Rádios Cognitivos. Proposta ao Prémio PLUG 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rádios Cognitivos. Proposta ao Prémio PLUG 2010"

Transcrição

1 2010 Rádios Cognitivos Proposta ao Prémio PLUG 2010 Nuno Borges Carvalho, José Neto Vieira, Arnaldo Oliveira, Pedro Cruz, Daniel Albuquerque e Nelson Silva Departamento de Electrónica, Telecomunicações e Informática Universidade de Aveiro 15/10/2010

2 2 R Á D I O S C O G N I T I V O S SUMÁRIO EXECUTIVO Neste documento apresenta-se uma proposta de sistema de rádio cognitivo que se julga irá revolucionar dentro em breve as comunicações sem fios via rádio frequência. Neste documento apresenta-se inicialmente o conceito deste tipo de rádios e explicamse de forma breve e simplificada a ideia dos investigadores em construir um destes rádios, aproximando a sua construção ao ouvido humano, ou mais especificamente à cóclea humana, que permite de forma biológica detectar sinais com picos de amplitude elevada e picos de amplitude baixa simultaneamente. Este tipo de configuração irá permitir construir de forma eficiente rádios cognitivos e permitir aos operadores de telecomunicações partilhar o espectro de forma mais optimizada e completamente liberalizada, criando uma revolução na componente legal de gestão de espectro e subsequente taxação das comunicações sem fios. Os rádios cognitivos irão ainda permitir a verdadeira interligação de diferentes rádios com normas de operação diferentes e a operar com configurações diferenciadas, permitindo desta forma melhorar as comunicações em situações de congestão do espectro rádio eléctrico ou em situações de emergência. O documento está organizado da seguinte forma, em primeiro lugar é realizada uma breve introdução aos sistemas, seguindo-se uma breve explicação dos sistemas de rádio propostos. Finalmente são apresentados alguns serviços que se espera serão possíveis de implementar com estes rádios.

3 3 INTRODUÇÃO Software Defined Radio, ou Rádios Controlados por Software já iniciaram a sua fase de maturação e conquista das arquitecturas tradicionais de projecto rádio, pelo facto de terem alterado a parte banda base do rádio completamente para o domínio digital primeiro e depois para a sua implementação por software que corre num banal processador. Este facto permite-lhes que o rádio seja optimizado e adaptável automaticamente pela simples mudança de software. No entanto, espera-se que a próxima fronteira seja a implementação de arquitecturas de rádio cognitivas, RC, ou seja rádios com a capacidade de tomar decisões para maximizar a taxa de transmissão e/ou a qualidade do serviço. Este novo paradigma de RC é tão forte que se espera que crie uma revolução equivalente ao que foi anteriormente criado com a passagem do mundo analógico para o mundo digital. Estas configurações permitirão uma optimização real da ocupação espectral, assim como a implementação e construção do rádio universal, aquele que pode comunicar com qualquer outro, tomando decisões sobre o seu funcionamento, independentemente da sua implementação inicial. O conceito futuro está apresentado na Fig.1. Figura 1 Rádio Cognitivo Mas para atingir estas funcionalidades a arquitectura rádio tem de ser completamente repensada, especialmente a necessidade de capacidade de processamento digital é muito elevada, pois o rádio terá de ser capaz de tomar decisões em tempo real para uma comunicação eficiente e optimizada.

