A T E N Ç Ã O. Identificando algum problema, informe-o imediatamente ao aplicador de provas para que ele tome as providências necessárias.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A T E N Ç Ã O. Identificando algum problema, informe-o imediatamente ao aplicador de provas para que ele tome as providências necessárias."

Transcrição

1 CONCURSO PÚBLICO Edital 02/2012 ANALISTA DE RECURSOS HUMANOS JR Códigos 070 a 72 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém a Prova Objetiva abrangendo conteúdos de Conhecimentos Específicos, Língua Portuguesa, Inglês e Conhecimentos Gerais. Ao receber a Folha de Respostas: confira seu nome, número de inscrição e cargo de opção; assine, A TINTA, no espaço próprio indicado. A B C D rasurada. Ao transferir as respostas para a Folha de Respostas: use apenas caneta esferográfica azul ou preta; preencha, sem forçar o papel, toda a área reservada à letra correspondente à resposta solicitada em cada questão; assinale somente uma alternativa em cada questão. Sua resposta não será computada se houver marcação de mais de uma alternativa, questões não assinaladas ou questões rasuradas. NÃO DEIXE NENHUMA QUESTÃO SEM RESPOSTA. A Folha de Respostas não deve ser dobrada, amassada ou CUIDE BEM DELA, ELA É A SUA PROVA. ATENÇÃO Nos termos do edital 02/2012, Poderá, [...] ser eliminado o candidato que: [...] portar arma(s) no local de realização das provas [...]; portar, mesmo que desligados, telefone celular, relógios [...] ou qualquer outro equipamento eletrônico [...] além dos anteriormente citados; [...] deixar de atender as normas contidas no caderno de questões de provas e na folha de respostas das provas e demais orientações [...]; [...] deixar de entregar a folha de respostas das provas, findo o prazo limite para realização das provas. (subitem alíneas d, e, g e i ). DURAÇÃO MÁXIMA DA PROVA - TRÊS HORAS

2 A T E N Ç Ã O Senhor(a) Candidato(a), Antes de começar a fazer a prova, confira se este caderno contém, ao todo, 50 (cinquenta) questões objetivas, cada uma constituída de 4 (quatro) alternativas assim distribuídas: 20 (vinte) questões de Conhecimentos Específicos, 10 (dez) questões de Língua Portuguesa, 10 (dez) questões de Inglês e 10 (dez) questões de Conhecimentos Gerais, todas perfeitamente legíveis. Identificando algum problema, informe-o imediatamente ao aplicador de provas para que ele tome as providências necessárias. Caso V.Sª não observe essa recomendação, não lhe caberá qualquer reclamação ou recurso posteriores. 2 CEMIG a 072 Anal. Recursos Humanos Jr.

3 Conhecimentos Específicos Questão 1 O processo de recrutamento e seleção de novos empregados à organização considera, dentre outros fatores, as variações do mercado de trabalho (vagas disponíveis) e do mercado de recursos humanos. De acordo com Chiavenato (2008), o mercado de recursos humanos pode se apresentar em situações de oferta (abundância de candidatos) ou de procura (escassez de candidatos). Considerando o planejamento do processo de recrutamento pela empresa, quando o mercado de RH se encontrar em oferta, é CORRETO afirmar que se deve A) aumentar os investimentos em recrutamento interno com foco na maior qualificação profissional. B) atender a todas as demandas de vagas, considerando a excessiva quantidade de candidatos no mercado. C) aumentar as exigências aos candidatos e reduzir os investimentos com treinamento. D) reduzir as exigências aos candidatos e definir o menor salário das categorias profissionais a serem contratadas. 3 CEMIG a 072 Anal. Recursos Humanos Jr.

4 Questão 2 Um processo de seleção de pessoas é feito por meio de etapas e utiliza a combinação de várias técnicas e procedimentos que podem variar de acordo com o perfil e complexidade do cargo a ser preenchido. Analise as informações abaixo considerando as etapas e procedimentos desse processo. I. Testes de conhecimento e/ou capacidade podem ser utilizados após a entrevista inicial considerando o perfil exigido pelo cargo. II. A primeira variável importante na seleção é a descrição e análise do cargo que fundamentará a comparação entre os requisitos exigidos e o perfil do candidato. III. A seleção é uma responsabilidade de linha (do órgão solicitante) e função de staff (prestação de serviço pelo órgão especializado). IV. Dentre as técnicas de seleção utilizadas para conhecer, comparar e escolher os candidatos, estão a entrevista, os testes psicológicos e as técnicas de simulação. A análise permite concluir que estão CORRETAS A) apenas as alternativas I, II e III. B) apenas as alternativas II e IV. C) apenas as alternativas I, III e IV. D) todas as alternativas. 4 CEMIG a 072 Anal. Recursos Humanos Jr.

5 Questão 3 As organizações que reconhecem a importância da criatividade e iniciativa de seus empregados buscam o treinamento e desenvolvimento como forma de propiciar o constante aperfeiçoamento e desenvolvimento de seu capital intelectual. Dentre as finalidades do processo de treinamento e desenvolvimento nas organizações, assinale a afirmativa INCORRETA. A) Melhorar a competência profissional dos empregados com foco no desempenho e maior produtividade. B) Desenvolver uma atitude proativa e positiva em relação às mudanças constantes com foco na estratégia organizacional. C) Resolver problemas financeiros da empresa com foco nas estratégias de marketing junto ao segmento de mercado no qual atua. D) Resolver problemas específicos de sua área e atender as necessidades de desempenho na própria função e em outras atividades correlatas. Questão 4 A gestão de pessoas pode ser considerada como uma atividade fundamental para a sobrevivência e sucesso das organizações, dado o contexto de mudanças constantes e alta competitividade. Deve-se levar em consideração, não somente os processos e procedimentos para se alcançar bons resultados, mas principalmente a questão da subjetividade na gestão de pessoas. Nesse contexto, a subjetividade deve ser compreendida como A) ter uma visão racional, objetiva e normativa dos indivíduos na organização, com foco na sua utilização como recursos humanos. B) apoiar-se em técnicas como recrutamento e seleção e instrumentos de administração como avaliação de desempenho para mensurar os resultados. C) perceber e ser capaz de lidar com os aspectos relacionais e intrínsecos à natureza humana no âmbito do trabalho e da atividade organizacional. D) perceber as pressões geradas pela maior competitividade e buscar alternativas objetivas para resolução de conflitos via uso da autoridade formal. 5 CEMIG a 072 Anal. Recursos Humanos Jr.

6 Questão 5 Segundo Chiavenato (2008), o planejamento de recursos humanos de uma empresa deve partir de um modelo mais amplo e abrangente considerando os objetivos estratégicos, missão e visão da empresa e o perfil da força de trabalho que se deseja. Nesse contexto, assinale a alternativa que apresenta o modelo mais adequado para o planejamento de recursos humanos de uma empresa. A) Modelo de planejamento integrado levando em conta as variáveis de volume de produção planejado pela empresa, mudanças tecnológicas, comportamento do público cliente, planejamento de carreiras. B) Modelo baseado em segmentos de cargos a partir da escolha de um fator estratégico, como volume de produção, cujas variações afetam proporcionalmente as necessidades de pessoal. C) Modelo baseado na procura estimada do produto ou serviço no qual a relação entre número de funcionários e procura do produto/serviço é influenciada por variações na produtividade, tecnologia, disponibilidade de recursos financeiros. D) Modelo baseado no fluxo de pessoal mapeamento do fluxo de pessoas a partir da análise histórica de movimento de entradas, saídas, promoções e transferências internas. Questão 6 O sistema de remuneração de uma organização deve contemplar recompensas financeiras e não financeiras e é formado de três componentes principais: a remuneração básica, os incentivos salariais e os benefícios. Com relação aos benefícios que compõem o sistema de remuneração, é CORRETO afirmar que A) se constitui em parcelas do salário direto fixado em contrato individual pela empresa de acordo com sua política. B) se constitui em salário indireto como alimentação subsidiada, transporte subsidiado e seguro de vida em grupo. C) são fornecidos pela organização em espécie, estando diretamente associados ao poder aquisitivo do empregado. D) são fornecidos pela organização e, em sua composição, considera-se a tipologia de cargos, o desempenho e a capacidade financeira da empresa. 6 CEMIG a 072 Anal. Recursos Humanos Jr.

7 Questão 7 De acordo com a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), Decreto Lei n , são situações em que o empregador deverá fazer as anotações na Carteira de Trabalho e Previdência Social do empregado: I. na data- base II. a qualquer tempo, por solicitação do empregado III. no caso de rescisão contratual IV. por necessidade de comprovação perante a Previdência Social Diante do exposto, podemos concluir que estão CORRETAS A) apenas as alternativas I, II e III. B) apenas as alternativas II e IV. C) apenas as alternativas I, III e IV. D) todas as alternativas. Questão 8 De acordo com Chiavenato (2008), dentre os critérios para a construção de um plano de remuneração para organização, NÃO se inclui A) equilíbrio interno x equilíbrio externo. B) remuneração fixa ou remuneração variável. C) motivação e poder aquisitivo do empregado. D) desempenho ou tempo de casa. 7 CEMIG a 072 Anal. Recursos Humanos Jr.

8 Questão 9 Considerando a importância do ambiente de trabalho para a saúde e segurança ocupacional, analise as seguintes afirmativas e assinale com V as verdadeiras e com F as falsas. ( ) O ambiente físico de trabalho deve contemplar níveis adequados de temperatura e iluminação com boa ventilação e controle de ruídos. ( ) São tratados como problemas de saúde ocupacional na organização somente a exposição a produtos químicos perigosos e hábitos alimentares inadequados. ( ) Deve-se exigir exame médico pré-admissional, exame médico periódico e de retorno ao trabalho, em casos de afastamento superior a 30 dias. ( ) O alcoolismo e a dependência química de drogas e medicamentos é uma questão de saúde pública, não pertencente à esfera das organizações. ( ) Algumas doenças ocupacionais são provocadas por fatores de estresse no trabalho como autoritarismo do chefe, desconfiança e pressão das exigências. Assinale a alternativa que apresenta a sequência de letras CORRETA. A) (V) (F) (V) (F) (V) B) (F) (F) (V) (V) (F) C) (V) (F) (F) (V) (F) D) (F) (V) (V) (F) (V) 8 CEMIG a 072 Anal. Recursos Humanos Jr.

