Relatório anual de administração

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório anual de administração"

Transcrição

1 J O R N A L D O S A P O S E N T A D O S E P E N S I O N I S T A S D A S I S T E L A N O II N º 7 A B R I L D E E D I T O R I A L ATIVO INFORMADO DE BEM COM A VIDA Relatório anual de administração As realizações de 2002 A Sistel faz questão de preservar a transparência no relacionamento que mantém com seu público. Seja por meio dos relatórios disponibilizados A Fundação Sistel de Seguridade Social apresenta a seus participantes, a suas patrocinadoras e à sociedade em geral, o seu Relatório Anual de Administração, contendo uma síntese dos fatos mais relevantes ocorridos durante o ano de pela entidade ou através dos canais I. Gestão empresarial sobre o desempenho de cada plano Sistema de gestão empresarial A Sistel, em maio de 2001, decidiu pela implantação da filosofia de Gestão Corporativa, com a aquisição do sistema denominado IFS-Financial, da empresa IFS do Brasil. O projeto contemplou inicialmente a área de controle através dos Módulos de Contabilidade, do Ativo Fixo, das Contas a Pagar e a Receber. O conceito adotado foi o de gradativamente integrar todos os sistemas da Sistel, resultando em menor tempo de resposta, segurança e rapidez nas informações prestadas. No decorrer do ano de 2002, foram desenvolvidas as seguintes etapas do sistema IFS: redesenho de todos os processos da Sistel; implantação do Ativo Fixo; implantação do Módulo Compras e Almoxarifado; início da fase de pré-produção do sistema contábil-financeiro. de comunicação mantidos, a Fundação procura atualizar constantemente os participantes que administra, bem como prestar outras informações relevantes. Esta edição especial do Jornal Sempre foi preparada com o intuito de levar às suas mãos um material abrangente, para que você acompanhe os principais feitos de Entre as ações desenvolvidas, está a pesquisa de opinião que ouviu participantes e representantes das patrocinadoras. De acordo com os dados apurados, o índice de aprovação geral da Sistel entre Sistema de Custos baseado em atividades (ABC) Transcorremos o exercício de 2002 aprimorando os critérios de apuração dos direcionadores de custos (drivers) e realizando estudos para melhoria do modelo, no sentido de otimizar a utilização da ferramenta (OROS) e a obtenção dos dados e relatórios de forma mais estruturada, ágil e segura. Promovemos, também, estudos comparativos entre os dados do sistema de rateio usado no modelo contábil e a metodologia ABC, procurando dar base à definição do conceito do custeio das despesas comuns pela Sistel Administradora. os aposentados foi superior a 90%. As páginas a seguir trazem destaques como os resultados da carteira de investimentos, a criação de dois planos, a adesão de novas patrocinadoras e os estudos em relação ao Pama. Confira!

2 Sempre 2 Realizamos, além disso, aprimoramentos e estudos de modificações do modelo ABC, estruturando sua automatização junto ao novo ERP (IFS) para a implantação na nova configuração do sistema contábil, nos primeiros meses de Iniciamos o desenvolvimento do módulo de direcionadores de custos para a obtenção dos apontamentos de horas de cada empregado e dos demais direcionadores de custos (drivers) junto aos diversos sistemas informatizados e às unidades administrativas. A instalação está programada para ocorrer em Outro aspecto considerado relaciona-se com o processo de cultura e desenvolvimento interno dos empregados, quando fizemos treinamentos sobre o conceito e a metodologia ABC, buscando a melhor classificação e apuração dos gastos e dos apontamentos e direcionadores de custos dos vários serviços e atividades realizados pela Fundação. Tributos A Sistel aderiu à anistia para pagamento do passivo contingencial, relativo ao Imposto de Renda sobre as aplicações financeiras, conforme previsto na Medida Provisória N 2.222, de 4 de setembro de Essa anistia consistiu no pagamento, apenas do valor principal provisionado, sem os valores de juros e correção monetária, que foram da ordem de R$ 500 milhões. O montante anistiado foi revertido para os planos de benefícios, de acordo com critérios técnicos estabelecidos segundo a política de recursos humanos de cada empresa patrocinadora. Outra boa notícia foi a decisão favorável à Sistel sobre o pagamento de Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), acatada no dia 18 de setembro de 2002 pelo Conselho de Contribuintes do Ministério da Fazenda. Tal decisão significa que a Sistel deixou de recolher aos cofres da Receita uma cobrança indevida na ordem de R$ 1,22 bilhão. Balancete de Operações Administrativas Através da Resolução do Conselho de Gestão da Previdência Complementar (CGPC) N 10, de 5 de julho de 2002, foi criada a estrutura do Balancete de Operações Administrativas, permitindo às Entidades Multiplanos, como é o caso da Fundação Sistel, que administra diversos planos de benefícios, centralizar os ativos e passivos administrativos (ativo permanente e fundo administrativo previdencial), em um balancete destinado às operações administrativas comuns aos planos de benefícios. Essa decisão resultou na melhoria do processo administrativo da Sistel, além de implementar a estrutura adequada às entidades administradoras de multiplanos de benefícios. II. Seguridade O ano de 2002 foi marcado por mudanças no contexto da previdência complementar, como a publicação, no dia 21 de maio de 2002, pelo CGPC, da Resolução N 7, que esclarece definitivamente que os fundos multipatrocinados, a exemplo da Sistel, enquadram-se na Lei Complementar N 109, por ser patrocinada predominantemente por empresas privadas concessionárias de serviço público. Além desses aspectos, vale destacar como ocorrências significativas do ano de 2002 a adesão de novas patrocinadoras, o lançamento de mais dois planos de previdência, a realização de pesquisa de opinião para medir o nível de satisfação do público Sistel e o incremento dos canais de comunicação com o participante. 1 Novas patrocinadoras e novos planos No ano de 2002, a Sistel passou a contar com mais três novas empresas patrocinadoras a Telefônica Gestão de Serviços Compartilhados do Brasil Ltda., a PADTEC e o Instituto Atlântico. Nos meses novembro e dezembro, foram lançados, respectivamente, o TIMPREV, em Recife, e o TelebrásPrev, em Brasília, mais dois novos planos de previdência da Sistel, ambos oferecidos aos participantes dos planos PBS. A adesão de mais três empresas patrocinadoras e a criação dos novos planos de benefícios vêm reforçar a confiança no trabalho da Fundação que, diante de tanta responsabilidade, não poupa esforços para realizar bons investimentos e preservar os recursos que administra. Os bons resultados da Sistel são derivados de uma ampla organização estratégica, na qual se misturam corpo técnico qualificado e investimentos com base no trinômio segurança, rentabilidade e liquidez. 2 Pesquisa de opinião Conhecer a imagem atribuída à Sistel em relação aos serviços que presta passou a fazer parte da rotina de trabalho na Fundação. Por essa razão, pelo terceiro ano consecutivo,

3 Sempre 3 a Sistel contratou o Instituto Vox Populi para realizar uma ampla pesquisa de opinião, que aconteceu no período de outubro a dezembro de Dessa vez, a pesquisa foi dividida em duas etapas: uma qualitativa e outra quantitativa. Na etapa qualitativa, foram entrevistados pessoalmente 11 diretores de recursos humanos das empresas patrocinadoras da Sistel e 12 representantes das associações de aposentados em todo o País. Já na etapa quantitativa, foram entrevistados participantes ativos e aposentados. Os resultados da pesquisa confirmaram claramente que o contato mais estreito estabelecido com o público traduziu-se em benefícios, através de ações como o investimento na Central de Relacionamento e a maior quantidade de informações disponíveis no Portal. Segundo os resultados da pesquisa, a familiaridade com a Fundação tem aumentado e, da mesma forma, cresce o nível de conhecimento sobre a atuação da entidade. O índice de aprovação geral da Sistel, entre os participantes ativos, ficou em 88,5% e, entre os participantes aposentados, em 91,7%. O nível de satisfação geral entre os participantes registrou números superiores a 80% para cada serviço. O objetivo da Sistel é manter a realização de uma pesquisa de satisfação de grande porte como essa, anualmente. 3 Canais de comunicação Sistel A Sistel sempre investiu no relacionamento com seus participantes, buscando aperfeiçoar os mecanismos de comunicação existentes e criando novos que permitam ao cliente maior interação com a Fundação. Esse compromisso da Sistel com a transparência da informação mereceu destaque na edição de maio de 2002 da Revista Fundos de Pensão, produzida pela Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Privada (ABRAPP). A revista apresentou o trabalho realizado pela Sistel como um caso de sucesso na comunicação com o público. Os canais Jornal da Sistel, Jornal Sempre, Central de Relacionamento, Portal e o novo Guia Web foram considerados, pela matéria, importantes meios de diálogo e um exemplo para outras fundações. Oferecer um número maior de serviços e facilidades a um tipo de cliente que já se acostumou com a variedade e a qualidade da informação é, mais do que um compromisso, uma obrigação da Sistel. Os participantes estão cada vez mais exigentes. Portanto, cabe à Sistel fazer jus às expectativas, com agilidade na comunicação, clareza em suas ações e serviços de excelência. 3.1 Central de Relacionamento Sistel Para orientar de forma eficiente e personalizada os seus participantes, a Sistel oferece, em sua Central de Relacionamento, três grandes áreas de comunicação o telemarketing receptivo, o telemarketing ativo e o backoffice. Durante o ano de 2002, o telemarketing receptivo recebeu mais de 376 mil ligações nas diversas células de atendimento. Quanto ao telemarketing ativo, foram feitos cerca de 15 mil contatos com participantes. Já o backoffice área responsável por responder as dúvidas mais específicas do telemarketing receptivo e os s que chegam à Central de Relacionamento, processou mais de 11 mil documentos. As informações mais solicitadas pelos participantes e as dúvidas mais freqüentes na Central de Relacionamento referem-se a informações sobre os novos planos lançados, sobre as simulações e datas de resgates e de crédito de benefícios, os boletos de manutenção de inscrição, a declaração de IR, as simulações, as concessões e os saldos devedores de empréstimos. 3.2 Portal Sistel No ano de 2002, a Sistel buscou oferecer em seu Portal na Internet ainda mais facilidades e tratamento individualizado, por meio de acesso a informações e serviços on-line. Pelo Portal, é possível realizar, por exemplo, consulta ao Extrato Consolidado Anual, ao Resultado Trimestral da Política de Investimentos, ao Demonstrativo Analítico de Investimentos e de Enquadramento das Aplicações (DAIEA), ao Relatório de Participação em Assembléias Gerais, ao Guia Web eletrônico, ao Balanço Patrimonial do Plano Específico e à Demonstração do Resultado do Exercício (DRE). Para os assistidos, ainda é oferecido acesso ao Demonstrativo de Pagamento de Benefícios (contracheque) e ao Extrato de Utilizações do Plano de Assistência Médica ao Aposentado (Pama). Todas essas facilidades permitem o acompanhamento da movimentação dos saldos de conta, da rentabilidade do plano e do desempenho da Sistel como administradora de planos de previdência, reforçando o compromisso da Fundação com a transparência da informação. E, quanto maior o grau de informação sobre a Sistel, disponível no Portal, maior a segurança em relação a ela e, conseqüentemente, maior a satisfação dos participantes. Para se ter uma idéia da importância do Portal para o participante,

4 Sempre 4 esse canal de comunicação registrou, em todo o ano de 2002, cerca de 488 mil acessos, sendo mais de 334 mil ao Serviços On-line. 3.3 Guia Web Com vistas ao futuro e à potencialidade do Portal como meio de comunicação com o participante, a Sistel criou e distribuiu, na primeira quinzena de março de 2002, o Guia Web, uma maneira prática de o participante entender como funciona o Portal da Fundação, passo a passo. Como decorrência, a quantidade de acessos ao ambiente seguro Sistel on-line, em 2002, teve um aumento de 273,28% em relação ao ano de Os demais links demonstraram um crescimento de, aproximadamente, 137,36% em relação ao ano de Jornal da Sistel Durante o ano de 2002, os participantes ativos e autopatrocinados da Sistel puderam conferir em quatro edições do Jornal da Sistel os fatos marcantes no mercado de previdência e as principais ações da Fundação para fortalecimento dos diversos planos por ela administrados. O Jornal da Sistel tem tiragem de 35 mil exemplares e é encaminhado para a residência dos participantes ativos e autopatrocinados em todo o Brasil. 3.5 Jornal Sempre Durante o ano de 2002, os participantes assistidos da Sistel puderam acompanhar, nas três edições do Jornal Sempre, o bom desempenho da Fundação em suas aplicações, administrando os recursos dos participantes com base em estudos e ações cautelosas na preservação do patrimônio, apesar do panorama desfavorável. O Jornal Sempre tem tiragem de 32 mil exemplares e é encaminhado para a residência dos participantes assistidos em todo o Brasil. 4 Equacionamento do Pama Como importante benefício para milhares de usuários, o Plano de Assistência Médica ao Aposentado (Pama) vem merecendo atenção especial da Sistel. Visando ao equacionamento do desequilíbrio financeiro atuarial do Pama e a minimizar o crescimento da dívida dos seus usuários, foram realizados vários estudos. Esses estudos voltaram-se à busca de alternativas para a continuidade do Pama, assim como à estruturação de um plano que proporcionasse aos nossos participantes assistência médica em suas necessidades de saúde e os desonerasse em caso de utilizarem eventos de alto custo, notadamente os relativos a internações. Objetivando um enfoque especial à assistência médica oferecida pelo Pama, foi criada a Superintendência de Planos Assistenciais e definidas diversas ações a serem colocadas em prática ao longo de 2003, como, por exemplo, os Programas de Saúde destinados à Prevenção e ao gerenciamento de doenças crônicas. 5 Informatização de processos de seguridade O ano de 2002 também foi marcado pela continuidade dos esforços da Sistel para o desenvolvimento do conjunto de sistemas informatizados. Assim, criaram-se ambientes específicos para os processos de cadastro de participantes, arrecadação de contribuições e respectivos controles financeiros de contas individualizadas, manutenção de inscrições, resgate de saldo de contas, emissão de extratos de contas e concessão/pagamento de benefícios, em função do seguimento das providências de operacionalização de planos de contribuição definida já instaurados. No final de 2002, várias ações de informatização pertinentes a esses mesmos processos foram adotadas em relação aos planos TIMPREV e TelebrásPrev, com início em novembro e dezembro, respectivamente. No segundo semestre do mesmo ano, tendo em vista a necessidade de incremento dos serviços que vêm sendo disponibilizados aos participantes no Portal Sistel na Internet, intensificou-se o desenvolvimento de simuladores de aposentadoria nos diversos planos de contribuição definida, medida com finalização prevista para Para o êxito da empreitada, a Sistel manteve o suporte de consultoria especializada em sistemas previdenciais trabalho associado ao empenho da equipe técnica na definição das necessidades, em consonância com os regulamentos dos planos, e também na validação dos sistemas desenvolvidos, o que exigiu engajamento adicional dos dirigentes, gerentes

5 Sempre 5 e técnicos, que se dedicaram à tarefa sem se afastar das rotinas normais de trabalho. Segmentos Valor Aplicado (R$ mil) Rentabilidade (%) % Aplicados em 31/12/02 Limites Resolução N Benefícios previdenciais No ano 2002, a Sistel concedeu suplementações de aposentadoria, 347 de pensão e 308 de auxílio-doença. Ao encerrar o ano, a Fundação contava com assistidos, sendo aposentados, pensionistas e 464 em auxílio-doença. 7 Benefícios assistenciais Em dezembro de 2002, o Plano de Assistência Médica ao Aposentado (Pama) já atendia a usuários, sendo participantes assistidos do Plano de Benefícios da Sistel-PBS e beneficiários. 8 Participantes No final do ano 2002, a Sistel contava com uma população de participantes de cerca de pessoas, entre ativos, autopatrocinados, aposentados, pensionistas e dependentes, assim distribuídos: PARTICIPANTES QUANTIDADE 31/12/2002 Ativos (vinculados e autopatrocinados) Assistidos Dependentes (Pama) TOTAL III. Investimentos Gestão e desempenho A forte aversão a risco nos mercados financeiros e de capitais foi a principal característica do ano de A desaceleração econômica global, a elevação da taxa de câmbio e da inflação no Brasil, aliadas ao processo eleitoral, foram os principais fatores de risco que afetaram a performance dos ativos brasileiros. Apesar do contexto desfavorável, a carteira de investimentos da Sistel como um todo, representada pelas aplicações em Renda Fixa, Renda Variável, Imóveis e Empréstimos a Participantes propiciou uma rentabilidade nominal acumulada de 17,20%. O quadro a seguir demonstra o valor do patrimônio (R$ milhões) e a rentabilidade nominal em cada segmento. Renda Fixa 6.555,28 22,17% 67% 100% Renda Variável 2.045,87 4,06% 27% 45% Imóveis 418,26 15,28% 5% 16% Empréstimos 66,97 20,67% 1% 10% TOTAL 9.190,96 17,20% 100% Em 31/12/2002, a Sistel não apresentou desenquadramentos relativos aos limites estabelecidos pela Resolução N 2.829/01. Renda Fixa CDBs, RDBs, Debêntures, Títulos Públicos, Fundos de Renda Fixa a carteira obteve uma rentabilidade de 22,17%, resultado acima da meta atuarial de 21,62 %, e bem superior ao desempenho do CDI, referencial do mercado de Renda Fixa, que foi de 19,11% no mesmo período. Destaca-se o posicionamento em ativos indexados ao IGP-M no início do ano, aposta que se mostrou vencedora em relação aos demais ativos de mercado. Como fator desfavorável, tivemos, em meados do ano, o evento da marcação a mercado dos ativos de Renda Fixa (valor de realização) que, embora correto do ponto de vista técnico, impôs perdas significativas às carteiras dos fundos de investimentos em geral. No caso da Sistel, as perdas foram menores em função de uma política de gestão conservadora, inclusive com a precificação dos ativos a valor de mercado anterior à exigência legal. Renda Variável Ações negociadas nas Bolsas de Valores, Fundos de Carteira Livre e Fundo de Private Equity apesar do ambiente desfavorável, a carteira de Renda Variável da Sistel apresentou uma valorização no ano de 2002 de 4,06%, superando o Índice Bovespa Médio, referencial do mercado de ações, que teve uma rentabilidade negativa de 17,80% no período. A performance favorável das ações preferenciais e das ordinárias da EMBRAER que obtiveram retornos superiores a 20% no ano, aliada a uma postura mais defensiva na seleção das demais ações, foram os principais destaques desse segmento no ano. Como fatores desfavoráveis, tivemos o provisionamento integral dos recursos aplicados no Fundo Alfa de Energia e a

6 Sempre 6 precificação das ações ordinárias da Paranapanema a valor patrimonial, o que significou perdas em relação ao último valor contábil. Carteira de imóveis Imóveis comerciais, shopping centers, hotéis etc. a carteira encerrou o ano de 2002 com uma rentabilidade de 17,20%, superior à de 2001, que foi de 9,92%. O resultado foi impactado favoravelmente pela reavaliação dos ativos imobiliários realizada em julho de Esse fator contribuiu para minimizar o aspecto desfavorável do cenário de locação de imóveis, principalmente no eixo Rio/São Paulo, onde a oferta de imóveis teve um forte crescimento sem a contrapartida da demanda, trazendo, com isso, uma pressão negativa sobre os preços dos aluguéis. Empréstimos a Participantes: encerra o ano com uma rentabilidade de 20,67%, contra 14,77% no ano de Essa performance consolida as mudanças ocorridas na operacionalização dos contratos de empréstimos a partir da nova legislação de investimentos de Finalizamos o exercício de 2002 próximos de contratos de empréstimos para os participantes da Sistel. Sistema de Administração de Carteiras SAC Foram implementadas diversas adaptações no sistema SAC, com o objetivo de controlar os investimentos dos Planos de Benefícios de acordo com os perfis de risco escolhidos pelos participantes. Também foram desenvolvidas adaptações destinadas a controlar o enquadramento dos investimentos da Sistel, conforme as regras estabelecidas pela Resolução N 2.829, do Banco Central do Brasil. Novos relatórios contribuem para melhorar as informações aos participantes Buscando ampliar o canal de informações aos participantes ativos e assistidos sobre o desempenho dos investimentos e das políticas e estratégias adotadas na gestão desses recursos, destacamos alguns veículos de informação que foram disponibilizados aos participantes ao longo de São eles: o Relatório de Acompanhamento das Políticas de Investimento/Demonstrativo Analítico de Investimentos e de Enquadramento das Aplicações DAIEA e o Relatório de Participação em Assembléias de Acionistas, além dos Informativos de Desempenho de Planos que sofreram algumas inovações com o objetivo de facilitar o entendimento das informações. O Relatório de Acompanhamento das Políticas de Investimento/ Demonstrativo Analítico de Investimentos e de Enquadramento das Aplicações DAIEA é trimestral e sua divulgação é feita através do Portal da Sistel. Esse relatório contempla todas as informações de investimento da entidade e de cada plano de benefício da Sistel, em que são apresentadas as rentabilidades, os enquadramentos, os custos de gestão dos investimentos, o volume de recursos sob administração terceirizada, segmentada por gestor e a relação de todos os ativos da entidade. Nele também constam informações dos responsáveis legais pela administração dos investimentos e pela auditoria de gestão da entidade. O Relatório de Participação em Assembléias de Acionistas é divulgado no final de cada trimestre, também através do Portal da Sistel. O documento informa o teor do voto proferido pela Sistel, nas assembléias gerais de acionistas das empresas nas quais a entidade Sistel possui participação relevante no capital social, buscando exercer ativamente o papel de defensor dos direitos de acionista. O Informativo de Desempenho de Plano é uma publicação enviada trimestralmente aos participantes, que traz um breve relato sobre o cenário econômico do período, informações sobre o desempenho dos investimentos dos planos no nível das carteiras de investimento, comparando-os com os principais indicadores de mercado, além de um comentário sucinto sobre a performance da carteira de ativos de cada plano. EXPEDIENTE Diretoria da Sistel Fernando Antonio Pimentel de Melo Diretor Presidente Carlos Alberto Cardoso Moreira Diretor de Investimentos e Finanças Pedro Augusto Nardelli Pinto Diretor de Seguridade Wilson Carlos Duarte Delfino Diretor de Planejamento e Controle Sempre Cartas para a Gestão do Relacionamento com Clientes Edição, Redação, Projeto Gráfico e Arte-Final Informação Comunicação Empresarial Jornalista Responsável Erica Hofmann Revisão Fernanda Oliveto Projeto Gráfico André Ramos Tiragem: 32 mil exemplares As notícias publicadas neste periódico têm caráter informativo, não gerando quaisquer direitos e obrigações. SEPS/EQ 702/902 Conj. B Bl. A Ed. Gen. Alencastro Brasília DF CEP: Central de Relacionamento: O jornal Sempre é uma publicação trimestral dirigida aos participantes assistidos da Sistel. Os artigos assinados são de total responsabilidade do(s) autor(es).

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV INVESTIMENTOS Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV Uma questão de suma importância para a consolidação e perenidade de um Fundo de Pensão é a sua saúde financeira, que garante

Leia mais

Cafbep - Plano Prev-Renda 1

Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Cafbep - Plano Prev-Renda 1 Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2013 do Plano Prev-Renda da Cafbep Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do

Leia mais

Desempenho financeiro do Portus no 1º semestre de 2007 RENDA FIXA

Desempenho financeiro do Portus no 1º semestre de 2007 RENDA FIXA Desempenho financeiro do Portus no 1º semestre de 2007 Este relatório tem como objetivo, atender a Instrução SPC nº 07 de 2005 e informar aos Participantes, Assistidos, Patrocinadores, Entidades de Classe

Leia mais

Pesquisa de Satisfação

Pesquisa de Satisfação Pesquisa de Satisfação Anualmente a Visão Prev realiza uma Pesquisa de Satisfação com seus participantes. A ação é uma das ferramentas utilizadas pela Entidade para ouvir a opinião dos participantes e

Leia mais

ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD)

ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD) ESTUDO DE ALM SERPROS FUNDO MULTIPATROCINADO SERPRO (PSI) e SERPRO (PSII BD/PSII CD) Janeiro de 2012 1 MOVIMENTOS FIC ADVANTAGE III PSI E PSII - BD Carteira Título Vencimento Alocação Atual - MTM Alocação

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos para estruturação das demonstrações

Leia mais

ÍNDICE. Introdução. 1. Demonstração Patrimonial e de Resultados. 2. Política de Investimentos 2010. 3. Distribuição de Investimentos

ÍNDICE. Introdução. 1. Demonstração Patrimonial e de Resultados. 2. Política de Investimentos 2010. 3. Distribuição de Investimentos Relatório Anual 2009 ÍNDICE Introdução 1. Demonstração Patrimonial e de Resultados 2. Política de Investimentos 2010 3. Distribuição de Investimentos 4. Parecer Atuarial 5. Parecer dos Auditores Independentes

Leia mais

Regulamento - Perfil de Investimentos

Regulamento - Perfil de Investimentos Regulamento - Perfil de Investimentos 1. Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais

RENDA FIXA CDB FUNDOS

RENDA FIXA CDB FUNDOS Este relatório tem como objetivo atender a Instrução SPC nº de 2005, e informar aos Participantes, Assistidos, Patrocinadores, Entidades de Classe e a Secretaria de Previdência Complementar ( SPC ) sobre

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009.

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. (DOU nº. 27, de 09 de fevereiro de 2009, Seção 1, páginas 44 a 49) MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe

Leia mais

Educação Financeira e Previdenciária Case - Fundação CEEE. Magdarlise Dal Fiume Germany Gerente Relações Institucionais

Educação Financeira e Previdenciária Case - Fundação CEEE. Magdarlise Dal Fiume Germany Gerente Relações Institucionais Educação Financeira e Previdenciária Case - Fundação CEEE Magdarlise Dal Fiume Germany Gerente Relações Institucionais Programa de Educação Financeira e Previdenciária - Criação Aprovado pela PREVIC em

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - PBS Telesp Celular Exercício: 2013 e 2012 - dezembro - R$ Mil Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios PBS Telesp Celular Exercício: 203 e 202 dezembro R$ Mil Descrição 203 202 Variação (%) Relatório Anual 203 Visão Prev. Ativos Disponível Recebível

Leia mais

PSS - Seguridade Social

PSS - Seguridade Social POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2012 PLANO C 1. Objetivos Esta versão da Política de Investimentos, que estará em vigor durante o ano de 2012, tem como objetivo definir as diretrizes dos investimentos do

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

Demonstrações Financeiras. SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA (Em milhares) Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001

Demonstrações Financeiras. SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA (Em milhares) Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001 Demonstrações Financeiras SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA Exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e 2001 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Índice Balanço Patrimonial... Quadro 1 Demonstração do

Leia mais

Plano de Contribuição Definida

Plano de Contribuição Definida Plano de Contribuição Definida Gerdau Previdência CONHEÇA A PREVIDÊNCIA REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Oferecido pelo setor privado, com adesão facultativa, tem a finalidade de proporcionar uma proteção

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [10.530.382/0001-19] FUNDO DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE PERNAMBUCO-ALEPEPREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2008.0048-56] ALEPEPREV ENCERRAMENTO

Leia mais

O que é A SISTeL? O que é O CPqD PReV? Benefícios de risco Auxílio-doença Aposentadoria por invalidez, reversível em pensão

O que é A SISTeL? O que é O CPqD PReV? Benefícios de risco Auxílio-doença Aposentadoria por invalidez, reversível em pensão O que é A SISTEL? A Fundação Sistel de Seguridade Social foi criada em 1977 e possui expressiva experiência em Planos de Previdência Privada. A Sistel atua no desenvolvimento de soluções previdenciais

Leia mais

Brasília, 27.08.2015

Brasília, 27.08.2015 Brasília, 27.08.2015 1/23 FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS Fundo de Pensão instituído em 1º.08.1977 Investidor de longo prazo Patrocinadores: a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL e a própria FUNCEF Planos administrados:

Leia mais

perfis de investimento

perfis de investimento perfis de investimento Índice 3 Apresentação 3 Como funciona a gestão de investimentos da ELETROS? 5 Quais são os principais riscos associados aos investimentos? 6 Como são os investimentos em renda fixa?

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO...

FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO CAPÍTULO I - DO OBJETO... FUNDO DE PENSÃO MULTIPATROCINADO DAS INSTITUIÇÕES DO MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS - MERCAPREV REGULAMENTO BÁSICO ÍNDICE CAPÍTULO I - DO OBJETO...2 CAPÍTULO II - DA INSCRIÇÃO...3 CAPÍTULO III - DOS

Leia mais

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I)

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Dispõe sobre os procedimentos contábeis das entidades fechadas de previdência complementar,

Leia mais

Fundação Previdenciária IBM. Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL. 1 Relatório Anual - IBM

Fundação Previdenciária IBM. Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL. 1 Relatório Anual - IBM Fundação Previdenciária IBM Resumo Relatório Anual 2013 PLANO DE BENEFÍCIOS DA IBM BRASIL 1 VIVER O PRESENTE, DE OLHO NO FUTURO Caro participante, Muitos dizem que é melhor viver intensamente o presente

Leia mais

Agenda. Principais números da Fundação. Estrutura organizacional. Resultados. Medidas implantadas a partir de março/2015

Agenda. Principais números da Fundação. Estrutura organizacional. Resultados. Medidas implantadas a partir de março/2015 Agenda Principais números da Fundação Estrutura organizacional Resultados Medidas implantadas a partir de março/2015 2 PRINCIPAIS NÚMEROS DA FUNDAÇÃO Maior entidade de previdência fechada multipatrocinada

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Telest Celular Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Telest Celular Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento

Leia mais

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO

ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO Plano de Contas Padrão, contendo alterações pela Instrução SPC nº 34/2009 ANEXO A PLANIFICAÇÃO CONTÁBIL PADRÃO I CARACTERÍSTICAS 1. O plano de contas é formado por codificação alfanumérica. 2. A parte

Leia mais

Perfis de Investimento PrevMais

Perfis de Investimento PrevMais Cartilha Perfis de Investimento PrevMais [1] Objetivo Geral O regulamento do PREVMAIS prevê exclusivamente para o Benefício de Renda Programada a possibilidade de os participantes optarem por perfis de

Leia mais

Retorno dos Investimentos 1º semestre 2011

Retorno dos Investimentos 1º semestre 2011 Retorno dos Investimentos 1º semestre 2011 Cesar Soares Barbosa Diretor de Previdência É responsável também pela gestão dos recursos garantidores dos planos de benefícios administrados pela Sabesprev,

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA INSTITUTO GEIPREV DE SEGURIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA Regulamento aprovado pelo Conselho Deliberativo do GEIPREV na 123ª reunião realizada em 27/11/2009. 1 SUMÁRIO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [00.469.585/0001-93] FACEB - FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS EMPREGADOS DA CEB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2006.0068-11] CEBPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT Demonstrações Financeiras Relatório Anual 04 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Celular CRT Período: 04 e 03 dezembro R$ Mil Descrição 04 03 Variação (%). Ativos.85.769

Leia mais

FUNCEF DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

FUNCEF DIRETORIA DE INVESTIMENTOS FUNCEF DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Brasília 26/03/2015 2 Recebimento de contribuições: R$ 1.746 milhões; Pagamento de benefícios e pensões: R$ 2.086 milhões; Participantes: 137,0 mil ativos e assistidos;

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 9 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo II ) Revisão da tentativa 1 Iniciado

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

9) Política de Investimentos

9) Política de Investimentos 9) Política de Investimentos Política e Diretrizes de Investimentos 2010 Plano de Benefícios 1 Segmentos Macroalocação 2010 Renda Variável 60,2% 64,4% 28,7% 34,0% Imóveis 2,4% 3,0% Operações com Participantes

Leia mais

Rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV no 1º Trimestre de 2014

Rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV no 1º Trimestre de 2014 Investimentos Rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV no 1º Trimestre de 2014 Como forma de manter os Participantes informados sobre a evolução do seu Plano no que diz respeito à rentabilidade dos

Leia mais

MARCA BRADESCO RECURSOS HUMANOS

MARCA BRADESCO RECURSOS HUMANOS ATIVOS INTANGÍVEIS Embora a Organização não registre seus ativos intangíveis, há evidências da percepção de sua magnitude pelos investidores e que pode ser encontrada na expressiva diferença entre o Valor

Leia mais

Principais Destaques

Principais Destaques Aumento do Patrimônio Atingimento da Meta Atuarial Principais Destaques 1. Perfil Institucional A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313, de 30 de

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Vivo Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Vivo Prev Exercício: 2013 e 2012 dezembro R$ Mil Descrição 2013 2012 Variação (%) Relatório Anual 2013 Visão Prev 1. Ativos Disponível Recebível Investimento

Leia mais

Paulo Teixeira Brandão - Conselheiro Deliberativo da Petros Eleito pelos Participantes

Paulo Teixeira Brandão - Conselheiro Deliberativo da Petros Eleito pelos Participantes NOSSA LUTA CONTINUA Paulo Teixeira Brandão - Conselheiro Deliberativo da Petros Eleito pelos Participantes Prezados participantes da PETROS. Em anexo o arquivo contendo a apresentação abaixo reproduzida,

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

Como funcionam os fundos de investimentos

Como funcionam os fundos de investimentos Como funcionam os fundos de investimentos Fundos de Investimentos: são como condomínios, que reúnem recursos financeiros de um grupo de investidores, chamados de cotistas, e realizam operações no mercado

Leia mais

Regius - Plano de Benefícios 03 1

Regius - Plano de Benefícios 03 1 Regius - Plano de Benefícios 03 1 Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios 03 da Regius Sociedade Civil de Previdência Privada em 31/12/2010, com o objetivo de identificar sua situação

Leia mais

Jornal da ANO XXIII Nº 89 SETEMBRO/OUTUBRO 2001

Jornal da ANO XXIII Nº 89 SETEMBRO/OUTUBRO 2001 Recado Para conquistar a fidelidade de seu público, a Sistel tem investido cada vez mais na qualidade do atendimento Pág. 2 Por onde anda... João Luiz Pereira aproveita a aposentadoria para curtir os bons

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA - FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [02.884.385/0001-22] ELETRA FUNDACAO CELG DE SEGUROS E PREVIDENCIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2000.0069-65] PLANO CELGPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 2 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Resultado da Pesquisa

Resultado da Pesquisa Pesquisa de Satisfação do Cliente Resultado da Pesquisa Primeiro e Segundo Semestre de 2012 Nos meses de Junho e Novembro/2012 a Datamace realizou pesquisas para avaliar o grau de satisfação dos serviços

Leia mais

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO A OCB/TO é formada por cooperativas singulares, federações e centrais de todos os ramos. Pela Lei 5.764/71, ainda em vigor, todas

Leia mais

ENTENDA MELHOR! O TAC da tábua de mortalidade e o crédito gerado na conta do Plano B

ENTENDA MELHOR! O TAC da tábua de mortalidade e o crédito gerado na conta do Plano B ENTENDA MELHOR! O TAC da tábua de mortalidade e o crédito gerado na conta do Plano B 1 Relembrando os critérios de cálculo da MAT vitalícia O participante do plano B tem a opção, quando atingidos os critérios

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

www.avantassessoria.com.br

www.avantassessoria.com.br www.avantassessoria.com.br Nossa Empresa A AVANT Assessoria Contábil e Tributária é uma empresa de contabilidade especializada em consultoria e assessoria de empresas e profissionais liberais, oferecendo

Leia mais

Ordem dos Advogados do Brasil

Ordem dos Advogados do Brasil EXCELENTÍSSIMOS SENHORES: PRESIDENTE, DIRETORES E MEMBROS DO EGRÉGIO CONSELHO DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SECÇÃO DE SÃO PAULO. Para os devidos fins, apresentamos as Demonstrações Contábeis referentes

Leia mais

Os noticiários abandonaram um pouco o tema.

Os noticiários abandonaram um pouco o tema. Jornal da Sistel distribui superávit...pág. 4 Brasília, AGOSTO de 2009 Edição n o 123 Seu investimento pós-crise Conheça a rentabilidade dos planos de previdência da Sistel no primeiro trimestre de 2009

Leia mais

PERFIS DE INVESTIMENTO

PERFIS DE INVESTIMENTO PERFIS DE INVESTIMENTO Índice 3 Apresentação 3 Como funciona a ELETROS? 4 Como são os investimentos em renda variável? 5 Como são os investimentos em renda fixa? 6 Como são os investimentos nos demais

Leia mais

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011.

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011. Notas explicativas às Demonstrações Contábeis do Exercício Findo em 31 de dezembro de. (Valores expressos em Reais) 1. Contexto Operacional A Caixa de Assistência Oswaldo Cruz FIOSAÚDE, pessoa jurídica

Leia mais

Prever Empresarial. Associação da Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho. Agosto de 2007. Previdência Complementar PJ 2007

Prever Empresarial. Associação da Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho. Agosto de 2007. Previdência Complementar PJ 2007 Prever Empresarial Associação da Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho Agosto de 2007 Institucional A Unibanco AIG é o grande destaque no mercado brasileiro em planos corporativos de previdência complementar,

Leia mais

FUNDAÇÃO SAELPA DE SEGURIDADE SOCIAL RELATÓRIO DE REFLEXÃO. 1º Trimestre 2008

FUNDAÇÃO SAELPA DE SEGURIDADE SOCIAL RELATÓRIO DE REFLEXÃO. 1º Trimestre 2008 RELATÓRIO DE REFLEXÃO 1º Trimestre 2008 1. INDICADORES DE CONTROLE 1. Orçamento administrativo 2. Recursos coletados 3. Recursos utilizados 4. Evolução do fundo administrativo 5. Evolução do patrimônio

Leia mais

RESOLUÇÃO CGPC Nº XX - MINUTA V.1_SPC, 30ABR2009. Quadro Comparativo

RESOLUÇÃO CGPC Nº XX - MINUTA V.1_SPC, 30ABR2009. Quadro Comparativo RESOLUÇÃO CGPC Nº XX - MINUTA V.1_SPC, 30ABR2009 Quadro Comparativo O PRESIDENTE DO CONSELHO DE GESTÃO DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR, no uso das atribuições que lhe conferem os artigos 5º, 18 e 74 da Lei

Leia mais

Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos

Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos Termos e Condições para opção pelos Novos Perfis de Investimentos Conforme aprovado pelo Conselho Deliberativo em reunião realizada em 4 de abril de 2011 a São Bernardo implementará em 1º de julho de 2011

Leia mais

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS

MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS MÓDULO 1 Conhecendo o HÓRUS Bem-vindo(a) ao primeiro módulo do curso! A partir de agora você conhecerá as principais características do sistema HÓRUS. Para iniciar, você saberia dizer por que este sistema

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL)

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, instituída pela Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. Celesc, nas Assembléias Gerais Extraordinárias AGE de acionistas realizadas

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

Introdução. Nesta cartilha, você conhecerá as principais características desse plano. O tema é complexo e,

Introdução. Nesta cartilha, você conhecerá as principais características desse plano. O tema é complexo e, Introdução O Plano Prodemge Saldado está sendo criado a partir da cisão do Plano Prodemge RP5-II e faz parte da Estratégia Previdencial. Ele é uma das opções de migração para participantes e assistidos.

Leia mais

Princípios de Investimento

Princípios de Investimento Princípios de Investimento Rentabilidade Rentabilidade é o grau de rendimento proporcionado por um investimento pela valorização do capital ao longo do tempo. Liquidez Liquidez é a rapidez com que se consegue

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

CARTILHA PLANO CELPOS CD

CARTILHA PLANO CELPOS CD CARTILHA PLANO CELPOS CD ORIGINAL PLUS O QUE É O PLANO CELPOS CD? O Plano Misto I de Benefícios CELPOS CD é um plano de previdência complementar cujo benefício de aposentadoria programada é calculado de

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas entidades fechadas de previdência complementar na divulgação de informações aos participantes e assistidos

Leia mais

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda.

JESSÉ MONTELLO Serviços Técnicos em Atuária e Economia Ltda. PARECER ATUARIAL V.1- Custos para o exercício seguinte em relação ao anterior: 1) A aplicação da metodologia de cálculo atuarial estabelecida para o plano de benefícios da FUNCASAL, utilizando as hipóteses

Leia mais

Prestação de Contas Libertas - 2014

Prestação de Contas Libertas - 2014 Prestação de Contas Libertas - 2014 participantes aposentados pensionistas patrocinadoras Na Libertas, é assim. Sumário - Prestação de Contas 2014 Relatório Anual de Informações - RAI 2014 Documentação

Leia mais

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores, Participantes e Patrocinadores Bungeprev Fundo

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE www.ucp.fazenda.gov.br PROGRAMAS EM ANDAMENTO Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM

Leia mais

Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras.

Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras. Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras. Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog Resumo: Apresenta-se uma breve análise sobre as vinte etapas para

Leia mais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais

Parecer Atuarial. Cadastro. Características do Plano. Hipóteses Atuariais Parecer Atuarial Avaliamos atuarialmente o Plano PREV-RENDA da CAFBEP Caixa de Previdência e Assistência aos Funcionários do Banco do Estado do Pará, patrocinado pelo BANPARÁ com o objetivo de identificar

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015 PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PLANO SALDADO INERGUS (PSI) Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios Previdenciários

Leia mais

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC

Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC Relatório PREVI 2013 Parecer Atuarial 2013 74 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro Carteira de Pecúlios CAPEC 1 OBJETIVO 1.1 O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre

Leia mais

Cargos/Funções necessárias no desenvolvimento das atividades: GERENTE DE ATIVIDADE, ASSISTENTE TÉCNICO ESPECIALIZADO E ASSISTENTE OPERACIONAL

Cargos/Funções necessárias no desenvolvimento das atividades: GERENTE DE ATIVIDADE, ASSISTENTE TÉCNICO ESPECIALIZADO E ASSISTENTE OPERACIONAL Cargos/Funções necessárias no desenvolvimento das atividades: GERENTE DE ATIVIDADE, ASSISTENTE TÉCNICO ESPECIALIZADO E ASSISTENTE OPERACIONAL MACRO FUNÇÃO ATIVIDADE TAREFA Verificar Tabela de Bancos, Analisar

Leia mais

2004 78 52.164 4.897 13 47.254 38.474 7.531 1.249 28 28 52.270 48 7 41 68.125. Receitas. Despesas 75.017 19.369 26.261) 15.903) 16.

2004 78 52.164 4.897 13 47.254 38.474 7.531 1.249 28 28 52.270 48 7 41 68.125. Receitas. Despesas 75.017 19.369 26.261) 15.903) 16. 7,7% 7,% 6,17% 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO DISPONÍVEL REALIZÁVEL Operações com Participantes PERMANENTE Imobilizado TOTAL DO ATIVO PASSIVO EXIGÍVEL OPERACIONAL EXIGÍVEL ATUARIAL PROVISÕES MATEMÁTICAS Benefícios

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

RDEC 06 Demonstrações Contábeis. Junho 2015

RDEC 06 Demonstrações Contábeis. Junho 2015 RDEC 06 Demonstrações Contábeis Junho 2015 Diretoria de Administração Brasília, julho de 2015 1. Introdução Este relatório tem por objetivo apresentar as demonstrações contábeis da Fundação de Previdência

Leia mais

Não. A Sabesprev tem dinheiro em caixa suficiente para garantir o pagamento aos beneficiários pelos próximos anos. O que existe é um déficit atuarial.

Não. A Sabesprev tem dinheiro em caixa suficiente para garantir o pagamento aos beneficiários pelos próximos anos. O que existe é um déficit atuarial. PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE O SABESPREV MAIS. 1. A Sabesprev está em dificuldades financeiras? Não. A Sabesprev tem dinheiro em caixa suficiente para garantir o pagamento aos beneficiários pelos próximos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [07.083.033/0001-91] CABEC-CAIXA DE PREVIDENCIA PRIVADA DO BEC PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1979.0019-11] BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2011 Atuário Responsável VICENTE

Leia mais

Abrainc e Fipe divulgam novos indicadores para o mercado imobiliário

Abrainc e Fipe divulgam novos indicadores para o mercado imobiliário ainc e Fipe divulgam novos indicadores para o mercado imobiliário Números com abrangência nacional passam a ser alternativa para o acompanhamento do mercado de imóveis novos Em agosto de 2015 a Fipe, em

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC TE 11 para ITG 2001 e de outras normas citadas: de NBC T 19.27 para NBC TG 26; de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL.

Leia mais

REGULAMENTO DO PGA TÍTULO I FINALIDADE

REGULAMENTO DO PGA TÍTULO I FINALIDADE REGULAMENTO DO PGA TÍTULO I FINALIDADE Art.1º - O presente Regulamento do Plano de Gestão Administrativa - PGA da Ceres estabelece critérios e limites para definição do plano de custeio administrativo

Leia mais

RESOLUÇÃO MPS/CNPC Nº 16, DE 19 DENOVEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO MPS/CNPC Nº 16, DE 19 DENOVEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO MPS/CNPC Nº 16, DE 19 DENOVEMBRO DE 2014 (Publicado no D.O.U, Nº 227, de 24 de novembro de 2014) Altera a Resolução nº 26, de 29 de setembro de 2008, do Conselho de Gestão da Previdência Complementar,

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA

REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA REGULAMENTO DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA ÍNDICE CAPÍTULO I - DA FINALIDADE CAPÍTULO II - DO GLOSSÁRIO CAPÍTULO III - DA CONSTITUIÇÃO DO PGA CAPÍTULO IV - DAS FONTES DE CUSTEIO ADMINISTRATIVO CAPÍTULO

Leia mais

Plano TELOS Contribuição Variável - I

Plano TELOS Contribuição Variável - I Plano TELOS Contribuição Variável - I A sua empresa QUER INVESTIR NO SEU FUTURO, E VOCÊ? A sua empresa sempre acreditou na importância de oferecer um elenco de benefícios que pudesse proporcionar a seus

Leia mais

CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTOS

CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTOS CARTILHA PERFIS DE INVESTIMENTOS OBJETIVO GERAL O PrevMais prevê para o Benefício de Renda Programada a possibilidade de que os participantes optem por perfis de investimento, em épocas préestabelecidas,

Leia mais

Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente.

Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente. Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente. A possibilidade de diversificar o investimento e se tornar sócio dos maiores empreendimentos imobiliários do Brasil. Este material tem o objetivo

Leia mais

Relatório Anual 2014 VERSÃO RESUMIDA

Relatório Anual 2014 VERSÃO RESUMIDA Relatório Anual 2014 VERSÃO RESUMIDA O Fundo de Pensão Multinstituído da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia - SBOTPREV apresenta o relatório das principais atividades da Entidade durante

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social

PARECER ATUARIAL Exercício de 2014. INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social PARECER ATUARIAL Exercício de 2014 INERGUS Instituto ENERGIPE de Seguridade Social Plano de Benefícios PCD INERGUS Março de 2015 1 PARECER ATUARIAL Avaliamos atuarialmente o Plano de Benefícios PCD INERGUS

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Multi Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Multi Exercício: 013 e 01 dezembro R$ Mil Descrição 013 01 Variação (%) Relatório Anual 013 Visão Prev 1. Ativos Recebível Investimento Ações

Leia mais