4 4 Este processamento deverá ser implementado do ponto de vista digital, mas também do ponto de vista analógico, muitas das vezes negligenciado. De facto na última reunião do SDR Fórum, foi concluído que a grande barreira entre a teoria RC e a implementação está na necessidade e importância de investigação na componente de front ends analógicos adaptáveis, usualmente chamados de rádios ágeis, Agile Radios. Ora a proposta aqui apresentada a prémio visa exactamente estudar e implementar a camada física de um Agile Radio, incluindo a parte analógica, mas também com um conhecimento profundo da parte digital. A maior dificuldade para a implementação destas arquitecturas está relacionada com as não idealidades dos sistemas analógicos, quer em largura de banda quer em fenómenos não lineares devido à amplitude elevada do sinal. Por essa razão o estudo correcto dos modelos comportamentais da parte analógica, assim como o estudo dos sinais que irão ser recebidos e transmitidos, permitirão à parte digital adaptar-se convenientemente, quer na transmissão criando sinais pré-distorcidos e por isso adaptáveis às não linearidades do transmissor, garantindo a máscara espectral pré-determinada, quer na recepção por compensação da interferência criada por jammers ou pela compensação das não idealidades dos componentes analógicos. Além disso em presença de um rádio com estas capacidades vários novos paradigmas serão criados, por exemplo a gestão de espectro poderá tornar-se completamente livre e sem recurso a regras rígidas de pré-alocação de espectro por operador como existem hoje, além disso os serviços que cada rádio poderá disponibilizar podem ser verdadeiramente universais, pois os rádios adaptar-se-ão ao meio e por sua vez à comunicação mais eficiente. Complementando esta proposta, a optimização dos componentes de hardware do rádio permitirá poupanças consideráveis de energia, quer por utilização de receptores e transmissores mais eficientes, quer por utilização de outras formas de transmissão/recepção utilizando valores baixos de energia. A proposta apresentada neste documento permitirá projectar e construir um destes rádios, de forma eficiente, e viabilizar os conceitos mais avançados de gestão de espectro que se têm desenvolvido na última década. SISTEMAS DE RECEPÇÃO E TRANSMISSÃO EFICIENTES Os sistemas actuais de transmissão/recepção de rádio são tipicamente analógicos e projectados para um fim específico, significando que um rádio móvel GSM apenas poderá ser GM, ou um rádio 3G será apenas um rádio 3G. No entanto as mudanças dos protocolos e dos sistemas de rádio têm criado uma panóplia de actualizações de software e de hardware significativo, com custos elevados para os operadores e para os clientes finais. Além disso os rádios actuais usualmente utilizam e operam a uma frequência prédefinida, tipicamente por imposições legais e devido a uma gestão de espectro baseada no aluguer de um determinado espaço espectral.

5 5 O conceito de Software Defined Radio (SDR) foi pela primeira vez referido no artigo [1] de J. Mitola em Neste artigo Mitola propôs-se desenvolver um rádio completamente configurável por software permitindo o máximo de adaptabilidade a diferentes cenários de comunicação. O conceito do receptor SDR é apresentado na figura 2. LNA ADC DSP Figura 2 Conceito do Software Defined Radio Esta solução sofre no entanto de vários problemas que levam a que na prática não se consiga aproveitar todo o potencial da solução. ELEVADA GAMA DINÂMICA Na solução da figura 2 o amplificador de entrada e a ADC terão de ter uma elevada gama dinâmica, muito superior às soluções clássicas em que a sintonia é realizada pelo menos parcialmente no domínio analógico. O aumento da largura de banda do sinal a digitalizar faz com que a relação PAPR se degrade proporcionalmente. Este facto coloca um enorme desafio às ADCs que para além de necessitarem de uma maior frequência de amostragem para fazer face ao aumento da largura de banda do sinal a converter têm ainda de possuir um maior número de bits de conversão de modo a representar correctamente os sinais recebidos [2]. BLOCKING Quando se pretende realizar a desmodulação simultânea de vários sinais modulados segundo diferentes normas, a amplitude com estes chegam ao receptor pode variar de forma considerável. Assim, a presença de um sinal de forte amplitude em simultâneo com um outro, que por o emissor estar mais distanciado é captado com uma amplitude muito reduzida, leva a que quando o ganho do LNA é ajustado para este último, ocorra saturação do LNA ou do ADC. Ocorrerá assim um fenómeno conhecido por blocking e que inpede a correcta desmodulação do sinal de mais fraca amplitude [3]. Estes dois problemas têm sido estudados intensamente e mais recentemente apareceram algumas soluções inovadoras que fazem uso de um andar de entrada que separa o sinal em várias bandas [4]. Esta separação permite resolver os dois problemas anteriores de forma eficaz. Sendo possível utilizar ganhos diferentes para as diferentes bandas levando a que o efeito de blocking seja mitigado. O PAPR em cada uma das bandas é igualmente reduzido levando a que se possa utilizar ADCs com um número de bits reduzido. Além disso, a reduzida largura de banda leva a que as ADCs possam trabalhar a uma frequência de amostragem mais reduzida.

6 6 LNA ADC LNA RF Coclea DSP LNA ADC Figura 3 Nova proposta para o Software Defined Radio NOVAS CONFIGURAÇÕES DE RECEPÇÃO/TRANSMISSÃO As novas soluções apresentadas nesta proposta baseiam-se na utilização da cóclea, ou seja no ouvido humano, que permite de uma forma biológica criar um analisador de espectros de forma eficiente e maximizada para receber sinais com uma gama dinâmica elevada, figura 4. Figura 4 Cóclea humana. Ora o que se pretende com a proposta actual não é mais do que representar de uma forma digital e electrónica este tipo de sistema, figura 5.

7 7 Figura 5 Cóclea digital. Esta configuração conceptual apresentada na figura 5, pode de facto ser construída de uma forma eficiente e altamente optimizada como se pode ver na figura 6, na qual foi implementada com linhas de transmissão. Figura 6 Implementação da cóclea digital. Estes sinais desta cóclea serão posteriormente processados por tecnologia digital utilizando configurações avançadas de sistemas de recepção digitais, figura 7.

8 8 Figura 7 Configuração digital de recepção em que o BPF pode ser implementado por uma cóclea digital. Os sinais digitais serão posteriormente processados por FPGA s disponíveis actualmente, com capacidades equivalentes a milhões de portas lógicas, quer na forma de recursos programáveis, quer fixos, tais como tabelas de verdade, memórias, macrocélulas DSP, processadores de uso geral, controladores para protocolos de comunicação e blocos de entrada/saída configuráveis, possibilitam o projecto rápido e flexível de sistemas digitais complexos integrados num único dispositivo. Esta tecnologia de implementação veio revolucionar o projecto de sistemas digitais, permitindo a construção rápida e a custos razoáveis de sistemas integrados especializados para uma dada aplicação. Devido à sua reconfigurabilidade, elevada capacidade lógica e nível de desempenho, as FPGAs são cada vez mais a plataforma usada no desenvolvimento flexível de sistemas complexos no domínio das telecomunicações, uma vez que, tal como já foi referido, suportam a implementação nos seus recursos programáveis quer de lógica arbitrária, quer de núcleos predefinidos de propriedade intelectual (processadores, controladores, memórias, interfaces, etc.). Numa única FPGA de capacidade lógica adequada pode ser incluído um ou vários núcleos de processadores a executar o software de uma dada aplicação, os módulos de hardware específicos do sistema e toda a lógica e elementos de interligação dos diferentes blocos. Além disso, devido à capacidade de reconfiguração (parcial) dinâmica disponibilizada em algumas FPGAs, a qual consiste na possibilidade de efectuar, em pleno funcionamento, a reprogramação dos seus recursos de hardware e consequentemente da funcionalidade do sistema, as FPGAs podem em muitos casos ser usadas para integrar de forma flexível as unidades de processamento e os controladores de comunicação, permitindo a adaptação do sistema a diferentes cenários de operação e a realização de actualizações sempre que necessário. POTENCIAIS SERVIÇOS BASEADOS EM RÁDIO COGNITIVO A implementação do conceito RC motivará por um lado o surgimento de novos serviços e, por outro, o aparecimento de soluções mais eficientes para serviços já existentes.

9 9 Uma das aplicações mais promissoras deste tipo de tecnologia é o aumento da eficiência de ocupação do espectro usando rádios oportunistas, em que o rádio vai utilizar o espectro que não está a ser usado num dado momento. De modo a ser possível implementar esta solução ideal, o rádio deveria ver (analisar) todo o espectro (ou pelo menos uma banda suficientemente larga) e as respectivas comunicações activas num dado momento. Esta abordagem poderá, entre outras aplicações, ser usada para aumentar a fiabilidade em sistemas de comunicação sem fios de segurança crítica, dos quais as comunicações veiculares são um bom exemplo. Prevê-se que num futuro próximo todos os tipos de veículos motorizados, como carros, autocarros e camiões sejam capazes de operar em rede, partilhando informação entre eles, desde dados sobre o congestionamento de tráfego e estado da via, até sinais de alarme relativos a acidentes ou potenciais situações de perigo. Desta forma será possível efectuar decisões de navegação e segurança com base em mensagens que são enviadas pelos nós vizinhos da rede constituída quer pelos veículos, quer pela infra-estrutura fixa suportada pelo operador ou concessionário da via. Além disso, as comunicações veículoa-veículo e entre veículo e a infra-estrutura abrem novas oportunidades de aplicações em cenários impensáveis até há bem pouco tempo, incluindo a disseminação de informação baseada em localização, social networking e jogos interactivos e distribuídos. Para suportar estes serviços encontram-se neste momento em fase de desenvolvimento e de standardização diversas normas que definem uma pilha protocolar para comunicações veiculares DSRC (Digital Short Range Communications) na gama dos 5.9 GHz. Um dos cenários em que as comunicações veiculares poderão trazer maiores vantagens aos condutores mas onde existem mais problemas por resolver (ao nível do controlo de acesso ao meio) são os ambientes densos em que ocorrem rajadas de eventos resultantes de situações de perigo (e.g. acidentes) em vias altamente movimentadas (e.g. auto-estradas com um número considerável de faixas e níveis elevados de congestionamento). Devido ao mecanismo usado no controlo de acesso ao meio por parte do nós da rede (baseado em CSMA-CA) a eficiência da rede diminui drasticamente com o aumento do número de nós, devido a um número crescente de colisões entre mensagens, subindo a latência das comunicações para valores incompatíveis com os requisitos deste tipo de aplicações de segurança crítica. Se neste tipo de cenários, os nodos forem RC e capazes de usar bandas do espectro que se encontrem livres, o problema é minorado ou mesmo resolvido através do aumento da largura de banda total disponível. A utilização de bandas do espectro pode ser feita ad-hoc pelos nodos com capacidades de RC e através de mecanismos de análise espectral ou, alternativamente moderada por uma entidade (e.g. reguladora ou gestora da via) a qual atribuirá os recursos espectrais em função das necessidades, disponibilidades e optimizados do ponto de vista geográfico. De uma forma mais genérica, a combinação de mecanismos de análise espectral em tempo-real com a alocação dinâmica do espectro (ad-hoc ou regulada) tornará muito mais eficiente a sua utilização, eliminando a pré-locação estática do espectro existente actualmente.

10 10 Finalmente uma das áreas de intervenção deste tipo de sistema baseia-se na possibilidade de interligação de diversos rádios em situações de emergência, caso por exemplo de interligação do sistema TETRA da protecção civil com rádios de comunicações móveis, GSM, 3G etc. Desta forma mesmo sem redes de comunicação existentes, que em caso de catástrofe poderão falhar, será sempre possível manter a comunicação e possivelmente localizar os sistemas de forma imediata utilizando um comutador inteligente de rádio cognitivo. REFERÊNCIAS [1] J. Mitola, "The Software Radio Architecture", IEEE Communications Magazine, Vol.33, N.5, pp.26-38, May [2] P. Cruz, N. Carvalho, K. A. Remley, "Evaluation of Nonlinear Distortion in ADCs Using Multisines", International Microwave Symposium, IEEE, June [3] Hee Seung Han, Jae Hong Lee, "An Overview of Peak-to-Average Power Ratio Reduction Techniques for Multicarrier Transmission", IEEE Wireless Communications, Vol.12, N.2, pp.56-65, April [4] Christopher J. Galbraith, Robert D. White, Lei Cheng, Karl Grosh and Gabriel M. Rebeiz, "Cochlea-Based RF Channelizing Filters", IEEE Transactions on Circuits and Systems-I: Regular Papers, Vol.55, N.4, pp , May 2008 [5] Asemani, Davud and Oksman, Jacques and Duhamel, Pierre, "Subband Architecture for Hybrid Filter Bank A/D Converters", IEEE Journal on Selected Topics in Signal Processing, Vol.2, N.2, pp , April 2008 [6] Asemani, Davud and Oksman, Jacques and Poulton, Daniel, "Digital Estimation of Analog Imperfections Using Blind Equalization", 14th European Signal Processing Conference, Florence, Italy, 2006

Comunicações a longas distâncias

Comunicações a longas distâncias Comunicações a longas distâncias Ondas sonoras Ondas electromagnéticas - para se propagarem exigem a presença de um meio material; - propagam-se em sólidos, líquidos e gases embora com diferente velocidade;

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

Rádio Definido por Software - SDR

Rádio Definido por Software - SDR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Rádio Definido por Software - SDR Prof. Ramon

Leia mais

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Interligações de LANs: Equipamentos Elementos de interligação de redes Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Ligação Física LLC MAC Gateways

Leia mais

DE forma genérica, um sistema de comunicação pode ser

DE forma genérica, um sistema de comunicação pode ser REVISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO, VOL. 3, NO. 1, OUTUBRO 2013 1 Introdução ao GNU Radio Edmar C. Gurjão Departamento de Engenharia Elétrica Universidade Federal de Campina Grande Campina

Leia mais

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo 1(10) Índice 1. Objectivo... 3 2. Descrição do Sistema

Leia mais

Os projectos de Sistemas Cooperativos Comunicação infra-estrutura veículo APCAP - CP3

Os projectos de Sistemas Cooperativos Comunicação infra-estrutura veículo APCAP - CP3 Os projectos de Sistemas Cooperativos Comunicação infra-estrutura veículo APCAP - CP3 APCAP Day, 22 de Outubro 2009 Índice Definição; Objectivos; Benefícios; Projectos em desenvolvimento (3); Definição:

Leia mais

Processadores de telecomunicações

Processadores de telecomunicações 1 Processadores de telecomunicações ƒ Modems (modulação/desmodulação) ƒ Converte sinais entre os formatos analógico e digital. ƒ Multiplexadores ƒ Permitem que um canal de comunicação transporte simultaneamente

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/6 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL -

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a de Electrónica Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/10 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS) -

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

Telecomunicaçõ. Redes de Computadores

Telecomunicaçõ. Redes de Computadores Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Telecomunicaçõ ções e Redes de Computadores Prof. João Pires (em substituição do Prof. Paulo Lobato Correia) IST, 2007/2008 Objectivos Rever alguns marcos

Leia mais

Um sistema de gestão de frotas que lhe permite o controlo, a localização em tempo real e a comunicação permanente com todos os veículos da sua

Um sistema de gestão de frotas que lhe permite o controlo, a localização em tempo real e a comunicação permanente com todos os veículos da sua Um sistema de gestão de frotas que lhe permite o controlo, a localização em tempo real e a comunicação permanente com todos os veículos da sua empresa. Um sistema que gere e controla toda a actividade

Leia mais

SBTVD x 4G LTE. Regulamento de Convivência. Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro

SBTVD x 4G LTE. Regulamento de Convivência. Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Regulamento de Convivência SBTVD x 4G LTE Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Agência Nacional de Telecomunicações 737ª Reunião do Conselho Diretor Brasília, 09/04/2014 Atribuição e Destinação Condições

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Comunicação sem fios 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

Case Study. Metro do Porto. Projecto de Radio Trunking

Case Study. Metro do Porto. Projecto de Radio Trunking Metro do Porto Projecto de Radio Trunking Esta solução providencia um sistema de rádio operacional, privado, que pode ser utilizada para comunicações de emergências, quer pelos condutores dos veículos,

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio

DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO ALGARVE Escola Básica Doutor João Lúcio Introdução à Internet Nos dias de hoje a Internet encontra-se massificada, e disponível nos quatro cantos do mundo devido às suas

Leia mais

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Porque é importante comunicar? - Desde o «início dos tempos» que o progresso e o bem estar das sociedades depende da sua capacidade de comunicar e aceder

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES 1 / 6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES 1 / 6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES Publicação e actualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de

Leia mais

Síntese de Lentes para Aplicação em Antenas

Síntese de Lentes para Aplicação em Antenas 84 Síntese de Lentes para Aplicação em Antenas CARLOS A. CARDOSO FERNANDES Instituto Superior Técnico Instituto de Telecomunicações O ritmo a que a capacidade de processamento dos computadores tem evoluido

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Transmissão de Dados Digitais Comunicação em rede 1 Transmissão de dados Objetivo: transportar informação mesmo que fosse usado um meio de transporte clássico seria

Leia mais

Aviso de confidencialidade

Aviso de confidencialidade Aviso de confidencialidade A informação que consta desta apresentação é confidencial. Qualquer forma de divulgação, reprodução, cópia ou distribuição total ou parcial da mesma é proibida, não podendo ser

Leia mais

FICHA DE CURSO. 1. Designação do Curso: 2. Denominação do Diploma ou Certificado. 3. Objectivos Gerais e Enquadramento: 4.

FICHA DE CURSO. 1. Designação do Curso: 2. Denominação do Diploma ou Certificado. 3. Objectivos Gerais e Enquadramento: 4. 1. Designação do Curso: Curso de Especialização Pós-Graduada em Computação Móvel Aplicada 2. Denominação do Diploma ou Certificado Diploma de Pós-Graduação em Computação Móvel Aplicada 3. Gerais e Enquadramento:

Leia mais

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007

Redes de Telecomunicações. Redes de acesso 2006-2007 Redes de Telecomunicações Redes de acesso 2006-2007 Arquitectura da rede: Estrutura geral Central Local de Comutação concentra toda a comutação numa central de comutação telefónica ligando cada assinante

Leia mais

MODELO 827 CARACTERÍSTICAS. Controlador Trunking

MODELO 827 CARACTERÍSTICAS. Controlador Trunking MODELO 827 Controlador Trunking CARACTERÍSTICAS Obedece completamente ao Standard MPT1327/1343 e é compatível com os radiotelefones MPT1352/1327. Tem estrutura modular e o seu sistema de controlo com informação

Leia mais

Universidade de Aveiro Departamento de Electrónica, Telecomunicações e Informática. Rúben Filipe da Silva Ferreira. Estudo de Rádios Epistémicos

Universidade de Aveiro Departamento de Electrónica, Telecomunicações e Informática. Rúben Filipe da Silva Ferreira. Estudo de Rádios Epistémicos Universidade de Aveiro Departamento de Electrónica, Telecomunicações e 2008 Informática Rúben Filipe da Silva Ferreira Estudo de Rádios Epistémicos Universidade de Aveiro Departamento de Electrónica,

Leia mais

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho

Ligação à Internet. Conceitos de Sistemas Informáticos. Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Grupo de Comunicações por Computador Departamento de Informática Universidade do Minho Maio de 2004 Sumário 1 2 TV Cabo Bragatel Sapo Clix OniNet Telepac Tipos de ligações actualmente disponibilizadas

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO Autores: ISABEL GRAZINA Eng.ª Civil, EDIA, Rua Zeca Afonso, 2 7800-522 Beja, 00351284315100, igrazina@edia.pt JOSÉ CARLOS

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Capítulo 0 Introdução 1 Um pouco de história Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução Industrial Século XIX foi a era das máquinas a vapor Século XX principais conquistas foram

Leia mais

Bosch Video Management System Assegurando o futuro com IP

Bosch Video Management System Assegurando o futuro com IP Bosch Video Management System Assegurando o futuro com IP Segurança de vídeo IP Tudo interligado O Bosch Video Management System (VMS) gere todo o áudio e vídeo digital e IP, além de todos os dados de

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação. Conceitos Introdutórios

Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação. Conceitos Introdutórios Introdução às Tecnologias de Informação e Comunicação Conceitos Introdutórios Informática Informática - Tratamento ou processamento da informação utilizando meios automáticos, nomeadamente o computador.

Leia mais

FUNCIONAMENTO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIVERSAS TECNOLOGIAS

FUNCIONAMENTO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIVERSAS TECNOLOGIAS FUNCIONAMENTO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIVERSAS TECNOLOGIAS FUNCIONAMENTO DOS RFID s O Um sistema de RFID é composto, basicamente, por uma antena, que funciona como receptor, faz a leitura do sinal

Leia mais

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Já estudado... Motivação Breve História Conceitos Básicos Tipos de Redes Componentes

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay e Frame Relay o Consiste na operação de transmitir varias comunicações diferentes ao mesmo tempo através de um único canal físico. Tem como objectivo garantir suporte para múltiplos canais. o A multiplexação

Leia mais

Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito

Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Protocolo de comunicação para redes móveis aplicado ao trânsito Aluno: Luiz

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Comunicação sem fios Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Mestrado em Fisica 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes WIFI 1 Introdução Nos sistemas de comunicações

Leia mais

Adesão ao Serviço de Interruptibilidade Eléctrica

Adesão ao Serviço de Interruptibilidade Eléctrica DIRECÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO LIGAÇÃO À REDE TELECOMUNICAÇÕES DE SEGURANÇA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Adesão ao Serviço de Interruptibilidade Eléctrica 2012-03-19 ÍNDICE 1. ÂMBITO... 3 2. ESTRUTURA DO

Leia mais

Falcon Watch Sistema de Vigilância Remota RF-5400

Falcon Watch Sistema de Vigilância Remota RF-5400 comunicaçõesasseguradas Falcon Watch Sistema de Vigilância Remota RF-5400 Melhore os seus sentidos. Falcon Watch Vigilância Remota. Todo o dia. Toda a noite. A Harris sabe da necessidade de ter sistemas

Leia mais

Figura - Radio em 1920.

Figura - Radio em 1920. Curiosidade: Muitos dos primeiros receptores AM com alimentação AC (para as válvulas) funcionavam com o chassi ligado ao neutro da rede (como terra), freqüentemente, ao se inverter a posição da tomada,

Leia mais

Introdução à Transmissão Digital. Funções básicas de processamento de sinal num sistema de comunicações digitais.

Introdução à Transmissão Digital. Funções básicas de processamento de sinal num sistema de comunicações digitais. Introdução à Transmissão Digital Funções básicas de processamento de sinal num sistema de comunicações digitais. lntrodução à transmissão digital Diferença entre Comunicações Digitais e Analógicas Comunicações

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

I. INTRODUÇÃO. SEINON Sistema Energético INtegral ONline. A melhor energia é a que não se consome

I. INTRODUÇÃO. SEINON Sistema Energético INtegral ONline. A melhor energia é a que não se consome I. INTRODUÇÃO SEINON Sistema Energético INtegral ONline A melhor energia é a que não se consome O sistema SEINON é uma ferramenta de gestão de consumo de energia que permite de forma simples e automática

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES I 2007/2008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 1. Avaliação sumário da matéria do capítulo 1

REDES DE COMPUTADORES I 2007/2008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 1. Avaliação sumário da matéria do capítulo 1 REDES DE COMPUTADORES I 007/008 LEIC - Tagus-Park TPC Nº 1 Avaliação sumário da matéria do capítulo 1 Pergunta: 1 1. Que tipo de Elemento de Rede é um Cliente? 1 Sistema Terminal ou Host Servidor 3 Encaminhador

Leia mais

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados?

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? 1. Introdução Alguma vez você já se deu conta que o microondas de sua casa tem uma capacidade computacional maior do que tinha o projeto Apolo, que levou

Leia mais

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Introdução, com algumas características Uma rede sem fios ou uma rede Wireless é uma infraestrutura das comunicações sem fio que permite a transmissão

Leia mais

The Importance of Radio Metrology for Health Impact Evaluation

The Importance of Radio Metrology for Health Impact Evaluation The Importance of Radio Metrology for Health Impact Evaluation Nuno Borges Carvalho nbcarvalho@ua.pt www.av.it.pt/nbcarvalho Universidade de Aveiro 005, it - instituto de telecomunicações. Todos os direitos

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES REDES DE TELECOMUNICAÇÕES INTRODUÇÃO ÀS REDES DE TELECOMUNICAÇÔES Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 1 Introdução às Sumário Evolução das telecomunicações Estrutura das redes Tipos

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

Solução de gestão de frota automóvel

Solução de gestão de frota automóvel Solução de gestão de frota automóvel Gisgeo Information Systems www.gisgeo.pt UPTEC Parque de Ciência e Tecnologia R. Actor Ferreira da Silva, 100 gisgeo@gisgeo.pt 4200-298 Porto +351 220301572 Portugal

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

ACCESSNET -T IP Técnica do sistema TETRA da Hytera. www.hytera.de

ACCESSNET -T IP Técnica do sistema TETRA da Hytera. www.hytera.de Técnica do sistema TETRA da Hytera é a solução abrangente e eficiente para todas as aplicações em transmissão móvel profissional. www.hytera.de Num piscar de olhos Para comunicação TETRA profissional TETRA

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Comunicação

Introdução aos Sistemas de Comunicação Introdução aos Sistemas de Comunicação Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicação) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado de Engenharia

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Estrutura Curricular do 2º Ciclo do Mestrado integrado em Engenharia Eletrotécnica e Computadores (MIEEC)

Estrutura Curricular do 2º Ciclo do Mestrado integrado em Engenharia Eletrotécnica e Computadores (MIEEC) Estrutura Curricular do 2º Ciclo do Mestrado integrado em Engenharia Eletrotécnica e Computadores (MIEEC) No segundo Ciclo do Mestrado em Engenharia Eletrotécnica e Computadores (MIEEC), i.e, 7º a 10º

Leia mais

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA 1844 Demonstração pública bem sucedida do TELÉGRAFO, inventado por SAMUEL MORSE. Transmitida a mensagem What hath God wrought entreo Capitólio em Washington e Baltimore NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

Leia mais

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos Conteúdo Capítulo 7 Entrada/Saída Dispositivos externos Módulos E/S Técnicas de E/S E/S Programada E/S Conduzida por interrupções Processamento de interrupções Controlador Intel 82C59A Acesso Directo à

Leia mais

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E

DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E DO ANALÓGICO AO DIGITAL: CONCEITOS E TÉCNICAS BÁSICASB Fernando Pereira Instituto Superior TécnicoT Digitalização Processo onde se expressa informação analógica de forma digital. A informação analógica

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

Laboratório de Redes

Laboratório de Redes Laboratório de Redes Rui Prior 2008 2012 Equipamento de rede Este documento é uma introdução muito básica aos equipamentos de rede mais comuns, a maior parte dos quais iremos utilizar nas aulas de Laboratório

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida

Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida Primeiro Foguete Brasileiro com Propulsão Líquida Sucesso na Operação Raposa para lançamento do VS-30 no último dia 01/09 Tendências e tecnologias dos sistemas de testes aeroespacial e de defesa Alisson

Leia mais

Nuno Borges de Carvalho. (Professor Associado)

Nuno Borges de Carvalho. (Professor Associado) SISTEMAS DE RÁDIO DEDICADOS Nuno Borges de Carvalho (Professor Associado) Universidade de Aveiro Departamento de Electrónica, Telecomunicações e Informática Fevereiro de 2009 1 2 ÍNDICE Índice... 3 1 Introdução...

Leia mais

Laboratório de Redes

Laboratório de Redes Laboratório de Redes Rui Prior 2008 Equipamento de rede Este documento é uma introdução muito básica aos equipamentos de rede mais comuns, a maior parte dos quais iremos utilizar nas aulas de Laboratório

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores e outros dispositivos, com a finalidade de trocar informação e partilhar

Leia mais

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes instáveis Encaminhamento em redes Ad Hoc Introdução Descoberta de rotas Manutenção de rotas Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes

Leia mais

Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation

Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation Desafios da Facturação Electrónica A facturação electrónica (e-invoicing) poderá fazer parte das iniciativas emblemáticas

Leia mais

Secção II. ƒ Alternativas para redes de telecomunicações

Secção II. ƒ Alternativas para redes de telecomunicações 1 Secção II ƒ Alternativas para redes de telecomunicações 2 Alternativas para redes de telecomunicações Alternativa de rede Redes Suportes Processadores Software Canais Topologia/arquitectura Exemplos

Leia mais

Lista de Exercícios A1

Lista de Exercícios A1 1 a QUESTÃO: A figura abaixo mostra simplificadamente um sistema de televisão inter-oceânico utilizando um satélite banda C como repetidor. O satélite tem órbita geoestacionária e está aproximadamente

Leia mais

Redes de Comunicação Modelo OSI

Redes de Comunicação Modelo OSI Redes de Comunicação Modelo OSI Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Processos que comunicam em ambiente

Leia mais

Estrutura interna de um microcontrolador

Estrutura interna de um microcontrolador Estrutura interna de um microcontrolador Um microcontrolador é composto por um conjunto de periféricos interligados a uma unidade de processamento e todo este conjunto confere a este componente uma versatilidade

Leia mais

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE.

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE. Antena Coletiva: Projeto e Cuidados para Receber a TV Digital Este tutorial apresenta considerações para projeto de sistemas de antena coletiva para distribuir sinais de TV digital de alta definição, HD,

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs UERJ-FEN-DETEL Técnicas de Acesso Múltiplo na Comunicação sem Fio Vários esquemas de acesso múltiplo tem sido utilizados para permitir que vários

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos.

Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk. Camada Física: Redes Sem Fio. Equipamentos de Rede. O que já conhecemos. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Equipamentos de Rede O que já conhecemos. Cabos; Atenas; Tipos de transmissão; 1 O que vamos conhecer. Equipamentos

Leia mais

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Hierarquia Digital Plesiócrona (PHD) REDES DE TELECOMUNICAÇÕES SDH (Synchronous Digital Hierarchy) Engª de Sistemas e Informática UALG/FCT/ADEEC 2003/2004 1 Redes de Telecomunicações Hierarquia Digital

Leia mais

Fundamentos de Telecomunicações

Fundamentos de Telecomunicações Fundamentos de Telecomunicações Translação de Frequências A utilização eficaz de um canal de transmissão pode requerer por vezes a utilização de uma banda de frequências diferente da frequência original

Leia mais

Projeto de Múltiplas RSSF operando sobre. Fibra óptica

Projeto de Múltiplas RSSF operando sobre. Fibra óptica Anais do XIX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1980178 Projeto de Múltiplas RSSF operando sobre Maria Caroline de Andrade PUC-Campinas Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias maria.ca@puccampinas.edu.br

Leia mais

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos

Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E. Prof. Emanuel Matos Unidade I SISTEMAS PARA INTERNET E SOFTWARE LIVRE Prof. Emanuel Matos Sumário Unidade I Principais tecnologias da rede digital Computação cliente/servidor Comutação de pacotes TCP/IP Sistemas de informação

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Conceitos básicos de comunicação de dados e redes de computadores

Conceitos básicos de comunicação de dados e redes de computadores Conceitos básicos de comunicação de dados e redes de computadores Nesta aula vamos ver o conceito de informática e comunicação de dados, conhecer noções teleprocessamento e de rede de computadores e obter

Leia mais

Tecnologia ao seu dispor

Tecnologia ao seu dispor Tecnologia ao seu dispor EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE 1987 Janeiro Fundação como empresa de prestação de serviços na área da electrónica e Centro de Assistência Técnica para o Sul do País de um fabricante de

Leia mais