Introdução aos Sistemas Colaborativos (Groupware & CSCW)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução aos Sistemas Colaborativos (Groupware & CSCW)"

Transcrição

1 2 Introdução aos Sistemas Colaborativos (Groupware & CSCW) Cleidson R. B. Souza Faculdade de Computação Universidade Federal do Pará! Introdução! Definições! Mais Definições! Exemplos! Motivação! Conseqüências! Esperanças ;-) Roteiro! Histórico! Classificação de Sistemas de Groupware! Conclusões 3 4 Definição!Groupware são sistemas baseados em tecnologias de computação e telecomunicações que auxiliam grupos de usuários a exercer uma atividade.!cscw (Computer Supported Cooperative Work) é o nome da área de pesquisa que estuda o uso das tecnologias de computação e telecomunicações que auxiliam atividades de grupos de usuários. Definição (2)! Groupware e CSCW são dois termos distintos. CSCW é o contexto mais amplo (área de pesquisa) onde groupware (tecnologias) está incluído.! CSCW é uma área inter-disciplinar, ela adota métodos, técnicas e abordagens de áreas como:! psicologia, antropologia, economia, sociologia, ciência da computação, teoria das organizações, ergonomia, etc.

2 5 Definição (3) 6 Definição (CSCW 2002 Tutorial) Groupware , editores colaborativos, workflow CSCW - metodologias para reuniões -fatores sociais que influenciam a adoção de ferramentas de groupware - análise/medida da utilização de mail!the field of CSCW focuses on the use of technology to mediate interactions among people!use: Ethnography, design,!technology: Devices, infrastructures,!interactions: Text, audio, video,!people:!teams, organizations, communities,!psychology, organizational behavior, sociology, 7 8 Outras Definições! Computer-assisted coordinated activity such as communication and problem solving, carried out by a group of collaborating individuals [Baecker 94]! CSCW addresses "how collaborative activities and their coordination can be supported by means of computer systems. [Carstensen and Schmidt, 2002]! CSCW [is] a generic term, which combines the understanding of the way people work in groups with the enabling technologies of computer networking, and associated hardware, software, services and techniques. Outras Definições (2)! [Groupware] is Computer mediated collaboration that increases the productivity or functionality of person-toperson processes. [Coleman 92]! Groupware represents a paradigm shift, in which human-human rather than human-machine communications and problem solving are emphasized. [Baecker 94]! "computer-based systems that support groups of people engaged in a common task (or goal) and that provide an interface to a shared environment. [Ellis, 1991]

3 Exemplos!Correio eletrônico!exemplo mais famoso de groupware e, provavelmente, o mais usado.!vídeo-conferência!sespa: diagnóstico a distância;!chat s!workflow!desenvolvido a partir da noção de processo em sistemas de manufatura e automação de escritórios; Exemplos!Ferramentas individuais adaptadas para o trabalho em grupo!editores e Planilhas Cooperativos!Comentários e Revisões no Microsoft Word;!Ferramentas Gráficas;!Agendas de Grupo (Lotus Notes);!Novas ferramentas criadas especialmente para apoio ao trabalho em grupo!reuniões eletrônicas, Vídeo-conferência, Workflow; 11 Desafios em CSCW [Grudin, 1994] [ou porque a E.S. não é suficiente]! Disparidade entre quem trabalha e quem se beneficia!calendários de grupo na DEC;! Comentários de voz;! Problema da Massa Crítica! Avaliar um groupware requer um determinado número mínimo de usuários! Dificuldade na Avaliação! Como avaliar, testar aplicações de groupware?! Outros, a serem discutidos no futuro. Importante 12! Em geral, um dos aspectos fundamentais desta área é o desenvolvimento de aplicações que são realmente úteis:! Como as pessoas cooperam?! Como a tecnologia pode auxiliar estas pessoas?! Quais as implicações da utilização desta tecnologia?! Quem se beneficia da tecnologia? Como sistemas computacionais podem influenciar ou reforçar padrões de controle que já existem na organização?! O modelo implícito do trabalho, das interfaces e das funcionalidades dos sistemas tem de estar de acordo com os diferentes aspectos onde o sistema computacional vai ser implementado.

