de arrefeci- bomba de calor, é acumulada em dois depósitos As unidades que possuem módulo de mistura as- mento,63 MW, e de aquecimento 0,98 MW, utili- com capacidade de 7000 litros. seguram o caudal de ar novo mínimo e atuam os zam água da ETAR de Frielas, para condensação/ registos de caudal em modo de free-cooling se as evaporação, possibilitando desta forma a utiliza- Para se aplicar o choque térmico de controlo da condições térmicas assim o permitirem. ção desta água tratada a uma temperatura favo- legionella nos reservatórios foram instaladas 4 re- rável para estes processos. sistências elétricas, com 9 kw cada e que funcio- Os módulos de recuperação de calor, instalados nam controladas pela gestão técnica centralizada nestes equipamentos, são do tipo placas de flu- A água produzida para a climatização só circu- do edifício, de acordo com o plano de manutenção. xos cruzadas em diagonal e roda térmica. Estes la por recurso a uma central de bombagem, com módulos promovem a transferência de calor entre caudal variável, para as Unidades de Tratamento Unidades de tratamento de ar e unidades de trata- o ar de extração e o ar novo. Estão instalados em de Ar-UTA, Unidades de Tratamento de Ar Natural- mento de ar novo secções próprias para o efeito, na unidade de tra- UTAN e ventiloconvetores possibilitando as devi- tamento de ar e possuem uma recuperação de ca- das condições de conforto e de qualidade de ar. A climatização, ventilação e o tratamento do ar do edifício são feitas com recurso a unidades de tra- lor mínima entre 50% - 70%. vencedor ABSOLUTO SERVIÇOS. IKEA vencedor ABSOLUTO SERVIÇOS. IKEA

16 08 Solar Tube. 09 Solar Tubes Estão instalados 35 Solar Tubes, distribuídos pelo armazém da loja e pelos escritórios, numa área aproximada de.00 m. No caso da zona de armazém, o seu funcionamento foi complementado com a instalação de iluminarias com sistema DALI, que permitem o controlo do nível de luz artificial, reduzindo desta forma os consumos energéticos, sempre que as condições climatéricas o permitam. Gestão Técnica Centralizada - GTC O edifício tem instalada uma GTC, capaz de manter as condições de conforto definidas e assegura uma verdadeira capacidade de gestão e de monitorização, mantendo os consumos de energia o mais reduzidos possível. A GTC está programada com um algoritmo de gestão e controlo, de onde se destacam 45 contadores de energia AVAC, 49 contadores de entalpia AVAC, 40 contadores de energia quadros elétricos, 6 contadores de água e software dedicado para a recolha de dados e elaboração de resumos gráficos dos principais consumos verificados. Possibilidade de criação de horários individuais por contactor e por máquina de climatização, possibilitando também a criação de exceções horárias, para os dias feriados em que a loja encerra parcial ou totalmente. A produção de AQS é gerida através do recuperador instalado no chiller e da bomba de calor instalada, instalada no chiller 3, em função das necessidades de aquecimento e arrefecimento verificadas na Loja e da temperatura verificada nos depósitos de AQS. É de referir a possibilidade de ajuste dos set-points do sistema DALI, instalado na iluminação do armazém, em função da entrada de luz natural através dos Solar Tubes. No regime noturno, durante os períodos em que não exista qualquer tipo atividade a decorrer no armazém, existe a possibilidade de atribuir um horário de funcionamento, ou um novo set-point e criar desta forma um segundo regime de funcionamento, com consumos energéticos mais reduzidos. A gestão técnica fornece diversos alarmes de alerta, avaria ou defeitos, que são também visíveis na central de segurança do edifício, 4h por dia. A gestão do funcionamento da central de produção, das unidades de tratamento de ar-uta, das unidades de tratamento de ar novo-utan e dos ventiloconvetores, está de acordo com os variadores de velocidade das máquinas, as temperaturas e a qualidade interior do ar do edifício. Isolamento das lajes Foi instalado isolamento térmico em toda a extensão do teto do parque de estacionamento do piso -, numa área total de m. Outros sistemas instalados Os tapetes e as escadas rolantes têm variadores de velocidade. Estes equipamentos permitem reduzir a velocidade de funcionamento, quando não existe a necessidade de utilização dos mesmos, reduzindo nesses períodos substancialmente os consumos de energia elétrica. Todas as lâmpadas fluorescentes instaladas são do tipo T5. A GTC recebe informação de uma célula fotoelétrica de forma a encravar o comando horário de todos os circuitos elétricos, no perímetro externo da Loja, onde se incluem: iluminação das lonas de publicidade, postes de iluminação dos parques de estacionamento, iluminação das bandeiras e dos logótipos da marca. vencedor ABSOLUTO SERVIÇOS. IKEA vencedor ABSOLUTO SERVIÇOS. IKEA

