Exportações aumentaram mais de 10%

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exportações aumentaram mais de 10%"

Transcrição

1 ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO ECONÓMICO Nº 5569 DE 10 DEZEMBRO DE 2012 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE 1000 PUB Maiores Empresas Empresas contratam mais e pagam menos Exportações aumentaram mais de 10% Liderança da tabela nas mãos da Petrogal Fotos: Arquivo Económico Número de pessoas empregadas nas 1000 maiores empresas subiu entre 2010 e Mas o custo com o trabalho caiu. Vendas nos mercados externos cresceram mais 3,7 mil milhões de euros. Em 2010, a facturação total foi de 34,7 mil milhões. É o líder incontestável há vários anos. Para o Top 10 entraram duas novas empresas: a Autoeuropa e a Estradas de Portugal. PUB

2 PUB

3 Segunda-feira 10 Dezembro 2012 Diário Económico III???????????FSD Top 5 mantém-se face ao ano anterior. Para o Top 10 entraram a Autoeuropa e a Estradas de Portugal. EDITORIAL 1000 MAIORES EMPRESAS Ajustamentos salariais Custos de trabalho caíram 500 milhões de euros, revelam os rankings elaborados pela Coface. Conheça as líderes entre as 1000 maiores PÁGINAS 6 e 8 Resultados analisados à lupa PÁGINAS 4 e 5 Entrevista: Luís Reis, presidente CSP PÁGINA 10 Opinião: João Vieira Lopes, CCP PÁGINA 12 Opinião: José Eduardo Carvalho, AIP PÁGINA 12 Saiba o que vai mudar na vida das empresas em 2013 PÁGINA 14 As líderes nos sectores PÁGINAS 16 a 22 As 1000 Maiores Empresas PÁGINAS 24 a 39 Director: António Costa Director-executivo: Bruno Proença Subdirectores: Francisco Ferreira da Silva, Helena Cristina Coelho e Pedro Sousa Carvalho Editora: Irina Marcelino Redacção: Antóniode Albuquerque, Cristina Oliveira e Silva, Lígia Simões, Raquel Carvalho, Sónia Santos Pereira Produção: Ana Marques (chefia), Artur Camarão, Carlos Martins e João Santos Departamento Gráfico: Dário Rodrigues (editor) e Ana Maria Almeida Tratamento de Imagem: Samuel Rainho (coordenação), Paulo Garcia e Tiago Maia Presidente: Nuno Vasconcellos Vice-presidente: Rafael Mora Administradores: Paulo Gomes, António Costa e Gonçalo Faria de Carvalho Director Geral Comercial: Bruno Vasconcelos Redacção Rua Vieira da Silva, nº45, Lisboa, Tel.: / Fax: Paulo Alexandre Coelho Os números do desemprego não param de aumentar. Mas de 2010 para 2011 as 1000 maiores empresas nacionais contrataram mais quatro mil pessoas. Os números analisados pelo Diário Económico e por especialistas da área de gestão revelam também outro dado: o custo com o trabalho desceu 500 milhões de euros. São números que revelam os cortes feitos na administração pública, é certo. O ranking das 1000 maiores inclui empresas como a CP, a Estradas de Portugal ou o Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental. E de acordo com os dados disponibilizados pela Coface Serviços de Portugal revelam ainda que em média, e dito de forma simples, no ano passado cada trabalhador das 1000 maiores empresas ganhou menos mil euros por ano. Será isto já um sinal do ajustamento salarial tão necessário à boa evolução da economia portuguesa? Talvez. A questão é que a economia não está a evoluir propriamente bem. E se dados como o volume de negócios, o capital e as exportações aumentaram, os resultados líquidos caíram. E muito. Por outro lado, o endividamento das grandes empresas nacionais cresceu quase 12 mil milhões de euros. José Paulo Esperança, docente do ISCTE, não tem dúvidas: O aumento do endividamento é preocupante, em contraciclo com a tendência das grandes empresas de outros países e reflectindo o efeito conjugado de quebra das margens operacionais e agravamento do custo de capital. Também José Eduardo Carvalho, presidente da Associação Industrial Portuguesa (AIP) faz questão, no seu artigo de opinião, de falar sobre o endividamento das empresas. E refere mesmo que as dificuldades das PME em se financiarem as está a sufocar. Mesmo às que eram saudáveis. Persiste um processo de crowding out a favor do financiamento do sector público (administrativo e empresarial) e, dentro do sector privado, a favor das empresas de maior dimensão, que tem originado uma situação que se avizinha perigosamente de um contexto de credit crunch para as PME portuguesas. Por outro lado, lembra o professor José Mata, da Nova, o endividamento poderá ter como mote a expansão das empresas. E isso é positivo. Uma coisa é certa: o sufoco que vivem as empresas nacionais poderá não melhorar, a não ser que existam medidas que incentivem o seu crescimento. No próximo ano, veremos como está a saúde destas 1000 grandes empresas nacionais. IRINA MARCELINO O sufoco que vivem as empresas nacionais poderá não melhorar, a não ser que existam medidas que incentivem o seu crescimento.

4 IV Diário Económico Segunda-feira 10 Dezembro MAIORES EMPRESAS LOGO A SEGUIR AO TOP DEZ surge a BP Portugal, liderada por Francisco Vieira. Fonte da empresa afirmou ao Diário Económico, ter facturado em 2011, 1,9 mil milhões de euros e que quer em 2013, continuar a apostar na inovação e na qualidade, optimizando a cadeia logística e desenvolvendo parcerias estratégicas. Confirmou ainda estar num processo de venda do negócio de GPL. Os números das 1000 Maiores analisados à lupa Três académicos ajudaram o Diário Económico a perceber melhor os dados apresentados nos rankings das 1000 Maiores Empresas. Como um detective que olha para as pistas para tentar perceber o global, eis que se apresentam algumas informações curiosas. Uma delas é o facto do número de trabalhadores das grandes empresas ter aumentado. Mas os gastos com trabalho diminuíram. E se os valores das exportações cresceram, assim como os financiamentos obtidos, os resultados líquidos e o VAB caíram O que destacaria nos dados do ranking das empresas? Como explica, tendo em conta a necessidade de desavalacagem das empresas portuguesas, o aumento do endividamento? No ano passado houve um aumento do número de trabalhadores e uma diminuição do valor pago pelo seu trabalho. É um sinal de ajustamento salarial nas 1000 maiores empresas? Ao mesmo tempo nota-se um esforço no aumento de capital das empresas, mas também uma perda significativa do excedente bruto de exploração. Como comenta esta diferença? Paulo Figueiredo

