Inovatec (Portugal) Lda. Associação Industrial do Minho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inovatec (Portugal) Lda. Associação Industrial do Minho"

Transcrição

1 TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

2 5 Um estudo Inovatec (Portugal) Lda para Associação Industrial do Minho

3 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO MERCADOS 6 AIMinho - Associação Industrial do Minho Av. Dr. Francisco Pires Gonçalves, 45 - Ap Braga Novembro de 2003

4 Eduardo J. C. Beira Universidade do Minho 7

5 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO MERCADOS Coordenação: Eduardo J. C. Beira Universidade do Minho 8 Equipe de projecto: Ana Prudente:: Eduardo Beira:: Ricardo Fernandes:: Eduardo Beira Professor (convidado) na Universidade do Minho (Departamento de Sistemas de Informação), desde 2000, onde se interessa pela temática dos mercados e negócios de tecnologias da informação e comunicação e pelo desenvolvimento regional. Engenheiro químico (FEUP, 1974), foi gestor e administrador de empresas de serviços e industriais durante mais de vinte anos, dpois de uma primeira carreira académica na Universidade do Porto. É coordenador geral do Minho Campus Party desde o início do evento (2001). Ana Prudente Designer de comunicação (Escola Superior de Arte em Design, 1999). Responsável pela imagem e design gráfi co na Inovatec Lda. Ricardo Fernandes Licenciado em Informática de Gestão (Universidade do Minho, 2003) Responsável pelo suporte técnico e informático na Inovatec Lda.

6 9

7 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO MERCADOS 10

8 ÍNDICE 11 PARTE I O MERCADO GLOBAL1 I.1. DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA E ESTRUTURA TI / C DOS MERCADOS TIC1 I.2. ESTRUTURA POR NATUREZA DOS MERCADOS TIC15 I.3. OS MERCADOS DE TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO (TI) DESENVOLVIMENTO E MERCADOS TIC: UE E PAÍSES DE LESTE33 I.5. OS ACTORES EMPRESARIAIS49 PARTE II O MERCADO PORTUGUÊS DE TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO (TI)61 II.1. ANOS 90: UMA DÉCADA DE (MUITO) FORTE CRESCIMENTO61 II.2. UMA DÉCADA DE ALTERAÇÕES ESTRUTURAIS DO MERCADO65 II.3. O MERCADO IBÉRICO69 II.4. AS TRAJECTÓRIAS DOS MERCADOS73 II.5. NOVOS ACTORES E NOVAS QUALI- FICAÇÕES77 II.6. ESTRUTURA DO TECIDO EMPRESARIAL E DA MÃO DE OBRA83 II.7. O SECTOR TIC E O CLUSTER TIC EM PORTUGAL93 II.8. OS ACTORES EMPRE- SARIAIS99 II.9. DA PERIFERIA PARA O CENTRO DA DECISÃO POLÍTICA107 II.10. INTERNACIONALIZAÇÃO109 II.11. UMA AVALIAÇÃO QUALITATIVA DO DESEMPENHO PORTUGUÊS113 II.12. OFERTA DE ENSINO SUPERIOR117 II.13. ANÁLISE SWOT DO SECTOR EM PORTUGAL119 PARTE III III. OS MERCADOS REGIONAIS127 III.1. MERCADOS REGIONAIS TI EM PORTUGAL E ESPANHA127 PARTE IV IV. PROSPECTIVA DOS MERCADOS TIC149 IV.1 TENDÊNCIAS E PROSPECTIVAS149 BIBLIOGRAFIA E REFERÊNCIAS163

