RELATÓRIO ANUAL SORRI-BAURU 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO ANUAL SORRI-BAURU 2013"

Transcrição

1 RELATÓRIO ANUAL SORRI-BAURU 2013

2 Mensagem do presidente Eu gosto de dizer que uma das coisas que mais me chama a atenção na nossa equipe é que ela é apaixonada pelo que faz! E foi essa paixão que moveu cada ação da SORRI-BAURU em 2013! Passamos por momentos difíceis, mas encontramos em cada dificuldade uma oportunidade de superação! Renovamos nossas esperanças, testamos e fortalecemos nossa fé, e aprendemos a transformar um problema sem solução em possibilidade de crescimento. Reinventamos nossa rotina com muita criatividade. Aprimoramos processos, melhoramos controles, investimos, aprendemos, refinamos técnicas e práticas, caímos, levantamos, mergulhamos fundo com uma equipe focada e capacitada, que se envolve, atende, entende de pessoas com deficiência e desvenda a diversidade humana. A articulação junto às políticas públicas consolidou o sonho de nos tornarmos um CER Centro Especializado em Reabilitação do Governo Federal e obtermos a Habilitação para Oficina Ortopédica dispensar órteses, próteses e meios auxiliares de locomoção a centenas de pessoas. Fortalecemos, graças à SEBES - Secretaria de Bem Estar Social - o Serviço de Proteção Especial para pessoas com Deficiência e Idosos e seus cuidadores que estão em risco e vulnerabilidade social, além do Programa de Habilitação e Reabilitação Profissional. Dissemos um grande e sonoro SIM para o movimento de INCLUSÃO pra TODOS em sintonia com a Secretaria Municipal de Educação de Bauru. Ministramos curso para o Ministério da Saúde, tivemos vários projetos aprovados, com destaque para o Criança Esperança, da Rede Globo e Unesco, Banco do Brasil, HSBC e Conselho Municipal da Criança e Adolescência. Um brinde a 2013! Nossas marcas ficarão registradas na História da Pessoa com Deficiência. Caminharemos em prol do fortalecimento da rede de assistência, quebra de paradigmas e concretização de sonhos de milhares de pessoas! 2014 pode chegar porque ainda temos muito a fazer! E pra você, que de alguma forma colabora com a SORRI-BAURU, o meu obrigado por acreditar em nossa missão. Sei que sempre estivemos nisso JUNTOS! João Carlos de Almeida (JOÃOBIDU) Capa - Joseph Nicolas Gonçalves de Oliveira, Leonardo Shirazawa de Oliveira e Rafael Colla de Andrade. Foto: Olício Pelosi Equipe SORRI-BAURU Foto: Lili Pelosi

3 ÍNDICE Atendimentos 4 Nossa equipe 6 Nosso público 7 CER 8 Somos referência 9 Eficácia terapêutica 10 Global e clínicas 12 Inclusão 14 SEID 16 Programas alternativos 18 PERP 20 PESCC 22 NIPTEC 24 PSF 26 NAG 28 Compromisso social 30 Programação Usuária Fátima Regina Silva Coelho de Almeida

4 04

5 ATENDIMENTOS NA SORRI-BAURU usuários atendidos atendimentos na saúde atendimentos como suporte à educação regular inclusiva atendimentos para garantia de direitos

6 COMO ATUAMOS A SORRI-BAURU atua de forma transdisciplinar, ou seja, a união dos saberes de cada área constrói uma reabilitação por inteiro. Conta com uma equipe de 335 pessoas, das quais 189 são da Estratégia de Saúde da Família - ESF, 43 do Núcleo de Apoio à Gestão e 113 estão na área de Reabilitação e Ortopedia Técnica. Além destas, a SORRI-BAURU possui um time de 20 voluntários que atuam junto ao Núcleo de Reabilitação e mais de 60 que trabalham em eventos fazendo a diferença. PROFISSIONAIS QUE COMPÕEM A EQUIPE TÉCNICA Assistentes sociais Cuidadores Educadores físicos Educadores sociais Enfermeiros Fisiatra Fisioterapeutas Fonoaudiólogos Instrutores de cursos Neurologistas Nutricionista Ortesistas Otorrinolaringologista Pedagogos Protesistas Psicólogos Psiquiatra Técnicos de enfermagem Terapeutas ocupacionais CIDADES ATENDIDAS PELA SORRI-BAURU Agudos Arealva Avaí Balbinos Bauru Borebi Cabrália Paulista Duartina Iacanga Lençóis Paulista Lucianópolis Macatuba Paulistânia Pederneiras Pirajuí Piratininga Presidente Alves Reginópolis 18 CIDADES ATENDIDAS Foto: Olício Pelosi 06

7 PERFIL DAS PESSOAS ATENDIDAS PELA SORRI-BAURU Usuária Marina Zotino Ferrari e seus pais Foto: Olício Pelosi FAIXA ETÁRIA GÊNERO RENDA PER-CAPITA SALARIOS MÍNIMOS Faixa etária De 0 a 1 ano: 2,97% De 1a 2 anos: 6,25% De 3 a 10 anos: 31,85% De 11 a 17anos: 13,68% De 18 a 60 anos: 30,18% Maior que 60 anos: 15,07% Renda Familiar* De 0 a 1/4: 10% De 1/4 a ½: 17% De ½ a 1: 40% De 1 a 2: 27% De 2 a 3: 4% Mais de 3: 2% *em salários mínimos TIPO DE DEFICIÊNCIA Tipos de deficiência Auditiva - 5,07% Autismo - 4,19% Física - 51,08% Incapacidade Auditiva Transitoria - 0,07% Intelectual - 11,91% Múltipla - 5,75% Sem Deficiência Decreto 5296/04-21,65% Visual - 0,14% Psicossocial - 0,14% Sexo Feminino: 40,21% Masculino: 59,79% 07

8 CENTRO ESPECIALIZADO EM REABILITAÇÃO - CER A diversidade é o princípio básico de direitos em todas as esferas, seja uma sociedade inclusiva. Em 2013, a SAÚDE, EDUCAÇÃO, TRABALHO, SORRI-BAURU proporcionou à pessoa CULTURA ou LAZER. A SORRI-BAURU com deficiência e a seus familiares uma se tornou um CER Centro transformação no modo de agir, olhar e Especializado em Reabilitação para interagir com o mundo. Promoveu uma deficiência física, intelectual e auditiva, relação mais estimulante com o além de poder dispensar órtese, universo, colocando cada pessoa como prótese, meios auxiliares de locomoção protagonista de sua própria vida e não e outros dispositivos que facilitem a como objeto passivo de inclusão. rotina de seus usuários por meio da Trabalhamos JUNTOS, oficina ortopédica habilitada pelo incessantemente, na garantia de seus Ministério da Saúde. Foto: Olício Pelosi 08 TRANSFORMAÇÃO NO MODO DE AGIR, OLHAR E INTERAGIR COM O MUNDO EQUIPE SORRI-BAURU À esquerda, o usuário Ricardo Barbosa Souza e, à direita, o usuário Cezar Ricardo Aparecido Andrade

9 SOMOS REFERÊNCIA REGIONAL em saúde auditiva, deficiência intelectual, deficiência física e deficiências múltiplas Em sentido horário, os usuários: João Lucas Rodrigues Matias Matos e Weverton Henrique da Silva - Foto: Lili Pelosi; Kayane Machado de Oliveira e Brenda Vitória Ramalho - Foto Lili Pelosi; Miguel Senhorini Marqui Ferraz no colo de sua mãe e a fonoaudióloga Fernanda Soares Granço - Foto: Olício Pelosi; Aparecido Cesário de Souza - Foto: Arquivo SORRI-BAURU. 09

10 EFICÁCIA TERAPÊUTICA 87 % % 85,7 92 % 81 % 73 % melhoraram a qualidade nutricional. melhoraram ou mantiveram sua capacidade funcional. % 54,8 % 72,7 das crianças aumentaram o autoconceito. melhoraram as habilidades auditivas. melhoraram a depressão e/ou estabilidade emocional dos adultos. das crianças aumentaram seu peso e altura. melhoraram a habilidade para marcha. 10

11 99 % estão satisfeitos com os serviços prestados pela SORRI-BAURU. Foto: Olício Pelosi 100 % 97 % 75 % % 87,4 melhoraram as habilidades educacionais. tiveram sua situação previdenciária regularizada. 87 % melhoraram o processamento auditivo. 83 % melhoraram a qualidade de vida. dos bebês tiveram progressos em seu desenvolvimento. 64,7 % tiveram suas disfagias gerenciadas. dos idosos mantiveram ou diminuíram o risco de queda e desequilíbrio. Usuária Letícia Peixoto Maldonado 11

12 REABILITAÇÃO GLOBAL E CLÍNICAS ESPECIALIZADAS É um atendimento diferenciado embasado na visão global do indivíduo. Os técnicos realizam diagnóstico clínico-funcional, planejamento terapêutico, indicações de órteses, próteses, meios auxiliares de locomoção, adaptações e aplicações de bloqueio neurolíptico. Reabilitam por meio da aplicabilidade de conceitos e técnicas modernas e especializadas, resultando em qualidade de vida. A equipe especializada cria condições para que o usuário se habilite e realize atividades cotidianas da maneira mais plena e independente possível, superando obstáculos e tendo o sentimento e a certeza de que, na medida de suas possibilidades, está no controle de sua vida. 12 CLÍNICAS atendimento especializado Foto: Olício Pelosi 12 Érika Fernandes do Nascimento e seus pais

13 CLÍNICAS PATOLOGIAS/ETIOLOGIAS SUBCLÍNICAS AMPUTADOS DOENÇAS NEURO- DEGENERATIVAS ESTIMULAÇÃO ESSENCIAL - Amputações de membros inferiores; - Amputações de membros superiores. - Distrofias musculares; - Parkinson; - Alzheimer; - Esclerose múltipla; - Esclerose lateral amiotrófica; - Outras doenças neuromusculares; - Charcot Marrie Tooth; - Neuropatia alcoólica; - Polineuropatia diabética. - Bebês prematuros e/ou de alto risco; - Crianças de até 3 anos com atraso no desenvolvimento neuropsicomotor. Infantil (de 3 anos até 17 anos e 11 meses de idade). Adulto (a partir dos 18 anos de idade). Infantil ( de 3 anos até 17 anos e 11 meses de idade) ( Distrofias musculares e outras distrofias). Adulto (a partir dos 18 anos). Infantil (de 0 a 3 anos). LESÃO ENCEFÁLICA ADQUIRIDA - Infecção encefálica; - Anoxia; - Tumor encefálico; - Hidrocefalia; - Sequela de AVE; - Sequela de TCE. Infantil (de 3 anos até 17 anos e 11 meses de idade). Adulto (a partir dos 18 anos de idade). LESÃO MEDULAR - Lesão medular de origem traumática e não traumática e/ou cauda equina. Infantil (de 3 anos até 17 anos e 11 meses de idade). Adulto (a partir dos 18 anos de idade). LESÃO NERVOSA PERIFÉRICA MIELO- MENINGOCELE - Lesão de plexo braquial; - Radiculopatias; - Outras lesões nervosas periféricas. - Mielomeningocele. Infantil (de 3 anos até 17 anos e 11 meses de idade). Adulto (a partir dos 18 anos de idade). Infantil (de 3 anos até 17 anos e 11 meses de idade). Adulto (a partir dos 18 anos de idade). NEURO - Síndromes genéticas; - Síndromes epiléticas; - Deficiências múltiplas. Infantil (de 3 anos até 17 anos e 11 meses de idade) Adulto (a partir dos 18 anos de idade). NEURO- DESENVOLVIMENTO ORTOPEDIA E DEFORMIDADES PARALISIA CEREBRAL - Deficiência intelectual; TDAH; - Distúrbios de Aprendizagem; - Dislexia; - Autismo. - Osteogênese imperfeita; - Pé torto congênito; - Luxação congênita de quadril; - Doenças reumáticas e degenerativas articulares; - Outras deformidades. - Sequela de PC. Infantil (de 3 anos até 17 anos e 11 meses de idade). Adulto (a partir dos 18 anos de idade). Infantil (de 3 anos até 17 anos e 11 meses de idade). Adulto (a partir dos 18 anos de idade). Infantil (ocorrida até os 3 anos e idade atual até 17 anos e 11 meses de idade). Adulto (ocorrida até os 3 anos e idade atual acima de 18 anos de idade). POLIOMIELITE - Sequela de Pólio. Infantil (de 3 anos até 17 anos e 11 meses de idade). Adulto (a partir dos 18 anos de idade). 13

14 SERVIÇO DE APOIO À EDUCAÇÃO REGULAR ATENDIMENTOS Comprometida com a diversidade e a qualidade da educação inclusiva, a SORRI-BAURU, por meio de convênio com a Secretaria Municipal de Educação, oferece aos alunos da rede municipal de educação, que apresentem deficiência e/ou necessidades especiais na aprendizagem, apoio técnico e atendimento especializado. O início do atendimento desta população, por meio do convênio SUS, também ocorreu em Em 2013, ocorreu a implementação do programa transdisciplinar do autismo com atendimentos sistematizados e/ou compartilhados entre fonoaudiologia, psicologia e terapia ocupacional, além de reuniões de capacitação aos pais, atividades funcionais para vida diária e recursos alternativos para reabilitação. Aula de instrumentos musicais, natação e equoterapia. Foto: Olício Pelosi Foram reformulados os programas de dislexia, paralisia cerebral e estimulação essencial. Usuário Maicon da Silva Rodrigues 14

15 Fotos: Olício Pelosi Usuários Maria Vitória Casteluci de Lima e Nicollas Rian de Oliveira Fernandes. EDUCAÇÃO INCLUSIVA apoio técnico atendimento especializado Usuárias Laissa Rayane Baptista e Paola Vitória Correia Alves crianças atendidas. 822 usuários estudam em escolas regulares plantões para atendimento de professores e pais. 462 visitas escolares. 931 relatórios transdisciplinares emitidos. 34 cursos de capacitação para profissionais da rede municipal de Bauru. 40 apresentações itinerantes de teatro interativo de bonecos A Turma do Bairro e oficinas de vivências em escolas municipais, que tinham usuários da SORRI-BAURU matriculados. 15

16 Foto: Lili Pelosi SERVIÇO DE PROTEÇÃO ESPECIAL A PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, IDOSOS, SEUS FAMILIARES E CUIDADORES - SEID SECRETARIA MUNICIPAL DO BEM ESTAR SOCIAL SEBES De acordo com a tipificação nacional dos serviços socioassistenciais do SUAS - Sistema Único de Assistência Social, em parceria com a SEBES, a SORRI-BAURU desenvolve serviços especializados às pessoas com deficiência, idosos em situação de dependência e suas famílias, que se encontram em situação de risco por violação de direito ou com direitos sociais violados. Ao inserir o usuário no serviço, a equipe técnica realiza a construção de um plano de atendimento individual e/ou familiar de acordo com as demandas e as situações de violência e/ou violação de direitos, bem como viabiliza a aquisição de benefícios, programas de transferência de renda, serviços de políticas públicas setoriais, atividades culturais, esportivas e de lazer, sempre priorizando o incentivo à autonomia, elevação da autoestima, desenvolvimento de potencialidades, fortalecimento de vínculos familiares e acesso aos recursos comunitários. 16 Usuários Kesya Hadassa do Carmo, Juliano Salvador de Pádua Félix e Rayan Parente Braga

17 Fotos:Olício Pelosi Usuário Talles Virgínio e sua mãe Viviane Pereira da Costa 445 pessoas atendidas. 586 visitas domiciliares. 289 encaminhamentos aos Conselhos Tutelares ATENDIMENTOS REALIZADOS 7 encaminhamentos aos Centros de Referência da Assistência Social (CREAS). 163 atividades para (re)estabelecimento de vínculos comunitários. 576 atividades para fortalecimento de vínculos familiares. Foto: Olício Pelosi Usuário Wagner Luís Milano Paiva e cuidadora Bianca de Mello Moreira 17

18 PROGRAMAS ALTERNATIVOS FAVORECEM A INCLUSÃO Pensando na construção de uma sociedade inclusiva, a SORRI-BAURU desenvolveu ações afirmativas em parceria com a Secretaria Municipal do Bem- Estar Social, universidades e empresas privadas a fim de criar alternativas para caminhos convencionais, garantindo o acesso, eliminando os preconceitos, diminuindo as desigualdades, elevando a autoestima e melhorando a vida. AÇÕES AFIRMATIVAS Pet terapia - Parceria com o curso de veterinária da UNIP Usuário Andrey Henrique Furtado Martins Música instrumental - Grupo de violeiros - Parceria com a SEBES Bauru Apresentação do espetáculo Os Saltimbancos Foto: Arquivo SORRI-BAURU Foto: Arquivo SORRI-BAURU Natação - Parceria com a academia Nadart e a UNESP Bauru Usuário Dhomilli de Carvalho e seu pai Equoterapia - Parceria com a Polícia Militar Usuários Kelwin Cristian e, na cadeira de rodas, Clara Theodoro 18 Foto: Olício Pelosi Foto: Olício Pelosi

19 Hidroginástica adulto - Parceria com a academia Nadart Usuária Adriana Domiciano Artes cênicas - Parceria com a SEBES Bauru e a AISEC Apresentação do espetáculo Os Saltimbancos Foto: Olício Pelosi Foto: Arquivo SORRI-BAURU SORRI-Game - Parceria com empresários de Bauru Natasha Patrícia Francisco de Oliveira, Ryan Alves Canto e coral - Parceria com a SEBES Bauru Coral infantil alternativo Foto: Olício Pelosi Foto: Arquivo SORRI-BAURU Educação física adaptada Parceria com a SEBES Bauru Futebol de sete Foto: Arquivo SORRI-BAURU Foto: Arquivo SORRI-BAURU 19

20 SECRETARIA MUNICIPAL DO BEM ESTAR SOCIAL SEBES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO E REABILITAÇÃO PROFISSIONAL - PERP O trabalho transforma e enobrece a realidade do homem. Essencial na formação da identidade pessoal e social, favorece a autoestima e a consciência de dignidade, e está presente nos sonhos e anseios de todo cidadão. A SORRI-BAURU É PIONEIRA NA REABILITAÇÃO PROFISSIONAL e há mais de 37 anos promove a inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho, ANTES MESMO DA LEI DE COTAS ENTRAR EM VIGOR NO PAÍS. Os cursos contemplam os seguintes níveis: conceitos básicos para o trabalho, introdução ao mundo do trabalho, exercício profissional, busca de emprego e acompanhamento póscolocação no posto de trabalho. São atendidas, neste programa, pessoas com deficiência acima de 14 anos e de baixa renda a partir de 16 anos, encaminhadas pelo CRAS Ferradura Mirim. Mais do que preparar, formar e qualificar para o mundo do trabalho, a SORRI-BAURU promove a sensibilização e a visão positiva das deficiências nos ambientes corporativos, preparando e adaptando os demais colaboradores para a chegada da pessoa com deficiência, por meio de acompanhamento pós-colocação do usuário. Foto: Olício Pelosi Crédito e Cobrança/Práticas Administrativas Usuário Rafael Tanaka Favarini

21 Fotos: Olício Pelosi CURSOS OFERECIDOS EM 2013 Hotelaria 25 alunos formados Informática 6 alunos formados Hotelaria Usuária Ana Paula Machado Doces Gourmet 12 alunos formados Práticas Administrativas 22 alunos formados Crédito e Cobrança 6 alunos formados Informática Usuários da SORRI-BAURU ATENDIMENTOS Doces Gourmet Usuária Gislaine Aparecida Pereira 15 21

22 NÚCLEO DE PESQUISA CIENTÍFICA E CAPACITAÇÃO - PESCC O PESCC tem como finalidade estreitar o elo entre a instituição, a comunidade e os órgãos formadores de recursos humanos, e concentra as áreas de Pesquisa Científica e Capacitação. Pesquisa Científica: contribui e apoia métodos científicos em projetos, compartilha com a comunidade científica a vasta experiência e credibilidade na área de reabilitação, proporcionada por uma prática de trabalho transdisciplinar baseada na aplicabilidade da ciência, seja no uso de escalas, protocolos e outros instrumentos que guiam e complementam a prática reabilitadora. Em 2013 firmamos parceria com o curso de pósgraduação da Universidade Estadual Paulista, campus Marília (SP), para o desenvolvimento do curso Formação de Pesquisadores SORRI-BAURU, que terá continuidade em O software NervScore, desenvolvido em parceria com o Instituto Lauro de Souza de Lima e o Instituto Adolfo Lutz, foi apresentado em Bruxelas (Bélgica) no International Leprosy Congress. O NervScore é um instrumento de diagnóstico para verificar as condições clínicas do paciente com hanseníase. Ministramos palestra sobre autismo e suas habilidades para o mercado de trabalho e mesa redonda no I Simpósio Internacional de Estudos Sobre a Deficiência, em São Paulo. 22

23 PESSOAS VISITAS CURSOS PUBLICAÇÕES PARTICIPARAM DE ATIVIDADES DE MOBILIZAÇÃO, OFICINAS DE VIVÊNCIAS E TEATRO INTERATIVO DE BONECOS DE UNIVERSIDADES PÚBLICAS E PARTICULARES, INSTITUIÇÕES PRIVADAS E GOVERNAMENTAIS DO BRASIL, ANGOLA, MOÇAMBIQUE E CANADÁ, ENTRE OUTRAS DE CAPACITAÇÃO OU PALESTRAS FORAM MINISTRADOS PELA EQUIPE SORRI-BAURU DIVULGADAS EM MANUAIS E SITES DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, ANAIS EM CONGRESSOS, SIMPÓSIOS E JORNADAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS Oficina de Vivências Curso de Órteses, Próteses e Meios Auxiliares de Locomoção Foto: Arquivo SORRI-BAURU Foto: Arquivo SORRI-BAURU Capacitação: realiza cursos, palestras, oficinas de vivências e teatro interativo de bonecos, visando a prevenção, a quebra de preconceitos, a sensibilização e a valorização das habilidades das pessoas com deficiência. Atua na capacitação de profissionais da rede básica e especializada de saúde, bem como viabiliza aos seus profissionais o acesso ao aperfeiçoamento e à constante qualificação técnica. Foi realizado de setembro a dezembro, por meio de convênio com o Ministério da Saúde, o curso de Qualificação em Confecção e Manutenção de Órteses, Próteses e Meios Auxiliares de Locomoção: Confecção e Manutenção de Próteses de Membros Inferiores, Órteses Suropodálicas e Adequação Postural em Cadeira de Rodas. Foram qualificados 33 técnicos da APAE Bauru, do Instituto Lauro de Souza Lima, da Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação (RJ), do Instituto Pestalozzi (RJ), do Instituto de Ortopedia e Traumatologia da USP e do Hospital das Clínicas da USP de Ribeirão Preto. O curso foi realizado em duas turmas com carga horária de 120 horas no qual 12 funcionários da SORRI-BAURU ministraram aulas. 34 horas de capacitação para equipe educacional das escolas municipais de Bauru também foram ministradas. 23

24 NIPTEC NÚCLEO INTEGRADO DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO, FABRICAÇÃO E DISPENSAÇÃO DE TECNOLOGIA ASSISTIVA E PRODUTOS ESPECIAIS - NIPTEC ATENDIMENTOS Avaliações, produtos especiais, equipamentos, adaptações e adequações que proporcionam melhoria da funcionalidade, autonomia, conforto e independência: QUALIDADE DE VIDA! Ambulatório - Porta de entrada do NIPTEC, integrado por fisiatra, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, ortesistas/protesistas e auxiliares técnicos que avaliam, prescrevem, confeccionam e orientam o uso de dispositivo de tecnologia assistiva necessário e adequado ao usuário. Oficina ortopédica - Habilitada pelo Ministério da Saúde em 2013, fornece equipamentos via Sistema Único de Saúde SUS, por meio de convênio com a Secretaria Municipal de Saúde de Bauru. Curso de Órtese, Próstese e Meios Auxiliares de Locomoção em parceria com o Ministério da Saúde NIPTEC Oficina OFICINA ORTOPÉDICA 24 Foto Olício Pelosi

25 1.132 ÓRTESES CONFECCIONADAS 77 PRÓTESES CONFECCIONADAS 331 ADAPTAÇÕES EM CADEIRAS DE RODAS/TA 181 ADAPTAÇÕES CONFECCIONADAS E/OU AJUSTES 229 MEIOS AUXILIARES DE LOCOMOÇÃO DISPENSADOS PRODUZIDAS UNIDADES DE MONOFILAMENTOS SEMMES- WEINSTEIN DESENVOLVIMENTO DE NOVAS SOLUÇÕES Equipe de profissionais dedicados à pesquisa e ao desenvolvimento de novos produtos e/ou soluções individuais e coletivas, corretivas e preventivas. Dezenas de produtos especiais foram fabricados em Entre eles: Andador reverso: proporciona alinhamento postural e independência ao usuário, oferecendo conforto e segurança. Estesiômetro: monofilamentos de Semmes-Weinstein, produzido de forma a proporcionar conforto e segurança aos profissionais, é um instrumento de medição e avaliação do nível de sensibilidade das terminações nervosas periféricas. É essencial na prevenção de deformidades e amputações em casos de neuropatias diabéticas, tóxicas, alcoólicas e hansênicas, entre outras. É reunido em um kit com seis tipos de monofilamentos em cores e diâmetros diferentes e também na forma de monofilamentos individuais. JoyPad: adaptação de control pad, para servir como mouse. Teste de sensibilidade Teste de sensibilidade Teste de sensibilidade JoyPad - Adaptação para mouse JoyPad - Adaptação para mouse. Foto Olício Pelosi Foto Arquivo SORRI-BAURU Foto Olício Pelosi Foto Olício Pelosi Foto Arquivo SORRI-BAURU veja mais produtos em 25

26 ABRANGÊNCIA: CERCA DE PESSOAS Grupo de orientação a gestantes SAÚDE DA FAMÍLIA Estratégia prioritária do Ministério da Saúde para o fortalecimento da Atenção Básica é desenvolvida em Bauru por meio de uma parceria de sucesso entre a SORRI-BAURU e a Secretaria Municipal de Saúde há 11 anos. Em 2013 a cobertura foi ampliada em mais três equipes de Saúde da Família para aumentar o atendimento na região do bairro Santa Edwirges e implantar o projeto na Vila Dutra/Santa Cândida. Seis equipes de Saúde Bucal complementaram as já existentes nos bairros Santa Edwirges/Jaraguá, Nove de Julho/Fortunato Rocha Lima, Nova Bauru, Vila São Paulo/Pousada da Esperança I/Jardim Ivone e Jardim Godoy. Ao todo, a Estratégia de Saúde da Família em Bauru completou 11 equipes e manteve 1 de Agentes Comunitários de Saúde, implementadas pela incorporação de nutricionistas. A população da Pousada da Esperança II e Nove de Julho/Fortunato Rocha Lima teve seu atendimento descentralizado para prédios novos localizados dentro de seus bairros. Os 189 profissionais envolvidos realizaram atendimentos ambulatoriais e domiciliares com resolutividade média de 87,20%. 26

27 Fotos: Olício Pelosi Atendimento domiciliar de nutricionista Atendimento domiciliar ao recém-nascido Consulta médica Consulta médica pré-natal Acolhimento à demanda imediata Atividade física 87,20 % RESOLUTIVIDADE acima dos 80% preconizados para a Atenção Básica. CONSULTAS Enfermagem: Médica: Odontológica: Nutricionista: ATENDIMENTO DOMICILIAR Agente Comunitário de Saúde: Assistente Social: Dentista: Enfermeiro: Médico: Nutricionista: Técnico de Enfermagem/ABS: ATENDIMENTOS/PROCEDIMENTOS Assistente Social: Enfermagem: Odontológicos curativos: Odontológicos preventivos: Coleta de Papanicolau: EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE (participações) Grupos educativos: Grupos atividades físicas: VACINAS Doses aplicadas: Resolutividade (média):...89,07% Cobertura vacinal média / menores 1 ano:...94,81% 27

28 NÚCLEO DE APOIO À GESTÃO - NAG Com seus diversos setores, coordena e realiza atividades administrativas, de captação de recursos, convênios e de apoio logístico com objetivo de garantir as condições adequadas para atendimento aos usuários. Foto: Olício Pelosi Em 2013, foram mantidos os convênios existentes com as Secretarias Municipais de Educação e Bem Estar Social. O convênio com o Sistema Único de Saúde passou para a gestão da Secretaria Municipal de Saúde, tendo a SORRI- BAURU sido habilitada pelo Ministério da Saúde como Centro Especializado em Reabilitação III (CER III) e como Oficina Ortopédica do SUS. Usuários Midiã Dias de Almeida e Abner Dias de Almeida Eventos e campanhas A comunidade local teve importante participação na manutenção e investimentos da SORRI-BAURU por meio de pessoas físicas que contribuem com doações via telemarketing e espontâneas, participando dos eventos e com trabalho voluntário. Empresas e clubes de serviços contribuíram com doações, patrocínios em campanhas e eventos, dos quais destacamos AD Seguros, Bauru Painéis, Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, João Carlos de Almeida, Jornal da Cidade, Lions Bauru Bela Vista, Nelson Paschoalotto, Prata Construtora, Residem Construtora, Rotary Club Bauru Aeroporto, Rotary Club Bauru Terra Branca, Supermercado Tauste, Tilibra, entre tantos outros, Receitas e despesas Dos recursos para a manutenção da instituição, 55,26% vieram do setor público, 22,43% foram recursos próprios gerados por prestação de serviços e venda de produtos especiais e de tecnologia assistiva. Os projetos específicos deram origem a 8,05% das receitas e as campanhas e doações representaram 13,40% das receitas. A SORRI- BAURU, neste exercício, alienou bens de seu Ativo Imobilizado. Gentilmente auditados pela Receitas Despesas 23,53% Sistema Único de Saúde - SUS 19,29% Secretaria Municipal da Educação 12,44% Sistema Único de Assistência Social - SUAS 9,82% Prestação de serviço 9,80% Doações 8,05% Projetos específicos 6,31% Estesiômetro 6,30% Órtese, prótese, meio de locomoção 3,60% Campanhas 0,59% Outras receitas 0,27% Secretaria Estadual de Saúde 71,69% Recursos Humanos 10,39% Conservação e manutenção 6,69% Projetos específicos 4,62% Matéria-prima, material técnico de reabilitação 3,22% Prestação de serviços 1,86% Investimento em imobilizado 1,53% Serviços essenciais 28

29 Projetos específicos realizados em 2013 Projetos aprovados em 2013 para VIDA INTEGRADA Objetivo: aquisição de equipamentos e materiais para atendimento infantil, inclusive o parque adaptado. Origem dos recursos: 1. TRANSFORMAR 2 Objetivo: promover a inclusão escolar reduzindo o preconceito em relação às deficiências por meio de apresentações do programa interativo "A Turma do Bairro". Origem dos recursos: Resultados: foram adquiridos equipamentos e materiais previstos. 2. TRANSFORMAR Objetivo: promover a inclusão escolar reduzindo o preconceito em relação às deficiências por meio de apresentações do programa interativo "A Turma do Bairro". Origem dos recursos: 2. OFICINA DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL Objetivo: curso de capacitação para configuração e manutenção de computadores. Origem dos recursos: Resultados: 46 apresentações de "A Turma do Bairro" nas cidades de Iacanga, Agudos, Arealva, Boracéia e Bauru, em escolas públicas para participantes. 3. CURSO DE QUALIFICAÇÃO EM ÓRTESES, PRÓTESES E MEIOS AUXILIARES DE LOCOMOÇÃO Objetivo: qualificar os trabalhadores em oficina ortopédica para atendimento ao SUS. 3. TRANSFORMAR (segundo ano) Objetivo: promover a inclusão escolar reduzindo o preconceito em relação às deficiências por meio de apresentações do programa interativo "A Turma do Bairro". Origem dos recursos: Projeto TransFormar, encenação de A Turma do Bairro Origem dos recursos: Resultados: 33 profissionais da APAE-BAURU, I. Lauro de Souza Lima, ABBR-RJ, Pestalozzi-RJ, IOT- HC-USP-SP, HC-USP Ribeirão Preto. Fotos: Arquivo SORRI-BAURU 29

30 378 AÇÕES Em pé, membros da diretoria da SORRI-BAURU, o prefeito de Bauru, Rodrigo Agostinho, a secretária municipal de educação, Vera Casério, o vereador Fábio Manfrinato e, sentada, a coordenadora do COMUDE, Ariani Queiroz Sá. ARTICULAÇÃO JUNTO ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS COMPROMISSO SOCIAL A SORRI-BAURU possui comissões e propõe campanhas que objetivam favorecer o aprendizado e a vivência de habilidades sociais, proporcionando um relacionamento saudável do usuário com a comunidade e o meio-ambiente. Foram realizadas 378 ações pelos membros das COMISSÕES DE ACESSIBILIDADE, HABILIDADES SOCIAIS/ SUSTENTABILIDADE E COMBATE À DENGUE compostas por funcionários e usuários. Um evento marcante em 2013 foi a Semana Municipal da Pessoa com Deficiência, do qual a SORRI-BAURU participou em parceria com o COMUDE e o Sesc, durante a 3ª Virada Inclusiva. Membro Titular do Conselho Municipal da Saúde (funcionária). Membro titular do COMUDE - Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência (funcionário e usuários). Membro suplente do COMUDE - Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência (funcionária). Membro titular do Conselho Municipal da Assistência Social (funcionária) e participação como convidada (funcionária). Membro suplente do Comitê de Ética em Pesquisa em Seres Humanos da FOB-USP (funcionária). Membro do Grupo Recursos Humanos - CIESP (funcionária). Membro do Comitê Municipal de Mobilidade das Cidades (funcionária). Membro do Comitê de Assessoramento ao Plano Nacional de Saúde da Pessoa com Deficiência - Ministério da Saúde (funcionária). Participante do grupo de trabalho do Ministério da Saude para auxiliar na construção das diretrizes e normas do Curso de Formação de Técnicos em Órteses e Próteses (funcionária). Participante do grupo de trabalho do Ministério da Saude para reabilitação socioeconômica de pessoas com hanseníase (funcionária). 30 Prevenção à dengue Usuários Ana Júlia Ferreira de Souza, Emilly Taynara Gomes de Oliveira e Laura Ferreira Varejano Participantes da Conferência Municipal de Educação (4 funcionárias). Participante da Conferência Estadual de Educação (funcionária). Participantes do Fórum de Discussões Sobre o Estatuto da Pessoa com Deficiência (6 funcionárias). Participante como delegada na Conferência Estadual de Mobilidade das Cidades (funcionária). Fotos: Arquivo SORRI-BAURU

III- DADOS DO PRESIDENTE

III- DADOS DO PRESIDENTE PLANO DE AÇÃO 2014 I- IDENTIFICAÇÃO Nome: Associação dos Deficientes Físicos de Lençóis Paulista - ADEFILP Endereço: Pernambuco, 333, Jardim Cruzeiro Lençóis Paulista SP CEP 18680470 Telefone: (014) 3264-9700

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA Apresentador: Mayara Lucia Martins. MARTINS, Mayara

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ

DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ DOCUMENTO FINAL 11ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DO PARANÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Manter o incentivo aos Programas do Núcleo Apoio da Saúde da Família

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

Movimento Pró Autista

Movimento Pró Autista POLÍTICAS PÚBLICAS DE ATENDIMENTO PARA AS PESSOAS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO Saúde Educação Trabalho Cultura, Esportes e Lazer Transporte Especializado Centros de Convivência Moradias Assistidas

Leia mais

Gestão do Paciente com Deficiência Uma visão Prática da Terapia Ocupacional e da Fisioterapia

Gestão do Paciente com Deficiência Uma visão Prática da Terapia Ocupacional e da Fisioterapia Gestão do Paciente com Deficiência Uma visão Prática da Terapia Ocupacional e da Fisioterapia Percentual de pessoas com deficiência no Brasil..segundo Censo 2000: 14,5% Deficientes 85,5% Não Deficientes

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

PLANO VIVER SEM LIMITE

PLANO VIVER SEM LIMITE PLANO VIVER SEM LIMITE O Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência PLANO VIVER SEM LIMITE 2011-2014 foi instituído por meio do Decreto da Presidência da República nº 7.612, de 17/11/2011 e

Leia mais

Rede de Reabilitação Lucy Montoro

Rede de Reabilitação Lucy Montoro Rede de Reabilitação Lucy Montoro Rede de Reabilitação Lucy Montoro Implantar, Padronizar e Sistematizar uma rede hierarquizada e descentralizada, dentro dos parâmetros do SUS, de atendimento em reabilitação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAURU ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Municipal do Bem Estar Social Padrão Normativo da Rede de Proteção Social Básica Programa de Inclusão Produtiva de 3º Fase Auxílio Produção Administração: Rodrigo Antônio de Agostinho Mendonça Secretária do Bem Estar Social: Darlene

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba

ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE INCLUSIVA EM CURITIBA. Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura Municipal de Curitiba ESTA PARA NASCER UM MODELO INOVADOR DE EDUCACAO INFANTIL INCLUSIVA EM CURITIBA VEJA COMO SUA EMPRESA PODE TRANSFORMAR ESTA IDEIA EM REALIDADE { Solicitação de doação por incentivo fiscal COMTIBA Prefeitura

Leia mais

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE: OO"TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO" EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios

Leia mais

SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, IDOSAS E SUAS FAMÍLIAS NO SUAS Tipificação Nacional dos Serviços SUAS/2009

SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, IDOSAS E SUAS FAMÍLIAS NO SUAS Tipificação Nacional dos Serviços SUAS/2009 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SNAS DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL - DPSE SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

Proposta de ações para elaboração do. Plano Estadual da Pessoa com Deficiência;

Proposta de ações para elaboração do. Plano Estadual da Pessoa com Deficiência; 1 Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação das diretrizes e metas na garantia de direitos às pessoas com deficiência

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial

I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Coordenadoria de Proteção Social Especial Março/2014 CONSTITUIÇÃO FEDERAL

Leia mais

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS PAIF IMPORTANTE INTERRELAÇÃO ENTRE PAIF E CRAS CRAS O

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE)

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) Aleksandra Debom Garcia 1 Fatima Gomes Nogueira Daguiel 2 Fernanda Pereira Santana Francisco 3 O atendimento educacional especializado foi criado para dar um

Leia mais

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNCIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNCIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO 1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 004/2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PESSOAL PARA ATENDER A RECENSEAMENTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA E A DIVERSOS OUTROS PROGRAMAS E SERVIÇOS

Leia mais

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso

Selo Hospital Amigo do Idoso. Centro de Referência do Idoso SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE REGIÕES DE SAÚDE CRS Política de Saúde para o Idoso no Estado de São Paulo Selo Hospital Amigo do Idoso Centro de Referência do Idoso Resolução

Leia mais

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES.

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. ANA LUCIA MESQUITA DUMONT; Elisa Nunes Figueiredo. Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SMSA-BH (Atenção Básica)

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

Política de humanização no estado de São Paulo

Política de humanização no estado de São Paulo Artigo Política de humanização no estado de São Paulo Por Eliana Ribas A autora é psicanalista e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atua como coordenadora

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS

ATENDIMENTO EDUCACIONAL SALAS MULTIFUNCIONAIS ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO -AEE SALAS MULTIFUNCIONAIS LEGISLAÇÃO Considerando o Decreto 6949/2009 que promulga a convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência, assegurando um

Leia mais

Segurança e Manutenção das Atividades da APAE/DF em benefício dos Programas de Autogestão da Pessoa com Deficiência

Segurança e Manutenção das Atividades da APAE/DF em benefício dos Programas de Autogestão da Pessoa com Deficiência Segurança e Manutenção das Atividades da APAE/DF em benefício dos Programas de Autogestão da Pessoa com Deficiência Proposta de Parceria BRASÍLIA, JUNHO DE 2011. Nome do Projeto Segurança e Manutenção

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS"

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - A SANTA MARIA QUE QUEREMOS 1 - Apoiar a construção coletiva e implementação do Plano Realizar a Conferência com uma ampla participação da comunidade Sugerir propostas não contempladas na proposta do Plano Conferência Municipal de

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 95/2011 Dispõe sobre a Política Municipal de Atendimento de Educação Especial, por meio do Programa INCLUI, instituído pelo Decreto nº 51.778, de 14 de setembro de 2010, e dá outras providências.

Leia mais

SBE-01-B- SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, IDOSAS E SUAS FAMÍLIAS

SBE-01-B- SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, IDOSAS E SUAS FAMÍLIAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº SBE-01-B/2014 Data: 20/09/2014 Versão: Original 01 SISTEMA ADMINISTRATIVO SBE SISTEMA DE BEM ESTAR SOCIAL 02 ASSUNTO SBE-01-B- SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Hospital Universitário Programa de Avaliação de Desempenho (PROADES) Segunda Fase

Universidade Federal de Juiz de Fora Hospital Universitário Programa de Avaliação de Desempenho (PROADES) Segunda Fase Universidade Federal de Juiz de Fora Hospital Universitário Programa de Avaliação de Desempenho (PROADES) Segunda Fase Registro de reuniões setoriais Setor: Serviço Social Unidade Dom Bosco Data: 29.05.2009

Leia mais

ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015

ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015 ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015 LINHA DE AÇÃO I: SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DE SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS PARA CRIANÇAS

Leia mais

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO ÓRGÃO RESPONSÁVEL: Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulher NOME: PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO Código Descrição FUNÇÃO: 14 Direitos

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO

GOVERNO DO MUNICIPIO DE CONSELHEIRO LAFAIETE GABINETE DO PREFEITO LEI N o 5.641, DE 23 DE JUNHO DE 2014. RECONHECE A PESSOA COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA COMO PORTADORA DE DEFICIÊNCIA PARA OS FINS DE FRUIÇÃO DOS DIREITOS ASSEGURADOS PELA LEI ORGÂNICA E PELAS DEMAIS

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

2º Prêmio de Reabilitação e Readaptação Profissional

2º Prêmio de Reabilitação e Readaptação Profissional Instituição: APAE - Belo Horizonte /MG Categoria: Escolas de Educação Profissional Trabalho Escola de Qualificação Profissional Básica: Dignidade, Autonomia e Renda A associação de pais e amigos dos excepcionais

Leia mais

CICLO 2014 PRONAS RELAÇÃO DOS PROJETOS APROVADOS ATÉ 27.11.14

CICLO 2014 PRONAS RELAÇÃO DOS PROJETOS APROVADOS ATÉ 27.11.14 CICLO 2014 PRONAS RELAÇÃO DOS PROJETOS APROVADOS ATÉ 27.11.14 Associação Hospitalar de Proteção à Infância Dr. Raul Carneiro - Hospital Pequeno Príncipe 25000.161.705/2014-37 Deficiência Intelectual e

Leia mais

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Reabilitação da Paralisia Cerebral no CEREPAL Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Histórico Fundada no dia 02 de março de 1964 por um grupo de pais que os filhos possuíam lesão cerebral. É uma entidade

Leia mais

Necessidades das diferentes populações e possibilidades de respostas na construção da Rede de Cuidados da Pessoa com Deficiência no SUS

Necessidades das diferentes populações e possibilidades de respostas na construção da Rede de Cuidados da Pessoa com Deficiência no SUS XXVIII CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO ABRIL 2014 UBATUBA/SP Necessidades das diferentes populações e possibilidades de respostas na construção da Rede de Cuidados da

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 Aviso de Divulgação de Seleção de Instrutor Pleno para as. REF: CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PARA ATENDIMENTO AO CONVENIO Nº 711591/2009 MDS/ITS/CEDEP

Leia mais

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO NOME DA ENTIDADE: TIPO DE SERVIÇO: ( ) de convivência para crianças de 3

Leia mais

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO NOME DA ENTIDADE: TIPO DE SERVIÇO: ( ) de convivência para crianças de 3

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis. Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil

Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis. Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil Há 17 anos promovendo os direitos dos idosos com qualidade de vida. Nossa História O Grupo

Leia mais

Operacionalização dos Planos pelo SUAS: - O Plano Crack: É Possível Vencer! ; - O Plano Nacional da Pessoa com Deficiência: Viver sem Limite.

Operacionalização dos Planos pelo SUAS: - O Plano Crack: É Possível Vencer! ; - O Plano Nacional da Pessoa com Deficiência: Viver sem Limite. O SUAS E AS AGENDAS ESTRATÉGICAS DE GOVERNO: O FORTALECIMENTO DO COMBATE À POBREZA, AOS RISCOS E ÀS VULNERABILIDADES SOCIAIS: Operacionalização dos Planos pelo SUAS: - O Plano Crack: É Possível Vencer!

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua. Título da experiência: Políticas públicas de apoio à população de rua Uma experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE CONCEITO DE REDE Para as Ciências Sociais: conjunto de relações sociais entre um conjunto

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Estratégias

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Estratégias EDUCAÇÃO ESPECIAL Metas Meta 4 (compatível com a meta do Plano Nacional de Educação) Meta 4: universalizar, para a população com deficiência, Transtornos Globais do Desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS.

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. DESCRIÇÃO GERAL: Serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

Qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público OSCIP em 2009.

Qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público OSCIP em 2009. MISSÃO O Instituto LOCUS é uma associação civil sem fins lucrativos, fundada em 2005 por um grupo de arquitetos, urbanistas, educadores e assistentes sociais. Qualificada como Organização da Sociedade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N.º 150 DE 22 DE JULHO DE 2015

LEI COMPLEMENTAR N.º 150 DE 22 DE JULHO DE 2015 LEI COMPLEMENTAR N.º 150 DE 22 DE JULHO DE 2015 Ficam criados os cargos e ampliadas as vagas de cargos de provimento efetivo que integrarão o Anexo III da Lei Complementar nº 118, de 3 de dezembro de 2010,

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Derdic / PUC-SP

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Derdic / PUC-SP RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Missão 03 Valores Institucionais 03 Escola Especial de Educação Básica 04 Clínica de Audição, Voz e Linguagem Prof. Dr. Mauro Spinelli

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES ANEXO I ROTEIRO PARA INSPEÇÃO PERÍODICA 1 DOS SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO Data: / / INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Modalidade: ( ) Acolhimento Institucional ( ) Casa Lar 1 - DADOS GERAIS 1.1. Nome

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA LEMOS, Josiane (estágio I), e-mail: lemosjosi@hotmail.com SANTOS, Lourdes de Fátima dos (estágio I). e-mail: lurdesfsantos84@hotmail.com SCHEMIGUEL,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS

SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS DESCRIÇÃO: Modalidade: Centro Dia para pessoa Idosa Serviço voltado para o atendimento, regime parcial, de pessoas idosas de 60 anos ou mais, de

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Terceira Idade e Movimento

Mostra de Projetos 2011. Terceira Idade e Movimento Mostra de Projetos 2011 Terceira Idade e Movimento Mostra Local de: Campina Grande do Sul Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

Projeto Pequenas Damas

Projeto Pequenas Damas Mostra Local de: Arapongas Projeto Pequenas Damas Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Associação das Damas de Caridade de Arapongas

Leia mais

Maria Tertuliana de Souza Oliveira Secretária Municipal

Maria Tertuliana de Souza Oliveira Secretária Municipal Maria Tertuliana de Souza Oliveira Secretária Municipal Assistência Social Contexto Histórico Perde o caráter Assistencialista e passa ser Direito de acordo com critérios estabelecidos por Lei ( LOAS no

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

ATENDIMENTO DAS CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO-PR

ATENDIMENTO DAS CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO-PR ATENDIMENTO DAS CRIANÇAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO-PR Emylaine Maria Graciano de Souza (PIBIC Jr/CNPq), Gyovana Persinato Inoue (PIBIC Jr/CNPq), Heloísa

Leia mais

Sistema Único de Assistência Social

Sistema Único de Assistência Social Sistema Único de Assistência Social Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Especial Brasília-DF Dezembro de 2011 O Sistema Único de Assistência Social (Suas) é um sistema

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial

Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial Ministério da Educação Secretaria de Educação Especial DIRETRIZES OPERACIONAIS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL PARA O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NA EDUCAÇÃO BÁSICA O Ministério da Educação, por intermédio

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS.

PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - CCBS Coordenação do Curso de Enfermagem PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS. RESUMO DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO:

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012 EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012 Aviso de Divulgação de Seleção de Instrutor Pleno para as atividades de incubação de empreendimentos produtivos. REF: CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

Disciplina: modernidade e Envelhecimento Curso de Serviço Social 3º e 5º Semestre Políticas públicas para idosos 1 Marco Legal Nacional Constituição Federal (1988) Art. 202 Inciso I Ao idoso é assegurado

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO Juliana Paula Balestra Soares Joelma Cristina Gomes Carmencita Márcia Balestra Faculdade

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005 Aprova o Programa de Atendimento a Pessoas com Necessidades Especiais da Universidade do Contestado-UnC O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições,

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012

EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012 EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012 A Associação de Apoio ao AAPQ faz saber que realizará processo seletivo para contratação de: 02 Psiquiatras 01Farmacêutico 01 Assistentes Social 01

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA SANTA CASA BH CONHECIMENTO NA DOSE CERTA PARA O SEU SUCESSO PROFISSIONAL A SANTA CASA BH TEM TODOS OS CUIDADOS PARA VOCÊ CONQUISTAR UMA CARREIRA SAUDÁVEL. Missão Humanizar a assistência

Leia mais

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Professores: Leonardo Martins Prudente e Adailton Amaral Barbosa Leite Brasília, Agosto de 2013 Política Nacional

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar Communication for All - In Search of the Social and Pertaining to School Inclusion Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS Carolina

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE POLÍTICAS SOCIAIS E DESPORTO 1 PROJOVEM 1.1 SUPERVISOR REQUISITOS: NÍVEL SUPERIOR ATRIBUIÇÕES: Ser responsável

Leia mais

Asilo São Vicente de Paulo

Asilo São Vicente de Paulo Asilo São Vicente de Paulo O Asilo São Vicente de Paulo promove a qualidade de vida e o resgate à dignidade da pessoa idosa. Atualmente é responsável pela garantia dos direitos fundamentais de 150 idosas.

Leia mais