Documentação do Sistema GeoServiço-Mobile

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Documentação do Sistema GeoServiço-Mobile"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA INF655 COMPUTAÇÃO MÓVEL Documentação do Sistema GeoServiço-Mobile Alunos: Professor: Arthur Vinícius Maciel Dantas Odilon Corrêa da Silva Mauro Nacif Viçosa MG Dezembro de 2007

2 Sumário 1 Introdução e Motivação Tecnologias de Desenvolvimento Plataforma Microsoft.NET Microsoft SQL Server Enterprise Microsoft MapPoint Web Services IntraWebs InterWebs Documentação do Sistema Requisitos funcionais Requisito funcional Autenticar ao Sistema Requisito funcional Listar Serviços Requisito funcional Consultar Serviço Requisito funcional Encerrar Serviço Requisito funcional Consultar Mapa Caso de Uso Caso de uso Autenticar ao Sistema Caso de uso Listar Serviços Caso de uso Consultar Serviço Caso de uso Encerrar Serviço Caso de uso Consultar Mapa Diagrama de Caso Uso Persistência Modelo de Entidade-Relacionamento do Banco de Dados Esquema Físico do Banco de Dados Diagrama de Estados de Navegação Descrição do funcionamento do GeoServiço-Mobile Descrição do projeto Dificuldades encontradas Bibliografia... 22

3 1 Introdução e Motivação O uso crescente de aplicações móveis tornou ainda mais importante um serviço que já esta sendo solicitado aos dos desenvolvedores: o serviço de localização ou georeferenciamento de uma localidade. Estes serviços possuem enorme utilidade e podem ser aplicados em diversas aplicações tais como cálculo de rotas, localização de endereços e de veículos, mapeamento de terrenos e produtividade agrícola, localização estratégica de exércitos, dentre outros. Todo sistema que funciona baseado em informação geográfica, ou geo-referenciado como são chamados, trabalham armazenando e recuperando informações sobre uma localidade. Entende-se localidade como um endereço, um dispositivo ou um usuário que possa ter sua localização definida em um par de coordenadas geográficas chamadas latitude e longitude. De posse das coordenadas geográficas da localidade de um usuário, um programa de computador pode consultar uma base de dados e informar, por exemplo, que próximo a essa localidade existe uma agência bancária ou um posto de gasolina. Sistemas mais sofisticados permitem ainda traçar uma rota ou caminho que ensine ao usuário como chegar a tal agência ou posto de gasolina. Existem diversas bases de informações geo-referenciadas voltadas para as mais diversas aplicações. Existem bases que informam localidades de lojas, postos de gasolinas, rios, florestas e estradas, etc. Muitas dessas bases de informações têm seu uso restrito ou mesmo protegido, porém há serviços públicos que oferecem informações bastante ricas sobre localidades. A mobilidade possibilita a extensão do ambiente de trabalho da empresa às áreas externas levando o acesso remoto às informações corporativas aos seus colaboradores, permitindo-lhes a aplicação de ações imediatas e integrando-os melhor em ações de trabalho colaborativo. A mobilidade associada a informações de localização permite selecionar a informação a ser disponibilizada, de forma que o conteúdo retornado seja filtrado de acordo com a posição geográfica do usuário. Dado esse cenário, torna-se viável a criação de uma ferramenta que possibilite a distribuição de tarefas em empresas prestadoras de serviços. O GeoServiço-Mobile é um módulo do GeoServiço-Corpore, um ERP (Enterprise Resource Planning) que será desenvolvido com a finalidade de gerenciar todas as atividades de uma empresa prestadora de serviço. A estrutura completa da aplicação é

4 ilustrada pela Figura 1. O GeoServiço-Mobile é uma aplicação onde o colaborador da empresa receberá em seu Smartphone uma lista de locais onde ele deve prestar algum serviço. Para cada localidade listada, poderá obter um mapa da localidade. Figura 1 - Estrutura de subsistemas da solução GeoServiço

5 2 Tecnologias de Desenvolvimento Diante das necessidades observadas e na arquitetura planejada para o sistema, o estudo de viabilidade técnica foi direcionado aos mais modernos padrões, métodos, conceitos e tecnologias hoje existentes que possam embasar o desenvolvimento do sistema proposto. Além disto, foram estudas as principais ferramentas da computação disponíveis no mercado que possam ser utilizadas para a implementação do sistema. O enfoque do estudo foi buscar tecnologias para a otimização do desenvolvimento, customização do produto e facilidades na utilização do sistema proposto. É extremamente importante o domínio das tecnologias e o conhecimento dos prós e contras de cada uma, para que possam ser identificadas as melhores soluções. Para o desenvolvimento do produto, diversas tecnologias estão disponíveis e devem ser avaliadas para possibilitar a produção de um sistema que atenda todos os requisitos e expectativas dos futuros usuários e da equipe de desenvolvimento. É essencial avaliar o nível de atendimento dos requisitos ambientais, sejam eles inseridos no ambiente do cliente ou da equipe de desenvolvimento. Outro aspecto importante no planejamento da tecnologia a ser utilizada são as tecnologias disponíveis para armazenamento de dados. O mercado dispõe de diversos SGBD (Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados) e cada cliente possui suas preferências e/ou exigências quanto à escolha desta tecnologia. Desta forma, é importante conhecer os principais SGBD disponíveis e preparar o sistema para utilizar o que estiver mais adequado para cada cliente Para o desenvolvimento do GeoServiço-Mobile foram usadas tecnologias de desenvolvimento de software da Microsoft, através da Plataforma Microsoft.NET Framework, Microsoft SQL Server Enterprise, Microsoft e MapPoint. A arquitetura do GeoServiço-Mobile é implementada com a tecnologia Web Service, uma vez que ela permite que sistemas executados em diferentes ambientes se comuniquem via XML ou outros padrões WEB. Todas as tecnologias usadas para a construção GeoServiço-Mobile são muito difundidas, devido à facilidade de encontrar tutoriais, livros e grupos de discussão. Outro fator importante na escolha dessas tecnologias é a curva de aprendizagem. O aprendizado em outras tecnologias como Java e Oracle, por exemplo, é mais difícil do que as tecnologias usadas pela Microsoft. Além disso, o uso de tecnologias (arquitetura,

6 linguagem de programação e banco de dados) de uma mesmo fabricante facilita a integração e a implantação do sistema, sem a necessidade de plug-ins entre outros recursos de instalação e implementação. 2.1 Plataforma Microsoft.NET A plataforma Microsoft.NET é uma plataforma de software que conecta informações, sistemas, pessoas e dispositivos. A plataforma.net conecta uma grande variedade de tecnologias de uso pessoal e de negócios, de telefones celulares a servidores corporativos, permitindo o acesso a informações importantes, onde e sempre que forem necessárias. Desenvolvido sobre os padrões de Web Services XML, a plataforma.net possibilita que sistemas e aplicativos, novos ou já existentes, conectem seus dados e transações independente do sistema operacional, tipo de computador ou de dispositivo móvel que sejam utilizados, ou qual linguagem de programação tenha sido utilizada na sua criação. O.NET oferece a capacidade de desenvolver, implementar, gerenciar e usar soluções conectadas através de Web Services XML de maneira rápida, barata e segura. Essas soluções permitem uma integração mais rápida e ágil entre os negócios e o acesso a informações a qualquer hora, em qualquer lugar e em qualquer dispositivo. A idéia fundamental por trás da plataforma.net é uma mudança de foco na informática, passando de um mundo de aplicativos, web sites e dispositivos isolados para uma infinidade de computadores, dispositivos, transações e serviços que se conectam diretamente e trabalham em conjunto para fornecerem soluções mais amplas e ricas. A plataforma.net tem independência na linguagem de programação. Com ela é possível trabalhar com várias linguagens diferentes no mesmo projeto e interagir entre elas. Isso é possível por termos uma IL (Intermediate Language), ou seja, linguagem intermediária onde todos os fontes compilados pelo CLR (Common Language Runtime) resultam em uma só linguagem. O.NET Framework possui duas partes principais: A Common Language Runtime (CLR). Um conjunto hierárquico de biblioteca de classes.

7 A CLR é descrita como o "motor de execução" do.net, fornecendo o ambiente onde os programas são executados. Suas principais características são: Conversão de linguagem de baixo do estilo assembly, chamada de Intermediate Language (IL), para código nativo da plataforma onde está sendo executado. Gerenciamento de memória, incluindo garbage collection. Verificação e reforço de restrições de segurança no código em execução. Carregamento e execução de programas, com controle de versão e outras características. 2.2 Microsoft SQL Server Enterprise O Microsoft SQL Server 2000 é um banco de dados corporativo que fornece uma poderosa e detalhada plataforma de gerenciamento de dados. Possui ferramentas detalhadas de gerenciamento e desenvolvimento, uma ferramenta poderosa de extração, transformação e carga, serviços de análise para soluções de business intelligence e capacidades tais como Serviços de Notificação. Oferece recursos dinâmicos de auto-desempenho e auto-configuração que otimizam o desempenho do banco de dados enquanto ferramentas de gerenciamento automatizam atividades padrão. Ferramentas e assistentes gráficos simplificam a configuração, o design do banco de dados e o monitoramento do desempenho, permitindo aos administradores de bancos de dados focar as necessidades estratégicas do negócio. A Edição Corporativa inclui um conjunto completo de recursos para análise e gerenciamento de dados e é unicamente caracterizada por diversos recursos que a torna a edição mais escalonável e disponível do SQL Server Escalona para níveis de desempenho necessários para dar suporte aos maiores web sites, Sistemas de Processamento e Transação de Negócios Online e Sistemas de Armazenamento de Dados. Oferece suporte para clustering failover e a torna a versão ideal para qualquer aplicação line-of-business de missão crítica. Inclui diversos recursos avançados de análise. 2.3 Microsoft MapPoint Construido na tecnologia.net, o MapPoint oferece um enorme banco de dados de mapas e endereços de diversos países (incluido o Brasil) e expõe esses serviços através

8 de um web service que possibilita aos desenvolvedores integrar mapas, direções, cálculos de distância, proximidade e outros dados de localização em aplicações, processos de negócios e web sites. Atualmente na sua versão 2006, o MapPoint web service possibilita o desenvolvimento de gama de soluções, incluindo aplicações de mapeamento baseadas em browser, serviços de localização para dispositivos móveis e aplicações corporativas enriquecidas com componentes de localização. O MapPoint web service foi criado com base em padrões abertos da internet como XML e SOAP, e inclui uma API que engloba os seguintes serviços: Find: fornece classes que podem ser usadas para localizar endereços, entidades geográficas, coordenadas de latitude e longitude e pontos de interesse, bem como analisar endereços e retornar informações de localização de uma coordenada de latitude e longitude específica. Render: fornece classes que podem ser usadas para processar mapas de rotas e locais encontrados, marcar pontos com pinos, definir o tamanho e o modo de exibição do mapa, selecionar pontos em um mapa, obter informações de localização sobre os pontos de um mapa, aplicar visão panorâmica e zoom a um mapa processado e criar mapas de imagem. Route: fornece classes que podem ser usadas para traçar rotas, trajetos e representações calculadas de rota com base em locais ou pontos ao longo do caminho, definir preferências de segmentos e de rota e gerar modos de exibição de mapa dos segmentos e trajetos. Common: fornece classes comuns aos serviços Find, Route e Render ou que contêm funções básicas do utilitário. É importante destacar que para usar o MapPoint web service, o usuário deve obter uma licença. Existe uma licença para avaliação que pode ser obtida no endereço 2.4 Web Services Web Services é a mais nova tecnologia para negócios na internet. Os Web Services XML usam tecnologias programáveis e reutilizáveis que aproveitam a flexibilidade da internet. Com eles é possível ter uma infinidade de aplicativos conectados em rede, mesmo rodando em plataformas diferentes, fornecendo informações a todos os seus atores do processo de gerenciamento de editais.

9 A tecnologia, baseada em padrões abertos, está sendo utilizada por várias empresas para colocar a área de TI alinhada com os processos de negócio. Possibilita desenvolver sistemas de forma escalonada. Ou seja, cada componente de uma aplicação em Web Services é um programa independente que possui um objetivo bem definido. Permitem visualizar a informação como uma entidade única, integrada e fácil de compartilhar com outras aplicações e instituições. A estratégia de Web Services pode ser agregada à estratégia web da empresa, portanto não é necessário nenhum estudo profundo sobre impactos na infra-estrutura, que já está pronta. Apesar de recente, essa tecnologia já possui diversos casos de adoção que não impactam em riscos e já podem iniciar um caminho de integração da área de TI com os objetivos de negócio da empresa. Demandas anteriormente difíceis, custosas e lentas de serem implementadas, podem ser atendidas de forma segura e eficiente. Citando apenas três desses casos: disponibilizar informações de sistemas legados, compartilhar informações com parceiros (atualmente feito via EDI ou VPN, que são muito custosos) e integrar sistemas. Totalmente baseado em padrões abertos de grande aceitação no mercado, independente de linguagem, de plataforma e de fornecedor, para o desenvolvimento, existem duas grandes vertentes relacionadas à infra-estrutura: J2EE e.net. Com base na descrição das principais tecnologias envolvidas no desenvolvimento de Web Services. Existem diversas razões que servem de facilitadores para a adoção de Web Services pelas empresas. Algumas delas: É uma tecnologia baseada em padrões abertos; A infra-estrutura para adoção está pronta (HTTP, TCP/IP); Não requer grandes investimentos iniciais; Oportunidade de criação de novos ativos digitais; Trata-se de uma tecnologia mais adequada para projetos de EAI (Enterprise Application Integration) quando comparada às abordagens anteriores; Os principais componentes de uma plataforma de Web Services são: Descrição: o padrão mais utilizado é o WSDL, que fornece a descrição técnica das interfaces, incluindo sua localização e requerimentos de interação.

10 Serviço de registro: a especificação de UDDI é o padrão. Ela define o armazenamento e as interfaces de integração e provê um mecanismo programável de identificação dos serviços. Empacotamento e formatação das mensagens: o padrão utilizado é SOAP, que fornece um mecanismo tipo RPC para a troca de documentos. Transporte de mensagens: os padrões de transporte mais utilizados geram conexões para HTTP ou HTTPS. No entanto, alguns protocolos mais confiáveis estão sendo criados. Utilizando tecnologia de web services, devemos considerar duas grandes situações: IntraWeb (protegido por um firewall) e InterWeb (na internet) IntraWebs Alguns web services serão usados somente dentro de uma zona protegida por um firewall. Há várias soluções para a integração de aplicações, como brokers baseados em serviços de envio de mensagens. Com o advento de web services, surge uma alternativa simples, baseada em protocolos padrão, que deverá diminuir o custo de integração entre aplicações na corporação e terá preferência sobre todas as outras soluções InterWebs O maior interesse sobre a adoção de web services é sua utilização na internet, viabilizada por fatores básicos como desempenho, escalabilidade e segurança. Esses fatores são importantes porque ninguém quer expor seus serviços sem a garantia de que será possível atender a milhões de usuários, e com a segurança necessária. Os dois casos envolvem o mesmo conjunto de tecnologias, mas com uma pequena diferença para sua utilização, que geralmente é determinada pelos requerimentos básicos de segurança. A agilidade nos negócios está na capacidade sistêmica de reconfigurar e controlar os processos e recursos corporativos, em resposta a contingências de negócios, e aumentá-los de forma ordenada e natural. A utilização de Web Services apresenta a melhor solução para a incorporação das características desejáveis a esta estrutura. Os seguintes atributos definem as características de uma infra-estrutura ágil e centrada a processos: Visibilidade das atividades associadas aos processos fim a fim.

11 Processar componentes e funcionalidade que são expostas e autodescritíveis. Qualquer origem de informação e funcionalidade de aplicação, não importando onde ela resida, pode ser integrada no processo. O fluxo da informação e as notificações dos eventos podem ser automatizados pelo processo. As atividades humanas no fluxo de trabalho utilizam as tecnologias presentes e atualmente em uso nas estações de trabalho. Contratos de Nível de Serviço (SLA s) podem ser especificados, monitorados e impostos a atividades do processo. Qualquer atividade no processo pode ser adicionada, removida ou reconfigurada sem romper nenhuma outra atividade do processo. Atividades podem ser monitoradas em tempo real ou próximo do tempo real. O design dos processos pode acomodar qualquer tratamento de exceção necessário. Qualquer processo pode ser facilmente replicado, estendido ou escalonado. Todos os atributos acima podem ser implantados de uma forma altamente eficiente e uma efetiva relação custo/benefício.

12 3 Documentação do Sistema 3.1 Requisitos funcionais Requisito funcional Autenticar ao Sistema F1 Autenticar ao Sistema Descrição: O sistema deverá permitir a autenticação do usuário, através de um indentificador e senha Requisito funcional Listar Serviços F2 Listar Serviços Descrição: O sistema deverá permitir ao usuário listar os serviços pendentes Requisito funcional Consultar Serviço F3 Consultar Serviço Descrição: O sistema deverá permitir ao usuário consultar as informações do serviço pendente Requisito funcional Encerrar Serviço F4 Encerrar Serviço Descrição: O sistema deverá permitir ao usuário encerrar o serviço pendente Requisito funcional Consultar Mapa F5 Consultar Mapa Descrição: O sistema deverá permitir ao usuário consultar um mapa da região do endereço espeficico. 3.2 Caso de Uso Caso de uso Autenticar ao Sistema UC1 Autenticar ao Sistema Atores: Colaborador Descrição: O caso de uso é utilizado pelo Colaborador para se autenticar ao sistema. Tem como objetivo restringir o uso do sistema aos Colaboradores autorizados Caso de uso Listar Serviços UC2 Listar Serviços Atores: Colaborador Descrição: O caso de uso é utilizado pelo Colaborador para listar os serviços pendentes. Tem como objetivo informar a ordem de atendimento dos pedidos Caso de uso Consultar Serviço UC3 Consultar Serviço Atores: Colaborador Descrição: O caso de uso é utilizado pelo Colaborador para consultar os detalhes do serviço. Tem como objetivo informar o nome do cliente, endereço do local e descrição do serviço.

13 3.2.4 Caso de uso Encerrar Serviço UC4 Encerrar Serviço Atores: Colaborador Descrição: O caso de uso é utilizado pelo Colaborador para encerrar um serviço. Tem como objetivo registrar os serviços concluídos Caso de uso Consultar Mapa UC5 Consultar Mapa Atores: Colaborador Descrição: O caso de uso é utilizado pelo Colaborador para a visualização do mapa referente ao endereço especifico. Tem como objetivo facilitar a chegada ao local desejado. 3.3 Diagrama de Caso Uso Autenticar ao Sistema Listar Serviços Consultar Servico Colaborador Encerrar Serviço Consultar Mapa Figura 2 - Diagrama de Caso de Uso

14 3.4 Persistência Modelo de Entidade-Relacionamento do Banco de Dados Pais Estado Municipio CodPais <pi> Serial NomePais Variable characters (255) NumPais Integer FK_EST_REF_PAI CodEstado <pi> Serial NomeEstado Variable characters (255) NumEstado Integer FK_MUN_REF_EST CodMunicipio <pi> Serial NomeMunicipio Variable characters (255) NumMunicipio Integer Pk_Pais <pi> Pk_Estado <pi> Pk_Municipio <pi> FK_BAI_REF_MUN TipoLogradouro CodTipoLogradouro <pi> Serial NomeTipoLogradouro Variable characters (255) FK_LOG_REF_TIPLOG Logradouro CodLogradouro <pi> Serial NomeLogradouro Variable characters (255) FK_LOG_REF_BAI Bairro CodBairro <pi> Serial NomeBairro Variable characters (255) Pk_TipoLogradouro <pi> Pk_Logradouro <pi> Pk_Bairro <pi> FK_CLILOG_REF_LOG ClienteLogradouro CodClienteLogradouro <pi> Serial Numero Variable characters (50) Complemento Variable characters (50) CEP Variable characters (9) TelLocal Variable characters (13) FlagPrincipal Boolean FK_SER_REF_CLILOG Servico CodServico <pi> Serial DescricaoServico Variable characters (255) DataRegistro Date & Time DataConclusao Date & Time FK_SER_REF_USU Pk_ClienteLogradouro <pi> PK_SERVICO <pi> FK_CLILOG_REF_CLI FK_SER_REF_SIT Usuario Cliente CodUsuario <pi> Serial CodCliente <pi> Serial NomeCliente Variable characters (255) Variable characters (255) Celular Variable characters (13) Pk_Cliente <pi> Situacao CodSituacao <pi> Serial NomeSituacao Variable characters (255) Pk_Situacao <pi> NomeUsuario IdentificacaoUsuario SenhaUsuario Pk_Usuario <pi> Variable characters (255) Variable characters (255) Variable characters (255) FK_USU_REF_TIPUSU TipoUsuario CodTipoUsuario <pi> Serial NomeTipoUsuario Variable characters (255) Figura 3 - Modelo de Entidade-Relacionamento do Banco de Dados Pk_TipoUsuario <pi>

15 3.4.2 Esquema Físico do Banco de Dados Pais CodPais int <pk> NomePais varchar(255) NumPais int FK_EST_REF_PAI Estado CodEstado int <pk> NomeEstado varchar(255) NumEstado int CodPais int <fk> FK_MUN_REF_EST Municipio CodMunicipio int <pk> NomeMunicipio varchar(255) NumMunicipio int CodEstado int <fk> FK_BAI_REF_MUN TipoLogradouro CodTipoLogradouro int <pk> NomeTipoLogradouro varchar(255) FK_LOG_REF_TIPLOG Logradouro CodLogradouro int <pk> NomeLogradouro varchar(255) CodTipoLogradouro int <fk2> CodBairro int <fk1> FK_LOG_REF_BAI Bairro CodBairro int <pk> NomeBairro varchar(255) CodMunicipio int <fk> LisBairro LisClienteLogradouro <<DBCreateAfter (computed)>> Set_EncerrarServico CodBairro NomeBairro NomeMunicipio NomeEstado NomePais Bairro LisMunicipio CodClienteLogradouro NomeCliente NomeTipoLogradouro NomeLogradouro Complemento Numero NomeBairro NomeMunicipio FK_CLILOG_REF_LOG ClienteLogradouro LisLogradouro CodLogradouro NomeT ipologradouro NomeLogradouro NomeBairro NomeMunicipio NomeEstado NomePais NomeEstado CEP NomePais TelLocal ClienteLogradouro LisLogradouro Cliente LisMunicipio CodMunicipio CodClienteLogradouro int <pk> CodLogradouro int <fk2> CodCliente int <fk1> Numero varchar(50) Complemento varchar(50) CEP varchar(9) T ellocal varchar(13) FlagPrincipal bit FK_SER_REF_CLILOG Servico CodServico int <pk> CodClienteLogradouro int <fk1> CodUsuario int <fk3> DescricaoServico varchar(255) CodSituacao int <fk2> DataRegistro smalldatetime DataConclusao smalldatetime <<DBCreateAfter (computed)>> Rea_Principal FK_SER_REF_USU <<DBCreateAfter (computed)>> Logradouro NomeMunicipio TipoLogradouro LisBairro NomeEstado NomePais FK_CLILOG_REF_CLI Municipio FK_SER_REF_SIT LisEstado LisEstado Usuario CodEstado NomeEstado NomePais Estado Pais Get_EnderecoMapa Cliente CodCliente int <pk> NomeCliente varchar(255) varchar(255) Celular varchar(13) Situacao CodSituacao int <pk> NomeSituacao varchar(255) CodUsuario int <pk> NomeUsuario varchar(255) IdentificacaoUsuario varchar(255) SenhaUsuario varchar(255) CodT ipousuario int <fk> <<DBCreateAfter (computed)>> Rea_Usuario <<DBCreateAfter (computed)>> FK_USU_REF_TIPUSU LisServico CodServico NomeCliente EnderecoConsulta EnderecoMapa CodUsuario CodSituacao DescricaoServico <<DBCreateAfter (computed)>> Rea_ListaServico Get_ListaServico Get_Usuario Get_Principal TipoUsuario CodT ipousuario int <pk> NomeTipoUsuario varchar(255) Servico LisClienteLogradouro <<DBCreateAfter (computed)>> Get_Servico Figura 4 - Esquema Físico do Banco de Dados

16 3.5 Diagrama de Estados de Navegação Figura 5 - Diagrama de Navegação 3.6 Descrição do funcionamento do GeoServiço-Mobile O GeoServiço-Mobile é um módulo para consultar informações controladas pelo ERP GeoServiço-Corpore. Para exemplificar o funcionamento da aplicação, apresentamos o diagrama de navegação na Figura 5. O fluxo de funcionamento do GeoServiço-Mobile é apresentado abaixo:

17 Figura 6 - Autenticação Figura 7 - Principal Figura 8 - Lista Serviços Figura 9 - Serviço Figura 10 - Mapa Figura 11 Encerrar Serviço 1. Autenticação: Inicialmente o usuário deve se autenticar ao sistema, informando sua identificação e senha, Figura Principal: São exibidas as informações de identificação do colaborador e a quantidade de serviços pendentes, Figura 7.

18 2.1. O usuário pode listar os serviços pendentes O usuário pode atualizar a quantidade de serviços pendentes O usuário pode finalizar a aplicação. 3. Lista de Serviços: É exibida uma lista com os serviços pendentes, Figura O usuário pode exibir os detalhes do serviço pendente O usuário pode encerrar o serviço pendente O usuário pode visualizar um mapa da região onde o serviço será prestado O usuário pode retornar a tela Principal 4. Serviço: É exibido os detalhes do serviço ao usuario, Figura O usuário pode exibir o mapa da região do serviço O usuário pode encerrar o serviço pendente O usuário pode retornar a tela Listagem de Serviço 5. Mapa: É exibido o mapa da região do serviço, Figura O usuário pode atualizar o mapa O usuário pode retornar ao Serviço. 6. Encerrar Serviço: É exibido as informações do serviço e colaborador ao usuário, Figura O usuário encerrar o serviço O usuário pode retornar ao Serviço.

19 4 Descrição do projeto Nos últimos anos o modelo de arquitetura orientada a serviços vem despertando a atenção dos desenvolvedores de software com a promessa de trazer grandes ganhos para a comunicação entre os sistemas de computação existentes. Esta arquitetura pode ser definida como uma arquitetura de software que relaciona os componentes de um sistema em um ambiente distribuído onde são disponibilizados serviços que podem ser acessados dinamicamente através de uma rede (Amorim, 2004). Seguindo essa tendência, a tecnologia Web Services implementa a maioria das características da arquitetura do sistema. Essa solução propõe a exposição das transações e das regras de negócios por meio de protocolos que podem ser acessados e entendidos por qualquer linguagem de programação, em qualquer sistema operacional, rodando em qualquer dispositivo (Costa, 2002). Sendo assim o sistema foi dividido em três camadas, como pode ser visto na figura 12 abaixo. Figura 12 - Arquitetura GeoServiço

20 Seguindo a tecnologia adotada o web service WsGeoServiço foi desenvolvido na plataforma.net. O MapPoint web service foi criado com base em padrões abertos da internet como XML e SOAP, e inclui uma API que engloba os seguintes serviços: GetEnderecoMapa: fornece um xml contendo o endereço do serviço, o identificador do serviço deverá ser passado como parametro. GetListaServicos: fornece um xml contendo a lista dos serviços pendentes do colaborador, o identificador do mesmo deverá ser passado como parametro. GetPrincipal: fornece um xml contendo as informações do colaborador e a quantidade de serviços pendentes, o identificador do colaborador deverá ser passado como parametro. GetServico: fornece um xml contendo as informações do serviço, o identificador do serviço deverá ser passado como parametro. GetUsuario: fornece um xml contendo as informações do colaborador, o identificador do mesmo deverá ser passado como parametro. SetEncerrarServico: realiza o encerramento do serviço, o identificador do mesmo deverá ser passado como parametro.

21 5 Dificuldades encontradas Não foram encontradas muitas dificuldades na realização do trabalho uma vez que as ferramentas utilizadas têm bom suporte ao tipo de aplicação desenvolvida. A dificuldade que damos destaque está relacionada à limitação dos componetes do Visual Studio 2005 para o desenvolvimento de aplicações em dispositovos moveis. Apontamos o Grid como o maior problema, o mesmo pode ser visualizado na Figura 8, soluções foram encontradas, entretando o esforço necessário estava fora do foco principal do trabalho. Além disso, encontramos dificuldades para exibir a informação de mapa. Inicialmente pretendia-se usar Google Maps, que é um serviço de pesquisa e visualização de mapas e imagens de satélite da Terra gratuito na web fornecido pela empresa Google. Entretando tal tecnologia não é suportada pelo browser do dispositivo móvel avaliado. Essa situação obrigou o grupo a buscar outra solução, sendo assim adotado o MapPoint Web Services. O serviço da empresa Microsoft possibilida a conversão final do mapa para o formato BMP (Bitmap), a figura gerada é exibida pelo componente PictureBox do Visual Studio, possibilitando a visualização da informação geográfica.

22 6 Bibliografia Amorim, S., 2004, A Tecnologia Web Services e sua Aplicação num Sistema de Gerência de Telecomunicações, Tese de Mestrado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP. Dev Center - WebServices, URL: Pesquisado em 01 de dezembro de Costa, G., 2002, O Modelo de Web Services Como Desenvolver Aplicações em uma Nova Arquitetura de Software, Promon Business & Technology Review Series, n.4, MapPoint Multi-platform Assistance Center, URL: Pesquisado em 01 de dezembro de 2007.

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

19/05/2009. Módulo 1

19/05/2009. Módulo 1 ASP.NET Módulo 1 Objetivo Mostrar os conceitos fundamentais da plataforma Microsoft.Net e suas ferramentas; Apresentar os conceitos fundamentais de aplicações web e seus elementos; Demonstrar de forma

Leia mais

Fundament n os s da platafo f rm r a. NE N T André Menegassi

Fundament n os s da platafo f rm r a. NE N T André Menegassi Fundamentos da plataforma.net André Menegassi O que é o.net Framework?.NET é uma plataforma de software para desenvolvimento de aplicações que conecta informações, sistemas, pessoas e dispositivos através

Leia mais

Infracontrol versão 1.0

Infracontrol versão 1.0 Infracontrol versão 1.0 ¹Rafael Victória Chevarria ¹Tecnologia em Redes de Computadores - Faculdade de Tecnologia SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) Rua Gonçalves Chaves 602-A Centro 96015-560

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS Este anexo apresenta uma visão geral das seguintes plataformas: 1. Plataforma Microsoft.NET - VB.NET e C#; 2. Plataforma JAVA; 3. Plataforma Android, ios e Windows

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva

Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva 1. O que são Serviços Web (Web Services)? Prática da Disciplina de Sistemas Distribuídos Serviços Web IFMA DAI Professor Mauro Lopes C. Silva A ideia central dos Web Services parte da antiga necessidade

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos Web Services Integração de aplicações na Web Integração de Aplicações na Web Interoperação entre ambientes heterogêneos desafios diversidade de componentes: EJB, CORBA, DCOM... diversidade de linguagens:

Leia mais

SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE

SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE Marcio Jose Mantau,1 Giovane Farias Aita2, Jaison Ademir Savegnani3, Carlos Alberto Barth4 Palavras-chave: Sistemas de

Leia mais

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: SERASA Experian. Produto: Pefin Pendências Financeiras. Versão: 1.0

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: SERASA Experian. Produto: Pefin Pendências Financeiras. Versão: 1.0 Manual de Integração Tecnologia: WebServices SOAP XML Área: SERASA Experian Produto: Pefin Pendências Financeiras Versão: 1.0 Autor: Angelo Bestetti Junior Conteúdo Introdução... 3 Considerações Iniciais...

Leia mais

FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Willian Magalhães 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reuso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reutilização de Software Na maioria das áreas de engenharia de software, sistemas são desenvolvidos

Leia mais

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework Introdução ao C# Microsoft.NET (comumente conhecido por.net Framework - em inglês: dotnet) é uma iniciativa da empresa Microsoft, que visa uma plataforma única para desenvolvimento e execução de sistemas

Leia mais

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Wyllian Fressatti 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos O gerenciamento de informações é crucial para o sucesso de qualquer organização.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Principais características

Principais características .Net Framework O que é.net? Proprietário da Microsoft Versão simplificada para Linux Versão compacta para dispositivos móveis Plataforma de desenvolvimento e execução Interface com usuário, conectividade

Leia mais

CA Nimsoft Monitor para servidores

CA Nimsoft Monitor para servidores DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 CA Nimsoft Monitor para servidores agility made possible CA Nimsoft para monitoramento de servidores sumário CA Nimsoft Monitor para servidores 3 visão geral da solução

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: SERASA Experian. Produto: Autorizador Básico. Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: SERASA Experian. Produto: Autorizador Básico. Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior Manual de Integração Tecnologia: WebServices SOAP XML Área: SERASA Experian Produto: Autorizador Básico Versão: 1.0 Autor: Angelo Bestetti Junior Conteúdo Introdução... 3 Considerações Iniciais... 4 Privacidade...

Leia mais

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: CDC. Produto: CDC Estendida (Física) Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: CDC. Produto: CDC Estendida (Física) Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior Manual de Integração Tecnologia: WebServices SOAP XML Área: CDC Produto: CDC Estendida (Física) Versão: 1.0 Autor: Angelo Bestetti Junior Conteúdo Introdução... 3 Considerações Iniciais... 4 Privacidade...

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES Hugo Henrique Rodrigues Correa¹, Jaime Willian Dias 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil hugohrcorrea@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

PLANEJAMENTO DO DESENVOLVIMENTO E INTEGRAÇÕES

PLANEJAMENTO DO DESENVOLVIMENTO E INTEGRAÇÕES Anexo II C Extranet Social PLANEJAMENTO DO DESENVOLVIMENTO E INTEGRAÇÕES Página 1 de 15 Tudo que for diferente do que foi citado nesse documento deverá ser aprovado pela área de tecnologia do SESC. As

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências.

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências. TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS Tecnologia Geoprocessamento Sistemas de Informações Geográficas Sensoriamento Remoto Geociências Geofísica www.hexgis.com PIONEIRISMO E INOVAÇÃO Idealizada a partir

Leia mais

Integração de Sistemas de Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Utilizando GML

Integração de Sistemas de Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Utilizando GML Integração de Sistemas de Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Utilizando GML Novembro/2003 Agenda Introdução Contexto Problema Objetivo Solução Integração de Sistemas de Telecom Rede Externa de

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: CDC. Produto: CDC Pessoa Física NFE (RFB) Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: CDC. Produto: CDC Pessoa Física NFE (RFB) Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior Manual de Integração Tecnologia: WebServices SOAP XML Área: CDC Produto: CDC Pessoa Física NFE (RFB) Versão: 1.0 Autor: Angelo Bestetti Junior Conteúdo Introdução... 3 Considerações Iniciais... 4 Privacidade...

Leia mais

Ambiente de Programação Visual. Framework.NET. Prof. Mauro Lopes. Ambiente de Programação Visual Prof. Mauro Lopes

Ambiente de Programação Visual. Framework.NET. Prof. Mauro Lopes. Ambiente de Programação Visual Prof. Mauro Lopes Ambiente de Programação Visual Framework.NET Prof. Mauro Lopes 1-31 13 Objetivos Nesta aula iremos apresentar a tecnologia.net. Ao final desta aula, o aluno terá compreendido a Arquitetura de uma aplicação.net.

Leia mais

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Março/2015 Página 1 de 17 Projuris Enterprise Projuris Enterprise é um sistema 100% Web, com foco na gestão de contencioso por empresas ou firmas

Leia mais

Marcelo.augusto@Microsoft.com

Marcelo.augusto@Microsoft.com Marcelo.augusto@Microsoft.com Aplicativos Relatórios Painéis Consultas em linguagem natural Dispositivo móvel A plataforma de Dados da Microsoft Orquestração Gerenciamento de informações Processamento

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicação Windows Mobile Acessando um WebService

Desenvolvimento de Aplicação Windows Mobile Acessando um WebService Faculdade de Negócios e Administração de Sergipe Disciplina: Integração Web Banco de Dados Professor: Fábio Coriolano Desenvolvimento de Aplicação Windows Mobile Acessando um WebService Professor: Fabio

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

Rua Serra dos Carajás, 84, Indaiatuba, SP Celular: 19-9.9269-7334 Email: heverson.gomes@hcconsys.com.br www.hcconsys.com.br skype: heverson.

Rua Serra dos Carajás, 84, Indaiatuba, SP Celular: 19-9.9269-7334 Email: heverson.gomes@hcconsys.com.br www.hcconsys.com.br skype: heverson. Rua Serra dos Carajás, 84, Indaiatuba, SP Celular: 19-9.9269-7334 Email: heverson.gomes@hcconsys.com.br www.hcconsys.com.br skype: heverson.gomes Apresenta!!! 1. A Empresa A HCCONSYS com o intuito de ser

Leia mais

Interatividade aliada a Análise de Negócios

Interatividade aliada a Análise de Negócios Interatividade aliada a Análise de Negócios Na era digital, a quase totalidade das organizações necessita da análise de seus negócios de forma ágil e segura - relatórios interativos, análise de gráficos,

Leia mais

Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C#

Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C# Linguagem de Programação 3 Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C# Prof. Mauro Lopes 1-31 35 Objetivos Nesta aula iremos apresentar a tecnologia.net, o ambiente de desenvolvimento

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Jorge Querido jquer@embratel.com.br. Painel Inteligência Geográfica expandindo as barreiras tecnológicas. Sistema GAIA

Jorge Querido jquer@embratel.com.br. Painel Inteligência Geográfica expandindo as barreiras tecnológicas. Sistema GAIA Jorge Querido jquer@embratel.com.br Painel Inteligência Geográfica expandindo as barreiras tecnológicas Sistema GAIA Histórico - 2004 - Demanda da gerência de SP, sistema GIS para uso departamental. -

Leia mais

Projeto Arquitetural do IEmbedded

Projeto Arquitetural do IEmbedded Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Departamento de Sistemas e Computação Disciplina: Projeto I Professora: Francilene Garcia Equipe: Carolina Nogueira de

Leia mais

Aplicativo de referência em tecnologias Microsoft

Aplicativo de referência em tecnologias Microsoft Aplicativo de referência em tecnologias Microsoft André Luis Voltolini Sousa Prof. Everaldo Artur Grahl- Orientador Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Especificação Implementação Operacionalidade

Leia mais

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: Serviços de Informação. Produto: CEP. Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior

Manual de Integração. Tecnologia: WebServices SOAP XML. Área: Serviços de Informação. Produto: CEP. Versão: 1.0. Autor: Angelo Bestetti Junior Manual de Integração Tecnologia: WebServices SOAP XML Área: Serviços de Informação Produto: CEP Versão: 1.0 Autor: Angelo Bestetti Junior Conteúdo Introdução... 3 Considerações Iniciais... 4 Privacidade...

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE Kellen Kristine Perazzoli, Manassés Ribeiro RESUMO O grande avanço tecnológico vivenciado nos últimos anos, os web services vem sendo utilizados trazendo

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SIGET Fabrício Pereira Santana¹, Jaime William Dias¹, ², Ricardo de Melo Germano¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil fabricioblack@gmail.com germano@unipar.br

Leia mais

Guia de administração. BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange. Versão: 4.1 Service pack: 4B

Guia de administração. BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange. Versão: 4.1 Service pack: 4B BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange Versão: 4.1 Service pack: 4B SWD-313211-0911044452-012 Conteúdo 1 Gerenciando contas de usuários... 7 Adicionar uma conta de usuário... 7 Adicionar

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Dificuldades no uso de Bancos de Dados

Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Dificuldades no uso de Bancos de Dados Desenvolvimento de Aplicações Desenvolvimento de Aplicações Dificuldades no uso de Bancos de Dados Um leigo não sabe o que é e como funciona um BD Mesmo um profissional da área de informática pode ter

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações Universidade de São Paulo Escola Politécnica Programa de Educação Continuada em Engenharia PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto O Produto Internet e suas Aplicações Tecnologias de Informação

Leia mais

Considerando-se a especificação de requisitos de um software, é INCORRETO afirmar que esse documento

Considerando-se a especificação de requisitos de um software, é INCORRETO afirmar que esse documento QUESTÕES DE TI QUESTÃO 16 Considerando-se o número de pontos de função para a estimativa do tamanho de um software, é INCORRETO afirmar que, na contagem de pontos, leva-se em consideração A) as compilações

Leia mais

BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica

BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica BANCO POSTAL - Plataforma Tecnológica 1. Arquitetura da Aplicação 1.1. O Banco Postal utiliza uma arquitetura cliente/servidor WEB em n camadas: 1.1.1. Camada de Apresentação estações de atendimento, nas

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Mecanismos de Comunicação Protocolos de Aplicação Mecanismos de comunicação

Leia mais

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent DataHub v7.0 A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent é reconhecida como uma líder no segmento de soluções de middleware no domínio do tempo real. E, com a introdução

Leia mais

Violin Tours Management

Violin Tours Management vtm Violin Tours Management Violin Tours Management tm vviolin Tours Management Visão Geral Bem-vindo ao Violin Tours Management, uma aplicação completa para que você automatize canais de relacionamento,

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

SOA. Fabio Perez Marzullo. Inovando seu negócio por meio de soluções orientadas a serviços. Novatec

SOA. Fabio Perez Marzullo. Inovando seu negócio por meio de soluções orientadas a serviços. Novatec SOA na prática Inovando seu negócio por meio de soluções orientadas a serviços Fabio Perez Marzullo Novatec Sumário Parte I Fundamentos técnicos da teoria de serviços... 17 Capítulo 1 Introdução à teoria

Leia mais

Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais

Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais Uma solução de desempenho para a distribuição de documentos: Habilitando a distribuição de documentos em tempo real para corporações globais Visão Geral Desafio Hoje, os aplicativos da web são um tremendo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos Autor: Evandro Bastos Tavares Orientador: Antônio Claudio Gomez

Leia mais

Marcus Vinicius Cruz Xavier. Rascunho do trabalho de conclusão de curso

Marcus Vinicius Cruz Xavier. Rascunho do trabalho de conclusão de curso Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Curso de Bacharelado em Ciências da Computação Marcus Vinicius Cruz Xavier Rascunho do trabalho de conclusão de curso Título

Leia mais

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos

Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos Sistema de Gestão dos Documentos da Engenharia [EDMS] O caminho para a Colaboração da Engenharia e Melhoria de Processos O gerenciamento de informações é crucial para o sucesso de qualquer organização.

Leia mais

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Sobre entidades externas ao sistema Quais sistemas externos devem ser acessados? Como serão acessados? Há integração com o legado a ser feita?

Leia mais

Resumo da solução SAP SAP Technology SAP Afaria. Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva

Resumo da solução SAP SAP Technology SAP Afaria. Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva da solução SAP SAP Technology SAP Afaria Objetivos Gestão da mobilidade empresarial como vantagem competitiva Simplifique a gestão de dispositivos e aplicativos Simplifique a gestão de dispositivos e aplicativos

Leia mais

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código Igor Steinmacher 1, Éderson Fernando Amorim 1, Flávio Luiz Schiavoni 1, Elisa Hatsue Moriya Huzita 1 1 Departamento de Informática

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Com relação às áreas de conhecimento de projetos conforme o. PMBoK, julgue os itens subseqüentes.

Com relação às áreas de conhecimento de projetos conforme o. PMBoK, julgue os itens subseqüentes. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Integração Sigajuri x RM

Integração Sigajuri x RM Integração Sigajuri x RM Abril/2015 Sumário 1. Contexto de negócio (Introdução)... 3 2. Sistemas Envolvidos... 3 3. Integração... 3 4. Escopo... 6 5. Pré-requisitos instalação/implantação/utilização...

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

MONITOR E PREDITOR DE CONECTIVIDADE WIRELESS BASEADA EM LOCALIZAÇÃO GPS

MONITOR E PREDITOR DE CONECTIVIDADE WIRELESS BASEADA EM LOCALIZAÇÃO GPS MONITOR E PREDITOR DE CONECTIVIDADE WIRELESS BASEADA EM LOCALIZAÇÃO GPS Aluna: Eleonora Cominato Weiner Orientador: Markus Endler Introdução A palavra mobilidade ganha mais importância a cada instante,

Leia mais

Ficha Técnica Xenos Developer Studio

Ficha Técnica Xenos Developer Studio Xenos Developer Studio Ficha Técnica Xenos Developer Studio Xenos Developer Studio Soluções de Enterprise Output Management que reduz custos associados à impressão tradicional, ao mesmo tempo em que facilita

Leia mais

vgf Violin Gerenciador de Franquias

vgf Violin Gerenciador de Franquias vgf Violin Gerenciador de Franquias Violin Gerenciador de Franquias vgf Violin Gerenciador de Franquias Visão Geral Bem-vindo ao Violin Gerenciador de Franquias, uma poderosa aplicação vertical que dá

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1 DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1 CAMPUS SANTO ANDRÉ CELSO CANDIDO SEMESTRE 2014 1 Características da Plataforma.NET A plataforma.net Framework 4.0 (.NET 4.0) é uma plataforma de softwares que fornece

Leia mais

AUTOR(ES): CARLOS ANTONIO PINHEIRO PINTO, ERMÍNIO PEDRAL SANTANA, GUILHERME CASSIANO DA SILVA

AUTOR(ES): CARLOS ANTONIO PINHEIRO PINTO, ERMÍNIO PEDRAL SANTANA, GUILHERME CASSIANO DA SILVA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SISTEMA MÓVEL DE COMPRAS POR QR CODE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

Introdução ao ERP Microsiga Protheus da Totvs

Introdução ao ERP Microsiga Protheus da Totvs Por Edilberto Souza Introdução ao ERP Microsiga Protheus da Totvs Agenda Introdução a alguns conceitos de ERP; Noções sobre o mercado de ERP; Arquitetura do Microsiga Protheus; Visão geral do ambiente

Leia mais

Programando em C# Orientado a Objetos. By: Maromo

Programando em C# Orientado a Objetos. By: Maromo Programando em C# Orientado a Objetos By: Maromo Agenda Módulo 1 Plataforma.Net. Linguagem de Programação C#. Tipos primitivos, comandos de controle. Exercícios de Fixação. Introdução O modelo de programação

Leia mais

Como implantar o iphone e o ipad Gerenciamento de Dispositivos Móveis

Como implantar o iphone e o ipad Gerenciamento de Dispositivos Móveis Como implantar o iphone e o ipad Gerenciamento de Dispositivos Móveis O ios suporta Gerenciamento de Dispositivos Móveis (MDM), o que ajuda as empresas a administrar implantações em escala do iphone e

Leia mais

4 Um Exemplo de Implementação

4 Um Exemplo de Implementação 4 Um Exemplo de Implementação Neste capítulo será discutida uma implementação baseada na arquitetura proposta. Para tanto, será explicado como a arquitetura proposta se casa com as necessidades da aplicação

Leia mais

Ambiente de Programação Visual. Framework.NET. Prof. Mauro Lopes. Ambiente de Programação Visual Prof. Mauro Lopes

Ambiente de Programação Visual. Framework.NET. Prof. Mauro Lopes. Ambiente de Programação Visual Prof. Mauro Lopes Ambiente de Programação Visual Framework.NET Prof. Mauro Lopes 1-31 16 Objetivos Nesta aula iremos apresentar a tecnologia.net. Ao final desta aula, o aluno terá compreendido a Arquitetura de uma aplicação.net.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: ETEC PROF MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Habilitação Profissional: Habilitação Profissional

Leia mais