REDE SOCIAL DA MURTOSA CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL NÚCLEO EXECUTIVO DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DA MURTOSA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REDE SOCIAL DA MURTOSA CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL NÚCLEO EXECUTIVO DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DA MURTOSA"

Transcrição

1 1 REDE SOCIAL DA MURTOSA CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL NÚCLEO EXECUTIVO DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DA MURTOSA MURTOSA, DEZEMBRO DE 2006

2 2 PROGRAMA REDE SOCIAL DO CONCELHO DA MURTOSA DIAGNÓSTICO SOCIAL NÚCLEO EXECUTIVO: CÂMARA MUNICIPAL DA MURTOSA CENTRO DISTRITAL DE SEGURANÇA SOCIAL DE AVEIRO SERVIÇO LOCAL DA MURTOSA CENTRO SOCIAL PAROQUIAL SANTA MARIA DA MURTOSA GRUPO MUSICAL BUNHEIRENSE JUNTA DE FREGUESIA DO BUNHEIRO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DA MURTOSA MURTOSA, DEZEMBRO DE 2006

3 3 CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DA MURTOSA: 1. Câmara Municipal da Murtosa 2. Centro Distrital de Segurança Social Serviço Local da Murtosa 3. Santa Casa da Misericórdia da Murtosa 4. Centro Social Paroquial Santa Maria da Murtosa 5. Junta de Freguesia do Bunheiro 6. I.E.F.P. Centro de Emprego de Aveiro 7. Centro de Saúde da Murtosa 8. Guarda Nacional Republicana 9. Escola Básica Integrada da Torreira 10. ASFITA Associação Filantrópica da Torreira 11. Junta de Freguesia da Torreira 12. Grupo Caritas de Pardelhas 13. Associação dos Bombeiros Voluntários da Murtosa 14. Junta de Freguesia da Murtosa 15. Associação de Pais e Encarregados de Educação de Pardelhas 16. Associação Náutica da Torreira 17. Centro Social e Paroquial do Bunheiro 18. Rancho Folclórico Os Camponeses da Beira-Ria 19. Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Pré-Primária e Primária do Monte 20. Associação Desportiva e Recreativa das Quintas 21. Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola E.B. 2/3 Pe. António Morais da Fonseca Murtosa 22. Grupo Musical Bunheirense 23. Rancho Folclórico Infantil As Andorinhas de São Silvestre

4 4 24. Agrupamento de Escolas da Murtosa 25. Agrupamento 190 do C.N.E. Murtosa 26. Comissão de Protecção Crianças e Jovens da Murtosa 27. Instituto de Reinserção Social de Aveiro 28. Rede Europeia Anti-Pobreza/Portugal (REAPN) Núcleo de Aveiro 29. Ensino Recorrente e Educação Extra-Escolar da Murtosa 30. Fundação Bissaya Barreto 31. Conferência de S. Vicente de Paulo do Monte 32. Associação Cultural Bunheirense 33. Centro de Atendimento a Toxicodependentes de Aveiro 34. SEMA Associação Empresarial 35. Clube Nacional de Paramotor 36. Casa do Benfica da Murtosa 37. Associação dos Amigos da Ria e do Barco Moliceiro 38. Coro de Santa Maria da Murtosa

5 5 INDICE GERAL PÁG. INDICE GERAL 5 INDICE DE FIGURAS, QUADROS E GRÁFICOS 6 SIGLAS 9 INTRODUÇÃO 10 A REDE SOCIAL DA MURTOSA: PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO 14 O CONCELHO DA MURTOSA: BREVE CARACTERIZAÇÃO 16 CARACTERIZAÇÃO FÍSICA 17 BUNHEIRO 19 MONTE 20 MURTOSA 21 TORREIRA 22 ANÁLISE COMPARATIVA DAS FREGUESIAS 23 PROBLEMÁTICAS IDENTIFICADAS NO CONCELHO 25 AS ÁREAS PROBLEMÁTICAS 30 FAMÍLIA E COMUNIDADE 31 DESEMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL 57 SAÚDE 70 HABITAÇÃO 82 EDUCAÇÃO 87 CONCLUSÃO FINAL 106

6 6 INDICE DE FIGURAS, QUADROS E GRÁFICOS Figura 1 Localização do Distrito de Aveiro e do Concelho da Murtosa 16 Figura 2 Concelho da Murtosa e suas Freguesias 16 Quadro 1 Caracterização do Concelho da Murtosa 17 Quadro 2 Caracterização da freguesia do Bunheiro 19 Quadro 3 Caracterização da freguesia do Monte 20 Quadro 4 Caracterização da freguesia da Murtosa 21 Quadro 5 Caracterização da freguesia da Torreira 22 Quadro 6 Análise comparativa entre as freguesias 23 Quadro 7 Equipamentos Sociais Existentes no Concelho 31 Quadro 8 Valências de Creche no Concelho 33 Quadro 9 Valências de Jardim-de-Infância do Concelho 34 Quadro 10 Valência de ATL do Concelho 35 Quadro 11 Valência de Lar de Idosos do Concelho 37 Quadro 12 Valência de Centro de Dia no Concelho 37 Quadro 13 Valência de SAD no Concelho 38 Quadro 14 Gabinete de Apoio à Família e Comunidade (CSPSMM) 42 Quadro 15 Projectos do CSPSMM 43 Quadro 16 Projectos da SCMM 44 Gráfico 1 Distribuição Processual por Freguesia 46 Gráfico 2 Sinalização e Participação da situação 47 Gráfico 3 Distribuição das crianças acompanhadas pela CPCJ, por idades 47 Gráfico 4 Distribuição das crianças acompanhadas segundo a escolaridade 48 Quadro 17 Naturalidade das crianças acompanhadas 48 Gráfico 5 Razões da Intervenção da CPCJ 48 Quadro 18 Caracterização dos agregados 49 Gráfico 6 Tipos de agregados 49 Gráfico 7 Situação habitacional 50 Gráfico 8 Escolaridade do agregado familiar 50 Gráfico 9 Situação profissional/rendimentos dos membros do agregado 51 Gráfico 10 Processos/medidas aplicadas 51 Quadro 19 Acordos de inserção 52 Quadro 20 Acções de Inserção assinadas por área de intervenção 52 Quadro 21 Violência Doméstica nas freguesias, segundo o sexo e idade da Vítima e do agressor 53 Quadro 22 Crimes de Violência Doméstica, segundo o sexo/idade da vítima 54 Quadro 23 Taxa de desemprego (sentido lato) em 1991 e Gráfico 11 Número de desempregados no concelho ( ) 58 Gráfico 12 Desemprego no Concelho da Murtosa sexo 59 Gráfico 13 Desemprego no Concelho da Murtosa jovem/adulto 59 Gráfico 14 Desemprego no Concelho da Murtosa faixa etária 60 Quadro 24 População residente empregada por sector de actividade e sexo 61 Quadro 25 Empresas do Concelho da Murtosa associadas à SEMA 63