9 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO MERCADOS 12 ÍNDICE Lista de fi guras PARTE I Figura 1 Mercados TIC, TI e C (2002)6 Figura 2 Estrutura (TI vs C) dos mercados TIC (2002)7 Figura 3 Estrutura territorial dos mercados TI e C (2002)7 Figura 4 Mercados TIC: componentes (TI e C) em volume8 Figura 5 Mercados TIC: estrutura percentual (TI vs C)8 Figura 6 Mercados TIC: evolução da estrutura (TI e C) 2002 e Figura 7 Variação de mercados TIC entre 1998 e 2002: componentes TI e C9 Figura 8 Taxa acumulada de variação (%) das componentes TI e C dos mercados TIC, entre 1998 e Figura 9 Estrutura territorial dos mercados TI e C em 1998 e Figura 10 Variação dos mercados TIC entre 1998 e 2002: Europa11 Figura 11 Crescimento acumulado do mercado TIC entre 1998 e 2002: Europa11 Figura 12 Mercados TI e C: taxas de crescimento acumulado entre 1998 e Figura 13 Estrutura (TI e C) dos mercados TIC em 1998 e Figura 14 Estrutura (TI e C) do mercado TIC da Europa, em 1998 e Figura 15 Mercados TIC em Portugal, Espanha, França e Reino Unido: estrutura por segmentos em 2000 e Figura 16 Taxas de variação cumulativa, entre 2000 e 2002, por segmentos do mercado TIC em Portugal, Espanha, França e Reino Unido22 Figura 17 Taxas de variação cumulativa estimadas, 2002 a 2004, para os segmentos do mercado TIC em Portugal, Espanha, França e Reino Unido24 Figura 18 Mercado global TI: distribuição geográfi ca e por segmento27 Figura 19 Mercados TI; 2002; valores por segmentos28 Figura 20 Mercados TI, 2002: estimativa por segmentos (%)28 Figura 21 Taxas anuais de crescimento do mercado TI em Portugal, Espanha, França e Reino Unido e UE30 Figura 22 Mercados TI na Europa Ocidental: taxas de crescimento reais ( ) e estimadas ( )30 Figura 23 Taxas de crescimento dos mercados TI na Europa Ocidental e na Europa de Leste31 Figura 24 PIB (produto interno bruto) dos países da UE, Japão e USA (2002)38 Figura 25 PIB per capita (produto interno bruto por habitante) dos países da UE, Japão e USA (2002)38 Figura 26 Mercados TIC dos países da UE, Japão e USA (2002)39 Figura 27 Mercados TIC dos países da UE, Japão e USA (2002)39 Figura 28 Valores do mercado TIC per capita dos países da UE, Japão e USA40 Figura 29 Valores per capita do mercado TIC dos países da UE em função do PIB per capita40 Figura 30 Valores per capita do mercado TI e C, em países da UE, em função do PIB per capita41 Figura 31 PIB per capita versus mercado TI como fracção do PIB dos vários países da UE41 Figura 32 PIB per capita versus mercado C (telecomunicações) como fracção do PIB dos vários países da UE42 Figura 33 PIB per capita versus mercado total TIC como fracção do PIB dos vários países da UE42 Figura 34 Valores do PIB (mercado interno bruto) dos países da UE, Japão, USA e da Europa de Leste43 Figura 35 Valores do PIB (produto interno bruto) dos países da UE, Japão, USA e da Europa de Leste, em escala logarítmica43 Figura 36 Valores dos mercados TIC dos países da UE, Japão, USA e Europa de Leste, por componentes TI e C44 Figura 37 Valores dos mercados TIC dos países da UE, Japão, USA e Europa de Leste, por componentes TI e C, em escala logarítmica44 Figura 38 Pequenos mercados TIC de países da UE, e Europa de Leste, por componentes TI e C45 Figura 39 PIB (Produto Interno Bruto) per capita dos países da UE, Japão, USA e Europa de Leste45 Figura 40 Mercados TIC per capita dos países da UE, Japão, USA e Europa de Leste46 Figura 41 Valores do Mercado TIC per capita versus PIB per capita para os países da UE e da Europa de Leste46 Figura 42 Valores per capita dos mercados TI e C dos países da UE e da Europa de Leste em função do PIB per capita47 Figura 43 Valores per capita do mercado TI em função fracção que o mercado TI representa do PIB dos Países da UE e da Europa de Leste47 Figura 44 Valor per capita do mercado C (telecomunicações) dos países da UE e da Europa de Leste em função da fracção que esse mercado representa do PIB de cada país48 PARTE II Figura 1 Estrutura do mercado TI em Portugal, por tipo de clientes, em 1990 e Figura 2 Evolução do mercado TI em Portugal, por segmento, na década de 9067 Figura 3 Segmentos do mercado TI em Portugal, 1990 e Figura 4 Mercados TI de Portugal e de Espanha em 1990 e Figura 5 Mercados TI Ibérico, 1990 e Figura 6 Evolução do mercado TI em Portugal, desde Figura 7 Evolução do mercado TI em Portugal e vendas da IBM em Portugal, desde Figura 8 Mercados TI em Portugal e em Espanha, desde Figura 9 Fracção de trabalhadores (entre os 25 e 69 anos) nas empresas de serviços TI e na indústria transformadora com nível de formação post secundária86 Figura 10 Estrutura do número de empresas (à esquerda) e do emprego (à direita) por classes de dimensão das empresas em Portugal, Espanha, França e Reino Unido89 PARTEIII Figura 1 Volume de negócios das empresas CAE72 como proporção do mercado regional TI, Espanha

10 ÍNDICE Lista de quadros PARTE I Quadro I Mercados TI e TIC Variação 2002 vs Quadro II Segmento dos mercados TIC 2002)16 Quadro III Segmentos dos mercados TIC (2000)17 Quadro IV Variação dos segmentos dos mercados TIC entre 2000 e 2002 (valores absolutos de taxas de variação)18 Quadro V Estimativas de crescimento dos segmentos dos mercados TIC entre 2002 e 2004 (taxas anuais médias)18 Quadro VI Mercados TIC (Europa) entre 2000 e 2002: Portugal, Espanha, França e Reino Unido19 Quadro VII Mercados TIC em Portugal, Espanha, França e Reino Unido, 2000 e 2002: estrutura (%) por segmento e variação (taxa acumulada)21 Quadro VIII Crescimento estimado por segmento dos mercados TIC de Portugal, Espanha, França e Reino Unido, 2002 e Quadro IX Mercados TI (hardware, software e serviços) Quadro X Taxas de crescimento dos mercados globais TI e TIC, por região (1998 a 2002)29 Quadro XI Mercados de hardware, por tipo de equipamentos, em Portugal e outros países (2002)34 Quadro XII Produto interno bruto: e mercados TIC nos países da Europa de Leste, UE, USA e Japão36 Quadro XIII Empresas TIC na Fortune Global 500 (2002)50 Quadro XIII Empresas TIC na Fortune Global 500 (2002)51 Quadro XV Empresas de telecomunicações (C) na lista FT Global 500 (2003)52 Quadro XVI Empresas TI na lista FT Global 500 (2003)53 Quadro XVII Empresas TIC na lista FT Europa 500 (2003)54 Quadro XVIII Empresas TIC na lista FT Eastern Europe (2003)56 PARTE II Quadro I Mercado TI em Portugal: 1990 e Quadro II Evolução do mercado TI em Portugal, por segmento, na década de 9066 Quadro III Variação do mercado TI em Portugal na década de 9068 Quadro IV Mercados TI de Portugal e Espanha em 1990 e Quadro V Mercados TI Ibérico, 1990 e Quadro VI Top 10 das empresas TI em Portugal em Quadro VII Principais empresas do mercado TI em Espanha (1992, 1999)79 Quadro VIII Principais actores institucionais do ensino superior do mercado TI em Portugal (2000)80 Quadro IX Principais actores institucionais - organismos de interface - do mercado TI em Portugal (2000)81 Quadro X Principais actores institucionais - sistemas fi nanceiros - no mercado TI em Portugal (desde 1990), principais aplicações intermediadas pelas empresas 13 de capital de risco82 Quadro XI Capital humano do (CAE 72) sector TI em Portugal e Espanha (2000)85 Quadro XII Recursos humanos das empresas do CAE 72 em Portugal85 Quadro XIII Custo do trabalho e produtividade aparente dos serviços TI nos países da UE87 Quadro XIV Estrutura do parque de empresas e mão de obra de empresas de serviços TI em Portugal, Espanha, França e Reino Unido88 Quadro XV Empresas de software e serviços TI em Portugal (CAE 72), Quadro XVI Empresas de software e serviços TI em Portugal (CAE 72), Quadro XVII Evolução do CAE72 (empresas de software e serviços TI) em Portugal, 1997 a Quadro XVIII Sectores (CAEs) do cluster TIC94 Quadro XIX Sector TIC (a partir de CAEs) em Portugal, Quadro XX Cluster TIC (a partir de CAEs) em Portugal, Quadro XXI Sumário do Cluster TIC (a partir de CAEs) em Portugal Quadro XXII Empresas do sector TIC telecomunicações e electrónica na lista das 1000 mais (Expresso, 2002)100 Quadro XXIII Empresas do sector TI na lista 1000 Mais (Expresso, 2002)102 Quadro XXIV Sumário das empresas TIC nas listas 1000 Mais (Expresso 2002)104 Quadro XXV Empresas do sector TI ( 1000 Mais, Expresso 2002)105 Quadro XXVI Exportações TI de Espanha para a América Latina112 PARTE III Quadro I Distribuição regional das empresas do CAE 72 em Portugal 2000: número de empresas e emprego133 Quadro II Distribuição regional das empresas do CAE72 em Portugal: volume de negócios e prestação de serviços134 Quadro III Distribuição regional das empresas do CAE72 em Portugal: volume de negócios por milhares de euros135 Quadro IV Evolução da distribuição de empresas do CAE72 em Portugal: 1997 a 2000, principais NUTIII140 Quadro V Distribuição regional do mercado TI e empresas do CAE72 em Espanha (2000)141 Quadro VI Distribuição regional do mercado TI e empresas do CAE72 em Portugal (2000)143

11 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO MERCADOS ÍNDICE Lista de mapas 14 PARTE III Mapa 1 Número de empresas CAE por NUTIII em Portugal Mapa 2 Emprego em empresas do CAE72 por NUTIII em Portugal (2000)136 Mapa 3 Volume de negócios das empresas do CAE72 por NUTIII em Portugal (2000)137 Mapa 4 Contribuição da prestação de serviços (%) para o volume de negócios das empresas do CAE72 por NUTIII em Portugal (2000)137 Mapa 5 Volume médio de negócios por empresa do CAE72 por NUTIII em Portugal (2000)138 Mapa 6 Volume médio de negócios das empresas do CAE72 por mil habitantes residentes por NUTIII em Portugal (2000)138 Mapa 7 Volume médio de negócios das empresa do CAE72 por NUTIII em Portugal (2000) como fracção do PIB regional, unidade milhares de euros139 Mapa 8 Dimensão média das empresas do CAE72 por NUTIII em Portugal (2000)139 Mapa 9 Distribuição regional dos mercados de empresas médias e grandes TI (DPP, ProInov, 2002)144

12 15

13 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO MERCADOS 16

14 INTRODUÇÃO Este ensaio procura sistematizar o conhecimento sobre os mercados de tecnologias da informação e comunicação, numa perspectiva macro e com maior detalhe sobre os mercados das tecnologias de informação. Na realidade apenas se tratam os mercados de telecomunicações como contraponto e referencia aos mercados de tecnologias de informação. O principal objectivo do trabalho diz respeito às tecnologias da informação. Procura-se também tratar sucessivamente e de forma sistemática os vários níveis de mercados, desde o mercado global ao mercado europeu, e ainda ao mercado português (e ibérico) e fi nalmente aborda-se também o terreno ainda muito pouco explorado entre nós dos mercados regionais. Julga-se que uma compreensão e conhecimento destes mercados e das suas tendências pode ser útil aos actores do sector em Portugal e especialmente aos actores (empresariais e institucionais) do cluster high tech do Minho, cuja relevância e protagonismo tem vindo a ser crescente. 17

15 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO MERCADOS 18 O texto organiza-se em quatro partes. Na parte I trata-se a nível macro o mercado mundial TIC (tecnologias da informação e comunicação), incluindo portanto as vertentes de tecnologias de informação (TI) e de (tele)comunicações (C). Dá-se ênfase aos grandes mercados territoriais (USA, Japão Europa e resto do mundo), e no caso dos mercados europeus compara-se o mercado português com o de outros países da UE. Analisam-se ainda os segmentos desses mercados (I.2) e no caso dos mercados apenas de TI faz-se uma análise mais detalhada pelas suas componentes de hardware, software e serviços (II.3). A adesão próxima de um conjunto de países de Leste à União Europeia justifi ca um capítulo sobre esses mercados, numa análise comparativa (II.4). Finalmente identifi cam-se os principais actores empresariais dos mercados TIC globais e europeu (II.5). Na parte II trata-se a evolução do mercado português de tecnologias de informação, procurando-se identifi car o essencial da sua evolução na década de 90, e até aos dias de hoje, assim como as suas tendências actuais. Aproveita-se para abordar também o mercado ibérico e comparar as dimensões e dinâmicas dos mercados TI de Portugal e de Espanha, numa perspectiva de séries longas. Identifi - cam-se também os principais actores empresariais e institucionais e faz-se também uma avaliação do desempenho do sector TI em Portugal nas ultimas décadas, retomandose um exercício de análise SWOT do sector (ProInov, 2002; Beira e Machado, 2000). Algum do material desta parte II teve origem em comunicações apresentadas em reuniões do sector (Beira, 2001, em especial) e num contributo anterior para o projecto ET2000si (Beira, 2000).

16 A parte III procura abordar a questão da distribuição regional das actividades TI. A falta de informação sobre a dimensão dos mercados leva a procurar conhecer algo pela via do estudo do tecido empresarial de empresas de software e serviços. Faz-se uma análise comparativa entre o caso português e o caso espanhol, numa base de NUTs II. Apesar das limitações do exercício, são patentes as difi culdades de acesso ao centro do mercado para as empresas fora de Lisboa e Vale do Tejo. O nível de concentração do mercado nessa região é anormalmente alto para o que seria de esperar num país da actual UE. A parte IV retoma um exercício anterior de prospectiva sobre a evolução dos mercados de tecnologias e sistemas de informação, reformulando propostas anteriores (Beira e Machado, 2002). Temos dedicado nos últimos anos algum esforço à análise e compreensão dos mercados de tecnologias da informação, numa linha de trabalho então delineada em conjunto com o colega e amigo Professor Altamiro Machado, da Universidade do Minho. A sua morte prematura deixou um vazio que muito se lamenta. Aproveita-se por isso para se dedicar este trabalho à sua memória. Guimarães, Novembro de

17 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO MERCADOS 20

18 21

19 PARTE I O mercado global I.1 Distribuição geográfi ca e estrutura TI/C Neste capítulo procura-se responder a duas questões: - Quanto vale o mercado mundial de TICs, qual a sua estrutura por natureza (TI e C) e qual a sua distribuição pelas grandes zonas geográfi cas do mercado global? Consideram-se para isso quatro grandes zonas: USA, Europa, Japão e Resto do Mundo. - E qual foi a sua evolução mais recente? Analisar-se-á a evolução entre 1998 e O quadro I mostra a distribuição geográfi ca dos mercados TI e TIC em 2002 e em Em 2002 o mercado dos USA representa a maior parcela (33% do valor do mercado mundial TIC), seguido da Europa (29%, incluindo a Europa de Leste que representa apenas cerca de 2%) e do Japão (12%). O resto do Mundo representa, em conjunto, um pouco mais de um quarto do mercado mundial. Os USA são o maior mercado TIC do Mundo, mas também o maior mercado TI, representando 41% do mercado TI, mas apenas 25% do mercado C (telecomunicações) (figura 1). A Europa é o segundo maior mercado regional: 29% das TIC e 31% das TI, 28% das C. A UE representa 89% das TIC da Europa, quase 91% das TI e 87% das C. No seu conjunto a UE e os USA representam mais de metade do mercado mundial TIC (59%) e TI (69%) e cerca de metade do mercado C. Por sua vez os países da Europa de Leste representam 6.3% do mercado TIC europeu, apenas 3.9% das TI, mas 8.6% das C. Relativamente à actual UE (15) representam 7.1% das TIC, 4.3% das TI e 9.8% das C. O Japão vale 12% a 13% desses mercados. As TI representam 58% das TIC nos USA, 48% na Europa (mas 49.7% na Europa Ocidental e 49.3% na UE(15)), 45% no Japão e 28% no resto do Mundo (figura 2). O mercado mundial TIC vale cerca de 2.15 biliões de euros: cerca de 1000 biliões de euros das TI (tecnologias da informação) e 1153 biliões de euros para as telecomunicações. Logo as duas componentes (TI e C) do mercado TIC não são muito diferentes. A componente de telecomunicações tenda a ser dominante (figura 3), salvo nos 1 USA. Nos outros países (que não Europa, USA e Japão) a componente de telecomunicações é mais importante. De um modo geral, quanto mais desenvolvido for um país ou região, mais importante tende a ser o mercado TI relativamente ao mercado de telecomunicações. Esta análise será retomada mais à frente. O mercado das TI fora dos USA e da Europa representa apenas 28% do mercado mundial, mas o mercado C (telecomunicações) fora dos USA e da Europa representa 47% do mercado mundial. A figura 4 mostra os valores dos mercados TIC nas várias regiões, mas inclui ainda os mercados da Europa de Leste e de 4 países da UE (Portugal, Espanha, França e Reino Unido). Ressalta a pequena dimensão dos mercados TIC na Europa de Leste. Os mercados TIC da França e do Reino Unido são mais importantes do que o mercado total da Europa de Leste. Em capítulo à frente faz-se uma análise mais detalhada dos mercados destes países. A figura 5 mostra a importância relativa das componentes TI e C nos mercados TIC considerados. Portugal e Espanha

20 PARTE I_O mercado global I.1 Distribuição geográfi ca e estrutura TI/TIC 2 mostram um perfi l mais semelhante ao do Resto do Mundo, com as TI na casa dos 30% das TIC, do que semelhante aos perfi s da França e Alemanha, mais semelhantes ao dos USA, com as TIs a representar entre 50 a 60% das TICs. O Japão apresenta um perfi l intermédio. O quadro I compara também os dados de 2002 com os dados de 1998, e respectivas variações. Os mercados TI cresceram 15% (151 biliões de euros, de 837 para 988 milhões de euros) nesses quatro anos, mas as telecomunicações aumentaram 22% (333 milhões de euros, de 832 para 1165 biliões de euros). Na Europa de Leste, Japão e resto do Mundo o aumento de valor do mercado de telecomunicações foi especialmente mais forte do que o aumento verifi cado no mercado TI (6 a 7 vezes), enquanto que na Europa Ocidental e nos USA o aumento nas TI foi mais importante do que o aumento nas telecomunicações. Nesse período o aumento do mercado TIC foi relevante em Portugal (40%), especialmente nas TI (aumento cumulativo de 79%). A figura 6 compara os mercados TIC em 1998 e 2002 pelas quatro grandes zonas geográfi cas consideradas, nas suas componentes TI e C. Salienta-se o forte crescimento da componente TI na Europa e da componente C no Resto do Mundo, e, curiosamente, nos USA (onde o crescimento foi aliás pequeno nas TI). Isso é bem visível na figura 7, onde se decompõe o crescimento absoluto (em valor) de cada zona nas duas componentes de crescimento do mercado de TI e de crescimento de telecomunicações (C). A figura 8 traduz esse crescimento por taxas cumulativas (%). O mercado europeu de TI cresceu quase 50% (contra apenas 34% nas C), mas inversamente os mercados do Japão e do Resto do Mundo mostram um grande crescimento (64% e 53%) das telecomunicações (C), mas um crescimento inferior das TI. O caso dos USA é curioso: um crescimento fraco das TI, com maior crescimento das C um perfi l mais próximo do Resto do Mundo do que da Europa. Mas há que reconhecer que essas três zonas se encontram em fases diferentes do ciclo tecnológico. Enquanto que o crescimento das telecomunicações é primário no Resto do Mundo, a Europa está já numa fase de sofi sticação que se traduz numa maior intensidade do crescimento das TI, mas essa fase terá já amadurecido nos USA e aí uma nova geração de necessidades, plataformas e suportes justifi ca um novo impulso de maior crescimento das telecomunicações do que das TI.

21 A evolução da distribuição geográfi ca dos mercados TI e C entre 1998 e 2003 apresenta-se na figura 9. A figura 10 estende a análise da fi gura 6 a Portugal e aos outros três países considerados da UE, assim como aos dados da UE, Europa Ocidental e Europa de Leste. A figura 11 compara grafi camente os crescimentos dos mercados TIC entre os anos de 1998 e 2002 e a figura 12 escalpeliza esse crescimento entre as componentes TI e C. Globalmente o dinamismo TIC da Europa de Leste foi inferior ao da UE (33% contra 40%) e também inferior ao de Portugal. O crescimento da componente C mostra no entanto um comportamento bem diferente do crescimento das TI: enquanto o mercado das TI cresceu apenas 16% no período de tempo analisado, o mercado das telecomunicações cresceu mais de 40%. A figura 13 compara as estruturas TI e C dos mercados TIC nas quatro grandes zonas territoriais consideradas. USA e Japão mostram o efeito de uma maior intensidade de telecomunicações sobre mercados TI já maduros, enquanto que a Europa ainda mostra um reforço das TI e o Resto do Mundo ainda não mostra um impacto signifi cativo do crescimento das TI. A figura 14 estende a análise a Portugal e outros países comunitários e zonas geográfi cas. 3

22 PARTE I_O mercado global I.1 Distribuição geográfi ca e estrutura TI/TIC 4 TI = tecnologias da informação TIC = tecnologias da informação e comunicação O quadro mostra os valores (em biliões de euros) dos grandes mercados regionais ao nível mundial (Europa, US, Japão, resto do Mundo) numa segmentação do mercado global, com base nos dados da EITO. O mercado europeu é ainda dividido em Europa Ocidental e Europa Oriental e Central. Os países da Europa Central e Oriental são: Bulgária, República Checa, Estónia, Hungria, Letónia, Lituânia, Polónia, Roménia, Eslováquia e Eslovénia e corresponde ao conceito habitual de Europa de Leste. A maior parte destes países estão em processo adiantado de adesão à UE. Considera-se Europa Ocidental o mercado conjunto da UE (15) com a Suécia e a Suiça. Apresentam-se também os valores do mercado da União Europeia UE(15) e relativos a Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Noruega, Portugal, Espanha, Reino Unido. Quadro I Mercados TI e TIC (2002 e 1998) As colunas % representam a fracção que cada um dos mercados representa do mercado mundial. As colunas var% representam as taxas relativa de cresimento. A coluna TIC/TI é o quociente entre os valores dos mercados TIC e TI. O mercado mundial TIC é 2.2 vezes maior que o mercado das TI. No entanto esse ratio varia muito de região para região e de pais para país. É menor nos USA e Europa Ocidental, maior na Europa de Leste e no resto do Mundo: quanto mais desenvolvido for a economia, menor é esse quociente, o que refl ecte diferentes curvas de implementação das tecnologias: primeiro a componente C (comunicações) cresce mais do que a componente TI das TICs. O maior crescimento das TI exige já um certo nível de amadurecimento do mercado de telecomunicações. Mas não só: o mercado C responde a necessidades primárias de comunicação anteriores, ou prioritárias, sob o ponto de vista de desenvolvimento, à sofi sticação das TI. Incluem-se ainda os dados de Portugal, Espanha, França e Reino Unido, com o objectivo de localizar a situação portuguesa não só no contexto dos grandes mercados mundiais, mas também com os seus parceiros da UE mais directos. O mercado TIC português representa cerca de 0,4% do mercado mundial, um valor naturalmente pequeno mas muito acima da representatividade da população. Os dados TIC e TI por países mostram uma tendência semelhante. Portugal (e ainda a Espanha) apresentam um ratio TIC/TI muito superior ao da França ou do Reino Unido. Fonte: EITO (2003) /EITO (2000)

23 Quadro I Mercados TI e TIC Variação 2002 vs 1998 TI b. % TIC b % TIC/TI x TI b. % TIC b. % TIC/TI x Europa Ocidental % % 2, % % 2, % % 1,8 Europa Central e Oriental 12 1% 40 2% 3,4 10 1% 30 2% 3,0 2 16% 10 33% 6,3 Europa % % 2, % % 2, % % 1,9 TI b. var % TIC b. var % TIC/TI x US % % 1, % % 1,6 24 6% 79 13% 3,3 Japão % % 2, % % 1,8 9 8% 67 33% 7,4 Resto do mundo % % 3, % % 3, % % 7,1 Mundo (total) % % 2, % % 2, % % 3,2 5 Portugal 2,5 0% 8,2 0% 3,3 1,4 0% 5,8 0% 4,2 1,1 79% 2,3 40% 2,1 Espanha 11 1% 35 2% 3,0 8,6 1% 27 2% 3,2 2,9 33% 7,3 27% 2,5 França 50 5% 89 4% 1,8 37 4% 67 4% 1, % 22 32% 1,6 Reino Unido 64 6% 119 6% 1,9 42 5% 79 5% 1, % 40 50% 1,8 UE % % 2, % % 2, % % 1,8

24 PARTE I_O mercado global I.1 Distribuição geográfi ca e estrutura TI/TIC Valor dos mercados mundiais TIC, TI e C por grandes áreas regionais. Valores em biliões de euros. Os USA são o maior mercado regional do Mundo, representando 33% do mercado TIC e 41% do mercado TI, mas apenas 25% do mercado C (telecomunicações). A Europa é o segundo maior mercado regional: 29% das TIC e 31% das TI, 28% das C. A UE representa 89% das TIC da Europa, quase 91% das TI e 87% das C. No seu conjunto a UE e os USA representam mais de metade Figura 1 Mercados TIC, TI e C (2002) do mercado mundial TIC (59%) e TI (69%) e cerca de metade do mercado C. Por sua vez os países da Europa de Leste representam 6.3% do mercado TIC europeu, apenas 3.9% das TI, mas 8.6% das C. Relativamente à actual UE (15) representam 7.1% das TIC, 4.3% das TI e 9.8% das C. O Japão vale 12% a 13% desses mercados. Fonte: EITO (2003) 306; 31% 408; 41% 6 TI 632; 29% 701; 33% 154; 16% Outros 120; 12% TIC Japão USA Europa 326; 28% 293; 25% C 552; 26% 268; 12% 148; 13% 398; 34%

25 Figura 2 Estrutura (TI vs C) dos mercados TIC (2002) Cada barra relativo ao mercado TIC aparece dividida nas suas componentes TI e C, com os respectivos valores em biliões de euros. As TI representam 58% das TIC nos USA, 48% na Europa (mas 49.7% na Europa Ocidental e 49.3% na UE(15)), 45% no Japão e 28% no resto do Mundo. Fonte: EITO (2003) C TI Europa USA Japão Outros 7 Figura 3 Estrutura territorial dos mercados TI e C (2002) 1400 O mercado das TI fora dos USA e da Europa representa apenas 28% do mercado mundial, mas o mercado C (telecomunicações) fora dos USA e da Europa representa 47% do mercado mundial. Valores em biliões de euros. Fonte: EITO (2003) Outros Japão USA Europa TI C

26 PARTE I_O mercado global I.1 Distribuição geográfi ca e estrutura TI/TIC 8 Figura 4 Mercados TIC: componentes (TI e C) em volume Valores em biliões de euros. Fonte: EITO (2003) UE Europa Ocidental Europa Central e Oriental Europa US Japão Resto do Mundo Portugal Espanha França Reino Unido % 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Figura 5 Mercados TIC: estrutura percentual (TI vs C) Valores em biliões de euros. Fonte: EITO (2003) UE Europa Ocidental Europa Central e Oriental Europa US Japão Resto do Mundo Mundo (total) Portugal Espanha França Reino Unido C TI C TI

27 Europa 1998 Europa 2002 USA 1998 USA 2002 Japão 1998 Japão 2002 Outros 1998 Outros 2002 Figura 6 Mercados TIC: evolução da estrutura (TI e C) 2002 e Valores em biliões de euros. Fonte: EITO (2003) C TI Figura 7 Variação de mercados TIC entre 1998 e 2002: componentes TI e C Valores em biliões de euros. Fonte: EITO (2003) C 80 TI Europa USA Japão Outros

28 PARTE I_O mercado global I.1 Distribuição geográfi ca e estrutura TI/TIC C Figura 8 Taxa acumulada de variação (%) das componentes TI e C dos mercados TIC, entre 1998 e 2002 Valores em %. Fonte: EITO (2003), EITO (2000) TI Europa USA Japão Outros Figura 9 Estrutura territorial dos mercados TI e C em 1998 e Valores em biliões de euros. Fonte: EITO (2003), EITO (2000) Outros Japão USA Europa TI1998 TI2002 C1998 C2002

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

Sociedade de Geografia de Lisboa

Sociedade de Geografia de Lisboa Sociedade de Geografia de Lisboa Tema A internacionalização das empresas portuguesas para os Países da Europa Central e Oriental (PECO) Autor Rui Paulo Almas Data Lisboa, 25 de Junho de 2012 1 A internacionalização

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

Inovatec (Portugal) Lda. Associação Industrial do Minho

Inovatec (Portugal) Lda. Associação Industrial do Minho 5 Um estudo Inovatec (Portugal) Lda para Associação Industrial do Minho TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ATLAS DO MINHO 6 AIMinho - Associação Industrial do Minho Av. Dr. Francisco Pires Gonçalves,

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 Paridades de Poder de Compra 2013 11 de dezembro de 2014 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 O

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC Seminário 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Casa própria ou arrendamento perfil da ocupação residencial emportugal Bárbara Veloso INE 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Sumário Aumentaram

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer pelo conjunto

Leia mais

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44 Quadro Número de empresas de seguros a operar em Portugal 24 Vida Não Vida Mistas Total Em regime de estabelecimento 2 46 2 78 Empresas de seguros de direito português 5 23 6 44 Empresas de seguros 5 2

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 21/12 Economia 20/12 Demografia Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 http://www.ine.pt/portal/page/portal/portal_ine/publicacoes?publicacoespub_boui=10584451&publicacoesm

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL

Observatório Pedagógico. Objectivos: Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal. Carlos Farinha Rodrigues DESIGUALDADE ECONÓMICA EM PORTUGAL Observatório Pedagógico Políticas Redistributivas e Desigualdade em Portugal Carlos Farinha Rodrigues ISEG / Universidade Técnica de Lisboa Objectivos: 21 22 23 24 25 26 29 21 22 23 24 25 26 29 "shares"

Leia mais

Comércio externo de moldes: Portugal, os últimos dez anos

Comércio externo de moldes: Portugal, os últimos dez anos Escola de EngenhariaUniversidade do Minho Departamento de Sistemas de Informação»«MERCADOS E NEGÓCIOS: DINÂMICAS E ESTRATÉGIAS Comércio externo de moldes: Portugal, os últimos dez anos Eduardo Beira WP

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Destaques do Education at a Glance 2014 Diretor de Estatísticas Educacionais Carlos Eduardo Moreno Sampaio

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

O contributo do Sistemas de Informação Geográfica na Gestão da Informação Estatística

O contributo do Sistemas de Informação Geográfica na Gestão da Informação Estatística O contributo do Sistemas de Informação Geográfica na Gestão da Informação Estatística 31 de Maio e 1 de Junho de 2007 Angra do Heroísmo ana.oliveira@ine.pt AGENDA 1. Enquadramento 2. Informação Geográfica

Leia mais

III SINGEP II S2IS UNINOVE

III SINGEP II S2IS UNINOVE III SINGEP II S2IS UNINOVE Painel Temático: Tendências em Inovação e Projetos Maria Celeste Reis Lobo de Vasconcelos celestevasconcelos@fpl.edu.br Contexto A inovação é uma grande força para o progresso

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Conta Satélite da Saúde 2010-2012Pe

Conta Satélite da Saúde 2010-2012Pe Conta Satélite da Saúde 21-212Pe 21 de junho de 213 Em 212 a despesa corrente em saúde voltou a diminuir Em 212, a despesa corrente em saúde voltou a diminuir significativamente (-5,5), após ter registado

Leia mais

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015 Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS O Preçário completo da Agência de Câmbios Central, Lda., contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=168982 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA 3º TRIMESTRE DE 2005 NOTA: O presente documento constitui

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2003 COM(2003) 26 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU PENSAR EM TERMOS DE PEQUENAS EMPRESAS NUMA EUROPA EM ALARGAMENTO COMUNICAÇÃO

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

SEPA - Single Euro Payments Area

SEPA - Single Euro Payments Area SEPA - Single Euro Payments Area Área Única de Pagamentos em euros APOIO PRINCIPAL: APOIO PRINCIPAL: Contexto O que é? Um espaço em que consumidores, empresas e outros agentes económicos poderão efectuar

Leia mais

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal Visita da missão de PPP do Ministério da Economia da Polónia a Portugal Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro EMBAIXADA DA POLÓNIA DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas. 2

Leia mais

Geografia 03 Tabata Sato

Geografia 03 Tabata Sato Geografia 03 Tabata Sato IDH Varia de 0 a 1, quanto mais se aproxima de 1 maior o IDH de um país. Blocos Econômicos Economia Globalizada Processo de Regionalização Tendência à formação de blocos econômicos

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Cartão Europeu de Seguro de Doença Nº: 20/DSPCS DATA: 18/05/04 Para: Todos os serviços dependentes do Ministério da Saúde Contacto

Leia mais

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit A solução para os seus problemas na Europa ec.europa.eu/solvit CONHEÇA OS SEUS DIREITOS Viver, trabalhar ou viajar em qualquer país da UE é um direito fundamental dos cidadãos europeus. As empresas também

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA?

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA? 1 NOTA INFORMATIVA 1. O que é a SEPA? Para harmonização dos sistemas de pagamento no espaço europeu no sentido de impulsionar o mercado único, foi criada uma Área Única de Pagamentos em Euro (denominada

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 3.1. Cartões de crédito Comissões (Euros) Redes onde o cartão é aceite 1. Anuidades 1 1.º Titular Outros Titulares 2. Emissão de cartão 1 3. Substituição de cartão 2 4. Inibição do cartão 5. Pagamentos

Leia mais

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital

Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital Participação Social das Pessoas com Deficiência Inclusão e Acessibilidade Digital U. Lusófona, 11 Jul 2009 Luis Magalhães UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento Ministério da Ciência, Tecnologia

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

Importações e Exportações Portuguesas de Produtos Energéticos

Importações e Exportações Portuguesas de Produtos Energéticos Em Análise Walter Anatole Marques 1 Importações e Exportações Portuguesas de Produtos A balança comercial de produtos de Portugal é fortemente deficitária, tendo o peso do seu défice no PIB aumentado mais

Leia mais

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional

Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Reforma da Segurança Social Prioridade Estratégica Nacional - A ligação entre os Fundos de Pensões e o 1 Os Fundos de Pensões em Portugal Início em 1987 Fundos de Pensões

Leia mais

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP Portugal

Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento, IP Portugal Computadores e Internet nas Escolas em Portugal IV Encontro sobre os Objectivos do Milénio da ONU e as TIC, dedicado às Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), Inovação e Conhecimento FIL, Parque

Leia mais

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes Este folheto explica as regras que se aplicam ao Benefício de

Leia mais

O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE

O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE Maria da Graça a Carvalho ISEP 27 Abril 2012 Índice Ensino Superior na Europa Investigação Científica na Europa Necessidade de Reforma das Instituições de E.S. Modernização

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação As políticas nacionais para a Sociedade do Conhecimento: literacia/competências digitais e inclusão social Graça Simões Agência para a Sociedade do Conhecimento UMIC Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro

Leia mais

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar 2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar Nome: N.º: Classificação: Ass.Professor: GRUPO I Este grupo é constituído

Leia mais

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português

imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português imigração e comércio internacional no contexto da integração europeia o caso português Nuno Gonçalves Ana Paula Africano Resumo: Palavras-chave Códigos JEL Abstract: Keywords model. JEL Codes 41 estudos

Leia mais

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE

Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA UNIÃO EUROPEIA ESTADOS-MEMBROS Direcção de Serviços das Questões Económicas e Financeiras DGAE / MNE Fevereiro de 2011 FICHA TÉCNICA Título Informação Estatística União Europeia/Estados-membros,

Leia mais

CARROS A GASÓLEO JÁ REPRESENTAM MAIS DE 60% DO MERCADO PORTUGUÊS

CARROS A GASÓLEO JÁ REPRESENTAM MAIS DE 60% DO MERCADO PORTUGUÊS News Release DATA: 30 de Janeiro CARROS A GASÓLEO JÁ REPRESENTAM MAIS DE 60% DO MERCADO PORTUGUÊS As vendas dos carros novos a gasóleo na Europa continuam a aumentar à medida que os consumidores trocam

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas O Instituto Nacional de Estatística apresentou os primeiros resultados 1 sobre o empreendedorismo em Portugal para o período

Leia mais

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Uma Rede de apoio à competitividade das empresas 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Quem somos Quem somos? Onde estamos? Criada pela Comissão Europeia no âmbito do Programa Quadro para a Competitividade

Leia mais

Newvision Quando a Internacionalizaçao faz parte do código genético. Marketing 07.10.2010

Newvision Quando a Internacionalizaçao faz parte do código genético. Marketing 07.10.2010 Newvision Quando a Internacionalizaçao faz parte do código genético. Marketing 07.10.2010 Institucional \ Quem Somos A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo disponibilizar

Leia mais

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial.

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. 1 Conteúdo Conceitos e definições segundo a NP 4456:2007 A inovação no mundo e em Portugal 2 Objectivos Situar a problemática

Leia mais

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR Revogada pela RN 020/06 Resolução Normativa RN-007/2006 Revoga a RN 001/05 TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR O Presidente do CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq,

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition. Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006

Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition. Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006 Education at a Glance: OECD Indicators - 2006 Edition Summary in Portuguese Panorama da Educação: Indicadores da OCDE Edição 2006 Sumário em Português Panorama da Educação oferece aos educadores, aos decisores

Leia mais

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009.

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009. Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA IMAGENS BASE Fonte: IBGE, 2009. Colégio A. LIESSIN Scholem Aleichem - 1 - NANDA/MAIO/2014-488 TEXTO BASE Os blocos

Leia mais

Retrato de Portugal alguns indicadores

Retrato de Portugal alguns indicadores Retrato de Portugal alguns indicadores Apresentação de Joel Felizes Resumo O Índice de Desenvolvimento Humano e o PIB A posição de Portugal vista em diversas dimensões Comparação a nível mundial e da UE

Leia mais

Continua a valer a pena investir em Olival em Portugal?

Continua a valer a pena investir em Olival em Portugal? Continua a valer a pena investir em Olival em Portugal? 10 Outubro 2012 Manuela Nina Jorge Índice 02 1. Enquadramento do sector do azeite e evolução mundial 2. Evolução do sector em Portugal nos últimos

Leia mais

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012?

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? junho 2012 PASSO A PASSO 1. 2. 3. 4. A União Europeia Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? Ano Europeu 2012: curiosidades iniciativas quiz Links para saber mais 1. A União Europeia 27 Estados-Membros

Leia mais

Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09-2015

Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09-2015 EUR / Kg Peso Carcaça CONJUNTURA SEMANAL Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013

Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013 Estatísticas das Receitas Fiscais 1995-2013 15 de maio de 2014 Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013 Em 2013, a carga fiscal aumentou 8,1%, após a diminuição observada em 2012,

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA 1952 CECA (TRATADO DE PARIS 18 de Abril 1951) Países aderentes: França Alemanha Bélgica Holanda Luxemburgo Itália Objectivos do Tratado de Paris: Criação do Mercado Comum

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Náutica Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro para

Leia mais

Porto, 6 de Maio de 2010

Porto, 6 de Maio de 2010 A Responsabilidade Social na Internacionalização Porto, 6 de Maio de 2010 Indíce 1. AICEP Modelo de Negócio e Objectivos 2. International Business Intelligence Unit 3. Empresas e Responsabilidade Social

Leia mais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais O Conselho Superior da Magistratura é membro de duas organizações internacionais que promovem a cooperação e concertação

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é aceite 1.º Titular Outros Titulares de (5) (1) 5. Recuperação de valores em divida (6) Millennium bcp Business Silver 28,85 19,23 26,44 Millennium

Leia mais

Notas sobre o formulário Acto de Oposição

Notas sobre o formulário Acto de Oposição INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (IHMI) Marcas, Desenhos e Modelos Notas sobre o formulário Acto de Oposição 1. Observações gerais 1.1 Utilização do formulário O formulário pode ser obtido

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS Parecer COM(2012)722 Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho - Plano de Ação para reforçar a luta contra a fraude e a evasão fiscais 1 PARTE I - NOTA INTRODUTÓRIA Nos termos do artigo

Leia mais

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006 PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006 Versão: 1.0 Pág.: 1/7 1. ACESSO DIRECTO Chamadas DENTRO DO PAÍS Não Corp Corp Local 0,0201 0,0079 Local Alargado 0,0287 0,0105 Nacional 0,0287 0,0105 FIXO MÓVEL

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

A EUROPA FINANCEIRA. Lisboa, 30 Novembro 2011

A EUROPA FINANCEIRA. Lisboa, 30 Novembro 2011 A EUROPA FINANCEIRA Lisboa, 30 Novembro 2011 As economias avançadas confrontam-se com o esgotamento do modelo de crescimento baseado num endividamento e com efeitos sofríveis no potencial de crescimento

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00 Almoço

Leia mais

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida 2 Sobre a COSEC Quem somos

Leia mais

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior O SNESup e o Núcleo de Estudantes de Sociologia da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra realizaram mais um debate integrado

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais