ANAIS A IMPLANTAÇÃO DO CUSTOMER SERVICE NA EMPRESA VALLÉE S/A

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS A IMPLANTAÇÃO DO CUSTOMER SERVICE NA EMPRESA VALLÉE S/A"

Transcrição

1 A IMPLANTAÇÃO DO CUSTOMER SERVICE NA EMPRESA VALLÉE S/A Resumo LINCOLN NOGUEIRA MARCELLOS ( ) Centro Universitario SENAC MARCOS JOSÉ CORRÊA BUENO ( ) Centro Universitario SENAC CAIO FLAVIO STETTINER ( ) Centro Universitario SENAC O objetivo deste artigo foi analisar se a implantação do Customer Service na empresa Vallée analisando as possibilidades de melhorias e as facilidades operacionais disponibilizadas aos gestores da empresa. Os objetivos específicos foram observar se houve melhoria na disponibilidade de produtos; diminuição de perdas e avarias; otimização do transporte, melhoria no relacionamento com o cliente; aperfeiçoamento do gerenciamento de cadastros; melhoria na expedição dos pedidos; melhoria na previsão da demanda. O artigo aborda a bibliografia sobre Customer Service e em seguida são consultados os gestores da empresa Vallée. Os resultados obtidos foram positivos em relação à aplicação do Customer Service. Palavras chaves: Customer Service, Vendas, ECR 1. Introdução Esta pesquisa contribuirá para o levantamento das competências necessárias para o exercício empresarial, fornecendo subsídios a partir de análises e de uma visão crítica, para que se obtenham bons resultados no mercado de trabalho da atualidade. Considera-se também que este projeto contribua para produzir conhecimento e esclarecimento para outros profissionais, sobre a importância da satisfação dos clientes. A cada dia que passa surge novos mercados, e as corporações têm ciência que o cliente tem ficado cada vez mais exigente no que diz respeito a serviços, sendo assim as empresas estão repensando sua forma de interagir com o cliente, bem como conquistar novos clientes e garantir que permaneçam nessa posição, de maneira que possam oferecer um serviço eficaz, mas que também seja rentável para a organização. Tendo isso em mente a pergunta problema deste projeto de pesquisa é: A implantação do Customer Service em 2012 na empresa Vallée melhorou a satisfação de seus clientes e as operações internas? A hipótese discutida é de que, com a implantação da área do Customer Service, a empresa conseguiu prestar atendimento específico aos clientes, satisfazendo suas necessidades, além das melhorias dos processos operacionais da empresa. 2. O Customer Service O objetivo do setor de Customer Service é desenvolver um processo integrado para melhorar o serviço realizado para o cliente, disponibilizando o produto e reduzindo os custos operacionais, tanto para o fornecedor quanto para o consumidor final. 1/12

2 Foi em meados dos anos 50, quando algumas organizações começaram a descobrir que os clientes não são um inconveniente necessário, mas vitais para os negócios e que as necessidades deles fornecem a direção para a qual a organização deveria estar voltada, que o conceito de Customer Service começou a se desenvolver (Woods, 1999). Existem mais algumas definições, conforme segue. Para Lambert (1994), Customer Service pode ser entendido como um processo que ocorre entre o comprador, o vendedor e uma terceira parte. O processo resulta em um valor agregado para o produto ou serviço oferecido, podendo estar, este valor, agregado em um processo de troca, presente em uma simples transação ou em contratos de longo relacionamento. Outro objetivo do Customer Service é traduzir as reais necessidades dos clientes para dentro da empresa; avaliar todas as implicações dessas necessidades; medir seus custos; desenhar soluções customizadas; obter consenso interno; e, por fim, apresentar aos clientes as possibilidades. Smith (1999) define Customer Service como o encontro das necessidades e expectativas do cliente da forma como definidas por esse cliente. Para Innis e Lalonde (1994), Customer Service é um processo que proporciona um significativo valor agregado em benefícios para a cadeia de suprimentos, com custos aceitáveis. Portanto o Customer Service pode atuar um papel importante no aperfeiçoamento da gestão de demanda, o que foi confirmado quando questionado a funcionários da empresa. De acordo com Stock e Lambert (1993), uma cadeia de suprimentos é formada por diversos elos, e é no elo entre o cliente e a indústria que surge o Customer Service (Serviço ao Cliente), este é definido como uma série de atividades desenhadas para aumentar o nível de satisfação do cliente isto é, o sentimento de que um produto ou serviço supriu à expectativa do cliente, ele representa o resultado da integração entre o sistema logístico e a componente praça no mix de marketing da empresa. Bowersox e Closs (2001) defendem que as empresas buscam formas de gerarem vantagens competitivas com o Customer Service. Essa diferenciação pode acontecer por atributos de serviço ao cliente que agregam valor como a disponibilidade do produto, a eficiência operacional e a confiabilidade da realização dos processos. A disponibilidade é a capacidade de ter o estoque disponível no local e na quantidade (percentual de disponibilidade) solicitada pelo cliente. A eficiência operacional é a excelência no desempenho operacional em termos de velocidade, consistência, flexibilidade e falhas e recuperação. Já a confiabilidade é um sinônimo de qualidade em logística, correspondendo à capacidade de se cumprir os padrões estabelecidos de disponibilidade e desempenho. Uma das ferramentas utilizadas pela Vallée para obter esse desempenho é o ECR, fruto desta pesquisa. O ECR (Efficient Consumer Response) ou Resposta Eficiente ao Consumidor foi criado nos Estados Unidos na década de 90, a fim de trazer vantagens para as empresas realizarem seus processos de maneira mais rápida, podendo ser utilizado por qualquer empresa. 2/12

