Conferencia AQUASHARE 2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conferencia AQUASHARE 2012"

Transcrição

1 REPÚBLICA DE MOCAMBIQUE MINISTERIO DA ENERGIA Conferencia AQUASHARE 2012 PERSPECTIVAS DA ENERGIA HIDROELECTRICA EM MOCAMBIQUE PASCOAL ALBERTO BACELA MINISTERIO DA ENERGIA MOCAMBIQUE MAPUTO, MAIO 2012

2 Content 1.Introdução 2.Recursos Hídricos e Potencial Energético 3.Desenvolvimento e Aproveitamento do Potencial Energético 4.Diversificação da Matriz Energética 5.Oportunidades de Mercado de Energia 6.Prioridades e Desafios 7.Observações Finais 2

3 1. Introdução Moçambique é dotado de um elevado potencial em recursos energeticos, que inclui o potencial hidroelectrico, hidrocarbonetos e carvão, bem como fontes renováveis de energia; A despeito deste enorme potencial, prevalece o desequilíbrio entre o crescimento da demanda e a disponibilidade de energia para atender às necessidades imediatas, incluindo o desenvolvimento da indústria de uso intensivo de energia; Actualmente, apenas 20% da população tem acesso à eletricidade da Rede Electrica Nacional, acrescido de 10% com o fornecimento de energia a partir de fontes renováveis (sistemas de paineis solares), continuando os restantes dependentes de combustível lenhoso e resíduos de biomassa, com impacto negativo no meio ambiente, saúde e genero. 3

4 Introdução Os recursos hidricos de que o Pais dispoe oferecem as condições necessárias para promover o desenvolvimento económico e social, atendendo a seguinte ordem de prioridades: - Consumo domestico; - Agricultura; - Processos Industriais - Produção de energia. 4

5 2. Recursos Hídricos e Potencial Energético O potencial hidroelétrico identificado permite desenvolver mais de MW de capacidade e fornecer mais de GWh por ano ao mercado da electricidade no Pais e na regiao; A combinação do potencial hidroelectrico com as grandes reservas existentes de carvão e gás natural, coloca o País numa posição de um Centro Regional de Producao de Energia (Regional Powerhouse). É um cenário que coloca Moçambique em uma posição muito privilegiada e ao mesmo tempo de responsabilidade, com um papel crucial na região. 5

6 2. Recursos Hídricos e Potencial Energético Vários autores, políticos, líderes de organizações internacionais têm advertido a Comunidade Mundial sobre o risco do aumento da escassez de recursos hídricos conduzir a conflitos nacionais e internacionais; A escassez da água, incluindo a sua gestão tem sido cada vez mais relacionada com futuras guerras. Alguns países dependem em mais de 80% dos Países a montante para o acesso aos recursos hídricos, o que é susceptivel de criar conflitos; Por último, o uso excessivo das águas, combinado com o impacto das mudancas climáticas, pode levar os governos a desviar grandes rios, construir grandes barragens ou derivar aquíferos subterrâneos que se estendem sob território de Paises vizinhos. 6

7 3. Desenvolvimento e Aproveitamento do Potencial Energético

8 3. Desenvolvimento e Aproveitamento do Potencial Energetico BACIA DO LURIO 120 MW + 80 MW CAHORA BASSA MW (CAPACIDADE INSTALADA) CB Norte 1250 MW MPHANDA NKUWA 1500 BOROMA LUPATA MOATIZE (CARVAO) 2400 BENGA (CARVAO) 2000 NHATSANGA (CARVAO) - F.S. CHICAMBA 40 MW MAVUZI I 50 MW MAVUZI II & III 70 MW TEMANE (GAS) 50 MW R GARCIA (GAS) 240 MW 8

9 3. Desenvolvimento e Aproveitamento do Potencial Energético LINHAS DE TRANSPORTE EM HVAC A 400 KV + 5 SUBESTACOES LINHAS DE HVDC A ± 500 KV COM 2 SUBESTACOES DE CONVERSAO EM TETE E MAPUTO CUSTO ESTIMADO: MUSD 9

10 4. Diversificação da Matriz Energética (2030) 10

11 5. Oportunidades de Mercado de Energia Fornecimento / Consumo de energia (Uso Domestico) 1. Haverá um defice de energia num futuro próximo, a menos que a capacidade total da HCB seja alocada para o consumo interno (o que não e praticavel); 2. A geração de energia a gás natural é a opção de menor custo para atenuar o defice a medio pazo; 3. As reservas de gás natural no norte do Pais vão jogar um papel importante no fornecimento de energia a região norte e centro; 4. Os projectos de geração a carvão da VALE e Rio Tinto vao contribuir para minimizar o déficit de energia.

12 5. Oportunidades de Mercado de Energia Os Governos dos Paises da SADC estao empenhado na cooperação regional nio dominio de energia através da SAPP, como estratégia para aumentar a economia de escala, viabilizando os grandes projectos; Foi criada a Associacao Regional de Reguladores de Electricidade (RERA) estando já operacional. 12

13 6. Prioridades e Desafios Aumentar o acesso a energia moderna para um numero cada vez maior de moçambicanos; Aumentar a disponibilidade de energia para responder as necessidades presentes e futuras, uma base sustentável tanto do ponto de vista económico como do ponto de vista ambiental; Aumentar a contribuição do sector de energia no crescimento do PIB; Maximizar os benefícios através do aproveitamento das oportunidades decorrentes das trocas comerciais a nível da região Promover o desenvolvimento institucional do sector de energia e o aperfeiçoamento do quadro regulador, criando condições propicias ao investimento nacional e estrangeiro no Pais. 13

14 7. Observações Finais O uso de recursos hídricos para geração de energia constitui um imperativo de desenvolvimento económico e social de Moçambique; A contribuição dos recursos hídricos no futuro será determinante para a matriz de energia equilibrado e sustentável e para a seguranca e estabilidade energetica nacional; O desenvolvimento do mercado de energia, tanto no contexto nacional como regional, determinará a contribuição real de cada uma das fontes de energia disponíveis em Moçambique. 14

15 7. Observações Finais TO AVOID CRITICISM DO NOTHING, SAY NOTHING AND BE NOTHING (Elbert Hubbard ) 15

16 MUITO OBRIGADO Ministerio da Energia 16

ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA

ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS Maria Graciette Cardoso Pitra Engª Química CHEFE DO DPTº Da BIOMASSA MINEA/DNER INTRODUÇÃO Angola, país actualmente com grande crescimento económico,

Leia mais

Sector Eléctrico em Moçambique Uma análise da crise energética e seu impacto no ambiente de negócios.

Sector Eléctrico em Moçambique Uma análise da crise energética e seu impacto no ambiente de negócios. Sector Eléctrico em Moçambique Uma análise da crise energética e seu impacto no ambiente de negócios. [Amícar Cipriano ] [Março de 2015] Sumário Planificação deficitária em relação as taxas de crescimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA ENERGIA Gabinete do Ministro DR. SALVADOR NAMBURETE

MINISTÉRIO DA ENERGIA Gabinete do Ministro DR. SALVADOR NAMBURETE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ENERGIA Gabinete do Ministro I EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA SOBRE MINAS E ENERGIA DE MOÇAMBIQUE INTERVENÇÃO DE S.E. O MINISTRO DA ENERGIA DE MOÇAMBIQUE DR. SALVADOR NAMBURETE

Leia mais

Encontro Regional da Medicus Mundi Maputo, 13 de Outubro de 2010 Rogério P. Ossemane (IESE)

Encontro Regional da Medicus Mundi Maputo, 13 de Outubro de 2010 Rogério P. Ossemane (IESE) Encontro Regional da Medicus Mundi Maputo, 13 de Outubro de 2010 Rogério P. Ossemane (IESE) Introdução: Crescimento e Desenvolvimento Características do padrão de crescimento Análise da actual estratégia

Leia mais

Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique

Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique A. de Sousa Fernando asousa@edm.co.mz 1 Principais Operadores do Sector Eléctrico Electricidade de Moçambique (EDM) Empresa Nacional de Electricidade,

Leia mais

O Impacto das Energias Limpas no Ambiente

O Impacto das Energias Limpas no Ambiente República de Angola Ministério do Ambiente Seminário Energias Limpas em Angola: Ministério da Energia e das Águas O Impacto das Energias Limpas no Ambiente Direcção Nacional de Tecnologias Ambientais 7

Leia mais

Desenvolver a energia de Moçambique.

Desenvolver a energia de Moçambique. Desenvolver a energia de Moçambique. O engenho para renovar um país inteiro. siemens.co.mz AF_FolhetoFACIM 210x148mm.indd 1 10/08/16 10:14 A história da energia em Moçambique ainda está a ser contada.

Leia mais

ESTRATÉGIA DE ENERGIA

ESTRATÉGIA DE ENERGIA República de Moçambique ESTRATÉGIA DE ENERGIA Apresentado por Antonio Osvaldo Saide Director Nacional de Energias Novas e Renovaveis 15 de Abril de 2011 1 Situação Actual em Moçambique 1 INTRODUÇÃO Moçambique

Leia mais

O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP.

O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP. O PLANEJAMENTO INTEGRADO DE RECURSOS: ALTERNATIVA PARA DINAMIZAÇÃO DA EFICIENCIA ENERGETICA NO BRASIL PROF. ILDO SAUER, IEE/USP. SÃO PAULO, 25 DE AGOSTO DE 2015 INTRODUÇÃO Há três iniciativas simultâneas

Leia mais

Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique

Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique Plano de Desenvolvimento na Área da Energia em Moçambique Augusto de Sousa Fernando asousa@edm.co.mz 1 Electricidade de Moçambique (EDM) Empresa Nacional de Electricidade, responsável pela Produção, Transporte,

Leia mais

Energia Solar em Portugal. Perspectivas e situação actual

Energia Solar em Portugal. Perspectivas e situação actual ALSOLAR, Energia Solar em Portugal Perspectivas e situação actual Condições geral Maior radiação solar de Europa Indústria de Energia Solar com tradição Enorma dependência de importação de energia Um país

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS CNAG SAAS ELECTRA ASSOC. AGRIC. AGUABRAVA

CONSELHO DE MINISTROS CNAG SAAS ELECTRA ASSOC. AGRIC. AGUABRAVA Praia, 22 e 23 de Janeiro de 2010 O Sector da Água em Cabo Verde : Pontos Fortes e Fracos António Pedro B. BORGES Presidente do INGRH Estrutura da apresentação: Arquitectura do sector da água; Historial

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE --------------- MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES GABINETE DO MINISTRO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE --------------- MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES GABINETE DO MINISTRO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE --------------- MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES GABINETE DO MINISTRO Intervenção de Sua Excelência Paulo Francisco Zucula, Ministro dos Transportes e Comunicações, por

Leia mais

Ministério de Minas e Energia

Ministério de Minas e Energia PLANO NACIONAL DE ENERGIA HORIZONTE 2030 Altino Março Ventura de 2007 Filho Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético SPE/MME LAS / ANS SYMPOSIUM 2008 SETOR ENERGÉTICO PROCESSO DE PLANEJAMENTO

Leia mais

Apresentação a IX Conferencia da RELOP

Apresentação a IX Conferencia da RELOP Apresentação a IX Conferencia da RELOP 05 Dezembro 2016 1 EDM Enquadramento Legal 2011 Lei das PPPs 2012 Lei das Empresas Publicas 2014 Codigo de Rede 2005 Financiamento concessional 1997 2003 Aprovacao

Leia mais

Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas

Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas Painel I A Importância das Energias Renováveis no Contexto das Mudanças Climáticas Professora Suzana Kahn Professora da COPPE-UFRJ; Vice Presidente do Grupo de Trabalho III do IPCC; Coordenadora Executiva

Leia mais

Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal. Carlos Almeida Diretor Geral da DGEG

Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal. Carlos Almeida Diretor Geral da DGEG Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal Carlos Almeida Diretor Geral da DGEG Estado atual do setor das energias renováveis em Portugal Estoril, 3 dezembro 2015 O consumo de energia em

Leia mais

Aula 16 assíncrona Conteúdo:

Aula 16 assíncrona Conteúdo: Aula 16 assíncrona Conteúdo: Fontes alternativas de energia: eólica e nuclear. Fontes alternativas de energia: Solar e biogás Habilidade: Valorizar os progressos da química e suas aplicações como agentes

Leia mais

O Financiamento de Empresas Inovadoras na Economia do Mar Perspectivas breves de um praticante de Venture Capital

O Financiamento de Empresas Inovadoras na Economia do Mar Perspectivas breves de um praticante de Venture Capital O Financiamento de Empresas Inovadoras na Economia do Mar Perspectivas breves de um praticante de Venture Capital A Espírito Santo Ventures Características principais Solidez e experiência Sociedade gestora

Leia mais

Betão de baixo carbono

Betão de baixo carbono Betão de baixo carbono 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Betão de baixo carbono O betão é o material de construção

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia. 15.11.2007 PE396.799v01-00

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia. 15.11.2007 PE396.799v01-00 PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão da Indústria, da Investigação e da Energia 15.11.2007 PE396.799v01-00 ALTERAÇÕES 1-18 Projecto de relatório Claude Turmes Fundo Mundial para a Eficiência Energética

Leia mais

O código florestal e a intensificação sustentável

O código florestal e a intensificação sustentável O código florestal e a intensificação sustentável da produção de alimentos Como intensificar a produção de alimentos massivamente com redução da expansão de área e impactos ao meio ambiente? O dilema ambiental

Leia mais

Energy Everywhere: Aplicações do Filme Fotovoltaico Orgânico

Energy Everywhere: Aplicações do Filme Fotovoltaico Orgânico Semana do Meio Ambiente FEAM 2016 Energy Everywhere: Aplicações do Filme Fotovoltaico Orgânico 08 de junho de 2016 Flexível Potencial de baixo-custo Baixa pegada de carbono Reciclável Resistência a impacto

Leia mais

Tabela 1. Síntese metodológica. Tema Sub-tema Metodologia

Tabela 1. Síntese metodológica. Tema Sub-tema Metodologia Avaliação das externalidades do regadio em Portugal Sumário executivo Junho 2013 á Em Portugal, a produção nacional de bens alimentares assegura cerca de 70% do consumo, gera aproximadamente 2% do PIB

Leia mais

Conflitos Socioambientais no Setor Elétrico Brasileiro

Conflitos Socioambientais no Setor Elétrico Brasileiro Conflitos Socioambientais no Setor Elétrico Brasileiro Manaus, 14 de junho de 2006 Eduardo Martins Antecedentes e Pressupostos O aumento da demanda por energia influenciará a consolidação dos países emergentes

Leia mais

República de Moçambique

República de Moçambique República de Moçambique Presidência da República INTERVENÇÃO PARA O ENCONTRO DE TRABALHO COM EMPRESÁRIOS DE NOVA DELI (5 de Agosto de 2015) Intervenção de Sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi, Presidente

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO A RMRJ NO CONTEXTO NACIONAL: ATUALMENTE EXISTEM 41 REGIÕES METROPOLITANAS NO BRASIL, SENDO QUE 21 POSSUEM MAIS DE 1 MILHÃO DE HABITANTES,

Leia mais

Baixo carbono por natureza

Baixo carbono por natureza Baixo carbono por natureza Baixo carbono por natureza As florestas fazem parte da solução global para a mitigação dos efeitos das alterações climáticas na medida em que são um dos sistemas mais eficazes

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa

Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa MINISTÉRIO DA ENERGIA Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa Marcelina Mataveia Direcção Nacional de Energias Novas e Renováveis Maputo - Moçambique 7 de Fevereiro

Leia mais

Eletricidade Renovável no Contexto Atual Debate sobre a evolução do mercado de eletricidade Contribuição das renováveis

Eletricidade Renovável no Contexto Atual Debate sobre a evolução do mercado de eletricidade Contribuição das renováveis Eletricidade Renovável no Contexto Atual Debate sobre a evolução do mercado de eletricidade Contribuição das renováveis António Sá da Costa Lisboa, 18 de Junho de 2015 ENERGIA EM PORTUGAL 4 VISÃO GLOBAL

Leia mais

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012

XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil. Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012 XIII Fórum Nacional de Energia e Meio Ambiente no Brasil Ana Lucia Dolabella Ministério do Meio Ambiente 15/08/2012 O Planejamento Energético deve considerar: Segurança Energética Sustentabilidade Ambiental

Leia mais

Apresentação por António Saíde Director Nacional de Energias Novas e Renováveis

Apresentação por António Saíde Director Nacional de Energias Novas e Renováveis MINISTÉRIO DA ENERGIA Estratégia de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis veis e o seu impacto na electrificação rural em Moçambique Apresentação por António Saíde Director Nacional de Energias

Leia mais

Adaptação às alterações climáticas de uma organização: a LIPOR. Miguel Coutinho

Adaptação às alterações climáticas de uma organização: a LIPOR. Miguel Coutinho Adaptação às alterações climáticas de uma organização: a LIPOR Miguel Coutinho PROJECTO ADAPTAÇÃO efeitos impactos MITIGAÇÃO CLIMA Adaptação: um conceito darwinista Diversidade genética Adaptação: um conceito

Leia mais

Classificação dos recursos naturais

Classificação dos recursos naturais O que são recursos naturais? Painéis solares. Pesca. Diamantes. Água. Plataforma petrolífera. O que são recursos naturais? Matéria ou energia presentes na Natureza essenciais ou úteis para o Homem. Os

Leia mais

PACTO DOS AUTARCAS, desafios e oportunidades O contexto Português A importância dos PAES no desenvolvimento regional

PACTO DOS AUTARCAS, desafios e oportunidades O contexto Português A importância dos PAES no desenvolvimento regional PACTO DOS AUTARCAS, desafios e oportunidades O contexto Português A importância dos PAES no desenvolvimento regional Joaquim José Borges Gouveia Universidade de Aveiro bgouveia@ua.pt 29 de novembro de

Leia mais

PLANEJAMENTO INTEGRADO E PARTICIPATIVO OFICINAS PÚBLICAS. Ciclo B SUSTENTABILIDADE FASE DE PROPOSIÇÕES. Loca e Data aqui

PLANEJAMENTO INTEGRADO E PARTICIPATIVO OFICINAS PÚBLICAS. Ciclo B SUSTENTABILIDADE FASE DE PROPOSIÇÕES. Loca e Data aqui Região Metropolitana de Belo Horizonte. Maio de 2010 PLANEJAMENTO INTEGRADO E PARTICIPATIVO OFICINAS PÚBLICAS Ciclo B SUSTENTABILIDADE FASE DE PROPOSIÇÕES Uma RMBH melhor hoje e no futuro Qual é a metrópole

Leia mais

BIODIVERSIDADE ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS HENRIQUE NEPOMUCENO ALVES

BIODIVERSIDADE ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS HENRIQUE NEPOMUCENO ALVES BIODIVERSIDADE E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS HENRIQUE NEPOMUCENO ALVES CAUSAS NATURAIS DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Os Ciclos de Milankovitch (Milutin Milankovitch 1879-1958) 1- Precessão dos equinócios 2 - Excentricidade

Leia mais

A MATRIZ DE TRANSPORTE E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

A MATRIZ DE TRANSPORTE E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL SALA 5 PAINEL 1 A MATRIZ DE TRANSPORTE E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Economia da Energia e do Meio Ambiente 21 de maio de 2012 São Paulo, SP A Matriz de Transporte

Leia mais

Capítulo 4. Materiais de Construção e o Meio Ambiente

Capítulo 4. Materiais de Construção e o Meio Ambiente Capítulo 4 Materiais de Construção e o Meio Ambiente Vanderley M. John Universidade de São Paulo O fluxo dos Materiais A percepção da importância do consumo de materiais de construção é recente e está

Leia mais

Pecha Kucha Ciência Viva 23 de Setembro IMPACTO AMBIENTAL. Impacto Efeito forte provocado por algo ou alguém.

Pecha Kucha Ciência Viva 23 de Setembro IMPACTO AMBIENTAL. Impacto Efeito forte provocado por algo ou alguém. José Lino Costa IMPACTO AMBIENTAL Impacto Efeito forte provocado por algo ou alguém. Impacto ambiental Conjunto das alterações produzidas pelo Homem a nível ambiental numa determinada área, que afectam

Leia mais

Energy Storage e a Nova Matriz Elétrica Março de 2016

Energy Storage e a Nova Matriz Elétrica Março de 2016 Energy Storage e a Nova Matriz Elétrica Março de 2016 0 Cenário Mundial - demanda elétrica e energias renováveis intermitentes Crescimento da Demanda de 3% a.a. nas últimas 4 décadas Crescimento de 2%

Leia mais

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANIFICAÇÃO ANUAL. ANO LECTIVO: 2011/2012 DISCIPLINA: Geografia ANO: 9º. (1ºPeríodo) AULAS (de 45 )

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANIFICAÇÃO ANUAL. ANO LECTIVO: 2011/2012 DISCIPLINA: Geografia ANO: 9º. (1ºPeríodo) AULAS (de 45 ) ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANIFICAÇÃO ANUAL ANO LECTIVO: 2011/2012 DISCIPLINA: Geografia ANO: 9º Aulas previstas 1º Período: 30 (45 ) 2º Período: 32 (45 ) 3º Período: 20 (45 ) UNIDADE

Leia mais

Plano de Ação para a Energia Sustentável. Go Local Por Uma Cidade Sustentável Sesimbra, 9 de maio de 2014

Plano de Ação para a Energia Sustentável. Go Local Por Uma Cidade Sustentável Sesimbra, 9 de maio de 2014 Plano de Ação para a Energia Sustentável Go Local Por Uma Cidade Sustentável Sesimbra, 9 de maio de 2014 Plano de Ação para a Energia Sustentável de Palmela (PAESP) Alterações climáticas? Pacto de Autarcas

Leia mais

A EDP, através da NEO Nuevas Energías del Occidente, SL ( NEO ), adquiriu hoje a Relax Wind Parks, um conjunto de projectos para o desenvolvimento de

A EDP, através da NEO Nuevas Energías del Occidente, SL ( NEO ), adquiriu hoje a Relax Wind Parks, um conjunto de projectos para o desenvolvimento de ! %! &' ( "##$ %&' (%&' A EDP, através da NEO Nuevas Energías del Occidente, SL ( NEO ), adquiriu hoje a Relax Wind Parks, um conjunto de projectos para o desenvolvimento de parques eólicos na Polónia

Leia mais

Os Desafios da Política Monetária. Recursos Naturais: O Caso de Moçambique. Lisboa, 20 de Novembro de 2012

Os Desafios da Política Monetária. Recursos Naturais: O Caso de Moçambique. Lisboa, 20 de Novembro de 2012 Os Desafios da Política Monetária no Contexto da Exploração de Recursos Naturais: O Caso de Moçambique Lisboa, 20 de Novembro de 2012 Estrutura da Apresentação PARTE I: Contextualização 1. A Maldição de

Leia mais

DESAFIOS PARA A ENERGIA HIDROELÉCTRICA EM ANGOLA

DESAFIOS PARA A ENERGIA HIDROELÉCTRICA EM ANGOLA DESAFIOS PARA A ENERGIA HIDROELÉCTRICA EM ANGOLA António Machado e Moura Professor Catedrático, Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto - Portugal Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA

Leia mais

Jornal do Commercio Online 17/05/2015 Erros do setor elétrico chegam na conta do consumidor

Jornal do Commercio Online 17/05/2015 Erros do setor elétrico chegam na conta do consumidor Jornal do Commercio Online 17/05/2015 Erros do setor elétrico chegam na conta do consumidor http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/economia/pernambuco/noticia/2015/05/17/erros-do-setoreletrico-chegam-na-conta-do-consumidor-181452.php

Leia mais

A APREN e as Universidades O SOL COMO FONTE DE ENERGIA Comemoração do Dia Internacional do Sol

A APREN e as Universidades O SOL COMO FONTE DE ENERGIA Comemoração do Dia Internacional do Sol 14:00 14:15 Nota de abertura A APREN e as Universidades O SOL COMO FONTE DE ENERGIA Comemoração do Dia Internacional do Sol Universidade de Évora 4 de maio de 2015 Universidade de Évora 14:15 14:30 O Panorama

Leia mais

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE Telma Manjta MICOA Conteúdo da Apresentação Enquadramento da mitigação dos GEE em Moçambique Prioridades de Mitigação identificadas na ENAMMC Emissões GEE em Moçambique Oportunidades

Leia mais

Inovação na Geração de Energia Elétrica a partir do Bagaço de Cana

Inovação na Geração de Energia Elétrica a partir do Bagaço de Cana Universidade do Brasil - UFRJ - Instituto de Economia Grupo de Estudos do Setor Elétrico GESEL Grupo Sistemas Agroindustriais, Inovação e Competitividade 1 o Workshop do InfoSucro Inovação na Geração de

Leia mais

Apresentação do relatório da Bolsa de iniciação de investigação. Leonor Trovão, Novembro 2010 Orientador: Prof. Humberto Jorge

Apresentação do relatório da Bolsa de iniciação de investigação. Leonor Trovão, Novembro 2010 Orientador: Prof. Humberto Jorge Apresentação do relatório da Bolsa de iniciação de investigação Leonor Trovão, Novembro Orientador: Prof. Humberto Jorge Problemas ambientais com os transportes Introdução de veículos eléctricos Utilização

Leia mais

GESTÃO SUSTENTÁVEL DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

GESTÃO SUSTENTÁVEL DE BACIAS HIDROGRÁFICAS GESTÃO SUSTENTÁVEL DE BACIAS HIDROGRÁFICAS CHUVA É TESOURO! 2,5% de água doce total 0,77% de água doce 1,7% nas disponível calotas polares 97,5% de água salgada Prof. Dr. Adacto Ottoni Prof. Dr. Adacto

Leia mais

A Prática da Sustentabilidade pelas Empresas de Base Florestal. Celso Foelkel www.eucalyptus.com.br

A Prática da Sustentabilidade pelas Empresas de Base Florestal. Celso Foelkel www.eucalyptus.com.br A Prática da Sustentabilidade pelas Empresas de Base Florestal Celso Foelkel www.eucalyptus.com.br Sustentabilidade Visão Antropocêntrica Visão Dinâmica de Longo Prazo As pessoas que plantam florestas

Leia mais

O Papel da Agricultura Perspectivas Futuras

O Papel da Agricultura Perspectivas Futuras O Papel da Agricultura Perspectivas Futuras Channing Arndt Instituto Mundial para a Investigação em Economia do Desenvolvimento Universidade das Nações Unidas (UNU-WIDER) Estrutura da Apresentação I. Considerações

Leia mais

PROPOSTA PARA CRIAÇÃO DA COALIZAÇÃO DE GOVERNADORES PRÓ-ETANOL BRASILEIRO

PROPOSTA PARA CRIAÇÃO DA COALIZAÇÃO DE GOVERNADORES PRÓ-ETANOL BRASILEIRO PROPOSTA PARA CRIAÇÃO DA COALIZAÇÃO DE GOVERNADORES PRÓ-ETANOL BRASILEIRO Daniel Godoy Júnior Assessor Especial do Governo do Estado do Paraná Agosto/2003 SETOR SUCROALCOOLEIRO NACIONAL PRODUÇÃO DA SAFRA

Leia mais

Luís Figueiredo. Unit Business Director and International Business Development. 15 a 17 de Novembro de 2011 Hotel Avenida Maputo Moçambique

Luís Figueiredo. Unit Business Director and International Business Development. 15 a 17 de Novembro de 2011 Hotel Avenida Maputo Moçambique Luís Figueiredo Unit Business Director and International Business Development 15 a 17 de Novembro de 2011 Hotel Avenida Maputo Moçambique "Um electrão um sorriso" O impacto social das infraestruturas eléctricas

Leia mais

REDE PRINCIPAL DE TRANSMISSÃO DE MOÇAMBIQUE

REDE PRINCIPAL DE TRANSMISSÃO DE MOÇAMBIQUE REDE PRINCIPAL DE TRANSMISSÃO DE MOÇAMBIQUE Memória Descritiva do Projecto 26 de Maio de 2013 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Aspectos Principais da Proposta do Projecto para a Rede Principal de Transmissão

Leia mais

Emprego e Pobreza nas Zonas Rurais. Yasfir Daudo Ibraimo yasfir.ibraimo@iese.ac.mz

Emprego e Pobreza nas Zonas Rurais. Yasfir Daudo Ibraimo yasfir.ibraimo@iese.ac.mz Emprego e Pobreza nas Zonas Rurais Yasfir Daudo Ibraimo yasfir.ibraimo@iese.ac.mz Iª FEIRA ANUAL DO LIVRO 23 DE FEVEREIRO 2010 1 Estrutura da Apresentação 1. Introdução 2. Quadro Analítico 3. Problemática

Leia mais

Aprovado plano de Electrificação de sedes municipais em Cabinda e nova Central Eléctrica de Malanje

Aprovado plano de Electrificação de sedes municipais em Cabinda e nova Central Eléctrica de Malanje Aprovado plano Electrificação ses municipais Cabinda e nova Central Eléctrica Malanje Conselho Ministros aprovou no dia 29 Maio (quarta-feira), Luanda, na sua 4ª sessão ordinária, a construção subestações

Leia mais

O que é importante para Moçambique é Importante para a Siemens

O que é importante para Moçambique é Importante para a Siemens O que é importante para é Importante para a Siemens Siemens 2015 Page 1 Números chave 2014 Siemens em resumo (Operações em curso; em milhões de, salvo indicação em contrário) FY 2014 FY 2013 Alteração

Leia mais

3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS

3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL E NO MUNDO 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. PERSPECTIVAS PARA A EVOLUÇÃO DAS RENOVÁVEIS 5. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS

Leia mais

3-Para a produção de energia elétrica, faz-se necessário represar um rio, construindo uma barragem, que irá formar um reservatório (lago).

3-Para a produção de energia elétrica, faz-se necessário represar um rio, construindo uma barragem, que irá formar um reservatório (lago). Principais fontes de energia - Energia hidráulica é a mais utilizada no Brasil em função da grande quantidade de rios em nosso país. A água possui um potencial energético e quando represada ele aumenta.

Leia mais

Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma dos Açores.

Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma dos Açores. Agência Regional da Energia e Ambiente da Região Autónoma dos Açores www.arena.com.pt arena@arena.com.pt População:241.000 habitantes Área:2.322 km 2 PIB: 1,7% de Portugal PIB per capita: 8.100 (70% de

Leia mais

SEMANA DO BRASIL EM MOÇAMBIQUE. Missão Empresarial De 26 de novembro a 06 de dezembro

SEMANA DO BRASIL EM MOÇAMBIQUE. Missão Empresarial De 26 de novembro a 06 de dezembro SEMANA DO BRASIL EM MOÇAMBIQUE Missão Empresarial De 26 de novembro a 06 de dezembro ENTIDADES APOIADORAS Apresentar as oportunidades de negócios que Moçambique oferece. OBJETIVOS Auxiliar a entrada de

Leia mais

Contrastes no Desenvolvimento

Contrastes no Desenvolvimento Contrastes no Desenvolvimento Professor António Ervideira 9º Ano Sumário Crescimento e Desenvolvimento Indicadores de desenvolvimento IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) Regiões de desenvolvimento homogéneo

Leia mais

Maximização de oportunidades

Maximização de oportunidades Maximização de oportunidades Portugal Sou Eu Jaime Carvalho Esteves Partner PwC Agenda 1. Portugal Sou Eu 2. Equilíbrio sustentado da balança comercial Visão holística 3. Vantagens comparativas 4. Setores

Leia mais

Energia solar Política Industrial para quê? Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Secretaria de Inovação

Energia solar Política Industrial para quê? Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Secretaria de Inovação Energia solar Política Industrial para quê? Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Secretaria de Inovação Energia Solar no Mundo Principais países desenvolvidos ou em crescimento

Leia mais

Já conhece o ciclo de Eficiência Energética nos edifícios?

Já conhece o ciclo de Eficiência Energética nos edifícios? Já conhece o ciclo de Eficiência Energética nos edifícios? Encontramo-nos perante o dilema da energia, em que temos de reduzir para metade as emissões de CO2, de modo a evitar o aquecimento global do planeta,

Leia mais

As Idéias e os Avanços da Biotecnologia

As Idéias e os Avanços da Biotecnologia As Idéias e os Avanços da Biotecnologia 1 2 ÍNDICE AS IDÉIAS E OS AVANÇOS DA BIOTECNOLOGIA PÁG. 5 BENEFÍCIOS DA BIOTECNOLOGIA PARA OS ALIMENTOS PÁG. 7 BENEFÍCIOS DA BIOTECNOLOGIA AO MEIO AMBIENTE PÁG.

Leia mais

As políticas e prioridades para a Eficiência Energética e para as Energias Renováveis em Portugal Isabel Soares Diretora de Serviços

As políticas e prioridades para a Eficiência Energética e para as Energias Renováveis em Portugal Isabel Soares Diretora de Serviços As políticas e prioridades para a Eficiência Energética e para as Energias Renováveis em Portugal Isabel Soares Diretora de Serviços Lisboa, 15 de julho de 2016 Ordem dos Engenheiros Oportunidades de Financiamento

Leia mais

ECONOMIA TEXANA. Se o Texas fosse uma nação, seria a 13 a maior economia mundial. Produto Interno Bruto (PIB) 2013

ECONOMIA TEXANA. Se o Texas fosse uma nação, seria a 13 a maior economia mundial. Produto Interno Bruto (PIB) 2013 PORQUE O TEXAS? PORQUE O TEXAS? WHY TEXAS? ECONOMIA TEXANA Rank Nação Milhões de US$ 1 Estados Unidos* 16,244,600 2 China 8,227,103 3 Japão 5,959,718 4 Alemanha 3,428,131 5 França 2,612,878 6 Reino Unido

Leia mais

Esse futuro é hoje com a mobilidade elétrica.

Esse futuro é hoje com a mobilidade elétrica. Imagine um futuro para a sua empresa, em que as deslocações são feitas de forma inovadora, económica, sem emissões e totalmente adequada às suas necessidades. Esse futuro é hoje com a mobilidade elétrica.

Leia mais

Globalização e Internacionalização. Prof. Doutora Maria José Sousa

Globalização e Internacionalização. Prof. Doutora Maria José Sousa Globalização e Internacionalização 1 Prof. Doutora Maria José Sousa Globalização A globalização é um processo de interação e integração entre as pessoas, empresas e governos de diferentes nações. Processo

Leia mais

Um Programa de Eólica para o Brasil

Um Programa de Eólica para o Brasil Energias renováveis: potencial, limitações e relevância no atual cenário de mudanças climáticas Um Programa de Eólica para o Brasil Lauro Fiuza Jr. Adão Linhares Muniz ABEEólica Navio Arctic Sunrise -

Leia mais

Mesa Redonda sobre Energia Eólica

Mesa Redonda sobre Energia Eólica Mesa Redonda sobre Energia Eólica Informação de Enquadramento 10 de Fevereiro de 2010 Tópicos para apresentação Produção e consumo de electricidade em Portugal Produção em regime especial Produção eólica

Leia mais

Albufeira 10 de Maio de 2013

Albufeira 10 de Maio de 2013 Zona Industrial da Feiteirinha - Aljezur Paulo Oliveira Albufeira 10 de Maio de 2013 ZIF - Zona Industrial da Feiteirinha Gestor de Processos de Investimento Localização de armazéns no interior da zona

Leia mais

Principais Conceitos A competitividade das regiões deve fundar-se nas respetivas características e ativos existentes no seu território, concentrando r

Principais Conceitos A competitividade das regiões deve fundar-se nas respetivas características e ativos existentes no seu território, concentrando r Estratégia Regional de Especialização Inteligente Ateliê de AMBIENTE & RECURSOS NATURAIS Évora, 19 de Março de 2014 Principais Conceitos A competitividade das regiões deve fundar-se nas respetivas características

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU CURSO DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA II Exercícios - nº 1 2000/01 I - Escolha a resposta correcta (ou mais correcta) para cada uma das seguintes questões:

Leia mais

As águas: Hidrosfera & Bacias Hidrográficas Cap. 07 (página 142)

As águas: Hidrosfera & Bacias Hidrográficas Cap. 07 (página 142) As águas: Hidrosfera & Bacias Hidrográficas Cap. 07 (página 142) Disciplina: Geografia Professora: Ana Maria Bandeira Turma: 1º ano, tarde As Águas da Terra Toda água presente planeta Terra compõe a Hidrosfera

Leia mais

SAÚDE, EQUIPAMENTO MÉDICO E HOSPITAR. AEP - Associação Empresarial de Portugal

SAÚDE, EQUIPAMENTO MÉDICO E HOSPITAR. AEP - Associação Empresarial de Portugal SAÚDE, EQUIPAMENTO MÉDICO E HOSPITAR AEP - Associação Empresarial de Portugal Direcção de Serviços às Empresas - Internacionalização e Promoção Externa FEIRA MEDICAL EXPO CASABLANCA MARROCOS 13 A 16 DE

Leia mais

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique

Desenvolvimento Industrial em. Moçambique. African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique República de Moçambique African Iron&Steel Conference, de 23 de Juhno de 2015, Hotel Avenida, Maputo, Moçambique Direcção Nacional da Industria Desenvolvimento Industrial em Moçambique Eng. Mateus Matusse

Leia mais

Projetos PPEC Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (2014-2015)

Projetos PPEC Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (2014-2015) Projetos PPEC Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (2014-2015) Projetos em que a ENA está envolvida Projeto GESTÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM PME s CONHECER & AGIR ECOBOMBEIROS MASTERWATT

Leia mais

Bolsas de Estudos da Fundación Iberdrola. Convocatória para estudos de Pós-Graduação em Energia e Meio Ambiente na Espanha 2014

Bolsas de Estudos da Fundación Iberdrola. Convocatória para estudos de Pós-Graduação em Energia e Meio Ambiente na Espanha 2014 Bolsas de Estudos da Fundación Iberdrola Convocatória para estudos de Pós-Graduação em Energia e Meio Ambiente na Espanha 2014 Índice 1 A Iberdrola 2 Iberdrola no Brasil 3 A Fundación Iberdrola 4 O Programa

Leia mais

SOBRE O PAPEL DO GOVERNO NO MERCADO DE ALIMENTOS BÁSICOS PANORAMA BASEADO EM PESQUISA RECENTE E IMPLICAÇÕES PARA MOÇAMBIQUE

SOBRE O PAPEL DO GOVERNO NO MERCADO DE ALIMENTOS BÁSICOS PANORAMA BASEADO EM PESQUISA RECENTE E IMPLICAÇÕES PARA MOÇAMBIQUE SOBRE O PAPEL DO GOVERNO NO MERCADO DE ALIMENTOS BÁSICOS PANORAMA BASEADO EM PESQUISA RECENTE E IMPLICAÇÕES PARA MOÇAMBIQUE Emilio Tostão e David Tschirley UEM e MSU Apresentado no Instituto de Investigação

Leia mais

Atmosfera Terrestre. Aerossóis de origem natural: Tempestades de poeira

Atmosfera Terrestre. Aerossóis de origem natural: Tempestades de poeira Atmosfera Terrestre Aerossóis de origem natural: Tempestades de poeira Atmosfera Terrestre Aerossóis de origem natural: Terpenos emitidos pelas florestas (VOCs Volatile Organic Compounds) Atmosfera Terrestre

Leia mais

PRÊMIO GLP DE INOVAÇAO E TECNOLOGIA 2012. PROJETO: Utilização de Gás LP em Churrasqueiras. CATEGORIA: Aplicações do Gás LP

PRÊMIO GLP DE INOVAÇAO E TECNOLOGIA 2012. PROJETO: Utilização de Gás LP em Churrasqueiras. CATEGORIA: Aplicações do Gás LP PRÊMIO GLP DE INOVAÇAO E TECNOLOGIA 2012 PROJETO: Utilização de Gás LP em Churrasqueiras CATEGORIA: Aplicações do Gás LP AUTOR(ES): Comitê de Inovação da Fogás 1. Breve Histórico 2. Problemas e oportunidades

Leia mais

2ºs anos Material de apoio Geografia

2ºs anos Material de apoio Geografia 2ºs anos Material de apoio Geografia Renováveis Não renováveis HIDRELÉTRICAS As usinas hidrelétricas (ou hidroelétricas) são sistemas que transformam a energia contida na correnteza dos rios, em

Leia mais

Ganha o Brasil, ganha o Ceará, ganham todos os cearenses!

Ganha o Brasil, ganha o Ceará, ganham todos os cearenses! Ganha o Brasil, ganha o Ceará, ganham todos os cearenses! O P A Refinaria Premium do Ceará é um compromisso firmado há alguns anos pelo Governo Federal com o Ceará. Chegou a hora de exigirmos que a Refinaria

Leia mais

SOBRE O PAPEL DO GOVERNO NO MERCADO DE ALIMENTOS BÁSICOS PANORAMA BASEADO EM PESQUISA RECENTE E IMPLICAÇÕES PARA MOÇAMBIQUE

SOBRE O PAPEL DO GOVERNO NO MERCADO DE ALIMENTOS BÁSICOS PANORAMA BASEADO EM PESQUISA RECENTE E IMPLICAÇÕES PARA MOÇAMBIQUE SOBRE O PAPEL DO GOVERNO NO MERCADO DE ALIMENTOS BÁSICOS PANORAMA BASEADO EM PESQUISA RECENTE E IMPLICAÇÕES PARA MOÇAMBIQUE Emilio Tostão e David Tschirley UEM e MSU Apresentado no Conselho Técnico do

Leia mais

Renováveis- Grande e Pequena Hídrica. Carlos Matias Ramos

Renováveis- Grande e Pequena Hídrica. Carlos Matias Ramos Renováveis- Grande e Pequena Hídrica Carlos Matias Ramos Lisboa, 3 de Março de 2009 Ilusão da Abundância Existe o sentimento de que os bens essenciais - água e energia eléctrica -são recursos disponíveis

Leia mais

BNDES. Financiamento de Infra-estrutura Roberto Timotheo da Costa BUENOS AIRES, 15 DE ABRIL DE 2004. www.bndes.gov.br 1

BNDES. Financiamento de Infra-estrutura Roberto Timotheo da Costa BUENOS AIRES, 15 DE ABRIL DE 2004. www.bndes.gov.br 1 BNDES Financiamento de Infra-estrutura Roberto Timotheo da Costa BUENOS AIRES, 15 DE ABRIL DE 2004 www.bndes.gov.br 1 INVESTIR EM INFRA-ESTRUTURA, PARA QUE? Para melhorar a atual infra-estrutura nacional,

Leia mais

A Matriz de Transporte e o Denvolvimento Sustentável Alfred Szwarc

A Matriz de Transporte e o Denvolvimento Sustentável Alfred Szwarc A Matriz de Transporte e o Denvolvimento Sustentável Alfred Szwarc VII Encontro de Logística e Transporte São Paulo, 21 de maio 2012 Transporte Sustentável Deve atender as necessidades de mobilidade da

Leia mais

COPA ORGÂNICA E SUSTENTÁVEL Copa FIFA 2014 Brasil

COPA ORGÂNICA E SUSTENTÁVEL Copa FIFA 2014 Brasil COPA ORGÂNICA E SUSTENTÁVEL Copa FIFA 2014 Brasil BRASIL - UM PAÍS DIFERENCIADO Megadiversidade ambiental e social Reconhecido como país estratégico no cenário global Sequência de mega eventos com visibilidade

Leia mais

Sistemas Inteligentes de Transportes

Sistemas Inteligentes de Transportes Sistemas Inteligentes de Transportes IST/ Licenciaturas em Engª Civil & Território - Mestrado em Transportes - Gestão de Tráfego Rodoviário 1 Principais tipos de contributos operacionais (I) Observação

Leia mais

Gestão de energia: 2008/2009

Gestão de energia: 2008/2009 Gestão de energia: 2008/2009 Aula # T06 Preços da energia - electricidade Prof. Miguel Águas miguel.aguas@ist.utl.pt Objectivos da aula RESUMO TEMAS NÃO AGENDADOS MATÉRIA DA AULA: Preços da energia eléctrica

Leia mais

2 O Mercado de Gás Natural

2 O Mercado de Gás Natural 2 O Mercado de Gás Natural 2.1 Reservas e Oferta de Gás Natural Em 2004, as reservas provadas de gás natural ficaram em torno de 326,1 bilhões m³, um aumento de 32,9% em relação a 2003, e serão expandidas,

Leia mais

DESAFIOS DA EXTENSÃO RURAL NA NOVA MATRIZ ENERGÉTICA

DESAFIOS DA EXTENSÃO RURAL NA NOVA MATRIZ ENERGÉTICA DESAFIOS DA EXTENSÃO RURAL NA NOVA MATRIZ ENERGÉTICA 2º Fórum Brasileiro sobre Energias Renováveis veis Biocombustíveis Belo Horizonte Outubro 2007 O QUE É EXTENSÃO RURAL É um instrumento de política pública

Leia mais

PRIO: Introdução de Biodiesel em Portugal. AGENEAL - Convento dos Capuchos, Caparica, Almada 16 de Novembro de 2007

PRIO: Introdução de Biodiesel em Portugal. AGENEAL - Convento dos Capuchos, Caparica, Almada 16 de Novembro de 2007 PRIO: Introdução de Biodiesel em Portugal AGENEAL - Convento dos Capuchos, Caparica, Almada 16 de Novembro de 2007 AGENDA 1 PRIO 2 Biodiesel 3 Vantagens do Biodiesel 4 Introdução de Biodiesel em Frotas

Leia mais

Efeito Estufa. Tópicos: Para reflexão:

Efeito Estufa. Tópicos: Para reflexão: Efeito Estufa Tópicos: O que é efeito estufa? Por que a preocupação com o efeito estufa? Quais são os principais gases de efeito estufa? Para reflexão: Por que existe uma preocupação tão grande com relação

Leia mais

Planificação Anual de Ciências Naturais 8ºano

Planificação Anual de Ciências Naturais 8ºano Planificação Anual de Ciências Naturais 8ºano Colégio Teresiano 2011*2012 COMPETÊNCIAS GERAIS A DESENVOLVER: (1) Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para

Leia mais