7 7 Quadro 26 Tipologia das empresas segundo o CAE 64 Quadro 27 Formação Profissional no Concelho 65 Quadro 28 População Residente e Inscrita por Médico de Família 71 Quadro 29 Número de utentes inscritos nas consultas de alcoolismo, por freguesia e sexo 73 Gráfico 15 Número de inscritos nas consultas de alcoolismo, por freguesia 73 Gráfico 16 Número de inscritos nas consultas de alcoolismo, por faixa etária 73 Gráfico 17 Situação profissional dos inscritos nas consultas de alcoolismo 74 Quadro 30 Situação perante as consultas de alcoolismo 74 Gráfico 18 Sexo dos utentes inscritos no CAT de Aveiro 76 Gráfico 19 Freguesia de residência dos utentes inscritos no CAT de Aveiro 76 Gráfico 20 Estado civil dos utentes inscritos no CAT de Aveiro 77 Gráfico 21 Escolaridade dos utentes inscritos no CAT de Aveiro 77 Gráfico 22 Situação laboral dos utentes inscritos no CAT de Aveiro 77 Gráfico 23 Idade à data da 1.ª consulta dos utentes inscritos no CAT/Aveiro 77 Gráfico 24 Sexo dos utentes activos em 2006, no CAT de Aveiro 78 Gráfico 25 Freguesia de residência dos utentes activos em 2006, no CAT de Aveiro 78 Gráfico 26 Estado civil dos utentes activos em 2006, no CAT de Aveiro 78 Gráfico 27 Escolaridade dos utentes activos em 2006, no CAT de Aveiro 78 Gráfico 28 Situação laboral dos utentes activos em 2006, no CAT de Aveiro 78 Gráfico 29 Idade à data da 1.ª consulta dos utentes activos em 2006, no CAT de Aveiro 78 Gráfico 30 Número de indivíduos toxicodependentes acompanhados pelo C.S. da Murtosa 79 Gráfico 31 Número de indivíduos toxicodependentes acompanhados pelo C.S. da Murtosa, por faixa etária 79 Quadro 31 Construção 83 Gráfico 32 Número de contadores instalados por freguesia 83 Gráfico 33 Número de casa ligadas à rede de saneamento 85 Quadro 32 Abandono e Insucesso Escolar, por ano lectivo 91 Quadro 33 Abandono e Insucesso 2001/ Quadro 34 Abandono e Insucesso Escolar 2002/ Quadro 35 Abandono e Insucesso Escolar 2003/ Quadro 36 Abandono e Insucesso Escolar 2004/ Quadro 37 Abandono e Insucesso Escolar 2005/ Quadro 38 Abandono e Insucesso escolar 2001/ Quadro 39 Abandono e Insucesso escolar 2002/ Quadro 40 Abandono e Insucesso escolar 2003/ Quadro 41 Abandono e Insucesso escolar 2004/ Quadro 42 Abandono e Insucesso escolar 2004 / Quadro 43 Abandono e Insucesso escolar 2005/ Quadro 44 Abandono e Insucesso escolar 2005/ Quadro 45 Abandono e Insucesso escolar 2001/

8 8 Quadro 46 Abandono e Insucesso escolar 2002/ Quadro 47 Abandono e Insucesso Escolar 2003/ Quadro 48 Abandono e Insucesso escolar 2003/ Quadro 49 Abandono e Insucesso Escolar 2004/ Quadro 50 Abandono e Insucesso escolar 2004/ Quadro 51 Abandono e Insucesso Escolar 2005/ Quadro 52 Abandono e Insucesso escolar 2005/ Quadro 53 Progressão para o Ensino Secundário, por ano lectivo 103 Gráfico 34 Progressão para o Ensino Secundário 103 Quadro 54 Progressão para o Ensino Secundário, por ano lectivo Torreira 103 Gráfico 35 Progressão para o Ensino Secundário Torreira 104

9 9 SIGLAS ASFITA Associação Filantrópica da Torreira ATL Actividade de Tempos Livres CAE Código de Actividade Económica CAFAP Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental CARA Centro de Alcoólicos Recuperados de Aveiro CAT Centro de Atendimento a Toxicodependentes CDSS Centro Distrital de Segurança Social CEF Cursos de Educação e Formação CLAS Conselho Local de Acção Social CMM Câmara Municipal da Murtosa CPCJ Comissão de Protecção de Crianças e Jovens CRAC Centro de Recuperação de Alcoologia do Centro EBI Escola Básica Integrada GNR Guarda Nacional Republicana IEFP Instituto de Emprego e Formação Profissional INE Instituto Nacional de Estatística INH Instituto Nacional da Habitação IPSS Instituição Particular de Solidariedade Social PAII Programa de Apoio Integrado a Idosos PEETI Prevenção e Eliminação da Exploração do Trabalho Infantil PIEF Programa Integrado de Educação e Formação PNAI Plano Nacional de Acção para a Inclusão REAPN Rede Europeia Anti-Pobreza Nacional RSI Rendimento Social de Inserção RVCC Reconhecimento, Validação, Certificação de Competências SAD Serviço de Apoio Domiciliário SAP Serviço de Atendimento Permanente SCMM Santa Casa da Misericórdia da Murtosa SEMA Sever do Vouga, Estarreja, Murtosa e Albergaria (Associação Empresarial de)

10 10 INTRODUÇÃO O presente documento foi elaborado na sequência da adesão do Município da Murtosa, em Maio de 2005, ao Programa da Rede Social, criado em Novembro de 1997, através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 197/97. Pretende-se neste trabalho, dar a conhecer em todas as vertentes, o Concelho da Murtosa, tendo sempre como preocupação principal a sua população e a forma como vive os diferentes contextos, do Económico ao Social. Aliás, o Social encerra em si mesmo uma pluralidade, um conjunto de circunstâncias determinantes do modo de estar, de viver, de cada indivíduo ou de cada grupo, em cada momento, consoante o estádio da envolvente em que se insere. O objectivo deste trabalho é portanto apresentar o Diagnóstico do Concelho, completando o Pré-Diagnóstico, já elaborado e documentado. O Diagnóstico, como a palavra indica, significa determinar uma situação, a partir dos dados que se conhecem e que possam influenciá-la. Ora foi exactamente a procura de dados, a sua obtenção e análise que permitiu o conhecimento que hoje temos e que podemos apresentar e utilizar. A sua utilização será feita, então, no sentido da melhoria das condições de vida das populações do Concelho, através da concretização de eventuais projectos, no âmbito da Rede Social, de acordo com os problemas definidos.

11 11 Assim sendo, e partindo do princípio básico de que a população constitui o objectivo do trabalho, também ela tem de ser parte integrante desse mesmo trabalho. Temos portanto, obrigatoriamente, de envolvê-la. As propostas de solução dos problemas têm de partir de quem os tem, de quem os sente. A população tem de ter, ela própria, forçosamente, um papel. Tem de ser actor e autor da sua mudança, da sua evolução. Sendo autor, ainda que em parceria, tem que estar presente na concepção de qualquer projecto que lhe seja destinado. Como actor, tem que representar o seu papel nas diferentes fases do projecto em desenvolvimento. Perante o conceito que perfilhamos e de que demos conhecimento, é lógica a metodologia de trabalho que seguimos na obtenção dos dados que permitiram o Diagnóstico Social do Concelho da Murtosa. Neste contexto, adoptámos a metodologia participativa directa e indirecta. Esta, através do contributo do CLAS, com o preenchimento de um impresso, por cada um dos parceiros, para identificação das entidades representadas, assim como para partilharem o conhecimento que detêm da população que envolvem. Após a recolha dos dados solicitados, houve o Plenário do CLAS, no qual o Núcleo Executivo apresentou um tratamento que deles fez, para discussão e análise. Houve ainda outras reuniões com o CLAS que se dividiu em dois grupos, com o objectivo de identificar problemas, a partir do conhecimento empírico de cada um. Estas reuniões contaram com a presença de um facilitador externo que as conduziu, utilizando a metodologia da Nuvem de Problemas.