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Edifícios da Sede e Museu e Centro de Arte Moderna. Serviços Centrais

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Edifícios da Sede e Museu e Centro de Arte Moderna. Serviços Centrais 1 Os edifícios da Sede e Museu foram inaugurados em 1969, 7 anos depois do início da construção, sendo o projecto dos arquitectos Alberto Pessoa, Pedro Cid e Ruy d Athouguia; Os jardins são projecto dos

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA

CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA Projeto Energia Construção Sustentável www.cezero.pt / www.cezero.com.br CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA PROJETO Arquitetura e sistemas construtivos Maximização

Leia mais

PLANO DE SUSTENTABILIDADE

PLANO DE SUSTENTABILIDADE PLANO DE SUSTENTABILIDADE Rock in Rio 2013 O QUE NOS MOVE Temos que assumir não só as nossas próprias responsabilidades mas um compromisso coletivo, enquanto cidadãos e profissionais, em cada atividade

Leia mais

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Agenda Enquadramento dos consumos Energéticos nos Edifícios e no ramo Hoteleiro Enerbiz Conceito Geral e explicação funcional Conclusões e Aspetos Gerais Índice Enquadramento

Leia mais

AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS

AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS P O U P A R AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO Caso tenha ar condicionado nos quartos ou áreas comuns do empreendimento,

Leia mais

GUIA PARA A REABILITAÇÃO DOMÓTICA. comunicações, segurança e conforto. PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus

GUIA PARA A REABILITAÇÃO DOMÓTICA. comunicações, segurança e conforto. PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus GUIA PARA A REABILITAÇÃO DOMÓTICA comunicações, segurança e conforto PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria RedeRia - Innovation, S.A. Índice 0. Preâmbulo 5 1.

Leia mais

ESQUENTADORES SENSOR GREEN

ESQUENTADORES SENSOR GREEN ESQUENTADORES SENSOR GREEN SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice A eficiência na produção de água quente em grandes quantidades 03 Aplicações e Utilizações 05 Benefícios para o Instalador 06 Líder em Tecnologia

Leia mais

Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia

Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia Vamos Poupar Energia!!! www.facebook.com/experimenta.energia Que podemos nós fazer? Eficiência Energética Utilização Racional da Energia, assegurando os níveis de conforto e de qualidade de vida. Como?

Leia mais

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS Gás Climatização

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Válido até 20/04/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Freguesia PARANHOS Concelho PORTO GPS 41.163993, -8.604853 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL 1 ª Conservatória

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS PARA O SECTOR DA SAÚDE. Versão 1.3 (2013)

GUIA DE BOAS PRÁTICAS PARA O SECTOR DA SAÚDE. Versão 1.3 (2013) GUIA DE BOAS PRÁTICAS PARA O SECTOR DA SAÚDE Versão 1.3 (2013) 1 Enquadramento O presente Guia de boas práticas surge no âmbito da estratégia para a implementação do Plano Estratégico do Baixo Carbono

Leia mais

Ficha de identificação da entidade participante

Ficha de identificação da entidade participante Ficha de identificação da entidade participante Instituição Designação Instituto Superior Técnico Professor responsável João Toste Azevedo Contacto 218417993 Email toste@ist.utl.pt Técnico responsável

Leia mais

Água Quente. Supraeco W Supraeco W OS. Bombas de calor Ar - Água para produção de A.Q.S. julho 2014. Conforto para a vida

Água Quente. Supraeco W Supraeco W OS. Bombas de calor Ar - Água para produção de A.Q.S. julho 2014. Conforto para a vida Supraeco W Supraeco W OS Bombas de calor Ar - Água para produção de A.Q.S. Água Quente julho 0 Conforto para a vida Bombas de calor SUPRAECO energia água quente ar-água confortopoupança eficiênciacop calor

Leia mais

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica

Eficiência. Energética. e a energia eléctrica Eficiência Energética e a energia eléctrica > Eficiência energética A é um desafio que devemos colocar a todos nós. Está ao nosso alcance, o podermos contribuir de forma decisiva para um mundo melhor e

Leia mais

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS Novembro de 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE ESPOSENDE ESPOSENDE AMBIENTE, EEM OBJECTIVOS DE COMBATE ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Até ao ano de 2020, Aumentar em 20% a eficiência energética

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios Fernando Jorge Albino Varela de Oliveira Abrantes Dezembro 2014 ÍNDICE Objectivos

Leia mais

Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014

Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014 Eficiência Energética e sustentabilidade ambiental CTCV Centro Tecnológico da cerâmica e do Vidro 25 de Fevereiro 2014 Soluções para coberturas Telhas e acessórios cerâmicas Fibrocimento Complementos para

Leia mais

Dicas para poupar energia Empresas

Dicas para poupar energia Empresas Dicas para poupar energia Empresas Eficiência energética: Poupar energia, utilizá-la de forma eficiente e inteligente, para conseguir mais, com menos. Importância da eficiência energética: Redução da factura

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS #2 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que o sector da fabricação de equipamento

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA MEDIDAS DE GESTÃO E UTILZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA NO AEROPORTO DE LISBOA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA MEDIDAS DE GESTÃO E UTILZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA NO AEROPORTO DE LISBOA MEDIDAS DE GESTÃO E UTILZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA NO AEROPORTO DE LISBOA 22 de Maio de 2006 ENQUADRAMENTO 1942 O Aeroporto de Lisboa Abriu ao trafego, integrando-se na DGAC (Direcção Geral de Aeronáutica

Leia mais

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal.

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal. Cursos de atualização profissional para revalidação da credenciação técnica (nº 6, art. 22º DL79/2006 de 4 Abril) Referenciais mínimos aprovados pela Comissão Tripartida Revalidação da Credenciação a TIM

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009 Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana Programas integrados de criação de Eco-Bairros 1. ENQUADRAMENTO GERAL A Autoridade de Gestão do Programa Operacional

Leia mais

Índice. Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores. Aquecimento Central e A.Q.S.

Índice. Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores. Aquecimento Central e A.Q.S. PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2013 Índice ENTRADA DO CENTRO DE FORMAÇÃO - AVEIRO Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores E1 Águas Quentes Sanitárias 04

Leia mais

PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica. Auditoria Energética para Escolas

PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica. Auditoria Energética para Escolas PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica Auditoria Energética para Escolas Objectivo da Medida As Auditorias Energéticas para Escolas faz parte de um conjunto

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS #3 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que as empresas do

Leia mais

Carta Ambiental do Colégio Penas Real

Carta Ambiental do Colégio Penas Real Carta Ambiental do Colégio Penas Real O Colégio Penas Real está atento à importância de um ensino ambiental de qualidade na escola, tendo por isso vindo a assumir um papel preponderante no desenvolvimento

Leia mais

Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento

Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento A Empresa Sediada na Trofa há mais de 25 anos, somos uma empresa dinâmica que oferece uma gama de soluções que

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

Por Utilização Racional de Energia (URE) entendemos o conjunto de acções e medidas, que têm como objectivo a melhor utilização da energia.

Por Utilização Racional de Energia (URE) entendemos o conjunto de acções e medidas, que têm como objectivo a melhor utilização da energia. Utilização Racional de Energia (URE) Por Utilização Racional de Energia (URE) entendemos o conjunto de acções e medidas, que têm como objectivo a melhor utilização da energia. Utilizar melhor a energia

Leia mais

Relatório síntese. das atividades desenvolvidas

Relatório síntese. das atividades desenvolvidas Relatório síntese das atividades desenvolvidas Ano letivo 2011/2012 Índice 1. Objetivos... 3 2. Metodologia... 4 3. Atividades realizadas... 5 3.1. Atividades de caracter livre desenvolvidas pelas escolas...

Leia mais

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável

PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM. Energia sustentável PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 18 DE JUNHO DE 2012 POR JM Energia sustentável A ONU declarou 2012 como o Ano Internacional da Energia Sustentável para Todos. Esta iniciativa pretende chamar

Leia mais

Eficiência Energética em Edifícios. Faculdade de Engenharia Universidade do Porto EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS

Eficiência Energética em Edifícios. Faculdade de Engenharia Universidade do Porto EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS Faculdade de Engenharia Universidade do Porto Engenharia Electrotécnica e Computadores Gestão de Energia A Eficiência Energética em projecto de edifícios tem sempre presente que existem questões importantes

Leia mais

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012

D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 D.R. DO AMBIENTE Despacho n.º 1059/2012 de 25 de Julho de 2012 Nos termos e para efeitos do disposto no n.º 2 do artigo 110.º do Decreto Legislativo Regional n.º 30/2010/A, de 15 de novembro, que estabelece

Leia mais

Máquinas de Secar Roupa

Máquinas de Secar Roupa Design. Cada centímetro que vê num aparelho Balay, representa uma enorme dedicação em termos de design, ergonomia e adaptabilidade ao seu dia a dia. Um dos nossos principais objectivos é aliar a facilidade

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA A ENERGIA SUSTENTÁVEL

PLANO DE AÇÃO PARA A ENERGIA SUSTENTÁVEL PLANO DE AÇÃO PARA A ENERGIA SUSTENTÁVEL MUNICÍPIO DO FUNCHAL 1º Relatório de Implementação Janeiro de 2015 PLANO DE AÇÃO PARA A ENERGIA SUSTENTÁVEL DO FUNCHAL Plano de Ação para a Energia Sustentável

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 11 Hotelaria - Incentivo à promoção da Eficiência Energética 2015 ÍNDICE 1. O que é o FEE Fundo de Eficiência Energética?... 3 2. Qual o enquadramento

Leia mais

O papel da eficiência e inovação energética nos edifícios

O papel da eficiência e inovação energética nos edifícios O papel da eficiência e inovação energética nos edifícios Apresentação no INETI 25 Junho, 2012 A energia está associada à maioria dos actuais desafios de sustentabilidade Resíduos Aquecimento global Poluição

Leia mais

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir?

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? A nova legislação estabelece as seguintes exigências relativamente à envolvente do edifício: Limite máximo dos coeficientes de transmissão térmica

Leia mais

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade.

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Realização: Parceiro: Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Cesar Ramos - Gerente de projetos da Yuny Incorporadora Daniel Gallo - Gerente

Leia mais

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito.

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito. Ecologicamente correto Economicamente viável Socialmente justo Culturalmente aceito. ENERGIA SEGURANÇA ETE FIBRA-ÓTICA DADOS TELEFONIA PAVIMENTAÇÃO VIAS PROJETADAS GÁS ETA SINALIZAÇÃO EQUIP. URBANOS ACESSIBILIDADE

Leia mais

TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa. WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios. Cascais, 19 de Abril de 2012

TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa. WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios. Cascais, 19 de Abril de 2012 TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios Cascais, 19 de Abril de 2012 INDICE Lisboa E-Nova Enquadramento Conceitos Metodologia Oportunidades de Melhoria

Leia mais

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GUIA PARA A REABILITAÇÃO REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria

Leia mais

Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença

Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença Produzidos com os melhores componentes disponíveis no mundo e projetados com foco em economia de energia e facilidade de operação e manutenção,

Leia mais

Dicas para poupar energia Doméstico

Dicas para poupar energia Doméstico Dicas para poupar energia Doméstico Eficiência energética: Poupar energia, utilizá-la de forma eficiente e inteligente, para conseguir mais, com menos. Importância da eficiência energética: Redução da

Leia mais

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação A generalidade das empresas necessitam de controlar o seu ambiente interior, tanto em termos de condições térmicas como de qualidade do ar, por diferentes motivos como bem estar e segurança das pessoas,

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE0000045965837 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO (NOVO) Morada / Localização Vila

Leia mais

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha.

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha. A Câmara Municipal procura ser um exemplo de bom desempenho ambiental. A gestão ambiental da autarquia promove, através de um conjunto de projectos, a reciclagem junto dos munícipes e dos seus trabalhadores.

Leia mais

Passive Houses na região de Aveiro

Passive Houses na região de Aveiro João Gavião www.homegrid.pt jgavias@gmail.com Índice Introdução As primeiras Passive Houses certificadas em Portugal O desempenho da primeira Passive House certificada As próximas Passive Houses Solar

Leia mais

Principais equipamentos utilizados nos sectores dos edifícios e da industria (a ter em consideração na análise energética) L. F.

Principais equipamentos utilizados nos sectores dos edifícios e da industria (a ter em consideração na análise energética) L. F. Principais equipamentos utilizados nos sectores dos edifícios e da industria (a ter em consideração na análise energética) L. F. Roriz 1. Tipo de instalações A análise energética pode ter que cobrir os

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS PARA O SECTOR DA SAÚDE. Versão 2 (2014)

GUIA DE BOAS PRÁTICAS PARA O SECTOR DA SAÚDE. Versão 2 (2014) GUIA DE BOAS PRÁTICAS PARA O SECTOR DA SAÚDE Versão 2 (2014) 1 Enquadramento OpresenteGuiadeboaspráticasenquadra-senoDespachosn.º4860/2013,de9deabril,en.º 8264/2014, de 18 de junho, do Senhor Secretário

Leia mais

Empresa Eficiente Accenture, Consultores de Gestão

Empresa Eficiente Accenture, Consultores de Gestão Accenture, Consultores de Gestão Possuem Comité Ambiental, presidido por um Administrador e um responsável de cada área da empresa, que aborda questões relacionadas com a Eficiência Energética. Produzem

Leia mais

Albicalor, Lda. Rua Comendador Martins Pereira 3850-089 Albergaria-a-Velha

Albicalor, Lda. Rua Comendador Martins Pereira 3850-089 Albergaria-a-Velha Para produzir a cerâmica Majolica são necessárias duas semanas. O resultado é um produto exclusivo que não desgasta e tem propriedades termo condutoras. As imperfeições minusculas, tais como as micro pepitas,

Leia mais

G Ferro fundido S Aço. B Condensação E Thermostream K Standard

G Ferro fundido S Aço. B Condensação E Thermostream K Standard Nomenclatura das caldeiras Buderus Exemplo: caldeira em ferro fundido (G) de condensação (B) potência entre 200kW a 400kW (4) de modelo original (0) estanque e queimador a gás (2) Logano Tipo de caldeira

Leia mais

Práticas Verdes Para Condomínios

Práticas Verdes Para Condomínios Guia de Práticas Verdes Para Condomínios A economia que faz bem para o seu bolso e para o meio ambiente Com o objetivo de incentivar e disseminar práticas sustentáveis em condomínios, o Secovi Rio criou

Leia mais

MANUAL COM DICAS SOBRE CONSUMO DE ENERGIA

MANUAL COM DICAS SOBRE CONSUMO DE ENERGIA SISTEMA SOLAR DE AQUECIMENTO DE ÁGUA a) Quando for adquirir um sistema de aquecimento solar dê sempre preferência aos modelos com o Selo Procel. b) Dimensione adequadamente o sistema (coletores e reservatórios)

Leia mais

Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020

Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020 Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020 IV Congresso ATEPH Energia e Ambiente no Edifícios Hospitalar 4 de junho de 2015 Dinis Rodrigues Porto, 4 de junho de 2015 AGENDA Tema 1 Enquadramento

Leia mais

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente.

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente. Implementar ações voltadas ao uso racional de recursos sustentabilidade naturais para promover a ambiental e socioeconômica na Administração Pública Federal. A Esplanada terá metas de racionalização do

Leia mais

Consumo Consciente Energia Elétrica

Consumo Consciente Energia Elétrica Consumo Consciente Energia Elétrica Agosto 2010 Planeta SUSTENTABILIDADE NO CONSUMO Incentivo ao consumo responsável e consciente IMPORTÂNCIA DA ENERGIA PARA O GRUPO Compra energia elétrica de 23 concessionárias

Leia mais

melhoria do desempenho energético global e a redução de custos para a empresa, numa perspetiva de médio prazo.

melhoria do desempenho energético global e a redução de custos para a empresa, numa perspetiva de médio prazo. 4 5 índice nota prévia NOTA PRÉVIA INTRODUÇÃO O projeto Plano de Dinamização e Disseminação de Boas Práticas Eficiência Energética no Sector Empresarial Enquadramento A eficiência energética no contexto

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE53106823 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO (NOVO) Morada / Localização Vila Utopia,

Leia mais

Economia de energia. No escritório. Ar Condicionado

Economia de energia. No escritório. Ar Condicionado Economia de energia O consumo de energia elétrica nos países em desenvolvimento, como o Brasil, cresce anualmente 8 vezes mais que nos países ditos desenvolvidos. Esse aumento de consumo é devido à modernização

Leia mais

Arrefecimento solar em edifícios

Arrefecimento solar em edifícios Arrefecimento solar em edifícios Introdução A constante procura de conforto térmico associada à concepção dos edifícios mais recentes conduziram a um substancial aumento da utilização de aparelhos de ar

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DA ILHA DE S.MIGUEL AMIGOS DO AMBIENTE

ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DA ILHA DE S.MIGUEL AMIGOS DO AMBIENTE ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DA ILHA DE S.MIGUEL AMIGOS DO AMBIENTE PELO QUE S. MIGUEL TEM DE MELHOR. Na altura em que se completam dez anos sobre o início da actividade da AMISM, é oportuno fazer um balanço

Leia mais

Semana da Prevenção de Resíduos - 16 a 23 de Novembro. Dicas de Prevenção e Preservação

Semana da Prevenção de Resíduos - 16 a 23 de Novembro. Dicas de Prevenção e Preservação Semana da Prevenção de Resíduos - 16 a 23 de Novembro Dicas de Prevenção e Preservação Tenha em conta Nunca comece uma reparação, por muito pequena que seja, sem antes desligara tomada do equipamento;

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL

ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL ANEXO 14- PILHAS DE COMBUSTÍVEL 198 Conteúdo 1 Pilha de combustível... 199 1.1 O que é um elemento a combustível... 199 1.2 Princípio de funcionamento... 200 1.3 Tipos básicos de elementos a combustível...

Leia mais

Castelo de Vide 16.02.2009. Mais eco. Mais futuro.

Castelo de Vide 16.02.2009. Mais eco. Mais futuro. Castelo de Vide 16.02.2009 Mais eco. Mais futuro. O mundo está nas nossas mãos... 1 O consumo energético mundial tem registado forte crescimento nos últimos anos, agravando o volume de emissões de CO 2

Leia mais

Sistemas Solares VELUX. Fevereiro 2009

Sistemas Solares VELUX. Fevereiro 2009 Sistemas Solares VELUX Fevereiro 2009 Racionalidade, benefícios e economia Porquê utilizar a energia solar? Racionalidade O sol produz uma quantidade de energia que nunca seremos capazes de consumir na

Leia mais

Lagoas Park, Edifício 2 2740-265 Porto Salvo Telefone: +351 21 791 23 44 www.tdimobiliaria.pt

Lagoas Park, Edifício 2 2740-265 Porto Salvo Telefone: +351 21 791 23 44 www.tdimobiliaria.pt Lagoas Park, Edifício 2 2740-265 Porto Salvo Telefone: +351 21 791 23 44 www.tdimobiliaria.pt Partilhe connosco as suas sugestões para um ambiente melhor, através do endereço penseverde@tdimobiliaria.pt.

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES DE

GUIA DE ATIVIDADES DE ATIVIDADES DE ATIVIDADES CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Pré-Escolar & 1º Ciclo CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DE ALBUFEIRA Localização: Quinta da Palmeira - R. dos Bombeiros Voluntários - 8200 ALBUFEIRA TEL.:

Leia mais

EYE MANAGER MANUAL DO SOFTWARE

EYE MANAGER MANUAL DO SOFTWARE EYE MANAGER MANUAL DO SOFTWARE ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO.. 3 2 O SOFTWARE.... 3 3 EDIFÍCIO. 6 3.1 Área aquecida........ 6 3.2 Pavimento... 11 3.3 Cobertura..... 11 3.4 Aquecimento central.. 12 3.5 Produção de

Leia mais

Gestão do Consumo de Energia no Sector Turístico

Gestão do Consumo de Energia no Sector Turístico Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma da Madeira Gestão do Consumo de Energia no Sector Turístico Funchal, 1999 Índice 1. INTRODUÇÃO... 1 2. METODOLOGIA... 4 2.1. DEFINIÇÃO DO UNIVERSO

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Exemplos de projetos e políticas públicas

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Exemplos de projetos e políticas públicas MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Exemplos de projetos e políticas públicas Pegada ecológica Imagem: Jornal Bahianorte Evolução da Pegada Ecológica Imagem: miriamsalles.info Nosso padrão de produção Imagem:

Leia mais

Dados do Produto. Ar Condicionado: ponto dreno + carga elétrica (sala e dormitório)

Dados do Produto. Ar Condicionado: ponto dreno + carga elétrica (sala e dormitório) FICHA TÉCNICA Projeto Arquitetônico: Gkalili Arquitetura Design de Fachada: Triptyque Arquitetura Projeto Paisagístico: EKF Arquitetura paisagística Projeto Decoração: Triptyque Arquitetura Dados do Produto

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER CE72617225 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE FRACÇÃO/EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE HABITAÇÃO SEM SISTEMA(S) DE CLIMATIZAÇÃO (EXISTENTE) Morada / Localização Rua

Leia mais

Consultadoria e Serviços Energéticos, lda ENERGIA PARA A VIDA. Energy for life

Consultadoria e Serviços Energéticos, lda ENERGIA PARA A VIDA. Energy for life ENERGIA PARA A VIDA Energy for life A GREEN SOLUTIONS A ambição de uma empresa não se reflecte nos seus feitos individuais, mas antes na realização de projectos marcantes para sua indústria. O reconhecimento

Leia mais

Turismo e Água Proteger o nosso futuro comum Dia Mundial do Turismo 2013

Turismo e Água Proteger o nosso futuro comum Dia Mundial do Turismo 2013 Turismo e Água Proteger o nosso futuro comum Dia Mundial do Turismo 2013 Caraterização das práticas relacionadas com o consumo de água nas empresas de alojamento turístico de Montemor-o-Novo Anualmente,

Leia mais

Rock in Rio Escola Solar envolve 237 equipas de escolas de todo o país e permite financiar projectos sociais ao longo de 15 anos

Rock in Rio Escola Solar envolve 237 equipas de escolas de todo o país e permite financiar projectos sociais ao longo de 15 anos Rock in Rio Escola Solar envolve 237 equipas de escolas de todo o país e permite financiar projectos sociais ao longo de 15 anos Os 400 painéis fotovoltaicos que serão implementados este ano nas 20 escolas

Leia mais

Promover a Eficiência Energética nos edifícios. As PME do Sector Energético Desafios e estratégias

Promover a Eficiência Energética nos edifícios. As PME do Sector Energético Desafios e estratégias Promover a Eficiência Energética nos edifícios As PME do Sector Energético Desafios e estratégias 22 de Março 2013 Índice 1. Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos 2. Fundo de Eficiência Energética

Leia mais

ETAMAX. Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência. versões. principais características. Feio & Comp

ETAMAX. Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência. versões. principais características. Feio & Comp ETAMAX Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência Caudais: 4.000-25.000 m 3 /h alta eficiência ETAMAX, são unidades de tratamento de ar novo de elevada eficiência do tipo compacto com circuito

Leia mais

MODERNIZE SUA PLANTA FABRIL. Máquinas e equipamentos mais modernos são mais eficientes e consomem menos energia.

MODERNIZE SUA PLANTA FABRIL. Máquinas e equipamentos mais modernos são mais eficientes e consomem menos energia. 1 REALIZE UM DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO para identificar todas as oportunidades existentes, avaliar a viabilidade, determinar as prioridades e montar um programa para sua implementação 2 MODERNIZE SUA PLANTA

Leia mais

PRINCIPAIS MARCOS DO SUCH

PRINCIPAIS MARCOS DO SUCH PRINCIPAIS MARCOS DO SUCH 2014 4 de dezembro - Aprovação, por maioria absoluta, em sede de Assembleia Geral, do novo Regime de Quotização e Benefícios dos Associados e do Plano de Ação e Orçamento para

Leia mais

FreziPUMP Com Sol, tenha Água!

FreziPUMP Com Sol, tenha Água! FreziPUMP Com Sol, tenha Água! A Frezite apresenta uma vasta gama de equipamentos para captação e gestão da água, o que permite escolher a melhor solução para o seu projeto. Apostamos em soluções autónomas

Leia mais

CO N C E P Ç ÃO, DESEN VO LV I MENTO E FABRI CO P ORTUGUÊ S BLOCO SOLAR ÁGUAS QUENTES SANITÁRIAS AQUECIMENTO CENTRAL CLIMATIZAÇÃO DE PISCINAS

CO N C E P Ç ÃO, DESEN VO LV I MENTO E FABRI CO P ORTUGUÊ S BLOCO SOLAR ÁGUAS QUENTES SANITÁRIAS AQUECIMENTO CENTRAL CLIMATIZAÇÃO DE PISCINAS CO N C E P Ç ÃO, DESEN VO LV I MENTO E FABRI CO P ORTUGUÊ S BLOCO SOLAR ÁGUAS QUENTES SANITÁRIAS AQUECIMENTO CENTRAL CLIMATIZAÇÃO DE PISCINAS ECONOMIA CONFORTO ECOLOGIA TRABALHA DE DIA, NOITE, COM CHUVA

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS Panorama Energético Segundo o Portal Europeu de Energia em 2009: Ou seja, o sector dos edifícios foi responsável

Leia mais

Sistemas Terciários. Hotéis, Soluções Globais Soluções KNX adaptadas a cada área do hotel. Nuno Carvalho

Sistemas Terciários. Hotéis, Soluções Globais Soluções KNX adaptadas a cada área do hotel. Nuno Carvalho Sistemas Terciários Hotéis, Soluções Globais Soluções KNX adaptadas a cada área do hotel Nuno Carvalho Introduction Desafios dos edifícios Conforto Segurança Comunicação Eficiência energética Evolutivos

Leia mais

Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos

Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos Workshop Formar para Reabilitar a Europa PAINEL 3: TECNOLOGIAS E IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS Caso de Estudo: reabilitação energética de duas moradias em Paço de Arcos Vítor Cóias, GECoRPA Susana Fernandes,

Leia mais

Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável

Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável São Paulo Maio 2008 Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável Sustentabilidade em Edificações

Leia mais

BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE

BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Bombas de Calor para A.Q.S. Um novo grau de eficiência Sistemas eficientes de aquecimento de águas 03 Serviços de Apoio

Leia mais

AR-CONDICIONADO 8 H / DIA = 35,3% / MÊS

AR-CONDICIONADO 8 H / DIA = 35,3% / MÊS O Brasil vive uma crise hídrica e energética que está afetando a distribuição de ambos os recursos no país todo, em maior ou menor intensidade. O Estado de São Paulo, em especial a capital, vem sofrendo

Leia mais

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Estabelece boas práticas de gestão e uso de Energia Elétrica e de Água nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional

Leia mais

A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise

A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise A inovação não é um luxo, mas sim uma necessidade que poderá ajudar a enfrentar as dificuldades da crise A Empresa - No mercado nacional desde 1993 - Localização: Com fábrica em Vale de Cambra (50 km a

Leia mais

Agora com. Delegação em Lisboa Tel. 21 231 89 19 Tlm 96 764 46 22 N O R M A L I Z A D O S. Aluguer MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS

Agora com. Delegação em Lisboa Tel. 21 231 89 19 Tlm 96 764 46 22 N O R M A L I Z A D O S. Aluguer MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS Agora com Delegação em Lisboa Tel. 21 231 89 19 Tlm 96 764 46 22 N O R M A L I Z A D O S Aluguer SOLUÇÕES DE ACESSO MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS BASES SIMPLES / DUPLAS - ALUMÍNIO EN 1004 classe 3 EN 1298 DE

Leia mais

especial CALOR EFRIO LAR DICAS PARA O 22/11/13 SOL l 39 GETTY IMAGES/BRAND X

especial CALOR EFRIO LAR DICAS PARA O 22/11/13 SOL l 39 GETTY IMAGES/BRAND X especial LAR DICAS PARA O CALOR EFRIO GETTY IMAGES/BRAND X 22/11/13 SOL l 39 02/ 03 CLIMATIZAÇÃO/ LAR GETTY IMAGES/STOCKTREK IMAGES POUPE NA FACTURA DA ELECTRICIDADE Aqueça e refresque a casa de forma

Leia mais

Aceitaram responder ao questionário os seguintes estabelecimentos: * Hotel Hórus - Actividades Hoteleiras S.A. ( www.hotelhorus.

Aceitaram responder ao questionário os seguintes estabelecimentos: * Hotel Hórus - Actividades Hoteleiras S.A. ( www.hotelhorus. Relatório acerca dos dados recolhidos com o questionário sobre políticas de protecção ambiental, dirigido a estabelecimentos hoteleiros do concelho de Felgueiras Aceitaram responder ao questionário os

Leia mais

Apresentação Wintek.Center... 4. Programa das Ações de Formação... 3. Básico de Refrigeração e Climatização... 6

Apresentação Wintek.Center... 4. Programa das Ações de Formação... 3. Básico de Refrigeração e Climatização... 6 ÍNDICE Apresentação Wintek.Center... 4 Programa das Ações de Formação... 3 Básico de Refrigeração e Climatização... 6 Automação, Controlo e Instrumentação... 7 Electricidade de Sistemas de Refrigeração

Leia mais

Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro. Nota complementar e explicativa

Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro. Nota complementar e explicativa Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro Nota complementar e explicativa Setembro de 2012 IDENTIFICAÇÃO Título: Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) - Município

Leia mais