Os lucros que beneficiarão da dedução à coleta são os que forem reinvestidos: Na promoção turística e na reabilitação de empreendimentos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os lucros que beneficiarão da dedução à coleta são os que forem reinvestidos: Na promoção turística e na reabilitação de empreendimentos"

Transcrição

1 ORÇAMENTO DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PARA 2014 ORÇAMENTO DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES PARA 2014 ALARMES COMUNICAÇÃO DOS ELEMENTOS DAS FATURAS REGIME TRANSITÓRIO JUROS COMERCIAIS 1.º SEMESTRE DIREITO DO AUTOR E DIREITOS CONEXOS IRC AGRAVAMENTO DA TRIBUTAÇÃO DE ENCARGOS COM VIATURAS CONSULTÓRIO LABORAL REDUÇÃO DAS OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS E ACESSÓRIAS EM IRC RELATÓRIO ÚNICO REFERENTE AO ANO DE 2013 LEGISLAÇÃO NACIONAL E REGIONAL ENTERPRISE EUROPE NETWORK Com a aprovação do Orçamento da Região Autónoma dos Açores para 2014 (Decreto Legislativo Regional nº2/2014/a, 29 de janeiro) ficou determinado o seguinte, de relevância empresarial: Os lucros que beneficiarão da dedução à coleta são os que forem reinvestidos: Na promoção turística e na reabilitação de empreendimentos turísticos; Na aquisição de novas embarcações de pesca; Na investigação científica e desenvolvimento experimental (I&D) com interesse relevante; No reforço da capacidade de exportação das empresas regionais e de criação de bens transacionáveis de caráter inovador; Em investimentos de apoio social de âmbito empresarial; No tratamento de resíduos e efluentes e energias renováveis. As condições de aplicabilidade das referidas deduções serão posteriormente definidas, através de decreto regulamentar regional. São considerados relevantes, para efeitos de concessão de benefícios em regime contratual, os projetos de investimentos em unidades produtivas de valor superior a ou superior a quando, neste último caso, se tratar de projetos localizados nas ilhas do Corvo, Flores, Faial, Pico, S. Jorge, Graciosa e Santa. Maria; Fica suspensa, durante o ano de 2014, a obrigação de reembolso de incentivo atribuído no âmbito do sistema de incentivos SIDER empréstimo reembolsável sem juros. O prazo de reembolso do empréstimo reembolsável sem juros era de 10 anos, dos quais os 3 primeiros eram de carência de capital;

2 Nº 168 I 27 FEVEREIRO 2014 centado (IVA) é aplicada uma redução de 20% (anteriormente era de 30%). Assim, a taxas a vigor em 2014, na RAA, serão as Às taxas nacionais do imposto sobre o rendimento das pessoas coletivas (IRC) e do imposto sobre o imposto sobre o valor acresseguintes: IRC - 18,4% e 13,6% (aplicável aos primeiros de matéria coletável, no caso de PME s); IVA 5%, 10% e 18%; Para mais informações, favor contactar o Gabinete Económico desta Câmara. ALARMES O Decreto Legislativo Regional n.º8/2000/a, de 9 de maio, adaptou à Região Autónoma dos Açores a legislação relativa a equipamentos de segurança contra roubo ou intrusão que possuam ou não sistemas sonoros de alarme instalados em edifícios ou imóveis de qualquer natureza. O mencionado diploma regional determina que a instalação de dispositivos de alarme que possuam sirene fica sujeita a comunicação, pelo proprietário ou utilizador do alarme, à Vice-Presidência Regional e ao pagamento de uma taxa de 6,44 que constitui receita da Região. Constitui contraordenação a instalação de alarme com sirene exterior sem que haja a devida comunicação. A declaração de alarme sonoro permite efetuar o pedido de registo de sistemas de alarme sonoro contra roubo ou intrusão. O registo de alarmes sonoros também se aplica aos alarmes de incêndio. O registo do alarme deve ser feito junto da Vice-Presidência do Governo ou nas lojas RIAC. COMUNICAÇÃO DOS ELEMENTOS DAS FATURAS REGIME TRANSITÓRIO Ao abrigo do artigo 191º da Lei nº 83/ 2013, de 31 de dezembro, que aprovou o Orçamento do Estado para 2014, o regime transitório previsto na Portaria nº426-a/2012, de 28 de dezembro, que vigorou em 2013, aplica-se igualmente durante o ano Relembra-se que a referida Portaria veio aprovar o modelo oficial de declaração para a comunicação dos elementos das faturas, por transmissão eletrónica de dados e aplica-se aos sujeitos passivos que, cumulativamente: - Não sejam obrigados a possuir o ficheiro SAF-T (PT) da faturação; - Não utilizem, nem sejam obrigados a possuir, programa informático de faturação; - Não optem pela utilização de qualquer dos meios de comunicação previstos nas alíneas a) a c) do artigo 3º, nº1, do Decreto- Lei nº198/2012, de 24 de agosto (transmissão eletrónica de dados em tempo real, integrada em programa de faturação eletrónica; transmissão eletrónica de dados, mediante remessa de ficheiro normalizado estruturado com base no ficheiro SAF-T (PT); inserção direta no Portal das Finanças). Assim, aqueles sujeitos passivos, durante o ano de 2014, estão apenas obrigados ao preenchimento, no campo referente à Informação Parcial, dos elementos respeitantes à primeira e última fatura, de cada série, emitidas no período a que se refere a declaração, bem como dos elementos das faturas que contenham o NIF do adquirente. Ainda no âmbito do mencionado regime transitório, podem entregar, em 2014, presencialmente ou através de remessa por correio registado, o modelo oficial da declaração em papel, devidamente preenchido, em qualquer serviço de finanças, podendo alterar a via de comunicação ao longo do ano, os sujeitos passivos que: - Pratiquem operações isentas ao abrigo do artigo 9º do Código do IVA (CIVA), ou; - Estejam enquadrados no regime especial de isenção, previsto no artigo 53º do mesmo Código, ou; - Estejam enquadrados no regime especial dos pequenos retalhistas (artigo 60º do CIVA) e; - Que não tenham emitido mais de 10 faturas, com o NIF do adquirente, no mês a que respeita a declaração.

3 Nº 168 I 27 FEVEREIRO 2014 JUROS COMERCIAIS 1.º SEMESTRE 2014 O Aviso n.º 1019/2014, de 24 de janeiro (D.R., Série II, N.º17) fixou as taxas supletivas de juros moratórios em vigor no 1.º semestre de Assim, e em conformidade com o disposto, respetivamente, nas alíneas a) e b) do artigo 1.º da Portaria n.º 277/2013, de 26 de agosto, informa-se que: A taxa supletiva de juros moratórios relativamente a créditos de que sejam titulares empresas comerciais, singulares ou coletivas, em vigor no 1.º semestre de 2014, é de 7,25%, nos termos do parágrafo 3.º do artigo 102.º do Código Comercial; Esta taxa aplica-se a situações que estão fora do âmbito de aplicação do Decreto-Lei 62/2013, de 10 de maio, como: Os contratos celebrados com consumidores; Os juros relativos a outros pagamentos que não os efetuados para remunerar transações comerciais; Os pagamentos de indemnizações por responsabilidade civil, incluindo os efetuados por companhias de seguros. A taxa supletiva de juros moratórios relativamente a créditos de que sejam titulares empresas comerciais, singulares ou coletivas, em vigor no 1.º semestre de 2014, é de 8,25%, nos termos do parágrafo 5.º do artigo 102.º do Código Comercial e do Decreto-Lei n.º 62/2013, de 10 de maio. Esta taxa aplica-se a situações abrangidas pelo Decreto-Lei n.º 62/2013, de 10 de maio, em vigor desde o dia 1 de julho de 2013, ou seja a todos os pagamentos efetuados como remuneração de transações comerciais, independentemente de terem sido estabelecidas entre empresas (a estas se equiparando os profissionais liberais) ou entre empresas e entidades públicas. Aplicável aos contratos celebrados a partir da data de 1 de julho de 2013, salvo quando esteja em causa: A celebração ou renovação de contratos públicos decorrentes de procedimentos de formação inicia- dos antes da sua entrada em vigor e à execução dos contratos que revistam natureza de contrato administrativo celebrados na sequência de procedimentos de formação iniciados antes dessa data; Prorrogações, expressas ou tácitas, do prazo de execução das prestações que constituem o objeto de contratos públicos cujo procedimento tenha sido iniciado previamente à data de entrada em vigor deste diploma. Recorda-se ainda, que, de acordo com o diploma atrás referenciado, quando se vençam juros de mora em transações comerciais, o credor tem direito a receber do devedor um montante mínimo de 40,00 EUR (quarenta euros), sem necessidade de interpelação, a título de indemnização pelos custos de cobrança da dívida, sem prejuízo de poder provar que suportou custos razoáveis que excedam aquele montante, nomeadamente com recurso aos serviços de advogado, solicitador ou agente de execução, e exigir ao devedor indemnização superior correspondente. DIREITO DO AUTOR E DIREITOS CONEXOS O Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça n.º 15/2013, de 16 de dezembro, vem fixar a seguinte jurisprudência: A aplicação, a um televisor, de aparelhos de ampliação do som, difundido por canal de televisão, em estabelecimento comercial, não configura uma nova utilização da obra transmitida, pelo que o seu uso não carece de autorização do autor da mesma, não integrando consequentemente essa prática o crime de usurpação, previsto e punido, pelos artigos 149.º, 195.º e 197.º do Código do Direito de Autor e dos Direitos Conexos.

4 I R C AGRAVAMENTO DA TRIBUTAÇÃO DE ENCARGOS COM VIATURAS Nº 168 I 27 FEVEREIRO 2014 Com a publicação da Lei nº2/2014, de 16 janeiro (Diário da República, I Série, nº11), lei da reforma do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (IRC), os encargos com viaturas ligeiras de passageiros, motos ou motociclos, excluindo os veículos movidos exclusivamente a energia elétrica, são tributados autonomamente por novas taxas que sofreram um aumento significativo. Então, os encargos efetuados ou suportados por sujeitos passivos que não beneficiem de isenções subjetivas e que exerçam, a título principal, atividade de natureza comercial, industrial ou agrícola, são tributados às seguintes taxas: - 10%, no caso de viaturas com um custo de aquisição inferior a ; - 27,5%, no caso de viaturas com um custo de aquisição igual ou superior a e inferior a ; - 35%, no caso de viaturas com um custo de aquisição igual ou superior a Anteriormente, os encargos com as referidas viaturas estavam sujeitos à taxa de 10% sempre que o seu custo de aquisição não excedesse , e 20% nos casos em que o custo de aquisição excedesse São excluídos da mencionada tributação os encargos relacionados com: - Viaturas ligeiras de passageiros, motos e motociclos, afetos à exploração de serviço público de transportes, destinados a serem alugados no exercício da atividade normal do sujeito passivo; e - Viaturas automóveis relativamente às quais tenha sido celebrado acordo de utilização pessoal pelo trabalhador de viatura automóvel que gere encargos para a entidade patronal. Os lucros distribuídos por entidades sujeitas a IRC a sujeitos passivos que beneficiam de isenção total ou parcial, são tributados autonomamente à taxa de 23% (antes a taxa era de 25%). CONSULTÓRIO LABORAL Pode a entidade empregadora extinguir um posto de trabalho escolhendo o empregado e despedir? Como se processa o despedimento por extinção do posto de trabalho? No caso do empregado suspeitar que os motivos para extinção do posto de trabalho são fraudulentos a quem pode recorrer? O despedimento por extinção do posto de trabalho fundamenta-se em motivos objetivos e não subjetivos. Encontram-se previstos no artigo 368.º, n.º 2 do Código do Trabalho. Não pode, assim a entidade empregadora identificar um critério diferente do que se encontra previsto na lei, selecionando o trabalhador que pretende despedir. Concretizando: identificado o posto de trabalho a extinguir, há um conjunto de critérios legalmente previstos para identificar o trabalhador a despedir. O processo de despedimento por extinção de posto de trabalho é complexo, mesmo não havendo estruturas representativas de trabalhadores. O empregador deve comunicar, por escrito, ao trabalhador a necessidade de extinção do posto de trabalho e a

5 Nº 168 I 27 FEVEREIRO 2014 consequente cessação do respetivo contrato de trabalho (entre outras menções obrigatórias). O trabalhador tem 10 dias para responder, podendo, ainda, nos três dias úteis posteriores à comunicação inicial solicitar a intervenção da Inspeção Regional do Trabalho (IRT) para fiscalizar a verificação dos requisitos legais acima indicados. Suspeitando que o despedimento em causa é fraudulento deve ser este o primeiro passo. A IRT pronuncia-se no prazo máximo de 7 dias. Decorridos 5 dias sobre o prazo previsto para o trabalhador se pronunciar acerca do processo o empregador envia, por escrito, decisão fundamentada de despedimento, a qual só produz efeitos depois de decorrido o prazo de aviso prévio legalmente previsto. O trabalhador pode sempre impugnar a decisão de despedimento no prazo de 60 dias após a cessação do contrato de trabalho. Se receber a compensação pela cessação do contrato de trabalho presume-se que aceita o despedimento. REDUÇÃO DAS OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS E ACESSÓRIAS EM IRC No âmbito da Lei nº2/2014, de 16 de janeiro, que veio reformar o IRC, as obrigações declarativas e acessórias em IRC foram reduzidas, com o intuito de simplificar o sistema fiscal. As principais alterações são as seguintes: - Alargamento do prazo para manter e conservar os documentos contabilísticos de 10 para 12 anos; - Alargamento do prazo para manter em boa ordem o processo de documentação fiscal (dossier fiscal) de 10 para 12 anos; - Abolição do pedido de autorização prévia para a adoção de um período de tributação anual não coincidente com o ano civil, e da determinação da matéria coletável de estabelecimentos estáveis. Substitui-se a obrigação de requerer a autorização prévia pela obrigação de proceder à mera comunicação; - Adoção de um período de tributação anual não coincidente com o ano civil, sem terem de invocar quaisquer razões de interesse económico, por um prazo mínimo de 5 anos, exceto quando o sujeito passivo passe a integrar um grupo de sociedades obrigado a elaborar demonstrações financeiras consolidadas, em que a empresa mãe adote um período de tributação diferente daquele adotado pelo sujeito passivo; - Revisão dos prazos de cumprimento das seguintes declarações: A declaração de inscrição relativa a sujeitos passivos não residentes e que obtenham rendimentos não imputáveis a estabelecimento estável deve ser entregue até ao termo do prazo para entrega da declaração periódica de rendimentos Modelo 22 (antes tinha de ser entregue até 15 dias a contar da data da ocorrência do facto que originou o direito aos mesmos rendimentos); A declaração de alterações quando o sujeito passivo não exerça uma atividade sujeita a IVA tem de ser entregue no prazo de 30 dias a contar da data da alteração (antes tinha de ser entregue no prazo de 15 dias a contar da data da alteração); A declaração de cessação relativamente a sujeitos passivos não residentes tem de ser entregue no prazo de 30 dias a contar da data da cessação da atividade (antes tinha de ser entregue no prazo de 30 dias a contar da data em que tiver ocorrido a cessação da obtenção de rendimentos). - Revogação da disposição que exigia que sempre que os deveres de comunicação fossem cumpridos via internet, o documento comprovativo da receção seria enviado por via postal. Para mais informações, favor contactar o Gabinete Económico desta Câmara.

6 RELATÓRIO ÚNICO REFERENTE AO ANO DE 2013 Nos termos do Decreto Legislativo Regional n.º24/2010/a, de 22 de julho, compete ao Observatório do Emprego e Formação Profissional a recolha da informação social de todas as empresas e entidades que empreguem trabalhadores cujos postos de trabalho se situem na Região, independentemente da natureza da relação jurídico- laboral. O empregador deve enviar esta informação, por meio informático, para o Observatório do Emprego e Formação Profissional, no prazo estabelecido na Resolução do Conselho do Governo n.º 157/2011, de 23 de dezembro. Assim: 1. No período compreendido entre 15 de Fevereiro e 15 de maio de 2014 deve ser recolhida a informação relativa a: - Rosto de relatório único respeitante à informação sobre emprego e condições de trabalho; - Quadro de pessoal; - Fluxo de entrada e saída de trabalhadores; Nº 168 I 27 FEVEREIRO Relatório anual de formação contínua; - Relatório anual da atividade do serviço de segurança e saúde no trabalho; - Prestadores de serviços. 2. A informação relativa a greves será preenchida ao longo do ano 2014, à medida que ocorrerem as eventuais situações de greve, no respetivo módulo disponível na plataforma eletrónica do observatório do Emprego e Formação profissional. 3. A informação respeitante a sistema de indicadores de alerta será recolhida no período compreendido entre 1 e 31 de Outubro de LEGISLAÇÃO REGIONAL Decreto Legislativo Regional n.º 2/2014/A, de 29 de janeiro Aprova o Orçamento da Região Autónoma dos Açores para o ano de Despacho n.º 254/2014, de 17 de fevereiro Fixa, para o ano de 2014, em ,00 (um milhão duzentos e vinte mil euros) o limite orçamental para a concessão de apoios financeiros ao abrigo do regime de financiamento público de iniciativas com interesse para a promoção e animação turística do destino Açores. Resolução do Conselho do Governo n.º 16/2014, de 20 de fevereiro Altera o artigo 4.º do regulamento do programa PME Formação, aprovado pela Resolução do Conselho do Governo n.º 98/2013, de 3 de outubro. Decreto-Lei n.º 15/2014, de 23 de janeiro Procede à segunda alteração ao Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de março, que aprova o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos. Portaria n.º 15-A/2014, de 24 de janeiro Aprova as instruções de preenchimento da Declaração Mensal de Remunerações - AT, para cumprimento da obrigação declarativa a que se refere a subalínea i) da alínea c), e a alínea d), do nº 1 do artigo 119.º, do Código do IRS. Resolução do Conselho de Ministros n.º 12, de 12 de fevereiro Adota a Estratégia Nacional para o Mar Decreto-Lei n.º 24/2014, de 14 de fevereiro LEGISLAÇÃO NACIONAL Transpõe a Diretiva nº 2011/83/EU do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de outubro de 2011, relativa aos direitos dos Consumidores. Decreto-Lei n.º 26/2014, de 14 de fevereiro Procede à segunda alteração ao Decreto-Lei n.º 61/2011, de 6 de maio, que regula o acesso e exercício da atividade das agências de viagens e turismo, reduzindo o valor da taxa devida ao Turismo de Portugal, I.P., pela inscrição no registo nacional das agências de viagens e turismo. IMPRESSÃO NOVA GRÁFICA, LDA. FAJÃ DE BAIXO