4 Importante (2)! Problema clássico das agendas de Grupo na DEC;! Gerente se beneficia do trabalho! Sistema The Coordinator! Limita o escopo das aplicações! GDSS s no Japão! Decisões são tomadas em outros momentos! Sistema de controle de trafégo aéreo! Diversas tentativas de implantar um sistema falharam CSCW vs. HCI [CSCW 2002 Tutorial]!HCI: interação homen-computador!interações e relações de indivíduos com tecnologias de informação!pode envolver > 1 pessoa, mas não necessariamente!cscw: interação homen-computadorhomen!interações e relações de indivíduos através de tecnologias de informação!sempre envolve > 1 pessoa CSCW vs. HCI [CSCW 2002 Tutorial] Motivação Community; customers Organization Project/Teams Small Groups!Os problemas atuais são mais complexos do que antes. Uma única pessoa não é capaz de lidar com esta complexidade. Individuals Networked PCs; PDAs, cellphones Workspaces; Media spaces; video conferencing GDSS; Workflow; Workspaces; Media spaces Intranets; document repositories; expertise location! O todo é maior que a soma das partes : Durante o processo, os colaboradores desenvolvem uma melhor compreensão do que se tivessem trabalhado sozinhos. Internet; WWW

5 Motivação!O trabalho em grupo é uma característica inerente ao ser humano. Ele também promove o aprendizado e motiva os funcionários.!exemplos:!analistas de sistemas passam 70% do seu tempo trabalhando em grupo.!um americano médio gasta 60% do seu tempo em reuniões.! Mudança de atitude Conseqüências!Pessoas precisam aprender a a trabalhar em grupos e como equipes (cooperar);! Pessoas necessitam trocar informações freqüentemente (comunicação); e!o sucesso de uma equipe não dependerá apenas das habilidades dos indivíduos que a compõem, mas principalmente no nível de cooperação.! Ferramentas adequadas para apoiar o trabalho em grupo Vantagens? Ou Esperanças?! Para tornar o trabalho em grupo mais eficiente!tempo gasto nas atividades em grupo! CUSTO de realização das atividades em grupo! Para atingir melhores resultados " QUALIDADE dos resultados! Para possibilitar certos tipos de tarefas em grupo que seriam impossíveis (ou quase) de ser realizadas sem o suporte computacional Vantagens? Ou Esperanças? (2)!Melhor Controle de Custos!Produtividade Crescente!Melhor serviço ao cliente!menos reuniões!automação de processos rotineiros!integração de equipes distribuídas!novos serviços que diferenciarão a organização!aumenta o conhecimento profissional

6 22 Histórico Histórico [Grudin, 1994]!Na década de 70, existia um grande interesse na área chamada de Automação de Escritórios!PCs começavam a se tornar ubíquos;!integrar e transformar aplicações monousuário de forma a apoiar grupos;!os desafios não eram apenas tecnológicos. Logo, percebeu-se a necessidade de realizar estudos sobre o comportamento dos grupos Histórico! Em 1984, a sigla foi CSCW publicamente lançada em um workshop organizado por Irene Greif e Paul M. Cashman! Aprender com sociólogos, psicólogos, antropólogos, educadores, etc sobre grupos, equipes, times.! Nesta época abandonou-se automação de escritórios e surgiu a área de CSCW! Em 1988 houve a primeira conferencia na área nos EUA (ACM CSCW) e em 1989 a primeira a conferencia européia do tema (ECSCW). Hoje - Conferências! ACM CSCW! =ACM&dl=ACM! ACM CHI! ECSCW! ACM GROUP! DIS! SBSC, antes WCSCW - brasileiro! CRIWG - latino-americano!

7 ! Acadêmicos 25 Hoje - Grupos de Pesquisa! ICT (CORPS) da UCI! Colorado, Boulder! CREW at Michigan! MIT! CMU! U. Hawaii! Calgary! Lancaster! King s College! 26 Hoje - Grupos de Pesquisa! Indústria! PARC, antigo XEROX PARC! EuroPARC! Microsoft! IBM! Social IBM! FX / PAL! Intel! 27 No Brasil (Comitê do SBSC 2006)! UFRJ (Marcos Borges)! Jacques Wainer! PUC-RIO (Hugo Fuks)! Unirio! Intel (Rogério de Paula)! Mais em hp 28 Histórico [Grudin, 1994]

8 30 Trabalho colaborativo? Algumas Considerações! Porque apenas trabalho colaborativo?! Hoje em dia adota-se uma visão mais abrangente, que vai além do escritório (emprego)!redes sem fio em casa;! Entretenimento colaborativo (jogos, visitas a museus, etc);!religião;! Socialização (blogs, tagging (flickr)); etc.! Aprendizado colaborativo: CSCL; Tendências [CSCW 2002 Tutorial]! Convergência! Computação, telefonia, etc! Mobilidade e Ubiqüidade! Diferentes dispositivos : Laptops, PDAs, telefones celulares;! Infra-estrutura: WiFi, {2,2.5,3}G, EDGE! Comunidades! Profissionais (communities of practice)! Outras (Ebay.com, match.com, amazo.com)! Web 2.0! Mashups, wikis, wikipedia, blogs, etc. Conclusões!CSCW: Área promissora :-)!Devido ao caratér interdisciplinar, traz importantes lições para o projeto de sistemas computacionais;!revoluciona(?) a maneira com a qual as pessoas interagem;!segundo [Olson, 2007] pode-se repetir todos os experimentos a cada 20 anos :-)

9 Perguntas? 33

GROUPWARE & CSCW: Conceitos Básicos

GROUPWARE & CSCW: Conceitos Básicos GROUPWARE & CSCW: Conceitos Básicos Cleidson R. B. Souza cdesouza@ufpa.br Dep. Informática Universidade Federal do Pará Roteiro Introdução Motivação Consequências Definição Outras Definições Porque Groupware

Leia mais

CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador

CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador Luís Manuel Borges Gouveia Aveiro, Janeiro de 2002 evolução dos sistemas de interacção o impacto dos computadores e a preocupação das TI foi-se desenvolvendo

Leia mais

Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações

Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações Laboratório de Engenharia de Software Departamento de Sistemas de Computação Universidade de São Paulo Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações Seiji Isotani sisotani@icmc.usp.br Contextualização

Leia mais

Computer Supported Cooperative Work - CSCW

Computer Supported Cooperative Work - CSCW Computer Supported Cooperative Work - CSCW trabalho cooperativo auxiliado por computador http://www.professores.uff.br/screspo/ CSCW O termo CSCW - Computer Supported Cooperative Work, foi criado oficialmente

Leia mais

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira

Sistemas Cooperativos. Professor Alan Alves Oliveira Sistemas Cooperativos Professor Alan Alves Oliveira 1. Sistemas de Informação e Sistemas Cooperativos 2 Sistemas de Informação 3 Sistemas de Informação Sistemas ampamente utilizados em organizações para

Leia mais

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Exemplos. Protocolos e Artefatos de Coordenação

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Exemplos. Protocolos e Artefatos de Coordenação Groupware Protocolos e Artefatos de Coordenação em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br Tecnologia computacional para auxiliar o trabalho cooperativo Mas Como o trabalho cooperativo é executado? Como

Leia mais

O Conceito de Awareness (Percepção) em CSCW

O Conceito de Awareness (Percepção) em CSCW O Conceito de Awareness (Percepção) em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br Faculdade de Computação Instituto de Ciências Exatas e Naturais Universidade Federal do Pará Leituras obrigatórias da aula

Leia mais

Situando Sistemas coopera0vos

Situando Sistemas coopera0vos Sistemas Coopera0vos Situando Sistemas coopera0vos Nazareno Andrade Universidade Federal de Campina Grande 07/2009 Parte 1: Introdução Do que estamos falando Contexto Parte 2: Análise Parte 3: Prá0ca Por

Leia mais

Sistemas Cooperativos

Sistemas Cooperativos Comércio Eletrônico e Sistemas Cooperativos Sistemas Cooperativos Prof. Hélio de Sousa Lima Filho helio.slfilho@hotmail.com 1. Definição Sistemas mais dinâmicos Exige maior interação entre os usuários

Leia mais

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação. Mecanismo de Coordenação. Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Artefatos.

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação. Mecanismo de Coordenação. Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Artefatos. Groupware Tecnologia computacional para auxiliar o trabalho cooperativo Mas Como o trabalho cooperativo é executado? Como as pessoas trabalham em conjunto? Como a tecnologia existente facilita (ou dificulta)

Leia mais

I Workhop Brasileiro de Tecnologias para Colaboração WCSCW

I Workhop Brasileiro de Tecnologias para Colaboração WCSCW I Workhop Brasileiro de Tecnologias para Colaboração WCSCW Realização: 13 e 14 de outubro em conjunto com o WebMídia-LA Web 2004 Ribeirão Preto - SP Organização do Workshop: Alberto Raposo PUC-Rio Flávia

Leia mais

Introdução ao Groupware e ao CSCW

Introdução ao Groupware e ao CSCW MAC0434 e MAC5798 Desenvolvimento de Sistemas Colaborativos Introdução ao Groupware e ao CSCW Marco A. Gerosa gerosa@ime.usp.br Marco A. Gerosa 1 IME / USP O que é colaboração? Classifique as seguintes

Leia mais

Coordinators. Agenda. Definição. Definição Exemplos Artefatos Funcionalidades. Modelo de Coordenação

Coordinators. Agenda. Definição. Definição Exemplos Artefatos Funcionalidades. Modelo de Coordenação Agenda Coordinators Cleidson R. B. Souza cdesouza@ufpa.br Dep. Informática Universidade Federal do Pará Definição Exemplos Artefatos Funcionalidades Execução Modelagem Definição Em alguns casos a cooperação

Leia mais

Online Collaborative Learning Design

Online Collaborative Learning Design "Online Collaborative Learning Design" Course to be offered by Charlotte N. Lani Gunawardena, Ph.D. Regents Professor University of New Mexico, Albuquerque, New Mexico, USA July 7- August 14, 2014 Course

Leia mais

Relatório sobre a Trilha de CSCW WebMídia 2003 Salvador BA

Relatório sobre a Trilha de CSCW WebMídia 2003 Salvador BA Organização da Trilha: Renata Mendes de Araujo UNIRIO Flávia Maria Santoro UNIRIO Comitê de Avaliação da Trilha: Ana Carolina Salgado UFPE Hugo Fuks PUC-Rio José Valdeni UFRGS - UFRJ Organização Geral

Leia mais

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos. Tópicos Especiais: CSCW e Groupware

Redes Sociais. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Exemplos. Tópicos Especiais: CSCW e Groupware 2 Conceitos Básicos Redes Sociais Tópicos Especiais: CSCW e Groupware Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br 1 Uma rede social consiste de um conjunto finito de atores e a(s) relação(ões) definidas entre eles

Leia mais

Convergência tecnológica em sistemas de informação

Convergência tecnológica em sistemas de informação OUT. NOV. DEZ. l 2006 l ANO XII, Nº 47 l 333-338 INTEGRAÇÃO 333 Convergência tecnológica em sistemas de informação ANA PAULA GONÇALVES SERRA* Resumo l Atualmente vivemos em uma sociedade na qual o foco

Leia mais

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA

Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA QUESTÃO RESPOSTA ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 3º PERÍODO - 6º MÓDULO AVALIAÇÃO A3 DATA 09/07/2009 SISTEMAS EMPRESARIAIS Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade: UF CARTÃO RESPOSTA

Leia mais

Componentes de Software e Criatividade no Desenvolvimento de Sistemas Colaborativos. Marco Aurélio Gerosa gerosa@ime.usp.br

Componentes de Software e Criatividade no Desenvolvimento de Sistemas Colaborativos. Marco Aurélio Gerosa gerosa@ime.usp.br Componentes de Software e Criatividade no Desenvolvimento de Sistemas Colaborativos Marco Aurélio Gerosa gerosa@ime.usp.br Marco A. Gerosa Palestra IC/UNICAMP Sumário Sistemas colaborativos Desenvolvimento

Leia mais

Sistemas Colaborativos: Conceito, Característicasdes e Funcionalidades

Sistemas Colaborativos: Conceito, Característicasdes e Funcionalidades Sistemas Colaborativos: Conceito, Característicasdes e Funcionalidades Carla Oliveira (e-mail) é formada pela FATEC - Faculdade de Tecnologia de São Paulo, no curso de Automação de Escritórios e Secretariado.

Leia mais

Sistemas Colaborativos: uma aplicação no contexto de gestão de risco de inundação

Sistemas Colaborativos: uma aplicação no contexto de gestão de risco de inundação Sistemas Colaborativos: uma aplicação no contexto de gestão de risco de inundação Lívia Castro Degrossi degrossi@icmc.usp.br Abril/2014 1 Contextualização 07/04/2014 Lívia Castro Degrossi 2 2 Contextualização

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital Objetivo do curso:

MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital Objetivo do curso: Com carga horária de 420 horas o curso MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Sistema de Aproveitamento de Disciplinas da Faculdade de Informática da PUCRS: uma sistemática de gerência

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 SISTEMA DE APOIO À DECISÃO Grupo: Denilson Neves Diego Antônio Nelson Santiago Sabrina Dantas CONCEITO É UM SISTEMA QUE AUXILIA O PROCESSO DE DECISÃO

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software

Análise e Projeto de Sistemas. Engenharia de Software. Análise e Projeto de Sistemas. Contextualização. Perspectiva Histórica. A Evolução do Software Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Contextualização ENGENHARIA DE SOFTWARE ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Perspectiva Histórica Engenharia de Software 1940:

Leia mais

5.7.6 Internet/Intranet 176 5.7.7 Gestão logística 177 CAPÍTULO 6. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE WORKFLOW 181 6.1 Métodos de Desenvolvimento 181

5.7.6 Internet/Intranet 176 5.7.7 Gestão logística 177 CAPÍTULO 6. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE WORKFLOW 181 6.1 Métodos de Desenvolvimento 181 SUMÁRIO SUMÁRIO PREFÁCIO AGRADECIMENTOS VII XI XIII INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1. ORGANIZAR WORKFLOWS 1 1.1 Ontologia da gestão de workflows 1.2 Trabalho 1 1 1.3 Processos de Negócio 3 1.4 Distribuir e Aceitar

Leia mais

AUTOMAÇÃO ESCRITÓRIOS

AUTOMAÇÃO ESCRITÓRIOS AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIOS PESSOAS, WORKFLOWS,... AUTOMAÇÃO ESCRITÓRIOS Pode-se perceber mudanças no ambiente empresarial, no que concerne às tarefas básicas de um escritório. Algumas habilidades estão se

Leia mais

Inteligência Empresarial. BI Business Intelligence. Business Intelligence 22/2/2011. Prof. Luiz A. Nascimento

Inteligência Empresarial. BI Business Intelligence. Business Intelligence 22/2/2011. Prof. Luiz A. Nascimento Inteligência Empresarial Prof. Luiz A. Nascimento BI Pode-se traduzir informalmente Business Intelligence como o uso de sistemas inteligentes em negócios. É uma forma de agregar a inteligência humana à

Leia mais

Estruturando Processo de Gestão de Projeto. José Renato Santiago

Estruturando Processo de Gestão de Projeto. José Renato Santiago Estruturando Processo de Gestão de Projeto Metodologia de Gestão de Projetos Objetivo: O objetivo deste documento é apresentar ações e iniciativas voltadas para a implantação de metodologia de Gestão de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a

Leia mais

Sistemas Colaborativos

Sistemas Colaborativos glb Sistemas Colaborativos 2013-2 Sistemas Colaborativos 1 Surgimento dos Sistemas Colaborativos e o gerenciamento de equipes distribuídas. Taxonomia, classificação dos SC de acordo com o local das interações

Leia mais

Introdução à Computação Móvel. Carlos Maurício Seródio Figueiredo

Introdução à Computação Móvel. Carlos Maurício Seródio Figueiredo Introdução à Computação Móvel Carlos Maurício Seródio Figueiredo Sumário Visão da Computação Móvel Oportunidades de Pesquisa Alguns Interesses de Pesquisas Futuras Visão da Computação Móvel O que é Computação

Leia mais

Profissionais graduados em Psicologia e Medicina que tenham interesse em atuar na área do trabalho e organizacional.

Profissionais graduados em Psicologia e Medicina que tenham interesse em atuar na área do trabalho e organizacional. A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

Um Grande Tour sobre Métodos Empíricos Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br

Um Grande Tour sobre Métodos Empíricos Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br Um Grande Tour sobre Métodos Empíricos Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br Tópicos Especiais em Engenharia de Software Departamento de Informática Universidade Federal do Pará Agenda Introdução Empiricismo

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

Desenvolvimento de Solução. Desenvolvimento de Projeto. Qualidade / CMM / Políticas. . Arquitetura de Processos. Processo / PLC

Desenvolvimento de Solução. Desenvolvimento de Projeto. Qualidade / CMM / Políticas. . Arquitetura de Processos. Processo / PLC Desenvolvimento de Projeto Qualidade / CMM / Políticas Processo / PLC Workflow /ClearQuest Primavera Suite Rational Desenvolvimento de Solução. Arquitetura de Processos. Arquitetura Tecnológica. Arquitetura

Leia mais

2 Trabalho e Aprendizado em Grupo

2 Trabalho e Aprendizado em Grupo 2 Trabalho e Aprendizado em Grupo Uma crescente parte do trabalho das empresas e instituições não é mais realizada individualmente, com uma pessoa trabalhando sozinha até completar as tarefas. O trabalho

Leia mais

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo

FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo FURB - Universidade Regional de Blumenau TCC - Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmico: Fernando Antonio de Lima Orientador: Oscar Dalfovo Roteiro Introdução Sistemas de Informação - SI Executive Information

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME Java para Dispositivos Móveis Desenvolvendo Aplicações com J2ME Thienne M. Johnson Novatec Capítulo 1 Introdução à computação móvel 1.1 Computação móvel definições Computação móvel está na moda. Operadoras

Leia mais

UNIVATES. Case Cisco CLIENTE SEGMENTO DESAFIOS SOLUÇÕES RESULTADOS CASES DE EDUCAÇÃO

UNIVATES. Case Cisco CLIENTE SEGMENTO DESAFIOS SOLUÇÕES RESULTADOS CASES DE EDUCAÇÃO CASES DE EDUCAÇÃO Case Cisco UNIVATES CLIENTE - Centro Universitário Univates - Número total de alunos: 13.235 - Número total de professores contratados: 537 SEGMENTO - Educação privada superior e profissionalizante

Leia mais

As Novas Profissões em Computação. Integrantes Eder Leão Leonardo Jorente Rafael Stéfano Vinícius Akihiro Kuwabara

As Novas Profissões em Computação. Integrantes Eder Leão Leonardo Jorente Rafael Stéfano Vinícius Akihiro Kuwabara As Novas Profissões em Integrantes Eder Leão Leonardo Jorente Rafael Stéfano Vinícius Akihiro Kuwabara Tópicos Contextualização Novas Profissões Impacto Conclusões Referências Contextualização (Histórico

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

SIS17-Arquitetura de Computadores

SIS17-Arquitetura de Computadores Sistema de Computação SIS17-Arquitetura de Computadores Apresentação da Disciplina Peopleware Hardware Software Carga Horária: 40 horas 2 Computadores atuais Unidade Central de Processamento Entrada Computadores

Leia mais

Sistemas e Sistemas de Informação

Sistemas e Sistemas de Informação Sistemas e Sistemas de Informação 1) Defina pensamento sistêmico. É pensar na empresa como um sistema. A empresa não é vista como um conjunto de partes independentes, buscando alcançar objetivos isolados,

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

O conceito de colaboração

O conceito de colaboração O conceito de colaboração O conceito de colaboração está ligado às técnicas que possibilitam que pessoas dispersas geograficamente possam trabalhar de maneira integrada, como se estivessem fisicamente

Leia mais

Arquitetura de Informação

Arquitetura de Informação Arquitetura de Informação Ferramentas para Web Design Prof. Ricardo Ferramentas para Web Design 1 Arquitetura de Informação? Ferramentas para Web Design 2 Arquitetura de Informação (AI): É a arte de expressar

Leia mais

Relatório do IV Simpósio Brasileiro de Sistemas Colaborativos SBSC

Relatório do IV Simpósio Brasileiro de Sistemas Colaborativos SBSC Relatório do IV Simpósio Brasileiro de Sistemas Colaborativos SBSC Realização: Rio de Janeiro-RJ, 3 a 5 de julho de 27 (como evento satélite do Congresso Anual da SBC) Ana Carolina Salgado (UFPE) Marco

Leia mais

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1 Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii Parte I - Empresa e Sistemas, 1 1 SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3 1.1.2 Premissas

Leia mais

Etnografia é, ao mesmo tempo, ciência e arte. Frameworks Analíticos (Analytical Frameworks) Cognição Distribuída (Distributed Cognition ou DCog)

Etnografia é, ao mesmo tempo, ciência e arte. Frameworks Analíticos (Analytical Frameworks) Cognição Distribuída (Distributed Cognition ou DCog) Etnografia é, ao mesmo tempo, ciência e arte. Frameworks Analíticos (Analytical Frameworks) Ciência nos métodos analíticos durante a análise dos dados, na constante comparação, no rigor das provas, etc;

Leia mais

Uma Arquitetura Genérica para Aplicações Colaborativas

Uma Arquitetura Genérica para Aplicações Colaborativas P FACULDADE DE INFORMÁTICA PUCRS - Brazil http://www.inf.pucrs.br ut Facin Uma Arquitetura Genérica para Aplicações Colaborativas I. Moraes e A. Zorzo TECHNICAL REPORT SERIES Number 006 August, 2000 Contact:

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

A qualidade é relativa. O que é qualidade para uma pessoa pode ser falta de qualidade para outra.

A qualidade é relativa. O que é qualidade para uma pessoa pode ser falta de qualidade para outra. A qualidade é relativa. O que é qualidade para uma pessoa pode ser falta de qualidade para outra. G. Weinberg 1 A ideia de qualidade é aparentemente intuitiva. Contudo, quando examinado mais longamente,

Leia mais

Uso Estratégico da Tecnologia da Informação nos Negócios Tendências e Oportunidades

Uso Estratégico da Tecnologia da Informação nos Negócios Tendências e Oportunidades Uso Estratégico da Tecnologia da Informação nos Negócios Tendências e Oportunidades Danilo Pereira, Msc. Apresentação Graduação em Ciência da Computação (1997) Mestre em Eng. Produção UFSC Mídia e Conhecimento

Leia mais

PMO (Project Management Office) - Implantação de Escritório de Projetos

PMO (Project Management Office) - Implantação de Escritório de Projetos PMO (Project Management Office) - Implantação de Escritório de Projetos Orientações para o Projeto, Implantação, Gerenciamento e Avaliação de Maturidade do Escritório de Projetos Objetivo O que leva as

Leia mais

Estudo do Caso PT-SI: Dois passos em frente nos ambientes colaborativos. Carlos Pinhão Lisboa, 2 de Abril 2008

Estudo do Caso PT-SI: Dois passos em frente nos ambientes colaborativos. Carlos Pinhão Lisboa, 2 de Abril 2008 Estudo do Caso PT-SI: Dois passos em frente nos ambientes colaborativos Carlos Pinhão Lisboa, 2 de Abril 2008 Agenda O porquê da mudança Comunicações Conclusões 2 O porquê da mudança PT-SI conta com mais

Leia mais

Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência

Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência Felipe Furtado Engenheiro de Qualidade Izabella Lyra Gerente de Projetos Maio/2008 Agenda Motivação Pesquisas Adaptações do Processo Projeto Piloto Considerações

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

6.1. Contribuição da pesquisa

6.1. Contribuição da pesquisa 6 Conclusão Nesta tese foram investigadas ferramentas disponibilizadas em sistemas colaborativos que auxiliam aprendizes e mediadores na coordenação de fóruns de discussão. A pesquisa é conduzida no contexto

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Capítulo 7: Sistemas de Informação Colaborativos 7-1 Sistemas de Informação e as decisões gerenciais na era da Internet James A. O'Brien Saraiva S/A Livreiros Editores, 2001 Editora Saraiva The McGraw-Hill

Leia mais

Interação Homem-Computador: As Interfaces

Interação Homem-Computador: As Interfaces Especialização em Tecnologias de Software para Ambiente Web Interação Homem-Computador: As Interfaces Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Projeto e Avaliação de Interfaces:

Leia mais

SUPORTE DA TI A MELHORIA DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL

SUPORTE DA TI A MELHORIA DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL SUPORTE DA TI A MELHORIA DO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL Referência Tecnologia da Informação para Gestão : Transformando os negócios na Economia Digital. Bookman, sexta edição, 2010. 2 FAZENDO NEGÓCIOS NA

Leia mais

Capítulo 8: Conclusão. Capítulo 8: Conclusão

Capítulo 8: Conclusão. Capítulo 8: Conclusão Capítulo 8: Conclusão Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO9000-3 Capítulo 5: CMM Capítulo 6: PSP Capítulo 7: SPICE Capítulo

Leia mais

Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server

Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server André Luiz Silva de Moraes chameandre@gmail.com Faculdade Senac http://www.senacrs.com.br Feira das Oportunidades 04 de Maio de 2011 1 / 11 1 Conceitos Básicos Definições

Leia mais

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 UML 2 Guia Prático Gilleanes T.A. Guedes Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 Novatec capítulo 1 Introdução à UML A UML (Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem

Leia mais

Computação nas Nuvens

Computação nas Nuvens Computação nas Nuvens TÓPICOS Introdução Internet: O fundamento principal O que é Computação em Nuvens Vantagens Dúvidas Corrida pela tecnologia Trabalhos Futuros Conclusão Referências 2 TÓPICOS Introdução

Leia mais

Fundamentos da Computação Móvel

Fundamentos da Computação Móvel Fundamentos da Computação Móvel (Sistemas Computacionais Móveis) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto

Leia mais

Parte II Introdução à Informática. O Computador e o Software

Parte II Introdução à Informática. O Computador e o Software Parte II Introdução à Informática O Computador e o Software Apresentação Microsoft Maior casa de software do mundo www.microsoft.com Definição e classificação do software Custo de um sistema de computador

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Princípios da Teoria de Sistemas 1 Grupos diferentes dentro de uma organização necessitam

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery Sistemas Operacionais Introdução Professora: Michelle Nery Área de Atuação do Sistema Operacional Composto de dois ou mais níveis: Tipo de Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Monotarefas Sistemas

Leia mais

Sistemas Colaborativos Simulado

Sistemas Colaborativos Simulado Verdadeiro ou Falso Sistemas Colaborativos Simulado 1. Todos os tipos de organizações estão se unindo a empresas de tecnologia na implementação de uma ampla classe de usos de redes intranet. Algumas das

Leia mais

Integração de Ferramentas de Apoio a Processos Outubro 2010 GUSTAVO VAZ NASCIMENTO

Integração de Ferramentas de Apoio a Processos Outubro 2010 GUSTAVO VAZ NASCIMENTO Integração de Ferramentas de Apoio a Processos Outubro 2010 GUSTAVO VAZ NASCIMENTO AGENDA AGENDA 1. Sobre a Shift 2. Integração de ferramentas de apoio 1. SCMBug Integração entre SCM Tools e ferramentas

Leia mais

Sistemas de Informação para Apoio à Decisão Gerencial

Sistemas de Informação para Apoio à Decisão Gerencial Sistemas de Informação para Apoio à Decisão Gerencial Sistemas de Apoio à decisão (DSS) Os sistemas de apoio à decisão (Decision Support System, ou DSS) são uma das principais categorias de sistemas de

Leia mais

portais corporativos

portais corporativos agenda portais corporativos O portal como ferramenta de engajamento e interatividade D 11 de Dezembro? Hotel Staybridge São Paulo W Mantenha os seus pertences à vista. A Corpbusiness não se responsabiliza

Leia mais

02/10/2012. Padronização de interfaces. Referências

02/10/2012. Padronização de interfaces. Referências Referências Engenharia de Usabilidade Prof.: Clarindo Isaías Pereira da Silva e Pádua Contribuição: Cláudio Márcio de Souza Vicente Gestus Hix, D.; Hartson, H. R. Developing User Interfaces: ensuring usability

Leia mais

GED E ECM. Bruno Velaz. Maximizando resultados com ECM e GED para pequenas e médias empresas. 21/09/2011 1

GED E ECM. Bruno Velaz. Maximizando resultados com ECM e GED para pequenas e médias empresas. 21/09/2011 1 GED E ECM Maximizando resultados com ECM e GED para pequenas e médias empresas. Bruno Velaz Diretor de Operações TI Microsoft Taugor Corporation 21/09/2011 1 Agenda Apresentação Objetivo O que é Gestão

Leia mais

Educação e Mobilidade. Renata Aquino Ribeiro Consultora para o Instituto Crescer de redes sociais e educação

Educação e Mobilidade. Renata Aquino Ribeiro Consultora para o Instituto Crescer de redes sociais e educação Educação e Mobilidade Renata Aquino Ribeiro Consultora para o Instituto Crescer de redes sociais e educação TIC o que aprendemos com as pesquisas? Para se obter resultados positivos, a tecnologia deve

Leia mais

FERRAMENTA COLABORATIVA PARA APOIO ÀGESTÃO DO CONHECIMENTO EM INICIATIVAS MPS

FERRAMENTA COLABORATIVA PARA APOIO ÀGESTÃO DO CONHECIMENTO EM INICIATIVAS MPS USES Grupo de Pesquisa em Usabilidade e Engenharia de Software FERRAMENTA COLABORATIVA PARA APOIO ÀGESTÃO DO CONHECIMENTO EM INICIATIVAS MPS Luiz Leandro Fortaleza Gleison Santos Tayana Uchôa Conte Roteiro

Leia mais

Web 2.0. Amanda Ponce Armelin RA 052202

Web 2.0. Amanda Ponce Armelin RA 052202 Amanda Ponce Armelin RA 052202 Americana, 2007 Tópicos Introdução Web 1.0 Definição Comparativo Web1.0 x Web2.0 Web 3.0 Definição Conclusão Definição Principais características Discórdia Termos Essenciais

Leia mais

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias

USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração. 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias USP/EACH Gestão Ambiental ACH 113 Princípios de Administração 2/2012. Profa. Dra. Sylmara Gonçalves Dias Evolução da Administração e as Escolas Clássicas Anteriormente XVIII XIX 1895-1911 1916 1930 Tempo

Leia mais

O PROFISSIONAL DE SI. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

O PROFISSIONAL DE SI. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. O PROFISSIONAL DE SI Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. FORMAÇÃO EM COMPUTADORES Corresponde ao conhecimento dos sistemas do computador, dos equipamentos e de como eles funcionam. Este tipo de formação

Leia mais

Linha CX - Otimizada para Microsoft

Linha CX - Otimizada para Microsoft Linha CX - Otimizada para Microsoft Polycom Open Collaboration Network: Expandindo a Colaboração Pessoal Integração Nativa Rico Portfolio de Produtos Único fabricante a integrar nativamente com as plataformas

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Aspectos Importantes - Desenvolvimento de Software Motivação A economia de todos países dependem do uso de software. Cada vez mais, o controle dos processos tem sido feito por software. Atualmente, os

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Agenda. Noções de Empregabilidade; Profissões tecnológicas ligadas à Computação; Visão do Mercado de Trabalho na Bahia e no Brasil.

Agenda. Noções de Empregabilidade; Profissões tecnológicas ligadas à Computação; Visão do Mercado de Trabalho na Bahia e no Brasil. Prof. Fernando Cardeal fcardeal@ifba.edu.br Agenda Noções de Empregabilidade; Profissões tecnológicas ligadas à Computação; Visão do Mercado de Trabalho na Bahia e no Brasil. Tempo estimado: 40 minutos.

Leia mais

Introdução A Engenharia Da Computação

Introdução A Engenharia Da Computação Introdução A Engenharia Da Computação AULA I Slide 1 O Que é Engenharia? [De engenho + -aria.] Substantivo feminino 1.Arte de aplicar conhecimentos científicos e empíricos e certas habilitações específicas

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Evolução histórica das redes de computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Objetivos de Aprendizagem Ao final deste módulo você estará apto a conceituar

Leia mais

Linguagem de Programação Visual. Aula 2 Prof. Gleison Batista de Sousa

Linguagem de Programação Visual. Aula 2 Prof. Gleison Batista de Sousa Linguagem de Programação Visual Aula 2 Prof. Gleison Batista de Sousa Historico 50s Interfaces são painel de controles do hardware, usuário são engenheiros; 60-70s Interfaces são programas em linguagens

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE Síntese de tópicos importantes PRESSMAN, Roger S. Conteúdo Componentes e tipos de software Problemas com o software e suas causas Mitologia que envolve o software Configuração de

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com

Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Introdução a Banco de Dados Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 12/06/2013 Sumário Motivação da Disciplina

Leia mais

António Borba UMIC. Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de 2009. 25 de Novembro de 2009 Auditório do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa

António Borba UMIC. Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de 2009. 25 de Novembro de 2009 Auditório do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa Conferência As TIC e a Saúde no Portugal de 2009 25 de Novembro de 2009 Auditório do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa António Borba UMIC Patrocínio: Patrocinadores Globais Plataforma Nacional de

Leia mais

Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente

Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente 1 Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente Clarisse Sieckenius de Souza SERG - Semiotic Engineering Research Group Departamento de Informática, PUC-Rio clarisse@inf.puc-rio.br http://www.serg.inf.puc-rio.br

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais