SECURITAS P O R T U G A L. pag.28 SERVIÇO: QUEM FAZ A DIFERENÇA. pag.14 CIMPOR COM SECURITAS HÁ 16 ANOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SECURITAS P O R T U G A L. pag.28 SERVIÇO: QUEM FAZ A DIFERENÇA. pag.14 CIMPOR COM SECURITAS HÁ 16 ANOS"

Transcrição

1 SECURITAS P O R T U G A L JULHO 2013 EDIÇÃO 76 pag.8 REUNIÃO DA DIVISÃO IBERO-AMÉRICA NO PORTO Estratégias a pensar no futuro pag.14 CIMPOR COM SECURITAS HÁ 16 ANOS Uma relação de parceria win-win pag.28 SERVIÇO: QUEM FAZ A DIFERENÇA Um espaço dedicado aos Colaboradores pelo seu empenho e dedicação pag.12 TRACK & TRACE: ESTÁ SEGURO NA ESTRADA?

2 ÍNDICE/ FICHA TÉCNICA NESTA EDIÇÃO 2 SECURITAS PORTUGAL 3 4 EDITORIAL 8-13 IBERO-AMÉRICA 8 Divisão Ibero-América em Portugal VIGILÂNCIA MOBILE 10 Prémios atribuídos na Vigilância Mobile TECNOLOGIA 12 Securitas na estrada consigo Track&Trace VISÃO Capacidade de adaptação e agilidade 6PERSPECTIVAS Vestir a camisola PARCEIROS 14 Cimpor 19 Petroibérica 24 Novos Contratos TALENTOS Na Securitas pag.34 Concurso Novos Talentos SERVIÇO Quem faz a diferença VALOR PARTILHADO 37 Seminário O Futuro da Segurança 38 Presença na Universidade 38 Corrida da Criança 39 3.º Prova de BTT- Desporto Escolar 39 2.º Torneio Costa Verde 36 EM ACÇÃO Securitas na Mini Maratona RESPONSABILIDADE SOCIAL Corrida Solidária Bosch Torneio de Rugby Veteranos SENSIBILIZAÇÃO 40 Segurança e Saúde do Trabalho FORA DE PORTAS 41 Formação Securitas nos Centros Comerciais 360º 42 Securitas no Museu 43 Plataforma On-line FICHA TÉCNICA Revista Securitas Portugal PROPRIEDADE Securitas - Serviços e Tecnologia de Segurança S.A. SEDE Rua Rodrigues Lobo, n.º 2 - Edifício Securitas, Linda-a-Velha, Portugal EDIÇÃO Direcção de Marketing DIRECTOR Firmino Fonseca DESIGN E ACOMPANHAMENTO GRÁFICO Linha21 FOTOGRAFIA José Oliveira Ribeiro FOTOGRAFIA DE CAPA Joakim S. Enger PERIODICIDADE Semestral Alvarás: MAI nº 22A, 22B, 22C, 22D; INCI nº Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização prévia da Securitas - Serviços e Tecnologia de Segurança S.A.

3 SECURITAS PORTUGAL EDITORIAL 3 EDITORIAL E sta edição marca uma viragem na história da Revista Securitas Portugal, visto que a publicação passa a ser disponibilizada, a partir de agora, exclusivamente em formato digital, podendo ser lida num PC ou Mac e, a partir do final de Agosto, estar também acessível nos formatos ios (ipad e iphone) e Android, permitindo uma leitura cómoda e interactiva. Como se compreenderá, esta decisão foi tomada após uma reflexão profunda, que já vinha a ser feita há algum tempo. As questões ambientais e de cariz económico pesaram naturalmente na nossa decisão. O Mundo atravessa um período de mudança galopante, e temos a obrigação de tentar acompanhar esse processo de mudança, adaptando-nos a novas realidades que afectam todas as actividades e todo o tecido empresarial em geral. Esta edição marca uma viragem na história da Revista Securitas Portugal. Devemos mencionar que, esta nova realidade da Revista em formato exclusivamente digital, constituirá para nós um processo de aprendizagem, em que, esperamos, a próxima edição venha a ser sempre melhor. Entre vários temas abordados, realçamos mais uma vez alguns casos que reflectem a importância do Serviço e de quem faz a diferença através do seu empenho e dedicação. Não poderíamos deixar de fazer referência à mais recente reunião da Divisão Ibero-América, que inclui Portugal, e que se realizou na nossa Filial do Porto, tendo sido discutidas estratégias relacionadas com o desenvolvimento do negócio. Decidimos, nesta edição, relançar o Concurso Novos Talentos, aberto a todos os Colaboradores da Securitas. Na anterior edição, ficou bem patente o potencial do talento muitas vezes escondido, que existe na Empresa. Cá aguardamos a vossa participação no Concurso, que nos surpreenderá certamente a todos, pela positiva. A importância do Serviço e de quem faz a diferença através do seu empenho e dedicação. Temos a expectativa de que a Revista venha a ser do agrado das nossas audiências interna e externa. Gostaria de utilizar esta oportunidade para desejar a todos um bom e merecido periodo de férias! Firmino Fonseca Director de Marketing

4 VISÃO 4 SECURITAS PORTUGAL Capacidade de adaptação e agilidade Portugal atravessa actualmente um momento muito difícil, em termos económicos, sociais e políticos, com implicações difíceis de prever, face a todas as variáveis em jogo. Esta situação obriga as empresas a uma capacidade enorme de resiliência, sendo provável que, infelizmente, as que não tenham as adequadas condições estruturais e de gestão, não consigam sobreviver. Por: Jorge Couto, Administrador-Delegado ajustamento que tem vindo a ser Merece particular realce a estratégia que tem sido O pedido aos sectores Público, Privado, e também aos Particulares, certeza de que esta opção é certa e absolutamente seguida, de investimento em tecnologia, com a não tem precedentes na história essencial para, de forma continuada, acrescentar recente de Portugal. valor no serviço prestado aos nossos Clientes. Esta aposta, que nos tem distinguido da maioria da concorrência, será determinante na renovada afirmação Apesar desta realidade, a Securitas, no primeiro semestre de 2013, através do esforço de todos e de da Securitas como empresa que lidera processos no uma gestão criteriosa e equilibrada, conseguiu manter os resultados em linha com o foi pioneira na actividade da Seg- Sector, como tem acontecido desde que, há 47 anos, orçamento previsto. renovada afirmação da urança Privada em Portugal. Securitas como empresa Na actual conjuntura, esta performance pode considerar-se Sector, (...) desde que, há mentas inovadoras, de apoio à que lidera processos no O desenvolvimento de ferra- notável, sendo reveladora de 47 anos, foi pioneira na actividade dos nossos Vigilantes, uma capacidade de adaptação actividade da Segurança tem merecido igual contributo e de flexibilidade que, frequentemente, se pensa existir unica- parte da Empresa. Privada em Portugal. em termos de investimento por mente em empresas de menor dimensão. A agilidade faz parte do ADN da Securitas, o que tem permitido Um conjunto de projectos de interesse estratégico fazer face e ultrapassar os grandes desafios a que estamos expostos diariamente. mitindo dar consistência ao caminho traçado. Pa- tem beneficiado dos recursos necessários, perralelamente, a contínua melhoria e optimização de Jorge Couto, Administrador- -Delegado

