2. Ergonomia 2.1 Histórico 2.2 Definição

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2. Ergonomia 2.1 Histórico 2.2 Definição"

Transcrição

1 A importância do conhecimento em ergonomia nas perícias judiciais trabalhistas relacionadasàs lesões por esforçosrepetitivos e distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (LER/DORT). Resumo Leandro Sérgio Santos Brasil Arquimedes Augusto Penha Dayana Priscilla Maia Mejia Pós-Graduação em Ergonomia Faculdade Àvila Durante o século XX imaginou-se que no final deste, as pessoas trabalhariam menos e disporiam de um tempo maior para o lazer, cultura, conhecimentos, diversão e para o lado social. Mas a competição global levou para o sentido oposto, com a idéia da adoção da pratica do melhor resultado ao menor custo possível, como por exemplo a implementação do Just-in-time, processo que a redução dos funcionários, por outro lado quem continuou no seu emprego assumiu novas obrigações e conseqüentemente trabalhou mais. Com os avanços tecnológicos para maior produção os trabalhadores tiveram que de uma forma ou de outra adaptar-se a ritmo mais intenso de trabalho, com isso o número de queixas dos trabalhadores começaram aumentar de forma significativa e geralmente relacionadaas queixas físicas, e muitos destes funcionários acabam processando as empresas alegando a culpa da doença diagnosticada a função que exercia no seu labor. A ergonomia é uma ciência que trabalha com adaptação do trabalho ao trabalhador, com este princípio torna-se ferramenta indispensável para a prevenção de doenças ocupacionais, e por outro lado tem grande valia para diagnosticar o nexo causal nos litígios trabalhistas relacionados com as doenças ocupacionais. Palavras-chave: Ergonomia; LER/DORT; Nexo causal. 1.Introdução A ergonomia e as doenças ocupacionais estão intimamente ligadas, assim sendo de fundamental importância para o perito os conhecimentos dos dois temas de forma profunda, desde que a primeira sejaimplementada de forma séria e correta, ajuda na prevenção e diminuição nos agravos acometidos pelas doenças ocupacionais. Nas últimas duas décadas, as LER/DORT (lesões por esforço repetitivo/doenças osteomusculares relacionadas ao trabalho) assumiram um papel de destaque no afastando trabalhadores de suas funções e levando-os a substituição como peças descartáveis (PIRES 1998). Os tipos mais comuns de LER/DORT relacionados à atividade laboral no Brasil são a síndrome do túnel do carpo, a tendinite dos extensores dos dedos, a tenossinovite dos flexores dos dedos, a tenossinovite estenosante, a epicondilite lateral e a Doença de D Quervain (Ministério da saúde Brasil 2000).Possivelmente todos já ouviram falar da expressão LER/DORT (Lesão por esforço repetitivo/ doenças osteomuscular relacionadas ao trabalho), está na ponta da língua de quase todos os trabalhadores e empresários, e esta expressão fica 1 Fisioterapeuta do Trabalho / Pós graduando em Ergonomia: Produto e Processo. 2 Orientador Científico: Fisioterapeuta, especialista em Fisioterapia do Trabalho. 3 Orientadora Metodológica: Fisioterapeuta. Especialista em Metodologia do Ensino Superior. Mestranda em Bioética e Direito em Saúde.

2 2 muito mais intensa quando o trabalhadorese empresários, e esta expressão fica muito mais intensa quando o trabalhador entra na justiça do Trabalho alegando ter adquirido uma doença ocupacional durante seu tempo de trabalho na empresa. Neste momento a empresa tem que provar que ela não foi à responsável pelo resultado apresentado pelo trabalhador. Pois bem, inúmeros destes casos acabam em litígios trabalhistas, aonde em boa parte destes processos são necessários a convocação do perito, a perícia constitui-se numa forma de provar, por meio da qual pessoas especialmente capacitadas, em decorrência dos conhecimentos técnicos e científicos que possuem, por ordem judicial e mediante compromisso de informarem o Juízo a respeito de ocorrência de determinados fatos, bem como do significado dos mesmos. É de fundamental importância para os esclarecimentos dos itens obscuros na reclamação trabalhista, ao qual o magistrado não possui conhecimento técnico do assunto específico, e por isso há necessidade deste profissional. Desta forma é nítida a necessidade do perito em conhecimento das duas matérias ergonomia e doenças ocupacionais, pois ele tem a difícil tarefa de esclarecer as duvidas inerentes do processo no qual foi nomeado perito. O questionamento feito em todo processo é se existeo vínculo entre a conduta do agente e o resultado por ela produzido, no qual é denominado de nexo causal. Tendo o perito que analisar todas as condutas positivas e negativas que talvez levassem a doença reclamada. Neste ponto que o conhecimento da ciência da ergonomia apresenta seu vínculo com as doenças ocupacionais. 2. Ergonomia 2.1 Histórico Em 1857 Yastrezebowisky publicou um artigo intitulado "ensaios de ergonomia ou ciência do trabalho". O tema é retomado quase cem anos depois, quando em 1949 um grupo de cientistas e pesquisadores se reúnem, interessados em formalizar a existência desse novo ramo de aplicação interdisciplinar da ciência. No começo deste século, segundo Laville (apud Gonçalves, 1998), Juler Amar apresentou as bases da ergonomia do trabalho físico e estudou os diferentes tipos de contração muscular (dinâmica e estática), se interessando pelos problemas de fadiga no envelhecimento. Seu livro, O Motor Humano, que surgiu em 1914, foi a 40 primeira obra de ergonomia descrevendo os métodos de avaliação e as técnicas experimentais, apresentando as bases fisiológicas do trabalho muscular e relacionando-as às atividades profissionais. Em 1950, durante a segunda reunião deste grupo, foi proposto o neologismo "ERGONOMIA", formado pelos termos gregos ergon(trabalho) e nomos(regras). Funda-se assim no início da década de 50, na Inglaterra, a ErgonomicsResearchSociety. Em 1955, é publicada a obra "Análise do Trabalho" de Obredane&Faverge, que se torna decisiva para a evolução da metodologia ergonômica. Nesta publicação é apresentada de forma clara a importância da observação das situações reais de trabalho para a melhoria dos meios, métodos e ambiente do trabalho. ParaLaville (apud Gonçalves, 1998), o conteúdo da ergonomia como disciplina autônoma tem sua origem na Inglaterra. Na França, ela iniciou seu desenvolvimento nos setores de pesquisa e ensino público (Conservatório Nacional de Artes e Trabalho, Centro Nacional de Pesquisa Científica, Escola Prática de Autos Estudos), progressivamente atingindo os setores industriais (Régie Renault, Charbonnages de France), começando a penetrar no setor privado. 2.2 Definição De acordo com InternationalErgonomicsAssociation (IEA) ergonomia defini-se como, estudo científico da relação entre o homem e os meios, métodos e espaços de trabalho. Tendo como objetivo elaborar mediante a contribuição de diversas disciplinas cientificas, uma melhor adaptação ao homem dos meios tecnológicos e dos ambientes do trabalho de vida.

3 3 Já para Associação Brasileira de Ergonomia (ABERGO) define de forma mais simples porém não menos complexa de executá-la, como o estudo da adaptação do trabalhos as características fisiológicas e psicológicas do ser humano. A definição de Ergonomia que se encontra na última edição do Aurélio (2010) menciona: conjunto de métodos e técnicas empregadas para projetar postos e situações de trabalho. Para realização dos seus objetivos a ergonomia estuda uma diversidade de fatores que são: o homem e suas características físicas, fisiológicas e psicológicas; a máquina que constituem todas as ferramentas, mobiliário, equipamento e todas instalações; o ambiente que contempla a temperatura, ruídos, vibrações, luz e tudo aquilo em volta ao trabalho; as informações quem referem-se aos sistemas de transmissão de informação; organização que envolve todo o sistema de funcionalidade da empresa, horários, produção, turnos, equipes; e estuda também as conseqüências do trabalho onde entram as questões relacionadas com os erros, doenças ocupacionais, fadiga e o estresse (IIDA,1992). A meta principal constitui a segurança e o bem-estar dos trabalhadores no seu relacionamento com os sistemas produtivos. A eficiência é consequência e não fim, pois se colocada a eficiência como objetivo principal poderia significar sofrimento e sacrifício dos trabalhadores o que poderia levar aos resultados negativos de produção e produto final. Em 1948 com o projeto da cápsula espacial norte americana, nasce o conceito de ergonomia moderna, pois por esse motivo foi necessário fazer um novo plano de tempos e meios para se fazer viagem ao espaço, devido aos desconfortos que os astronautas passaram no primeiro protótipo, surge assim através da antropometria, o conceito de que o fundamental não é adaptar o homem ao trablho, mas procurar adaptar as condições de trabalho ao ser humano (PANERO e ZELNIK,1991). Uma das características da ergonomia é a sua interdisciplinaridade, existem diversos profissionais ligados com as questões ergonômicas seja diretamente com a saúde, ao projeto de máquinas e equipamentos, com a organização do trabalho. Não existe uma categoria profissional que por si apenas possa ser capaz de dar uma solução ergonômica completa, algumas profissões estão relacionadas com mais intimidade aos conceitos ergonômicos devido suas formações cientificas, como por exemplo engenharia, medicina, fisioterapia, psicologia, arquitetura, nutrição e enfermagem. 2.3 Classificação, intervenções e benefícios Para Laville (apud Gonçalves e Fidelis, 1998), a ergonomia pode ser classificada em três tipos conforme a época/situação em que é realizada. Ergonomia de Concepçãoé o estudo ergonômico que se realiza no decorrer de um projeto de um produto, serviço, maquinas e ambiente laboral. Saad (apud Vieira, 1997) complementa dizendo que a Ergonomia de Concepção é o estudo ergonômico de instrumentos e ambiente de trabalho antes de sua construção; Ergonomia Corretivaé a que modifica sistemas já existentes. Para Saad (apud Vieira, 1997), na Ergonomia Corretiva, o estudo ergonômico só é feito após a construção do instrumento e/ou ambiente de trabalho; Ergonomia de Conscientizaçãoesta pautada na conscientização do colaborador através do fornecimento de informações continuas no que se refere a minimização de riscos para sua saúde física e mental. Como supracitado temos que entender que existem esferas dentro dos estudos ergonômicos, de acordo com ABERGO as áreas de domínio do especialista em ergonomia são: 1) ergonomia física: está relacionada com características da anatomia humana, antropometria, fisiologia e biomecânica em sua relação com a atividade física. Os tópicos relevantes incluem o estudo da postura no trabalho, manuseio de materiais, movimentos repetitivos, distúrbios musculoesqueléticos relacionados ao trabalho, projeto de posto de trabalho, segurança e saúde; 2) Ergonomia cognitiva no qual refere-se aos processos mentais, tais como percepção,

4 4 memória, raciocínio e resposta motora conforme afetem as interações entre seres humanos e outros elementos de um sistema. Os tópicos relevantes incluem o estudo da carga mental de trabalho, tomada de decisão, desempenho especializado, interação homem computador, stress e treinamento conforme esses se relacionem a projetos envolvendo seres humanos e sistemas; 3) Ergonomia organizacional em que concerne à otimização dos sistemas sóciotécnicos, incluindo suas estruturas organizacionais, políticas e de processos. Os tópicos relevantes incluem comunicações, gerenciamento de recursos de tripulações (CRM - domínio aeronáutico), projeto de trabalho, organização temporal do trabalho, trabalho em grupo, projeto participativo, novos paradigmas do trabalho, trabalho cooperativo, cultura organizacional, organizações em rede, tele-trabalho e gestão da qualidade. Para Couto (1995) existem os níveis de intervenção ergonômica que uma equipe pode realizar, ele os classifica assim: 1) transformação das condições primitivas em postos de trabalho; 2) melhoramento das condições de conforto relacionadas ao ambiente de trabalho; 3) otimização do método de trabalho; 4) organização do sistema de trabalho; 5) ergonomia de concepção. Para Silva Filho (1995), os ambientes que tiverem alastrado o conhecimento dos princípios ergonômicos junto ao seu corpo de trabalhadores, apresentarão melhores condições para que ali se processe uma gestão com melhor qualidade de vida no trabalho e conseqüentemente maior produtividade. Souza (apud Silva Filho, 1995), diz que a incorporação da ergonomia no projeto e gerenciamento das organizações é fundamental para que o trabalho seja realizado de forma mais satisfatória, segura e eficiente. Existem diversos estudos apontando os resultados apresentados após a implantação de programa ergonômico em indústrias,comércios e prestadores de serviço. Os resultados como melhoria na qualidade de vida, diminuição de absenteísmo, diminuição de atestados médicos, aumento da relação trabalhador/empresa, melhoria das condições de trabalho entre outros, consequentemente melhorou o serviço e a qualidade do produto final, ergonomia trabalha em cima da tríade, conforto, segurança e qualidade. 2.4 Domínios do especialista em Ergonomia Trata-se de uma disciplina orientada para uma abordagem sistêmica de todos os aspectos da atividade humana. Para darem conta da amplitude dessa dimensão e poderem intervir nas atividades do trabalho é preciso que os ergonomistas tenham uma abordagem holística de todo o campo de ação da disciplina, tanto em seus aspectos físicos e cognitivos, como sociais, organizacionais, ambientais, etc. Frequentemente esses profissionais intervêm em setores particulares da economia ou em domínios de aplicação específicos. Esses últimos caracterizam-se por sua constante mutação, com a criação de novos domínios de aplicação ou do aperfeiçoamento de outros mais antigos. A contribuição dos ergonomistas está relacionada ao planejamento, projeto e a avaliação de tarefas, postos de trabalho, produtos, ambientes e sistemas de modo a torná-los compatíveis com as necessidades, habilidades e limitações das pessoas e de maneira geral, os domínios de especialização da ergonomia são a ergonomia física, cognitiva e organizacional. 3 Lesões por Esforço Repetitivo e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao trabalho (LER/DORT) 3.1Breve Histórico Brasil O fenômeno que chegou no Brasil em cerca 1984, quando começam os primeiros casos descritos de LER em digitadores. O tema é abordado pela primeira vez por Mendes Ribeiros, no I Encontro Estadual de Saúde dos Profissionais de Processamentos de Dados do Rio Grande do Sul (PIRES 1998).

5 5 Na década de 80, trabalhadores submetidos a intensas jornadas de trabalho, muitas associadas à baixa remuneração, ergonomia inapropriada eao estresse, passaram a apresentar vários sintomas heterogêneos que resultaram em ações trabalhistas. Na ausência dos conhecimentos médicos atuais, esse grupo de sintomas foi reunido em uma sigla arbitrária (LER, e depois, DORT) quando, de fato, representavam muitas doenças, com causas, mecanismos e tratamentos diferentes. O desconhecimento que marcou esse período atribuiu, equivocadamente, a causa de todas essas doenças às repetições de movimentos no contexto do trabalho. Esse equívoco foi facilitado pelo fato de a maioria dos trabalhadores em litígio trabalhista serem provenientes da indústria, que produz em série. Com o mercado cada vez mais competitivo as empresas vivem uma competição cada vez mais intensa para sobreviver no mercado, muitas delas usam a filosofias de grande produtividade com baixo custo, o que impõem as vezes ritmos intensos de trabalho, turnos de trabalho prolongados, falta de estrutura física ideal para exercer as atividades e outros fatores (PIRES 1998). Segundo o Programa Nacional de Prevenção às LER/DORT (PANERO e ZELNIK,1991), esses distúrbios atingem o trabalhador no auge de sua produtividade e experiência profissional. A maior incidência ocorre na faixa etária de trinta a quarenta anos. As categorias profissionais que encabeçam as estatísticas são bancários, digitadores, operadores de linha de montagem, operadores de telemarketing, secretárias, jornalistas, entre outros, sendo as mulheres as mais atingidas. As estatísticas demonstram crescimento do numero dos casos de DORT, tendo como vítimas não apenas digitadores, telefonistas, bancários, operadores de caixa, operários dentre outros. O que antes parecia ser uma doença isolada, causada simplesmente por movimentos repetidos, começou a tomar rumos devastadores na sociedade e para economia (PIRES 1998). A LER foram reconhecidas como doença do trabalho em 1987, através da portaria n.4.062, de 06 de agosto de 1987, do Ministério da Previdência Social, e mantém o primeiro lugar das doenças ocupacionais notificadas na Previdência Social 3.2 Conceito O Occupational Safety Health Administration (OSHA, 1999) classifica as LER/DORT como distúrbios dos músculos, nervos, tendões, ligamentos, articulações, cartilagens ou discos intervertebrais, associados à exposição aos fatores de risco na atividade de trabalho. O Instituo Nacional se Seguro Social (INSS) recentemente editou a Instrução Normativa INSS/DC n.98, de 05 de dezembro de 2003, publicada no Diário Oficial da União de 10 de dezembro de 2003, que aprovou nova Norma Técnica sobre Lesões por Esforços Repetitivos - LER ou Distúrbio Osteomusculares Relacionados ao Trabalho DORT. Ou seja, a LER/DORT foi assim conceituada: como uma síndrome relacionada ao trabalho, caracterizadas pela ocorrência de vários sintomas concomitantes ou não, tais como: a dor, parestesia, sensação de peso, fadiga, aparecimento insidioso, geralmente nos membros superiores, mas podendo acometer membros inferiores. Entidades neuro-ortopédicas definidas como tenossinovites. Sinovites, compressões de nervos periféricos, síndrome miofasciais, que podem ser identificadas ou não. Freqüentemente são causa de incapacidade laboral temporária ou permanente. São resultados da combinação da sobrecarga das estruturas anatômicas dos sistemas osteomuscular com falta de tempo para sua recuperação. A sobrecarga pode haver seja pela utilização excessiva de determinados grupos musculares em movimentos repetitivos com ou sem esforço localizado, seja pela permanência de segmentos do corpo em determinadas posições por tempo prolongado, particularmente quando essas posições exigem esforço ou resistência das estruturas musculoesqueléticas contra a gravidade. A necessidade de concentração e atenção do trabalhador para realizar suas atividades e a tensão imposta pelo

6 6 trabalho e ritmo acelerado são fatores que interferem de forma significativa para a ocorrência das LER/DORT. 3.3 Fases e classificação Para Harberg (1995), existem fases na evolução da LER/DORT, são elas: Fase 1 - Apenas dores mal definidas e subjetivas, melhorando com repouso; Fase 2 - Dor regredindo com repouso, apresentando poucos sinais objetivos; Fase 3 - Exuberância de sinais objetivos, e não desaparecendo com repouso e Fase 4 - Estado doloroso intenso com incapacidade funcional (não necessariamente permanente). No Brasil inicialmente foi adotado o seguinte sistema de estadiamento, para categorizar os pacientes que apresentavam quadro clinico inespecífico, mas considerados como portadores de LER/DORT : Esta classificação de estágio evolutivo constitui uma referência importante para identificação dos graus de incapacidade e concessão do respectivo auxilio-acidente ou aposentadoria por invalidez, de acordo com as Normas Técnicas edita pelo Ministério da Previdência Social. Entretanto os diagnósticos podem ser inespecíficos ou específicos em um paciente, podendo ser categorizado dentro de um ou mais níveis citados. O conceito de estadiamento tanto para uma suposta LER/DORT como para associação de enfermidades, não tem qualquer base cientifica e deve ser abandonada. Mesmo sem estudos epidemiológicos confirmativos, ainda ocorre o uso indevido e indiscriminado deste sistema de estadiamento, baseado apensa na subjetividade das queixas e no comportamento de seus pacientes. Ou podendo ser avaliada através de estágios, Estágio 1 - Dor e cansaço nos membros superiores durante o turno de trabalho, com melhora nos fins de semana, sem alterações no exame físico e com desempenho normal; Estágio 2 - Dores recorrentes, sensação de cansaço persistente e distúrbio do sono, com incapacidade para o trabalho repetitivo; Estágio 3 - Sensação de dor, fadiga e fraqueza persistentes, mesmo com repouso. Distúrbios do sono e presença de sinais objetivos ao exame físico. Analisando da forma supracitada parece ser simples evidenciar qual estágio e prognóstico que a doença está no individuo, mas não é. Cada pessoa responde de forma diferente, lembrando que essas patologias não são oriundas apenas de movimentos repetitivos, como ainda se pensa. 3.4 Fatores de Risco Embora didaticamente divididos em individual-pessoais, físicos, ambientais, organizacionais e psicossociais, estes fatores de risco não atuam de forma independente; o que ocorre nos locais de trabalho é uma interação dos diversos fatores (HAGBERG et al, 1995; INSS, 2003). Os fatores individuais e pessoais são bastante variados, incluindo treinamentos, habilidades motoras, idade e gênero. Os fatores físicos mais comumente referidos são: o uso de força excessiva, repetição de movimentos e postura inadequada. Os fatores ambientais encontramse relacionados às temperaturas extremas, aos níveis de ruído, à iluminação inadequada e as vibrações. Os fatores organizacionais dizem respeito sobre como o trabalho é estruturado, supervisionado, mensurado e remunerado. Os fatores psicossociais descrevem os aspectos subjetivos da organização do trabalho e como eles são percebidos pelos trabalhadores e pela hierarquia das empresas (HAGBERG et al, 1995). A relação entre a causalidade dos DORT é extremamente complexa, visto que geralmente são oriundos do conjunto destes fatores. Embora se reconheça que a etiologia seja multifatorial, ainda não se sabe a importância relativa dos fatores causais, de confusão e os modificadores (KILBOM, 1998). Muitos estudos mostram dados conflitantes, o que torna difícil estabelecer o quanto cada fator de risco contribui para a ocorrência destes problemas (FALLENTIN et al, 2001).

7 7 Na caracterização da exposição aos fatores de risco, alguns elementos são importantes (INSS, 2003), dentre outros: a região anatômica exposta aos fatores de risco; a intensidade dos fatores de risco; a organização temporal da atividade e o tempo de exposição aos fatores de risco. Ainda em relação a estes fatores, Kuorinka&Forcier (1995) destacam que os grupos de fatores de risco para LER/DORT podem ser relacionados com: o grau de adequação do posto de trabalho à zona de atenção e à visão, a dimensão do posto de trabalho pode forçar os indivíduos a adotarem posturas ou métodos de trabalho que causam ou agravam as lesões osteomusculares; o frio, as vibrações e as pressões locais sobre os tecidos, a pressão mecânica localizada é provocada pelo contato físico de cantos retos ou pontiagudos de um objeto ou ferramentas com tecidos moles do corpo e trajetos nervosos; as posturas inadequadas; a carga osteomuscular. A carga osteomuscular pode ser entendida como a carga mecânica decorrente de uma tensão (por exemplo, a tensão do bíceps); de uma pressão (por exemplo, a pressão sobre o canal do carpo); de uma fricção (por exemplo, a fricção de um tendão sobre a sua bainha); de uma irritação (por exemplo, a irritação de um nervo). Relacionam as LER/DORT apenas fatores físicos e isso é um grande equivoco por parte das investigações e conclusões periciais realizadas, podemos citar outros fatores como: A invariabilidade da tarefa, ou seja, invariabilidade da tarefa implica monotonia fisiológica e/ou psicológica; As exigências cognitivas podem ter um papel no surgimento das LER/DORT, seja causando um aumento de tensão muscular, seja causando uma reação mais generalizada de estresse; Os fatores organizacionais e psicossociais ligados ao trabalho, tendo suas diferenças, os fatores psicossociais do trabalho são as percepções subjetivas que o trabalhador tem dos fatores de organização do trabalho. Como exemplo de fatores psicossociais pode citar: considerações relativas à carreira, à carga e ritmo de trabalho e ao ambiente social e técnico do trabalho. A percepção psicológica que o indivíduo tem das exigências do trabalho é o resultado das características físicas da carga, da personalidade do indivíduo, das experiências anteriores e da situação social do trabalho. O conhecimento das origens (causas) destes distúrbios pode oferecer a oportunidade de controlar sua ocorrência e evitar o processo de reabilitação, que é bastante oneroso, tanto para o trabalhador quanto para a empresa (MARRAS, 2004). Assim, a abordagem preventiva procura deslocar seu objeto de maior interesse do individuo em si, para as condições de trabalho a que esses indivíduos estão submetidos, com o objetivo de alterá-las, proporcionando condições mais seguras (GIL COURY, 1993). 4. Análise Ergonômica NR-17 No Brasil, o Ministério do Trabalho (MTb) baixou a Portaria n em 23/11/1990 que instituiu a Norma Regulamentadora NR-17 que trata especificamente da ergonomia. Esta norma visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos operadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente. É importante salientar, que com esta norma se desperta no meio empresarial brasileiro o interesse pela Ergonomia. A Análise Ergonômica do Trabalho - AET é uma Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo dos desdobramentos e consequências físicas e psicofisiológicas, decorrentes da atividade humana no meio produtivo. Consiste em compreender a situação de trabalho, confrontar com aptidões e limitações à luz da ergonomia, diagnosticar situaçõescríticas à luz da legislação oficial, estabelecer sugestões, alterações e recomendações de ajustes de processo, ajustes de produto, postos de trabalho, ambiente de trabalho. A AET busca estabelecer uma aproximação no que se refere à compreensão geral de problemas relacionados com a organização do trabalho e seus reflexos em prováveis ocorrências de lesões físicas e transtornos psicofisiológicos (RIGHI, 2009).

8 8 Para Guerin (2001)aplicar os conhecimentos da Ergonomia para analisar, diagnosticar e corrigir uma situação real de trabalho. A AET é uma metodologia que busca eliminar ou minimizar disfunções no trabalho, subdividindo-o e analisando suas partes, a fim de levantar hipóteses e validá-las para melhorar a qualidade de vida no trabalho. A Análise Ergonômica consiste em emitir juízos de valor sobre o desempenho global de determinados sistemas homem-máquina ou homemtarefa e pode resultar de uma demanda direta (relativa às condições de trabalho) ou indireta (relacionada à segurança no trabalho, à fabricação, ao recrutamento e seleção de mão-de-obra etc.). Resulta ainda de uma planificação de um sistema de melhoria da qualidade e de aumento da produtividade(lima,2003). Segundo Vidal (2002), as Análises Ergonômicas são análises quantitativas e qualitativas que permitem a descrição e a interpretação do que acontece na realidade da atividade enfocada. A Análise Ergonômica figura como um instrumento de essencial importância num sistema produtivo, quer de produto ou de serviço, não só para proporcionar conforto e segurança ao trabalhador (usuário) mas, também, para extrair deste maior produtividade, com consequência no aumento dos lucros e na diminuição das perdas (LIMA, 2003). Diz a NR 17, em seu item que: para avaliar a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, cabe ao empregador realizar a Análise Ergonômica do trabalho. Assim, não há, para esse tipo de ação, a faculdade ou arbítrio do empregador, mas sua efetiva realização, vinculada a uma exigência normativa. O ambiente de trabalho, para este estudo mais direcionado às situações onde existem relações de emprego, deve proporcionar conforto e boas condições aqueles que desenvolvem suas atividades. A questão de um ambiente de trabalho adequado insere-se em um âmbito maior, qual seja, com a finalidade de preservar a saúde do trabalhador em sua integralidade. Sobre o tema Machado (2001) diz que a questão ambiental, que nos últimos anos vem aumentando a discussão e compreensão entre a relação de saúde e trabalho. O ser humano em regra, dedica seu tempo ao descanso, lazer e ao trabalho quando encontra a possibilidade de uma ocupação, que está cada vez mais difícil. Embora o trabalho seja essencial para o desenvolvimento do ser humano e a base da organização social, dadas as condições econômicas atuais, em gande parte do mundo capitalista, os trabalhadores vivem as ameaças de desemprego. O medo de perder o posto de trabalho sujeita o trabalhador aceitar condições desfavoráveis para sua realização, tais como ritmo acelerado de atividades, prolongamento de atividade, medo frente aos avanços e desafios tecnológicos (MANDALOZZO, 2010). 5. Perícia Judicial Trabalhista 5.1 O perito No seu processo histórico a civilização vai organizando e tomando ciência de que existem indivíduos que se destacavam dos demais, por sua experiência ou por maior poder físico, dentre estes existia o que comandava a sociedade desde o tempo primitivo, este comandante também tinha o poder de perito, juiz, legislador e executor ao mesmo tempo. Cabia a ele, por sua visão, julgar, elaborar e executar as leis. Naqueles tempos, a ato de avaliar as circunstâncias do ocorrido ainda não passava pela divisão técnica do trabalho e social, mas pode-se pressupor que foi a origem para o que hoje corresponde ao exame de situação, coisa ou fato (DANTAS et al.,2009). Faltando conhecimento técnico especializado ao juiz, este indica um técnico que posso fazer o exame dos fatos objeto de causa, transmitindo esses conhecimentos ao magistrado, por meio de um parecer. Eis a perícia (MARTINS, 2005). Segundo Ferreira (2001), perito é uma pessoa qualificada e experiente em determinado assunto, com conhecimentos técnico e prático na matéria no qual é solicitado a opinar. Mas para cumprir a missão de periciar, é necessário, além deste conhecimento especifico, analisar

9 9 o caso dos diversos pontos de vista, avaliar e interpretar as provas, ter bom senso e traduzir qualquer problema a termos simples e facilmente entendidos. Ter juízo e crítica para hierarquizar os fatos, prudência nas decisões e, sobretudo nas conclusões, considerando no caso das perícias técnicas outros instrumentos jurídicos como o Código de Processo Civil. O art. 3º da Lei nº 5.584/70 determinou que os exames periciais serão realizados por perito único designado pelo juiz, que fixará o prazo para entregar o laudo. Esse dispositivo revogou o art. 826 da CLT. Antigamente cada parte indicava seu perito que, na verdade, defendia as partes. Com a edição da Lei nº 5.584/70 o perito é único do juízo. As partes podem indicar assistentes técnicos, mas o único que presta compromisso é o perito, pois o assistente técnico não o faz, nem vincula seu trabalho ao juiz. Essa orientação de perito único foi albergada inclusive pele CPC de 1973, pois notou-se que o compromisso vinculava o assistente técnico ao juiz, além do que, com o perito único, não há mais interesse daquele em ajudar ou prejudicar a parte, pois apenas responde ao juiz da causa (MARTINS, 2005). Ainda de acordo com Martins 2005,serão escolhidos os peritos entre profissionais de nível universitários, devidamente registrados no órgão de classe competente ( 1º do art, 145 do CPC). Comprovarão os peritos suas especialidades na matéria qual deverão opinar, mediante certidão do órgão profissional que estiverem inscritos. O perito judicial, através de suas diligências, representa o juiz. Costuma-se dizer que ele tem os olhos e ouvidos do juiz, devendo apresentar, em seu parecer técnico, as condições de trabalho e caracterizar o tipo de exposição existente para que o mesmo possa tirar conclusões sobre o processo a ser julgado. O laudo pericial tem como objetivo principal esclarecer os aspectos técnicos envolvendo os processos trabalhistas. Desta forma o perito deve tentar responder aos pedidos de esclarecimento levantado pelas partes através dos quesitos, essas respostas devem respeitar seus limites técnicos, importante apresentar estes esclarecimentos em uma linguagem de fácil entendimento por todos envolvidos no processo. O perito se limitará apenas a responder os quesitos relacionados ao objeto da pericia baseados nos aspectos técnicos previstos na NR s. 5.2Estabelecendo Nexo Causal Para discutir nexo causal partimos do conceito de causalidade. Por causalidade ou causalismo, entende-se o método por meio do qual o pensador busca o conhecimento das coisas, das verdades, pela busca das suas causas, estudando-as, analisando-as. Num sentido mais amplo a causalidade é a maneira específica no qual o eventos se relacionam e surgem. Aprender a causalidade de um fenômeno é aprender sua intangibilidade. Embora cause e efeito geralmente seja referidos a eventos, podem ser referidos também a objetos, processos, situações propriedades, variáveis, fatos ou estados de coisas. A caracterização de uma relação causal, distinguindo-a da simples correlação, ainda é assunto controverso (MIDLIN,2008). Cesar Fiúza conceitua nexo causal como a relação de causa e efeito entre a conduta culpável do agente e o dano por ele provocado. Já Roberto de Abreu e Silva vai mais além, expondo que determina-se nexo de causalidade o elo das correntes dos fatos que se liga a ação antijurídica do lesante ao resultado causando o dano proibido pela lei. O estabelecimento de nexo causalentre uma doença e o seu agente causador decorre de um estudo de grande complexidade e difícil. Atualmente a procura por este diagnostico, além do conteúdo histórico deste fenômeno de múltiplas características que é a doença, sempre revela implicações sociais que se envolvem no processo de investigação. Como descrito por Bradford Hill (1991), para os princípios da causalidade foi estabelecido alguns parâmetros necessários para estabelecer o nexo causal entre duas variáveis associadas de forma estatisticamente significativa na investigação (LEAVELLI;CLARK, 1976).

10 10 Foram utilizados quatro elementos, são eles: força de associação, especificidade do efeito, sequencia temporal e topografia, sendo usada a seguinte metodologia, a força de associação de visa averiguar se a suposta associação entre causa e efeito (lesão), é alta ou baixa, se há uma grande ou pequena associação; a constância, que destina-se a conhecer se associação entre as duas variáveis (o evento infortúnio e o dano) que se pretenda relacionar; a especificidade do efeito que é um critério útil quando determinado efeito se relaciona diretamente com uma causa específica; a sequencia temporal, que é aquela que garante um efeito (lesão) apareceu apenas depois de ter agido uma certa causa conhecida e a topografia, visto que mais por evidente que se pode estabelecer que o agente agressivo provoca lesões em um determinado local, ao passo que no local simétrico no que ele não agiu, não se observam as mesmas lesões. Uma ferramenta importante que não pode ser deixada de lado pelo perito é a inspeção clinica e principalmente in locos (local de atuação do funcionário) é impossível estabelecer o nexo de causalidade sem a investigação do local de trabalho do reclamante, pois lá está a ligação da doença com o trabalho. 6 Metodologia O presente estudo foi realizado no período de maio de 2011 à novembro de 2012, no qual foi feito um levantamento bibliográfico de 1989 a 2011, consultando os resumos de artigos de periódicos nacionais, internacionais e eletrônicos nas bases de dados: diretório CAPEs, Mediline, Lilacs e Jusbrasil. Livros do acervo da biblioteca da Universidade Paulista Amazonas e biblioteca pessoal foram utilizadas para a busca de artigos as seguintes palavraschave em português: ergonomia, perícia, nexo causal e ler/dort. 7 Resultados e Discussão Os resultados apresentados demonstram uma ligação direta entre ergonomia, nexo causal e ler/dort, 80% dos autores fazem referencia da importância do conhecimento no ambiente do trabalho, desde o aspecto físico, cognitivo e organizacionais do trabalho. E todos os autores estudados no aspecto ergonomia conceituam as variáveis físicas, cognitivas e organizacionais do trabalho como objeto de estudo dos ergonomistas. Três artigos apresentaram a necessidade de mais profissionais envolvidos para estabelecer o nexo causal relacionados a LER/DORT, por ser de alta complexidade e que necessita de conhecimentos em áreas diversas. A revisão de literatura confirma a presença dos fatores ergonômicos como importantes para a investigação dos casos envolvendo LER/DORT, maior parte dos autores citam a palavra ergonomia durante suas obras, assim evidenciando a ligação desta área com as pericias trabalhistas envolvendo tais acometimentos. O diagnóstico e o estabelecimento de nexo causal devem ser feitos em conjunto por profissionais que estejam familiarizados com a questão, incluindo-se neste grupo médicos e psicólogos, entre outros. Embora haja quem acredite que os ortopedistas sejam os mais indicados para verificação do nexo causal, a formação com base no currículo dos cursos de medicina não é a mais indicada para esta análise. A abordagem multidisciplinar para este tipo de caso é pouco comum no Brasil, sendo usual nos países nórdicos e nos EUA (Settimiet al. 2000). Por um lado aumentam demanda de processos que necessitam de realização de pericias técnicas relacionadas à saúde do trabalhador, por outro o numero de profissionais qualificados para tal necessidade encontra-se limitado. Ainda existe a ligação direta da figura do médico as pericias envolvendo LER/DORT, algumas vezes o mesmo nem tendo formação em medicina do trabalho, que também não garante conhecimento amplo para a resolução da necessidade do processo.

11 11 Com os avanços da tecnologia os diagnósticos por imagem ajudam e agilizam ao esclarecimento do diagnostico da doença reclamada, porém isto é apenas o inicio da investigação de nexo causal, pois fio evidenciado a doença, existe o relato da função exercida pelo trabalhador, então caberá ao perito fazer a investigação para estabelecer o nexo ou não da relação doença e trabalho. Para Geovanni Moraes (2008), os acidentes ou doenças ocupacionais podem ser diminuídos combatendo os riscos, com a finalidade de proteger o interesse coletivo. É necessário enfrentar o mal pela raiz e atacar as causas. De acordo com o Sistema Federal de Inspeção do Trabalho (SFIT-2003), os principais fatores causais dos acidentes do trabalho no de 2003 foram: modo operatório inadequado, falha na detecção de risco, falta ou inadequação de analise de risco da tarefa, ausência de treinamento, improvisação, procedimento de trabalho inexistente e tarefa mal concebida. Ou seja, todos os fatores que através de programas ergonômicos poderiam ser evitados. Quando o perito conhece os mecanismos de prevenção de acidentes e lesões, facilita o diagnostico para estabelecimento de nexo causal, pois são essas variáveis muitas vezes ignoradas pelo empregador que acabam resultando em lesões futuras, que algumas podendo ser classificas como grave. De forma geral, o acidente pode ser definido como o evento indesejável não planejado que pode resultar em lesão pessoal, doenças, danos a propriedade ou impactos ambientais. Qualquer tipo de acidente, certamente, trará prejuízos financeiros, tornando-se uma barreira ao objetivo principal da organização, que é ser produtiva e lucrativa (MORAES, 2008). Lembrando que a doença ocupacional também é um acidente de trabalho que se manifesta de forma lenta e gradual em função de uma exposição continua aos agentes ambientais e a outros riscos inerentes ao exercício do trabalho. Pesquisas organizacionais sugerem que 80% a 95% dos acidentes se originam de fatores comportamentais como resultado na ineficácia das barreiras ou defesas dos sistemas de gestão. Portanto, a investigação pericial deve procurar evidenciar também a existência de ferramentas visando à identificação de desvios comportamentais e organizacionais, de modo identificar quais barreiras (mecanismos de controle) foram ineficazes para interromper a trajetória do acidente, não apenas o quadro clinico que o periciado apresenta. Um documento que acaba sendo esquecido por muitos peritos judiciais trabalhistas é a analise ergonômica, como já foi supracitado, ela é uma obrigação, com importância comparada ao PPRA, PCMSO e outros. Seria impossível avaliar a qualidade de um documento ergonômico sem conhecimento no mesmo, como o questionamento nos litígios está relacionado ao nexo causal e não a doença reclamada, pois esta muitas vezes é esclarecida através de exames de imagens e histórico do periciado, já o ambiente de trabalho do periciado precisa de uma investigação ampla, pois lá estarão as informações necessárias para estabelecimento do nexo de causalidade. O conhecimento em ergonomia não é exclusiva de uma única profissão, devido sua complexidade, ou muito menos pode-se considerar especialista com cursos de duração de 20 horas. Para isso alguma instituições de ensino já oferecem especialização Latu-Sensu em Ergonomia. 8. Conclusão O conhecimento da ergonomia para os peritos judiciais trabalhistas não é algo que possa suprir apenas com base clínica da formação universitária. Hoje os profissionais que realizam pericias nos casos relacionados a ler/dort são médicos e fisioterapeutas em geral, e quando levanta-se a necessidade de dominar o assunto ergonômico nenhuma dessas profissões estão excluídas de obter este conhecimento. O médico comoqualquer outra formação sem ter a especialização em medicina do trabalho não tem em sua grade curricular a matéria ergonomia,

12 12 e no lado dos fisioterapeutas apenas os especialistas em fisioterapia do trabalho possuem esta disciplina em sua formação, e seus respectivos conselhos apresentam normas e resoluções que consideram como habilitados apenas os médicos e fisioterapeutas do trabalho para atuarem nesta área. Deve-se ressaltar que existe pós-graduação Latu Sensu na matéria especifica de ergonomia. Durante a investigação pericial são necessárias as avaliações clinicas e in loco (no posto de trabalho) para avaliar o ambiente e as condições de trabalho no qual o trabalhador exerce sua função. Durante a avaliação in loco o perito precisa dominar a área de ergonomia para poder relacionar os achados clínicos, nos quais foram obtidos no consultório, com os pontos ergonômicos que apresentam no posto de trabalho do periciado,estabelecendo ou não o nexo causal. Os peritos têm como dever realizar investigação e apresentar de forma conclusiva os fatos inerentes ao processo trabalhista, para isso é necessário didática e metodologia para desenvolvimento do laudo. Assim ele não dará oportunidade para impugnação domesmo além de esclarecer as duvidas relacionadas ao litigio trabalhista.. Não podemos tratar as pericias como algo de simples resolução, limitando a observação de altura de assento, altura de bancada, observando outros documentos como PPRA e PCMSO. Pois existem diferenças entre cada indivíduo e as empresas onde cada um exerce sua função, logo, não se pode tirar conclusões através de postos semelhantes ou processos trabalhistas similar. Quando o perito obtém o conhecimento em ergonomia ele começa a ver as LER/DORT não apenas como inicio no fator repetitivo ou de mobiliário, e sim levando em consideração fatores psicossociais, cognitivos, organizacionais e também os físicos, sendo essas, variáveis que não podem ser descartadas durante uma avaliação pericial.desta forma é imprescindível a necessidade do conhecimento em ergonomia pelos peritos judicias trabalhistas quem envolvem LER/DORT paraestabelecer o nexo causal. 8. Revisão Bibliográfica BARACAT, Eduardo Milléo. A boa-fé no direito individual do trabalho. São Paulo: Ltr, Brasil. INSS. Instrução Normativa INSS/DC, nº 98 de 5 de dezembro de Brasil Protocolo de investigação, diagnóstico, tratamento e prevenção de Lesão por Esforço Repetitivo: distúrbios osteomusculares relacionados ao Trabalho. Brasília: Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde COUTO, Hudson de Araújo. Ergonomia aplicada ao trabalho: Manual Técnico da máquina humana. ERGO editora, DANTAS, R. A. A. Perícia médica: contribuições para a discussão trabalhista, previdenciária, administrativa e médica legal, Aracaju: UFS/SERCORE, FALLENTIN, N et al. Physical exposure assessment in monotonous repetitive work: The PRIM study. Scandinavian Journal of Work, Enviroment& Health, Copenhagen, v.27, n.1, FIUZA, Cesar. Op. Cit. P. 695 FERREIRA, Aurélio Buarque Holanda. Dicionário Aurélio da Lingua Portuguesa. 5ªed. Curitiba, 2010.

13 13 GUÉRIN, François et al. Compreender o trabalho para transformá-lo: a prática da ergonomia. São Paulo, SP: E. Blücher, H.J.C., Gil,Satisfação no trabalho e satisfação na vida: Questões teóricas e metodológicas. In A.L. Neri (org), Qualidade de vida e idade madura. Campinas: Papirus, (1993). IIDA, Itiro. Ergonomia projetos e produção. São Paulo: Edgar Blucher Ltda KILBON, A. Assessment of physical exposure in relation to work related musculoskeletal disorders: what information can be obtained from systematic observations? Scandinavian Journal of Work, Environment and Health. 20 (1995) KUORINKA, I. & FORCIER, L., Les LésionsAttribuibles au Travail Répétitif.Ouvrage de RéférencesurlesLésionsMusculo-SqueletiquesLiéesauTravail.Quebec: Ed. MultiMondes. LIMA, João Ademar de Andrade. Metodologia de análise ergonômica. João Pessoa. UFPB, MACHADO, Silva. O direito a proteção do meio ambiente de trabalho no Brasil. São Paulo. LTr, MANDALOZZO, Silvana Souza. Breves considerações sobre ergonomia no ambiente de trabalho. Artigo Scielo, MANUAL DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL,Vol. II, Processo do Conhecimento, Ed. Revista dos Tribunais, MARTINS, Sérgio Pinto. Direito do Trabalho: doutrinas e prática forense; modelos de petições, recursos sentenças e outros Ed. São Paulo: Atlas, MARRAS, Jean Pierre. Administração da remuneração. SÃO PAULO: Pioneira Thomson Learning, 2004 MIDLIN, G. Causas y azares. La historia del caos y de lossistemscomplejos. Buenos Aires. Siglo XXI, MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL. Legislação. Disponível em: <http://www.mpas.gov.br>. Acesso em 02 novembro de MORAES, Giovanni. Fundamentos para realização de pericias trabalhistas, ambientais e acidentarias. 1º edição, volume 1, Rio de Janeiro, PANERO, Julius e ZELNIK, Martin. Lasdimensiones humanas em losespacios interiores. Antropométricos. Mexico,1991. SANTOS, Neri et. Al. Antropotecnologia: a ergonomia dos sistemas de produção. Curitiba: genesis, 1997.

14 14 SETTIMI, MM, Almeida IM, Toledo LF, Paparelli R, Silva JA, Martins M Lesões por esforços repetitivos (LER)/distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT). São Paulo: CEREST. 59p. SILVA, Roberto de Abreu e. A falta de legalidade: hermenêutica da responsabilidade civil provenientes por danos injustos materiais e morais, em comformidade com a Constituição da República Federativa do Brasil de Editora Humos Juris. Rio de Janeiro, VERONESI, Junior JR.. Perícia Judicial. São Paulo: Editora Pillares

Perícia judicial trabalhista: um olhar ergonômico

Perícia judicial trabalhista: um olhar ergonômico 1 Perícia judicial trabalhista: um olhar ergonômico Iuraiqci da Silva Fonseca 1 iurai@movimentarocupacional.com.br Dayana Priscila Maia Mejia 2 Pós Graduação em Ergonomia Produtos e Processos Faculdade

Leia mais

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS).

ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). ESTUDO SOBRE OS SINTOMAS DAS LER/DORT EM OPERADORES DE COMPUTADORES NA CIDADE DE SANTA MARIA (RS). Daniel Donida Schlottfeldt Graduando de Engenharia de Produção e Tecnologia de Segurança no Trabalho UNISA

Leia mais

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ROSÂNGELA MARION DA SILVA 1 LUCIMARA ROCHA 2 JULIANA PETRI TAVARES 3 O presente estudo, uma pesquisa descritiva bibliográfica, tem por

Leia mais

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte LER/DORT Dr. Rodrigo Rodarte Há dois lados em todas as questões (Pitágoras, 410 445 a.c.) Definição: As L.E.R. são Lesões por Esforços Repetitivos (definição mais antiga) A D.O.R.T. (conhecidas como doenças

Leia mais

ANAIS DO X ENCONTRO NACIONAL DE TRADUTORES & IV ENCONTRO INTERNACIONAL DE TRADUTORES (ABRAPT-UFOP, Ouro Preto, de 7 a 10 de setembro de 2009)

ANAIS DO X ENCONTRO NACIONAL DE TRADUTORES & IV ENCONTRO INTERNACIONAL DE TRADUTORES (ABRAPT-UFOP, Ouro Preto, de 7 a 10 de setembro de 2009) 909 A carência de cuidados na prevenção de DORT na atuação do intérprete de LIBRAS Judith Vilas Boas Santiago (Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais) Juliano Salomon de Oliveira (Universidade

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR

ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR Danielle Satie Kassada 1 ; Fernando Luis Panin Lopes 2 ; Daiane Ayumi Kassada 3 RESUMO: O

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL DA 11ª REGIÃO DF/GO

CONSELHO REGIONAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL DA 11ª REGIÃO DF/GO Of. Circ. GAPRE 669/2010 CREFITO 11 Brasília, 15 de dezembro de 2010. A Sua Excelência o Senhor M.M. Gentil Pio de Oliveira Presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Rua Orestes Ribeiro

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR.

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. Márcia Maria Maia Advogada, pós-graduada em Direito Público e pós-graduanda em Direito e

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

LER DORT Sociedade Brasileira de Reumatologia

LER DORT Sociedade Brasileira de Reumatologia LER DORT LER/DORT Cartilha para pacientes CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: Comissão de Reumatologia Ocupacional CREDITO IMAGEM DA CAPA: http://canyonwalkerconnections.com/2010/the-law-ofkindness-on-your-tongue-and-typing-hands/olympusdigital-camera/

Leia mais

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Ms. João Eduardo de Azevedo Vieira Fisioterapeuta (PUC-PR / 2000) Esp. Fisiologia do Exercício e do Desporto (IBPEX / 2001) Esp. Fisioterapia do Trabalho

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

PROPOSTAS DE ENUNCIADOS SOBRE PERÍCIAS JUDICIAIS EM ACIDENTE DO TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS

PROPOSTAS DE ENUNCIADOS SOBRE PERÍCIAS JUDICIAIS EM ACIDENTE DO TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS PROPOSTAS DE ENUNCIADOS SOBRE PERÍCIAS JUDICIAIS EM ACIDENTE DO TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS 1. PRINCÍPIO DA PARTICIPAÇÃO DO MAGISTRADO. ATUAÇÃO COLABORATIVA. Tendo em vista os termos do artigo 225

Leia mais

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover.

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover. A eficácia da fisioterapia preventiva do trabalho na redução do número de colaboradores em acompanhamento no ambulatório de fisioterapia de uma indústria de fios têxteis Rodrigo Mendes Wiczick (UTFPR)rodrigo_2006@pg.cefetpr.br

Leia mais

Norma Regulamentadora NR 17

Norma Regulamentadora NR 17 Norma Regulamentadora NR 17 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO RESUMO

DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO RESUMO 1 DOENÇA PROFISSIONAL E DO TRABALHO Beatriz Adrieli Braz (Discente do 4º ano de administração AEMS) Bruna P. Freitas Godoi (Discente do 4º ano de administração AEMS) Ângela de Souza Brasil (Docente Esp.

Leia mais

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013 GESTÃO DE PESSOAS CEFET-MG / DIVINÓPOLIS 3o bimestre / 2013 Prof. MSc. Antônio Guimarães Campos Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho Higiene do Trabalho Conjunto de normas e procedimentos que visa

Leia mais

Controle e Mapeamento de Doenças Ósteo-musculares. José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3

Controle e Mapeamento de Doenças Ósteo-musculares. José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3 Controle e Mapeamento de Doenças José Waldemir Panachão Médico do Trabalho Health Total - TRF3 O porque da realização do controle no TRF da 3ª região : 1. Procura espontânea dos Servidores 2. Processos

Leia mais

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 NR 17 - ERGONOMIA Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas

Leia mais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais

Mairá Moreno Lima. Rangel de Andrade Silva FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. Usina Hidroelétrica de Porto Colômbia, Planura, Minas Gerais ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DE TRABALHADORES DO SETOR ADMINISTRATIVO DA EMPRESA FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A., UNIDADE DE PORTO COLÔMBIA, PLANURA,

Leia mais

ESCOLA JUDICIAL TRT7. 1º Seminário sobre Perícias Judiciais e Acidentes de Trabalho FORTALEZA/CE 13/12/13

ESCOLA JUDICIAL TRT7. 1º Seminário sobre Perícias Judiciais e Acidentes de Trabalho FORTALEZA/CE 13/12/13 ESCOLA JUDICIAL TRT7 1º Seminário sobre Perícias Judiciais e Acidentes de Trabalho FORTALEZA/CE 13/12/13 Painel sobre Perícias em Acidente de Trabalho Engenheiro e Perito Evandro Krebs Juiz do Trabalho

Leia mais

A LER na contramão da sociedade inclusiva

A LER na contramão da sociedade inclusiva A LER na contramão da sociedade inclusiva José Newton Garcia de Araújo Professor do Instituto de Psicologia da PUC Minas, pesquisador do CNPq Entre os diversos grupos de portadores de deficiências, seria

Leia mais

LER/DORT. Lesões por Esforços Repetitivos (LER) Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort)

LER/DORT. Lesões por Esforços Repetitivos (LER) Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort) LER/DORT Lesões por Esforços Repetitivos (LER) Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (Dort) Introdução: O que é LER/Dort? São danos decorrentes da utilização excessiva imposta ao sistema

Leia mais

Ementas 2011 Tecnólogo em Segurança do Trabalho

Ementas 2011 Tecnólogo em Segurança do Trabalho Ementas 2011 Tecnólogo em Segurança do Trabalho Disciplina: Desenvolvimento Sustentável Capacitar e qualificar os alunos para o desenvolvimento e incremento de ações voltadas à proteção, conservação e

Leia mais

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE SEGURANÇA A SERVIÇOS DE INFORMÁTICA

APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE SEGURANÇA A SERVIÇOS DE INFORMÁTICA APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DE SEGURANÇA A SERVIÇOS DE INFORMÁTICA Ana Carla da Silveira Lomba Osvaldo Luis Gonçalves Quelhas Gilson Brito Alves Lima ABSTRACT: The present work wants to stress, trough an application

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

LER / DORT PREVINA-SE

LER / DORT PREVINA-SE LER / DORT PREVINA-SE Rio Claro SP Apoio: Prefeitura de Rio Claro Fundação Municipal de Saúde de Rio Claro Conselho Gestor CEREST Conselho Municipal de Saúde Rede Nacional de Atenção à Saúde do Trabalhador

Leia mais

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 PROERGO julho/2010 Pág. 1/7. I N D I C E 1. - APRESENTAÇÃO 2. - OBJETIVO 3. - INTRODUÇÃO 4. - EMPRESA BENEFICIADA 5. - CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC FRANCISCO NOGUEIRA DE LIMA Código: 059 Município: CASA BRANCA Eixo Tecnológico: SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO Qualificação:

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

PROCESSO: 0046800-32.2006.5.01.0064 RO

PROCESSO: 0046800-32.2006.5.01.0064 RO Acórdão 10a Turma RECURSO ORDINÁRIO. DOENÇA PROFISSIONAL. AUSÊNCIA DO NEXO DE CAUSALIDADE. PROVA PERICIAL. Para se reconhecer a doença profissional, o que é possível mesmo após a ruptura do contrato, ainda

Leia mais

Meritíssimo(a) Juiz(a) de Direito da X VT de momomomo

Meritíssimo(a) Juiz(a) de Direito da X VT de momomomo São Paulo, xx de xxxxx de xxxx Meritíssimo(a) Juiz(a) de Direito da X VT de momomomo Na qualidade de assistente técnico da empresa reclamada apresento, respeitosamente, a Vossa Excelência: ANÁLISE DE LAUDO

Leia mais

O Assédio Moral, o nexo causal para doença do trabalho e o artigo 483 da Consolidação das Leis do Trabalho

O Assédio Moral, o nexo causal para doença do trabalho e o artigo 483 da Consolidação das Leis do Trabalho O Assédio Moral, o nexo causal para doença do trabalho e o artigo 483 da Consolidação das Leis do Trabalho Marco Antônio César Villatore 1 O Assédio Moral no Ambiente de Trabalho é um fenômeno antigo,

Leia mais

AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS

AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS Ana Maria Selbach Rodrigues Médica do Trabalho SAÚDE Saúde: do latim, salute salvação, conservação da vida (Dicionário Aurélio) OMS = saúde é um estado

Leia mais

EMENTA: Fisioterapeuta nomeado como perito por juiz/ responsabilidade profissional CONSULTA

EMENTA: Fisioterapeuta nomeado como perito por juiz/ responsabilidade profissional CONSULTA PARECER Nº 2406/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 01/2013 PROTOCOLO N. º 27768/2012 ASSUNTO: FISIOTERAPEUTA NOMEADO COMO PERITO POR JÚIZ/ RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL PARECERISTA: CONS.ª KETI STYLIANOS

Leia mais

Avaliação Psicossocial: conceitos

Avaliação Psicossocial: conceitos Avaliação Psicossocial: conceitos Vera Lucia Zaher Pesquisadora do LIM 01 da FMUSP Programa de pós-graduação de Bioética do Centro Universitário São Camilo Diretora da Associação Paulista de Medicina do

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

EXMO. Sr. JUIZ DA ª VARA DO TRABALHO DE TRT 13a Região. Ref.: Ação nº (ex.: RT 0025-2007-035-13-00-0)

EXMO. Sr. JUIZ DA ª VARA DO TRABALHO DE TRT 13a Região. Ref.: Ação nº (ex.: RT 0025-2007-035-13-00-0) EXMO. Sr. JUIZ DA ª VARA DO TRABALHO DE TRT 13a Região Ref.: Ação nº (ex.: RT 0025-2007-035-13-00-0), Médico(a) (especialidade, ex: Médico do Trabalho), inscrito(a) no Conselho Regional de Medicina nº

Leia mais

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho

Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE. Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Gestão do Risco Ergonômico 6º SENSE Nadja de Sousa Ferreira, MD PhD Médica do Trabalho Objetivo Objetivo Apresentar os conceitos científicos sobre o Risco Ergonômico e sua relação com o corpo humano. Fazer

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 88 Município: Garça Eixo Tecnológico: Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Segurança do Trabalho Qualificação:

Leia mais

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade

Complexidade da especialidade. Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros. Complexidade da especialidade Complexidade da especialidade Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização O

Leia mais

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL.

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL. NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR NAISST REGIMENTO INTERNO Capítulo I Das Disposições Preliminares Art 1º. Este Regimento Interno estabelece e disciplina a estruturação e o

Leia mais

Carina Cristiane Teodoro Pierini¹; Terezinha Gomes Faria²

Carina Cristiane Teodoro Pierini¹; Terezinha Gomes Faria² V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 7 CONTRIBUIÇÕES DA GINÁSTICA LABORAL PARA A MELHORIA DA CONDIÇÃO FÍSICA DOS ORIENTADORES DE ESTACIONAMENTO REGULAMENTADO

Leia mais

RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS

RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO BANCÁRIO Em consequência das mudanças sociais, econômicas e, sobretudo, tecnológicas, a organização do trabalho bancário

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS LEGAIS E TÉCNICAS EM CASO DE DOENÇA PROFISSIONAL LEGAL AND TECHNIQUES CONSEQUENCES IN CASE OF OCCUPATIONAL DISEASE

CONSEQÜÊNCIAS LEGAIS E TÉCNICAS EM CASO DE DOENÇA PROFISSIONAL LEGAL AND TECHNIQUES CONSEQUENCES IN CASE OF OCCUPATIONAL DISEASE CONSEQÜÊNCIAS LEGAIS E TÉCNICAS EM CASO DE DOENÇA PROFISSIONAL LEGAL AND TECHNIQUES CONSEQUENCES IN CASE OF OCCUPATIONAL DISEASE Gizinês da Silva Rossi Graduanda do Curso de Direito da FMR/UNINOVE; Anselmo

Leia mais

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros

Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros Proposta Especialidade FONOAUDIOLOGIA DO TRABALHO segundo os critérios da CBO e outros CATECE Comissão de Análise de Títulos de Especialistas e Cursos de Especialização Complexidade da especialidade O

Leia mais

A indicação de afastamento do trabalho e de aposentadoria tornou-se

A indicação de afastamento do trabalho e de aposentadoria tornou-se EDITORIAL DO CFM Sex, 08 de Maio de 2009 Ato Médico Pericial: Implicações Éticas e Legais A indicação de afastamento do trabalho e de aposentadoria tornou-se tarefa de peritos e de juntas médico-periciais

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL Junior, A. C. de J. Sebastião, J. S. Pimentel, E. S. Moreira, R. S. T.. RESUMO A área da ginástica laboral vem crescendo bastante

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA RESOLUÇÃO CFFa nº 467, de 24 de abril de 2015. Dispõe sobre as atribuições e competências relativas ao profissional fonoaudiólogo Especialista em Fonoaudiologia do Trabalho, e dá outras providências. O

Leia mais

SAT, NTEP E FAP. Decreto Nº 6.042: NTEP & FAP - Como se Preparar e Atuar Frente à Nova Legislação

SAT, NTEP E FAP. Decreto Nº 6.042: NTEP & FAP - Como se Preparar e Atuar Frente à Nova Legislação SAT, NTEP E FAP Decreto Nº 6.042: NTEP & FAP - Como se Preparar e Atuar Frente à Nova Legislação SAT, NTEP E FAP Airton Kwitko: Médico. Consultor de Empresas. Colunista da Revista CIPA (Coluna "O Ruído

Leia mais

O FISIOTERAPEUTA DO TRABALHO COMO PERITO JUDICIAL Um estudo sobre as bases legais Cristiane Matias¹, Ana Maria Carvalho Nascimento²

O FISIOTERAPEUTA DO TRABALHO COMO PERITO JUDICIAL Um estudo sobre as bases legais Cristiane Matias¹, Ana Maria Carvalho Nascimento² O FISIOTERAPEUTA DO TRABALHO COMO PERITO JUDICIAL Um estudo sobre as bases legais Cristiane Matias¹, Ana Maria Carvalho Nascimento² ¹ Fisioterapeuta Aluna do curso de pós graduação lato sensu em fisioterapia

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014 A 4 Work - Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, Lda., vai realizar a partir do início do mês de Outubro, uma campanha de vacinação antigripal, desenvolvida e dirigida às empresas, independentemente

Leia mais

Saúde psicológica na empresa

Saúde psicológica na empresa Saúde psicológica na empresa introdução Nos últimos tempos muito tem-se falado sobre qualidade de vida no trabalho, e até sobre felicidade no trabalho. Parece que esta discussão reflete a preocupação contemporânea

Leia mais

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial 2 Alessandra Maróstica de Freitas A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial ALESSANDRA MARÓSTICA DE FREITAS

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO DO TRABALHO. Em relação ao Regime Jurídico Único, são deveres do servidor público, EXCETO:

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO DO TRABALHO. Em relação ao Regime Jurídico Único, são deveres do servidor público, EXCETO: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO DO TRABALHO QUESTÃO 21 Em relação ao Regime Jurídico Único, são deveres do servidor público, EXCETO: a) Observar as normas legais e regulamentares. b) Ser leal

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

Rampa Automatizada. Prêmio GLP - Inovação. Categoria Saúde Ocupacional 11/08/2014. Participantes da Ultragaz. Base Paulínia

Rampa Automatizada. Prêmio GLP - Inovação. Categoria Saúde Ocupacional 11/08/2014. Participantes da Ultragaz. Base Paulínia Rampa Automatizada Prêmio GLP - Inovação Categoria Saúde Ocupacional 11/08/2014 Participantes da Ultragaz Base Paulínia Joleandro Nelson de Sousa Ricardo Junior Oliveira Fabio Oliveira da Silva Samantha

Leia mais

Transformar o trabalho ponos em trabalho ergon. Profa. Linda Nice Gama

Transformar o trabalho ponos em trabalho ergon. Profa. Linda Nice Gama Transformar o trabalho ponos em trabalho ergon Profa. Linda Nice Gama segurança, conforto, bem-estar e a eficácia das atividades humanas Ergonomia de Concepção: projeto posto, instrumento, máquina, sistemas

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.

GR ASSESSORIA LTDA. Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho. Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778. GR ASSESSORIA LTDA Engenharia de Segurança do Trabalho e Medicina do Trabalho Fones 3274.7841 / 3091.0306 / 3257.4685 / 87578392 / 8778.4561 PCMSO Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional PPRA Programa

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Artigo Científico. Terapia Ocupacional nas Empresas

Artigo Científico. Terapia Ocupacional nas Empresas Bruna Carla Lamonato bruninhalamonato@yahoo.com.br Karina Pereira karina-pereira@ig.com.br Larissa Vendramini Nucci larissanucci@yahoo.com.br Paula Sandes Leite pasale@ig.com.br Artigo Científico Terapia

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

I - INTRODUÇÃO A) JUSTIFICATIVA

I - INTRODUÇÃO A) JUSTIFICATIVA I - INTRODUÇÃO A) JUSTIFICATIVA Primeiramente, para se registrar um risco em qualquer documento (não apenas no ASO) do SESMT, obviamente tem que existir tal Risco. Porém, para ser considerado um risco,

Leia mais

COMENTÁRIOS JURÍDICOS AO PCMSO E À EMISSÃO DE ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL AVULSO ASO AVULSO.

COMENTÁRIOS JURÍDICOS AO PCMSO E À EMISSÃO DE ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL AVULSO ASO AVULSO. COMENTÁRIOS JURÍDICOS AO PCMSO E À EMISSÃO DE ATESTADO DE SAÚDE OCUPACIONAL AVULSO ASO AVULSO. Eduardo Carvalho Abdalla Advogado, Especialista em Gestão Jurídica da Empresa Consultor de Saúde, Segurança

Leia mais

Ginástica Laboral: um Meio de Promover Qualidade de Vida no Trabalho

Ginástica Laboral: um Meio de Promover Qualidade de Vida no Trabalho 26 Ginástica Laboral: um Meio de Promover Qualidade de Vida no Trabalho Rossane Alves de Mancilha Especialista em Gestão da Qualidade de Vida na Empresa - UNICAMP Trabalhar em conjunto é uma copiosa fonte

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Ergo (trabalho) Nomos (regras)

Ergo (trabalho) Nomos (regras) ERGONOMIA Ergo (trabalho) Nomos (regras) Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamentos, ferramentas e ambiente, visando à solução dos problemas surgidos desse relacionamento

Leia mais

RH Saúde Ocupacional

RH Saúde Ocupacional Programa de Promoção da Saúde no Ambiente de Trabalho RH Saúde Ocupacional Objetivo Tem como principal objetivo propiciar ambiente de Tem como principal objetivo propiciar ambiente de trabalho e clima

Leia mais

EXPERIÊNCIA COM COMITÊS DE ERGONOMIA

EXPERIÊNCIA COM COMITÊS DE ERGONOMIA EXPERIÊNCIA COM COMITÊS DE ERGONOMIA Definição e Atuação de Ergonomia. Definição e Composição do Comitê Ergonômico. A Função dos Integrantes dos Comitês. Bases para a Implantação do Processo Ergonômico.

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

PCMSO MEDSET QUALIDADE DE VIDA MEDICINA, SEGURANÇA, ENGENHARIA DO TRABALHO

PCMSO MEDSET QUALIDADE DE VIDA MEDICINA, SEGURANÇA, ENGENHARIA DO TRABALHO PCMSO MEDSET QUALIDADE DE VIDA MEDICINA, SEGURANÇA, ENGENHARIA DO TRABALHO MED-SET QUALIDADE DE VIDA 1 PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL EMPRESA: BORSARI - ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE

Leia mais

Como a Ergonomia de Conscientização pode ajudar a prevenção de doenças ocupacionais (musculoesquéticas) e melhorar a qualidade de vida como um todo

Como a Ergonomia de Conscientização pode ajudar a prevenção de doenças ocupacionais (musculoesquéticas) e melhorar a qualidade de vida como um todo ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA PROGRAMA PRÓ-QUALIDADE DE VIDA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO I COLÓQUIO DE QUALIDADE DE VIDA Como a Ergonomia de Conscientização pode ajudar a prevenção de doenças ocupacionais

Leia mais

ANÁLISE METODOLÓGICA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ERGONOMIA E DA GINÁSTICA LABORAL E AS INFLUÊNCIAS NA QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR RURAL

ANÁLISE METODOLÓGICA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ERGONOMIA E DA GINÁSTICA LABORAL E AS INFLUÊNCIAS NA QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR RURAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE METODOLÓGICA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ERGONOMIA E DA GINÁSTICA LABORAL E AS INFLUÊNCIAS NA QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR RURAL Pedro Alberto Vilamaior

Leia mais

ATUAÇÃO DO MÉDICO DO TRABALHO. Profa. Lys Esther Rocha

ATUAÇÃO DO MÉDICO DO TRABALHO. Profa. Lys Esther Rocha ATUAÇÃO DO MÉDICO DO TRABALHO Profa. Lys Esther Rocha Agenda O que é Medicina do Trabalho? Conceito de Trabalho e Saúde A relação Saúde e Trabalho O Mundo do Trabalho Atual: características e desafios

Leia mais

Valores de Referência nacional de honorários dos Psicólogos em (R$), por hora de trabalho, atualizados pelo INPC (1,4382) de novembro/02 a junho/07

Valores de Referência nacional de honorários dos Psicólogos em (R$), por hora de trabalho, atualizados pelo INPC (1,4382) de novembro/02 a junho/07 Valores de Referência nacional de honorários dos Psicólogos em (R$), por hora de trabalho, atualizados pelo INPC (1,4382) de novembro/02 a junho/07 Fonte - CFP/CRPs/FENAPSI (Última atualização agosto/2007)

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA DE FISIOTERAPIA. Conforme a Síndrome de De Quervain, estão corretas as afirmações, EXCETO:

PROVA ESPECÍFICA DE FISIOTERAPIA. Conforme a Síndrome de De Quervain, estão corretas as afirmações, EXCETO: 12 PROVA ESPECÍFICA DE FISIOTERAPIA QUESTÃO 41: Conforme a Síndrome de De Quervain, estão corretas as afirmações, EXCETO: a) É a inflamação da bainha dos tendões do abdutor longo e do extensor curto do

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES Alexandre Crespo Coelho da Silva Pinto Fisioterapeuta Mestrando em Engenharia de Produção UFSC

Leia mais

Dr. Ailton Luis da Silva. www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300

Dr. Ailton Luis da Silva. www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 ACOMPANHAMENTO E MONITORAMENTO DO TRABALHADOR EM TELEATENDIMENTO (CALL CENTERS) Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 O segmento transformou-se no

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE Ângela Maria Fenner Assistente Social do INSS Conselheira do

Leia mais

LAUDO MÉDICO PERICIAL.

LAUDO MÉDICO PERICIAL. 1 LAUDO MÉDICO PERICIAL. Preâmbulo. Aos sete dias do mês de maio do ano de 2009, o Perito Dr. OSCAR LUIZ DE LIMA E CIRNE NETO, designado pelo MM Juiz de Direito da 2.ª Vara Cível da Comarca de São Gonçalo,

Leia mais

PREVDORT - Projeto de Prevenção de DORTs

PREVDORT - Projeto de Prevenção de DORTs 1 PREVDORT - Projeto de Prevenção de DORTs 1. RESUMO Sara Cristina Freitas de Oliveira O PREVDORT - Projeto de Prevenção de DORTs é um projeto vinculado à Diretoria de Programas Comunitários da Pró- Reitoria

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOBRE A GINÁSTICA LABORAL

A PERCEPÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOBRE A GINÁSTICA LABORAL 10. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

DIRETRIZES SOBRE PROVA PERICIAL EM ACIDENTES DO TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS

DIRETRIZES SOBRE PROVA PERICIAL EM ACIDENTES DO TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS DIRETRIZES SOBRE PROVA PERICIAL EM ACIDENTES DO TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS Propõe sugestões de diretrizes para a avaliação e a elaboração da prova pericial em questões referentes ao meio ambiente,

Leia mais

Prof. Eduardo C. Assis Msc. coordenador

Prof. Eduardo C. Assis Msc. coordenador Prof. Eduardo C. Assis Msc. coordenador Pós-Graduação Especialização em Fisioterapia do Trabalho 1 Fisioterapia do trabalho CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL RESOLUÇÃO Nº. 259, DE

Leia mais

5. Conceituação da L.E.R../D.O.R.T.

5. Conceituação da L.E.R../D.O.R.T. Programa de Prevenção e Acompanhamento de L.E.R./D.O.R.T. 1. Objetivo Informar e orientar a estrutura hierárquica (chefias, gerências, diretorias) e os empregados dos bancos para a identificação dos fatores

Leia mais

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo Vigilantes, vigias, porteiros ou interessados em ingressar nessas funções. A empresa que presta serviços de vigilância tem a grande preocupação de manter a segurança de seu cliente, mas também de não receber

Leia mais

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho O Conceito de Acidente de Trabalho (de acordo com a Lei 8.213/91 Art. 19) Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço

Leia mais

Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema?

Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema? Médicos Peritos e Médicos do Trabalho tem dificuldade para se entenderem. Como fazer para resolver o problema? Saber é poder definir. Quando duas pessoas discutem, devem saber primeiro sobre o que discutem.

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA EMENTA: COMPETÊNCIA DO FISIOTERAPEUTA NA ELABORAÇÃO E EMISSÃO DE ATESTADOS, PARECERES E LAUDOS PERICIAIS LABORAIS. Nota Técnica Expediente SEJUR n.º 49/2010 (Aprovado em Reunião

Leia mais

A ERGONOMIA COMO FATOR CHAVE PARA A SEGURANÇA DO TRABALHO

A ERGONOMIA COMO FATOR CHAVE PARA A SEGURANÇA DO TRABALHO A ERGONOMIA COMO FATOR CHAVE PARA A SEGURANÇA DO TRABALHO Bruna Berwanger de Andrade (FAHOR) ba001689@fahor.com.br Fernando Busanello (FAHOR) fb000982@fahor.com.br Leandro Dorneles (URI-Santo Ângelo) leandro1902@gmail.com

Leia mais

Qualidade de vida no trabalho o papel da ginástica laboral

Qualidade de vida no trabalho o papel da ginástica laboral Qualidade de vida no trabalho o papel da ginástica laboral Márcia de Ávila e Lara Estudante do curso de Educação Física - (UFV) - avilaelara@yahoo.com.br Felipe Alves Soares Estudante do curso de Educação

Leia mais

O PAPEL DAS AUTOGESTÕES NA POLÍTICA DE SAÚDE DO TRABALHADOR BRASILEIRO CONTRIBUIÇÕES PARA A 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR E DA

O PAPEL DAS AUTOGESTÕES NA POLÍTICA DE SAÚDE DO TRABALHADOR BRASILEIRO CONTRIBUIÇÕES PARA A 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR E DA O PAPEL DAS AUTOGESTÕES NA POLÍTICA DE SAÚDE DO TRABALHADOR BRASILEIRO CONTRIBUIÇÕES PARA A 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR E DA TRABALHADORA CONCEITO DE SAÚDE DA OMS "um estado de completo

Leia mais