Nesta edição: Expediente da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte do Governo do Estado da Bahia. Governador Jaques Wagner

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nesta edição: Expediente da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte do Governo do Estado da Bahia. Governador Jaques Wagner"

Transcrição

1 - Maio/2012 1

2 Nesta edição: Expediente da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte do Governo do Estado da Bahia Governador Jaques Wagner Vice-Governador Otto Alencar Secretário do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte Nilton Vasconcelos Chefe de Gabinete Elias Dourado Superintendente de Desenvolvimento do Trabalho Maria Thereza Andrade Superintendente de Economia Solidária Milton Barbosa de Almeida Filho Diretora-Geral Nair Prazeres Expediente do DIEESE Direção Técnica Clemente Ganz Lúcio Diretor Técnico Ademir Figueiredo Coordenador de Estudos e Desenvolvimento José Silvestre Prado de Oliveira Coordenador de Relações Sindicais Clemente Ganz Lúcio Coordenador de Pesquisas Nelson de Chueri Karam Coordenador de Educação Rosana de Freitas Coordenadora Administrativa e Financeira Coordenação Geral do Projeto Ademir Figueiredo Coordenador de Estudos e Desenvolvimento Angela Maria Schwengber Supervisora dos Observatórios do Trabalho Ana Georgina Dias Supervisora do Escritório Regional do DIEESE na Bahia Flávia Santana Rodrigues Técnica Responsável pelo Projeto Natã Silva Vieira Técnico do Projeto 1. O Brasil tem o pior resultado da série iniciada em 2003; 2. O Nordeste gera saldo positivo, e Bahia é segundo maior saldo da região, com postos de empregos formais gerados.; 3. Na Bahia, o setor da Agropecuária apresenta o melhor resultado no mês; 4. Municípios do interior do estado com saldos mais significativos; 5. Feira de Santana foi o município baiano do interior do estado com maior saldo positivo; 6. Ocupação de Trabalhadores Agrícolas destaca-se com 94,0% do saldo positivo no estado. Equipe executora DIEESE Observatório do Trabalho da Bahia 2

3 APRESENTAÇÃO O presente relatório faz parte do plano de atividades do Observatório do Trabalho da Bahia, parceria entre o DIEESE e o Governo do Estado da Bahia. Este estudo tem por objetivo traçar um panorama da movimentação do mercado de trabalho formal na Bahia, em maio de 2012, e no acumulado ao longo dos últimos doze meses, entre junho de 2011 e maio de 2012, em comparação com o mesmo período entre 2010 e O trabalho está dividido em duas partes - além dessa apresentação e nota metodológica - com distintos focos de análise. A primeira parte traz o quadro geral da movimentação no mercado de trabalho formal do Brasil, da Região Nordeste, Bahia e Região Metropolitana de Salvador (RMS), buscando privilegiar a comparação do desempenho da região com o restante do país, do estado em comparação com a região e, por fim, a análise entre a região metropolitana e o interior do estado; além dos municípios do interior que se destacam entre os maiores saldos positivos e os maiores saldos negativos. Para o estado e a região metropolitana, a movimentação do emprego formal também é analisada por setor de atividade econômica através do desempenho no mês e acumulado nos últimos 12 meses. Na segunda parte, o foco da análise são as famílias ocupacionais selecionadas a partir da posição no saldo de maio de Essa parte do trabalho objetiva a complementação mútua entre o desempenho setorial e um maior detalhamento desse desempenho através da desagregação de informações permitidas pela investigação por família ocupacional. Analisa-se a movimentação do emprego formal das dez famílias ocupacionais com maior saldo positivo e das 10 famílias ocupacionais com maior saldo negativo. Deste relatório também consta Anexo Estatístico onde se encontram a movimentação e o saldo das famílias ocupacionais por territórios de identidade ambos segundo seleção específica. 3

4 NOTA METODOLÓGICA A partir de dezembro de 2010 o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) realizou uma mudança metodológica na divulgação dos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) que passa a requerer cautela na comparação com a série anterior à alteração. O MTE passou a divulgar o saldo de emprego obtido a partir de declarações entregues mensalmente, fora do prazo, juntamente com os acertos de declarações, desagregados por Unidades da Federação e setores/subsetores de atividade econômica, procedimento que visa reduzir a distância entre os dados divulgados com base na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) e os oriundos do CAGED. Dessa forma, a partir de janeiro de 2011 são disponibilizadas mensalmente as informações relativas aos vínculos empregatícios declarados fora do prazo legal. A incorporação dessas declarações no saldo acumulado do ano e em 12 meses impossibilita a comparabilidade da série histórica. Ao longo do estudo, será utilizado o saldo com a antiga metodologia, para permitir a comparação com o período anterior. 4

5 I SALDO DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL POR REGIÕES GEOGRÁFICAS Em maio de 2012 foram criados empregos formais no Brasil. Este é o segundo pior resultado da série iniciada em Para meses de maio, o melhor resultado foi obtido em 2010, com postos de trabalho gerados. O menor saldo ocorreu em 2009, ano da crise econômica em escala global, com empregos. O resultado do mês em análise representa uma queda de 44,6% no total de vagas geradas com relação a maio de 2011 (Gráfico 1). GRÁFICO 1 Evolução do Saldo de empregos formais Brasil, meses de maio de 2003 a 2012 Na comparação entre os meses de maio de 2011 e 2012, verifica-se que no Nordeste o saldo recuou para postos gerados contra , uma queda de 63,9%. Exceto o Norte, que apresentou crescimento de 17,3%, no referido período todas as demais grandes regiões também apresentaram retração do saldo, com destaque para queda relativa verificada no Nordeste. 5

6 No Brasil, o saldo acumulado nos últimos 12 meses, sem ajustes da base 1, foi de postos, representando uma redução de 34,9% com relação ao acumulado para o mesmo período findo em maio de 2011, quando o resultado foi postos de trabalho. No acumulado de doze meses, verifica-se que todas as regiões registraram queda no saldo total de junho de 2011 a maio de 2012, frente aos doze meses imediatamente anteriores. A maior redução foi observada no Nordeste, de 38,4%, de postos, para Portanto retração maior que a observada para o Brasil (34,9%). Em seguida, aparece a região Sudeste, com contração de 38,3%. A menor queda relativa do saldo foi vista no Centro-Oeste, de 16,1% (Tabela 1). TABELA 1 Saldo da movimentação do emprego formal Grandes Regiões e Brasil, maio de 2011 e 2012 e acumulado em doze meses Grandes Regiões e Brasil mai/11 mai/12 Var.% jun/10 a mai/11 jun/11 a mai/12 Var.% Norte , ,0 Nordeste , ,4 Sudeste , ,3 Sul , ,2 Centro-Oeste , ,1 Brasil , ,9 O Nordeste gera saldo positivo, e Bahia é segundo maior saldo da região, com postos de trabalho gerados. Ainda acerca do Nordeste, o saldo positivo foi puxado principalmente pelo comportamento da movimentação do emprego formal dos estados de Pernambuco, com a geração de 4.708, Bahia, (3.071 postos), Paraíba (2.224 postos) e Maranhão (1.730 postos). Alagoas foi estado com maior sado negativo, com a eliminação de empregos formais. A Bahia registrou, com este saldo, uma variação negativa de 73,8% em relação ao saldo de maio de 2011, com saldo positivo de postos. A queda do saldo mensal no Nordeste não foi maior devido ao comportamento da movimentação de 1 Desde dezembro de 2010 o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) passou a incorporar no saldo acumulado as declarações entregues fora de prazo. Considerando essas declarações o saldo acumulado em 12 meses findos em novembro é de Portanto, o número incorporado de declarações fora de prazo é

7 emprego formal observada no Maranhão, que saiu de 24 postos em maio de 2011, para postos, uma variação relativa de 7.108,3%. Na Paraíba, o crescimento relativo foi da ordem de 171,6%. Em Pernambuco, embora tenha registrado o maior saldo mensal, em maio de 2012, esse resultado significou uma queda relativa de 52,3%. Por outro lado, em Sergipe se observou um recuo do saldo absoluto de postos para -509, e no Piauí de para -1 posto. O saldo acumulado em 12 meses na região foi de postos, representando uma diminuição de 38,4% em relação ao mesmo período do ano anterior ( postos). Essa diminuição reflete as variações negativas de todos os estados da região Nordeste, com exceção do Maranhão. A Bahia obteve a maior variação negativa, com redução de 55,4% das vagas geradas, nessa comparação (Tabela 2). TABELA 2 Saldo da movimentação de emprego formal Nordeste e estados da região, Maio e acumulado em doze meses Nordeste e estados da região Maio Var.% Var.% Nordeste , ,4 Maranhão , ,0 Piauí ,6 Ceará , ,0 Rio Grande do Norte ,0 Paraíba , ,1 Pernambuco , ,5 Alagoas , ,2 Sergipe ,1 Bahia ,4 Na Bahia, o saldo acumulado de 12 meses foi o terceiro maior da região, com postos, representando 16,0% do total do Nordeste. Pernambuco lidera com (33,8%) do total de postos de trabalho gerados. Nos últimos 12 meses, Piauí foi o estado a registrar o menor saldo positivo de empregos, com postos de trabalho (Tabela 2). Quando se analisa o saldo para os meses de maio, numa série iniciada em 2003, observa-se que o desempenho na Bahia em maio de 2012 (3.071) configura-se como o resultado mais baixo em todos os anos nessa base de comparação. O melhor saldo ocorreu em maio de 2010, com a geração de postos formais de trabalho (Gráfico 2) jun/10 a mai/11 jun/11 a mai/12 7

8 GRÁFICO 2 Evolução saldo da movimentação do emprego formal Bahia, meses de maio de Na Bahia, entre os setores a Agropecuária apresenta o melhor resultado no mês. No mês, o saldo positivo de postos de trabalho criados na Bahia foi formada pela movimentação no setor da Agropecuária, com a geração de postos, dando continuidade ao movimento ocorrido em abril. O segundo maior saldo foi observado no setor da Indústria (942 postos), seguido pelo Comércio (226 postos). Os setores que tiveram saldos negativos foram os setores de Serviços, com a eliminação de postos de trabalho e a Construção Civil com -174 postos (Tabela 4). No caso do setor Agropecuário, a expansão se deve a fatores sazonais na produção e cultivo de alguns produtos característicos do setor, sendo as 5 atividades que mais geraram empregos foram o Cultivo de Café, com postos gerados; de Uva 747 postos de trabalho; Criação de bovinos 625 postos; Cultivo de Frutas de Lavoura Permanente com 485 postos; Cultivo de Cana-De-Açúcar, com 409 postos de trabalho gerados. As demais produções agrícolas geraram 150 postos de trabalho 8

9 (Tabela 3). TABELA 3 Movimentação e saldo de empregos formais por tipo de atividade da Agropecuária Bahia, maio de 2012 Tipo de Atividade Movimentação Saldo Admitidos Desligados Nº abs. % Cultivo de Café ,5 Cultivo de Uva ,3 Criação de Bovinos ,9 Cultivo de Frutas de Lavoura Permanente, Exceto Laranja e Uva ,2 Cultivo de Cana-De-Açúcar ,1 Outras ativiades ,1 Total ,0 Os setores econômicos com maior participação no saldo acumulado em 12 meses ( postos) foram Serviços (72,0%), seguido do setor de Comércio (22,6%). Entre os doze meses em análise, abril (7.847 postos) e junho ( postos) foram os meses que registraram os maiores saldos positivos (Tabela 4). TABELA 4 Saldo da movimentação do emprego formal por grandes setores de atividade econômica Bahia, junho de 2011 a maio de 2012 e acumulado em doze meses Mês Indústria Construção Comércio Civil Serviços Agropecuária Total Mês Maio Abril Março Fevereiro Janeiro Dezembro Novembro Outubro Setembro Agosto Julho Junho Acum 12 meses

10 Região Metropolitana de Salvador. Em maio, a Região Metropolitana de Salvador (RMS) apresentou o saldo negativo de postos de trabalho. Este resultado é o pior na comparação para meses de maio, desde Um resultado atípico em toda série e muito distante do evidenciado no mesmo mês do ano anterior, onde foram gerados postos de trabalho (Gráfico 3). GRAFICO 3 Evolução do Saldo da movimentação do emprego formal Região Metropolitana de Salvador, meses de maio Na comparação entre RMS e o interior do Estado, verifica-se que o segundo tem sido, nos meses de maio, o maior gerador de postos de trabalho. Desde 2003, não há registro de saldos negativos no interior do estado, tendo os anos de 2010 (9.940 postos), 2011 (8.952 postos) e de 2004 (8.313 postos) respectivamente como os que mais geraram postos de trabalho no interior do estado (Gráfico 4). 10

11 GRAFICO 4 Distribuição geográfica do saldo da movimentação do emprego RMS e Interior, meses de maio Em maio de 2012, o resultado na RM de Salvador sofreu forte impacto da movimentação do emprego no setor de Serviços, com saldo negativo de postos de trabalho eliminados, tendo no subsetor de Serviços de alojamento, alimentação, reparação, manutenção, redação e etc. puxando esse saldo, com postos eliminados na RMS. Na RM, o saldo no setor da Construção Civil registrou queda, com a eliminação de 522 postos de trabalho, movimento também observado no setor industrial, onde o saldo foi de -245 postos de trabalho. Já o setor do Comercio foi o maior gerador de empregos na RMS, com um saldo positivo de 412 postos de trabalho. (ANEXO I) Nos últimos 12 meses, o saldo acumulado na RMS ( postos) representa mais da metade (53,4%) do saldo total no estado ( postos). O setor de maior destaque na RM, nestes 12 meses é o de Serviços (12.547), com 76,0% do total de vagas geradas, seguido da Indústria, com 17,2%. Nesta mesma base, entre junho de 2011 e maio de 2012, o Comércio acumulou um saldo de 652 postos, o que corresponde a 3,9% do total e a Construção Civil, com 530 postos, tem 3,2% do 11

12 total de vagas da RM de Salvador. (Tabela 5). TABELA 5 Saldo da movimentação do emprego formal por grandes setores de atividade econômica RMS, Junho de 2011 a Maio de 2012 e acumulado em doze meses Mês Indústria Construção Civil Comércio Serviços Agropecuária Total Mês Maio Abril Março Fevereiro Janeiro Dezembro Novembro Outubro Setembro Agosto Julho Junho Acum 12 meses Municípios do interior do estado com saldos mais significativos Feira de Santana foi o município baiano do interior do estado com mais de 30 mil habitantes que teve o maior saldo em maio de 2012 (721 postos) Em maio de 2012, os cinco municípios do interior do estado da Bahia com mais de 30 mil habitantes que registraram os maiores saldos de emprego formal foram Feira de Santana (721 postos) Casa Nova (702 postos), Teixeira de Freitas (616 postos), Vitoria da Conquista (604 postos) e Juazeiro (439 postos). Com relação a maio de 2011, observa-se que Feira de Santana registrou uma queda de 31,1%, ainda assim manteve a primeira posição no ranking dos maiores saldos em Já a cidade de Casa Nova, com a segunda posição em 2012, ocupava, em maio de 2011, o nono lugar entre os municípios do interior, com 247 postos gerados, melhorando assim sua posição em maio de Nessa base de comparação, Juazeiro e Vitoria da Conquista também verificaram quedas, de 69,7% e de 2,1%, respectivamente. Com isso, Juazeiro saiu da primeira posição dos maiores saldos positivos, em maio de 2011, para a 5 posição, em maio de Vitória da Conquista manteve a quarta posição. Por outro lado, Teixeira de Freitas registrou um crescimento 12

13 de 87,8% na geração de postos de trabalho nas comparações entre maio de 2001 e 2012, de 328 postos para 616 postos de trabalho, saindo da sétima para terceira posição. Por sua vez, os municípios do interior do estado com os maiores saldos negativos de emprego, em maio de 2012, foram Itapetinga (-235 postos), Alagoinhas (-134 postos), Itamaraju (-63 postos), Guanambi (-57 postos) e Porto Seguro (-56 postos). Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, Itapetinga manteve a condição de cidade que mais elimina postos de trabalho. Os demais municípios registraram saldo positivo em maio de 2011 (Tabela 6). TABELA 6 Movimentação, saldo do emprego formal e ranking do saldo Municípios do interior do estado selecionados, maio de 2011 e 2012 Cinco maiores saldos positivos Municipios selecionados mai/11 mai/12 Ranking Adm Desl Saldo Adm Desl Saldo Feira de Santana Casa Nova Teixeira de Freitas Vitória da Conquista Juazeiro Municipios selecionados Cinco menores saldos positivos mai/11 mai/12 Ranking Adm Desl Saldo Adm Desl Saldo Itapetinga Alagoinhas Itamaraju Guanambi Porto Seguro Nota: a) Os saldos foram ordenados segundo os resultados mais significativos dos municípios com mais de 30 mil habitantes em maio de 2012, excetuando-se da classificação aqueles que integram a RMS. Vale ressalvar que, nesse mês, Salvador registrou saldo negativo de -430 Ao verificar os setores mais dinâmicos nos municípios do interior baiano com os maiores saldos Ranking positivos e negativos do estado, em maio de 2012, tem-se que o setor de Serviços teve o maior peso na movimentação positiva em Feira de Santana, com a geração de 709 postos de trabalho, movimento que não se repete em outros municípios no setor. Nestes, a Agropecuária é o setor que mais gera emprego, a exemplo de Casa Nova, com 709 postos gerados; Teixeira de Freitas, com Ranking 13

14 446 postos; Vitoria da Conquista, com 382 postos, e finalmente Juazeiro, com a geração de 313 postos na Agropecuária. Destaca-se também a Construção Civil em Teixeira de Freitas (143 postos) e Vitória da Conquista (197 postos), e a Indústria em Juazeiro, com 140 postos de trabalho gerados. Entre os setores nos cinco municípios com os maiores saldos negativos em maio, a Indústria obteve o peso mais importante na formação do resultado no município de Itapetinga, onde registrou a eliminação de 210 postos de trabalho celetistas. Os saldos negativos nos outros municípios estão distribuídos de forma mais esparsada, com destaque para a Construção Civil em Alagoinhas, que contou com o saldo negativo de -84 postos de trabalho, e o Comércio em Porto Seguro, com a eliminação de 72 postos. (Tabela 7). Municipios selecionados TABELA 7 Saldo da movimentação do emprego formal segundo grandes setores de atividade econômica Municípios do interior do estado selecionados, maio de 2012 Industria Construção Civil Comércio Serviços Agropecuária Total Feira de Santana Casa Nova Teixeira de Freitas Vitória da Conquista Juazeiro Itapetinga Alagoinhas Itamaraju Guanambi Porto Seguro

15 II - MOVIMENTAÇÃO E SALDO DO EMPREGO FORMAL NA BAHIA SEGUNDO AS FAMÍLIAS OCUPACIONAIS COM MAIOR PARTICIPAÇÃO NO SALDO POSITIVO E NEGATIVO A família ocupacional dos Trabalhadores Agrícolas destaca-se com 94,0% do saldo positivo no estado Admissões, desligamentos e saldo das famílias ocupacionais selecionadas na Bahia 2 Em maio de 2012, as dez famílias ocupacionais com maior saldo positivo no estado responderam por um total de postos de trabalho com carteira assinada. Estas famílias ocupacionais totalizaram este saldo como resultado da movimentação de admissões contra desligamentos. As quatro famílias com maior participação no saldo positivo de maio de 2012 somaram 69,6% do saldo. Destas famílias ocupacionais os Trabalhadores Agrícolas nas Culturas de Plantas Estimulantes e Especiarias destacaram-se com o maior saldo positivo, com a criação de vagas. A seguir aparecem os Trabalhadores Agrícolas na Cultura de Gramíneas, com saldo de postos e ainda os Trabalhadores na Exploração Agropecuária em Geral, com 889 postos de trabalho gerado. Novamente estes dados mostram a participação efetiva das ocupações ligadas ao setor da Agropecuária na formação do saldo de maio. As dez famílias ocupacionais de maior saldo negativo na Bahia responderam por uma eliminação de postos de trabalho em maio de Entre essas, Escriturários em Geral, Agentes, Assistentes e Auxiliares Administrativos sobressaíram-se com o pior resultado negativo, de -856 postos. Em seguida aparecem os Encanadores e Instaladores de Tubulações, com a eliminação de postos e ainda os Técnicos em Secretariado, Taquígrafos e Estenotipistas, com -259 postos de trabalho. Do saldo positivo total obtido pelo estado em maio 2012 (3.071), as duas primeiras famílias 2 Para verificar a movimentação e saldo de trabalhadores celetistas por territórios de identidade baianos ver Anexo I. 15

16 ocupacionais com saldo positivo, correspondem a expressivos 94,0%%, sendo que os Trabalhadores Agrícolas nas Culturas de Plantas Estimulantes e Especiarias, com 49,2% e os Trabalhadores Agrícolas na Cultura de Gramíneas com 44,8% do saldo total do estado (Tabela 8). TABELA 8 Saldo e movimentação do emprego formal das dez famílias ocupacionais com maior saldo positivo e negativo Bahia, maio de 2012 Famílias Ocupacionais Maiores saldo positivos Adm Desl Total Trabalhadores Agricolas nas Culturas de Plantas Estimulantes e Especiarias (Exceto Extracao Florest) Trabalhadores Agricolas na Cultura de Gramíneas Trabalhadores na Exploração Agropecuária em Geral Vendedores e Demonstradores em Lojas ou Mercados Trabalhadores Agricolas na Fruticultura Operadores de Telemarketing Ajudantes de Obras Civis Alimentadores de Linhas de Produção Trabalhadores de Apoio À Agricultura Resultado positivo das dez familias selecionadas Famílias Ocupacionais Maiores Saldos negativos Adm Desl Total Escriturarios em Geral, Agentes, Assistentes e Auxiliares Administrativos Encanadores e Instaladores de Tubulações Tecnicos em Secretariado, Taquigrafos e Estenotipistas Trabalhadores Polivalentes da Confecção de Calçados Auditores Fiscais do Trabalho Supervisores de Servicos Administrativos (Exceto Contabilidade, Financas e Controle) Trabalhadores Agricolas na Olericultura Trabalhadores de Estruturas de Alvenaria Trabalhadores de Soldagem e Corte de Metais e de Compositos Trabalhadores Operacionais de Conservação de Vias Permanentes (Exceto Trilhos) Resultado negativo das dez famílias selecionadas Total das familias ocupacionais selecionadas Demais familias ocupacionais Total do estado

17 ANEXOS 17

18 ANEXO I Movimentação, saldo do emprego formal na Região Metropolina de Salvador segundo o Subsetor de Atividade econômica, maio de 2012 Movimentação Subsetor (IBGE) Adm Desl Total 01-Extrativa mineral Indústria de produtos minerais nao metálicos Indústria metalúrgica Indústria mecânica Indústria do material elétrico e de comunicaçoes Indústria do material de transporte Indústria da madeira e do mobiliário Indústria do papel, papelao, editorial e gráfica Ind. da borracha, fumo, couros, peles, similares, ind. diversas Ind. química de produtos farmacêuticos, veterinários, perfumaria, Indústria têxtil do vestuário e artefatos de tecidos Indústria de calçados Indústria de produtos alimentícios, bebidas e álcool etílico Serviços industriais de utilidade pública Construçao civil Comércio varejista Comércio atacadista Instituiçoes de crédito, seguros e capitalizaçao Com. e administraçao de imóveis, valores mobiliários, serv. técnico Transportes e comunicaçoes Serv. de alojamento, alimentaçao, reparaçao, manutençao, redaçao, r Serviços médicos, odontológicos e veterinários Ensino Administraçao pública direta e autárquica Agricultura, silvicultura, criaçao de animais, extrativismo vegetal Total ANEXO II Movimentação e saldo de empregos formais pelas dez famílias ocupacionais com maior participação no saldo positivo e negativo do estado segundo Território de Identidade Bahia, maio de

19 Famílias Ocupacionais Admitidos DesligadosSaldo Admitidos DesligadosSaldo Admitidos DesligadosSaldo Trabalhadores Agricolas nas Culturas de Plantas Estimulantes e Especiarias Exceto Extracao Florest Trabalhadores Agricolas na Cultura de Gramineas Trabalhadores na Exploracao Agropecuaria em Geral Vendedores e Demonstradores em Lojas ou Mercados Trabalhadores Agricolas na Fruticultura Operadores de Telemarketing Ajudantes de Obras Civis Alimentadores de Linhas de Producao Trabalhadores de Apoio À Agricultura Trabalhadores de Cargas e Descargas de Mercadorias Escriturarios em Geral, Agentes, Assistentes e Auxiliares Administrativos Encanadores e Instaladores de Tubulacoes Tecnicos em Secretariado, Taquigrafos e Estenotipistas Trabalhadores Polivalentes da Confeccao de Calcados Auditores Fiscais do Trabalho Supervisores de Servicos Administrativos Exceto Contabilidade, Financas e Controle Trabalhadores Agricolas na Olericultura Trabalhadores de Estruturas de Alvenaria Trabalhadores de Soldagem e Corte de Metais e de Compositos Trabalhadores Operacionais de Conservacao de Vias Permanentes Exceto Trilhos (continuação) ANEXO II Movimentação e saldo de empregos formais pelas dez famílias ocupacionais com maior participação no saldo positivo e negativo do estado segundo Território de Identidade Bahia, maio de 2012 Famílias Ocupacionais Territorios de Identidade Piemonte Norte do Itapicuru Metropolitana de Salvador Costa do Descobrimento Territorios de Identidade Sisal Litoral Sul Baixo Sul Admitidos DesligadosSaldo Admitidos DesligadosSaldo Admitidos DesligadosSaldo Trabalhadores Agricolas nas Culturas de Plantas Estimulantes e Especiarias Exceto Extracao Florest Trabalhadores Agricolas na Cultura de Gramineas Trabalhadores na Exploracao Agropecuaria em Geral Vendedores e Demonstradores em Lojas ou Mercados Trabalhadores Agricolas na Fruticultura Operadores de Telemarketing Ajudantes de Obras Civis Alimentadores de Linhas de Producao Trabalhadores de Apoio À Agricultura Trabalhadores de Cargas e Descargas de Mercadorias Escriturarios em Geral, Agentes, Assistentes e Auxiliares Administrativos Encanadores e Instaladores de Tubulacoes Tecnicos em Secretariado, Taquigrafos e Estenotipistas Trabalhadores Polivalentes da Confeccao de Calcados Auditores Fiscais do Trabalho Supervisores de Servicos Administrativos Exceto Contabilidade, Financas e Controle Trabalhadores Agricolas na Olericultura Trabalhadores de Estruturas de Alvenaria Trabalhadores de Soldagem e Corte de Metais e de Compositos Trabalhadores Operacionais de Conservacao de Vias Permanentes Exceto Trilhos (continuação) ANEXO II Movimentação e saldo de empregos formais pelas dez famílias ocupacionais com maior participação no saldo positivo e negativo do estado segundo Território de Identidade Bahia, maio de

20 Famílias Ocupacionais Admitidos DesligadosSaldo Admitidos DesligadosSaldo Admitidos DesligadosSaldo Trabalhadores Agricolas nas Culturas de Plantas Estimulantes e Especiarias Exceto Extracao Florest Trabalhadores Agricolas na Cultura de Gramineas Trabalhadores na Exploracao Agropecuaria em Geral Vendedores e Demonstradores em Lojas ou Mercados Trabalhadores Agricolas na Fruticultura Operadores de Telemarketing Ajudantes de Obras Civis Alimentadores de Linhas de Producao Trabalhadores de Apoio À Agricultura Trabalhadores de Cargas e Descargas de Mercadorias Escriturarios em Geral, Agentes, Assistentes e Auxiliares Administrativos Encanadores e Instaladores de Tubulacoes Tecnicos em Secretariado, Taquigrafos e Estenotipistas Trabalhadores Polivalentes da Confeccao de Calcados Auditores Fiscais do Trabalho Supervisores de Servicos Administrativos Exceto Contabilidade, Financas e Controle Trabalhadores Agricolas na Olericultura Trabalhadores de Estruturas de Alvenaria Trabalhadores de Soldagem e Corte de Metais e de Compositos Trabalhadores Operacionais de Conservacao de Vias Permanentes Exceto Trilhos (continuação) ANEXO II Movimentação e saldo de empregos formais pelas dez famílias ocupacionais com maior participação no saldo positivo e negativo do estado segundo Território de Identidade Bahia, maio de 2012 Famílias Ocupacionais Territorios de Identidade Extremo Sul Médio Sudoeste da Bahia Vale do Jequiriçá Territorios de Identidade Sertão do São Fracisco Bacia do Rio Grande Bacia do Paramirim Admitidos DesligadosSaldo Admitidos DesligadosSaldo Admitidos DesligadosSaldo Trabalhadores Agricolas nas Culturas de Plantas Estimulantes e Especiarias Exceto Extracao Florest Trabalhadores Agricolas na Cultura de Gramineas Trabalhadores na Exploracao Agropecuaria em Geral Vendedores e Demonstradores em Lojas ou Mercados Trabalhadores Agricolas na Fruticultura Operadores de Telemarketing Ajudantes de Obras Civis Alimentadores de Linhas de Producao Trabalhadores de Apoio À Agricultura Trabalhadores de Cargas e Descargas de Mercadorias Escriturarios em Geral, Agentes, Assistentes e Auxiliares Administrativos Encanadores e Instaladores de Tubulacoes Tecnicos em Secretariado, Taquigrafos e Estenotipistas Trabalhadores Polivalentes da Confeccao de Calcados Auditores Fiscais do Trabalho Supervisores de Servicos Administrativos Exceto Contabilidade, Financas e Controle Trabalhadores Agricolas na Olericultura Trabalhadores de Estruturas de Alvenaria Trabalhadores de Soldagem e Corte de Metais e de Compositos Trabalhadores Operacionais de Conservacao de Vias Permanentes Exceto Trilhos (continuação) 20

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Estado de São Paulo 2 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/2015 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS - JULHO/215 1. Geração de Empregos no Brasil - Mercado de Trabalho Segue Demitindo O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) divulgou os dados do Cadastro Geral de Empregados

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA BAHIA. Relatório analítico de acompanhamento conjuntural do mercado de trabalho formal da Bahia

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA BAHIA. Relatório analítico de acompanhamento conjuntural do mercado de trabalho formal da Bahia OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA BAHIA Relatório analítico de acompanhamento conjuntural do mercado de trabalho formal da Bahia Contrato de Prestação de Serviços Nº. 165/2012 SETRE-BA e DIEESE ABRIL DE 2013

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 23/01/15 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego - Ano de 2014 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 23/01/15 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged),

Leia mais

Análise do Mercado de Trabalho Formal em Manaus

Análise do Mercado de Trabalho Formal em Manaus OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE MANAUS Análise do Mercado de Trabalho Formal em Manaus Termo de Contrato Nº. 005/2011 SEMTRAD e DIEESE ABRIL DE 2011 SECRETARIA MUNICIPAL DE TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil. Subseção Dieese Força Sindical. Elaboração: 19/03/2015 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego Fevereiro de 2015 - Brasil Subseção Dieese Força Sindical Elaboração: 19/03/2015 Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: GOIÁS O número de empregos formais no estado alcançou 1,514 milhão em dezembro de 2014, representando

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE Análise do Mercado de Trabalho Formal em Porto Alegre 2º Trimestre de 2012 Termo de Contrato Nº. 48918/2012 - Secretaria Municipal de Trabalho e Emprego (SMTE)

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE Análise do Mercado de Trabalho Formal em Porto Alegre Fevereiro de 2013 Termo de Contrato Nº. 48918/2012 - Secretaria Municipal de Trabalho e Emprego (SMTE) Secretaria

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE Análise do Mercado de Trabalho Formal em Porto Alegre Maio de 2012 Termo de Contrato Nº. 48918/2012 - Secretaria Municipal de Trabalho e Emprego (SMTE) Secretaria

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

CONTRATO Nº 068/2009 RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE OSASCO - MARÇO DE 2011 -

CONTRATO Nº 068/2009 RELATÓRIO MENSAL SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE OSASCO - MARÇO DE 2011 - PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E INCLUSÃO (SDTI) DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE) PROGRAMA OSASCO DIGITAL OBSERVATÓRIO

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE OSASCO - JULHO A SETEMBRO DE 2010 -

RELATÓRIO TRIMESTRAL SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE OSASCO - JULHO A SETEMBRO DE 2010 - PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E INCLUSÃO (SDTI) DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE) PROGRAMA OSASCO DIGITAL OBSERVATÓRIO

Leia mais

Fapespa Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará BOLETIM MERCADO DE TRABALHO PARAENSE

Fapespa Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará BOLETIM MERCADO DE TRABALHO PARAENSE Fapespa BOLETIM MERCADO DE TRABALHO PARAENSE FEVEREIRO 2015 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Simão Robison Oliveira Jatene Governador do Estado do Pará José da Cruz Marinho Vice-Governador do Estado do Pará Fapespa

Leia mais

informe TÉCNICO Mercado de Trabalho MAIO 2015 Fapespa Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará

informe TÉCNICO Mercado de Trabalho MAIO 2015 Fapespa Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará informe TÉCNICO Mercado de Trabalho MAIO 2015 Fapespa GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Simão Robison Oliveira Jatene Governador do Estado do Pará José da Cruz Marinho Vice-Governador do Estado do Pará Fapespa

Leia mais

Relatório Mensal sobre o Mercado de Trabalho Formal do Recife. Outubro de 2011

Relatório Mensal sobre o Mercado de Trabalho Formal do Recife. Outubro de 2011 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO RECIFE Relatório Mensal sobre o Mercado de Trabalho Formal do Recife Outubro de 2011 Contrato de Prestação de Serviços Nº 123 Prefeitura do Recife / DIEESE Novembro de 2011

Leia mais

Mercado de Trabalho Formal do Recife

Mercado de Trabalho Formal do Recife Boletim Informativo Agosto 2011 Mercado de Trabalho Formal do Recife Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico Em julho, foram gerados 140 mil postos de trabalho formais no Brasil Com

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

1. Evolução do Emprego Celetista

1. Evolução do Emprego Celetista Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Mercado de Trabalho Formal do Recife

Mercado de Trabalho Formal do Recife Boletim Informativo Novembro 2011 Mercado de Trabalho Formal do Recife Secretaria de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico Em outubro, foram gerados 126 mil postos de trabalho formais no Brasil

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Sorocaba 3 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL São Paulo 2 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Campinas 2 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Saldo de Empregos Celetistas Cearense - Fevereiro de 2014

Saldo de Empregos Celetistas Cearense - Fevereiro de 2014 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CURITIBA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CURITIBA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CURITIBA Relatório Especial sobre a Mulher no Mercado de Trabalho de Curitiba-PR Contrato de Prestação de Serviços Nº. 17731/2007 - PMC / DIEESE MARÇO DE 2010 EXPEDIENTE DA

Leia mais

APRESENTAÇÃO DESTAQUES. 1. Índice de crescimento do emprego formal em Campinas é maior que na RMC (pág. 4)

APRESENTAÇÃO DESTAQUES. 1. Índice de crescimento do emprego formal em Campinas é maior que na RMC (pág. 4) Secretaria Municipal de Trabalho e Renda NOVEMBRO DE 2011 Boletim Informativo do Mercado de Trabalho em Campinas Dezembro de 2011 APRESENTAÇÃO A geração de postos de trabalho tem mostrado sinais de desaceleração

Leia mais

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010 MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010 Isaac A. Coimbra Lou SEI/BA Lis Helena Borges Bolsista/IPEA Roberta Pimenta Bolsista/IPEA Brasília, Março de 2013 SUMÁRIO

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

11º FÓRUM DE ECONOMIA DA FGV. Qual o Ajustamento Macroeconômico Necessário? As questões dos salários.

11º FÓRUM DE ECONOMIA DA FGV. Qual o Ajustamento Macroeconômico Necessário? As questões dos salários. 11º FÓRUM DE ECONOMIA DA FGV Qual o Ajustamento Macroeconômico Necessário? As questões dos salários. Resultados das negociações coletivas gradativamente superaram o INPC e têm aumento real aproximado de

Leia mais

Relatório Analítico:

Relatório Analítico: OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPINAS Relatório Analítico: Análise do Mercado de Trabalho Formal da Região Metropolitana de Campinas Balanço do 1º Semestre de 2010 Termo de Contrato Nº. 65/2009 JULHO DE

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE PORTO ALEGRE Estudo Temático: Análise do Mercado de Trabalho Formal em Porto Alegre Relatório Especial RAIS 2011 Termo de Contrato Nº. 48918/2012 Secretaria Municipal de Trabalho

Leia mais

Análise Setorial de Emprego

Análise Setorial de Emprego Análise Setorial de Emprego Maio de 2015 Ficha Técnica Governador do Estado de Minas Gerais Fernando Pimentel Secretário de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social André Quintão Secretária Adjunta

Leia mais

Comércio em 2013 Um balanço dos principais indicadores

Comércio em 2013 Um balanço dos principais indicadores Junho de 2014 número 6 Comércio em 2013 Um balanço dos principais indicadores Com o objetivo de subsidiar os dirigentes sindicais para as negociações salariais, a Rede Comerciários do DIEESE (Departamento

Leia mais

EVOLUÇÃO DO EMPREGO POR SUBSETORES DE ATIVIDADES ECONÔMICAS ESPÍRITO SANTO - SALDO DE EMPREGOS

EVOLUÇÃO DO EMPREGO POR SUBSETORES DE ATIVIDADES ECONÔMICAS ESPÍRITO SANTO - SALDO DE EMPREGOS EVOLUÇÃO DO EMPREGO POR SUBSETORES DE ATIVIDADES ECONÔMICAS ESPÍRITO SANTO - SALDO DE EMPREGOS O Ministério do Trabalho e Emprego divulgou o saldo de empregos dos principais setores da economia, através

Leia mais

Um balanço do Comércio em 2014 a partir dos principais indicadores

Um balanço do Comércio em 2014 a partir dos principais indicadores Abril de 2015 número 7 Um balanço do Comércio em 2014 a partir dos principais indicadores Com o objetivo de subsidiar os dirigentes sindicais para as negociações salariais, a Rede Comerciários do DIEESE

Leia mais

AGETRAB Agencia de Trabalho, Educação Profissional e Renda Setembro-2015

AGETRAB Agencia de Trabalho, Educação Profissional e Renda Setembro-2015 Análise Emprego Formal Macaé AGETRAB Agencia de Trabalho, Educação Profissional e Renda Setembro-2015 Os números do mês de agosto - Macaé De acordo com os dados do CAGED em setembro de 2015, foram suprimidos

Leia mais

março de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores A DINÂMICA RECENTE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO: O EMPREGO

março de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores A DINÂMICA RECENTE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO: O EMPREGO 12 março de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores A DINÂMICA RECENTE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO: O EMPREGO Expediente Esta é uma publicação da Fundação Perseu Abramo. Diretoria

Leia mais

AGETRAB Agencia de Trabalho, Educação Profissional e Renda Julho- 2015

AGETRAB Agencia de Trabalho, Educação Profissional e Renda Julho- 2015 Análise Emprego Formal Macaé AGETRAB Agencia de Trabalho, Educação Profissional e Renda Julho- 2015 Os números do mês de agosto - Macaé De acordo com os dados do CAGED em agosto de 2015, foram suprimidos

Leia mais

RAIS Relação Anual de Informações Sociais do segmento da Arquitetura e Engenharia no ano de 2008

RAIS Relação Anual de Informações Sociais do segmento da Arquitetura e Engenharia no ano de 2008 RAIS Relação Anual de Informações Sociais do segmento da Arquitetura e Engenharia no ano de 2008 São Paulo 2009 Conteúdo 1. ESTOQUE DE PESSOAS NACIONAL COM BASE NA RAIS RELAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOCIAIS DO

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPINAS

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPINAS OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPINAS ESTUDO TEMÁTICO: Movimentação Contratual no Mercado de Trabalho Formal e Rotatividade em Campinas Contrato de Prestação de Serviços Banco Popular da Mulher/DIEESE JUNHO

Leia mais

RAIS DO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA 2010

RAIS DO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA 2010 RAIS DO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA 2010 São Paulo Agosto de 2011 INTRODUÇÃO As informações constantes na RAIS Relação Anual de Informações Sociais são prestadas anualmente, de caráter

Leia mais

Análise Setorial de Emprego

Análise Setorial de Emprego Análise Setorial de Emprego Abril de 2015 Ficha Técnica Governador do Estado de Minas Gerais Fernando Pimentel Secretário de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social André Quintão Secretária Adjunta

Leia mais

Informativo Mensal de Emprego CAGED nº 08/2012 1 16/08/2012

Informativo Mensal de Emprego CAGED nº 08/2012 1 16/08/2012 Informação e Análise do Mercado de Trabalho Informativo Mensal de Emprego CAGED nº 08/2012 1 16/08/2012 EM SANTA CATARINA SÃO CRIADAS 3.227 VAGAS DE EMPREGO EM JULHO Com isso se interrompe a trajetória

Leia mais

RELATÓRIO PESQUISAS INOVADORAS SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE OSASCO - PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MERCADO DE TRABALHO -

RELATÓRIO PESQUISAS INOVADORAS SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE OSASCO - PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MERCADO DE TRABALHO - PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E INCLUSÃO (SDTI) DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE) PROGRAMA OSASCO DIGITAL OBSERVATÓRIO

Leia mais

Diretoria. Boletim Informativo - Emprego em Abril de 2015. Presidente Aarão Ruben de Oliveira Vice-Presidente Jorge Alberto Taiar. Dr.

Diretoria. Boletim Informativo - Emprego em Abril de 2015. Presidente Aarão Ruben de Oliveira Vice-Presidente Jorge Alberto Taiar. Dr. Boletim Informativo Emprego em Guarulhos Mês de referência: abril/2015 Boletim Informativo - Emprego em Abril de 2015 Diretoria Presidente Aarão Ruben de Oliveira Vice-Presidente Jorge Alberto Taiar Secretário

Leia mais

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego 1º semestre de 2015 - Brasil. Dieese. Subseção Força Sindical. Elaboração: 21/07/2015

INFORME CONJUNTURAL. Comportamento do Emprego 1º semestre de 2015 - Brasil. Dieese. Subseção Força Sindical. Elaboração: 21/07/2015 INFORME CONJUNTURAL Comportamento do Emprego 1º semestre de 2015 - Brasil Dieese. Subseção Força Sindical Elaboração: 21/07/2015 De acordo com os dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO. SECRETÁRIO DE ESTADO Rafael de Góes Brito. SECRETÁRIO ADJUNTO Lailson Ferreira Gomes

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO. SECRETÁRIO DE ESTADO Rafael de Góes Brito. SECRETÁRIO ADJUNTO Lailson Ferreira Gomes ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DO TRABALHO E EMPREGO Rua: Dr. Silvério Jorge, 368 Jaraguá - Maceió - AL - CEP 57022-110 Fone: (82) 3315-1872 - CNPJ: 03.589.899/0001-18 OBSERVATÓRIO DO TRABALHO SECRETÁRIO

Leia mais

BOLETIM MENSAL Março/2010. DADOS: CAGED (MTE) Março/2010 RAIS (MTE) 2008

BOLETIM MENSAL Março/2010. DADOS: CAGED (MTE) Março/2010 RAIS (MTE) 2008 BOLETIM MENSAL Março/2010 DADOS: CAGED (MTE) Março/2010 RAIS (MTE) 2008 Este número do Boletim do Observatório do Emprego e do Trabalho da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho (SERT) apresenta

Leia mais

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324

75,4. 1,95 mulher, PNAD/08) Taxa de analfabetismo (15 anos ou mais em %) 4,4% População urbana 5.066.324 SEMINÁRIO ESTRUTURA E PROCESSO DA NEGOCIAÇÃO COLETIVA CONJUNTURA DO SETOR RURAL E MERCADODETRABALHOEMSANTA DE EM CATARINA CONTAG CARACTERÍSTICAS C C S GERAIS CARACTERÍSTICA GERAIS DE SANTA CATARINA Área

Leia mais

RETRATO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA BAHIA EM 2009

RETRATO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA BAHIA EM 2009 Salvador / Ba 2010 Superintendência de Estudos Sociais da Bahia - SEI Diretoria de Pesquisas DIPEQ Coordenação de Pesquisas Sociais COPES RETRATO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NA BAHIA EM 2009 Workshop: A Base de

Leia mais

Número 140 - Setembro de 2014. O Mercado de Trabalho Formal Brasileiro: Resultados da RAIS 2013

Número 140 - Setembro de 2014. O Mercado de Trabalho Formal Brasileiro: Resultados da RAIS 2013 Número 140 - Setembro de 2014 O Mercado de Trabalho Formal Brasileiro: Resultados da RAIS 2013 Introdução Esta Nota Técnica tem como objetivo apresentar os principais resultados da Relação Anual de Informações

Leia mais

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul

Emprego Industrial em Mato Grosso do Sul Comportamento do emprego formal na Indústria em Mato Grosso do Sul O emprego formal na Indústria sul-mato-grossense encerrou mais um mês com redução liquida de postos de trabalho. Em maio, o conjunto das

Leia mais

Número 84 Agosto de 2009. O emprego no setor do comércio e a crise internacional

Número 84 Agosto de 2009. O emprego no setor do comércio e a crise internacional Número 84 Agosto de 2009 O emprego no setor do comércio e a crise internacional O emprego no setor do comércio e a crise internacional Desde agosto de 2007, o mundo vem se deparando com uma crise financeira

Leia mais

CAGED REGISTRA A CRIAÇÃO DE 2.999 VAGAS NO MÊS DE JUNHO

CAGED REGISTRA A CRIAÇÃO DE 2.999 VAGAS NO MÊS DE JUNHO Informativo Caged nº 07/2011 19/07/2011 CAGED REGISTRA A CRIAÇÃO DE 2.999 VAGAS NO MÊS DE JUNHO No primeiro semestre foram criados 54.386 postos de trabalho em Santa Catarina Em junho, o emprego com carteira

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados julho/15 21 de agosto de 2015 Secretaria de Política Econômica CRIAÇÃO LÍQUIDA DE POSTOS DE TRABALHO (variação mensal absoluta do emprego*) Critério

Leia mais

Perfil das Micros e Pequenas Empresas no Município de Manaus. Termo de Contrato Nº. 005/2011 SEMTRAD e DIEESE

Perfil das Micros e Pequenas Empresas no Município de Manaus. Termo de Contrato Nº. 005/2011 SEMTRAD e DIEESE Perfil das Micros e Pequenas Empresas no Município de Manaus Termo de Contrato Nº. 005/2011 SEMTRAD e DIEESE NOVEMBRO DE 2011 SECRETARIA MUNICIPAL DE TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL - SEMTRAD Prefeito

Leia mais

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE

Conceitos. Empreendedor M E T O D O L O G I A. Atividade Empreendedora. Empreendedorismo. * Fonte: OCDE METODOLOGIA M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Atividade Empreendedora Empreendedorismo * Fonte: OCDE M E T O D O L O G I A Conceitos Empreendedor Indivíduo que tenciona gerar valor através da

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Registro 2 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

DESENVOLVIDO PELO Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), este estudo aponta um positivo crescimento do emprego

DESENVOLVIDO PELO Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), este estudo aponta um positivo crescimento do emprego DESENVOLVIDO PELO Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), este estudo aponta um positivo crescimento do emprego formal do engenheiro entre 2003 e 2013. O salto foi

Leia mais

Gráfico 01: Estados brasileiros - Evolução do emprego formal - primeiro semestre de 2014 Variação relativa (%)

Gráfico 01: Estados brasileiros - Evolução do emprego formal - primeiro semestre de 2014 Variação relativa (%) 1,96 1,96 1,76 1,73 1,54 1,47 1,37 0,92 0,85 0,74 0,50 0,46 0,31 Nº 17 / 14 Embora o cenário macroeconômico aponte perda de dinamismo para setores importantes da economia brasileira, os resultados do emprego

Leia mais

Informativo PIB Trimestral

Informativo PIB Trimestral Informativo PIB Trimestral v. 5 n. 1 jan.-mar. 2014 ISSN 2178-8367 Atividade econômica baiana cresce 2,0% no primeiro trimestre de 2014 O recente dado do Produto Interno Bruto a preços de mercado (PIBpm)

Leia mais

Desafios e Oportunidades do IFRN: Aspectos Econômicos e Desenvolvimento Regional numa Perspectiva de Consolidação de CT&I

Desafios e Oportunidades do IFRN: Aspectos Econômicos e Desenvolvimento Regional numa Perspectiva de Consolidação de CT&I Desafios e Oportunidades do IFRN: Aspectos Econômicos e Desenvolvimento Regional numa Perspectiva de Consolidação de CT&I José Yvan Pereira Leite leite@cefetrn.br Fonte: INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA

Leia mais

Perfil Econômico Municipal

Perfil Econômico Municipal indústria Extração de carvão mineral Extração de petróleo e gás natural Extração de minerais metálicos Extração de minerais não-metálicos Fabricação de alimentos e bebidas Fabricação de produtos do fumo

Leia mais

SECRETARIA DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO E MINERAÇÃO SICM SUPERINTENDÊNCIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS SCS Informativo CODAV ATACADO, VAREJO E DISTRIBUIÇÃO

SECRETARIA DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO E MINERAÇÃO SICM SUPERINTENDÊNCIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS SCS Informativo CODAV ATACADO, VAREJO E DISTRIBUIÇÃO PÁGINA 1 Página 1 SECRETARIA DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO E MINERAÇÃO SICM SUPERINTENDÊNCIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS SCS Informativo CODAV ATACADO, VAREJO E DISTRIBUIÇÃO I N F O R M A T I V O B I M E S T R A L

Leia mais

Emprego Industrial Março de 2015

Emprego Industrial Março de 2015 Emprego Industrial Março de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de março de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina cresceu em relação ao estoque de fevereiro (3.948 postos e variação de 0,2%). A indústria

Leia mais

BOLETIM MENSAL Julho/2011

BOLETIM MENSAL Julho/2011 Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho BOLETIM MENSAL Julho/2011 DADOS: CAGED (MTE) Mês/Ano RAIS (MTE) 2010 Este número do Boletim do Observatório do Emprego e do Trabalho da Secretaria do Emprego

Leia mais

PROGRAMA CREDIBAHIA E PERFIL DOS POTENCIAIS CLIENTES PARA A POLíTICA DE MICROCRÉDITO NO ESTADO DA BAHIA

PROGRAMA CREDIBAHIA E PERFIL DOS POTENCIAIS CLIENTES PARA A POLíTICA DE MICROCRÉDITO NO ESTADO DA BAHIA Observatório do Trabalho da Bahia PROGRAMA CREDIBAHIA E PERFIL DOS POTENCIAIS CLIENTES PARA A POLíTICA DE MICROCRÉDITO NO ESTADO DA BAHIA Contrato de Prestação de Serviços Nº. 004/2011 SETRE-BA e DIEESE

Leia mais

Gráfico 1: Goiás - Saldo de empregos formais, 2000 a 2013

Gráfico 1: Goiás - Saldo de empregos formais, 2000 a 2013 O perfil do mercado de trabalho no estado de Goiás reflete atualmente as mudanças iniciadas principalmente no final da década de 1990, em que se destacam o fortalecimento do setor industrial e sua maior

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO NO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA

MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO NO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA 2015 MOVIMENTAÇÃO DO EMPREGO NO SETOR DA ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Presidente Nacional José Roberto Bernasconi Diretor Executivo

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL Franca 4 o trimestre de 2015 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo,

Leia mais

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria

Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria Impactos da Crise Financeira sobre a Produção da Indústria A evolução dos principais indicadores econômicos conjunturais sugere a paulatina dissipação dos efeitos da intensificação da crise financeira

Leia mais

Supermercados em 2012

Supermercados em 2012 Junho de 2013 número 5 Supermercados em 2012 Uma análise dos principais indicadores Com o objetivo de subsidiar os dirigentes sindicais para as negociações salariais, a Rede Comerciários do DIEESE - Departamento

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E

O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E O MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA EM 2011 E 2012 Camila Cristina Farinhaki Henrique Alves dos Santos Lucas Fruet Fialla Patricia Uille Gomes Introdução Este artigo tem como objetivo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro

Unidade de Gestão Estratégica. Perfil Socioeconômico. Regional Centro Unidade de Gestão Estratégica Perfil Socioeconômico Regional Centro Sebrae em Conselho Deliberativo Pedro Alves de Oliveira Presidente Diretoria Executiva Igor Montenegro Diretor Superintendente Wanderson

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO INSTITUTO MAURO BORGES DE ESTATÍSTICAS E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS-IMB

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO INSTITUTO MAURO BORGES DE ESTATÍSTICAS E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS-IMB ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO INSTITUTO MAURO BORGES DE ESTATÍSTICAS E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS-IMB Superintendência de Estatísticas, GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Marconi Ferreira

Leia mais

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução

NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução NOVAS ESTIMATIVAS DO MODELO DE GERAÇÃO DE EMPREGOS DO BNDES* Sheila Najberg** Roberto de Oliveira Pereira*** 1- Introdução O Modelo de Geração de Empregos do BNDES 1 (MGE) estima o número de postos de

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL RM do Vale do Paraíba e Litoral Norte 4 o trimestre de 2013 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais

Leia mais

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados EMPREGO FORMAL 3 o trimestre de 2014 Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), os empregos formais celetistas no Estado de São Paulo, no

Leia mais

Análise dos resultados Panorama geral

Análise dos resultados Panorama geral Análise dos resultados Panorama geral Durante o período de 2005 a 2008, o Produto Interno Bruto - PIB brasileiro passou de cerca de R$ 2,2 trilhões para R$ 3,0 trilhões, a valores correntes, com uma taxa

Leia mais

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas

Comentários gerais. desta publicação. 5 O âmbito de atividades da pesquisa está descrito com maior detalhamento nas Notas técnicas Comentários gerais Pesquisa Anual de Comércio - PAC investiga a estrutura produtiva do A segmento empresarial do comércio brasileiro, sendo os resultados referentes a 2012 divulgados neste volume. A pesquisa

Leia mais

Informativo PIB Trimestral

Informativo PIB Trimestral Informativo PIB Trimestral v. 1 n. 1 abr. jun. 2010 ISSN 2178-8367 Economia baiana cresce 10,4% no segundo trimestre e acumula alta de 10,0% no 1º semestre No segundo trimestre de 2010, a economia baiana

Leia mais

COPA DAS CONFEDERAÇÕES 2013: REFLEXÕES PARA O CASO DE FORTALEZA

COPA DAS CONFEDERAÇÕES 2013: REFLEXÕES PARA O CASO DE FORTALEZA Agosto de 2013 COPA DAS CONFEDERAÇÕES 2013: REFLEXÕES PARA O CASO DE FORTALEZA Inúmeras são as projeções realizadas sobre os impactos econômicos, políticos e sociais, nos períodos que antecedem a realização

Leia mais

PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA

PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA PANORAMA DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO BRASILEIRA 3ª Edição Última atualização 07 de Março de 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 1. A DESINDUSTRIALIZAÇÃO NO BRASIL... 6 1.1. Evolução da Participação da Indústria

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS O COMÉRCIO RESPONDE POR 12,7% DO PIB BRASILEIRO O COMÉRCIO VAREJISTA É RESPONSÁVEL POR 42% DO COMÉRCIO

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Boletim Informativo - Emprego em junho de 2015 EXPEDIENTE

Boletim Informativo - Emprego em junho de 2015 EXPEDIENTE Boletim Informativo Emprego em Guarulhos Mês de referência: junho/2015 Boletim Informativo - Emprego em junho de 2015 DIRETORIA PRESIDENTE Aarão Ruben de Oliveira VICE-PRESIDENTE Jorge Alberto Taiar SECRETÁRIO

Leia mais

CONTRATO Nº 068/2009 RELATÓRIO TRIMESTRAL SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE OSASCO - JULHO A SETEMBRO DE 2011 -

CONTRATO Nº 068/2009 RELATÓRIO TRIMESTRAL SOBRE O MERCADO DE TRABALHO DO MUNICÍPIO DE OSASCO - JULHO A SETEMBRO DE 2011 - PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E INCLUSÃO (SDTI) DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE) PROGRAMA OSASCO DIGITAL OBSERVATÓRIO

Leia mais

O mercado de trabalho no setor de A&EC

O mercado de trabalho no setor de A&EC O mercado de trabalho no setor de A&EC (RAIS) 2012 Relatório dos empregos formais por categoria profissional. SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA CONSULTIVA Presidente Nacional

Leia mais

ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO DO AGRONEGÓCIO NO ESTADO DE MATO GROSSO E BRASIL

ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO DO AGRONEGÓCIO NO ESTADO DE MATO GROSSO E BRASIL Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO DO AGRONEGÓCIO NO ESTADO DE MATO GROSSO E BRASIL outubro/2011 PANORAMA BRASIL ESTOQUE DE EMPREGOS FORMAIS POR SETOR DE ATIVIDADE

Leia mais

QUADRO MATRIZ DE QUALIFICAÇÃO SOCIAL E PROFISSIONAL - PLANTEQ BAHIA 2011

QUADRO MATRIZ DE QUALIFICAÇÃO SOCIAL E PROFISSIONAL - PLANTEQ BAHIA 2011 GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE SETRE SUPERITENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO SUDET COORDENAÇÃO DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL COQUAP QUADRO MATRIZ DE QUALIFICAÇÃO

Leia mais

Política de Valorização do Salário Mínimo:

Política de Valorização do Salário Mínimo: Nota Técnica Número 143 janeiro 2015 Política de Valorização do Salário Mínimo: Salário Mínimo de 2015 fixado em R$ 788,00 Salário Mínimo de 2015 será de R$ 788,00 A partir de 1º de janeiro de 2015, o

Leia mais

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL SETOR DE ALIMENTOS: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, DEZEMBRO DE 2012 18 2012 PANORAMA GERAL

Leia mais

Nº 75 Março 2014 Análise da Evolução das Vendas do Varejo Cearense - 2007 a 2013

Nº 75 Março 2014 Análise da Evolução das Vendas do Varejo Cearense - 2007 a 2013 Nº 75 Março 2014 Análise da Evolução das Vendas do Varejo Cearense - 2007 a 2013 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador SECRETARIO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS

Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS CAPÍTULO 5 Caracterização das Atividades de Software e Serviços de TI Realizadas na NIBSS Apresentação Neste capítulo, avaliam-se a importância e o crescimento, ao longo do período 2003 a 2010, das atividades

Leia mais

Nº 77 agosto de 2015 Balanço das negociações dos reajustes salariais do 1º semestre de 2015

Nº 77 agosto de 2015 Balanço das negociações dos reajustes salariais do 1º semestre de 2015 Nº 77 agosto de 2015 Balanço das negociações dos reajustes salariais do 1º semestre de 2015 Balanço das negociações dos reajustes salariais do 1º semestre de 2015 No primeiro semestre de 2015, a maior

Leia mais