9 Questão 10 Tendo em vista os ditames da Consolidação das Leis do Trabalho, Decreto Lei n , com relação à jornada de trabalho, é INCORRETO afirmar que A) o tempo despendido pelo empregado até o local de trabalho e para o seu retorno, por qualquer meio de transporte, não será computado na jornada de trabalho, salvo quando, tratando-se de local de difícil acesso ou não servido por transporte público, o empregador fornecer a condução. B) a duração normal do trabalho poderá ser acrescida de horas suplementares, em número não excedente de duas, mediante acordo escrito entre empregador e empregado, ou mediante contrato coletivo de trabalho. C) as empresas que explorem serviços públicos em concessão, ou que exerçam atividades industriais ou comerciais, são obrigadas a manter, no seu quadro pessoal, quando composto de três ou mais empregados, uma proporção não inferior a 2/3 (dois terços) de empregados brasileiros. D) não é permitida a readmissão nos casos de aposentadoria espontânea de empregados das empresas públicas e sociedades de economia mista em conformidade com os requisitos constantes da Constituição. Questão 11 Toda empresa deve pensar na construção de um sistema de carreiras numa perspectiva estratégica. Nesse sentido, a construção de um sistema de CARREIRAS deve contemplar: I. a conciliação entre desenvolvimento da empresa e desenvolvimento das pessoas. II. definição de trajetórias de carreira e especializações importantes para a manutenção ou incorporação de vantagens competitivas. III. grau de compatibilização do sistema com os demais instrumentos de gestão de pessoas. IV. pessoas abrangidas pelo sistema e grau de envolvimento em sua concepção e implementação. Diante do exposto, podemos concluir que estão CORRETAS A) apenas as alternativas I, II e III. B) apenas as alternativas II e IV. C) apenas as alternativas I, III e IV. D) todas as alternativas. 9 CEMIG a 072 Anal. Recursos Humanos Jr.

10 Questão 12 A remuneração estratégica aparece no contexto atual das mudanças organizacionais como uma política de gestão de pessoas que combina diferentes formas de remuneração com foco em aumentar o vínculo entre as empresas e seus funcionários. De acordo com Wood Jr. (1999), podem ser consideradas como formas de remuneração estratégica, EXCETO A) participação acionária. B) remuneração por habilidades. C) remuneração funcional. D) remuneração por competências. Questão 13 Considerando que a remuneração por competência é uma ferramenta de gestão de pessoas com vistas à valorização do capital intelectual, analise as seguintes afirmativas. I. Os funcionários que ocupam o mesmo cargo podem receber salários diferentes conforme a competência de cada um. II. É uma forma de remuneração relacionada com o grau de informação e o nível de capacitação de cada funcionário. III. O foco principal da remuneração por competência é o cargo e, não, a pessoa executante. IV. O objetivo é remunerar de maneira personalizada cada funcionário de acordo com sua competência pessoal. A análise permite concluir que estão CORRETAS A) apenas as afirmativas I e II. B) apenas as afirmativas II e IV. C) apenas as afirmativas I, II e IV. D) apenas as afirmativas II, III e IV. 10 CEMIG a 072 Anal. Recursos Humanos Jr.

11 Questão 14 Considerando o contexto da gestão de pessoas, assinale a ação que pode ser considerada para uma melhor adaptação de um empregado recém-contratado à cultura organizacional. A) Treinamento de integração ou socialização B) Treinamento na função operacional C) Desenvolvimento de equipes de trabalho D) Desenvolvimento de habilidades de liderança Questão 15 De acordo com Robbins (2005), podem existir nas organizações conflitos de papéis, de relacionamento e de processo e nem sempre os conflitos são destrutivos. Alguns conflitos apoiam os objetivos do grupo e melhoram o desempenho. Nesse sentido, é CORRETO afirmar que A) os conflitos de papéis são sempre disfuncionais dada a competição entre os membros da equipe. B) os conflitos de processo podem ser funcionais uma vez que, negociadas as condições entre as partes, podem surgir soluções inovadoras. C) os conflitos de relacionamento devem ser evitados pelos líderes uma vez que criam um ambiente ruim de trabalho. D) todos os conflitos dentro de uma organização são funcionais e devem ser tratados a partir da negociação entre as partes. 11 CEMIG a 072 Anal. Recursos Humanos Jr.

12 Questão 16 Quando um indivíduo entra para uma organização de trabalho, traz consigo sua bagagem de valores, crenças e atitudes que, junto com sua personalidade, irão influenciar o seu desempenho. No estudo do comportamento dos indivíduos na organização, a personalidade, os valores e as atitudes são considerados A) variáveis dependentes do comportamento da organização. B) variáveis independentes do comportamento dos indivíduos. C) variáveis aleatórias do comportamento dos indivíduos. D) variáveis de controle da organização. Questão 17 Carlos, o gerente de Recursos Humanos (RH) de uma empresa prestadora de serviços de telemarketing, está diante de um desafio. A organização solicitou à área de RH que reduzisse em 20% a rotatividade da organização que se apresenta alta. Carlos se reuniu com sua equipe de três analistas e dois trainees para elaboração de um plano de ação que atendesse ao objetivo. Nesse sentido, para o planejamento das ações que venham ao encontro da redução da rotatividade, a equipe deverá: I. fazer um levantamento diagnóstico das causas da alta rotatividade. II. propor a terceirização de parte da força de trabalho. III. analisar o problema com os principais gestores da organização. IV. propor um estilo de liderança mais autocrática para solução do problema. V. propor alternativas como reavaliação do perfil dos cargos e treinamento. Diante do exposto, podemos concluir que completam corretamente o enunciado acima A) apenas as alternativas I, II e III. B) apenas as alternativas II e IV. C) apenas as alternativas I, III e V. D) todas as alternativas. 12 CEMIG a 072 Anal. Recursos Humanos Jr.

13 Questão 18 O gerente de produção de uma indústria de eletroeletrônicos solicitou ao setor de Recursos Humanos (RH) que desenvolvesse um treinamento motivacional para sua equipe com vistas a maiores envolvimento e produtividade. Antes de executar a demanda, o RH buscou a compreensão do conceito de motivação para o planejamento do treinamento. Dado esse contexto, é CORRETO afirmar que A) deve ser feito um treinamento com os funcionários que apresentarem menor desempenho nas tarefas, deixando os demais em ação, uma vez que motivação é extrínseca à pessoa. B) devem ser analisadas todas as variáveis que estão direta ou indiretamente influenciando o baixo desempenho, considerando que motivação é fator intrínseco. C) se deve planejar um treinamento com foco nas tarefas e no controle de processo para todos os funcionários considerando que motivar é um fator extrínseco associado ao movimento. D) deve ser feita uma entrevista com cada empregado buscando conhecer suas necessidades básicas e sua motivação para o trabalho, uma vez que cada um deve estar envolvido com o que faz. Questão 19 Considerando os métodos de levantamento de necessidades de treinamento para um planejamento adequado de um programa de treinamento, analise as seguintes afirmativas. I. Análise organizacional diagnóstico organizacional com determinação da missão, visão e dos objetivos estratégicos da organização. II. Análise dos recursos humanos comportamentos, atitudes e competências necessários ao alcance dos objetivos organizacionais. III. Análise dos cargos considerando quais os conhecimentos, habilidades e comportamentos exigidos pelos cargos. IV. Análise do treinamento - definição de indicadores de resultados a serem alcançados, cronograma de execução e orçamento. Diante do exposto, podemos concluir que estão CORRETAS A) apenas as alternativas I, II e III. B) apenas as alternativas II e IV. C) apenas as alternativas I, III e IV. D) todas as alternativas. 13 CEMIG a 072 Anal. Recursos Humanos Jr.

14 Questão 20 Considerando a importância de manter e promover o desenvolvimento dos empregados de uma organização, as empresas devem investir em processos de treinamento e desenvolvimento e aprendizagem contínua. Correlacione os modelos de aprendizagem com as suas características numerando a COLUNA II de acordo com a COLUNA I. COLUNA I 1. Treinamento de pessoal 2. Desenvolvimento de pessoal 3. Educação corporativa COLUNA II ( ) Foco no longo prazo, considerando novas habilidades e capacidades a serem adquiridas e cargos a serem ocupados. ( ) Foco no desenvolvimento de pessoal por meio de conhecimentos específicos, com uma visão ampla e de longo prazo. ( ) Processo sistemático de melhoria de desempenho na função para o alcance dos objetivos organizacionais. Assinale a alternativa que apresenta a sequência de números CORRETA. A) (2) (1) (3) B) (3) (1) (2) C) (2) (3) (1) D) (1) (2) (3) 14 CEMIG a 072 Anal. Recursos Humanos Jr.

15 LÍNGUA PORTUGUESA INSTRUÇÕES Leia atentamente o texto abaixo antes de responder às questões seguintes. ACIDENTES DE TRÂNSITO: MAIOR CAUSA DE MORTE DE JOVENS NO MUNDO Um relatório divulgado em maio de 2012 revela que as ruas e estradas hoje são a maior causa de morte de pessoas com mais de 10 anos de idade, e as mortes no trânsito constituem uma epidemia global de saúde que já alcançou proporções críticas. O relatório Estradas Seguras e Sustentáveis, lançado pela Campanha pela Segurança Global nas Estradas, diz que a segurança rodoviária é um dos maiores desafios de desenvolvimento no mundo e prevê que, se não forem tomadas medidas urgentes, o número de mortos no trânsito suba de 1,3 milhão para 2 milhões por ano. Hoje, pessoas morrem por dia em incidentes relacionados ao trânsito, e 50 milhões se ferem anualmente nas ruas e estradas do mundo. O relatório atribui o alto número de fatalidades às políticas de transporte que priorizam veículos, rodovias e velocidade, em detrimento das pessoas e da segurança. A grande maioria dos mortos no trânsito vem de países em desenvolvimento, e 20 países são responsáveis por 70% das mortes globais no trânsito. Crianças e jovens são os mais afetados, tanto que acidentes de trânsito hoje constituem a maior fonte isolada de mortes de pessoas na faixa dos 10 a 24 anos de idade em todo o mundo. Em 2004, o último ano para o qual há dados abrangentes disponíveis, acidentes de trânsito mataram mais crianças de 5 a 14 anos que a malária, a diarreia e a AIDS. O relatório avisa que, se nada for feito, a espiral crescente de mortos e feridos no trânsito será um obstáculo importante a impedir que o mundo atinja as metas de educação e redução da pobreza definidas nas metas de desenvolvimento do milênio. Por sua vez, a Campanha pela Segurança Global nas Estradas está exortando líderes mundiais a adotarem ações urgentes para integrar o transporte sustentável e a segurança nas estradas na pauta da conferência Rio+20. A campanha avisa que não existe "receita mágica oculta" para lidar com a segurança nas estradas, mas diz que, diferentemente de muitas outras epidemias de saúde, há intervenções possíveis que são simples, baratas e testadas, e que simplesmente não estão sendo aplicadas ou praticadas. Tais intervenções incluem a implementação das normas sobre o uso de capacetes, cintos de segurança e a proibição efetiva de consumo de álcool antes de dirigir, além do reforço da segurança dos veículos. Kevin Watkins, pesquisador sênior do Brookings Institution e autor do relatório citado, informa que "a epidemia de ferimentos e mortes no trânsito é uma fonte de pobreza, sofrimento humano e desperdício econômico em escala global". Segundo Watkins, "nas próximas duas décadas a frota de veículos nos países mais pobres do mundo vai aumentar em ritmo inusitado. Diferentemente de algumas outras questões que serão discutidas na conferência Rio+20, esta 15 CEMIG a 072 Anal. Recursos Humanos Jr.

16 envolve poucas incógnitas. Não se trata de ciência avançada, mas, mesmo assim, dá para perceber que os avanços têm sido dolorosamente lentos. Doadores bilaterais e o Banco Mundial vêm falando há anos em priorizar a segurança das estradas em seus programas infraestruturais, mas o discurso ainda não rendeu resultados." O relatório faz recomendações que podem ajudar a prevenir mortes nas estradas, incluindo regulamentação mais rígida para impedir que as montadoras de veículos disputem uma corrida para reduzir as medidas de segurança dos veículos nos países mais pobres. O texto diz que são necessários mais US$200 milhões por ano para apoiar o desenvolvimento de estratégias nacionais de segurança nas estradas nos países em que ocorrem mais mortes no trânsito. KELLY, A. GUARDIAN (Trad. Clara Allaín) Disponível em: < > Acesso em: 02 maio Questão 21 Analise o seguinte trecho. O relatório atribui o alto número de fatalidades às políticas de transporte que priorizam veículos, rodovias e velocidade, em detrimento das pessoas e da segurança. (linhas 12 a 14) Assinale a alternativa em que a reescrita do trecho citado MANTEVE o sentido original. A) O relatório considerou que o número expressivo de mortes é provocado pelas políticas de transporte que preferem acolher com mais atenção veículos, rodovias e velocidade, prejudicando assim as pessoas e a segurança. B) O relatório percebeu que o significativo número de óbitos se deve às práticas delituosas de transporte que colocam em preponderância veículos, rodovias e velocidade, esquecendo-se assim das pessoas e da segurança. C) O relatório entendeu que o considerável número de acasos se deve às organizações de transporte que optam por exaltar veículos, rodovias e velocidade, apesar das pessoas e da segurança. D) O relatório imputa o número elevado de mortes às políticas de transporte que dão prioridade aos veículos, rodovias e velocidade, suprimindo assim as pessoas e a segurança. 16 CEMIG a 072 Anal. Recursos Humanos Jr.

17 Questão 22 Assinale a alternativa que apresenta, entre colchetes, apreciação INCORRETA sobre a(s) palavras(s) ou expressão (ões) nela sublinhada(s). A) [...] se nada for feito, a espiral crescente de mortos e feridos no trânsito será um obstáculo importante [...]. (linhas 21 e 22) [o trecho expressa ideia de condição] B) [...] a Campanha pela Segurança Global nas Estradas está exortando líderes mundiais a adotarem ações urgentes [...]. (linhas 24 a 25) [o mesmo que incitando ] C) [...] a epidemia de ferimentos e mortes no trânsito é uma fonte de pobreza, sofrimento humano e desperdício econômico em escala global. (linhas 35 a 37) [o trecho funciona como sujeito composto] D) O relatório faz recomendações que podem ajudar a prevenir mortes nas estradas [...]. (linhas 45 e 46) [o termo funciona como adjunto adverbial] 17 CEMIG a 072 Anal. Recursos Humanos Jr.

18 Questão 23 Avalie o seguinte trecho. [...] nas próximas duas décadas a frota de veículos nos países mais pobres do mundo vai aumentar em ritmo inusitado. Diferentemente de algumas outras questões que serão discutidas na conferência Rio+20, esta envolve poucas incógnitas. Não se trata de ciência avançada, mas, mesmo assim, dá para perceber que os avanços têm sido dolorosamente lentos. (linhas 37 a 41) Assinale a interpretação que melhor ilustra o que o autor do texto quis dizer com sua afirmação. A) Nas próximas duas décadas a frota de veículos nos países mais pobres do mundo vai aumentar em ritmo inusitado. Diante de outros pontos a serem debatidos na conferência Rio+20, este aborda um assunto que quase não gera dúvidas. Não é uma avaliação muito detalhada, mas, ainda assim, é possível notar que pouco se progrediu infelizmente. B) Nas próximas duas décadas a frota de veículos nos países mais pobres do mundo vai aumentar em ritmo inusitado. Diante de outras demandas que deverão ser tratadas na conferência Rio+20, esta se relaciona com um tema pouco conhecido. Não é um exame acadêmico, porém, até dessa forma, as melhoras têm se mostrado excepcionalmente pouco rentáveis. C) Nas próximas duas décadas a frota de veículos nos países mais pobres do mundo vai aumentar em ritmo inusitado. Outros temas bem imprecisos serão discutidos na conferência Rio+20 obviamente, mas este aborda algo público. Não é uma avaliação vazia de experiências, mas, mesmo assim, ela consegue explicar bem atrasos muito desastrosos. D) Nas próximas duas décadas a frota de veículos nos países mais pobres do mundo vai aumentar em ritmo inusitado. Tópicos diversos e mais abrangentes serão aventados na conferência Rio+20 com toda a certeza, entretanto este abarca pouca gente desconhecida. Não é algo explícito cientificamente, mas, também dessa maneira, é possível ver que nada mudou. 18 CEMIG a 072 Anal. Recursos Humanos Jr.

19 Questão 24 Assinale a alternativa em que a palavra ou expressão sublinhada pode ser substituída, sem prejuízo do sentido, pela palavra ou expressão entre colchetes. A) [...] as mortes no trânsito constituem uma epidemia global de saúde que já alcançou proporções críticas. (linhas 3 e 4) [INDISCRETAS] B) Tais intervenções incluem a implementação das normas sobre o uso de capacetes, cintos de segurança e a proibição efetiva de consumo de álcool antes de dirigir [...]. (linhas 31 a 33) [REAL] C) [...] a epidemia de ferimentos e mortes no trânsito é uma fonte de pobreza, sofrimento humano e desperdício econômico em escala global. (linhas 35 a 37) [CARACTERÍSTICA] D) [...] nas próximas duas décadas a frota de veículos nos países mais pobres do mundo vai aumentar em ritmo inusitado. (linhas 37 e 38) [PAUTADO] Questão 25 Assinale a alternativa que apresenta informações adequadas sobre o texto. A) A grande maioria dos mortos no trânsito vem de países economicamente pobres. B) O número crescente de mortos e feridos no trânsito será um obstáculo significativo a impedir que os países mais abastados consigam se desenvolver e progredir socialmente. C) As políticas de transporte estão interessadas em atrapalhar a segurança das pessoas. D) Os acidentes de trânsito afetam de modo minoritário os adultos e os idosos. Questão 26 Assinale alternativa em que os dois termos NÃO se relacionam apropriadamente de acordo com o texto. A) Trânsito / fatalidades B) Segurança / desafio C) Pobreza / educação D) Intervenções / normas 19 CEMIG a 072 Anal. Recursos Humanos Jr.

20 Questão 27 Assinale a alternativa que resume a matéria do texto. A) Políticas negligentes de transporte provocam crimes no trânsito. B) Acidentes de trânsito matam mais que a malária, a diarreia e a AIDS. C) Mortes no trânsito estão se tornando uma epidemia global de saúde. D) Desperdício econômico aumenta cada vez mais com as mortes no trânsito. Questão 28 Assinale alternativa em que a palavra à direita NÃO explica devidamente a palavra à esquerda conforme seu sentido no texto. A) Sustentáveis conserváveis B) Políticas medidas C) Proporções dimensões D) Incidentes delitos Questão 29 Reflita sobre o uso da crase no trecho seguinte: O relatório atribui o alto número de fatalidades às políticas de transporte. Há crase neste caso, pois: A) às indica a junção da preposição as com o pronome a. B) às indica a junção do artigo as com a preposição a. C) às indica a junção do pronome as com o artigo a. D) às indica a junção do artigo as com o pronome a. 20 CEMIG a 072 Anal. Recursos Humanos Jr.

21 Questão 30 De acordo com o texto, aponte a alternativa em que NÃO há correspondência entre o(s) termo(s) sublinhado(s) e a explicação entre colchetes. A) Em 2004, o último ano para o qual há dados abrangentes disponíveis. [o último ano] B) 50 milhões se ferem anualmente nas ruas e estradas do mundo. [50 milhões] C) O relatório avisa que, se nada for feito, a espiral crescente de mortos e feridos no trânsito será um obstáculo importante. [espiral] D) Diferentemente de algumas outras questões que serão discutidas na conferência Rio+20, esta envolve poucas incógnitas.[questões] 21 CEMIG a 072 Anal. Recursos Humanos Jr.

AUDITOR JR Códigos 088 a 90

AUDITOR JR Códigos 088 a 90 CONCURSO PÚBLICO Edital 02/2012 AUDITOR JR Códigos 088 a 90 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém a Prova Objetiva abrangendo conteúdos de Conhecimentos

Leia mais

A T E N Ç Ã O. Identificando algum problema, informe-o imediatamente ao aplicador de provas para que ele tome as providências necessárias.

A T E N Ç Ã O. Identificando algum problema, informe-o imediatamente ao aplicador de provas para que ele tome as providências necessárias. CONCURSO PÚBLICO Edital 02/2012 ANALISTA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA JR Códigos 050 a 056 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém a Prova Objetiva

Leia mais

COMUNICADOR SOCIAL JR - JORNALISMO Código 093

COMUNICADOR SOCIAL JR - JORNALISMO Código 093 CONCURSO PÚBLICO Edital 02/2012 COMUNICADOR SOCIAL JR - JORNALISMO Código 093 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém a Prova Objetiva abrangendo

Leia mais

ANALISTA ECONÔMICO FINANCEIRO JR Códigos 082 a 085

ANALISTA ECONÔMICO FINANCEIRO JR Códigos 082 a 085 CONCURSO PÚBLICO Edital 02/2012 ANALISTA ECONÔMICO FINANCEIRO JR Códigos 082 a 085 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém a Prova Objetiva abrangendo

Leia mais

ANALISTA DE SUPORTE DE INFORMÁTICA JR Código 078

ANALISTA DE SUPORTE DE INFORMÁTICA JR Código 078 CONCURSO PÚBLICO Edital 02/2012 ANALISTA DE SUPORTE DE INFORMÁTICA JR Código 078 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém a Prova Objetiva abrangendo

Leia mais

ENGENHEIRO DE SEGURANÇA DO TRABALHO JR Códigos 135 e 136

ENGENHEIRO DE SEGURANÇA DO TRABALHO JR Códigos 135 e 136 CONCURSO PÚBLICO Edital 02/2012 ENGENHEIRO DE SEGURANÇA DO TRABALHO JR Códigos 135 e 136 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém a Prova Objetiva

Leia mais

ANALISTA DE SUPORTE DE INFORMÁTICA JR Governança de TI Código 081

ANALISTA DE SUPORTE DE INFORMÁTICA JR Governança de TI Código 081 CONCURSO PÚBLICO Edital 02/2012 ANALISTA DE SUPORTE DE INFORMÁTICA JR Governança de TI Código 081 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém a Prova

Leia mais

ASSISTENTE SOCIAL JR Código 087

ASSISTENTE SOCIAL JR Código 087 CONCURSO PÚBLICO Edital 02/2012 ASSISTENTE SOCIAL JR Código 087 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém a Prova Objetiva abrangendo conteúdos de

Leia mais

ENGENHEIRO DE MEIO AMBIENTE JR Códigos 115 a 118

ENGENHEIRO DE MEIO AMBIENTE JR Códigos 115 a 118 CONCURSO PÚBLICO Edital 02/2012 ENGENHEIRO DE MEIO AMBIENTE JR Códigos 115 a 118 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém a Prova Objetiva abrangendo

Leia mais

A T E N Ç Ã O. Identificando algum problema, informe-o imediatamente ao aplicador de provas para que ele tome as providências necessárias.

A T E N Ç Ã O. Identificando algum problema, informe-o imediatamente ao aplicador de provas para que ele tome as providências necessárias. CONCURSO PÚBLICO Edital 02/2012 MÉDICO DO TRABALHO JR Código 148 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém a Prova Objetiva abrangendo conteúdos de

Leia mais

ENGENHEIRO DE MANUTENÇÃO ELETROELETRÔNICA PREDIAL JR Código 114

ENGENHEIRO DE MANUTENÇÃO ELETROELETRÔNICA PREDIAL JR Código 114 CONCURSO PÚBLICO Edital 02/2012 ENGENHEIRO DE MANUTENÇÃO ELETROELETRÔNICA PREDIAL JR Código 114 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém a Prova

Leia mais

ANALISTA DA QUALIDADE JR Código 042

ANALISTA DA QUALIDADE JR Código 042 CONCURSO PÚBLICO Edital 02/2012 ANALISTA DA QUALIDADE JR Código 042 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém a Prova Objetiva abrangendo conteúdos

Leia mais

COMUNICADOR SOCIAL JR PUBLICIDADE E PROPAGANDA Código 094

COMUNICADOR SOCIAL JR PUBLICIDADE E PROPAGANDA Código 094 CONCURSO PÚBLICO Edital 02/2012 COMUNICADOR SOCIAL JR PUBLICIDADE E PROPAGANDA Código 094 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém a Prova Objetiva

Leia mais

COMUNICADOR SOCIAL JR RELAÇÕES PÚBLICAS Código 095

COMUNICADOR SOCIAL JR RELAÇÕES PÚBLICAS Código 095 CONCURSO PÚBLICO Edital 02/2012 COMUNICADOR SOCIAL JR RELAÇÕES PÚBLICAS Código 095 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém a Prova Objetiva abrangendo

Leia mais

PSICÓLOGO DO TRABALHO JR Código 073

PSICÓLOGO DO TRABALHO JR Código 073 CONCURSO PÚBLICO Edital 02/2012 PSICÓLOGO DO TRABALHO JR Código 073 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém a Prova Objetiva abrangendo conteúdos

Leia mais

ANALISTA DE SUPORTE DE INFORMÁTICA JR Banco de Dados Código 080

ANALISTA DE SUPORTE DE INFORMÁTICA JR Banco de Dados Código 080 CONCURSO PÚBLICO Edital 02/2012 ANALISTA DE SUPORTE DE INFORMÁTICA JR Banco de Dados Código 080 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém a Prova

Leia mais

ARQUITETO JR Código 086

ARQUITETO JR Código 086 CONCURSO PÚBLICO Edital 02/2012 ARQUITETO JR Código 086 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém a Prova Objetiva abrangendo conteúdos de Conhecimentos

Leia mais

ENGENHEIRO DE PLANEJAMENTO DA MANUTENÇÃO GERAÇÃO E TRANSMISSÃO JR Códigos 119 a 121

ENGENHEIRO DE PLANEJAMENTO DA MANUTENÇÃO GERAÇÃO E TRANSMISSÃO JR Códigos 119 a 121 CONCURSO PÚBLICO Edital 02/2012 ENGENHEIRO DE PLANEJAMENTO DA MANUTENÇÃO GERAÇÃO E TRANSMISSÃO JR Códigos 119 a 121 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

ENGENHEIRO DE SISTEMAS MECÂNICOS JR Código 141

ENGENHEIRO DE SISTEMAS MECÂNICOS JR Código 141 CONCURSO PÚBLICO Edital 02/2012 ENGENHEIRO DE SISTEMAS MECÂNICOS JR Código 141 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém a Prova Objetiva abrangendo

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

Guião M. Descrição das actividades

Guião M. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Inovação Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO Guião M Intervenientes

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them?

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them? GUIÃO A Prova construída pelos formandos e validada pelo GAVE, 1/7 Grupo: Chocolate Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas 1º Momento Intervenientes

Leia mais

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Ligia Scrivano Paixão Diretora do Sistema de Bibliotecas e coordenadora do curso de Biblioteconomia da Universidade Santa

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA E RESOLVIDA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO COMENTÁRIO GERAL DOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO Uma prova, para avaliar tantos candidatos deve ser sempre bem dosada como foi a deste ano. Houve tanto questões de interpretação (6) como de gramática

Leia mais

Como calcular o número necessário de servidores? E QUANDO O PROCESSO DE TRABALHO NÃO É QUANTIFICÁVEL COM FACILIDADE? ALTERNATIVA 2 Uma possibilidade para transpor essa restrição seria a utilização de um

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2)

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Ministério do Meio Ambiente MMA Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA Termo de Referência PNMA nº 02/2013 O presente

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

GABARITO OFICIAL(preliminar)

GABARITO OFICIAL(preliminar) QUESTÃO RESPOSTA COMENTÁRIO E(OU) REMISSÃO LEGAL 051 A 052 A 053 A RECURSO Recrutar faz parte do processo de AGREGAR OU SUPRIR PESSOAS e é o ato de atrair candidatos para uma vaga (provisão). Treinar faz

Leia mais

Prova Escrita de Inglês

Prova Escrita de Inglês EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Inglês 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Continuação bienal Prova 0/2.ª Fase Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 18/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 Destaques da Proposta de Programa de Capacitação dos Servidores Técnico- Administrativos em Educação aprovados durante a 435ª Reunião do Conselho Diretor PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 ALTERAÇÕES GERAIS

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler REPRESENTAÇÕES DE EDUCAÇÃO E DE MEIO AMBIENTE O QUE ENTENDEMOS POR EDUCAÇÃO? O QUE

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 041/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: CARTEIRA DE LONGO PRAZO O Projeto BRA/06/032

Leia mais

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho GUIÃO A 1º Momento Intervenientes e Tempos Descrição das actividades Good morning / afternoon / evening, A and B. For about three minutes, I would like

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.421, DE 05 DE ABRIL DE 2010. (publicada no DOE nº 062, de 05 de abril de 2010 2ª edição) Institui a Carreira

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade II PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha Macroprocesso Referência: sistema de gestão da qualidade pela NBR ISO 9011:2008. Macroprocesso Para a realização do produto, necessitase da integração

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio Teste Intermédio de Inglês Parte IV Interação oral em pares Teste Intermédio Inglês Guião Duração do Teste: 10 a 15 minutos De 25.02.2013 a 10.04.2013 9.º Ano de Escolaridade D TI de Inglês Página 1/ 7

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL: PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS 2012 Graduando em Psicologia na Universidade Federal do Ceará (UFC), Brasil adauto_montenegro@hotmail.com

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

INSTRUÇÕES NÃO SERÃO ACEITAS RECLAMAÇÕES FORMULADAS APÓS O INÍCIO DA PROVA. NÃO ESQUEÇA de assinar a LISTA DE PRESENÇA.

INSTRUÇÕES NÃO SERÃO ACEITAS RECLAMAÇÕES FORMULADAS APÓS O INÍCIO DA PROVA. NÃO ESQUEÇA de assinar a LISTA DE PRESENÇA. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 6ºExame de Seleção de Estagiários da NÍVEL SUPERIOR - ADMINISTRAÇÃO INSTRUÇÕES Verifique, com muita atenção, este Caderno de QUESTÕES que deve conter 14 (quatorze) questões,

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO) 2 a FASE

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO) 2 a FASE 14 BNDES EDITAL N o N 02/2011 o 01/2012 - () 2 a FASE LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 5 (cinco)

Leia mais

Regulamento. REGULAMENTO DO PROGRAMA JOVENS CONSULTORES 2013 2ª Edição

Regulamento. REGULAMENTO DO PROGRAMA JOVENS CONSULTORES 2013 2ª Edição Regulamento REGULAMENTO DO PROGRAMA JOVENS CONSULTORES 2013 2ª Edição Este instrumento tem por objetivo regular a participação no processo de seleção para o PROGRAMA JOVENS CONSULTORES 2013 2ª Edição,

Leia mais

Boas práticas e hábitos de líderes na gestão de projetos na era da conectividade

Boas práticas e hábitos de líderes na gestão de projetos na era da conectividade Boas práticas e hábitos de líderes na gestão de projetos na era da conectividade ANTONIO MENDES DA SILVA FILHO * "We cannot solve our problems with the same thinking we used when we created them." Albert

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução RH NA ÁREA Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net Resumo: Considerando a necessidade de orientação das pessoas para o aproveitamento de vagas disponíveis

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

A T E N Ç Ã O Senhor(a) Candidato(a), Antes de começar a fazer a prova, confira se este caderno contém, ao todo, 50 (cinquenta) questões objetivas, ca

A T E N Ç Ã O Senhor(a) Candidato(a), Antes de começar a fazer a prova, confira se este caderno contém, ao todo, 50 (cinquenta) questões objetivas, ca CONCURSO PÚBLICO Edital 02/2012 ANALISTA DE LOGÍSTICA JR Código 059 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém a Prova Objetiva abrangendo conteúdos

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Plano Anual de Educação Institucional 2013

Plano Anual de Educação Institucional 2013 Plano Anual de Educação Institucional 2013 Sumário Apresentação Metodologia de Construção do Plano Anual de Educação Ações do CEAF Planejadas para 2013 Programa Direito Programa Atuação Ministerial Programa

Leia mais

EDITAL ONU MULHERES 2011

EDITAL ONU MULHERES 2011 EDITAL ONU MULHERES 2011 O Escritório Sub-Regional da ONU Mulheres para Brasil e países do Cone Sul (Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai) convida organizações da sociedade civil a apresentarem projetos

Leia mais

Rotinas de DP-Professor: Robson Soares

Rotinas de DP-Professor: Robson Soares Rotinas de DP-Professor: Robson Soares Capítulo 3 Agregando Pessoas -Recrutamento e Seleção de Pessoas Nesse capítulo veremos com as organizações agregam pessoas através do recrutamento e seleção de pessoas.

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

ENGENHEIRO DE LOGÍSTICA JR Código 113

ENGENHEIRO DE LOGÍSTICA JR Código 113 CONCURSO PÚBLICO Edital 02/2012 ENGENHEIRO DE LOGÍSTICA JR Código 113 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES DESTE CADERNO. Elas fazem parte da sua prova. Este caderno contém a Prova Objetiva abrangendo conteúdos

Leia mais

CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG INSTRUÇÕES:

CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG INSTRUÇÕES: PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR NOME: DATA: / / INSCRIÇÃO Nº: CPF ou RG: INSTRUÇÕES: 1. Você recebeu sua folha

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA Aula 16/02/2012

ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA Aula 16/02/2012 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE UNIPAC DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua Tiradentes, nº. 66 Centro Uberlândia/MG - Telefax: (34) 3291-2100

Leia mais

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Fevereiro/2014 AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais