CONFERÊNCIA EUROPEIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONFERÊNCIA EUROPEIA"

Transcrição

1

2

3 CONFERÊNCIA EUROPEIA CONSTRUIR A COESÃO SOCIAL (Comunicações) BUILDING UP SOCIAL COHESION (Proceedings) Fundação Calouste Gulbenkian Auditório 2 27 de Abril de 2009 Conferência organizada pelo Conselho Económico e Social Conselho da Europa Em colaboração com Comité Económico e Social Europeu Comissão Europeia Fundação Calouste Gulbenkian Lisboa, 2009

4 Editor: Conselho Económico e Social Rua João Bastos n.º Lisboa Telefone: Fax: Internet: Revisor: Centro de Documentação e Informação do CES Impressão e Acabamento: António Coelho Dias, S.A. Tiragem: 300 exemplares Depósito Legal n.º /09 ISBN:

5 NOTA DE APRESENTAÇÃO FORWARD

6

7 CONFERÊNCIA EUROPEIA CONSTRUIR A COESÃO SOCIAL VII NOTA DE APRESENTAÇÃO O presente volume reúne as comunicações apresentadas na Conferência Europeia sobre Construir a Coesão Social que teve lugar em Lisboa, a 27 de Abril de 2009, na Fundação Calouste Gulbenkian. A conferência foi uma iniciativa do Conselho Económico e Social, em parceria com o Conselho da Europa (Estrasburgo), e contou com a colaboração do Comité Económico e Social Europeu (Bruxelas), da Comissão Europeia (Bruxelas) e da Fundação Calouste Gulbenkian (Lisboa). O principal objectivo do encontro foi o de debater alguns aspectos relevantes da coesão social, com base no relatório produzido no âmbito do Conselho da Europa, pelo Grupo de Trabalho de Alto Nível sobre a Coesão Social no século XXI. A noção de coesão social não é totalmente nova. A expressão vem sendo utilizada pelo discurso político nos últimos tempos. Porém, mais de forma avulsa e pontual, do que de modo a traduzir uma reflexão sistemática sobre o tema. A Europa tem revelado sensibilidade para alguns dos principais factores de fragmentação da sociedade, quer latentes, quer manifestos, para os quais se tem proposto soluções. Esta abordagem sectorial é importante, mas não dispensa uma reflexão aprofundada sobre a coesão na sua globalidade e em aspectos estruturais que, pela sua natureza transversal, não chegam a ser habitualmente considerados. Foi o reforço desta última perspectiva que constituiu o objectivo desta Conferência. Como se sabe, o Conselho da Europa é, sem dúvida, a organização internacional que mais sistematicamente se vem dedicando ao tema da coesão. Importa salientar que, no entendimento dos textos do Conselho da Europa, o termo social não se limita ao que correntemente se designa por políticas sociais. O que está em causa é a coesão da sociedade em todas as suas dimensões, designadamente nas que encerram riscos potenciais ou reais de fragmentação social. Ao publicar as comunicações da Conferência, o Conselho Económico e Social pretende contribuir para que o tema da sociedade coesa venha a merecer um lugar de destaque na agenda política do país e, desejavelmente, da Europa. Alfredo Bruto da Costa Presidente Conselho Económico e Social

8

9 EUROPEAN CONFERENCE BUILDING UP SOCIAL COHESON IX FOREWARD The present volume compiles the proceedings of the European Conference on Building Up Social Cohesion, that took place in Lisbon, on the 27th April 2009, at the Calouste Gulbenkian Foundation. The Conference was the initiative of the Portuguese Economic and Social Council, in partnership with the Council of Europe (Strasbourg), and the collaboration of the European Economic and Social Committee (Brussels), the European Commission (Brussels) and the Calouste Gulbenkian Foundation (Lisbon). The main aim of the Conference was to debate several relevant aspects of social cohesion, taking as the background paper the Report produced by a High Level Task Force of the Council of Europe on Social Cohesion in the 21st century, Towards an Active, fair and Socially Cohesive Europe. The notion of social cohesion is not totally new. The term has been used by the current political discourse. However, most frequently in a dispersed way that does not reflect a systematic and comprehensive thought on the subject. Europe has shown some sensitivity towards the main factors of social fragmentation, both latent as well as manifest, and has sought solutions to the corresponding problems. This sectoral approach is no doubt important, but it does not substitute a deep reflection on cohesion in its overall aspects, which are structural in nature and cut across the various individual social problems. The Conference aimed at emphasising the relevance of the latter approach. The Council of Europe is, undoubtedly, the international organization that has more systematically given attention to social cohesion. It should be stressed that, in the understanding of the Council of Europe, the term social when applied to social cohesion is not limited to what is currently understood as social policies. What is at stake is the cohesion of the society as a whole, in all its dimensions, namely those that contain potential or real risks of social fragmentation and unrest. With this edition, the Portuguese Economic and Social Council aims at contributing towards giving the theme of a cohesive society the place that it deserves in the national and European political agenda. Alfredo Bruto da Costa President Portuguese Economic and Social Council

10

11 ÍNDICE CONTENTS

12 XII CONFERÊNCIA EUROPEIA CONSTRUIR A COESÃO SOCIAL ÍNDICE/CONTENTS Nota de Apresentação/ Foreword Alfredo Bruto da Costa...VII Sessão de Abertura/Opening Session Emílio Rui Vilar...:...3 Alfredo Bruto da Costa...5 Alexander Vladychenko...9 Jérôme Vignon...13 Mario Sepi...15 Jorge Sampaio...17 Comunicação/Keynote Speach Social cohesion in the 21st century...25 Jørgen Søndergaard Painel 1 Factores de Coesão Social/Panel 1 Factors of Social Cohesion Eduardo Marçal Grilo...33 L Apport des Droits de l Homme à la Cohésion Sociale...35 Françoise Tulkens Participação e diálogo civil e político...43 João Salgueiro Diálogo social hoje...53 João Proença

13 ÍNDICE/CONTENTS XIII Sessão de Abertura da Tarde/Afternoon Opening Session Reforçar a coesão social durante e depois da crise...77 Mário Soares Painel 2 Principais Desafios da Coesão Social/Panel 2 Main Challenges to Social Cohesion Principais desafios da coesão social...83 Francisco van Zeller Organização do trabalho, família e sociedade...85 Manuel Carvalho da Silva Migrações e coesão social...91 Roberto Carneiro Coesão territorial (Nacional e Europeia) Maria João Silveira Botelho Sessão de Conclusões/Conclusions Session Guilherme d Oliveira Martins Apresentação das conclusões Isabel Guerra Sessão de Encerramento/Closing Session José António Vieira da Silva Anexo/Annex Programa da conferência/ Conference programme Curricula vitae...137

14

15 SESSÃO DE ABERTURA OPENING SESSION

16

17 SESSÃO DE ABERTURA 3 COMUNICAÇÃO Emílio Rui Vilar Presidente da Fundação Calouste Gulbenkian 1. Em nome do Conselho de Administração e no meu próprio gostaria de vos dar as boas- -vindas à Fundação Calouste Gulbenkian. Ao acolher iniciativas como esta Conferência sobre Coesão Social, organizada pelo Conselho Económico e Social, a Fundação está também a cumprir uma das suas missões que consiste em assumir-se como um centro de reflexão esclarecida sobre as grandes questões que afectam a nossa sociedade. A parceria que o Conselho Económico e Social estabeleceu com o Conselho da Europa, bem como a colaboração com o Comité Económico e Social Europeu e com a Comissão Europeia, colocam neste mesmo auditório os principais actores regionais europeus com responsabilidades e competências ao nível da coesão social europeia, o que constitui uma garantia da relevância desta iniciativa. Gostaria, por isso, de felicitar pessoalmente o Professor Alfredo Bruto da Costa pelo cuidado com que desenhou o alinhamento desta conferência, que espero venha a beneficiar da ressonância que merece junto das autoridades, agentes sociais e da opinião pública. 2. Um dos elementos centrais da Estratégia Revista para a Coesão Social do Conselho da Europa consiste na ideia da responsabilidade partilhada entre o sector público e o sector privado, assimilando-se desta forma a profunda mutação do papel do Estado nas sociedades actuais. De acordo com este documento, esta alteração apela ao diálogo e ao envolvimento de novos parceiros sociais na construção da coesão social na Europa, segundo o seu conceito transversal que incorpora diferentes dimensões, não apenas sociais, mas igualmente económicas, políticas e culturais. O mais recente Programa de Acção constante do relatório do Grupo de Trabalho de Alto Nível sobre a Coesão Social no século XXI, que irá ser objecto de debate ao longo do dia de hoje, mantendo que a coesão social constitui uma das tarefas primordiais dos Estados Nação, reforça igualmente o imperativo de aumentar o sentido de responsabilidade social entre todos os actores envolvidos, incluindo necessariamente a sociedade civil e as suas organizações, numa perspectiva simultaneamente local e global. 3. No universo que me é mais próximo, o das fundações, posso afirmar que esta noção de responsabilidades partilhadas, não só é activamente incorporada na nossa intervenção como constituiu uma das premissas da nossa actividade, para o que contribuem as nossas características genéticas e institucionais. Por um lado, tratando-se de organizações que emergem da própria sociedade civil para a prossecução de finalidades de interesse social, as fundações constituem em si mesmas um exercício

18 4 EMÍLIO RUI VILAR de cidadania responsável, um factor indispensável para a construção de sociedades mais coesas. Por outro lado, esta matriz constitutiva acompanha as nossas actividades em todos os momentos, moldando as nossas características institucionais que tornam as fundações particularmente aptas para a intermediação entre diferentes actores que a coesão social reclama. Muito brevemente, permito-me, por isso, referir os atributos institucionais das fundações que lhes dão vantagem comparativa e, em contrapartida, acrescida responsabilidade a este nível: a independência dos diferentes ciclos económicos, mediáticos ou políticos; a capacidade de assunção de riscos e de mobilização de recursos de origens diversas; uma actuação orientada para o impacto e o longo prazo; e, finalmente, a proximidade das pessoas e dos problemas. As actuais circunstâncias, com agravamento da situação económica e com graves reflexos sociais, conduzem a que a actuação das fundações seja ainda mais necessária. Daí iniciativas como a que lançámos recentemente, País Solidário, procurando conjugar contributos vários da sociedade civil para responder a necessidades e carências de famílias que não beneficiam dos esquemas de protecção social públicos ou em que estes se revelam insuficientes. 4. Gostaria de concluir reafirmando que o movimento fundacional europeu está preparado para desempenhar as funções que entende como suas ao nível da contribuição para a coesão social na Europa. Temos a experiência, os recursos, as pessoas, a motivação e o método. Confiamos que os restantes actores sociais saibam igualmente honrar o compromisso que todos temos com as gerações futuras de tornar a Europa uma região mais justa, inclusiva, participativa e coesa. Formulo votos de um bom debate.

19 SESSÃO DE ABERTURA 5 COMUNICAÇÃO Alfredo Bruto da Costa Presidente do Conselho Económico e Social Senhor Dr. Jorge Sampaio Senhor Presidente da Fundação Calouste Gulbenkian Senhor Director-Geral da Coesão Social, do Conselho da Europa Senhor Director da Protecção Social e Inclusão Social, da Comissão Europeia Senhoras e Senhores Conselheiros do Conselho Económico e Social Senhoras e Senhores É com o maior prazer que damos início a esta Conferência europeia sobre Construir a Coesão Social que o Conselho Económico e Social entendeu promover. Tenho dois tipos de razões para que assim seja. A primeira está na relevância do tema em si: os países europeus e a Europa como um todo apresentam sinais claros de serem sociedades fragmentadas, estruturalmente fragmentadas. São sinais com os quais essas sociedades têm convivido, porque são normalmente silenciosos, relativamente pacíficos, com ressurgimentos esporádicos, que embora por vezes graves, não chegam a criar um clima permanente de instabilidade e insegurança. Neste sentido, para a generalidade das pessoas e autoridades, as sociedades são tidas por coesas, e a própria construção europeia é porventura lida como um processo coeso. Todavia, estamos bem dentro do século XXI, quase no fim da sua primeira década, e é forçoso que olhemos para o mundo e a Europa em que vivemos com um olhar mais atento. Veremos, então, sobretudo depois de a crise mundial se ter tornado manifesta para se tornar preocupante, que a coesão social não poderá continuar a ser uma referência ocasional do discurso político. Terá, antes, de merecer um lugar de relevo e permanente na agenda política dos países, da Europa, e do mundo. Creio que a pouca importância que se tem dado à coesão social resulta em parte de a olharmos a partir das clivagens sociais. É uma perspectiva necessária. Porém, ao concentrarmo-nos nos problemas sociais que denunciam a falta de coesão, a referência fica centrada nesses problemas e não na coesão. Adoptar-se-ão políticas específicas para atenuar aqueles problemas, talvez no pressuposto de que a coesão será a resultante automática das políticas sectoriais, como se algum fio invisível (já que a mão invisível está desacreditada) as justapusesse numa manta de retalhos a que se daria o nome de coesão.

20 6 ALFREDO BRUTO DA COSTA É outra a perspectiva desta Conferência. Queremos olhar a coesão como objectivo em si, entendido na sua natureza e nas exigências que traz nas suas diversas dimensões. Queremos olhá-la sobretudo nas componentes em que não é habitual ser abordada: componentes transversais, que, precisamente por serem transversais, correm o risco de passarem despercebidas ou de serem subestimadas. Analisaremos, antes do mais, o papel dos direitos humanos. Até mesmo os direitos civis e políticos, que são aqueles a que as culturas europeias estão mais sensibilizadas, têm de ser aprofundados, designadamente no sentido de reconhecer que cada tipo de direito só é real (a liberdade, por exemplo) quando estão asseguradas as condições económicas e sociais necessárias ao seu exercício condições que têm relação estreita com os direitos económicos, sociais e culturais, área em que, como sabemos, o atraso é manifesto, e o progresso necessário, quer no âmbito do Conselho da Europa, quer no da União Europeia. Trata-se, no fundo de um problema de cidadania. A participação e o diálogo constituem outro eixo fundamental na construção da coesão, quer na sua expressão cívica ou civil, quer nos domínios social e político. A organização do trabalho, em si própria e na sua relação com a família e a sociedade é outra das grandes áreas de reflexão e mudança. Uma área que tem estado totalmente subjugada às exigências da actividade económica, como se o ser humano fosse fundamentalmente, se não exclusivamente, homo economicus e homo faber, no sentido mais estreito destes termos. Também se relaciona com este tema o vasto problema das migrações. Problema que reclama cada vez mais o reconhecimento de algum tipo de cidadania mundial, conceito que vimos construindo demasiado lentamente, com prejuízo, por vezes grave, para todas as partes. Por último, uma referência à coesão territorial. Também esta é uma perspectiva transversal, com a particularidade de que a fragmentação reveste aqui duas expressões distintas: exclusão das pessoas e das famílias, por um lado, mas também exclusão do próprio território. São zonas excluídas do progresso, zonas urbanas ou suburbanas, regiões inteiras ou países dentro de um contexto mais vasto, europeu ou mundial. Como disse, a coesão que aqui nos ocupa tem carácter estrutural. Não se trata, portanto, do que é específico em resultado da crise mundial, embora certamente a crise tenha agudizado a situação nalguns aspectos. Daí que interesse reflectir sobre o problema quer durante quer depois da crise. A segunda razão pela qual expresso satisfação está em termos conseguido dar a esta Conferência um carácter europeu. O Conselho da Europa é um dos organismos internacionais que mais reflexão tem sobre a coesão social, nesta perspectiva abrangente, e o relatório produzido pelo High Level Task Force reflecte bem essa preocupação. Agradeço a pronta abertura do Conselho da Europa, através da Direcção Geral da Coesão Social e da Direcção-Geral dos Direitos Humanos, para ser nosso parceiro na realização desta Conferência. Ao Director-Geral da Coesão Social, Alexander Vladychenko, agradeço também o empenho que pôs em estar aqui presente pessoalmente.

21 SESSÃO DE ABERTURA 7 Agradeço também a presença da Juíza Françoise Tulkens, do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, do Conselho da Europa, bem como a do Vice-Presidente do HLTF atrás referido, Jørgen Søndergaard, que irá fazer a primeira comunicação da Conferência. A outra organização que quis associar-se na realização desta Conferência foi o Comité Económico e Social Europeu, através do seu presidente Mario Sepi, que infelizmente teve de cancelar a sua vinda mas enviou uma vídeo-mensagem que iremos apresentar. Agradeço ao nosso Conselheiro Carlos Pereira Martins o trabalho que teve em servir de elemento de ligação entre o CES e o CESE na fase inicial deste processo. Também temos entre nós um representante da Comissão Europeia, Jérôme Vignon, Director da Protecção Social e Inclusão Social, da Direcção-Geral do Emprego, Assuntos Sociais e Igualdade de Oportunidades. Uma palavra de agradecimento e muita estima à Fundação Calouste Gulbenkian, na pessoa do seu presidente Emílio Rui Vilar, pela cedência das suas diversas instalações e sua presença nesta sessão. Agradeço muito sinceramente a todos quantos aceitaram o nosso convite para colaborarem neste evento, quer na mesa quer na plateia, quer nos bastidores. Entre estes, uma palavra especial de agradecimento aos colaboradores e colaboradoras permanentes do CES, de modo particular à Renata Mesquita, que coordenou os trabalhos de organização da Conferência. Senhoras e senhores Como é sabido, o bom êxito de iniciativas como esta depende de todos. Na qualidade de presidente do Conselho Económico e Social coloco elevadas e justificadas expectativas no bom êxito desta Conferência.

22

23 SESSÃO DE ABERTURA 9 STATEMENT BY Alexander Vladychenko Director-General of Social Cohesion, Council of Europe President Sampaio President Bruto da Costa Ladies and gentlemen The background document distributed for our conference says that the notion of social cohesion is not new. I do agree with this. Anyhow, the well established definition of social cohesion is still missing. Even the Council of Europe managed to reach an agreement on this definition only in So, what does it mean for us? As understood by the Council of Europe, social cohesion is the capacity of a society to ensure the welfare of all its members, minimising disparities and avoiding polarisation. A cohesive society is a mutually supportive community of free individuals pursuing these common goals by democratic means. Social cohesion is not a legal instrument, which can be defended in courts. It is the political concept that highlights the strong and systematic relationship between the core values of the Council of Europe: human rights, democracy and the rule of law. Social cohesion is thus an essential condition for democratic security and sustainable development, since divided and unequal societies are not only unjust, but also cannot guarantee stability in the long term. Social rights, social security, public health and other social issues are central to the Council of Europe s work and were therefore included in the Organisation s activities almost from the very beginning. We continue to help set this agenda for the European continent! It was with the drafting of the Social Cohesion Strategy in 2000, that the Council of Europe began to concentrate on social cohesion as such. The Strategy is now regularly up-dated in the light of societal developments and changing priorities. At their Warsaw Summit in 2005, the Council of Europe Heads of State and Government decided to establish a High Level Task Force (HLTF) with the task of providing the Organisation with a vision of social cohesion in the 21 st century. The HLTF prepared a report titled Towards an active, fair and socially cohesive Europe. The report was delivered in December 2007 and will be presented today in detail to you by the Vice Chair of the HLTF, Mr. Jørgen Søndergaard.

24 10 ALEXANDER VLADYCHENKO Ladies and gentlemen, The Council of Europe puts a unique and mutually reinforcing set of structures, bodies, instruments and activities at the member States disposal, which aim at transforming social cohesion from a concept to a reality. Governments are requested to make a major commitment to invest into social rights. The European Social Charter is a Council of Europe legal instrument, which has not only set out social and economic rights and freedoms, but through a system of country reports makes sure governments continue to respect their commitment. The Social Charter is complemented by other legal instruments, such as the European Code for Social Security, which define minimum standards for social protection, an issue which seemed to have been achieved in Europe. Sadly, these instruments gain new relevance in the context of the global economic crisis and its social consequences, as the question of social protection becomes more important again in Europe. However, social cohesion is not the exclusive domain of public authorities. It is crucial to share responsibilities. Authorities on national, regional and local level need to incorporate social cohesion and sustainability concerns into economic decision-making processes. At the same time they should encourage and empower citizens to act responsibly, not only with regard to their civic rights and duties, but also in their employment, consumption and other life style choices. In developing social responsibilities there is room, too, for the social partners and NGOs for enterprises and the media. Indeed, everyone is concerned because social cohesion is for all of us. Individuals as well as institutions have to be aware of the social changes that affect and transform human, family, labour and local community relations in Europe. In order to promote a meaningful dialogue between public authorities and other partners, the HLTF recommends that a forthcoming meeting of the Council of Europe s Forum for the Future of Democracy should be devoted to a major topic related to social cohesion, such as the interdependence of democracy and social rights, which addresses precisely the issue of interaction between democratic institutions and individuals in the context of shared and social responsibilities. Democracy is a process which only functions if all partners play the game. If citizens feel, rightly or wrongly, that they are increasingly excluded and alienated from democratic decision-making, than this is a development which is contrary to social cohesion and also contrary to the functioning of democracy itself. We have to address it. Ladies and gentlemen, In a democratic society the concept of representation is of a vital importance. For the Council of Europe, those who are at risk of poverty and exclusion have to be enabled to represent themselves first and foremost. The list of those who are at risk is long. I will mention just one group of people which is very much in focus of the Council of Europe. These are people with disabilities. Independently of

25 SESSÃO DE ABERTURA 11 whatever other group they belong to, their human rights and dignity need to be respected and public authorities need to take measures to guarantee equal opportunities, non-discrimination and full citizenship. The Council of Europe Disability Action Plan gives a clear guidance to the 47 member States of our Organisation to how make life of people with disabilities better in practical terms. I am very happy that Portugal is one of those member States of the Council of Europe who is very much in line with our Disability Action Plan. To build a secure future for all is perhaps the biggest challenge, which may sound like a provocation to some. Markets crumble, what looked safe can no longer be guaranteed and people in Europe realise that what they have come to believe since the end of the Second World War, namely that each generation would be a little bit better off than the previous one, is not necessarily true any more. And governments do act they invest billions in order to stabilise the economy and to avoid unimaginable consequences for the majority of the population. This is incredibly important. But making the economy work is not enough. Even providing a good legal framework is not enough. Governments also have to make society work. People need to believe in their future again. Parameters change, and people s preferences and possibilities, indeed their values, change. It will therefore be necessary to radically re-think concepts for interaction between governmental institutions and a variety of civil society and private sector partners, and to develop policy models which favour social mobility and people s active involvement in their own life plans. Social cohesion is a transversal concept, which requires and creates synergies and complemen tarities. The wide range of policies and activities developed and implemented by the Council of Europe proves this point. There is no part of our Organisation which does not have a role to play work on legal solutions to debt-problems, on education for the children of migrants or on developing indicators for social well being, and many more. The recent Conference of Ministers responsible for Social Cohesion (26-27 February, Moscow) asked for a Council of Europe Action Plan on Social Cohesion to be elaborated. This plan should transform the recommendations of the High Level Task Force into specific steps to be implemented by member States according to their needs and priorities. The Action Plan will partly be based on the work carried out previously, in particularly the Social Cohesion Strategy and the High Level Task Force report and relevant legal instruments, and it will take into account the global economic crisis and its social consequences. The Action Plan should be ready at the latest by May 2010 that is in a year. And the Council of Europe would be happy to hold another similar conference in Portugal to present it to the Portuguese as well as to the large European public. Thank you very much.

26

27 SESSÃO DE ABERTURA 13 COMMUNICATION Jérôme Vignon Directeur pour la Protection sociale et l inclusion sociale à la Commission Européenne Monsieur le Président Jorge Sampaio Monsieur le Président de la Fondation Gulbenkian, Emílio Rui Vilar Monsieur le Président du Conseil économique et social du Portugal, Alfredo Bruto da Costa Monsieur le Directeur-Général pour la Cohésion sociale, au Conseil de l Europe, Alexander Vladychenko Chers amis Au nom du Président Barroso et du Commissaire Špidla, je voudrais partager avec vous le sentiment que nous vivons une grande et belle circonstance, en étant réunis ce matin autour du remarquable rapport que le Conseil de l Europe a consacré à la Cohésion sociale. Le moins remarquable n est pas que ce rapport ait été approuvé par les 47 Etats membres du Conseil de l Europe, comme l a souligné Monsieur l Ambassadeur Vladychenko. L Union européenne ne peut que saluer cette manifestation d unité. Elle signale une richesse culturelle commune, une identité sociale commune, large et riche dans le monde global d aujourd hui. Oui, il s agit bien de construire ensemble, comme l a dit le Professeur Alfredo Bruto da Costa, la Cohésion sociale, selon les principes et la définition évolutive qu en a donné la task-force animé par Mary Daly: La Cohésion sociale est la capacité d une société à assurer le bien-être de tous ses membres, en réduisant les disparités et en évitant la marginalisation. Il s agit en outre de mettre l accent sur la capacité de la société à gérer les différences et les diversités et à se donner les moyens d assurer la protection sociale de l ensemble de ses membres. A cette construction commune, l Union européenne peut et doit donner tout le poids de son expérience et de son projet que je résumerai en trois points: - Dès le milieu des années 70, alors que le Portugal entrait dans la liberté et la démocratie, l UE a promu l objectif d une société inclusive comme une société où les pouvoirs publics s astreignent à lutter contre la pauvreté et à assurer la participation de tous à la vie commune. On retrouve ce principe de participation dans le rapport du Conseil de l Europe. - Dès 1992, notamment à la suite de l adhésion du Portugal et de l Espagne à l Union européenne en 1986, l Union européenne a inscrit dans son Traité un titre complet consacré à la Cohésion économique et sociale. Cette politique commune a été dotée de moyens

28 14 JÉRÔME VIGNON budgétaires important grâce au triplement en quelques années du montant des Fonds structurels au point qu ils représentent aujourd hui plus de 40 milliards d Euros par an. Ces fonds expriment la solidarité entre Etat et Régions, riches et pauvres et sont assignés à des objectifs concrets de développement économique et social. L adjonction du qualificatif économique à la Cohésion sociale illustre la volonté de Jacques Delors, à l époque, de toujours associer les forces économiques du marché et les forces sociales de la cohésion. - Enfin le projet de Cohésion sociale, tel que porté par l Union européenne, se veut holistique, intégrant les multiples facettes des acteurs et des actions qui concourent à la cohésion. Pour la première fois, cette dimension d intégration sera clairement explicitée par le prochain Traité de Lisbonne, dont nous espérons la pleine ratification en 2009: il s agit là aussi d une préconisation du Rapport du Conseil de l Europe. L Union européenne se réjouit donc de l impulsion politique majeure que le Conseil de l Europe va donner désormais à la perspective de la Cohésion sociale. Le signal mondial ainsi donné par l autorité morale et culturelle du Conseil de l Europe revêt une valeur irremplaçable, dans un moment où les grandes régions du monde sont en recherche pour leur propre compte, d une forme d humanisation de la mondialisation. La proximité entre le rapport du Conseil de l Europe et les principes d action de l Union Européenne devrait ouvrir la voie à de nouvelles synergies en particulier dans les relations entre l Union européenne et son voisinage, comme avec son grand partenaire qu est la Russie: la Cohésion sociale peut devenir un fédérateur concret de leurs interactions. Mais réciproquement, le Conseil de l Europe peut bien compter sur l Union européenne comme sur un moteur actif de la Cohésion sociale.

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

assumptions of that particular strengthening the participation of families and local communities in the strategic direction of schools, not taking

assumptions of that particular strengthening the participation of families and local communities in the strategic direction of schools, not taking Agradecimentos A dissertação do Mestrado que adiante se apresenta resulta na concretização de um projecto que me parecia difícil mas não impossível de alcançar. Foram meses seguidos de trabalho de investigação,

Leia mais

Integração de Imigrantes

Integração de Imigrantes Integração de Imigrantes ODEMIRA INTEGRA It is a project born from the need to improve and increase support measures, reception and integration of immigrants. 47% of immigrants registered in the district

Leia mais

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM.

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS Prova-modelo Instruções Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. A prova é avaliada em 20 valores (200 pontos). A prova é composta

Leia mais

Guião M. Descrição das actividades

Guião M. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Inovação Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO Guião M Intervenientes

Leia mais

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores Tese de Mestrado em Gestão Integrada de Qualidade, Ambiente e Segurança Carlos Fernando Lopes Gomes INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Fevereiro

Leia mais

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

Workshop (Lisboa) Atmosfera M 20 de Outubro de 2015

Workshop (Lisboa) Atmosfera M 20 de Outubro de 2015 Workshop (Lisboa) Atmosfera M 20 de Outubro de 2015 Fórum Não Governamental para a Inclusão Social Pertinência e objectivo O Fórum Não Governamental para a Inclusão Social (FNGIS) é uma entidade representativa

Leia mais

Descrição das actividades

Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Em Acção Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos Guião D 1.º MOMENTO Intervenientes

Leia mais

PROJECTO REDE EM PRÁTICA

PROJECTO REDE EM PRÁTICA PROJECTO REDE EM PRÁTICA O Programa Rede Social no Contexto Europeu e o Futuro da Política de Coesão Janeiro 2012 O Programa Rede Social no Contexto Europeu e o Futuro da Política de Coesão 1. O Programa

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

Searching for Employees Precisa-se de Empregados

Searching for Employees Precisa-se de Empregados ALIENS BAR 1 Searching for Employees Precisa-se de Empregados We need someone who can prepare drinks and cocktails for Aliens travelling from all the places in our Gallaxy. Necessitamos de alguém que possa

Leia mais

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu

Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu SPEECH/10/21 José Manuel Durão Barroso Presidente da Comissão Europeia Falar a uma só voz: Definir e defender o interesse europeu Sessão plenária do PE: votação do novo Colégio Bruxelas, 9 de Fevereiro

Leia mais

Erasmus Student Work Placement

Erasmus Student Work Placement Erasmus Student Work Placement EMPLOYER INFORMATION Name of organisation Address Post code Country SPORT LISBOA E BENFICA AV. GENERAL NORTON DE MATOS, 1500-313 LISBOA PORTUGAL Telephone 21 721 95 09 Fax

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO NOTICIOSA EM COMUNIDADE ONLINE PARA O SÉNIOR RENATO MIGUEL SILVA COSTA. Departamento de Comunicação e Arte !!!!!!!!!

ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO NOTICIOSA EM COMUNIDADE ONLINE PARA O SÉNIOR RENATO MIGUEL SILVA COSTA. Departamento de Comunicação e Arte !!!!!!!!! Universidade de Aveiro 2012 Departamento de Comunicação e Arte RENATO MIGUEL SILVA COSTA ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO NOTICIOSA EM COMUNIDADE ONLINE PARA O SÉNIOR RENATO MIGUEL SILVA COSTA Universidade de

Leia mais

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them?

GUIÃO A. What about school? What s it like to be there/here? Have you got any foreign friends? How did you get to know them? GUIÃO A Prova construída pelos formandos e validada pelo GAVE, 1/7 Grupo: Chocolate Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas 1º Momento Intervenientes

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho GUIÃO A 1º Momento Intervenientes e Tempos Descrição das actividades Good morning / afternoon / evening, A and B. For about three minutes, I would like

Leia mais

A Institucionalização da Pessoa Idosa

A Institucionalização da Pessoa Idosa UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências Sociais e Humanas A Institucionalização da Pessoa Idosa Ana Paula Leite Pereira de Carvalho Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Empreendedorismo e Serviço

Leia mais

PRESS RELEASE. Mecanismos fiscais aos Business Angels sucedem-se um pouco por todo o mundo

PRESS RELEASE. Mecanismos fiscais aos Business Angels sucedem-se um pouco por todo o mundo PRESS RELEASE 8 de Dezembro de 2009 Mecanismos fiscais aos Business Angels sucedem-se um pouco por todo o mundo FNABA representou Portugal, em Pequim (China), na First Global Conference da World Business

Leia mais

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração

Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração Organização Sete de Setembro de Cultura e Ensino - LTDA Faculdade Sete de Setembro FASETE Bacharelado em Administração VICTOR HUGO SANTANA ARAÚJO ANÁLISE DAS FORÇAS DE PORTER NUMA EMPRESA DO RAMO FARMACÊUTICO:

Leia mais

Igualdade entre homens e mulheres: o caminho percorrido

Igualdade entre homens e mulheres: o caminho percorrido Maria Regina Tavares da Silva Presidente da Comissão da Condição Feminina/Comissão para a Igualdade de Direitos das Mulheres (1986-1992) Igualdade entre homens e mulheres: o caminho percorrido 215 Partindo

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. A Reputação e a Responsabilidade Social na BP Portugal: A importância da Comunicação. Por. Ana Margarida Nisa Vintém

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. A Reputação e a Responsabilidade Social na BP Portugal: A importância da Comunicação. Por. Ana Margarida Nisa Vintém UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA A Reputação e a Responsabilidade Social na BP Portugal: A importância da Comunicação Relatório de estágio apresentado à Universidade Católica Portuguesa para obtenção do

Leia mais

Visitor, is this is very important contact with you. WATH DO WE HERE?

Visitor, is this is very important contact with you. WATH DO WE HERE? Visitor, is this is very important contact with you. I m Gilberto Martins Loureiro, Piraí s Senior Age Council President, Rio de Janeiro State, Brazil. Our city have 26.600 habitants we have 3.458 senior

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

Interface between IP limitations and contracts

Interface between IP limitations and contracts Interface between IP limitations and contracts Global Congress on Intellectual Property and the Public Interest Copyright Exceptions Workshop December 16, 9-12:30 Denis Borges Barbosa The issue Clause

Leia mais

A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA?

A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA? A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA? 29.Nov.2013 Financiamento Sector público é a principal fonte de financiamento de cuidados de saúde. Apenas EUA e México apresentam menos de 50% de financiamento

Leia mais

Bárbara Rodrigues da Silva 3ALEN, 2015

Bárbara Rodrigues da Silva 3ALEN, 2015 Pets reality There are about 30 millions abandoned pets only in Brazil. Among these amount, about 10 millions are cats and the other 20 are dogs, according to WHO (World Health Organization). In large

Leia mais

Cultural Identity of Young Volunteers Differences and understanding Empowering People. Volunteer Profile Questionnaire

Cultural Identity of Young Volunteers Differences and understanding Empowering People. Volunteer Profile Questionnaire Volunteer Profile Questionnaire 1 Índice 1 VOLUNTEER PROFILE QUESTIONNAIRE... 1.1 Country... 1. AGE... 1. GENDER... 1..1 GENDER vs... 1. Qualification... 1..1 QUALIFICATION GREECE VS PORTUGAL... 1. Are

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA Coimbra, May 2013. Carlos Souza & Cristina Silva

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA Coimbra, May 2013. Carlos Souza & Cristina Silva ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA Coimbra, May 2013 Carlos Souza & Cristina Silva Population: 10,6 million. According to INE (National Institute of Statistics) it is estimated that more than 2 million

Leia mais

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo With the support of the European Commission and the Belgian Presidency of the European Union Porquê Enterprise 2020? Os desafios económicos, sociais e

Leia mais

Português 207 Portuguese for Business

Português 207 Portuguese for Business Português 207 Portuguese for Business Spring 2012: Porugal and the EU Instructor: Jared Hendrickson Office: 1149 Van Hise Office Hours: Monday and Thursday, 11:00 am-12:00 pm e-mail: jwhendrickso@wisc.edu

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 75/2013

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 75/2013 PASSO A PASSO DO DYNO Ao final desse passo a passo você terá o texto quase todo traduzido. Passo 1 Marque no texto as palavras abaixo. (decore essas palavras, pois elas aparecem com muita frequência nos

Leia mais

The Brazil United States Consumer Product Safety Conference Brazil United States Joint Press Statement June 10, 2011 Rio de Janeiro, Brazil Common Interests Ensuring a high level of consumer product safety

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS Mestrado em Ciências da Documentação e da Informação Variante de Arquivo A EXTERNALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE ARQUIVO GESTÃO E CUSTÓDIA DE DOCUMENTOS CONTRIBUTO PARA

Leia mais

INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS

INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS INFORMATION SECURITY IN ORGANIZATIONS Ana Helena da Silva, MCI12017 Cristiana Coelho, MCI12013 2 SUMMARY 1. Introduction 2. The importance of IT in Organizations 3. Principles of Security 4. Information

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

CARLA ALEXANDRA SEVES DE ANDRADE CANOTILHO

CARLA ALEXANDRA SEVES DE ANDRADE CANOTILHO Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico da Guarda R E L AT Ó R I O D E AT I V I D A D E P R O F I S S I O N A L N A J. V A R G A S - G A B I N E T E T É C N I C O D E G E S T Ã O E

Leia mais

Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos

Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos 15 de Novembro de 2011 Tax Alert Conceito de tributação efectiva de lucros distribuídos For additional information, please contact: António Neves antonio.neves@pt.ey.com Carlos Lobo carlos.lobo@pt.ey.com

Leia mais

Children s Rights in Norway Os direitos da Criança em Noruega

Children s Rights in Norway Os direitos da Criança em Noruega Children s Rights in Norway Os direitos da Criança em Noruega By Njal Hoestmaelingen, Human Rights Seminar Overview uma panorâmica Norms - Normas International - Internacionais Domestic - Domésticas Implementation

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática São Paulo 2010 JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

Leia mais

Novos Economistas 2012 Saídas Profissionais em Tempo de Crise. - Carlos Paz Professor Associado ISG -

Novos Economistas 2012 Saídas Profissionais em Tempo de Crise. - Carlos Paz Professor Associado ISG - Novos Economistas 2012 Saídas Profissionais em Tempo de Crise - Carlos Paz Professor Associado ISG - Agenda Introdução O Tempo de Crise Debate sobre saídas profissionais Conclusões 2 Accenture Accenture:

Leia mais

Teoria Económica Clássica e Neoclássica

Teoria Económica Clássica e Neoclássica Teoria Económica Clássica e Neoclássica Nuno Martins Universidade dos Açores Jornadas de Estatística Regional 29 de Novembro, Angra do Heroísmo, Portugal Definição de ciência económica Teoria clássica:

Leia mais

Online Collaborative Learning Design

Online Collaborative Learning Design "Online Collaborative Learning Design" Course to be offered by Charlotte N. Lani Gunawardena, Ph.D. Regents Professor University of New Mexico, Albuquerque, New Mexico, USA July 7- August 14, 2014 Course

Leia mais

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio

Inglês. Guião. Teste Intermédio de Inglês. Parte IV Interação oral em pares. Teste Intermédio Teste Intermédio de Inglês Parte IV Interação oral em pares Teste Intermédio Inglês Guião Duração do Teste: 10 a 15 minutos De 25.02.2013 a 10.04.2013 9.º Ano de Escolaridade D TI de Inglês Página 1/ 7

Leia mais

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos?

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Apresentação do Debate Nacional Sobre a Educação Assembleia da República, 22 de Maio de 2006 Júlio Pedrosa de Jesus, Presidente do Conselho Nacional de

Leia mais

TRABALHO DIGNO EMPREGOS VERDES Amílcar Ramos. 16 Junho de 2011

TRABALHO DIGNO EMPREGOS VERDES Amílcar Ramos. 16 Junho de 2011 TRABALHO DIGNO EMPREGOS VERDES Amílcar Ramos 16 Junho de 2011 CGTP-IN 1 Grandes pontos a abordar 1.Conceito e pilares da sustentabilidade 2.Responsabilidades das empresas / Gestores 3.Qualidade do trabalho

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS UMA VANTAGEM COMPETITIVA COM A TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS AMANDA ZADRES DANIELA LILIANE ELIANE NUNES ELISANGELA MENDES Guarulhos

Leia mais

Sistemas de certificação da qualidade nas instituições de respostas sociais

Sistemas de certificação da qualidade nas instituições de respostas sociais Sistemas de certificação da qualidade nas instituições de respostas sociais 1 Sistemas de certificação da qualidade nas instituições de respostas sociais Susana Lucas susana.lucas@estbarreiro.ips.pt Instituto

Leia mais

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio Advisory Human Capital & Tax Services Family Business Pensar a Família, Pensar o Negócio Realidade das Empresas Familiares Na PricewaterhouseCoopers há muito que reconhecemos nas empresas familiares um

Leia mais

Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental. Parent Academy Digital Citizenship. At Elementary Level

Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental. Parent Academy Digital Citizenship. At Elementary Level Parent Academy Digital Citizenship At Elementary Level Treinamento para Pais Cidadania digital No Nível Fundamental Pan American School of Bahia March 18 and 29, 2016 Digital Citizenship Modules Cyberbullying

Leia mais

Project Management Activities

Project Management Activities Id Name Duração Início Término Predecessoras 1 Project Management Activities 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 2 Plan the Project 36 dias Sex 05/10/12 Sex 23/11/12 3 Define the work 15 dias Sex 05/10/12

Leia mais

CARTA DE RECOMENDAÇÃO E PRINCÍPIOS DO FORUM EMPRESARIAL RIO+20 PARA A UNCSD-2012

CARTA DE RECOMENDAÇÃO E PRINCÍPIOS DO FORUM EMPRESARIAL RIO+20 PARA A UNCSD-2012 CARTA DE RECOMENDAÇÃO E PRINCÍPIOS DO FORUM EMPRESARIAL RIO+20 PARA A UNCSD-2012 (CHARTER OF RECOMMENDATION AND PRINCIPLES OF FORUM EMPRESARIAL RIO+20 TO UNCSD-2012) Nós, membros participantes do FÓRUM

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino por ocasião da Cerimónia de Abertura do Diálogo Estratégico sobre as Tecnologias da Informação e

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Renata Céli Moreira da Silva Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

ANO I Abertura Opening Os primeiros movimentos do jogo Há um ano, três advogados vindos de renomados escritórios de advocacia, onde exerciam funções de destaque, se reuniram em torno de uma idéia:

Leia mais

Os Parceiros Sociais têm desempenhado uma verdadeira missão de serviço público, a qual, nem sempre, tem sido devidamente reconhecida pelos Governos.

Os Parceiros Sociais têm desempenhado uma verdadeira missão de serviço público, a qual, nem sempre, tem sido devidamente reconhecida pelos Governos. High Level Conference - A New Start for Social Dialogue (5.março.2015, Bruxelas) Workshop B: Strengthening industrial relations and capacity building at national level Começo por felicitar a iniciativa

Leia mais

Catalogue des nouvelles acquisitions

Catalogue des nouvelles acquisitions Bulletin Bibliographique Edition Nº 03 Bissau, 18/06/2013 CID Centre d Information et Documentation Nations Unies, Guine-Bissau www.gw.one.un.org www.cidnubissau.net Catalogue des nouvelles acquisitions

Leia mais

Eventos Internacional

Eventos Internacional Eventos Internacional Site Inspection Novembro 2014 Apoio Elisabete Sorrentino, Cintia Hayashi Evento: ESOMAR Latin American Conference Entidade Apoiada: World Association of Research Professionals -ESOMAR-

Leia mais

A Importância da Informação Contabilística e do Relato Financeiro

A Importância da Informação Contabilística e do Relato Financeiro A Importância da Informação Contabilística e do Relato Financeiro Pedro Silva Ferreira Diretor do Departamento de Contabilidade e Controlo do Banco de Portugal 7 outubro 0 Lisboa XIII Conferência sobre

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Gabinete do Secretário de Estado do Trabalho e Formação

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Gabinete do Secretário de Estado do Trabalho e Formação INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TRABALHO E FORMAÇÃO NO CONGRESSO DO ANO INTERNACIONAL DOS VOLUNTÁRIOS Senhora Presidente da Comissão Nacional para o Ano Internacional do Voluntariado, Senhor

Leia mais

Educação Vocacional e Técnica nos Estados Unidos. Érica Amorim Simon Schwartzman IETS

Educação Vocacional e Técnica nos Estados Unidos. Érica Amorim Simon Schwartzman IETS Educação Vocacional e Técnica nos Estados Unidos Érica Amorim Simon Schwartzman IETS Os principais modelos Modelo europeu tradicional: diferenciação no secundário entre vertentes acadêmicas e técnico-profissionais

Leia mais

MARLI DA COSTA RAMOS SCATRALHE FAMÍLIA E ESCOLA: DOIS SISTEMAS INTERDEPENDENTES NA COMPREENSÃO DOS SIGNIFICADOS NO PROCESSO ESCOLAR DO FILHO/ALUNO

MARLI DA COSTA RAMOS SCATRALHE FAMÍLIA E ESCOLA: DOIS SISTEMAS INTERDEPENDENTES NA COMPREENSÃO DOS SIGNIFICADOS NO PROCESSO ESCOLAR DO FILHO/ALUNO MARLI DA COSTA RAMOS SCATRALHE FAMÍLIA E ESCOLA: DOIS SISTEMAS INTERDEPENDENTES NA COMPREENSÃO DOS SIGNIFICADOS NO PROCESSO ESCOLAR DO FILHO/ALUNO CENTRO UNIVERSITÁRIO FIEO Osasco 2009 MARLI DA COSTA RAMOS

Leia mais

Governação Novo Código e Exigências da Função Auditoria

Governação Novo Código e Exigências da Função Auditoria Novo Código e Exigências da Função Auditoria Fórum de Auditoria Interna - IPAI 19 de Junho de 2014 Direito societário e auditoria interna fontes legais 1. CSC artigo 420,º, n.º 1, i) - fiscalizar a eficácia

Leia mais

POLÍTICA PÚBLICA DE APOIO A ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL: CONCEPÇÕES E DIRETRIZES DOS PROGRAMAS E AÇÕES DO GOVERNO NOS ANOS RECENTES

POLÍTICA PÚBLICA DE APOIO A ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL: CONCEPÇÕES E DIRETRIZES DOS PROGRAMAS E AÇÕES DO GOVERNO NOS ANOS RECENTES POLÍTICA PÚBLICA DE APOIO A ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL: CONCEPÇÕES E DIRETRIZES DOS PROGRAMAS E AÇÕES DO GOVERNO NOS ANOS RECENTES Autor (a): Sabrina Carla A. da Silva Departamento de Economia - UFRN

Leia mais

Administração e Sustentabilidade

Administração e Sustentabilidade Administração e Sustentabilidade Prof. André Pereira de Carvalho andre.carvalho@fgv.br POI/ FGV-EAESP www.fgv.br/eaesp Centro de Estudos em Sustentabilidade (Gvces) www.fgv.br/ces Dilema: Falso dilema?

Leia mais

SEGURANÇA DE INFRAESTRUTURAS CRÍTICAS NA PERSPETIVA DA RESILIÊNCIA E CONTINUIDADE DE NEGÓCIO

SEGURANÇA DE INFRAESTRUTURAS CRÍTICAS NA PERSPETIVA DA RESILIÊNCIA E CONTINUIDADE DE NEGÓCIO SEGURANÇA DE INFRAESTRUTURAS CRÍTICAS NA PERSPETIVA DA RESILIÊNCIA E CONTINUIDADE DE NEGÓCIO Cristina Alberto KPMG Advisory Consultores de Gestão, SA Agenda 1. Riscos Globais do Século XXI 2. Proteção

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO APRENDER CIDADANIA COM A DISCIPINA DE HISTÓRIA: 3 PERCURSOS NO CONCELHO DE ODEMIRA Rita Santos Agudo do Amaral Rêgo MESTRADO EM EDUCAÇÃO

Leia mais

European Institute of Lisbon Law University/ Instituto Europeu da Faculdade de Direito de Lisboa

European Institute of Lisbon Law University/ Instituto Europeu da Faculdade de Direito de Lisboa European Institute of Lisbon Law University/ Instituto Europeu da Faculdade de Direito de Lisboa Economic Financial and Tax Law Institute of Lisbon Law University/Instituto de Direito Económico Financeiro

Leia mais

OS DESAFIOS ECONÓMICOS E SOCIAIS E A ESTRATÉGIA DE LISBOA

OS DESAFIOS ECONÓMICOS E SOCIAIS E A ESTRATÉGIA DE LISBOA OS DESAFIOS ECONÓMICOS E SOCIAIS E A ESTRATÉGIA DE LISBOA Assembleia da República, 30 de Maio de 2007 José A. Silva Peneda 1. Os Desafios do Futuro da Europa é a designação que serve de pano de fundo a

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS INCLUSIVAS NO SECTOR PÚBLICO E PRIVADO UM ESTUDO DE CASO EM DUAS ESCOLAS DO 1.º CICLO, DO CONCELHO DE SINTRA

CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS INCLUSIVAS NO SECTOR PÚBLICO E PRIVADO UM ESTUDO DE CASO EM DUAS ESCOLAS DO 1.º CICLO, DO CONCELHO DE SINTRA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS INCLUSIVAS NO SECTOR PÚBLICO E PRIVADO UM ESTUDO DE CASO EM DUAS ESCOLAS DO 1.º CICLO, DO CONCELHO DE SINTRA

Leia mais

ACEF/1112/02477 Decisão de apresentação de pronúncia

ACEF/1112/02477 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1112/02477 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1112/02477 Decisão de apresentação de pronúncia Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da Comissão de Avaliação Externa 1. Tendo recebido

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO DO RECIFE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO DO RECIFE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO DO RECIFE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MEDIAÇÃO, ARBITRAGEM E INDISPONIBILIDADE DE DIREITOS Aplicação da Lei nº 9.307/96:

Leia mais

Hipótese das Palavras-Marca

Hipótese das Palavras-Marca Extracção de Recursos de Tradução com base na Alberto Manuel Brandão Simões ambs@di.uminho.pt Orientação José João Almeida Simpósio Doutoral da Linguateca 2007b definição Em (Green, 1979) é definida a

Leia mais

Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014. 1.º Momento. 4 (A), are you a health-conscious person?

Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014. 1.º Momento. 4 (A), are you a health-conscious person? Prova Oral de Inglês Duração da Prova: 20 a 25 minutos 2013/2014 GUIÃO A Disciplina: Inglês, Nível de Continuação 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho 1.º Momento Intervenientes e Tempos

Leia mais

Governancia da Água. Contributo de Portugal e da PPA para o Plano Estratégico de Implementação da Parceria Europeia para a Inovação no Domínio da Água

Governancia da Água. Contributo de Portugal e da PPA para o Plano Estratégico de Implementação da Parceria Europeia para a Inovação no Domínio da Água A Água e o Programa Horizonte 2020 (8ºPQ) Contributo de Portugal e da PPA para o Plano Estratégico de Implementação da Parceria Europeia para a Inovação no Domínio da Água Governancia da Água Francisco

Leia mais

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt.

NORMAS PARA AUTORES. As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. NORMAS PARA AUTORES As normas a seguir descritas não dispensam a leitura do Regulamento da Revista Portuguesa de Marketing, disponível em www.rpm.pt. COPYRIGHT Um artigo submetido à Revista Portuguesa

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Mestrado em Empreendedorismo e Serviço Social Titulo da Dissertação: PROGRIDE: foco de inovação social? Um estado de caso em três projectos PROGRIDE Mestranda: Vera Alexandra

Leia mais

Políticas Públicas e Desemprego Jovem

Políticas Públicas e Desemprego Jovem UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências Sociais e Humanas Políticas Públicas e Desemprego Jovem Bruno José da Cruz Vilas Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Ciência Política (2º ciclo de estudos)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO CURSO DE MESTRADO EM DIREITO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO CURSO DE MESTRADO EM DIREITO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO CURSO DE MESTRADO EM DIREITO HUMBERTO ANTÔNIO BARBOSA LIMA A BOA-FÉ OBJETIVA NA CONCESSÃO DOS INCENTIVOS FISCAIS. NATAL/RN

Leia mais

Proposta de Parceria. European BEST Engineering Competition, Portugal, 2015

Proposta de Parceria. European BEST Engineering Competition, Portugal, 2015 Proposta de Parceria European BEST Engineering Competition, Portugal, 2015 Índice Projeto EBEC 3 EBEC Portugal 9 Propostas 11 BEST 21 European BEST Engineering Competition Portugal 2015 2 Projeto EBEC

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

DPI. Núcleo de Apoio ao Desenvolvimento de Projetos e Internacionalização Project Development And Internationalization Support Office

DPI. Núcleo de Apoio ao Desenvolvimento de Projetos e Internacionalização Project Development And Internationalization Support Office DPI Núcleo de Apoio ao Desenvolvimento de Projetos e Internacionalização Project Development And Internationalization Support Office Apresentação/Presentation Criado em 1 de março de 2011, o Núcleo de

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2012 Boa noite, A todos os Portugueses desejo um Bom Ano Novo, feito de paz e de esperança. O ano que

Leia mais

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional Intervenção do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional

Leia mais

Enterprise Europe - Portugal

Enterprise Europe - Portugal Enterprise Europe - Portugal Oportunidades de Cooperação Internacional Agência de Inovação Bibiana Dantas Lisboa, 5-Jun-2012 Enterprise Europe Portugal Jun 2012 2 A União Europeia é um mercado de oportunidades!

Leia mais

A Contabilidade Instrumento chave da gestão das finanças públicas. Apresentação no Dia da contabilidade

A Contabilidade Instrumento chave da gestão das finanças públicas. Apresentação no Dia da contabilidade A Contabilidade Instrumento chave da gestão das finanças públicas Teodora Cardoso Apresentação no Dia da contabilidade Universidade do Minho, 4 Abril 2014 The current budget system is broken: it consumes

Leia mais

DIMINUIÇÃO DO ISOLAMENTO PEDAGÓGICO DO FORMADOR

DIMINUIÇÃO DO ISOLAMENTO PEDAGÓGICO DO FORMADOR DINA MARIA DELGADO LOURO DIMINUIÇÃO DO ISOLAMENTO PEDAGÓGICO DO FORMADOR Dissertação apresentada para a obtenção do grau de Mestre em Ciências de Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica

Leia mais

Cerimónia de Entrega do CERR no Instituto de Seguros de Portugal

Cerimónia de Entrega do CERR no Instituto de Seguros de Portugal The future debate on occupational pensions in continental Europe will no longer solely depend on the economic efficiency values of these pensions but on their role in social protection model Yves Stevens,

Leia mais

A eficiência do signo empresarial e as estratégias de legitimação do campo do design

A eficiência do signo empresarial e as estratégias de legitimação do campo do design Marcelo Vianna Lacerda de Almeida A eficiência do signo empresarial e as estratégias de legitimação do campo do design Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Design

Leia mais

cátedra calouste gulbenkian de Saúde Global

cátedra calouste gulbenkian de Saúde Global cátedra calouste gulbenkian de Saúde Global 2013 O que é a Saúde Global? Saúde Global é uma nova disciplina que visa a melhoria da saúde das populações e a luta pela equidade em saúde a nível mundial.

Leia mais

make a decision ANÁLISE EXEMPLO decide/choose

make a decision ANÁLISE EXEMPLO decide/choose make a decision decide/choose A expressão make a decision significa tomar uma decisão. O verbo make é utilizado aqui porque a decisão não existe ainda, ou seja, não é algo que será executado, mas sim algo

Leia mais

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento?

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento? SEMINÁRIO INTERNACIONAL REPENSAR O DESENVOLVIMENTO REINVENTAR A COOPERAÇÃO ENQUADRAMENTO : Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Lisboa, 19 de novembro de 2015 Iremos lembrar

Leia mais

UAb Session on Institutional Change Students and Teachers. Lina Morgado

UAb Session on Institutional Change Students and Teachers. Lina Morgado UAb Session on Institutional Change Students and Teachers Lina Morgado Lina Morgado l SUMMARY 1 1. Pedagogical Model : Innovation Change 2. The context of teachers training program at UAb.pt 3. The teachers

Leia mais