3 De acordo com ECR Brasil, o sistema consiste em uma estratégia empresarial na qual a cadeia de distribuição (indústria, distribuidor ou atacadista e varejista) trabalha com foco em eficiência da cadeia de abastecimento, procurando minimizar ou mesmo eliminar os custos excedentes do sistema e, proporcionando a criação de um tráfego mais eficiente dos produtos baseados na demanda dos consumidores finais. Para Milaneze & Batalha (2003), o sistema ECR consiste em uma estratégia para que distribuidores e fornecedores trabalhem em conjunto, proporcionando uma maior qualidade de serviços ao consumidor, diminuindo os custos e aumentando a eficiência dos canais de distribuição. O objetivo do ECR segundo Wanke (2001) é colocar em ordem as informações trocadas entre o varejo e a indústria, possibilitando que o ambiente de um fluxo de produtos e estoques seja ligado com as informações obtidas por vendas em tempo real, no caso, os pontos de vendas (PDVs). Estas qualidades do ECR permitem um melhor desempenho da cadeia de distribuição, divididos em quatro processos essenciais: 1- Determinar o mix de produtos mais adequado em cada ponto de venda; 2- Realizar o Just In Time, para que nada seja comprado ou produzido antes do momento certo; ao passo que a demanda flui, o giro de estoque aumenta e, assim, reduz-se a perda. 3- Realizar promoções, a partir de melhor entendimento e coordenação das questões estratégicas e operacionais quanto à alocação de recursos; 4- Realizar lançamento de novos produtos visando satisfação dos clientes. Estes processos essenciais, quando administrados em conjunto entre fabricantes e varejistas, permitem que se obtenham reduções nos custos logísticos totais, como transporte, armazenagem e estocagem. Wanke (2001) destaca que este compartilhamento intensivo de informações, em que o fabricante é capaz de acessar os dados de estoque e vendas do varejista, só é possível através de novas tecnologias de informação, como o sistema EDI (Electronic Data Interchange) que exibe as informações em tempo real de um computador para o outro, permitindo que se tenha redução nos custos operacionais. Os indicadores mais utilizados para monitoramento do Customer Service são: (1) Fill Rate - Este indicador permite visualizar o percentual atendido do pedido original realizado pelo cliente; (2) OTIF - On Time In Full - Tem a função de medir o lead time do pedido, para saber se o pedido será entregue no prazo acordado com o cliente. É um dos indicadores mais utilizado pela empresa; (3) Corte (Ruptura) - Esse indicador é usado pelo PCP, pois, tem a função de medir a porcentagem dos produtos que não foram entregues conforme o pedido original; (4) Retorno - Tem a função de medir a porcentagem dos materiais devolvidos pelos clientes. Segundo Adriano Pagnome (2010), sócio-diretor da consultoria GS&MD - Gouvêa de Souza em uma matéria da revista Administradores: A área de Customer Service tem como 3/12

4 principais funções traduzir as reais necessidades dos clientes para dentro da empresa; avaliar todas as implicações dessas necessidades; medir seus custos; desenhar soluções customizadas; obter consenso interno; e, por fim, apresentar aos clientes as possibilidades. Ainda segundo Pagnome (2010), a implementação do Customer Service não é tão simples, pois a empresa deve estar ciente de suas pretensões, competências e até mesmo de suas restrições. Mesmo com esses empecilhos, as vantagens da implementação são inúmeras, como: - Melhor relacionamento entre a empresa e o cliente, o que é imprescindível para uma vantagem estratégica; - Redução de perdas na cadeia de suprimentos, pois melhora o ressuprimento e reduz a quantidade de produtos com avarias. O bom atendimento é a fórmula do sucesso do mundo dos negócios segundo Dantas (2000). Para isso, é essencial investir no cliente, considerando a satisfação dos mesmos com a qualidade dos produtos, se o produto está acessível para eles, como o preço e a disponibilidade. 3. Metodologia A metodologia de pesquisa utilizada foi o estudo de caso, o qual investiga fenômenos contemporâneos levando em conta o contexto e o ambiente do fenômeno foco deste estudo (YIN, 1989), esta metodologia pode ser utilizada para atingir os seguintes objetivos: fornecer descrição sobre o tema, testar a teoria e conceber a teoria (EISENHART, 1989). Este estudo de caso empregou dois destes objetivos; forneceu a descrição sobre o tema e conceber a teoria ao descrever o ambiente da aplicação do Customer Service na empresa Vallée e a resposta obtida pelos seus gestores sobre as melhorias obtidas após sua implementação. 4. A Empresa Vallée S/A A Vallée S/A é uma empresa nacional que atua como fabricante e distribuidora de medicamentos para bovinos. Foi criada em 03 de abril de 1961, com o nome de Instituto Vallée, na cidade de Uberlândia, Brasil. A missão da empresa era produzir vacina para o combate à febre aftosa no Brasil, sendo assim foi desenvolvida a vacina contra a febre aftosa, doença que ainda hoje atinge cerca de 20% da criação de gado mundial. Em 1978, devido ao seu crescimento, sua matriz foi instalada na cidade de Montes Claros, onde até hoje é sua sede. A empresa possui seis filiais que estão localizadas nos municípios de Uberlândia- MG, Jiparaná- RO, Salvador- BA, Porto Alegre- RS, Vinhedo- SP e Cuiabá- MT. Juntas atendem todo o território nacional e ainda fazem exportações para Bolívia e Uruguai. Na linha de produção da Vallée são fabricados: vacinas, antiparasitários, suplementos, terapêuticos e especiais, no total são mais de 100 produtos registrados e 63 sendo comercializados em todo o mercado nacional. 4/12

