- MÉTODO KABAT - FACILITAÇÃO NEUROMUSCULAR PROPRIOCEPTIVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "- MÉTODO KABAT - FACILITAÇÃO NEUROMUSCULAR PROPRIOCEPTIVA"

Transcrição

1 - MÉTODO KABAT - FACILITAÇÃO NEUROMUSCULAR PROPRIOCEPTIVA 1

2 KABAT BASES DO MÉTODO KABAT 1. Padrão de Facilitação -Movimentos nas diagonais (cabeça, MMSS/MMII, cintura escapular, cintura pélvica); -Movimento rotacional (espiral): rotação ocorrendo em todo o movimento (rotação interna/externa). 2. Estímulos Proprioceptivos - Tração (sempre em movimento de flexão); - Aproximação (sempre em movimento de extensão); OBS: tração e aproximação = estimulam os receptores de cápsulas e ligamentos e fusos musculares; - Reflexo de estiramento (sempre contrário ao movimento e deve ser curto e rápido). Este trabalha com os fusos musculares. - Estímulo de estiramento (posiciona o membro no máximo de estiramento). 3. Comando verbal - Este deve ser: explicativo / correção / ordem. Ex.: abra os dedos, punho pra trás, polegar para o nariz, braço para cima e para fora. 4. Estímulo visual (e auditivo) - O paciente deve olhar (e ouvir) o movimento que está realizando. 5. Contato Manual - Esse serve para: - guiar o movimento; - resistência ao movimento; - estímulo inicial ao movimento. 6. Máxima Resistência - Aumenta a propriocepção e conseqüentemente aumenta o controle do movimento (manter o impulso aferente estimulador do estiramento). 2

3 7. Seqüência e ritmo de movimento Padrão de Cabeça e Pescoço Os padrões do pescoço incluem os componentes de movimento: flexão (extensão), flexão lateral e rotação, sendo que a amplitude do movimento estará limitada se o paciente não olhar na direção do movimento da cabeça. O paciente pode ser posicionado sentado, em prono ou em supino. Temos uma diagonal do pescoço caracterizada por flexão /flexão lateral/ rotação variando apenas o lado iniciado (direita ou esquerda). Padrão Flexor: flexão cervical, rotação e inclinação lateral da cabeça para D ou E Contato Manual (CM): uma das mãos apóia na face póstero-lateral D ou E da cabeça (occipital), outra mão segura o queixo do lado D ou E com a face interna da palma na superfície anterior da mandíbula. Posição de alongamento (PA): tracione e posicione a cabeça do paciente em extensão cervical, rotação e inclinação lateral da cabeça para esquerda (direita). Cuidado para não rodar o tronco. oposto. Comando Verbal (CV): levanta a cabeça e encosta o queixo no peito do lado 3

4 Padrão Extensor: extensão cervical, rotação e inclinação lateral da cabeça para D ou E CM: uma das mãos apóia na parte occipital D ou E, e a outra mão segura a mandíbula do lado E ou D. PA: tracione e posicione a cabeça do paciente em flexão cervical, rotação e inclinação lateral da cabeça para direita (esquerda). Cuidado para não rodar o tronco. CV: levanta o queixo, levanta a cabeça e olha atrás, aqui pra mim. ESCÁPULA Os padrões escapulares podem ser realizados com o paciente em decúbito lateral (sem ação da gravidade) ou em decúbito dorsal (com ação da gravidade), permitindo movimentos escapulares livre, produzindo facilmente reforço para as atividades de tronco. Diagonal Primitiva de Cintura Escapular Ântero-Depressão CM: 2 mãos na face ântero -superior lateral do ombro. PA: leve a escápula para cima e para trás em direção a nuca (póstero-elevação). CV: leva o ombro em direção ao umbigo. 4

5 Póstero-Elevação CM: 2 mãos na face escapular próxima ao ângulo inferior da escápula. depressão). PA: leve a escápula para baixo e para frente em direção ao íleo oposto (ântero CV: leva o ombro pra trás em direção à nuca Diagonal Funcional de Cintura Escapular Antero-Elevação CM: 2 mãos na região anterior do ombro PA: puxar a escápula para baixo e para trás em direção a coluna (pósterodepressão) 5

6 CV: ombro pra cima em direção ao nariz Póstero-Depressão CM: 2 mãos na borda medial da escápula PA: empurre a escápula para cima e para frente (antero-elevação) CV: ombro para baixo em direção a cintura 6

7 PELVE Os padrões pélvicos podem ser realizados com o paciente deitado, sendo que o lado que está se movendo não deve estar descarregando peso. Como a pelve faz parte do tronco, a amplitude de movimento dos padrões pélvicos depende da quantidade de movimento da parte inferior da coluna. Os padrões pélvicos são considerados isolados do tronco se não ocorrer aumento da flexão ou extensão da região lombar. Dependendo da resistência aplicada pode-se facilitar o reforço das atividades do tronco e membros inferiores. Diagonal Primitiva de Cintura Pélvica Ântero-Depressão CM: 2 mãos na crista ilíaca anterior. PA: desloque a pelve para cima e para trás em direção a pôstero elevação. Cuidado para não realizar rotação de tronco. CV: leva o quadril pra frente em direção ao pé Póstero-Elevação CM: 2 mãos na parte posterior da crista iliaca. PA: empurre a pelve para baixo e para frente (ântero depressão) CV: leva o quadril pra trás em direção ao ombro 7

8 Diagonal Funcional de Cintura Pélvica Antero-Elevação CM: 2 mãos na crista ilíaca anterior PA: puxar a crista ilíaca para trás e para baixo em direção a póstero depressão. CV: leva o quadril pra cima em direção ao ombro oposto Póstero-Depressão CM: 2 mãos no glúteo PA: empurre a tuberosidade isquiática para cima e para frente, levando a crista ilíaca em direção à caixa torácica do lado oposto (ântero-elevação). CV: leva o quadril pra baixo em direção ao pé 8

9 MEMBROS SUPERIORES O membro superior apresenta duas diagonais: - diagonal primitiva (extensão-adução-ri / flexão-abdução-re) - diagonal funcional (extensão-abdução-ri / flexão-adução- RE) Padrão Flexor da Diagonal Primitiva Flexão, abdução, rotação externa de ombro, cotovelo esticado, supinação, extensão de dedos e punho, abdução de dedos e abdução de polegar CM: Distal: mão oposta, polegar na região ulnar e os outros 4 dedos na região radial do dorso da mão Proximal: 1/3 médio do antebraço na região anterior PA: tracione e posicione o membro superior em adução e rotação interna de ombro, pronação de antebraço, flexão de dedos e punho. CV: abre os dedos, abre o polegar, punho pra trás, vira o polegar para o nariz, braço pra cima e pra fora. 9

10 Padrão Extensor da Diagonal Primitiva Extensão, adução, rotação interna de ombro, cotovelo esticado, pronação, flexão de dedos e punho, adução de dedos, flexão e oponência de polegar CM: Distal: mesma mão, polegar na região ulnar e os 4 dedos na região radial da palma da mão Proximal: 1/3 médio do antebraço na região posterior PA: tracione e posicione o membro em abdução e rotação externa de ombro, extensão de cotovelo, supinação de antebraço, extensão de dedos e punho CV: fecha os dedos, aperta a minha mão, vira o polegar para o umbigo, dobra o punho, braço na cintura oposta 10

11 Padrão Flexor da Diagonal Funcional Flexão, adução, rotação externa de ombro, cotovelo esticado, supinação, flexão radial de punho, flexão e adução de polegar e flexão dos dedos. região radial. CM: Distal: mão oposta, 4 dedos na palma da mão do lado ulnar e o polegar na Proximal: região anterior do antebraço PA: tracione e posicione o membro superior em abdução e rotação interna de ombro, póstero depressão da escápula, extensão de cotovelo, pronação de antebraço, extensão de dedos e punho. CV: aperta a minha mão, vira o polegar para fora, dobra o punho, leva o braço pra cima e para trás do rosto Padrão Extensor da Diagonal Funcional Extensão, abdução, rotação interna de ombro, póstero depressão da escápula, pronação de antebraço, extensão de dedos e punho. CM: Distal: mesma mão, polegar na região ulnar e os 4 dedos na região radial do dorso da mão Proximal: 1/3 médio do antebraço na região posterior PA: tracione e posicione o membro superior em adução e rotação externa de ombro, antero-elevação da escápula, flexão (ou extensão) de cotovelo, supinação de antebraço, flexão de dedos e punho 11

12 CV: levanta os dedos, roda o polegar para o umbigo, levanta o punho, braço para baixo e para fora. MEMBROS INFERIORES O membro inferior possui duas diagonais: - diagonal funcional: extensão-abdução-ri / flexão-adução-re - diagonal primitiva: extensão-adução-re / flexão-abdução-ri Padrão Flexor da Diagonal Primitiva Flexão, abdução, rotação interna de quadril, joelho esticado, dorsiflexão, eversão pé e abdução dos dedos CM: Distal: 4 dedos apóia no dorso do pé do lado fibular e o polegar do lado tibial (polegar direcionado ao calcanhar) Proximal: 4 dedos na face anterior externa da coxa, acima da patela PA: tracione e posicione o membro inferior do paciente em adução e rotação externa de quadril, extensão de joelho, flexão plantar e inversão de tornozelo. e para fora CV: levanta a ponta do pé, levanta os dedos, calcanhar para fora, perna para cima 12

13 Padrão Extensor da Diagonal Primitiva Extensão, adução, rotação externa de quadril com joelho esticado, flexão plantar, inversão pé, com flexão e adução dedos CM: Distal: 4 dedos apóia na planta do pé do lado fibular e o polegar do lado tibial Proximal: palma da mão na face posterior interna da coxa PA: tracione e posicione o membro inferior do paciente em flexão, abdução e rotação interna de quadril, extensão de joelho, dorsiflexão e eversão de tornozelo. CV: ponta de pé, calcanhar para dentro, perna para baixo e para dentro Padrão Flexor da Diagonal Funcional Flexão, adução, rotação externa de quadril, joelho esticado, dorsiflexão e inversão do pé com extensão e adução de dedos. lado fibular. CM: Distal: mesma mão, 4 dedos apóia no dorso do pé do lado tibial e o polegar do 13

14 Proximal: 4 dedos na face interna anterior da coxa PA: tracione e posicione o membro inferior do paciente em extensão, abdução e rotação interna de quadril, extensão de joelho, flexão plantar e eversão de tornozelo. CV: levanta os dedos, vira o calcanhar para dentro, perna para cima e para dentro Padrão Extensor da Diagonal Funcional tornozelo Extensão, abdução, rotação interna de quadril, flexão plantar e eversão de CM: Distal: região dorsal do pé do paciente Proximal: região anterior do joelho PA: tracione e posicione o membro inferior do paciente em flexão, adução e rotação externa de quadril, extensão de joelho, dorsiflexão e inversão de tornozelo. CV: ponta de pé, calcanhar para fora, perna para baixo e para fora 14

15 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Adler, S.S.; Beckers, D.; Buck, M. PFN: Facilitação Neuromuscular Proprioceptiva. São Paulo: Manole,

CINESIOLOGIA Planos, Eixos e Movimentos. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

CINESIOLOGIA Planos, Eixos e Movimentos. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior CINESIOLOGIA Planos, Eixos e Movimentos Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Planos Referenciais LOCALIZAÇÃO DIVIDE O CORPO EM PLANO SAGITAL (plano mediano) Verticalmente, da frente para trás; paralelo

Leia mais

Série criada para: Ciatalgia - piora flexão

Série criada para: Ciatalgia - piora flexão Mobilização Neural - Nervo Ciático E deslizamento Deitado abraçe uma coxa próximo do joelho. Estique o joelho. Quando dobrar o joelho leve o queixo em direção ao peito. Retorne a cabeça e estique o joelho

Leia mais

MÚSCULOS DOS MEMBROS INFERIORES

MÚSCULOS DOS MEMBROS INFERIORES MÚSCULOS DOS MEMBROS INFERIORES Músculos Anteriores da Coxa Flexores de Quadril Músculo Origem Inserção Inervação Ação Pectíneo Psoas Maior Psoas menor Ilíaco Sartório Ramo Superior do púbis Processos

Leia mais

Movimentos do Corpo Humano e os Músculos que os realizam (categorizados por articulação)

Movimentos do Corpo Humano e os Músculos que os realizam (categorizados por articulação) Movimentos do Corpo Humano e os Músculos que os realizam (categorizados por articulação) Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Júnior TORNOZELO Dorsiflexão: Tibial Anterior O = côndilo lateral da tíbia I =

Leia mais

Avaliação da Flexibilidade

Avaliação da Flexibilidade Curso de Pós Graduação em Golfe FMH Junho de 2005 Avaliação da Flexibilidade Pedro Mil-Homens, Jorge Infante, Maria João Valamatos FLEXIBILIDADE? Faculdade de efectuar movimentos de grande amplitude. (Zatsiorsky,1966)

Leia mais

Cintura escapular. Prof. Caroline Bernardes. Articulações do ombro e cintura escapular

Cintura escapular. Prof. Caroline Bernardes. Articulações do ombro e cintura escapular Cintura escapular Prof. Caroline Bernardes Articulações do ombro e cintura escapular Esternoclavicular: sinovial do tipo selar; Elevação e retração do ombro. Acromioclavicular: sinovial do tipo plana;

Leia mais

ARTICULAÇÕES DO TORNOZELO E PÉ ARTICULAÇÃO DO TORNOZELO E PÉ

ARTICULAÇÕES DO TORNOZELO E PÉ ARTICULAÇÃO DO TORNOZELO E PÉ ARTICULAÇÕES DO TORNOZELO E PÉ ARTICULAÇÃO DO TORNOZELO E PÉ TORNOZELO-PÉ Ajuste à superfícies irregulares; Estabilização do membro inferior; Absorver impactos; Impulsionar o corpo. Composto por : 34 articulações;

Leia mais

Músculos da Perna. Músculos da Perna. Músculos. Membros Inferiores. Músculos da Perna. Regiões. Perna e Pé. Tibial Anterior. Divisão.

Músculos da Perna. Músculos da Perna. Músculos. Membros Inferiores. Músculos da Perna. Regiões. Perna e Pé. Tibial Anterior. Divisão. Regiões Músculos dos Membros Inferiores Perna e Pé Marcelo Marques Soares Prof. Didi Região Anterior Região Lateral Região Posterior Superficial Região Posterior Profunda Músculos da Perna Região Anterior

Leia mais

Cinesiologia e Biomecânica. Conceitos e Definições

Cinesiologia e Biomecânica. Conceitos e Definições Conceitos e Definições Conceitos e Definições O QUE É CINESIOLOGIA? É o estudo do movimento humano. Subdisciplinas da Cinesiologia Cinesiologia Biomecânica Educação Física Física Adaptada Fisiologia do

Leia mais

CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Coluna e Membros Inferiores

CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Coluna e Membros Inferiores CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Coluna e Membros Inferiores Músculos da Coluna Mul-.deo Eretor da Espinha Iliocostal Mul-.deo Mul-fideo Origem: Processos espinhosos das vértebras da coluna

Leia mais

ANATOMIA DOS. Sistema Nervoso Periférico. Nervos Espinhais PROF. MUSSE JEREISSATI

ANATOMIA DOS. Sistema Nervoso Periférico. Nervos Espinhais PROF. MUSSE JEREISSATI SISTEMAS ANATOMIA DOS Sistema Nervoso Periférico Nervos Espinhais PROF. MUSSE JEREISSATI mussejereissati@hotmail.com website: www.mussejereissati.com Feito com Apple Keynote AGORA, NÃO! 3 Sistema Nervoso

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE FÁTIMA Disciplina de educação Física

COLÉGIO NOSSA SENHORA DE FÁTIMA Disciplina de educação Física COLÉGIO NOSSA SENHORA DE FÁTIMA Disciplina de educação Física Seguidamente, apresento os elementos gímnicos que seriam abordados nas aulas dos dias 20 e 22 de Outubro. Dada a impossibilidade da vossa presença,

Leia mais

EXAME DO PUNHO E DA MÃO

EXAME DO PUNHO E DA MÃO EXAME DO PUNHO E DA MÃO INTRODUÇÃO Mão e punho constituem as partes mais ativas da extremidade superior 28 ossos, numerosas articulações, 19 músculos intrínsecos e 20 músculos extrínsecos Mão atua como

Leia mais

Acessos cirúrgicos aos ossos e articulações dos membros

Acessos cirúrgicos aos ossos e articulações dos membros Universidade Paulista UNIP Medicina Veterinária Anatomia Topográfica Aplicada São José dos Campos, 10 de maio de 2012 Acessos cirúrgicos aos ossos e articulações dos membros Membro Torácico Corpo da escápula

Leia mais

Tonificação da musculatura abdominal:

Tonificação da musculatura abdominal: Exercícios sugeridos: No início da gestação a mulher somente fará exercícios se já tiver uma vida fisicamente ativa e aquelas que forem sedentárias deverão ter a recomendação médica além ter idade gestacional

Leia mais

PORQUE DESENVOLVER FORÇA MUSCULAR?

PORQUE DESENVOLVER FORÇA MUSCULAR? PORQUE DESENVOLVER FORÇA MUSCULAR? Quando se desenvolve músculos mais fortes e resistentes você diminui o desgaste do sistema cardiovascular, economizando energia, pois sua musculatura tem um torque de

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO Osteologia do Membro Superior

ROTEIRO DE ESTUDO Osteologia do Membro Superior ROTEIRO DE ESTUDO Osteologia do Membro Superior Forma a porção ventral da cintura escapular. Osso longo com formato de S itálico alongado, situado quase que horizontalmente logo acima da primeira costela.

Leia mais

BIOMECÂNICA PÉ E TORNOZELO

BIOMECÂNICA PÉ E TORNOZELO BIOMECÂNICA PÉ E TORNOZELO O pé é considerado como uma das mais importantes articulações do corpo, pois além de possuir importantes funções no suporte de peso e na marcha, ele é causa de várias patologias,

Leia mais

MÚSCULOS. Os músculos levantadores das costelas têm forma de leque e são em número de doze. Elevam as costelas.

MÚSCULOS. Os músculos levantadores das costelas têm forma de leque e são em número de doze. Elevam as costelas. MÚSCULOS Os músculos superficiais do dorso (trapézio e grande dorsal) conectam os membros superiores ao tronco e estão relacionados com os movimentos desses membros. A tabela a seguir mostra suas funções

Leia mais

Cinesiologia 19/4/2011. Classificação planar da posição e dos movimentos. Cinemática: Ciência do movimento dos corpos no espaço. Prof.

Cinesiologia 19/4/2011. Classificação planar da posição e dos movimentos. Cinemática: Ciência do movimento dos corpos no espaço. Prof. Cinesiologia Classificação planar da posição e dos movimentos Prof. Cláudio Manoel Cinemática: Ciência do movimento dos corpos no espaço Movimento de único ponto (C.G.) Posição de uma única articulação

Leia mais

ESTUDO RADIOLÓGICO DO JOELHO

ESTUDO RADIOLÓGICO DO JOELHO ESTUDO RADIOLÓGICO DO JOELHO ESTUDO RADIOLÓGICO DO JOELHO PATELA Pertence mais ao joelho do que a perna propriamente dita. É um osso curto, aplanado de frente para trás. Esta inserido no tendão do músculo

Leia mais

Anatomia Geral. http://d-nb.info/1058614592. 1 Filogênese e Ontogênese Humanas. 5 Músculos. 6 Vasos. 2 Visão Geral do Corpo Humano

Anatomia Geral. http://d-nb.info/1058614592. 1 Filogênese e Ontogênese Humanas. 5 Músculos. 6 Vasos. 2 Visão Geral do Corpo Humano Anatomia Geral 1 Filogênese e Ontogênese Humanas 1.1 Filogênese Humana 2 1.2 Ontogênese Humana: Visão Geral, Fecundação e Estágios Iniciais do Desenvolvimento 4 1.3 Gastrulação, Neurulação e Formação dos

Leia mais

AS DIMENSÕES ANTROPOMÉTRICAS 2 O COMPRIMENTO DOS SEGMENTOS ANATÔMICOS

AS DIMENSÕES ANTROPOMÉTRICAS 2 O COMPRIMENTO DOS SEGMENTOS ANATÔMICOS AS DIMENSÕES ANTROPOMÉTRICAS José Miquel Cabeças 1 INTRODUÇÃO Antropometria é a ciência que opera variáveis como dimensões lineares, massa, forma e propriedades inerciais do corpo humano. A sua natureza

Leia mais

Série criada para: Ciatalgia - piora flexão. Extensão do corpo de barriga para baixo - ADM Ativa / Mobilização

Série criada para: Ciatalgia - piora flexão. Extensão do corpo de barriga para baixo - ADM Ativa / Mobilização Lombar - Abdômen - Alongamento Em decúbito ventral coloque as mãos ao lado e empurre seu corpo para cima até sentir o alongamento. Extensão do corpo de barriga para baixo - ADM Ativa / Mobilização Deitado

Leia mais

19/11/2011. Melhorar a performance. Reduzir os riscos de lesão. Caminhada. Passa do apoio duplo para o duplo balanço. Corrida com o antepé

19/11/2011. Melhorar a performance. Reduzir os riscos de lesão. Caminhada. Passa do apoio duplo para o duplo balanço. Corrida com o antepé Biomecânica da Corrida Entendimento da biomecânica da corrida Melhorar a performance Reduzir os riscos de lesão Corrida Relacionada Esporte competitivo Atividade recreacional Estágio do desenvolvimento

Leia mais

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Cotovelo

Clínica Deckers. Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Cotovelo Clínica Deckers Fisioterapia Exercícios Terapêuticos para o Cotovelo O QUE É Estes são alguns dos exercícios recomendados com mais freqüência para a terapia do cotovelo. Eles foram compilados para dar

Leia mais

Kosmodisk Programa Básico de Exercícios

Kosmodisk Programa Básico de Exercícios Classic Kosmodisk Programa Básico de Exercícios NOVA EDIÇÃO Kosmodisk 2 Programa Básico de Exercícios Kosmodisk Programa Básico de Exercícios Bem-vindo para o PROGRAMA KOSMODISK BASIC EXERCÍCIO, especialmente

Leia mais

Série criada para: Ciatalgia - piora extensão

Série criada para: Ciatalgia - piora extensão Mobilização da Coluna (fase 1) - ADM Ativa Deitado, pés no chão. Junte as palmas das mãos a frente com o braço esticado e mova para um lado, mantenha e mova para o outro. Alongamento da Coluna - Pernas

Leia mais

ANTROPOMETRIA E BIOMECÂNICA EM POSTOS DE TRABALHO. Prof. Manuel Salomon Salazar Jarufe

ANTROPOMETRIA E BIOMECÂNICA EM POSTOS DE TRABALHO. Prof. Manuel Salomon Salazar Jarufe ANTROPOMETRIA E BIOMECÂNICA EM POSTOS DE TRABALHO Prof. Manuel Salomon Salazar Jarufe Movimentos extremos Postos de trabalho com muitos equipamentos tornam mais freqüentes movimentos extremos e posturas

Leia mais

Lombar - Sentar no calcanhar com os braços a frente - Alongamento

Lombar - Sentar no calcanhar com os braços a frente - Alongamento Lombar e Quadril E - Abraçar um joelho - Alongamento Deitado, segure embaixo de um joelho e puxe-o em direção ao peito até sentir o alongamento. Com 5 segundo(s) de descanso. Lombar e Quadril D - Abraçar

Leia mais

DEDOS ABDUZIDO E EM FORMA DE GARRA

DEDOS ABDUZIDO E EM FORMA DE GARRA DEDOS HÁLUX ADUZIDO HÁLUX HÁLUX ADUZIDO HÁLUX ABDUZIDO E EM FORMA DE GARRA Tornozelo: Observa-se a posição relativa dos maléolos tibial e fibular e a relação destes dois acidentes ósseos em conjunto com

Leia mais

COMPLEXO DO OMBRO. Cinesiologia e Biomecânica

COMPLEXO DO OMBRO. Cinesiologia e Biomecânica COMPLEXO DO OMBRO Cinesiologia e Biomecânica Ossos Úmero Escápula Clavícula Esterno Costelas Esterno, clavículas e costelas Esterno: manúbrio, corpo e processo xifóide; Clavículas: osso cilíndrico em S

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PUNHO E MÃO

AVALIAÇÃO DO PUNHO E MÃO AVALIAÇÃO DO PUNHO E MÃO 1. Anatomia Aplicada Articulação Radioulnar Distal É uma artic. de eixo uniaxial que possui um grau de liberdade; Posição de repouso: 10 de supinação; Posição de aproximação máxima:

Leia mais

Capítulo. 11 Imobilização de fraturas. Conceitos Gerais de. Capítulo 11 Conceitos gerais de imobilização de fraturas 1. OBJETIVOS

Capítulo. 11 Imobilização de fraturas. Conceitos Gerais de. Capítulo 11 Conceitos gerais de imobilização de fraturas 1. OBJETIVOS Capítulo Conceitos Gerais de 11 Imobilização de fraturas 1. OBJETIVOS No final desta unidade modular formandos deverão ser capazes de: Listar e descrever as técnicas gerais e imobilização dos membros superiores

Leia mais

Apostila didática / Complexo articular do Ombro Profa. Isabel de C. N. Sacco / 2001 22

Apostila didática / Complexo articular do Ombro Profa. Isabel de C. N. Sacco / 2001 22 Apostila didática / Complexo articular do Ombro Profa. Isabel de C. N. Sacco / 2001 22 Bibliografia CALAIS, G. B. Anatomia para o movimento. Ed. Manole São Paulo: 1991 vol1. KAPANDJI, I. A. Fisiologia

Leia mais

Alternativa: Em vez de usar o batente de uma porta, você pode segurar-se numa

Alternativa: Em vez de usar o batente de uma porta, você pode segurar-se numa 1. Músculos que movimentam o braço para a frente Músculo deltóide/porção ventral/m. peitoral maior. Função: Mover o braço levantado para a frente. Cruze as mãos atrás da nuca e segure-as contra a cabeça.

Leia mais

Protocolos articulações dos MMSS. Profº Cláudio Souza

Protocolos articulações dos MMSS. Profº Cláudio Souza Protocolos articulações dos MMSS Profº Cláudio Souza Indicações A tomografia computadorizada das articulações dos MMSS tem como objetivo a avaliação da integridade da articulação e a avaliação de descontinuidades.

Leia mais

FACILITAÇÃO NEUROMUSCULAR PROPRIOCEPTIVA JOSÉ EDUARDO POMPEU

FACILITAÇÃO NEUROMUSCULAR PROPRIOCEPTIVA JOSÉ EDUARDO POMPEU FACILITAÇÃO NEUROMUSCULAR PROPRIOCEPTIVA JOSÉ EDUARDO POMPEU Dr. Herman Kabat 1935 Doutor em neurofisiologia 1942-1943 Prof. de fisiologia e neuropsiquiatria 1932 Bacharel em ciências pela New York University,

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROTOCOLO DO ACOMPANHAMENTO DO DESENVOLVIMENTO INFANTIL Área Técnica de Saúde da Pessoa com Deficiência SMS.G Organização do Protocolo: Mirna Reni Marchioni Tedesco Sandra Maria Vieira Tristão de Almeida

Leia mais

Prof.Moisés Mendes PERÍMETROS CINEANTROPOMETRIA

Prof.Moisés Mendes PERÍMETROS CINEANTROPOMETRIA PERÍMETROS 2008 Considerações iniciais A mensuração dos perímetros dos segmentos corporais,que correspondem às circunferências, podem auxiliarem estudos de crescimento, bem como fornecer índices de estado

Leia mais

FIGURA 21 ALONGAMENTO ALTERNADO

FIGURA 21 ALONGAMENTO ALTERNADO Primeira Sequência Aquecimento O Kihon inicia-se com o paciente em decúbito ventral e o terapeuta começa na linha do sutiã. (Para os exemplos abaixo o terapeuta começa no lado esquerdo do paciente). -

Leia mais

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS. Profº. Emerson Siraqui

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS. Profº. Emerson Siraqui TÉCNICAS RADIOLÓGICAS Profº. Emerson Siraqui TERMINOLOGIA RADIOLÓGICA O posicionamento radiográfico refere-se ao estudo do posicionamento do paciente para demonstrar radiograficamente ou visualizar partes

Leia mais

ACAMPAMENTO REGIONAL EXERCÍCIOS PARA AQUECIMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES (ALONGAMENTO DINÂMICO ESTABILIZAÇÃO ATIVAÇÃO MUSCULAR)

ACAMPAMENTO REGIONAL EXERCÍCIOS PARA AQUECIMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES (ALONGAMENTO DINÂMICO ESTABILIZAÇÃO ATIVAÇÃO MUSCULAR) ACAMPAMENTO REGIONAL EXERCÍCIOS PARA AQUECIMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES (ALONGAMENTO DINÂMICO ESTABILIZAÇÃO ATIVAÇÃO MUSCULAR) Puxar uma perna para o tronco 1 - Alongamento da região posterior da coxa:

Leia mais

Manual de fisioterapia

Manual de fisioterapia Manual de fisioterapia unidades de internação e terapia intensiva Cruz Azul de São Paulo 2 Índice Orientações gerais...4 Coluna cervical...5 Coluna lombar...6 Tornozelo...7 Ombros...8 Joelhos...9 Mãos

Leia mais

MEMBROS SUPERIORES -- POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO

MEMBROS SUPERIORES -- POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO MEMBROS SUPERIORES -- POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO As radiografias dos Membros Superiores são geralmente realizadas com o paciente sentado ou em ortostática. Em casos de pacientes traumatizados ou que apresente

Leia mais

Cinesiologia. Aula 2

Cinesiologia. Aula 2 Cinesiologia Aula 2 Graus de Liberdades de Movimentos São classificados pelo número de planos nos quais se movem os segmentos ou com o número de eixos primários que possuem Um grau de liberdade (uniaxial)

Leia mais

OSSOS DO MEMBRO SUPERIOR

OSSOS DO MEMBRO SUPERIOR OSSOS DO MEMBRO SUPERIOR Os ossos dos membros superiores podem ser divididos em quatro segmentos: Cintura Escapular - Clavícula e Escápula Braço - Úmero Antebraço - Rádio e Ulna Mão - Ossos da Mão CLAVÍCULA

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM LESÕES NO ESPORTE E PRESCRIÇÃO DO EXERCÍCIO FÍSICO

ESPECIALIZAÇÃO EM LESÕES NO ESPORTE E PRESCRIÇÃO DO EXERCÍCIO FÍSICO ESPECIALIZAÇÃO EM LESÕES NO ESPORTE E PRESCRIÇÃO DO EXERCÍCIO FÍSICO Prof.Msc.Moisés Me des U i ersidade Estadual do Piauí- Teresi a. oises e des.co professor oises300@hot ail.co FACILITAÇÃO NEUROMUSCULAR

Leia mais

Anatomia de superfície e palpatória do quadril e da região glútea http://www.imagingonline.com.br/

Anatomia de superfície e palpatória do quadril e da região glútea http://www.imagingonline.com.br/ 2010 Anatomia de superfície e palpatória do quadril e da região glútea http://www.imagingonline.com.br/ Esse capítulo descreve a anatomia de superfície e procedimentos palpatórios simples para o quadril

Leia mais

04/02/2016 ANATOMIA HUMANA I. Enfermagem. Prof. Me. Fabio Milioni

04/02/2016 ANATOMIA HUMANA I. Enfermagem. Prof. Me. Fabio Milioni ANATOMIA HUMANA I Enfermagem Prof. Me. Fabio Milioni 1 PLANO DE ENSINO EMENTA Disciplina de caráter teórico prático, estudará as estruturas gerais do corpo humano, iniciando pelos aspectos morfo-funcionais,

Leia mais

ESCALA DE FULG MEYER. NOME: Sexo: Prontuário: Data da Lesão: I MOTRICIDADE PASSIVA E DOR. PACIENTE DEITADO Amplitude Dor Pontuação

ESCALA DE FULG MEYER. NOME: Sexo: Prontuário: Data da Lesão: I MOTRICIDADE PASSIVA E DOR. PACIENTE DEITADO Amplitude Dor Pontuação ESCALA DE FULG MEYER NOME: Sexo: Prontuário: Lado dominante ou parético: (D) (E) Diagnóstico: Idade: Data da Lesão: Data da Avaliação: Avaliador: I MOTRICIDADE PASSIVA E DOR PACIENTE DEITADO Amplitude

Leia mais

Pode ser aplicada a partes do corpo ou continuamente a todo o corpo.

Pode ser aplicada a partes do corpo ou continuamente a todo o corpo. MASSAGEM RELAXANTE Universidade do Sul de Santa Catarina Curso de Cosmetologia e Estética Unidade de Aprendizagem: Técnicas de Massagem Terapêutica Prof.ª Daniella Koch de Carvalho MASSAGEM RELAXANTE A

Leia mais

Os membros superiores são formados por quatro segmentos ósseos, que apresentamos a seguir. Todos os ossos desses segmentos são pares.

Os membros superiores são formados por quatro segmentos ósseos, que apresentamos a seguir. Todos os ossos desses segmentos são pares. ESQUELETO APENDICULAR O Esqueleto Apendicular corresponde às regiões dos membros superiores e inferiores. Estudaremos inicialmente a osteologia, artrologia e miologia dos membros superiores e, posteriormente,

Leia mais

MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO

MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO FACULDADE DE PINDAMONHANGABA 1 MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO REGIÃO ANTERIOR (flexores do punho e dos dedos e pronadores) GRUPO SUPERFICIAL MÚSCULO PRONADOR REDONDO cabeça umeral: epicôndilo medial do úmero cabeça

Leia mais

Articulações OSSO DO QUADRIL OSSO DO QUADRIL OSSO DO QUADRIL 1º SEGMENTO CINTURA PÉLVICA OSSO DO QUADRIL. Membro Inferior.

Articulações OSSO DO QUADRIL OSSO DO QUADRIL OSSO DO QUADRIL 1º SEGMENTO CINTURA PÉLVICA OSSO DO QUADRIL. Membro Inferior. Membro Inferior Marcelo Marques Soares Prof. Didi Articulações Membro Inferior 1 Segmento - Cintura Pélvica 2 Segmento - Coxa e PATELA 3 Segmento - Perna (Medial) e FÍBULA (Lateral) 4 Segmento - Pé TARSO,

Leia mais

Atualmente = o objetivo é conseguir, durante a sessão e fora dela, a funcionalidade do paciente (o tônus se adequa como consequência).

Atualmente = o objetivo é conseguir, durante a sessão e fora dela, a funcionalidade do paciente (o tônus se adequa como consequência). CONCEITO BOBATH PARA ADULTOS Profª Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon INTRODUÇÃO 1943 pintor com hemiplegia grave à direita. Tratamento da espasticidade: Iniciou com vibração no deltóide = sem resultados.

Leia mais

MANUAL BÁSICO DE ERGONOMIA

MANUAL BÁSICO DE ERGONOMIA MANUAL BÁSICO DE ERGONOMIA A ergonomia é o conjunto de disciplinas que estuda a organização do trabalho no qual existe interações entre seres humanos e máquinas. Curiosidade! O termo ergonomia tem origem

Leia mais

ANATÔMIA RADIOLÓGICA SECCIONAL DO ESQUELETO APENDICULAR

ANATÔMIA RADIOLÓGICA SECCIONAL DO ESQUELETO APENDICULAR Disciplina: Anatomia e Fisiologia ANATÔMIA RADIOLÓGICA SECCIONAL DO ESQUELETO APENDICULAR Rafael Carvalho Silva Ombro Visão Coronal (anterior/posterior) Módulo I Trapézio Clavícula Ligamento coracoacromial

Leia mais

SIMPLESMENTEYOGA2019. PROFESSOR LUIGI

SIMPLESMENTEYOGA2019. PROFESSOR LUIGI SIMPLESMENTEYOGA2019 PROFESSOR LUIGI luigiturisco@hotmail.com QUIZ QUAL É O PRIMEIRO ÓRGÃO QUE DA ORIGEM A TODOS OS OUTROS? O CORAÇÃO ABRA O SEU CORAÇĀO O CÉREBRO ALINHANDO CORPO E MENTE INTRODUÇÃO Para

Leia mais

Escala de Equilíbrio de Berg

Escala de Equilíbrio de Berg DEPARTAMENTO DE TERAPIA OCUPACIONAL - UFPR DISCIPLINA DE TERAPIA OCUPACIONAL APLICADA Á NEUROLOGIA CLÍNICA-ESCOLA DE TERAPIA OCUPACIONAL - UFPR ESCALA DE AVALIAÇÃO FUNCIONAL NOME: IDADE: SEXO DIAGNÓSTICO:

Leia mais

Lição 01 O CORPO HUMANO

Lição 01 O CORPO HUMANO Lição 01 O CORPO HUMANO OBJETIVOS: Ao final desta lição, os participantes serão capazes de: 1. Explicar o conceito de posição anatômica. 2. Citar a localização de uma lesão utilizando referências anatômicas.

Leia mais

Manual de Análise Postural e Avaliação funcional.

Manual de Análise Postural e Avaliação funcional. Manual de Análise Postural e Avaliação funcional. Índice Dobra cutânea ------------------------------------------ 3 a 7 pág. Serão analisadas sete dobras cutâneas, com o aparelho chamado plicômetro. Onde

Leia mais

CADEIAS MUSCULARES E AVALIAÇÃO POSTURAL

CADEIAS MUSCULARES E AVALIAÇÃO POSTURAL CADEIAS MUSCULARES E AVALIAÇÃO POSTURAL Françoise Mézières - supremacia do tônus muscular da cadeia posterior em função da necessidade de sustentação Herman Kabat Movimentos em espirais para levar ao completo

Leia mais

24/6/2013 DISCIPLINA DE ANATOMIA HUMANA

24/6/2013 DISCIPLINA DE ANATOMIA HUMANA DISCIPLINA DE ANATOMIA HUMANA SISTEMA MUSCULAR Prof. Rodrigo Freitas Monte Bispo rodrigo_rfmb@yahoo.com.br 2013 1 2 3 CONCEITO DE MÚSCULOS São estruturas especializadas em contração e relaxamento. Rasch;Burke

Leia mais

Órteses para o Tronco e Coluna Cervical. Prof: Alan de Souza Araújo

Órteses para o Tronco e Coluna Cervical. Prof: Alan de Souza Araújo Órteses para o Tronco e Coluna Cervical Prof: Alan de Souza Araújo INTRODUÇÃO As órteses na coluna são utilizadas com o objetivo de estabilizar ou imobilizar, diminuir a dor estabilizando para que a dor

Leia mais

summer edition vol. 2 home workout

summer edition vol. 2 home workout summer edition vol. 2 home workout My secret O que é? O MIB - Made in Brasil é caracterizado por ser um produto simples, divertido e eficaz, usando músicas brasileiras. É uma aula pré-coreografada de tonificação

Leia mais

SECRETARIA DE DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE PERNAMBUCO. DRH Centro de Educação Física e Desportos

SECRETARIA DE DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE PERNAMBUCO. DRH Centro de Educação Física e Desportos Portaria Administrativa nº 001/06-CEFD Parâmetros de Aptidão Física de Ingresso no CBMPE PORTARIA DO COMANDO GERAL Nº 001/06-CEFD, de 07 de agosto de 2006. EMENTA: Aprova e estabelece o Parâmetro de Aptidão

Leia mais

CINESIOLOGIA. Músculos vs Movimentos. Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr.

CINESIOLOGIA. Músculos vs Movimentos. Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. CINESIOLOGIA Músculos vs Movimentos Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. CINESIOLOGIA FASAR 2015 Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. 1 COMPLEXO SUPERIOR TRAPÉZIO: PORÇÃO SUPERIOR (PARTE DESCENDENTE) Na Cervical:

Leia mais

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada

Fase Preparatória Objectivos Operacionais Estratégias / Organização Objectivos comportamentais / Componentes críticas Chamada Professor: Rui Morcela Ano Lectivo: 2009/10 Ano: 8º Turma: A Nº Alunos: 20 Aula Nº: 60 Aula U.D. Nº: 3 de 8 Instalações: Pavilhão Data: 12-03-2010 Hora: 9h20m Duração: 35 minutos Unidade Didáctica: Ginástica

Leia mais

GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT

GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT GUIA DE EXERCÍCIOS LIFE ZONE TOTAL FIT Nesse guia você encontrará 50 exercícios diferentes para fazer utilizando a sua Estação de Musculação Life Zone Total Fit. Com esses exercícios, você trabalhará diversas

Leia mais

MÚSCULOS DO OMBRO. Músculos do Ombro

MÚSCULOS DO OMBRO. Músculos do Ombro MÚSCULOS DO OMBRO Músculos do Ombro Deltóide Supra-espinhal Infra-espinhal Redondo Menor Redondo Maior Subescapular DELTÓIDE Ombro Inserção Proximal: 1/3 lateral da borda anterior da clavícula, acrômio

Leia mais

Suburi. Kaeshi Tsuki. Choku Tsuki

Suburi. Kaeshi Tsuki. Choku Tsuki Suburi Os Suburi são os movimentos base da prática de Jo. É um trabalho individual, constituído por golpes de ataque e de defesa. Juntando dois ou mais, em sequência, criam-se Suburi compostos. Choku Tsuki

Leia mais

PLANOS E EIXOS E NOMECLATURA DOS MOVIMENTOS HUMANOS. RESUMO: o objetivo deste artigo é revisar a descrição dos planos de movimento e sua

PLANOS E EIXOS E NOMECLATURA DOS MOVIMENTOS HUMANOS. RESUMO: o objetivo deste artigo é revisar a descrição dos planos de movimento e sua PLANOS E EIXOS E NOMECLATURA DOS MOVIMENTOS HUMANOS Ana Júlia Cunha Brito * Orientador: Nelson Higino ** RESUMO: o objetivo deste artigo é revisar a descrição dos planos de movimento e sua nomenclatura

Leia mais

ORTESES PARA PARAPLEGIA E TRASTORNOS DO QUADRIL P R O F : A L A N D E S O U Z A A R A Ú J O

ORTESES PARA PARAPLEGIA E TRASTORNOS DO QUADRIL P R O F : A L A N D E S O U Z A A R A Ú J O ORTESES PARA PARAPLEGIA E TRASTORNOS DO QUADRIL P R O F : A L A N D E S O U Z A A R A Ú J O INTRODUÇÃO O retorno a caminhada é o objetivo principal tanto de pacientes quanto de fisioterapeutas. Várias

Leia mais

Documentos de Apoio - Disciplina de Educação Física 2010-11 ANDEBOL. Caracterização

Documentos de Apoio - Disciplina de Educação Física 2010-11 ANDEBOL. Caracterização ANDEBOL Caracterização O Andebol é um jogo desportivo colectivo, disputado entre duas equipas de sete jogadores efectivos (6 jogadores de campo e um guarda-redes) e cinco suplentes e jogado num campo rectangular.

Leia mais

Ossos da Perna Vista Anterior

Ossos da Perna Vista Anterior TORNOZELO Ossos da Perna Vista Anterior FÍBULA TÍBIA MALÉOLO LATERAL MALÉOLO MEDIAL Ossos do Pé Vista Lateral TÁLUS CALCÂNEO NAVICULAR CUBÓIDE TARSO METATARSO FALANGES Ossos do Pé Vista Dorsal FALANGES

Leia mais

3. Pressione o cotovelo, com a maior força possível com a outra mão, em direção ao outro ombro. Fique nesta posição por 10 segundos. Repita 3X.

3. Pressione o cotovelo, com a maior força possível com a outra mão, em direção ao outro ombro. Fique nesta posição por 10 segundos. Repita 3X. THIAGO MURILO EXERCÍCIOS PARA DEPOIS DO TÊNIS 1. Em Pé de costas para um canto de parede flexione a sua perna mais forte para frente, alinhe a coluna e leve os braços para trás até apoiar as palmas das

Leia mais

Plano de Frankfurt. Posição Ortostática

Plano de Frankfurt. Posição Ortostática Plano de Frankfurt Caracteriza-se por uma linha imaginária que passa pelo ponto mais baixo do bordo inferior da órbita direita e pelo ponto mais alto do bordo superior do meato auditivo externo correspondente

Leia mais

Avaliação ergonômica do sistema bicicleta-usuário do modelo Barra Circular da Monark

Avaliação ergonômica do sistema bicicleta-usuário do modelo Barra Circular da Monark Avaliação ergonômica do sistema bicicleta-usuário do modelo Barra Circular da Monark Ivanildo Fernandes Araujo (GPERGO/UAEP/UFCG) ifaraujo@uol.com.br José de Arimatéa Ramos (GPERGO/UAEP/UFCG) ari.rr@bol.com.br

Leia mais

Yôga. #LiveOutside #YA

Yôga. #LiveOutside #YA Yôga Adventure #LiveOutside #YA Apoiar seu pé em uma agarra de 1 cm para alavancar a sua mão a um reglete de 1 falange requer absoluta consciência presente no momento exato da ação. Y A: método d e s e

Leia mais

Modelagem do Corpo Humano

Modelagem do Corpo Humano Modelagem do Corpo Humano Antes de modelagem de uma figura em si, vamos aprender como modelar cada parte do corpo separadamente. Não se desespere, em primeiro lugar, é impossível criar uma figura perfeita

Leia mais

Reitora Suely Vilela. Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César. Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro

Reitora Suely Vilela. Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César. Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro Reitora Suely Vilela Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro Chefe do Laboratório de Avaliação Nutricional de Populações

Leia mais

Cinesiologia Aplicada. Quadril, Joelho e tornozelo

Cinesiologia Aplicada. Quadril, Joelho e tornozelo Cinesiologia Aplicada Quadril, Joelho e tornozelo Cintura Pélvica - Ossos Ossos Pélvicos: Ílio Isquio Púbis Femúr Cintura Pélvica - Movimentos Movimentos da Cintura Pélvica Rotação Pélvica posterior Retroversão

Leia mais

Centro de Gravidade e Equilíbrio. Prof. Dr. André L. F. Rodacki

Centro de Gravidade e Equilíbrio. Prof. Dr. André L. F. Rodacki Centro de Gravidade e Equilíbrio Prof. Dr. André L. F. Rodacki Centro de Gravidade n O centro de gravidade pode ser definido como o único ponto de um corpo ao redor do qual todas as partículas de sua massa

Leia mais

FIGUR,X 7.1 - Reflexo de Moro : (a) fase de extensão ; ( b) fase de flexão.

FIGUR,X 7.1 - Reflexo de Moro : (a) fase de extensão ; ( b) fase de flexão. CAPÍTULO 7 - Reflexos Infantis e Estereotipias Rítmicas 151 h FIGUR,X 7.1 - Reflexo de Moro : (a) fase de extensão ; ( b) fase de flexão. duas fases : a fase expressiva e a fase de sucção. Nafase expressiva

Leia mais

Desenvolvimento Motor e Reflexos Primitivos. Ft. Ms. Livia Marcello Zampieri

Desenvolvimento Motor e Reflexos Primitivos. Ft. Ms. Livia Marcello Zampieri Desenvolvimento Motor e Reflexos Primitivos Ft. Ms. Livia Marcello Zampieri Desenvolvimento motor A maturação motora da criança se dá nos sentidos: Caudal Céfalo Proximal Distal Desenvolvimento fetal Desenvolvimento

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Anexo III Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude da mobilização dos ombros e parte superior Modo de execução: na posição

Leia mais

Fundamentos técnicos

Fundamentos técnicos 1 Fundamentos técnicos Controle de corpo Em toda modalidade esportiva é preciso que o iniciante domine seu próprio corpo em movimentos básicos como: saída rápida, parada brusca e mudança de direção. Dominar

Leia mais

01/01/2012. Medidas e Avaliações. Prof. Ricardo Oliveira CREF: 045.046. Antropometria

01/01/2012. Medidas e Avaliações. Prof. Ricardo Oliveira CREF: 045.046. Antropometria Medidas e Avaliações Prof. Ricardo Oliveira CREF: 045.046 Antropometria 1 Antropometria É o ramo das ciências biológicas direcionadas para o estudo dos caracteres mensuráveis da morfologia humana. História:

Leia mais

COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR

COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR CINESIOLOGIA FASAR 2015 Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. 1 COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR ELEVAÇÃO: TRAPÉZIO PORÇÃO SUPERIOR (PARTE DESCENDENTE), ELEVADOR (LEVANTADOR) DA ESCÁPULA, ROMBÓIDES. DEPRESSÃO:

Leia mais

REVISÃO DE ANATOMIA PARA ANÁLISE DE MOVIMENTO ESTUDO DOS MÚSCULOS EM GERAL

REVISÃO DE ANATOMIA PARA ANÁLISE DE MOVIMENTO ESTUDO DOS MÚSCULOS EM GERAL REVISÃO DE ANATOMIA PARA ANÁLISE DE MOVIMENTO ESTUDO DOS MÚSCULOS EM GERAL 1 - Localização do músculo - Origem do músculo - Inserção do músculo - tipo do músculo - articulação relacionada - ação determinada

Leia mais

Análise de Risco Ergonômico

Análise de Risco Ergonômico Alcoa Alumínio S.A. Análise de Risco Ergonômico Índice de Moore Garg Tarefa Setor Posto de trabalho Tipos de fatores Caracterização Multiplicador Encontrado Observações Intensidade do esforço (FIT) Leve

Leia mais

Educação Física 28 Prova Prática

Educação Física 28 Prova Prática AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação Prova de Equivalência à Frequência 2.º Ciclo do Ensino Básico 2015/2016 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Decreto -Lei nº 17/2016, de 4 de abril Aprovado

Leia mais

POSICIONAMENTO CIRÚRGICO

POSICIONAMENTO CIRÚRGICO POSICIONAMENTO CIRÚRGICO O posicionamento cirúrgico é uma arte, uma ciência e também um fator chave no desempenho do procedimento seguro e eficiente, por meio da aplicação de conhecimentos relacionados

Leia mais

Atletismo O SALTO COM VARA

Atletismo O SALTO COM VARA Atletismo O SALTO COM VARA É uma das provas mais difíceis, senão a mais difícil, do atletismo, pois o material utilizado é muito caro, pior que isso, dificílimo de ser conseguido, inclusive nas quantidades

Leia mais

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906 Exercícios com Elástico Os Exercícios com elástico irão trabalhar Resistência Muscular Localizada (RML). Em cada exercício, procure fazer a execução de maneira lenta e com a postura correta. Evitar o SOLAVANCO

Leia mais

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação MIOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MIOLOGIA DO MEMBRO SUPERIOR Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em doze grupos principais: MÚSCULOS QUE ACIONAM A CINTURA ESCAPULAR Trapézio

Leia mais

Podemos didaticamente dividir a musculatura da cabeça e pescoço em oito grupos principais, de acordo com sua localização e/ou função:

Podemos didaticamente dividir a musculatura da cabeça e pescoço em oito grupos principais, de acordo com sua localização e/ou função: MIOLOGIA DO ESQUELETO AXIAL MIOLOGIA DA CABEÇA E PESCOÇO Podemos didaticamente dividir a musculatura da cabeça e pescoço em oito grupos principais, de acordo com sua localização e/ou função: MÚSCULOS E

Leia mais