7 INFORMAÇÃO EUROPEIA Missions for Growth 2014 Com o objetivo de dinamizar oportunidades de cooperação entre empresas de diferentes países europeus, irá realizar-se um conjunto de eventos na Grécia, Itália e Espanha, no âmbito da iniciativa Estratégia Europa Promover Parcerias Empresariais na Europa, liderada pelo Vice-presidente da Comissão Europeia, Antonio Tajani, em cooperação com governantes daqueles países e com o apoio da Enterprise Europe Network. Neste contexto, a Enterprise Europe Network tem o prazer de convidá-lo a participar nos seguintes encontros bilaterais (eventos B2B ): Atenas, Grécia, de março. Objetivo: promover a cooperação nos sectores Agroalimentar/Transformação de Alimentos/Aquacultura; Biotecnologia e Biotecnologia Azul; Energia; TIC; Turismo. Inscrições até ao próximo dia 05 de março através do link Nápoles (Campânia), Itália, de março. Objetivo: promover a cooperação nos sectores Aeroespacial; Agroalimentar; Automóvel; Biotecnologia; Património Cultural; Construção Sustentável; Energia; Moda; Turismo; Transportes e Logística. Inscrições até ao próximo dia 28 de fevereiro através do link Palermo (Sicília), Itália, de março. Objetivo: promover a cooperação nos sectores Agroalimentar; Indústria Marítima e Pesca; Energia Inteligente; Turismo e Património Cultural; Artesanato; Têxteis, Vestuário e Moda; Biotecnologia e Biomédica; TIC; Construção e Construção Ecológica; Indústrias Criativas. Inscrições até ao próximo dia 20 de março através do link Sevilha (Andaluzia), Espanha, 2-3 de abril. Objetivo: promover a cooperação nos sectores Aeroespacial; Agroalimentar; Biotecnologia e Saúde; Construção, Minerais e Pedras (materiais); Indústrias Criativas; Ambiente; TIC; Energia Inteligente; Segurança e Defesa; Turismo e Património Cultural. Está assegurada a deslocação de autocarro entre Sevilha - Mérida e Mérida - Sevilha. Inscrições até ao próximo dia 26 de março através do link Mérida (Estremadura), Espanha, 4 de abril. Objetivo: promover a cooperação nos sectores de Indústrias Agroalimentares e Auxiliares; Biotecnologia e Saúde; TIC; Energia Inteligente; Turismo, Património Cultural e Ambiente; Transportes e Logística. Está assegurada a deslocação de autocarro entre Sevilha - Mérida e Mérida - Sevilha. Inscrições até ao próximo dia 26 de março através do link Pela importância que estes eventos podem representar para a sua empresa, especialmente pelas vantagens associadas ao desenvolvimento de parcerias internacionais, que consolidem ou contribuam para a internacionalização dos seus negócios, vimos partilhar informação e reiterar o convite para que a sua empresa participe nestas iniciativas, que culminarão com a realização dos referidos encontros bilaterais previamente agendados. A participação nos eventos é gratuita. Para tal, registe o perfil de cooperação (tecnológico, comercial, I&D, produção ou outro), quer se trate de oferta ou procura, nas respetivas plataformas (nos links indicados anteriormente). Caso a sua empresa não possa participar nas reuniões bilaterais, contactenos visando avaliar a sua representação pela Enterprise Europe Network da Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada. Não deixe de participar, submetendo o perfil de cooperação até às datas indicadas. Se necessitar de mais informações ou de apoio na sua inscrição, favor contatar esta Câmara (Dra. Pilar Borges ou Dr. David Almeida, Telefone , Prémios Europeus de Promoção Empresarial 2014 Os Prémios Europeus de Promoção Empresarial (European Enterprise Promotion Awards EEPA) são uma iniciativa da Comissão Europeia, dinamizada pela Direção-Geral da Empresa e Indústria, em parceria com entidades nacionais de coordenação em cada Estado-Membro. O IAPMEI Agência para a Competitividade e Inovação, I.P. é o coordenador da iniciativa em Portugal. O concurso privilegia o papel do setor público, a nível local, regional e nacional, na criação de um ambiente favorável ao desenvolvimento das empresas e do empreendedorismo, através de projetos ou iniciativas já desenvolvidas ou em desenvolvimento. Os projetos devem existir há pelo menos dois anos, e podem ser financiados por fundos da União Europeia. Podem concorrer aos Prémios organizações nacionais, municípios, regiões e comunidades, bem como parcerias público-privadas entre entidades públicas e empreendedores, programas educativos e organizações empresariais. As candidaturas à fase nacional do concurso estão abertas até ao dia 10 de março de As seis categorias a concurso são: Promoção do espírito de empreendedorismo: Iniciativas de âmbito nacional, regional ou local, que promovam o espírito empreendedor, especialmente entre os jovens e as mulheres; Investimento em competências empreendedoras: Iniciativas de âmbito nacional, regional ou local, que contribuam para melhorar competências na área do empreendedorismo e da gestão; Desenvolvimento do ambiente empresarial: Políticas inovadoras de âmbito nacional, regional ou local, que promovam a criação e o desenvolvimento de empresas, bem como a simplificação administrativa e o conceito do think small first (pensar primeiro em pequena escala), a favor das pequenas e médias empresas; Apoio à internacionalização das empresas: Políticas e iniciativas a nível nacional, regional ou local, que incentivem as empresas, especialmente as pequenas e médias empresas, a beneficiarem das oportunidades oferecidas pelos mercados dentro e fora da União Europeia; Apoio ao desenvolvimento de mercados ecológicos e à eficiência dos recursos: Políticas e iniciativas a nível nacional, regional ou local, que promovam o acesso das PME aos mercados ecológicos e a melhoria da eficiência dos seus recursos; Empreendedorismo responsável e inclusivo: Iniciativas de âmbito nacional, regional ou local, que promovam a responsabilidade social nas empresas e incentivem o empreendedorismo junto de segmentos específicos de população, como desempregados, imigrantes, pessoas portadoras de deficiência ou minorias étnicas. Para mais informações, favor contactar a Enterprise Europe Network da CCIPD. Fundos Europeus Estruturais e de Investimento / Prazos para Consulta O Despacho n.º 1390-A/2014, publicado na II Série Parte C n.º 19, de 28/1 (Suplemento), determina que é de 20 dias o prazo para consulta dos programas operacionais d e aplicação dos Fundos Europeus e de Investimento relativos ao período de programação Trata-se de um período de consulta às entidades com responsabilidades nesta matéria, bem como para consulta pública no âmbito dos procedimentos de

8 avaliação dos programas operacionais de aplicação dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento relativos ao período de programação Através do presente despacho o Governo afirma que pretende assegurar que a aplicação dos novos programas operacionais seja concretizada no decurso do segundo semestre do corrente ano. Investimentos de Financiamento de Risco / Orientações A Comunicação 2014/C 19/04 da Comissão publica as orientações da Comissão Europeia relativamente aos auxílios estatais que visam promover os investimentos de financiamento de risco. Neste contexto a Comissão considera que: O desenvolvimento do mercado de financiamento de risco e a melhoria do acesso ao financiamento de risco por parte das PME, das empresas de média capitalização e das empresas de média capitalização inovadoras são de grande importância para a economia da União em geral. Um mercado eficiente de financiamento de risco para as PME é crucial para que as empresas empreendedoras sejam capazes de aceder ao financiamento de que necessitam em cada fase do seu desenvolvimento. Os auxílios estatais só podem justificar-se se visarem determinadas falhas de mercado que afetam a realização do objetivo comum. A medida de financiamento de risco deve ser estabelecida com base numa avaliação ex ante que demonstre a existência de um défice de financiamento que afeta empresas elegíveis na fase de desenvolvimento, área geográfica e, se aplicável, setor económico visados. As medidas de auxílio estatal devem ser estruturadas de forma a limitar as distorções da concorrência no mercado interno, de forma que os efeitos negativos sejam contrabalançados com o efeito positivo global da medida. O auxílio ao financiamento de risco pode ser acumulado com qualquer outro auxílio estatal com custos elegíveis identificáveis, ou com auxílios de minimis, até ao limite máximo de financiamento total relevante mais elevado fixado, nas circunstâncias específicas de cada caso, por um regulamento de isenção por categoria ou por uma decisão adotada pela Comissão. O financiamento da União gerido a nível central por instituições, agências, empresas comuns ou outros organismos da União que não estejam direta ou indiretamente sob o controlo dos Estados-Membros não constitui um auxílio estatal. As Orientações publicadas relativas ao capital de risco devem entrar em vigor até 30 de junho de A Comissão aplicará os princípios contidos nas presentes Orientações para apreciar a compatibilidade de todos os auxílios ao financiamento de risco a ser concedidos entre 1 de julho de 2014 e 31 de dezembro de OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO OP 08/14/EEN Empresa italiana especializada em eficiência energética relacionada com o setor da construção (coberturas/telhados, isolamento, equipamentos solares e eólicos, aquecimento e refrigeração, casas de madeira) e tratamento de asbesto (amianto) oferece serviços de distribuição a empresas que pretendam entrar no mercado italiano. A empresa oferece os seus serviços de intermediação nas seguintes áreas específicas: telhados de tijolo e metal (cobre, zinco, titânio, aço inoxidável, etc.), isolamento, sistemas de drenagem e impermeabilização de coberturas, tratamento de telhados de asbesto, minissistemas solares e eólicos e casas de madeira. OP 09/14/EEN Empresa sérvia especializada em engenharia sísmica, incluindo o desenvolvimento e produção de amortecedores sísmicos para a indústria da construção (reforço e proteção de construção de alvenaria), está interessada em cooperar com uma empresa de construção especializada na modificação de edifícios para melhorar a sua resistividade sísmica. A empresa pretende estabelecer acordos de cooperação com base em produção conjunta, serviços, subcontratação e joint-ventures. OP 10/14/EEN PME italiana ativa no apoio a serviços para a silvicultura procura potenciais parceiros para implementar um projeto relacionado com Sistemas de Micro- Biomassa para a Agricultura. O projeto refere-se à recuperação de biomassa em regiões rurais para a produção (cogeração) de energia elétrica e energia térmica em pequena escala. O objetivo é fornecer as explorações agrícolas com energia através do aproveitamento da biomassa residual de práticas agrícolas. A empresa pretende estabelecer um acordo de cooperação para investigação. OP 11/14/EEN Empresa espanhola especializada na importação e exportação oferece representação comercial a produtores, distribuidores e retalhistas de equipamentos de ar condicionado em Portugal. A empresa pretende estender o seu portfólio de produtos, nomeadamente, aparelhos de ar condicionado, ferramentas e acessórios para instalação e procura novos fornecedores para trabalhar conjuntamente, a fim de criar uma rede de distribuição Portugal - Espanha. OP 12/14/EEN Empresa belga especializada no comércio de computadores e equipamentos procura parceiros para atividades de outsourcing e fornecedores de computadores ou equipamentos novos ou usados, testados e com garantia (computadores de secretária, computadores portáteis, ratos, teclados, ratos e monitores). OP 13/14/EEN Empresa romena, sedeada em Bucareste, procura parceiros em Portugal para cooperação no âmbito das tecnologias de informação (equipamentos, infraestruturas, software, etc.). BOLSA DE EMPREGO 1/G/14 Candidata com o Curso Profissional de Técnica de Contabilidade, nível IV, pela Escola Profissional da Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada. Conhecimentos informáticos dos programas Primavera e Filosoft. Conhecimentos básicos de inglês. Experiência profissional na área de estudos. 2/G/14 Candidata com o Curso Profissional de Técnica de Receção (nível 3) pela Escola de Formação Turística e Hoteleira. Conhecimentos básicos de alemão e médios de inglês. Domínio do Software Office (Word e PowerPoint). Experiência profissional como rececionista, secretária administrativa e promotora comercial. 1/L/14 Mestre em Engenharia e Gestão Industrial pela Universidade de Aveiro. Domínio do Software Office na ótica do utilizador (Word, Excel e PowerPoint). Frequência num Curso de Inglês no Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Aveiro sendo atribuída a qualificação de Nível Intermédio 2. 1/R/14 Candidato com o 5º ano de escolaridade com uma formação em Telecomunicações pela APCER. Experiência profissional como Técnico de Telecomunicações, Vendedor e Técnico de Manutenção. 2/R/14 Candidata com o 9º ano de escolaridade. Domínio do Software Office (Word e PowerPoint) e conhecimentos básicos de inglês. 13/S/13 Licenciada em Design de Comunicação pela Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Portalegre com Mestrado em Ensino de Artes Visuais no 3º ciclo e secundário. Domínio do Software Office, Adobe Photoshop, Adobe Illustrator, Adobe Indesign, Corel Draw, The Gimp e Openoffice.org. Conhecimentos fluentes de francês e inglês. 14/S/13 Licenciada em Ensino Básico 1º ciclo e mestre em Ciências de Educação, Educação Especial (Domínio Cognitivo e Motor) pela Universidade dos Açores. Experiência profissional como docente de crianças com necessidades educativas especiais. Conhecimentos de inglês, francês, alemão e italiano. 15/S/13 Licenciado em Relações Públicas e Comunicação (Minor de Economia e Gestão) pela Universidade dos Açores com o curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores. Domínio do Software Office, Word, Primavera, Adonix e SIQA. Experiência profissional como técnico de recursos humanos. Conhecimentos de francês e de inglês. 17/S/13 Licenciada em Ensino Básico, 2º ciclo, Variante de Educação Visual e Tecnológica pelo Instituto Superior de Ciências Educativas de Mangualde e com uma Pós-Graduação em Ensino Especial-Domínio Cognitivo e Motor pela Universidade Fernando Pessoa. Domínio do Software Office, Adobe Photoshop, Corel Draw e Gif Animator. Conhecimentos básicos de francês e espanhol. Experiência profissional como professora. 18/S/13 Licenciada em Novas Tecnologias da Comunicação pela Universidade de Aveiro com experiência profissional como formadora, professora e freelancer na área de multimédia, entre outras. Ótimos conhecimentos de espanhol (realização do programa Erasmus em Espanha).

9 CONDIÇÕES PREFERENCIAIS ENTRE ASSOCIADOS Descontos até 55% FEVEREIRO DE 2014 A Câmara do Comércio e Indústria reforçou a ligação de proximidade entre os seus associados através da prestação de mais e melhores serviços valorizando a criação de um mercado preferencial incentivador de negócios. Esteja sempre a par dos novos protocolos em ou contacte-nos através do número ou para o COMÉRCIO A. Moniz. 35% Desc. em tintas, vernizes e esmaltes. Atlântida Serviços 18% Desc. sobre tabela oficial P.V.P. em lubrificantes. Avlis 15% Desc. em todos os artigos nas lojas da Matriz e Largo 2 de março; 25% Desc. em tintas Dyrup nas lojas Tintas Dyrup. Azores Sub 15% Desc. em Material de Mergulho Cressi Sub e Pesca; 15% Desc. em Motores Novos SUZUKI MARINE; 15% Barcos Fibra e Semi- Rigidos Searibs, Sanremo, Obe, Marimar, Vega, Marian; 10% Desc. em Peças SUZUKI MARINE; 10% Desc. em Mão Obra. Cabeleireiro Sabrina 15% Desc. de segunda a quarta; 10% Desc. de quinta a sábado. Canha & Filhos Até 50% Desc. em tintas; Até 20% Desc. em produtos Sika; Até 20% Desc. em materiais de construção civil. Carreiro & Comp. 10% Desc. em todos os produtos; Crédito até 10 meses s/ juros. Carreiro & Filhos 30% Desc. em produtos de construção civil (Tintas Ripolin); 15% Desc. no ramo automóvel (tintas Spies Hecker). Carlos Alberto Tavares Sebastião 15% Desc. em todos os artigos da loja de ferragens; 10% Desc. em artigos de madeira. Decorlar 10% Desc. a pronto pagamento. Domingos Vieira 10% Desc.. Electroxi 10% Desc. em todos os artigos em stock. Fácil 20% Desc. no setor de acabamentos de construção civil; 15% Desc. no setor industrial (lubrificantes auto; mástiques e material de limpeza); 5% Desc. no setor de renováveis. Frutaria São Miguel 5% Desc. em compras superiores a 10. Garcez & Santos 30% Desc. na venda de produtos Yoçor nas instalações fabris. Higiaçores 10% Desc. comercial; 5% Desc. financeiro aplicável na liquidação de fatura no ato de entrega de mercadoria. Instituto de Beleza e Cabeleireiros Guida 20% Desc. em todos os serviços (exceto vendas de produtos). Jacinto Ferreira Correia & Filhos 20% Desc. em Eletrodomésticos; 23% Desc. em Móveis e Estofos; 20% Desc. em Materiais de Construção. Majoan 15% Desc.. Mariano Brum Gouveia & Filhos 20% Desc. em todo o material de venda da empresa. Martins do Vale & Irmão 10% Desc. em todos os produtos. Maviripa 10% Desc.. Monbike 10% Desc. em bicicletas; componentes; vestuário e calçado; Crédito até 12x sem juros. Movicasa 15% Desc. em móveis; estofos; iluminação e têxteis; 10% Desc. em artigos Disney (móveis, têxtil e iluminação). OPTIMED 20% Desc. em lentes + armação; 15% Desc. em óculos de sol; 10% Desc. em lentes de contato/ líquidos de manutenção. OUROROSA 25% Desc. em Ourivesaria; 20% Desc. em decoração. Propincar 25% + 5% em todos os produtos. Rosa Nicole Decorações 15% Desc. em artes decorativas; 15% Desc. em peças de mobiliário; 15% Desc. em quadros e espelhos; 15% Desc. em flores artificiais. Riviera Homem 10% Desc. Softmore 20% Desc. em Software de Gestão PHC; 5% Desc. em Software Microsoft; 10% Desc. em Equipamentos de escritório; 5% Desc. em consumíveis e papeis. Sol Fashion. 15% Desc.. Soledade & Filhos 30% Desc. em tintas de construção civil; 10% Desc. em artigos de proteção individual; 15% Desc. em artigos e produtos de higiene; 30% Repintura Auto. Soluções M Até 55% Desc. em tintas; Até 25% Desc. em produtos Mapei e Fassa Bortolo; Até 25% Desc. em materiais de construção civil; Até 25% Desc. em derivados de aço. Stelaçor 20% Desc.. Supermercado APL 5% Desc. em confeção. Talho Real 10% Desc. em carnes de novilho e suíno; 7% Desc. em carnes em promoção e aves; 5% Desc. em pronto pagamento. ZINZOL 10% Desc. em todos os artigos de pesca e caça submarina; 5% Desc. em cursos e workshops. SERVIÇOS Accional 15% Desc. em serviços. AcoresPro 15% Desc. nos serviços de web design, design gráfico e aplicações Facebook; 5% Desc. em produtos na loja de informática pcbem.pt; 15% Desc. em assistência informática empresarial. André Feliciano (Fidelidade Companhia de Seguros S.A.) 50% Desc. em seguros automóvel; 20% Desc. em acidentes de trabalho; 12,5% Desc. em seguros patrimoniais; 10% Desc. em seguros de responsabilidade civil por exploração ou profissional. B.A. Business Açores Cedência gratuita de máquina de café para empresas; 10% Desc. na compra de kit s de 150 cafés; 15% Desc. nos restantes artigos. Bee-Clean Açores 10% Desc. na limpeza de carpetes e sofás; 10% Desc. na limpeza de vidros; 10% Desc. em serviços de Unidade de Resíduos Femininos; 10% Desc. na compra de produtos/equipamentos. Cingel Atlântico 10% Desc. na elaboração de projetos de investimento e preparação de processos/candidaturas aos sistemas de incentivos regionais. Developers- 15% Desc. nos serviços de consultoria a empresas; 15% Desc. em pacotes de Secretariado Virtual; 10% Desc. na cedência de espaços de coworking. Disrego Oferta de 3h00 de formação em licenciamentos Primavera e Winrest; 5% Desc. adicional em Contratos de Manutenção Primavera e Winrest com mais de 10h00; 10% Desc. em equipamentos de Ar Condicionado e AQS (Solar e/ou Bombas de Calor); 10% Desc. em Contratos de Manutenção a sistemas de segurança; Desc. especial em leds Philips para poupar na energia. FMC Electrónica 20% Desc. na mão-de-obra de instalações de ar condicionado; 20% Desc. na mão-de-obra de instalações de painéis solares; 10% Desc. em toda a linha de bolsas e malas da marca Case Logic; 5% Desc. na aquisição de software de faturação, contabilidade e gestão de pessoal. Gecite Açor 30% Desc. em planos de segurança; 20% Desc. em projetos de especialidades; 30% Desc. em prestação de serviços externos de Higiene e Segurança no Trabalho; 30% Desc. em coordenação de segurança em obra; 20% Desc. no acompanhamento de segurança ao empreiteiro em obra. Geotrota - 15% Desconto em todos os serviços. Globaleda Condições em Habicuidados A partir de 10% Desc. na prestação de serviços domiciliários; Até 5% Desc. no fornecimento, venda ou aluguer, de equipamento hospitalar e ajudas técnicas. Higiaçores 10% Desc. comercial; 5% Desc. financeiro aplicável na liquidação de fatura no ato de entrega de mercadoria. J.H. Ornelas Cartão de Desc. em combustível: 0,035 por litro nos postos aderentes. João Maria da Silva Oliveira 10% Desc. em mão-de-obra de trabalhos de eletricista ou telecomunicações; 15% Desc. na venda de material elétrico. Montepio Geral Condições em Nova Gráfica Até 10% Desc. em todos os produtos. Perfeita Conexão 10% Desc. em serviços de instalação e assistência em cablagem informática e telefónica; 10% Desc. na venda de produtos passivos e ativos de rede de dados e voz. Portugal Telecom condições em Servimovel Oferta de 3 meses de gestão do condomínio. Silvergrey 15% Desc. em produtos publicitários; 10% Desc. nos restantes serviços; Possibilidade de pagamento a 60 dias. Vila % Desc. em serviços; 15% Desc. em Software de Gestão e restauração Itbase e XD; 10% Desc. em Fotocopiadoras e multifuncionais Kyocera (exceto Renting); 10% Desc. em Sistemas de Videovigilância, deteção de intrusão e incêndio; 10 % Desc. em Mobiliário de escritório; 25% Desc. em avenças anuais em serviços técnicos de informática a empresas; 15% Desc. em artigos de papelaria. Zona de Ideias 30% Desc. na elaboração de Campanhas Publicitárias; 25% Desc. na produção de suportes publicitários; Pagamento até 5 fases; Prazos de 60 a 180 dias; Possibilidade de avença anual; Oferta de Acompanhamento da Produção e de Acompanhamento da implementação do Plano de Marketing.

10 FEVEREIRO DE 2014 COMÉRCIO/SERVIÇO AUTOMÓVEL 296 Automóveis 5% Desc. em mão-de-obra; 10% Desc. em peças auto. Andrade & Irmão 30% Desc. em mão-de-obra; 25% Desc. em peças de origem Peugeot, Citroen, Iveco e Hyundai; 15% Desc. em peças de outra origem; 30% Desc. em Qualidade Equivalente; 25% Desc. em óleo de motor. Autatlantis Rent-a-car 20% Desc. sobre a diária tabelada. Auto Central 20% Desc. em mão-de-obra; Serviço de recolha e entrega gratuito; Viatura de substituição 5 /dia, para reparações de valor até 500. Reparações de valor superior, viatura de substituição gratuita; Após as reparações beneficia de uma lavagem manual com aspiração gratuita; Check-up s gratuitos sem marcação. Auto Correia 10% Desc. em lavagens auto; 5% Desc. na compra de viatura. Auto Elgè 20% Desc. em mão-de-obra; 15% Desc. em peças de manutenção e desgaste; 15% Desc. em lubrificantes; 10% Desc. em Pneus; 10% Desc. nos serviços de colisão ou em milhas no cartão SATA Imagine. Auto João Carlos Mão-de-obra: 16,50 /hora + IVA; Entrega e recolha gratuita da viatura e empréstimo de viatura de substituição. Auto WM 30% Desc. em mão-de-obra + IVA; 30% Desc. em peças de importação. Carreiro & Comp. 10% Desc. em todos os produtos; Crédito até 10 meses sem juros. CentrumAçor 15% Desc. em peças e acessórios. Concessionários Auto Ilha Verde - 20% Desc. em mão-de-obra; 15% Desc. em peças de manutenção e desgaste; 15% Desc. em lubrificantes; 10% Desc. em Pneus; 10% Desc. nos serviços de colisão ou em milhas no cartão SATA Imagine. Equiponda 20% Desc. e Km s ilimitados sobre o valor tabelado Henripneus 30% Desc. em alinhamento de direção; 15% Desc. nos restantes serviços da área dos pneumáticos. Ilha Verde Rent-a-car 20% Desc. s/tarifa pública; 10% Desc. s/tarifas promocionais. Irmãos Rebelo 10% Desc. em peças BOSCH sobre tabela de venda ao público. Jorge A. C. Botelho 5% Desc. em mão-de-obra; 10% Desc. em peças. Man S. Miguel 10% Desc. em todas as reparações de mecânica em oficina; 5% Desc. sobre todas as peças em balcão. Moniz de Sá Até 10% Desc. em peças; 10% Desc. em mão-de-obra. Mont Alverne e Cª., S. A. 20% Desc. em mão-de-obra; 15% Desc. em peças de manutenção e desgaste; 15% Desc. em lubrificantes; 10% Desc. em Pneus; 10% Desc. nos serviços de colisão ou em milhas no cartão SATA Imagine. RBM 20% Desc. em mão-de-obra; Serviço de recolha e entrega gratuito; Viatura de substituição 5 /dia, para reparações de valor até 500. Reparações de valor superior, viatura de substituição gratuita; Após as reparações beneficia de uma lavagem manual com aspiração gratuita; Check-up s gratuitos sem marcação. Soledade & Filhos 30% Desc. em tintas de construção civil; 10% Desc. em artigos de proteção individual; 15% Desc. em artigos e produtos de higiene; 30% Repintura Auto. OUTROS SERVIÇOS Atlântico Vila 10% Desc. na Aquaparque. AZORES SUB Dive Center - Batismo Mergulho Mar/Piscina Oferta do filho no acompanhamento do Pai ou Mãe/ Encarregado de Educação; Curso de Mergulho com certificação internacional: IVA; Pack 10 Mergulhos: 200 ; 15% Desc. no Aluguer de Embarcações para passeios ilha de S. Miguel ou S. Miguel / S. Maria. Centúria 30% Desc. em cursos de técnicas de venda; 20% Desc. em Workshops de procura de emprego; Workshop de Economia Doméstica Gratuito; 40% Desc. em Workshops de motivação; 25% Desc. em trabalhos de consultadoria e estudos económicos. Developers- 30% Desc. em todas as formações; Oferta da realização de um plano de negócios para empresários ou empresas novas. Grupo WOP Casa de Belém Condições Rhesus 5% Desc. sobre tabela em vigor para medicina do trabalho. Securmédica 25% Desc.sobre o valor tabelado. SGS Portugal 10% Desc. em formações; Dedução no valor de Certificação; 10% Desc. na Inspeção e certificação de imóveis; 5% Desc. em serviços externos de segurança no trabalho; 10% Desc. em serviços de segurança alimentar; 10% Desc. em inspeções a equipamentos de trabalho; 10% Desc. em licenciamento de equipamentos sob pressão; 30% Desc. em inspeções de gás. Teatro Micaelense 20% Desc. em bilhetes para espetáculos da responsabilidade do Teatro Micaelense. INDÚSTRIA/AMBIENTE SERVIÇOS JURÍDICOS Faria e Castro e Pedro Soares Pimentel Consulta Jurídica: 50 cada (1ª é gratuita); Outros serviços em MGRA ADVOGADOS 20% Desc. sobre a taxa horária aplicável. Noé Rodrigues, Escritório de Advogados 1ª consulta gratuita; Dedução de 10% nas condições fixadas entre o associado e o advogado. Paulo Gusmão Advogado Valor da consulta: 50 + IVA PM & Associados Sociedade de Advogados Valor da consulta: 80 Ricardo Pacheco Advogado Valor da consulta: 50 + IVA. HOTELARIA/RESTAURAÇÃO Alabote 10% Desc. em refeição. Alcides Cabral de Melo 15% Desc. em alojamento. Atlântico Vila 10% Desc. no Praia Café Espaço Quinta 5% Desc. em festas de empresas. Hotel Gaivota 25% Desc. em alojamento. Hotel Talisman 25% Desc. sobre a tabela em alojamento e sala de reuniões; 15% Desc. em consumo superior a 10 em restaurante e bares. McDonalds - Na compra de um Menu Normal oferta de Up-Grade para Menu Grande. Restaurante O Carlos 10% Desc.. Restaurante O Silva 10% Desc. em jantares superiores a 10 por pessoa. Restaurante Universo 10% Desc. em refeições superiores a 10 por pessoa. Centúria 3% Desc. em Estações de Tratamento de Águas Residuais. Eduardo Faria e Filho 5% Desc. em todos os serviços e produtos (exceto orçamentação). Electrozone Açores 15% Desc. em produtos empresariais; 20% Desc. em produtos particulares; 10% Desc. em serviços; mão-de-obra e manutenção. Orçamentos e Estudos de Poupança Gratuitos. Equiambi Serviço gratuito de gestão de embalagens de papel/cartão e plástico; 40% Desc. na execução do plano integrado de prevenção e gestão de resíduos; 20% Desc. na destruição de documentos confidenciais; 20% Desc. no aluguer de WC s portáteis. Garcez & Santos 30% Desc. na venda de produtos Yoçor nas instalações fabris.

RENOVAÇÃO EXTRAORDINÁRIA DE CONTRATOS DE TRABALHO A TERMO CERTO

RENOVAÇÃO EXTRAORDINÁRIA DE CONTRATOS DE TRABALHO A TERMO CERTO RENOVAÇÃO EXTRAORDINÁRIA DE CONTRATOS DE TRABALHO A TERMO CERTO IVA ALTERAÇÃO DAS TAXAS REGISTO DE TEMPOS DE TRABALHO E PUBLICIDADE DE HORÁRIO DE TRABALHO DOS TRABALHADORES AFETOS À EXPLORAÇÃO DE VEÍCULOS

Leia mais

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda

Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Saudade e Silva - Serviços de Contabilidade, Lda Email: ssgeral@saudadeesilva.com NOVO REGIME DE FATURAÇÃO Alterações para 2013, em matéria de faturação e transporte de mercadorias. Legislação aplicável:

Leia mais

APOIOS ÀS PME S. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada

APOIOS ÀS PME S. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada APOIOS ÀS PME S Açores Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada PROGRAMA DE APOIO À RESTAURAÇÃO E HOTELARIA PARA A AQUISIÇÃO DE PRODUTOS REGIONAIS LINHA DE APOIO À REABILITAÇÃO URBANA DOS AÇORES

Leia mais

PSZ CONSULTING Dez 2014

PSZ CONSULTING Dez 2014 Incentivos Fiscais PSZ CONSULTING Dez 2014 Índice Índice... 1 1 Introdução... 3 2 RFAI... 3 2.1 O Que é?... 3 2.2 Beneficiários... 3 2.3 Condições de Acesso... 4 2.4 Despesas Elegíveis... 4 2.5 Taxas de

Leia mais

Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto

Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO. Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto Imposto Sobre o Valor Acrescentado IVA NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO Decreto-Lei n.º 197/2012, de 24 de agosto LEGISLAÇÃO: - Decreto-Lei n.º 197/2012, 24 de agosto - Decreto-Lei n.º 198/1990, 19 de junho -

Leia mais

FAQ'S - Perguntas frequentes

FAQ'S - Perguntas frequentes 1 de 5 SOBRE O E-FATURA FAQS CONTACTOS FAQ'S - Perguntas frequentes CLIENTE / CONSUMIDOR FINAL Em que consiste o novo regime de faturação eletrónica? O novo regime de faturação eletrónica consiste na obrigatoriedade

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Newsletter 07-08/2012 julho/agosto de 2012

Newsletter 07-08/2012 julho/agosto de 2012 Legislação fiscal Ratificações do Presidente da república (Convenções para evitar a dupla tributação e prevenir a evasão fiscal em matéria de impostos sobre o rendimento). Republica Democrática de Timor

Leia mais

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa Novas medidas e benefícios fiscais para 2014 Abílio Sousa Programa Vetores essenciais das medidas de natureza fiscal constantes da lei do OE 2014 DLRR um novo benefício fiscal para PME A reforma do IRC

Leia mais

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial COMPETIR + O Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial tem por objetivo promover o desenvolvimento sustentável da economia regional,

Leia mais

Resumo. As novas regras de Faturação para 2013

Resumo. As novas regras de Faturação para 2013 Resumo As novas regras de Faturação para 2013 Fontes: Decreto-Lei n.º 197/2012 Decreto-Lei n.º 198/2012 Ofícios Circulados 30.136 OE 2013 e restantes comunicações da AT Resumo 1. Regras de Faturação 2.

Leia mais

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge Segunda alteração do Decreto Regulamentar Regional n.º 22/2007/A, de 25 de Outubro, que aprova o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento Local Promotores -Empresários em nome individual, estabelecimentos

Leia mais

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 REGIMES DE BENEFÍCIOS AO INVESTIMENTO E À CAPITALIZAÇÃO No dia 31 de outubro foi publicado o Decreto-Lei n.º 162/2014, que tem como objetivo promover a revisão global

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO Sessão de esclarecimento para associações 1 2 Ofício n.º 30141 de 4 de Janeiro de 2013 da Direção de Serviços do IVA Novas Regras de Faturação Instruções complementares ao Ofício-Circulado

Leia mais

NEWS TCC SROC Julho 2014

NEWS TCC SROC Julho 2014 Novidades Portal das Finanças - Certificação de Software Foi divulgado pelo despacho n.º 247/2014 de 30 Junho de 2014, a prorrogação para 1 de outubro de 2014 a obrigação de certificação de software de

Leia mais

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge Terceira alteração ao Decreto Regulamentar Regional n.º 21/2007/A, de 24 de outubro, alterado pelos Decretos Regulamentares Regionais 11/2009/A, de 13 de agosto, e 9/2010/A, de 14 de junho. Promotores

Leia mais

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal perspetivas newsletter NOV2014 VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal 1- O que é o valor residual de um ativo fixo tangível? Nos termos previstos na Norma Contabilística e de Relato Financeiro

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012. Alterações Fiscais Relevantes NEWSLETTER FISCAL Setembro 2012 Alterações Fiscais Relevantes 1. Introdução O passado mês de Agosto foram publicados vários diplomas legais com impacto na vida das empresas e das organizações em geral.

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Junho 2013. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento. Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes

NEWSLETTER FISCAL Junho 2013. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento. Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes NEWSLETTER FISCAL Junho 2013 Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento, Orçamento Retificativo para 2013 e Outros Assuntos Relevantes 1. Introdução No dia 31 de Maio de 2013, foi submetida à Assembleia

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO DOCUMENTOS DE FATURAÇÃO E COMUNICAÇÃO À AT W: www.centralgest.com E: comercial@centralgest.com 1987-2013 CentralGest - Produção de Software S.A. T: (+351) 231 209 530 Todos os

Leia mais

Qualificação e Internacionalização das PME

Qualificação e Internacionalização das PME Qualificação e Internacionalização das PME Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos

Leia mais

Obrigação de comunicação à AT

Obrigação de comunicação à AT Obrigação de comunicação à AT Perguntas e respostas sobre o impacto das novas regras de comunicação à AT nas empresas Page 2 of 10 Introdução A Publicação do Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de agosto introduz

Leia mais

REMESSAS E CRÉDITOS DOCUMENTÁRIOS

REMESSAS E CRÉDITOS DOCUMENTÁRIOS MARÇO 2013 - nº 87 CONSULTA Operações Vivas, Pendentes, Encerradas e em Análise; Créditos Documentários de Importação e Exportação; Remessas Documentárias de Importação e Exportação. TEMPLATES DE OPERAÇÕES

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 118 19 de junho de 2015 4292-(7)

Diário da República, 1.ª série N.º 118 19 de junho de 2015 4292-(7) Diário da República, 1.ª série N.º 118 19 de junho de 2015 4292-(7) 3 As operações previstas nas alíneas c), d), e), h) e k) do n.º 1 do artigo 30.º são elegíveis na região de Lisboa no âmbito dos apoios

Leia mais

Tributação da reabilitação urbana. Raquel Franco 08.03.2013

Tributação da reabilitação urbana. Raquel Franco 08.03.2013 Raquel Franco 08.03.2013 Benefícios à reabilitação urbana Artigo 45.º EBF prédios urbanos objeto de reabilitação Artigo 46.º EBF - prédios urbanos construídos, ampliados, melhorados ou adquiridos a título

Leia mais

APOIOS AO EMPREGO. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada

APOIOS AO EMPREGO. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada APOIOS AO EMPREGO Açores Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada Índice EMPREGO INTEGRA... 2 PROGRAMA DE INCENTIVO À INSERÇÃO DO ESTAGIAR L E T... 4 ESTAGIAR... 6 PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE RECONVERSÃO

Leia mais

Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto -

Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto - Novas Regras de Facturação para 2013 - Decretos Lei 197/2012 e 198/2012, de 24 de Agosto - 1 Agenda Decreto-Lei nº 197/2012 de 24 de Agosto Decreto-Lei nº 198/2012 de 24 de Agosto 2 Novas Regras de Facturação

Leia mais

NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015

NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015 NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015 FISCALIDADE VERDE Foi aprovado no passado dia 31 de Dezembro, a Lei n.º 82-D/2014 que promove reforma da tributação ambiental, regulamentando assim a Fiscalidade

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 15/2015 de 23 de Janeiro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 15/2015 de 23 de Janeiro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 15/2015 de 23 de Janeiro de 2015 Considerando que o Programa Estagiar, nas suas vertentes L, T e U dirigido a jovens recém-licenciados, mestres

Leia mais

Inovação Empresarial e Empreendedorismo

Inovação Empresarial e Empreendedorismo Inovação Empresarial e Empreendedorismo Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos Na

Leia mais

FICHA NEGÓCIOS Vendas OnLine

FICHA NEGÓCIOS Vendas OnLine Vendas OnLine Nesta Ficha Negócios pretende-se reunir um conjunto de informação útil e pertinente para apoio do desenvolvimento desta atividade. GDEE Setembro 2015 Área de Negócio: Vendas On-line Índice

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO COMUNICAÇÃO À AT BENEFÍCIO FISCAL EM IRS. DL Nº 197/2012 E Nº 198/2012, de 24 de agosto

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO COMUNICAÇÃO À AT BENEFÍCIO FISCAL EM IRS. DL Nº 197/2012 E Nº 198/2012, de 24 de agosto NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO E COMUNICAÇÃO À AT BENEFÍCIO FISCAL EM IRS DL Nº 197/2012 E Nº 198/2012, de 24 de agosto DL Nº 197/2012 - Transposição de Diretivas Comunitárias DL Nº 197/2012 - Transposição

Leia mais

BTOCNEWS REFORMA DO REGIME DA FATURAÇÃO PARA COMBATER A FRAUDE E EVASÃO FISCAL CALENDÁRIO FISCAL AGOSTO 2012 PARA DOWNLOAD S

BTOCNEWS REFORMA DO REGIME DA FATURAÇÃO PARA COMBATER A FRAUDE E EVASÃO FISCAL CALENDÁRIO FISCAL AGOSTO 2012 PARA DOWNLOAD S BTOCNEWS 012 I LEGISLAÇÃO LABORAL Alteração ao código do trabalho SAIBA + REFORMA DO REGIME DA FATURAÇÃO PARA COMBATER A FRAUDE E EVASÃO FISCAL Foi aprovado em Conselho de Ministros de 18 de julho de 2012

Leia mais

VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D. Condições de Enquadramento

VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D. Condições de Enquadramento VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D Condições de Enquadramento Portaria nº 57-A/2015 de 27 de Fevereiro de 2015 0 VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO,

Leia mais

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010

Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo. Data de Apresentação:14 de Abril de2010 Incentivos Fiscais: SIFIDE Internacionalização Investimento Produtivo Data de Apresentação:14 de Abril de2010 1 Agenda 1 SIFIDE 2 Internacionalização 3 Investimento Produtivo 2 Incentivos Fiscais SIFIDE

Leia mais

Guia de Medidas de Apoio à Contratação

Guia de Medidas de Apoio à Contratação Guia de Medidas de Apoio à Contratação Incentivos financeiros e parafiscais de apoio à contratação Conteúdo do Guia Enquadramento Estágios Emprego Apoio à Contratação Via Reembolso da TSU Apoio à Contratação

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução. 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional. Guia Contabilístico e Fiscal do Renting

ÍNDICE. 1. Introdução. 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional. Guia Contabilístico e Fiscal do Renting ÍNDICE 1. Introdução 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional 3. Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro 9 (NCRF 9) 4. Regime Contabilístico Locatário 5. Regime Fiscal - Locatário 6. Quadro

Leia mais

Estabelecimentos Aderentes e Descontos:

Estabelecimentos Aderentes e Descontos: Estabelecimentos Aderentes e Descontos: J.R. Representações, Publicidade, Comunicações e Serviços: 5% desconto em cópias e impressão 5% desconto em publicidade e t shirts com impressão IP Publicidade:

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO PARA O RECONHECIMENTO DO INTERESSE DO INVESTIMENTO PARA A REGIÃO. Nota justificativa

PROJETO DE REGULAMENTO PARA O RECONHECIMENTO DO INTERESSE DO INVESTIMENTO PARA A REGIÃO. Nota justificativa PROJETO DE REGULAMENTO PARA O RECONHECIMENTO DO INTERESSE DO INVESTIMENTO PARA A REGIÃO Nota justificativa Considerando que o Governo através do Decreto-Lei n.º 162/2014, de 31 de outubro, aprovou um novo

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 24 de fevereiro de 2015. Série. Número 33

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 24 de fevereiro de 2015. Série. Número 33 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 Série 2.º Suplemento Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 1/2015/M Aprova o Regulamento

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

Se pretende entregar pelo portal das finanças deve previamente identificar 3 pontos:

Se pretende entregar pelo portal das finanças deve previamente identificar 3 pontos: O início do exercício de atividade, com a entrega/ submissão da respetiva declaração de início de atividade, é um momento de crucial importância para o estabelecimento de um clima de maior confiança entre

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes de Segurança Social Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção

Leia mais

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA)

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 71/2013, DE 30 DE MAIO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - LEI N.º

Leia mais

Obrigações Fiscais 2013

Obrigações Fiscais 2013 Obrigações Fiscais 2013 Caros Associados, A publicação do Decreto-Lei n.º 197/2012 e do Decreto-Lei n.º 198/2012, ambos de 24 de agosto, vieram introduzir importantes alterações nas normas relativas à

Leia mais

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15 IAPMEI/DGAE (www.iapmei.pt / www.dgae.pt) PME Invest (Linha de Crédito com juro bonificado) Linha de Crédito PME Investe III Condições e processo de candidatura A Condições 1. Condições a observar pelas

Leia mais

A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020

A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020 A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020 Quais os Instrumentos regionais para apoiar as empresas dos Açores? Competir + Apoios contratação de RH

Leia mais

Volta de Apoio ao Emprego 2014

Volta de Apoio ao Emprego 2014 Volta de Apoio ao Emprego 2014 Apoios ao Empreendedorismo 1. Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) 2. Programa Investe Jovem 3.O Ninho de Empresas de Loulé 2014-10-23

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 27/2012 de 7 de Março de 2012

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 27/2012 de 7 de Março de 2012 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 27/2012 de 7 de Março de 2012 Considerando a persistente instabilidade dos mercados financeiros nacionais e internacionais e as dificuldades

Leia mais

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge PROENERGIA - Programa de incentivos à produção de energia a partir de fontes renováveis Âmbito São suscetíveis de apoio projetos que envolvam: a) Investimentos na exploração de recursos energéticos renováveis

Leia mais

07-01-2015 BBB 2015 1

07-01-2015 BBB 2015 1 BBB 2015 1 Decreto-Lei N.º 162/2014 de 31 de Outubro C F I 3 Preâmbulo Ideias base Promoção da competitividade e do investimento; Reforço do apoio ao investimento, favorecendo o crescimento sustentável,

Leia mais

PROPOSTA ORÇAMENTO ESTADO 2014. Síntese Relevante

PROPOSTA ORÇAMENTO ESTADO 2014. Síntese Relevante PROPOSTA ORÇAMENTO ESTADO 2014 Síntese Relevante DIPE 16 de Outubro de 2013 0. ÍNDICE Pág. 1. Introdução 3 2. Principais medidas que afectam os setores da Restauração e Alojamento 3 3.. Imposto sobre o

Leia mais

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos

Leia mais

IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos

IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos IVA- Novas regras de faturação Alterações introduzidas pelo Dec-Lei n 197/2012, de 24.8 Esclarecimentos 0 Decreto-Lei nº 197/2012, de 24 de agosto, introduz alterações às regras de faturação em matéria

Leia mais

Calendário fiscal 2015

Calendário fiscal 2015 www.pwc.pt/tax Uma compilação das principais obrigações fiscais e parafiscais de periodicidade regular das pessoas coletivas e das pessoas singulares A PwC Os conteúdos aqui apresentados são de natureza

Leia mais

RFAI. Regime Fiscal de Apoio ao Investimento

RFAI. Regime Fiscal de Apoio ao Investimento RFAI Regime Fiscal de Apoio ao Investimento PORTAL DOS INCENTIVOS Dez 2014 Índice Índice... 1 1 O Que é?... 2 2 Beneficiários... 2 3 Condições de Acesso... 2 4 Despesas Elegíveis... 3 5 Taxas de Apoio...

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV BENEFÍCIOS FISCAIS ÀS ZONAS FRANCAS ARTIGO 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1. (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro) 2. (Revogado pela Lei 64-B/2011,

Leia mais

Sistema de Incentivos. Internacionalização das PME

Sistema de Incentivos. Internacionalização das PME SISTEMA DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Tipologia de investimento: Qualificação e Internacionalização das PME Área de investimento Internacionalização das PME O sistema de incentivos tem como objetivo reforçar

Leia mais

Calendário de Concursos

Calendário de Concursos Calendário de Concursos Resumo dos Principais Programas Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Inovação Empresarial Qualificação e Internacionalização PME s Promoção da Eficiência Energética e da Utilização

Leia mais

Orçamento do Estado para 2013 (2.ª parte) Atualização fiscal

Orçamento do Estado para 2013 (2.ª parte) Atualização fiscal Orçamento do Estado para 2013 (2.ª parte) Atualização fiscal Abílio Sousa Janeiro 2013 Alterações ao Decreto-Lei n.º 198/2012, de 24 de Agosto Medidas de controlo de emissão de faturas OE 2013 alterações

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 88/2013 de 29 de Julho de 2013

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 88/2013 de 29 de Julho de 2013 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 88/2013 de 29 de Julho de 2013 O Governo dos Açores pretende implementar uma nova estratégia de desenvolvimento, tendo em vista a dinamização

Leia mais

Investir no Atlântico

Investir no Atlântico Investir no Atlântico Domínio Competitividade e Internacionalização Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento UALG 17 novembro de 2015 Sistemas

Leia mais

Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local

Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local Enquadramento jurídico-fiscal da atividade de alojamento local A Autoridade Tributária e Aduaneira divulgou no passado dia 19, o ofíciocirculado n.º 20.180, contendo instruções sobre o enquadramento jurídicotributário

Leia mais

Bruxelas, 25-VIII-2005 C(2005) 3288

Bruxelas, 25-VIII-2005 C(2005) 3288 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 25-VIII-2005 C(2005) 3288 Assunto: Auxílio estatal N 360/2005 Portugal Alteração do regime de auxílios existente Auxílios estatais a favor do desenvolvimento regional dos Açores

Leia mais

DECLARAÇÃO MENSAL DE REMUNERAÇÕES (AT)

DECLARAÇÃO MENSAL DE REMUNERAÇÕES (AT) Os dados recolhidos são processados automaticamente, destinando-se à prossecução das atribuições legalmente cometidas à administração fiscal. Os interessados poderão aceder à informação que lhes diga respeito

Leia mais

Regime Fiscal de Apoio ao Investimento

Regime Fiscal de Apoio ao Investimento RFAI Regime Fiscal de Apoio ao Investimento Elaboração de dossier fiscal possível em permanência Porto Rua Dr. Ernesto Soares dos Reis Nº 208, 1º Andar, Sala P 3720 256 Oliveira de Azeméis - Portugal Lisboa

Leia mais

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à de Empresas e Criação do Próprio Emprego IEFP,I.P. 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio Emprego ou

Leia mais

A comunicação obrigatória da faturação. Regime dos Bens de Circulação. O paradigma em mudança

A comunicação obrigatória da faturação. Regime dos Bens de Circulação. O paradigma em mudança Lisboa, 16 de Abril de 2013 União das Associações de Comércio e Serviços A comunicação obrigatória da faturação Regime dos Bens de Circulação O paradigma em mudança 1 Parte I A FATURAÇÃO 2 A COMUNICAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de 4.3.2014

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de 4.3.2014 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 4.3.2014 C(2014) 1229 final REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO de 4.3.2014 que completa o Regulamento (UE) n.º 1299/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho no que

Leia mais

Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais

Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais Este trabalho pode auxiliá-lo numa tarefa nem sempre clara nem sempre fácil: o apuramento das tributações autónomas. Para tal, são-lhe apresentadas

Leia mais

São suscetíveis de apoio os projetos individuais de Empreendedorismo Qualificado e Criativo nas seguintes tipologias:

São suscetíveis de apoio os projetos individuais de Empreendedorismo Qualificado e Criativo nas seguintes tipologias: Sistema de Incentivos Empreendedorismo qualificado e criativo Objetivos e prioridades: Conceder apoios financeiros a projetos de Empreendedorismo Qualificado e Criativo que contribuam para a promoção do

Leia mais

BENEFÍCIOS FISCAIS EM IRC

BENEFÍCIOS FISCAIS EM IRC BENEFÍCIOS FISCAIS EM IRC (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria, consultadoria de gestão, financeira ou legal, ou a prestar qualquer tipo

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 20/2014/A de 23 de Setembro de 2014 Subsistema de Incentivos para o Desenvolvimento Local Na prossecução da política de crescimento, de emprego

Leia mais

Orçamento do Estado para 2004

Orçamento do Estado para 2004 Orçamento do Estado para 2004 (Lei nº107-b/2003, de 31 de Dezembro de 2003) Principais Medidas Fiscais com Incidência na Actividade Empresarial 1 IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Leia mais

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico.

Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 26.07.2002 C (2002) 2943 Assunto: Auxílio estatal N 254/2002 Portugal Linha de crédito bonificada a investimentos do sector turístico. Excelência, PROCEDIMENTO Por carta n.º

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

Novas regras de faturação. (DL n.º197/2012 de 24 de agosto)

Novas regras de faturação. (DL n.º197/2012 de 24 de agosto) 1 Novas regras de faturação (DL n.º197/2012 de 24 de agosto) Este diploma introduz alterações às regras de faturação em matéria de imposto sobre o valor acrescentado, em vigor a partir de 1 de janeiro

Leia mais

FAQ FISCALIDADE VERDE CONTRIBUIÇÃO SOBRE OS SACOS DE PLÁSTICO LEVES

FAQ FISCALIDADE VERDE CONTRIBUIÇÃO SOBRE OS SACOS DE PLÁSTICO LEVES FAQ FISCALIDADE VERDE CONTRIBUIÇÃO SOBRE OS SACOS DE PLÁSTICO LEVES 1. Porquê a introdução de uma contribuição sobre os sacos de plástico leves (mais comummente designados por sacos de compras )? Para

Leia mais

IVA 2013. Novas regras na facturação e na circulação de mercadorias. Janeiro - 2013. 1 J. Gante

IVA 2013. Novas regras na facturação e na circulação de mercadorias. Janeiro - 2013. 1 J. Gante IVA 2013 Novas regras na facturação e na circulação de mercadorias Janeiro - 2013 1 J. Gante Legislação Dir. 2008/08/CE Dir. 2010/45/UE DL 197/2012 DL 198/2012 ( 24 de Agosto ) Ofício 30.136/2012 Ofício

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

Parte I - A FATURAÇÃO

Parte I - A FATURAÇÃO Assuntos a tratar: o A Comunicação Obrigatória de Faturação o Regime dos Bens em Circulação Parte I - A FATURAÇÃO A COMUNICAÇÃO OBRIGATÓRIA DA FATURAÇÃO Criada pelo DL 198/2012 de 24 de Agosto em vigor

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos dos Açores. Sistema de apoio financeiro ao transporte marítimo de resíduos

Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos dos Açores. Sistema de apoio financeiro ao transporte marítimo de resíduos Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos dos Açores Sistema de apoio financeiro ao transporte marítimo de resíduos 2012 1. Qual a finalidade deste sistema de apoio? Este sistema de apoio tem

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 6546-(314) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 82-C/2014 de 31 de dezembro Altera o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas,

Leia mais

BENEFÍCIOS FISCAIS EM IRC

BENEFÍCIOS FISCAIS EM IRC BENEFÍCIOS FISCAIS EM IRC (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria, consultadoria de gestão, financeira ou legal, ou a prestar qualquer tipo

Leia mais

Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa

Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa O Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento entrou em vigor a 15/01/2015, após aprovação pela Câmara Municipal

Leia mais

Benefícios Fiscais. Benefícios Fiscais Contratuais ao Investimento Produtivo

Benefícios Fiscais. Benefícios Fiscais Contratuais ao Investimento Produtivo Benefícios Fiscais Benefícios Fiscais Contratuais ao Investimento Produtivo PORTAL DOS INCENTIVOS Dez 2014 Índice Índice... 1 1 O Que é?... 2 2 Condições de Acesso dos Beneficiários... 2 3 Condições de

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Candidatura ao FIAEA Regulamento

Candidatura ao FIAEA Regulamento Candidatura ao FIAEA Regulamento ARTIGO 1 Objectivos 1.1 A Candidatura ao FIAEA é um processo sistemático e ágil para a avaliação de projetos de investimento de capital de risco no âmbito da Agenda Açoriana

Leia mais

APOIOS AO INVESTIMENTO. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada

APOIOS AO INVESTIMENTO. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada APOIOS AO INVESTIMENTO Açores Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada Índice INVESTIMENTO SISTEMA DE INCENTIVOS SIDER... 2 SISTEMA DE INCENTIVOS EMPREENDE JOVEM... 18 REGIME DE APOIO AO MICROCRÉDITO

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 06 / SI / 2012

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 06 / SI / 2012 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 06 / SI / 2012 SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO DE PME) PROGRAMA ESTRATÉGICO +E+I VALE PROJETO SIMPLIFICADO

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

IVA. Localização das Operações. Territórios. Para haver tributação é necessário, para além de outras condições, que: Efectuada em T.N.

IVA. Localização das Operações. Territórios. Para haver tributação é necessário, para além de outras condições, que: Efectuada em T.N. IVA Localização das Operações IPCA Abril 2013 Localização das Operações Art.º 1.º n.º 1 Para haver tributação é necessário, para além de outras condições, que: Efectuada em T.N. Torna-se então necessário

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

CFEI. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento

CFEI. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento CFEI Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento A Lei n.º 49/2013, de 16 de julho, criou um incentivo fiscal ao investimento designado por CFEI Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento. O presente

Leia mais

As obrigações fiscais das Associações de Pais

As obrigações fiscais das Associações de Pais XIII Encontro Regional de Associações de Pais VISEU As obrigações fiscais das Associações de Pais 1 Introdução Definição de Associação Associação é uma organização resultante da reunião legal entre duas

Leia mais

PME Investe III LINHAS DE CRÉDITO ÀS EMPRESAS

PME Investe III LINHAS DE CRÉDITO ÀS EMPRESAS PME Investe III LINHAS DE CRÉDITO ÀS EMPRESAS Reforço dos Capitais Permanentes Nuno Gonçalves nuno.goncalves@iapmei.pt Linhas de Crédito Linhas LINHAS DE FINANCIAMENTO VALOR Operações Entradas Operações

Leia mais