12 12 As conclusões de cada grupo foram postas em comum, em Plenário, também ele moderado pelo mesmo facilitador externo. A participação directa envolveu a população das quatro freguesias do Concelho, em sessões públicas levadas a cabo, em salas bem localizadas relativamente às acessibilidades e disponibilizadas por Entidades Parceiras. Houve uma divulgação prévia dos objectivos, das datas, locais e horas das reuniões, através dos membros do próprio CLAS, dos Párocos, nas suas Homilias de Domingo e também de cartazes estrategicamente colocados, assim como de panfletos espalhados pelos recintos públicos mais frequentados. Esta metodologia de trabalho foi aprovada por unanimidade em Plenário do CLAS, após discussão e votação. Nesta mesma reunião foram propostas datas, locais e horas para a realização das sessões em apreço. A discussão e aprovação de propostas de trabalho pelo CLAS não é mais do que o desenvolvimento da filosofia da Rede Social que assenta no conceito de parceria alargada, tal como é referido no art. 3º -2 do Decreto-Lei n.º 115/206. Este conceito determina o mesmo nível de participação de todos os parceiros, em todas as fases do processo, o que leva a que nada deva, nem possa ser feito sem o consenso do CLAS. Estabelece portanto a igualdade de todos os parceiros.

13 13 De facto, a união de esforços é fundamental para o êxito de qualquer iniciativa que tenha por objectivo a melhoria de condições de desenvolvimento de uma população. No processo vertente, é ainda de referir a importância da Rede Social na implementação de qualquer projecto de intervenção social no Concelho da Murtosa. É também de salientar que o Diagnóstico adiante apresentado se refere à actualidade e que, assente como é, na pessoa humana e sua envolvência, sistematicamente em mutação, estará sujeito a posteriores actualizações. O Diagnóstico não é portanto um trabalho estanque, conceito que deve estar sempre subjacente a qualquer intervenção social.

14 14 A REDE SOCIAL DA MURTOSA: PROCESSO DE IMPLEMENTAÇÃO A Rede Social da Murtosa começou efectivamente em Fevereiro de Foram realizados alguns contactos que tinham por objectivo sensibilizar potenciais parceiros a aderirem ao Conselho Local de Acção Social (CLAS). O Núcleo Dinamizador, anteriormente constituído, procedeu à elaboração de uma proposta de Regulamento Interno do CLAS. A 22 de Março de 2006 realizou-se o primeiro Plenário do CLAS, onde se constituiu o CLAS da Murtosa, se votou e aprovou o Regulamento Interno do CLAS e se constituiu o Núcleo Executivo. De Abril a Julho, o Núcleo Executivo recolheu informação para a elaboração do Pré-Diagnóstico Social do concelho da Murtosa. Para a sua elaboração o Núcleo Executivo contou com a disponibilidade e colaboração de diversos organismos e instituições (na sua maioria parceiros do CLAS, mas nem sempre), que detinham essas mesmas informações e que as disponibilizaram, de modo a chegar-se a um retrato do concelho o mais completo e fidedigno possível. No segundo Plenário do CLAS da Murtosa, a 28 de Julho de 2006, foi aprovado por unanimidade o Pré-Diagnóstico Social do concelho da Murtosa. Aprovado e entregue o Pré-Diagnóstico Social, o Núcleo Executivo passou à concretização da fase seguinte: o Diagnóstico Social.

15 15 Após a definição da metodologia a utilizar para a elaboração deste documento, convidou-se um Facilitador Externo que pudesse dinamizar a sessão dos grupos do CLAS. Para melhor organização, dividiram-se os parceiros do CLAS em dois grupos, que funcionaram no mesmo dia (4 de Outubro), mas em horários diferentes das 14h às 16:30h e das 17h às 19:30h com os quais foi utilizado a metodologia da Nuvem de Problemas, cujo objectivo seria a identificação dos problemas do Concelho. O terceiro Plenário do CLAS da Murtosa, a 10 de Outubro de 2006, iniciou-se com a conclusão dos trabalhos do dia 4 de Outubro, em que se agruparam os problemas encontrados pelos dois grupos, por problemáticas. Neste mesmo Plenário foi discutida e aprovada por unanimidade a realização de um Concurso para a criação do Logótipo da Rede Social e a realização de sessões públicas com a população das quatro freguesias do Concelho, com a mesma metodologia e objectivos destas sessões com o CLAS, mas com a certeza que se identificaria outro tipo de problemas. Após a realização das sessões referidas, o Núcleo Executivo debruçou-se sobre a informação recolhida, para a elaboração deste mesmo documento.

16 16 O CONCELHO DA MURTOSA: BREVE CARACTERIZAÇÃO A vila da Murtosa é sede de um dos concelhos do distrito de Aveiro e pertence à Região Centro de Portugal, no Baixo Vouga (Beira Litoral). Figura 1 Localização do Distrito de Aveiro e do Concelho da Murtosa Confina a Norte com o concelho de Ovar, a Sul com Aveiro, a Este com Estarreja, a Sueste com Albergaria-a-Velha e a Oeste com o Oceano Atlântico. A sua área geográfica é de 73,3 Km 2. Constituem o concelho 4 freguesias:. Bunheiro, Monte, Murtosa e Torreira. Figura 2 Concelho da Murtosa e suas Freguesias

17 17 CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DO CONCELHO Quadro 1 Caracterização do Concelho da Murtosa Indicador Valor Unidade Período Área Total 73,3 Km Freguesias 4 N.º 2003 Densidade Populacional 131,7 Hab/Km População Residente HM Indivíduos 2001 População Residente H Indivíduos 2001 População Residente M Indivíduos 2001 População Presente HM Indivíduos 2001 População Presente H Indivíduos 2001 População Presente M Indivíduos 2001 População Residente HM Indivíduos 1991 População Residente H Indivíduos 1991 População Residente M Indivíduos 1991 Nados Vivos HM 103 N.º 2004 Óbitos HM 129 N.º 2004 Fonte: (Retrato Territorial, 2004) Partindo da análise do quadro 1, que nos retrata a caracterização do concelho da Murtosa, podemos constatar que a área do concelho se estende por um total de 73,3 Km 2, englobando no seu território quatro freguesias e tendo uma densidade populacional de 131,7 hab/ Km 2. O Censos de 1991 diz que a população residente no concelho da Murtosa é de indivíduos, dos quais do sexo masculino e do feminino. Estes números reportam-se a indivíduos que, independentemente de no momento de observação estarem presentes ou ausentes numa determinada unidade de alojamento, aí habitam a maior parte do ano com a família ou aí detêm a totalidade ou a maior parte dos seus haveres 1. 1 Definição do Instituto Nacional de Estatística para População Residente.