5 SECURITAS PORTUGAL 5 VISÃO A Securitas desenvolveu-se e cresceu através do esforço de equipas. processos e ganhos de eficiência têm contribuído para a redução do custo dos serviços prestados aos Clientes, que reconhecem a vantagem de estar associados a uma empresa inovadora. Por fim, uma breve nota relativa à componente humana, a mais importante da empresa. Apesar dos processos de reestruturação que têm sido efectuados, as políticas de recursos humanos continuarão a obedecer a critérios de racionalidade e equilíbrio, condizentes com a responsabilidade de grande empregador que somos a nível nacional. A Securitas desenvolveu-se e cresceu através do esforço de equipas que, ao longo dos anos, foram criando uma cultura própria e afirmando a empresa no panorama económico nacional. Tudo faremos para continuar a ser a empresa mais atractiva do Sector, mantendo os nossos Colaboradores motivados e com orgulho em representar a Securitas! Fotografia de Ingmar Lindewall A aposta em tecnologia acrescenta valor no serviço prestado aos Clientes.

6 PERSPECTIVAS 6 SECURITAS PORTUGAL Vestir a camisola Por: Jorge Martins, Director de Recursos Humanos A Relação de trabalho é muito mais do que uma mera relação mercantil, na qual alguém vende o seu tempo e esforço a uma entidade, que por sua vez, utiliza esse tempo e esforço da forma mais eficiente, durante o período de tempo em que necessite desse esforço. Todo o trabalho nas organizações tem, ou melhor, deve ter, um fim bem determinado. Qual é então o objectivo do trabalho? Criação de valor ou de riqueza. A pergunta seguinte é, a quem se destina a criação de valor? Antes de mais, a criação do valor destina-se ao cliente. É a percepção do cliente, relativamente ao valor criado pela empresa fornecedora que determina a sua decisão de escolher este fornecedor em detrimento de outro. A forma como cada cliente determina o valor que precisa é muito diferente de entidade para entidade. Jorge Martins, Director de Recursos Humanos Outra parcela do valor criado pela empresa destina-se aos accionistas. Estes têm uma percepção do valor que pode diferir de acordo com o período de tempo em consideração. Com efeito, há que distinguir o curto, o médio e o longo prazo. Nem sempre é possível no curto prazo reembolsar ao accionista os investimentos que este fez na empresa. No entanto, este pode, ou não, estar disponível para esperar pelo reembolso no médio e longo prazo. A situação muito delicada que o nosso país atravessa, exige um esforço e compreensão por parte deste actor na grande maioria das empresas. Nem sempre o esforço exigido é proporcional ao risco que aquele corre ao investir na empresa. Os fornecedores são outro destinatário do valor criado pela empresa. O Estado e a Sociedade em geral são um dos principais e importantes destinatários do valor gerado pela empresa. O reembolso deste valor é feito através do pagamento de impostos directos e indirectos, recebendo a empresa, em contrapartida, condições de funcionamento adequadas e contribuindo para o desenvolvimento da sociedade. Deixo os colaboradores para o fim, porque estes são destinatários especiais do valor gerado pela empresa. Porque é que são especiais? São especiais porque o seu esforço é recompensado em forma de retribuição, de satisfação, de motivação, de reconhecimento, de orgulho em fazer parte da empresa, etc. O valor gerado pelo trabalho, durante um determinado período de tempo, pode ser muito diferente. Por exemplo, dois trabalhadores que desempenham o mesmo trabalho numa linha de produção durante 8 horas. Neste período de tempo, um deles pode produzir 100 peças e o outro 130. Se ambos estiverem a prestar um serviço, durante o mesmo período de tempo, um dos colaboradores pode gerar satisfação no cliente de 60 e o outro gerar uma satisfação de 95 (considerando uma escala de 0 a 100, em que Zero é satisfação mínima e 100 a satisfação máxima).

7 SECURITAS PORTUGAL 7 PERSPECTIVAS Considerando que ambos são recompensados de igual forma pela empresa onde trabalham, isto é, o vencimento é igual, então o valor da retribuição do trabalhador que produz maior satisfação no cliente é menor do que a retribuição do trabalhador que produz menor satisfação no cliente. Nesta altura o leitor deve ter questionado o seguinte mas não faz muito sentido o colaborador que mais produz, receber o mesmo que o outro que menos produz. Contudo, devemos realçar que, a recompensa pelo trabalho prestado não se esgota na retribuição monetária. Há outros factores nos Serviços de Apoio, verdadeiramente focados e envolvidos no trabalho sob a sua responsabilidade, num forte espírito de entreajuda na relação de trabalho, que funcionam como elementos de satisfação pessoal e profissional, e que fazem com que os colaboradores se excedam no Há outros factores na relação de trabalho, que funcionam como elementos de satisfação pessoal e profissional, e que fazem e fortemente empenhados em fazer mais e melhor. Este estado de espírito tem sido muito forte, o que tem ajudado desempenho das suas funções. com que os colaboradores os nossos colaboradores a se excedam no desempenho superar os desafios que a nossa Importa referir e sublinhar que hoje, vestir a camisola, não é das suas funções. sociedade tem pela frente. Os egoísmos têm dado lugar à suficiente para ter sucesso na organização. Qualquer pessoa a quem se paga a retribuição veste (talvez sem esforço) a camisola. O que faz a diferença é ter partilha, as dificuldades são partilhadas pelas equipas com o objectivo de superar as expectativas dos clientes. a camisola vestida e suada! O colaborador que tem a camisola vestida está satisfeito, a satisfação causa bem estar, mas este estado não é suficiente para fazer a nossa empresa vencer. O colaborador que tem a camisola vestida e suada está motivado e a motivação desencadeia esforço, energia e criatividade. A motivação implica exigência, desafio, envolvimento, evolução, espírito de equipa, entreajuda e reconhecimento. É muito significativo o facto, de Norte a Sul do País e nas Regiões Autónomas, quer de dia quer à noite, encontrarmos cada vez mais colegas em todos os serviços, quer na Vigilância Especializada, na Vigilância Mobile, na Vigilância Aeroportuária e Marítima, nos Segmentos, na Tecnologia e Inovação (que inclui a Instalação e Assistência Técnica), na Área Comercial, Entender onde estamos, para onde queremos ir e como vamos lá chegar, em cada projecto onde estamos envolvidos, é a responsabilidade de cada colaborador da Securitas. Nesta viagem, se tiverem a camisola vestida e suada, podem contar com os colegas, com as chefias e com a empresa....forte espírito de entreajuda e fortemente empenhados em fazer mais e melhor.

8 IBERO-AMÉRICA 8 SECURITAS PORTUGAL Divisão Ibero-América em Portugal Reunião no Porto N os passados dias 8, 9 e 10 de Maio teve lugar na Filial do Porto a reunião da Divisão Ibero-América, que contou com a presença de Luís Posadas, Presidente da Divisão Ibero-América, dos Administradores-Delegados, dos Responsáveis pelas Áreas de Vigilância Especializada, Tecnologia e Inovação e Vigilância Mobile de todos os Países que integram a Divisão. Esta reunião realiza-se anualmente, sendo debatidos temas sobre as linhas estratégicas e o desenvolvimento da Empresa. Abordaram-se questões de nível económico, resultados e planos futuros. A grande aposta do Grupo Securitas é na Área de Tecnologia e Inovação, que complementa cada vez mais as áreas dos Serviços de Vigilância, permitindo oferecer soluções que aumentam os níveis de segurança, reduzindo os custos para o Cliente. Reunião da Divisão Ibero-América na Filial do Porto. Vista aérea do Porto.

9 SECURITAS PORTUGAL 9 IBERO-AMÉRICA Alguns dos Participantes na Reunião do Porto.

10 VIGILÂNCIA MOBILE 10 SECURITAS PORTUGAL Prémio Vigilante Mobile 2012 N os passados meses de Fevereiro e Março a Área da Vigilância Mobile, durante o pequeno-almoço Mobile (PAM) de cada Filial, Norte, Sul e Ilhas, procedeu à entrega do Prémio Vigilante Mobile Este Prémio foi atribuído aos Vigilantes que cumpriram com um conjunto de 5 (cinco) critérios previamente definidos, estando dividido em 3 (três) escalões diferentes de atribuição: Ouro, Platina e Mérito. Entre os critérios definidos, realçamos os seguintes: Assiduidade (exceptuando Doenças)/ Pontualidade, Conservação de Viaturas e Médias de Consumo, Qualidade das Rondas efectuadas e Acções de Resposta desenvolvidas. A lista dos premiados foi a seguinte: Prémio Vigilante Mobile Resultados Acumulados Filial Vigilante Número Prémio Algarve Luís Santos Mérito Algarve Pedro Lourenço Mérito Algarve Pedro Peres Mérito Algarve Nuno Cristovão Mérito Setúbal Luís Dias Mérito Setúbal Hugo Caldeira Mérito Setúbal Mário Faustino Mérito Setúbal Luís Rodrigues Ouro Setúbal Joaquim Fazeres Mérito Lisboa Sul Carlos Araújo Ouro Lisboa Sul Carlos Fernandes Mérito Lisboa Sul José Sousa Platina Lisboa Sul António Antunes Ouro Lisboa Sul José Xavier Ouro Lisboa Norte João Rasteiro Mérito Lisboa Norte Alfredo Teixeira Mérito Lisboa Norte António Aires Mérito Lisboa Norte Fábio Tomás Mérito Leiria Ricardo Rodrigues Mérito Leiria Paulo Eiras Mérito Leiria Francisco Santos Mérito Coimbra Sul Vitor Tomás 2665 Mérito Coimbra Sul Luís Rodrigues Mérito Coimbra Sul Vitor Silva Mérito Coimbra Sul Tiago Silvestre Mérito Porto António Santos Mérito Porto Carlos Sousa Mérito Porto Luís Carvalho Mérito Braga Fernando Nunes Mérito Braga Euclides Vieira Mérito Braga Ângelo Peliteiro Mérito Braga César Lopes Mérito Braga Tiago Mendes Ouro Madeira Daniel Rodrigues Mérito Madeira César Carvalho Mérito Madeira Márcio Gomes Ouro Madeira Inácio Marques Mérito Madeira José Pereira Ouro Madeira Saul Santos Mérito

11 SECURITAS PORTUGAL 11 VIGILÂNCIA MOBILE Nuno Dias, Gestor da Filial Vigilância Mobile - Lisboa Norte, na entrega de prémios. Abel de Sousa, Director da Área Vigilância Mobile, entrega o prémio a José de Sousa, que, com 35 anos de casa, é o Vigilante Mobile mais antigo na Securitas Portugal. 35 Anos José de Sousa 35 anos de casa O grupo que participou na Cerimónia, na Sede da Securitas, em Linda-a-Velha.

12 TECNOLOGIA 12 SECURITAS PORTUGAL Securitas na estrada consigo Solução de Segurança Track&Trace A Securitas disponibiliza aos seus Clientes a solução Track&Trace, que permite, entre outros, o rastreamento e controlo de bens transportados, cujo impacto na respectiva operação é uma mais-valia em termos de retorno financeiro. Conseguem-se melhorias de eficiência, de gestão, nomeadamente no caso das empresas logísticas de transporte de mercadorias, ou de empresas de transporte de passageiros. E sta solução, que potencialmente minimiza o impacto de situações imprevisíveis, pode ser aplicada em muitas áreas de negócio/segmentos de mercado, nomeadamente, nas áreas de Siderurgia, Transporte de Cargas, Construção, Saúde, Indústria Química, Farmacêutica, Ramo Alimentar, Agro-pecuária, Ferroviária, Portuária e Aeroportuária. Track&Trace Em termos gerais, os serviços que podem ser disponibilizados, incluem a localização de veículos, as rotas, situações de sabotagem, controlo de temperatura e monitorização da carga, podendo o condutor do veículo dispor de um botão de pânico. Global Local

13 SECURITAS PORTUGAL 13 TECNOLOGIA A solução Track & Trace, que potencialmente minimiza o impacto de situações imprevisíveis, pode ser aplicada em muitas áreas de negócio/segmentos de mercado (...). Estes serviços beneficiam da ligação à Central de Monitorização e Recepção de Alarmes da Securitas As situações de carjacking/acidentes também podem ser contempladas na oferta de serviços. Todos estes serviços beneficiam da ligação à Central de Monitorização e Recepção de Alarmes da Securitas, que, apetrechada com os mais modernos meios de reacção, pode dar resposta imediata às situações que possam ocorrer. Trata-se efectivamente de uma solução que permite inovação permanente, agilidade nas soluções, segurança e estabilidade dos bens transportados, suporte e capacidade de resposta operativa, e desenvolvimento de hardware e software à medida das necessidades do Cliente. Assim, o Cliente pode transferir para a Securitas as preocupações de segurança da sua frota, concentrando-se no seu próprio Core Business! Para mais informações poderá ser contactado o Departamento de I&D da Securitas: Alexandra Amaral

14 PARCEIROS 14 SECURITAS PORTUGAL Cimpor Uma empresa InterCement - Alhandra Confiança absoluta é essencial na nossa relação A Cimpor, uma empresa InterCement, é Cliente da Securitas desde 1997, numa relação de parceria que se tem desenvolvido com empenho, resultando numa situação de win-win, em que ambas as partes têm saído vencedoras. Para ficarmos a saber um pouco mais sobre como decorre a actividade da Cimpor em Alhandra, e sobre os serviços que prestamos a este Cliente, trocámos impressões com o Director da Fábrica de Alhandra, Engº Mário Lopes. Entrevista a: Engº Mário Lopes, Director da Cimpor em Alhandra O sucesso da Cimpor deve-se a vários factores como a qualidade do produto e a competência e know-how dos seus recursos humanos.

15 SECURITAS PORTUGAL 15 PARCEIROS Securitas Portugal: A Securitas presta serviços à Cimpor desde Como caracteriza a relação que a Cimpor tem tido com a Securitas? Engº Mário Lopes: A relação com a Securitas é boa e tem sido desenvolvida com base na confiança mútua. Devo realçar o profissionalismo e a simpatia dos colaboradores da Securitas, como factores muito positivos. São pessoas muito afáveis, que também têm tido a capacidade de se adaptar a diferentes rotinas decorrentes da recente renegociação do contrato, no âmbito do processo de reajuste de custos fixos que a Cimpor tem vindo a desenvolver, dentro da conjuntura desfavorável que o país atravessa e que a todos tem afectado. A transição para a nova realidade tem decorrido bem. S.P.: O que se espera de um prestador de serviços de segurança? A Securitas tem correspondido às expectativas da Cimpor? M.L.: Um prestador de serviços de segurança tem de oferecer confiança absoluta e grande profissionalismo. Também é muito importante o aspecto da interacção pessoal dos elementos da Segurança com os efectivos da Cimpor, o que se tem verificado. Os elementos da Segurança têm de fazer parte da equipa da Cimpor, e serem peças da Organização, que se sintam bem nesta Casa. A Securitas tem correspondido totalmente às nossas expectativas. S.P.: A Cimpor tem uma posição de liderança no mercado em Portugal. Como tem decorrido o negócio da Empresa a nível local? E qual o perfil da empresa a nível internacional? A que se deve o sucesso que a Cimpor tem alcançado ao longo dos anos? M.L.: A nível local, como é do conhecimento geral, o mercado tem sentido os efeitos da situação que o País atravessa. Assim, a Cimpor Portugal tem feito uma aposta forte na exportação, sendo neste momento a percentagem de cimento exportado, cerca de 60% das vendas totais de cimento. Se considerarmos o conjunto cimento + clínquer, a exportação no seu todo, atinge cerca de 80% das vendas totais. Neste momento, apresentam-se bastantes oportunidades de exportação, o que é muito positivo face à retracção do mercado local. A nível internacional, a InterCement, empresa do Grupo Camargo Corrêa, detém desde há um ano o controlo das operações da Cimpor, com um total de 40 fábricas em 8 países, estando actualmente entre as 10 maiores empresas internacionais do sector. Vigilantes Isabel Cosme e José Lopes O sucesso da Cimpor deve-se a vários factores como a qualidade do produto e a competência e know-how dos seus recursos humanos, que têm contribuído para fazer a diferença. Claro que não posso deixar de referir que a nossa estratégia de internacionalização tem naturalmente sido essencial para o sucesso global da Cimpor.

16 PARCEIROS 16 SECURITAS PORTUGAL S.P.: Quais os principais desafios que se colocam às operações da Cimpor em Portugal num futuro próximo, e qual o papel que a segurança deve desempenhar nesse contexto? M.L.: A Cimpor depara-se com vários desafios, sendo um dos mais importantes conseguir manter- -se competitiva, num quadro difícil de competição. A nível nacional, por exemplo, a recuperação económica seria de extrema importância para a recuperação do mercado cimenteiro. Acredito que a busca contínua da excelência técnica e organizacional, permite-nos manter a elevada qualidade dos nossos produtos, a preços cada vez mais competitivos, num enquadramento de Sustentabilidade cada vez mais vincada, a nível económico-financeiro, na vertente comunitária, ambiental e de Saúde e Segurança, com o necessário envolvimento de todos os nossos stakeholders. Neste contexto, a Segurança deve ser um parceiro que, na conjuntura actual, terá sempre um papel relevante. Num quadro de Efectivos mais reduzido, é essencial que a equipa de Segurança seja competente e que garanta a salvaguarda de pessoas e bens. E aqui, temos que ter total confiança na componente da Segurança, para que nos possamos preocupar e concentrar mais em exclusividade nos desafios do nosso próprio negócio. Vigilante Isabel Cosme

17 SECURITAS PORTUGAL 17 PARCEIROS Gestor de Filial José Costa José Costa é o Gestor de Filial responsável pelo Segmento Indústria - Lisboa. Tem um conjunto alargado de Clientes, incluindo a Cimpor em Alhandra. Com ele trocámos breves impressões sobre esta responsabilidade e sobre os serviços prestados ao Segmento Indústria. Securitas Portugal: O que pensa ser mais importante, na gestão da segurança de um Cliente como a Cimpor? José Costa: O conhecimento do espaço físico das instalações e possíveis vulnerabilidades, dos riscos intrínsecos associados à actividade da Cimpor, das suas preocupações (nomeadamente dos valores a proteger), e fundamentalmente das suas expectativas e exigências quanto ao parceiro de Segurança. S.P.: Qual o papel que os Vigilantes e a Supervisão desempenham no desenvolvimento do relacionamento com a Cimpor? J.C.: O papel dos Vigilantes e da Supervisão é primordial. A parceria com a Cimpor ao longo destes anos tem-se fortalecido pela óptima opinião que o Cliente deposita nos nossos Vigilantes, que inequivocamente tem por base a confiança de que os mesmos são merecedores, fruto do seu mérito de colocarem no desempenho das suas funções os conhecimentos adquiridos com a formação e informação (específica para o segmento e para a Cimpor). A Supervisão, compreendendo bem as expectativas e exigências do Cliente, tem sido fundamental no apoio, motivação e acompanhamento do conjunto dos Vigilantes, o que naturalmente reforça a confiança e o relacionamento. S.P.: Como tem sido a sua experiência como Gestor do Segmento Indústria - Lisboa? Com a actual situação sócio- -económica, qual a importância dos Serviços de Vigilância Especializada prestados neste Segmento? J.C.: Tanto ao nível Pessoal como Profissional tem sido uma experiência extremamente positiva. A Securitas como líder em conhecimento, coloca ao dispor das estruturas um conjunto de ferramentas e know-how essenciais no desenvolvimento de competências pessoais e do negócio, o que para mim tem sido muito gratificante. Naturalmente que face à actual conjuntura socio-económica e à falta de investimento no sector, o segmento Indústria tem tido diariamente desafios que colocam à prova a nossa resiliência e capacidade de inovar. O desenvolvimento de soluções à medida de cada Cliente, em que a componente tecnológica é adequadamente combinada com os serviços de Vigilância especializada, tem sido basilar na diferenciação que os Clientes nos conferem e na sustentabilidade do negócio. Com a segmentação, a Securitas proporciona aos Clientes da Indústria serviços de Vigilância com elevado grau de especialização, que directamente concorrem no aumento da sua produtividade e eliminação de desperdícios, na medida que os Clientes transferem para a Securitas as suas preocupações com os aspectos da Segurança, concentrando-se assim no seu core business.

18 PARCEIROS 18 SECURITAS PORTUGAL Vigilante-Chefe Paulo Luís Paulo Luís é o Vigilante-Chefe que supervisiona directamente os Vigilantes que prestam serviço na Cimpor, em Alhandra, estabelecendo a ponte entre o Cliente e o Gestor da Filial. Falámos com Paulo Luís, sobre as suas responsabilidades e como encara o relacionamento com os seus Clientes em geral. Securitas Portugal: Quantos Clientes e Vigilantes tem actualmente na área geográfica sob a sua responsabilidade? Paulo Luís: Actualmente tenho sob a minha responsabilidade 30 Clientes e um grupo de 140 Vigilantes, dispostos a cumprir com um padrão de serviço direccionado para a melhoria contínua e para as boas práticas. S.P.: Como encara os desafios que lhe são colocados a si e à sua Equipa de Vigilantes na Cimpor? P.L.: Encaro com a maior tranquilidade, empenho e satisfação. Sei que temos uma equipa de profissionais especializados com uma clara atribuição de responsabilidades, factor essencial para garantir o elevado nível de serviço, indispensável ao funcionamento de uma instalação com o grau de exigência da Cimpor. S.P.: Em geral, como assegura, no dia-a-dia, a satisfação do serviço prestado aos seus Clientes? P.L.: Asseguramos através do cumprimento cabal da nossa missão. Por essa razão, somos interventivos, rigorosos e também funcionamos como elemento de apoio. A acção interventiva recai na prevenção relacionada com pessoas e bens, aplicando-se, no fundo, ao cumprimento da função primária da Vigilância. O rigor aplica-se ao cumprimento das Normas Técnicas de Serviço e aos regulamentos internos do Cliente. O ser elemento de apoio, apresenta-se na manutenção das melhores condições de funcionamento da instalação e da interacção com todas as equipas de trabalho do Cliente.

19 SECURITAS PORTUGAL 19 PARCEIROS Petroibérica A Securitas veio garantir um serviço de excelência A Petroibérica seleccionou a Securitas para a prestação de serviços de segurança. Tivemos oportunidade de falar com José Fialho, Director da Rede de Retalho e Património da Petroibérica, sobre o serviço que prestamos e sobre a actividade da Petroibérica. Entrevista a: José Fialho, Director da Rede de Retalho e Património da Petroibérica

20 PARCEIROS 20 SECURITAS PORTUGAL Securitas Portugal: A Securitas foi a empresa seleccionada pela Petroibérica para a segurança das suas instalações. A que se deveu esta escolha? José Fialho: A escolha da Securitas deveu-se ao facto de estarmos insatisfeitos com a anterior empresa prestadora de serviços de segurança, a qual não nos oferecia um serviço à medida das nossas necessidades, e também tivemos problemas ao nível da fiabilidade dos equipamentos de segurança instalados, tendo esta falta de segurança resultado em avultados prejuízos para a empresa. A Securitas veio garantir a prestação de um serviço de excelência utilizando equipamentos/tecnologia de última geração, indo assim ao encontro do que pretendíamos ao nível da segurança, onde se incluem pessoas e bens. S.P.: Recentemente o contrato de Serviços de Vigilância Mobile passou a contrato de Segurança Integrada. O que levou a esta decisão? A Petroibérica está satisfeita com esta solução? Quais as mais-valias da mesma? J.F.: A decisão de passagem de um contrato de Vigilância Mobile para um Contrato de Segurança Integrada deveu-se ao facto de termos tido um assalto e de considerarmos que o Serviço de Rondas era insuficiente para cobrir as nossas instalações. Por essa razão, optámos por incrementar o serviço, com a componente da segurança electrónica. Assim estamos mais seguros e confiantes! S.P.: A Securitas tem sabido corresponder às expectativas da Petroibérica? J.F.: Sim, sem dúvida. O serviço é excelente. Além disso, se surge algum problema a Securitas resolve-o rapidamente.

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados

Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Cursos de Formação em Alternância na Banca Quarto Estudo de Follow up dos Diplomados Relatório Cursos terminados entre 2006 e 2009 Projecto realizado em parceria e financiado pelo Instituto de Emprego

Leia mais

Programa de Candidatura Eleições da FPAMC 2012

Programa de Candidatura Eleições da FPAMC 2012 Programa de Candidatura Eleições da FPAMC 2012 O candidato a Presidente Paulo Araújo Fundador da Federação Portuguesa de Artes Marciais Chinesas - 1992 Cidadão português, nascido em Angola (uma das antigas

Leia mais

Governação Hospitalar

Governação Hospitalar Aviso: Este projecto encontra-se em fase-piloto e, sem autorização, não pode ser usado para outros fins. Se necessário, contacte o coordenador do DUQuE através de duque@fadq.org Governação Hospitalar em

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

IPAM reforça no Porto. Pdg. 76. Por M." João Vieira Pinto

IPAM reforça no Porto. Pdg. 76. Por M. João Vieira Pinto IPAM reforça no Porto Pdg. 76 Por M." João Vieira Pinto IPAM reforça no Porto Afirma-se como lhe Marketing School e ambiciona ser a referência do ensino nesta área. Por isso, ejá a partir do próximo ano,

Leia mais

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard P o r C a r l o s M a n u e l S o u s a R i b e i r o O Balanced Scorecard apresenta-se como alternativa viável aos tradicionais sistemas

Leia mais

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO

PRAIE PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO EMPRESARIAL NO CONCELHO DE VIANA DO ALENTEJO ANEXO 1 - NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Apoio ao Investimento Empresarial, adiante designado

Leia mais

Comunicado de Imprensa PRÉMIOS RH 2009

Comunicado de Imprensa PRÉMIOS RH 2009 Comunicado de Imprensa PRÉMIOS RH 2009 Os Prémios RH são o reconhecimento público do mérito dos profissionais da Gestão de Recursos Humanos que se distinguem nas suas várias dimensões. É crescente o prestígio

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são:

Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Sociedades de Garantia Mútua (SGM) são: Operadores financeiros que prestam às instituições bancárias as garantias que lhes permitem disponibilizar às PME empréstimos em condições mais favoráveis. Ao partilhar

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

Declaração de Princípios.

Declaração de Princípios. POR UMA NOVA ANTRAM MAIS FORTE E INTERVENTIVA Regular o Mercado Fortalecer as Empresas Modernizando e Qualificando o Sector Reforçar o apoio aos associados. Programa eleitoral da Lista A Candidata aos

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

Braga, 10 de Janeiro de 2011.

Braga, 10 de Janeiro de 2011. Braga, 10 de Janeiro de 2011. Página 1 de 20 INDICE INTRODUÇÃO... 3 Págs. CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO DE FORMAÇÃO... 10 BALANÇO DAS ACTIVIDADES DEP. FORMAÇÃO.11 PRIORIDADES DE MELHORIA. 15 CONCLUSÃO.. 16

Leia mais

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS AO ESTATUTO DE PME DE UMA EMPRESA A presente comunicação tem por objectivo incentivar a aplicação

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO. Artigo 1.º (Objectivo e Filosofia)

PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO. Artigo 1.º (Objectivo e Filosofia) PRIME (PROGRAMA DE INCENTIVO ÀS MICRO-EMPRESAS) NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO ENQUADRAMENTO 1) O Programa de Incentivo às Micro-empresas, adiante designado por PRIME, é gerido pela Câmara Municipal de Vidigueira

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Marketing directo Março de 2015

Marketing directo Março de 2015 Marketing directo Março de 2015 INSTITUTIONAL STRAPLINE! Para quem O que comunicar Porquê comunicar Quando comunicar Estratégia Mensuração Direccionado Quantificação Meios diversos Marketing directo Interactividade

Leia mais

TESTEMUNHOS SUMÁRIO. de Voluntários destacam importância da ajuda ao Próximo. Boletim Informativo n.º 24. Setembro 2011

TESTEMUNHOS SUMÁRIO. de Voluntários destacam importância da ajuda ao Próximo. Boletim Informativo n.º 24. Setembro 2011 Boletim Informativo n.º 24 Setembro 2011 SUMÁRIO TESTEMUNHOS de Voluntários destacam importância da ajuda ao Próximo Pequenas histórias de pessoas comuns que fazem coisas extraordinárias em prol dos outros,

Leia mais

www.ege.pt CURSO GERAL DE GESTÃO

www.ege.pt CURSO GERAL DE GESTÃO www.ege.pt CURSO GERAL DE GESTÃO PORQUÊ FAZER UM CURSO GERAL DE GESTÃO? Porque, tendo uma formação de base noutra área do conhecimento (ex: Engenharia, Direito,...) desempenha ou pretende vir a desempenhar

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento Índice Pág *09 Como participar Pág *10 Calendário Pág *11 Os resultados Pág *12 Júri Pág *13 Regulamento Pág *01 Introdução Pág *02 Um programa alargado de intervenção Pág *05 Viver de Consciência Leve

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

(Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012)

(Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012) Regulamento Interno www.tone.pt (Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012) Introdução www.tone.pt A Tone Music Lda encontra-se sediada em Coimbra, circunscrevendo actualmente o seu raio de acção a este

Leia mais

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL ANEXO III RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL -- ÍNDICE ÍNDICE. OBJECTIVOS E ÂMBITO DO ESTUDO. METODOLOGIA. RESUMO. INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL. INOVAÇÃO NOS ÚLTIMOS 6 ANOS 6. APRENDIZAGEM

Leia mais

Manual da Garantia Mútua

Manual da Garantia Mútua Março de 2007 Manual da Garantia Mútua O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às pequenas, médias e micro empresas (PME), que se traduz fundamentalmente na prestação

Leia mais

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços Curso de Gestão Empresarial para Comércio e Serviços PROMOÇÃO: COLABORAÇÃO DE: EXECUÇÃO: APRESENTAÇÃO: > A aposta na qualificação dos nossos recursos humanos constitui uma prioridade absoluta para a Confederação

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO DE GESTÃO EM SAÚDE PÓS-GRADUAÇÃO DE COMUNICAÇÃO E MARKETING EM SAÚDE

PÓS-GRADUAÇÃO DE GESTÃO EM SAÚDE PÓS-GRADUAÇÃO DE COMUNICAÇÃO E MARKETING EM SAÚDE PÓS-GRADUAÇÃO DE GESTÃO EM SAÚDE PÓS-GRADUAÇÃO DE COMUNICAÇÃO E MARKETING EM SAÚDE Duração 2 semestres Condições de selecção Curriculum profissional; curriculum académico e entrevista (se necessário) ECTS

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

Regulamento 2015. 1. Objectivo. 2. Elegibilidade

Regulamento 2015. 1. Objectivo. 2. Elegibilidade Regulamento 2015 1. Objectivo Prémio Empreendedorismo e Inovação Crédito Agrícola 2015 é um concurso que resulta da conjugação de esforços e vontades do Crédito Agrícola, aqui representado pela Caixa Central

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

Relatório. Turística

Relatório. Turística Relatório anual de avaliação de curso Gestão do Lazer e da Animação Turística 2008 2009 Estoril, Março 200 Francisco Silva Director de Curso de GLAT Conteúdo Introdução... 3 2 Dados do Curso... 3 3 Avaliação

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH. 12 de Março de 2014 Centro de Congressos do Estoril REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

Leia mais

O QUE É OBJECTIVOS: VANTAGENS

O QUE É OBJECTIVOS: VANTAGENS O QUE É O Gira Volei é um jogo fácil, divertido e competitivo destinado aos jovens com idade compreendida entre os 8 e os 16 onde apenas se pode utilizar uma técnica: o passe. OBJECTIVOS: Contribuir para

Leia mais

CORRIDA CIDADE DE BEJA 17 Maio 2015-09.30H BEJA

CORRIDA CIDADE DE BEJA 17 Maio 2015-09.30H BEJA CORRIDA CIDADE DE BEJA 17 Maio 2015-09.30H BEJA REGULAMENTO A CORRIDA DA CIDADE É um evento de corrida e caminhada inserido nas comemorações do dia da cidade, organizado pela Câmara Municipal de Beja em

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa Apresentação da Empresa Apresentamos a Coversteel S.A., uma nova Empresa constituída em Dezembro de 2011, dirigida a uma oportunidade que apareceu no mercado nacional, na área dos revestimentos metálicos

Leia mais

IISEMANA 13 DE ABRIL / 15H00 SESSÃO DE ABERTURA DA SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA

IISEMANA 13 DE ABRIL / 15H00 SESSÃO DE ABERTURA DA SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA INSTITUTO DA CONSTRUÇÃO E DO IMOBILIÁRIO IISEMANA DARE- ABILITAÇÃO ASSIMFOI URBANA 13 DE ABRIL / 15H00 SESSÃO DE ABERTURA DA SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA C o n f e r ê n c i a s E x p o s i

Leia mais

APRESENTAÇÃO AEFCUP. Informações. AEFCUP Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto

APRESENTAÇÃO AEFCUP. Informações. AEFCUP Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto APRESENTAÇÃO AEFCUP Informações AEFCUP Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Rua do Campo Alegre, 1021 4150 180 Porto GPS: 41º 11'10.25'' N 8º41'25.32''W Tlf. AEFCUP

Leia mais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais

Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica. Sines Tecnopolo. Pós-Graduação. MBA em Negócios Internacionais Associação Centro de Incubação de Empresas de Base Tecnológica Sines Tecnopolo Pós-Graduação MBA em Negócios Internacionais Edital 1ª Edição 2012-2013 1 Enquadramento O MBA em Negócios Internacionais é

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

A excelência ao serviço do cliente

A excelência ao serviço do cliente A ENGIMAGNE A excelência ao serviço do cliente A ENGIMAGNE é uma resposta de excelência para as necessidades de empresas, instituições e particulares em tecnologias e soluções de engenharia, energia e

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ

CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ CENTRO DE FORMAÇÃO DESPORTIVA DE XADREZ Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia Gaianima, E. M., Equipamentos Municipais Departamento do Desporto Escolar Escola Profissional de Gaia Academia de Xadrez de

Leia mais

MINISTÉRIO da SAÚDE. Gabinete do Secretário de Estado da Saúde INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE

MINISTÉRIO da SAÚDE. Gabinete do Secretário de Estado da Saúde INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE APRESENTAÇÃO DO PRONTUÁRIO TERAPÊUTICO INFARMED, 3 DE DEZEMBRO DE 2003 Exmo. Senhor Bastonário da Ordem dos Farmacêuticos Exmo. Senhor Bastonário

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012 PROGRAMA DE VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012 VOLUNTARIADO SERRALVES EM FESTA 2012 Preparado para mais um Serralves em Festa? É já nos dias 2 e 3 de Junho que se realiza mais uma edição do Serralves

Leia mais

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E.

Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. Código de Ética e de Conduta do Metropolitano de Lisboa, E.P.E. ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. Empresa e Serviço Público Empresa Missão Visão Função Social e Responsabilidades Sociais 2. Princípios e Valores Estruturantes

Leia mais

A Intervenção das Farmácias no Tratamento das Toxicodependências

A Intervenção das Farmácias no Tratamento das Toxicodependências Programas Terapêuticos de Administração de Metadona, Buprenorfina e Naltrexona A Intervenção das Farmácias no Tratamento das Toxicodependências Relatório de 2008 Uma contribuição vital A intervenção das

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correcta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

CETC NEWSLETTER. Nesta edição: OUTUBRO 2015 CETC NEWSLETTER. Editorial 2. Torneio Inter-Equipas 3. Ténis by Adriano Carvalho. Festa do Ténis 2015 6

CETC NEWSLETTER. Nesta edição: OUTUBRO 2015 CETC NEWSLETTER. Editorial 2. Torneio Inter-Equipas 3. Ténis by Adriano Carvalho. Festa do Ténis 2015 6 OUTUBRO 2015 CETC NEWSLETTER Nesta edição: Editorial 2 Torneio Inter-Equipas 3 Ténis by Adriano Carvalho 4 Festa do Ténis 2015 6 Torneio Prova B 9 International Senior Cantanhede I 14 O Mundo do Ténis

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008

PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008 PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2008 ÁREA ALIMENTAR GESTÃO DE SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Formador: Eng. João Bruno da Costa TRIVALOR, SGPS NUTRIÇÃO Formador: Dr. Lino Mendes - ESTeSL - Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

Regulamento do Concurso de Ilustração. Mascote Infantil ANA

Regulamento do Concurso de Ilustração. Mascote Infantil ANA Regulamento do Concurso de Ilustração Mascote Infantil ANA 1 1 ENQUADRAMENTO O presente concurso visa fomentar a colaboração entre a ANA e a comunidade envolvente, possibilitando a alunos do ensino superior

Leia mais

1. Nota de Boas Vindas. 2. Quem somos. Conceito umbrella. Uma empresa Portuguesa, líder Ibérica, com mais de 16 anos de experiência

1. Nota de Boas Vindas. 2. Quem somos. Conceito umbrella. Uma empresa Portuguesa, líder Ibérica, com mais de 16 anos de experiência 2 Conteúdos 1 Nota de Boas Vindas... 2 Quem somos... 3 Onde estamos... 3.1 Moradas e Contactos... 4 Como funcionamos... 4.1 Serviço Comercial... 4.2 Serviço de Gestão da Relação com o Cliente - CRM...

Leia mais

UNIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DO PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO INTERNA (UPRI)

UNIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DO PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO INTERNA (UPRI) EMPRESA NACIONAL DE ELECTRICIDADE, EMPRESA PÚBLICA (ENE-E.P.) Nº1 Abril de 2007 Boletim Informativo da UPRI UNIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DO PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO INTERNA (UPRI) Sumário Nota introdutória

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH. 18 de Março de 2015 Centro de Congressos do Estoril REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

Leia mais

Desafios da Implementação. Estoril, 29 Setembro 2014 Carlos Correia Prosegur, Diretor Comercial 1

Desafios da Implementação. Estoril, 29 Setembro 2014 Carlos Correia Prosegur, Diretor Comercial 1 Desafios da Implementação da Nova Lei da Segurança Privada Estoril, 29 Setembro 2014 Carlos Correia Prosegur, Diretor Comercial 1 AGENDA 1. Nova Lei da Segurança Privada Balanço Impactos nos Clientes Impactos

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Health Management Future

Health Management Future 2012 Health Management Future COM O PATROCÍNIO DE O grupo BIAL tem como missão desenvolver, encontrar e fornecer novas soluções terapêuticas na área da Saúde. Fundado em 1924, ao longo dos anos BIAL conquistou

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correcta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas

III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas Começo por cumprimentar os membros deste painel, Professor João Carvalho das Neves,

Leia mais

Investigação científica aproxima meio académico das empresas

Investigação científica aproxima meio académico das empresas Investigação científica aproxima meio académico das empresas Maria José Fernandes, responsável pela primeira unidade de investigação nas áreas da Contabilidade e da Fiscalidade em Portugal, acredita que

Leia mais

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA 8º CICLO DE SEMINÁRIOS TRANSPORTES & NEGÓCIOS O PAPEL DO SISTEMA AEROPORTUÁRIO NAS SOLUÇÕES LOGÍSTICAS Outubro 2006 Preâmbulo Atendendo ao modelo económico de desenvolvimento

Leia mais

Procura de Excelência

Procura de Excelência www.mba.deg.uac.pt Procura de Excelência MASTER IN BUSINESS ADMINISTRATION Mestrado em Gestão (MBA) Secretariado Departamento de Economia e Gestão Rua da Mãe de Deus Apartado 1422 E-mail: mba@uac.pt Tel:

Leia mais

Pós-Graduação em. MARKETING E GESTÃO COMERCIAL de Serviços Financeiros INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO BANCÁRIA

Pós-Graduação em. MARKETING E GESTÃO COMERCIAL de Serviços Financeiros INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO BANCÁRIA BSUPERIOR DE GESTÃO INSTITUTO Pós-Graduação em MARKETING E GESTÃO COMERCIAL de Serviços Financeiros 2005 2006 Associação Portuguesa de Bancos INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO B ISGB THE PORTUGUESE SCHOOL OF

Leia mais

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 12 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Nos termos do Regulamento do SI Inovação, a apresentação

Leia mais

INDUSCRIA. PLATAFORMA PARA AS INDÚSTRIAS CRIATIVAS Um Contributo para as Novas Geografias Cosmopolitas

INDUSCRIA. PLATAFORMA PARA AS INDÚSTRIAS CRIATIVAS Um Contributo para as Novas Geografias Cosmopolitas OS CONSULTORES Instituicões & Empresas Associadas: GAB. COORDENADOR da ESTRATÉGIA DE LISBOA e do PLANO TECNOLÓGICO CEDRU_Centro de Estudos e Desenvolv. Regional e Urbano McKINSEY & Company PLMJ ASSOCIADOS_Sociedade

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (Transformação da criatividade individual em inovação) www.apgico.pt

CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (Transformação da criatividade individual em inovação) www.apgico.pt CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (Transformação da criatividade individual em inovação) www.apgico.pt QUEM SOMOS SOMOS ESPECIALISTAS (corpos sociais) Jorge Alves Prof. Catedrático jubilado

Leia mais

DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO DO MERCADO DAS MULTILATERAIS FINANCEIRAS

DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO DO MERCADO DAS MULTILATERAIS FINANCEIRAS PROJECTO DE ACTA DA 1ª REUNIÃO DA COMISSÃO DE ACOMPANHAMENTO DO MERCADO DAS MULTILATERAIS FINANCEIRAS Aos sete dias do mês de Abril de dois mil e dez, realizou-se nas instalações da AICEP Agência para

Leia mais

Perfil das Ideias e dos Empreendedores

Perfil das Ideias e dos Empreendedores Perfil das Ideias e dos Empreendedores I - Considerações gerais A análise que se segue tem como referência um painel 115 ideias de negócio, com proposta de desenvolvimento por 214 empreendedores, candidatos

Leia mais

ANEXO I NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Enquadramento

ANEXO I NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO. Enquadramento ANEXO I NORMAS E CONDIÇÕES DE ACESSO Enquadramento 1. O programa de Apoio às Actividades Tradicionais, adiante designado PRATA, é gerido pela Câmara Municipal de Moura em parceria com a Caixa de Crédito

Leia mais

Lic. Marketing e Publicidade. Marketing 1º Ano/2º Semestre Pós laboral

Lic. Marketing e Publicidade. Marketing 1º Ano/2º Semestre Pós laboral Lic. Marketing e Publicidade Marketing 1º Ano/2º Semestre Pós laboral Trabalho realizado por: Maria Marques, 7005 Docente: Dr. Fernando Gaspar SANTARÉM Licenciatura em Marketing & Publicidade 1 de 10 2007/2008

Leia mais

Testemunho pessoal do coordenador científico. Testemunhos. Coordenador: Nuno Côrte-Real

Testemunho pessoal do coordenador científico. Testemunhos. Coordenador: Nuno Côrte-Real Testemunho pessoal do coordenador científico Coordenador: Nuno Côrte-Real Como o próprio nome indica, trata-se de um programa generalista que aborda de uma forma integrada e sistémica os mais relevantes

Leia mais

Maratona BTT 5 Cumes realiza-se a 23 de Setembro em Barcelos

Maratona BTT 5 Cumes realiza-se a 23 de Setembro em Barcelos Em 2011 foi a Maratona com maior participação das provas da FPC Maratona BTT 5 Cumes realiza-se a 23 de Setembro em Barcelos A oitava edição da Maratona BTT 5 Cumes foi apresentada na última quinta-feira

Leia mais

Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios

Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios Outubro de 2009 Agenda EM DESTAQUE Estágios e Suplemento ao Diploma- uma aposta no futuro! Índice Nota Editorial Eventos/Notícias Na Primeira Pessoa Manz

Leia mais

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Outras conclusões: Recrutamento na área de Marketing Digital registou crescimento de 15%. Área de E- commerce cresceu 6% Remuneração dos profissionais

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação

Projeto Pedagógico e de Animação Projeto Pedagógico e de Animação 1 - Memória Descritiva 2 Identificação e Caracterização da Instituição Promotora 3 - Objetivos Gerais 4 - Objetivos Específicos 5 - Princípios educacionais 6 Metodologias

Leia mais

Regulamento do Concurso

Regulamento do Concurso Regulamento do Concurso Preâmbulo Considerando que, constituem objectivos do CRÉDITO AGRÍCOLA, enquanto Entidade Promotora: - Promover iniciativas empresariais inovadoras e conciliadoras com sinergias

Leia mais

nova Entrada Principal

nova Entrada Principal nova Entrada Principal Refeitório Salas de Aulas Ginásios Campo Coberto Sala Polivalente Biblioteca Serviços Editorial Estamos em crer não restarem dúvidas aos nossos associados,, que teimosamente continuam

Leia mais