5 Segunda-feira 10 Dezembro 2012 Diário Económico V A SAINT GOBAIN surge a meio da tabela, mais precisamente no 500º lugar. Em 2011 teve um volume de negócios na ordem dos 63,2 milhões de euros (subida de 4,7%) e um resultado líquido de 3,8 milhões (descida 8,9%). A Saint Gobain, que hoje produz apenas vidros para automóveis e está instalada no espaço da Covina, nos arredores de Lisboa, tem exportações na ordem dos 47,1 milhões de euros. NO MILÉSIMO POSTO da listagem das 1000 Maiores Empresas surge a Multipessoal, empresa especializada em trabalho temporário, outsourcing especializado e recrutamento e selecção. O maior accionista desta empresa é o Grupo Espírito Santo. Em 2011 o volume de negócios subiu 32,5% e os resultados líquidos caíram 48,7%. Empresas crescem em emprego JOSÉ MATA Professor da Nova School of Business and Economics 1. O aspecto que me parece mais importante destacar é o facto de as 1000 Maiores Empresas estarem a crescer, quer em termos de volume de negócios quer em termos de emprego. Dada a enorme contracção verificada no VAB e do Excedente Bruto de Exploração, não é nada óbvio que estas expansões se estejam a fazer para áreas de negócio que sejam hoje muito rentáveis. A razão para estemovimentopodeseraperspectivadequeestas áreas venham a ser áreas de negócio interessantes uma vez que sejam passadas as dificuldades actuais. O facto de estas mesmas dificuldades se abaterem de forma particularmente aguda sobre empresas mais pequenas faz com que este momento seja particularmente atractivo para as empresas que conseguem financiar essa expansão o fazerem. 2. Apenas com os elementos que nos são dados é difícil dizer muito, mas o aumento do endividamento pode ter a ver com o financiamento da expansão das empresas, e é bom um sinal para as empresas que se estejam a conseguir financiar com capital alheio. 3. Estamos certamente perante algum ajustamento. As maiores empresas incluem as empresas públicas que foram em grande medida forçadas a este ajustamento. No entanto, muitas empresas estão de alguma forma a ajustar os seus salários; quer na parte variável dos salários, quer nas novas contratações, havendo mesmo casos em que as empresas estão a acordar reduções na parte fixa dos salários como forma de evitar reduções de emprego. 4. O valor das empresas não depende apenas do excedente realizado em cada momento, mas sim das expectativas de realização de valor no futuro. Se existirem expectativas fundadas de que, não obstante as dificuldades presentes, irá haver criação de excedentes no futuro, é razoável investir nessas empresas. Há um seríssimo problema de liquidez FRANCISCO VELOSO Professor da Católica-Lisbon School of Business & Economics 1. Curiosamente, esta redução de custos ajuda desarmar o argumento da iniquidade no Tribunal Constitucional sobre o impacto que a crise estará a ter no público e no privado: pelos vistos, os cortes salariais estão a afectar bastante os privados. 2. Há um seríssimo problema de liquidez na economia portuguesa. Isso explica a necessidade de financiamen- to. Há um acumular de atrasos de pagamentos, que a crise não ajudou. As empresas de construção são a melhor evidência disto. Tendo contas para pagar e não tendo recebido dos clientes, não há outra alternativa que recorrer ao endividamento. De salientar que o EBE (ou preferivelmente o EBITDA, que é quase o mesmo) é, de facto, um indicador do valor (cash flow operacional) gerado na empresa. Mas o valor financeiro das empresas não se limita a um ano, mas ao valor esperados destes cash flows no futuro. Nesse sentido, a quebra em um ano não deve, por si só, fazer soar sinais de alarme. Assim como a ligação entre aumento de capital e valor da empresa não é uma ligação directa e imediata. 3. Toda a nuvem negra tem uma linha de prata : estamos com empresas mais capitalizadas (3.), mais vendedoras (1.), com trabalhadores mais eficientes (1. e 4.) e mais competitivas (7.). Mas a nuvem não deixa de ser negra, porque temos menos rentabilidade, mais endividamento, menos cash-flow operacional. Endividamento é preocupante JOSÉ PAULO ESPERANÇA Docente no ISCTE 1. O aumento do endividamento é preocupante, em contraciclo com a tendência das grandes empresas de outros países e reflectindo o efeito conjugado de quebra das margens operacionais e agravamento do custo de capital; 2 e 3. O ajustamento salarial confirma-se pela quebra média de 4,5% nas remunerações por trabalhador das 1000 maiores empresas entre2010e2011.omaissurpreendenteéoligeiro acréscimo do número de trabalhadores sugerindo uma possível variação da composição da força de trabalho nas empresa com maior peso da mão-de-obra menos sénior e menos qualificada. O peso da massa salarial da facturação, inferior a 9% e em queda acentuada face aos 9,5% de 2010, demonstra um nível muito reduzido de contributo para o valor acrescentado do Made in Portugal e um baixo nível de investimento interno em I&D. 4.O mais preocupante éavariaçãonegativa do VAB e excedente bruto de exploração. Uma das explicações pode ser a redução das margens que resulta da substituição do mercado interno pela exportação, em que a entrada pode estar a fazer-se à custa de baixa de preços. Nesta conjuntura, a medida em debate da redução do IRC para 10% poderia ter um efeito muito positivo de levar ao estabelecimento em Portugal de um maior número de grandes empresas incluindo o regresso de algumas que entretanto se deslocalizaram. Os números das 1000 Maiores >>Empresas Nacionais O QUE SUBIU MAIS Volume de negócios O volume de negócios das 1000 maiores empresas nacionais foi, em 2011, de 154,6 mil milhões de euros. Em2010,de145,8milmilhõeseem2009,de127,1mil milhões. Capital O capital das empresas foi de 26,070 mil milhões de euros em 2011 e de 25,6 mil milhões de euros em Número de empregados O número de empregados das 1000 maiores empresas era em 2011, em 2010 e em Valor de exportações O valor das exportações feitas pelas 1000 Maiores foide38,4milmilhõesdeeurosem2011ede34,7mil milhões de euros em Financiamentos obtidos Os financiamentos obtidos foram de 86,7 mil milhões de euros em 2011 e de 74,067 mil milhões de euros em O QUE DESCEU MAIS Resultados líquidos Os resultados líquidos fixaram-se em 6,3 mil milhões de euros em 2011, 12,6 mil milhões em 2010 e 4,8 mil milhões em Excedente bruto de exploração O excedente bruto de exploração foi de 16,9 mil milhões de euros em 2011 e de 22,6 mil milhões de euros em VAB AVABfoide29,9milmilhõesdeeurosem2011 e de 36,2 mil milhões de euros em >> Custo com pessoal O custo com pessoal foi de 13,4 mil milhões de euros em 2011 e 13,9 mil milhões de euros em 2010.

