Introdução aos Sistemas Colaborativos (Groupware & CSCW)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução aos Sistemas Colaborativos (Groupware & CSCW)"

Transcrição

1 2 Introdução aos Sistemas Colaborativos (Groupware & CSCW) Cleidson R. B. Souza Faculdade de Computação Universidade Federal do Pará! Introdução! Definições! Mais Definições! Exemplos! Motivação! Conseqüências! Esperanças ;-) Roteiro! Histórico! Classificação de Sistemas de Groupware! Conclusões 3 4 Definição!Groupware são sistemas baseados em tecnologias de computação e telecomunicações que auxiliam grupos de usuários a exercer uma atividade.!cscw (Computer Supported Cooperative Work) é o nome da área de pesquisa que estuda o uso das tecnologias de computação e telecomunicações que auxiliam atividades de grupos de usuários. Definição (2)! Groupware e CSCW são dois termos distintos. CSCW é o contexto mais amplo (área de pesquisa) onde groupware (tecnologias) está incluído.! CSCW é uma área inter-disciplinar, ela adota métodos, técnicas e abordagens de áreas como:! psicologia, antropologia, economia, sociologia, ciência da computação, teoria das organizações, ergonomia, etc.

2 5 Definição (3) 6 Definição (CSCW 2002 Tutorial) Groupware , editores colaborativos, workflow CSCW - metodologias para reuniões -fatores sociais que influenciam a adoção de ferramentas de groupware - análise/medida da utilização de mail!the field of CSCW focuses on the use of technology to mediate interactions among people!use: Ethnography, design,!technology: Devices, infrastructures,!interactions: Text, audio, video,!people:!teams, organizations, communities,!psychology, organizational behavior, sociology, 7 8 Outras Definições! Computer-assisted coordinated activity such as communication and problem solving, carried out by a group of collaborating individuals [Baecker 94]! CSCW addresses "how collaborative activities and their coordination can be supported by means of computer systems. [Carstensen and Schmidt, 2002]! CSCW [is] a generic term, which combines the understanding of the way people work in groups with the enabling technologies of computer networking, and associated hardware, software, services and techniques. Outras Definições (2)! [Groupware] is Computer mediated collaboration that increases the productivity or functionality of person-toperson processes. [Coleman 92]! Groupware represents a paradigm shift, in which human-human rather than human-machine communications and problem solving are emphasized. [Baecker 94]! "computer-based systems that support groups of people engaged in a common task (or goal) and that provide an interface to a shared environment. [Ellis, 1991]

3 Exemplos!Correio eletrônico!exemplo mais famoso de groupware e, provavelmente, o mais usado.!vídeo-conferência!sespa: diagnóstico a distância;!chat s!workflow!desenvolvido a partir da noção de processo em sistemas de manufatura e automação de escritórios; Exemplos!Ferramentas individuais adaptadas para o trabalho em grupo!editores e Planilhas Cooperativos!Comentários e Revisões no Microsoft Word;!Ferramentas Gráficas;!Agendas de Grupo (Lotus Notes);!Novas ferramentas criadas especialmente para apoio ao trabalho em grupo!reuniões eletrônicas, Vídeo-conferência, Workflow; 11 Desafios em CSCW [Grudin, 1994] [ou porque a E.S. não é suficiente]! Disparidade entre quem trabalha e quem se beneficia!calendários de grupo na DEC;! Comentários de voz;! Problema da Massa Crítica! Avaliar um groupware requer um determinado número mínimo de usuários! Dificuldade na Avaliação! Como avaliar, testar aplicações de groupware?! Outros, a serem discutidos no futuro. Importante 12! Em geral, um dos aspectos fundamentais desta área é o desenvolvimento de aplicações que são realmente úteis:! Como as pessoas cooperam?! Como a tecnologia pode auxiliar estas pessoas?! Quais as implicações da utilização desta tecnologia?! Quem se beneficia da tecnologia? Como sistemas computacionais podem influenciar ou reforçar padrões de controle que já existem na organização?! O modelo implícito do trabalho, das interfaces e das funcionalidades dos sistemas tem de estar de acordo com os diferentes aspectos onde o sistema computacional vai ser implementado.

4 Importante (2)! Problema clássico das agendas de Grupo na DEC;! Gerente se beneficia do trabalho! Sistema The Coordinator! Limita o escopo das aplicações! GDSS s no Japão! Decisões são tomadas em outros momentos! Sistema de controle de trafégo aéreo! Diversas tentativas de implantar um sistema falharam CSCW vs. HCI [CSCW 2002 Tutorial]!HCI: interação homen-computador!interações e relações de indivíduos com tecnologias de informação!pode envolver > 1 pessoa, mas não necessariamente!cscw: interação homen-computadorhomen!interações e relações de indivíduos através de tecnologias de informação!sempre envolve > 1 pessoa CSCW vs. HCI [CSCW 2002 Tutorial] Motivação Community; customers Organization Project/Teams Small Groups!Os problemas atuais são mais complexos do que antes. Uma única pessoa não é capaz de lidar com esta complexidade. Individuals Networked PCs; PDAs, cellphones Workspaces; Media spaces; video conferencing GDSS; Workflow; Workspaces; Media spaces Intranets; document repositories; expertise location! O todo é maior que a soma das partes : Durante o processo, os colaboradores desenvolvem uma melhor compreensão do que se tivessem trabalhado sozinhos. Internet; WWW

5 Motivação!O trabalho em grupo é uma característica inerente ao ser humano. Ele também promove o aprendizado e motiva os funcionários.!exemplos:!analistas de sistemas passam 70% do seu tempo trabalhando em grupo.!um americano médio gasta 60% do seu tempo em reuniões.! Mudança de atitude Conseqüências!Pessoas precisam aprender a a trabalhar em grupos e como equipes (cooperar);! Pessoas necessitam trocar informações freqüentemente (comunicação); e!o sucesso de uma equipe não dependerá apenas das habilidades dos indivíduos que a compõem, mas principalmente no nível de cooperação.! Ferramentas adequadas para apoiar o trabalho em grupo Vantagens? Ou Esperanças?! Para tornar o trabalho em grupo mais eficiente!tempo gasto nas atividades em grupo! CUSTO de realização das atividades em grupo! Para atingir melhores resultados " QUALIDADE dos resultados! Para possibilitar certos tipos de tarefas em grupo que seriam impossíveis (ou quase) de ser realizadas sem o suporte computacional Vantagens? Ou Esperanças? (2)!Melhor Controle de Custos!Produtividade Crescente!Melhor serviço ao cliente!menos reuniões!automação de processos rotineiros!integração de equipes distribuídas!novos serviços que diferenciarão a organização!aumenta o conhecimento profissional

6 22 Histórico Histórico [Grudin, 1994]!Na década de 70, existia um grande interesse na área chamada de Automação de Escritórios!PCs começavam a se tornar ubíquos;!integrar e transformar aplicações monousuário de forma a apoiar grupos;!os desafios não eram apenas tecnológicos. Logo, percebeu-se a necessidade de realizar estudos sobre o comportamento dos grupos Histórico! Em 1984, a sigla foi CSCW publicamente lançada em um workshop organizado por Irene Greif e Paul M. Cashman! Aprender com sociólogos, psicólogos, antropólogos, educadores, etc sobre grupos, equipes, times.! Nesta época abandonou-se automação de escritórios e surgiu a área de CSCW! Em 1988 houve a primeira conferencia na área nos EUA (ACM CSCW) e em 1989 a primeira a conferencia européia do tema (ECSCW). Hoje - Conferências! ACM CSCW! =ACM&dl=ACM! ACM CHI! ECSCW! ACM GROUP! DIS! SBSC, antes WCSCW - brasileiro! CRIWG - latino-americano!

7 ! Acadêmicos 25 Hoje - Grupos de Pesquisa! ICT (CORPS) da UCI! Colorado, Boulder! CREW at Michigan! MIT! CMU! U. Hawaii! Calgary! Lancaster! King s College! 26 Hoje - Grupos de Pesquisa! Indústria! PARC, antigo XEROX PARC! EuroPARC! Microsoft! IBM! Social IBM! FX / PAL! Intel! 27 No Brasil (Comitê do SBSC 2006)! UFRJ (Marcos Borges)! Jacques Wainer! PUC-RIO (Hugo Fuks)! Unirio! Intel (Rogério de Paula)! Mais em hp 28 Histórico [Grudin, 1994]

8 30 Trabalho colaborativo? Algumas Considerações! Porque apenas trabalho colaborativo?! Hoje em dia adota-se uma visão mais abrangente, que vai além do escritório (emprego)!redes sem fio em casa;! Entretenimento colaborativo (jogos, visitas a museus, etc);!religião;! Socialização (blogs, tagging (flickr)); etc.! Aprendizado colaborativo: CSCL; Tendências [CSCW 2002 Tutorial]! Convergência! Computação, telefonia, etc! Mobilidade e Ubiqüidade! Diferentes dispositivos : Laptops, PDAs, telefones celulares;! Infra-estrutura: WiFi, {2,2.5,3}G, EDGE! Comunidades! Profissionais (communities of practice)! Outras (Ebay.com, match.com, amazo.com)! Web 2.0! Mashups, wikis, wikipedia, blogs, etc. Conclusões!CSCW: Área promissora :-)!Devido ao caratér interdisciplinar, traz importantes lições para o projeto de sistemas computacionais;!revoluciona(?) a maneira com a qual as pessoas interagem;!segundo [Olson, 2007] pode-se repetir todos os experimentos a cada 20 anos :-)

9 Perguntas? 33

GROUPWARE & CSCW: Conceitos Básicos

GROUPWARE & CSCW: Conceitos Básicos GROUPWARE & CSCW: Conceitos Básicos Cleidson R. B. Souza cdesouza@ufpa.br Dep. Informática Universidade Federal do Pará Roteiro Introdução Motivação Consequências Definição Outras Definições Porque Groupware

Leia mais

CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador

CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador Luís Manuel Borges Gouveia Aveiro, Janeiro de 2002 evolução dos sistemas de interacção o impacto dos computadores e a preocupação das TI foi-se desenvolvendo

Leia mais

Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações

Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações Laboratório de Engenharia de Software Departamento de Sistemas de Computação Universidade de São Paulo Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações Seiji Isotani sisotani@icmc.usp.br Contextualização

Leia mais

Computer Supported Cooperative Work - CSCW

Computer Supported Cooperative Work - CSCW Computer Supported Cooperative Work - CSCW trabalho cooperativo auxiliado por computador http://www.professores.uff.br/screspo/ CSCW O termo CSCW - Computer Supported Cooperative Work, foi criado oficialmente

Leia mais

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira Sistemas Cooperativos Professor Alan Alves Oliveira 1. Sistemas de Informação e Sistemas Cooperativos 2 Sistemas de Informação 3 Sistemas de Informação Sistemas ampamente utilizados em organizações para

Leia mais

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Exemplos. Protocolos e Artefatos de Coordenação

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Exemplos. Protocolos e Artefatos de Coordenação Groupware Protocolos e Artefatos de Coordenação em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br Tecnologia computacional para auxiliar o trabalho cooperativo Mas Como o trabalho cooperativo é executado? Como

Leia mais

O Conceito de Awareness (Percepção) em CSCW

O Conceito de Awareness (Percepção) em CSCW O Conceito de Awareness (Percepção) em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br Faculdade de Computação Instituto de Ciências Exatas e Naturais Universidade Federal do Pará Leituras obrigatórias da aula

Leia mais

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação. Mecanismo de Coordenação. Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Artefatos.

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação. Mecanismo de Coordenação. Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Artefatos. Groupware Tecnologia computacional para auxiliar o trabalho cooperativo Mas Como o trabalho cooperativo é executado? Como as pessoas trabalham em conjunto? Como a tecnologia existente facilita (ou dificulta)

Leia mais

I Workhop Brasileiro de Tecnologias para Colaboração WCSCW

I Workhop Brasileiro de Tecnologias para Colaboração WCSCW I Workhop Brasileiro de Tecnologias para Colaboração WCSCW Realização: 13 e 14 de outubro em conjunto com o WebMídia-LA Web 2004 Ribeirão Preto - SP Organização do Workshop: Alberto Raposo PUC-Rio Flávia

Leia mais

Sistemas Cooperativos

Sistemas Cooperativos Comércio Eletrônico e Sistemas Cooperativos Sistemas Cooperativos Prof. Hélio de Sousa Lima Filho helio.slfilho@hotmail.com 1. Definição Sistemas mais dinâmicos Exige maior interação entre os usuários

Leia mais

Situando Sistemas coopera0vos

Situando Sistemas coopera0vos Sistemas Coopera0vos Situando Sistemas coopera0vos Nazareno Andrade Universidade Federal de Campina Grande 07/2009 Parte 1: Introdução Do que estamos falando Contexto Parte 2: Análise Parte 3: Prá0ca Por

Leia mais

Introdução ao Groupware e ao CSCW

Introdução ao Groupware e ao CSCW MAC0434 e MAC5798 Desenvolvimento de Sistemas Colaborativos Introdução ao Groupware e ao CSCW Marco A. Gerosa gerosa@ime.usp.br Marco A. Gerosa 1 IME / USP O que é colaboração? Classifique as seguintes

Leia mais

Relatório sobre a Trilha de CSCW WebMídia 2003 Salvador BA

Relatório sobre a Trilha de CSCW WebMídia 2003 Salvador BA Organização da Trilha: Renata Mendes de Araujo UNIRIO Flávia Maria Santoro UNIRIO Comitê de Avaliação da Trilha: Ana Carolina Salgado UFPE Hugo Fuks PUC-Rio José Valdeni UFRGS - UFRJ Organização Geral

Leia mais

Sistemas Colaborativos

Sistemas Colaborativos glb Sistemas Colaborativos 2013-2 Sistemas Colaborativos 1 Surgimento dos Sistemas Colaborativos e o gerenciamento de equipes distribuídas. Taxonomia, classificação dos SC de acordo com o local das interações

Leia mais

Coordinators. Agenda. Definição. Definição Exemplos Artefatos Funcionalidades. Modelo de Coordenação

Coordinators. Agenda. Definição. Definição Exemplos Artefatos Funcionalidades. Modelo de Coordenação Agenda Coordinators Cleidson R. B. Souza cdesouza@ufpa.br Dep. Informática Universidade Federal do Pará Definição Exemplos Artefatos Funcionalidades Execução Modelagem Definição Em alguns casos a cooperação

Leia mais

Sistemas Colaborativos: Conceito, Característicasdes e Funcionalidades

Sistemas Colaborativos: Conceito, Característicasdes e Funcionalidades Sistemas Colaborativos: Conceito, Característicasdes e Funcionalidades Carla Oliveira (e-mail) é formada pela FATEC - Faculdade de Tecnologia de São Paulo, no curso de Automação de Escritórios e Secretariado.

Leia mais

Online Collaborative Learning Design

Online Collaborative Learning Design "Online Collaborative Learning Design" Course to be offered by Charlotte N. Lani Gunawardena, Ph.D. Regents Professor University of New Mexico, Albuquerque, New Mexico, USA July 7- August 14, 2014 Course

Leia mais

Um Grande Tour sobre Métodos Empíricos Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br

Um Grande Tour sobre Métodos Empíricos Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br Um Grande Tour sobre Métodos Empíricos Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br Tópicos Especiais em Engenharia de Software Departamento de Informática Universidade Federal do Pará Agenda Introdução Empiricismo

Leia mais

Convergência tecnológica em sistemas de informação

Convergência tecnológica em sistemas de informação OUT. NOV. DEZ. l 2006 l ANO XII, Nº 47 l 333-338 INTEGRAÇÃO 333 Convergência tecnológica em sistemas de informação ANA PAULA GONÇALVES SERRA* Resumo l Atualmente vivemos em uma sociedade na qual o foco

Leia mais

Componentes de Software e Criatividade no Desenvolvimento de Sistemas Colaborativos. Marco Aurélio Gerosa gerosa@ime.usp.br

Componentes de Software e Criatividade no Desenvolvimento de Sistemas Colaborativos. Marco Aurélio Gerosa gerosa@ime.usp.br Componentes de Software e Criatividade no Desenvolvimento de Sistemas Colaborativos Marco Aurélio Gerosa gerosa@ime.usp.br Marco A. Gerosa Palestra IC/UNICAMP Sumário Sistemas colaborativos Desenvolvimento

Leia mais

Uma Arquitetura Genérica para Aplicações Colaborativas

Uma Arquitetura Genérica para Aplicações Colaborativas P FACULDADE DE INFORMÁTICA PUCRS - Brazil http://www.inf.pucrs.br ut Facin Uma Arquitetura Genérica para Aplicações Colaborativas I. Moraes e A. Zorzo TECHNICAL REPORT SERIES Number 006 August, 2000 Contact:

Leia mais

O conceito de colaboração

O conceito de colaboração O conceito de colaboração O conceito de colaboração está ligado às técnicas que possibilitam que pessoas dispersas geograficamente possam trabalhar de maneira integrada, como se estivessem fisicamente

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Sistema de Aproveitamento de Disciplinas da Faculdade de Informática da PUCRS: uma sistemática de gerência

Leia mais

Sistemas Colaborativos: uma aplicação no contexto de gestão de risco de inundação

Sistemas Colaborativos: uma aplicação no contexto de gestão de risco de inundação Sistemas Colaborativos: uma aplicação no contexto de gestão de risco de inundação Lívia Castro Degrossi degrossi@icmc.usp.br Abril/2014 1 Contextualização 07/04/2014 Lívia Castro Degrossi 2 2 Contextualização

Leia mais

ComunicaTEC: Tecnologias de Comunicação para Educação e Colaboração

ComunicaTEC: Tecnologias de Comunicação para Educação e Colaboração ComunicaTEC: Tecnologias de Comunicação para Educação e Colaboração Mariano Pimentel Departamento de Informática Aplicada CCET UNIRIO Av. Pasteur, 458, sala 114 cep: 22290-240, Urca, Rio de Janeiro, RJ,

Leia mais

Relatório do IV Simpósio Brasileiro de Sistemas Colaborativos SBSC

Relatório do IV Simpósio Brasileiro de Sistemas Colaborativos SBSC Relatório do IV Simpósio Brasileiro de Sistemas Colaborativos SBSC Realização: Rio de Janeiro-RJ, 3 a 5 de julho de 27 (como evento satélite do Congresso Anual da SBC) Ana Carolina Salgado (UFPE) Marco

Leia mais

2 Trabalho e Aprendizado em Grupo

2 Trabalho e Aprendizado em Grupo 2 Trabalho e Aprendizado em Grupo Uma crescente parte do trabalho das empresas e instituições não é mais realizada individualmente, com uma pessoa trabalhando sozinha até completar as tarefas. O trabalho

Leia mais

Editor de Textos Colaborativo Integrado ao Teleduc

Editor de Textos Colaborativo Integrado ao Teleduc Editor de Textos Colaborativo Integrado ao Teleduc José Alcir de Almeida Simões alcirsimoes@yahoo.com.br Vanessa Lindemann vanessal@ulbra.br Sistemas de Informação ULBRA Cachoeira do Sul Resumo. O trabalho

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

TABULÆ, UM PROGRAMA DE GEOMETRIA DINÂMICA DESTINADO À APRENDIZAGEM COLABORATIVA

TABULÆ, UM PROGRAMA DE GEOMETRIA DINÂMICA DESTINADO À APRENDIZAGEM COLABORATIVA TABULÆ, UM PROGRAMA DE GEOMETRIA DINÂMICA DESTINADO À APRENDIZAGEM COLABORATIVA Rafael Garcia Barbastefano CEFET/RJ rgb@cefet-rj.br Francisco Mattos Colégio Pedro II Colégio de Aplicação da UERJ franciscorpm@ig.com.br

Leia mais

Tendências Mundiais de Outsourcing (MPS)

Tendências Mundiais de Outsourcing (MPS) Tendências Mundiais de Outsourcing (MPS) Hamilton Terni Costa ANconsulting Photo_jscreationzs4 São Paulo, 31 de Maio de 2012 Agenda Photo_jscreationzs4 Tendências Mundiais de Outsourcing (MPS) Base: MPS

Leia mais

Índice Resumo Introdução Groupware Agendas de Grupo Agenda Compartilhada Funcionalidades Cadastro do Usuário / Login Agenda e Configuração

Índice Resumo Introdução Groupware Agendas de Grupo Agenda Compartilhada Funcionalidades Cadastro do Usuário / Login Agenda e Configuração UNIRIO Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro CCET Centro de Ciências Exatas e Tecnologia EIA Escola de Informática Aplicada TIN0033 Projeto de Graduação II Orientadora: Renata Araújo Alunos:

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 SISTEMA DE APOIO À DECISÃO Grupo: Denilson Neves Diego Antônio Nelson Santiago Sabrina Dantas CONCEITO É UM SISTEMA QUE AUXILIA O PROCESSO DE DECISÃO

Leia mais

6.1. Contribuição da pesquisa

6.1. Contribuição da pesquisa 6 Conclusão Nesta tese foram investigadas ferramentas disponibilizadas em sistemas colaborativos que auxiliam aprendizes e mediadores na coordenação de fóruns de discussão. A pesquisa é conduzida no contexto

Leia mais

Como se preparar para o fenômeno da Consumerização

Como se preparar para o fenômeno da Consumerização Como se preparar para o fenômeno da Consumerização Anderson B. Figueiredo Gerente Pesquisa & Consultoria IDC Brasil Agosto/2013 2 Presença em mais de 110 países ao redor do mundo; Mais de 1.000 analistas

Leia mais

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO NO TRABALHO COLABORATIVO

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO NO TRABALHO COLABORATIVO Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 ANÁLISE DA PERCEPÇÃO NO TRABALHO COLABORATIVO Antonio José Caulliraux Pithon pithon@cefet-rj.br

Leia mais

Gestão de workflow em um sistema de trabalho colaborativo síncrono

Gestão de workflow em um sistema de trabalho colaborativo síncrono AUTOR Nome : Céline AUSSOURD RA : 049974 Gestão de workflow em um sistema de trabalho colaborativo síncrono PALAVRAS-CHAVE : gerenciamento de documento, workflow, CSCW (Computer Supported Cooperative Work),

Leia mais

Sistemas e Sistemas de Informação

Sistemas e Sistemas de Informação Sistemas e Sistemas de Informação 1) Defina pensamento sistêmico. É pensar na empresa como um sistema. A empresa não é vista como um conjunto de partes independentes, buscando alcançar objetivos isolados,

Leia mais

ANÁLISE DOS PROBLEMAS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ANÁLISE DOS PROBLEMAS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& ANÁLISE DOS PROBLEMAS DE COMUNICAÇÃO EM PROJETOS

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM EMPRESAS ATRAVÉS DE SISTEMAS COLABORATIVOS (GROUPWARE)

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM EMPRESAS ATRAVÉS DE SISTEMAS COLABORATIVOS (GROUPWARE) GESTÃO DO CONHECIMENTO EM EMPRESAS ATRAVÉS DE SISTEMAS COLABORATIVOS (GROUPWARE) Denysson Axel Ribeiro Mota Mestrando PPGCI/UFPB André Anderson Cavalcante Felipe Mestrando PPGCI/UFPB RESUMO Apresenta o

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Capítulo 7: Sistemas de Informação Colaborativos 7-1 Sistemas de Informação e as decisões gerenciais na era da Internet James A. O'Brien Saraiva S/A Livreiros Editores, 2001 Editora Saraiva The McGraw-Hill

Leia mais

Sistemas Colaborativos & Workflow / DAS 5316

Sistemas Colaborativos & Workflow / DAS 5316 DAS 5316 Sistemas Colaborativos & Workflow FERRAMENTAS SISTEMAS COLABORATIVOS SISTEMAS COLABORATIVOS: -Sistemas/Softwares feitos para ajudar pessoas envolvidas em uma tarefa comum, para se atingir um determinado

Leia mais

Estudo do Caso PT-SI: Dois passos em frente nos ambientes colaborativos. Carlos Pinhão Lisboa, 2 de Abril 2008

Estudo do Caso PT-SI: Dois passos em frente nos ambientes colaborativos. Carlos Pinhão Lisboa, 2 de Abril 2008 Estudo do Caso PT-SI: Dois passos em frente nos ambientes colaborativos Carlos Pinhão Lisboa, 2 de Abril 2008 Agenda O porquê da mudança Comunicações Conclusões 2 O porquê da mudança PT-SI conta com mais

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 6º MÓDULO AVALIAÇÃO A3 DATA 09/07/2009 SISTEMAS EMPRESARIAIS Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

Etnografia é, ao mesmo tempo, ciência e arte. Frameworks Analíticos (Analytical Frameworks) Cognição Distribuída (Distributed Cognition ou DCog)

Etnografia é, ao mesmo tempo, ciência e arte. Frameworks Analíticos (Analytical Frameworks) Cognição Distribuída (Distributed Cognition ou DCog) Etnografia é, ao mesmo tempo, ciência e arte. Frameworks Analíticos (Analytical Frameworks) Ciência nos métodos analíticos durante a análise dos dados, na constante comparação, no rigor das provas, etc;

Leia mais

Requisitos de Ferramentas de Gestão de Projetos de Desenvolvimento de Software

Requisitos de Ferramentas de Gestão de Projetos de Desenvolvimento de Software Requisitos de Ferramentas de Gestão de Projetos de Desenvolvimento de Software Keyla Guimarães Macharet Brasil 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) CEP

Leia mais

Capítulo 2 E-Business global e colaboração

Capítulo 2 E-Business global e colaboração Objetivos de estudo Capítulo 2 E-Business global e colaboração Quais as principais características de um negócio que são relevantes para a compreensão do papel dos sistemas de informação? Como os sistemas

Leia mais

Sistemas Colaborativos Simulado

Sistemas Colaborativos Simulado Verdadeiro ou Falso Sistemas Colaborativos Simulado 1. Todos os tipos de organizações estão se unindo a empresas de tecnologia na implementação de uma ampla classe de usos de redes intranet. Algumas das

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS SECRETARIADO DE CIÊNCIAS DOCUMENTAIS

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS SECRETARIADO DE CIÊNCIAS DOCUMENTAIS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS SECRETARIADO DE CIÊNCIAS DOCUMENTAIS A WEB 2.0 NAS BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS PORTUGUESAS: UM ESTUDO DA IMPLEMENTAÇÃO DO PARADIGMA DA BIBLIOTECA 2.0 Helena Sofia

Leia mais

Coleção de computadores autônomos interconectados por uma rede, com software projetado para produzir uma aplicação integrada

Coleção de computadores autônomos interconectados por uma rede, com software projetado para produzir uma aplicação integrada Um Sistema Distribuído definido por Tanenbaum é uma coleção de computadores independentes que se apresenta ao usuário como um sistema único e consistente; outra definição, de Coulouris, seria uma coleção

Leia mais

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME Java para Dispositivos Móveis Desenvolvendo Aplicações com J2ME Thienne M. Johnson Novatec Capítulo 1 Introdução à computação móvel 1.1 Computação móvel definições Computação móvel está na moda. Operadoras

Leia mais

Abordagens para o Gerenciamento de Atividades Coletivas de Entidades Móveis Luiz Felipe Silva. Abstract

Abordagens para o Gerenciamento de Atividades Coletivas de Entidades Móveis Luiz Felipe Silva. Abstract Abordagens para o Gerenciamento de Atividades Coletivas de Entidades Móveis Luiz Felipe Silva Abstract This paper is will show the most common interactions that mobile cell phones granted to the society

Leia mais

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos. Tópicos Especiais: CSCW e Groupware

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos. Tópicos Especiais: CSCW e Groupware 2 Conceitos Básicos Redes Sociais Tópicos Especiais: CSCW e Groupware Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br 1 Uma rede social consiste de um conjunto finito de atores e a(s) relação(ões) definidas entre eles

Leia mais

Um modelo para gerenciar a comunicação em um ambiente distribuído de desenvolvimento de software

Um modelo para gerenciar a comunicação em um ambiente distribuído de desenvolvimento de software Um modelo para gerenciar a comunicação em um ambiente distribuído de desenvolvimento de software Daniela de Freitas Guilhermino 1 2 danielaf@ffalm.br Tania Fatima Calvi Tait 1 tait@din.uem.br Elisa Hatsue

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

Especificação de Componentes de Software em Sistemas Colaborativos

Especificação de Componentes de Software em Sistemas Colaborativos Especificação de Componentes de Software em Sistemas Colaborativos Marco A.S. Mangan 1,2, Claudia M.L. Werner 1, Marcos R.S.Borges 3 (mangan@inf.pucrs.br, werner@cos.ufrj.br, mborges@nce.ufrj.br) Programa

Leia mais

A Intel espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas

A Intel espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas Microsoft Office System Estudo de caso da solução do cliente A espera uma redução de 20% nos custos de audioconferências com solução de comunicações unificadas Visão geral País ou região: Estados Unidos

Leia mais

Introdução à Computação Móvel. Carlos Maurício Seródio Figueiredo

Introdução à Computação Móvel. Carlos Maurício Seródio Figueiredo Introdução à Computação Móvel Carlos Maurício Seródio Figueiredo Sumário Visão da Computação Móvel Oportunidades de Pesquisa Alguns Interesses de Pesquisas Futuras Visão da Computação Móvel O que é Computação

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Referências Bibliográficas [Audiência, 2003] Página Web da UOL. Disponível na World Wide Web em . Última visita realizada em [AulaNet,

Leia mais

Uso de Padrões Web. maio/2009

Uso de Padrões Web. maio/2009 Uso de Padrões Web maio/2009 Internet e Web, passado, presente e futuro 2 Internet e Web, passado, presente e futuro 3 A Evolução da Web Pré Web Passado web 1.0 Presente web 2.0 Futuro web 3.0 4 A Evolução

Leia mais

Fundamentos do uso de tecnologia da informação F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D

Fundamentos do uso de tecnologia da informação F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D Fundamentos do uso de tecnologia da informação O USO CONSCIENTE DA TECNOLOGIA PARA O GERENCIAMENTO F U P A C V R B P R O F. C H R I S T I E N L. R A C H I D Organização 1. Vínculo Administração-Tecnologia

Leia mais

Panorama do mercado de Comunicações Unificadas

Panorama do mercado de Comunicações Unificadas Panorama do mercado de Comunicações Unificadas Agenda Vídeo O IPNews O Mercado de Telecomunicações Conceito Novos Meios de Comunicação Cenário Por que adotar? Benefícios Noticiário 1º portal brasileiro

Leia mais

Realidade Aumentada Aplicada em Jogos Educacionais

Realidade Aumentada Aplicada em Jogos Educacionais Realidade Aumentada Aplicada em Jogos Educacionais Ezequiel Roberto Zorzal 1, Alexandre Cardoso 1, Claudio Kirner 2, Edgard Lamounier Júnior 1 1 Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica - Universidade

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Contextualização ENGENHARIA DE SOFTWARE ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Perspectiva Histórica Engenharia de Software 1940:

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Oportunidades e Desafios para a Comunicação em Mídias Sociais Virtuais: Um estudo sobre as empresas operadoras de telefonia celular

Oportunidades e Desafios para a Comunicação em Mídias Sociais Virtuais: Um estudo sobre as empresas operadoras de telefonia celular Renata de Sousa-Aguiar Máximo Oportunidades e Desafios para a Comunicação em Mídias Sociais Virtuais: Um estudo sobre as empresas operadoras de telefonia celular Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular

Ficha da Unidade Curricular ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE FELGUEIRAS CURSO Licenciatura em Engenharia Informática U.C. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Ficha da Unidade Curricular Horas presenciais / Ano 56 Ano Lectivo 2010 / 2011

Leia mais

Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas)

Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas) Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas) Professional activities/tasks Design and produce complex ICT systems by integrating

Leia mais

Propostas de Teses para 2009/2010

Propostas de Teses para 2009/2010 Propostas de Teses para 2009/2010 Prof. Alberto Rodrigues da Silva, Abril de 2009, 1.0 (versão de trabalho) Apresento neste documento as minhas propostas de Teses para Candidatos ao Mestrado em Engenharia

Leia mais

O papel da Economia Digital na Dinamização do Interior. Carlos J. Costa carlos.costa@iscte.pt http://carlosjcosta.wordpress.com

O papel da Economia Digital na Dinamização do Interior. Carlos J. Costa carlos.costa@iscte.pt http://carlosjcosta.wordpress.com O papel da Economia Digital na Dinamização do Interior Carlos J. Costa carlos.costa@iscte.pt http://carlosjcosta.wordpress.com Índice Economia Digital Economia Digital Impactos Economia Open Source - Impactos

Leia mais

5.7.6 Internet/Intranet 176 5.7.7 Gestão logística 177 CAPÍTULO 6. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE WORKFLOW 181 6.1 Métodos de Desenvolvimento 181

5.7.6 Internet/Intranet 176 5.7.7 Gestão logística 177 CAPÍTULO 6. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE WORKFLOW 181 6.1 Métodos de Desenvolvimento 181 SUMÁRIO SUMÁRIO PREFÁCIO AGRADECIMENTOS VII XI XIII INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1. ORGANIZAR WORKFLOWS 1 1.1 Ontologia da gestão de workflows 1.2 Trabalho 1 1 1.3 Processos de Negócio 3 1.4 Distribuir e Aceitar

Leia mais

AWARENESS EM SISTEMAS DE GROUPWARE

AWARENESS EM SISTEMAS DE GROUPWARE AWARENESS EM SISTEMAS DE GROUPWARE Manuele Kirsch Pinheiro (manuele@inf.ufrgs.br) José Valdeni de Lima (valdeni@inf.ufrgs.br) Instituto de Informática Universidade Federal do Rio Grande do Sul Av. Bento

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Departamento de Informática Unidade Curricular Generalidades sobre Serviços de Comunicação na Internet Licenciatura em Tecnologias e Sistemas de Informação Cap. 1 - Sumário

Leia mais

Como Gerir Dispositivos Moveis Techdata - TIC. Miguel Almeida Channel Manager at Avaya (almeidam@avaya.com)

Como Gerir Dispositivos Moveis Techdata - TIC. Miguel Almeida Channel Manager at Avaya (almeidam@avaya.com) Como Gerir Dispositivos Moveis Techdata - TIC Miguel Almeida Channel Manager at Avaya (almeidam@avaya.com) Tendências Sociais e de Mercado As organizações enfrentam uma economia difícil, concorrentes agressivos,

Leia mais

As Novas Profissões em Computação. Integrantes Eder Leão Leonardo Jorente Rafael Stéfano Vinícius Akihiro Kuwabara

As Novas Profissões em Computação. Integrantes Eder Leão Leonardo Jorente Rafael Stéfano Vinícius Akihiro Kuwabara As Novas Profissões em Integrantes Eder Leão Leonardo Jorente Rafael Stéfano Vinícius Akihiro Kuwabara Tópicos Contextualização Novas Profissões Impacto Conclusões Referências Contextualização (Histórico

Leia mais

Aquisição planejada do negócio de servidores x86 combinará fortalezas da IBM e da Lenovo para maximizar valor para clientes.

Aquisição planejada do negócio de servidores x86 combinará fortalezas da IBM e da Lenovo para maximizar valor para clientes. Aquisição planejada do negócio de servidores x86 combinará fortalezas da IBM e da Lenovo para maximizar valor para clientes Abril de 2014 Conteúdo Resumo Executivo 3 Introdução 3 IBM recebe alta pontuação

Leia mais

Novos paradigmas de redes: Aonde e porque adotá-los

Novos paradigmas de redes: Aonde e porque adotá-los Novos paradigmas de redes: Aonde e porque adotá-los Novos paradigmas de redes: Aonde e porque adotá-los O contexto SDN O conceito NFV O conceito Aproximando as duas abordagens Virtualização de acesso Nossa

Leia mais

Um modelo baseado em context-awareness para disseminação de informações em um Ambiente de Desenvolvimento Distribuído de Software

Um modelo baseado em context-awareness para disseminação de informações em um Ambiente de Desenvolvimento Distribuído de Software Um modelo baseado em context-awareness para disseminação de informações em um Ambiente de Desenvolvimento Distribuído de Software Ana Paula Chaves, Igor Scaliante Wiese, César Alberto da Silva e Elisa

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

Gaia Inventário: um Modelo para Gestão da Configuração, Inventário e Ativos de Serviços de Tecnologia da Informação

Gaia Inventário: um Modelo para Gestão da Configuração, Inventário e Ativos de Serviços de Tecnologia da Informação Gaia Inventário: um Modelo para Gestão da Configuração, Inventário e Ativos de Serviços de Tecnologia da Informação Natali Silva Honda 1, Bruno Bogaz Zarpelão 1 1 Departamento de Computação Universidade

Leia mais

Palestras Convidadas

Palestras Convidadas Palestras Convidadas Groupware: Early failures, current successes, and future challenges Jonathan Grudin grudin@ics.uci.edu Information & Computer Science Department University of California, Irvine Irvine,

Leia mais

Integrando pessoas ao negócio através de um portal colaborativo. ROGÉRIO INOMATA inomata@br.ibm.com Portal Sales Leader, IBM América Latina

Integrando pessoas ao negócio através de um portal colaborativo. ROGÉRIO INOMATA inomata@br.ibm.com Portal Sales Leader, IBM América Latina Integrando pessoas ao negócio através de um portal colaborativo ROGÉRIO INOMATA inomata@br.ibm.com Portal Sales Leader, IBM América Latina Por quê? INOVAÇÃO Então O que é um portal mesmo? Serviços de Apresentação

Leia mais

Reengenharia e aperfeiçoamento de processos de negócio

Reengenharia e aperfeiçoamento de processos de negócio 28. O Workflow Como Suporte ao Trabalho Cooperativo O conceito e as tecnologias de workflow estão inseridos no contexto de soluções tecnológicas e organizacionais para suporte a uma nova forma de funcionamento

Leia mais

Empresa virtual: uma realidade

Empresa virtual: uma realidade Empresa : uma realidade António Jorge Silva Cardoso José Carlos Teixeira CCG/ZGDV - Centro de Computação Gráfica Rua Rodrigues de Gusmão, 21 3000 Coimbra - Portugal jcardoso@ccg.uc.pt teixeira@ccg.uc.pt

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência

Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência Felipe Furtado Engenheiro de Qualidade Izabella Lyra Gerente de Projetos Maio/2008 Agenda Motivação Pesquisas Adaptações do Processo Projeto Piloto Considerações

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Informática Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Informática Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Informática Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação Victor Hugo Ramos da Silva Investigação sobre a pertinência de uma plataforma

Leia mais

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS WORKFLOW Mapeamento de Processos de Negócio Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio sem a expressa autorização

Leia mais

Uso Estratégico da Tecnologia da Informação nos Negócios Tendências e Oportunidades

Uso Estratégico da Tecnologia da Informação nos Negócios Tendências e Oportunidades Uso Estratégico da Tecnologia da Informação nos Negócios Tendências e Oportunidades Danilo Pereira, Msc. Apresentação Graduação em Ciência da Computação (1997) Mestre em Eng. Produção UFSC Mídia e Conhecimento

Leia mais

Análise de Sistemas I: Programação em Nuvem. Luiz Filipe Licidonio. Faculdade de Tecnologia Pastor Dohms. Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Análise de Sistemas I: Programação em Nuvem. Luiz Filipe Licidonio. Faculdade de Tecnologia Pastor Dohms. Porto Alegre, Rio Grande do Sul 1 Análise de Sistemas I: Programação em Nuvem Luiz Filipe Licidonio Faculdade de Tecnologia Pastor Dohms Porto Alegre, Rio Grande do Sul luiz_np_poa@hotmail.com 2 Análise de Sistemas I: Programação em

Leia mais

Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente

Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente 1 Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente Clarisse Sieckenius de Souza SERG - Semiotic Engineering Research Group Departamento de Informática, PUC-Rio clarisse@inf.puc-rio.br http://www.serg.inf.puc-rio.br

Leia mais

AUTOMAÇÃO ESCRITÓRIOS

AUTOMAÇÃO ESCRITÓRIOS AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIOS PESSOAS, WORKFLOWS,... AUTOMAÇÃO ESCRITÓRIOS Pode-se perceber mudanças no ambiente empresarial, no que concerne às tarefas básicas de um escritório. Algumas habilidades estão se

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

Computação nas Nuvens

Computação nas Nuvens Computação nas Nuvens TÓPICOS Introdução Internet: O fundamento principal O que é Computação em Nuvens Vantagens Dúvidas Corrida pela tecnologia Trabalhos Futuros Conclusão Referências 2 TÓPICOS Introdução

Leia mais

Luanna Lopes Lobato, Thiago Jabur Bittar, Sérgio Donizetti Zorzo

Luanna Lopes Lobato, Thiago Jabur Bittar, Sérgio Donizetti Zorzo Abordagem para definição de taxonomia de Privacidade e Personalização para design de interação e gestão do conhecimento em comunidades de CSCL para Licenciatura em Computação Luanna Lopes Lobato, Thiago

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Intranets, Extranets e a Internet Uma intranet Sites é uma na rede Internet interna a uma organização que utiliza tecnologias da Internet para fornecer um ambiente do

Leia mais

Faça com que o CRM trabalhe da mesma maneira que o seu pessoal de vendas

Faça com que o CRM trabalhe da mesma maneira que o seu pessoal de vendas Faça com que o CRM trabalhe da mesma maneira que o seu pessoal de vendas APROVEITE AS TECNOLOGIAS DE HOJE PARA MAXIMIZAR A ADOÇÃO POR PARTE DOS USUÁRIOS Para os profissionais de venda, o tempo nunca havia

Leia mais