18 18 Em 2001, a população residente do concelho da Murtosa é de indivíduos, dos quais 4518 são do sexo masculino e do feminino. Em relação à população presente 2 no concelho, em 2001, esta é de indivíduos, dos quais são do sexo masculino e do sexo feminino. Podemos assim concluir que num período de 10 anos, houve um decréscimo da população, que no total é de cerca de 1,3%. Assim, em 1991 era de 9 597, em 2001 é de indivíduos. No ano de 2004, houve o registo de 103 nados vivos e 129 óbitos, o que faz com que o crescimento natural do concelho seja negativo (menos 26 indivíduos). 2 Segundo a definição do INE, entende-se por População Presente o número de indivíduos que no momento censitário se encontravam numa unidade de alojamento, mesmo que aí não residam.

19 19 CARACTERIZAÇÃO DAS FREGUESIAS: Freguesia do Bunheiro Quadro 2 Caracterização da freguesia do Bunheiro Freguesia: Bunheiro Designação Valor Unidade Período Área Total 24,8 Km Densidade Populacional 109 Hab/Km População Residente HM 2707 Indivíduos 2001 População Residente H 1295 Indivíduos 2001 População Residente M Indivíduos 2001 População Presente HM 2661 Indivíduos 2001 População Presente H 1263 Indivíduos 2001 População Presente M 1398 Indivíduos 2001 Nados Vivos HM 34 N.º 2001 Nados Vivos H 13 N.º 2001 Óbitos HM 37 N.º 2001 Óbitos H 22 N.º 2001 Fonte: (Retrato Territorial, 2004) A freguesia do Bunheiro tem uma área de 24,8 Km 2 e uma densidade populacional de 109 hab/km 2. A população residente, em 2001, é de indivíduos: do sexo masculino e do sexo feminino. Relativamente à população presente no momento censitário esta é de indivíduos, dos quais 1263 são do sexo masculino e 1398 do sexo feminino. Da análise destes dados podemos concluir que comparativamente à população residente, a população presente é menor, assim como prevalecem nesta freguesia indivíduos do sexo feminino. Na freguesia do Bunheiro, em 2001 registaram-se 34 nados vivos, 13 dos quais do sexo masculino. Registaram-se também 37 óbitos, dos quais 22 do sexo masculino. Podemos dizer então que no ano de

20 , o crescimento natural da população da freguesia foi negativo, uma vez que o número de óbitos é superior ao dos nados vivos. Freguesia do Monte Quadro 3 Caracterização da freguesia do Monte Freguesia: Monte Designação Valor Unidade Período Área Total 2,3 Km Densidade Populacional 488,2 Hab/Km População Residente HM 1116 Indivíduos 2001 População Residente H 514 Indivíduos 2001 População Residente M 602 Indivíduos 2001 População Presente HM 1069 Indivíduos 2001 População Presente H 492 Indivíduos 2001 População Presente M 577 Indivíduos 2001 Nados Vivos HM 19 N.º 2001 Nados Vivos H 11 N.º 2001 Óbitos HM 23 N.º 2001 Óbitos H 13 N.º 2001 Fonte: (Retrato Territorial, 2004) A freguesia do Monte compreende uma área de 2,3 Km 2 e uma densidade populacional de 488,2 hab/km 2. A população residente, em 2001, é de indivíduos, dos quais 514 do sexo masculino e 602 do sexo feminino. Relativamente à população presente no momento censitário esta é de indivíduos, dos quais 492 do sexo masculino e 577 do sexo feminino. Da análise destes dados podemos concluir que a população residente é superior à população presente, assim como é superior o número de indivíduos do sexo feminino. Em 2001, na freguesia do Monte, registaram-se 19 nados vivos, dos quais 11 do sexo masculino. O registo de óbitos é de 23 indivíduos, dos quais 13 do sexo masculino. Podemos dizer então que no ano de

21 o crescimento natural da população da freguesia foi negativo, uma vez que o número de óbitos é superior ao dos nados vivos. Freguesia da Murtosa Quadro 4 Caracterização da freguesia da Murtosa Freguesia: Murtosa Designação Valor Unidade Período Área Total 14,8 Km Densidade Populacional 212,6 Hab/Km População Residente HM 3140 Indivíduos 2001 População Residente H 1443 Indivíduos 2001 População Residente M Indivíduos 2001 População Presente HM 3000 Indivíduos 2001 População Presente H 1346 Indivíduos 2001 População Presente M Indivíduos 2001 Nados Vivos HM 41 N.º 2001 Nados Vivos H 25 N.º 2001 Óbitos HM 66 N.º 2001 Óbitos H 31 N.º 2001 Fonte: (Retrato Territorial, 2004) A freguesia da Murtosa compreende uma área de 14,8 Km 2 e tem uma densidade populacional de 212,6 hab/km 2. A população residente, em 2001, é de indivíduos: destes são do sexo masculino e do sexo feminino. A população presente no momento censitário é de indivíduos, dos quais 1346 do sexo masculino e do sexo feminino. Da análise destes dados concluímos que a população residente é menor do que a população presente, e é maior também o número de indivíduos do sexo feminino.

22 22 Em 2001, na freguesia da Murtosa, registaram-se 41 nados vivos, dos quais 25 do sexo masculino. Foram registados 66 óbitos, dos quais 31 do sexo masculino. Podemos dizer então que no ano de 2001 o crescimento natural da população da freguesia foi negativo, uma vez que o número de óbitos é superior ao dos nados vivos. Freguesia da Torreira Quadro 5 Caracterização da freguesia da Torreira Freguesia: Torreira Designação Valor Unidade Período Área Total 31,5 Km Densidade Populacional 79,3 Hab./Km População Residente HM 2495 Indivíduos 2001 População Residente H 1266 Indivíduos 2001 População Residente M Indivíduos 2001 População Presente HM 2375 Indivíduos 2001 População Presente H 1157 Indivíduos 2001 População Presente M Indivíduos 2001 Famílias Clássicas Residentes 788 n.º 2001 Nados Vivos HM 38 n.º 2001 Nados Vivos H 27 n.º 2001 Óbitos HM 21 n.º 2001 Óbitos H 11 n.º 2001 Fonte: (Retrato Territorial, 2004) A freguesia da Torreira tem uma área de 31,5 Km 2 e uma densidade populacional de 79,3 hab/km 2. A população residente, em 2001, é de indivíduos, sendo que são do sexo masculino e do sexo feminino. A população presente no momento censitário é de indivíduos, dos quais são do sexo masculino e 1218 do sexo feminino.

23 23 Da análise destes dados podemos concluir que a população residente é maior do que a população presente, e que a população masculina é mais numerosa do que a feminina, respectivamente e No entanto, no momento censitário (população presente), há uma inversão numérica no que respeita o género, uma vez que se registam mais indivíduos do sexo feminino do que do sexo masculino, respectivamente 1218 e Em 2001 registaram-se 38 nados vivos, dos quais 27 do sexo masculino. Os óbitos foram 21, dos quais 11 do sexo masculino. Podemos dizer então que no ano de 2001 o crescimento natural da população da freguesia foi positivo, uma vez que o número de nados vivos é superior ao dos óbitos, situação esta que difere de todas as outras freguesias do concelho da Murtosa. ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE FREGUESIAS Quadro 6 Análise comparativa entre as freguesias Freguesias Área Total Densidade População Residente (km 2 ) Populacional HM Bunheiro 24, Monte 2,3 488, Murtosa 14,8 212, Torreira 31,5 79, Total 73,4 131, Fonte: (Retrato Territorial, 2004) O concelho da Murtosa ocupa no conjunto das suas 4 freguesias uma área total de 73,4 km 2. A freguesia com maior área total é a Torreira, com 31,5 km 2, seguindo-se por ordem decrescente a freguesia do Bunheiro, Murtosa e Monte.

24 24 A densidade populacional do concelho é de 131,7 hab/km 2. A freguesia com maior densidade populacional é o Monte, seguindo-se, também por ordem decrescente, a Murtosa, Bunheiro e Torreira. Pelos dados apresentados, verifica-se que à freguesia com maior área geográfica Torreira corresponde a menor densidade populacional e que à freguesia com menor área geográfica Monte corresponde a maior densidade populacional. As freguesias do Bunheiro e da Murtosa invertem as suas posições na correspondência entre a área geográfica e a densidade populacional.

25 25 ÁREAS PROBLEMÁTICAS IDENTIFICADAS NO CONCELHO Para a identificação dos problemas e problemáticas do concelho da Murtosa, foram utilizadas metodologias participativas, assentes na estratégia participada de planeamento. Primeiro convocaram-se todos os parceiros do CLAS a participar nas duas Sessões de Trabalho para o Diagnóstico. Para a dinamização destas sessões convidou-se para o papel de facilitador externo, que tal como a denominação indica, é um elemento externo ao CLAS e ao concelho: a Dra. Marina Nunes, Coordenadora Técnica da Rede Social de Vila Nova de Gaia. Para a realização da primeira sessão dividiu-se o CLAS em dois grupos, consoante a disponibilidade dos parceiros para os horários de realização das ditas sessões. O primeiro grupo foi constituído pelos seguintes parceiros: CDSS Serviço Local da Murtosa Santa Casa da Misericórdia da Murtosa Centro de Saúde da Murtosa Guarda Nacional Republicana Escola Básica Integrada da Torreira Grupo Cáritas de Pardelhas Associação Desportiva e Recreativa das Quintas CPCJ da Murtosa Fundação Bissaya Barreto CAT Aveiro

26 26 SEMA IEFP Centro de Emprego Centro Social Paroquial Santa Maria da Murtosa Junta de Freguesia da Murtosa Câmara Municipal da Murtosa. O segundo grupo tinha como elementos: Junta de Freguesia da Torreira Associação de Pais e Encarregados de Educação de Pardelhas Associação Náutica da Torreira Centro Social Paroquial do Bunheiro Rancho Folclórico Os Camponeses da Beira-Ria Associação de Pais e Encarregados de Educação do Monte Rancho Folclórico Infantil As Andorinhas de S. Silvestre Associação Cultural Bunheirense Grupo Musical Bunheirense Agrupamento de Escolas da Murtosa Conferência de S. Vicente de Paulo do Monte ASFITA Associação Filantrópica da Torreira Para a dinamização destas sessões, a Dra. Marina utilizou como metodologia a Nuvem de Problemas. A utilização desta metodologia permitiu que todos participassem com a sua opinião, anonimamente, não havendo portanto qualquer constrangimento na identificação dos problemas por parte dos presentes. À medida que se iam enumerando os problemas, os mesmos foram definidos em conjunto, para que não existissem dúvidas sobre o seu significado.

27 27 Seguidamente foi distribuído pelos presentes um conjunto de autocolantes, que deveriam ser colocadas sobre os problemas que cada um considerava mais prioritários e mais visíveis. Os problemas identificados pelo primeiro grupo foram: Abandono Escolar 13 Desemprego 13 Habitação 13 Alcoolismo 13 O segundo grupo identificou como problemas: Falta de emprego 6 Habitação 6 Abandono Escolar 5 Insucesso escolar 4 Não valorização da escola 4 Demissão da responsabilidade 4 Numa segunda sessão, na qual já estiveram presentes os dois grupos, foram agrupados todos os problemas identificados por problemáticas: Educação: Abandono escolar; Insucesso escolar; Desvalorização da escola; Educação resistência à mudança; Desmotivação pela aprendizagem escolar; Falta de apoio na educação especial;

28 28 Família: Disfunção familiar; Violência doméstica; Má orientação económica; Demissão da responsabilidade; Falta de educação parental e pessoal; Isolamento da 3.ª idade; Alcoolismo; Habitação: Habitação social; Emprego e qualificação profissional Entendendo o Núcleo Executivo que a mesma metodologia deveria ser utilizada com a população do concelho por freguesias, levou esta proposta ao Plenário, tendo sido a mesma aprovada por unanimidade, pelos presentes. Desta forma, divulgou-se a realização de sessões junto da população das 4 freguesias. Em cada uma das sessões estiveram presentes membros do N.E. com o objectivo da dinamização dos trabalhos. A metodologia utilizada foi basicamente a mesma. No entanto, tentou-se apelar mais à participação e discussão entre os presentes, não só na identificação dos problemas, como também das problemáticas, causas, consequências e possíveis soluções. Os problemas identificados pela população das freguesias foram:

REDE SOCIAL DA MURTOSA CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL NÚCLEO EXECUTIVO DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DA MURTOSA

REDE SOCIAL DA MURTOSA CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL NÚCLEO EXECUTIVO DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DA MURTOSA 1 REDE SOCIAL DA MURTOSA CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL NÚCLEO EXECUTIVO DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DA MURTOSA rede.social@cm-murtosa.pt MURTOSA, DEZEMBRO DE 2006 2 PROGRAMA REDE SOCIAL DO CONCELHO

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5

NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4. Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 INDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 DESENHO E MONTEGEM DAS ACÇÕES...4 Eixo de Desenvolvimento 1: Situações de Risco Social... 5 Eixo de Desenvolvimento 2: Empregabilidade de Formação Profissional... 13 Eixo

Leia mais

PRÉ-DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DA MURTOSA

PRÉ-DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DA MURTOSA REDE SOCIAL DA MURTOSA CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DA MURTOSA NÚCLEO EXECUTIVO PRÉ-DIAGNÓSTICO SOCIAL DO CONCELHO DA MURTOSA MURTOSA, JULHO DE 2006 PROGRAMA REDE SOCIAL DO CONCELHO DA MURTOSA PRÉ-DIAGNÓSTICO

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram

Leia mais

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 1 1. ÁREA DE INTERVENÇÃO ACÇÃO SOCIAL Promover a integração social dos grupos socialmente mais vulneráveis * Romper

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade

Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Projecto GPS Gabinete de Proximidade para a Sustentabilidade Actividade Formativa - Intervenção Comunitária Data - 1 de Abril de 2009 Local Auditório do Edifício Cultural Município de Peniche Participação:

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

Plano de Ação MARÇO DE 2014

Plano de Ação MARÇO DE 2014 Plano de Ação 2014 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Ação do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram neste documento os seguintes autores:

Leia mais

Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2. Constituição do Núcleo Executivo 4. Nota Introdutória 5

Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2. Constituição do Núcleo Executivo 4. Nota Introdutória 5 ÍNDICE Constituição dos Orgãos da Rede Social do Concelho de Valpaços 2 Constituição do 4 Nota Introdutória 5 Eixo I Envelhecimento Populacional 7 Eixo II Qualificação e Integração Escolar e Sócio-Profissional

Leia mais

INDICADORES TERRITORIAIS

INDICADORES TERRITORIAIS Nº de Freguesias: 24 INDICADORES TERRITORIAIS Tipologia das Freguesias (segundo a Tipologia de Áreas Urbanas): * Amares - Área Predominantemente Urbana * Barreiros - Área Medianamente Urbana * Besteiros

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO 2011

AVALIAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO 2011 AVALIAÇÃO DO PLANO DE ACÇÃO 2011 Eixo de Desenvolvimento I: Emprego/Desemprego Desenvolver medidas com vista à redução do desemprego, ao aumento da estabilidade no emprego e facilitadores do ingresso dos

Leia mais

REDE SOCIAL CONCELHO DA MARINHA GRANDE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Definido 5 anos

REDE SOCIAL CONCELHO DA MARINHA GRANDE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Definido 5 anos REDE SOCIIAL CONCELHO DA MARIINHA GRANDE 2010 PLANO DE SOCIAL Dezembro 2010 a Dezembro 2015 Rede Social 1 No âmbito da Lei que regulamenta a Rede Social, de acordo com o ponto 1, do artigo n.º36, do capítulo

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Denominação, Sede e Âmbito 1. O Conselho Local de Acção Social do Concelho de

Leia mais

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa Centro Social Paroquial de Lustosa Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa 1. Identificação da Instituição: Centro Social Paroquial de Lustosa, NPC: 502431440, com sede em Alameda

Leia mais

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central

Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Comissão Social Inter Freguesias da Zona Central Regulamento Interno Preâmbulo O Regulamento Interno estabelece a constituição, organização e funcionamento da Comissão Social Inter Freguesia da Zona Central,

Leia mais

Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010. Conselho Local de Acção Social de Monção. Conselho Local de Acção Social de Monção

Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010. Conselho Local de Acção Social de Monção. Conselho Local de Acção Social de Monção Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010 Conselho Local de Acção Social de Monção Conselho Local de Acção Social de Monção CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE MONÇÃO Actualmente a Rede Social de Monção

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência.

1.1.1.1. Objectivo Especifico Garantir que os alunos de 1.º e 2.º Ciclo assistam a acções de prevenção primária da toxicodependência. Conselho Local de Acção Social de de Ourique Cuba Plano de Acção 2008 - Rede Social Programação Anual. Prioridade Promover a melhoria das condições de vida das crianças, dos idosos e das famílias através

Leia mais

Rede Social. Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012

Rede Social. Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012 Rede Social Conselho Local de Ação Social do Entroncamento PLANO DE AÇÃO 2012 2012 Índice Introdução... 3 1 - Eixo de Intervenção Famílias... 5 2 - Eixo de Intervenção Educação e Cidadania... 8 3- Eixo

Leia mais

CLAS de Melgaço Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013

CLAS de Melgaço Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013 1 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013 2 ÍNDICE NOTA PRÉVIA Enquadramento e contextualização geográfica e temporal 3 Percurso dos documentos estratégicos 3 Metodologias utilizadas

Leia mais

Rede Social. Ourique

Rede Social. Ourique Rede Social Ourique Ficha Técnica Título: Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Ourique Autoria: Núcleo Executivo da Rede Social de Ourique Agrupamento Vertical de Escolas de Ourique Centro de

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Fórum de Boas Práticas

Fórum de Boas Práticas Câmara Municipal de Torres Vedras Sandra Colaço Fórum de Boas Práticas Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 28 de Outubro de 2009 TORRES VEDRAS População -72 259(2001) Área 407 Km2 O concelho no país Na

Leia mais

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Maio de 2011 Preâmbulo As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa

Leia mais

Regulamento. Sorriso Solidário

Regulamento. Sorriso Solidário Regulamento Sorriso Solidário 0 Introdução A Santa Casa da Misericórdia de Mirandela, tem desenvolvido ao longo dos tempos, diversas iniciativas no sentido de criar condições que favoreçam o bem-estar

Leia mais

1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social)

1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social) 1. Equipamentos Sociais no Concelho de Pinhel (Instituições Particulares de Solidariedade Social) O estudo até aqui realizado mostra-nos que o concelho de Pinhel segue a mesma tendência do resto do País,

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO): ASSEMBLEIA MUNICIPAL - EMÍLIA SOARES CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO ESTELA SILVA

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO): ASSEMBLEIA MUNICIPAL - EMÍLIA SOARES CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO ESTELA SILVA GRUPO DE TRABALHO: ASSEMBLEIA MUNICIPAL - EMÍLIA SOARES CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO ESTELA SILVA CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO ISABELA CHAGAS CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO MARTA AZEVEDO GUARDA NACIONAL REPUBLICANA

Leia mais

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010

Plano de Acção 2010. Concelho do Marco de Canaveses. CLAS mc. Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Plano de Acção 2010 Concelho do Marco de Canaveses 2010 2011 CLAS mc Conselho Local de Acção Social do Marco de Canaveses Fevereiro de 2010 Nível de Incidência Principais Conteúdos CONCEPÇÃO Pertinência

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O presente documento surge no âmbito do Programa Rede Social, que tem como principal objectivo a articulação e congregação de esforços das entidades públicas e das entidades privadas sem fins

Leia mais

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL de ODEMIRA 2014-2015 EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação Promover o conhecimento e o acesso dos empresários aos apoios e incentivos no âmbito do empreendedorismo

Leia mais

Regulamento Interno PREÂMBULO

Regulamento Interno PREÂMBULO Regulamento Interno PREÂMBULO O Município de Beja enquanto promotor local de políticas de protecção social, desempenha um papel preponderante na elaboração de estratégias de desenvolvimento social e na

Leia mais

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos

Grelha de Análise SWOT (Strengths (forças); Weaknesses (fraquezas); Opportunities (oportunidades), Threats (ameaças))... Factores Endógenos Problemática Essencial I Envelhecimento Demográfico - Apoio Domiciliário do Centro de Saúde com viatura cedida pela Câmara Municipal. - Iniciativas da Câmara Municipal com o objectivo de proporcionar momentos

Leia mais

Comissão de Proteção de Crianças e Jovens Matosinhos

Comissão de Proteção de Crianças e Jovens Matosinhos Comissão de Proteção de Crianças e Jovens Matosinhos Relatório Anual de Atividades 2013 1. Caracterização Processual Tabela 1: Volume Processual Global - Ano 2013 Volume Processual Global Instaurados 580

Leia mais

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança 2012-2014 Índice Introdução. 3 I. Fundamentação...4 II. Eixos Estratégicos... 7 1 Articulação Interinstitucional... 7 2 Estudo e análise da realidade

Leia mais

Distrito de Aveiro Concelho Ílhavo Freguesias: S. Salvador, Gafanha da Nazaré, Gafanha da Encarnação e Gafanha do Carmo

Distrito de Aveiro Concelho Ílhavo Freguesias: S. Salvador, Gafanha da Nazaré, Gafanha da Encarnação e Gafanha do Carmo IDENTIFICACÃO Atendimento Integrado e Núcleo Local de Inserção de Ílhavo Morada de Ílhavo Código Postal 3830-044 Ílhavo Localidade Ílhavo Distrito de Aveiro Concelho Ílhavo Freguesias: S. Salvador, Gafanha

Leia mais

Rede Social do Concelho de Lamego Regulamento Interno do CLAS de Lamego

Rede Social do Concelho de Lamego Regulamento Interno do CLAS de Lamego REGULAMENTO INTERNO Conselho Local de Acção Social de Lamego (CLASL) Rede Social do Concelho de Lamego Preâmbulo As alterações inerentes à evolução da sociedade actual evidenciam problemas e necessidades

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

15 de Dezembro de 2011_FF/DASAJ

15 de Dezembro de 2011_FF/DASAJ !"#!$! %&' ( 1 O Conselho Local de Ação Social de Évora, adiante designado por CLASE, é um órgão local de concertação e congregação de esforços, que emana da REDE SOCIAL e preconiza no seu objeto, assegurar

Leia mais

Relatório de Actividades 2008

Relatório de Actividades 2008 Relatório de Actividades 2008 Elaborado por: Grupo Dinamizador da Comissão Social de Freguesia de Stº Antº dos Cavaleiros, 2009 Nota Introdutória O presente documento tem como principal objectivo a avaliação

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO):

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO): GRUPO DE TRABALHO: ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE VALE DA PEDRA PAULA FERREIRA ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL ANA OLIVEIRA ASSOCIAÇÃO OPERAÇÃO SAMARITANO CARINA CRENA CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO A rede social é uma plataforma de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos combater

Leia mais

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa

COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa COMBATE AO TRABALHO INFANTIL Nota de Imprensa No próximo dia 12 de Junho, comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. O PETI e o Escritório da OIT Organização Internacional do Trabalho em

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

As Comissões de Protecção de Crianças e Jovens são constituídas e funcionam nos termos da Lei n.º 147/99, de 1 de Setembro.

As Comissões de Protecção de Crianças e Jovens são constituídas e funcionam nos termos da Lei n.º 147/99, de 1 de Setembro. INTRODUÇÃO A criança deve ser respeitada Em suma, Na dignidade do seu nascer, Do seu crescer, Do seu viver. Quem amar verdadeiramente a criança Não poderá deixar de ser fraterno: Uma criança não conhece

Leia mais

Índice. Introdução Metodologia Pág. 1. I Capítulo Caracterização Genérica do Concelho Pág. 4

Índice. Introdução Metodologia Pág. 1. I Capítulo Caracterização Genérica do Concelho Pág. 4 Índice Introdução Metodologia Pág. 1 I Capítulo Caracterização Genérica do Concelho Pág. 4 1. Caracterização Física e Administrativa 2. Património Histórico, Cultural e Natural do Concelho 2.1. Património

Leia mais

Terceira Idade. V Acção Social. Rede Social de Pombal. 1.Caracterização da População com 65 e mais anos

Terceira Idade. V Acção Social. Rede Social de Pombal. 1.Caracterização da População com 65 e mais anos V Acção Social Terceira Idade 1.Caracterização da População com 65 e mais anos Fazendo a análise populacional por freguesia, em 2001, Pombal apresenta um número significativo de pessoas com 65 e mais anos

Leia mais

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta

Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta Município de Freixo de Espada à Cinta PLANO DE ACÇÃO (2009-2010) Conselho Local de Acção Social de Freixo de Espada à Cinta FICHA TÉCNICA Relatório do Plano de Acção de Freixo de Espada à Cinta Conselho

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 Documento elaborado pelo: Conselho Local de Acção Social do Concelho do Núcleo

Leia mais

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS 1. bjectivo presente documento tem como objectivo definir o esquema de acreditação para a Certificação do Serviço proporcionado pelas várias Respostas Sociais, tendo em conta os Modelos de Avaliação da

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR DE INFÂNCIA E JUVENTUDE CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÂO SOCIAL DE TORRE DE MONCORVO INTRODUÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÂO SOCIAL DE TORRE DE MONCORVO INTRODUÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÂO SOCIAL DE TORRE DE MONCORVO INTRODUÇÃO Sendo hoje consensual que os fenómenos da pobreza e exclusão social são consequência de vários factores e que, tocam

Leia mais

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo Plano de Acção Conselho Local de Acção Social de CLAS 2014-2015 2 EIXO 1 - PROMOVER A EMPREGABILIDADE E QUALIFICAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL E INTEGRAÇÃO DE GRUPOS SOCIAIS (PRÉ-) DESFAVORECIDOS Combate

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL

PLANO DE ACÇÃO 2009 (Aprovado em CLASS de 13.3.2009) PARCEIRO RESPONSÁVEL OBJECTIVO DO PDSS ACTIVIDADE/ACÇÃO PARCEIROS ENVOLVIDOS PARCEIRO RESPONSÁVEL INDICADORES DE AVALIAÇÃO EXECUÇÃO TEMPORAL SOLIDARIEDADE SOCIAL Reforçar o apoio alimentar concelhio Melhorar o conhecimento

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital Parte 6.1.1 Equipamentos sociais no contexto distrital (Carta social / Reapn - Bragança) Apresentam-se seguidamente

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CLAS /2015 Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços 1 Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo

Leia mais

Plano de Ação de 2012 Plano de Ação de 2010. Conselho Local de Ação Social de Monção. Conselho Local de Ação Social de Monção

Plano de Ação de 2012 Plano de Ação de 2010. Conselho Local de Ação Social de Monção. Conselho Local de Ação Social de Monção Plano de Ação de 2012 Plano de Ação de 2010 Conselho Local de Ação Social de Monção Conselho Local de Ação Social de Monção CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE MONÇÃO Atualmente a Rede Social de Monção conta

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Há escolhas no bairro-e5g Programa Escolhas Promotor: Mediar - Associação Nacional de Mediação Sócio-Cultural 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo Branco 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo Branco 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo Branco 2014-2017 Índice Plano de Desenvolvimento Social... 3 Definição dos Eixos de intervenção... 3 Operacionalização dos Eixos de Intervenção...

Leia mais

Adenda ao Diagnóstico Social do Concelho de Castelo de Vide

Adenda ao Diagnóstico Social do Concelho de Castelo de Vide Adenda ao Diagnóstico Social do Concelho de Castelo de Vide Outubro 2010 Nota Introdutória O presente documento é uma adenda ao Diagnóstico Social do Concelho de Castelo de Vide. No âmbito do Programa

Leia mais

Plano de Ação 2013. I Eixo De Intervenção: QUALIFICAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES E RESPONSABILIDADE SOCIAL

Plano de Ação 2013. I Eixo De Intervenção: QUALIFICAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES E RESPONSABILIDADE SOCIAL 0 Plano de Ação I Eixo De Intervenção: QUALIFICAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES E RESPONSABILIDADE SOCIAL OBJETIVO GERAL: Dotar as Instituições do Município de competências na área da qualidade para melhorar a resposta

Leia mais

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação Rede Social de Pombal de Pombal Plano de Acção Ano 2011 Avaliação Prioridade 1- (PNAI) (Combater a pobreza das crianças e dos idosos, através de medidas que asseguremos seus direitos básicos de cidadania)

Leia mais

10. Equipamentos e Serviços Sociais

10. Equipamentos e Serviços Sociais 68 10. Equipamentos e Serviços Sociais A rede de equipamentos e serviços sociais existentes no concelho de Vidigueira constitui uma realidade resultante do esforço e envolvimento de entidades de diversa

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Após a elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, definindo as linhas orientadoras de intervenção social até ao final de 2009, procedemos agora à formulação de um Plano de Acção para esse

Leia mais

Plano de Acção 2014. Rede Social

Plano de Acção 2014. Rede Social Plano de Acção 2014 Rede Social Março/2014 Elaborado por: Núcleo Executivo do Conselho Local de Acção Social de Avis - Agrupamento de - Centro de Emprego e Formação Profissional de Portalegre/Serviço de

Leia mais

Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas

Introdução Freguesia de Odivelas Junta Freguesia de Odivelas Comissão Social de Freguesia de Odivelas Introdução A Freguesia de Odivelas é uma realidade complexa que a todos diz respeito, uma realidade que deve ser alvo de uma intervenção de todos que nela participam para que seja executado um trabalho

Leia mais

ÍNDICE. Plano de Desenvolvimento Social 5. Capitulo I. Capítulo II. Capítulo III. Capítulo IV. Capítulo V. Capítulo VI. Capítulo VII.

ÍNDICE. Plano de Desenvolvimento Social 5. Capitulo I. Capítulo II. Capítulo III. Capítulo IV. Capítulo V. Capítulo VI. Capítulo VII. ÍNDICE Capitulo I A Rede Social em 3 Plano de Desenvolvimento Social 5 Capítulo II Metodologia 7 Capítulo III Diagnóstico da situação 10 Diagnóstico Social Síntese 21 Capítulo IV Definição de Estratégias

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ

PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ PLANO DE ACÇÃO 2010 CPCJ COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO PESO DA RÉGUA Modalidade Alargada Divulgar os Direitos da Criança na Comunidade OBJECTIVOS ACÇÕES RECURSOS HUMANOS DA CPCJ RECURSOS

Leia mais

Rede Social de Gondomar

Rede Social de Gondomar Rede Social de Gondomar Plano de Desenvolvimento Social 2009 2011 Junho de 2009 (Aprovado em Reunião Plenária do CLAS G de 07 de Julho de 2009, Reunião de Câmara de 19 de Novembro de 2009 e Assembleia

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

Rede Social Plano de Ação 2015

Rede Social Plano de Ação 2015 Rede Social Plano de Ação 2015 1 R E D E SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO BISPO Rede Social Rede Social do Concelho de Vila do Bispo PLANO DE AÇÃO 2015 Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de

Leia mais

------------------------------ACTA NÚMERO UM ------------------------------

------------------------------ACTA NÚMERO UM ------------------------------ ------------------------------ACTA NÚMERO UM ------------------------------ ------- Aos vinte e seis dias do mês de Junho de dois mil e três, pelas quinze horas, reuniram-se no Centro Cultural de Pombal,

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.6.1: Caracterização da População Toxicodependente no Concelho de Bragança

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.6.1: Caracterização da População Toxicodependente no Concelho de Bragança REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.6.1: Caracterização da População Toxicodependente no Concelho de Bragança Parte 6.6.1 Caracterização da população toxicodependente no concelho de Bragança (Dados

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS

INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS INTERVENÇÃO SOCIAL DOS MUNICÍPIOS PARA ALÉM DAS SUAS COMPETÊNCIAS LEGAIS Está em curso um inquérito, promovido pela ANMP, sobre as despesas municipais com acções de carácter social que ultrapassam as competências

Leia mais

Economia Social e a sua Sustentabilidade como Fator de Inclusão Social (ESSIS) PRINCIPAIS RESULTADOS DO INQUÉRITO ÀS IPSS

Economia Social e a sua Sustentabilidade como Fator de Inclusão Social (ESSIS) PRINCIPAIS RESULTADOS DO INQUÉRITO ÀS IPSS Economia Social e a sua Sustentabilidade como Fator de Inclusão Social (ESSIS) Projeto n.º 000350402011 PRINCIPAIS RESULTADOS DO INQUÉRITO ÀS IPSS POAT/FSE: Gerir, Conhecer e Intervir Respostas sociais

Leia mais

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Casa Nossa Senhora de Fátima Regulamento Interno APOIO DOMICILIÁRIO 2013 Regulamento Interno HISTÓRIA: Assistência Paroquial de Santos-o-Velho é uma Instituição

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7.1.1 PRINCÍPIOS GERAIS. BASE LEGISLATIVA DE REFERÊNCIA A educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação

Leia mais

PRÉ- DIAGNÓSTICO SOCIAL PARTICIPADO. do concelho de Vila Nova de Famalicão

PRÉ- DIAGNÓSTICO SOCIAL PARTICIPADO. do concelho de Vila Nova de Famalicão PRÉ- DIAGNÓSTICO SOCIAL PARTICIPADO do concelho de Vila Nova de Famalicão I. Introdução. O presente documento resume os diagnósticos constituídos de forma participada pelos trabalhos desenvolvidos em torno

Leia mais

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 CASINHA DA ROUPA 9 OS RATINHOS DE REBOREDA 10 CRIAÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ODEMIRA

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ODEMIRA CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO CONCELHO DE ODEMIRA REGULAMENTO INTERNO PREÂMBULO A REDE SOCIAL criada pela resolução do Conselho de Ministros nº197/97 de 18 de Novembro e implementada ao abrigo do Programa

Leia mais

- Hospital Visconde de Salreu - Ass. Quinta do Rezende. - Junta de Freguesia de Fermelã - Banda Visconde de Salreu

- Hospital Visconde de Salreu - Ass. Quinta do Rezende. - Junta de Freguesia de Fermelã - Banda Visconde de Salreu A questão da Terceira Idade foi abordada no penúltimo workshop, que teve lugar no dia 26.06.2006, contando com a participação das seguintes instituições/entidades: - ASE Ass. de Solidariedade Estarrejense

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação

Projeto Pedagógico e de Animação Projeto Pedagógico e de Animação 1 - Memória Descritiva 2 Identificação e Caracterização da Instituição Promotora 3 - Objetivos Gerais 4 - Objetivos Específicos 5 - Princípios educacionais 6 Metodologias

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR As modalidades de acção social escolar de que beneficiam os alunos da Região Autónoma dos Açores

Leia mais

Agenda IGUALAÇORES 2010. Projecto Jovens Açorianos 20 Estratégias pela Igualdade MANIFESTO REGIONAL

Agenda IGUALAÇORES 2010. Projecto Jovens Açorianos 20 Estratégias pela Igualdade MANIFESTO REGIONAL Agenda IGUALAÇORES 2010 Projecto Jovens Açorianos 20 Estratégias pela Igualdade MANIFESTO REGIONAL Numa altura em que a crise económica é tema predominante e em que Portugal surge como o segundo país com

Leia mais