6 VI Diário Económico Segunda-feira 10 Dezembro MAIORES EMPRESAS O TOP 10 DAS 1000 MAIORES Petrogal mantém-se líder incontestável As cinco maiores empresas mantêm-se face a Conheça um pouco melhor as suas estratégias. RAQUEL CARVALHO 2º Grupo EDP 1º Petrogal Ferreira de Oliveira é CEO do Grupo Galp Energia. 3º 6º António Mexia está no comando do grupo EDP. Paulo Alexandre Coelho Bruno Barbosa >> Petrogal lidera ranking e torna a Galp Energia a maior exportadora nacional A Galp Energia é a maior exportadora e a maior empresa nacional. Ferreira de Oliveira, CEO do Grupo, disse ao Diário Económico que a produção das refinarias permitiu à empresa atingir um volume de exportações de 2,4 mil milhões de euros. Já o volume total de exportações foi de 3,9 milhões de toneladas de produtos que seguiram para mais de 30 destinos, nos quais se destacam os EUA, Gibraltar, Países Baixos e México, diz, prevendo um aumento desse valor nos próximos anos, muito por conta do investimento de 2,1 mil milhões de euros nas refinarias do grupo, dos quais 1,4 mil milhões na conversão das refinarias em Portugal. Quanto à estratégia de crescimento para 2013, esta continuará centrada nos projectos de crescimento na área de Exploração & Produção, nomeadamente no desenvolvimento da carteira de projectos no Brasil, Angola e Moçambique. 4º Paulo Azevedo é CEO da Sonae. Modelo Continente >> Vendas ascendem aos 2,4 mil milhões de euros até Setembro 2011 foi um ano de viragem para a Sonae MC, que decidiu absorver a marca Modelo, na marca Continente. O balanço que fazem é positivo. Fonte oficial da empresa disse ao Diário Económico que houve um reforço da quota de mercado e que foi o operador que maior ganho registou em Portugal. Já este ano as vendas superaram os 2,4 mil milhões de euros até Setembro, com um aumento de 0,8%. Um desempenho suportado em parte pela abertura de uma nova loja Continente Modelo e de quatro Continente Bom dia. Além de novos espaços, a Sonae MC aposta na inovação, em manter preços mais competitivos e em oferecer poupanças efectivas para os clientes, frisa a fonte, destacando o relevante papel do Cartão Continente nesse objectivo. Já são mais de três milhões os utilizadores do cartão, que está na base de cerca de 90% das vendas. Já a marca própria representa 31% das vendas nas categorias relevantes. Paulo Alexandre Coelho >> EDP com três empresas no top O grupo EDP tem três empresas no top ten das maiores empresas nacionais. A EDP Serviço Universal ocupa a 2ª posição, a EDP Distribuição a 3ª e a EDP o 6º lugar. Fonte oficial do grupo admitiu que 2012 está a ser difícil, registando-se diminuição da energia vendida, em especial no mercado empresarial, em função da saída de clientes para o mercado liberalizado, face à extinção das tarifas reguladas. Mesmo assim, destaca que os resultados demonstraram uma grande resiliência, muito por culpa dos negócios internacionais no Brasil e Estados Unidos. Para aliviar os efeitos da crise, o grupo quer reduzir custos no valor de 130 milhões por ano em todas as geografias onde opera, sendo que nos primeiros nove meses de 2012 foram alcançados 58 milhões de euros de poupança, adianta a fonte. O esforço de poupança inclui ainda um plano de redução do quadro de efectivos na Península Ibérica, diz, não estando previstos quaisquer despedimentos. Para 2013, são muitos os projectos em marcha. A EDP Serviço Universal vai continuar a apostar na proximidade com os clientes, disponibilizando vários canais de acesso, onde se destaca a rede de lojas, o centro de contacto telefónico e a internet e na aposta na poupança de energia, revela a empresa, acrescentando antever uma quebra no volume de vendas a clientes finais e um novo crescimento da produção em regime especial. No que toca à EDP Distribuição, a aposta mantém-se nas redes inteligentes, cujo o principal exemplo é o projecto InovGrid, que desenvolveu em Évora, e que é já hoje um projecto de referência na Europa, ressalva fonte da empresa, que informa que em 2013 o projecto será estendido a mais de 100 mil clientes de várias cidades de Portugal continental. De referir que EDP Distribuição pretende investir 1,4 mil milhões de euros na rede eléctrica até 2016, sendo que este ano atingirá os 300 milhões. 5º Pingo Doce Pedro Soares dos Santos é CEO do Jerónimo Martins. >> Pingo Doce aumenta vendas em 3,6% O Pingo Doce, que representa 28,5% das vendas do grupo Jerónimo Martins, que detém ainda as insígnias Recheio e Biedronka, na Polónia, viu as suas vendas aumentarem 3,6% nos primeiros nove meses do ano, sendo de realçar o facto de, no primeiro trimestre, a abertura de cinco novas lojas ter contribuído para um crescimento de 2,5% das vendas. Já em 2011, o Pingo Doce tinha aberto nove lojas e remodelado oito, num investimento total de 38 milhões de euros. O ano passado, a insígnia aumentou as vendas em 4,2%, para os 2,9 mil milhões de euros, com a marca própria a registar um aumento de 41,4% nas vendas. Para os bons resultados do Pingo Doce, muito contribuiu a aposta nas Meal Solutions, tendo o Take Away vendido mais de toneladas de comida» e os restaurantes servido mais de 3,5 milhões de refeições. Paula Nunes

7 PUB

8 VIII Diário Económico Segunda-feira 10 Dezembro MAIORES EMPRESAS» O TOP 10 DAS 1000 MAIORES Autoeuropa e EP entram para o Top 10 TAP caiu do sexto para o oitavo lugar e Repsol mantém-se em nono lugar. 7º VW Autoeuropa 8º Transportadora Aérea Portuguesa >> Proveitosde2,3milmilhõesdeeuros As greves dos pilotos e dos controladores aéreos realizadas em 2011 tiveram um impacto negativo de cerca de 25 milhões de euros para a TAP. Mesmo assim, a companhia aérea aumentou em 4,2% os proveitos, atingindo os 2,3 mil milhões de euros. A empresa contrariou os efeitos negativos, devido ao aumento da operação em 5,9% e da rede. António Monteiro, director de comunicação e relações públicas, ressalva, sobre isso, que apesar desse aumento, os custos foram de milhões, menos 0,7% do que em Excepção feita aos gastos com os combustíveis, que em 2011 atingiram os 717 milhões de euros, contra os 523 milhões de Para este ano, a TAP prevê atingir um resultado equilibrado, controlando custos e ganhando eficiências. Sobre o processo de privatização, a empresa declara apenas que o accionista está a reforçar a ideia de salvaguarda dos interesses nacionais. Fernando Pinto, presidente datap. António Melo Pires está à frente da VW Autoeuropa. Paula Nunes >> Autoeuropa com quebra de produção em 2012 De Janeiro a Outubro de 2012 a VW Autoeuropa produziu automóveis, menos 11,1% que no período homólogo do ano anterior, sendo que em 2011 saíram das unidades de produção de Palmela veículos, com um volume de vendas de milhões de euros. Para 2013, fonte da empresa diz não ser possível adiantar números. Apenas refere que em Janeiro se produzirão 550 carros por dia e haverá 22 dias de paragem na produção, que este ano, atingirão os 44 dias. Esta é uma possibilidade que a empresa acordou com os trabalhadores e que permite flexibilidade laboral. Com este acordo, a segunda maior exportadora do País consegue garantir os postos de trabalho e adaptar a produção às encomendas recebidas. A mesma fonte garante ainda que a paragem da produção não põe em causa o pagamento dos 14 meses aos colaboradores. Paula Nunes 9º Repsol Portugal 10º Estradas de Portugal António Ramalho conduz a Estradas de Portugal Paulo Alexandre Coelho António Calçada dirige os destinos da Repsol Portugal. >> 75,5 milhões de investimento A Repsol Portuguesa, liderada por António Calçada de Sá, vai investir 75,5 milhões de euros na nova área de negócio de exploração e produção de gás nos próximos anos, estando actualmente com um projecto de exploração no Algarve. Fonte da empresa diz que estão a ser estudados os dados sísmicos recolhidos este ano e antecipa a previsão de um furo em Em 2011, as três principais empresas do Grupo Repsol em Portugal, (a Repsol, a Repsol Polímeros e a Repsol Gas Portugal), facturaram mais de três mil milhões de euros, prevendo-se um valor aproximado este ano. A empresa destaca o investimento que está a ser feito na Unidade de Negócios de Novas Energias no projecto da sociedade Windplus SA, eólica offshore ao largo da Póvoa do Varzim e o projecto de geração de emprego para deficientes. >> À procura da sustentabilidade A Estradas de Portugal está a viver uma fase de mudança, onde uma das prioridades é assegurar a sustentabilidade financeira a longo prazo, assume fonte da empresa. Isso, passa, diz, pela redução do desequilíbrio entre as receitas e as despesas, através da renegociação das concessões, pelo aprofundamento do processo de empresarialização, e pelo desenvolvimento da oferta de serviços e de proximidade. A mesma fonte frisa que com as renegociações que estão em curso com os parceiros privados, referentes às PPP, a EP espera diminuir os encargos previstos, estimando-se uma poupança superior a 1,3 mil milhões de euros. Para 2012, a EP prevê uma receita de cerca de 750 milhões de euros, referentes às portagens e à contribuição do serviço rodoviário, o que representa um acréscimo de 10% relativamente a Paulo Alexandre Coelho

9 PUB

10 X Diário Económico Segunda-feira 10 Dezembro MAIORES EMPRESAS ENTREVISTA LUÍS REIS, PRESIDENTE DA CONFEDERAÇÃO DOS SERVIÇOS DE PORTUGAL Precisamos de mais empresas internacionais e industriais Para Luís Reis, a economia do País seria mais equilibrada com mais empresas como a Autoeuropa. SÓNIA SANTOS PEREIRA Opresidente da Confederação dos Serviços de Portugal, Luís Reis, demonstra forte preocupação com o impacto das medidas de austeridade na procura interna e no desemprego. Na sua opinião, há demasiado optimismo nas projecções macro-económicas para o próximo ano. É imprudente, diz, põe o País sucessivamente a correr atrás do prejuízo. No ranking das 1000 maiores a operar em Portugal surgem duas empresas de retalho nos primeiros cinco lugares. É um bom retrato da economia portuguesa? Esse ranking é igual a todos os países quando a base são as vendas. As empresas de retalho acumulam necessariamente grandes volumes de negócio. Isso acontece sobretudo em países como Portugal, e com dimensão semelhante a Portugal, e onde não há um tecido industrial muito forte, com empresas instaladas de grande dimensão que consolidam as contas no país. A única preocupação que esse ranking nos deve causar é de não termos mais empresas sobretudo de carácter internacional e industrial. Se Portugal tivesse mais três ou quatro empresas do tipo da Autoeuropa eventualmente a nossa economia estaria muito mais equilibrada. Não é por defeito das empresas de retalho, é porque não há grandes empresas multinacionais a fazer esse papel. A confederação a que preside quer ter assento na concertação social. Porquê? As empresas não estão representadas por outras estruturas? Nós entendemos a concertação social e também o Conselho Económico e Social (CES) como órgãos cujo propósito é escutar a economiaeasociedadecivilparapodertomardecisões com base nessa escuta activa. A confederação representa mais de 20% do PIB, mais de 250 mil empregados, tem 25% das empresas dopsi20erepresentaumterçodoivacobrado no país. São números que falam por si em termosdadimensãodosectoredasuarelevância em termos económicos. Nenhuma outra confederação tem esta área dos serviços modernos as telecomunicações, os transportes expresso, a saúde privada, os centros comerciais, o retalho alimentar e não alimentar Algumas destas empresas procuraram A única preocupação que esse ranking nos deve causar édenãotermos mais empresas sobretudo de carácter internacional e industrial. Se Portugal tivesse mais três ou quatro empresas do tipo da Autoeuropa, eventualmente anossa economia estaria muito mais equilibrada. Luís Reis: Quando olhamos para as previsões macro-económicas que sustentam o Orçamento de Estado para 2013 encontramos uma dose de optimismo que quase nos atrevemos a classificar de imprudente. activamente integrar-se na Confederação do Comércio e Serviços mas não conseguiram. Não somos nós que queremos estar no CES ou na concertação social. O que nós fazemos é interrogarmo-nos: pode o CES e pode a concertação social considerar-se completa sem escutar activamente esta confederação, que tem uma dimensão superior à maioria das confederações representadas hoje na concertação social? Acreditamos que esta questão será resolvida mais tarde ou mais cedo. Sempre dissemos que este percurso era um percurso de longo prazo. É um percurso inclusivo, nós não queremos substituir ninguém. Achamos que existe espaço para quem lá está. O que não compreendemos é que esse espaço não seja alargado a quem tem a dimensão e o relevo que nós temos. A confederação tem um processo a correr em tribunal por não ter sido aceite no CES A apreciação da nossa candidatura ao CES não foi feita em termos correctos e reagimos da forma normal. Mas temos expectativa de poder estar no CES a tempo de essa acção não ter de ser julgada. Como antevê a evolução da economia face às medidas de austeridade anunciadas para 2013? Com muita prudência e preocupação. Uma das consequências da situação em que vivemos é a imprevisibilidade macro-económica e nesse contexto deveria vigorar o princípio da prudência e não o princípio do optimismo. O queocorreéprecisamenteooposto.hámuito optimismorelativamenteàcontracçãodo produto, à contracção da procura interna, à contracção do consumo, sobre o efeito das medidas fiscais e isso constrói um quadro macro-económico que é altamente improvável. Quando olhamos para as previsões macroeconómicas que sustentam o Orçamento de Estado (OE) para 2013, em termos destes indicadores principais procura, consumo, desemprego, encontramos uma dose de optimismo que quase nos atrevemos a classificar de imprudente e que nos põe como país sucessivamente a correr atrás do prejuízo. Paulo Alexandre Coelho

11 PUB

12 XII Diário Económico Segunda-feira 10 Dezembro MAIORES EMPRESAS OPINIÕES Renovando o perfil exportador É fundamental aumentar o peso dos serviços nas exportações portuguesas. Éde todos conhecida a dinâmica de terciarização da economia portuguesa. Associados tradicionalmente ao mercado interno e à componente não transaccionável da economia, os serviços foram transformados pela Globalização, que alterou as fronteiras do transaccionável e não transaccionável ao vir acrescentar às exportações outras formas de vendas no exterior que proporcionam rendimentos de factores ao nível da balança corrente. Assim, principalmente desde o início do século, assistiuse a uma contribuição crescente deste sector económico para o saldo da Balança Corrente, com principal destaque para os serviços prestados pelas indústrias de rede, os serviços de base tecnológica e ainda os fornecidos por empresas. Falamos de serviços de engenharia, arquitectura, consultadoria informática e integração de sistemas, produção de software, outsourcing, serviços partilhados, de franchising, entre outros. É neste contexto que a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal tem defendido uma forte aposta nestes sectores. Para isso tem desenvolvidos múltiplas iniciativas. No entanto, apesar do dinamismo de muitas empresas, a complexa situação em que vivemos exige a adopção de políticas públicas que contribuam para expandir a presença destes sectores nos mercados externos. Em concreto, são necessárias políticas que promovam: Novas e renovadas actividades de bens e serviços com uma forte incorporação de valor acrescentado nacional e com baixa dependência de inputs (nomeadamente energéticos) importados; A criação de actividades nas áreas da cultura, da saúde e bem estar e do lazer, nomeadamente, que, actuando numa lógica de clusters fomentem a atracção de não residentes e contribuam para reduzir os nossos desequilíbrios com o exterior; Uma aposta no saber e na prestação de serviços personalizados às empresas consolidando um tecido de PME intensivas em conhecimento; Investimento inovador em infraestruturas de comunicação que permitam que serviços não transaccionáveis deixem de o ser e infra-estruturas logísticas que tornem, por um lado, a nossa balança de transportes positiva e, por outro, criem condições para que o país potencie a sua geografia e desempenhe um papel relevante na intermediação de pessoas e de bens. Potenciar a criação de plataformas que permitam gerir redes de empresas colocando as grandes empresas, onde o Estado, tem participação estratégica, ao serviço dessa mesma rede pode dar um contributo significativo para uma estratégia de internacionalização das PME. No sistema de ensino e formação é fundamental ajustar programas à realidade do sector dos serviços. Estamos convictos que não basta apostar numa dinâmica de exportação para ter sucesso. A definição de uma estratégia exportadora para ter possibilidades de sucesso implica renovar o perfil do nosso sector exportador apostando em novos produtos e aprofundar a tendência para aumentar o peso dos serviços nas exportações, actuando numa lógica de rede aproveitando as complementariedades possíveis entre empresas. JOÃO VIEIRA LOPES Presidente da Direcção da Confederação de Comércio e Serviços de Portugal Apesar do dinamismo de muitas empresas, a complexa situação em que vivemos exige a adopção de políticas públicas que contribuam para expandir a presença destes sectores nos mercados externos. Financiamento de PME: um problema que persiste e se agrava As PME saudáveis e dinâmicas também estão a sufocar com falta de financiamento. Recentemente, o BCE, através de um dos membros do seu Conselho Executivo, afirmava que não vejo uma crise de crédito em Portugal. Esta afirmação ilustra bem o desconhecimento que a troika revela sobre a actual realidade da economia portuguesa, ou traduzirá a convicção de que o processo de desalavancagem do crédito em Portugal tem de seguir o seu caminho, custe o que custar. Nem que custe um contexto sufocante da tesouraria das empresas em que vive a generalidade das empresas portuguesas, que afecta não só as empresas financeiramente mais débeis, mas também, e de forma crescente, que começa a atingir o núcleo mais saudável e dinâmico do tecido das PME. Fruto da escassez de liquidez que continua a afectar o sistema financeiro e a obrigatoriedade de uma aterragem muito acentuada do grau de alavancagem das empresas em Portugal, o crédito tem vindo a faltar. Em paralelo, persiste um processo de crowding out a favor do financiamento do sector público (administrativo e empresarial) e, no privado, a favor das empresas de maior dimensão, que tem originado uma situação que se avizinha perigosamente de um contexto de credit crunch para as PME portuguesas. Poderão acusar que se trata de uma visão da AIP marcada por interesses corporativos e influenciada por excesso de proximidade com os empresários. É verdade que a AIP faz um esforço permanente para se manter sempre atenta aos empresários que todos os dias nos procuram, transmitindo a sua situação. Mas a nossa percepção da realidade empresarial em matéria de crédito é confirmada pelo Banco de Portugal (BdP) que, através do seu Boletim Estatístico todos os meses nos fornece o retrato da situação. De acordo com os dados que mensalmente este regulador vem divulgando, o stock de crédito concedido às empresas tem vindo a decrescer de forma significativa. Nos últimos doze meses (Outubro de 2011 a Outubro de 2012), o crédito concedido às empresas desceu 8,3%. O crowding out em desfavor das empresas de menor dimensão é igualmente confirmado por estes dados da Central de Responsabilidades de Crédito do BdP, já que o crédito às PME desceu mais de 11%. Isto significa que, nos últimos doze meses, o financiamento bancário das PME desceu mais de dez mil milhões de euros. A situação de escassez de crédito já começou a ter efeitos no nível de incumprimento do financiamento existente. De acordo com a mesma fonte, os créditos vencidos passaram de 8% em Outubro de 2011 para 13% em Outubro de 2012 e o número de PME em incumprimento é neste momento de quase 30%. Conhecemos as causas da situação e não negamos a inevitabilidade de desalavancagem do crédito às empresas, que deverá porém abranger as famílias e, sobretudo, o Estado. O que não podemos aceitar é que o processo de ajustamento se faça em desfavor do sector empresarial privado e, dentro deste, com discriminação negativa das PME. JOSÉ EDUARDO CARVALHO Presidente da Associação Industrial Portuguesa Persiste um processo de crowding out a favor do financiamento do sector público (administrativo e empresarial) e, no privado, a favor das empresas de maior dimensão, que tem originado uma situação que se avizinha perigosamente de um contexto de credit crunch para as PME portuguesas.

13 PUB

14 XIV Diário Económico Segunda-feira 10 Dezembro MAIORES EMPRESAS Em Janeiro de 2013 entrará em vigor o novo regime de procedimentos para obtenção dos documentos de prova de exportação. Bruno Barbosa PERGUNTAS & RESPOSTAS O que vai mudar na vida das empresas 2013 é ano de mudanças. Desde impostos a regras laborais, são várias as alterações esperadas. CRISTINA OLIVEIRA DA SILVA E LÍGIA SIMÕES Nopróximoano,asempresas podem contar com várias novidades. Entre as alterações fiscais, o pagamentos de subsídios em duodécimos e o fim de quatro feriados, são várias as mudanças que vão afectar a vida dos empresários. Saiba o que muda. 1 Subsídios pagos em duodécimos Ainda não se sabe quando entra em vigor, mas a proposta que deu entrada no Parlamento prevê que os efeitos reportem a Janeiro. Em 2013, as empresas terão de pagar metade do subsídio de férias até ao início das férias e o restante em duodécimos. Também 50% do subsídio de Natal deve ser repartido ao longo do ano, sendo os restantes 50% devidos até 15 de Dezembro. Este regime será obrigatório para contratos sem termo e prevalece sobre normas de convenções colectivas e contratos de trabalho, a não ser que as partes decidam de outra forma e assinem um acordo já depois da entrada em vigor da lei. O pagamento repartido também pode abranger contratos a termo e temporários se houver acordo. Esta proposta ainda está sujeita a mudanças. 2 Empresas podem fechar em ponte O Código do Trabalho já está em vigor mas há regras que só começam a produzir efeitos em Assim, no próximo ano serão eliminados os feriados de Corpo de Deus, 5 de Outubro, 1 de Novembro e 1 de Dezembro. Também desaparecem os três dias adicionais de férias que O pagamento de metade dos subsídios em duodécimos será obrigatório para contratos sem termo em Isto se as empresas e os trabalhadores não acordarem outra forma de pagamento, em acordo posterior. hoje existem ligados à assiduidade. As empresas poderão ainda encerrar em dia de ponte desde que comuniquem essa decisão até 15 de Dezembro deste ano. Os trabalhadores devem depois compensar esse dia de encerramento noutra altura ou perdem um dia de férias. 3 Indemnizações ainda vão descer mais Está previsto no memorando assinado com a troika : as compensações por despedimento devem baixar para o valor da média europeia, que se situa entre oito e 12 dias por ano de casa. Os prazos de entrada em vigor já derraparam mas o corte não está esquecido. 4 Mais para subsídio de desemprego A partir de Janeiro, a taxa contributiva de empresários em nome individual, administradores e gerentes vai aumentar para 34,75%. Isto porque estas pessoas também terão direito a subsídio de desemprego. Mas apesar de os descontos subirem já em Janeiro, é de esperar que o subsídio só esteja de facto disponível em 2015 já que a proposta inicial exige dois anos de contribuições. Em 2013, deverá começar a produzir efeitos o subsídio para trabalhadores independentes que recebem 80% ou mais dos seus rendimentos de uma única empresa. 5 Comunicação mensal de retenções de IRS A partir de Janeiro, as empresas vão passar a ter de comunicar mensalmente à Autoridade Tributária e Aduaneira as retenções na fonte dos seus trabalhadores ao Estado, deixando de ser possível o envio da declaração o fisco que até aqui era feita, anualmente. Em causa está uma declaração única que inclui também as informações sobre as contribuições para a Segurança Social e que tem por objectivo detectar cada vez mais cedo situações de apropriação indevida das retenções de IRS. 6 IVA em quatro dias para exportadoras Em Janeiro de 2013, entrará em vigor o novo regime de procedimentos para obtenção dos documentos de prova de exportação que passa pela desmaterialização dos certificados comprovativos de exportação (CEE), até aqui entregues manualmente pelas alfândegas. O objectivo é reduzir os prazos médios de obtenção destes certificados de 42 dias para um prazo expectável de quatro dias que permitirá às empresas exportadoras apresentar os seus pedidos de reembolso de IVA mais cedo, ajudando desta forma às suas tesourarias. 7 Mais impostos e menos dedução de juros A carga fiscal para as empresas com maiores lucros vai aumentar através da redução da base de incidência. A taxa de derrama estadual aumenta para 5% ( que acresce à taxa geral de 25%) para as empresas com lucros tributáveis superiores a 7,5 milhões de euros, quando até então era de dez milhões de euros essa incidência. São ainda limitados os benefícios fiscais sobretudo às empresas que se financiam por dívida, fixando um tecto de três milhões de euros dos gastos financeiros que poderão ser deduzidos.

15 PUB

16 XVI Diário Económico Segunda-feira 10 Dezembro MAIORES EMPRESAS RANKINGS SECTORIAIS AGRICULTURA E PESCAS ALIMENTAÇÃO, BEBIDAS E TABACO 0,18% Stephane Mahe / Reuters 10,45% Chris Goodney / Bloomberg 406 AVIPRONTO ,8% 673 NORTE AVES ,1% 686 SOCIEDADE AGRICOLA DA QUINTA DA FREIRIA ,2% 766 PORTUCELSOPORCEL FLORESTAL ,1% 921 TERRA A TERRA ,3% 972 PRO-GALO ,2% 14 WELLAX FOOD LOGISTICS ,2% 28 RECHEIO - CASH AND CARRY ,0% 30 LACTOGAL ,9% 35 REAGRO ,2% 50 NESTLÉ PORTUGAL ,9% AUTOMÓVEL 7,99% BORRACHA & MATÉRIA PLÁSTICA Paulo Alexandre Coelho 1,02% 7 VOLKSWAGEN AUTOEUROPA ,1% 40 SIVA ,1% 56 PSA GESTÃO ,3% 57 PEUGEOT CITROEN ,4% 62 RENAULT PORTUGAL ,4% COMÉRCIO & RETALHO Paula Nunes Alex Kraus / Bloomberg 29 CONTINENTAL MABOR ,4% 294 INTRAPLÁS ,5% 394 FLEX ,9% 441 POLIVOUGA ,5% 451 CASFIL ,2% CONSTRUÇÃO 7,18% 8,94% EddieSeal / Bloomberg 4 MODELO CONTINENTE ,1% 5 PINGO-DOCE ,3% 16 COMPANHIA PORTUGUESA DE HIPERMERCADOS ,4% 26 DIA PORTUGAL ,8% 33 WORTEN ,1% 10 EP - ESTRADAS DE PORTUGAL, ,3% 23 MOTA - ENGIL ,8% 36 SOCIEDADE DE CONSTRUÇÕES SOARES DA COSTA ,6% 42 ZAGOPE ,3% 43 TEIXEIRA DUARTE ,2%

17 PUB

18 XVIII Diário Económico Segunda-feira 10 Dezembro MAIORES EMPRESAS RANKINGS SECTORIAIS ELECTRICIDADE, ÁGUA & GÁS ELECTRÓNICA & MECÂNICA Paulo Alexandre Coelho 11,76% 3,57% Simon Dawson / Bloomberg 2 EDP SERVIÇO UNIVERSAL ,8% 3 EDP DISTRIBUIÇÃO ,5% 6 EDP - ENERGIAS DE PORTUGAL ,4% 12 GALP - GÁS NATURAL ,5% 17 EDP - GESTÃO DA PRODUÇÃO DE ENERGIA ,1% 32 BOSCH CAR MULTIMEDIA PORTUGAL ,8% 54 SIEMENS ,1% 67 JP SÁ COUTO ,8% 79 SAMSUNG - ELECTRÓNICA PORTUGUESA ,9% 82 ENERCON GMBH - PORTUGAL ,5% FARMACÊUTICO HOTELARIA, TURISMO & RESTAURAÇÃO 0,78% 3,50% Sara Matos 46 OCP PORTUGAL - PRODUTOS FARMACÊUTICOS ,5% 47 ALLIANCE HEALTHCARE ,2% 55 UDIFAR II DISTRIBUIÇÃO FARMACÊUTICA ,9% 90 COOPROFAR ,6% 104 COFANOR ,9% INDÚSTRIA EXTRACTIVA José Manuel Ribeiro / Reuters Paulo Alexandre Coelho 88 VIAGENS ABREU, S.A ,0% 181 EUREST ,7% 220 GERTAL ,7% 319 SISTEMAS MCDONALD S PORTUGAL ,1% 365 IBERUSA - HOTELARIA E RESTAURAÇÃO ,3% 0,34% INDÚSTRIA TRANSFORMADORA 0,72% Simon Dawson / Bloomberg 58 SOMINCOR ,4% 256 SONACERGY ,8% 154 MOUTINHO & ARAUJO-JOIAS ,3% 201 OGMA ,5% 223 RGVS IBÉRICA ,4% 275 ALCATEL - LUCENT PORTUGAL ,7% 302 ESSILOR PORTUGAL ,9%

19 PUB

20 XX Diário Económico Segunda-feira 10 Dezembro MAIORES EMPRESAS RANKINGS SECTORIAIS INFORMÁTICA MADEIRA & CORTIÇA 0,59% Valentin Flauraud / Reuters 1,06% Bruno Barbosa 106 COMPANHIA IBM PORTUGUESA ,2% 130 COMP. PORTUGUESA COMPUTADORES ,9% 160 HEWLETT - PACKARD PORTUGAL ,1% 227 PT - SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ,2% 233 PROLÓGICA - SISTEMAS INFORMÁTICOS ,4% 113 AMORIM & IRMÃOS ,6% 115 SONAE INDÚSTRIA ,9% 301 LUSO FINSA ,4% 549 UNIMADEIRAS ,8% 588 IBERFLORESTAL ,9% MEDIA PAPEL, CELULOSE, CARTÃO & GRÁFICAS 1,94% Paulo Figueiredo 0,84% 125 RÁDIO TELEVISÃO DE PORTUGAL ,6% 171 SIC ,8% 192 SPORT TV ,5% 237 TVI ,8% 339 PORTO EDITORA ,9% PETROLÍFERA & COMBUSTÍVEIS Tomohiro Ohsum i /Bloomberg Paulo Alexandre Coelho 34 SOPORCEL ,3% 41 PORTUCEL ,7% 73 CELULOSE BEIRA INDUSTRIAL ,9% 76 ABOUT THE FUTURE ,2% 111 SOPORCEL PULP ,8% 11,72% PRODUTOS MINERAIS 1,24% Susana Gonzalez / 1 PETROGAL ,0% 9 REPSOL PORTUGUESA ,4% 11 BP PORTUGAL ,3% 15 CEPSA ,5% 52 ALCAPETRO SECIL ,6% 95 CIMPOR ,1% 97 BA VIDRO ,3% 216 SANTOS BAROSA ,2% 305 BETÃO LIZ ,4%

ACCOUNTABILITY RATING PORTUGAL 2008

ACCOUNTABILITY RATING PORTUGAL 2008 ACCOUNTABILITY RATING PORTUGAL 2008 Enquadramento A comunicação da performance empresarial em matéria de sustentabilidade, não apenas aos accionistas, mas para todas as partes interessadas, constitui uma

Leia mais

INDÚSTRIA DAS BEBIDAS ANÁLISE SECTORIAL

INDÚSTRIA DAS BEBIDAS ANÁLISE SECTORIAL INDÚSTRIA DAS BEBIDAS ANÁLISE SECTORIAL Outubro 2014 INDÚSTRIA DAS BEBIDAS O presente documento constitui um resumo analítico do desempenho recente dos subsectores que compõem o sector de indústria das

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão Gestão da Distribuição e da Logística Gestão de Recursos Humanos Gestão de Sistemas de Informação

Leia mais

Estão as empresas Portuguesas a saber aproveitar o recurso: Internet como poderiam?

Estão as empresas Portuguesas a saber aproveitar o recurso: Internet como poderiam? Estão as empresas Portuguesas a saber aproveitar o recurso: Internet como poderiam? Estudo sobre a presença Online das 100 maiores empresas em Portugal. A SmartUp levou a cabo um estudo pioneiro sobre

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

Venezuela. Dossier de Mercado. Maio 2008

Venezuela. Dossier de Mercado. Maio 2008 Venezuela Dossier de Mercado Maio 2008 Venezuela Dossier de Mercado (Maio 2008) Índice 1. O País...3 1.1 Venezuela em Ficha...3 1.2 Organização Política e Administrativa...4 1.3 Situação Económica...5

Leia mais

Inquérito ao Crédito. Relatório

Inquérito ao Crédito. Relatório Inquérito ao Crédito Relatório Março 2012 Destaques O crédito bancário é a fonte de financiamento mais significativa referida por cerca de 70% das empresas. O financiamento pelos sócios ou accionistas

Leia mais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais 1 VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais VISABEIRA TURISMO > Hotelaria Entretenimento & Lazer Restauração

Leia mais

1. (PT) - Correio da Manhã, 20/08/2013, Escassez de efectivos 1. 2. (PT) - Diário de Notícias da Madeira, 20/08/2013, Ordem dos Engenheiros 2

1. (PT) - Correio da Manhã, 20/08/2013, Escassez de efectivos 1. 2. (PT) - Diário de Notícias da Madeira, 20/08/2013, Ordem dos Engenheiros 2 Tema de Pesquisa: Internacional 20 de Agosto de 2013 Revista de Imprensa 20-08-2013 1. (PT) - Correio da Manhã, 20/08/2013, Escassez de efectivos 1 2. (PT) - Diário de Notícias da Madeira, 20/08/2013,

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º -1050-121 Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros - NIPC e Mat. na C.R.C. de Lisboa sob

Leia mais

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal Visita da missão de PPP do Ministério da Economia da Polónia a Portugal Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro EMBAIXADA DA POLÓNIA DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO

Leia mais

1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1. 3. (PT) - Diário Económico, 25/09/2012, Unicer antecipa crescimento de 15% das vendas em Angola 5

1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1. 3. (PT) - Diário Económico, 25/09/2012, Unicer antecipa crescimento de 15% das vendas em Angola 5 Tema de pesquisa: Internacional 25 de Setembro de 2012 Revista de Imprensa 25-09-2012 1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1 2. (PT) - Jornal de Negócios - Negócios Mais, 25/09/2012, Bluepharma

Leia mais

SECTOR DA PUBLICIDADE

SECTOR DA PUBLICIDADE SECTOR DA PUBLICIDADE AEP / GABINETE DE ESTUDOS MAIO DE 2009 Índice 1. Introdução: a importância da publicidade... 1 1. Introdução: a importância da publicidade... 2 1. Introdução: a importância da publicidade...

Leia mais

2 1,2 1,3 2,5 2 3,2 3 0,5-4,2 1,8 1,3% 1,9 0,9 0,8 2,2 1,7 3,1 2,9 0,4-4,1 1,8 1,16%

2 1,2 1,3 2,5 2 3,2 3 0,5-4,2 1,8 1,3% 1,9 0,9 0,8 2,2 1,7 3,1 2,9 0,4-4,1 1,8 1,16% A SITUAÇÃO ACTUAL É MAIS GRAVE DO QUE EM 1977/78 E EM 1983/84 POR PORTUGAL PERTENCER À ZONA EURO E NESTA DOMINAR UMA POLITICA NEOLIBERAL DE SUBMISSÃO AOS MERCADOS. Um erro grave é confundir a situação

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

intra Perfil do Gestor

intra Perfil do Gestor Perfil do Gestor 35 Entrevista Dinah J. Kamiske, Autoeuropa A internacionalização economia obriga as empresas a tornarem-se mais competitivas. Entrevista de José Branco Dados publicados recentemente prevêem

Leia mais

SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO

SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO Maia, 11 de março de 2015 Reforço de posições de liderança em Portugal, internacionalização e compromisso com famílias em 2014 SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO 1. PRINCIPAIS DESTAQUES DE 2014:

Leia mais

Portugal o parceiro económico da Polónia 2015-10-25 17:26:25

Portugal o parceiro económico da Polónia 2015-10-25 17:26:25 Portugal o parceiro económico da Polónia 2015-10-25 17:26:25 2 Portugal o parceiro económico da Polónia Quadro legal de relações económicas luso-polacas - Tratado de Adesão da Polónia com as Comunidades

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 02/SI/2012 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

Resumo de Imprensa. Quarta-feira, 23 de Abril de 2008

Resumo de Imprensa. Quarta-feira, 23 de Abril de 2008 DIÁRIO ECONÓMICO Resumo de Imprensa Quarta-feira, 23 de Abril de 2008 1. BCE ameaça subir juros para controlar preços (págs. 1 e 16) Com a subida dos preços, há uma viragem nas expectativas: em vez de

Leia mais

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 1 INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 3. PRIORIDADES ESTRATÉGICAS 3.1 Concretizar o Potencial da Biedronka 3.2 Assegurar o Crescimento de Longo Prazo 1. THE GROUP TODAY 4. EXPLORAR TODO O POTENCIAL

Leia mais

QREN Inovação Inovação Produtiva. Projectos Individuais N.º 05/SI/2011

QREN Inovação Inovação Produtiva. Projectos Individuais N.º 05/SI/2011 1 QREN Inovação Inovação Produtiva Projectos Individuais N.º 05/SI/2011 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades de Projectos

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 8 de Janeiro de 2008 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas Sofia Pereira 2ª Frequência Responda a cada grupo em folha separada A Ibersol tem como

Leia mais

NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES

NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES Resultado da cimeira "particularmente positivo para Portugal" A cimeira europeia de quinta-feira

Leia mais

Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Ano 2010

Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Ano 2010 Jerónimo Martins SGPS, S.A. Resultados do Ano 2010 Lisboa, 18 de Fevereiro de 2011 Fortes resultados numa envolvente marcada pelos desafios. Vendas consolidadas atingem 8,7 mil milhões de euros (crescimento

Leia mais

1. Primeiro de Janeiro, 04-05-2010, Capital de risco cresce 14% 1. 2. Diário Económico, 04-05-2010, Actividade de capital de risco cresceu 14% 2

1. Primeiro de Janeiro, 04-05-2010, Capital de risco cresce 14% 1. 2. Diário Económico, 04-05-2010, Actividade de capital de risco cresceu 14% 2 Revista de Imprensa 12-05-2010 1. Primeiro de Janeiro, 04-05-2010, Capital de risco cresce 14% 1 2. Diário Económico, 04-05-2010, Actividade de capital de risco cresceu 14% 2 3. Económico Online, 03-05-2010,

Leia mais

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura

Seminário. Orçamento do Estado 2016. 3 de Dezembro de 2015. Auditório da AESE. Discurso de abertura Seminário Orçamento do Estado 2016 3 de Dezembro de 2015 Auditório da AESE Discurso de abertura 1. Gostaria de dar as boas vindas a todos os presentes e de agradecer à AESE, na pessoa do seu Presidente,

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Exercício de 2011 EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO - ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA

FICHA TÉCNICA. Exercício de 2011 EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO - ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - - Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P. FICHA TÉCNICA Título: Empresas do Setor da Construção Análise Económico-Financeira Autoria:

Leia mais

Resumo de Imprensa. Segunda-feira, 14 de Abril de 2008

Resumo de Imprensa. Segunda-feira, 14 de Abril de 2008 Resumo de Imprensa Segunda-feira, 14 de Abril de 2008 DIÁRIO ECONÓMICO 1. Crise custa 860 milhões aos bancos portugueses (págs. 1, 4 a 6) Quase mil milhões. É este o custo da crise internacional para os

Leia mais

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização Fórum Exportações AÇORES Caracterização e Potencial das Exportações Regionais Gualter Couto, PhD Ponta Delgada, 27 de Junho de 2011 1. Internacionalização Internacionalização: Processo Estrutura Organizacional

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA Folha de Informação Rápida. CONSTRUÇÃO 3º Trimestre 2013

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE. INQUÉRITO DE CONJUNTURA Folha de Informação Rápida. CONSTRUÇÃO 3º Trimestre 2013 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE CABO VERDE CABO VERDE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE INQUÉRITO DE CONJUNTURA

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

Seminário. Investimento e Financiamento às Empresas. Uma Ideia para Mudar Portugal. 16 de Junho de 2015. Porto Business School

Seminário. Investimento e Financiamento às Empresas. Uma Ideia para Mudar Portugal. 16 de Junho de 2015. Porto Business School Seminário Investimento e Financiamento às Empresas Uma Ideia para Mudar Portugal 16 de Junho de 2015 Porto Business School Novas soluções para incentivar o IDE em Portugal A possibilidade de desenvolver

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Aumento do Custo de Vida Degradação das condições económicas e sociais para a generalidade dos portugueses

Aumento do Custo de Vida Degradação das condições económicas e sociais para a generalidade dos portugueses Aumento do Custo de Vida Degradação das condições económicas e sociais para a generalidade dos portugueses O ano de 2011 é marcado por um acentuado aumento do custo de vida, concretizado pela subida da

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Flash fiscal Memorando de Entendimento Principais medidas fiscais 13 Maio de 2011

Flash fiscal Memorando de Entendimento Principais medidas fiscais 13 Maio de 2011 www.pwc.com/ptpt Flash fiscal Memorando de Entendimento Principais medidas fiscais 13 Maio de 2011 Foi divulgado o Memorando de Entendimento entre o Português, a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (Declaração de Rendimentos

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

SOCIAL PAULO AZEVEDO CEO SONAE 16 MARÇO 2011

SOCIAL PAULO AZEVEDO CEO SONAE 16 MARÇO 2011 INVESTIMENTO SOCIAL PAULO AZEVEDO CEO SONAE 16 MARÇO 2011 Investimento Social Clientes 268M de descontos em cartão/talão Produtos de marca Continente ~25% mais baratos que produto líder Comunidade 10,4M

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado. Projectos Individuais N.º 06/SI/2011

QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado. Projectos Individuais N.º 06/SI/2011 1 QREN Inovação Empreendedorismo Qualificado Projectos Individuais N.º 06/SI/2011 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades

Leia mais

Indicadores de Confiança...15

Indicadores de Confiança...15 1. MACROECONOMIA 1.1. Rendimento e Despesa Despesa Nacional a Preços Correntes...5 Despesa Nacional a Preços Constantes...6 PIB a preços correntes (Produto Interno Bruto)...7 PIB a preços constantes (Produto

Leia mais

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL Índice de Risco de PORTUGAL Índice de Pagamentos Índice de Risco Explicação dos valores do Índice de Risco 190 180 170 160 150 140 130 120 110 100 2004 2005 2006 2007 2008 100 Nenhuns riscos de pagamento,

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 28 de Março de 2007 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas e 30 minutos Gioconda Magalhães Sílvia Cortês Joana Peralta Sofia Pereira Luiz Ribeiro 1ª

Leia mais

RESUMO DE IMPRENSA. Quinta-feira, 31 de Julho de 2008

RESUMO DE IMPRENSA. Quinta-feira, 31 de Julho de 2008 RESUMO DE IMPRENSA Quinta-feira, 31 de Julho de 2008 JORNAL DE NEGÓCIOS 1. Queda nos lucros da banca retira 80 milhões ao Fisco. Resultados dos quatro maiores bancos privados caíram mais de 40% no primeiro

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1

MANUAL DA QUALIDADE. Rev.: 02. Data: 05-07-2013. Mod.41/00. pág. 1 MANUAL DA QUALIDADE Rev.: 02 Data: 05-07-2013 pág. 1 Designação Social: Dupliconta Sociedade de Contabilidade, Consultadoria e Gestão Lda. Morada: Caminho do Pilar, Conjunto Habitacional do Pilar, Lote

Leia mais

Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do. IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final

Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do. IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final TENDÊNCIAS NOS NEGÓCIOS PARA 2015 Neste artigo iremos dedicar especial atenção às novas regras do IRS, introduzidas pela Reforma levada a cabo pelo Governo no final de 2014. Não deixe de estar por dentro

Leia mais

Regulamento 2015. 1. Objectivo. 2. Elegibilidade

Regulamento 2015. 1. Objectivo. 2. Elegibilidade Regulamento 2015 1. Objectivo Prémio Empreendedorismo e Inovação Crédito Agrícola 2015 é um concurso que resulta da conjugação de esforços e vontades do Crédito Agrícola, aqui representado pela Caixa Central

Leia mais

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal

Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008. Micro, Pequenas. e Médias. Empresas. em Portugal Estudos sobre Estatísticas Estruturais das Empresas 2008 28 de Junho de 2010 Micro, Pequenas e Médias Empresas em Portugal Em 2008, existiam 349 756 micro, pequenas e médias empresas (PME) em Portugal,

Leia mais

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado

Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado 17-03-2006 13:11:00. Fonte LUSA. Notícia SIR-7829164 Temas: economia portugal finanças sociedade LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado DATA:. ASSUNTO: Conferência

Leia mais

Portugal Investimento

Portugal Investimento Portugal Investimento O Investimento Bruto atingiu os 32 mil milhões de euros e o acumulado 71,7 mil milhões de euros o que significa um crescimento de quase 50% nos últimos 5 anos. Cerca de 32% do IDE

Leia mais

ARC Ratings confirma a notação "A-1" à Somincor RATING DE EMITENTE RATING DE EMISSÕES

ARC Ratings confirma a notação A-1 à Somincor RATING DE EMITENTE RATING DE EMISSÕES ARC Ratings confirma a notação "A-1" à Somincor EMITENTES RATING DE EMITENTE Somincor Sociedade Mineira de Neves-Corvo, S.A. A-1 Curto Prazo DATA DAS NOTAÇÕES RATING DE EMISSÕES 7 de Setembro de 2015 A-1

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

ENGAGEMENT RATING PORTUGAL 2011

ENGAGEMENT RATING PORTUGAL 2011 Edição 2011 ENGAGEMENT RATING PORTUGAL 2011 Enquadramento... 3 A metodologia do Engagement Rating... 6 Controlo de qualidade... 8 Painel de Peritos... 9 Resultados... 10 Conclusões... 22 Recomendações

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo. Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo. Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO III Objectivo Metodologia de Análise Os rácios Financeiros Qualidade dos Indicadores Sinais de Perigo METODOLOGIA DE ANÁLISE ASPECTOS A NÃO ESQUECER o todo não é igual à soma das

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa QUIDGEST Q-DAY: INOVAÇÃO CONTRA A CRISE Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa André Magrinho TAGUSPARK: 09 de Setembro 2009 SUMÁRIO 1. Globalização

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

4º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade Lisboa, 21 Outubro 2010. conflito de interesses ou confluência de esforços?

4º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade Lisboa, 21 Outubro 2010. conflito de interesses ou confluência de esforços? 4º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade Lisboa, 21 Outubro 2010 conflito de interesses ou confluência de esforços? A biodiversidade sustenta a oferta qualificada de serviços

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Outras conclusões: Recrutamento na área de Marketing Digital registou crescimento de 15%. Área de E- commerce cresceu 6% Remuneração dos profissionais

Leia mais

Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000

Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000 Informação à Imprensa 8 de Março de 2001 Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000 As vendas da Sonae Indústria no exercício de 2000 ascenderam a Euro 1 294

Leia mais

Comércio Internacional dos Açores

Comércio Internacional dos Açores VII Jornadas Ibero-Atlânticas de Estatística Regional 09/10/2015 Cristina Neves INE- Departamento de Estatísticas Económicas Comércio Internacional dos Açores Estrutura da apresentação Estatísticas do

Leia mais

8 DE MAIO 2013. ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes

8 DE MAIO 2013. ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes 8 DE MAIO 2013 ONDE NASCE O NOVO EMPREGO EM PORTUGAL Teresa Cardoso de Menezes a empresa activa mais antiga em Portugal nasceu em 1670? 2001 foi o ano em que nasceram mais empresas em Portugal? ontem quando

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011 Lisboa, 29 de Maio de 2013 Estudo revela que os atrasos nos pagamentos entre empresas na região da Ásia - Pacífico se agravaram em 2012 - As empresas estão menos optimistas relativamente à recuperação

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de Julho, que aprovou o PPCE - Programa

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008

MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 ÍNDICE 01 Relatório de Gestão... 1 02 Conjuntura Económica... 2 03 A Empresa... 3 04 Análise Financeira... 9 1 MEIOSTEC S.A.

Leia mais

RESUMO DE IMPRENSA. Terça-feira, 25 de Agosto de 2009

RESUMO DE IMPRENSA. Terça-feira, 25 de Agosto de 2009 RESUMO DE IMPRENSA Terça-feira, 25 de Agosto de 2009 JORNAL DE NEGÓCIOS 1. Fusões disparam entre fundos de investimento (págs. 1, 18 e 19). BBVA e BES são os bancos que mais fundos juntaram. 2. Eleições

Leia mais

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas)

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas) CURSO DE GESTÃO DE VENDAS Inedem- Apotec Outono 2007 25 e 26 de Setembro 9h00 às 18h30 Dirigido a gestores da área financeira com necessidade de ferramentas informáticas de elevada eficácia na avaliação

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16 J. Silva Lopes IDEFF, 4 de Julho de 2011 1 Título do Painel: Que futuro para Portugal Esta apresentação: Perspectivas para a economia portuguesa 2011-16

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010 I. Balança de Pagamentos As contas externas mostram de forma resumida as relações económicas entre residentes e nãoresidentes

Leia mais