5 5. O Customer Service e os Indicadores Logísticos Estes indicadores refletem a estratégia da Vallée, neste caso o indicador está relacionado ao tempo, mas também pode estar relacionado com custo e qualidade. Na figura 1 temos a tela do sistema que aponta os indicadores logísticos estipulados. Este recurso possibilita que a Vallée avalie em tempo real de seus colaboradores internos e externos, porém é mais usado para medir o nível de serviço das transportadoras. Desta forma é possível saber o tempo médio de entrega para cada região, e avaliar quais transportadoras entregam dentro do prazo e quais atrasam as entregas. Figura 1. Indicadores logísticos da Vallée. Fonte: Vallée (2012) A figura 2 mostra a porcentagem do On Time, que é o resultado das transportadoras que atendem a região de Minas Gerais. Esta região possui um grande número de pecuaristas e produtores rurais e grande parte do faturamento da Vallée vem do Estado de Minas de Gerais. Figura 2. Nível de serviço das transportadoras. Fonte: Vallée (2012) 5/12

6 Este recurso permite que os gestores tenham uma visão melhor do desempenho de cada prestador de serviço, possibilitando realizar ajustes de modo que a Vallée saiba a dificuldade de cada prestador de serviço. As ferramentas para Distribuição da figura 3 possibilitam que os gestores tenham controle dos estoques de produto acabado, verifiquem o comportamento das vendas e visualizem as notas fiscais expedidas. É através desta ferramenta que a área de Distribuição consegue realizar o planejamento de abastecimento de produto acabado e de liberação de produtos. Figura 3. Ferramenta de distribuição. Fonte: Vallée (2012) O Tracking de Pedidos na figura 4 mostra o fluxo do pedido desde sua entrada até seu faturamento, através deste recurso é possível visualizar quando um pedido está aguardando liberação, quando está pendente no crédito, ou quando foi atendido parcialmente. O Tracking de Entregas acompanha desde o faturamento do pedido até a entrega ao cliente, tendo o número da nota fiscal é possível visualizar o status do pedido, este pode estar em transito, atrasado ou entregue. Geralmente os vendedores e os clientes entram em contato através do 0800 para saber a situação de entrega da mercadoria. Toda nota fiscal emitida aparece no sistema, e o sistema é alimentado diariamente com informações referentes aos status das notas fiscais. Figura 4. Tracking de pedidos e entregas. Fonte: Vallée (2012) 6. Resultados Observados pelos Gestores 6/12

7 No que diz respeito à disponibilidade de produtos, apenas a Gerente de Marketing, afirmou que a implementação do Customer Service não foi eficaz quanto à disponibilidade de produtos, ela informou que com o Customer Service houve um entendimento mais eficaz em relação à demanda de produtos. Os gestores de Tadeu da área de Distribuição, Luciana da área do Customer Service, Luiz da área Comercial e Márcio da área de Vendas, informaram de maneira geral que o Customer Service foi fundamental para a questão de disponibilidade dos produtos, o Gestor de Distribuição, por exemplo, informou que: Com os outputs gerados pela área, conseguimos identificar de forma eficaz as regiões pobres de abastecimentos e até mesmo avaliar e distribuir numa melhor concentração os tipos de produtos de acordo com o perfil do consumidor final, gerando assim, um melhor desempenho para o distribuidor, revendedor e demais envolvidos na cadeia de distribuição. A percepção que o Gerente de Distribuição teve, foi à mesma que os demais tiveram, pois todos informaram que a implementação do Customer Service ajudou muito neste respeito, inclusive fornecendo informações sobre produtos para os próprios clientes. Quando indagados sobre a diminuição de perdas e avarias com a implementação do Customer Service, é possível notar dois pontos de vista diferentes, o do Gestor de Vendas, que tem acesso direto com o cliente final, e diz que com o Customer Service foi possível ter um canal direto no qual o cliente pudesse comunicar imediatamente possíveis falhas que ocorriam nas entregas, tornando a entrega eficaz e diminuindo o número de devoluções por este motivo, o Gestor informou inclusive que a resolução dos problemas relacionados a estes fatores ficou mais simples e fácil. O ponto de vista dos demais gestores foi voltado a área estratégica da empresa, pois todos concordam que com a implementação do Customer Service, foi possível mensurar as perdas e avarias, de modo que a Logística pode atuar diretamente nos pontos onde havia mais problemas. Por exemplo, é muito comum vir algum tipo de reclamação devido a produtos quebrados, com a implementação do Customer Service foi possível fazer um mapeamento de quais produtos tinham mais reclamação e qual era o motivo da queixa do cliente, de modo que nos frascos mais frágeis, foram implantadas embalagens especiais, para que pudessem amenizar os efeitos de avarias nas entregas, desta forma os gestores novamente entraram em acordo informando que sem o Customer Service este levantamento não seria possível. A gestora de Marketing Verônica informou que com Implementação do Customer Service houve uma diminuição significativa das perdas e avarias, uma vez que foi possível extrair relatórios aonde se pode analisar os produtos que com mais frequência eram avariados e extraviados. Com base nestes estudos foram tomadas ações corretivas que trouxeram resultados significantemente positivos. Nota-se que a implementação do Customer Service na empresa Vallée surtiu o efeito esperado no que diz respeito a perdas e avarias. No que tange à melhoria dos transportes através do Customer Service o gestor da área comenta que após a implantação do sistema, o rastreamento de carga se tornou mais fácil, já 7/12

8 que esse é um dos indicadores levantados pelo setor de Customer Service, além disso, foi possível uma melhor distribuição na formação de cargas, tanto nas cargas cheias como nas fracionadas, pois esse serviço provê um padrão de escalabilidade, o que torna o trabalho mais ágil e fácil. A gestora de Customer Service apontou alguns pontos que foram primordiais na implantação da área na empresa, em que foi traçado o perfil de cada região que a empresa Vallée atua, para que cada uma fosse atendida por modais específicos, já que a empresa trabalha com o modal aéreo e rodoviário. Ela também ressalta que muitas cargas eram danificadas através do transporte rodoviário padrão para o norte do país, e com a implantação do Customer Service juntamente com a verificação do perfil de cada região, os transportes para a região norte foram alterados e agora são feitos através do modal aéreo. Assim, houve um aumento no custo do transporte, porém o custo de perda de produto diminuiu, porque os produtos entregues via aérea para região norte não sofrem avarias e quando sofrem é numa escala bem menor se comparado com o rodoviário. O gestor da área comercial afirmou que os transportes têm sido utilizados de uma melhor maneira, ele ressalta que os veículos de transporte da empresa devem ser vistos como um crescimento organizacional da empresa e com a implantação do Customer Service, o transporte tornou-se mais eficaz, pois conseguiu ter qualidade, quantidade correta entregue no prazo gerando a satisfação do cliente, como foi visto em nossa pesquisa a satisfação do cliente é algo muito importante para a fidelização do mesmo. A gestora da área de Marketing disse que o transporte foi otimizado após a implantação do Customer Service, pois ficou mais perceptível identificar erros de rotas e de itinerários, tais erros foram levantados juntos com a área de distribuição, tornando possível ampliar as opções em relação aos parceiros transportadores, o que gera uma maior eficiência na entrega. A gestora comenta que a área de Customer Service em parceria com a de distribuição solucionaram muitos problemas em relação ao transporte da empresa. O aumento da eficiência na área dos transportes da empresa após a implantação do Customer Service é confirmado através da área comercial que conseguiu ver uma satisfação maior do cliente através do trabalho das áreas de distribuição, de Marketing e de Customer Service. Um dos pontos mais exigidos nas empresas hoje é ter um bom relacionamento com clientes, o que pode ser aperfeiçoado pelo Customer Service. A gestora da área de Customer Service afirma que o relacionamento melhorou, pois após a implantação da área na empresa, o canal 0800 foi criado, possibilitando uma comunicação direta dos clientes com a área. O gerente de vendas concorda com a afirmação: segundo ele, o relacionamento estreitou através do canal 0800, e o cliente manifesta-se mais abertamente, o que contribui para a melhora de todas as áreas da empresa. Com o 0800, surgiu uma relação de parceria entre a empresa e o cliente, na qual as reclamações e sugestões dos clientes fazem com que a empresa corrija os pontos falhos responda elevando o nível de serviço, e consequentemente melhorando o atendimento. 8/12

9 O gestor da área de distribuição comenta que o relacionamento com o cliente melhorou, pois a relação se tornou mais transparente. A área de Marketing é uma área que precisa se atentar às reações do cliente, uma das gestoras de Marketing diz que o Customer Service é importante por permitir que o cliente acompanhe o processo desde a entrada do pedido até a entrega, o que torna a compra mais confortável. Após a implementação do Customer Service o gerenciamento dos cadastros dos clientes ficou mais ágil e fácil, tornando-se uma ferramenta acessível. Segundo o gestor de distribuição a rotina permitiu que o gerenciamento dos cadastros ficasse mais eficaz. De acordo com um gestor de distribuição, a gestão da demanda ficou mais rica, as perdas reduzidas e o giro bem mais eficaz, além de satisfazer tanto com clientes internos e externos. Ainda segundo ele, com todos os dados corretos da entrega, houve uma melhoria, pois possibilitou uma melhor sincronização com a expedição. A gestão de demanda tornou-se também mais assertiva, de acordo com a Luciana que é gestora da área do Customer Service e de acordo com o Márcio que é gerente de vendas, já que o serviço provê vários indicadores. A gestora de Marketing Verônica, afirma que não há aperfeiçoamento apenas da gestão de demanda, mas também de outras gestões, pois com a detenção do know-how das falhas de processo, é possível pôr em prática um plano de contingência. O superintende comercial Luis disse que após a implementação o gerenciamento ficou mais ágil e fácil, sendo uma ferramenta acessível para novos desenvolvimentos e novas estratégias organizacionais (meio de localização ágil de dados cadastrais dos clientes). É essencial que a empresa obtenha soluções customizadas para os clientes, adquirindo informações atualizadas dos mesmos para facilitar o processo interno e por fim apresentar aos clientes as possibilidades e soluções. De acordo com a gestora do Customer Service Luciana, o cadastro dos clientes estava desatualizado, e com esse serviço foi possível corrigir este problema. Já o superintendente comercial diz que, pode-se verificar a confirmação dos pedidos, o que facilitou, para as necessidades dos clientes, pois os pedidos dos clientes serão expedidos de maneira eficaz e objetiva, obedecendo às regras do mercado, já que a entrega dos produtos será feita em menor tempo. Ballou (2006) diz que a logística tem por objetivo de prever o cliente com os níveis de serviços desejados. De acordo com a gestora do Customer Service, a melhoria não obteve êxito, porque como as cargas são fracionadas, há um número muito alto de pedidos que seja lançados no final do mês, com isso se torna difícil expedir mais de 200 pedidos por dia, para cada filial. De acordo com a gestora do Marketing, a implementação do Customer Service na empresa teve um foco primário e unitário de controlar efetivamente as entregas e como 9/12

10 consequência apontar as maiores deficiências, mas de acordo com a mesma, o departamento não influencia de forma significativa a expedição. 7. Conclusão O Customer Service dispõe de indicadores que podem mensurar os processos realizados pelas empresas, procurando sempre um retorno dos clientes. Avaliou-se, no presente estudo, a Vallée, empresa produtora de medicamentos veterinários, que implantou o Customer Service em 2012, através de uma plataforma via Web, na qual os funcionários da área têm acesso aos indicadores do Customer Service. Através de entrevista com os gestores de Distribuição, Marketing, Vendas, Customer Service e Comercial, foi possível afirmar a otimização de diversas áreas da empresa devido à implantação desse serviço. Uma dessas áreas foi a de transportes, que melhorou no quesito de rastreamento, já que este é um dos indicadores do sistema. Além disso, houve melhoria de rotas e trocas de modais, que diminuiu o índice de avarias. O Customer Service também otimizou a área de relacionamento com o cliente, pois criou um canal direto deste com a empresa. Com o estudo de caso elaborado nota-se que a implantação da área do Customer Service atingiu as expectativas. Anteriormente não havia controle quanto à disponibilidade de produtos. Após essa implantação foram feitos vários ajustes para que este fator pudesse ser aprimorado, tornando possível realizar o planejamento de vendas de uma forma mais assertiva. Além disso, foi através do Customer Service que foi possível realizar um estudo detalhado da área mais problemática em relação a avarias, com indicações de qual eram as transportadoras que tinham o maior índice de entrega com avarias, tornando possível agir em conjunto com elas para analisar quais as dificuldades que estavam encontrando em transportar este tipo de carga e encontrar uma solução e para as que não tiveram melhora nesse aspecto, foi feita uma substituição. O Customer Service aprimorou também a previsão de demandas que se tornou mais assertiva, além de reduzir perdas e tornar o giro mais eficaz. O gerenciamento dos cadastros dos clientes passou a ser mais eficaz e bem mais rápido, pois a ferramenta passou a ser acessível, o que pode facilitar o processo e diminuir o tempo de trabalho. A implantação do Customer Service pôde ajudar também a expedição dos pedidos dos clientes, que ficou mais rápida, e de acordo com os gestores, com todos os dados corretos para efetuar a entrega, houve uma sincronização com a expedição o que facilitou e muito a comunicação e diminuiu o tempo gasto de procurar os dados corretos ou de efetuar a confirmação, o que pôde facilitar também a comunicação com os clientes, pois como as informações necessárias estavam sob controle comercial, a entrega dos pedidos passou a ser feita no prazo acordado com cada cliente. Essa estratégia gerou vantagem para a Vallée, pois 10/12

11 as reclamações diminuíram num volume considerável, melhorando o relacionamento entre a empresa e o cliente. Referências BALLOU, R. H. Logística empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição física. 5º ed. Porto Alegre: Bookman BOWERSOX, D.; CLOSS, D. Logística empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimentos. São Paulo: Atlas, 2001 DANTAS, E B. Satisfação do cliente: Um confronto entre a teoria, o discurso e a prática Dissertação Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, EISENHARDT, K.M. Building theories form case study research, Academy of Management Review, v. 14, n. 4, p , INNIS, D.E.; LA LONDE, B.J. Customer service: the key to customer satisfaction, customer loyalty, and market share. Journal of Business Logistics, v. 15, n. 1, LAMBERT, D. M. Customer Service strategy and management In: Robeson, J.F; Copacino W.C.; Howe, R. E. (eds) The Logistics Handbooks. New York: The Free Press, P MILANEZE, K. L. N.; BATALHA, M. O. A aplicação da ferramenta de gerenciamento por categorias em uma empresa de atacado. Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Belo Horizonte, PAGNONE, Alexandre. Revista No Varejo. Dezembro < acessado em 29/08/2013 SMITH, A. K.; BOLTON, R. N.; WAGNER, J. A model of customer satisfaction with service encounters involving failure and recovery. Journal of Marketing Research, v. 36, STOCK, J.; LAMBERT, D. Strategic logistics management. 3º ed. Boston: McGraw-Hill, WANKE, P. Efficient Consumer Response (ECR): a logística de suprimentos just-in-time aplicada ao varejo. Disponível em: >http://www.coppead.ufrj.br>. Acesso em: 02 mar WOODS, J. A. Customer Service, Value, and the Systems View. In Zemke, R. e Woods, J. A. (eds) Best Practices In Customer Service. New York: AMA Publications, p /12

12 YIN, Robert K. Estudo de Caso: Planejamento e métodos 2 Ed. Editora Bookman. São Paulo, /12

A IMPLANTAÇÃO DO CUSTOMER SERVICE NA EMPRESA VALLÉE S/A

A IMPLANTAÇÃO DO CUSTOMER SERVICE NA EMPRESA VALLÉE S/A ISSN 2357-7797 A IMPLANTAÇÃO DO CUSTOMER SERVICE NA EMPRESA VALLÉE S/A Marcos Bueno Mestre em engenharia de produção pela UNIP, Brasil Centro Universitário Senac, Brasil marcos.jcbueno@sp.senac.br Caio

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza A logística integrada A expressão logística integrada surgiu nos EUA em um trabalho de três autores (Lambert, Stock e Ellram) Se destacou pela

Leia mais

Indicadores de Desempenho Logístico

Indicadores de Desempenho Logístico Indicadores de Desempenho Logístico Lívia B. Ângelo, liviabangelo@hotmail.com 1. Estratégia X Indicadores de Desempenho As estratégias servem como guia para as empresas desenvolverem e utilizarem recursos

Leia mais

Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício.

Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício. Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício. Daniel Davi Boff ddboff@gmail.com Unochapecó Moacir Francisco Deimling moacir@unochapeco.edu.br Unochapecó Rodrigo Barichello rodrigo.b@unochapeco.edu.br

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Por que escolher a Oplay Logística?

Por que escolher a Oplay Logística? Por que escolher a Oplay Logística? Porque a Oplay Logística tem soluções completas e inovadoras que a sua empresa precisa. Porque a Oplay Logística oferece serviços diferenciados desenhados de acordo

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados.

17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo. 2005 R-Dias. Todos direitos reservados. 17 Anos Gerando Soluções que Trazem Resultados para o Varejo 1 A Missão da R-Dias Colaborar para que o varejo obtenha melhores resultados. 2 Conheça nossas Unidades de Negócios 3 17 Anos Gerando Soluções

Leia mais

Processamento de Pedidos na Mira Transportes

Processamento de Pedidos na Mira Transportes Processamento de Pedidos na Mira Transportes Sumário 1 Apresentação da empresa... 3 1.1 Histórico... 3 1.2 Diferenciais... 3 2 Processamento de pedidos: revisão teórica... 4 2.1 Preparação... 4 2.2 Transmissão...

Leia mais

O ESTUDO DA FERRAMENTA ECR NA CADEIA DE SUPRIMENTOS

O ESTUDO DA FERRAMENTA ECR NA CADEIA DE SUPRIMENTOS O ESTUDO DA FERRAMENTA ECR NA CADEIA DE SUPRIMENTOS Felipe Devos Masson (Unifran ) felipemasson1@hotmail.com DIEGO FERNANDES SILVA (Unifran ) difersilva@yahoo.com.br Antonio Vieira Nunes (Unifran ) antoniovieiranunes1@hotmail.com

Leia mais

Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista.

Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista. Análise dos custos logísticos na ótica do fornecedor supermercadista. Romão del Cura Lopéz (OPET) romao_dcl@ig.com.br Rodrigo Perez Guerra (OPET) rodrigoguerra@softall.com.br Mari Regina Anastácio (PUCPR)

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

EDI ELETRONIC DATA INTERCHANGE

EDI ELETRONIC DATA INTERCHANGE EDI ELETRONIC DATA INTERCHANGE Definição Intercâmbio eletrônico de mensagens de negócio através de computadores, entre parceiros comerciais. As informações são, normalmente, organizadas dentro de arquivos

Leia mais

Atendimento ao canal de Hotéis e Restaurantes

Atendimento ao canal de Hotéis e Restaurantes Atendimento ao canal de Hotéis e Restaurantes AGENDA - MERCADO DE FOOD SERVICE - MODELO ABASTECIMENTO ATUAL E ENTENDIMENTO CADEIA DE ABASTECIMENTO - MODELO PROPOSTO - PRINCIPAIS BENEFÍCIOS DO MODELO -

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final Logística de Distribuição e Reversa MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Conceito Relação empresa-cliente-consumidor Distribuição física do produto final

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

ANÁLISE DAS VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOGÍSTICA VMI EM UMA MULTINACIONAL DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES

ANÁLISE DAS VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOGÍSTICA VMI EM UMA MULTINACIONAL DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES ANÁLISE DAS VANTAGENS DA IMPLANTAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOGÍSTICA VMI EM UMA MULTINACIONAL DO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES Nathalia Maciel Rosa (UEPA) nathmrosa@gmail.com Thais Souza Pelaes (UEPA) thaispelaes@gmail.com

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

A WZ É UMA EMPRESA EMPRESA

A WZ É UMA EMPRESA EMPRESA EMPRESA A WZ É UMA EMPRESA de consultoria em logística formada por profissionais com ampla experiência de mercado e oriundos de empresas dos setores varejista, atacadista, distribuidores e industrias.

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA Douglas Prates Magalhães 1 Resumo Uma revisão teórica e rápida conceituação da Logística e Vantagem competitiva. Foco em vantagem

Leia mais

PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS - ESTUDO DE CASO NA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL.

PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS - ESTUDO DE CASO NA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL. PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS - ESTUDO DE CASO NA REGIÃO NORTE DO RIO GRANDE DO SUL. Vanessa Teresinha Alves (UFSM) vanerotta@gmail.com Julio Cezar Mairesse

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Supply Chain Managment - SCM Conceito: Integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores

Leia mais

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento

A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento A logística reversa nos centros de distribuição de lojas de departamento Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

O que significa Serviço ao Cliente?

O que significa Serviço ao Cliente? Serviço ao cliente Professor: Leandro Zvirtes O que significa Serviço ao Cliente? refere-se especificamente a cadeia de atividades que atendem as vendas, geralmente se iniciando na recepção do pedido e

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Transportes Diamante. Resumo. Uma nova forma de pensar e agir

Transportes Diamante. Resumo. Uma nova forma de pensar e agir Transportes Diamante Uma nova forma de pensar e agir por Wagner Rodrigo Weber e Jacir Adolfo Erthal Wagner Rodrigo Weber Mestre em Organizações e Desenvolvimento pela UNIFAE - Centro Universitário; Administrador,

Leia mais

Caso Big Box - 402 Norte. Processamento de Pedidos

Caso Big Box - 402 Norte. Processamento de Pedidos Universidade de Brasília UnB Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação FACE Departamento de Administração ADM Disciplina: Logística Empresarial Grupo: Marrom

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a utilização da classificação ABC no gerenciamento do estoque

Leia mais

Mensuração de desempenho logístico e o modelo World Class Logistics Parte 1

Mensuração de desempenho logístico e o modelo World Class Logistics Parte 1 Mensuração de desempenho logístico e o modelo World Class Logistics Parte 1 Maria Fernanda Hijjar Marina Helena Gervásio Kleber Fossatti Figueiredo O desenvolvimento de um bom sistema de monitoramento

Leia mais

Logística Empresarial. Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia

Logística Empresarial. Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia Logística Empresarial Logística de Serviço ao Cliente Prof. José Correia Logística de Serviço ao Cliente Kyj e Kyj definem: Serviços ao cliente, quando utilizados de forma eficaz, é uma variável primária

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

Sistema TMS Integrador para Embarcadores

Sistema TMS Integrador para Embarcadores Sistema TMS Integrador para Embarcadores APRESENTAÇÃO DA ACTIVE CORP HISTÓRICO A Active Corp atua a mais de 16 anos fornecendo sistemas completos para o segmento de transporte e logística. Uma das únicas

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Nível de Serviço. Tópicos. Objetivo. FACCAMP MBA Eng. Logística. FACCAMP MBA Eng. Logística Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni. Engenharia Logística

Nível de Serviço. Tópicos. Objetivo. FACCAMP MBA Eng. Logística. FACCAMP MBA Eng. Logística Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni. Engenharia Logística Nível de Serviço Engenharia Logística I Objetivo Facilitar o engenheiro de logística a projetar e especificar os indicadores utilizado para aferir o nível de serviço, bem como entender sua importante no

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

DEFINIÇÃO DA FUNÇÃO COMPRAS

DEFINIÇÃO DA FUNÇÃO COMPRAS GESTÃO DE COMPRAS DEFINIÇÃO DA FUNÇÃO COMPRAS Obtenção no mercado o abastecimento de produtos e serviços necessários a operação da empresa. Fornecedor extensão da empresa COMPRAS DENTRO DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

Leia mais

O ponto principal da empresa moderna e a base das atividades logísticas é o atendimento ao cliente.

O ponto principal da empresa moderna e a base das atividades logísticas é o atendimento ao cliente. 116 5. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE MARKETING LOGÍSTICO 5.1. LOGÍSTICA Na atualidade, devido a acirrada concorrência no mercado globalizado, as empresas necessitam ser altamente competitivas. Não se pode

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE LUBRIFICANTES EM MANAUS

GESTÃO DE ESTOQUE: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE LUBRIFICANTES EM MANAUS GESTÃO DE ESTOQUE: ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE LUBRIFICANTES EM MANAUS PATRICIA AZEVEDO IZEL (UFAM ) patricia_izel@yahoo.com.br Ananda Utta Ramos Galvao (UFAM ) ananda_galvao@hotmail.com Sandro

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

A Logística Gerando Valor ao Cliente. Fabiano Nunes

A Logística Gerando Valor ao Cliente. Fabiano Nunes A Logística Gerando Valor ao Cliente. Fabiano Nunes O que é Logística? CLM Council Logistics Management. Logística no Cenário Nacional? De acordo com uma pesquisa da Fundação Dom Cabral de 2012, as empresas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1

GESTÃO LOGÍSTICA 05. O Papel da Logística na Organização Empresarial e na Economia. Padrões de SaC. Amílcar Arantes 1 GESTÃO LOGÍSTICA 2004-05 05 Capítulo - 2 Índice 1. Introdução 2. Definição de 3. 4. Desenvolvimento e Documentação de Padrões de SaC 5. Barreiras a uma Estratégia efectiva de SaC 6. Melhorar o Desempenho

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Junho/2000 N o 18 B2C: A IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA 1. INTRODUÇÃO O Business-to-Consumer (B2C) refere-se à realização

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

O Escopo das ações de uma empresa de transporte e logística na cadeia de suprimentos.

O Escopo das ações de uma empresa de transporte e logística na cadeia de suprimentos. O Escopo das ações de uma empresa de transporte e logística na cadeia de suprimentos. Paulo José Silva (UFLA) paulojoses@uol.com.br Rosa Tereza Moreira Machado (UFLA) rosaflor@ufla.br Resumo Nos últimos

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE SUPRIMENTOS E DECISÕES DE COMPRAS: O IMPACTO EM UMA INDÚSTRIA SALINEIRA

PROGRAMAÇÃO DE SUPRIMENTOS E DECISÕES DE COMPRAS: O IMPACTO EM UMA INDÚSTRIA SALINEIRA PROGRAMAÇÃO DE SUPRIMENTOS E DECISÕES DE COMPRAS: O IMPACTO EM UMA INDÚSTRIA SALINEIRA Ana Clara Cachina Saraiva (UFRN) anaclaracachina@hotmail.com Jose Raeudo Pereira (UFRN) raeudo@hotmail.com Juliana

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem

Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Disciplina: Suprimentos e Logística II 2014-02 Professor: Roberto Cézar Datrino Atividade 3: Transportes e Armazenagem Caros alunos, Essa terceira atividade da nossa disciplina de Suprimentos e Logística

Leia mais

Documentação do produto SAP Business ByDesign, agosto 2015. Sourcing

Documentação do produto SAP Business ByDesign, agosto 2015. Sourcing Documentação do produto PUBLIC Sourcing Índice 1 Sourcing.... 5 2 Fundamentos... 7 2.1 Gerenciamento do relacionamento com fornecedores... 7 2.2 Automação do gerenciamento do relacionamento com fornecedores...

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica

Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica 1 Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica Alexandre Valentim 1 Dário Pinto Júnior 2 Fausto Kunioshi 2 Heloisa Nogueira 1 alexandrevalentim@uol.com.br dariompj@yahoo.com.br fausto.kunioshi@csn.com.br

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

Desafios para implementação de iniciativas de colaboração no processo de planejamento da demanda

Desafios para implementação de iniciativas de colaboração no processo de planejamento da demanda Desafios para implementação de iniciativas de colaboração no processo de planejamento da demanda Parte II Leonardo Julianeli Na primeira parte deste texto*, foram apresentados os principais motivadores

Leia mais

2. Referencial teórico

2. Referencial teórico 2. Referencial teórico O referencial teórico consiste em uma revisão bibliográfica de forma a apresentar o embasamento necessário para compreensão do tema e seus elementos relacionados. São apresentados

Leia mais

Sistema Binário. Aula - 10 CRM (Customer Relationship Management Gerenciamento das relações com os clientes ) Faculdades Integradas Campos Salles

Sistema Binário. Aula - 10 CRM (Customer Relationship Management Gerenciamento das relações com os clientes ) Faculdades Integradas Campos Salles Sistema Binário Faculdades Integradas Campos Salles Aula - 10 CRM (Customer Relationship Management Gerenciamento das relações com os clientes ) Carlos Antonio José Oliviero São Paulo - 2012 Sistema Binário

Leia mais

IBM WebSphere Product Center

IBM WebSphere Product Center Soluções de gerenciamento de informação de produto para dar suporte aos seus objetivos de negócios IBM WebSphere Product Center Oferece uma solução abrangente de gerenciamento de informação de produto

Leia mais

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS

COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS COMO A TECNOLOGIA PODE AJUDAR UM ATACADISTA DISTRIBUIDOR A REDUZIR CUSTOS 1 ÍNDICE 1. Introdução... 2. Por que preciso investir em tecnologia?... 3. Cinco passos para usar a tecnologia a meu favor... 4.

Leia mais

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO

LOGÍSTICA: história e conceitos RESUMO 1 LOGÍSTICA: história e conceitos Newilson Ferreira Coelho FAFIJAN Marilda da Silva Bueno FAFIJAN RESUMO Através de uma pesquisa bibliográfica, este estudo apresenta a logística, sua história e conceitos

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Prêmio ABRALOG de Logística. Soluções Logísticas no Agronegócio

Prêmio ABRALOG de Logística. Soluções Logísticas no Agronegócio Prêmio ABRALOG de Logística Soluções Logísticas no Agronegócio Sumário 1. Informações Gerais...02 2. Política de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade...03 3. Projeto...05 4. Dificuldade Encontrada...08

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

LOGISTICA EMPRESARIAL

LOGISTICA EMPRESARIAL 1 UM POUCO DA HISTÓRIA DA LOGÍSTICA (GOMES & RIBEIRO, 2004), afirmam que a palavra logística é originária do vocábulo francês loger, que significa alocar. As operações logísticas iniciaram na Grécia Antiga,

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

5. Práticas de SCM na GSK

5. Práticas de SCM na GSK 5. Práticas de SCM na GSK Desde a fusão em 2001, a GSK estima que obteve cerca de 1 bilhão em economias relacionadas à racionalização da sua rede de suprimentos e das atividades de SCM. Além das economias

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais